6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto"

Transcrição

1 Capítulo 6. Autômatos com Pilha 6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Nos exemplos da seção anterior, vimos que os autômatos com pilha existem para algumas linguagens familiares livres do contexto. Isto não é coincidência. Existe uma relação geral entre as linguagens livres do contexto e os autômatos com pilha não-determinísticos. Veremos que a toda linguagem livre do contexto está associado um apn que a aceita e, inversamente, que toda linguagem aceita por um apn é livre do contexto Transformando Gramáticas Livre do Contexto para Autômatos com Pilha Não-Determinísticos Primeiro, mostraremos que para toda linguagem livre do contexto existe um apn que a aceita. A idéia subjacente é construir um apn que possa, em algum sentido, efetuar uma derivação mais a esquerda de qualquer cadeia na linguagem. Para simplificar um pouco o argumento, assumiremos que a linguagem é gerada por uma gramática onde o lado direito de cada produção tem a seguinte forma A aw parta algum A V, a T {λ} e w V. Observe que a única diferença entre esta forma normal e a de Greibach, é que aqui o lado direito pode ser composto por uma cadeia de variáveis, enquanto que na forma normal de Greibach o símbolo mais à esquerda sempre é um símbolo terminal. Para obter esta nova forma normal, que chamaremos aqui de forma normal pseudo- Greibach, basta associar a cada símbolo terminal a uma variável, digamos B a, e substituir toda ocorrência de um símbolo terminal a no lado direito de uma produção, mas desde que não seja o símbolo mais à esquerda, pela variável B a e ao final desse processo adicionar as produções B a a para cada a T. Claramente, a forma normal pseudo-greibach obtida desta forma é equivalente à original. Portanto, toda linguagem livre do contexto pode ser gerada por uma gramática na forma normal pseudo-greibach. O apn que vamos construir terá T como alfabeto de entrada e V {z} como alfabeto da pilha, com z V sendo o símbolo de início da pilha. Representaremos a derivação mantendo as variáveis na parte direita da forma sentencial como a cadeia que substituirá a variável no topo da pilha, enquanto o terminal da parte esquerda é identificado com o símbolo de entrada que é lido. Sendo assim, para simular a aplicação de uma produção A ax, devemos ter a variável A no topo da pilha e o terminal a como símbolo de entrada. A variável sobre a pilha é removida e trocada pela cadeia de variáveis x. O que δ deve atingir é fácil de ver. Antes de apresentar o argumento geral, veremos um exemplo simples. Exemplo Construir um apn que aceite a linguagem gerada pela seguinte gramática: 151

2 6.3. Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto S ABC A aaa a, B bbb bb, C abc λ Primeiro obtemos a forma normal pseudo-greibach: S ABC A aab a a, B bb b B bb b, C ab b C λ, B a a, B b b. O autômato correspondente terá três estados, {q 0, q 1, q 2 }, com estado inicial q 0 e estado final {q 2 }. Primeiro, o símbolo de início S é posto sobre a pilha por δ(q 0, λ, z) = {(q 1, Sz)}. A produção S ABC será simulada no apn removendo S da pilha e trocando com ABC sem consumir qualquer símbolo da fita de entrada, ou seja aplicando uma λ-transição. A produção A aab a deve possibilitar ao apn ler um a e substituir A por AB a. Já a produção A a deve simplesmente permitir ao apn consumir a e remover A do topo da pilha. Analogamente, o apn para simular as produções B bb b B e B bb b deverá ler o símbolo b da fita de entrada e substituir o B no topo da pilha por B b B e B b, respectivamente. Analogamente para simular as produção C ab b C o apn deve ler a e trocar o C no topo da pilha por B b C. Já para simular C λ o apn deve apagar C do topo da pilha sem consumir qualquer símbolo, ou seja aplicando uma λ-transição. Analogamente, para o apn simular as produções B a a e B b b deve apagar B a e B b, respectivamente, do topo da pilha sem consumir qualquer símbolo da fita de entrada. Portanto, as produções da gramática na forma normal pseudo-greibach são representadas no apn por δ(q 1, λ, S) = {(q 1, ABC)} δ(q 1, a, A) = {(q 1, AB a ), (q 1, λ)} δ(q 1, b, B) = {q 1, B b B), (q 1, B b )} δ(q 1, a, C) = {(q 1, B b C)} δ(q 1, λ, C) = {(q 1, λ)} δ(q 1, a, B a ) = {(q 1, λ)} δ(q 1, b, B b ) = {(q 1, λ)} O aparecimento do símbolo de início da pilha no topo da pilha sinaliza a completação da derivação e o apn é posto no estado final por δ(q 1, λ, z) = {(q 2, z)}. 152

3 Capítulo 6. Autômatos com Pilha A construção, nesse exemplo, pode ser generalizada para outros casos, levando para um resultado geral. Teorema Para qualquer linguagem livre do contexto L existe um apn M tal que L = L(M). Demonstração: Se L é uma linguagem livre do contexto, livre de λ, existe uma gramática livre do contexto para ela na forma normal pseudo-greibach. Seja G = V, T, S, P tal gramática. Construiremos então um apn que simulará as derivações mais à esquerda nesta gramática. Como foi sugerido, a simulação será feita tal que a parte não processada da forma sentencial estará na pilha, enquanto o prefixo terminal de qualquer forma sentencial casa com o correspondente prefixo da cadeia de entrada (o símbolo de entrada corrente). Especificamente o apn será M = {q 0, q 1, q 2 }, T, V {z}, δ, q 0, z, {q 2 }, onde z V. Observe que o alfabeto de entrada de M é idêntico ao conjunto de terminais de G e que o alfabeto da pilha contém o conjunto das variáveis da gramática (mais o símbolo de início da pilha). A função de transição incluirá δ(q 0, λ, z) = {(q 1, Sz)} (6.1) de modo que após o primeiro movimento de M, a pilha contém o símbolo de início S da derivação (o símbolo de início z da pilha é uma marca que nos permite detectar o fim da derivação). Além disso, o conjunto de regras de transição é tal que (q 1, w) δ(q 1, a, A), (6.2) sempre que A aw está em P para algum A V, a T {λ} e w V. Isto é, se a T, lê a entrada a e remove a variável A do topo da pilha, trocando-a pela cadeia de variáveis w. Desse modo ela gera as transições que permite o apn simular todas as derivações. Caso a λ então sem consumir qualquer símbolo de entrada, substitui A no topo da pilha por w. Finalmente, temos para colocar M no estado final. δ(q 1, λ, z) = {(q 2, z)}, (6.3) Para mostrar que M aceita qualquer w L(G), considere a derivação parcial mais à esquerda S = a 1 a 2 a n A 1 A 2 A m = a 1 a 2 a n bb 1 B k A 2 A m. Se M simula esta derivação, então após ler a 1 a 2 a n, a pilha deve conter A 1 A 2 A m. Para tomar o próximo passo na derivação, G deve ter a produção 153

4 6.3. Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto A 1 bb 1 B k. mas a construção é tal que M tem uma regra de transição na qual (q 1, B 1 B k ) δ(q 1, b, A 1 ), e tal que a pilha agora contém B 1 B k A 2 A m, após ter lido a 1 a n b. Um argumento de indução simples sobre o número de etapas na derivação mostra que se S = w, então Usando 6.1 e 6.3 temos (q 1, w, Sz) (q 1, λ, z). de modo tal que L(G) L(M). (q 0, w, z) (q 1, w, Sz) (q 1, λ, z) (q 2, λ, z), Para provar que L(M) L(G), seja w L(M). Por definição (q 0, w, z) (q 2, λ, u). Mas existe somente uma maneira para ir de q 0 para q 1 e somente uma de q 1 para q 2. Portanto, devemos ter (q 1, w, Sz) (q 1, λ, z). Agora, vamos escrever w = a 1 a 2 a n. Então a primeira etapa em deve ser uma regra da forma ( 6.2) para obter (q 1, a 1 a 2 a n, Sz) (q 1, λ, z) (6.4) (q 1, a 1 a 2 a n, Sz) (q 1, a 2 a 3 a n, u 1 z). Mas, então, a gramática tem uma regra da forma S a 1 u 1, tal que S = a 1 u 1. Repetindo isto, escrevendo u 1 = Au 2, temos (q 1, a 2 a n, Au 2 z) (q 1, a 3 a n, u 3 u 2 z), implicando que A a 2 u 3 está na gramática e que S = a 1 a 2 u 3 u

5 Capítulo 6. Autômatos com Pilha Isto torna claro que em qualquer ponto o conteúdo da pilha (excluindo z) é idêntico à parte não casada da forma sentencial, de modo que ( 6.4) implica S = a 1 a 2 a n. Em conseqüência, L(M) L(G), completando a prova. Exemplo Considere a gramática S aa, A aabc bb a, B b, C c. Uma vez que a gramática já está na forma normal de Greibach, podemos usar as construções do teorema, acima, imediatamente. Além das regras δ(q 0, λ, z) = {(q 1, Sz)} e δ(q 1, λ, z) = {(q 2, z)}, o apn terá as regras de transição. δ(q 1, a, S) = {(q 1, A)}, δ(q 1, b, A) = {(q 1, B)}, δ(q 1, a, A) = {(q 1, ABC), (q 1, λ)}, δ(q 1, b, B) = {(q 1, λ)}, δ(q 1, c, C) = {(q 1, λ)}. Ao processar aaabc, M faz a seguinte seqüência de movimentos (q 0, aaabc, z) (q 1, aaabc, Sz) (q 1, aabcaz) (q 1, abc, ABCz) (q 1, bc, BCz) (q 1, c, Cz) (q 1, λ, z) (q 2, λ, z). Isto corresponde à derivação S = aa = aaabc = aaabc = aaabc = aaabc Transformando Autômatos com Pilha Não-Determinísticos em Gramáticas Livre do Contexto A inversa do teorema é também verdadeira. A construção é reverter o processo de construção deste teorema, de modo que a gramática simule os movimentos do apn. Isto significa que o conteúdo da pilha deve estar refletida na parte das variáveis da forma sentencial, enquanto a entrada processada é o prefixo terminal da forma sentencial. Para fazer isso é preciso um pouco de detalhe. De modo a manter a discussão tão simples quanto possível, assumiremos que o apn em discussão satisfaz as seguintes condições: 155

6 6.3. Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto 1. Ele tem um único estado final no qual o autômato só entra nele se e somente se a pilha estiver vazia. 2. Todas as transições devem ter a forma δ(q i, a, A) = {C 1, C 2,...,C n }, onde ou C i = (q j, λ) (6.5) C i = (q j, BC). (6.6) Isto é, cada movimento ou aumenta ou diminui o conteúdo da pilha de um único símbolo. Essas restrições podem parecer muito severas, o que não é verdade. É possível mostrar que para qualquer apn existe um equivalente, no sentido que reconhecem a mesma linguagem, satisfazendo as condições 1. e 2. Ou seja, essas restrições constituem uma forma normal para apn. Transformar um apn num apn equivalente satisfazendo a primeira condição é trivial, uma vez que se há mais de um estado final, é suficiente tornar os estados finais em não-finais, criar um novo estado final q nf e para cada antigo estado final q f e para cada símbolo A da pilha adicionar a seguinte transição: δ(q f, λ, A) = ({q f }, λ) se A z e δ(q f, λ, z) = ({q nf }, λ). Já uma transição que não satisfaz 2., ou é da forma δ(q i, a, A) = (q j, A 1... A n ) para algum n > 2, em cujo caso pode ser trocada pelas transições: δ(q i, a, A) = (q j1, XA n ), δ(q j1, λ, X) = (q j2, XA n 1 ),...,δ(q j(n 1), λ, X) = (q j, A 1 A 2 ) onde q j1,...,q jn são estados novos e X Γ {z}, ou é da forma δ(q i, a, A) = (q j, B), em cujo caso pode ser trocada pelas transições: δ(q i, a, A) = (q j1, BB) e δ(q j1, λ, B) = (q j, λ) onde q j1 é um novo estado. Exemplo Seja a linguagem L = {a n b m / 2n m 3n}. Um apn que reconhece L é descrito a seguir: a b λ (q 0, z) (q 0, AAz)(q 0, AAAz) (q 0, A) (q 0, AAA)(q 0, AAAA) (q 1, λ) (q 1, A) (q 1, λ) (q 1, z) (q 2, λ) 156

7 Capítulo 6. Autômatos com Pilha onde q 2 é o estado final. Este autômato não está na forma normal para apn, mas transformaremos eles usando o algoritmo anterior. Note que ele já satisfaz a primeira condição, pelo que só aplicaremos a segunda parte do algoritmo, resultando no seguinte apn: a b λ (q 0, z) (q a, Az)(q b, Az) (q a, A) (q 0, AA) (q b, A) (q c, AA) (q c, A) (q 0, AA) (q 0, A) (q d, AA)(q e, AA) (q 1, λ) (q d, A) (q 0, AA) (q e, A) (q f, AA) (q f, A) (q 0, AA) (q 1, A) (q 1, λ) (q 1, z) (q 2, λ) Obviamente, este autômato pode ser enxugado. Por exemplo, o seguinte apn que também está na forma normal é equivalente ao apn resultante do algoritmo e portanto equivalente ao original: a b λ (q 0, z) (q a, Az)(q b, Az) (q a, A) (q 0, AA) (q b, A) (q a, AA) (q 0, A) (q a, AA)(q b, aa) (q 1, λ) (q 1, A) (q 1, λ) (q 1, z) (q 2, λ) Construiremos, agora, a gramática livre do contexto para a linguagem aceita pelo apn. Sem perda de generalidade, podemos assumir que o apn está na forma normal para apn. Para iniciar, devemos ter uma forma sentencial para indicar o conteúdo da pilha, mas observemos que a configuração de um apn também envolve um estado interno que deve ser relembrado na forma sentencial. Para isso, devemos usar variáveis na gramática da forma (q i Aq j ), com a interpretação de que (q i Aq j ) = w se e somente se o apn apaga A da pilha, indo do estado q i para o q j, enquanto lê a cadeia w. Apagar, aqui, significa que A e seus efeito após (isto é, a cadeia pela qual é trocada) desaparece da fita, trazendo o símbolo originalmente abaixo de A para o topo. Usando esta interpretação, não é difícil ver que cada produção da gramática precisa corresponder com um desses dois tipos de transições. Como ( 6.5) envolve uma remoção imediata de A, a gramática terá a correspondente produção (q i Aq j ) a. 157

8 6.3. Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Produções do tipo ( 6.6) geram a produção (q i Aq l ) a(q j Bq k )(q k Cq l ), onde q k e q l tomam todos os valores possíveis em Q. Isto é devido ao fato de que para apagar A primeiro lemos a, trocamos A com BC e vamos para o estado q j. Logo, devemos apagar B e depois C. Podemos fazer isto indo até um estado q k e apagar B, ou seja, (q j Bq k ) e depois indo até um estado q l e apagar C, ou seja, (q k Cq l ). Como não sabemos exatamente que estados são esses q k e q l, colocamos todos. Na última etapa, pode parecer que adicionamos em demasia, uma vez que podem existir estados q k que não podem ser alcançados por q j enquanto apaga B. Isto é verdade, mas isto não afeta a gramática. Neste caso, a variável resultante (q j Bq k ) é inútil e não afeta a linguagem aceita pela gramática. De fato podemos aplicar o algoritmo de remoção de produções inúteis para tornar a gramática mais enxuta. Finalmente, como variável de início tomamos (q 0 zq f ), onde q f é o único estado final do apn. Exemplo Considere o apn M = {q 0,...,q 3 }, {a, b}, {A, z}, δ, q 0, z, {q 2 } onde δ(q 0, a, z) = {(q 0, Az)}, δ(q 3, λ, z) = {(q 0, Az)}, δ(q 0, a, A) = {(q 3, λ)}, δ(q 0, b, A) = {(q 1, λ)}, δ(q 1, λ, z) = {(q 2, λ)}. As três últimas são da forma ( 6.5) de modo que elas geram as produções correspondentes. (q 0 Aq 3 ) a, (q 0 Aq 1 ) b, (q 1 zq 2 ) λ. A partir das duas primeiras transições obtemos o seguinte conjunto de produções. (q 0 zq 0 ) a(q 0 Aq 0 )(q 0 zq 0 ) a(q 0 Aq 1 )(q 1 zq 0 ) a(q 0 Aq 2 )(q 2 zq 0 ) a(q 0 Aq 3 )(q 3 zq 0 ), (q 0 zq 1 ) a(q 0 Aq 0 )(q 0 zq 1 ) a(q 0 Aq 1 )(q 1 zq 1 ) a(q 0 Aq 2 )(q 2 zq 1 ) a(q 0 Aq 3 )(q 3 zq 1 ), (q 0 zq 2 ) a(q 0 Aq 0 )(q 0 zq 2 ) a(q 0 Aq 1 )(q 1 zq 2 ) a(q 0 Aq 2 )(q 2 zq 2 ) a(q 0 Aq 3 )(q 3 zq 2 ), (q 0 zq 3 ) a(q 0 Aq 0 )(q 0 zq 3 ) a(q 0 Aq 1 )(q 1 zq 3 ) a(q 0 Aq 2 )(q 2 zq 3 ) a(q 0 Aq 3 )(q 3 zq 3 ), (q 3 zq 0 ) (q 0 Aq 0 )(q 0 zq 0 ) (q 0 Aq 1 )(q 1 zq 0 ) (q 0 Aq 2 )(q 2 zq 0 ) (q 0 Aq 3 )(q 3 zq 0 ), (q 3 zq 1 ) (q 0 Aq 0 )(q 0 zq 1 ) (q 0 Aq 1 )(q 1 zq 1 ) (q 0 Aq 2 )(q 2 zq 1 ) (q 0 Aq 3 )(q 3 zq 1 ), (q 3 zq 2 ) (q 0 Aq 0 )(q 0 zq 2 ) (q 0 Aq 1 )(q 1 zq 2 ) (q 0 Aq 2 )(q 2 zq 2 ) (q 0 Aq 3 )(q 3 zq 2 ), (q 3 zq 3 ) (q 0 Aq 0 )(q 0 zq 3 ) (q 0 Aq 1 )(q 1 zq 3 ) (q 0 Aq 2 )(q 2 zq 3 ) (q 0 Aq 3 )(q 3 zq 3 ). Eliminando produções inúteis temos a seguinte gramática livre do contexto: 158

9 Capítulo 6. Autômatos com Pilha (q 0 zq 2 ) a(q 0 Aq 1 )(q 1 zq 2 ) a(q 0 Aq 3 )(q 3 zq 2 ), (q 3 zq 2 ) (q 0 Aq 1 )(q 1 zq 2 ) (q 0 Aq 3 )(q 3 zq 2 ), (q 0 Aq 3 ) a, (q 0 Aq 1 ) b, (q 1 zq 2 ) λ. A variável de início será (q 0 zq 2 ). A cadeia aab é aceita pelo apn, com as sucessivas configurações A correspondente derivação com G é (q 0, aab, z) (q 0, ab, Az) (q 3, b, z) (q 0, b, Az) (q 1, λ, z) (q 2, λ, λ). (q 0 zq 2 ) = a(q 0 Aq 3 )(q 3 zq 2 ) = aa(q 3 zq 2 ) = aa(q 0 Aq 1 )(q 1 zq 2 ) = aab(q 1 zq 2 ) = aab. As etapas na prova do seguinte teorema serão fáceis de entender se se observar a correspondência entre as sucessivas descrições instantâneas do apn e as formas sentenciais na derivação. O primeiro q i, na variável mais à esquerda de cada forma sentencial é o estado corrente do apn, enquanto a seqüência de símbolos do meio é a mesma do conteúdo da pilha. Embora a construção gere uma gramática muito complicada, ela pode ser aplicada a qualquer apn cujas regras de transição satisfazem as condições dadas. Teorema Se L = L(M) para algum apn M, então L é uma linguagem livre do contexto. Demonstração: Seja M = Q,Σ, Γ, δ, q 0, z, {q f } a forma normal da apn M. Assim, M satisfaz as condições (6.5) e (6.6). Construiremos uma gramática G = V, Σ, (q 0 zq f ), P, onde V consiste dos elementos da forma (q i cq j ) e para cada incluímos em P a produção (q j, BC) δ(q i, a, A) para cada q k, q l Q. Por outro lado, para cada (q i Aq l ) a(q j Bq k )(q k Cq l ), 159

10 6.4. λ-transições vs Não-determinismo Explícito incluímos em P a produção (q j, λ) δ(q i, a, A) (q i Aq j ) a. Mostraremos que a gramática assim obtida é tal que para cada q i, q j Q, A Γ, x Γ e u, v Σ, (q i, uv, Ax) (q j, v, x), se e somente se (q i Aq j ) = u. Pela maneira como foram construídas as produções de G, podemos, facilmente, mostrar isto. Basta aplicar uma indução no tamanho da seqüência de movimentos, para obter a implicação, e outra no tamanho da derivação, para obter a inversa. Assim, em particular, podemos concluir que onde q f F. Portanto, L(M) = L(G). (q 0, w, z) (q f, λ, λ), se e somente se (q 0 zq f ) = w, 6.4 λ-transições vs Não-determinismo Explícito Harrison em [Har78] mostrou que para qualquer apn P é possível obter um apn sem λ-transições P, tal que P e P reconhecem a mesma linguagem. Ou seja, ele mostrou que λ-transições não acrescentam poder ao modelo de autômatos com pilha. Por outro lado, observe que a necessidade de usar não-determinismo puro ou explícito no primeiro apn no exemplo é só aparente, perfeitamente poderíamos definir um apn onde o δ não contenha qualquer escolha não-determinística explícita, ou seja δ(q, a, A) 1 para todo a Σ {λ} e A Γ. Um tal apn seria com δ definido por M = {q 0, q 1, q 2, q 3, q 4 }, {a, b}, {A, B, z}, δ, q 0, z, {q 4 }, a b λ (q 0, z) (q 1, Az) (q 0, A) (q 3, λ) (q 1, AA) (q 1, A) (q 0, AA) (q 2, AA) (q 2, A) (q 0, AA) (q 3, A) (q 3, λ) (q 3, z) (q 4, z) Dizer que uma transição é não-determinística é dizer que ela possui mais de uma opção. Formalmente, 160

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.1/dim0330 1/36 Autômatos a pilha David Déharbe UFRN/DIMAp Campus Universitário, Lagoa Nova, 59072-970 Natal,

Leia mais

Apostila 03 Linguagens Livres de Contexto

Apostila 03 Linguagens Livres de Contexto Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto LFA - PARTE 2 Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária João Luís Garcia Rosa LFA-FEC-PUC-Campinas 2002 R. Gregory Taylor: http://starbase.cs.trincoll.edu/~rtaylor/thcomp/

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

Gramáticas Livres de Contexto

Gramáticas Livres de Contexto Gramáticas Livres de Contexto 25 de novembro de 2011 Definição 1 Uma Regra (ou produção) é um elemento do conjunto V (V Σ). Sendo que V é um conjunto finito de elementos chamados de variáveis e Σ um conjunto

Leia mais

Linguagens, Gramáticas e Máquinas

Linguagens, Gramáticas e Máquinas Linguagens, Gramáticas e Máquinas 1 INTRODUÇÃO Pode-se olhar um computador como uma máquina M que tem as propriedades descritas a seguir. A cada instante, M tem um "estado interno", M lê alguma "entrada",

Leia mais

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto Capítulo 5 Linguagens livres de contexto 5.1. Gramáticas livres de contexto 5.2. Parsing e ambiguidade 5.3. CFG e linguagens de programação 221 5.1. 1Gramáticas ái livres de contexto na parte esquerda

Leia mais

Autómatos finitos não determinísticos (AFND)

Autómatos finitos não determinísticos (AFND) Autómatos finitos não determinísticos (AFND) [HMU00](Cap 2.3) Computações não determinísticas: o estado seguinte não é univocamente determinado pelo estado actual.num autómato finito (não-determínistico):

Leia mais

Outras Máquinas de Turing

Outras Máquinas de Turing Capítulo 10 Outras Máquinas de Turing 10.1. Pequenas variações da TM padrão 10.2. MT s com dispositivos de armazenamento mais complexos 10.3. MT s não-determinísticas 10.4. A Máquina de Turing Universal

Leia mais

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima

ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO. Seção 5.1 Problemas indecidíveis. Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima ACH2043 INTRODUÇÃO À TEORIA DA COMPUTAÇÃO Seção 5.1 Problemas indecidíveis Slides originais gentilmente cedidos pela Profa. Ariane Machado Lima 1 Na aula passada... A MT é indecidível (usando diagonalização)

Leia mais

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V.

Definição 2.2 (Palavra) As sequências finitas de letras são designadas por palavras sobre o alfabeto V. Capítulo 2 Definição de Linguagens 2.1 Linguagens Formais Definição 2.1 (Alfabeto) Um conjunto finito e não vazio de símbolos arbitrários é designado por um alfabeto, e é denotado por V. Os elementos de

Leia mais

Introdução às Máquinas de Turing (TM)

Introdução às Máquinas de Turing (TM) Comparação com computadores: Introdução às Máquinas de Turing (TM) um modelo matemático simples de um computador Semelhanças: lê e escreve em posições arbitrarias de memoria Diferenças: sem limite no tamanho

Leia mais

Plano da aula. Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. A Abc b B d.

Plano da aula. Compiladores. Top-Down x Bottom Up. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. Redução Exemplo 1. A Abc b B d. Plano da aula Compiladores Análise bottom-up AKA: Analisador ascendente Analisador empilhar/reduzir Análise sintática (4) Análise Bottom-Up Autômatos mpilhar/reduzir xemplos Handle Operações básicas IQuestões

Leia mais

Máquinas de Turing. Juliana Kaizer Vizzotto. Disciplina de Teoria da Computação. Universidade Federal de Santa Maria

Máquinas de Turing. Juliana Kaizer Vizzotto. Disciplina de Teoria da Computação. Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Disciplina de Teoria da Computação Roteiro Definição Formal de Máquina de Turing Mais exemplos Definição Formal de Máquina de Turing Uma máquina de Turing é uma 7-upla,

Leia mais

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX

Compiladores. A seção das regras. Especificação (F)lex. Plano da aula. Escolha das regras. Compilação típica com FLEX Compilação típica com FLX Compiladores Análise sintática (1) Noções sobre Gramáticas Livres de conteto dição do teto de especificação No arquivo minhas_regras.l 3 partes: Declarações Regras (Rs -> Ação)

Leia mais

Lema do Bombeamento Linguagens Livres de Contexto

Lema do Bombeamento Linguagens Livres de Contexto Lema do Bombeamento Linguagens Livres de Contexto Bombeando FA s 0 0 x y z 1 1 1 0 Strings de comprimento 3 ou mais no DFA acima podem ser bombeados, pois tais strings correspondem a caminhos de comprimento

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios

Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Linguagens Formais e Compilação Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa 1 Linguagens Formais: Construir Frases Exercício 1 Para cada uma das gramáticas G seguintes, (a) descreva a linguagem L(G) gerada

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens Formais e Autômatos

Teoria da Computação Linguagens Formais e Autômatos 1 Prof. Diógenes Furlan Teoria da Comutação Linguagens Formais e Autômatos Módulo 2 2015 2 Autômato de Pilha Modelo reconhecedor de alavras ara LLCs. Modelo da Máuina fita de entrada cabeça de leitura

Leia mais

Analisadores Ascendentes ou Empilha-Reduz. Mais um exemplo... Mais um exemplo... Top-Down x Bottom Up. Conteúdo da aula. Analisadores Ascendentes

Analisadores Ascendentes ou Empilha-Reduz. Mais um exemplo... Mais um exemplo... Top-Down x Bottom Up. Conteúdo da aula. Analisadores Ascendentes Conteúdo da aula Analisadores Ascendentes ou mpilha-reduz Marcelo Johann Analisadores Ascendentes uncionamento Analisadores de Precedência de Operadores Analisadores LR(k) SLR - Simple LR (estudaremos

Leia mais

Roteiro da Aula 3. Sintaxe. 2 Exemplos. 4 Propriedades de Fechamento. Teoria da. 116360 Aula 3. Roteiro

Roteiro da Aula 3. Sintaxe. 2 Exemplos. 4 Propriedades de Fechamento. Teoria da. 116360 Aula 3. Roteiro 636 da Finitos Nãoterminísticos Finitos Não-terminísticos Sintaxe Semântica 2 3 4 5 636 Finitos Nãoterminísticos Sintaxe Semântica Não-terminismo Determinístico Exatamente uma trajetória sobre uma w Σ.

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais

O que queremos. Processamento Estatístico da Linguagem Natural. Parsing Morfológico. Regras Simples. Adicionando palavras. Regras Derivacionais Processamento Estatístico da Linguagem Natural Aula 5 Professora Bianca (Sala 302 Bloco E) bianca@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~bianca/peln/ O que queremos Algo que faça automaticamente um mapeamento

Leia mais

1 Autómatos finitos deterministas

1 Autómatos finitos deterministas 1 Autómatos finitos deterministas 1.1 Autómato finito determinista Um alfabeto é um conjunto finito. Uma linguagem sobre um alfabeto I é um subconjunto de I. Usa-se simplesmente a designação linguagem

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador

Compiladores. Análise léxica. Plano da aula. Vocabulário básico. Motivação para análise léxica. Estrutura de um compilador Estrutura de um compilador Compiladores Análise lexical (1) Expressões Regulares 1 2 Plano da aula 1. Motivação do uso de E.R. e definições Linguagens, tokens, lexemas... 2. Regras de formação e exemplos

Leia mais

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48

O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos. > Princípios de Contagem e Enumeração Computacional 0/48 Conteúdo 1 Princípios de Contagem e Enumeração Computacional Permutações com Repetições Combinações com Repetições O Problema do Troco Principio da Casa dos Pombos > Princípios de Contagem e Enumeração

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ).

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). Alfabeto e palavras Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). {A,...,Z}, {α, β,... }, {a,b}, {0,1}, ASCII Palavra de Σ sequência finita de símbolos do alfabeto Σ Σ = {a, b} aabba a aaaaaaaa Comprimento

Leia mais

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013

Álgebra Linear. Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru. 19 de fevereiro de 2013 Álgebra Linear Mauri C. Nascimento Departamento de Matemática UNESP/Bauru 19 de fevereiro de 2013 Sumário 1 Matrizes e Determinantes 3 1.1 Matrizes............................................ 3 1.2 Determinante

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

Computabilidade 2012/2013. Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Computabilidade 2012/2013 Sabine Broda Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Capítulo 1 Computabilidade 1.1 A noção de computabilidade Um processo de computação

Leia mais

$XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' A= (Q, È, G,q 0,F)

$XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' A= (Q, È, G,q 0,F) &DStWXOR,,$XWyPDWRV)LQLWRV $XWyPDWRV)LQLWRV'HWHUPLQLVWDV$)' 'HILQLomR: Um $XWyPDWR)LQLWR'HWHUPLQLVWD é um quíntuplo ordenado, onde: A= (Q, È, G,q 0,F) Q é um conjunto finito, não vazio, de HVWDGRV, È é

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

Databases. Dependências Funcionais

Databases. Dependências Funcionais Databases Dependências Funcionais P. Serendero, 2011-13 Referências e exemplos tirados de diversas fontes, excetuando aqueles relacionados com embarcações Dependências Funcionais (DF) Uma Base de Dados,

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007

Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007 1 Construção do Boxplot utilizando o Excel 2007 (1 Passo) Vamos digitar os dados na planilha. Para isso temos três banco de dados (Dados 1, Dados 2 e Dados 3), no qual irão gerar três Boxplot. Figura 1

Leia mais

2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos

2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos 2 Máquinas de Estados em Jogos Eletrônicos Máquinas de Estados são um conceito importante em várias áreas da ciência. Em particular, a engenharia e a computação utilizam Máquinas de Estados como ferramentas

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

Notas de Aula - Álgebra de Boole Parte 1

Notas de Aula - Álgebra de Boole Parte 1 Universidade de Brasília Departamento de Engenharia Elétrica Sistemas Digitais 1 Prof. Dr. Alexandre Romariz Revisado em 27/4/06 Notas de Aula - Álgebra de Boole Parte 1 1 Introdução Fundamentos, Teoremas

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 02 ATIVIDADE 01 Para poupar esforço de digitação, você pode usar o tradicional

Leia mais

Somatórias e produtórias

Somatórias e produtórias Capítulo 8 Somatórias e produtórias 8. Introdução Muitas quantidades importantes em matemática são definidas como a soma de uma quantidade variável de parcelas também variáveis, por exemplo a soma + +

Leia mais

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS

Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS Curso de Iniciação ao Access Basic (I) CONTEÚDOS 1. A Linguagem Access Basic. 2. Módulos e Procedimentos. 3. Usar o Access: 3.1. Criar uma Base de Dados: 3.1.1. Criar uma nova Base de Dados. 3.1.2. Criar

Leia mais

Dependências Funcionais

Dependências Funcionais Dependências Funcionais Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 26 Motivação: Normalização Por vezes o esquema relacional tem falhas. Geralmente são derivadas de falhas no modelo conceptual.

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

Contagem com Recursões

Contagem com Recursões Programa Olímpico de Treinamento Curso de Combinatória Nível 3 Prof. Carlos Shine Aula 4 Contagem com Recursões Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios

Leia mais

Os limites da computação algorítmica

Os limites da computação algorítmica Capítulo 12 Os limites da computação algorítmica 12.1. Problemas que não podem ser resolvidos pelas MT. 12.2. Problemas indecidíveis para LRE 12.3. Problema da correspondência de Post 12.4. Problemas indecidíveis

Leia mais

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes

Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Conteúdo da aula 1. xemplos de Gramáticas Revisão de GLC e Analisadores Descendentes Marcelo Johann 2. Propriedades: Ambíguas, sem ciclos, ε-livres, fatoradas à esquerda, recursivas à esquerda, simplificadas

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

Autómatos Finitos Determinísticos

Autómatos Finitos Determinísticos Ficha 2 Autómatos Finitos Determinísticos 2.1 Introdução Se olharmos, de forma simplificada, para um computador encontramos três componentes principais: a) A unidade de processamento central b) As unidades

Leia mais

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Conjunto de nós e conjunto de arestas que ligam pares de nós Um nó é a raiz Com excepção da raiz, todo o nó está ligado por uma aresta a 1 e 1

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - III Manual Prático Microsoft Excel 2007 1 MÓDULO - III CÁLCULOS... 3 Fazer contas... 3 Fórmulas com operadores básicos... 3 Fórmulas com funções... 4 Funções mais usadas... 8 Soma... 8 Media...

Leia mais

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos

Vetores. Vetores. Figura 1 Exemplo de vetor com 10 elementos Vetores Nos capítulos anteriores estudamos as opções disponíveis na linguagem C para representar: Números inteiros em diversos intervalos. Números fracionários com várias alternativas de precisão e magnitude.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ. Juliano de Souza Gaspar PROTÓTIPO DE UMA FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS LIVRE DE CONTEXTO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ. Juliano de Souza Gaspar PROTÓTIPO DE UMA FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS LIVRE DE CONTEXTO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Juliano de Souza Gaspar PROTÓTIPO DE UMA FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO DE LINGUAGENS LIVRE DE CONTEXTO São José 2006 JULIANO DE SOUZA GASPAR PROTÓTIPO DE UMA FERRAMENTA DE

Leia mais

Ficheiros binários 1. Ficheiros binários

Ficheiros binários 1. Ficheiros binários Ficheiros binários 1 Ficheiros binários 1. Considere que dispõe de ficheiros binários cujo conteúdo é constituído por uma ou mais estruturas como a indicada a seguir struct registo { int ref; float var;

Leia mais

XXIX Olimpíada de Matemática da Unicamp Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas

XXIX Olimpíada de Matemática da Unicamp Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas Gabarito da Prova da Primeira Fase Nível Alfa 1 Questão 1 Sabemos que a água do mar contém 3, 5% do seu peso em sal, isto é, um quilograma de água do mar contém 35 gramas de sal (a) Determine quantos litros

Leia mais

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br

Compiladores Aula 5. Celso Olivete Júnior. olivete@fct.unesp.br Aula 5 Celso Olivete Júnior olivete@fct.unesp.br Na aula passada Conjuntos Primeiro(First) e Seguidor(Follow) 2 Na aula de hoje Análise Sintática Análise Sintática Descendente Recursividade Fatoração 3

Leia mais

Códigos Lineares CAPÍTULO 4

Códigos Lineares CAPÍTULO 4 CAPÍTULO 4 Códigos Lineares 1. Definição, pârametros e peso mínimo Seja F q o corpo de ordem q. Portanto, pelo Teorema 3.24, q = p m para algum primo p e inteiro positivo m. Definição 4.1. Um código linear

Leia mais

Árvores Trie e Patricia. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com

Árvores Trie e Patricia. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Árvores Trie e Patricia Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Árvores Trie Definida em 1960 por Edward Fredkin Vêm de Retrieval (Relacionado à Recuperação de Informações) Para

Leia mais

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única.

Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio de Fatoração Única. Universidade Estadual de Campinas Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Departamento de Matemática Monografia sobre R ser um Domínio de Fatoração Única implicar que R[x] é um Domínio

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra de Amo Solução da Lista de Exercícios n o 6 - Problemas Indecidiveis Exercicio 7-5.5 do

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010

Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 1. Introdução Usando um Simulador da Máquina de Turing Claudio Kirner 2010 A Máquina de Turing, idealizada por Alan Turing, em 1936, é uma máquina teórica simples capaz de calcular qualquer função matemática.

Leia mais

Seqüências, Limite e Continuidade

Seqüências, Limite e Continuidade Módulo Seqüências, Limite e Continuidade A partir deste momento, passaremos a estudar seqüência, ites e continuidade de uma função real. Leia com atenção, caso tenha dúvidas busque indicadas e também junto

Leia mais

Sobre Domínios Euclidianos

Sobre Domínios Euclidianos Sobre Domínios Euclidianos Clarissa Bergo Bianca Fujita Lino Ramada João Schwarz Felipe Yukihide Setembro de 2011 Resumo Neste texto, apresentaremos formalmente o que vem a ser domínio euclidiano, alguns

Leia mais

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h

Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 2h/60h Portas Lógicas Básicas Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Colegiado de Engenharia da Computação CECOMP Introdução à Algebra de Boole Em lógica tradicional, uma decisão é tomada

Leia mais

Conceitos Importantes:

Conceitos Importantes: Conceitos Importantes: Variáveis: Por Flávia Pereira de Carvalho, 2007 i O bom entendimento do conceito de variável é fundamental para elaboração de algoritmos, consequentemente de programas. Uma variável

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos.

2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos. 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos 1. Números Decimais. Objetivos. Objetivos 2. Sistemas de Numeração, Operações e Códigos Revisar o sistema de numeração decimal Contar no sistema de numeração binário Converter de decimal para binário e vice-versa Aplicar operações aritméticas

Leia mais

Definição. de solução de um problema passo-a-passo. Representa a lógica l. passo.

Definição. de solução de um problema passo-a-passo. Representa a lógica l. passo. ALGORITMO Definição Representa a lógica l de solução de um problema passo-a-passo passo. Um algoritmo pode ser Na forma textual: Uma descrição tal como uma receita de bolo; Um manual de montagem; Um relato

Leia mais

SSS Slide Show System

SSS Slide Show System SSS Slide Show System Licenciatura em Ciências da Computação Programação Imperativa 2009 Segundo Projecto Versão de 21 de Março de 2009 Alberto Simões José C. Ramalho Instruções Este projecto deve ser

Leia mais

3 Parsing Expression Grammars

3 Parsing Expression Grammars 3 Parsing Expression Grammars Parsing Expression Grammars (PEG) são um formalismo que descreve reconhecedores de linguagens (For04). PEGs são uma alternativa para gramáticas livres de contexto (CFGs) e

Leia mais

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Circuitos Digitais Prof. José dos Santos Garcia Neto São Paulo 2014 Prof. José dos Santos Garcia Neto 1 Introdução Esta apostila tem como objetivo

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino da Matemática

Novas Tecnologias no Ensino da Matemática UFF Novas Tecnologias no Ensino da Matemática 1 Novas Tecnologias no Ensino da Matemática Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ Lista 8 ATIVIDADE 1 Uma outra maneira de se poupar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

Aula prática de Cálculo Usando a planilha Excel

Aula prática de Cálculo Usando a planilha Excel Aula prática de Cálculo Usando a planilha Excel Prof. Ulysses Sodré Profa. Sônia Ferreira L. Toffoli Londrina-PR, 27 de Junho de 2007, arquivo: excel001.tex 1 Alça de preenchimento no Excel Ao selecionar

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Avaliação de Desempenho Aulas passadas Modelagem de sistemas via cadeias de Markov Aula de hoje Introdução à simulação Gerando números pseudo-aleatórios 1 O Ciclo de Modelagem Sistema real Criação do Modelo

Leia mais

Exemplo: programa --> regra; fato. Muito utilizada para definir gramáticas e para processamento de linguagem natural.

Exemplo: programa --> regra; fato. Muito utilizada para definir gramáticas e para processamento de linguagem natural. istemas Inteligentes, 2011-2 1 Utilização de DCGs DCG: Gramática de Cláusulas Definidas (Definite Clause Grammar) é uma linguagem formal para definicção de outras linguagens. Baseada em cláusulas de Horn.

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Disciplina : Teoria da Computação Professora : Sandra Aparecida de Amo Lista de Exercícios n o 2 Exercícios sobre Modelos de Máquinas de Turing

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Segundo grau Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Introdução

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Prof. Dr. Sergio Pilling (IPD/ Física e Astronomia) II Métodos numéricos para encontrar raízes (zeros) de funções reais. Objetivos:

Leia mais

Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas

Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores - LEIC Licenciatura em Engenharia de Redes de Comunicações - LERC Exercícios de Teoria da Computação Autómatos finitos não deterministas Secção

Leia mais

1 cartão de crédito mais de 1 cartão de crédito Renda até 10 S.M. 250 80 20 10 a 20 S.M. 100 200 40 20 a 30 S.M. 50 40 60 mais de 30 S.M.

1 cartão de crédito mais de 1 cartão de crédito Renda até 10 S.M. 250 80 20 10 a 20 S.M. 100 200 40 20 a 30 S.M. 50 40 60 mais de 30 S.M. ([HUFtFLRVÃÃ&DStWXORÃÃ Ã Tomou-se uma amostra de 000 pessoas num shopping center com o objetivo de verificar a relação entre o número de cartões de crédito e a renda familiar (em salários mínimos). Os

Leia mais

4 Mudança de Coordenadas

4 Mudança de Coordenadas Material by: Caio Guimarães (Equipe Rumoaoita.com) Última atualização: 14 de outubro de 006 4 Mudança de Coordenadas Translação e Rotação de Curvas no R² Introdução O enfoque dos 3 primeiros capítulos

Leia mais

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM.

Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo abaixo) para Pré-IME, Pré-ITA, EsPCEx, EEAer, ENEM. O ALGEBRISTA Autor: Laércio Vasconcelos www.laercio.com.br Livro de ÁLGEBRA do ensino fundamental (6º ao 9º ano) Preparatório para Colégio Naval, EPCAr, Colégio Militar (ensino médio) e parcial (ver conteúdo

Leia mais

Matemática Discreta para Ciência da Computação

Matemática Discreta para Ciência da Computação Matemática Discreta para Ciência da Computação P. Blauth Menezes blauth@inf.ufrgs.br Departamento de Informática Teórica Instituto de Informática / UFRGS Matemática Discreta para Ciência da Computação

Leia mais

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO

CURSO ONLINE RACIOCÍNIO LÓGICO AULA QUINZE: Matrizes & Determinantes (Parte II) Olá, amigos! Pedimos desculpas por não ter sido possível apresentarmos esta aula na semana passada. Motivos de força maior nos impediram de fazê-lo, mas

Leia mais