Gramáticas Livres de Contexto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gramáticas Livres de Contexto"

Transcrição

1 Gramáticas Livres de Contexto 25 de novembro de 2011 Definição 1 Uma Regra (ou produção) é um elemento do conjunto V (V Σ). Sendo que V é um conjunto finito de elementos chamados de variáveis e Σ um conjunto disjunto chamado de Al fabeto. Uma regra [A, w] normalmente é escrita como A w. Definição 2 Uma Gramática Livre de Contexto é uma quádrupla (V, Σ, P, S), onde V é um conjunto finito de variáveis, Σ (ou o Alfafeto) é um conjunto finito de símbolos terminais, P é um conjunto finito de regras, e S é um elemento de V chamado de símbolo inicial. Os conjuntos V e Σ são disjuntos. Definição 3 Uma Árvore de Derivação de uma palavra pertencente à uma lingüagem gerada por uma gramática livre de contexto, é uma árvore construída iterativamente da seguinte forma: 1. Inicialize a árvore com a raíz S. 2. Se A x 1 x 2...x n com x i (V Σ) é a regra de derivação aplicada à palavra uav, então adicione x 1,x 2,...,x n como filhos de A na árvore. 3. Se A λ é a única regra de derivação aplicada à palavra uav, então adicione λ como o único filho de A na árvore. Definição 4 Uma Gramática Regular é uma gramática livre de contexto na qual toda regra de derivação tem uma das seguintes formas: 1. A a 2. A ab 3. A λ Exercícios da Seção 0 Exercício 1 - Seja G a gramática S absc A A cad cd. 1

2 a) Dê uma derivação de ababccddcc. S absc ababscc ababacc ababcadcc ababccddcc b) Construa a árvore de derivação da derivação do exercício anterior. c) Use a notação de conjuntos para definir L(G). L(G) = {(ab) m c n d n c m m,n 0} Exercício 2 - Seja G a gramática S ASB λ A aab λ B bba ba a) Dê uma derivação à esquerda de aabbba. S ASB aabsb aaabbsb aabbsb aabbb aabbba b) Dê uma derivação à direita de abaabbbabbaa. 2

3 S ASB ASbBa ASbbaa AASBbbaa AASbabbaa AAbabbaa AaAbbabbaa AaaAbbbabbaa Aaabbbabbaa aabaabbbabbaa abaabbbabbaa c) Construa a árvore de derivação para as duas derivações anteriores. d) Use a notação de conjuntos para definir L(G). L(G) = {A n B n,n 0} A = {a n b n,n }0 B = {b n a n,n > 0} Exercício 3 - Seja G a gramática S SAB λ A aa a B bb λ a) Dê uma derivação à esquerda de abbaab. S SAB SABAB ABAB abab 3

4 abbab abbbab abbab abbaab abbaab abbaabb abbaab b) Dê duas derivações à esquerda de aa. S SAB AB aab aab aa S SAB SABAB ABAB abab aab aab aa c) Construa a árvore de derivação das duas derivações da questão anterior. d) Dê uma expressão regular para L(G). (aa b ) Exercício 4 - Seja DT a árvore de derivação a) Dê uma derivação à esquerda que gera a árvore DT. S AB 4

5 aab aab aaab aaab aaab b) Dê uma derivação à direita que gera a árvore DT. S AB AAB AAb Aab aaab aaab c) Quantas derivações diferentes podem gerar DT? Existem ao todo 17 diferentes derivações que resultam nesta árvore. Exercício 5 - Dê uma derivação à direita e à esquerda correspondente à cada árvore de derivação abaixo. 5

6 S AA aa aaaa abaaa abaaa ababaa ababaa ababaa S AA AAAA AAAa AAbAa AAbaa AbAbaa Ababaa ababaa S AA AAAA aaaa abaaa abaaa ababaa ababaa ababaa S AA Aa AAAa AAbAa AAbaa AbAbaa Ababaa ababaa A quarta árvore é igüal à primeira e a terceira é igüal à segunda. Ou ao menos deveria ser, há um erro na imagem apresentada no livro. A segunda árvore está errada e não pode ser gerada pela gramátida dada como exemplo. Exercício 6 - Para cada uma das seguintes gramáticas livres de contexto, use a notação de conjuntos para definir a lingüagem gerada pela gramática. a) S aasb λ B bb b L(G) = {a 2n b m m n 0} b) S asbb A A ca c L(G) = {a i c n b 2i n,i 0} c) S absdc A A cdaba λ L(G) = {(ab) m (cd) n (ba) n (dc) m m > 0,n 0} d) S as ba λ A aa bs L(G) = {(A B) n n 0} 6

7 A = {a n n 0} B = {b n n > 0} Exercício 7 - Construa uma gramática sobre {a,b,c} cuja lingüagem é {a n b 2n c m n,m > 0}. S AC A aabb λ C cc λ Exercício 8 - Construa uma gramática sobre {a,b,c} cuja lingüagem é {a n b m c 2n+m n,m > 0}. S ascc bac λ A bac λ Exercício 9 - Construa uma gramática sobre {a,b,c} cuja lingüagem é {a n b m c i 0 n+m i}. S ascc bacc C λ A bacc λ C cc λ Exercício 10 - Construa uma gramática sobre {a, b} cuja lingüagem é {a m b n 0 n m 3n}. S asb aasb aaasb λ Exercício 11 - Construa uma gramática sobre {a, b} cuja lingüagem é {a m b i a n i = m+n}. S AB λ A aab λ B bba λ 7

8 Exercício 12 - Construa uma gramática sobre {a,b} cuja lingüagem é o conjunto de palavras com o mesmo número de as e bs. S asb bsa abs bas λ Exercício 13 - Para cada uma das seguintes gramáticas regulares, dê uma expressão regular para a lingüagem gerada pela gramática. a) S aa A aa ba b a(a b) b b) S aa A aa bb B bb λ aa b b c) S as ba A bb B ab λ a bba d) S as ba λ A aa bs (a ba ba ) Exercício 14 - Construa uma gramática sobre {a,b} cuja lingüagem é o conjunto de palavras de tamanho ímpar e que contém o mesmo símbolo no começo e na posição do meio. 8

9 S A B A aa a aa b a B bb a bb b a A aa a aa b ba a ba b a B ab a ab b bb a bb b b Exercício 15 - Dê uma gramática regular para o conjunto das palavras sobre {a,b,c} nas quais todos os as precedem bs, que por sua vez precedem cs, sendo possível que não hajam as, bs ou cs. S λ as ab bb cc B bb bc λ C cc λ Exercício 16 - Dê uma gramática regular para a mesma lingüagem do exercício anterior, mas sem a palavra vazia. S as ab bb cc B bb bc λ C cc λ Exercício 17 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras de tamanho dois ou mais sobre {a,b} nos quais todos os as precedem os bs. S aa bb A aa bb A aa λ B bb B bb λ Exercício 18 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} que contém a subpalavra aa e bb. 9

10 S aq bq aa bb Q aq bq aa bb A aq B bq Q aq bq bb Q aq bq aa A aq B bq Q aq bq λ Exercício 19 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} nas quais a subpalavra aa aparece ao menos duas vezes. S aq bq aa Q aq bq aa A aq Q aq bq aa A aq Q aq bq λ Exercício 20 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} que não contém aa. S an bs cs λ N bs cs λ Exercício 21 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} que não começa com aaa. S aa bs λ S aa bs λ A bs aa λ A bs λ 10

11 Exercício 22 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} que não contém aaa. S aa bs λ A bs aa λ A bs λ Exercício 23 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} que não contém aba. S aa bs λ A as ba λ A bs λ Exercício 24 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} que contém a subpalavra aa exatamente uma vez. S aq bq aa Q aq bq aa A aq Q aq bq λ Exercício 25 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} que começa com a, contém exatamente dois bs e termina com cc. S aq Q aq bq cq Q aq bq cq Q aq cq cc C c Exercício 26 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} que contém ab e contém ba. 11

12 S as bs cs aa bb A as cs bq B aq cs bs Q aq bq bb cq Q aq bq cq aa A bq aq cq B Q bq aq cq aq bq cq λ Exercício 27 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} que contém aa, bb e cc. S as bs cs aa bb cc A ad cs bs B as cs be C as cf bs D ad bd cd bb cc E ae be ce aa cc F af bf cf aa bb A ac ce be A ab cf bf B ad cd bc B af cf ba C ad bd cb C ae be ca A aa ba ca aa f B ab bb cb bb f C ac bc cc cc f A f aq ba ca B f ab bq cb C f ac bc cq Q aq bq cq λ Exercício 28 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} nas quais todo b é seguido por pelo menos um c. S as cs bb B cs Exercício 29 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} com tamanho três. 12

13 S aa ba ca A ab bb cb B a b c Exercício 30 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} com tamanho menor que três. S aa ba ca λ A a b c λ Exercício 31 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} com tamanho maior que três. S aa ba ca A ab bb cb B ac bc cc C ad bd cd D ad bd cd λ Exercício 32 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} nas quais o número de as é divisível por três. S aa bs λ A ab ba B as bb Exercício 33 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} nas quais o número total de bs e cs é três. S as ba ca A aa bb cb B ab bc cc C ac λ 13

14 Exercício 34 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} nas quais todo a é seguido ou precedido por b. S ab ba λ A as ba λ B ba Exercício 35 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} de tamanho ímpar e que contém bb. S ai bi bb I as bs bb B bi B bp I af bf F ai bi λ P ax bx λ X ap bp Exercício 36 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} de tamanho par e que contém exatamente um a. S ap bi ci I ai bs cs P bx cx λ X bp cp I bf cf F bi ci λ Exercício 37 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b,c} com um número ímpar de ocorrências de ab. S aa bs cs A bi bs cs I aa bi ci λ A bs bi ci λ 14

15 Exercício 38 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} com tamanho ímpar e exatamente dois bs. S ai bb i I as bb p B i B p P I P f ap bp f ai bi f ai bi f ap bp f ax λ X ap f I f af F ai f λ Exercício 39 - Dê uma gramática regular para o conjunto de palavras sobre {a,b} com um número par de as ou ímpar de bs. S ab ba λ A ac bs λ B as bc C aa bb λ Exercício 40 - A gramática abaixo gera (b ab ab 8 ) +, o conjunto de todas as palavras com um número par e positivo de as. Prove. S AA A AAA ba Ab a À medida que fazemos qualquer derivação nesta gramática, o número total de variáveis As e terminais as que conseguimos é sempre par. Quando temos somente S, temos zero As, e portanto um número par. Derivando S AA, passamos a ter dois As, e portanto, um número par. A derivação A AAA remove um A existente e coloca mais três. Logo, somam-se dois As quando fazemos isso e se o número de As era par, ele continua par. A mesma propriedade se mantém para A ba e A Ab, pois o valor total é o mesmo. E por fim, A a somente troca a variável A pelo terminal a, mantendo o número par do total de variáveis A e terminais a. Logo após a primeira derivação, a única variável que podemos encontrar é A, portanto, só precisamos levar em conta ela ao analizar as derivações possíveis. Qualquer A pode gerar qualquer quantidade de bs à sua esquerda ou direita de modo recursivo. Mas a recursão só encerra quando o A gera um a por meio de A a. Portanto, 15

16 confirmamos a propriedade de que esta gramática sempre gerará uma quantidade par de as. E que podemos ter qualquer quantidade e bs intercalando os as. Resta demonstrar que o número de as não pode ser nulo. Para que isso ocorrêsse, precisaríamos ter uma derivação na qual não geramos nenhum A. Mas isso é impossível, pois a única derivação inicial possível é S AA. Portanto, encerramos a demonstração de tais propriedades das palavras geradas por essa gramática. Exercício 41 - Prove que a gramática abaixo gera a lingüagem {a n b m c m d 2n n 0,m > 0}. S asdd A A bac bc Primeiro demonstraremos que quando todos os símbolos aparecem em uma palavra, eles sempre aparecem na ordem especificada. A derivação S asdd é a única na qual a variável inicial aparece à direita. Portanto, isso garante que quando temos todos os símbolos, os as aparecem primeiro e os ds por último. Como S A e A bac e A bc, não existindo outras derivações de A, garantimos que entre os as e os ds sempre encontramos um ou mais bs e cs nesta ordem. Verifica-se que geramos sempre o dobro de ds que de as pela derivação S asdd, a única que gera tais terminais. Verifica-se que temos sempre um número igüal de bs e cs pela derivação A bac e A bc, as únicas que geram tais terminais. Portanto, para cada b gerado, sempre geramos um c e vice-versa. Podemos ter um número nulo de as e ds. Basta optarmos como derivação inicial S A. Fazendo isso, acabamos com as variáveis S e isso faz com que nenhum a ou d possa ser derivado. Entretanto, sempre temos ao menos um b e c. Para que a recursividade das derivações se encerrem, é preciso que em algum momento façamos S A, pois é a única forma de encerrar a recursão de S. Uma vez tendo derivado A, a única derivação não-recursiva possível é A bc. Não há outra. Portanto, sempre teremos ao menos um b e c. Demonstramos assim todas as propriedades pedidas da lingüagem gerada pela gramática. Exercício 42 - Seja G a gramática abaixo, prove que L(G) = {a n b m 0 n < m}. S asb B B bb b Todo B gera um ou mais bs, não sendo capaz de gerar outros terminais. Isso ocorre por que todo B é derivado como B bb, que pode gerar potencialmente infinitos bs graças à recursão ou é derivado como B b, que gera um b e é também a única opção de encerrar a recursão da primeira derivação. Como S asb, temos que as palavras geradas pela lingüagem podem sempre começar com as e terminar com bs. A outra derivação possível para S é S B, que é uma derivação obrigatória para toda palavra, pois é a única forma de encerrar a recursão de S. Quando ela é usada, ou não temos qualquer terminal gerado, ou temos um número igüal de as e bs, com os bs depois dos as. Como B pode gerar qualquer número positivo de bs (é equivalente à b +, temos que quando finalmente usamos S B, que o número de bs será sempre maior que o de as, pois B gerará 16

17 no mínimo um b quando tínhamos um número igüal dos dois símbolos. E depois disso nenhum a poderá ser gerado. Por fim, o número de as pode ser nulo, bastando aplicar como derivação inicial S B. Mas o número de bs nunca é nulo, pois é obrigatório derivarmos um B para qualquer palavra e isso sempre nos trás ao menos um b. Exercício 43 - Seja G a gramática S asaa B B bbbdd C C bd. a) O que é L(G)? L(G) = {a n b m d m a 2n n 0,m > 0,m é ímpar} b) Prove. A ordem dos símbolos é garantida, pois a única forma de gerar as é por meio de S asaa, o que faz com que se existirem as, eles sempre estarão no começo e no fim. Por sua vez, a única outra derivação possível de S é S B, e B só pode gerar bs e ds nesta ordem por meio de B bbbdd e B C bd. Podem existir zero ou mais as. Nenhum a é derivado se a derivação inicial for S B. O número de as no fim é sempre o dobro do número do começo. Isso é válido quando não temos as, que é o caso inicial (0 = 0 2), e permanece válido para toda derivação S asaa, que faz com que para cada a derivado no começo, derivemos o dobro no fim. O menor número possível de bs e ds é um, pois a única derivação que não gera variáveis, somente terminais é C bd. O que significa que obrigadoriamente um de cada um destes terminais deve ser gerado. A menor palavra gerada então, é obtida por meio de S B C bd. O número de bs e ds é sempre igüal, pois as únicas derivações que os geram é B bbbdd e C bd. As duas geram sempre o mesmo número de bs e ds. Por fim, este número é sempre ímpar, pois uma vez que derivamos um único B (o que sempre ocorre em toda palavra), teremos sempre um número par de bs e ds enqüanto usamos a derivação B bbbdd recursivamente. Mas uma vez que formos encerrar a recursão, acabaremos usando B C bd, adicionando um de cada símbolo. Como até este ponto tínhamos um número par de cada um dos símbolos, quando enfim adicionamos mais um, passamos a ter uma quantidade ímpar. Exercício 44 - Seja G a gramática S asbs as λ. Prove que todo prefixo de um palavra em L(G) tem ao menos tantos as como bs. Isso equivale a demonstrar que o número de as nunca será menor que o de bs. A derivação S asbs gera o mesmo número de as e bs. A derivação S as gera um número maior de as que de bs. E a derivação S λ não altera o número de as e bs. Portanto, nunca teremos menos as que bs. 17

18 Exercício 45 - Usando a definição de Pascal do Apêndice III do livro, construa uma derivação de xly à partir de < variavel >. < variavel > < variavel inteira > < identificador variavel > < identificador > < letra > {< letra ou digito >} < letra >< letra > {< letra ou digito >} < letra >< letra >< letra > x < letra >< letra > xl < letra > xly Exercício 46 - Usando a definição de Pascal do Apêndice III do livro, construa uma derivação de (xly) à partir de < expressao >. < expressao > < expressao simples > < termo > < fator > (< expressao >) (< termo >) (< fator >) (< variavel >) (< variavel inteira >) (< identificador variavel) > (< identificador >) (< letra > {< letra ou digito >}) (< letra >< letra > {< letra ou digito >}) (< letra >< letra >< letra >) (x < letra >< letra >) (xl < letra >) (xly) Exercício 47 - Usando a definição de Pascal do Apêndice III do livro, construa uma derivação de (x y 5) à partir de < expressao >. < expressao > < expressao simples > < termo > 18

19 < fator > (< expressao >) (< expressao simples >) (< termo >) (< termo >< operador multiplicacao >< fator >) (< termo >< operador multiplicacao >< fator >< operador multiplicacao >< fator >) (< fator >< operador multiplicacao >< fator >< operador multiplicacao >< fator >) (< fator > < fator >< operador multiplicacao >< fator >) (< fator > < fator > < fator >) (< variavel > < fator > < fator >) (< variavel > < variavel > < fator >) (< variavel > < variavel > < unsigned constant >) (< variavel inteira > < variavel > < unsigned constant >) (< identificador variavel > < variavel > < unsigned constant >) (< identificador > < variavel > < unsigned constant >) (< letra > < variavel > < unsigned constant >) (x < variavel > < unsigned constant >) (x < variavel inteira > < unsigned constant >) (x < identificador variavel > < unsigned constant >) (x < identificador > < unsigned constant >) (x < letra > < unsigned constant >) (x y < unsigned number >) (x y < unsigned number >) (x y < unsigned integer >) (x y < digito >) (x y 5) Exercício 48 - Usando a definição de Pascal do Apêndice III do livro, construa uma derivação de (x+y (12+z)) à partir de < expressao >. < expressao > < expressao simples > < termo > < fator > (< expressao >) (< expressao simples >) (< expressao simples >< operador soma >< termo >) (< termo >< operador soma >< termo >) (< fator >< operador soma >< termo >) (< variavel >< operador soma >< termo >) (< variavel inteira >< operador soma >< termo >) (< identificador variavel >< operador soma >< termo >) (< identificador >< operador soma >< termo >) 19

20 (< letra >< operador soma >< termo >) (x < operador soma >< termo >) (x+ < termo >) (x+ < termo >< operador multiplicacao >< fator >) (x+ < fator >< operador multiplicacao >< fator >) (x+ < variavel >< operador multiplicacao >< fator >) (x+ < variavel inteira >< operador multiplicacao >< fator >) (x+ < identificador variavel >< operador multiplicacao >< fator >) (x+ < identificador >< operador multiplicacao >< fator >) (x+ < letra >< operador multiplicacao >< fator >) (x+y < operador multiplicacao >< fator >) (x+y < fator >) (x+y (< expressao >)) (x+y (< expressao simples >)) (x+y (< expressao simples >< operador soma >< termo >)) (x+y (< termo >< operador soma >< termo >)) (x+y (< fator >< operador soma >< termo >)) (x+y (< unsigned constant >< operador soma >< termo >)) (x+y (< unsigned constant >< operador soma >< termo >)) (x+y (< unsigned number >< operador soma >< termo >)) (x+y (< unsigned integer >< operador soma >< termo >)) (x+y (< digito >< digitos >< operador soma >< termo >)) (x+y (< digito >< digito >< operador soma >< termo >)) (x+y (1 < digito >< operador soma >< termo >)) (x+y (12 < operador soma >< termo >)) (x+y (12+ < termo >)) (x+y (12+ < fator >)) (x+y (12+ < variavel >)) (x+y (12+ < variavel inteira >)) (x+y (12+ < identificador >)) (x+y (12+ < letra >)) (x+y (12+z)) Exercício 49 - Seja G 1 e G 2 as seguintes gramáticas: G 1 : S aabb A aa a B bb b G 2 : S A A B B A A A a B B B b a) Para cada variável X, mostre que o lado direito de cada regra de G 1 é derivável de sua variável correspondente X usando as regras de G 2. Use isso para concluir que L(G 1 ) L(G 2 ). 20

21 Pela definição b é derivável de B. A outra derivação de B é B bb. Mas bb pode ser derivável de B fazendo B B B bb. Como para a outra derivação de B, já demonstramos ser equivalente à uma derivação de B, temos então que bb é equivalente à bb. Portanto, tudo que pode ser derivado de B, pode ser derivado de B. O mesmo raciocínio demonstra que A e A são equivalentes. Portanto, S A A B B é equivalente à S AABB. Basta continuar derivando AABB aabb aabb, que verificamos que a última regra que faltava analizar das duas gramáticas são equivalentes. Sendo assim, L(G 1 ) = L(G 2 ), e portanto, L(G 1 ) L(G 2 ). b) Prove que L(G 1 ) = L(G 2 ). Vide resposta anterior. Exercício 50 - Uma gramática linear direita é uma gramática livre de contexto cujas regras tem uma das seguintes formas: 1. A w 2. A wb 3. A λ, onde w Σ. Prove que uma lingüagem L é gerada por uma gramática linear direita se, e somente se, L é gerada por uma gramática regular. Se w = 0, o primeiro tipo de regra vira igüal ao terceiro e ambos são regras de gramáticas regulares. Já a regra A B pode ser substituída por A x, para todo x tal que B x. Portanto, se as outras regras forem compatíveis com a de uma gramática regular, esta regra também será. Se w = 1, então não há diferença alguma entre a regra de uma gramática linear direita e uma gramática livre de contexto. Se w > 1, assumindo que para w = aw,a Σ,w Σ e que as regras do tipo A w, A w B temos algo equivalente às regras de uma gramática regular, podeos escrever A w e A wb de modo que também seja equivalente à uma gramática regular. Para A w, basta reescrever como A w A e A a. Para A wb, basta reescrever como A w B, B ab. Com isso, demonstramos que toda gramática linear direita pode ser reduzida à uma gramática regular. Temos também que toda gramática regular é também uma gramática linear direita. Com isso, demonstramos que os dois tipos de gramática são equivalentes. Exercício 51 - Tente construir uma gramática regular que gere a lingüagem {a n b n n 0}. Explique por que nenhuma das suas tentativas foi bem-sucedida. Nem vou tentar. Essa não é uma lingüagem regular. É preciso memorizar de alguma forma o número de as escrito para poder escrever a quantidade de bs. Isso não é possível com gramáticas regulares, pois não há como memorizar isso de forma alguma. Exercício 52 - Tente construir uma gramática livre de contexto que gere a lingüagem {a n b n c n n 0}. Explique por que nenhuma das suas tentativas foi bem-sucedida. Nem vou tentar. Não é possível, pois tendo somente um símbolo do lado esquerdo de uma regra, não é possível garantir uma quantia igüal de três símbolos diferentes em uma lingüagem. A lingüagem especificada não é livre de contexto. 21

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto

6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Capítulo 6. Autômatos com Pilha 6.3 Equivalência entre Autômatos com Pilha Não-Determinísticos e Gramáticas Livre do Contexto Nos exemplos da seção anterior, vimos que os autômatos com pilha existem para

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,...

Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... Por que o quadrado de terminados em 5 e ta o fa cil? Ex.: 15²=225, 75²=5625,... 0) O que veremos na aula de hoje? Um fato interessante Produtos notáveis Equação do 2º grau Como fazer a questão 5 da 3ª

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15

Bases Matemáticas. Aula 2 Métodos de Demonstração. Rodrigo Hausen. v. 2013-7-31 1/15 Bases Matemáticas Aula 2 Métodos de Demonstração Rodrigo Hausen v. 2013-7-31 1/15 Como o Conhecimento Matemático é Organizado Definições Definição: um enunciado que descreve o significado de um termo.

Leia mais

Teoria da Computação Gramáticas, Linguagens Algébricas e Autómatos de Pilha

Teoria da Computação Gramáticas, Linguagens Algébricas e Autómatos de Pilha Teoria da Computação Gramáticas, Linguagens Algébricas e Autómatos de Pilha Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Gramáticas e Definições básicas 1 2 Gramáticas e Linguagens 4 2.1 Gramáticas

Leia mais

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.

Autômatos a pilha. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais. David Déharbe. http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003. UFRN/DIMAp/DIM0330 Linguagens formais http://www.consiste.dimap.ufrn.br/ david/enseignement/2003.1/dim0330 1/36 Autômatos a pilha David Déharbe UFRN/DIMAp Campus Universitário, Lagoa Nova, 59072-970 Natal,

Leia mais

Conceitos e fórmulas

Conceitos e fórmulas 1 Conceitos e fórmulas 1).- Triângulo: definição e elementos principais Definição - Denominamos triângulo (ou trilátero) a toda figura do plano euclidiano formada por três segmentos AB, BC e CA, tais que

Leia mais

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ).

Alfabeto e palavras. Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). Alfabeto e palavras Alfabeto conjunto finito de símbolos (Σ). {A,...,Z}, {α, β,... }, {a,b}, {0,1}, ASCII Palavra de Σ sequência finita de símbolos do alfabeto Σ Σ = {a, b} aabba a aaaaaaaa Comprimento

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

9xy yx9 = (9 100+x 10+y) (y 100+x 10+9) = (8 y) 100+9 10+(y+1)

9xy yx9 = (9 100+x 10+y) (y 100+x 10+9) = (8 y) 100+9 10+(y+1) Gabarito da Prova do Nível II Primeira Questão: ANULADA- Com três algarismos distintos, formamos três números: O primeiro número é obtido ordenando-se os algarismos em ordem decrescente, da esquerda para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL - MATEMÁTICA PROJETO FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA ELEMENTAR Assuntos: Matrizes; Matrizes Especiais; Operações com Matrizes; Operações Elementares

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teoria da Computação Primeiro Semestre, 2015 Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto DAINF-UTFPR Prof. Ricardo Dutra da Silva Veremos agora maneira de gerar as strings de um tipo específico de linguagem,

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 2. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade II. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 2. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisibilidade II. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Teoria dos Números - Nível Prof. Samuel Feitosa Aula Divisibilidade II Definição 1. Dados dois inteiros a e b, com a 0, dizemos que a divide b ou que a é um divisor

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Segundo grau Conteúdo Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 1 Introdução

Leia mais

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2

O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 3.2 O Espaço Nulo de A: Resolvendo Ax = 0 11 O ESPAÇO NULO DE A: RESOLVENDO AX = 0 3.2 Esta seção trata do espaço de soluções para Ax = 0. A matriz A pode ser quadrada ou retangular. Uma solução imediata

Leia mais

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe

O B. Podemos decompor a pirâmide ABCDE em quatro tetraedros congruentes ao tetraedro BCEO. ABCDE tem volume igual a V = a2.oe GABARITO - QUALIFICAÇÃO - Setembro de 0 Questão. (pontuação: ) No octaedro regular duas faces opostas são paralelas. Em um octaedro regular de aresta a, calcule a distância entre duas faces opostas. Obs:

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

a 1 x 1 +... + a n x n = b,

a 1 x 1 +... + a n x n = b, Sistemas Lineares Equações Lineares Vários problemas nas áreas científica, tecnológica e econômica são modelados por sistemas de equações lineares e requerem a solução destes no menor tempo possível Definição

Leia mais

Sistemas de Numerações.

Sistemas de Numerações. Matemática Profº: Carlos Roberto da Silva; Lourival Pereira Martins. Sistema de numeração: Binário, Octal, Decimal, Hexadecimal; Sistema de numeração: Conversões; Sistemas de Numerações. Nosso sistema

Leia mais

Aula: Equações polinomiais

Aula: Equações polinomiais Aula: Equações polinomiais Turma 1 e 2 Data: 05/09/2012-12/09/2012 Tópicos Equações polinomiais. Teorema fundamental da álgebra. Raízes reais e complexas. Fatoração e multiplicação de raízes. Relações

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima.

Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. Dicas para a 6 a Lista de Álgebra 1 (Conteúdo: Homomorfismos de Grupos e Teorema do Isomorfismo para grupos) Professor: Igor Lima. 1 /2013 Para calcular Hom(G 1,G 2 ) ou Aut(G) vocês vão precisar ter em

Leia mais

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab.

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab. MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito Questão 01 [ 2,00 pts ] Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso

Leia mais

Simulado OBM Nível 2

Simulado OBM Nível 2 Simulado OBM Nível 2 Gabarito Comentado Questão 1. Quantos são os números inteiros x que satisfazem à inequação? a) 13 b) 26 c) 38 d) 39 e) 40 Entre 9 e 49 temos 39 números inteiros. Questão 2. Hoje é

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 02 ATIVIDADE 01 Para poupar esforço de digitação, você pode usar o tradicional

Leia mais

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto

Teoria dos Números. A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Teoria dos Números 1 Noções Básicas A Teoria dos Números é a área da matemática que lida com os números inteiros, isto é, com o conjunto Z = {..., 4, 3, 2, 1, 0, 1, 2, 3, 4...}. Ela permite resolver de

Leia mais

Renata de Freitas e Petrucio Viana. IME, UFF 12 de março de 2015

Renata de Freitas e Petrucio Viana. IME, UFF 12 de março de 2015 Definições por indução e por recursão Renata de Freitas e Petrucio Viana IME, UFF 12 de março de 2015 Sumário Lógica formal e principais sistemas lógicos Definições indutivas Definições recursivas Exercícios

Leia mais

Respostas de MAIO. A sequência é formada elevando-se ao quadrado os números 2,3,4... e somandolhes 2 em cada caso.

Respostas de MAIO. A sequência é formada elevando-se ao quadrado os números 2,3,4... e somandolhes 2 em cada caso. Respostas de MAIO Dia 1: O menor número de ovos é 91. Dia 2: O nível da água baixa. No barquinho, a moeda desloca a mesma massa de água que a do barquinho, portanto, um volume maior que o da moeda. Na

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

Marcos Castilho. DInf/UFPR. 21 de março de 2019

Marcos Castilho. DInf/UFPR. 21 de março de 2019 21 de março de 2019 Análise sintática: introdução Dada uma gramática G e uma palavra w Σ, como saber se w L(G)? Isto é, como saber se S = G w? Derivações à esquerda e ambiguidade w L(G) se S = G w; Sabemos

Leia mais

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto

Capítulo 5. Linguagens livres de contexto Capítulo 5 Linguagens livres de contexto 5.1. Gramáticas livres de contexto 5.2. Parsing e ambiguidade 5.3. CFG e linguagens de programação 221 5.1. 1Gramáticas ái livres de contexto na parte esquerda

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

a soma dois números anteriores da primeira coluna está na segunda coluna: (3m +1) + (3n +1) = 3(m + n) + 2.

a soma dois números anteriores da primeira coluna está na segunda coluna: (3m +1) + (3n +1) = 3(m + n) + 2. OBMEP 01 Nível 3 1 QUESTÃO 1 ALTERNATIVA A Basta verificar que após oito giros sucessivos o quadrado menor retorna à sua posição inicial. Como 01 = 8 1+ 4, após o 01º giro o quadrado cinza terá dado 1

Leia mais

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3

POLINÔMIOS. x 2x 5x 6 por x 1 x 2. 10 seja x x 3 POLINÔMIOS 1. (Ueg 01) A divisão do polinômio a) x b) x + c) x 6 d) x + 6 x x 5x 6 por x 1 x é igual a:. (Espcex (Aman) 01) Os polinômios A(x) e B(x) são tais que A x B x x x x 1. Sabendo-se que 1 é raiz

Leia mais

Apostila 03 Linguagens Livres de Contexto

Apostila 03 Linguagens Livres de Contexto Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Princípio da Casa dos Pombos I

Princípio da Casa dos Pombos I Programa Olímpico de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 7 Princípio da Casa dos Pombos I O princípio da casa dos pombos também é conhecido em alguns países (na Rússia,

Leia mais

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto

Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária. Gramática Livre de Contexto LFA - PARTE 2 Linguagens Livres de Contexto e Autômatos a Pilha (Push- Down) Um Modelo de Computação de Força Intermediária João Luís Garcia Rosa LFA-FEC-PUC-Campinas 2002 R. Gregory Taylor: http://starbase.cs.trincoll.edu/~rtaylor/thcomp/

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

Prog A B C A e B A e C B e C A,B e C Nenhum Pref 100 150 200 20 30 40 10 130

Prog A B C A e B A e C B e C A,B e C Nenhum Pref 100 150 200 20 30 40 10 130 Polos Olímpicos de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 2 Lógica II Quando lemos um problema de matemática imediatamente podemos ver que ele está dividido em duas partes:

Leia mais

Linguagens, Gramáticas e Máquinas

Linguagens, Gramáticas e Máquinas Linguagens, Gramáticas e Máquinas 1 INTRODUÇÃO Pode-se olhar um computador como uma máquina M que tem as propriedades descritas a seguir. A cada instante, M tem um "estado interno", M lê alguma "entrada",

Leia mais

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau

13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau MATEMATICA 13 ÁLGEBRA Uma balança para introduzir os conceitos de Equação do 1ºgrau ORIENTAÇÃO PARA O PROFESSOR OBJETIVO O objetivo desta atividade é trabalhar com as propriedades de igualdade, raízes

Leia mais

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Módulo de Divisibilidade. MDC e MMC - Parte 1. Sexto Ano. Prof. Angelo Papa Neto Material Teórico - Módulo de Divisibilidade MDC e MMC - Parte 1 Sexto Ano Prof. Angelo Papa Neto 1 Máximo divisor comum Nesta aula, definiremos e estudaremos métodos para calcular o máximo divisor comum

Leia mais

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação

Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação Lista n 0 1 de Exercícios de Teoria da Computação UFU-Curso de Bacharelado em Ciência da Computação - 7 0 período Profa. Sandra de Amo Exercícios de Revisão : Autômatos e Gramáticas 1. Mostre que a linguagem

Leia mais

SISTEMAS LINEARES CONCEITOS

SISTEMAS LINEARES CONCEITOS SISTEMAS LINEARES CONCEITOS Observemos a equação. Podemos perceber que ela possui duas incógnitas que são representadas pelas letras x e y. Podemos também notar que se e, a igualdade se torna verdadeira,

Leia mais

ficha 3 espaços lineares

ficha 3 espaços lineares Exercícios de Álgebra Linear ficha 3 espaços lineares Exercícios coligidos por Jorge Almeida e Lina Oliveira Departamento de Matemática, Instituto Superior Técnico 2 o semestre 2011/12 3 Notação Sendo

Leia mais

MD Sequências e Indução Matemática 1

MD Sequências e Indução Matemática 1 Sequências Indução Matemática Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Sequências e Indução Matemática 1 Introdução Uma das tarefas mais importantes

Leia mais

Olimpíadas Portuguesas de Matemática

Olimpíadas Portuguesas de Matemática XXV OPM Final o dia 7 Categoria A Justifica convenientemente as tuas respostas e indica os principais cálculos Não é permitido o uso de calculadoras http://wwwpt/~opm Duração: horas Questão : 6 pontos

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 (6º e 7º anos do Ensino Fundamental) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 (6º e 7º anos do Ensino Fundamental) GABARITO GABARITO NÍVEL 1 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 1 (6º e 7º anos do Ensino Fundamental) GABARITO 1) C 6) A 11) D 16) C 2) D 7) C 12) C 17) D 3) E 8) B 13) E 18) A 4) E 9) B 14)

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware

UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento em Hardware 1 Francisco Fechine Borges quinta-feira, 24 de agosto de 2006 UNIBRATEC Ensino Superior e Técnico em Informática DHD Desenvolvimento

Leia mais

INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação

INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação INE5403 - Fundamentos de Matemática Discreta para a Computação 2) Fundamentos 2.1) Conjuntos e Sub-conjuntos 2.2) Números Inteiros 2.3) Funções 2.4) Seqüências e Somas 2.5) Crescimento de Funções Divisão

Leia mais

Estruturas Discretas INF 1631

Estruturas Discretas INF 1631 Estruturas Discretas INF 1631 Thibaut Vidal Departamento de Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea, Rio de Janeiro - RJ, 22451-900, Brazil

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

IFSP - EAD - GEOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO CONCEITUAÇÃO :

IFSP - EAD - GEOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO CONCEITUAÇÃO : IFSP - EAD - GEOMETRIA TRIÂNGULO RETÂNGULO CONCEITUAÇÃO : Como já sabemos, todo polígono que possui três lados é chamado triângulo. Assim, ele também possui três vértices e três ângulos internos cuja soma

Leia mais

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2005 3º DIA MATEMÁTICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Matemática Questão 01 Considere os conjuntos S = {0,2,4,6}, T = {1,3,5} e U = {0,1} e as afirmações: I. {0} S e S U. II. {2} S\U e S T U={0,1}.

Leia mais

EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 2013-2 GABARITO. Questão 1.

EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 2013-2 GABARITO. Questão 1. EXAME NACIONAL DE QUALIFICAÇÃO 0 - Questão. GABARITO Considere um triângulo equilátero de lado e seja A sua área. Ao ligar os pontos médios de cada lado, obtemos um segundo triângulo equilátero de área

Leia mais

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto

ALGORITMOS PARTE 01. Fabricio de Sousa Pinto ALGORITMOS PARTE 01 Fabricio de Sousa Pinto Algoritmos: Definição 2 É uma sequência de instruções finita e ordenada de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Algoritmos 3

Leia mais

Vetores. Definição geométrica de vetores

Vetores. Definição geométrica de vetores Vetores Várias grandezas físicas, tais como por exemplo comprimento, área, olume, tempo, massa e temperatura são completamente descritas uma ez que a magnitude (intensidade) é dada. Tais grandezas são

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1

Solução da prova da 1 a fase OBMEP 2008 Nível 1 OBMEP 00 Nível 1 1 QUESTÃO 1 Como Leonardo da Vinci nasceu 91 anos antes de Pedro Américo, ele nasceu no ano 14 91 = 145. Por outro lado, Portinari nasceu 451 anos depois de Leonardo da Vinci, ou seja,

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

Revisão para a Bimestral 8º ano

Revisão para a Bimestral 8º ano Revisão para a Bimestral 8º ano 1- Quadrado da soma de dois termos Observe: (a + b)² = ( a + b). (a + b) = a² + ab+ ab + b² = a² + 2ab + b² Conclusão: (primeiro termo)² + 2.(primeiro termo). (segundo termo)

Leia mais

AV2 - MA 12-2012. (a) De quantos modos diferentes posso empilhá-los de modo que todos os CDs de rock fiquem juntos?

AV2 - MA 12-2012. (a) De quantos modos diferentes posso empilhá-los de modo que todos os CDs de rock fiquem juntos? Questão 1. Num porta-cds, cabem 10 CDs colocados um sobre o outro, formando uma pilha vertical. Tenho 3 CDs de MPB, 5 de rock e 2 de música clássica. (a) De quantos modos diferentes posso empilhá-los de

Leia mais

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y

Capítulo 1. x > y ou x < y ou x = y Capítulo Funções, Plano Cartesiano e Gráfico de Função Ao iniciar o estudo de qualquer tipo de matemática não podemos provar tudo. Cada vez que introduzimos um novo conceito precisamos defini-lo em termos

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br

A Matemática no Vestibular do ITA. Material Complementar: Prova 2014. c 2014, Sergio Lima Netto sergioln@smt.ufrj.br A Matemática no Vestibular do ITA Material Complementar: Prova 01 c 01, Sergio Lima Netto sergioln@smtufrjbr 11 Vestibular 01 Questão 01: Das afirmações: I Se x, y R Q, com y x, então x + y R Q; II Se

Leia mais

Autómatos Finitos Determinísticos

Autómatos Finitos Determinísticos Ficha 2 Autómatos Finitos Determinísticos 2.1 Introdução Se olharmos, de forma simplificada, para um computador encontramos três componentes principais: a) A unidade de processamento central b) As unidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 08.12.13

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 08.12.13 VESTIBULAR FGV 2014 08/12/2013 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA TARDE - MÓDULO DISCURSIVO QUESTÃO 1 Considere, no espaço cartesiano bidimensional, os movimentos unitários N, S, L e O

Leia mais

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Estabilidade. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Estabilidade Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Já vimos que existem três requisitos fundamentais para projetar um sistema de controle: Resposta Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário Estabilidade

Leia mais

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Paralelismo e Perpendicularismo. 3 a série E.M.

Módulo de Geometria Anaĺıtica 1. Paralelismo e Perpendicularismo. 3 a série E.M. Módulo de Geometria Anaĺıtica 1 Paralelismo e Perpendicularismo 3 a série EM Geometria Analítica 1 Paralelismo e Perpendicularismo 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1 Determine se as retas de equações

Leia mais

XXVI Olimpíada de Matemática da Unicamp. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas

XXVI Olimpíada de Matemática da Unicamp. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade Estadual de Campinas Gabarito da Prova da Primeira Fase 15 de Maio de 010 1 Questão 1 Um tanque de combustível, cuja capacidade é de 000 litros, tinha 600 litros de uma mistura homogênea formada por 5 % de álcool e 75 % de

Leia mais

Apostila 03 - Linguagens Livres de Contexto Exercícios

Apostila 03 - Linguagens Livres de Contexto Exercícios Cursos: Bacharelado em Ciência da Computação e Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplinas: (1493A) Teoria da Computação e Linguagens Formais, (4623A) Teoria da Computação e Linguagens Formais e

Leia mais

Programa Olímpico de Treinamento. Aula 9. Curso de Combinatória - Nível 2. Tabuleiros. Prof. Bruno Holanda

Programa Olímpico de Treinamento. Aula 9. Curso de Combinatória - Nível 2. Tabuleiros. Prof. Bruno Holanda Programa Olímpico de Treinamento Curso de Combinatória - Nível Prof. Bruno Holanda Aula 9 Tabuleiros Quem nunca brincou de quebra-cabeça? Temos várias pecinhas e temos que encontrar uma maneira de unir

Leia mais

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo

[a11 a12 a1n 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO. Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo 4. SISTEMAS LINEARES 4.1. CONCEITO Um sistema de equações lineares é um conjunto de equações do tipo a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 1 a 11 x 1 + a 12 x 2 +... + a 1n x n = b 2... a n1 x 1 + a

Leia mais

Construção de tabelas verdades

Construção de tabelas verdades Construção de tabelas verdades Compreender a Lógica como instrumento da ciência e como estrutura formal do pensamento, conhecendo e compreendendo as operações com os principais conceitos proposicionais

Leia mais

Princípio da Casa dos Pombos II

Princípio da Casa dos Pombos II Programa Olímpico de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 8 Princípio da Casa dos Pombos II Nesta aula vamos continuar praticando as ideias da aula anterior, aplicando o

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto

Circuitos Digitais. Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica. São Paulo 2014. Prof. José dos Santos Garcia Neto Engenharia de Automação e Controle Engenharia Elétrica Circuitos Digitais Prof. José dos Santos Garcia Neto São Paulo 2014 Prof. José dos Santos Garcia Neto 1 Introdução Esta apostila tem como objetivo

Leia mais

Manual do Sistema Lisura Unimed Norte Nordeste

Manual do Sistema Lisura Unimed Norte Nordeste Manual do Sistema Lisura Unimed Norte Nordeste 1 - Informações Gerais 1.1 - Compatibilidade O Sistema Lisura é um sistema web, o que significa que ele poderá funcionar em qualquer computador que esteja

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2

Sistemas de Numeração. Professor: Rogério R. de Vargas INFORMÁTICA 2014/2 INFORMÁTICA Sistemas de Numeração Professor: Rogério R. de Vargas 2014/2 Sistemas de Numeração São sistemas de notação usados para representar quantidades abstratas denominadas números. Um sistema numérico

Leia mais

ANALÓGICA X DIGITAL. Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica. Eletrônica Digital

ANALÓGICA X DIGITAL. Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica. Eletrônica Digital ANALÓGICA X DIGITAL Vamos começar essa aula estabelecendo os dois tipos de eletrônica: Eletrônica Analógica Eletrônica Digital ANALÓGICA X DIGITAL A eletrônica analógica é caracterizada por um sinal que

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período

PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA. CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA CC 2º Período PROGRAMAÇÃO ESTRUTURADA Aula 06: Ponteiros Declarando e utilizando ponteiros Ponteiros e vetores Inicializando ponteiros Ponteiros para Ponteiros Cuidados a serem

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Distribuição das 1.048 Questões do I T A 94 (8,97%) 104 (9,92%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais 23 (2, 101 (9,64%) Geo. Espacial Geo. Analítica Funções Conjuntos 31 (2,96%)

Leia mais

Aula 10 Triângulo Retângulo

Aula 10 Triângulo Retângulo Aula 10 Triângulo Retângulo Projeção ortogonal Em um plano, consideremos um ponto e uma reta. Chama-se projeção ortogonal desse ponto sobre essa reta o pé da perpendicular traçada do ponto à reta. Na figura,

Leia mais

Automata e Linguagens Formais

Automata e Linguagens Formais Automata e Linguagens Formais 5 Prof. Carlos H. C. Ribeiro carlos@ita.br Gramáticas A Hierarquia de Chomsky Tipos de gramáticas e linguagens Pré-normalização de GLCs Formas Normais: Chomsky e Greibach

Leia mais

Manual Verba Conceito de verba. Funcionamento Básico

Manual Verba Conceito de verba. Funcionamento Básico Manual Verba 1 Sumário Conceito de verba... 3 Funcionamento básico... 3 Outros Pontos a Serem Considerados... 5 Parâmetros relacionados à verba... 8 Tela Parâmetros de Configuração... 8 Tela Parâmetros

Leia mais

Nome: Turma: Unidade: 1º SIMULADO - 9º ANO LÓGICA, CONTEÚDO. 45 Questões Dia: 07 de Maio - quinta-feira EDUCANDO PARA SEMPRE

Nome: Turma: Unidade: 1º SIMULADO - 9º ANO LÓGICA, CONTEÚDO. 45 Questões Dia: 07 de Maio - quinta-feira EDUCANDO PARA SEMPRE Nome: 015 Turma: Unidade: 1º SIMULADO - 9º ANO LÓGICA, CONTEÚDO. 45 Questões Dia: 07 de Maio - quinta-feira EDUCANDO PARA SEMPRE Nome: Turma: Unidade: 3 5 1. A expressão 10 a) 5. 11 b) 5. c) 5 d) 30 5

Leia mais

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B

QUESTÃO 1 ALTERNATIVA B 1 QUESTÃO 1 Marcos tem 10 0,25 = 2,50 reais em moedas de 25 centavos. Logo ele tem 4,30 2,50 = 1,80 reais em moedas de 10 centavos, ou seja, ele tem 1,80 0,10 = 18 moedas de 10 centavos. Outra maneira

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução das questões de Raciocínio Lógico- Matemático das provas para os cargos de Analista do TRT/4ª Região

Leia mais

5 Equacionando os problemas

5 Equacionando os problemas A UA UL LA Equacionando os problemas Introdução Nossa aula começará com um quebra- cabeça de mesa de bar - para você tentar resolver agora. Observe esta figura feita com palitos de fósforo. Mova de lugar

Leia mais