LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA"

Transcrição

1 LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo: Professor:...Data:... Objetivo: Considerações gerais A parte experimental está organizada nas seguintes etapas: - identificação dos componentes e equipamentos, onde o aluno deverá reconhecer todos os aparelhos e componentes que serão utilizados na experiência; - caracterização dos resistores, bobinas e capacitores, onde será obtida a impedância complexa de cada um dos bipolos; - cálculo das potências reativa e aparente absorvidas por cada bipolo; - cálculo da admitância, condutância e susceptância de cada bipolo; - associação série-paralelo de resistor, bobinas e capacitores, onde serão estudados o fluxo de potência reativa em um circuito e a correção do fator de potência; - familiarização com o osciloscópio e análise da forma de onda das tensões, onde a amplitude das tensões trifásicas poderá ser medida diretamente na tela do osciloscópio, bem como a defasagem entre essas tensões; - visualização da defasagem entre tensão e corrente nos circuitos RL série e RC série. Nota importante: Nos próximos itens os resultados experimentais deverão ser lançados nas tabelas correspondentes. Preencha somente as células das tabelas que tiverem fundo branco. As células com fundo cinza destinam-se ao lançamento dos resultados indiretos da experiência, que deverão ser obtidos através de cálculos posteriores que não precisam ser realizados no laboratório. No relatório deverão constar também as respostas a todas as questões do item 9 (Questões básicas). 2 - Identificação dos componentes e equipamentos Inicialmente, identifique os elementos que serão utilizados na experiência: - painel de tensões; - reostato; - bobinas; - capacitores; - voltímetro; - amperímetro; - multímetro; - wattímetro; 1

2 - VARIAC; - osciloscópio e resistor auxiliar de pequena resistência para análise de sinais de corrente; - transformador isolador; os quais serão discutidos brevemente a seguir. Painel de tensões A Figura 1 apresenta um esquema do painel do laboratório, de onde serão tomadas todas as tensões a serem utilizadas na experiência. O terminal identificado pela letra N corresponde ao terminal neutro do sistema trifásico de tensões. No caso do laboratório, o terminal neutro está solidamente aterrado (potencial nulo em relação à terra). Os terminais identificados pelas letras A, B e C correspondem às fases do sistema trifásico (terminais vivos). As tensões V AN, V BN e V CN são denominadas tensões de fase, têm valor eficaz igual a 127 V e estão defasadas entre si de 120 no tempo (a freqüência do sistema é 60 Hz). As tensões V AB, V BC e V CA são denominadas tensões de linha, têm valor eficaz igual a 220 V e também estão defasadas entre si de 120 no tempo. Os demais terminais do painel (que não possuem identificação) não serão utilizados nesta experiência. A B N C Figura 1 - Painel de tensões do laboratório Importante: Identifique a chave de comando do painel. Em qualquer situação de emergência, a primeira ação a ser tomada deverá ser desenergizar o painel de tensões através da abertura da chave de comando. Reostato, bobinas e capacitores O reostato, as bobinas e os capacitores possuem somente dois terminais acessíveis, os quais são intercambiáveis (isto é, estes componentes não têm polaridade definida pelo fabricante). O reostato é simplesmente um resistor cuja resistência pode ser variada, através de um cursor, desde zero até seu valor máximo nominal. Observe a conexão dos capacitores e comprove que, graças à ligação especial dos dois primeiros capacitores, é possível variar a capacitância de 5 em 5 µf, embora cada capacitor seja de 10 µf. Em tudo quanto se segue, o reostato, as bobinas e os capacitores serão identificados pelas letras R, L e C, respectivamente. 2

3 Voltímetro, amperímetro e multímetro O voltímetro e o amperímetro permitem medir o valor eficaz de tensões e correntes alternativas, respectivamente. Ambos aparelhos possuem dois ou mais terminais externos. No caso de possuir mais de dois terminais, isto significa que várias escalas de medição estão disponíveis no aparelho. Identifique todas as escalas disponíveis, notando a existência de um terminal comum a todas elas. Lembre que o voltímetro deve ser ligado em paralelo com os terminais entre os quais se quer determinar a tensão elétrica; obrigatoriamente um dos terminais do voltímetro deverá ser o terminal comum (nunca meça uma tensão utilizando exclusivamente os demais terminais; o terminal comum deverá ser utilizado sempre). Lembre também que o amperímetro deve ser ligado em série com o trecho de circuito no qual se quer medir a corrente elétrica; obrigatoriamente um dos terminais do amperímetro deverá ser o terminal comum (nunca meça uma corrente utilizando exclusivamente os demais terminais; o terminal comum deverá ser utilizado sempre). Além disso, como a impedância do amperímetro é normalmente muito pequena, nunca coloque o amperímetro em paralelo com uma fonte de tensão sob pena de destruir o aparelho. Professor, eu quis medir a corrente da rede é uma desculpa nada inteligente para um acontecimento deste tipo. O multímetro permite medir, como o próprio nome indica, várias grandezas tais como tensão, corrente e resistência elétrica. Wattímetro O wattímetro permite medir a potência ativa por ele passante; esta potência é o valor médio da potência instantânea passante. Conforme mencionado anteriormente, o wattímetro possui uma bobina de corrente e uma bobina de tensão. No caso do aparelho a ser utilizado na experiência, wattímetro de alicate, a informação da corrente é obtida através de um circuito magnético (alicate) que é sensível à variação temporal do campo magnético produzido pela corrente em um condutor colocado no interior do alicate. A informação da tensão é obtida externamente através de dois cabos auxiliares que conectam os pontos de tensão aos terminais da bobina de tensão do wattímetro. A leitura do wattímetro será negativa se uma das bobinas (tensão ou corrente) não estiver com a polaridade correta; neste caso, inverta a ligação de qualquer uma das duas bobinas. VARIAC O VARIAC é simplesmente um transformador com relação variável entre o número de espiras no enrolamento primário e o número de espiras no enrolamento secundário. Assim, para uma tensão de alimentação fixa (por exemplo 127 V), atuando-se no controle do VARIAC pode-se obter uma tensão de saída variável continuamente entre 0 e 140 V. O VARIAC monofásico possui pelo menos 4 terminais: 2 de entrada e 2 de saída. Para identificar corretamente todos os terminais, consulte as instruções gráficas no chassi do aparelho ou, em sua ausência, consulte o professor responsável. Osciloscópio e resistor auxiliar de pequena resistência Com o osciloscópio é possível medir valores pico a pico de tensões periódicas (o valor pico a pico é o dobro do valor máximo no caso de tensões senoidais), freqüência dos sinais e defasagem entre sinais distintos. Identifique inicialmente o plug de alimentação do osciloscópio, bem como o botão de Liga/Desliga, as pontas de prova e as entradas onde as pontas de prova serão conectadas. As pontas de prova possuem 2 terminais: o terminal principal e o terminal de terra. Os principais aspectos da utilização do osciloscópio serão indicados ao longo do roteiro. Informação mais detalhada sobre a construção e o funcionamento do osciloscópio pode ser encontrada na referência [8]. 3

4 Como o osciloscópio permite analisar somente sinais de tensão, quando se deseja analisar sinais de corrente é necessário transformar previamente os sinais de corrente em sinais de tensão. Para tanto, coloca-se um resistor auxiliar em série com o ramo no qual quer-se analisar a corrente, e extrai-se o sinal da tensão no resistor auxiliar, o qual será proporcional à corrente no ramo. A resistência do resistor auxiliar deve ser suficientemente pequena de forma que ela não interfira no comportamento do resto do circuito. Transformador isolador O transformador isolador é simplesmente um transformador com enrolamentos independentes cuja finalidade é fazer com que os potenciais dos terminais do enrolamento primário sejam independentes dos potenciais dos terminais do enrolamento secundário. Como será visto mais adiante, isto é particularmente importante no caso do osciloscópio, no qual as pontas de prova têm sempre um terminal (terra) solidamente ligado à carcaça do aparelho. A utilização do transformador isolador permite eliminar o risco de ocorrerem curto-circuitos ou choques elétricos. 3 - Caracterização dos resistores, bobinas e capacitores Nesta etapa deverão ser calculadas as impedâncias complexas do reostato, bobinas e capacitores, utilizando o circuito representado na Figura 2. A A W ~ V AB 220 V VARIAC V carga (R, L ou C) B Figura 2 - Circuito para medição de impedância (reostato, bobina ou capacitor) Pela definição de impedância complexa, tem-se: em que: Z V& = = Z I& ϕ, Z = impedância complexa do bipolo em consideração (Ω); V & = fasor associado à tensão senoidal de valor eficaz V; &I = fasor associado à corrente senoidal de valor eficaz I; V Z = I = módulo da impedância (Ω); P ϕ = cos 1 V I = fator de potência do bipolo ou ângulo da impedância complexa; P = potência ativa absorvida pelo bipolo (W). Conclui-se que para a determinação da impedância complexa é necessário medir as grandezas V, I e P. Efetue tais medições nos seguintes casos: (i) reostato na posição de máxima resistência, (ii) duas bobinas ligadas em série, e (iii) dois capacitores de 10 µf ligados em paralelo (Tabelas 1, 2 e 3, respectivamente). Vários valores de tensão são considerados com a finalidade de verificar a linearidade 4

5 (ou não-linearidade) dos bipolos, isto é, a constância (ou não) da relação V/I para diferentes valores de tensão de alimentação. Corrente I (A) Pot. ativa P (W) Módulo Z (Ω) Impedância complexa Forma polar Forma retangular Ângulo ϕ ( ) Resistência R (Ω) Reatância X (Ω) 1 Tabela 1 - Impedância complexa do reostato (posição de máxima resistência) Corrente I (A) Pot. ativa P (W) Módulo Z (Ω) Impedância complexa Forma polar Forma retangular Ângulo ϕ ( ) Resistência R (Ω) Reatância X (Ω) 1 Tabela 2 - Impedância complexa de duas bobinas ligadas em série Corrente I (A) Pot. ativa P (W) Módulo Z (Ω) Impedância complexa Forma polar Forma retangular Ângulo ϕ ( ) Resistência R (Ω) Reatância X (Ω) 1 Tabela 3 - Impedância complexa de dois capacitores de 10 µf ligados em paralelo 5

6 4 - Cálculo das potências reativa e aparente Para cada um dos casos do item precedente (reostato, bobinas e capacitores) determine as potências reativa e aparente absorvidas correspondentes a cada tensão de alimentação, preenchendo as Tabelas 4, 5 e 6. Potência aparente: S = V I 2 2 Potência reativa: Q=± S P (VA); (VAr) (Q > 0 para carga indutiva). Corrente I (A) Pot. ativa P (W) Pot. aparente S (VA) Pot. reativa Q (VAr) 1 Tabela 4 - Potências reativa e aparente para o reostato (posição de máxima resistência) Corrente I (A) Pot. ativa P (W) Pot. aparente S (VA) Pot. reativa Q (VAr) 1 Tabela 5 - Potências reativa e aparente para as bobinas ligadas em série Corrente I (A) Pot. ativa P (W) Pot. aparente S (VA) Pot. reativa Q (VAr) 1 Tabela 6 - Potências reativa e aparente para os capacitores ligados em paralelo 5 - Cálculo da admitância, condutância e susceptância Em regime permanente senoidal define-se admitância, condutância e susceptância de um bipolo da seguinte forma: - admitância: Y = = Z Z = Y ϕ = inverso da impedância complexa, ou: 6

7 Y 1 1 = = Z R+ jx = R jx ( R+ jx)( R jx) = R jx R + X = R R + X X + j R + X ; - condutância: G [ Y] =R = - susceptância: B [ Y] =I = R R + X 2 2 X R + X 2 2 = parte real da admitância; = parte imaginária da admitância; portanto, resulta: Y = G+ jb. A unidade de medida de admitância, condutância e susceptância no Sistema Internacional é o siemens (S). Observação importante: Note que, no caso geral, tem-se G 1 e R B 1. X Com os dados das Tabelas 1, 2 e 3, calcule a admitância dos 3 bipolos e preencha as Tabelas 7, 8 e 9. 1 Admitância complexa Forma polar Forma retangular Módulo Y (S) Ângulo ϕ ( ) Condutância G (S) Susceptância B (S) Tabela 7 - Admitância complexa do reostato (posição de máxima resistência) 1 Admitância complexa Forma polar Forma retangular Módulo Y (S) Ângulo ϕ ( ) Condutância G (S) Susceptância B (S) Tabela 8 - Admitância complexa das bobinas ligadas em série 7

8 1 Admitância complexa Forma polar Forma retangular Módulo Y (S) Ângulo ϕ ( ) Condutância G (S) Susceptância B (S) Tabela 9 - Admitância complexa dos capacitores ligados em paralelo 6 - Associação série-paralelo de reostato, bobinas e capacitores Neste item será estudado o circuito RLC série-paralelo no qual serão considerados diversos valores de capacitância. Execute os passos a seguir: 1. monte o circuito da Figura 3 com todos os capacitores inicialmente desligados; 2. ajuste a tensão de saída do VARIAC em V; 3. ajuste o reostato de forma que a corrente I 2 seja igual a 1 A; 4. preencha a primeira linha da Tabela 10; 5. mediante o fechamento conveniente das chaves dos capacitores, obtenha sucessivamente as capacitâncias indicadas na primeira coluna da Tabela 10. Preencha as linhas da tabela com os valores medidos de corrente e potência. A W A 1 A 3 A 2 R 127 V ~ VARIAC V L C L N Figura 3 - Circuito RLC série-paralelo 8

9 Capacitância Correntes (A) Potência (µf) I 1 I 2 I 3 ativa (W) 0 1,000 1, Tabela 10 - Medições de corrente e potência ativa no circuito RLC série-paralelo 7 - Familiarização com o osciloscópio e análise da forma de onda das tensões A utilização do osciloscópio exige cuidados especiais em termos de segurança, tanto contra choques elétricos como contra curto-circuitos acidentais que podem ocorrer através da carcaça do mesmo. Inicialmente note, Figura 4, que o terminal terra da ponta de prova está diretamente ligado à carcaça metálica do osciloscópio, a qual está, por sua vez, diretamente ligada ao terminal terra da tomada do aparelho. Como no sistema elétrico do laboratório o terminal terra da tomada está ao mesmo potencial do terminal neutro do painel, conclui-se que, com o osciloscópio ligado à rede, o terminal terra da ponta de prova estará no mesmo potencial do terminal neutro do painel. osciloscópio tomada oscil. A painel B C Horiz. N Vert. linha terra Ponta de prova Figura 4 - Ligações do osciloscópio e painel de terminais do laboratório Esta situação exige cuidados especiais com a ponta de prova: se o terminal terra da mesma for ligado a qualquer um dos terminais vivos do painel (fases do sistema trifásico), um curto-circuito se fechará através da carcaça do osciloscópio (a corrente elétrica terá um caminho de baixa impedância entre o 9

10 terminal vivo e o terminal neutro do painel). Portanto, nunca ligue o terminal terra da ponta de prova a nenhum terminal vivo do painel. Para observar a forma de onda das tensões do painel execute os passos a seguir: 1. deixe a chave de comando do painel na posição aberta. Esta chave só será fechada quando todas as conexões tiverem sido completadas; 2. ligue o osciloscópio na rede; 3. ligue cada uma das duas pontas de prova a cada canal do osciloscópio; 4. ligue o terminal terra de ambas pontas de prova ao terminal neutro do painel de tensões; 5. ligue o terminal principal de cada ponta de prova a um dos terminais vivos do painel (A, B ou C); 6. coloque o ajuste SOURCE na posição LINE. Desta forma será utilizada a base de tempos interna do osciloscópio e o eixo horizontal representará a variável tempo; 7. coloque o ajuste TIME/DIV na posição 5 ms/div; 8. coloque o ajuste VERTICAL MODE na posição DUAL (para exibição das duas tensões); 9. coloque o ajuste MODE na posição AUTO; 10. coloque a chave seletora de sinal de ambos canais na posição GND (ground). Desta forma ambos sinais são desabilitados e duas retas deverão aparecer na tela. Utilizando os controles de posição, posicione as retas de forma que elas coincidam com o eixo horizontal da tela. Retorne as chaves seletoras para a posição AC; 11. energize o painel de tensões fechando a chave de comando; 12. ajuste o ganho dos canais 1 e 2 de forma a obter duas senoides na tela. Quando as duas senoides de tensão aparecerem na tela, efetue medições de tensão, período e defasagem, anotando os valores na Tabela 11 e comparando-os com os correspondentes valores de referência. Para medir defasagem utilize os pontos correspondentes à tensão nula (instante em que as senoides cortam o eixo dos tempos). O valor de referência da tensão eficaz de fase (V AN ) deverá também ser medido com o voltímetro. Parâmetro Valor de referência Valor observado Tensão de fase V AN Tensão pico a pico 2 2 V AN = Período da senoide (ms) =, Defasagem entre valores 16, 667 máximos adjacentes (ms) = 5, Tabela 11 - Análise das tensões do painel 8 - Visualização da defasagem entre tensão e corrente nos circuitos RL série e RC série Nesta etapa será analisada a defasagem entre tensão e corrente nos circuitos RL série e RC série, para valores variáveis da resistência R. Monte o circuito RL série representado na Figura 5. Note que um transformador isolador foi colocado agora na saída do painel. Desta forma, os potenciais dos terminais no painel resultam independentes dos potenciais nos demais pontos do circuito. 10

11 painel transformador isolador VARIAC R L L A B C N R aux 127 V Horiz. Vert. osciloscópio Figura 5 - Circuito para análise da defasagem entre tensão e corrente Inicialmente meça com o multímetro e anote a resistência do resistor auxiliar: R aux = Ω Ligue a ponta de prova do canal horizontal do osciloscópio de forma que ela receba o sinal de tensão de alimentação do circuito (terminal principal na entrada do reostato e terminal terra na saída do resistor auxiliar). Ligue a ponta de prova do canal vertical de forma que ela receba o sinal de tensão proporcional à corrente no circuito (terminal principal no ponto comum entre a bobina e o resistor auxiliar e terminal terra na saída do resistor auxiliar). Ajuste a tensão na saída do VARIAC em V e o reostato na posição de resistência zero. Ajuste a base de tempos do osciloscópio no valor 1 ou 2 ms/div e o ganho dos canais verticais de modo que as duas senoides possam ser vistas adequadamente na tela do osciloscópio. Preencha a primeira linha da Tabela 12. Complete a mesma tabela ajustando o reostato nas posições indicadas. Resistência do reostato 0 R max / 2 R max Tensão de entrada (Vpp) Tensão no resistor Corrente no circuito (App) Defasagem entre tensão e corrente auxiliar (Vpp) (ms) ( ) Tabela 12 - Medição dos sinais de tensão e corrente no circuito RL série Com o osciloscópio é possível compor dois sinais senoidais segundo os eixos horizontal e vertical, produzindo dessa forma as denominadas figuras de Lissajous. Para tanto, execute os seguintes passos: 1. coloque o ajuste SOURCE na posição X-Y. Desta forma o eixo horizontal deixará de representar tempo e passará a representar a tensão de entrada no circuito; 2. coloque o ajuste TIME/DIV na posição X-Y; 3. coloque o ajuste VERTICAL MODE na posição X-Y; 11

12 4. coloque a chave seletora de sinal de ambos canais na posição GND (ground). Desta forma, ambos sinais são desabilitados e um ponto deverá aparecer na tela. Utilizando os controles de posição, localize o ponto exatamente no centro da tela do osciloscópio. Retorne as chaves seletoras para a posição AC; 5. ajuste o ganho dos canais 1 e 2 de forma a obter a figura de Lissajous representada na Figura 6 (elipse). b a Figura 6 - Figura de Lissajous Demonstra-se que a defasagem ϕ entre os sinais é dada por: a sinϕ =, b onde a e b estão indicados na Figura 6. Para verificar a validade desta expressão em um caso particular, coloque o mesmo sinal (o sinal de tensão ou o sinal proporcional à corrente) nos canais horizontal e vertical do osciloscópio. Nestas condições, deverá aparecer na tela uma reta com inclinação de 45 (a = 0 e portanto ϕ = 0, ou defasagem nula entre os sinais medidos); 6. varie a resistência do reostato conforme indicado na Tabela 13 e observe as mudanças na elipse. Preencha os demais campos da mesma tabela. Resistência do reostato 0 a b ϕ ( ) cos ϕ R max / 2 R max Tabela 13 - Defasagem entre tensão e corrente no circuito RL série Finalmente, substitua a bobina por um capacitor e repita o procedimento completo, preenchendo as Tabelas 14 e

13 Resistência do reostato 0 R max / 2 R max Tensão de entrada (Vpp) Tensão no resistor Corrente no circuito (App) Defasagem entre tensão e corrente auxiliar (Vpp) (ms) ( ) Tabela 14 - Medição dos sinais de tensão e corrente no circuito RC série Resistência do reostato 0 R max / 2 a b ϕ ( ) cos ϕ R max Tabela 15 - Defasagem entre tensão e corrente no circuito RC série 13

14 9 - Questões básicas 1. Coloque em um gráfico a característica externa [V = f(i)] dos 3 bipolos analisados (Tabelas 1, 2 e 3). Quais bipolos são lineares e quais são não-lineares? Quais são as razões da não-linearidade? 2. A partir da Tabela 3 calcule a capacitância de um capacitor e compare o valor obtido com o correspondente valor nominal. Comente a eventual discrepância entre os dois valores. 3. Para o circuito RLC série-paralelo coloque em um gráfico a curva das correntes I 1, I 2 e I 3 em função do número de capacitores ligados (dados da Tabela 10). a) Por que a curva da corrente I 1 apresenta um mínimo? b) Determinar, a partir do gráfico da corrente I 1, a capacitância para a qual a corrente é mínima e o valor dessa corrente. Compare ambos valores com os valores teóricos esperados que podem ser obtidos a partir dos valores de impedância do resistor e das bobinas. c) Para uma linha qualquer da Tabela 11, verifique se é possível comprovar a primeira Lei de Kirchhoff utilizando as correntes I 1, I 2, e I 3, justificando adequadamente caso isso não seja possível. 4. Compare a defasagem entre tensão e corrente no circuito RL série com R = 0, obtida no ensaio da bobina (Tabela 2), com o valor obtido no osciloscópio (Tabela 14). Explique eventuais discrepâncias. Repita a comparação para o capacitor (Tabelas 3 e 16). 5. Com os dados da Tabela 10 calcule as potências reativa e aparente fornecidas pela rede elétrica e o fator de potência em cada uma das situações estudadas. 6. Um consumidor industrial possui a curva diária de carga representada na Figura 7. Considerando que nos fins-de-semana a demanda cai 60% em todos os períodos do dia, pede-se determinar: a) a energia mensal absorvida pelo consumidor; b) o fator de carga do consumidor; c) o valor da conta mensal de energia elétrica do consumidor considerando tarifa binomial com preços de energia e de demanda máxima iguais a 0,035 R$/kWh e 3,4 R$/kW no mês, respectivamente. P(kW) t (h) Figura 7 - Curva diária de carga 7. Uma carga monofásica alimentada em 380 V, 60 Hz absorve 25 kw com fator de potência 0,8 indutivo. Pede-se determinar o valor do capacitor a ser instalado em paralelo de forma a conduzir o fator de potência aos valores: 0,9 indutivo; 1,0; 0,9 capacitivo. 14

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos

PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS. LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos PROTOCOLOS DAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIOS 1 - Física e circuitos Conteúdo P1 - Erro experimental....3 P2 - Osciloscópio.... 5 P3 - Divisor de tensão. Divisor de corrente.... 13 P4 - Fonte de tensão.

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica

Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica Na disciplina de Eletricidade constatou-se que a análise no tempo de um circuito com condensadores

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Engenharia Ambiental Prof. Marcio Kimpara data: ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 Resistores e Tensão Alternada Senoidal Objetivos: Familiarização com os osciloscópios

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT)

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PEA 400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PERDAS CONSTANTES: p C INDEPENDENTES DA CARGA EFEITO DO CAMPO

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

canal 1 canal 2 t t 2 T

canal 1 canal 2 t t 2 T ircuito L (Prova ) --7 f [khz] L T [s] s canal canal t t T Fig. ircuito usado Tarefas: ) Monte o circuito da figura usando o gerador de funções com sinais harmônicos como força eletromotriz. Use um resistor

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Física e Química A -.º Ano Actividade Prático-Laboratorial AL. Física Assunto: Osciloscópio Questão-problema Perante o aumento da criminalidade tem-se

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA CONHECIENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO E ELETROTÉCNICA 26. Analise o circuito a seguir. Considerando que a lâmpada L foi projetada para funcionar numa rede de 120 V, dissipando 60 W, o valor da resistência Rx,

Leia mais

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 MEDIDOR ELETRÔNICO ELO2106 MANUAL DO USUÁRIO Agosto de 2008 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO... 1-1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1-1 ONDE OBTER MAIS INFORMAÇÕES...

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é:

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é: Questão 1: Dois resistores de 1Ω e 2Ω, conectados em série, são alimentados por uma fonte de tensão contínua de 6V. A tensão sobre o resistor de 2Ω é: a) 15V. b) 2V. c) 4V. d) 5V. e) 55V. Questão 2:A resistência

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CUSO TÉCNICO EM ELETÔNICA PATE IV - Circuito etificador - Fonte de Tensão - Diodo ener - Dobrador de Tensão - Circuitos Limitadores ou Ceifadores - Cargas em corrente alternada - Impedância -

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais

Aula 16. Modelagem de Transformador

Aula 16. Modelagem de Transformador Aula 16 Modelagem de Transformador Modelagem Iremos apresentar o modelo do transformador para uso no cálculo de fluxo de potência em redes de alta tensão. Estes modelos descrevem matematicamente o comportamento

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Osciloscópio didático U8481350 Instruções para o uso 01/08 CW/ALF Entradas: 1 Tensão anódica 2 Tensão catódica 3 Tensão de Wehnelt 4 Tensão de aquecimento (0) 5 Tensão de aquecimento

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS

ANÁLISE DE CIRCUITOS NÁLISE DE CIRCUITOS Corrente Contínua 1 Na figura seguinte representa um voltímetro e um amperímetro. Se indicar 0,6 m, quanto deverá marcar? U 50kΩ Figura 1 2 Se R b = 3R a, qual a tensão entre e B (sabendo

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s).

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s). Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professor: Vinícius Secchin de Melo Sinais Senoidais Os sinais senoidais são utilizados para se representar tensões ou correntes

Leia mais

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório

Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP. Eletrônica Analógica Laboratório Escola SENAI Prof. Dr. Euryclides de Jesus Zerbini Campinas/SP 2002 Eletrônica Analógica Laboratório Eletrônica Analógica Atividades de Laboratório SENAI, Departamento Regional de São Paulo, 2002 Trabalho

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA 1 REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA revisão mar06 1 - Introdução A maioria dos sistemas elétricos de potência é em corrente alternada. As instalações em corrente contínua são raras e tem aplicações

Leia mais

CONCEITOS TEORICOS ESSESNCIAIS

CONCEITOS TEORICOS ESSESNCIAIS EXEÊNCA CCUTOS C SÉE COEÇÃO DO FATO DE OTÊNCA OBJETOS: - Aprender a ler os valores dos capacitores de poliéster e cerâmico; - erificar o comportamento do indutor em corrente alternada; - erificar o comportamento

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

séries JKW5 V5.0 Controlador Automático de Correção do Fator de Potência Manual de Operação

séries JKW5 V5.0 Controlador Automático de Correção do Fator de Potência Manual de Operação séries JKW5 V5.0 Controlador Automático de Correção do Fator de Potência Manual de Operação 1. Geral A série JKW5 de controlador automático de correção do fator de potência é utilizado para comandar automaticamente

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Medidas Elétricas em Alta Frequência Quando o comprimento de

Leia mais

LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS LABORATÓRIOS E PRÁTICAS INTEGRADAS I PRÁTICAS LABORATORIAIS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estas Práticas Laboratoriais consistem na utilização, ensaio ou montagem de algumas das máquinas eléctricas

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS LABORATÓRIO O CONDENSADOR

ANÁLISE DE CIRCUITOS LABORATÓRIO O CONDENSADOR ANÁLISE DE CIRCUITOS LABORATÓRIO O CONDENSADOR Introdução ao uso do Osciloscópio. Ano Lectivo 20 / 20 Curso Grupo Classif. Rubrica Além do estudo do condensador, pretende-se com este trabalho obter uma

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES - ENGENHARIA ELÉTRICA Prof. José Roberto Marques CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES - ENGENHARIA ELÉTRICA Prof. José Roberto Marques CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA Exp. 1 (Simulação) LABORATÓRIO DE SIMULAÇÂO DE FONTES CHAVEADAS O objetivo deste laboratório é simular fontes chaveadas Buck (abaixadora de potencial)

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO 1 DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROTEÇÃO DE SISTEMA AÉREO DE DISTRIBUIÇÃO 2B CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO Durante um curto-circuito, surge uma corrente de elevada intensidade

Leia mais

Experimento 1 Medidas Elétricas

Experimento 1 Medidas Elétricas _ Procedimento 1 Medida de resistência Experimento 1 Medidas Elétricas Código de R teórico R/R teórico R R medida1 R medida2 *Desvio **Desvio cores rel. Desvio * Desvio = ValorMedido ValorTeórico

Leia mais

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC)

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) Circuitos AC (RL/RC/RLC) M-1103A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III 1. OBJETIVOS CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR a) Levantar, em um circuito RC, curvas de tensão no resistor

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

associação de resistores

associação de resistores PARTE I Unidade B 7 capítulo associação seções: 71 Resistor 72 em paralelo 73 mista 74 Curto-circuito antes de estudar o capítulo Veja nesta tabela os temas principais do capítulo e marque um na coluna

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

Título da Experiência

Título da Experiência Título da Experiência 1. Objetivo Copiar o(s) objetivo(s) definido(s) pelo professor no roteiro da experiência. 2. Teoria Apresentar os conceitos teóricos relativos à experiência em questão. O conteúdo

Leia mais

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 10

ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 10 ROTEIRO DE AULA PRÁTICA Nº 10 TÍTULO DA AULA PRÁTICA: A ação da força eletromagnética, o motor elétrico de corrente contínua e o transformador elevador e abaixador de tensão. 1. PRÉ-REQUISITOS O transformador

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES)

ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES) CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: ELETRÔNICA I PROFESSOR: VLADEMIR DE J. S. OLIVEIRA ENCONTRO 3 AMPLIFICADORES EM CASCATA (ESTUDO DOS PRÉ-AMPLIFICADORES) 1. COMPONENTES DA EQUIPE Alunos Nota: Data:

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

Medições de Grandezas Elétricas

Medições de Grandezas Elétricas Medições de randezas Elétricas Prof. omeu Corradi Júnior Algumas definições básicas: - alvanômetro: trata-se de um receptor ativo que se destina à comparação de intensidade de correntes elétricas. É um

Leia mais

4 PARÂMETROS DINÂMICOS

4 PARÂMETROS DINÂMICOS 4 PARÂMETROS DINÂMICOS Nesta experiência iremos medir os parâmetros do amp op que podem prejudicar o desempenho dos circuitos em alta freqüência. Os dois parâmetros Produto Ganho-Largura de Banda GBP (também

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB

CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB CONJUNTO DIDÁTICO PARA ESTUDO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS OPENLAB Este sistema é formado pelos seguintes elementos, compatíveis entre si e especialmente projetados para o estudo de máquinas elétricas. Código

Leia mais

Eletrotécnica TEXTO Nº 6

Eletrotécnica TEXTO Nº 6 Eletrotécnica TEXTO º 6 TRAFORMADORE DE POTÊCIA. ITRODUÇÃO OBJETIO PRICIPAL: Estabelecimento de modelos matemáticos para transformadores de potência monofásicos, de forma a propiciar o cálculo das correntes,

Leia mais

Sistemas trifásicos. Introdução

Sistemas trifásicos. Introdução Sistemas trifásicos Introdução Em circuitos elétricos de potência, a energia elétrica é gerada, transmitida, distribuída e consumida sob a forma e trifásica, Uma das vantagens dos circuitos trifásicos

Leia mais

Casamento de Impedância

Casamento de Impedância Disciplina: Ondas e ropaação Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnolóicas CCT Departamento de Enenharia Elétrica aboratório de Eletromanetismo E-3 Casamento de Impedância O casamento

Leia mais

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA GERADORES ELÉTRICOS OBJETIVOS: a) verificar o funcionamento de um gerador real; b) medir a resistência interna e a corrente de curto-circuito; c) levantar a curva característica de um gerador real. INTRODUÇÃO

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna: Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade

Leia mais

AMPLIFICADOR CLASSE A

AMPLIFICADOR CLASSE A AMPLIFICADOR CLASSE A OBJETIVOS: Verificar experimentalmente o comportamento de um amplificador classe A transistorizado e analisar as formas de onda obtidas na saída em função de um sinal aplicado na

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência

TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 3 Circuitos RLC resposta nos domínios do tempo e da frequência INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 01 ENSAIO DO DISJUNTOR DE BAIXA TENSÃO 1 INTRODUÇÃO Esta aula no laboratório

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Cap. 7 - Medição de Resistências, Capacitâncias e Indutâncias

Cap. 7 - Medição de Resistências, Capacitâncias e Indutâncias Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 7 - Medição de Resistências, Capacitâncias e Indutâncias Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Resistência

Leia mais

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 1. Objetivos: Verificar a lei de Ohm. Determinar a resistência elétrica através dos valores de tensão e corrente. 2. Teoria: No século passado, George Ohm enunciou:

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Monofásico 1.1 Introdução 1.1.1 Motores

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro

MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro MAN 006A-08-12 Uso do Alicate Amperímetro Geração: equipe técnica Metalfrio. Revisão: Alexandre Mendes, Fernando Madalena, Gustavo Brotones e Rafael Atílio. http://treinamento.metalfrio.com.br treinamento@metalfrio.com.br

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 UNIFEI - UNIERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 MEDIDOR DE POTÊNCIA ATIA 1.1. Dispõe-se de um wattímetro para 1500W e 300. A escala tem 150 divisões. Pede-se: a) Corrente nominal do

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Transformadores a seco. Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição

Transformadores a seco. Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição Transformadores a seco Indutores e reatores (chokes) a seco Para aplicações de componentes eletrônicos de potência, transmissão e distribuição 2 Indutores e reatores (chokes) a seco Reatores ABB para requisitos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO CAPÍTULO 1 DIODOS RETIFICADORES INTRODUÇÃO CPÍTULO DIODOS RETIFICDORES O diodo é um dispositivo semi-condutor muito simples e é utilizado nas mais variadas aplicações. O uso mais freqüente do diodo é como retificador, convertendo uma

Leia mais