DESIGN DE INTERAÇÃO. José Alexandre Ducatti

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESIGN DE INTERAÇÃO. José Alexandre Ducatti"

Transcrição

1 DESIGN DE INTERAÇÃO José Alexandre Ducatti

2 DESIGN DE I NTERAÇÃO PERCEPÇÃO DESIGN BOM E MAU DESIGN METAS DE DESIGN DE INTERAÇÃO METAS DE USABILIDADE METAS DECORRENTES DA EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO PRINCÍPIOS DE USABILIDADE E DESIGN

3 Design de Interação

4 COMO PERCEBEMOS

5

6 DESIGN Quantos produtos Interativos existem em nossa vida cotidiana? Quantos percebemos que estão ou não interagindo conosco?

7 DESIGN Pense sobre como utilizá-los. Quantos deles são realmente fáceis e agradáveis de utilizar?

8 O QUE É DESIGN DE INTERAÇÃO? Essencialmente, significa desenvolver produtos interativos que sejam fáceis, agradáveis de utilizar e eficazes sempre na perspectiva do usuário. Objetivo do design de interação consiste em redirecionar esta preocupação, trazendo a usabilidade para dentro do processo de design.

9 DESIGN DE INTERAÇÃO Criar experiências que melhorem e entendam a maneira como as pessoas trabalham!

10 UM BOM E UM MAU DESIGN A preocupação central do design de interação é desenvolver produtos interativos que sejam utilizáveis, o que genericamente significa produtos fáceis de aprender, eficazes no uso, que proporcionem ao usuário uma experiência agradável.

11 UM BOM E UM MAU DESIGN Qual o problema destes dispositivos: Irritantes. Confusos. Ineficientes muitas passos para tarefas básicas. Difícil de utilizar. Pouco ou nenhum feedback. Procedimentos não são óbvios.

12 UM BOM E UM MAU DESIGN

13 EXEMPLOS

14 As metas do design de interação Preocupações: Projetar um sistema muito eficiente que permitisse aos usuários ser altamente produtivos em seu trabalho? Projetar um sistema desafiador e motivador que fornecesse suporte a um aprendizado eficaz? Essas preocupações dão origem as metas de usabilidade e a metas decorrentes da experiências do usuário.

15 Metas de usabilidade - ser eficaz no uso (eficácia) O sistema é capaz de permitir que as pessoas aprendam bem, realizem seu trabalho de forma eficiente, acessem as informações de que necessitam, comprem os produtos que desejam, etc.?

16 Metas de usabilidade - ser eficiente no uso (eficiência) Uma vez que os usuários tiverem aprendido como utilizar um sistema para realizar suas tarefas, conseguirão manter um alto nível de produtividade?

17 Metas de usabilidade - ser seguro no uso (segurança) O sistema previne os usuários de cometer erros graves e se mesmo assim o fizerem permite que esses erros sejam recuperados facilmente?

18 Metas de usabilidade - ser de boa utilidade O sistema fornece um conjunto apropriado de funções que permita aos usuários realizar todas as suas tarefas da maneira que desejam?

19 Metas de usabilidade - ser fácil de aprender (learnability) Quão fácil é e que tempo leva para: i- iniciar o uso das tarefas fundamentais de um sistema e ii- aprender o conjunto de operações necessárias para realizar um conjunto mais amplo de tarefas.

20 Metas de usabilidade - ser fácil de lembrar como se usa (memorability) Que tipos de suporte de interface foram fornecidos com o objetivo de auxiliar os usuários a lembrar como realizar tarefas especialmente para sistemas e operações que não são utilizadas com muita frequência?

21 As metas decorrentes da experiência do usuário - Satisfatórios - Agradáveis - Divertidos - Interessantes - Úteis - Motivadores - Esteticamente apreciáveis - Incentivadores de criatividade - Compensadores - Emocionalmente adequados

22 As metas decorrentes da experiência do usuário eficaz

23 Diferenças Metas de usabilidade estão preocupadas com preencher critérios específicos de usabilidade. Metas decorrentes da experiência do usuário em preocupar a qualidade da experiência desta.

24 Princípios de usabilidade e design Trata-se de abstrações generalizáveis, destinadas a orientar os designers a pensar sobre aspectos diferentes de seus designs. Tendem a ser escritos de maneira prescritiva, sugerindo aos designers o que utilizar e o que evitar na construção de uma interface o sim e não do design de interação. Visibilidade feedback restrições mapeamento consistências - affordance

25 VISIBILIDADE Quanto mais visívies forem as funções, mais os usuários saberão como proceder.

26

27

28

29

30

31

32 VISIBILIDADE

33 VISIBILIDADE

34 FEEDBACK Refere-se ao retorno de informações a respeito de que ação foi feita e do que foi realizado, permitindo à pessoa continuar a atividade.

35 FEEDBACK

36 AFFORDANCE A forma como você espera que as coisas funcionem...

37 AFFORDANCE Objetos físicos possuem affordances? Uma pedra pode ser movida, rolada, chutada, atirada, usada para nos sentarmos... Não todas as pedras, apenas aquelas no tamanho certo para mover, rolar, chutar, atirar, sentar sobre. O conjunto de possíveis ações [relativas ao sujeito] é chamado de affordance do objeto.

38 AFFORDANCE NÃO É UMA PROPRIEDADE DO OBJETO, é uma relação estabelecida entre o objeto e o organismo que age sobre o objeto. O conceito foi criado por J. Gibson em sua teoria sobre a percepção humana. Norman estendeu o termo à aplicação em design. Affordances percebidas contam ao usuário que ações devem ser realizadas sobre um objeto e como realizá-las (até certo ponto). São o que determina a usabilidade do objeto

39 AFFORDANCE

40 AFFORDANCE

41 AFFORDANCE

42 RESTRIÇÕES Refere-se a determinação das formas de delimitar o tipo de interação que pode ocorrer em um determinado momento.

43 CONSISTÊNCIA Refere-se a projetar interfaces de modo que tenham operações semelhantes e que utilizem elementos semelhantes para a realização de tarefas similares.

44

45 MAPEAMENTO Refere-se à relação entre os controles e os seus efeitos no mundo.

46 MAPEAMENTO

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69

70

71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

82

83

84

85

86

87

88

89

90 A Nova Tendência do Flat Design Essa tendência do web design é a pura simplicidade dos elementos, da clareza do layout. Apresenta formas cleans e planas. O conceito funciona sem variações na estrutura do layout, como chanfros, relevo, gradientes ou outras ferramentas que adicionam profundidade. Cada elemento ou caixa é nítido. Nada realista é adicionado.

91 Usa-se muitos elementos de interface de usuário simples, como botões e ícones. Muitas vezes são formas simples, como retângulos, círculos ou quadrados. Mas não confunda elementos simples com um design simples. Os conceitos de Flat Design podem ser tão complexos quanto qualquer outro tipo de esquema de design.

92 Foco na Tipografia Nesse caso a tipografia é. O tom das fontes deve corresponder ao esquema do resto do layout. Uma fonte muito produzida pode parecer estranho em um projeto supersimples. Podem também ser ousadas, mas de forma simples e eficiente.

93 Foco na Cor A cor pode ser o grande desafio. No Flat Design a paletas de cores, na maioria da vezes, são muito mais brilhante e mais colorido do que os de outros sites. Mas lembre-se que pra toda regra há exceções. Os tons tendem a ser vibrante, sem matizes e tonalidades. Cores primárias e secundárias são populares. Além disso, certos tipos de cores também são usadas com frequência. Nesta interação da tendência, cores retros incluindo salmão, roxo, verde e azul são especialmente populares.

94

95

96 Abordagem minimalista Evite muita frescura na concepção geral do site. Cor e texto simples podem ser o suficiente. Se você quiser adicionar efeitos visuais, opte pela fotografia simples.

97

98 Mat erial ext raido do sí t io: ht t p: / /www.des1gnon.com/2013/ 06/a-nova- tendencia- do- f lat - design-o- que- por- que/

99 O QUE ESTÁ ENVOLVIDO NO DESIGN DE INTERAÇÃO Identificar as necessidades e estabelecer requisitos; Desenvolver design alternativos que preencham estes requisitos; Construir versões interativas dos design, de maneira que possam ser comunicados e analisados; Avaliar o que está sendo construído durante o processo.

100 O QUE ESTÁ ENVOLVIDO NO DESIGN DE INTERAÇÃO Os usuários devem estar envolvidos no desenvolvimento do projeto; A usabilidade específica e as metas decorrentes da experiência do usuário devem ser identificadas, claramente documentadas e acordadas no início do projeto; A iteração em todas as atividades é inevitável.

101

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA

FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA FUNDAMENTOS DE INTERFACE HOMEM MÁQUINA O que é Design de Interação? Flavio Barbosa professor@flaviobarbosa.com.br Definindo design de interação. Por design de interação entende-se: Projetar produtos interativos

Leia mais

Avaliação de Interfaces

Avaliação de Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Avaliação de Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces: Ambiente Web

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

Apresentação 24/12/2014. Professor Wilker Bueno

Apresentação 24/12/2014. Professor Wilker Bueno Apresentação 1 Wilker Bueno Técnico em Magistério Colégio Estadual José Cipriano Varjão/GO Graduado em Administração de Empresas Universidade do Norte do Paraná Londrina/PR Especialista em RH e suas Atribuições

Leia mais

Princípios de design de interface Fábio Fernandes

Princípios de design de interface Fábio Fernandes Princípios de design de interface Fábio Fernandes Forma acompanha a função A forma ou aparência de um objeto surge de seu propósito, de sua razão de ser. As formas baseadas em suas funções são visualmente

Leia mais

Interação Humano-Computador: Conceitos Básicos INF 1403 Introdução a IHC Aula 03 19/02/2014 Conteúdo da Aula Interação, Interface e Affordance Critérios de qualidade de uso Usabilidade Experiência do Usuário

Leia mais

Interface Usuário Máquina. Aula 06

Interface Usuário Máquina. Aula 06 Interface Usuário Máquina Aula 06 Conteúdo Qualidade do Design Acessibilidade Comunicabilidade Usabilidade Experiência do Usuário Usabilidade em Sistemas Computacionais Usabilidade O que você entende por

Leia mais

Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) O Processo de Design da Interação INF 1403

Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) O Processo de Design da Interação INF 1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) O Processo de Design da Interação INF 1403 http://www.inf.puc-rio.br/~inf1403 Departamento de Informática, PUC-Rio abraposo@ Objetivos do Design de Interação

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I

Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário. Parte I Desenvolvimento da Interface com Foco no Usuário Parte I Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior 1 Lembre-se! Ao programar um software, o usuário

Leia mais

Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site. Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN

Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site. Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN Desenvolvimento Web Usabilidade na Web aula I introdução e o design geral do site Prof.: Bruno E. G. Gomes IFRN 1 Introdução A Web oferece uma enorme liberdade de escolha e movimentação Qualquer coisa

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047

NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047 1 NECESSIDADES PARA O DESENVOLVIMENTO DE UMA INTERFACE ADEQUADA PARA RESULTADOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM BEM SUCEDIDOS. TCC3047 FEVEREIRO /2006 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares

Leia mais

Multimídia e Interface Usuário - Máquina

Multimídia e Interface Usuário - Máquina Multimídia e Interface Usuário - Máquina Profa. Cristina Paludo Santos Slides baseados no livro: Design e Avaliação de Interfaces Humano Computador (Heloísa Vieira da Rocha/M.Cecília C. Baranauskas). Material

Leia mais

Evandro Myller Trabalhando com desenvolvimento web Entusiasta de programação de aplicativos web e software livre Criador de um framework JavaScript

Evandro Myller Trabalhando com desenvolvimento web Entusiasta de programação de aplicativos web e software livre Criador de um framework JavaScript Evandro Myller Trabalhando com desenvolvimento web Entusiasta de programação de aplicativos web e software livre Criador de um framework JavaScript (em desenvolvimento constante) O que é "design web"?

Leia mais

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK

www.rakutencommerce.com.br E-BOOK APRENDA AS ÚLTIMAS DICAS E TRUQUES SOBRE COMO DAR UM TAPA 3.0 NA SUA LOJA VIRTUAL. www.rakutencommerce.com.br E-BOOK propósito desse ebook é muito simples: ajudar o varejista on-line a dar um tapa 3.0

Leia mais

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet

usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet WEB Usabilidade WEB usabilidade assume uma importância ímpar na economia da Internet no design de produtos e de software tradicionais, usuários pagam antes e experimentam a usabilidade depois na WEB experimentam

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav Informações Gerais da Disciplina

Leia mais

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas

Usabilidade na WEB CCUEC. Roberto Romani. UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas CCUEC Roberto Romani UNICAMP- Universidade Estadual de Campinas Usabilidadena WEB Tópicos Principais O que é usabilidade? Por que usabilidade na Web 7 regras básicas de usabilidade na Web Inspeção de usabilidade

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital

8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital 8 Erros Que Podem Acabar Com Seu Negócio de Marketing Digital Empreender em negócios de marketing digital seguramente foi uma das melhores decisões que tomei em minha vida. Além de eu hoje poder ter minha

Leia mais

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game.

Design de Games: A importância da estética. utilizada na interface de um game. Design de Games: A importância da estética utilizada na interface de um game. Edival Oliveira Lago Filho* Resumo: O artigo tem como objetivo, refletir sobre a importância da estética aplicada sobre o design

Leia mais

Ergonomia. Ergonomia Cognitiva. Prof. Ms. Heli Meurer Uniritter Desenho Industrial (design)

Ergonomia. Ergonomia Cognitiva. Prof. Ms. Heli Meurer Uniritter Desenho Industrial (design) Ergonomia Ergonomia Cognitiva Prof. Ms. Heli Meurer Uniritter Desenho Industrial (design) Ergonomia Cognitiva A ergonomia cognitiva é importante para os designers? Você acha que e mais importante escutar

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Redesign da interface do site www.libertas.edu.br em flat design

Redesign da interface do site www.libertas.edu.br em flat design Redesign da interface do site www.libertas.edu.br em flat design Rodrigo Avelino Ribeiro Graduando em Sistemas de Informação Gilberto Pereira Salgado Junior Especialista em Sistemas de Informação e professor

Leia mais

Confira o Processo de Redesign de um Site

Confira o Processo de Redesign de um Site Confira o Processo de Redesign de um Site O designer holandês Peter Van De Weerd está trabalhando há algumas semanas no redesign de um site brasileiro, o Cupons Mágicos. Apesar da produção já estar num

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

Voltando às garrafas... Capítulo 2. Interface e Interação. Elton Silva

Voltando às garrafas... Capítulo 2. Interface e Interação. Elton Silva Voltando às garrafas... Capítulo 2 Elton Silva Interface e Interação Inter-face: toda a porção de um sistema com a qual um usuário mantém contato ao utilizá-lo. Inter-ação: é mais do que imagem, é um conceito

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO. Caio Cesar DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO Caio Cesar Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Comunicação online Marketing Design de Interação www.caiocesar.cc Tema de hoje Design Centrado no Usuário O quê? Por quê?

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

Design para internet. Resolução. - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim.

Design para internet. Resolução. - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim. Resolução - No Design Gráfico quanto maior o DPI melhor. - Na web não é bem assim. Resolução Exemplo de imagem com diferentes resoluções de Pontos/Pixels por polegada". Em uma imagem digital quanto mais

Leia mais

Etapas de uma campanha de e-mail marketing

Etapas de uma campanha de e-mail marketing Etapas de uma campanha de e-mail marketing Conheça as principais etapas de uma campanha de e-mail marketing, desde o planejamento de ações, até a análise das métricas de resultados. Ao contrário do que

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB

DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 055-1 DESIGN CENTRADO NO USUÁRIO: PROJETANDO PARA A WEB Emanuel Felipe Duarte 1 ; Aline Maria Malachini Miotto 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho foi

Leia mais

C J E 5250 - Metodologia de webdesign baseada em Usabilidade. Princípios de design. de Donald Norman. Profa. Dra.. Maria Laura Martinez 2003

C J E 5250 - Metodologia de webdesign baseada em Usabilidade. Princípios de design. de Donald Norman. Profa. Dra.. Maria Laura Martinez 2003 C J E 5250 - Metodologia de webdesign baseada em Usabilidade Princípios de design de Donald Norman Profa. Dra.. Maria Laura Martinez 2003 2 Interação Homem-Máquina Pense no design de um telefone. A interface

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Percepção Visual e de Cores - Parte I Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Percepção Visual e de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Site para Celular JFPB

Site para Celular JFPB JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Site para Celular JFPB http://m.jfpb.jus.br João Pessoa - PB Julho de 2011 JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Sumário Página 1 Apresentação 3 2 Introdução 4 3 Oportunidade 4 4 Solução

Leia mais

Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário

Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário Objetivos - por que avaliar? Critérios - o que avaliar? Métodos e técnicas - como avaliar? Forma - quando e onde avaliar?

Leia mais

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos Design Web Estrutura e estética: Organiação, layout, cores e tipos Apresentação: Estrutura e Estética Organiação Navegação Layout Cores e Tipografia! " Representação e Apresentação Representação Utiliar

Leia mais

Atividade. Usabilidade

Atividade. Usabilidade Universidade Federal do ABC Atividade Usabilidade Aluno: Fabrizio Borelli Professor: Silvia Dotta Disciplina: Interface Humano Máquina Santo André, Outubro de 2011. Conteúdo 1 Introdução 2 2 Facilidade

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas.

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. 2 INTRODUÇÃO Em um curto espaço de tempo, vimos o Facebook ir do zero ao status de uma das

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO

AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO Alison Luis Kohl Diego Luis Eckstein Flávio Pedroso AS TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO Ergonomia de Interfaces; Usabilidade dos Sistemas. Problema de ergonomia e de usabilidade *Eficácia

Leia mais

ALÉM DA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR O Design de Interação, seus processos e metas, em busca da satisfação do usuário final

ALÉM DA INTERAÇÃO HOMEM-COMPUTADOR O Design de Interação, seus processos e metas, em busca da satisfação do usuário final O Design de Interação, seus processos e metas, em busca da satisfação do usuário final Tatiane Cristine Arnold 1 RESUMO Atualmente são inúmeros os produtos interativos inseridos no dia-a-dia das pessoas,

Leia mais

O sucesso na Interaçao com o Conselho

O sucesso na Interaçao com o Conselho 24-09-2013 14:45 O sucesso na Interaçao com o Conselho Jose Francisco Moraes QAIP Team Leader IIA Brasil ESTOU PREPARADO PARA: SER PROMOVIDO? Promovido = dar publicidade a uma imagem pessoal desejada Foco

Leia mais

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE

Pedro F. Carvalho Analista de Sistemas/Gerente de Projetos contato@pedrofcarvalho.com.br OCP Oracle 10g ITIL FoundationV3 PROJETO DE WEB SITE PROJETO DE WEB SITE EAP Estrutura Analitica de Projeto Preparação Estudar as particularidades do serviço e do cliente; Observar projetos semelhantes (Beanchmark); Definir metas e estratégias; Elaborar

Leia mais

Introdução. Introdução

Introdução. Introdução Introdução 1. Conheça a sua taxa de conversão 2. Usabilidade e navegabilidade 3. Pense mobile 4. Seja relevante 5. Tenha CTAs atraentes 6. O teste AB é fundamental Conclusão Introdução Conhecer os números

Leia mais

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC

Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Campus Formosa Interface Humano-Computador IHC Paradigmas de IHC Prof. M.Sc. Victor Hugo Lázaro Lopes IHC Paradigmas de IHC AGENDA Engenharia Cognitiva

Leia mais

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1

Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Instituto Federal do Sertão-PE Design de Interfaces e Usabilidade - Tópico 1 Prof. Felipe Correia Conteúdo Por que estudar Design de Interfaces e Usabilidade?! Conceitos básicos sobre Design! Primeira

Leia mais

Processos de Design de IHC (Parte II)

Processos de Design de IHC (Parte II) Interface Homem/Máquina Aula 8 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

BM&FBOVESPA A Bolsa é pra você!

BM&FBOVESPA A Bolsa é pra você! BM&FBOVESPA A Bolsa é pra você! Como Investir na Bolsa Nesta seção você descobrirá como investir na Bolsa. Os tópicos desta seção trazem, de maneira direta e sucinta, cada etapa pela qual você passará

Leia mais

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br

Apresentando o GNOME. Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br Apresentando o GNOME Arlindo Pereira arlindo.pereira@uniriotec.br O que é o GNOME? GNOME é um ambiente desktop - a interface gráfica de usuário que roda sobre um sistema operacional - composta inteiramente

Leia mais

Porque prototipar? Prototipagem e Cenários. Dilema. Prototipação. Artefatos do Design. Veja antes, decida depois. Prototipagem & Design Iterativo

Porque prototipar? Prototipagem e Cenários. Dilema. Prototipação. Artefatos do Design. Veja antes, decida depois. Prototipagem & Design Iterativo Porque prototipar? Prototipagem e Veja antes, decida depois Falhas identificadas rapidamente Possibilidade de explorar o design space Protótipos: artefatos que simulam parte das características do sistema

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Tópicos da Aula 1. Design 2. Importância do

Leia mais

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário

Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Princípios de usabilidade e engenharia semiótica no projeto de interfaces gráficas com o usuário Anaís Schüler Bertoni Mestranda em Design Centro Universitário Ritter dos Reis anais@d750.com.br Silvia

Leia mais

DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt

DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE. Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt DESIGN DE INTERFACES GRÁFICAS CORPORATE TV / DIGITAL SIGNAGE Bruno Nobre bruno.nobre@iade.pt O que é? Digital Signage é um tipo de painel informativo tipicamente colocado em espaços públicos, usados normalmente

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

O processo do design de interação. Profª. Juliana Pinheiro Campos E-mail: jupcampos@gmail.com

O processo do design de interação. Profª. Juliana Pinheiro Campos E-mail: jupcampos@gmail.com 1 O processo do design de interação Profª. Juliana Pinheiro Campos E-mail: jupcampos@gmail.com 2 Design É um plano ou esquema concebido na mente, com o intuito de ser posteriormente executado. O ato de

Leia mais

B2gether. Aprender pode ser divertido

B2gether. Aprender pode ser divertido FASE I (1000 fichas ): Escolha um NOME e proponha uma LOGO para a sua equipe de trabalho durante o semestre. A logomarca pode ser feita na forma de um draft (rascunho). A versão final (arquivo JPEG) deve

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Teoria para IHC: Engenharia Semiótica

Teoria para IHC: Engenharia Semiótica Teoria para IHC: Engenharia Semiótica ERBASE EPOCA 2009 2010 Engenharia Semiótica: uma nova perspectiva A Engenharia Semiótica é uma abordagem para IHC na qual o design e a interação fazem parte de um

Leia mais

Glossário. atfmarketing. de termos do Google AdWords. Agência Especializada em Web e Marketing

Glossário. atfmarketing. de termos do Google AdWords. Agência Especializada em Web e Marketing atfmarketing Agência Especializada em Web e Marketing Glossário de termos do Google AdWords Sumário Baixo volume de pesquisa Campanha Clique Conversão Correspondência ampla Correspondência de frase Correspondência

Leia mais

GASweb - Usabilidade Parte 1-3

GASweb - Usabilidade Parte 1-3 GASweb - Usabilidade Parte 1-3 Nível Básico Por: Lucas Bruno O GASweb - Application Generator é um produto que oferece aos seus usuários o grande aumento de produtividade. Entretanto, assim como as demais

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO. Guia. Aplicativos para edição de foto e vídeo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO. Guia. Aplicativos para edição de foto e vídeo UNIVERSIDADE FEDERAL DO PELOTAS CENTRO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO Guia Aplicativos para edição de foto e vídeo Autor: Calvin da Silva Cousin Orientação: Profª Drª Sílvia Porto Meirelles

Leia mais

Modelos Conceptual e Mental

Modelos Conceptual e Mental Interfaces Pessoa Máquina 08-10-2012 Modelos Conceptual e Mental Cap. 6 Conceptualização da Interação 06 Melhor e Pior? 1 Melhor e Pior? Resumo Aula Anterior Análise de Utilizadores O que é? Porquê? O

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 04 Modelos de Processos de Design de IHC Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br O Processode Design de IHC Relembrando Questões chave no projeto centrado

Leia mais

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC

CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC CECOM/IFC MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL CURSOS DO IFC O OBJETIVO DO PROJETO A criação dos ícones dos cursos tem como objetivo construir uma identidade visual única para os cursos ofertados pelo IFC, principalmente

Leia mais

Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você

Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você A fim de criar, controlar, gerenciar sua reputação online e construir a carreira que você deseja, alguns ações são necessárias. A primeira

Leia mais

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign

Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Webdesign Fluxo de Desenvolvimento do Webdesign Apresentação, Fluxo de Desenvolvimento e Arquitetura da Informação Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net

Leia mais

Quem vem primeiro? Projeto de Sw ou Projeto de IHC? Melhor virem juntos, integrados.

Quem vem primeiro? Projeto de Sw ou Projeto de IHC? Melhor virem juntos, integrados. 1 Projeto de IHC 2 Design de IHC O que é design de IHC? Também chamado de projeto de IHC. DESIGN Concepção (intelectual) da experiência do usuário Concretização desta concepção em uma representação que

Leia mais

The Floor is Yours. Criatividade em carpetes ao seu alcance

The Floor is Yours. Criatividade em carpetes ao seu alcance The Floor is Yours Criatividade em carpetes ao seu alcance DESSO 3D TexturesTM Criando designs vencedores Piso é importante. Elas podem permitir-lhe obter uma impressionante experiência em termos de design

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Inspeção Defeitos dos Software Classificação dos Erros Técnica de Leitura Ad-hoc Checklist Exercício Inspeção Inspeção de Software Definição É um método de análise estática

Leia mais

Introdução à Avaliação de Interfaces

Introdução à Avaliação de Interfaces Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Introdução à Avaliação de Interfaces Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Interação Humano Computador IHC

Interação Humano Computador IHC Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Interação Humano Computador IHC Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univast.edu.br www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior

Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior Disciplina: Interface Humano-Computador Prof: João Carlos da Silva Junior Definição Interação homem-computador é o conjunto de processos, diálogos, e ações através dos quais o usuário humano interage com

Leia mais

PROJETO DE INTERFACE COM USUÁRIO

PROJETO DE INTERFACE COM USUÁRIO PROJETO DE INTERFACE COM USUÁRIO Prof. Emilio Cesar Parmegiani UNIP AULA 1 1 Você gosta de uma boa experiência ou você prefere sofrer? O primeiro contato com uma pessoa normalmente é feito através da aparência

Leia mais

HTML5. Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br

HTML5. Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br HTML5 Prof. Salustiano Rodrigues de Oliveira saluorodrigues@gmail.com www.profsalu.com.br HTML5 HTML5 é considerada a próxima geração do HTML e suas funcionalidades inovadoras o tornam uma alternativa

Leia mais

2 Diagrama de Caso de Uso

2 Diagrama de Caso de Uso Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Caso de Uso (Use Case) Autoria:Aristófanes Corrêa

Leia mais

Guia de Instruções de Trabalho

Guia de Instruções de Trabalho Guia de Instruções de Trabalho Este guia foi desenvolvido para orientá-lo durante o processo de produção de arte para ser enviada à Gráfica Manchester. Siga as instruções para que não tenha problemas de

Leia mais

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE

NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE 2 NEGOCIAÇÃO DE CONSULTORIA EM VENDAS ONLINE Quando uma empresa vai pra internet e investe em marketing digital, essas são as 3 coisas que precisam ser feitas: 1- GERAR LEADS 2- TRANSFORMAR LEADS EM CLIENTES

Leia mais

Modelos Conceptuais I

Modelos Conceptuais I Modelos Conceptuais I Capítulo 5 Conceptual Models, J. Johnson and A. Henderson (artigo da revista Interactions, Jan. 2002) Interaction Design, Cap. 2 J. Preece Resumo da aula anterior As capacidades das

Leia mais

Tecnologias WEB Web 2.0

Tecnologias WEB Web 2.0 Tecnologias WEB Web 2.0 Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos A Web 2.0 marca uma tendência que reforça o conceito de troca de informações e colaboração entre seres humanos, sites e serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Princípios de Design de Don Norman. Visibilidade: quando é possível visualizar as funções de algum objeto e seu estado atual.

Princípios de Design de Don Norman. Visibilidade: quando é possível visualizar as funções de algum objeto e seu estado atual. Princípios de Design de Don Norman Visibilidade: quando é possível visualizar as funções de algum objeto e seu estado atual. Por exemplo: Todas as funções do liquidificador estão expostas, além disso é

Leia mais

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras.

Algoritmos. Objetivo principal: explicar que a mesma ação pode ser realizada de várias maneiras, e que às vezes umas são melhores que outras. 6 6 NOME DA AULA: 6 Algoritmos Duração da aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10-25 minutos (dependendo da disponibilidade de tangrans prontos ou da necessidade de cortá-los à mão) Objetivo principal:

Leia mais

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla

6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla 6/06/2012 09h26 - Atualizado em 26/06/2012 12h30 Boot to Gecko: o futuro celular da Mozilla O mercado brasileiro de dispositivos móveis em breve ganhará mais uma grande plataforma. Anunciado oficialmente

Leia mais