A complementaridade das abordagens à estratégia e o ciclo de vida das competências. Autoria: Rafael Teixeira, Daniel Pacheco Lacerda

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A complementaridade das abordagens à estratégia e o ciclo de vida das competências. Autoria: Rafael Teixeira, Daniel Pacheco Lacerda"

Transcrição

1 A complementaridade das abordagens à estratégia e o ciclo de vida das competências Autoria: Rafael Teixeira, Daniel Pacheco Lacerda Resumo: A literatura de estratégia tem fornecido debates entre duas correntes de pensamento em estratégia, a de posicionamento de Porter e a visão baseada em recursos. Aliás, as escolhas e vantagens estratégicas têm sido classificadas dentro de uma ou outra escola. Todavia, nem sempre é demonstrado as possíveis ligações ou complementaridades delas. Neste sentido, este artigo apresenta as razões das escolhas estratégicas e como são utilizadas estas duas escolas neste processo para uma grande empresa de telecomunicações. É verificado como as mesmas são complementares e servem uma a outra na vida das organizações. Além disso, trás uma alternativa para a evolução dos recursos e competências, contribuindo para o entendimento do seu ciclo de vida. Abre-se a possibilidade de um novo campo de estudos estratégicos, procurando afirmar ou refutar a hipótese de complementaridade entre estas duas correntes de pensamento estratégico. 1. Introdução A literatura sobre a Estratégia das Organizações vem apresentando uma crescente evolução ao longo dos anos, ampliando cada vez mais o campo de conhecimento existente. Nesta área, as razões e motivações que conduzem as organizações às decisões e caminhos que ela irá seguir passam pela definição estratégica da organização e têm sido alvo de estudos na área de Estratégias Organizacionais (Penrose, 1959; Guimarães, 1982; Rosário e Barbosa, 2002; Pires e Prates, 2003; Omaki e Florêncio, 2003). Normalmente os estudos analisam qualitativa ou quantitativamente as organizações, dos quais destacam-se duas correntes de pensamento estratégico. A partir da Visão Baseada em Recursos (VBR) que advoga que os recursos e as capacitações acumuladas ao longo do tempo determinam as atividades que desenvolvidas, definem os níveis de custo ou diferenciação (Collis e Montgomery apud Hexsel e Toni, 2002). Porter (1986) também faz referências a análise interna da organização quando destaca a cadeia de valor. Ele argumenta que atividades específicas da empresa são responsáveis pela contribuição a uma estratégia de custo ou diferenciação. No que concerne a VBR, Helfat e Peteraf (2002) bem como Teece et al.(1997) contribuem ao questionar a evolução das competências ao longo do tempo, evidenciando seu dinamismo. Entretanto, deixam uma lacuna no que se refere a um entendimento maior sobre as motivações e razões para a evolução destas competências. Outra corrente do pensamento estratégico é a voltada para análise ambiental, representada principalmente pelas escolas de posicionamento de Porter e as decorrentes da organização industrial (Mintzberg et al., 2000). A essência da formulação de uma estratégia competitiva é relacionar uma companhia ao seu meio ambiente (Porter, 1986, pág. 22). Ele destaca a análise ambiental e a perspectiva macroeconômica para a formulação estratégica, voltando a atenção para o ambiente. Os estudos empíricos, sobre a análise ambiental e as estratégias genéricas de posicionamento, foram realizados de forma consistentes, fornecendo diversos exemplos empíricos da aplicação desta linha de pensamento no cotidiano das organizações. Contudo, esta corrente de pensamento ainda que bem fundamentada, explica parcialmente as razões de obtenção de vantagem competitiva e, por conseqüência, das escolhas estratégicas. 1

2 Assim é possível que as escolas de estratégia derivadas da análise ambiental, que levam em conta o ambiente competitivo, não expliquem totalmente as razões pelas quais as empresas obtêm resultados econômico-financeiros. Ainda que diversos trabalhos na área de estratégia avaliem as organizações sob uma ou outra ótica, é necessário que se busque a integração de ambas as correntes de pensamento, de tal forma, que se possa obter uma visão mais sistêmica e panorâmica sobre a dinâmica estratégica nas organizações. Collis e Montgomery (1995) fazem uma consistente relação entre as duas correntes de pensamento, buscando uma complementaridade entre elas. Para os autores a VBR combina a análise interna com a análise externa do ambiente proporcionado uma perspectiva mais ampla de uma análise estratégica. Desta forma, este caso procura demonstrar: Como ocorre o processo de escolhas estratégicas dentro de uma organização de telecomunicações e apresentar a complementaridade da abordagem baseada em recursos e a baseada em posicionamento competitivo para as escolhas estratégicas. 2. Metodologia de Trabalho A metodologia utilizada para a obtenção das respostas a estas questões de pesquisa é a do Estudo de Caso. Neste trabalho utiliza-se de várias ferramentas da pesquisa histórica, contudo acrescentam-se duas fontes de dados: a observação direta e a série sistemática de entrevistas (Yin, 2001; Eisenhardt, 1989). Uma vez necessário considerar um grande número de variáveis ambientais inter-relacionadas e diversas possibilidade de posicionamento empresarial, Porter (1991) recomenda a utilização desta metodologia. Isto ocorre também pela necessidade de se evitar reducionismos e para capturar melhor a realidade (Summer et al., 1980, p. 369) em que os fatos ocorreram. Assim, foram realizados entrevistas via contatos telefônicos com as pessoas envolvidas diretamente no desenvolvimento deste novo ramo de atuação da Brasil Telecom. Para consolidar estas informações foram enviados s para pessoas envolvidas em menor escala, mas que tinham algum tipo de contato com o desenvolvimento, para que as mesmas fornecessem informações de fora do núcleo decisório de implantação. Adicionalmente, dois dos autores, e pesquisadores, desenvolvem suas atividades profissionais há mais 5 anos na empresa, mas não diretamente neste objeto de estudo, o que facilita o poder de observação deste desenvolvimento. Para triangulação das fontes de informações (Yin, 2001), utilizou-se entrevistas via telefone com as chefias envolvidas diretamente na implantação. Estes dados foram submetidos a diversas validações através das triangulações e através da verificação das ações práticas da Brasil Telecom no mercado. Após a validação este documento foi confrontado com outras fontes para que se validam as percepções dos pesquisadores com a realidade. Isto é necessário, pois a realidade do outro é deformada pelas lentes e referenciais teóricos que estão nos pressupostos e na forma de ver dos pesquisadores (Chalmers, 1982). Além disto, o processo rigoroso de triangulação das informações com os atores acima mencionados, dados históricos e documentos necessários, compõem uma triangulação em segundo nívelfazendo que ocorressem enlaces entre os dados originais e os resultados pesquisa. A condução das entrevistas deu-se de forma semi-estruturada, não sendo a mesma apresentada as pessoas submetidas a pesquisa, através disto consegue-se manter uma certa linha de raciocínio entre as perguntas, além de permitir que os pesquisados tenham liberdade 2

3 para expor seus pontos de vista. Estas perguntas são estruturadas com base na literatura e do grau de envolvimento das pessoas no processo de decisão e análise para a criação deste novo ramo de produtos da Brasil Telecom. Com isto garante-se a consistência entre a questão de pesquisa e o referencial teórico que sustenta a pesquisa. Este procedimento garante um nível mínimo de base comparativa das respostas, pois todas estão embasadas na teoria e focadas no problema de pesquisa formulado. Cabe ressaltar que uma das fontes de dados secundários que reforça, valida e refuta as informações coletadas vias as entrevistas, é a análise dos s encaminhados entre as pessoas envolvidas. Neste sentido solicitou-se que os entrevistados encaminhassem os s que haviam remetido a uma lista de pessoas fornecida pelos pesquisadores, após análises, diversos pontos puderam ser revistos, validados e entre outros refutados. 3. Referencial Teórico 3.1. Análise de Posicionamento de Porter Dentro da discussão sobre estratégia há diversas linhas de pensamento sobre quais as melhores formas de atuação que as empresas devem ter para obter melhores resultados em termos de lucratividade. Neste sentido, uma das teorias consolidadas, aceita e contestada, mas que permite um determinado grau de explicação para a razão do sucesso (ver tabela 1) e do fracasso das empresas, é a abordagem de posicionamento de Porter. Os estudos envolvendo a abordagem de posicionamento para o desenvolvimento de estratégia têm sua fundamentação nos conceitos e idéias advindas da organização industrial (OI). Porter (1981) destaca as contribuições da OI para a formulação das estratégias, tais como barreiras de entrada, de mobilidade e de saída, curva de aprendizado, influência da empresa na estrutura da indústria, relações na cadeia de produção entre fornecedores e clientes, etc. Dentro desta linha Porter (1979) teoriza sobre as forças competitivas da indústria que afetam a competição e o ambiente em que uma indústria está inserida. Segundo ele existem cinco forças competitivas básicas que irão influenciar a lucratividade da indústria. Sendo assim, é proposto que as empresas busquem interagir, dominar e utilizar estas forças a seu favor. A dinâmica das cinco forças competitivas (Porter, 1986) apresenta diversos fatores internos e externos a empresa como agentes diretos na dinâmica destas forças. Entre os principais fatores podemos citar: Internos a empresa: economias de escala, curva de aprendizado, diferenciação de produto, capital, acesso a canais de distribuição, custos fixos, etc. Externos a empresa: política governamental, barreiras de saída elevadas, taxa de crescimento da indústria, quantidade de concorrentes, custos elevados de mudança, ausência de diferenciação, similaridade de produtos substitutos, informação e importância da indústria para fornecedores e compradores, etc. De acordo com Porter (1986) uma empresa pode influenciar o equilíbrio da indústria agindo nestas forças, argumentando que é importante realizar escolhas estratégicas de posicionamento, pois existem dois tipos básicos de vantagem competitiva que uma empresa pode possuir: baixo custo ou diferenciação (Porter, 1985, pág. 11). Assim, a teoria advogada por Porter baseia-se em uma análise ambiental das forças competitivas da indústria. A 3

4 empresa deve gerir estrategicamente estas forças a seu favor, influenciado-as e ao ambiente, e para isso propõe a utilização de estratégias genéricas de posicionamento atuação. A estrutura da cinco forças amplia a análise para cadeias verticais de três estágios (fornecedor concorrente comprador) e para as considerações explícitas de substituição (Ghemawat, 2000, pág. 55). Diversos autores têm procurado evidenciar os fatores ambientais aos resultados econômico-financeiros obtidos pelas organizações. Schmalensse (1985) e Rumelt (1991) analisando empresas de manufatura observaram que uma parcela significativa dos resultados das organizações não era explicada pelas variáveis ambientais, senão pela própria unidade de negócios. McGahan and Porter (1997), publicaram um trabalho baseado em dados de , com observações. Ao contrário de estudos anteriores incluía também outros setores da economia. A Tabela 1 apresenta resumidamente os trabalhos anteriores, sendo que neles uma parcela significativa do modelo não pode ser explicada pelo ambiente. Tabela 1 - Comparativo entre estudos de Análise Ambiental Schmalensee Rumelt Roquebert et al. McGahan e Porter, Modelo de Rumelt McGahan e Porter Ano n.a. 0% 0.5% 0.40% 2.34% Setor industrial x ano n.a. 7.84% 2.3% 4.44% n.a. Setor industrial, fixado n.a. 8.32% 10.2% 7.20% 10.81% Setor industrial, total 19.59% 16.16% 12.5% 11.64% 10.81% Corporação n.a. 0.80% 17.9% 2.05% n.a. Corporação covariância da indústria -0.62% 0% n.a % -2.27% Market share 0.62% n.a. n.a. n.a. n.a. Unidade de negócio/segmento n.a % 37.1% 33.79% 35.45% Modelo 19.59% 63.33% 68.0% 46.46% 46.33% Variância inexplicada, erro 80.41% 36.67% 32.0% 53.54% 53.67% Fonte: Vasconcelos e Brito (2003) Deve-se destacar a contribuição de Porter para a literatura estratégica organizando e sistematizando o conhecimento existente sobre análise ambiental e econômica para as organizações. Assim, a análise do ambiente e do contexto de competição irá influenciar as decisões estratégicas direcionado investimentos e ações da empresa. Para Guimarães (1982), as empresas irão investir em função da taxa esperada de retorno da indústria. Caso ela ocorra dentro da indústria de atuação, a empresa continuará investindo, caso contrário, ela procurará novos produtos, mercados ou mesmo novas indústrias para investir. Sendo assim, pode-se imaginar uma situação hipotética onde duas empresas localizadas em um mesmo segmento de mercado, com condições semelhantes em termos de investimento inicial e caixa, escolham a mesma estratégia genérica. Supondo que ambas tenha escolhido a diferenciação como forma de obter melhores resultados em termos de rentabilidade em relação ao setor previamente escolhido. Após alguns anos de operação é possível especular que uma das empresas estará em melhores condições financeiras e em termos de retorno do que outra Nesta linha de pensamento o que explicaria o maior sucesso de uma do que de outra? Quais fatores podem ser significantes para determinar o sucesso de uma outra? Quais as 4

5 razões levam duas empresas em mesmas condições obterem resultados diferentes? Estas questões procuram ser respondidas através da teoria da resource-based view (RBV), que defende a vantagem competitiva e a escolha da estratégia em função da posse de recursos e competências centrais de uma empresa Análise dos Recursos e Competências A teoria da visão baseada em recursos (VBR) busca uma análise introspectiva da organização, focalizando seus recursos e competências únicos e que dificilmente são copiados. A VBR usa essa análise interna para descobrir, construir, utilizar e modelar as escolhas estratégicas que guiaram a organização.um dos pioneiros a destacar o papel das competências nas organizações foi Selznick (1971). Para ele as organizações desenvolviam estruturas e formas, configurando competências únicas em torno de características próprias. Neste sentido, diversos autores têm utilizado a VBR como base para a diversificação e desenvolvimento de novos negócios, evidenciando uma relação entre recursos e competências e os produtos e mercados que uma organização produz e atua. Penrose (1962) analisa os recursos e competências relacionadas com a teoria de crescimento das organizações. Segundo ela, a empresa possui recursos tangíveis e intangíveis que devem ser geridos pela administração e que, combinados, geram diferentes produtos e serviços. Na mesma linha Wernerfelt (1984) defende a utilização estratégica dos recursos para otimização das atividades produtivas, atingindo uma melhor combinação de produtos x recursos. Hamel e Prahalad (1990) argumentam a favor da construção de competências centrais que servirão para o desenvolvimento de diversos produtos em diferentes mercados. Porter (1991), destaca que o maior valor da VBR será a avaliação de oportunidades para diversificação. A decisão de entrar em um novo mercado, ampliar uma determinada linha de produtos ou desenvolver uma nova unidade de negócios é influenciada pela capacidade que uma empresa tem de utilizar seus conjuntos de recursos e desenvolver produtos comercializáveis. Na definição de recursos, Wernerfelt (1984), define-os como ativos (tangíveis e intangíveis) que a empresa possui. Para Grant (1991) os recursos são os inputs no processo produtivo, tais como equipamentos, patentes, marcas, etc., enquanto competência é a capacidade de um conjunto de recursos criarem uma atividade ou uma tarefa dentro da empresa. Do mesmo modo, Hamel e Prahalad (1990) destacam as competências centrais de uma empresa como a capacidade de coordenar múltiplas habilidades em função das necessidades impostas pela competitividade, gerindo o desenvolvimento de produtos, tecnologia, recursos humanos, clientes, canais de distribuição, etc. Além disso, diversos autores destacam o papel das rotinas organizacionais na determinação das competências e capacidades (Grant, 1991; Teece et al., 1997; Helfat e Peteraf, 2002; Proença, 2003). As rotinas são as atividades realizadas por um conjunto de recursos para o desenvolvimento de uma tarefa, seja ela estática ou dinâmica, seja ela parte do processo atual da organização ou uma nova tarefa que nasce ou emerge. Ao mesmo tempo, os recursos e competências evoluem ao longo da história da empresa, e, mesmo, da indústria, alterando-se, modificando-se, configurando-se em novos formatos, influenciadas pela competição, e, logo, pelo ambiente. Teece et al. (1997) definem as capacidades dinâmicas como a habilidade da empresa em integrar, construir e reconfigurar as competências internas e externas em ambientes de rápidas mudanças. Convergindo com esta linha de raciocínio Helfat e Peteraf (2002) apresentam a idéia de ciclo de vida das competências. Para elas, as competências seguem um padrão geral de 5

6 estágios e de possíveis caminhos evolucionários. Tal qual o ciclo de vida de um produto, o ciclo de vida das competências; nascem, evoluem, atingem a maturidade e neste ponto seguem um dos possíveis caminhos evolucionários: morrem, renovam-se, replicam-se, reempregam-se ou recombinam-se. A Figura 1 apresenta os possíveis caminhos evolucionários que as competências podem seguir. Caminhos do ciclo de vida das competências Evento Nível de capacidade por unidade de atividade Renovação, reemprego, reorganização Declínio Quantidade de atividade acumulada Figura 1 Ciclo de vida das competências Fonte: Helfat e Peteraf (2002) Voltando a situação hipotética formulada, em que duas empresas tenham surgido com iguais condições, elimina-se a possibilidade de haver uma diferenciação em relação aos recursos, uma vez que se admite que os recursos foram os mesmos para ambas empresas. Entretanto, caso se considere as pessoas como recursos, há de se pensar que não foram os seres humanos o fator para a diferenciação de uma ou outra. Neste sentido há que se considerar o fator humano como uma capacidade de gerenciar os recursos e as contingências que se apresentam. Assim, podemos argumentar que a evolução das competências explica tal diferenciação, pois demonstra que com o avanço do tempo e com a acumulação de experiências obtém-se mais capacidades e especialidades e, desta forma, a empresa consegue uma maior vantagem competitiva. Através desta revisão teórica, procurou-se evidenciar como ambas teorias se tornam complementares uma vez que conseguem explicar o mesmo fato de formas diversas. Além disso, e ao mesmo tempo, ambas conseguem servir uma a outra, de forma a preencher lacunas teóricas e práticas que uma sozinha não consegue lidar. Explicar as decisões estratégicas, ou mesmo as fontes de vantagem competitiva, com apenas uma das teorias é olhar a vida organizacional com uma visão simplista e distorcida da realidade. 4. A Organização e o Cenário A Brasil Telecom opera no setor de telecomunicações. Ela surgiu do programa brasileiro de privatização do sistema de telecomunicações brasileiro (Telebrás) em 1998, constituindo-se de nove operadoras de telecomunicações que eram empresas estatais. Hoje é 6

7 uma empresa que atua nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Acre, Tocantins e Rondônia, uma área que corresponde a 24% da população (aproximadamente 41 milhões de habitantes), 25% do PIB (aproximadamente R$280 bilhões) e 33% do território nacional (aproximadamente 2,8 milhões de quilômetros quadrados). Em sua região de atuação existem, ainda, quatro áreas metropolitanas com população acima de um milhão de habitantes e faz fronteira com Peru, Bolívia, Paraguai, Argentina e Uruguai, podendo ser considerada um corredor para o Mercosul. A empresa obteve em 2002 uma receita operacional líquida de quase bilhões de reais, com um crescimento de 16,3%. A Tabela 2 apresenta alguns indicadores financeiros da empresa nos últimos exercícios. Tabela 2 - Indicadores Financeiros R$ milhões Receita Operacional Líquida Lucro Líquido Margem Líquida 6,20% 4,60% 11,80% -4,70% Retorno sobre o Ativo Total Médio 3,00% 2,10% 6,00% -1,80% Retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio 6,40% 4,00% 10,20% -2,60% Dívida Total Caixa Dívida Líquida Divida Líquida / Patrimônio Líquido 52,50% 54,00% 33,70% 25,40% Fonte: Brasil Telecom (2004) Essa receita advém de um portfólio de produtos diversificado. A Tabela 3 apresenta as famílias de produtos e a contribuição de cada uma delas para a receita da Brasil Telecom. Contudo, é importante destacar que grande parte da receita ainda provém dos serviços prestados com telefonia fixa, conta com mais de 10 milhões de assinantes. Entretanto, deve-se observar os serviços com telefonia fixa vem apresentando reduzidas taxas de crescimento ao longo dos anos (ver Tabela 3 e Figura 2). Tabela 3 - Composição Receita da Brasil Telecom R$ milhões 2002 % 2001 Variação Serviço Local 4.121,10 41,88% 3.725,10 10,60% Serviço de Longa Distância 1.363,70 13,86% 1.085,10 25,60% Chamadas Fixo-Móvel 2.176,80 22,12% 1.805,30 20,60% Interconexão 785,80 7,99% 789,60-0,50% Cessão de meios 235,50 2,39% 204,80 15,00% Telefônia Pública 341,80 3,47% 274,20 24,60% Comunicação de Dados 505,00 5,13% 324,70 55,50% Serviços Suplementares e de valor adicionado 278,80 2,83% 216,50 28,80% Outros 31,20 0,32% 33,20-6,10% Receita Operacional Bruta 9.839,70 100% 8.458,40 16,30% Deduções , ,10 20,40% Receita Operacional Líquida 7.071, ,40 14,80% Fonte: Brasil Telecom (2004) Todavia, outros segmentos apresentam elevadas taxas de crescimentos, como os de comunicação de dados e de internet data centers, que estão no item Comunicação de Dados da Tabela 3. Esses serviços são utilizados pelas empresas para ligarem suas diversas unidades 7

8 distribuídas geograficamente através de sistemas de informação. A Figura 2 ilustra a evolução das receitas das operadoras de telecomunicações nas diversas famílias de produtos no setor. Crescimento das Receitas das Operadoras em 2003 Total 16% Outros 22% Satélites Voz Fixa Call center Voz, celular 9% 11% 14% 14% Dados 58% Internet data centers 72% % Figura 2 Evolução das receitas em reais das operadoras de telecomunicações Fonte: Word Telecom (2003) Os serviços de internet data centers caracterizam-se por oferecer espaços físicos (servidores, energia elétrica, equipamentos, etc.) e lógicos (espaços em hardware e software, memória, transmissão de dados, etc.) destinados ao armazenamento e processamento de informações. O público-alvo deste produto é formado por empresas dos mais diversos tamanhos. As empresas interessadas podem contratar espaços de armazenamento e capacidade de processamento de suas informações, ganhando com isso redução de seus investimentos em imobilizados relativos a informática. Por exemplo, uma grande cadeia de lojas de varejo distribuídas nacionalmente necessita uma infra-estrutura de processamento de informações centralizadas que inclui: servidores, salas climatizadas, equipamentos (hub, modems, roteadores), segurança, energia, profissionais especializados, suporte técnico, etc. Toda esta infra-estrutura consome recursos financeiros, em uma atividade não fim da empresa. Os serviços de internet data centers proporcionam toda essa infra-estrutura com um custo mais baixo já que operam em maior escala. Em função da oportunidade de crescimento, a Brasil Telecom decidiu empreender esforços para diversificar seu mercado de atuação. Assim, em 2001 ela iniciou o processo de desenvolvimento do seu internet data centers. Em 2002, nasce o Cyber Data Center, a área de negócios da Brasil Telecom focada neste segmento.hoje ela funciona em toda a região de atuação da organização. Os espaços físicos destinados ao armazenamento e processamento de informações situam-se em Brasília, Curitiba e Porto Alegre. Eles possuem capacidade para armazenar servidores interligados por uma malha de conectividade de m² (equivalente a 320 apartamentos de 50 m²) de fibras óticas em toda área de região de atuação da Brasil Telecom. 5. Análise da Decisão Estratégica sob a Luz da Análise Ambiental de Porter A Brasil Telecom possui áreas específicas de monitoramento do mercado com profissionais mapeando os movimentos da concorrência e das necessidades e demanda. Além do mais, as informações advindas de outras fontes, como das equipes de vendas, auxiliam no processo de análise do mercado. 8

9 Assim, a empresa verifica constantemente as projeções de receitas das vendas de seus produtos, bem como taxas de rentabilidade e crescimento. Ao longo do tempo ela concluiu que as vendas de serviços de telefonia tradicional (local e longa distância nacional) vêm apresentando reduzidas taxas de crescimento, sofrem mais com a concorrência e não apresentam grandes possibilidades de diferenciação, reduzindo as margens de lucratividade. Dentro deste contexto, em 2001, conforme a escola de análise ambiental, a empresa buscou analisar o cenário da indústria de telecomunicações objetivando encontrar nichos de mercado que apresentassem oportunidades de investimento, crescimento e rentabilidade. Ainda neste processo analítico, ela buscava um mercado que permitisse o desenvolvimento de maior valora agregado aos clientes. Uma alternativa que apresentava-se era o segmento de internet data center que estava em processo de expansão acelerada, já que estava no seu início. A maioria dos clientes potenciais no mercado possuía grandes investimentos em informática e processamento de informações, atividades fundamentais hoje em qualquer ramo empresarial. Desta forma, de acordo com a visão de Porter (1979; 1986) sobre as forças competitivas, havia um grande mercado para ser explorado, evidenciando uma rivalidade ainda incipiente entre os concorrentes. Além disso, era um mercado onde havia poucos competidores posicionados de forma sólida. Nenhum possuía uma considerável carteira de clientes, nem mesmo poderia se apontar um líder no segmento. O desenvolvimento de produtos e serviços permitia a diferenciação através de diversos fatores tais como garantias, qualidade de serviços, pós-venda, atendimento, velocidade na entrega, preços, entre outros, caracterizando uma importante barreira de entrada e elevando os custos de mudanças para os clientes. Outra característica importante, e em sintonia com a proposta de Porter (1979; 1986) sobre vantagem competitiva, é o fato de a empresa ter a possibilidade de conseguir economias de escala com uma grande carteira de clientes em mãos para explorar. Em função do seu tamanho e da possibilidade de comercializar para mais de empresas, que já são seus clientes, a empresa consegue poder de barganha com fornecedores e escala para reduzir custos. Adicionalmente, a empresa possui uma considerável experiência, de pelo menos 30 anos, em gerenciamento de informações em grandes volumes (PORTER, 1979, 1986). A operação da Brasil Telecom requer a capacidade de gerenciar 1,5 bilhão de chamadas todos os meses, computando, armazenando e processando estas informações instantaneamente (um cliente da Brasil Telecom teria que levantar o fone do gancho 50 milhões de vezes por dia para alcançar tal valor em um mês). Sua curva de aprendizado pode ser comparado, talvez, com as outras grandes operadoras de telecomunicações como Telefonica, Telemar e Embratel. Essa análise ambiental e seu posicionamento permitiam à Brasil Telecom um elevado poder de influência nas forças competitivas que dirigem a indústria, mostrando-se uma importante oportunidade. Desta forma, a lógica econômica e da busca pelo lucro conduziu a Brasil Telecom ao desenvolvimento de um planejamento estratégico consciente após uma consistente análise do cenário competitivo dentro da indústria de telecomunicações. O resultado é o surgimento de um conjunto de novos produtos voltados especificamente para um segmento que apresenta as melhores condições para diversificação, considerando barreiras de entrada, competição, posicionamento, potencial de crescimento, retorno do investimento e lucro. 9

10 6. Análise da Decisão Estratégica sob a Luz dos Recursos, Competências e o Dinamismo das Capacitações Ao mesmo tempo em que a Brasil Telecom faz uma análise ambiental da indústria de telecomunicações, ela encontra base dentro de sua própria empresa para direcionar suas ações estratégicas rumo a um novo produto. A Brasil Telecom possuía diversos recursos e competências organizacionais que estavam ligados diretamente às necessidades requeridas por um serviço como o internet data center. Como exemplo, pode-se citar: prédios com energia e segurança, grandes equipamentos de armazenamento e processamento de dados, profissionais especializados, capacidade para transmissão de informações a altas velocidades, sistemas funcionando ininterruptamente, entre outros. O funcionamento de uma operadora de telecomunicações requer uma capacidade de gerenciamento de uma significativa quantidade de informações, de estrutura e infra-estrutura e recursos humanos. Por exemplo, mensalmente trafegam pelas redes da empresa 5 bilhões de minutos de conversação (equivale a uma pessoa falando ininterruptamente durante mais de 9 mil anos), informações que têm que ser tarifadas de forma correta. Todas estas informações são geradas de alguma de suas 15 mil centrais telefônicas, aproximadamente. São mais de 10 milhões de telefones instalados, mais de 295 mil telefones públicos em todas localidades de sua região de atuação. Toda essa operação requer rotinas, atividades, sub-atividades, organização e sistemas altamente especializados ligados diretamente à área de tecnologia da informação. A empresa possui uma desenvolvida capacidade de atendimento às mais diversas e variadas empresas, desde as menores e mais simples até as maiores e mais complexas. A experiência dos anos de atendimento, especialmente depois da privatização, foi auxiliando-a na organização e gerenciamento de seus recursos humanos e técnicos para um modelo de atendimento específico para este público-alvo. Não somente áreas de vendas, mas também de suporte técnico e pós-venda foram melhorando seu desempenho, contribuindo para agregarem valor aos produtos e serviços. Verifica-se que a acumulação de conhecimento, experiência, recursos e competências da Brasil Telecom está ligada diretamente aos conceitos e teorias desenvolvidas pelos diversos trabalhos sobre VBR (WERNERFELT, 1984; HAMEL e PRAHALAD, 1990; GRANT, 1991). Adicionalmente, pode-se destacar que ela tinha adquirido uma significativa experiência em gerenciamento de grandes redes de comunicações de dados. Para que todo este sistema funcione diariamente é necessária uma grande equipe de profissionais dedicados à manutenção das atividades rotineiras e de procedimentos padrões de monitoramento de equipamento, de sistemas computadorizados e uma complexa gama de atividades diárias. Esse know-how pode ser reabsorvido e reconfigurado dentro do internet data center, seguindo a linha de pensamento desenvolvida por Helfat e Peteraf (2002). Além disso, procedimentos tecnológicos de segurança, utilizados nos serviços prestados pelo novo produto, são oriundos da telefonia. São processos que garantem alimentação de energia ininterruptamente, prevenção de incêndio, acesso restrito de pessoas, garantia de privacidade de informações, sistemas de proteção lógicos, e, principalmente redundância e replicação das informações em outro local seguro. As unidades encontram-se dispostas em três localidades: Brasília, Curitiba e Porto Alegre. Toda e qualquer informação de um cliente, em algum destes pontos, é automaticamente replicada em outro local para garantir a segurança e redundância das informações. 10

11 Assim, a Brasil Telecom baseou-se em toda a disponibilidade, capacidade e competência que possuía no gerenciamento de informações para estruturar seu novo conjunto de produtos. Caso ela não tivesse desenvolvido toda essa capacitação dificilmente ela entraria neste segmento de mercado. Desta forma, a propriedade de tais recursos e competências também é primordial no processo de decisões estratégicas. Porém, é fundamental destacar que todos estes recursos e competências não foram desenvolvidos exclusivamente para esta nova unidade de negócios. Pelo contrário, eles pertenciam a atividade principal da organização, a prestação de serviços de telefonia. Todavia, seguindo uma linha de análise ambiental de Porter (1979; 1986), a empresa realizou uma análise do ambiente competitivo, e embasada em uma análise interna de recursos e competências, de acordo com a VBR, reconfigurou seus recursos e competências na busca de novos caminhos de desenvolvimento destes mesmos recursos e competências conforme as proposições de Helfat e Peteraf (2002) sobre o ciclo de vida das competências. Portanto, as capacitações, que durante muitos anos foram o negócio central da empresa, são reorganizadas para dar início a um novo ciclo de desenvolvimento. Logo, é possível verificar como se dá o início de uma nova etapa na vida da organização, sendo a diversificação um caminho viável para o dinamismo das capacitações. 7. A Relação entre a Análise Ambiental de Porter e a Análise dos Recursos e Competências: O Dinamismo e Renascimento das Capacitações Pode-se verificar que a Brasil Telecom seguiu os dois caminhos estratégicos dominantes na literatura, e não um ou outro de forma excludente. Na verdade, na prática, a empresa cercou-se de todos os recursos possíveis para avaliar sua decisão de entrar em um novo mercado e criar uma nova unidade de negócios. Talvez por desconhecer a teoria, ou por simplesmente ser pressionada pela competitividade crescente de seu ambiente, ela mesclou duas correntes de pensamento estratégico que muitas vezes parecem antagônicas. É possível perceber que a Brasil Telecom voltou-se para uma análise ambiental após estar galgada em uma legítima base de capacitações. Toda a gama de recursos e competências que ela possuía tornava relativamente baixo os investimentos que ela teria que fazer para começar sua nova unidade. Caso ela não tivesse todos estes recursos, seus investimentos poderiam ter tornado inviável sua prática, sem contar a experiência que teria que ser adquirida ao longo dos anos, já que não pode ser comprada da mesma forma que um gerador de energia ou um robô que opera grandes servidores. O papel das rotinas e procedimentos que a organização possuía também foi fundamental para que ela pudesse partir para uma análise do ambiente segura da possível operação que viria a ter. O know-how operacional e as capacitações adquiridas pelos colaboradores destacam-se no processo. Desse modo, uma análise do ambiente serviu como uma importante ferramenta de decisão já que pode proporcionar uma visão que a análise dos recursos não alcançava. Isto é, a análise ambiental do cenário competitivo permitiu que a empresa vislumbrasse oportunidades de investimento, taxas de retorno, de crescimento, de participação de mercado, diferenciação e produtos com maior valor agregado, ganhos de escala, barreiras de entrada relativamente fáceis de serem superadas para ela, mas difíceis para concorrentes, e maiores taxas de lucratividade. Somente olhando para fora da organização foi possível chegar a estas conclusões. 11

12 Contudo, a base de capacitações e a análise ambiental serviram ao propósito de, não apenas auxiliar nas escolhas estratégicas, mas, principalmente, ser o ponto de partida para o dinamismo dos recursos e competências. Ou seja, a convergência e ligação de duas visões estratégicas serviram ao desencadeamento de um novo ciclo de desenvolvimento de capacitações. A Figura 3 ilustra a interação entre as visões estratégicas. Capacitação por unidade de atividade Evento Análise Ambiental de Porter Novo ciclo de desenvolvimento das capacitações da Brasil Telecom Surgimento do CyberData Center Desenvolvimento das capacitações da Brasil Telecom Tempo Figura 3 Ciclo de vida dos recursos e competências na Brasil Telecom Fonte: os autores Assim, os recursos e competências da Brasil Telecom entram em um novo processo de reconstrução, reconfiguração, remodelagem em direção a um novo caminho de vida. Ao criar uma nova rede de produtos, ela reorganiza-os para que possam se desenvolver durante mais um período de evolução até a maturidade. Afinal, novos recursos financeiros foram alocados, novos colaboradores foram treinados, um novo modelo de gestão é focado para que o sucesso seja atingido. As correntes de pensamento, que na teoria parecem antagônicas, se mostram, empiricamente complementares e, da mesma forma, fundamentais para a estratégia da empresa. Ainda mais irônico é que o encontro destas duas correntes resulta no nascimento de um novo ciclo de desenvolvimento das capacitações, contribuindo de forma decisiva e elementar para o processo de dinamismo existentes nas capacitações da organização. 8. Conclusões O artigo analisou como ocorre o processo de escolhas estratégicas dentro de uma organização do setor de telecomunicações. Neste sentido ele demonstra, através de um caso empírico, como são utilizadas as visões decorrentes da análise ambiental, especificamente Porter, e da visão baseada em recursos e competências. Há possibilidade da complementaridade das duas correntes teóricas que, aparentemente, na maioria das vezes, são tratadas de formas muito distintas e distantes. É verificado que a análise ambiental e análise baseada em recursos estão possivelmente ligadas no gerenciamento das empresas. 12

13 Collis e Montgomery (1995) já haviam apontado para uma possível ligação e relação entre estas duas correntes de pensamento estratégico. Corroborando com estas ligações, devese aprofundar os estudos e trabalhos envolvendo uma perspectiva mais ampla da visão estratégica, sendo factível uma abordagem que aproxime estas duas visões de pensamento estratégico. Indo além, especula-se que existam lacunas na compreensão sobre a possibilidade de uma corrente teórica reforçar a outra, num processo sem limites estabelecidos. A visão baseada em recursos mostrou-se servir de base para que uma visão ambiental emergisse e reforçasse a construção de novos recursos e competências. Essa renovação das competências conduz a empresa a outros caminhos que, novamente, necessitam de uma visão ambiental para guiar a alta administração em decisões importantes, que muitas vezes conduzem a um novo ciclo de desenvolvimento dos recursos e competências. Desta forma, essa relação existente, presente no pragmatismo gerencial, entre as duas visões estratégicas, onde uma serve a outra, pode ser uma resposta plausível para uma das dúvidas deixadas por Helfat e Peteraf (2002) sobre as evoluções da organização em torno de um novo ciclo de desenvolvimento das competências. Tanto uma escola de pensamento quanto a outra parecem não existirem de forma isolada. Mesmo os autores destas escolas mostram evidências de que elas carregam características umas das outras. Porter (1986) quando desenvolve a idéia de curva de experiência ou cadeia de valor volta-se para uma análise interna da organização. Wernerfelt (1984) utiliza conceitos de posicionamento no mercado e escassez de recursos para acrescentar conhecimento a VBR. As possibilidades de uma maior integração entre estas visões estratégicas podem trazer para o campo do conhecimento uma amplitude do poder de análise estratégica que isoladamente uma não consegue proporcionar. Além disso, a possível ligação entre elas pode revelar padrões de comportamento organizacional que o uso de uma visão única não revela. Por exemplo, as organizações na prática podem estar utilizando conceitos e idéias advindas das escolas de pensamento estratégico conjugadamente. Isso pode mostrar como áreas envolvidas com o desenvolvimento de competências, tais como produção e desenvolvimento de produtos, devem estar em sintonia com áreas de contato com o ambiente, tais como vendas e marketing. Uma dúvida que se interpõe é se isso ocorre dentro das organizações. Ou seja, o uso de uma ou ambas visões no gerenciamento diário implica de quê forma na estrutura organizacional? Como são as relações de poder, cultura e estrutura em organizações que utilizam estas visões conjugadamente? Quais áreas detém maior influência? Como isso repercute nas decisões estratégicas? Com isso especula-se sobre uma nova abordagem para o tratamento das questões estratégicas, onde prevaleceria essa possível relação entre estas duas visões. Seria uma área de intersecção onde prevalecem características de ambas. A Figura 4 ilustra essa possível área de intersecção e relação entre elas no mundo empírico e pragmático das organizações. 13

14 Utilização Empírica dos Pensamentos Estratégicos Resource Based View Análise Ambiental de Porter Possível relação entre as escolas estratégicas utilizada nas organizações Figura 4 Modelo de Relação entre as escolas estratégicas Fonte: os autores Portanto, isso abre a possibilidade de um novo campo de estudos sobre quais as razões e as formas que as estratégias são formuladas. Indo além, espera-se que futuras pesquisas na área estratégica revelem a profundidade da relação e as implicações sobre essa intersecção entre as duas correntes estratégias. As respostas para os questionamentos levantados neste trabalho são avenidas para a construção de novas estradas do conhecimento. O que foi percebido empiricamente é que a organização utilizou-se da relação entre as duas correntes de pensamento estratégico para conduzir suas decisões. Isso foi validado no presente trabalho, mas uma das dúvidas que emerge é o quanto outras organizações valem-se dessa mesma relação para guiar suas decisões e quais suas repercussões para a estratégia. Pesquisas vêm sendo desenvolvidas em um e outro campo estratégico. Porém pouco conhecimento foi desenvolvido sobre a possível relação entre elas. O saber neste campo não pode mais transitar de uma escola à outra sem compreender o quê pode estar por entre seus cruzamentos. Novas pesquisas devem realizadas para que afirmem, refutem ou abram novas oportunidades, questionamentos e perspectivas sobre a complementaridade destas duas formas de análise. 10. Referências Bibliográficas BRASILTELECOM. Disponível em: < site= m.br/site/inst_ri_br/index.jsp. Acesso em CHALMERS, A. What is this thing called science? Milton Keynes: Open University, COLLIS, David J.; MONTGOMERY, Cynthia A. Competing on resources: strategy in the 1990s. Harvard Business Review, Boston, v. 73, n.4, p , EISENHARDT, K. Building Theories from Case Study Research, Academy of Management Review, v. 14, n. 4, pp ,

15 GHEMAWAT, Panlaj, A estratégia e o Cenário dos Negócios, Porto Alegre: Bookman, GRANT, Robert M. The resource-based theory of competitive advantage: implications for strategy formulation. California Management Review. Spring, GUIMARÃES, Eduardo A. Acumulação e crescimento da firma: um estudo de organização industrial. Rio de Janeiro: Zahar, HAMEL, Gary; PRAHALAD, C. K. The core competence of the corporation. Harvard Business Review. May-June, p , 1990 HELFAT, Constance, PETERAF, Margaret. The dynamicas resource-based view: capabilities lifecycicles. Tuck School of Business at Dartmouth, working paper n. 03, 08, December HEXSEL, Astor E.; TONI, Denoir D. Salton: a retomada da vantagem competitive nos anos noventa. In CD-Rom do XXVI Congresso da ENANPAD, Salvador, McGAHAN, A. M; PORTER, M. E. How much does industry matter, really? Strategic Management Journal, Vol. 18, summer special issue, p , OMAKI, Eduardo T.; FLORÊNCIO, Clarice N. Estratégias Competitivas de Grandes Empresas Brasileiras Exitosas: Influências do ambiente empresarial e da origem do capital acionário controlador. In ENCONTRO ANNUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (XXII ENANPAD). Anais Atibaia, 2003, 15 p., CD-ROM. PENROSE, Edith T. Teoria del crecimiento de la empresa. Madrid: Aguilar, PIRES, Péricles J.; PRATES, Rodolfo C. As estratégias organizacionais das indústrias de transformação localizadas na cidade industrial de curitiba e a reestruturação produtiva no brasil nos anos 90. In ENCONTRO ANNUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (XXII ENANPAD). Anais Atibaia, p., CD-ROM. PORTER, Michael E. How competitive forces shape strategy. Harvard Business Review, March-April PORTER, Michael E. The contributions of industrial organization to strategic management. Academy of Management, Vol. 6, n. 4, p , PORTER, Michael E., Competitive Advantage: Creating e Sustaining Superior Performance. New York: Free Press, PORTER, Michael E., Estratégia Competitiva: Técnicas para Análise de indústrias e da Concorrência. 7a. Ed., Rio de Janeiro: CAMPUS, PORTER, Michael. Towards a dynamic theory of strategy. Strategic Management Journal, Baffins Lane England, v. 12, PROENÇA, Adriano. Capacitações dinâmicas e o dinamismo das capacitações: o enfoque centrado e capacitações e o processo estratégico. In CD-Rom do I Encontro de Estudos em Estratégia. Curitiba, ROSÁRIO, Francisco J. P.; BARBOSA, Jenny D. Recursos e posicionamento competitivo nas PME s. In ENCONTRO ANNUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (XXII ENANPAD). Anais Salvador, 2002, 14 p., CD-ROM. RUMELT, R. P. How much does industry matter? Strategic Management Journal, Vol. 12, p , SCHMALENSEE, R. Do markets differ much? The American Economic Review, Vol. 75, No. 3, p , SELZNICK, Philip. A liderança na administração: uma interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas,

16 SUMMER, C.; BETTIS, R.; DUHAIME, I.; GRANT, J.; HAMBRICK, D.; SNOW, C.; ZEITHAML, C. Doctoral Education in the Field of Business Policy and Strategy, Journal of Management, v. 16, n. 2, pp TEECE et al. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal. Vol 18, n 7, p VASCONCELOS, Flávio Carvalho, BRITO, Luiz Artur Ledur, How Much Does Country Matter?. In CD-Rom do XXVII Congresso da ENANPAD, São Paulo, YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, WERNERFELT, Birger. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, Vol. 5, p ,

A complementaridade das abordagens à estratégia e o ciclo de vida das competências Resumo: 1. Introdução

A complementaridade das abordagens à estratégia e o ciclo de vida das competências Resumo: 1. Introdução A complementaridade das abordagens à estratégia e o ciclo de vida das competências Resumo: A literatura de estratégia tem fornecido debates entre duas correntes de pensamento em estratégia, a de posicionamento

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA

TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA CORPORATE TRAJETÓRIA BEM SUCEDIDA De empresa regional para empresa nacional De 24 cidades em 9 estados para 95 cidades em 17 estados De 800 funcionários em 2000 para 8 mil atualmente Oferta completa de

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 3 - Slack, Chambers e Johnston 1 Perguntas que se esperam respondidas ao final do capítulo 3 O que é estratégia? Estratégia da produção Qual a diferença entre as visões de cima para baixo

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.

Análise interna. Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br. Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com. Gisele Mazon gisele.mazon@unisul. Análise interna Adelcio Machado adelcio@redelnet.com.br Cincinato Lui Cordeiro cincinato@hotmail.com Gisele Mazon gisele.mazon@unisul.br Roberto de Medeiros Junior roberto.medeiros.junior@hotmail.com Fernando

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa Capítulo 3 Avaliação das capacidades internas de uma empresa O que uma análise interna nos diz? A análise interna nos permite ter um comparativo entre as capacidades da empresa Quais são as forças da empresa?

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento.

ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. ACADEMIA MENTAL Conhecimento Estratégico Promovendo Desenvolvimento. As organizações estão inseridas em ambientes competitivos e esses parecem ser altamente dinâmicos com movimentos aparentemente aleatórios.

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

5 Análise dos resultados

5 Análise dos resultados 5 Análise dos resultados Neste capitulo será feita a análise dos resultados coletados pelos questionários que foram apresentados no Capítulo 4. Isso ocorrerá através de análises global e específica. A

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS CARVALHO, L.F. (CESUR 1 ) - P 2 GRZEBIELUCKAS, C. (UNEMAT) - P 3 Resumo Este trabalho tem como pano de fundo abordar questões dentro de uma das linhas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV)

PÓS-GRADUAÇÃO EM DMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS (FGV) OBJETIVO: Capacitar profissionais, de qualquer área de atuação, para a carreira executiva, desenvolvendo as principais habilidades gerenciais, tais como: liderança, comunicação interpessoal e visão estratégica,

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

3 Análise para a definição da estratégia

3 Análise para a definição da estratégia 3 Análise para a definição da estratégia O presente capítulo aborda os aspectos relacionados à transação sob dois prismas, sendo o primeiro o Transaction Cost Theory (TCT), no qual o foco é a análise dos

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno

Os desafios para a inovação no Brasil. Maximiliano Selistre Carlomagno Os desafios para a inovação no Brasil Maximiliano Selistre Carlomagno Sobre a Pesquisa A pesquisa foi realizada em parceria pelo IEL/RS e empresa Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação durante

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em BD Suporte de Apoio à Decisão Aula 05 Database Marketing Agenda O que é Database Marketing? Estratégias e Sistemas Os dois usos do Database Marketing Case Referências 2

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor?

Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor? Análise Interna: Seu Empreendimento Agro está gerando valor? Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org): Sócio do Markestrat e coordenador do núcleo de estudos e projetos em gestão estratégica

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS E VANTAGENS ASSOCIADAS AO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO LEITE - APLLEITE - NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES - RO borismaia@uol.com.

ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS E VANTAGENS ASSOCIADAS AO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO LEITE - APLLEITE - NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES - RO borismaia@uol.com. ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS E VANTAGENS ASSOCIADAS AO ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO LEITE - APLLEITE - NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES - RO borismaia@uol.com.br POSTER-Trabalhos de Iniciação Científica HIGOR CORDEIRO;

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais