TERCEIRIZAÇÃ ÇÃO. 1º Seminário do MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERCEIRIZAÇÃ ÇÃO. 1º Seminário do MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção"

Transcrição

1

2

3 FÁBRICA CARIOCA DE CATALISADORES S.A. Indústria química para fabricação de catalisadores; Única fábrica na América Latina; Fundada em 1985; Principais concorrentes: Grace e Engelhard, ambas localizadas nos Estados Unidos.

4 MISSÃO Fornecer catalisadores, aditivos e soluções para craqueamento de petróleo e produtos afins. VISÃO Ser uma Empresa de classe mundial, líder no mercado da América do Sul, com participação total de 72%, de forma rentável, competitiva e socialmente responsável.

5 PARTICIPA ACIONÁRIA

6 NOSSO PRODUTO

7 O QUE É O CATALISADOR DE FCC? O catalisador de de FCC FCC é um um produto químico utilizado pelas refinarias para realizar a quebra das das moléculas de de petróleo (craqueamento) e gerar produtos como: gasolina, óleo diesel, GLP, etc. etc.

8 TERCEIRIZA SISTEMA TECNOLÓGICO GLOBAL

9 PRINCIPAIS CLIENTES Mercado Interno t/ano PETROBRAS Brasil O R D E M R O E P G R E S S O IPIRANGA Brasil Mercado Externo t/ano ANCAP Uruguai ECOPETROL Cartagena - Colômbia ÑICO LÓPEZ Cuba ESSO Argentina EG3 Argentina

10 FCC S.A.

11 VISÃO EMPRESARIAL DA MANUTEN Passado Visão da Manutenção Tecnologia Fator Crítico Funcional Presente Visão do Negócio Gestão Fator Crítico Sistêmico Eficiência Interna Melhoria Contínua Menor Custo Eficácia da Organização Referencial Benchmark Melhor Custo Indicadores Manutenção Indicadores Empresariais BSC

12 VISÃO EMPRESARIAL DA MANUTEN Passado Problemas Repetitivos Causa Imediata Atuação Funcional Corretiva Visão do Equipamento Escolaridade/Qualificação Especialista Presente Soluções Definitivas Causa Básica Atuação em Equipe Preditiva / Eng. Manutenção Visão Função do Equipamento Qualificação/Certificação Multifuncional

13 PROCESSO DE SELE PARA UM CONTRATO DE MANUTEN GLOBAL Definir: DE PARA?

14 PROCESSO DE SELE PARA UM CONTRATO DE MANUTEN GLOBAL Formalizar uma Missão e uma Visão para a atividade de manutenção. Padronizar algumas definições importantes para criar um entendimento comum dos principais conceitos. Adotar uma rotina periódica (anual, por exemplo) para medir o grau de satisfação do cliente Operação. Divulgação mais ampla das grandes metas da manutenção para os próximos anos.

15 VISÃO EMPRESARIAL DA MANUTEN Missão da Manutenção Atender as necessidades de produção da FCC garantindo a disponibilidade e confiabilidade dos equipamentos, com previsibilidade, custo otimizado e atendimento aos requisitos de segurança, meio ambiente e satisfação dos clientes.

16 MANUTEN VISÃO: Ter manutenção classe mundial em planta de catalisadores.

17 OBJETIVO: Disponibilizar equipamentos para a produção miníma de xxxx t/mês e ter um plano em andamento para atender as vendas até 2007 com a implantação do Topaz, garantindo uma disponibilidade miníma de equipamento de xx%

18 Manutenção com qualidade, tomando por referência indicadores de desempenho das melhores empresas internacionais Aumento da confiabilidade e da disponibilidade da Planta, através de trabalho integrado com a Operação, a Engenharia e o Processo, atuando prioritariamente nas seguintes áreas (algumas áreas): Ênfase na preditiva e na Engenharia de Manutenção Solução de problemas crônicos Eliminação de resserviços DIRETRIZES DE MANUTEN Elaboração e utilização de procedimentos Implantação de programa de manutenção centrada em confiabilidade (MCC)

19 DIRETRIZES DE MANUTEN Participação na análise de novos projetos Ênfase em paradas de mínimo prazo Elaboração de planos de inspeção que garantam os tempos de campanha Preservação e melhoria contínua da capacitação, através da busca, avaliação, aplicação e incorporação de novas tecnologias, da realização de programas de treinamento e do desenvolvimento de novos métodos e procedimentos

20 DIRETRIZES DE MANUTEN Contratação de empresas capacitadas técnicas e gerencialmente, observando os aspectos de economicidade, qualidade, preservação de tecnologias, risco operacional, riscos materiais e humanos e necessidade de conhecimento global de sistemas, viabilizando o desenvolvimento e consolidação da experiência do mercado prestador de serviços, buscando contratos o mais próximos possíveis dos de parceria, através de: Adoção de prazos mais longos Contratos que garantam a multifuncionalidade, a otimização de métodos e de recursos e a minimização de interfaces

21 DIRETRIZES DE MANUTEN Incentivo ao aumento da produtividade dos serviços e da disponibilidade das instalações, com ganhos divididos entre as partes Exigência de empregados qualificados e certificados pelo PNQC (Programa Nacional de Qualificação e Certificação) ou similar Preservação das experiências e competências para a fiscalização de serviços contratados e avaliação da intervenção em equipamentos críticos por equipe própria

22 DIRETRIZES DE MANUTEN A segurança das pessoas, dos equipamentos e dos sistemas, bem como, a preservação do meio ambiente e a qualidade dos produtos, são prioritários em relação à continuidade operacional Atuar nas causas básicas dos problemas crônicos buscando sua solução efetiva Manter as instalações disponíveis para operar na sua carga de referência

23 AÇÕES DE CURTO PRAZO Eleger os equipamentos Top Definir política de Manutenção e Operação dos Top 5 Redefinir a estrutura com autoridade/responsabilidade, restabelecendo o nível de supervisão e acompanhamento dos serviços de Manutenção e Operação Reeducar as equipes em Qualidade Total, reforçando o cumprimento dos padrões, incentivando o trabalho das equipes em solução de problemas, promovendo o treinamento On The Job das equipes.

24 AÇÕES DE CURTO PRAZO Integrar Operação + Manutenção Rever os processos / modelos de tercerização. Ter Engenharia de Manutenção Rever o funcionamento da Manutenção Não desfocar da gestão corporativa.

25 AÇÕES DE MÉDIO PRAZO Implantar o plano operacional integrado com os objetivos estratégicos da FCCSA, ligado ao BSC Implantar o piloto de manutenção centrada em confiabilidade Reintegrar fluxo de informação/comunicação com plantas de catalisador Conhecer os equipamentos e processos críticos da unidade e rever estratégias de manutenção

26 AÇÕES DE MÉDIO PRAZO Implantar relatório de avaliação das preventivas com análise crítica multidisciplinar (Manutenção/Operação/Processo) Atingir o nível de planta World Class Manufacturing Implantar Manutenção Produtiva total Ter Engenharia de Manutenção Consolidada

27 AÇÕES DE MÉDIO PRAZO Treinar / capacitar Supervisores de Turno e Operadores Consolidar as melhorias na planta considerando aspectos de QCMAS Atender metas de 2005

28 PESSOAS ALTAMENTE CRIATIVAS PRODUZEM MAIS SOZINHAS. AS PESSOAS INSEGURAS PRODUZEM MAIS EM GRUPO Peter Senge

29 NÍVEIS POSSÍVEIS DE PROFUNDIDADE, NA ABORDAGEM DAS QUESTÕES GRUPAIS 1º Seminário do DIAGRAMA MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção DO ICEBERG CONVENIENTE E SEGURO QUESTÕES ADMINISTRATIVAS QUESTÕES TÉCNICAS COMUNICA REL. INTERPESSOAIS DIVISÃO DO PODER CULTURA INCONSCIENTE GRUPAL INCONVENIENTE E INSEGURO COMO MOVER A LINHA D ÁGUA

30 R. E. A. P.

31 OSF DBW Reunião Extraordinária de Avaliação da Planta (REAP) Presentes : Operação/Manutenção/Processo (média de 25 pessoas) OBJETIVO PRINCIPAL: Buscar subsídios para apresentar a Diretoria um plano de aumento da Continuidade Operacional da planta (OSF). SECUNDÁRIO: Ter informação para formatar a reunião de avaliação da planta Apresentar a FCCSA (Diretoria, Gerências e Equipes), um plano de ação para aumento da Continuidade Operacional Ter um plano com acompanhamento do andamento das ações

32 REAP TERCEIRIZAÇÃ OSF DBW PRIORIZA: Priorizado a avaliação do processo de produção de catalisador METODOLOGIA: Qualidade Total BRAIN STORM / Diagrama de Causa e Efeito / 5W2H / CCQ / Indicadores RETRATO DA SITUA ATUAL Operação / Manutenção / Processo

33 Exemplo: Deficiência no atendimento de manutenção fora do H.A. Estratégias de aumento do O.S.F do DBW ITEM O QUE SUB ITEM QUANDO QUEM COMO SERÃO PROCESSADAS AS MELHORIAS dias Calixto Verificar OSF gerado fora do HA (últimos 6 meses) 1 Ter Manutenção no turno dias Eng Manut. Avaliar a necessidade por especialidade dias Cid Implantar manutenção no turno, se necessário 2 3 Rever estrutura de Manutenção (organização, política, estratégia) Rever estratégias de preventivas ( ineficientes ) Ver item "Terceirização da Manutenção" dias Enga Manut. Rever plano de manutenção do FCC final dias Enga Manut. Rever política de sobressalentes dias Enga Manut. Reavaliar recurso humano para implementar preventiva 3.4 Imediato Enga Manut. Consolidar manutenção por oportunidade dias Amaral Consolidar o plano com a Engenharia de Processo e operação (supervisores)

34 Exemplo: Deficiência de manutenção dos processos críticos Estratégias de aumento do O.S.F do DBW ITEM O QUE SUB ITEM QUANDO QUEM COMO SERÃO PROCESSADAS AS MELHORIAS d Manuella Definir processos críticos d Lacerda, Amaral Definir equipamentos críticos para o OSF 1.3 Ver item defic. Man. Fora HA - Estratégias de preventivas ( ineficientes ) 1 Melhorar manutenção dos equipamentos críticos 1.4 Contínuo Sup Manut. Melhorar preservação de instrumentos e equipamentos ( intempéries / sujeiras ) 1.5 Contínuo Celso, Luiz Fernando Melhorar planejamento entre PCP e PCM 1.6 Contínuo Sup Manut. Melhoria da programação ( tempos e movimentos ) d Lacerda, Amaral Aumentar tempo de vida útil dos instrumentos / equipamentos

35 AGREGA VALOR PROVOCA Edward de Bono

36 DEFINI DO CONCEITO Contrato de serviço para um contrato de performance. Manter Know-how para equipamentos críticos.

37 O QUE CONSIDERAR PARA AVALIA DAS EMPRESAS? Além da avaliação técnica e comercial incluímos as questões das práticas e comportamentos, ou seja, discurso igual a prática. A avaliação foi através de auditoria comportamental, considerando aspectos de segurança e saúde do trabalhador, e meio ambiente.

38 AUDITORIA 1. Introdução Relatório Final de Auditoria 2. Execução 2.1 Método a) Fase I: Formação da Equipe de Auditores b) Fase de Campo c) Fechamento do Relatório e Apresentação 2.2 Procedimentos 2.3 Abrangência 2.4 Critério Avaliados O foco principal era de avaliar o sistema de gestão e as práticas de segurança, bem como elementos da cultura de segurança da empresa.

39 1. Gestão 1.1 Alta Administração 1.2 Participação dos Empregados 1.3 Implementação Implementação envolve ferramentas e diretrizes fornecidas pela gestão como: Orçamento Disseminação de informação Recursos Humanos Treinamento Estatísticas Procedimentos 1.4 Segurança dos Terceiros AUDITORIA

40 AUDITORIA 2. Observação Comportamental Utilização de EPI Postura de trabalho Organização do local de trabalho Comportamentos de riscos evaporativos Utilização de ferramentas e equipamentos Normas e procedimentos Estes critérios foram entregues às empresas concorrentes com pelo menos 2 dias de antecedência da auditoria

41 AUDITORIA Gestão Alta Adm Part. Impl Terc. Análise do local de trabalho Risc Insp. Cond. Analise de ocorrências Invest. Dados Resposta a emergên cia Pl an Treina mento Soc. Trein. o , Observação de Comportamentos de risco Acima de a a 19 5 a 9 1 a Número de observações de comportamentos de risco no período de 1 hora. Média final: 2,87

42 AUDITORIA Conclusões Finais - Problemas evidentes com a questão da utilização de EPI s. - Apresentou um programa consistente de gestão de segurança. - Durante a observação pode-se identificar uma oportunidade de melhoria no processo... Critério de Qualificação O sistema de certificação de fornecedores tem como base o sistema de auditoria e o critério de qualificação definido pela FCC é de: < 2,49 a empresa está desqualificada > 2,50 a empresa está qualificada

43 PROCESSO DE SELE PARA UM CONTRATO DE MANUTEN GLOBAL O que se deseja? - Qualidade dos serviços; - Aumento da segurança na execução dos serviços; - Redução de riscos ao meio ambiente; - Redução de custo de materiais e serviços; - Reduções de paradas operacionais; - Aumento do intervalo entre manutenções preventivas e preditivas; - Redução do tempo de intervenções; - Redução da necessidade de manutenções corretivas; - Redução de mão de obra necessária para execução dos serviços.

44 PROCESSO DE SELE PARA UM CONTRATO DE MANUTEN GLOBAL Como conseguir? SISTEMA 1 P1. Disponibilidade Geral DG (%) META xx (mínima) DG Geral = ( DG1*3+DG2*3+DG3+DG4+DG5+DG6) / 10, é necessário que todas as DG s tenham o valo mínimo, caso contrário P1 é igual a zero SISTEMA 2 P2. Disponibilidade de Equipamentos. DE (%) META xx (mínima) DE Geral = ( DE160*5 +DE140*3 +DE120*3 +DE125*3 +DE180*3 +DE350Sulfato +DE350Natal +DE350Cloreto RE) / 20, é necessário que todas as DE s tenham o valor mínimo, caso contrário P2 é igual a zero

45 PROCESSO DE SELE PARA UM CONTRATO DE MANUTEN GLOBAL GERAL P3. Custos de serviços, material de compra direta e de almoxarifado. R$ xxx.xxx.xxx,xx como META MÉDIA MÁXIMA. Caso a meta seja atingida a pontuação P3 é igual a 1, caso contrario P3 é igual a ZERO P4. Ressserviços (%) META 5% (máximo ). Caso a meta seja atingida a pontuação P4 é igual a 1, caso contrário P4 é igual a ZERO P5. Horas Extras (%) META 10% (máximo). Homens horas extras / homens horas executadas. Caso a meta seja atingida a pontuação P5 é igual a 1, caso contrário P5 é igual a ZERO P6. Número de acidentes sem afastamento (UM) META ZERO (máximo). Caso a meta seja atingida a pontuação P6 é igual a 1, caso contrário P6 é igual a ZERO. P7. Número de acidentes com afastamento (UM) META ZERO (máximo). Caso a meta seja atingida a pontuação P7 é igual a 1, caso contrario P7 é igual a ZERO.

46 PROCESSO DE SELE PARA UM CONTRATO DE MANUTEN GLOBAL PG Fórmula de Cálculo para determinação da Pontuação Geral PG = ( P1*5 +P2*5 +P3*3 +P4*3 +P5*2 +P2 )*P7 /20 Total de 0 a 10 Tabela para determinação do Fator C: A Pontuação Geral será apurada pela Fiscalização do contrato, incidindo na fatura mensal na forma de ÔNUS ou BÔNUS, utilizando-se o Fator C indicado na tabela abaixo.

47 PROCESSO DE SELE PARA UM CONTRATO DE MANUTEN GLOBAL PG C (%) Valor final da fatura = valor do contrato x ( C)/100

48 PRINCIPAIS ASPECTOS DA CAPACIDADE DE LIDERANÇA Sentido profundo do propósito. Reflexão (alta capacidade de reflexão) Refletir sobre nossas próprias motivações. Modelos Mentais (quando uma pessoa diz exatamente o que está acontecendo ela está sendo obediente). Compreender a complexidade.

49 HARLEY DAVIDSON The Swirl Mgt System Goal Measurement Networks Wall Of Fire Controls Peter Senge

50 Obrigado! Cid Carvalho

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: As Atividades de Manutenção devem ser pensadas estrategicamente de maneira a contribui para resultado da empresa rumo a Excelência

Leia mais

BEM-VINDOS A UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE E AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL DO LATEC

BEM-VINDOS A UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE E AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL DO LATEC 1º Seminário do MBA BEM-VINDOS A UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE E AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL DO LATEC 1º Seminário do MBA BEM-VINDOS AO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO GERENCIAL DO LATEC Escola

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS COM A TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA NA FCC S.A.

RESULTADOS ALCANÇADOS COM A TERCEIRIZAÇÃO LOGÍSTICA NA FCC S.A. RESULTADOS ALCANÇADOS COM A TERCEIRIZA LOGÍSTICA NA FCC S.A. Bruna Sousa A FÁBRICA CARIOCA DE CATALISADORES Indústria Química localizada no Dist. Ind.de Santa Cruz; Composição Acionária: PETROBRAS e ALMEMARLE;

Leia mais

1º Seminário do MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS

1º Seminário do MBA Gestão Estratégica da Produção e Manutenção 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS TERCEIRIZA 1º COMPLEXO INTEGRADO ETANO - POLIETILENOS Estrutura Acionária SUZANO 33,3% UNIPAR 33,3% PETROQUISA 16,7% BNDESPAR 16,7% RIOPOL - RIO POLÍMEROS S.A. Estrutura Financeira INVESTIMENTO Capital

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO GESTÃO DA MANUTENÇÃO EVOLUÇÃO DA MANUTENÇÃO Mudanças sofridas nos últimos 20 anos Nas Organizações Aumento e diversificação das instalações e equipamentos; projetos mais complexos; surgimento de novas

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS

PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS PROGRAMAS MANTIDOS RESULTADOS ALCANÇADOS OBJETIVO DOS PROGRAMAS PREVENIR ATITUDES INSEGURAS NO TRANSPORTE POR MEIO DA CONSCIENTIZAÇÃO DOS MOTORISTAS. META ATINGIR O NÍVEL ZERO EM ACIDENTES SÉRIOS. PRINCIPAL

Leia mais

Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis. Caso Vale S.A Carajás - PA

Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis. Caso Vale S.A Carajás - PA Desenvolvimento de uma cultura em Saúde e Segurança para alavancar resultados sustentáveis Caso Vale S.A Carajás - PA Organograma Vale Diretor Presidente Murilo Ferreira Fertilizantes e Carvão Eduardo

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção Palestrante: Eng. José Wagner Braidotti Junior - Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS

UNESA Sistemas de Transportes Currículo 108 / 2008 MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS 1 INTRODUÇÃO MÓDULO 1 MANUTENÇÃO DE ATIIVOS O homem constrói máquinas, equipamentos, veículos, edificações, com o intuito de melhorar conforto e a segurança da sociedade. Entretanto, sabe-se que nada é

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos.

CONHEÇA A VALECARD TODA ESSA ESTRUTURA EXISTE PRA VOCÊ: Reduzir custos. Ganhar tempo. Organizar processos. CONHEÇA A VALECARD Soluções completas e integradas para a gestão de benefícios, gestão financeira e de frotas. Cartões aceitos em todo território nacional, por meio da Redecard, Cielo e ValeNet, o que

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA Santos, Julio Cezar Jeronimo (1) Melo, Welerson dos Reis Amaral (2) RESUMO Este trabalho fornece informações genéricas sobre o conceito de paradas programadas,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1 1 INTRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA MANUTENÇÃO (PCM) Parte 1 Luiz Carlos Dorigo Até a Segunda Guerra Mundial as atividades de Manutenção Industrial eram fundamentalmente atividades de Manutenção Corretiva.

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 MISSÃO Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INICIAL. Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008

APRESENTAÇÃO INICIAL. Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO INICIAL Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008 IMAGO Consultoria M.E Colaborou com a certificação de empresas em diversas áreas: Metalúrgica Têxtil Médica Educação Terceirização de mão de obra

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Benchmarking Segmento: Farmacêutico

Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Benchmarking Segmento: Farmacêutico Projeto: ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Benchmarking Segmento: Farmacêutico Eng. José Wagner Braidotti Junior Forma de atuação: Mista Nível Hierárquico: Diretoria: 70% Gerencial: 30% Almoxarifado: Próprio: 75%

Leia mais

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO

Por que a HEAVYLOAD? GERENCIAMENTO LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS CERTIFICAÇÃO IÇAMENTO E LANÇAMENTO TESTE DE CARGA MOVIMENTAÇÃO CARGAS CARGA MANUTENÇÃO Por que a HEAVYLOAD? Possibilidade garantida de contratar um único fornecedor com foco em: Gerenciamento dos Ativos; Desenvolvimento e implementação de novas tecnologias; Centro de Treinamento Próprio

Leia mais

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA

DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA DISSEMINAÇÃO ATUARIAL: PERSPECTIVAS PARA A PROFISSÃO ADRIANA OKADA Novos Cenários Crises Recentes: Desaquecimento Econômico e Baixo Retorno Financeiro Mudanças Econômicas Maior Concorrência Novos Cenários

Leia mais

2008 Implantação de PCM em Usinas de Açúcar e Álcool no Brasil. 2010 Implantação PCM Petrobras Rio Grande do Norte/Ceará

2008 Implantação de PCM em Usinas de Açúcar e Álcool no Brasil. 2010 Implantação PCM Petrobras Rio Grande do Norte/Ceará Sobre Nós A Sigmatec Engenharia ocupa lugar de destaque na Gestão de Ativos Industriais, especializada no Planejamento e Controle da Manutenção (PCM) e de Paradas Operacionais. Fundada em 2001, ao longo

Leia mais

Unidades de negócio 55 Postos de serviços 7132 Exploração de petróleo 59 sondas, sendo 49 marítimas 9,8 bilhões de barris de óleo e gás equivalentes

Unidades de negócio 55 Postos de serviços 7132 Exploração de petróleo 59 sondas, sendo 49 marítimas 9,8 bilhões de barris de óleo e gás equivalentes UNIVERSIDADES CORPORATIVAS: UM ESTUDO DE CASO Murillo César de Mello Brandão PETROBRAS/UC Jorge Luiz Pereira Borges PETROBRAS/UC Martius V. Rodriguez y Rodriguez PETROBRAS/UC RESUMO Dentro de um ambiente

Leia mais

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 RELATÓRIO DE DESCRIÇÃO DE PRÁTICA DE GESTÃO: FROTA AZUL Setembro/2013 1 Estrutura Organizacional da OC 2 A Organização

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva

Carlos Henrique Santos da Silva GOVERNANÇA DE TI Carlos Henrique Santos da Silva Mestre em Informática em Sistemas de Informação UFRJ/IM Certificado em Project Management Professional (PMP) PMI Certificado em IT Services Management ITIL

Leia mais

Excelência na Gestão de Ativos

Excelência na Gestão de Ativos Excelência na Gestão de Ativos 2015 Mudanças em Tempos Difíceis Em tempos difíceis é que as mudanças são necessárias, e a habilidades dos navegantes são testadas. Neste contexto a NT Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Sumário. 8:30 h Avaliação de projetos (I-Níveis e tipos de Planejamento II Ferramentas de Planejamento (EAP, Gráfico de Gantt)

Sumário. 8:30 h Avaliação de projetos (I-Níveis e tipos de Planejamento II Ferramentas de Planejamento (EAP, Gráfico de Gantt) Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos Disciplina: Técnicas de Planejamento aplicadas ao projeto e manutenção de sistemas elétricos on e offshore) Professor: Ronaldo Camara Cavalcante Msc Engenharia

Leia mais

Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente

Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente Inovação na gestão do processo de manutenção com foco na satisfação do cliente Presidência Diretoria Superintendência Pólo de Comunicação Departamento Administrativo Departamento de Engenharia e Operação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico www.bethonico.com.br APRESENTAÇÃO Desde o ano 2000, a Bethonico Planejamento

Leia mais

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial

Capítulo V. Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Manutenção elétrica industrial 46 Capítulo V Planejamento e organização da manutenção Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* A busca incessante do lucro pelas empresas, focada relegando-a a uma posição secundária ou a ser vista

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Histórico. Missão. Visão

Histórico. Missão. Visão Histórico Fundada em 1996 na cidade de Mossoró/RN, a Índice Consultores Associados atua em serviços de consultoria empresarial para os mais diversos segmentos (Comércio, Industria e Serviço) sendo pioneira

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação.

Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. IGS INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO Ciclo 2012 Case: Projeto Olho Vivo Atuação estratégica nas necessidades dos clientes para melhoria da Satisfação. A. A OPORTUNIDADE A.1. Qual foi a oportunidade de

Leia mais

Juntos nos multiplicamos.

Juntos nos multiplicamos. Juntos nos multiplicamos. 1 + 1 = 11 Juntos nos multiplicamos. Quem somos Estamos aqui para transformar organizações em empresas de sucesso. Convergir conhecimento, visão sistêmica e resultado, buscando

Leia mais

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG

TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG TOTVS Manutenção de Ativos powered by NG Gestão da engenharia de manutenção Otimização no uso de equipamentos Gestão de custos e mão de obra Aumente a confiabilidade e disponibilidade dos equipamentos

Leia mais

Biblioteca Informa Novas Informações

Biblioteca Informa Novas Informações Biblioteca Informa Novas Informações Lista das informações incorporadas ao acervo da biblioteca adquiridas através de compra. Os vídeos estão disponíveis para consulta local. Administração Qualidade Nº

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

XI-031 - ESTABELECIMENTO DE INDICADORES EM GESTÃO DE MANUTENÇÃO PARA EMPRESAS DE SANEAMENTO

XI-031 - ESTABELECIMENTO DE INDICADORES EM GESTÃO DE MANUTENÇÃO PARA EMPRESAS DE SANEAMENTO XI-031 - ESTABELECIMENTO DE INDICADORES EM GESTÃO DE MANUTENÇÃO PARA EMPRESAS DE SANEAMENTO Célio Cunha de Almeida Prado (1) Engenheiro Industrial Modalidade Mecânica pela Escola de Engenharia da Universidade

Leia mais

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Segurança do Trabalho na EDP Brasil Elaine Ferreira Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Unidades EDP no Brasil 2.529 Colaboradores 4.090 Prestadores Serviços UHE LAJEADO UHE PEIXE ANGICAL PANTANAL

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu.

Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR) E-mail: cristian_dk@ig.com.br Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (PPGEP - UTFPR) E-mail: kovaleski@utfpr.edu. Determinação do momento ótimo para a realização da manutenção preventiva em equipamentos de uma indústria metalúrgica: um estudo voltado para a redução de custos Cristian Dekkers Kremer (PPGEP - UTFPR)

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

Soluções em Gestão de Qualidade, Produtividade e Certificações ABNT NRB ISO 9001 - INMETRO - ANVISA

Soluções em Gestão de Qualidade, Produtividade e Certificações ABNT NRB ISO 9001 - INMETRO - ANVISA Soluções em Gestão de Qualidade, Produtividade e Certificações ABNT NRB ISO 9001 - INMETRO - ANVISA Apresentação Empresa Nosso Negócio Desenvolver, Implementar e manter Soluções para a melhoria da Qualidade

Leia mais

ivirtua Solutions 4 ITIL

ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions 4 ITIL ivirtua Solutions ITIL WHITEPAPER ITIL INTRODUÇÃO O ITIL é o modelo de referência para endereçar estruturas de processos e procedimentos à gestão de TI, organizado em disciplinas

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Administração dos Recursos Patrimoniais. Indicadores de Desempenho da Gestão do Ativo Imobilizado

Administração dos Recursos Patrimoniais. Indicadores de Desempenho da Gestão do Ativo Imobilizado Indicadores de Desempenho da Gestão do Ativo Imobilizado Alguns indicadores da gestão do ativo imobilizado são bastante conhecidos e usadas no dia-adia das empresas, a exemplo do retorno sobre o imobilizado,

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros

Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros 21 de junho de 2013 Control Self Assessment no processo de Gestão de Contrato de Terceiros Fernando Lage Sócio-Diretor KPMG Risk Advisory Services Definição A definição de Control Self Assessment (Auto

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG

O Atuação Responsável e o Modelo de Excelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Excelência da Gestão - COPEG O Atuação Responsável e o Modelo de Ecelência do PNQ Eduardo Guaragna Braskem, coordenador da Comissão para a Ecelência da Gestão - COPEG Evolução do Atuação Responsável Visão no Ciclo de Vida Ênfase nas

Leia mais

www.gestaoleanmanufacturing.com.br

www.gestaoleanmanufacturing.com.br www.gestaoleanmanufacturing.com.br www.gestaoleanmanufacturing.com.br Master em Lean Manufacturing Processo de Solução de Problemas Competitividade nas Empresas Gestão de Processos & Produção x Eficiência

Leia mais

Automação de Processos de Governança de TI. As diversas Gerações da Gestão Organizacional. A Quarta Geração é a da Gestão de Processos

Automação de Processos de Governança de TI. As diversas Gerações da Gestão Organizacional. A Quarta Geração é a da Gestão de Processos Automação de Processos de Governança de TI Autor: Omar Mussi A Governança Corporativa vem sendo adotada pelas organizações para atender às necessidades de um mercado cada vez mais competitivo e para enfrentar

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2

TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 TERCEIRIZAÇÃO NA MANUTENÇÃO O DEBATE CONTINUA! Parte 2 Alan Kardec Pinto A abordagem desta importante ferramenta estratégica será feita em cinco partes, de modo a torná-la bem abrangente e, ao mesmo tempo,

Leia mais

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO

AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO SEMINÁRIO IAAC AÇÕES DA PETROBRAS PARA FORTALECIMENTO DO SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO ERNANI TURAZZI Gerente do Cadastro de Fornecedores e FABIANO GONÇALVES MARTINS Gerente de Avaliação Técnica de

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao»

Proposta Comercial. Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing. Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Proposta Comercial Empresa «Nome_da_empresa» Solução BPO Business Process Outsourcing Número Proposta «Numero_Proposta» - «Versao» Data 14 de setembro de 2012 Preparado para: «Nome» «Sobrenome» 1. Objetivo

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Como melhorar a produtividade de sua equipe

Como melhorar a produtividade de sua equipe Como melhorar a produtividade de sua equipe Conteúdo - Contexto consumidor no Brasil e no mundo - A importância da gestão de pessoas na visão dos CEOs - HR Analytics suportando a geração de insights e

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

Auditoria Operacional Logística - uma metodologia para aumento da competitividade

Auditoria Operacional Logística - uma metodologia para aumento da competitividade Auditoria Operacional Logística - uma metodologia para aumento da competitividade José Carvalho de Ávila Jacintho Diretor no Grupo MANSERV. jose.jacintho@manserv.com.br Orlando Fontes Lima Jr. Coordenador

Leia mais

Como navegar no ciclo das Commodities de Petróleo. 10 Ações Estratégicas para Companhias Nacionais de Petróleo

Como navegar no ciclo das Commodities de Petróleo. 10 Ações Estratégicas para Companhias Nacionais de Petróleo Como navegar no ciclo das Commodities de Petróleo 10 Ações Estratégicas para Companhias Nacionais de Petróleo 10 Ações para Companhias Nacionais de Petróleo As Companhias Nacionais de Petróleo (NOCs) têm

Leia mais

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência. PNQS 2010 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

TPM Planejamento, organização, administração

TPM Planejamento, organização, administração TPM Planejamento, organização, administração A UU L AL A Durante muito tempo as indústrias funcionaram com o sistema de manutenção corretiva. Com isso, ocorriam desperdícios, retrabalhos, perda de tempo

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa e proposta de melhoria de pelo menos 2P s. Tópicos:

Leia mais