Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC)"

Transcrição

1 Introdução teórica aula 5: Osciloscópio e Gerador de Sinais Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Ao final do século XIX o sistema de distribuição de energia Edison (Edison General Electric) era a única opção para uso doméstico e industrial. Este sistema distribuía energia utilizando corrente contínua (DC). No entanto, este método passou a não ser mais adequado para atender as novas demandas energéticas. O problema de transporte de energia foi ainda mais difícil, já que a transmissão de longa distância de grandes quantidades de eletricidade era muito cara e sofria grandes perdas, como a dissipação de calor. Em 1886, George Westinghouse, um rico empresário, mas recém- chegado no negócio da electricidade, fundou a Westinghouse Electric para competir com a Edison General Electric. O primeiro sistema foi baseado nas descobertas e patentes de Nikola Tesla (na foto), que acreditava apaixonadamente na superioridade da corrente alternada (AC). Seu argumento era que as perdas na transmissão de energia elétrica que dependem da intensidade da corrente (P = I! R) viajam na linha. Para a mesma potência de transmissão e sendo o produto P = IV, quanto maior for a tensão, menor é a corrente necessária para transmitir a mesma energia e, consequentemente, menores são as perdas. Ao contrário da transmissão em tensão DC, a tensão AC pode ser aumentada com um transformador e ser transportada a longas distâncias com baixa perda de calor. Em seguida, antes de fornecer energia para os consumidores, a tensão pode ser reduzida para níveis seguros e econômicos. Corrente Alternada (AC) A corrente alterna ou corrente alternada (CA ou AC - do inglês alternating current), é uma corrente elétrica cujo sentido varia no tempo, ao contrário da corrente continua cujo sentido permanece constante ao longo do tempo. A forma de onda usual em um circuito de potência CA é senoidal por ser a forma de transmissão de energia mais eficiente. Entretanto, em certas aplicações, diferentes formas de ondas são utilizadas, tais como triangular ou ondas quadradas. Enquanto a fonte de corrente contínua é constituída pelos polos positivo e negativo, a de corrente alternada é composta por fases (e, muitas vezes, pelo fio neutro). Para ver mais sobre a história da corrente alternada: A forma de onda de tensão em CA pode ser descrita matematicamente pela fórmula: { }} { V (t) =V DC + V AC sen( ωt + φ 0 ) φ 1/10

2 V (t) + V AC V DC =0 V (t) ωt _ φ 0 T V DC=componente (offset em tensão) V AC=Amplitude da onda. ω=velocidade angular ω=2πf, onde f=1/t é a frequência de operação e T o período de oscilação. φ 0=fase inicial φ=fase de oscilação. Para a caracterização de uma função alternada os parâmetros principais são: V AC=Amplitude da onda. V pp=2v AC; Tensão de pico a pico. V m= (V max V min)/2; Tensão média. V rms=v AC/ 2; Tensão eficaz Por exemplo a tensão V rms=220v AC usada em alguns estados brasileiros se traduz em: V AC= V V pp=622v Osciloscópio Um osciloscópio é um instrumento eletrônico de visualização usado para a representação gráfica de sinais elétricos que variam ao longo do tempo: A figura abaixo apresenta o modelo de osciloscópio que será usado no laboratório (TDS2002C). A esquerda está a tela e à direita os botões de controle. Os botões que principalmente serão usados nos laboratórios que se seguem estão indicados na figura. Porem, uma explicação mais detalhada do funcionamento do osciloscópio pode ser encontrada no manual do osciloscópio TDS2002C no moodle da disciplina. 2/10

3 B 1:,Tela 2:,Botão,giratorio,de,multiplas,funções 3:,Botão,measure 4:,Botão,cursor 5:,Botão,acquire 6:,Botão,display 7:,Botão,Auto,set :,Botão,giratorio,de,escala,horizontal,CH1 9:,Entrada,para,cabo,coaxial,CH1 10:,Botão,giratorio,de,posição,vertical,CH1 11:,Entrada,para,cabo,coaxial,CH2 12:,Botão,giratorio,de,escala,horizontal,CH1 13:,Botão,giratorio,de,posição,vertical,CH2 14:,Botão,giratorio,de,escala,vertical Gerador de sinais Um gerador de sinais é um aparelho eletrônico utilizado para gerar sinais elétricos de formas de onda, frequências (de alguns Hz a dezenas de MHz) e amplitude (tensão) diversas. São muito utilizados em laboratórios de eletrônica como fonte de sinal para teste de diversos aparelhos e equipamentos eletrônicos. Um gerador de sinais pode gerar sinais senoidais, triangulares, quadrados, e até dente- de- serra, com sweep (frequência variável), todos com diversas frequências e amplitudes. Normalmente ele possui um frequencímetro acoplado e diversos botões de ajuste e seleção, além de conectores para saída do sinal. Seu uso é muito ligado à utilização do osciloscópio, com o qual se pode verificar as suas formas de onda. Seu funcionamento é baseado em circuitos eletrônicos osciladores, filtros e amplificadores. A figura 2 apresenta o painel frontal do gerador de sinais (BK Precision 4010A) a ser usado nas aulas de laboratório que se seguem. Os botões que principalmente serão usados estão indicados. Porém, uma explicação mais detalhada do seu funcionamento pode ser encontrada no manual do gerador de sinais BK Precision 4010A no moodle da disciplina. 3/10

4 :)Seletor)de)faixa)de)frequência)(ajuste)grosso) 2:)Seletor)de)tipo)de)onda 4:)Seletor)ON/OFF)para)offset)DC 5:)Botão)giratório)para)controlo)de)DC)offset 6:)Saída)cabo)coaxial 7:)Botão)giratorio)para)control)de)amplitude)de)onda /10

5 Roteiro de laboratório aula 5: Osciloscópio e Gerador de Sinais Objetivos Revisar as propriedades de funções periódicas Introduzir os conceitos de tensão alternada, valor pico- a- pico, valor rms e valor médio Aprender a observar um sinal e fazer medidas com o osciloscópio Aprender a produzir uma onda senoidal, quadrada ou triangular usando gerador de sinais Lista de material Osciloscópio e gerador de sinais Multímetro Fonte AC da bancada Roteiro da experiência 1) Nos itens abaixo, considere a seguinte notação para os três terminais do transformador da bancada: 1=superior, 2=centro, 3=inferior. a) Usando o multímetro na escala de tensão alternada (AC), meça o valor eficaz ou valor rms (V rms) das tensões entre os três terminais do transformador e preencha a tabela 1. b) Determine a amplitude (A) e o valor pico- a- pico (V pp) de cada tensão e preencha a tabela 1. OBS: Usando o multímetro em escala de tensão contínua (DC), é possível estimar o valor médio (V m) (também chamado de nível DC) de uma tensão periódica de frequência não muito baixa. Antes de prosseguir, verifique que o valor médio de cada tensão V 12, V 23 e V 13 é aproximadamente igual a zero (como era de se esperar). 2) Ligue o osciloscópio e experimente com os botões a seguir, de forma a familiarizar- se com seu modo de operação e os efeitos produzidos. (OBS: atente para todos os indicadores que aparecem na tela, mas, por hora, ignore a forma dos sinais mostrados). a) Botões da parte superior do osciloscópio (UTILITY, MEASURE, CURSOR, DISPLAY, etc.); b) Botões MENU 1 e MENU 2 (experimente pressionar mais de uma vez o mesmo botão); c) Botões na lateral da tela do osciloscópio (experimente com o MENU 1 selecionado). Antes de prosseguir, certifique- se que você sabe como fazer para identificar quais canais estão sendo mostrados no osciloscópio. Para que seu osciloscópio funcione como esperado ao longo deste roteiro, certifique- se que ele está ajustado com a seguinte configuração: MENU 1: Acoplamento = CC; Limite LB = DESL; Ganho variável = Grosso; Sonda = 1X Voltagem; Inverter = DESL; TRIGGER MENU: Tipo = Borda; Origem = CH1; Inclinação = Subida; Modo = Auto; Acoplam. = CC; CURSOR MENU: Tipo = DESL; Origem = CH1; DISPLAY MENU: Tipo = Vetores, Persistência = DESL, Formato = YT. 3) Encaixe uma ponteira (cabo coaxial com conector BNC e garras de jacaré) na entrada CH1 do osciloscópio e conecte as garras em dois terminais adjacentes (i.e., vizinhos) do transformador da bancada. Certifique- se de que apenas o CH1 está sendo mostrado no osciloscópio. 5/10

6 a) Para fazer um ajuste automático das escalas, aperte o botão AUTOSET. b) Indique as escalas de tensão e de tempo utilizadas. c) Utilizando o botão VERTICAL SCALE, altere a escala de tensão do CH1 para 200mV/DIV e depois retorne para 5V/DIV. d) Utilizando o botão HORIZONTAL SCALE, altere a escala de tempo do CH1 para 100µs/DIV e depois retorne para 5ms/DIV. e) O que você observa ao diminuir a escala de tensão? E ao diminuir a escala de tempo? Fazer isso altera o sinal de entrada? f) Gire o botão VERTICAL POSITION e verifique o que acontece. Observe que, ao girar o botão, na parte inferior da tela é mostrado o valor exato da posição vertical do CH1. g) Gire o botão HORIZONTAL POSITION e verifique o que acontece. Observe que na parte inferior da tela é sempre é mostrado o valor exato da posição horizontal do CH1. h) O que você observa ao modificar a posição vertical ou a posição horizontal? Fazer isso altera o sinal de entrada? i) Olhando na tela (isto é, contando o número de divisões), meça o valor pico- a- pico e o período do sinal. Calcule o valor rms e a frequência. Preencha a tabela 2. j) Esboce o sinal observado, indicando as referências de tensão e tempo (i.e., as setas que indicam a origem) e as escalas utilizadas. Com o modo MEASURE do osciloscópio é possível fazer medidas automaticamente isto é, o próprio osciloscópio se encarrega de fazer os cálculos. É possível configurar até quatro medidas automáticas. Para configurar as medidas desejadas, utilize os 5 botões laterais. O primeiro botão seleciona a função que os demais botões terão: seleção de Origem ou seleção de Tipo. Na seleção de origem, os demais botões selecionam se a medida será feita no CH1 ou no CH2. Na seleção de tipo, os demais botões selecionam o tipo de medida: valor Pico a Pico, RMS, Médio, Período, Frequência. 4) Siga os procedimentos abaixo. a) No modo MEASURE, configure o osciloscópio para fazer as medidas de valor Pico a Pico, valor RMS, valor Médio, Período e Frequência, todas no CH1. b) Anote os valores medidos e preencha a tabela 3. Um valor de tensão muito pequeno comparado com a escala do osciloscópio é difícil de medir com precisão, podendo ficar oscilando. Mas um valor desse tipo é geralmente desprezível comparado com os demais valores medidos, podendo ser considerado zero. Assim, não se preocupe muito com o valor medido de V m oscilando próximo a zero. Basta anotar qualquer um dos valores observados. IMPORTANTE: Para fazer suas medidas automáticas, o osciloscópio se baseia apenas na porção do sinal que está mostrada na tela (ou um pouco mais que isso). Quanto essa porção é insuficiente para fazer uma estimação precisa (isto é, quando a amplitude do sinal está cortada ou quando menos que um período do sinal está mostrado), não se deve confiar no valor indicado pelo osciloscópio. Para indicar que está em dúvida sobre os valores medidos (que podem ou não estarem corretos), o osciloscópio adiciona um sinal de interrogação ao lado dos valores. Isto é análogo a fazer uma medida com o multímetro que está fora de escala. 6/10

7 c) Mude a escala de tensão para 2V/DIV e verifique o aparecimento do sinal de interrogação. Não confie nesta medida! d) Retorne para a escala de 5V/DIV e agora mude a escala de tempo para 1.00ms/DIV. Verifique o aparecimento do sinal de interrogação. Não confie nesta medida! DICA: Para garantir maior precisão ao fazer medidas com o osciloscópio, ajuste as escalas de tensão e de tempo de forma que um período do sinal ocupe a maior parte da tela possível (tanto na horizontal quanto na vertical). Quanto mais área da tela o sinal ocupar, maior a precisão da medida. Isto é análogo a escolher a escala mais precisa para fazer uma medida com o multímetro. A seleção de frequência do gerador de sinais é dividida em duas partes: ajuste grosso e ajuste fino. O ajusto grosso é feito com os botões seletores de faixa de frequência (RANGE). Na faixa de frequências X é possível produzir frequências entre X/10 e X. Por exemplo, na faixa de 20kHz é possível produzir frequências entre 2kHz e 20kHz. O ajuste fino da frequência dentro da faixa selecionada é ajustado com o botão giratório (FREQUENCY). Para aumentar a frequência, deve- se girar o botão no sentido anti- horário. DICA: Nunca confie no valor de frequência marcado no botão giratório, pois pode estar desajustado. Ao invés disso, sempre confira o valor da frequência usando o osciloscópio. 5) Responda as questões a seguir sobre o gerador de sinais da sua bancada. a) Indique os valores de frequência que podem ser produzidos nas seguintes faixas: i) Faixa de 200Hz. ii) Faixa de 2MHz. b) Qual faixa de frequências deve ser usada para produzir as seguintes frequências? i) Frequência de 50Hz. ii) Frequência de 120kHz. iii) Frequência de 3kHz. Com relação aos demais parâmetros do gerador de sinais: Para ajustar a amplitude do sinal, utilize o botão giratório OUTPUT LEVEL. Para ajustar o valor médio do sinal (nível DC), utilize o botão giratório DC OFFSET. Para isso o botão seletor DC OFFSET deve estar pressionado (ON). DICA: Caso o sinal apareça instável na tela do osciloscópio, ajuste o TRIGGER LEVEL de forma a deixar o nível do trigger (seta indicadora à direita da tela) sempre entre os picos do sinal. 6) Siga os procedimentos abaixo. a) Desconecte as garras da ponteira do osciloscópio dos terminais do transformador. b) Encaixe uma nova ponteira na saída OUTPUT do gerador de sinais. c) Agora, conecte entre si as garras das duas ponteiras: preta com preta, e vermelha com vermelha. Ao soltar as ponteiras, atente para não curto- circuitar o gerador de sinais. d) Configure o gerador de sinais para DUTY CYCLE = OFF, CMOS LEVEL = OFF, DC OFFSET = ON e - 20dB = OFF. 7/10

8 e) Produza os seguintes sinais e preencha a tabela 4 com os valores medidos. (Utilize AUTOSET caso necessário.) i) Onda senoidal, f = 1kHz, V pp = 6V, V m = 0V ii) Onda senoidal, f = 60kHz, V pp = 8.8V, V m = 2V iii) v(t) = cos(2π 500t) V iv) Onda quadrada, T = 40µs, V min = 0V, V max = 8V v) Onda triangular, T = 3ms, V max = 4V, V m = 0V. 8/10

9 Aluno(a):. Matrícula: Data: / / Turma: Nota: Tabela 1 V rms A = V rms 2 V pp = 2A V 12 V 23 V 13 Questão 3.b) Escala de tensão: /DIV Escala de tempo: /DIV Questão 3.e) Questão 3.h) Tabela 2 V pp V rms = V pp/(2 2) T f = 1/T Tabela 3 V pp V rms V m T f Questão 5.a) i) frequências entre e ii) frequências entre e 9/10

10 Questão 5.b) i) faixa de ii) faixa de iii) faixa de Questão 3.j) Tabela 4 V pp V m T f Questão de preparação Olhando a seguinte forma de onda calcule a tensão pico a pico, V pp, valor máximo, V max, valor de tensão mínimo, V min, valor médio da sinal, V m, período, T, e frequência, f: V(mV) t(ns) /10

Gerador de funções e osciloscópio

Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 2.1 Material Osciloscópio digital; Gerador de funções. 2.2 Introdução Na aula anterior utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA OBJECTIVO Familiarização com os instrumentos a usar nos trabalhos práticos posteriores (osciloscópio, painel didáctico, gerador de sinais, fonte de alimentação

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Engenharia Ambiental Prof. Marcio Kimpara data: ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 Resistores e Tensão Alternada Senoidal Objetivos: Familiarização com os osciloscópios

Leia mais

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO

AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES 2 MEDIÇÃO DE VALORES MÉDIO E EFICAZ COM MULTÍMETRO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA Eletrônica Básica AULA LAB 04 PRINCÍPIOS DE CORRENTE ALTERNADA E TRANSFORMADORES

Leia mais

EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS Nesse experimento você aprenderá os princípios básicos de funcionamento e manuseio de um osciloscópio digital e realizará medidas simples de sinais

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2 Introdução Teórica Aula 2: Lei de Ohm e Associação de Resistores Georg Simon Ohm Georg Simon Ohm (789-854) foi um físico e matemático alemão. Entre 826 e 827, Ohm desenvolveu a primeira teoria matemática

Leia mais

1 Exercícios Pré-Laboratório

1 Exercícios Pré-Laboratório 1 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY 6.071: Introdução ao Laboratório de Eletrônica Laboratório 1: Equipamentos de Laboratório e Redes de Resistores 1 Exercícios Pré-Laboratório 2º Trimestre de 2002

Leia mais

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO Capa Industria e Comércio Ltda MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. DESCRIÇÃO DOS PAINÉIS... 01 3. DESCRIÇÃO ELÉTRICA... 02 4. ESPECIFICAÇÕES.... 02 5. INSTALAÇÃO...

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO

OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: MVB DSO OSCILOSCÓPIO DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Interface USB DE 50 ATÉ Display: LCD de 7 (400 x 240) colorido. Largura de Banda: Inicial de 50MHz podendo ser atualizada para 70MHz e. Contraste: Ajustável

Leia mais

Notas sobre os instrumentos

Notas sobre os instrumentos 8 ircuitos de corrente alternada Notas sobre os instrumentos A. Precisão de alguns instrumentos: Antes de desperdiçar tempo querendo medir com mais precisão do que os instrumentos permitem, tenha presente

Leia mais

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência

Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência Experimento 8 Circuitos RC e filtros de freqüência 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é ver como filtros de freqüência utilizados em eletrônica podem ser construídos a partir de um circuito RC. 2. MATERIAL

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Regras de segurança... 02

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Introdução ao osciloscópio 6 O painel do osciloscópio e a função dos seus controles 7 Controles de ajuste do traço ou ponto na tela 8 Brilho ou luminosidade (brightness ou intensity)

Leia mais

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios Instrumentos de Medidas II Nesta prática iremos nos familiarizar com o uso de osciloscópios, mostrando algumas das funcionalidades desses instrumentos. Através de exemplos específicos mostraremos como

Leia mais

Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas. Potenciômetros. Lâmpadas. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 4

Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas. Potenciômetros. Lâmpadas. EEL7011 Eletricidade Básica Aula 4 Introdução Teórica Aula 4: Potenciômetros e Lâmpadas Potenciômetros Um potenciômetro é um resistor cujo valor de resistência é variável. Assim, de forma indireta, é possível controlar a intensidade da

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1 Introdução Teórica: Aula 1 Fontes de Tensão e Resistores Materiais condutores Os materiais condutores caracterizam- se por possuírem elétrons que estão sujeitos a pequenas forças de atração de seu núcleo,

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido

OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Prof. Hamilton Klimach Janeiro de 2002 OSCILOSCÓPIO DIGITAL Tektronix TDS220 Guia Resumido Introdução Esse osciloscópio, como qualquer outro, tem por função apresentar a representação visual da tensão

Leia mais

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a Electrónica P1 - Osciloscópio. Objectivo Iniciação ao osciloscópio Material necessário 1 osciloscópio, 1gerador de sinais, 1 fonte de tensão. Procedimento experimental Siga o procedimento para cada uma

Leia mais

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal 2º Laboratório de Bases de Engenharia II 2005/2006 Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal Para este laboratório, as alíneas a) da Experiência 1 e da Experiência 2 devem ser calculadas préviamente,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE ÁUDIO MODELO GA-1001 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1 3.

Leia mais

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+

V (t) = A sen 2π f t + A/3[sen 3 (2π f t)] + A/5[sen 5 ( 2π f t)] + A/7[sen 7 (2π f t)] + A/9[sen 9 (2π f t)]+ Teoria de Fourier Domínio da Freqüência e Domínio do Tempo A teoria de Fourier estabelece que uma forma de onda periódica pode ser decomposta em harmônicos relacionados; senos ou cossenos em diferentes

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2 Experiência N o 02: Medidas C I - Objetivos Familiarização com os equipamentos de laboratório: gerador de funções, osciloscópio e multímetro. II - Introdução

Leia mais

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC)

AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) AC CIRCUIT (RL/RC/RLC) Circuitos AC (RL/RC/RLC) M-1103A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

DMA SCOPE USB. Manual do usuário Revisão 1.5 01/05/2015. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

DMA SCOPE USB. Manual do usuário Revisão 1.5 01/05/2015. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 DMA SCOPE USB Manual do usuário Revisão 1.5 01/05/2015 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo

Leia mais

Experimento 1 Medidas Elétricas

Experimento 1 Medidas Elétricas _ Procedimento 1 Medida de resistência Experimento 1 Medidas Elétricas Código de R teórico R/R teórico R R medida1 R medida2 *Desvio **Desvio cores rel. Desvio * Desvio = ValorMedido ValorTeórico

Leia mais

- - - - , # %!# %!&2# %! %! #34 %!! 5 %!!# ! / Curso de Osciloscópio 2

- - - - , # %!# %!&2# %! %! #34 %!! 5 %!!# ! / Curso de Osciloscópio 2 - - - -! "#$ %&#'()$ %&*#'+, #!- "#.$ %# % %01 %!# %!&2# %! %! '#34 %! #34 %!! 5 %!!# 67'8 # 6 9 -)!6*! Curso de Osciloscópio 2 !7! ): ;!! )1)!"& " )$ " ) "&)$ % % )# % ) %! *: 67; 67< ==7 < >7=0 6>0?&6=@&>

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL DIGITAL OSCILLOSCOPE

OSCILOSCÓPIO DIGITAL DIGITAL OSCILLOSCOPE OSCILOSCÓPIO DIGITAL DIGITAL OSCILLOSCOPE MVB DSO *Only illustrative image. Imagen meramente ilustrativa. Imagem meramente ilustrativa. INSTRUCTIONS MANUAL Manual de Instrucciones Manual de Instruções

Leia mais

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s).

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s). Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professor: Vinícius Secchin de Melo Sinais Senoidais Os sinais senoidais são utilizados para se representar tensões ou correntes

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060

Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais Série 4060 Especificações Técnicas Geradores de Funções/Arbitrários de dois canais A de Geradores de Funções/Arbitrários são capazes de gerar formas de onda senoidais, quadradas, triangulares, pulsadas e arbitrárias

Leia mais

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR CONTROLE DE UM SERVO MOTOR Versão 2014 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização e o projeto de um circuito de controle simples de um servo motor. A parte experimental inclui atividades

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAL DIGITAL OSCILLOSCOPE

OSCILOSCÓPIO DIGITAL DIGITAL OSCILLOSCOPE OSCILOSCÓPIO DIGITAL DIGITAL OSCILLOSCOPE MO-2100D *Only illustrative image. Imagen meramente ilustrativa. Imagem meramente ilustrativa. INSTRUCTIONS MANUAL Manual de Instrucciones Manual de Instruções

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do osciloscópio ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. REGRAS DE SEGURANÇA...3 3. GERAL...5

Leia mais

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V

OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V OSCILOSCÓPIO PORTÁTIL DIGITAL MODELO: MINISCOPE 300V APLICAÇÕES Este instrumento foi projetado para proporcionar uma análise rápida de sinais através de sua Unidade de Aquisição de Dados Rápida. Dotado

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo:

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: LEO - MEBiom Medição de Tensões e Correntes Eléctricas Leis de Ohm e de Kirchoff (Rev. 03/2008) 1. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um osciloscópio e um multímetro digital

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do multímetro nas funções: voltímetro, amperímetro e ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Casamento de Impedância

Casamento de Impedância Disciplina: Ondas e ropaação Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnolóicas CCT Departamento de Enenharia Elétrica aboratório de Eletromanetismo E-3 Casamento de Impedância O casamento

Leia mais

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr.

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Eletrônica II Amplificadores de Potência Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Amplificadores Amplificador é um equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade

Leia mais

Tópicos importantes sobre osciloscópios convencionais (analógicos com tubo de raios catódicos)

Tópicos importantes sobre osciloscópios convencionais (analógicos com tubo de raios catódicos) Apêndice 5.1 Tópicos importantes sobre osciloscópios convencionais (analógicos com tubo de raios catódicos) 1. Introdução Este apêndice deve ser usado em conjunto com o roteiro da aula 05. São fornecidas

Leia mais

Laboratório 6 Gerador de Funções e Osciloscópio

Laboratório 6 Gerador de Funções e Osciloscópio Laboratório 6 Gerador de Funções e Osciloscópio Objetivo Familiarizar-se com a utilização do gerador de funções e do osciloscópio. Material utilizado Gerador de funções Osciloscópio 1. Gerador de Funções

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO

E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO E01 MEDIDAS DE TENSÃO E CORRENTE COM O MULTÍMETRO OBJETIVOS 1) Medidas de resistência e tensão em corrente continua e corrente alternada com um multímetro digital; 2) Medidas de corrente continua e alternada

Leia mais

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO

TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO TRC-340 MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA DE SOM 2.0 CANAIS HI-FI ÍNDICE Prefacio...2 Conteúdo da Embalagem...2 Informações de segurança...3 Funções do Painel Frontal...4 Funções Painel Traseiro...4 Conexões do

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro 1 INTRODUÇÃO A interferência sonora consiste em um recebimento de duas ou mais ondas de fontes diferentes. Neste caso, teremos uma região do espaço na

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO DIGITAL FC-2500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO DIGITAL FC-2500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO FREQÜENCÍMETRO DIGITAL FC-2500 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01 3.

Leia mais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais 1 - Formas de ondas alternadas senoidais OBJETIVOS Familiarizar-se com as características de uma forma de onda senoidal, incluindo seu formato geral, valor médio e valor eficaz. Ser capaz de determinar

Leia mais

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Conjunto de aparelhos Audição Espacial 1018551. Instruções de uso. 3. Dados técnicos Dimensões

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Conjunto de aparelhos Audição Espacial 1018551. Instruções de uso. 3. Dados técnicos Dimensões 3B SCIENTIFIC FÍSICA Conjunto de aparelhos Audição Espacial 1018551 Instruções de uso 03/15 TL/UD 1 mangueira 1 m mangueira 0,5 m (2) 2 sonda estetoscópica 3 mangueira do estetoscópio 4 estetoscópio com

Leia mais

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores

Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica. Semicondutores, Diodos e Retificadores Lista de Exercícios de Eletrônica Analógica Semicondutores, Diodos e Retificadores Questões sobre Semicondutores: 1) O que é um material semicondutor? Dê 2 exemplos. 2) O que é camada de valência? 3) O

Leia mais

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em "espera" ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc.

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em espera ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc. 1 Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores de sinais de TV via satélite. Estamos certos de que o receptor Century USR 1900 lhe proporcionará a melhor imagem e também bons momentos

Leia mais

Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções

Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções OBJETIVOS Capacitar o aluno a utilizar o osciloscópio e o gerador de funções; Usar o osciloscópio para observar e medir formas de onda de tensão e de corrente.

Leia mais

Introdução aos Circuitos e Sistemas Electrónicos. Guia de Laboratório I

Introdução aos Circuitos e Sistemas Electrónicos. Guia de Laboratório I Introdução aos Circuitos e Sistemas Electrónicos Guia de Laboratório I IST-2012 1-Objectivos Com este guia pretende-se dar a conhecer os principais equipamentos (multímetro, gerador de funções e osciloscópio),

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos SEMICONDUCTOR I Semiconductor I Semicondutor I M-1104A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

GERADOR DE FUNÇÕES DIGITAL MFG-4201A MANUAL DE INSTRUÇÕES

GERADOR DE FUNÇÕES DIGITAL MFG-4201A MANUAL DE INSTRUÇÕES GERADOR DE FUNÇÕES DIGITAL MFG-4201A MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...02 2. RESUMO DE SEGURANÇA...02 3. DESCRIÇÃO DO PRODUTO...03 3.1 Introdução...03 3.2 Especificações Técnicas...03 4. ACESSÓRIOS...05

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 COMPONENTES... 5

Sumário. Capítulo 2 COMPONENTES... 5 Sumário Capítulo 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 Apresentação... 3 1.2 Sobre este manual... 3 1.3 Instruções de segurança... 3 1.4 Instruções de instalação... 4 1.4.1 Fixação... 4 1.4.2 Ventilação... 4 1.4.3 Proteção

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Linhas de Transmissão

Linhas de Transmissão Linhas de Transmissão 1. Objetivo Medir a capacitância, indutância e a impedância num cabo coaxial. Observar a propagação e reflexão de pulsos em cabos coaxiais. 2. Introdução Uma linha de transmissão

Leia mais

Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro

Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro MULTÍMETRO DIGITAL EM369 Leia atentamente este manual antes de usar o Multímetro GARANTIA Este aparelho de medição está coberto de garantia sobre possíveis defeitos de fabricação e de funcionamento durante

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔMETRO ANALÓGICO SK-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔMETRO ANALÓGICO SK-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔMETRO ANALÓGICO SK-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA... 1 3. ESPECIFICAÇÕES...

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES EXPEIÊNCIA 1 ESISTOES E ASSOCIAÇÃO DE ESISTOES 1 INTODUÇÃO TEÓICA Os resistores são componentes básicos dos circuitos eletro-eletrônicos utilizados nos trechos dos circuitos onde se deseja oferecer uma

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD ÍNDICE A. Introdução B. Informações de segurança C. Símbolos elétricos internacionais D. Características E. Especificações F. Painel de operação G. Como

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais