Circuitos RLC em Corrente Alternada Senoidal Monofásica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Circuitos RLC em Corrente Alternada Senoidal Monofásica"

Transcrição

1 Escola Técnica Estadual Monteiro obato - IMO Apostila sobre: ircuitos em orrente Alternada Senoidal Monofásica (última atualização: 3/07/05) rofessor: Fabiano da osa Hollweg Taquara, S.

2 SUMÁIO. AÍTUO OENTES ATENADAS AÍTUO EATÂNIAS AAITIVA E INDUTIVA AÍTUO 3 IUITO SÉIE AÍTUO 4 IUITO AAEO AÍTUO 5 OTÊNIA EM IUITOS DE OENTE ATENADA EEÍIOS DE EVISÃO SOBE IUITOS EM SÉIE EEÍIOS DE EVISÃO SOBE IUITOS EM AAEO EEÍIOS DE EVISÃO SOBE OS AÍTUOS,, 3 E MODEO/EEMO DE OVA OM A MATÉIA DOS AÍTUOS,, 3 E EEÍIOS DE EVISÃO SOBE O AÍTUO

3 . AÍTUO OENTES ATENADAS A maioria das casas e repartições são providas de fiação elétrica que conduz corrente alternada (c.a.), isto é, corrente cujo valor varia no tempo e, geralmente, de forma senoidal, trocando de sentido 60 vezes por segundo (mais comumente). À primeira vista, pode parecer um procedimento estranho. A velocidade escalar de deriva dos elétrons de condução num fio condutor é cerca de m/s. Se, agora, invertermos seus sentidos a cada intervalo de /60 do segundo, estes elétrons poderiam mover-se apenas m, na metade de um ciclo. om esta taxa, um elétron típico mover-se-ia passando por não mais do que aproximadamente vinte átomos da rede cristalina do cobre antes que fosse forçado a inverter o sentido do movimento. omo o elétron poderia vir a alcançar qualquer parte do fio? Embora o fato possa ser embaraçoso, não implica preocupação. Os elétrons de condução não têm que alcançar qualquer parte do fio. Quando dizemos que a corrente que percorre um fio é igual a um ampère, significa que os portadores de carga atravessam qualquer plano ortogonal ao fio na taxa de coulomb por segundo. A velocidade escalar com que os portadores atravessam esse plano não entra diretamente neste cálculo; um ampère pode corresponder a muitos portadores de carga se movendo lentamente ou a poucos se movendo rapidamente. Além disso, o sinal que obriga os elétrons a inverterem seus sentidos de movimento que resulta da fem (força eletromotriz) alternada fornecida pelo gerador propaga-se ao longo do fio a uma velocidade praticamente igual a da luz, que é de aproximadamente km/s no vácuo. Todos os elétrons, independentemente de onde estejam localizados, recebem este sinal que os obriga a mudarem de sentido praticamente no mesmo instante. Finalmente, notamos que em muitos dispositivos, tais como lâmpadas ou torradeiras elétricas, não interessa o sentido do movimento dos elétrons e sim que estejam em movimento e, desse modo, transferindo energia ao dispositivo. Uma das principais vantagens da corrente alternada é a seguinte: à medida que a corrente se alterna, o campo magnético que circunda o condutor também se alterna. Tal fato torna possível a aplicação da lei da indução de Faraday que, dentre outras coisas, nos permite aumentar ou diminuir, à vontade, o valor de uma tensão alternada, usando um dispositivo chamado transformador (que funciona somente em c.a., lembre-se muito bem disto). Além disso, a corrente alternada é mais adequada para o uso em máquinas rotativas, tais como geradores e motores, do que a corrente contínua (c.c.). or exemplo, girando-se uma bobina num campo magnético externo, como na Figura., a fem induzida na bobina é alternada. Extrair uma tensão alternada de uma bobina e, a seguir, transformá-la numa tensão de magnitude e polaridade constantes para que se possa suprir um sistema de distribuição de energia de corrente contínua, tem sido um desafio para a engenharia. Figura. Ao lado, os rudimentos do princípio básico de um gerador de corrente alternada, também conhecido por alternador, o qual consiste na rotação de uma bobina num campo magnético externo. Nesta figura, B é o vetor campo magnético (juntamente com as linhas de indução), I é a corrente alternada (induzida) e ε é a fem induzida. As fems e as correntes alternadas geradas por elas são fundamentais, não apenas para os sistemas de geração e distribuição de energia, mas também para o rádio, a televisão, a comunicação através de satélites, os computadores, a medicina e para um grande número de situações que caracterizam nosso estilo moderno de vida. 3

4 Freqüência A frequência (f) é uma grandeza física associada a movimentos de característica ondulatória, a qual indica o número de revoluções (ciclos, voltas, oscilações, etc) por unidade de tempo. A unidade da freqüência no SI (Sistema Internacional de Unidades de Medidas) é o inverso do segundo, ou seja, /s = s, também conhecida por rps (rotações por segundo), a qual recebeu uma denominação especial, o hertz, cuja abreviação é Hz. ode-se também medir a freqüência em rotações por minuto (rpm). Uma rps (ou seja, Hz) equivale a 60rpm. eríodo Alternativamente, podemos medir o tempo decorrido para uma oscilação. Este tempo em particular recebe o nome de período (T). Em outras palavras, o período é o tempo necessário para que um movimento volte a se repetir. A unidade SI do período é o segundo (s). Matematicamente, a freqüência é o inverso do período, ou seja, f =. () T Freqüência Angular A freqüência angular (ω) é a taxa de variação temporal de algum ângulo. No SI, a freqüência angular é medida em radianos por segundo (rad/s). É apenas um múltiplo da freqüência (f). Matematicamente, ou ω = πf () ω = π. (3) T Onda Senoidal A onda senoidal é o mais básico dos sinais elétricos. Ela é usada freqüentemente, por exemplo, para testar circuitos eletrônicos. Além disso, sinais complicados podem ser reduzidos a uma superposição de várias ondas senoidais. Figura. - Senóide Observe, na Figura., como a tensão aumenta de zero até um máximo positivo aos 90º, diminuindo para zero em 80º, atinge um máximo negativo em 70º e volta a zero em 360º. onforme foi indicado, V p é o valor de pico de uma onda seno, ou seja, o valor máximo que ela atinge. A senóide tem um pico positivo em 90º e um negativo em 70º. Nota: π rad = 80º, onde π rad = 3,4. A onda senoidal que aparece no gráfico acima é uma função da forma: 4

5 v = Vp sen( ω t), (4) onde v é a tensão instantânea, V p é a tensão de pico, ω é a freqüência angular da rede e t representa o tempo. Aqui, vamos adotar uma convenção: sempre que nos referirmos à valores instantâneos das grandezas elétricas c.a. em estudo, tais como corrente, tensão e potência, usaremos letras minúsculas. or exemplo: se nos referirmos a tensão instantânea sobre um resistor, um capacitor e um indutor, usaremos v, v, e v, respectivamente; se nos referirmos a corrente instantânea sobre um resistor, um capacitor e um indutor, usaremos i, i, e i, respectivamente; se nos referirmos a potência instantânea sobre um um resistor, um capacitor e um indutor, usaremos p, p, e p, respectivamente. Da mesma forma, quando nos referirmos à valores rms (que será visto a seguir) ou de amplitude (pico) de grandezas elétricas, usaremos letras maiúsculas. or exemplo: se nos referirmos a tensão de pico de um resistor, um capacitor e um indutor, usaremos V, V, e V, respectivamente; se nos referirmos a corrente de pico de um resistor, um capacitor e um indutor, usaremos I, I, e I, respectivamente; se nos referirmos a tensão rms de um resistor, um capacitor e um indutor, usaremos V (rms), V (rms), e V (rms), respectivamente; e se nos referirmos a corrente rms de um resistor, um capacitor e um indutor, usaremos I (rms), I (rms), e I (rms), respectivamente. Ainda na equação (4), o produto ω t que aparece no argumento da função seno corresponde ao deslocamento angular (θ) efetuado pela onda seno durante o ciclo de oscilação do sinal c.a., ou seja, θ = ω t. (5) A Figura.3 mostra que uma onda senoidal pode ser descrita por uma circunferência, na qual o vetor (flecha) representa o valor de amplitude da tensão alternada (aqui, neste exemplo, sendo a amplitude de tensão de um volt). Quando este vetor for projetado no eixo vertical, numa determinada posição angular (ω t), o mesmo fornece o valor instantâneo v da tensão alternada neste instante. Todo tipo de movimento oscilatório e, portanto, periódico (tipo seno e cosseno), pode ser descrito de tal forma (via circunferência), na qual um vetor gira no sentido anti-horário, com velocidade angular ω, efetuando um deslocamento angular dado por θ = ω t. Este vetor que gira é denominado fasor. Os fasores e diagramas fasoriais serão retomados nos capítulos mais adiante. Figura.3 como desenhar uma onda senoidal Valor de ico O valor de pico de uma onda senoidal é o valor máximo (amplitude) que a onda seno atinge, ou seja, é a máxima amplitude da onda seno. Valor de ico a ico O valor de pico a pico de uma onda senoidal é o dobro do valor de pico. ara a tensão senoidal acima, o valor de pico a pico (V pp ) é V =. (6) pp V p 5

6 Valor Eficaz (rms) O valor rms (raiz média quadrática, rms, do inglês root mean square, algumas vezes também traduzido por raiz quadrática média, rqm) de uma onda senoidal, também chamado valor eficaz (V ef ), valor c.a. (V ca ) ou valor de aquecimento, é definido como a tensão c.c. que produz a mesma quantidade de calor que a tensão senoidal. ara tais cálculos usamos a relação Vp V rms = Vrqm = Vef = Vca =. (7) Se uma tensão senoidal aparecer através de um resistor, ela produzirá uma corrente senoidal em fase através do resistor. Em outras palavras, o resistor dissipa uma quantidade constante de calor como se houvesse uma tensão c.c. através dele. olocando de outra forma, usando-se os valores médios quadráticos para as grandezas alternadas, a taxa média de dissipação de energia (a potência média med ) será, para circuitos de corrente alternada, a mesma que para circuitos de corrente contínua com uma fem constante. ogo, a única razão (e de grande vantagem) para o uso de valores médios quadráticos em circuitos de corrente alternada é o fato de que estes nos permitem aplicar as relações familiares de potência dos circuitos de corrente contínua. Veremos isso em capítulos mais adiante. Valor Médio O valor médio de uma onda senoidal ao longo de um ciclo é zero. Isto porque a onda senoidal é simétrica: cada valor positivo da primeira metade do ciclo é compensado por um valor igual e negativo da segunda metade do ciclo. Se somarmos todos os valores da onda seno entre 0º e 360º, teremos zero como resultado, o que implica um valor médio zero. ontudo, algumas vezes é de interesse saber o valor médio de uma onda senoidal ao longo de um meio ciclo de oscilação. ara tanto, o valor médio de uma onda senoidal ao longo de um meio período é dado por ( valor de pico) valor médio =. (8) π Assim, por exemplo, o valor médio de uma tensão senoidal (V med ) num meio ciclo de oscilação, em função da amplitude de tensão (V p ) da onda seno, é dado pela relação: V med V p =, (9) π enquanto que a corrente média (I med ), num meio ciclo de oscilação, em função da amplitude (pico) de corrente (I p ) da onda seno, é dada pela relação I med I p =. (0) π Instrumentos de Medidas Elétricas Amperímetros e Voltímetros Os amperímetros/voltímetros quando ajustados na escala c.a. medem apenas valores eficazes. Em orto Alegre, por exemplo, a tensão nas tomadas é, em geral, de 0V (isto é: 0V rms = 0V rqm = 0V ef = 0V ca ), de modo que esse será o valor indicado por um voltímetro devidamente ajustado na escala c.a. O termo fase será explicado em capítulos mais adiante. 6

7 Um voltímetro c.c. indicará zero se for usado para medir uma tensão senoidal. or quê? orque o ponteiro de um voltímetro c.c. tenta flutuar positiva e negativamente com amplitudes iguais. orém, a inércia das partes móveis o impede de fazê-lo. Então, ele indica um valor médio igual a zero. Isto, é claro, supõe uma freqüência maior do que aproximadamente 0Hz, de modo que o ponteiro não possa acompanhar variações rápidas. Gerador c.a. Na figura abaixo, à direita, há o símbolo para um gerador c.a., que consiste num círculo com uma senóide inscrita. Em comparação, na figura à esquerda, temos o já conhecido gerador c.c., onde a seta, na fonte, indica o sentido (convencional) dos portadores de carga (positiva), que é do terminal positivo para o terminal negativo no circuito externo (a carga ) e do terminal negativo para o positivo no circuito interno (dentro da fonte). Figura.4: circuito com gerador c.c. Figura.5: circuito com gerador c.a. EEMOS ) onsidere uma tensão senoidal cuja função é v = 6,97 sen(376,8 t), sendo estes valores medidos em unidades do SI. Determine, então, para esta senóide: a) A tensão de pico. b) A tensão de pico a pico. c) A tensão eficaz. d) A freqüência angular. e) A freqüência em Hertz. f) O período em milisegundos (ms). g) Um eboço do gráfico da tensão (em volts) contra o tempo (em milisegundos) para esta senóide. h) A tensão instantânea quando se atinge três quartos de um ciclo. EEÍIOS OOSTOS ) onsidere uma tensão senoidal cuja função é v = 8,84 sen(34 t), sendo estes valores medidos em unidades do SI. Determine, então, para esta senóide: a) A tensão de pico. b) A tensão de pico a pico. c) A tensão eficaz. d) A freqüência angular. e) A freqüência em Hertz. f) O período em milisegundos (ms). g) A tensão instantânea quando se atinge a metade de um ciclo. h) A tensão média ao longo de um ciclo completo de oscilação. i) Um eboço do gráfico da tensão (em volts) contra o tempo (em milisegundos) para esta senóide. 7

8 ) O gráfico ao lado ilustra uma tensão senoidal ao longo de um ciclo de oscilação. Determine, então, para esta senóide: a) A tensão de pico. b) A tensão de pico a pico. c) A tensão eficaz. d) O período de oscilação da senóide, em milisegundos (ms). e) A freqüência em Hertz. f) A freqüência angular, em rad/s. g) A equação da tensão instantânea. 3) Qual a principal vantagem de se trabalhar com correntes alternadas em sistemas de produção e distribuição de energia? 4) Qual a principal vantagem de se trabalhar com valores eficazes em circuitos que operam em correntes alternadas? ESOSTAS DOS EEÍIOS OOSTOS. a) 8,84V; b) 565,68V; c) 00V; d) 34rad/s; e) 50Hz; f) 0ms; g) Zero; h) Zero; i) Faça você mesmo.. a) 00V; b) 00V; c) 70,7V; d),56ms; e) 79,6Hz; f) 500rad/s; g) v = 00 sen(500 t). 3. Faça você mesmo. 4. Faça você mesmo. 8

9 . AÍTUO EATÂNIAS AAITIVA E INDUTIVA esistência Elétrica Quando uma corrente elétrica é estabelecida em um condutor metálico, um número muito elevado de elétrons livres passa a se deslocar nesse condutor. Nesse movimento, os elétrons colidem entre si e também contra os átomos que constituem o metal. ortanto, os elétrons encontram certa dificuldade para se deslocar, isto é, existe uma resistência à passagem da corrente elétrica no condutor. ara medir essa resistência, definiu-se uma grandeza denominada resistência elétrica (). A resistência elétrica é a capacidade de um corpo qualquer se opor à passagem de uma corrente elétrica (I) pelo mesmo, quando existe uma tensão (V) aplicada entre seus extremos. Segundo o Sistema Internacional de Unidades (SI), a unidade de medida para resistência elétrica é o ohm (Ω). Matematicamente, a resistência ôhmica obedece a relação V = I. () Nos cursos de corrente contínua (c.c.), vemos que a associação de resistências em série ou em paralelo resulta numa chamada resistência equivalente ( eq ), de um ponto de vista geral para o circuito em questão. Em tais casos: eq n = =. (esistências em Série) () n j= j = eq 3 n j= = n j. (esistências em aralelo) (3) ara o caso especial de duas resistências associadas em paralelo, há uma relação bastante útil, derivada do somatório acima, e expressa matematicamente da seguinte forma: eq + =. (Duas esistências em aralelo) (4) apacitância A capacitância () ou capacidade é a grandeza elétrica de um capacitor, determinada fundamentalmente como sendo a constante de proporcionalidade entre a quantidade de carga elétrica (Q) armazenada neste dispositivo e a tensão (V) entre as suas placas, sejam estas planas ou não. Matematicamente, a capacitância obedece a relação: Q = V (5) essaltando o fato de que as resistências ôhmicas são grandezas lineares. Ou seja, a relação V versus I para uma resistência ôhmica resulta num gráfico linear. Existem elementos não lineares, como é o caso do diodo semicondutor de silício. Neste caso, a relação V versus I para esses elementos resulta num gráfico V versus I não linear. 9

10 Segundo o SI, a unidade de medida da capacitância de um capacitor é o farad (F). Um capacitor, em suma, é um dispositivo destinado a armazenar energia elétrica através do campo elétrico que se estabelece entre suas placas. Nos cursos de corrente contínua, vemos que a associação de capacitâncias em série ou em paralelo resulta numa chamada capacitância equivalente ( eq ), de um ponto de vista geral para o circuito em questão. Em tais casos: = eq 3 n j= = n j. (apacitâncias em Série) (6) eq n = n = j. (apacitâncias em aralelo) (7) j= ara o caso especial de duas capacitâncias associadas em série, há uma relação bastante útil, derivada do somatório acima, e expressa matematicamente da seguinte forma: eq + =. (Duas apacitâncias em Série) (8) Indutância Um indutor é um dispositivo que apresenta a propriedade denominada indutância (). A unidade SI de medida para a indutância é o henry (H). Um indutor, que consiste em nada mais do que uma bobina, é usado para criar um campo magnético conhecido numa determinada região. Quando uma corrente elétrica I percorre N espiras num indutor, um fluxo magnético Φ atravessa este dispositivo. A indutância () do indutor é então matematicamente definida pela relação N Φ =. (9) I Nos cursos de corrente contínua, vemos que a associação de indutâncias em série ou em paralelo resulta numa chamada indutância equivalente ( eq ), de um ponto de vista geral do circuito em questão. Em tais casos: eq n = n = j. (Indutâncias em Série) (0) j= = eq 3 n j= = n j. (Indutâncias em aralelo) () ara o caso especial de duas indutâncias associadas em paralelo, há uma relação bastante útil, derivada do somatório acima, e expressa matematicamente da seguinte forma: eq + =. (Duas Indutâncias em aralelo) () 0

11 eatância A reatância (), ou reagência elétrica, é a oposição (resistência) oferecida à passagem de corrente alternada por uma indutância ou uma capacitância ou, mais especificamente, ambas (capacitância e indutância), num circuito elétrico qualquer submetido a uma fem alternada. omo a reatância desempenha um papel de resistência, a mesma é medida, no SI, em ohms (Ω). A reatância constitui uma componente da impedância (Z) de um circuito em c.a., grandeza essa que será estudada mais adiante. or hora, basta saber que a impedância representa a resistência total de um circuito à passagem da corrente alternada pelo mesmo. orém, é importante aqui ressaltar que a forma de se determinar reatância num circuito resistivoindutivo-capacitivo () do tipo série difere daquela para um circuito de associação destes elementos () em paralelo. Mostraremos isso nos próximos capítulos, mas antes precisamos saber como determinar a reatância devida especificamente à capacitância () e a indutância () do circuito considerado; estamos falando da reatância capacitiva ( ) e da reatância indutiva ( ). Estas, por sua vez, independem da forma como se ligam os elementos e no circuito, sendo necessárias para a determinação da reatância do circuito considerado. eatância apacitiva A reatância capacitiva ( ) é matematicamente expressa por =, (3) ω onde ω é a freqüência angular da fonte de fem c.a. e é a capacitância do capacitor. A reatância capacitiva também relaciona-se com a tensão de pico (V ) e a corrente de pico (I ) no capacitor pela definição de resistência: V = I. (4) Também, a mesma ( ) pode ser obtida usando-se valores rms de tensão e corrente, isto é, V = I. (5) ( rms ) ( rms) eatância Indutiva A reatância indutiva ( ) é matematicamente expressa por = ω, (6) onde ω é a freqüência angular da fonte de fem c.a. e é a indutância do indutor. A reatância indutiva também relaciona-se com a tensão de pico (V ) e a corrente de pico (I ) no indutor pela definição de resistência: V = I. (7) Também, a mesma ( ) pode ser obtida usando-se valores rms de tensão e corrente, isto é, V = I (8) ( rms ) ( rms)

12 urvas de e versus f omo se pode perceber em (3), a reatância capacitiva é inversamente proporcional a freqüência angular ω (e conseqüentemente a freqüência f) e também a capacitância. Ou seja, aumentando-se a freqüência f do circuito, ω aumenta e a reatância capacitiva diminui. or outro lado, se mantivermos a freqüência f fixa (conseqüentemente fixando ω) e aumentarmos a capacitância, a reatância capacitiva também se reduz. om a reatância indutiva, o efeito é diferente. omo se pode perceber em (6), a reatância indutiva é diretamente proporcional à freqüência angular ω (e conseqüentemente a freqüência f) e também à indutância. Ou seja, aumentando-se a freqüência f do circuito, ω aumenta e a reatância indutiva aumenta. or outro lado, se mantivermos a freqüência f fixa (conseqüentemente fixando ω) e aumentarmos a indutância, a reatância indutiva também se eleva. Ambas as equações (3) e (6) envolvem a freqüência angular no grau (isto é, ω = ω), assim como a freqüência f (isto é, f = f). Isto indica que a equação (3) é uma função cujo gráfico versus f resulta numa hipérbole, conforme se verifica na Figura.. Já a equação (6) é uma função linear (do primeiro grau), cujo gráfico versus f resulta numa reta crescente, conforme se verifica na Figura.. Essa figura exibe as duas curvas, de e versus f, superpostas no mesmo plano coordenado. Observe que há uma freqüência característica para a qual as duas reatâncias, indutiva e capacitiva, se igualam. Essa é a denominada freqüência de ressonância f ES. A ressonância de um circuito em corrente alternada, e seus efeitos, será discutida em capítulos mais adiante. Mas, por hora, é importante saber que essa condição para que um circuito em c.a., contendo elementos indutivos e capacitivos, entre em ressonância é que suas reatâncias devem se igualar. Figura. urvas de e com relação a freqüência f. ircuitos c.a. Nos cursos de corrente contínua, geralmente estudamos circuitos elétricos que consistem na associação em série, em paralelo e mista de resistências as quais são conectadas a uma fonte de fem c.c. (constante). ergunta-se: Se a fonte de fem não for contínua (c.c.), e sim alternada (c.a.), como se procede? esponde-se: ara resolver um circuito c.a., somente com resistências, procede-se da mesma forma que para um circuito c.c. No entanto, deve-se observar se a tensão fornecida é a tensão eficaz (V rms ) ou de pico (V ). Aplicamos, assim como nos circuitos c.c., as leis de Kirchhoff, conforme for conveniente. Existe a reatância resistiva? Não existe uma reatância resistiva. Seja em c.c. ou c.a., a resistência () é sempre a resistência. A mesma relaciona-se com a tensão de pico (V ) e a corrente de pico (I ) no resistor pela definição de resistência: V =. (9) I

13 Também, a mesma () pode ser obtida usando-se valores rms de tensão e corrente, isto é, V = I. (0) ( rms ) ( rms) A resistência, assim como a reatância, constitui uma componente da impedância (Z) de um circuito, grandeza essa que será estudada posteriormente, conforme colocado anteriormente. E como se procede caso, no lugar de resistências, tivermos a associação em série, em paralelo e até mista de capacitores ou, então, indutâncias? omo em c.a. os capacitores e indutores se comportam como resistências, o procedimento é idêntico ao descrito acima para as resistências puras. E como se procede caso tivermos um circuito que combine os três elementos: resistor, capacitor e indutor? Este tipo de circuito será estudado nos capítulos seguintes. EEMOS. Um capacitor conectado numa fem alternada, que oscila numa freqüência de 0Hz, apresenta uma tensão de pico de 50V e é percorrido por uma corrente de pico igual a 00mA. Qual a capacitância deste capacitor em microfarads (µf)?. Um indutor é conectado a uma fem alternada que oscila numa freqüência de 60Hz. Sabendo-se que a tensão medida sobre o mesmo é de 63,83V e que a amplitude da corrente c.a. que o atravessa é de A, determine a indutância deste indutor, em mili-henrys (mh). 3. ara qual a freqüência, em hertz (Hz), um capacitor de 0µF e um indutor de 0H apresentarão a mesma reatância? EEÍIOS OOSTOS. Um capacitor de 00µF é conectado a uma fem alternada que oscila numa freqüência de 60Hz. Determine a reatância capacitiva deste capacitor.. Um capacitor de 00pF é conectado a uma fem alternada que oscila numa freqüência de MHz. Determine a reatância capacitiva deste capacitor. 3. Um capacitor conectado numa fem alternada, que oscila numa freqüência de 60Hz, apresenta uma tensão de pico de 00V e é percorrido por uma corrente de pico igual a 50mA. Qual a capacitância deste capacitor em microfarads (µf)? 4. Um capacitor de 5µF conectado a uma fem alternada apresenta uma reatância de kω. Sendo assim, qual a freqüência, em hertz (Hz), de oscilação desta fem? 5. Um indutor conectado numa fem alternada, que oscila numa freqüência de 0Hz, apresenta uma tensão de pico de 45V e é percorrido por uma corrente de pico igual a 75mA. Qual a indutância deste indutor em mili-henrys (mh)? 6. Um indutor de 45mH é conectado a uma fem alternada que oscila numa freqüência de khz. Determine a reatância indutiva deste indutor. 3

14 7. O gráfico ao lado ilustra a tensão instantânea sobre um capacitor (v ) e sobre um indutor (v ) num circuito submetido a uma fem c.a. senoidal. Sabendo-se que o valor eficaz da corrente que atravessa o capacitor e o indutor são de,77ma e 354,6mA, respectivamente, determine: a) O valor do capacitor, em microfarads (µf). b) O valor do indutor, em milihenrys (mh). 8. ara qual a freqüência, em quilo-hertz (khz), um capacitor de 0nF e um indutor de 0mH apresentarão a mesma reatância? 9. Diferencie uma resistência ôhmica de uma reatância. 0. Afirmativa: A reatância capacitiva aumenta conforme aumenta a freqüência da fonte de fem alternada. Verifique a validade desta afirmativa (ou seja, responda se a mesma é válida ou não e justifique sua resposta).. Afirmativa: A reatância indutiva aumenta conforme aumenta a freqüência da fonte de fem alternada. Verifique a validade desta afirmativa (ou seja, responda se a mesma é válida ou não e justifique sua resposta). ESOSTAS DOS EEÍIOS OOSTOS. 6,53Ω. 796,8Ω. 3. 3,98µF. 4. 3,85Hz mH. 6. 8,6Ω. 7. a) 5,3µF; b) 90,4mH. 8. 5,9kHz. 9. Faça você mesmo. 0. Faça você mesmo.. Faça você mesmo. 4

15 3. AÍTUO 3 IUITO SÉIE Impedância e eatância Impedância elétrica ou simplesmente impedância (quando, em domínio de circuitos ou sistemas elétricos e Engenharia Elétrica, não houver possibilidade de confusão com outras possíveis acepções de impedância), em circuitos elétricos, é a relação entre o valor eficaz da tensão entre dois pontos do circuito em consideração e o valor eficaz da corrente resultante no circuito. A impedância é expressa em ohms (Ω), e designada geralmente pela letra Z. A impedância indica a oposição total que um circuito, constituído de resistências puras (ôhmicas) e mais as reatâncias, oferece ao fluxo de uma corrente elétrica variável no tempo. Matematicamente, exprime-se a impedância de duas maneiras. Vejamos estas: () onforme mencionado acima, determina-se a impedância elétrica (Z) por ε rms = Z I rms. () Também, a impedância pode ser expressa pelos valores de pico da fem entre os terminais do determinado circuito elétrico c.a. e da corrente resultante no mesmo, ou seja, ε = Z I. () () ode-se relacionar a impedância com a resistência ôhmica e a reatância. Aqui, vamos subdividir em dois casos: o primeiro, (.), para um circuito série e o segundo, (.), para um circuito paralelo. Este último será tratado no próximo capítulo. (.) ircuito série: Este tipo de circuito, conforme ilustra a Figura 3., consiste de uma resistência, uma capacitância e uma indutância associadas em série, de modo que esta combinação seja conectada a uma fonte de fem, seja c.c. ou c.a.. Figura 3. ircuito série. No presente caso, estamos nos restringindo a estudar o comportamento de circuitos submetidos a uma fem c.a.. Nesta configuração (série), a impedância Z do circuito é matematicamente expressa em termos da resistência e da reatância pela equação Z + =. (3) 5

16 Nesta equação, a impedância elétrica Z, a resistência ôhmica e a reatância são, no SI, medidas em ohms (Ω). Normalmente, a reatância num circuito série é expressa pela diferença entre a reatância indutiva ( ) e a reatância capacitiva ( ), ou seja, =. (4) Ainda, no circuito série, a amplitude da fem c.a. no gerador pode ser obtida por uma relação semelhante a da impedância dada em (3) para este tipo de circuito, isto é, ε = V + V. (5) Nesta equação, a fem de pico ε, a tensão de pico na resistência V e na reatância V são, no SI, medidas em volts (V). O valor rms da fem c.a do gerador pode ser obtido por uma relação semelhante a (6), isto é, ε = V + V. (6) rms ( rms) ( rms) Normalmente, a tensão de pico na reatância V de um circuito série é expressa pela diferença entre a tensão de pico da reatância indutiva (V ) e da reatância capacitiva (V ), ou seja, V = V V. (7) O valor rms da tensão na reatância V (rms) de um circuito série também pode ser expresso pela diferença entre os valores rms da tensão de pico da reatância indutiva (V ) e da reatância capacitiva (V ), ou seja, V = V V. (8) ( rms) ( rms) ( rms) A reatância também relaciona-se com sua tensão de pico (V ) e sua corrente de pico (I ) pela definição de resistência, V =, (9) I e, também, com seus valores rms de tensão e corrente, isto é, V = I. (0) ( rms) ( rms) Ângulo de Fase (ou Defasagem) No apítulo vimos a maneira básica da produção de corrente alternada senoidal, a qual consiste na rotação de uma bobina num campo magnético externo. Matematicamente, a fem c.a. induzida na bobina pode ser descrita pela equação ε = ε sen( ω t), () onde ε é a fem instantânea, ε é a fem de pico, ω é a freqüência angular da rede e t representa o tempo. Agora, por exemplo, considerando que um gerador c.a. conectado num circuito série tenha uma fem descrita pela equação () acima, pergunta-se: Qual é a corrente instantânea i que circula por esta malha? A 6

17 discussão precedente para responder detalhadamente esta questão está além do objetivo aqui proposto, de forma que, simplesmente, apresentaremos o resultado final, o qual matematicamente é expresso pela equação i = I sen( ω t φ). () Exatamente como nos circuitos de corrente contínua, a corrente alternada instantânea i, no circuito série, tem a mesma intensidade em qualquer parte da malha. Além disso, a freqüência angular ω da corrente i é necessariamente a mesma da fem do gerador c.a. de (), sendo I a amplitude da corrente no circuito. A novidade aqui é a constante de fase φ, mais conhecida como ângulo de fase (ou defasagem), que aparece no argumento da função seno, subtraindo o deslocamento angular ω t efetuado pela fem senoidal do gerador c.a.. Ainda, o argumento da função seno da equação (), correspondente à diferença ω t φ, chama-se fase da onda senoidal. O que é o ângulo de fase φ (ou defasagem φ) que aparece no argumento da função seno da corrente i no circuito série? Matematicamente, o ângulo de fase φ mede a defasagem angular (isto é, a separação angular) entre a tensão alternada e a corrente alternada no circuito em questão, seja ele série, paralelo ou misto. Fisicamente, o ângulo de fase (ou defasagem) entre a tensão alternada e a corrente alternada é uma grandeza proporcional à quantidade de energia na forma reativa presente no circuito. Assim, quanto maior for a defasagem angular entre a tensão alternada e a corrente alternada em um circuito em questão, seja ele série, paralelo ou misto, maior será a quantidade de energia reativa do circuito. Em outras palavras, o ângulo de fase (ou defasagem) é uma grandeza proporcional à potência reativa do circuito. Ou seja, quanto maior for a defasagem angular entre a tensão alternada e a corrente alternada em um circuito em questão, seja ele série, paralelo ou misto, maior será a potência reativa do circuito. O estudo de potência em circuitos de c.a. será realizado no apítulo 5. No entanto, para fins de entendimento prévio, pode-se dizer que a potência reativa, em circuitos de c.a., é análoga à potência de perdas dos circuitos em c.c.. ogo, pode-se compreender, por analogia entre circuitos c.a. e c.c., que a potência reativa, em circuitos de c.a., desempenha um papel similar à potência de perdas dos circuitos em c.c.. Dessa ótica, a defasagem angular entre a tensão e a corrente alternada em circuitos de c.a., é proporcional ao grau de desperdício (ou desaproveitamento) de energia do circuito na forma reativa. ortanto, quanto maior a defasagem angular entre a tensão alternada e a corrente alternada em um circuito de c.a., maior será o desperdício (ou desaproveitamento) de energia no circuito (na forma de energia reativa). or que ocorre a defasagem entre a tensão alternada e a corrente alternada em um circuito submetido a uma fem c.a.? O que significa defasagem entre tensão alternada e corrente alternada em um circuito submetido a uma fem c.a.? ara responder a estas perguntas, vamos considerar, inicialmente, três circuitos separadamente: um circuito puramente resistivo (circuito resistivo ), um circuito puramente capacitivo (circuito capacitivo ) e um circuito puramente indutivo (circuito indutivo ); todos estes circuitos submetidos a uma fem c.a. dada por (). ircuito esistivo A Figura 3. mostra um circuito contendo apenas um elemento resistivo e o gerador de fem c.a., a qual obedece (). De acordo com a lei das malhas, temos Figura 3. ircuito. 7

18 ε v = 0. (3) Usando (), obtemos v = ε sen( ω t). (4) omo a amplitude de tensão V através do resistor é igual à amplitude ε da fem c.a. do gerador, podemos escrever a equação anterior como v = V sen( ω t). (5) Usando a definição de resistência (V = I), também podemos escrever () como i v V = = sen( ω t) = I sen( ω t), (6) ou seja, i = I sen( ω t). (7) omparando (7) com (), vemos que no caso de uma carga puramente resistiva, o ângulo de fase vale φ = 0º. Então, a comparação destas equações mostra que as grandezas variáveis no tempo v e i estão em fase. Isto significa dizer que os máximos e mínimos correspondentes de tensão e corrente ocorrem no mesmo instante de tempo, dentro do ciclo de oscilação (ou período de oscilação) considerado. Os gráficos superpostos de v e i, na Figura 3.3, ilustram este fato. Figura 3.3 De (6), vemos também que a amplitude de tensão V e a amplitude de corrente I estão relacionadas pela equação V =, (8) I a qual foi anteriormente apresentada, sem prova, no apítulo. Embora tenhamos obtido esta relação para o circuito puramente resistivo, ela se aplica a um resistor distinto em qualquer circuito c.a., não importando quão complexo este seja. 8

19 ircuito apacitivo A Figura 3.4 mostra um circuito contendo apenas um elemento capacitivo e o gerador de fem c.a., a qual obedece (). De acordo com a lei das malhas, temos Usando (), obtemos Figura 3.4 ircuito. ε v = 0. (9) v = ε sen( ω t). (0) omo a amplitude de tensão V através do capacitor é igual à amplitude ε da fem c.a., podemos escrever a equação anterior como v = V sen( ω t). () Usando a definição de capacitância (Q = V), também podemos escrever () como q = v = V sen( ω t). () ontudo, não estamos interessados na carga (instantânea) do capacitor, e sim, na corrente (instantânea). Assim sendo, através de uma matemática avançada (derivando a quantidade de carga instantânea q com relação ao tempo t na equação anterior; ou seja, fazendo-se i = dq /dt), obtemos, a partir de (), que i = ω V cos( ω t), (3) donde o produto ω V corresponde a amplitude de corrente I no capacitor (visto que ω = / ), de forma que (3) pode ser reescrita como i = I cos( ω t). (4) Usando-se um pouco de trigonometria, verifica-se que cos( ω t) = sen( ω t + 90º ). (5) om isto, (4) pode ser escrita como i = I sen( ω t + 90º ). (6) 9

20 omparando (6) com (), vemos que, no caso de uma carga puramente capacitiva, o ângulo de fase vale φ = 90º. A comparação destas equações mostra que as grandezas variáveis no tempo v e i estão defasadas em 90º, ou seja, em um quarto de ciclo, o que significa que os máximos e mínimos correspondentes de tensão e corrente não ocorrem no mesmo instante de tempo, dentro do ciclo de oscilação (ou período de oscilação) considerado. Os gráficos superpostos de v e i, na Figura 3.5, ilustram este fato. Vemos que i está avançada em relação a v, ou seja, acompanhando-se as variações temporais da corrente i e da tensão v, percebe-se que o máximo de i ocorre um quarto de ciclo antes do máximo de v. Figura 3.5 De (3) e (4), vemos também que a amplitude de tensão V e a amplitude de corrente I estão relacionadas pela equação V = I, (7) sendo =. (8) ω Esta relação já foi anteriormente apresentada, sem prova, no apítulo. Embora tenhamos obtido esta relação para o circuito puramente capacitivo, ela se aplica a um capacitor distinto em qualquer circuito c.a., não importando quão complexo este seja. ircuito Indutivo A Figura 3.6 mostra um circuito contendo apenas um elemento indutivo e o gerador de fem c.a., a qual obedece (). De acordo com a lei das malhas, temos Figura 3.6 ircuito. ε v = 0. (9) 0

21 Usando (), obtemos v = ε sen( ω t). (30) omo a amplitude de tensão V através do indutor é igual à amplitude ε da fem c.a., podemos escrever a equação anterior como v = V sen( ω t). (3) Usando a definição de auto-indutância em termos de derivada, di ε =, (3) dt e desprezando o sinal negativo (referente à lei de enz), também podemos escrever v di =, (33) dt di V sen( ω t) =, (34) dt di dt V = sen( ω t), (35) ontudo, não estamos interessados na taxa de variação temporal da corrente (di /dt), e sim na corrente propriamente dita. Assim sendo, através de uma matemática avançada, obtemos, a partir de (35), que i V = cos( ω t), (36) ω onde o termo V /(ω ) corresponde a amplitude de corrente I no indutor (visto que = ω ), de forma que (36) pode ser reescrita como i = I cos( ω t). (37) Usando-se um pouco de trigonometria, verifica-se que om isto, (38) pode ser escrita como cos( ω t) = sen( ω t 90º ). (38) i = I sen( ω t 90º ). (39) omparando (39) com () vemos que no caso de uma carga puramente indutiva, o ângulo de fase vale φ = +90º. A comparação destas equações mostra que as grandezas variáveis no tempo v e i estão defasadas em 90º, ou seja, em um quarto de ciclo, o que significa que os máximos correspondentes de tensão e corrente não ocorrem no mesmo instante de tempo, dentro do ciclo de oscilação (ou período de oscilação) considerado. Os gráficos superpostos de v e i, na Figura 3.7, ilustram este fato. Vemos que i está atrasada em relação a v,

22 ou seja, acompanhando-se as variações temporais da corrente i e da tensão v, percebe-se que o máximo de i ocorre um quarto de ciclo depois do máximo de v. Figura 3.7 De (36) e (37), vemos também que a amplitude de tensão V e a amplitude de corrente I estão relacionadas pela equação V = I, (40) sendo = ω, (4) Esta relação já foi anteriormente apresentada, sem prova, no apítulo. Embora tenhamos obtido esta relação para o circuito puramente indutivo, ela se aplica a um indutor distinto em qualquer circuito c.a., na importando quão complexo este seja. omo vimos, analisamos separadamente cada um dos componentes, resistor (), indutor () e capacitor (), submetidos a fem c.a. dada por (9) e introduzimos o conceito de fase (ou defasagem) entre tensão e corrente em um circuito c.a. simples (ou seja, com apenas um dos componentes: ou resistor, ou indutor ou capacitor). orém, em um circuito mais complexo, como é o caso do circuito série, por exemplo, o avanço ou atraso da corrente em relação à fem c.a. aplicada do gerador dependerá exclusivamente do valor das reatâncias capacitiva e indutiva. Se o circuito série for predominantemente indutivo (alto valor de, de modo que será maior que ), a corrente do circuito estará atrasada em relação à fem c.a. do gerador, de maneira que o ângulo de fase φ assumirá valores entre 0º e 90º. onsequentemente, a reatância () e a tensão reativa (V ) do circuito assumirão valores positivos. Em contrapartida, se o circuito for predominantemente capacitivo (alto valor de, de modo que será maior que ), a corrente do circuito estará avançada em relação à fem c.a. do gerador, de maneira que o ângulo de fase φ assumirá valores entre 90º e 0º. onsequentemente, a reatância () e a tensão reativa (V ) do circuito assumirão valores negativos. E no caso de um circuito paralelo? Isto será tratado no próximo capítulo, conforme mencionado anteriormente. Então, resumindo tudo que foi tratado neste ponto: série: para >, temos que > 0, V > V, V > 0 e, consequentemente, 0 º < φ < 90º. série: para <, temos que < 0, V < V, V < 0 e, consequentemente, 90 º < φ < 0º. omo se determina o ângulo de fase em um circuito série? O ângulo de fase φ para um circuito série pode ser obtido por meio das relações de tangente dadas por

23 tg ) = V V (φ (4) ou tg (φ ) =, (43) bastando, para tanto, considerar o arcotangente da quantidade (tangente) obtida (seja por V /V ou /). Fasores ergunta: or que o cálculo da impedância (Z), da amplitude de fem c.a. (ε ) e do ângulo de fase (φ) para um circuito série (e também no paralelo, já adiantando) têm expressões matemáticas de caráter pitagórico (lembre aqui do teorema de itágoras), como é o caso das relações (3) e (5), e trigonométrico, como é o caso de todas as relações para os valores instantâneos de tensão e corrente vistas para o resistor, o indutor e o capacitor e, também, nas relações (4) e (43) para o ângulo de fase? esposta: orque tratamos as amplitudes de tensão e corrente como grandezas vetoriais e não como grandezas escalares, como estas naturalmente são. Em um circuito submetido ao regime de corrente alternada, tratamos os valores instantâneos das grandezas elétricas de interesse, como é o caso da tensão e da corrente, como estas naturalmente são, isto é, como grandezas escalares, enquanto que as amplitudes e valores eficazes de tensão e corrente são tratadas como grandezas vetoriais. Esta última consideração é suficiente para justificar porque a amplitude da fem do gerador c.a. no circuito série estudado neste capítulo não corresponde à soma (algébrica) das amplitudes de tensão do resistor, do indutor e do capacitor, pois aqui a referida soma trata-se de uma soma vetorial, e não algébrica (escalar). Isto, contudo, não implica que as amplitudes e, portanto, os valores eficazes, de tensões e correntes em corrente alternada sejam vetores. Apenas é feito um tratamento vetorial destas grandezas. or que isto é feito? orque esse tipo de abordagem evita a resolução de problemas via equações diferenciais, que é uma ferramenta matemática que está muito fora ou muito além (!) do objetivo da disciplina. As equações diferenciais podem ser aplicadas também na resolução de problemas referentes a grandezas elétricas variantes no tempo, seja em circuito c.a. e, também, em c.c. 3. No presente caso, diversas das relações anteriores, como, por exemplo, as equações (), (7), () e (3), dentre outras, são obtidas mediante a resolução de tais equações para alguma grandeza elétrica de interesse como, por exemplo, a carga elétrica instantânea no capacitor q ou a corrente instantânea i no circuito. Embora a resolução de equações diferenciais para a análise de circuitos em regime de corrente alternada seja bastante vantajosa (no sentido de que podemos, inclusive, analisar a fase transiente das oscilações elétricas), o método geométrico dos fasores é, qualitativamente e matematicamente, muito mais que suficiente e, também, muito mais simples para certos propósitos, como é o caso do nosso estudo. onforme discutido no apítulo, uma função senoidal ou cossenoidal é dita periódica. Toda função senoidal, e portanto periódica, pode ser descrita por um vetor que gira no sentido anti-horário, denominado fasor. O mesmo efetua um deslocamento angular, correspondente ao produto ω t, medido em relação ao eixo horizontal, partindo da direita, com a mesma velocidade angular (frequência angular) ω do gerador. O fasor descreve, então, ao final de um ciclo, uma circunferência completa. No caso da tensão alternada, a magnitude do fasor representa a amplitude da mesma, de maneira que quando este (fasor) for projetado no eixo vertical, do plano coordenado, sua projeção (também denominada componente do fasor) fornecerá o valor instantâneo da fem c.a. do gerador no presente instante de tempo t do ciclo considerado. 3 Embora pareça estranho, podemos ter grandezas elétricas variáveis no tempo em c.c., como é o caso da carga e descarga de um capacitor em um circuito série submetido a um fem constante (c.c.). Neste caso, o circuito série foi submetido a uma fem c.c.. orém, a carga elétrica q no circuito varia exponencialmente com o tempo no processo de carga e descarga. 3

24 A Figura 3.8 mostra as características básicas de um diagrama fasorial para o circuito série estudado neste capítulo. ara tanto, consideramos (arbitrariamente) um circuito predominantemente indutivo, de maneira que a fem c.a. está adiantada em relação à corrente c.a., conforme se verifica na Figura -c. Figura 3.8 (a) Um fasor representando a amplitude da corrente alternada I, no circuito série. Também são mostradas a corrente instantânea i (que é a projeção no eixo vertical do fasor I ) e a fase (ω t φ) da corrente senoidal. (b) O fasor de (a) e os fasores representando as amplitudes de tensão através do resistor, do capacitor e do indutor. Note que a amplitude de tensão do resistor V está em fase com a amplitude de corrente I, enquanto que as amplitudes de tensão no indutor V e no capacitor V exibem suas diferenças de fase, de 90º (indicadas pela simbologia perpendicular ), em relação à amplitude de corrente alternada I. (c) Os fasores de (b) se somando fasorialmente (vetorialmente) para fornecer o fasor (vetor) resultante que representa a amplitude da fem alternada ε do gerador c.a.. A amplitude de corrente do circuito série é I. ortanto, este é o fasor I. Em certo instante de tempo t do período de oscilação da tensão senoidal, o ângulo descrito pelo fasor I em relação ao eixo horizontal do plano coordenado é dado pela fase (ω t φ) da onda seno da equação (), o que pode ser observado na Figura 3.8-a. ogo, a projeção deste fasor I sobre o eixo vertical fornece o valor instantâneo i da corrente alternada no circuito; isto é, estamos falando da equação (), a qual fornece a corrente instantânea em um circuito série. omo foi visto anteriormente, em um resistor a tensão está em fase com a corrente. Isto pode ser observado na Figura 3.8-b, onde os vetores (fasores) I e V têm mesma direção e sentido. ogo, a projeção deste fasor V sobre o eixo vertical fornece o valor instantâneo da tensão no resistor (v ), isto é, v = V sen( ω t φ). (44) Esta é exatamente a equação que fornece a tensão instantânea na resistência num circuito série. Ainda pela Figura 3.8-b, uma análise semelhante, usando um pouco mais de trigonometria, nos permite concluir que as tensões instantâneas no capacitor (v ) e no indutor (v ) são dadas, respectivamente, através das equações e v = V cos( ω t φ) (45) v = V sen( ω t φ). (46) Estas são exatamente as equações que fornecem a tensão instantânea num capacitor e num indutor num circuito série. Note o sinal negativo na equação da tensão instantânea v no capacitor (?!). Da discussão acima, deve ficar claro que os valores instantâneos da tensão no resistor, no indutor e no capacitor, no circuito série, somam-se algebricamente de modo a fornecer a fem c.a. instantânea (ε) do 4

25 gerador, pois estas são (naturalmente) grandezas escalares, de modo que a segunda lei de Kirchhoff é aplicável, o que nos fornece 3 = ε v = v + v + v. (47) j= j Agora, pela Figura 3.8-c, percebe-se claramente que as amplitudes de tensão no resistor, no indutor e no capacitor somam-se vetorialmente de modo a fornecer a amplitude da fem c.a. do gerador (ε ), pois as amplitudes de tensão e de fem são tratadas como grandezas vetoriais, de modo que a segunda lei de Kirchhoff não é aplicável, visto ser esta uma lei referente a grandezas escalares, e não grandezas vetoriais. Ou seja, a amplitude de fem do gerador c.a. (ε ) obedece a equação vetorial dada por 3 r r r r r ε V = V + V + V. (48) = j= j Assim, a magnitude do vetor (fasor) amplitude de fem do gerador c.a. (ε ) é, pela Figura 3.8-c, dada pela equação (8). Em outras palavras, embora isto não seja muito correto, digamos que (48) é a forma vetorial da segunda lei de Kirchhoff para amplitudes de tensão em circuitos c.a.. Inclusive, note o caráter vetorial (com a seta ) nas amplitudes de tensão em (48). O mesmo vale para as tensões e fems c.a. eficazes, de modo que r r r r r ε V = V + V + V. (49) 3 rms = j= j( rms) ( rms) ( rms) ( rms ) No próximo capítulo, serão também analisadas e discutidas as características básicas de um diagrama fasorial para um circuito paralelo. EEMOS. Um circuito série consiste de um resistor de 60Ω, um capacitor de 5µF e um indutor de 30mH conectados numa fonte de fem c.a. de 36V de pico que oscila numa freqüência de 60Hz. Sendo assim, determine: a) A reatância capacitiva do circuito. b) A reatância indutiva do circuito. c) A reatância do circuito. d) A impedância do circuito. e) O ângulo de fase entre a fem c.a. e a corrente do circuito. f) A corrente de pico do circuito, em miliampères (ma). g) A corrente de pico no resistor, em miliampères (ma). h) A corrente de pico no capacitor, em miliampères (ma). i) A corrente de pico no indutor, em miliampères (ma). j) A tensão de pico no resistor. k) A tensão de pico no capacitor. l) A tensão de pico no indutor.. Uma bobina de indutância igual a 88mH, um resistor de valor desconhecido e um capacitor de 940nF são ligados em série a uma fem c.a. que oscila numa freqüência de 930Hz. Sabendo-se que o ângulo de fase entre a fem c.a. aplicada e a corrente do circuito é de 75º, qual é o valor do resistor? 5

26 3. Um circuito série consiste de uma fonte c.a. com uma fem de amplitude igual a 30V e que opera numa freqüência de 60Hz. Sabe-se que a tensão máxima no indutor é o triplo da tensão máxima no capacitor a qual, por sua vez, é igual a tensão máxima no resistor. Além disso, a corrente máxima do circuito tem uma intensidade de 300mA. Sendo assim, determine: a) O ângulo de fase entre a fem c.a. aplicada e a corrente do circuito. b) O valor do resistor. c) O valor do capacitor, em microfarads (µf). d) O valor do indutor, em mili-henrys (mh). EEÍIOS OOSTOS. Um circuito série consiste de um resistor de 7Ω, um capacitor de µf e um indutor de 900mH conectados numa fonte de fem c.a. de 50V de pico que oscila numa freqüência de 0Hz. Sendo assim, determine: a) A reatância capacitiva do circuito. b) A reatância indutiva do circuito. c) A reatância do circuito. d) A impedância do circuito. e) O ângulo de fase entre a fem c.a. e a corrente do circuito. f) A corrente de pico do circuito. g) A corrente de pico no resistor. h) A corrente de pico no capacitor. i) A corrente de pico no indutor. j) A tensão de pico no resistor. k) A tensão de pico no capacitor. l) A tensão de pico no indutor.. ircuito série. Um circuito série, conforme o próprio nome sugere, consiste de uma resistência ôhmica () em série apenas com uma capacitância (), além da fonte de f.em. alternada do tipo senoidal. omo não há indutância neste circuito ( = 0), a reatância indutiva do mesmo é nula ( = 0) e, consequentemente, a reatância do circuito se resume ao negativo do valor da reatância capacitiva do mesmo ( = ). onsidere um circuito série, o qual consiste de um resistor de 7Ω e um capacitor de µf conectados numa fonte de fem c.a. de 50V de pico a qual, por sua vez, oscila em uma frequência de 0Hz. Sendo assim, determine: a) A reatância capacitiva do circuito. b) A reatância do circuito. c) A impedância do circuito. d) O ângulo de fase entre a fem c.a. e a corrente do circuito. e) A corrente de pico do circuito. f) A corrente de pico no resistor. g) A corrente de pico no capacitor. h) A tensão de pico no resistor. i) A tensão de pico no capacitor. 3. ircuito série. Um circuito série, conforme o próprio nome sugere, consiste de uma resistência ôhmica () em série apenas com uma indutância (), além da fonte de f.em. alternada do tipo senoidal. omo não há capacitância neste circuito, a reatância capacitiva do mesmo é nula ( = 0) e, consequentemente, a reatância do circuito se resume ao valor da reatância indutiva do mesmo ( = ). onsidere um circuito série, o qual consiste de um resistor de 7Ω e um indutor de 900mH 6

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna: Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s).

Sinais Senoidais. A unidade de freqüência no SI é o Hertz (Hz) e o tempo é dado em segundos (s). Campus Serra COORDENADORIA DE AUTOMAÇÂO INDUSTRIAL Disciplina: ELETRÔNICA BÁSICA Professor: Vinícius Secchin de Melo Sinais Senoidais Os sinais senoidais são utilizados para se representar tensões ou correntes

Leia mais

CONCEITOS TEORICOS ESSESNCIAIS

CONCEITOS TEORICOS ESSESNCIAIS EXEÊNCA CCUTOS C SÉE COEÇÃO DO FATO DE OTÊNCA OBJETOS: - Aprender a ler os valores dos capacitores de poliéster e cerâmico; - erificar o comportamento do indutor em corrente alternada; - erificar o comportamento

Leia mais

CAPÍTULO 11 CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

CAPÍTULO 11 CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA APÍTUO 11 UTOS DE OENTE ATENADA 11.1- UM GEADO DE A Φ dt onsidere ua espira girando e u capo agnético confore a figura: -O fluxo agnético será: -onde: Φ Onde: epresentação: NBA OSΘ -ogo a fe induzida na

Leia mais

Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica

Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica Circuitos Elétricos 1 - Análise Senoidal e Propriedades Gerais dos Circuitos em C.A. Impedância Elétrica Na disciplina de Eletricidade constatou-se que a análise no tempo de um circuito com condensadores

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais

Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais Retificadores (ENG - 20301) Lista de Exercícios de Sinais Senoidais 01) Considerando a figura abaixo, determine: a) Tensão de pico; b) Tensão pico a pico; c) Período; d) Freqüência. 02) Considerando a

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada

Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada ELETRICIDADE Aula 8 Análise de circuitos no domínio da frequência e potência em corrente alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Associação de impedâncias As impedâncias

Leia mais

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo.

Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Os conceitos mais básicos dessa matéria são: Cinemática Básica: Deslocamento: Consiste na distância entre dados dois pontos percorrida por um corpo. Velocidade: Consiste na taxa de variação dessa distância

Leia mais

Limalhas de ferro sob ação de um campo magnético (Esquerda). Linhas de campo magnético da Terra (Direita)

Limalhas de ferro sob ação de um campo magnético (Esquerda). Linhas de campo magnético da Terra (Direita) O ampo Magnético Os primeiros registros de campos magnéticos foram feitos pelos gregos quando descobriram a quase 6 anos A.. uma pedra que tinha a propriedade de atrair metais Esta pedra, mais precisamente

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA

RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA RELAÇÕES DE CORRENTE ALTERNADA A tensão alternada senoidal é a qual utilizamos em nossos lares, na indústria e no comércio. Dentre as vantagens, destacamos: Facilidade de geração em larga escala; Facilidade

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos. 3º Trimestre de 2002 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY Introdução ao Laboratório Eletrônico: 6.071 Laboratório 2: Componentes Passivos 1 Exercícios Pré-Laboratório Semana 1 1.1 Filtro RC 3º Trimestre de 2002 Figura 1:

Leia mais

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC

Prof. Graça. Circuitos elétricos CC 01 Prof. Graça Circuitos elétricos CC Circuitos elétricos de CC Conteúdo Circuitos Equivalentes Princípio da Superposição Elementos Lineares egras de Kirchoff Divisor de tensão Circuito de várias malhas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III INDUTORES E CIRCUITOS RL COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q)

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q) Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos II

Laboratório de Circuitos Elétricos II PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II NOME DO ALUNO: Laboratório de Circuitos Elétricos II Prof. Alessandro

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CUSO TÉCNICO EM ELETÔNICA PATE IV - Circuito etificador - Fonte de Tensão - Diodo ener - Dobrador de Tensão - Circuitos Limitadores ou Ceifadores - Cargas em corrente alternada - Impedância -

Leia mais

canal 1 canal 2 t t 2 T

canal 1 canal 2 t t 2 T ircuito L (Prova ) --7 f [khz] L T [s] s canal canal t t T Fig. ircuito usado Tarefas: ) Monte o circuito da figura usando o gerador de funções com sinais harmônicos como força eletromotriz. Use um resistor

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Módulo III: Eletrotécnica

Módulo III: Eletrotécnica Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Unidade de Chapecó Coordenação Geral de Cursos Técnicos Curso Técnico em Mecânica Industrial Módulo III: Eletrotécnica Prof. Juan P. Robles Balestero,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores

Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Circuitos Elétricos Senoides e Fasores Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Corrente contínua x corrente alternada. Ver War of Currentes

Leia mais

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul.

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul. A- Magnetismo 1- Íman Chama-se íman ao corpo que possui a propriedade de atrair ferro, níquel ou cobalto. Existem ímanes naturais denominados de magnetite, e ímanes artificiais constituídos por aço e ferro.

Leia mais

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS

ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS ABAIXO ENCONTRAM-SE 10 QUESTÕES. VOCÊ DEVE ESCOLHER E RESPONDER APENAS A 08 DELAS 01 - Questão Esta questão deve ser corrigida? SIM NÃO Um transformador de isolação monofásico, com relação de espiras N

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Campo Magnético (Fundamentos de Física Vol.3 Halliday, Resnick e Walker, Cap.

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM

LABORATÓRIO DE CONTROLE I APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE CONTROLE I Experimento 5: APLICAÇÃO DE COMPENSADORES DE FASE DE 1ª ORDEM E DE 2ª ORDEM COLEGIADO DE ENGENHARIA

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético

Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 7 - Fontes de Campo Magnético Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, exploramos a origem do campo magnético - cargas em movimento.

Leia mais

ELETRICIDADE 2 EL2A2

ELETRICIDADE 2 EL2A2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO ELETRICIDADE 2 EL2A2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MÓDULO: SEGUNDO PROFESSOR:

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Um dos trabalhos do operador de som é tirar o máximo proveito do seu sistema de sonorização,

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Circuito RLC-Série em Regime CA

Circuito RLC-Série em Regime CA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA POLITÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO DISCIPLINA DE CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof. Alessandro L. Koerich Circuito RLC-Série em Regime CA Objetivo

Leia mais

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010

3 - Sistemas em Corrente Alternada. 1 Considerações sobre Potência e Energia. Carlos Marcelo Pedroso. 18 de março de 2010 3 - Sistemas em Corrente Alternada Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Considerações sobre Potência e Energia A potência fornecida a uma carga à qual está aplicada um tensão instantânea u e por

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO 1. (Fuvest 96) A figura esquematiza um ímã permanente, em forma de cruz de pequena espessura, e oito pequenas bússolas, colocadas sobre uma mesa. As letras N e S representam, respectivamente, pólos norte

Leia mais

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA

EXPERIÊNCIA 8 TRANSFORMADORES, CIRCUITOS EM CORRENTE ALTERNADA E FATOR DE POTÊNCIA EXPEÊNA 8 ANSFOMADOES, UOS EM OENE AENADA E FAO DE POÊNA 1 NODUÇÃO O transformador é um dispositivo elétrico que permite modificar a amplitude de tensões e correntes onsiste basicamente de duas bobinas

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado

Aula 17 GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS. META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado GRANDEZAS ESCALARES E VETORIAIS META Apresentar as grandezas vetoriais e seu signifi cado OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Diferenciar grandezas escalares e vetoriais; compreender a notação

Leia mais

TEORIA UNIDIMENSIONAL DAS

TEORIA UNIDIMENSIONAL DAS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS HIDRÁULICAS AT-087 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: O conhecimento das velocidades do fluxo de

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA.

Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Motores elétricos Os motores de CA podem ser monofásicos ou polifásicos. Nesta unidade, estudaremos os motores monofásicos alimentados por uma única fase de CA. Para melhor entender o funcionamento desse

Leia mais

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA

LISTA 10 INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA 1. (Ufmg 95) Esta figura mostra uma espira retangular, de lados a = 0,20 m e b = 0,50 m, sendo empurrada, com velocidade constante v = 0,50 m/s, para uma região onde existe um campo magnético uniforme

Leia mais

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara

Princípios de Eletricidade e Eletrônica. Aula 2 Reatância. Prof. Marcio Kimpara 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Aula 2 Reatância Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2 Para relembrar (aula passada)... Tensão e Corrente Alternada

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

Manual de Laboratório Física Experimental I- Hatsumi Mukai e Paulo R.G. Fernandes

Manual de Laboratório Física Experimental I- Hatsumi Mukai e Paulo R.G. Fernandes Pêndulo Simples 6.1 Introdução: Capítulo 6 Um pêndulo simples se define como uma massa m suspensa por um fio inextensível, de comprimento com massa desprezível em relação ao valor de m. Se a massa se desloca

Leia mais

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA Marcelo da S. VIEIRA 1, Elder Eldervitch C. de OLIVEIRA 2, Pedro Carlos de Assis JÚNIOR 3,Christianne Vitor da SILVA 4, Félix Miguel de Oliveira

Leia mais

Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS II INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL ELETRÔNICA. 1ª Edição 23 de Outubro de 2003

Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS II INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL ELETRÔNICA. 1ª Edição 23 de Outubro de 2003 Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS II ELETÔNICA 1ª Edição 23 de Outubro de 2003 INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE INSTUÇÃO POFISSIONAL PEFÁCIO Este volume, Eletrônica, contendo as matérias

Leia mais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais

1 - Formas de ondas alternadas senoidais 1 - Formas de ondas alternadas senoidais OBJETIVOS Familiarizar-se com as características de uma forma de onda senoidal, incluindo seu formato geral, valor médio e valor eficaz. Ser capaz de determinar

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287

Apresentação da disciplina 4. Módulo I 6-83. Módulo II 85-164. Módulo III 167-217. Módulo IV 220 259. Módulo V 261 a 272. Módulo VI 273 a 287 1 2 Apresentação da disciplina 4 Módulo I 6-83 Módulo II 85-164 Módulo III 167-217 Módulo IV 220 259 Módulo V 261 a 272 Módulo VI 273 a 287 Módulo VII 290 a 312 Módulo VIII 314 a 329 3 Caro aluno, A disciplina

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito.

1 Propagação de Onda Livre ao Longo de um Guia de Ondas Estreito. 1 I-projeto do campus Programa Sobre Mecânica dos Fluidos Módulos Sobre Ondas em Fluidos T. R. Akylas & C. C. Mei CAPÍTULO SEIS ONDAS DISPERSIVAS FORÇADAS AO LONGO DE UM CANAL ESTREITO As ondas de gravidade

Leia mais

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Conceitos preliminares Introdução às máquinas CA e CC Força Magnetomotriz (FMM) de enrolamentos concentrados e de enrolamentos distribuídos

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

1. TEORIA DOS CIRCUITOS

1. TEORIA DOS CIRCUITOS . TEOA DOS UTOS Fernando Gonçalves nstituto Superior Técnico Teoria dos ircuitos e Fundamentos de Electrónica - 2004/2005 Materiais ondutores Os materiais condutores caracterizam-se por possuírem electrões

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO 2009 SUMÁRIO 1 Resistores... 3 1.1 Para que servem os resistores?... 3 1.2 Simbologia... 3 1.3 Tipos... 5 1.4 Construção... 6 1.5 Potência nos

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

Guia de aulas: Equações diferenciais. Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal

Guia de aulas: Equações diferenciais. Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal Guia de aulas: Equações diferenciais Prof. Carlos Vidigal Profª. Érika Vidigal 1º Semestre de 013 Índice 1.Introdução... 3. Equações Diferenciais de 1ª Ordem... 7.1. Equações Diferenciais Separáveis...

Leia mais

Eletricidade II Sumário

Eletricidade II Sumário Sumário 1.0 Conceitos gerais sobre Magnetismo... 3 2.0 - Campo Magnético gerado por corrente elétrica... 3 3.0 A natureza dos materiais magnéticos... 6 5.0 Indução Eletromagnética... 10 6.0 Geração de

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios de Física Eletromagnetismo

Exercícios de Física Eletromagnetismo Exercícios de Física Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte

Leia mais

Exercícios Eletromagnetismo

Exercícios Eletromagnetismo Exercícios Eletromagnetismo 1-Considerando as propriedades dos ímãs, assinale a alternativa correta. a) Quando temos dois ímãs, podemos afirmar que seus pólos magnéticos de mesmo nome (norte e norte, ou

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

FÍSICA. Figura 5.1 Ventilador

FÍSICA. Figura 5.1 Ventilador FÍSICA 1 MECÂNICA MECÂNICA I II Mecânica Gráfica para alunos do ensino 3. médio Pêndulo utilizando simples o PUCK 5. Movimento circular NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA QUESTÃO PRÉVIA No ventilador

Leia mais

Campos Vetoriais e Integrais de Linha

Campos Vetoriais e Integrais de Linha Cálculo III Departamento de Matemática - ICEx - UFMG Marcelo Terra Cunha Campos Vetoriais e Integrais de Linha Um segundo objeto de interesse do Cálculo Vetorial são os campos de vetores, que surgem principalmente

Leia mais

Princípios de Corrente Alternada

Princípios de Corrente Alternada Capítulo 2 Princípios de Corrente Alternada 2.1 Porque corrente alternada? No final do séc. XIX com o crescimento econômico e as novas invenções em máquinas elétricas, foram propostas duas formas de distribuição

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia

Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Universidade Federal de São Paulo Instituto de Ciência e Tecnologia Bacharelado em Ciência e Tecnologia Oscilações 1. Movimento Oscilatório. Cinemática do Movimento Harmônico Simples (MHS) 3. MHS e Movimento

Leia mais

A indução eletromagnética. Uma questão muito pertinente que se colocava perante a descoberta de Oersted era:

A indução eletromagnética. Uma questão muito pertinente que se colocava perante a descoberta de Oersted era: Sumário UNIDADE TEMÁTICA 2. 1.3 - O microfone e o altifalante (continuação). - Fluxo magnético. -. - Lei de Faraday. - A indução eletromagnética transformadora de energia. APSA 2.4 do livro adotado. Exercícios

Leia mais

Eletricidade Aplicada - notas de aula

Eletricidade Aplicada - notas de aula Eletricidade Aplicada - notas de aula Carlos Kleber da Costa Arruda 1 - Universidade Candido Mendes 4 de junho de 2009 1 carloskleber@gmail.com 2 Sumário 1 Introdução 5 1.1 A eletricidade na prática.................................

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução Capítulo 3 Máquinas de corrente contínua Introdução A máquina de corrente contínua foi, durante muito tempo, a solução mais natural para problemas em que era imprescindível variar a velocidade durante

Leia mais

- 106 - - TRANSFORMADOR MONOFÁSICO CONSIDERAÇÕES INICIAIS: NOÇÕES DE ELETROMAGNETISMO PRINCIPAIS LEIS:

- 106 - - TRANSFORMADOR MONOFÁSICO CONSIDERAÇÕES INICIAIS: NOÇÕES DE ELETROMAGNETISMO PRINCIPAIS LEIS: - 6 - CAÍTULO X - TRAFORMADOR MOOFÁICO COIDERAÇÕE IICIAI: OÇÕE DE ELETROMAGETIMO RICIAI LEI: a) LEI DE BIOT - AVART : "Uma corrente elétrica percorrendo um condutor, cria em torno deste condutor um campo

Leia mais

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda

Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Departamento de Eletrônica Eletrônica Básica e Projetos Eletrônicos Corrente Alternada Transformadores Retificador de Meia Onda Clóvis Antônio Petry,

Leia mais

Medida de Grandezas Eléctricas

Medida de Grandezas Eléctricas Medida de Grandezas Eléctricas As grandezas eléctricas normalmente medidas são: Tensão Corrente Potência eléctrica Energia eléctrica Os valores destas grandezas podem ser obtidas por diferentes formas,

Leia mais

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA:

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Fabiano Vasconcelos Dias DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª SÉRIE EM TURMA: Nº: I N S T R

Leia mais