Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:"

Transcrição

1 Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA... Introdução... Princípios da Eletrostática... Carga Elétrica... Campo Elétrico... Lei de Coulomb... Princípios da Eletrodinâmica... Corrente Elétrica... Tensão Elétrica... Potência... Instrumentos de Medidas Elétricas... Voltímetro... Amperímetro... Multímetro... Introdução a Noções de Análise de Circuitos... Conceitos de Resistência Elétrica... Lei de Ohm... Noções de Análise de Circuitos... Elementos de um Circuito... Leis de Kirchhoff... Associação de Resistores... Configurações e Conversões Estrela - Triângulo e Triangulo - Estrela... Capacitores e Conceitos de Capacitância... Capacitor... Capacitância... Associação de Capacitores em Série e Paralelo... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

3 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Cara aluna, na disciplina ELETRICIDADE BÁSICA, com carga horária de 40 h/a, você vai iniciar um estudo voltado à Eletricidade, que servirá como base para um melhor entendimento das demais disciplinas durante seu curso. O principal objetivo desse curso é a sua qualificação profissional como ELETRISISTA INSTALADOR PREDIAL DE BAIXA TENSÃO. Para isso teremos outros objetivos a serem conquistado para sua formação, tais como: apresentar os conhecimentos básicos de eletricidade, evidenciando assim conceitos e definições de Eletrostática, Eletrodinâmica e Noções de Análise de Circuito. Dentre os conteúdos a serem estudados, estão: Princípios da Eletrostática: Carga Elétrica, Campo Elétrico e Lei de Coulomb; Princípios da Eletrodinâmica: Corrente Elétrica, Tensão Elétrica e Potência; Instrumentos de Medidas Elétricas: Voltímetro, Amperímetro e Multímetro; Introdução a Noções de Análise de Circuitos: Conceitos de Resistência Elétrica, Lei de Ohm; Noções de Análise de Circuitos: Elementos de um Circuito, Leis de Kirchhoff, Associação de Resistores em circuitos em Série, Paralelo e Misto, Configurações e Conversões Estrela-Triângulo e Triângulo-Estrela; Circuitos Capacitivos: Capacitor, Capacitância - Circuitos Capacitivos em Série e Paralelo. Estes conteúdos serão apresentados durante o decorrer do curso através de aulas expositivas, explicativas e dialogadas, bem como aulas práticas de laboratório. Neste material, além dos conteúdos já descritos, existem algumas páginas com espaço para anotações extras durante as aulas. Todos os exercícios serão apresentados e trabalhados no decorrer da disciplina. Por fim, espero que você aproveite essa oportunidade para aprender mais e assim se tornar uma boa profissional na área de Eletricidade. Bons Estudos! Prof. Esp. Jones Clécio Otaviano Dias Júnior. 3

4 Introdução Eletricidade é uma forma de energia associada aos fenômenos causados por cargas elétricas em repouso (eletrostática) e em movimento (eletrodinâmica). Alguns conceitos já foram apresentados na disciplina de Segurança do Trabalho em Eletricidade. Aqui iremos entender como os circuitos elétricos se comportam, compreendendo, portanto fundamentos teóricos acerca de componentes e grandezas elétricas. Para isso, iremos proceder nossos estudos em diferentes sessões, ou capítulos, evidenciando assim informações e conceitos básicos no estudo da eletricidade. Princípios da Eletrostática CARGA ELÉTRICA A eletrostática estuda os fenômenos relacionados às cargas elétricas em repouso. Os átomos presentes em qualquer material são formados por elétrons, que giram em órbitas bem determinadas em torno do núcleo que, por sua vez, é constituído por prótons e nêutrons. A diferença básica entre esses elementos que forma o átomo está na característica de suas cargas elétricas. O próton tem carga elétrica positiva, o elétron tem carga elétrica negativa e o nêutron não tem carga elétrica. Os átomos são, em princípio, eletricamente neutros, pois o número de prótons é igual ao número de elétrons, fazendo com que a carga total positiva anule a carga total negativa. Na figura 1, ilustra abaixo, é apresentada a estrutura de um átomo. Figura 1: Estrutura do Átomo. O princípio fundamental da eletrostática é chamado de principio da atração e repulso, cujo enunciado é: Cargas elétricas de sinais contrários se atraem e as de mesmos sinais se repelem. A carga elétrica fundamental é simbolizada pela letra q e sua unidade de medida é o Coulomb (C). O módulo da carga elétrica de um próton e de um elétron vale: q = 1,6 x C Na figura 2 são ilustrados os comportamentos das cargas elétricas de sinais contrários e de mesmos sinais quando aproximadas uma da outra. 4

5 CAMPO ELÉTRICO Figura 2: Comportamento das cargas elétricas. Princípio da atração e repulsão. Uma carga cria ao seu redor um campo elétrico que pode ser representado por linhas de campo radiais orientadas, uma vez que é uma grandeza vetorial, sendo que a sua unidade de medida é newton/coulomb (N/C). Se a carga é positiva, o campo é divergente, isto é, as linhas de campo saem da carga. Já se a carga é negativa, o campo é convergente, isso é, as linhas de campo chegam à carga, conforme ilustrado na figura 3. Para calcular a intensidade E do campo elétrico criado por uma carga Q deve ser utilizada a seguinte equação: Onde: K = 9 x 10 9 N.m 2 / C 2 (no vácuo e no ar); Q = módulo da carga elétrica, em coulomb [C]; d = distância, em metros [m]. Consideremos uma região submetida a um campo elétrico uniforme. Colocando uma carga Q num ponto dessa região, essa carga ficará sujeito a uma força, cuja unidade de medida é newton [N]. Isso pode ser ilustrado na figura 3. O módulo pode ser calculado pela seguinte equação: Onde: Q = módulo da carga elétrica, em coulomb [C]; E = módulo do campo elétrico, em newton/coulomb [N/C]. Figura 3: Campo elétrico com adição de cargas elétricas em sua região. 5

6 Se a carga é positiva, a força age no mesmo sentido da linha de campo, e se a carga é negativa, a fora age no sentido contrário ao da linha de campo. LEI DE COULOMB Como decorrência do estudo do campo elétrico gerado por uma carga e da força que surge em outra carga colocada nesse campo, pode-se deduzir a expressão que nos dá o módulo da força de atração ou de repulsão entre duas cargas elétricas, devido à interação dos seus compôs elétricos. Para determinarmos o valor da força, pela lei de Coulomb, temos a seguinte equação: Onde: K = 9 x 10 9 N.m 2 / C 2 (no vácuo e no ar); e = módulos da carga elétrica, em coulomb [C]; d = distância, em metros [m]. MINHAS ANOTAÇÕES: 6

7 Princípios da Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA A corrente elétrica é o resultado do movimento de cargas elétricas. A unidade de medida da corrente, de acordo com o Sistema Internacional de Unidades, é o Ampéres [A]. Se um fluxo constante de 1C de carga passa por um dado ponto em um condutor durante 1s, a corrente resultante é 1A. Logo, para calcularmos o valor de corrente, utilizamos a seguinte equação: Onde: Q = módulo da carga elétrica, em Coulomb [C]. t = tempo, em segundos [s]; A direção da corrente elétrica é em direção ao movimento de cargas positivas e oposta ao movimento de cargas negativas. Como ilustrado ao lado, em um diagrama de circuito, cada corrente I vem associada a uma seta para indicar a sua direção. A corrente que flui em apenas uma direção por todo o tempo de uma corrente constante (CC), enquanto que uma corrente que alterna a direção do fluxo é uma corrente alternada (CA). Uma fonte de corrente é um elemento de circuito que fornece uma dada corrente. Ao lado é ilustrada a simbologia de uma fonte de corrente para diagrama de circuitos elétrico, onde esta estar fornecendo ao circuito uma corrente de 6A. TENSÃO ELÉTRICA O conceito de tensão envolve trabalho, que por sua vez envolve fora e distância. A unidade de medida do trabalho, de acordo com o Sistema Internacional de Unidades, é p Joule [J]. A unidade da força e distância, como já mencionadas nos tópicos anteriores, é o Newton [N] e Metros [m], respectivamente. De forma genérica, o trabalho requerido, em Joules, é calculado pela seguinte equação: Onde: F = Força, em Newton [N]; S = distância, em metros [m]. Energia é a capacidade de realizar trabalho. Uma de suas formas é a energia potencial, que é a energia que m corpo possui devido a sua posição. 7

8 A diferença de potencial, como também chamada DDP, entre dois pontos é o trabalho necessário em joules para mover 1C de carga de um poro a outro. A unidade de medida da tensão é o Volt [V]. Logo para calcular o valor da tensão, considera-se a seguinte equação: Onde: W = trabalho, em joule [J]; Q = módulo da carga elétrica, em Coulomb [C]. Polarização das tensões Por definição, se o deslocamento de uma carga positiva de um ponto b para um ponto a, ou de uma carga negativa de a para b, necessita de trabalho, o ponto a é positivo em relação ao ponto b. O símbolo ao lado mostra uma elevação de tensão ou de potencial de b para a ou queda de tensão ou de potencial de a para b. Uma tensão constante é chamada de tensão CC (Corrente Contínua), e uma tensão que varia senoidal mente com o tempo é chamada de tensão CA (Corrente Alternada). Uma fonte de tensão, como uma bateria ou um gerador, fornece uma tensão que, para uma fonte ideal, não depende da corrente que circula através da fonte. Simbologias para as fontes de tensão POTÊNCIA As três simbologias ilustradas ao lago fornecem um tensão de 12V ao circuito. No caso do símbolo (I) nem sempre é necessário indicar os sinais (+) e (-), pois por conversão, o traço maior representa o terminal negativo e o traço menor, o terminal negativo. O símbolo I e II trata-se de fonte de tensão CC, e o símbolo III tensão CA. A razão na qual algum corpo absorve ou produz energia é a potência absorvida ou produzida por esse corpo. A unidade no sistema internacional de unidade para a potência é o Walt [W]. Calcula-se a potência pela seguinte equação: Onde: W = trabalho, em joule [J]; t = tempo, em segundos [s]. 8

9 Em componentes elétricos, a potência é dada por: Onde: V = tensão elétrica, em volts [V]; I = corrente elétrica, em ampères [A]. MINHAS ANOTAÇÕES: 9

10 Instrumentos de Medidas Elétricas Os instrumentos de medidas no geral servem para mensurar grandezas físicas. Os valores podem ser obtidos de forma analógica ou digita, sendo esta última mais comum hoje em dia. No instrumento analógico, o resultado é mostrado por meio de ponteiro que defletem sobre uma escala graduada, sendo que a leitura feita por meio da analogia entre o valor indicado e o valor de fundo de escala selecionado. No instrumento digital, o resultado é mostrado diretamente num display, conforme o valor de fundo de escala selecionado. Aqui serão apresentados os principais instrumentos para medidas elétricas, tais como: voltímetro, amperímetro e multímetro. VOLTÍMETRO Trata-se de um instrumento utilizado para medir a tensão elétrica (diferença de potencial) entre dois pontos de um circuito elétrico. Para medir uma tensão em certo circuito, é necessário que os terminais do instrumento fiquem ligados aos dois pontos do circuito em que se deseja conhecer a diferença de potencial, ou seja, é feita uma ligação em paralelo com o elemento, ou elementos, que necessita medir o valor da tensão. AMPERÍMETRO Figura 4: Medição de tensão sobre o resistor R com um Voltímetro. O amperímetro é o instrumento utilizado para medir a corrente elétrica que atravessa um condutor ou um dispositivo. Para medir uma corrente, o circuito deve ser aberto no ponto desejado, ligando o amperímetro em série, para que a corrente passa por ele. A corrente que passa por um dispositivo pode ser medida antes ou depois dele, já que a corrente que entra num bi polo é a mesma que sai. Se a corrente a ser medida for contínua (CC), o polo positivo do amperímetro deve ser ligado ao ponto pelo qual a corrente convencional entra, e o polo negativo, ao ponto pelo qual ela sai. Figura 5: Medição de corrente sobre o resistor R com um Amperímetro. 10

11 MULTÍMETRO São vários instrumentos utilizados em laboratórios e oficinas de eletrônica que medem grandezas elétricas. Através de deste único instrumento de medidas elétricas, é possível medir várias grandezas, tais como: tensão, corrente e resistência. O multímetro, seja analógico ou digital, possui dois terminais nos quais são ligados as pontas de prova ou pontas de teste. A ponta de prova vermelha deve ser ligada ao terminado positivo do multímetro (vermelho ou marcado com sinal +) e a ponta de prova preta deve ser ligada ao terminal negativo do multímetro (preto o marcado com sinal -). Para medir as grandezas já descritas, como por exemplo, corrente e tensão, basta efetuar as mesmas medidas utilizadas com os instrumentos próprios para cada uma delas. A única diferença neste instrumento, é que existe a presença de alguns controles, sendo que o principal é a chave rotativa ou conjunto de teclas para a seleção da grandeza a ser medida. Na figura 6 é ilustrada a imagem de um multímetro digital. MINHAS ANOTAÇÕES: Figura 6: Multímetro digital e suas pontas de prova. 11

12 Introdução a Noções de Análise de Circuitos CONCEITOS DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA A resistência é a característica elétrica dos materiais, que representa a oposição à passagem da corrente elétrica. A resistência elétrica é representada pela letra R e sua unidade de medida é o ohm [Ω]. Ao lado estão ilustrados os símbolos mais usuais para representar um resistor em um circuito elétrico. Antes de iniciarmos os estudos voltados a circuitos elétricos, é importante que seja apresentado alguns conceitos sobre circuito elétrico. Isso será feito a seguir. Circuito elétrico nada mais é do que a interligação de dois ou mais elementos bipolares, tais como: resistores e geradores ou baterias. Estes quando considerados individualmente, são apenas elementos bipolares, ou elementos com dois terminais, e a partir do momento que é feita a ligação entre eles, estamos montando um circuito elétrico. Abaixo, na figura 7, é ilustrado um exemplo de circuito elétrico contendo sete elementos, sendo duas fontes de corrente e cinco resistores. Figura 7: Exemplo de um circuito elétrico com sete elementos bipolares. Outro fator importante no estudo de eletricidade é são os dispostos da tabela 1 ilustrada a seguir, onde neste são apresentados os prefixos que muitas das vezes utilizamos no nosso dia-a-dia, porém não sabemos a dimensão dos mesmos. Muitos dos nossos afazeres diários nos trazem medidas como Quilograma, para alimentos, Mega ou Giga Byte, para componentes de alta tecnologia, como por exemplo, computadores, celulares e outros. MÚLTIPLOS PREFIXOS SÍMBOLOS Tera T 10 9 Giga G 10 6 Mega M 10 3 Quilo K 10-3 Mili M 10-6 Micro µ 10-9 Nano n Pico p Tabela 1: Prefixos mais utilizados em eletricidade. 12

13 LEI DE OHM Esta lei estabelece que a tensão sobre um resistor é diretamente proporcional à corrente que o atravessa. A lei de ohm é dada pela seguinte equação: Onde: V = tensão elétrica, em volts [V]; R = resistência, em ohms [Ω]; I = corrente elétrica, em ampères [A]. Para determinar os valores de resistência e corrente a partir dessa equação, utilizase das seguintes equações: Uma fórmula prática de chegar às três fórmulas da lei de Ohm seria utilizando o triângulo ilustrado abaixo na figura 8. Figura 8: Triângulo para determinar os valores a partir da Lei de Ohm. Para determinarmos os valores das resistências, existe o multímetro e a tabela que traz o Código de Cores para resistores (apresentada na figura 9). Figura 9: Tabela do Código de Cores para leitura de resistores. 13

14 A figura ao lado ilustra um resistor. Para saber o valor de sua resistência, basta observar as cores nele disposta. Neste caso a primeira cor representa o primeiro algarismo, a segunda o sendo algarismo, a terceira o multiplicador e a quarta a tolerância. O valor desse resistor é: 160KΩ ±5% de tolerância. Circuito Durante as aulas serão trabalhados mais alguns exemplos para uma melhor fixação deste conteúdo. MINHAS ANOTAÇÕES: 14

15 Noções de Análise de Circuitos ELEMENTOS DE UM CIRCUITO As Leis de Kirchhoff envolvem conceitos básicos para a resolução e análise de circuitos elétricos, tanto em corrente contínua como em alternada. Antes de iniciarmos os estudos dessas Leis, vamos iniciar os estudos entendendo o que um Ramo, um Nó e uma Malha em circuitos elétricos. Ramo trata-se de qualquer parte de um circuito elétrico composto por um ou mais dispositivos ligados em série. Nó trata-se de qualquer ponto de um circuito elétrico no qual há a conexão de três ou mais ramos. Malha trata-se de qualquer parte de um circuito elétrico cujos ramos formam um caminho fechado para a corrente. A seguir será apresentado e indicado cada um deles na figura 10 ilustrada abaixo. Figura 10: Representação de nó, malha e ramo em um circuito elétrico com sete elementos bipolares. LEIS DE KIRCHHOFF As Leis de Kirchhoff são conhecidas como Lei de Kirchhoff das Correntes (LKC) e Lei de Kirchhoff das Tensões (LKT). Estudaremos cada uma delas a seguir. A LEI DE KIRCHHOFF DAS CORRENTES (LKC) diz que: A soma algébrica das correntes em um nó é igual à zero ou A soma das correntes que entram em um nó é igual à soma das correntes que saem deste nó. Isso significa dizer que independentemente do valor de corrente que entra em um nó, esta sairá com o mesmo valor, mesmo que seja fracionada nos diversos ramos do circuito. 15

16 A figura ao lado ilustra parte de um circuito elétrico composto por sete elementos. Neste caso existe a presença de quatro correntes elétrica: i 1, i 2, i 3 e i 4. Pela LKC, podemos dizer que: I 1 + i 2 - i 3 - i 4 = 0 ou I 1 + i 2 = i 3 + i 4 A LEI DE KIRCHHOFF DAS TENSÕES (LKT) diz que: A soma algébrica das tensões em uma malha é zero ou A soma das tensões que elevam o potencial do circuito é igual à soma das tensões que causam a queda de potencial. Isso significa dizer que, considerando as polaridades de cada componente em relação à queda ou elevação de tensão (ou ddp), serão somadas as tensões de modo que o resultado seja igual à zero. A figura ao lado ilustra um circuito elétrico composto por seis elementos. Neste caso existe a presença de seis diferenças de potencial, ou seja, cada uma para cada elemento do circuito. Portanto, obedecendo a LKT, temos: +V 2 + V 3 - VR 3 - VR 2 - V 1 + VR 1 = 0 ou +V 2 + V 3 + VR 1 = VR 3 + VR 2 + V 1 MINHAS ANOTAÇÕES: 16

17 ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES Em um circuito elétrico os resistores podem estar ligados em série e/ou paralelo, em função das características dos dispositivos envolvidos no circuito, de necessidade de dividir uma tensão ou uma corrente, ou de obter uma resistência com valor diferente dos valores encontrados comercialmente. A seguir iremos estudar em entender as características de resistores associados em série e em paralelo. Associação em Série Como já visto, os resistores são componentes que possuem dois terminais. Feita a ligação, ou associação, destes em série irá existir uma ligação entre eles através de um único terminal, sendo este o único ponto em comum com o outro componente. Observe a ilustração abaixo, bem como a explicação. Figura 11: Associação de resistores em série com a resistência equivalente. Feita a associação dos resistores em série, a partir do circuito ilustrado na figura 11, percebe algumas características deste circuito, sendo elas: A corrente i que sai do ponto a percorre todo o circuito, passando, portanto, por todos os resistores, e indo até o ponto b. Isso significa que: A corrente que circula em uma associação de resistores em série e a mesma. A partir da passagem da corrente sobre os resistores, é provocada uma queda de tensão ou de potencial sobre cada um dos resistores (ddp), sendo esta calcula a partir da Lei de Ohm. Isso significa que: As tensões sobre cada um dos resistores são diferentes, pois o cálculo é feito em função da corrente e do resistor. Outra característica da associação de resistores é o cálculo da Resistência Equivalente R eq. Logo, para calcular o R eq em uma associação de resistores em série efetuamos a soma de todas as resistências no circuito. No caso do exemplo apresentado na figura 11, a R eq é: R eq = R 1 + R 2 + R R N. Associação em Paralelo Feita a ligação, ou associação, de resistores em paralelo irá existir uma ligação entre eles através dos seus dois terminais, portanto, os resistores apresentam dois pontos em comum. Observe a ilustração abaixo, bem como a explicação. 17

18 Figura 12: Associação de resistores em paralelo com a resistência equivalente. Feita a associação dos resistores em paralelo, a partir do circuito ilustrado na figura 12, percebe algumas características deste circuito, sendo elas: A tensão V que estar entre os pontos a e b é a mesma para todo o circuito. Isso significa que: A tensão que passa em uma associação de resistores em paralelo e a mesma para todos os componentes. Diferentemente da associação em série, as corrente que passam sobre cada um dos reitores são diferentes, pois como há a existência da divisão das correntes em virtude da presença de nós no circuito a corrente é dividida, portanto, são diferentes. Para calcular o R eq em uma associação de resistores em paralelo, é necessário considerar pares de resistores e efetuarmos a operação de multiplicação das resistências, tendo o resultado dividido pela soma destas resistências. No caso do exemplo apresentado na figura 12, a R eq é: A observação é que, sempre devemos considerar pares de resistores. Associação de resistores em circuito Misto Uma vez entendida a associação de resistores em série e paralelo individualmente, podemos nos deparar com circuitos que apresentam associação de resistores das duas formas. São os chamados circuitos mistos. Quando isso ocorrer, basta aplicar os métodos já apresentados nos tópicos anteriores para solucionar o circuito. MINHAS ANOTAÇÕES: 18

19 CONFIGURAÇÕES E CONVERSÕES ESTRELA - TRIÂNGULO E TRIANGULO - ESTRELA Num circuito, é comum os resistores estarem ligados conforme as configurações estrela triângulo apresentadas na figura 13 ilustrada abaixo. Figura 13: Configurações Estrela e Triângulo da associação de resistores. Estas configurações não se caracterizam nem como série, nem como paralelo, dificultando o cálculo da resistência equivalente do circuito e, portanto, a sua análise. Para resolver este problema, é possível converter uma configuração na outra, fazendo com que os resistores mudem de posição sem, no entanto, mudarem as características elétricas do circuito. A seguir serão apresentadas estas conversões, bem como as equações necessárias para determinarmos os valores para cada um dos resistores contidos nas duas configurações. Figura 14: Configurações Estrela - Triângulo e Triângulo - Estrela. ESTRELA - TRIÂNGULO TRIÂNGULO - ESTRELA Tabela 2: Equações para cálculos das conversões Estrela - Triângulo e Triângulo - Estrela. 19

20 MINHAS ANOTAÇÕES: 20

21 Capacitores e Conceitos de Capacitância CAPACITOR Trata-se de um dispositivo elétrico formado por duas placas condutoras de metal separas por um material isolante chamado dielétrico. Capacitância Capacidade de armazenamento de carga elétrica; A capacitância é igual à quantidade de carga que pode ser armazenada num capacitor dividido pela tensão a ela aplicada. Logo, calcula-se pela seguinte equação: Onde: C = capacitância em Farad [F]; = quantidade de carga, em Coulomb [C]; V = tensão aplicada, em Volts [V]. A unidade de medida da capacitância é o FARAD que é a capacitância que armazena um Coulomb de carga no dielétrico quando a tensão aplicada nos terminais for 1 volt; Pode-se ainda calcular o valor da capacitância a partir da seguinte equação: Onde: C = capacitância em Farad [F]; = constante dielétrica do material isolante; A = área da placa, em metros quadrado [m 2 ]; d = distância entre as placas, em metros [m]. Isso porque a capacitância depende da área das placas condutoras, da separação entre as placas e da constante dielétrica do material isolante. Associação de Capacitores em Série e Paralelo Calcula-se a capacitância equivalente em um circuito capacitivo pelas seguintes equações: CAPACITORES EM SÉRIE 21

22 CAPACITORES EM PARALELO Quando os capacitores em série tiverem a mesma capacitância, o CR é igual ao valor da capacitância dividido por dois. MINHAS ANOTAÇÕES: 22

23 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MALLEY, J. O. Análise de Circuitos. Editora Pearson, 2ª Edição, MARKUS, O. Circuitos Elétricos - Corrente Contínua e Corrente Alternada: Teoria e Exercícios. Editora Érica Ltda, 9ª Edição, MENDONÇA, R. G. de & SILVA, R. V. R. da. Eletricidade Básica. Editora Livro Técnico, 1ª Edição,

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga CAPACITOR O capacitor é um componente eletrônico capaz de armazenar cargas elétricas. É composto por duas placas de material condutor, eletricamente neutras em seu estado natural, denominadas armaduras,

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

Prof. Marcos Antonio

Prof. Marcos Antonio Prof. Marcos Antonio 1- DEFINIÇÃO É o ramo da eletricidade que estuda as cargas elétricas em movimento bem como seus efeitos. 2- CORRENTE ELÉTRICA E SEUS EFEITOS É o movimento ordenado de partículas portadoras

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC

LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC 1. Análise de correntes nas malhas 2. Análise de tensão nodal 3. Superposição As Leis de Kirchhoff são assim denominadas em homenagem ao físico alemão Gustav Kirchhoff

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS II

CIRCUITOS ELÉTRICOS II CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Corrente Elétrica Quantidade de carga elétrica deslocada por unidade de tempo As correntes elétricas

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Fonte elétrica As fontes elétricas mantém a diferença de potencial (ddp) necessária para

Leia mais

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução

Data 23/01/2008. Guia do Professor. Introdução Guia do Professor Data 23/01/2008 Introdução A inserção de tópicos da Eletricidade nas escolas de nível básico e médio é fundamental para a compreensão de alguns fenômenos da vida moderna. Você já imaginou

Leia mais

Prof. Sérgio Rebelo. Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando

Prof. Sérgio Rebelo. Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Prof. Sérgio ebelo Curso Profissional Técnico de Eletrónica, Automação e Comando Eletricidade e Eletrónica - Elenco Modular Módulo Análise de Circuitos em Corrente Contínua 3 Módulo Análise de Circuitos

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre Além de resistores, os circuitos elétricos apresentam dispositivos para gerar energia potencial elétrica a partir de outros componentes (geradores), armazenar cargas, interromper

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA. Solange Alves Costa Andrade

ELETRICIDADE BÁSICA. Solange Alves Costa Andrade ELETRICIDADE BÁSICA Solange Alves Costa Andrade Unisociesc Editora, 2015 Reservados todos os direitos de publicação à UNISOCIESC Rua Marquês de Olinda, 833 - Anita Guaribaldi 89203-400 - Joinville - SC

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO

CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO CURSO TÉCNICO DE ELETRÔNICA ANÁLISE DE CIRCUITOS 1 MÓDULO 2009 SUMÁRIO 1 Resistores... 3 1.1 Para que servem os resistores?... 3 1.2 Simbologia... 3 1.3 Tipos... 5 1.4 Construção... 6 1.5 Potência nos

Leia mais

Sistemas e Circuitos Eléctricos

Sistemas e Circuitos Eléctricos Sistemas e Circuitos Eléctricos 1º Ano/1º Semestre EACI 1º Laboratório: Introdução ao Material de Laboratório Pretende-se nesta aula de laboratório que o aluno se familiarize com o material/equipamento

Leia mais

Receptores elétricos

Receptores elétricos Receptores elétricos 1 Fig.20.1 20.1. A Fig. 20.1 mostra um receptor elétrico ligado a dois pontos A e B de um circuito entre os quais existe uma d.d.p. de 12 V. A corrente que o percorre é de 2,0 A. A

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA

GERADORES ELÉTRICOS INTRODUÇÃO TEÓRICA GERADORES ELÉTRICOS OBJETIVOS: a) verificar o funcionamento de um gerador real; b) medir a resistência interna e a corrente de curto-circuito; c) levantar a curva característica de um gerador real. INTRODUÇÃO

Leia mais

Circuitos Elétricos Leis Básicas

Circuitos Elétricos Leis Básicas Circuitos Elétricos Leis Básicas Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Introdução Como determinar os valores de tensão, corrente e potência em

Leia mais

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente.

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente. 1 LEI DE OHM A LEI DE OHM é baseada em três grandezas, já vistas anteriormente: a Tensão, a corrente e a resistência. Com o auxílio dessa lei, pode-se calcular o valor de uma dessas grandezas, desde que

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 01)A força elétrica que provoca o movimento de cargas em um condutor é: A ( ) A condutância B ( ) A temperatura C ( ) O campo elétrico D ( ) A tensão elétrica

Leia mais

k k R microfarad F F 1 1 10 nanofarad nf F 1 1 10 picofarad pf F coulomb volt C V 9.10 Nm capacitância ou capacidade eletrostática do condutor.

k k R microfarad F F 1 1 10 nanofarad nf F 1 1 10 picofarad pf F coulomb volt C V 9.10 Nm capacitância ou capacidade eletrostática do condutor. CONDUTOR EM EUILÍBRIO ELETROSTÁTICO Um condutor, eletrizado ou não, encontrase em equilíbrio eletrostático, quando nele não ocorre movimento ordenado de cargas elétricas em relação a um referencial fixo

Leia mais

Circuitos de Corrente Contínua

Circuitos de Corrente Contínua Circuitos de Corrente Contínua Conceitos básicos de eletricidade Fundamentos de Eletrostática Potencial, Diferença de Potencial, Corrente Tipos de Materiais Circuito Elétrico Resistores 1 Circuitos de

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA

GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA AULA 22 GERADORES, RECEPTORES E POTÊNCIA 1- GERADORES ELÉTRICOS Gerador elétrico é todo elemento que transforma energia não elétrica em energia elétrica. Observe que o gerador não gera energia e sim transforma

Leia mais

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q)

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q) Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

TC 1 UECE 2012 FASE 2. PROF.: Célio Normando

TC 1 UECE 2012 FASE 2. PROF.: Célio Normando TC 1 UECE 01 FASE PROF.: Célio Normando Conteúdo: Aritmética Ordem de Grandeza 1. Racionalizar o uso da água significa usá-la sem desperdício e considerá-la uma prioridade social e ambiental, para que

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA Movimento ordenado dos portadores de carga elétrica. 2- INTENSIDADE DE CORRENTE É a razão entre a quantidade de carga elétrica que atravessa

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO DIRETORIA DE ENSINO COORDENADORIA DE ATIVIDADES TÉCNICOS-PEDAGÓCIAS DEPARTAMENTO ACADÊMICO: ELETROELETRÔNICA CURSO: ELETROTÉCNICA TURMA: 102 ANO/SEMESTRE:

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Aula 4.2 Conteúdo: Associação de capacitores em série, paralelo e mista. INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA

Aula 4.2 Conteúdo: Associação de capacitores em série, paralelo e mista. INTERATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA FÍSICA Aula 4.2 Conteúdo: Associação de capacitores em série, paralelo e mista. Habilidades: Reconhecer e diferenciar os tipos de associações de capacitores, além de realizar o cálculo de sua capacitância equivalente.

Leia mais

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Aula 05 Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Circuito Elétrico Básico e suas componentes. \ Resistores em Série Em uma associação de resistores em série, a corrente elétrica ( contínua)

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1 QUESTÕES DE SIMPLES ESCOLHA - PARTE 1 PRÓXIMA => QUESTÃO 1 a. ( ) Fonte de corrente alternada. b. ( ) Fonte de tensão contínua. c. ( ) Fonte de corrente

Leia mais

Física Experimental - Eletricidade - Conjunto eletricidade CC - EQ405

Física Experimental - Eletricidade - Conjunto eletricidade CC - EQ405 Índice Remissivo... 5 Abertura... 8 Guarantee / Garantia... 9 Certificado de Garantia Internacional... 9 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

EA-513 Circuitos Elétricos Turma A 1º Semestre/2014

EA-513 Circuitos Elétricos Turma A 1º Semestre/2014 EA513 Circuitos Elétricos Turma A 1º Semestre/2014 Prof.: Renato Baldini Filho sala 324 baldini@decom.fee.unicamp.br www.decom.fee.unicamp.br/~baldini/ea513.htm Horário: Terças (16:00 h às 17:40 h) Quintas

Leia mais

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1 1 2 3 4 5 COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA O uso prático da eletricidade já é do conhecimento humano à mais de cem anos. A eletricidade consiste do movimento de elétrons em um condutor. Para poder entender o que

Leia mais

Equipe de Física FÍSICA

Equipe de Física FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 10R Ensino Médio Equipe de Física Data: FÍSICA Corrente Elétrica Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio

Leia mais

Aula prática Como utilizar um multímetro

Aula prática Como utilizar um multímetro Aula prática Como utilizar um multímetro Definição Como o próprio nome sugere, é um equipamento que pode ser utilizado para a realização de diversas medidas, dentre as principais temos: Tensão (alternada

Leia mais

Física C Extensivo V. 8

Física C Extensivo V. 8 Extensivo V 8 Exercícios 0) E I Verdadeira C ε o A d II Falsa A capacitância se reduz à metade III Falsa Não depende da carga 0) B P Q Como o tempo de transferência é pequeno, a t potência é máxima 0)

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1 Introdução Teórica: Aula 1 Fontes de Tensão e Resistores Materiais condutores Os materiais condutores caracterizam- se por possuírem elétrons que estão sujeitos a pequenas forças de atração de seu núcleo,

Leia mais

Circuitos eléctricos

Circuitos eléctricos Um circuito eléctrico µu^u]vz}_ }Œ}v passa a corrente eléctrica. É constituído obrigatoriamente por um gerador e um receptor, podendo-se também intercalar outros componentes como interruptores, motores

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

Circuitos Elétricos Fontes e Resistores: Associação e Equivalentes

Circuitos Elétricos Fontes e Resistores: Associação e Equivalentes Circuitos Elétricos Fontes e esistores: Associação e Equivalentes Prof. Alexandre Mota Prof. Lia Mota s20 Conceitos Básicos ecapitulando: Carga Elétrica: Q [C] Corrente Elétrica: i = dq/dt [C/s = A] Tensão

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA

APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO APOSTILA DE ELETRICIDADE BÁSICA Prof. Andryos da Silva Lemes Esta apostila é destinada

Leia mais

Unidade 14. Circuitos elétricos

Unidade 14. Circuitos elétricos Unidade 14 Circuitos elétricos Pra início de conversa... Nesta aula, você vai conhecer um circuito elétrico e seus componentes, conhecer a lei de Ohm e saber como utilizá-la para os cálculos de correntes,

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

1) Entendendo a eletricidade

1) Entendendo a eletricidade 1) Entendendo a eletricidade 1 2) Circuitos Modelix 2 3) Utilizando o Sistema Esquemático Modelix-G (Modelix-Grafix) 6 4) Fazendo montagens com os Circuitos Modelix 7 5) Exercícios para treinar 8 Objetivo:

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre

Considerando a polaridade do ímã, as linhas de indução magnética criadas por ele e o sentido da corrente elétrica induzida no tubo condutor de cobre 1. Em uma aula de laboratório, os estudantes foram divididos em dois grupos. O grupo A fez experimentos com o objetivo de desenhar linhas de campo elétrico e magnético. Os desenhos feitos estão apresentados

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

Aula 8.1 Conteúdo: Eletrodinâmica: Associação de resistores em série, potência elétrica de uma associação em série de resistores. INTERATIVIDADE FINAL

Aula 8.1 Conteúdo: Eletrodinâmica: Associação de resistores em série, potência elétrica de uma associação em série de resistores. INTERATIVIDADE FINAL Aula 8.1 Conteúdo: Eletrodinâmica: Associação de resistores em série, potência elétrica de uma associação em série de resistores. Habilidades: Reconhecer as utilidades dos resistores elétricos, assim como,

Leia mais

Prof. Sergio Abrahão 17

Prof. Sergio Abrahão 17 DIFERENÇA DE POTENCIAL - DDP (U) (Tensão Elétrica) Vamos aqui definir diferença de potencial (d.d.p) ou tensão elétrica de duas maneiras. O de forma científica utilizará aquela adotada por Tipler em que

Leia mais

Plano de Trabalho Docente (PTD)

Plano de Trabalho Docente (PTD) ETEC TAKASHI MORITA Plano de Trabalho Docente (PTD) Curso Técnico em Automação Industrial 1º Sem. 2015 1 Conteúdo 1º Módulo Componente Curricular: Eletricidade Básica... 5 Componente Curricular: Eletrônica

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais

Hoje estou elétrico!

Hoje estou elétrico! A U A UL LA Hoje estou elétrico! Ernesto, observado por Roberto, tinha acabado de construir um vetor com um pedaço de papel, um fio de meia, um canudo e um pedacinho de folha de alumínio. Enquanto testava

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

Eletrônica Básica. Eletrônica Básica. Educador Social: Alexandre Gomes. Rua Jorge Tasso Neto, 318 - Apipucos, Recife-PE Fone: (81) 3441 1428

Eletrônica Básica. Eletrônica Básica. Educador Social: Alexandre Gomes. Rua Jorge Tasso Neto, 318 - Apipucos, Recife-PE Fone: (81) 3441 1428 Eletrônica Básica Educador Social: Alexandre Gomes Multimetro Resistores Varistor Termistor Fusível Capacitores Diodos Transistores Fonte de Alimentação Eletrônica Básica: Guia Prático Multimetro É o aparelho

Leia mais

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força

professordanilo.com Considerando a intensidade da aceleração da gravidade de tração em cada corda é de g 10 m / s, a intensidade da força 1. (Espcex (Aman) 015) Em uma espira condutora triangular equilátera, rígida e homogênea, com lado medindo 18 cm e massa igual a 4,0 g, circula uma corrente elétrica i de 6,0 A, no sentido anti-horário.

Leia mais

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR)

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) OBJETIVOS: a) entender o funcionamento de um transistor unipolar; b) analisar e entender as curvas características de um transistor unipolar; c) analisar o funcionamento de

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Corrente elétrica 6 Descargas elétricas 6 Unidade de medida da intensidade de corrente elétrica 8 Cargas que se movimentam 10 Corrente contínua 10 Resistência elétrica 11 Origem da

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Módulo III: Eletrotécnica

Módulo III: Eletrotécnica Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Unidade de Chapecó Coordenação Geral de Cursos Técnicos Curso Técnico em Mecânica Industrial Módulo III: Eletrotécnica Prof. Juan P. Robles Balestero,

Leia mais

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO

DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO DIAGRAMA DE BLOCOS DE UMA FONTE DE TENSÃO Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro Essa deficiência presente nos retificadores é resolvida pelo emprego de um filtro

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 03: Efeitos da corrente elétrica sobre um fio material; Carga e descarga

Leia mais

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1

Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Amplificadores, Falantes, Caixas Acústicas e uma tal de Impedância Parte 1 Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Um dos trabalhos do operador de som é tirar o máximo proveito do seu sistema de sonorização,

Leia mais

Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03. Circuito Elétrico... 07. Grandezas Elétricas...

Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03. Circuito Elétrico... 07. Grandezas Elétricas... Eletrotecnica Sumário Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03 Circuito Elétrico... 07 Grandezas Elétricas... 13 Lei de Ohm... 23 Cálculo de Tensão...

Leia mais

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador

Geradores elétricos GERADOR. Energia dissipada. Símbolo de um gerador Geradores elétricos Geradores elétricos são dispositivos que convertem um tipo de energia qualquer em energia elétrica. Eles têm como função básica aumentar a energia potencial das cargas que os atravessam

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO

LISTA DE EXERCÍCIOS CAMPO MAGNÉTICO 1. (Fuvest 96) A figura esquematiza um ímã permanente, em forma de cruz de pequena espessura, e oito pequenas bússolas, colocadas sobre uma mesa. As letras N e S representam, respectivamente, pólos norte

Leia mais

Medições de Grandezas Elétricas

Medições de Grandezas Elétricas Medições de randezas Elétricas Prof. omeu Corradi Júnior Algumas definições básicas: - alvanômetro: trata-se de um receptor ativo que se destina à comparação de intensidade de correntes elétricas. É um

Leia mais

Capacitor. Utilidade do Capacitor

Capacitor. Utilidade do Capacitor Capacitor Componentes que, embora não conduzam corrente elétrica entre seus terminais, são capazes de armazenar certa corrente, que será "descarregada", assim que não houver resistência entre seus terminais.

Leia mais

Como utilizar um multímetro digital

Como utilizar um multímetro digital 1 Como utilizar um multímetro digital Um multímetro digital oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor, que chamamos de display de cristal líquido, ou simplesmente display, o valor numérico

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 1. Objetivos: Verificar a lei de Ohm. Determinar a resistência elétrica através dos valores de tensão e corrente. 2. Teoria: No século passado, George Ohm enunciou:

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores

Circuito RC: Processo de Carga e Descarga de Capacitores Departamento de Física - IE - UFJF As tarefas desta prática têm valor de prova! Leia além deste roteiro também os comentários sobre elaboração de gráficos e principalmente sobre determinação de inclinações

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari

Eletricidade Aula 1. Profª Heloise Assis Fazzolari Eletricidade Aula 1 Profª Heloise Assis Fazzolari História da Eletricidade Vídeo 2 A eletricidade estática foi descoberta em 600 A.C. com Tales de Mileto através de alguns materiais que eram atraídos entre

Leia mais

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 21 ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 21 ELETRODINÂMICA: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES FÍSIC - 2 o NO MÓDULO 21 ELETRODINÂMIC: SSOCIÇÃO DE RESISTORES U R 1 R 2 R 3 C D i U 1 U 2 U 3 U R eq D i 400 Ω 600 Ω 200 V U R 1 i i 1 i 2 i 3 R 2 R 3 i U i R eq 400 Ω i 1 600 Ω i 2 i 200 V Fixação 1)

Leia mais

LABORATÓRIO 11. Diodos e LEDs. Objetivos: Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência. do LED.

LABORATÓRIO 11. Diodos e LEDs. Objetivos: Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência. do LED. LABORATÓRIO 11 Diodos e LEDs Objetivos: do LED. Identificar o comportamento de um diodo e de um LED em um circuito simples; calcular a resistência Materiais utilizados Diodo, LED, multímetro, resistores,

Leia mais

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas

eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. Máquinas eletromecânicas A U A UL LA Manutenção eletroeletrônica I Uma máquina industrial apresentou defeito. O operador chamou a manutenção mecânica, que solucionou o problema. Indagado sobre o tipo de defeito encontrado, o mecânico

Leia mais

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015 Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Sensores São dispositivos que

Leia mais

Circuitos Capacitivos

Circuitos Capacitivos CEFET BA Vitória da Conquista Análise de Circuitos Circuitos Capacitivos Prof. Alexandre Magnus Conceito Um capacitor é um dispositivo elétrico formado por 2 placas condutoras de metal separadas por um

Leia mais

Aula 2 TRANSFORMADORES I. Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA

Aula 2 TRANSFORMADORES I. Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA Aula 2 TRANSFORMADORES I Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA Aula 2 TRANSFORMADORES Utilização do transformador Princípio de funcionamento do transformador (ideal e real) Transformador

Leia mais

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA:

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Fabiano Vasconcelos Dias DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª SÉRIE EM TURMA: Nº: I N S T R

Leia mais

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA

PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA PARADOXO DA REALIZAÇÃO DE TRABALHO PELA FORÇA MAGNÉTICA Marcelo da S. VIEIRA 1, Elder Eldervitch C. de OLIVEIRA 2, Pedro Carlos de Assis JÚNIOR 3,Christianne Vitor da SILVA 4, Félix Miguel de Oliveira

Leia mais

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara

Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara ELETRIIDADE Aula 7 Reatância e Impedância Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Parâmetros da forma de onda senoidal Vp iclo Vpp omo representar o gráfico por uma equação matemática?

Leia mais

PAINEL ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO

PAINEL ELÉTRICO 1 INTRODUÇÃO FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Projeto de Pesquisa da Primeira Série Série: Primeira Curso: Eletrotécnica Turma: 2123 Sala: 234 Início: 02 de junho de 2009 Entrega: 26 de agosto

Leia mais