Professora Me. Thays Josyane Perassoli Boiko PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professora Me. Thays Josyane Perassoli Boiko PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS"

Transcrição

1 Professora Me. Thays Josyane Perassoli Boiko PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS PÓS-graduação mba. em agronegócio MARINGÁ-pr 2012

2 Reitor: Wilson de Matos Silva Vice-Reitor: Wilson de Matos Silva Filho Pró-Reitor de Administração: Wilson de Matos Silva Filho Presidente da Mantenedora: Cláudio Ferdinandi NEAD - Núcleo de Educação a Distância Diretoria do NEAD: Willian Victor Kendrick de Matos Silva Coordenação Pedagógica: Gislene Miotto Catolino Raymundo Coordenação de Marketing: Bruno Jorge Coordenação Comercial: Helder Machado Coordenação de Tecnologia: Fabrício Ricardo Lazilha Coordenação de Curso: Silvio Silvestre Barczsz Assessoria Pedagógica: Marcelo Cristian Vieira e Lucélia Leite de Morais Supervisora do Núcleo de Produção de Materiais: Nalva Aparecida da Rosa Moura Capa e Editoração: Daniel Fuverki Hey, Fernando Henrique Mendes, Jaime de Marchi Junior, José Jhonny Coelho, Luiz Fernando Rokubuiti e Thayla Daiany Guimarães Cripaldi Supervisão de Materiais: Nádila de Almeida Toledo Revisão Textual e Normas: Cristiane de Oliveira Alves, Janaína Bicudo Kikuchi, Jaquelina Kutsunugi e Maria Fernanda Canova Vasconcelos Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central - CESUMAR C397 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ. Núcleo de Educação a distância: Produção e sistemas agroindustriais/ Thays J. Perassoli Boiko - Maringá - PR, p. Pós-Graduação MBA Agronegócio - EaD. 1. Agronegócio 2. Gestão de sistemas. 3.Agroindustrias. 5. EaD. I. Título. CDD - 22 ed CIP - NBR AACR/2 As imagens utilizadas neste livro foram obtidas a partir dos sites PHOTOS.COM e SHUTTERSTOCK.COM. Av. Guedner, Jd. Aclimação - (44) CEP Maringá - Paraná - NEAD - Núcleo de Educação a Distância - bl. 4 sl. 1 e 2 - (44)

3 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Professora Me. Thays Josyane Perassoli Boiko

4

5 APRESENTAÇÃO DO REITOR Viver e trabalhar em uma sociedade global é um grande desafio para todos os cidadãos. A busca por tecnologia, informação, conhecimento de qualidade, novas habilidades para liderança e solução de problemas com eficiência tornou-se uma questão de sobrevivência no mundo do trabalho. Cada um de nós tem uma grande responsabilidade: as escolhas que fizermos por nós e pelos nossos fará grande diferença no futuro. Com essa visão, o Cesumar Centro Universitário de Maringá assume o compromisso de democratizar o conhecimento por meio de alta tecnologia e contribuir para o futuro dos brasileiros. No cumprimento de sua missão promover a educação de qualidade nas diferentes áreas do conhecimento, formando profissionais cidadãos que contribuam para o desenvolvimento de uma sociedade justa e solidária, o Cesumar busca a integração do ensino-pesquisa-extensão com as demandas institucionais e sociais; a realização de uma prática acadêmica que contribua para o desenvolvimento da consciência social e política e, por fim, a democratização do conhecimento acadêmico com a articulação e a integração com a sociedade. Diante disso, o Cesumar almeja ser reconhecido como uma instituição universitária de referência regional e nacional pela qualidade e compromisso do corpo docente; aquisição de competências institucionais para o desenvolvimento de linhas de pesquisa; consolidação da extensão universitária; qualidade da oferta dos ensinos presencial e a distância; bem-estar e satisfação da comunidade interna; qualidade da gestão acadêmica e administrativa; compromisso social de inclusão; processos de cooperação e parceria com o mundo do trabalho, como também pelo compromisso e relacionamento permanente com os egressos, incentivando a educação continuada. Professor Wilson de Matos Silva Reitor PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 5

6 Caro(a) aluno(a), ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção (FREIRE, 1996, p. 25). Tenho a certeza de que no Núcleo de Educação a Distância do Cesumar, você terá à sua disposição todas as condições para se fazer um competente profissional e, assim, colaborar efetivamente para o desenvolvimento da realidade social em que está inserido. Todas as atividades de estudo presentes neste material foram desenvolvidas para atender o seu processo de formação e contemplam as diretrizes curriculares dos cursos de graduação, determinadas pelo Ministério da Educação (MEC). Desta forma, buscando atender essas necessidades, dispomos de uma equipe de profissionais multidisciplinares para que, independente da distância geográfica que você esteja, possamos interagir e, assim, fazer-se presentes no seu processo de ensino-aprendizagem-conhecimento. Neste sentido, por meio de um modelo pedagógico interativo, possibilitamos que, efetivamente, você construa e amplie a sua rede de conhecimentos. Essa interatividade será vivenciada especialmente no ambiente virtual de aprendizagem AVA no qual disponibilizamos, além do material produzido em linguagem dialógica, aulas sobre os conteúdos abordados, atividades de estudo, enfim, um mundo de linguagens diferenciadas e ricas de possibilidades efetivas para a sua aprendizagem. Assim sendo, todas as atividades de ensino, disponibilizadas para o seu processo de formação, têm por intuito possibilitar o desenvolvimento de novas competências necessárias para que você se aproprie do conhecimento de forma colaborativa. Portanto, recomendo que durante a realização de seu curso, você procure interagir com os textos, fazer anotações, responder às atividades de autoestudo, participar ativamente dos fóruns, ver as indicações de leitura e realizar novas pesquisas sobre os assuntos tratados, pois tais atividades lhe possibilitarão organizar o seu processo educativo e, assim, superar os desafios na construção de conhecimentos. Para finalizar essa mensagem de boas-vindas, lhe estendo o convite para que caminhe conosco na Comunidade do Conhecimento e vivencie a oportunidade de constituir-se sujeito do seu processo de aprendizagem e membro de uma comunidade mais universal e igualitária. Um grande abraço e ótimos momentos de construção de aprendizagem! Professora Gislene Miotto Catolino Raymundo Coordenadora Pedagógica do NEAD- CESUMAR 6 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

7 APRESENTAÇÃO Livro: PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Professora Me. Thays Josyane Perassoli Boiko Olá, caro(a) aluno(a)! Seja bem-vindo(a) à disciplina Produção e Sistemas Agroindustriais. Sou a Professora Me. Thays J. Perassoli Boiko, Engenheira de Produção Agroindustrial e Mestre em Engenharia de Produção, e é com muito prazer que te apresento o livro que fará parte desta disciplina. Neste livro, que preparei com muito carinho, apresento os principais conceitos e definições relacionados a Agronegócios e aos Sistemas Agroindustriais. Veremos as duas principais correntes metodológicas que norteiam os estudos e/ou a gestão dos Sistemas Agroindustriais, bem como quando, onde e quais contextos surgiram. Veremos também quais os níveis de análise em estudos e/ou em Gestão de Sistemas Agroindustriais, os agentes que os compõem e como se dá a coordenação desses Sistemas. Você irá perceber que dependendo dos propósitos do(a) pesquisador(a) e/ou do gestor(a) em Agronegócio, um nível de análise é considerado. É muito provável que você, querido(a) aluno(a), se identifique como um dos agentes que compõem os Sistemas Agroindustriais. A dinâmica de relacionamento entre os diversos agentes que compõem os Sistemas Agroindustriais determina a dinâmica de funcionamento desses Sistemas. Como os Sistemas Agroindustriais estão inseridos em mercados cada vez mais competitivos, complexos, dinâmicos e globalizados, é frequente que mudanças tecnológicas, de legislação, das exigências dos consumidores e de concorrência ocorram. Essas mudanças alteram a dinâmica de relacionamento entre os agentes e isto exige que os Sistemas Agroindustriais sejam constantemente coordenados, por parte de seus pesquisadores e/ou gestores, para garantir sua organização, eficiência, produtividade, qualidade, eficácia na agregação de valor e, consequentemente, sua competitividade. Um dos níveis de análise em estudos e/ou em Gestão de Sistemas Agroindustriais é o de Cadeias de Produção Agroindustrial, que tem seu conceito associado a um produto final ou família/linha de produtos finais, por isso este nível de análise é bastante usado. Veremos como este termo passou a ser utilizado no Brasil, suas principais definições e aplicações, os mercados tipicamente identificados em uma Cadeia de Produção Agroindustrial, seus setores, seus ambientes institucional, organizacional e empresarial e os aspectos das Cadeias de Produção Agroindustrial, aspectos esses que afetam a coordenação dos Sistemas Agroindustriais. Por fim, iremos discutir a competitividade nos Sistemas Agroindustriais. Inicio esta discussão apresentando as definições de competitividade e concorrência. Em seguida, veremos que a competitividade do Agronegócio brasileiro se dá nos mercados interno e externo e quais os pontos que mais afetam esta competitividade. Depois, apresento a você as estratégicas competitivas utilizadas no Agronegócio, quais são as capacidades competitivas em Sistemas Agroindustriais, a importância da agregação de valor aos produtos das cadeias de produção agroindustrial, os setores de apoio às cadeias de produção PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 7

8 agroindustrial e finalizo discutindo os principais aspectos dos custos de transação e das relações contratuais no Agronegócio. Assim, este livro está dividido em três unidades. Na primeira, trato de Sistemas Agroindustriais, na segunda, de Cadeias de Produção Agroindustrial e, na última, de Competitividade nos Sistemas Agroindustriais. Meu objetivo ao escrever este livro não foi adotar conceitos e definições, mas sim mostrar os pontos de vista dos principais autores utilizados no Brasil, exemplos e aplicações, de tal maneira que você, aluno(a) do Curso de MBA em Agronegócios, se sinta capacitado(a) a utilizar esses conceitos e definições de maneira prática em seu dia a dia profissional. Tive como objetivo também, fazer você pensar sobre a complexidade e a competitividade nos Sistemas Agroindustriais e como coordenar e competir nestes Sistemas. Para iniciar nossos estudos, quero apresentar sites que são ricas fontes de pesquisa sobre Agronegócio e Sistemas Agroindustriais e que provavelmente vão ajudar muito você, em suas atividades profissionais. Esses sites são: AGRONLINE - <http://www.agronline.com.br>: apresenta artigos científicos, links, reportagens, divulgação de eventos e softwares relacionados à agropecuária. AGROSOFT Brasil <http://www.agrosoft.org.br/>: disponibiliza o Jornal Agrosoft, publicação gratuita diária sobre tecnologia, economia e política do agronegócio. CANAL DO PRODUTOR - <http://www.canaldoprodutor.com.br>: site da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) que apresenta notícias, vídeos, artigos, áudios, guias, legislação e serviços, referentes à produção animal, vegetal e temas específicos. CEPEA-ESALQ/USP (CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA - ESALQ/ USP) - <http://www.cepea.esalq.usp.br/>: site do CEPEA-ESALQ/USP, com divulgação dos indicadores, análises, estudos e pesquisas, realizados pelo Centro em relação ao agronegócio. EMBRAPA (EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA) - <http://www.embrapa.br/>: site da EMBRAPA em que é possível acessar informações, notícias, divulgação de cursos, eventos e programas, a Livraria Embrapa e publicações em geral da EMBRAPA. GEPAI (GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS AGROINDUSTRIAIS UFSCar) - <http://www.gepai.dep.ufscar.br/>: site do GEPAI em que é possível acessar as publicações do Grupo. IBGE (INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E ESTATÍSTICA) - <http://www.ibge.gov.br>: site do IBGE em que é possível acessar os indicadores e estatísticas, inclusive referentes ao Agronegócio (Agropecuária e Agroindústria). MAPA (MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO) - <http://www.agricultura.gov.br/>: site do MAPA em que é possível acessar a legislação e políticas referentes à agricultura, pecuária e abastecimento. PENSA FEA/USP (CENTRO DE CONHECIMENTO EM AGRONEGÓCIOS FEA/USP) - <http://www.pensa.org.br/pensa.aspx>: site do PENSA em que é possível acessar as publicações do Grupo. 8 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

9 SOBER (SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO DE SOCIOLOGIA RURAL) - <http://www.sober.org.br/>: em que é possível acessar os Anais do Congresso da SOBER. Bem, agora vamos iniciar nossos estudos! Espero contribuir para o seu conhecimento! PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 9

10

11 SUMÁRIO UNIDADE I SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS DEFINIÇÕES DE AGRONEGÓCIO 16 DEFINIÇÕES E CORRENTES METODOLÓGICAS DE SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS 17 NÍVEIS DE ANÁLISE EM ESTUDOS E/OU EM GESTÃO DE SISTEMAS AGROINDUTRIAIS 19 OS AGENTES QUE COMPÕEM OS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS 23 PRODUÇÃO PRIMÁRIA 24 AGROINDÚSTRIAS 25 DISTRIBUIÇÃO AGRÍCOLA E AGROALIMENTAR 26 COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS 27 DINÂMICA DE COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS E MECANISMOS DE GOVERNANÇA 29 UNIDADE II CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL O INÍCIO DA UTILIZAÇÃO DO TERMO CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL NO BRASIL UM BREVE HISTÓRICO 37 CONCEITUAÇÃO E DEFINIÇÕES DE CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL 37 APLICAÇÕES DO CONCEITO DE CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL 39 MERCADOS TÍPICOS IDENTIFICADOS EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL 41 SETORES DAS CADEIAS DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL 41 AMBIENTES DAS CADEIAS DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAIS 42 ASPECTOS DAS CADEIAS DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAIS 43

12 UNIDADE III COMPETITIVIDADE NOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS DEFINIÇÃO DE COMPETITIVIDADE E DE CONCORRÊNCIA 56 COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO, NOS MERCADOS INTERNO E EXTERNO 56 ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS UTILIZADAS NO AGRONEGÓCIO 57 BLOCOS DE CAPACIDADES COMPETITIVAS EM SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS 58 AGREGAÇÃO DE VALOR AOS PRODUTOS DAS CADEIAS DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAIS 59 SETORES DE APOIO ÀS CADEIAS DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL 60 CUSTOS DE TRANSAÇÃO NO AGRONEGÓCIO 64 RELAÇÕES CONTRATUAIS NO AGRONEGÓCIO 65 CONCLUSÕES 71 REFERÊNCIAS 72

13 UNIDADE I SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Professora Me. Thays Josyane Perassoli Boiko Objetivos de Aprendizagem Discutir as duas principais correntes metodológicas que definem os estudos dos Sistemas Agroindustriais: as noções de commodity system approach (CSA) e agribusiness e de analyse de filière (ou cadeias de produção). Apresentar as definições de: agronegócio, sistemas agroindustriais, commodity, cadeia de produção agroindustrial e complexo agroindustrial. Apresentar os níveis de análise em estudos e/ou gestão dos Sistemas Agroindustriais. Estudar os agentes que compõem os Sistemas Agroindustriais. Analisar a dinâmica de coordenação dos Sistemas Agroindustriais. Plano de Estudo A seguir, apresentam-se os tópicos que você estudará nesta unidade: Definições de Agronegócio Definições e Correntes Metodológicas de Sistemas Agroindustriais Níveis de Análise em Estudos e/ou Em Gestão de Sistemas Agroindustriais Os Agentes que compõem os Sistemas Agroindustriais Produção Primária Agroindústrias Distribuição Agrícola e Agroalimentar O Varejo O Atacado Coordenação dos Sistemas Agroindustriais A Importância da Coordenação dos Sistemas Agroindustriais Definições de Coordenação dos Sistemas Agroindustriais Dinâmica de Coordenação dos Sistemas Agroindustriais e Mecanismos de Governança

14

15 INTRODUÇÃO Estamos começando nosso estudo e, inicialmente, é preciso que você entenda, estude e compreenda as definições relacionadas aos Sistemas Agroindustriais, as correntes metodológicas utilizadas e os níveis de análise em estudos e/ou gestão dos Sistemas Agroindustriais. Neste contexto, são abordados os seguintes conceitos e definições: agronegócio, commodity, sistemas agroindustriais, cadeia de produção agroindustrial e complexo agroindustrial. Exemplos destes conceitos e definições são apresentados, bem como um breve relato da evolução histórica do conceito de Sistemas Agroindustriais. Em seguida, o foco de estudo concentra-se nos agentes dos Sistemas Agroindustriais e, por fim, na dinâmica de coordenação dos Sistemas Agroindustriais, envolvendo estes agentes. O conteúdo apresentando nesta unidade servirá de base para o entendimento das unidades seguintes. Bom estudo! DEFINIÇÕES DE AGRONEGÓCIO Na literatura encontram-se muitas definições de Agronegócio (em inglês Agribusiness), tais como: i) O Agronegócio é um conjunto, entendido como um sistema composto de operações e processos de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização de insumos e produtos agropecuários e agroflorestais, incluindo instituições ligadas pelos objetivos comuns de suprir o consumidor final de produtos de origem agropecuária e agroflorestal (CASTRO, 2000). ii) O Agronegócio é um conjunto de empresas que produzem insumos agrícolas, as propriedades rurais, as empresas de processamento e toda a distribuição (CALLADO, 2006). De acordo com essas definições e conforme afirmam Batalha e Souza Filho (apud BATALHA; SOUZA FILHO, 2009), o Agronegócio compreende as atividades e empresas agropecuárias e agroflorestais e aquelas ligadas aos insumos agropecuários e agroflorestais (defensivos animais e vegetais, adubos, máquinas, equipamentos etc.), à agroindústria de processamento e aos sistemas de distribuição. Desta forma, é possível perceber que o Agronegócio engloba, como detalham Araújo, Wedekin e Pinazza (1990), todos os envolvidos na geração e no fluxo dos produtos agropecuários e agroflorestais até o consumidor final. Sendo esses envolvidos: i) os fornecedores de bens e serviços à agricultura, pecuária e atividades agroflorestais; ii) os produtores agrícolas, pecuários e agroflorestais; PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 15

16 iii) os processadores; iv) transformadores; v) distribuidores. Araújo, Wedekin e Pinazza (1990) complementam dizendo que também participam do Agronegócio os agentes que afetam e coordenam o fluxo dos produtos, tais como: i) o governo; ii) os mercados; iii) as entidades comerciais; iv) as entidades financeiras; v) as entidades de serviços. Na definição de Castro (2000), você pode perceber que o Agronegócio é entendido como um sistema, formado por sistemas menores ou subsistemas, os chamados Sistemas Agroindustriais. DEFINIÇÕES E CORRENTES METODOLÓGICAS DE SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Os estudos e/ou gestão dos Sistemas Agroindustriais seguem duas principais correntes metodológicas, que surgiram em tempos, locais e contextos diferentes, segundo Zylbersztajn (apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000) e Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001): i. Agribusiness e Commodity System Approach (CSA, do inglês para o português, Enfoque de Sistema de Commodities). ii. Analyse de Filière (do francês para o português, Cadeias de Produção). Estas duas correntes metodológicas, também entendidas como enfoques teóricos, Zylbersztajn (apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000) e vertentes metodológicas Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001) representam uma evolução histórica do conceito de Sistemas Agroindustriais Zylbersztajn (apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000). Além disso, estas duas correntes metodológicas são utilizadas para [...] fundamentar as discussões sobre a utilização de novas ferramentas gerenciais e conceituais aplicadas ao entendimento da dinâmica de funcionamento e a busca da eficiência [...] (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, não paginado). A primeira corrente teve origem nos Estados Unidos, na Universidade de Harvard, nos trabalhos de Davis e Goldberg, com a criação do conceito de agribusiness, tendo como foco inicial uma análise histórica e evolutiva do caso particular do agribusiness americano e depois no trabalho de Goldberg com a primeira 16 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

17 utilização de Commodity System Approach. Durante os anos de 1960, na França, foi desenvolvido o conceito de Analyse de Filière. O conceito, que inicialmente não foi desenvolvido para estudar as questões agroindustriais, teve entre os economistas agrícolas e pesquisadores dos setores rurais e agroindustriais seus principais defensores. No Quadro 1 apresenta-se um resumo da origem e dos conceitos principais destas duas correntes metodológicas. Quadro 1- Principais Correntes metodológicas em estudos e/ou gestão de Sistemas Agroindustriais RESUMO AGRIBUSINESS E COMMODITY SYSTEM APPROACH (CSA) Correntes Metodológicas ANALYSE DE FILIÈRE (OU CA- DEIAS DE PRODUÇÃO) Origem EUA Universidade de Harvard França Escola Industrial Francesa Autores/Ano x Conceito i) Davis; Goldberg (1957) conceito de agribusiness; ii) Goldberg (1968) CSA. Foco Inicial do Estudo i) Davis; Goldberg (1957) caso particular do agribusiness americano; ii) Goldberg (1968) estudo do comportamento dos sistemas de produção de laranja, trigo e soja nos EUA. Ponto de Partida da Análise Matéria-prima de base e uma limitação geográfica Anos 1960 diferentes definições de Cadeias de Produção Problemática industrial Produto agroindustrial final Fonte: Elaborado a partir de Zylbersztajn (apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000) e Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001) Estas duas correntes metodológicas apresentam muitas semelhanças, como apresentam Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001): i. Ambas, para estudar a lógica de funcionamento do Sistema Agroindustrial, realizam cortes verticais no sistema econômico, ou a partir de determinado produto final, ou a partir de uma matéria-prima de base. ii. iii. iv. Ambas deixam a divisão do sistema em três setores: agricultura, indústria e serviços. Ambas veem a agricultura dentro de um sistema mais amplo que é composto também pelos produtores de insumos, pelas agroindústrias e pela distribuição/comercialização. Ambas utilizam, em suas análises, a noção de etapas sucessivas de produção, desde a produção de insumos até o produto acabado. PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 17

18 v. Ambas consideram o Sistema Agroindustrial como dinâmico. vi. Ambas, em suas análises fazem prospecções. vii. Ambas analisam o Sistema Agroindustrial de um ponto de vista sistêmico. A principal diferença entre as duas correntes metodológicas reside na importância dada ao consumidor final como agente dinamizador [...] (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p. 36): i) Na corrente Agribusiness e Commodity System Approach, o ponto de partida para a análise é, normalmente, uma matéria-prima de base. ii) Na corrente Analyse de Filière, o ponto de partida para a análise é sempre um produto acabado, ou seja, o mercado final, em direção à matéria-prima de base que lhe deu origem. No trabalho realizado por Davis e Goldberg (1957), agribusiness era assim definido: a soma das operações de produção e distribuição de suprimentos agrícolas, das operações de produção nas unidades agrícolas, do armazenamento, processamento e distribuição dos produtos agrícolas e itens produzidos a partir deles (DAVIS; GOLDBERG, 1957 apud BATALHA); (SILVA apud BATALHA, 2001, p. 27). Do trabalho de Goldberg (1968), o termo commodity é atualmente utilizado para se referir aos produtos de origem primária, ou seja, em estado bruto, ou com baixo grau de industrialização que são produzidos em grandes volumes por uma diversidade de produtores e que podem ser estocados por um determinado período sem perda de qualidade. O café, o trigo, a soja, são exemplos de commodities agrícolas. A água, o ouro e o petróleo são exemplos de commodities não agrícolas. Embora Filière (ou Cadeias de Produção) sejam divergentes em vários aspectos, existem dois pontos comuns entre elas (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000); (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001): i) [...] a percepção de que as relações verticais de produção ao longo das cadeias produtivas devem servir de balizador para a formulação de estratégias empresariais e políticas públicas (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p. 2). ii) focalização dos Sistemas Agroindustriais sob ótica sistêmica. A partir destes dois pontos comuns, um Sistema Agroindustrial pode ser definido como... o conjunto de atividades que concorrem para a produção de produtos agroindustriais, desde a produção dos insumos (sementes, adubos, máquinas agrícolas etc.) até a chegada do produto final (queijo, biscoitos, massas etc.) ao consumidor. Ele não está associado a nenhuma matéria-prima agropecuária ou produto final específico (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p. 30). O Sistema Agroindustrial, quando assim definido, apresenta-se como de pouca utilidade como ferramenta de gestão e de apoio à tomada de decisão, como bem afirmam Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001). 18 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

19 Assim, é necessário estabelecer o nível de análise em estudos e/ou em gestão de Sistemas Agroindustriais. NÍVEIS DE ANÁLISE EM ESTUDOS E/OU EM GESTÃO DE SISTEMAS AGROINDUTRIAIS Em estudos e/ou em gestão de Sistemas Agroindustriais, deve ser estabelecido um nível de análise, ou dimensão. Três níveis de análise são apresentados por Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001). Estes níveis estão resumidos no Quadro 2. Quadro 2- Níveis de análise em estudos e/ou em gestão de Sistemas Agroindustriais NÍVEL DE ANÁLISE Complexo Agroindustrial Cadeia de Produção Agroindustrial Agronegócio PONTO DE PARTIDA PARA O CONCEITO ou OB- JETO DO PESQUISADOR E/OU GESTOR DE SIS- TEMAS AGROINDUSTRIAIS Uma matéria-prima de base Um produto final ou uma família/linha de produtos finais Um complemento delimitador: i) uma limitação geográfica; ii) uma matéria-prima de base, e/ou; iii) um produto final ou uma família/linha de produtos finais; Fonte: Elaborado a partir de Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001) Como você pôde visualizar no Quadro 2, o estabelecimento do nível de análise em estudos e/ou em gestão de Sistemas Agroindustriais depende do objeto do pesquisador e/ou gestor. O ponto de partida para o conceito de Complexo Agroindustrial é uma matéria-prima de base. Ou seja, se o pesquisador e/ou o gestor de Sistemas Agroindustriais tiver como objeto de pesquisa e/ou de gestão uma matéria-prima específica, a análise se dará em termos do complexo agroindustrial desta matéria- -prima. Assim, pode-se falar em complexo agroindustrial da soja, do leite, do milho e do café, por exemplo. Pode-se definir Complexo Agroindustrial como um conjunto de cadeias de produção agroindustriais, com cada uma delas tendo seu conceito associado a um produto final ou família/linha de produtos finais (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001). No caso, por exemplo, do complexo agroindustrial do leite, podem ser identificadas a cadeia de produção do leite UHT, do requeijão, do iogurte, da margarina entre outros. O ponto de partida para o conceito de Cadeia de Produção Agroindustrial é um produto final ou família/ PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 19

20 linha de produtos finais. Logo, se o pesquisador e/ou o gestor de Sistemas Agroindustriais tiver como objeto de pesquisa e/ou de gestão um produto final ou família/linha de produtos finais, a análise se dará em termos da cadeia de produção agroindustrial deste. Cadeia de Produção Agroindustrial pode ser definida, a partir da definição de Cadeia de Produção de Parent (1979 apud BATALHA; SILVA, 2001, p. 41), como a soma de todas as operações de produção e de comercialização que foram necessárias para passar de uma ou várias matérias-primas agroindustriais de base a um produto agroindustrial final. Pode-se citar como exemplos, a cadeia de produção agroindustrial dos cortes de carne bovina, da farinha de trigo, dos molhos de tomate. No caso do conceito de Agronegócio, quando transcrito para o português, deve apresentar um ou dois complementos delimitadores, dependendo do(s) foco(s) de estudo e/ou gestão. Assim, o conceito pode partir de uma limitação geográfica, de uma matéria-prima de base e/ou de um produto final ou uma família/linha de produtos finais. Por exemplo, se o foco de estudo e/ou gestão do Sistema Agroindustrial fosse o Brasil, ou o Estado do Paraná, a análise seria, então, do agronegócio brasileiro ou agronegócio paranaense. O complemento delimitador nestes casos são limitações geográficas. Fonte: shutterstock.com Já se o foco de estudo ou gestão fosse a soja ou o milho, por exemplo, a análise seria, então, do agronegócio da soja ou agronegócio do milho. Nestes casos, o complemento delimitador são matériasprimas de base. 20 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

21 Fonte: shutterstock.com Fonte: shutterstock.com Caso fosse, por exemplo, o etanol, ou a farinha de trigo, a análise seria do agronegócio do etanol ou agronegócio da farinha de trigo. Aqui o complemento delimitador são produtos finais. Fonte: shutterstock.com E, se os focos fossem, por exemplo, o leite e o Estado de Minas Gerais, a análise seria do agronegócio do leite em Minas Gerais. Neste caso, os complementos delimitadores são uma matéria-prima de base e a limitação geográfica. PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 21

22 Fonte: shutterstock.com Como você pôde perceber, estes diferentes níveis de análise em estudos e/ou em gestão de Sistemas Agroindustriais, embora tratem do mesmo problema, [...] representam espaços de análise diferentes e prestam-se a diferentes objetivos. (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p. 32). OS AGENTES QUE COMPÕEM OS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Os agentes, como denomina Zylbersztajn (apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000), ou atores, como denominam Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001), que compõem os Sistemas Agroindustriais podem ser separados em seis conjuntos: i) produção primária: formada pelos agentes atuantes na geração de matéria-prima para as agroindústrias, sendo subdividida nos seguintes setores e respectivos agentes (normalmente denominados produtores ): a) agricultura, cujo agente é denominado agricultor (ou produtor rural ou lavrador); b) pecuária bovinocultura (criação de bois de corte e/ou de leite), suinocultura (criação de suínos), ovinocultura (criação de ovelhas de corte, leite e/ou extração de lã), caprinocultura (criação de cabras), ranicultura (criação de rãs), avicultura (criação de aves de corte e/ou ovos), apicultura (criação de abelhas), sericultura (criação de bicho da seda) - cujo agente é denominado pecuarista. Como existem diversos tipos de gados, os diferentes pecuaristas recebem diversas denominações, como bovinocultor (quem exerce a bovinocultura), suinocultor (quem exerce a suinocultura), avicultor (quem exerce a avicultura), por exemplo; c) pesca, cujo agente é denominado pescador; d) piscicultura (criação de peixes), cujo agente é denominado piscicultor; 22 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

23 e) extrativismo florestal coleta de frutos, sementes, cascas, raízes e plantas da mata, derrubada de árvores para obtenção de madeira e celulose, extração de palmito, retirada do látex da seringueira - cujo agente é denominado extrativista. ii) agroindústrias formadas pelos agentes que atuam na transformação dos produtos da produção primária, naturais ou manufaturados, para a sua utilização intermediária ou final (LAUSCHNER, 1995): a) indústrias alimentares e de bebidas; b) indústrias não alimentares: exploração florestal, indústrias de fumo, couros e peles (roupas, sapatos, objetos em geral), têxtil, móveis, papel e papelão, biodiesel, óleos não comestíveis. iii) distribuição agrícola e agroalimentar: formada pelos agentes que possuem por função distribuir os produtos dos Sistemas Agroindustriais, assim subdivididos: a) varejo, tanto de venda física quanto digital: formado por grandes cadeias transnacionais, cadeias nacionais e locais de distribuição; b) atacado, tanto de venda física quanto digital; c) restaurantes, bares; d) hotéis etc. iv) comércio internacional. v) consumidor: ponto final para onde converge o fluxo dos produtos do Sistema Agroindustrial. vi) indústrias e serviços de apoio: formados pelos agentes que fornecem produtos e serviços que apoiam a produção primária, as agroindústrias e/ou a distribuição: a) transporte; b) combustíveis; c) indústria química; c) indústria mecânica; d) indústria eletrodoméstica; e) embalagens; f) outros serviços. Alguns destes agentes merecem ser detalhadamente analisados, tendo algumas de suas características identificadas e tratadas, pois a análise dos Sistemas Agroindustriais [...] passa necessariamente pelo PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 23

24 estudo e identificação dos agentes que o compõem (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p.16). PRODUÇÃO PRIMÁRIA A produção primária, composta pela agricultura, pecuária, pesca, piscicultura e extrativismo florestal, representa um dos elos com mais conflitos nos agronegócios e de crescente complexidade (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p.19). Alguns motivos apresentados por Zylbersztajn (apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000), podem justificar os conflitos e a complexidade dos agentes que atuam na produção primária: i) estes agentes estão distantes do consumidor final; ii) possuem informações assimétricas; iii) são, normalmente, dispersos geograficamente; iv) são, normalmente, bastante heterogêneos. A heterogeneidade dos agentes da produção primária se dá, principalmente, porque estes podem ser divididos em dois tipos, conforme a extensão de terra em que produzem e os recursos financeiros que dispõem: i) minifundiários: produtores que contam com áreas pequenas de terra e poucos recursos financeiros são os micros e pequenos produtores, normalmente dedicados à agricultura familiar; ii) latifundiários: produtores proprietários ou arrendatários de grandes extensões de terra e muitos recursos financeiros. A complexidade da produção primária faz com que os seus agentes tenham que lidar com aspectos técnicos, mercadológicos, de recursos humanos e recursos ambientais. AGROINDÚSTRIAS As agroindústrias compostas pelas indústrias alimentares e de bebidas pelas indústrias não alimentares, trata-se de um conjunto de atividades exercidas por empresas de portes variados, desde empresas familiares até grandes conglomerados internacionais [...] (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p. 18). Segundo Araújo (2005), essas atividades correspondem às etapas de beneficiamento, processamento e transformação dos produtos da produção primária, naturais ou manufaturados, até a embalagem, prontos para a comercialização, para a sua utilização intermediária ou final (LAUSCHNER, 1995). 24 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

25 Estes agentes podem ser classificados nos seguintes tipos (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000) e (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001): i) agroindústrias de primeira transformação: que adicionam atributos ao produto, sem transformá-lo; ii) agroindústrias de segunda transformação: quando o produto sofre uma transformação física; iii) agroindústrias de terceira transformação. Para exemplificarmos agroindústrias de primeira, segunda e terceira transformação, tomemos, por exemplo, o Sistema Agroindustrial de Frutas. A extração da polpa e do suco concentrado, assim como o processamento mínimo desta fruta - lavagem, processamento (descasque, corte, fatiamento), sanitização, embalagem entre outros, a depender do produto, conforme Oliveira, Srur e Vacari (2003), são exemplos de agroindústrias de primeira transformação. A produção de sucos prontos para consumo, doces, geleias e frutas em compota ou em calda, são exemplos de agroindústrias de segunda transformação. Já como exemplos de agroindústrias de terceira transformação, podem-se citar os bolos recheados com doces, geleias e frutas em compota ou em calda. DISTRIBUIÇÃO AGRÍCOLA E AGROALIMENTAR A distribuição agrícola e agroalimentar [...] passou a ser altamente especializada e realizada por agentes com diferentes características (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p. 17), que podem ser subdivididos em: varejo; atacado, restaurantes, bares e hotéis. No caso da ligação entre a agroindústria e o consumidor final, têm-se tanto as grandes cadeias transnacionais, quanto cadeias nacionais e locais de distribuição. Além disso, esta distribuição ocorre tanto por meio da venda física quanto da digital. Entre os agentes da distribuição agroalimentar, merecem destaque o varejo e o atacado. O Varejo O varejo agroalimentar é formado por diversos agentes e caracterizado por intensa competição entre as empresas. Pode-se citar como exemplos desses agentes os hipermercados, supermercados, padarias, panificadoras, mercearias, açougues, adegas, feiras do produtor, empórios, lojas de conveniência e postos de combustível entre outros. A importância do varejo no Sistema Agroindustrial reside no fato de que este agente tem grande contato PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 25

26 com o consumidor final, o que [...] permite ao agente especializado ter grande poder de coordenação do Sistema Agroindustrial, seja por exercer poder de barganha, seja por ter acesso privilegiado às informações a respeito das preferências dos consumidores (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p. 17). O Atacado A função do atacado na distribuição agroalimentar é concentrar os produtos e permitir que os agentes varejistas se abasteçam, por isso são entendidos como centrais de distribuição ou plataformas centrais de distribuição (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p. 18). Estas centrais de distribuição podem ser tanto públicas quanto privadas. Quanto à variedade de produtos que distribuem, podem classificar-se em: centrais de distribuição multiprodutos; centrais de distribuição especializada em produtos (também denominada mercados alternativos especializados em produtos específicos). Nos últimos anos, o agente atacadista tem sofrido algumas transformações (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p. 18): muitas cadeias varejistas passaram a ter sua própria central de distribuição; surgiram muitas centrais de distribuição especializadas em produtos; cresceu a formação de contratos entre os supermercados e os agentes da produção primária, em especial de produtos frescos; cresceu o número de contratos entre as agroindustriais e o varejo. Estas duas últimas mudanças indicam uma diminuição do atacado na distribuição agroalimentar, enquanto que a primeira mudança indica uma redução das centrais públicas. Quanto às centrais de distribuição especializada em produtos, essas passam a ter maior eficiência quando comparadas com as centrais de distribuição multiprodutos. A dinâmica de relacionamento entre os diversos agentes que compõem os Sistemas Agroindustriais determina a dinâmica de funcionamento desses Sistemas. Na medida em que as relações entre os agentes que compõem os Sistemas Agroindustriais mudam, seja por intervenções externas, seja por mudanças tecnológicas, de legislação, por exigências dos consumidores ou devido à concorrência, os Sistemas Agroindustriais mudam. As mudanças constantes nos Sistemas Agroindustriais exigem que estes sejam constantemente coordenados, por parte de seus pesquisadores e/ou gestores, para garantir sua organização, eficiência, produtividade, qualidade, eficácia 26 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

27 na agregação de valor e, consequentemente, sua competitividade. COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS IMPORTÂNCIA DA COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS O consumidor é o ponto para onde convergem os produtos dos Sistemas Agroindustriais. Esse adquire os produtos finais para atender suas necessidades, [...] que variam de acordo com a renda, preferências, faixa etária e expectativa entre outros aspectos [...] (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000, p. 16). Os consumidores têm apresentando algumas mudanças nos seus hábitos e padrões de consumo nos últimos anos, tais como as apontadas por Zylbersztajn (apud ZYLBERSZTAJN; NEVES 2000): globalização dos hábitos e padrões de consumo; preocupação com qualidade e aspectos de saúde; valorização do tempo; preocupação ambiental, tanto com a embalagem do produto quanto com sua tecnologia de produção; preocupação com criação e abate de animais; preocupação com padrões de produção socialmente equilibrados. Assim, qualidade, aspectos de saúde, questões ambientais, de tecnologia, de criação e abate animal, trabalho infantil e questões de responsabilidade social passam a fazer parte do processo de compra por parte do consumidor. As mudanças nos hábitos e padrões de consumo fazem com que os atributos que os consumidores valorizam nos produtos, para decidir a comprar, se alterem. Essas mudanças também levam a uma maior exigência por informação por parte do consumidor. Isto tudo, aliado ao fato de que os consumidores normalmente estão distantes da etapa de produção, demanda grande coordenação entre os agentes dos Sistemas Agroindustriais e o estabelecimento de relações bastante complexas entre eles (ZYLBERSZTAJN apud ZYLBERSZTAJN; NEVES, 2000). A coordenação dos agentes dos Sistemas Agroindustriais está diretamente relacionada à competitividade dos Sistemas, pois permite receber, processar, difundir e utilizar informações sobre o Sistema e seus agentes, de modo a definir e viabilizar estratégias competitivas, reagir a mudanças no meio ambiente e aproveitar oportunidades de mercado (CORRÊA; SILVA, 2006). Assim, a coordenação tem maior importância em Sistemas Agroindustriais inseridos em mercados PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 27

28 internacionais ou expostos a constantes pressões por parte dos consumidores. DEFINIÇÕES DE COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Quando o nível de análise dos Sistemas Agroindustriais se der em termos de Cadeias de Produção Agroindustriais, a coordenação do Sistema Agroindustrial (ou coordenação da Cadeia de Produção Agroindustrial) pode ser entendida como: i) [...] um processo dinâmico para promover explicitação de normas de relacionamentos vigentes (CORRÊA; SILVA, 2006, não paginado); ii) a habilidade de transmitir estímulos, informações e controles ao longo de um Sistema Agroindustrial (ZYLBERSZTAJN; FARINA, 1999). A partir destas definições, é possível perceber que a eficácia em promover as normas dos relacionamentos entre os agentes e em transmitir este fluxo de estímulos, informações e controles garante a harmonia entre os agentes envolvidos, ou seja, garante a eficácia da coordenação. DINÂMICA DE COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS E MECANISMOS DE GOVERNANÇA Os mecanismos de coordenação dos Sistemas Agroindustriais, como afirmam Corrêa e Silva (2006), são usados por todos os agentes da Cadeia para definir suas estratégias competitivas, podendo ser usados também para sustentar cooperações interorganizacionais. O processo de coordenação pode ser alcançado pela aplicação de mecanismos de governança, usados nas interações entre todos os agentes de um Sistema Agroindustrial (CORRÊA; SILVA, 2006). Os mecanismos de governança são utilizados para regular as transações entre os agentes e têm por função os custos de transação (assunto que iremos ver detalhadamente na unidade III do nosso Livro) (AZEVEDO, 1999). Os mecanismos de governança podem ser divididos em cinco categorias, adaptadas das categorias de coordenação vertical propostas por Peterson e Wysocki (1997): i) relações mercado spot mercado em que a realização de transações multilaterais se dá por meio de leilão eletrônico de contratos padronizados de curto prazo, para compra e venda de produtos e de capacidade de transportes destes produtos; ii) relações contratuais, de curto, médio e longo prazos; iii) alianças estratégicas; 28 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

29 iv) cooperação formal; v) integração vertical. Para Peterson e Wysocki (1997), a adoção de um mecanismo ou outro depende: dos interesses dos agentes; das características de curto ou longo prazo das relações entre os agentes envolvidos; do comportamento oportunístico ou divisão de benefícios; da disponibilidade de informações; da flexibilidade versus estabilidade econômica dos agentes, e/ou; da independência versus interdependência entre os diferentes agentes dos Sistemas Agroindustriais, quanto as suas necessidades de recursos. Quanto mais bem definida for a Coordenação dos Sistemas Agroindustriais, mais organizados, eficientes, produtivos e de qualidade os Sistemas serão. CONSIDERAÇÕES FINAIS Encerramos esta unidade, que teve como um dos seus objetivos apresentar as definições utilizadas em estudos e/ou na gestão dos Sistemas Agroindustriais. No Quadro 3, por mim elaborado, relembramos essas definições. PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 29

30 Quadro 3 - Definições utilizadas em estudos e/ou gestão dos Sistemas Agroindustriais Termos Autores Definição AGRONEGÓCIO Castro (2000) Callado (2006) Davis e Goldberg (1957 apud BATA- LHA; SILVA, 2001, p. 27). COMMODITY Goldberg (1968) SISTEMA AGROINDUS- TRIAL (SA) COMPLEXO AGROINDUS- TRIAL CADEIA DE PRO- DUÇÃO AGROIN- DUSTRIAL (CPA) COORDENAÇÃO DO SA (ou DA CPA) Fonte: elaborado pelo autor Batalha e Silva (apud BATALHA 2001, p.30) Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001) Parent (1979, apud BATALHA; SILVA, 2001, p. 41) Corrêa; Silva (2006) Zylbersztajn; Farina (1999) Um conjunto, entendido como um sistema composto de operações e processos de produção, processamento, armazenamento, distribuição e comercialização de insumos e produtos agropecuários e agroflorestais, incluindo instituições ligadas pelos objetivos comuns de suprir o consumidor final de produtos de origem agropecuária e agroflorestal. Um conjunto de empresas que produzem insumos agrícolas, as propriedades rurais, as empresas de processamento e toda a distribuição. a soma das operações de produção e distribuição de suprimentos agrícolas, das operações de produção nas unidades agrícolas, do armazenamento, processamento e distribuição dos produtos agrícolas e itens produzidos a partir deles. Os produtos de origem primária, ou seja, em estado bruto, ou com baixo grau de industrialização que são produzidos em grandes volumes por uma diversidade de produtores e que podem ser estocados por um determinado período sem perda de qualidade. [...] o conjunto de atividades que concorrem para a produção de produtos agroindustriais, desde a produção dos insumos (sementes, adubos, máquinas agrícolas etc.) até a chegada do produto final (queijo, biscoitos, massas etc.) ao consumidor. Um conjunto de cadeias de produção agroindustriais, cada uma delas tendo seu conceito associado a um produto final ou família/linha de produtos finais. A soma de todas as operações de produção e de comercialização que foram necessárias para passar de uma ou várias matérias-primas agroindustriais de base a um produto agroindustrial final. [...] um processo dinâmico para promover explicitação de normas de relacionamentos vigentes, trazendo uma harmonia entre os agentes dos segmentos envolvidos [...] a habilidade de transmitir estímulos, informações e controles ao longo de um Sistema Agroindustrial. Estudamos, também, as correntes metodológicas utilizadas em estudos e/ou na gestão dos Sistemas Agroindustriais. Foi possível perceber que essas correntes metodológicas estabelecem as origens históricas dos estudos dos Sistemas Agroindustriais e remetem às definições e conceitos utilizados no dia a dia dos profissionais do Agronegócio. Nesta unidade, você pôde entender a dinâmica de coordenação dos Sistemas Agroindustriais e as relações entre os agentes envolvidos. Entender esta dinâmica e essas relações é extremamente importante para o 30 PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância

31 profissional do Agronegócio, pois possibilita analisar tendências em qualquer segmento do Agronegócio ou em qualquer Cadeia de Produção, tornando-o capaz de selecionar e aplicar as ferramentas empresariais mais adequadas à gestão do Agronegócio. Acesse o link: <http://www.youtube.com/watch?v=9pgtmdgvpee>, e veja que nesta reportagem é possível ver uma descrição do Sistema Agroindustrial do leite, em termos da Cadeia de Produção do leite. Nesta descrição, é possível identifi car vários agentes deste Sistema: produção primária pecuária bovinocultura do leite, do tipo agente minifundiário; agroindústria laticínio; distribuição agroalimentar panifi cadoras, supermercados e mercearias; consumidor. Também é possível identifi car na reportagem vários produtos derivados do Sistema Agroindustrial do leite, quando o nível de análise se dá em termos do Complexo Agroindustrial do Leite, além de aspectos técnicos da produção primária, como a ordenha. APLIcAÇÕES DA NOÇÃO DE cadeia DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL No Brasil, as aplicações recentes da noção de cadeia agroindustrial podem ser divididas, grosso modo, em dois grupos principais (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p.26). O primeiro deles reúne uma série de estudos situados no espaço analítico delimitado pelos contornos externos da cadeia produtiva (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p.26). Esses trabalhos buscam identifi car eventuais disfunções (comerciais, econômicas, tecnológicas, logísticas e legais etc.) que comprometam o funcionamento efi ciente da cadeia (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p.26). O segundo grupo: estudos sobre a coordenação e governança das Cadeias de Produção Agroindustrial Grande atenção tem sido dada aos mecanismos de coordenação da cadeia e sua estrutura de governança (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p.26). [...] Os principais resultados desses estudos têm sido a proposição de políticas públicas e privadas que teriam como objetivo aumentar o nível de competitividade do conjunto da cadeia produtiva (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p.26). NOÇÃO DE cadeia DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL como FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Uma faceta menos explorada na utilização da noção de cadeia produtiva é seu emprego como ferramenta de gestão empresarial das fi rmas agroindustriais (BATALHA; SILVA apud BATALHA, 2001, p.26). Nestas citações de Batalha e Silva (apud BATALHA, 2001, p. 26), os autores expõem que: no Brasil, a noção de Cadeia de Produção Agroindustrial e, consequentemente, de Sistemas Agroindustriais e Agronegócio, tem sido pouco usada como uma ferramenta de gestão empresarial das fi rmas agroindustriais. PRODUÇÃO E SISTEMAS AGROINDUSTRIAIS Educação a Distância 31

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Sistema Agroindustrial

Sistema Agroindustrial Sistema Agroindustrial......... Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES- Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Para o entendimento das

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol Agronegócios no Brasil Em 2010, o agronegócio foi responsável por 22,4% do PIB do País e em 2011 pode chegar a 24% ou 25% (MINISTÉRIO

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas

Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Desenvolvimento Rural e Cadeias Produtivas Larissa Bueno Ambrosini Carlos Alberto Oliveira de Oliveira Pesquisadores Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária Porto Alegre, 21 de novembro de 2012. O debate

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não

Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não Setor produtivo G01 - Alimentação/ Bebidas/ Massas. Contém 1120204 estabelecimentos. CNAE DESCRIÇÃO DO CNAE 0111-3/99 Cultivo de outros cereais não especificados anteriormente 0116-4/99 Cultivo de outras

Leia mais

Sistemas Agro Industriais. Prof. Vanderley de Oliveira

Sistemas Agro Industriais. Prof. Vanderley de Oliveira Sistemas Agro Industriais Prof. Vanderley de Oliveira 2011 SUMÁRIO 2 Introdução 4 Capítulo 1. Gerenciamento de sistemas agroindustriais: definicões e correntes metodológicas 1.1. Noções de commodity systema

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE VENDAS

ADMINISTRAÇÃO DE VENDAS ADMINISTRAÇÃO DE VENDAS Professor Me. Juliano Mario da Silva graduação ADMINISTRAÇÃO E PROCESSOS GERENCIAIS MARINGÁ-pr 2012 Reitor: Wilson de Matos Silva Vice-Reitor: Wilson de Matos Silva Filho Pró-Reitor

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO REITOR

APRESENTAÇÃO DO REITOR APRESENTAÇÃO DO REITOR Viver e trabalhar em uma sociedade global é um grande desafio para todos os cidadãos. A busca por tecnologia, informação, conhecimento de qualidade, novas habilidades para liderança

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho para Agrônomia. Prof. Antonio Domingos Padula 21/10/2011

Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho para Agrônomia. Prof. Antonio Domingos Padula 21/10/2011 Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Escola de Administração - EA Centro de Estudos e Pesquisas em Agronegócios - CEPAN Semana Acadêmica Faculdade de Agronomia Temática: Mercado de Trabalho

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE

MANUAL DO CANDIDATO. PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE MANUAL DO CANDIDATO PROCESSO SELETIVO 2013 Cursos Técnicos a Distância 2 SEMESTRE APRESENTAÇÃO Neste Manual, desenvolvido pela Comissão de Processo Seletivo (COPESE) do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Diretoria Executiva. Gestão 2010/2011

Diretoria Executiva. Gestão 2010/2011 Diretoria Executiva Gestão 2010/2011 Gestão 2010/2011 Diretoria Executiva Presidente Maurício Mendes - CEO da Informa Economics FNP Vice- Presidente Jacques Paciullo Neto Diretor Comercial da Rede Globo

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL E EXTENSÃO - DERE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL E EXTENSÃO - DERE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL E EXTENSÃO - DERE AGRONEGÓCIOS III CONCEITO DE AGRONEGÓCIOS 3.1 - Introdução

Leia mais

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil?

Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Por que o Agronegócio é o Negócio do Brasil? Prof. Samuel Ribeiro Giordano, Dr.Sc. Coordenador de Projetos do Pensa Programa de Agronegócios da Universidade de São Paulo-Brasil srgiorda@usp.br www.fia.com.br/pensa

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Facebook/Cearpa Sorriso

Facebook/Cearpa Sorriso Facebook/Cearpa Sorriso Facebook/Weider Santana @joelmaqueirozz Facebook/Cila Vilela Facebook/Gorette Rocha @inpev ENGAJAMENTO 29 ENGAJAMENTO G4-26 e DMA @eliandersonzte O inpev articula os elos da cadeia

Leia mais

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

LOGÍSTICA NO SETOR PÚBLICO GESTÃO PÚBLICA

LOGÍSTICA NO SETOR PÚBLICO GESTÃO PÚBLICA Professor Esp. Danilo José Assini Professor Esp. Fabio Oliveira Vaz Professor Esp. José Roberto Tiossi Junior Professor Esp. Julio Cesar Bueno Alves Professor Esp. Luis Fernando Otero LOGÍSTICA NO SETOR

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

3 Os atores: geradores e receptores da tecnologia

3 Os atores: geradores e receptores da tecnologia 3 Os atores: geradores e receptores da tecnologia Este capítulo pretende situar o leitor de forma breve sobre os dois atores estudados neste trabalho: a Embrapa como geradora e transferidora das tecnologias

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

ESTATÍSTICA APLICADA À EDUCAÇÃO

ESTATÍSTICA APLICADA À EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA APLICADA À EDUCAÇÃO Professora Dra. Sandra Maria Simonelli Professor Me. Pedro José Raymundo GRADUAÇÃO PEDAGOGIA MARINGÁ-PR 2012 Reitor: Wilson de Matos Silva Vice-Reitor: Wilson de Matos Silva

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

QUALIDADE VERDANA 2014

QUALIDADE VERDANA 2014 ano 2 MAIO 2014 EDIÇão 02 www.verdanaagropecuaria.com.br camapuã/ms INFORMATIVO Mais valor para você Editorial QUALIDADE VERDANA 2014 1 1 A QUALIDADE QUE FEZ A DIFERENÇA em 2013 ENCONTRO 2013 Vinte e seis

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO DAS MATÉRIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO MÉDIO

PRÁTICA DE ENSINO DAS MATÉRIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO MÉDIO ISBN 978-85-8084-340-8 PRÁTICA DE ENSINO DAS MATÉRIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO MÉDIO Professora Me. Maria Rosânia Mattiolli Ribeiro Professora Me. Maria Estela Gozzi GRADUAÇÃO PEDAGOGIA MARINGÁ-PR 2012 Reitor:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014/2018 CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA 1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA UNIDADE 2014/2018 APRESENTAÇÃO O Curso de Engenharia Industrial Madeireira da UFPR foi criado

Leia mais

Futuras competições nos mercados: Implicações estratégicas para produtores Agrícolas

Futuras competições nos mercados: Implicações estratégicas para produtores Agrícolas Futuras competições nos mercados: Implicações estratégicas para produtores Agrícolas Hamish R Gow Associate Professor, International Agribusiness and Director, PFID F&V Delineamento da apresentação Tendências

Leia mais

LICITAÇÕES E CONTRATOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

LICITAÇÕES E CONTRATOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LICITAÇÕES E CONTRATOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Esp. Luis Fernando Otero graduação Gestão pública MARINGÁ-pr 2012 Reitor: Wilson de Matos Silva Vice-Reitor: Wilson de Matos Silva Filho Pró-Reitor

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

Perguntas e respostas Mais Qualidade

Perguntas e respostas Mais Qualidade Perguntas e respostas Mais Qualidade O que é o Programa Mais Qualidade? O Mais Qualidade é um programa da Bayer CropScience que tem como objetivo a obtenção de frutas com qualidade superior. Tudo isso

Leia mais

Tecnologia em Produção de Grãos

Tecnologia em Produção de Grãos Tecnologia em Produção de Grãos Nível/Grau: Superior/Tecnólogo Vagas: 30 Turno: Matutino Duração: 3 anos mais estágio (7 semestres) Perfil do Egresso O profissional estará capacitado para: Produzir grãos

Leia mais

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território

Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território SEMINÁRIO VALOR ECONÔMICO AGRICULTURA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO Painel 3 - Sustentabilidade: o produtor rural como gestor do território Gestão da propriedade e governança do território

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

ORGANIZAÇÕES, SISTEMAS E MÉTODOS

ORGANIZAÇÕES, SISTEMAS E MÉTODOS ORGANIZAÇÕES, SISTEMAS E MÉTODOS Professora Esp. Marilicy Maia Guerra Cardoso GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PROCESSOS GERENCIAIS MARINGÁ-PR 2012 Reitor: Wilson de Matos Silva Vice-Reitor: Wilson de Matos Silva

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM Programa de Educação Tutorial PET 2006 MEC/SESu/DEPEM ANEXO I Proposta

Leia mais

Frutas em Calda, Geléias e Doces

Frutas em Calda, Geléias e Doces Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria de Alimentos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Iniciando um

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Extensão

MANUAL DO CANDIDATO. Extensão MANUAL DO CANDIDATO Extensão Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das disciplinas,

Leia mais

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil

Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Geração de renda, emprego e impostos no agronegócio dos estados da região sul e restante do Brasil Umberto Antonio Sesso Filho * Joaquim José Martins Guilhoto ** Rossana Lott Rodrigues *** Antonio Carlos

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso janeiro 2010. ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP.

MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso janeiro 2010. ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen. Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP. Agronegócios MANUAL DO CANDIDATO Ingresso janeiro 2010 ESPM - Campus Rodolfo Lima Martensen Rua Joaquim Távora, 1240 Vila Mariana São Paulo/SP Informações: Central de Candidatos: (11) 5081-8225 segunda

Leia mais

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - 2010 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 1 DOS OBJETIVOS GERAIS... 1 CAPÍTULO II... 1 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 1 CAPÍTULO III...

Leia mais

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2

Comercialização no agronegócio. Aulas 1 e 2 Comercialização no agronegócio Aulas 1 e 2 Principais itens da cadeia produtiva Produtos finais disponíveis ao consumidor; Elos a MONTANTE e a JUSANTE da agropecuária; Transações entre os segmentos;

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Transformações Estruturais na Agricultura e Políticas de Comercialização

Transformações Estruturais na Agricultura e Políticas de Comercialização Conab- Companhia Brasileira de Abastecimento Encontro Técnico de Política Agrícola Brasília, 9 e 10 de Feveiro de 2006 Transformações Estruturais na Agricultura e Políticas de Comercialização Antônio Márcio

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados.

Antigamente a comercialização era baseado na filosofia do produto, aonde o lucro era obtido através de uma grande quantidade de produtos trocados. Comercialização de Produtos Agroindustriais -Professora: Graci Acadrolli Tozzo -Formação: Engª Agrônoma -Especialização: Qualidade Total na Agricultura Empresarial -Mestrado : Tecnologia em Produção de

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

INFORME UVV-ES Nº44 17-23/02 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional

INFORME UVV-ES Nº44 17-23/02 de 2014 UVV POST. Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional UVV POST Publicação semanal interna Universidade Vila Velha - ES Produto da Comunicação Institucional NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA O NEaD oferece oito disciplinas para 36 cursos de graduação tradicional

Leia mais

Desafios de Formação Profissional na Pós Graduação RECURSOS HUMANOS PARA EMPREENDER. Prof. Dr. Paulo Marcelo Tavares Ribeiro SEBRAE/SP

Desafios de Formação Profissional na Pós Graduação RECURSOS HUMANOS PARA EMPREENDER. Prof. Dr. Paulo Marcelo Tavares Ribeiro SEBRAE/SP Desafios de Formação Profissional na Pós Graduação RECURSOS HUMANOS PARA EMPREENDER Prof. Dr. Paulo Marcelo Tavares Ribeiro SEBRAE/SP QUAIS RECURSOS HUMANOS SÃO NECESSÁRIOS NOS NEGÓCIOS BRASILEIROS? COMPETÊNCIAS

Leia mais

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05

Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA: 23/06/05 RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: Eixo dos Arranjos Produtivos Locais APL s - GRUPO DE TRABALHO 07: Oportunidades para Desenvolvimento Tecnológico na Empresa Ferramentas de Apoio a Inovação e Excelência. DATA:

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

3.1. Curso: Auxiliar de Recursos Humanos

3.1. Curso: Auxiliar de Recursos Humanos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO - PRONATEC EDITAL PROFESSOR INTERNO - Nº 09/2014

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

PROCESSO N 337/11 PROTOCOLO N.º 07.595.260-0 PARECER CEE/CEB N.º 1019/11 APROVADO EM 09/11/11

PROCESSO N 337/11 PROTOCOLO N.º 07.595.260-0 PARECER CEE/CEB N.º 1019/11 APROVADO EM 09/11/11 PROTOCOLO N.º 07.595.260-0 PARECER CEE/CEB N.º 1019/11 APROVADO EM 09/11/11 CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADO: COLÉGIO INSTITUTO CRISTÃO ENSINO MÉDIO E PROFISSIONAL MUNICÍPIO: CASTRO ASSUNTO: Pedido

Leia mais

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1

A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A cadeia produtiva do leite, uma possibilidade de comércio justo e solidário no Brasil Arnoldo de Campos 1 A produção de leite no Brasil envolvia quase 1,8 milhão de estabelecimentos produtores, segundo

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE MANEJO DE PASTAGENS EM BOVINOCULTURA DE LEITE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE MANEJO DE PASTAGENS EM BOVINOCULTURA DE LEITE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL

ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA A INCLUSÃO SOCIAL VASCONCELOS, Arthur Henrique Pacífico 1 ; CASTIGLIONI, Gabriel Luis 2 ; SILVA, Flavio Alves 2 ; RODRIGUES, Adelino José Saraiva 3. 1 Estudante

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Professor Me. Diego Figueiredo Dias POLÍTICAS MACROECONÔMICAS

Professor Me. Diego Figueiredo Dias POLÍTICAS MACROECONÔMICAS Professor Me. Diego Figueiredo Dias POLÍTICAS MACROECONÔMICAS PÓS-graduação esp. em administração pública MARINGÁ-pr 2012 Reitor: Wilson de Matos Silva Vice-Reitor: Wilson de Matos Silva Filho Pró-Reitor

Leia mais