Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Amplificador Operacional Básico. Amplificador Operacional Básico"

Transcrição

1 Amplificador Operacional Básico Eng.: Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos Este artigo descreve como identificar o amplificador operacional, mostra as suas principais características e mostra como analisar circuitos com amplificador operacional como comparador e amplificador básico! 1

2 Conteúdo 1 Introdução O que é um amplificador Amplificador diferencial O Ampop Ideal e Real O Ampop real Simbologia e apresentação do ampop Pinagem dos ampop mais comuns Aplicações do Ampop: Circuito de alimentação do ampop: O Ampop como comparador O ampop como comparador digital: Comparador por zero: Comparador por referência: Exemplo de comparador por referência: O Ampop como amplificador Teoria do zero virtual O amplificador Inversor Cálculo do ganho no circuito Inversor: O amplificador não inversor Buffer ou seguidor de tensão Amplificador em cascata:

3 1 Introdução O amplificador operacional é um componente baseado na tecnologia dos circuitos integrados onde o fabricante desenvolve um circuito complexo chamado amplificador diferencial na forma de circuito integrado. Este componente pode ser aplicado para a construção dos mais complexos circuitos analógicos, a sua aplicação é simples, pois a parte mais complexa, que é o circuito diferencial, já foi desenvolvida pelo fabricante do CI. Assim é possível desenvolver sofisticados circuitos acrescentando somente alguns componentes externos ao amplificador operacional. O Amplificador operacional é um componente que revolucionou a construção de circuitos analógicos na mesma proporção que os computadores revolucionaram os circuitos digitais. A aplicação deste componente vai desde circuitos de medição a circuitos amplificadores de todo o tipo. Popularmente o amplificador operacional é chamado de ampop. 3

4 2 O que é um amplificador Um amplificador é um circuito eletrônico que amplifica a energia de uma fonte colocada na sua entrada. Em um circuito do tipo amplificador de tensão, este aumento de energia é priorizado pelo aumento da tensão, já no amplificador de corrente a prioridade é o aumento de corrente. Um circuito amplificador, como aquele dos guitarristas, é composto por uma etapa pré-amplificadora que aumenta a tensão e uma etapa de potência ou saída que aumenta a corrente. Quando o amplificador é de tensão, temos uma variável muito importante que relaciona a tensão de saída do circuito com a tensão de entrada, esta variável é chamada Ganho de Tensão e é descrita nas equações como Av. O amplificador é simbolizado por um triângulo como descrito na figura 1. A equação do ganho para um circuito normal é: Av= Vout/Vin Onde: Av é o ganho de tensão. Vin é a tensão de entrada. Vout é a tensão de saída. 4

5 3 Amplificador diferencial No amplificador normal existe somente uma entrada e a tensão de entrada é a diferença de potencial entre este ponto e o terra, neste caso a fonte de sinal é ligada entre a entrada do amplificador e o terra. O amplificador operacional possui duas entradas, este tipo de amplificador é chamado amplificador diferencial. No amplificador diferencial a tensão de entrada é a diferença de potencial presente entre as duas entradas, assim, não há necessidade do circuito de entrada estar aterrado. O sinal a ser amplificado está relacionado com a diferença de potencial entre as duas entradas, por isto este circuito é chamado de amplificador diferencial. O símbolo de um amplificador diferencial é um triângulo com duas entradas, uma chamada entrada mais e outra de entrada menos, como mostrado figura 1: Figura 1: Símbolo do amplificador diferencial. A equação do amplificador diferencial é muito simples: Vout Av = + ( V V ) Onde (V + - V -) é a diferença de potencial entre os terminais de entrada com o sinal mais e o terminal de entrada com o sinal menos. A tensão de saída pode ser determinada pela equação: + Vout = Av.( V V Onde: Av é o ganho de tensão do amplificador! ) NO amplificador operacional o ganho de tensão recebe uma letra o na base para indicar que este ganho é referente somente ao circuito do operacional. Esta letra o pode ser memorizada como sendo a letra do operacional, mas na realidade significa ganho em malha aberta open em inglês, logo você aprenderá o que significa isto! + Vout = Avo.( V V ) 5

6 4 O Ampop Ideal e Real Primeiramente vamos estudar o amplificador operacional como sendo um componente ideal imaginado pelos teóricos. Vamos estudar as aplicações deste componente pensando sempre no caso ideal. Na prática não existe um amplificador operacional ideal, assim é preciso fazer ajustes na teoria para podermos entender como funciona um circuito real. Felizmente a evolução da eletrônica está fazendo com que os fabricantes a cada dia construam componentes do tipo amplificador operacional cada vez mais próximos do ideal. As principais características do ampop ideal são: Altíssimo ganho(avo= ): O ganho de tensão do ampop ideal é teoricamente infinito. Esta é uma das principais características do ampop! Alta impedância de entrada (Zin= ): Isto equivale a dizer que o ampop não consome nenhuma energia do circuito conectado a sua entrada, não há corrente circulando para dentro ou para fora das entradas do ampop! Baixa impedância de saída (Zout=0): Isto significa que o ampop pode alimentar qualquer circuito conectado a sua saída, desde um radinho de pilha até um trem! Banda de freqüência infinita (fo= ): A freqüência de trabalho do ampop ideal é infinita, isto é, pode trabalhar tanto em circuitos de áudio como rádio freqüência. 6

7 5 O Ampop real Na prática o ampop real tem um comportamento próximo do ideal somente para algumas das características: são: As características que o ampop real consegue ficar próximo do ampop ideal Alto ganho: O ganho do ampop real está na faixa de 20000, assim uma tensão de entrada de 1mV (0,001V) aparece na saída com um valor de mv ou 20V. Como a tensão de alimentação do ampop real é da ordem de ±15V a tensão que aparece na saída é a máxima +15V. Alta impedância de entrada: O ampop real tem impedância de entrada da ordem de 10 MΩ o que significa que para executar sua função de amplificador drena corrente da ordem de Pico Ampéres, correntes que os instrumentos normais não conseguem medir. como: Por outro lado existem características que o ampop real está longe de conseguir Alta Impedância de saída: O ampop real é construído para trabalhar com baixas correntes de saída, normalmente na ordem de 10 ma, assim são bons para funcionarem circuitos pré-amplificadores e não sendo bons para trabalharem como amplificadores de saída. Já existem fabricantes tentando construir ampop reais de potência, mas este tipo de dispositivo ainda não tem uma aplicação prática conveniente, por outro lado, a maioria dos circuitos amplificadores de potência no mercado apresenta um comportamento similar ao ampop, por isto são desenhados com o mesmo símbolo do ampop! Faixa de freqüência: Em geral o ampop real consegue trabalhar bem em freqüências baixas, na faixa de áudio de até 20 KHz, não são bons para trabalhar em RF, no entanto existem ampops especialmente desenvolvidos para operarem em circuitos de vídeo (altas freqüência). Para tornar o ampop real mais próximo do ideal existem circuitos de compensação que podem ser calculados para cada aplicação, isto será visto na seção de circuito com ampop real. Mais adiante vamos estudar as características do ampop real com mais detalhes. 7

8 6 Simbologia e apresentação do ampop O símbolo do ampop é mostrado na figura 2. Existem duas entradas: a entrada mais (+) e a entrada menos (-), pois o amplificador interno é do tipo diferencial onde a saída é proporcional e diferença de potencial entre as entradas mais e menos. Figura 2: Símbolo do ampop. 6.1 Pinagem dos ampop mais comuns O ampop mais popular e mais antigo é o 741, com quatro pinos, por isto o restante dos operacionais tem uma pinagem semelhante, que é mostrado na figura 3. Figura 3: CI 741. Outro operacional bastante comum é o ampop é 324 que possui quatro amplificadores no mesmo encapsulamento, por isto é bastante prático em circuitos mais complexos. A pinagem deste amplificador é mostrada na figura 4. Figura 4: CI

9 7 Aplicações do Ampop: O ampop pode ser aplicado principalmente em dois tipos de circuitos: Como comparadores Como amplificadores. Como amplificador o circuito com ampop tem um componente ligado entre a saída e a entrada menos, isto caracteriza um circuito com realimentação negativa. A realimentação negativa diminui o ganho do circuito, que seria infinito caso tivesse somente o ampop ideal, no entanto o circuito fica mais estável. A figura ao lodo mostra a ligação do circuito com ampop usando realimentação negativa, o componente de realimentação pode ser qualquer um dispositivo tipo: resistor, capacitor, diodo, transistor etc. Na realimentação negativa, parte do sinal de tensão da saída, é aplicada de volta a entrada menos, isto faz com que a tensão na entrada diferencial diminua e o ganho diminua também, no entanto o circuito fica mais estável e simples de controlar! Figura 5: Realimentação negativa. Como comparador o circuito não possui realimentação negativa e o ampop trabalha com o seu ganho máximo. Em circuitos comparadores o ampop se comporta como um circuito digital onde a saída pode assumir somente dois estados! A análise circuito com realimentação negativa possui um tratamento diferente da análise do circuito comparador, se você usar a técnica correta você verá que esta análise é bem simples. 9

10 7.1 Circuito de alimentação do ampop: O circuito de um amplificador operacional real, como qualquer circuito, deve ser alimentado, esta alimentação serve para polarizar os transistores internos para que o circuito integrado possa cumprir com a função de amplificador diferencial. A alimentação do amplificador operacional é um pouco diferente do normal, é uma fonte simétrica. A fonte simétrica equivale a duas fontes normais ligadas em série onde o ponto comum é ligado ao terra. Vamos estudas a seguir o circuito comparador, neste circuito a saída teórica pode assumir valores do tipo infinito, para não deixar o estudo muito distante da prática, o infinito será considerado a máxima tensão no circuito, que exatamente a tensão das fontes simétricas denominadas de VCC. O valor comum para a tensão de alimentação dos amplificadores operacionais é ±15V, assim o infinito dos circuitos comparadores será considerado ou +15V ou 15V. A figura mostra a conexão de um amplificador operacional a uma fonte simétrica. Figura 6: Circuito de alimentação do ampop. 10

11 8 O Ampop como comparador Quando o circuito não tem realimentação negativa o ampop é usado com todo o seu ganho (infinito). Na analise de um circuito comparador com ampop a tensão de saída é determinada através da equação básica do amplificador operacional: + Vo = Avo (V V ) (1) Esta mesma equação pode ser escrita na forma mostrada abaixo onde Vin é a tensão entre as entradas mais e menos do operacional. Vo = Avo x Vin (2) A equação 1 é mais simples e você aplica quando o circuito possui as entradas ligadas a um ponto de referência, normalmente o terra, assim a tensão V + e V - devem ser calculadas em relação ao ponto de referência. A equação 2 você aplica quando não existe um ponto de referência, neste caso você deve usar a equação das malhas para encontrar Vin! Observe que mesmo no caso 2 você pode usar a equação 1, desde que, defina um ponto de referência no circuito, assim vamos dar preferência a equação 1 que bem mais simples e prática. Onde Avo é o ganho do circuito do ampop sem realimentação, que no caso do ampop ideal é infinito, assim a tensão de saída Vo pode assumir somente três valores possíveis: Mais infinito se V+ > V-. Menos infinito caso V+ < V-. Zero caso V+ = V-. Na prática a tensão de saída igual a zero é quase impossível, pois é difícil termos duas tensões exatamente iguais o tempo todo, somente a ondulação normal dos circuitos de alimentação é suficiente para desequilibrar as entradas. O valor mais infinito e menos infinito na prática são os valores máximos da tensão da fonte de alimentação que são normalmente ± 15V. Assim, na prática um circuito comparador pode ter presente na sua saída ou +15V ou 15V. 11

12 9 O ampop como comparador digital: Existe uma outra forma de olhar para o circuito comparador, primeiro você pode aplicar uma das equações básicas, ou então pensar no circuito como um comparador digital onde o sinal da tensão de saída será função do valor das tensões aplicado as entradas mais e menos: Se tensão na entrada mais for maior do que a tensão na entrada menos então o sinal de Vo será positivo, Vo=+Vcc! Se tensão na entrada mais for maior do que a tensão na entrada menos então o sinal de Vo será positivo, Vo=+Vcc! O sinal da tensão de saída é igual ao sinal da entrada com maior tensão! Observe que a tensão deve ser comparada levando em conta o sinal, por exemplo: Se V + =-5V e V - =-1V então V - é maior do que V + logo a tensão na saída será VCC. Se o VCC for igual a ±15V então Vo sra igual a -15V! 12

13 9.1 Comparador por zero: No circuito comparador por zero uma das entradas é ligada ao potencial de terra que é zero volt, a outra entrada é conectada diretamente a uma fonte de tensão ou a um circuito. A tensão de saída é calculada em função da diferença de potencial entre as entradas, que nos cálculos nós vamos chamar de Vin. O circuito da figura 7 mostra um exemplo deste tipo de circuito onde o sinal na entrada mais é ligado ao centro de um divisor de tensão, e a entrada menos ao terra (zero Volt). Figura 7: Comparador por zero. 13

14 Análise do Exemplo: A questão nos circuitos comparadores é determinar a tensão de saída Vo. A melhor forma de encontra Vo é usando a equação básica do operacional dada abaixo, pois o circuito possui as entradas ligadas ao terra que será o ponto de referência! Figura 8: Exemplo circuito comparador por zero! A tensão na entrada menos é zero, por isto este tipo de comparador é chamado de comparador por zero! A tensão na entrada mais em relação ao terra é a queda de tensão sobre o resistor R2, esta tensão ode ser determinada usando o divisor de tensão! R2 1k 1 VR2 = V1. = 12. = 12. = 4V R1+ R2 1K + 2K 3 Aplicando a equação básica do operacional: Vo = + AVO.(V V ) No caso do ampop ideal o ganho de tensão do operacional ideal A VO é igual ao infinito! Vo =.(5 0) = + No operacional o mais infinito é igual a +VCC! Vo = +! 14

15 Outra forma de solucionar este circuito é olhar para o comparador como um comparador digital, neste caso você deve fazer a pergunta: Qual a entrada com a maior tensão? Como a entrada V + é igual a +5V e a entrada V - é giual a zero, fica claro que entrada mais possui a maior tensão, então a polaridade da tensão de saída Vo é positiva! Vo=+VCC! Vo=+15V se VCC=15V! Outra forma de analisar o circuito é usando a equação das malhas como mostrada abaixo! Para a análise de circuitos com ampop como comparadores pode ser feita sem levar em conta o operacional, isto ocorre devido a alta impedância de entrada deste componente. A análise deste circuito consiste em determinar a tensão Vin ( V + -V - ) usando malhas, uma vez determinada Vin a saída é encontrada multiplicando-se este valor pelo Avo que é infinito para o ampop ideal, assim a saída será mais infinito se Vin for maior do que zero ou será menos infinito se Vin menor do que zero. No circuito real o mais infinito é Vcc, normalmente +15V, e o menos infinito é Vcc que é normalmente 15V. Para levantar a equação da malha 2 devido a I2 sabemos que a corrente I2 é zero devido a alta impedância de entrada do ampop, a equação das malha é mostrado abaixo: Figura 9: Análise das malhas em circuito comparador! Analisando a malha 1 é possível determinar I1! V1 VR2 = 0 V1 ( R1 I1+ R2 I1+ R2 I 2) = 0 V1 ( R1 + R2) I1 = 0 12 (3K + 1K ). I1 = 0 12 = I1 4K 12 I1 = = 3mA 4k 15

16 Analisando a malha 2 podemos determinar Vin, o melhor procedimento é estimar que a corrente da malha 2 passe pela entrada do operacional entrando na entrada menos e saindo na entrada mais, desta forma o sinal de Vin será positivo: Vin VR2 = 0 Vin I1 R2 = 0 Vin = 3mA 1K vin = 3V A partir de Vin podemos determinar a tensão de saída Vo: Vo = Avo Vin Vo = 3V = + Na prática o infinito é +Vcc igual a +15V. Observe que o método das malhas é o mais trabalhoso por isto você deve dar preferência a um dos dois primeiros métodos. No restante deste trabalho será usado o método do comparador digital! 16

17 10 Comparador por referência: No circuito comparador por referência a tensão em uma das entradas é conhecida, esta tensão é chamada de tensão de referência. A tensão de referência pode ser fornecida diretamente por uma fonte de tensão ou por um circuito com um zener para prover alta estabilidade. A figura abaixo mostra um circuito típico onde a fonte de referência é dada por uma fonte fixa Vref. Figura 10: Exemplo de circuito comparador pro referência! Se você usar o método do comparador digital observe que a tensão na entrada menos agora possui um valor dado pela tensão de referência +5V! A tensão na entrada mais é dada pela queda de tensão sobre o resistor R2 que está ligado ao terra. R2 1k 1 V R2 = V1. = = 12. = 6V R1+ R2 1k + 1K 2 V + =+6V V - =+5V Como a tensão na entrada mais é maior do que a tensão na entrada menos então a polaridade da tensão de saída é positiva! Vo=+Vcc! 17

18 Exemplo de comparador por referência: Abaixo é mostrado um circuito de um comparador por referência que é construído através usando um diodo zener para gerar a tensão de referência na entrada V -. Figura 11: Exemplo de circuito comparador por referência gerada por um diodo zener! Neste caso a entrada V+ é dado pelo divisor de tensão abaixo: + R2 1K V = V1 = 12 = 4V R1+ R2 3K A entrada V - é dada pela tensão do diodo zener (+6V). V + =+4V V - =+6V Como a tensão na entrada menos é maior do que a tensão na entrada mais então a polaridade da tensão de saída é negativa! Vo=-Vcc! 18

19 11 O Ampop como amplificador Um amplificador operacional irá operar como amplificador quando estiver conectado em um circuito com realimentação negativa. Assim se você quiser saber quando um ampop está operando como comparador ou amplificador basta observar se tem algum componente ligado entre a saída e a entrada menos; se possuir este componente, o circuito possui realimentação negativa e o ampop está ligado como amplificador. A análise de um circuito operacional como amplificador é totalmente diferente do circuito comparador, se você usar a técnica correta esta análise pode ser muito simples, esta técnica é chamada de zero virtual! Quando o circuito possui uma realimentação negativa o ganho do circuito fica reduzido, isto em um primeiro momento pode parecer ruim, mas não é! A redução no ganho tem a vantagem de tornar o circuito bem mais estável, assim com a adição de mais algum componente você consegue construir circuitos práticos e simples com o ganho que você quiser! 19

20 12 Teoria do zero virtual A análise de um circuito com realimentação negativa é complexa, mas se você utilizando a técnica do zero virtual fica bem simples. A teoria do zero virtual se aplica somente para circuitos com ampop ideal, onde os fatores mais importantes são ganho e impedância de entrada infinita! No ampop real as características do ganho e impedância de entrada são as que mais se aproximam do ampop ideal, então você pode aplicar a teoria do zero virtual aos ampops reais! No zero virtual as características abaixo são verdadeiras: A diferença de potencial entre as entradas menos e mais é zero. A corrente que entra tanto na entrada menos como na entrada mais é zero. Assim ao levantar a equação da malha você deve considerar Vin=0, I + =I - =0 em todas as equações. Vin=(V + -V - )=0 I+=I-=0 A palavra virtual se deve ao fato de que a condição de tensão zero (curto circuito) com corrente zero (circuito aberto) não ocorre em um circuito normal. Estas afirmações podem ser vista de outra maneira: As tensões entre as entradas do ampop são iguais e não há fluxo de corrente nas entradas menos e mais. A seguir serão apresentados vários circuitos que utilizam amplificador operacional como amplificador e a sua análise será feita aplicando-se as teorias comuns à eletrônica como: malhas, nós, Lei de Ohm, Lei da adição, e é claro, a lei do zero virtual. Você deve levar em conta que apesar de existirem vários circuitos com ampop o importante é saber bem os três tipos básicos, pois a maioria dos outros circuitos pode ser reduzida a um ou mais dos tipos básicos. Amplificador Inversor. Amplificador não Inversor. Seguidor de Tensão 20

21 13 O amplificador Inversor A figura 12 mostra um amplificador inversor. No amplificador inversor o sinal de entrada (Vi) aparece na saída (Vo) amplificada pelo ganho do circuito (Av). Avo! Observe que este ganho é o ganho do circuito e não o ganho do operacional O sinal da tensão de saída é o inverso do sinal da tensão de entrada, por isto o nome amplificador inversor. O ganho de tensão do circuito (Av) é proporcional ao valor dos resistores de realimentação (Rf) e do resistor de entrada (Ri). Figura 12: Amplificador inversor. 21

22 13.1 Cálculo do ganho no circuito Inversor: Para determinar a tensão de saída Vo você deve usar as equações das malhas, com isto será possível determinar o ganho Av do circuito. Usando a teoria do zero virtual podemos adiantar que: A corrente que passa pelo resistor Ri e encontra o nó A desvia totalmente para o resistor Rf uma vez que a corrente pela entrada menos do ampop é zero. Como a tensão na entrada mais esta ao mesmo potencial do terra que é zero volt, então a tensão na entrada menos também é zero volt. Não esquecendo que a diferença de potencial entre a entrada mais e menos (Vin) é zero. Temos duas malhas neste circuito, conforme podemos ver no diagrama ao lado. Figura 13: Malhas no circuito inversor. 22

23 A equação da malha 1 (entrada) : Vi Ri. I 1 Vin = 0 Vi Ri. I1 = 0 Vi = Ri. I1 A equação da malha 2 (saída): Vin Rf. I 2 Vo = 0 Rf. I2 Vo = 0 Vo = Rf. I 2 Pois Vin é zero, devido a teoria do zero virtual. Note que você tem duas equações e tr~es incógnitas: I1, I2 e Vo? Para resolver este sistema de equações você deverá encontrar uma terceira equação. Esta equação surge da teoria do zero virtual: I2=-I1 Pois a corrente I1 ao encontrar o nó A só tem um caminho para seguir, na direção do resistor Rf pois o operacional possui alta impedância de entrada e as correntes nas suas entradas é zero! Então para resolvermos o circuito, basta isolarmos I1 na equação da malha 1 e substituirmos na equação da malha 2: I1 = Vi Ri Vo = I2. Rf = I1. Rf Vo = Vi Rf Ri = Rf Vi Ri O ganho de tensão Av é a relação entre Vo e Vi: Vo Rf Av = = Vi Ri O sinal menos indica a inversão da tensão. O ganho depende apenas da razão entre os resistores Rf e Ri! A título de memorização: O amplificador será inversor quando a tensão de entrada (Vi) estiver conectada a entrada menos do ampop! 23

24 Exemplo 1: O circuito da figura 14 é típico de um amplificador inversor. Determine a tensão de saída Vo no circuito abaixo! Figura 14: exemplo 1. Solução do exercício: Rf= 12KΩ Ri= 1 KΩ Aplicando a equação do amplificador inversor: Vo = Vi.Av Rf 12K Av = = = 12 Ri 1k Vo = 100mv.( 12) = 1200mv = 1,2V Observe que o ganho de tensão do circuito não tem unidade! Observe que o sinal do ganho de tensão do circuito é negativo e que a fonte de tensão de entrada Vi está ligada a entrada negativa. Observe que o ganho de tensão do circuito é função somente dos resistores Rf e Ri! 24

25 14 O amplificador não inversor Av. No amplificador não inversor a tensão de entrada Vi é amplificada pelo ganho O sinal da tensão de saída Vo é o mesmo da tensão de entrada, por isto este circuito é chamado de amplificador não inversor. Figura 15: Diagrama do circuito Não Inversor. A principal característica deste circuito é a altíssima impedância de entrada, pois a fonte está conectada diretamente a entrada V + do operacional, e, devido ao zero virtual, não há corrente circulando nas entradas do operacional. A maioria das aplicações do amplificador inversor é em instrumentação, principalmente voltímetros, que exigem altíssimas impedâncias de entrada. 25

26 Cálculo do ganho do circuito Não inversor: O ganho de tensão Av é função dos resistores de realimentação R2 e R1. Para levantar a equação do ganho e da tensão de saída vamos usar a lei do zero virtual e a lei das malhas. Existem duas malhas no circuito. Na malha de entrada podemos observar que a tensão de entrada é toda ela aplicada sobre a resistência R1, de forma que a corrente na malha é determinada pela tensão de entrada e por R1. A corrente da malha I1 é zero. A corrente da malha I2 pode ser determinada a partir da malha 1 e aplicada na malha 2, chagando-se a equação final. Observe o diagrama abaixo: Figura 16: Análise das malhas do circuito não inversor: Malha1: Vi - I1 R i = 0 Vi = I1. Ri Malha 2: Vo - I1Ri - I2 R f = 0 V2o = I1R i + I2 R f Devido ao zero virtual I1=I2, agora as duas correntes estão no mesmo sentido! Aplicando a equação da malha 2: Vo = I1R i + I2 R f Vo = I1(Ri + Rf) Isolando I1 na equação da malha 1 e aplicando na equação da malha 2: Vi = I1. Ri Vi I1 = Ri Vi Ri + Rf Vo = (Ri + Rf) = Vi.( ) Ri Ri 26

27 Ri + Rf Vo = Vi.( ) Ri Observe que esta já é a solução do circuito, no entanto esta equação pode ser trabalhada de forma a enfatizar a relação R1/Rf! Ri + Rf Vo = Vi.( ) Ri Ri Rf Vo = Vi( + ) Rf Ri Rf Vo = Vi.(1 + ) Ri O ganho de tensão do circuito é dado pela equação abaixo: Vo Av = = 1 + Vi Rf Ri Observações sobre as equações do amplificador não inversor: O menor ganho deste circuito é 1, quando R2/R1 for zero. O sinal da tensão de saída Vo é igual ao sinal da tensão de entrada Vi. O ganho Av é função da razão dos resistores R2/R1, como no amplificador inversor. A corrente exigida da fonte de sinal Vi (tensão de entrada) é zero. O ganho de tensão é igual a relação dos resistores Rf/Ri MAIS UM! 27

28 15 Buffer ou seguidor de tensão O Buffer ou reforçador de sinal é a aplicação mais simples dos amplificadores operacionais. Este circuito tem o ganho igual a 1, isto é, não amplifica nada, todo o sinal aplicado à entrada aparece na saída. Note que o sinal de entrada é aplicado à entrada mais do operacional, logo, a tensão de saída possui o mesmo sinal da tensão de entrada. Figura 17: Circuito do seguidor de Tensão ou Buffer. 28

29 Cálculo do ganho do seguidor de tensão: Para determinarmos o ganho deste circuito levantamos a única malha possível: Figura 18: análise das malhas do circuito seguidor de tensão. - Vi + Vo = 0 + Vo = Vi Dão tiramos a equação do vago Av= Vo/Vi: + Vo Av = = 1 Vi A principal função deste circuito é isolar eletricamente a fonte do restante do circuito, devido a característica de alta impedância da entrada do operacional, este circuito não carrega a fonte, assim na saída temos uma tensão que a cópia exata da tensão de entrada, mas com energia reforçada. Este circuito é muito usado nas etapas de entrada dos instrumentos de medição de tensão, pois a principal característica de um voltímetro é possuir alta impedância de entrada, neste aspecto o operacional é excelente. A figura abaixo exemplifica a aplicação de um sinal de 1 V senoidal a entrada de um circuito do tipo Buffer, a saída mantém a mesma amplitude e fase. 29

30 16 Amplificador em cascata: Você pode combinar dois ou mais circuitos amplificadores para amplificar um sinal de entrada Vi, nesse caso cada amplificador deve ser tratado como um circuito independente chamado etapa amplificadora onda a tensão de entrada da etapa seguinte é a tensão de saída da etapa anterior! A figura abaixo mostra um circuito em cascata contendo uma etapa com um amplificador não inversor e uma etapa com um amplificador inversor. Determine o ganho total do circuito abaixo: Figura 19: Amplificador em cascata! Solução: Este circuito possui dois amplificadores em cascata: A1 é um amplificador não inversor com entrada Vi e saída no ponto Vo, e A2 é um amplificador inversor com entrada Vo1 e saída Vo. O ganho total do circuito é dado pela relação Vo/Vi! Circuito 1: Vo1 = Vi.Av Rf 10k Av = 1+ = 1+ = 1+ 2 = 3 Ri 5K Vo1 = 10mv.3 = 30mv! Circuito 2: Vo = Vo1. Av Rf 12k Av = = = 2 Ri 6k Vo = 30mv.( 2) = 60mv Ganho total: Vo 60mv Av = = Vi 10mv = 6 30

31 Observe que o total não igual a a soma dos dois ganhos, mas, ao produto. Nos amplificadores em cascata o ganho total é dado pelo produto do ganho de cada uma das etapas! 31

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer.

2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores lineares nas suas configurações como inversor, não-inversor e buffer. Universidade Federal de Juiz de Fora Laboratório de Eletrônica CEL 037 Página 1 de 5 1 Título Prática 9 Aplicações Lineares dos Amplificadores Operacionais 2 Objetivos Execução e análise de circuitos amplificadores

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica

MAF 1292. Eletricidade e Eletrônica PONTIFÍCIA UNIERIDADE CATÓICA DE GOIÁ DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍICA Professor: Renato Medeiros MAF 1292 Eletricidade e Eletrônica NOTA DE AUA II Goiânia 2014 Diodos Retificadores Aqui trataremos dos

Leia mais

Amplificador Operacional

Amplificador Operacional Amplificador Operacional Os modelos a seguir, referem-se a modelos elétricos simplificados para os amplificadores de tensão e de corrente sem realimentação. Os modelos consideram três elementos apenas:

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA

Governo do Estado de Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Educação Centro de Educação Profissional Ezequiel Ferreira Lima APOSTILA APOSTILA CURSO TÉCNICO EM ELETRÔNICA PARTE VI - Amplificador de potência - Regulador de tensão - Fonte simétrica - Transistor de efeito de campo - Amplificador operacional - Filtros Prof. Marcio Kimpara

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009

IFBA MOSFET. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista - 2009 IFBA MOSFET CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 MOSFET s - introdução Semicondutor FET de óxido metálico, ou Mosfet (Metal Oxide

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA Aplicações As três aplicações básicas dos transformadores e que os fazem indispensáveis em diversas aplicações como, sistemas de distribuição de energia elétrica, circuitos

Leia mais

Automação Industrial

Automação Industrial Automação Industrial Unidade 4 Estratégias de Controle (Aula Teórico Prática) Prof. Rodrigo Cardoso Fuentes diretor.ctism@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame beltrame@mail.ufsm.br Objetivos da Aula

Leia mais

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores

Prof. Antonio Carlos Santos. Aula 7: Polarização de Transistores IF-UFRJ Elementos de Eletrônica Analógica Prof. Antonio Carlos Santos Mestrado Profissional em Ensino de Física Aula 7: Polarização de Transistores Este material foi baseado em livros e manuais existentes

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON

APOSTILA MÓDULO - 4. figura 2 HALL. figura 3. tomada de entrada balanceada CANON APOSTILA MÓDULO 4 AULA 4 AMPLIFICADORES OPERACIONAIS 2 Amplificação de sinais diferenciais bobina magnética e HALL O circuito Schmitt Trigger analisado detalhadamente Os pontos NSD e NID (Nível Superior

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletrônica Calcule a tensão Vo no circuito ilustrado na figura ao lado. A. 1 V. B. 10 V. C. 5 V. D. 15 V. Questão 22 Conhecimentos Específicos - Técnico

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS II

CIRCUITOS ELÉTRICOS II CIRCUITOS ELÉTRICOS II Prof.: Helder Roberto de O. Rocha Engenheiro Eletricista Doutorado em Computação Corrente Elétrica Quantidade de carga elétrica deslocada por unidade de tempo As correntes elétricas

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE- PARTE - 1 QUESTÕES DE SIMPLES ESCOLHA - PARTE 1 PRÓXIMA => QUESTÃO 1 a. ( ) Fonte de corrente alternada. b. ( ) Fonte de tensão contínua. c. ( ) Fonte de corrente

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista, 2010

IFBA. CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE. Vitória da Conquista, 2010 IFBA CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista, 2010 A realimentação Negativa estabiliza o ganho de tensão, diminui a distorção e aumenta

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA

Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Introdução Circuitos Elétricos Análise de Potência em CA Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Potência é a quantidade de maior importância em

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II Osciladores Trabalho prático nº 2 Paulo Chaves 1/7 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP

CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP IFBA CIRCUITOS LINEARES COM AMP OP CELET Coordenação do Curso Técnico em Eletrônica Professor: Edvaldo Moraes Ruas, EE Vitória da Conquista - 2009 NÃO-INVERSOR Amplificador CA Ganho de tensão de malha

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal.

Capítulo. Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. 9 Osciladores Capítulo a Cristal Meta deste capítulo Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal. objetivos Entender o princípio de funcionamento de osciladores a cristal; Analisar osciladores

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A AD / DA M-1116A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Objetivos 3 2. Experiência

Leia mais

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr.

Eletrônica II. Amplificadores de Potência. Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Eletrônica II Amplificadores de Potência Notas de Aula José Maria P. de Menezes Jr. Amplificadores Amplificador é um equipamento que utiliza uma pequena quantidade de energia para controlar uma quantidade

Leia mais

Amplificadores Operacionais: Circuitos típicos e aplicações

Amplificadores Operacionais: Circuitos típicos e aplicações Amplificadores Operacionais: Circuitos típicos e aplicações Prof. Alberto de Lima alberto.lima@cefet-rj.br Educação Profissional de Nível Médio Curso: Eletrônica 1 Características gerais As aplicações

Leia mais

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo

Instituto Educacional São João da Escócia Colégio Pelicano Curso Técnico de Eletrônica. FET - Transistor de Efeito de Campo 1 FET - Transistor de Efeito de Campo Introdução Uma importante classe de transistor são os dispositivos FET (Field Effect Transistor). Transistor de Efeito de Campo. Como nos Transistores de Junção Bipolar

Leia mais

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores.

Circuitos com Diodos. Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. Circuitos com Diodos Eletrônica I Alexandre Almeida Eletrônica dos Semicondutores. O TRANSFORMADOR DE ENTRADA As companhias de energia elétrica no Brasil fornecem.umatensão senoidal monofásica de 127V

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais unesp UNIESIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Guaratinguetá Colégio Técnico Industrial de Guaratinguetá Professor Carlos Augusto Patrício Amorim Amplificadores Operacionais Prof. Marcelo Wendling 200 ersão

Leia mais

Circuitos Osciladores

Circuitos Osciladores Circuitos Osciladores Em virtude da realimentação do sinal, a estabilidade do circuito deve ser analisada pois quando a freqüência aumenta, o deslocamento de fase varia e como parte deste sinal é adicionado

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

Capitulo 3 - Amplificador Operacional

Capitulo 3 - Amplificador Operacional Capitulo 3 - Amplificador Operacional 1 3.1 Conceito amplificador CC multiestágio, com entrada diferencial operações matemáticas como soma, integrações, etc 3.2 Principais Características a) Resistência

Leia mais

Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real. Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real. Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real

Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real. Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real. Símbolo Curva aproximada Curva próxima do real Amplificadores operacionais como filtros Filtros são circuitos eletrônicos projetados para permitir, ou não, a passagem de um sinal, cujo espectro esteja dentro de um valor preestabelecido pelo projetista.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A7 () Analise o circuito a seguir e determine V A e V o. V A V

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011

DIODO SEMICONDUTOR. Conceitos Básicos. Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 DIODO SEMICONDUTOR Prof. Marcelo Wendling Ago/2011 Conceitos Básicos O diodo semicondutor é um componente que pode comportar-se como condutor ou isolante elétrico, dependendo da forma como a tensão é aplicada

Leia mais

Configuração Darlington

Configuração Darlington onfiguração Darlington 60 A principal função desta configuração é conseguir alta impedância de entrada e alto ganho de corrente. O arranjo desta configuração é conectar dois transistores do mesmo tipo

Leia mais

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I

Aula 05. Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Aula 05 Resistores em Série e em Paralelo Leis de Kirchhoff- Parte I Circuito Elétrico Básico e suas componentes. \ Resistores em Série Em uma associação de resistores em série, a corrente elétrica ( contínua)

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Fonte elétrica As fontes elétricas mantém a diferença de potencial (ddp) necessária para

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

EXPERIÊNCIA 2: CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s.

EXPERIÊNCIA 2: CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s. EXPERIÊNCIA : CIRCUITOS DE POLARIZAÇÃO DE JFET s. PROCEDIMENTO: Polarização da porta:. Com o módulo e a fonte variável desligadas, instalar a placa CEB-0 no Slot E ou F do Módulo Universal 000. + V (Var)

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO

EXPERIÊNCIA Nº 2 1. OBJETIVO Universidade Federal do Pará - UFPA Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina: Laboratório de Eletrônica Analógica TE - 05181 Turma 20 Professor: Bruno Lyra Alunos: Adam Dreyton Ferreira dos Santos

Leia mais

Automação e Instrumentação

Automação e Instrumentação Instituto Superior de Engenharia de Coimbra Engenharia e Gestão Industrial Automação e Instrumentação Trabalho Prático Nº 3 Acondicionamento do sinal de sensores. Introdução A maior parte dos sensores

Leia mais

Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010

Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010 Curso Técnico de Eletrônica Eletrônica Linear II NA1 Transistores Bipolares Aluno: Revisão de conteúdo Data: 20/03/2010 TRANSISTORES BIPOLARES O transistor de junção bipolar é um dispositivo semicondutor

Leia mais

Laboratório de. Eletrônica Analógica II

Laboratório de. Eletrônica Analógica II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Laboratório de Eletrônica Analógica II Professor Volney Coelho Vincence, 2014/1 Vincence Eletrônica

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise de Circuitos 1º Trabalho de Laboratório Circuitos resistivos lineares e não lineares Leis de Kirchhoff e amplificador operacional Setembro

Leia mais

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C O Capacitor Componente eletrônico constituído de duas placas condutoras, separadas por um material isolante. É um componente que, embora não conduza corrente elétrica entre seus terminais, é capaz de armazenar

Leia mais

9 Eletrônica: circuitos especiais

9 Eletrônica: circuitos especiais U UL L Eletrônica: circuitos especiais Um problema Um dos problemas com que se defrontava a eletrônica consistia no fato de que as válvulas, então empregadas nos sistemas, além de serem muito grandes,

Leia mais

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7

Introdução 5. Amplificação com FET 6. Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Sumário Introdução 5 Amplificação com FET 6 Polarização do FET 6 Polarização do terminal dreno 7 Polarização do terminal porta 7 Estágio amplificador com FET 8 Princípio de funcionamento 9 Características

Leia mais

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente.

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente. 1 LEI DE OHM A LEI DE OHM é baseada em três grandezas, já vistas anteriormente: a Tensão, a corrente e a resistência. Com o auxílio dessa lei, pode-se calcular o valor de uma dessas grandezas, desde que

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Eletrônica

Conceitos Fundamentais de Eletrônica Conceitos Fundamentais de Eletrônica A eletrônica está fundamentada sobre os conceitos de tensão, corrente e resistência. Podemos entender como tensão a energia potencial armazenada em uma pilha ou bateria

Leia mais

Eletrônica Básica. Eletrônica Básica. Educador Social: Alexandre Gomes. Rua Jorge Tasso Neto, 318 - Apipucos, Recife-PE Fone: (81) 3441 1428

Eletrônica Básica. Eletrônica Básica. Educador Social: Alexandre Gomes. Rua Jorge Tasso Neto, 318 - Apipucos, Recife-PE Fone: (81) 3441 1428 Eletrônica Básica Educador Social: Alexandre Gomes Multimetro Resistores Varistor Termistor Fusível Capacitores Diodos Transistores Fonte de Alimentação Eletrônica Básica: Guia Prático Multimetro É o aparelho

Leia mais

Amplificadores lineares e filtros

Amplificadores lineares e filtros Instrumentação de Controle - 167347 Departamento de Engenharia Elétrica (ENE) Universidade de Brasília (UnB) Amplificadores lineares e filtros Tópicos Características de amplificadores operacionais Amplificadores

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga CAPACITOR O capacitor é um componente eletrônico capaz de armazenar cargas elétricas. É composto por duas placas de material condutor, eletricamente neutras em seu estado natural, denominadas armaduras,

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais AmpOp Amplificador Operacional É um amplificador de alto ganho e acoplamento directo que utiliza um controlo de realimentação (feedback) para controlar as suas características. Contém uma saída, controlada

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY CAMBRIDGE, MASSACHUSETTS 02139 6.101 Laboratório de Introdução a Eletrônica Analógica Laboratório No. 6

Leia mais

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS

CIRCUITOS E SISTEMAS ELECTRÓNICOS INSTITUTO SUPERIOR DE IÊNIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Apontamentos sobre Osciladores e Malhas de aptura de Fase IRUITOS E SISTEMAS ELETRÓNIOS APONTAMENTOS SOBRE OSILADORES E MALHAS DE APTURA DE FASE Índice

Leia mais

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios

Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios 01 Corrente Alternada o básico do básico Revisão para o Provão Elaborado por Gabriel Vinicios Corrente Alternada: é toda tensão cuja polaridade muda ao longo do tempo. Forma mais comum: Senoidal: Na imagem

Leia mais

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A MEASUREMENTS Medidas M-1102A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Experiência

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC

LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC LEIS DE KIRCHHOFF ANÁLISE DE REDES DC 1. Análise de correntes nas malhas 2. Análise de tensão nodal 3. Superposição As Leis de Kirchhoff são assim denominadas em homenagem ao físico alemão Gustav Kirchhoff

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

Circuito integrado 555 e suas aplicações

Circuito integrado 555 e suas aplicações Circuito integrado 555 e suas aplicações Introdução Um circuito integrado popular é o versátil 555. Introduzido pela em 1973 pela Signetcs, este circuito integrado tem aplicações que variam de equipamentos

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal "-" associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1

Números Complexos. Note com especial atenção o sinal - associado com X C. Se escrevermos a expressão em sua forma mais básica, temos: = 1 1 Números Complexos. Se tivermos um circuito contendo uma multiplicidade de capacitores e resistores, se torna necessário lidar com resistências e reatâncias de uma maneira mais complicada. Por exemplo,

Leia mais

4 PARÂMETROS DINÂMICOS

4 PARÂMETROS DINÂMICOS 4 PARÂMETROS DINÂMICOS Nesta experiência iremos medir os parâmetros do amp op que podem prejudicar o desempenho dos circuitos em alta freqüência. Os dois parâmetros Produto Ganho-Largura de Banda GBP (também

Leia mais

AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

AMPLIFICADORES OPERACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CURSO TÉCNICO INTEGRADO EM TELECOMUNICAÇÕES Área de Conhecimento:

Leia mais

CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.-----------------------------------------------------------------------------

CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.----------------------------------------------------------------------------- CONTROLE DIGITAL DE VOLUME 1.----------------------------------------------------------------------------- Uma boa gama de aplicações atuais utiliza o controle de volume digital. Não nos referimos apenas

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a.

Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. Eletrônica Básica - Curso Eletroeletrônica - COTUCA Lista 4 Análise de circuitos a diodos c.a. 1. A Figura abaixo apresenta o oscilograma da forma de onda de tensão em um determinado nó de um circuito

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Universidade Federal de Lavras Departamento de Ciência da Computação COM145 Eletrônica Básica Amplificadores Operacionais Prof. João C. Giacomin DCC-UFLA 1 Amplificadores Operacionais Este texto foi escrito

Leia mais

Termistor. Termistor

Termistor. Termistor Termistor Aplicação à disciplina: EE 317 - Controle e Automação Industrial Este artigo descreve os conceitos básicos sobre termistores. 1 Conteúdo 1 Introdução:...3 2 Operação básica:...4 3 Equação de

Leia mais

Amplificadores de potência classe B

Amplificadores de potência classe B Amplificadores de potência classe B Introdução O amplificador de potência classe A, apresenta a melhor linearidade, mas tem o pior rendimento. Isso se deve ao fato de que o transistor de saída esta sempre

Leia mais

UFSM CT DELC. e Mecânicos. ELC 1021 Estudo de Casos em Engenharia Elétrica

UFSM CT DELC. e Mecânicos. ELC 1021 Estudo de Casos em Engenharia Elétrica UFSM CT DELC Analogia Sistemas entre Elétricos e Mecânicos ELC 1021 Estudo de Casos em Engenharia Elétrica Giovani Baratto 6/25/2007 Introdução As equações diferenciais que governam as tensões e correntes

Leia mais