Importância da Análise Sensorial no Desenvolvimento de Novos Produtos. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Importância da Análise Sensorial no Desenvolvimento de Novos Produtos. Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG"

Transcrição

1 Importância da Análise Sensorial no Desenvolvimento de Novos Produtos Profa. Dra. Katiuchia Pereira Takeuchi Universidade Federal de Goiás - UFG

2 Desenvolvimento de Novos Produtos: Novo produto é uma adaptação a uma necessidade do consumidor. Conceito de produto, pesquisa e desenvolvimento de produtos alimentares. Produto é algo que pode ser oferecido a um mercado para criar atenção, ser adquirido, usado ou consumido, satisfazendo um desejo ou uma necessidade Philip Kotler

3 Tendências atuais determinantes de consumo Bem estar do consumidor + alimentos - calorias Natural Orgânico Saúde Nutrição Fator tempo Petiscos & lanches Aquece & serve Refeições porcionadas Conveniência Consumo sem culpa Prazer Experiência sensorial Indulgência & premiação Novos flavors Tradicional/sazonal Mais conveniência

4 Conceitos básicos sobre padrão de consumo de alimentos sobrevivência saciedade da fome Ausência de efeitos adversos à saúde Saúde e manutenção Promoção de melhor saúde ajudando no risco de doenças crônicas Medicina e alimentos inter-relacionados

5 Atitudes emergentes do consumidor maior consciência da saúde (gordura, calorias, sódio, aditivos, etc.) alimentos orgânicos e naturais bem-estar animal segurança alimentar disponibilidade (ambientalmente sustentável) Implicações para a indústria de alimentos menos gordura, mais magro menos calorias mais vegetais mais natural e orgânico mais P & D para produtos saudáveis alimentos tratados por irradiação

6 Fluxograma para o Desenvolvimento de Novos Produtos: 1) Avaliação do posicionamento interno e externo da empresa. 2) Pesquisa de viabilidade. a) pesquisa de experiência técnica; b) pesquisa de mercado; c) análise e integração de expectativas. 3) Desenvolvimento do produto a) Desenvolvimento técnico: protótipo, usos do produto, design preliminar b) planejamento e custos da produção: matéria-prima, mão-deobra, equipamentos, espaços.

7 Fluxograma para o Desenvolvimento de Novos Produtos: c) previsão de mercado: demanda, custos, preço. d) Compostos de planos de Marketing e) Análise do produto de equilíbrio para a fabricação do produto (custo = receita) 4) Teste de Marketing a) Planejamento de MKT; b) Produção experimental para o teste de mercado; c) Planejamento final da produção; d) Execução do teste de mercado; e) Análise e revisão; f) Planos finais para lançamento com orçamentos e responsabilidades estabelecidas.

8 Processo metodológico para o Desenvolvimento de NP: 1) Identificação de oportunidades (idéias); 2) Investigação das idéias; 3) Análise de viabilidade das idéias; 4) Teste de conceito do NP; 5) Teste de mercado; 6) Decisão de continuar ou não; 7) Introdução do NP no mercado; 8) Comercialização.

9 Análise Sensorial e o sucesso de um Novo Produto: O Teste de conceito do NP e o Teste de mercado são etapas fundamentais para a decisão de continuar ou não o lançamento do NP. A realização da análise sensorial de um produto, particularmente antes de seu lançamento no mercado, é uma etapa vital do processo, pois pode evitar problemas futuros em termos de aceitação pelo mercado consumidor.

10 Análise Sensorial e o sucesso de um Novo Produto: Análise Sensorial é uma disciplina científica usada para evocar, medir, analisar e interpretar reações das características dos alimentos e materiais como são percebidas pelos sentidos da visão, olfato, gosto, tato e audição (ABTN NBR 12806, 1993). ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Análise sensorial dos alimentos e bebidas Terminologia NBR São Paulo: ABNT, 1993.

11 Métodos sensoriais Discriminativos: triangular, duo-trio, ordenação, diferença-do-controle avaliam diferenças entre dois ou mais produtos Afetivos: Testes de Aceitação, de preferência, de Intenção de compra avaliam aceitação e preferência dos consumidores em relação às amostras Descritivo: ADQ, Perfil de Textura, Perfil de Sabor, Perfil Livre descrevem e quantificam diferenças sensoriais entre amostras

12 Testes afetivos Testes com consumidores-alvo Avaliar: O grau com que os consumidores gostam ou desgostam de um ou mais produtos; Preferência dos consumidores por um ou mais produtos Quão ideal encontra-se a intensidade de um ou mais atributos em um alimento

13 Usos dos Testes afetivos Comparar produtos ou formulações concorrentes entre consumidores e avaliar a competitividade entre eles para: Auxiliar a área de Desenvolvimento de Novos Produtos; Otimização ou melhoria da qualidade de produtos; Acesso ao mercado potencial; Quão ideal encontra-se a intensidade de um ou mais atributos em um alimento

14 Equipe sensorial: Provadores: consumidores potenciais do produto testado Os provadores devem ser classificados em função de: Freqüência de consumo; Critérios demográficos; Padrões culturais (hábitos); Renda ou classe social; Idade; Sexo; etc.

15 Equipe sensorial: Funcionários da empresa NÃO devem participar de testes afetivos da empresa: Reconhecem facilmente o produto da empresa; Eles TEM uma atitude psicológica em relação à empresa (+ ou -) que pode ser transferida para o produto sob avaliação; Podem possuir informações sobre o produto que os diferenciam dos consumidores externos à empresa;

16 Recrutamento da Equipe sensorial: No local do teste; Pré-recrutamento: Vantagens: Seleção mais rigorosa dos consumidoresalvo; Teste mais longo, caro e requer maior número de perguntas;

17 Locais para a realização de testes afetivos: Testes de laboratório ou teste-piloto: 25 a 50 consumidores (não treinados) 2 a 5 amostras por sessão várias sessões Vantagens: Alto controle das condições do teste: silencio, individualidade de julgamento, temperatura da amostra, iluminação, etc; Rápido retorno dos resultados; Baixo custo.

18 Testes de laboratório ou teste-piloto: Vantagens: Se recrutado, o provador pode retornar para outras sessões, avaliando várias amostras; Desvantagens: NÃO podem ser utilizados como uma avaliação do mercado-alvo de consumidores; O produto é testado em condições não similares ao consumo real; Localização pode sugerir inferência sobre a marca. Usos: inferência entre produtos Assessorar a área de DNP na otimização de protótipos.

19 Testes de localização central (TLC): Geralmente conduzidos em shoppings, supermercados, escolas, clubes, etc.: ainda assim manter a individualidade de julgamentos, conforto, silêncio, limpeza, etc.; cerca de 100 provadores: depende das diferenças entre as amostras ou grau de segmentação de mercado localidade: de 3 a 4 regiões de interesse cuidado com o número de amostras e tamanho do questionário!!!

20 Testes de localização central: Vantagens: Grande número de respostas coletadas rapidamente; Resultados permitem inferência em relação ao mercado consumidor alvo Desvantagens: Menor possibilidade de controle das condições de julgamentos; O produto é testado em condições não similares ao consumo real; Questionário do teste deve ter poucas perguntas; Alto custo. Usos: resultados assessoram o depto de MKT em lançamentos, comparações com a concorrência, aceitação e intenção de compra.

21 Testes de uso doméstico: O produto é testado na casa do consumidor e em reais condições de uso; Avaliam-se de 50 a 100 famílias em 3 a 4 cidades; Teste caro, demorado onde se perdem muitos resultados, porém: Necessário quando se quer testar: Embalagem: instruções, manuseio, etc; Aspectos de preparo do produto: facilidade, praticidade, tempo de preparo, etc.; Produto é enjoativo, etc.

22 Testes de uso doméstico: Vantagens: Avaliação do produto em reais condições de uso; O julgamento é obtido sob condições estabilizadas ao invés de se basear em uma primeira impressão; Grande número de informações pode ser obtida. Desvantagens: Teste caro, demorado e se perdem muitos resultados; Pouco ou nenhum controle sobre as condições de preparação dos produtos e teste; Altíssimo custo. Usos: avaliação da interação consumidor-produto em situações finais e reais de uso.

23 Tipos de testes afetivos: Teste de preferência: Avaliam a preferência dos consumidores entre 1 ou mais amostras; Teste de Aceitação: Avaliam o quanto os consumidores GOSTAM ou DESGOSTAM de cada amostra; CUIDADO AO ESCOLHER O TESTE A SER APLICADO!!!!

24 Teste de preferência: Teste de comparação pareada: Princípio: Cada provador recebe duas amostras codificadas e é solicitado a identificar a amostra de sua preferência; Modelo de Ficha de avaliação do teste pareado de preferência: Nome: Data: Você está recebendo amostras de, por favor, prove as amostras codificadas da esquerda para a direita e circule o número da amostra de sua preferência Comentários:.

25 Teste de preferência: Teste de ordenação preferência: Princípio: Cada provador recebe três ou mais amostras codificadas e é solicitado a ordenar as amostras por ordem decrescente de sua preferência; Modelo de Ficha de avaliação do teste ordenação-preferência: Nome: Data: Você está recebendo amostras de, por favor, avalie cada uma das amostras codificadas, da esquerda para a direita, e ordene-as em ordem decrescente de sua preferência. + preferida - preferida Comentários:.

26 Teste de Aceitação: Escalas Permite que os consumidores avaliem o quanto GOSTAM ou DESGOSTAM de cada amostra (uma ou várias) utilizando uma escala. Tipos de Escalas: Escala hedônica estruturada verbal; Escala hedônica estruturada mista; Escala hedônica não-estruturada; Escala de intenção de compra; Escala do Ideal (just right).

27 Escala hedônica estruturada verbal de 9 pontos: gostei muitíssimo (adorei) gostei muito gostei moderadamente gostei ligeiramente nem gostei / nem desgostei desgostei ligeiramente desgostei moderadamente desgostei muito desgostei extremamente (detestei)

28 Escala hedônica estruturada mista: 9 - gostei muitíssimo (adorei) 8 - gostei muito 7 - gostei moderadamente 6 - gostei ligeiramente 5 - nem gostei / nem desgostei 4 - desgostei ligeiramente 3 - desgostei moderadamente 2 - desgostei muito 1 - desgostei extremamente (detestei) ou 7 - gostei muito 6 - gostei moderadamente 5 - gostei ligeiramente 4 - nem gostei / nem desgostei 3 - desgostei ligeiramente 2 - desgostei moderadamente 1 - desgostei muito

29 Escala hedônica não - estruturada: Desgostei muito Gostei muito Comprimento da escala: geralmente 9 ou 15 cm Os consumidores sentem dificuldade em utilizar esse tipo de escala; Não é muito recomendada Escala de intenção de Compra: 5 certamente compraria o produto 4 possivelmente compraria o produto 3 talvez comprasse / talvez não comprasse 2 possivelmente não compraria o produto 1 certamente não compraria o produto

30 Escala hedônica ilustrado: uso para crianças Em teste com crianças ou indivíduos com problemas de alfabetização usar: Escala hedônica facial; Entrevistador treinado;

31 Modelo de Ficha de avaliação do teste de aceitação: Nome: Data: Você está recebendo amostras de, por favor, avalie as amostras codificadas, da esquerda para a direita. Indique, baseado na escala abaixo, o quanto você gostou ou desgostou de cada amostra. Amostra Valor 9 - gostei muitíssimo (adorei) 8 - gostei muito 7 - gostei moderadamente 6 - gostei ligeiramente 5 - nem gostei / nem desgostei 4 - desgostei ligeiramente 3 - desgostei moderadamente 2 - desgostei muito 1 - desgostei extremamente (detestei) Comentários:.

32 Escala do Ideal just right: + 3 = muito + doce que o ideal + 2 = moderadamente + doce que o ideal + 1 = ligeiramente + doce que o ideal 0 = doçura ideal -1 = ligeiramente - doce que o ideal -2 = moderadamente - doce que o ideal -3 = muito - doce que o ideal Usos: Otimizar a intensidade de um determinado atributo (doçura, dureza, cor, etc) no produto; Otimizar o nível de adição de um determinado ingrediente no produto; Otimizar as variáveis como tempo de cocção, torração, etc. do produto

33 Muito Obrigada!!! Contato: Katiuchia P. Takeuchi Fones:

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne. Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste

Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne. Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste Análise sensorial: ferramenta para avaliação da qualidade da carne Renata Tieko Nassu Pesquisadora Embrapa Pecuária Sudeste A análise sensorial é uma importante ferramenta para avaliação da qualidade da

Leia mais

ANALISE DE COMPARAÇÃO PAREADA ENTRE CERVEJAS COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS (2012) 1

ANALISE DE COMPARAÇÃO PAREADA ENTRE CERVEJAS COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS (2012) 1 ANALISE DE COMPARAÇÃO PAREADA ENTRE CERVEJAS COM DIFERENTES TEORES ALCOÓLICOS (2012) 1 RIGHI DA SILVA, Raquel 2 ; HELENA RYCHECKI HECKTHEUER, luisa 3 ; BERLESE SUERTEGARAY, Aline 4 ; FLORES, Douglas 4

Leia mais

Teste Sensorial - Doce de Leite Prime -

Teste Sensorial - Doce de Leite Prime - Teste Sensorial - Doce de Leite Prime - Tipo Exportação Elaborado para: Preparado por: FLUXO DE ANÁLISE Página Introdução... Perfil da Amostra... Análise dos dados >> Freqüência de consumo... Análise dos

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Gestão de Marketing Aula 3 Contextualização Profa. Me. Karin Sell Schneider Canais de Distribuição Comunicação Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis, que proporciona benefícios reais

Leia mais

na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge

na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge na Gestão Sensorial nas Cervejarias Kátia Jorge Sensorial como Ferramenta Cerveja é Cultura Cerveja é Cultura Conhecendo a Cerveja Ingredientes???? Processo de fabricação???? De onde vêm os flavours????

Leia mais

MARKETING II. UVA-Prof.: José Claudeci Bezerra Correia

MARKETING II. UVA-Prof.: José Claudeci Bezerra Correia MARKETING II UVA-Prof.: José Claudeci Bezerra Correia PORQUE OS PRODUTOS NOVOS FRACASSAM Idéias impostas, contrariando pesquisas Mercado superestimado O produto não é bem projetado Posicionamento incorreto

Leia mais

Silvia Deboni Dutcosky. A solução que tem o seu jeito

Silvia Deboni Dutcosky. A solução que tem o seu jeito PESQUISA SENSORIAL COM CONSUMIDORES Silvia Deboni Dutcosky A solução que tem o seu jeito Como entender as escolhas e preferências dos consumidores? Não há dúvida de que a relação entre o consumidor e as

Leia mais

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Marketing. Aula 06. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Marketing Aula 06 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia e

Leia mais

Setor de Panificação e Confeitaria

Setor de Panificação e Confeitaria Setor de Panificação e Confeitaria Em 2014 o setor de Panificação e Confeitaria brasileiro cresceu 8,02%e faturou R$ 82,5 bilhões. Desde 2010, o mercado vem registrando uma desaceleração. Setor de Panificação

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP

Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar. Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Utilização de Grandes Bases de Informação na Avaliação do Consumo Alimentar Regina Mara Fisberg Profª Associada Depto de Nutrição - USP Agenda 1. Métodos de inquéritos 2. Inquérito de Saúde de São Paulo

Leia mais

As tendências da alimentação. Lívia Barbosa, Luis Madi, Maria Aparecida Toledo, Raul Amaral

As tendências da alimentação. Lívia Barbosa, Luis Madi, Maria Aparecida Toledo, Raul Amaral As tendências da alimentação Lívia Barbosa, Luis Madi, Maria Aparecida Toledo, Raul Amaral Metodologia Coleta sistemática de informações Documentos técnicos e científicos, bancos de dados, pesquisas de

Leia mais

Métodos Emergentes na Análise Sensorial. Prof. Dr. Adriano Gomes da Cruz Equipe de Alimentos - IFRJ

Métodos Emergentes na Análise Sensorial. Prof. Dr. Adriano Gomes da Cruz Equipe de Alimentos - IFRJ Métodos Emergentes na Análise Sensorial Prof. Dr. Adriano Gomes da Cruz Equipe de Alimentos - IFRJ Análise Sensorial Ciência multidisciplinar, que é estruturada em princípios científicos relacionados com

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

Análise Sensorial Ensaios com Celíacos

Análise Sensorial Ensaios com Celíacos Análise Sensorial Ensaios com Celíacos Outubro 2008 SENSE TEST Sense Test, Lda Estudos de Análise Sensorial a Produtos Alimentares Estudos de Análise Sensorial a Produtos Não Alimentares Agenda Utilização

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO SENSORIAL DE UM NOVO PRODUTO: BOLINHO DE BATATA RECHEADO, PRÉ FRITO E CONGELADO VANESSA RIOS DE SOUZA 1, DANIELA PEREIRA LEÃO 2 ; JOSIANE GONÇALVES BORGES 3, PAULO AUGUSTO RIBEIRO

Leia mais

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 3ª Série Gestão em Marketing CST em Marketing A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto de atividades

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião

Consultadoria, Pesquisas de Mercado e Opinião Pesquisas de Mercado Online 1. Apresentação O que é a Pesquisadireta? A Pesquisadireta é uma empresa de pesquisas de opinião e mercado exclusivamente online. De uma forma rápida e flexível, sua empresa

Leia mais

APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS

APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS APLICAÇÃO DE TESTES DE ACEITABILIDADE POR NUTRICIONISTAS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO ESTADO DE GOIÁS LOPES, Vanessa de Melo 1 ; SANTANA, Renata Guimarães Mendonça 2 ; ALVES, Alessandra Ribeiro de F. Nery³;

Leia mais

PESQUISA DE MARKETING

PESQUISA DE MARKETING PESQUISA DE MARKETING CONCEITOS É a busca de informação, a investigação do fenômeno que ocorre no processo de transferência de bens ao consumidor Trata da coleta de qualquer tipo de dados que possam ser

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Muito mais que um troféu

Muito mais que um troféu São Paulo, 08 de Julho de 2009. Circular ABISIPA Nº 28/2009 Muito mais que um troféu O Brazilian Beauty Club vai premiar o melhor planejamento estratégico de exportação com a participação em um Simpósio

Leia mais

Embalagem e Tecnologia na Percepção da Qualidade

Embalagem e Tecnologia na Percepção da Qualidade Qualidade Alimentar: Percepção do Consumidor Embalagem e Tecnologia na Percepção da Qualidade Rosires Deliza Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento O Consumidor Alimento Consumidor Contexto

Leia mais

Estudos e Pesquisas. Projeto: Suinocultura Metropolitana Enquete: Hábito de consumo da carne suína

Estudos e Pesquisas. Projeto: Suinocultura Metropolitana Enquete: Hábito de consumo da carne suína Estudos e Pesquisas Projeto: Suinocultura Metropolitana Enquete: Hábito de consumo da carne suína Ficha Técnica Sebrae em Goiás Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Diretoria Executiva

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33

Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Sumário Apresentação... 19 Prefácio da primeira edição... 21 Prefácio da segunda edição... 27 Introdução... 33 Capítulo I CIÊNCIA, CONHECIMENTOS E PESQUISA CIENTÍFICA... 37 1. Conceito de ciência e tipos

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

Grupo de Auditoria ISO 19011

Grupo de Auditoria ISO 19011 Grupo de Auditoria ISO 19011 Aplicação do processo de avaliação para um time de auditoria executar uma auditoria interna no sistema de gestão da qualidade de uma Fábrica de Chocolate Fictícia Exemplo da

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE NOVO PRODUTO DE SOJA JAPONESA

ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE NOVO PRODUTO DE SOJA JAPONESA ACEITABILIDADE E INTENÇÃO DE COMPRA DE NOVO PRODUTO DE SOJA JAPONESA Cássia Vieito de Toledo 1, Carlos Antônio Alvarenga Gonçalves 2, Karla Duarte Lopes 1, Lívia Maria de Almeida Oliveira 1, Marigrê Fabiana

Leia mais

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência Administração de As responsabilidades da área de (MINADEO, 2008) - Investigar novos nichos de mercado - Identificar o perfil do cliente - Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Engenharia de alimentos. Workshop. Ensino médio.

PALAVRAS-CHAVE Engenharia de alimentos. Workshop. Ensino médio. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP

TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP TÍTULO: ACEITABILIDADE DE REFRIGERANTE COM FIBRA COMPARADO COM MARCA LÍDER DE MERCADO E MARCA REGIONAL DA CIDADE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO-SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA:

Leia mais

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides

A avaliação da incerteza do tipo B. Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides A avaliação da incerteza do tipo B Segundo o Guia para Expressão da Incerteza na Medição (Joint Commitee for Guides in Metrology, 2008a), em condições ideais, todas as incertezas em laboratório seriam

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I

Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I Fundamentos e procedimentos para uma análise de mercado na elaboração de projetos de investimentos Parte I! Como fazer a análise de mercado?! Qual a diferença entre análise de mercado e análise da indústria?!

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE NEGÓCIO

ANEXO I ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE NEGÓCIO ANEXO I ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE NEGÓCIO Os itens do roteiro deverão ser redigidos seguindo as normas de formatação abaixo descritas, em folhas separadas com seus respectivos títulos e numeradas:

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

Círculo do Café de Qualidade - CCQ Passo a Passo

Círculo do Café de Qualidade - CCQ Passo a Passo 1. O que é? O Círculo do Café de Qualidade é uma evolução em relação ao PQC ABIC, lançado em 2004, e está inserido dentro das diretrizes da ABIC de aumento do consumo interno de café no Brasil, visando

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO

ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO ELABORAÇÃO DE GELEIAS DIETÉTICAS DE VINHO Tânia Brugnerotto 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Raquel Pileti 3 Palavras-chave: sensorial, formulação, uva. INTRODUÇÃO A uva é uma das frutas mais consumidas no mundo,

Leia mais

O IMPACTO DA COSMETOVIGILÂNCIA

O IMPACTO DA COSMETOVIGILÂNCIA O IMPACTO DA GARANTIR QUALIDADE, SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES JUNTO AO CONSUMIDOR. OBJETIVO DA CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NECESSÁRIOS AOS PRODUTOS COSMÉTICOS

Leia mais

Apoio para preparação da componente marketing do plano de negócios. IPS, ESGTS, 2 abril 2014

Apoio para preparação da componente marketing do plano de negócios. IPS, ESGTS, 2 abril 2014 Apoio para preparação da componente marketing do plano de negócios IPS, ESGTS, 2 abril 2014 Apoio para preparação da componente marketing do plano de negócios IPS, ESGTS, 2 abril 2014 Alfredo Silva alfredosilva@esdrm.ipsantarem.pt

Leia mais

Avaliação de Interfaces Humano- Computador

Avaliação de Interfaces Humano- Computador Avaliação de Interfaces Humano- Computador Classificação de métodos de avaliação Inspeção de usabilidade Não envolve usuários Usado em qualquer fase do desenvolvimento do sistema Testes de usabilidade

Leia mais

PREFERÊNCIA ACEITAÇÃO

PREFERÊNCIA ACEITAÇÃO MÉTODOS AFETIVOS Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade EA Prof. a Dr. a Janaína Fernandes de Medeiros Burkert PREFERÊNCIA o É a expressão

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

MARKETING NO AGRONEGÓCIO

MARKETING NO AGRONEGÓCIO MARKETING NO AGRONEGÓCIO O QUE VOCÊ ENTENDE DE MARKETING? Marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS. Atributos do Produto. Marca. Embalagem (Rótulo) Serviços de Apoio ED.

APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS. Atributos do Produto. Marca. Embalagem (Rótulo) Serviços de Apoio ED. Disciplina Professor (a) Série Turma ED. EMPREENDEDORA EDUARDO LIMA 1 a B / C Aluno(a) III BIMESTRE APOSTILA 01 DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS GESTÃO DE MARCAS IDÉIA DE PRODUTO O que é o produto Feiticeira?

Leia mais

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira

Artigo 16 Como montar uma Cafeteira Artigo 16 Como montar uma Cafeteira O consumo de café é um hábito entre os brasileiros, seja em casa, no trabalho ou na rua. Esse hábito vem crescendo e se modificando também. O interesse pelos cafés finos

Leia mais

Marketing. Objectivos. Sistema de informação de mercado. Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência

Marketing. Objectivos. Sistema de informação de mercado. Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência Marketing Recolha de Informação sobre Mercados e Concorrência Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Identificar os componentes principais do sistema de informação de marketing. Discutir a forma com as empresas

Leia mais

Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor.

Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor. Air-Fi - sistema sem fio Sinta-se confortável com a confiança e o desempenho líderes do setor. Corte os fios e sinta-se confortável com a solução sem fio Air-Fi da Trane. A comunicação sem fio Air-Fi da

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração.

Plano de Negócios Faculdade Castro Alves Cursos de Administração. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PLANO DE NEGÓCIIOS Prroff.. Carrllos Mellllo Saal lvvaaddoorr JJANEI IRO/ /22000066 Introdução Preparar um Plano de Negócios é uma das coisas mais úteis que um empresário

Leia mais

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia Introd. Engenharia de Produção 2007 Projeto de Engenharia Prof. João A. Camarotto Projeto de Engenharia Execução de um conjunto de ações de forma coordenada para realizar a construção, a fabricação, o

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719

ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719 ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719 Documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em investigação de pesquisa e desenvolvimento ou que descreve

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS

TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS Edição 2014 TEMPLATE PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EMPREENDEDORES FINALISTAS Disponibilizamos esse material com o objetivo de guiar os finalistas do Prêmio Santander Empreendedorismo 2014 na apresentação

Leia mais

Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.26, n.1, p.40-44, 2011.

Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.26, n.1, p.40-44, 2011. 40 Silvana N. de Oliveira & Maria do C. P. Rodrigues Revista Educação Agrícola Superior Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior - ABEAS - v.26, n.1, p.40-44, 2011. PAPEL DA ANÁLISE SENSORIAL

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet.

Nas áreas urbanas, 44% da população está conectada à internet. 97% das empresas e 23,8% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet. Algumas pesquisa realizada recentemente, revelaram resultados surpreendentes sobre o uso da Internet nas empresas no Brasil. Neste artigo interpreta alguns dados e lhe revela as soluções que podem ajudar

Leia mais

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR

I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR I CICLO ITINERANTE DE FORMAÇÃO PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS: modelos, condições e experiências Jéferson Weber dos Santos Porto Alegre, 16 de agosto de 2012 1 O Projeto

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS Pág.: 1/9 1. OBJETIVO Demonstrar a aplicabilidade e funcionalidade das ferramentas de Planejamento e Desenvolvimento de Produtos e Projetos bem como as tarefas e responsabilidades para a aprovação, o desenvolvimento,

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010 Marketing mix Trabalho realizado por: Sandra Costa 12ºS Marketing mix É formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado e é dividido

Leia mais

Segmentação na gestão da comunicação e do marketing

Segmentação na gestão da comunicação e do marketing Segmentação na gestão da comunicação e do marketing Dra. Iara Silva da Silva 6º Encontro Nacional de Comunicação e Relacionamento dos Fundos de Pensão É um processo social e gerencial pelo qual indivíduos

Leia mais

Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO)

Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO) Aula 7 Mapeamento de processos e Questionário de Diagnóstico Organizacional (QDO) Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br QUESTIONÁRIO DE DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL (QDO) QUESTIONÁRIO DE

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, segmentação e posicionamento Prof. Dr. Raul Amaral Estratégia de negócio, estratégias de segmentação e posicionamento. Análise do potencial de demanda. Definição da missão. liderança.

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO. (Design of Experiments) EM. Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO. (Design of Experiments) EM. Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DoE (Design of Experiments) EM UM PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE DIAFRAGMAS DE FREIO Carlos Eduardo GEHLEN Jordão GHELLER Experimento Procedimento no qual alterações propositais são

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais