Capacidades Declaradas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capacidades Declaradas"

Transcrição

1

2 PONTO DE PARTIDA DO PLANO EM 1999 Capacidades Declaradas Movimentos / Hora (A + D): 14 Passageiros / Ano (E + D): 3 Milhões Tempo Médio de Turn-around: 60 Min. Processamento de Carga / Ano: Ton s

3 PONTO DE PARTIDA DO PLANO EM 1999 PRÍNCIPAIS CARACTERISTICAS DO TRÁFEGO Passageiros Movimentos

4 Características Físicas Gerais da Infraestrutura antes do Plano ASC 2000 ÁREA = 320 HA LADO AR ÁREAS OPERACIONAIS - Pista Comprimento 3480 metros ILS CAT II na Pista 17 - Caminho de circulação parcialmente paralelo a pista Localização A poente da pista Comprimento metros - Plataformas de Estacionamento de aeronaves 15 posições 11 posições em nose in frente ao terminal 4 posições remotas - Rede de Abastecimento de Combustível às Aeronaves - Não existente - Pontes Telescópicas para Embarque e Desembarque de Passageiros - Não existente

5 Características Físicas Gerais da Infraestrutura antes do Plano ASC 2000 TERMINAL DE PASSAGEIROS - Fluxo de Embarque e Desembarque num só piso - Check-in frente linear - 18 Balcões - Portas de Embarque 6 - Portas de Desembarque 3 - Recolha de Bagagens - Chegadas 4 Racetracks perímetro 254 ml - T. B. Partidas 2 carroceis perímetro 115 ml - Controlo de Passaportes no Embarque frente com 6 Balcões - Controlo de Passaportes no desembarque frente com 10 Balcões

6 Características Físicas Gerais da Infraestrutura antes do Plano ASC 2000 LADO TERRA ACESSOS - Curbside Um Curbside Linear, num só piso para Partidas e Chegadas - Estacionamento Automóvel 1000 lugares á superfície, incluindo estacionamento dedicado a Car-rental CARGA - Terminal de Carga Capacidade para processar TON /ANO - Instalações Catering - Edifício de Serviços Técnicos, Integrando ATC (TWR) Áreas VIP e Serviço de Operações Aeroportuárias (SOA) - SLCI Quartel de Bombeiros do Aeroporto Localização Junto á Plataforma November - ETAR Estação de Tratamento de Águas Residuais

7 PONTO DE PARTIDA DO PLANO EM 1999 AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO PRINCIPAIS LIMITAÇÕES DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA NO FINAL DA DÉCADA DE 90 FALTA DE CAPACIDADE DO CHECK-IN Reduzido Número de Balcões PRECARIDADE DOS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE BAGAGENS Insuficiência das Linhas de Tapetes Transportadores REDUZIDO NÚMERO DE PORTAS DE EMBARQUE DO TERMINAL REDUZIDO NÚMERO DE POSIÇÕES DE ESTACIONAMENTO E INADEQUAÇÃO DO LAY-OUT OPERACIONAL DAS ÁREAS DE MOVIMENTO E MANOBRA DE AVIÕES DEFICIENTES ACESSIBILIDADES E CAPACIDADE DO CURBSIDE ÚNICO REDUZIDO NÚMERO DE LUGARES DE ESTACIONAMENTO AUTOMÓVEL INADEQUAÇÃO DO LAY-OUT DO TERMINAL DE PASSAGEIROS EXIGUIDADE DOS ESPAÇOS OFERECIDOS PARA O DESENVOLVIMENTO E EXPANSÃO DE NOVAS FUNCIONALIDADES E NOVAS ÁREAS COMERCIAIS NO TERMINAL DE PASSAGEIROS.

8 REALIZAÇÕES DO PLANO ASC 2000 ENTRE 2000 E 2006 TOTAL DE OBRAS 47 LADO AR DO AEROPORTO EMPREITADAS 13 FORNECIMENTOS 4 LADO TERRA DO AEROPORTO EMPREITADAS 15 FORNECIMENTOS 15 TOTAL DE CONCURSOS 45 * AJUST. DIRECTO Á EDP ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA AO AEROPORTO. * CONCURSOS PÚBLICOS 32 EMPREITEIROS GERAIS 24 CONSÓRCIOS CONSTRUTORES CONSTITUÍDOS 14

9 TERMINAL DE PASSAGEIROS NOVOS ACESSOS E PARQUES ACESSOS VIÁRIOS - NOVOS CURBSIDES DESNIVELADOS NOVO CURBSIDE PARA PARTIDAS NOVO CURBSIDE PARA CHEGADAS VIADUTOS DE ACESSO AO CURBSIDE - PARTIDAS

10 NOVO PARQUE DE ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO COM ACESSOS DIRECTOS AO TERMINAL DE PASSAGEIROS 1000 LUG. TERMINAL DE PASSAGEIROS NOVOS ACESSOS E PARQUES NOVOS PARQUES DE ESTACIONAMENTO DE SUPERFÍCIE COM ACESSOS DIRECTOS AO TERMINAL DE PASSAGEIROS 500 LUG. NOVOS PARQUES REMOTOS DE ESTACIONAMENTO DE SUPERFÍCIE 500 LUG. PARQUE DE SUPERFÍCIE PARQUE DE ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO PARQUE DE ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO

11 TERMINAL DE PASSAGEIROS - NOVA INTERMODALIDADE LIGAÇÃO DIRECTA ENTRE O NOVO TERMINAL DE PASSAGEIROS E A NOVA ESTAÇÃO DE METRO.

12 TERMINAL DE PASSAGEIROS - NOVA INTERMODALIDADE ESTAÇÃO METRO AEROGARE ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

13 TERMINAL DE PASSAGEIROS NOVAS FUNCIONALIDADES CHECK-IN 60 Balcões de CHECK-IN instalados Capacidade para equipar mais 60 Balcões.

14 TERMINAL DE PASSAGEIROS NOVAS FUNCIONALIDADES TAPETES TRANSPORTADORES 720 m LINEARES E VELOCIDADES 0,6 m/segundo ANEL DE CLASSIFICAÇÃO 160m PERÍMETRO E VELOCIDADES DE 1,8 m/segundo CAPACIDADE 3200 BAGAGENS / HORA 21 CHUTES DE DESPACHO DE BAGAGENS TILT TEMPOS DISPENDIDOS NO PERCURSO DAS BAGAGENS ENTRE A POSIÇÃO DE CHEKIN MAIS DISTANTE E A CHUTE COM LOCALIZAÇÃO MAIS DESFAVORÁVEL, MEDEIAM ENTRE OS 6 E OS 7 MIN. (TEMPO MÁXIMO). SISTEMA DE TRATAMENTO DE BAGAGENS.

15 TERMINAL DE PASSAGEIROS AREAS COMERCIAIS LOJAS NA AREA DE EMBARQUE

16 TERMINAL DE PASSAGEIROS NOVO INTERFACE COM O LADO AR - 9 Stand s em contacto com o Terminal PAX s servidos por 11 Pontes Telescopicas -11 Unidades de Alimentação de Ar Condicionado ás Aeronaves PCA s - 9 Unidades de Guiamento e Docagem para Estacionamento nos Stand s

17 REALIZAÇÕES DO PLANO ASC 2000 ENTRE 2000 E 2006 LADO AR - Novas instalações de suporte e manutenção. - Novo Centro de Alimentação de Pistas. - Nova Rede de Média Tensão. NOVO QUARTEL DE BOMBEIROS - LIGAÇÕES DIRECTAS A VIAS DE SERVIÇO E PISTA - Novo Quartel de Bombeiros SLCI. NOVAS INSTALAÇÕES TÉCNICAS E DE MANUTENÇÃO NOVO QUARTEL DE BOMBEIROS

18 REALIZAÇÕES DO PLANO ASC 2000 ENTRE 2000 E 2006 LADO AR Novos 35 Stand s de estacionamento de Aeronaves. 16 Contact Stand s 19 Stand s remotos Extensão da Rede metros - Serve 35 posições de estacionamento e está dimensionada para se estender a novas 17 posições, quando necessário. Recarga da Pista novos caminhos de circulação de aeronaves Pit s de abastecimento. - A rede tem como capacidade máxima o abastecimento de 5 Aeronaves em simultâneo com um caudal de 6250 litros/minuto. REDE DE HIDRANT S ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS ÀS AERONAVES

19 AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO Características Físicas Gerais da Infraestrutura Após a 1ª Fase de Desenvolvimento - Plano ASC 2000 Pista Comprimento 3480 metros ILS CAT II na Pista 17 Caminhos de circulação paralelos a pista Localizações: TWY ALFA Localização a poente da pista Comprimento metros TWY FOX Localização a nacente da pista Comprimento metros

20 AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO Plataformas de Estacionamento de aeronaves 33 posições 36 posições 14 posições em nose in contacto com o terminal PAX s 17 posições remotas 2 posições frente ao Terminal de Carga 16 posições em nose in contacto com o terminal PAX s 17 posições remotas 3 posições frente ao Terminal de Carga Nova Rede de Abastecimento de Combustível às Aeronaves - 5,3 Km - 54 Pit s de Abastecimento L/minuto Novas Pontes Telescópicas para Embarque e Desembarque de Passageiros - 11 pontes APRON DRIVE servindo 9 stand s em contacto com o Terminal PAX s (2 stand s com Pontes Duplas para Aeronaves Wide Bodys )

21 AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO Terminal de Passageiros - Fluxo de Embarque e Desembarque 2 pisos - Check-in em Sistema de Ilhas - 60 Balcões - Portas de Embarque 17 - Portas de Desembarque 6 - Recolha de Bagagens - Chegadas 4 Carroceis perímetro 276 ml - T. B. Partidas Sistema Automatizado - Anel classificação TILT 21 CHUTES + 1 carrocel perímetro 60 ml - Controlo de Passaportes no Embarque frente com 10 Balcões - Controlo de Passaportes no desembarque frente com 20 Balcões

22 Curbsides - Um Curbside superior de Partidas ml de frente de paragem - Um Curbside inferior de Chegadas ml de frente de paragem Estacionamento Automóvel Novos 1500 lugares de estacionamento para um total de 2500 lugares Terminal de Carga Capacidade para processar TON /ANO Instalações Catering AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO Edifício da nova TWR-ATC e áreas técnicas associadas 1000 lugares em parque subterrâneo 1500 lugares em parque de superfície Novo SLCI Novo Quartel de Bombeiros do Aeroporto Localização Sector Norte Nascente do Aeroporto em ligação directa com a Pista e Via Periférica Nascente - Novo abrigo de viaturas e manutenção auto do Aeroporto ETAR Estação de Tratamento de Águas Residuais Novas ligações às Redes Públicas de Abastecimento de Água e Esgotos

23 CENTRO LOGÍSTICO DE CARGA AÉREA

24 AEROPORTO ÁREA DE INFLUÊNCIA O Aeroporto do Porto, é o aeroporto de referência do Noroeste Peninsular. Principais características da área de influência: Património histórico e tradições muito fortes Património Mundial da Unesco (Porto, Guimarães, Douro e Foz Coa) Diversidade de oferta: Tours, City breaks, Turismo activo, MICE Linha costeira de praias do Atlântico Gastronomia e Vinho Eventos tradicionais e populares Clima ameno Simpatia das pessoas Acessibilidades renovadas Centros de conferências modernos Acomodação de alta qualidade Maior área de influência de todos os aeroportos do país População 30m 60m 90m 120m hab hab hab hab

25 PRINCIPAIS MERCADOS E LIGAÇÕES DIRECTAS Principais Mercados Portugal 24% França 20% Espanha 14% Alemanha 12% Reino Unido 12% Suiça 4% Holanda 3% Brasil 3% Luxemburgo 2% Italia 2% Outros 5%

26 SAZONALIDADE DA PROCURA O Aeroporto do Porto, tem um fluxo de tráfego muito regular ao longo de todo o ano, o que é uma segurança para os nossos clientes. Os meses de excepção são Julho e Agosto. Sazonalidade 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

27 PERFIL DO PASSAGEIRO Principais nacionalidades: portugueses, alemães, espanhóis, franceses e ingleses Principais motivos da viagem: Negócios, Turismo/Férias, Visita a família e amigos 38.2% dos passageiros viagem 2 ou 3 vezes por ano. 33.3% apenas 1 vez 49.2% dos passageiros viaja sozinho. 35.5% viaja com as famílias Tempo médio de permanência é 11.1 dias 43.6 dos bilhetes de avião são adquiridos em agências. 22.3% na Internet 77.8% compra apenas o bilhete de avião 14.2% dos passageiros são homens de negócio, 25.6 % são quadros superiores das empresas 35.4% dos passageiros têm entre anos de idade

28 COMPANHIAS AÉREAS BAIXO CUSTO No ínicio de 2005 as LCC começaram a operar no Aeroporto do Porto. Os resultados de 2006 foram muito positivos. Actualmente as LCC representam 20% do tráfego do Aeroporto, num total de 11 rotas. Operam 5 companhias low cost no Aeroporto do Porto (Ryanair, HLX, AirBerlin, Clickair e Easyjet). Em 2007, espera-se que as LCC continuem o seu crescimento gradual e representem 30% do tráfego. Passageiros Comerciais por Segmento de Mercado 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% FSC Charter LCC

29 PROMOÇÃO GALIZA Atentos aos pontos fortes do Aeroporto do Porto face ao mercado galego: Maior variedade de destinos directos: Europa, América do Sul e América do Norte. Tempo de viagem total para quem usa o Aeroporto do Porto. Maior qualidade da nova infra-estrutura. Acessibilidades terrestres. Identificamos a necessidade da existência de uma linha regular de autocarros ligando Vigo e o Aeroporto do Porto.

30 PROMOÇÃO GALIZA Celebrado um acordo com a empresa Autna que passou a oferecer: Centro da Cidade de Vigo (Garcia Barbon): 5 frequências diárias 2 frequências ao fimde-semana MERCADO GALIZA Preparada sala de espera para os passageiros da AUTNA com : Sub-página de comparação de tempos. - Televisão sintonizada para a TV Galiza - Jornais galegos - Hotline para a linha espanhola

31 Ruído - Sistema de Monitorização de Ruído constituído por uma rede de 3 estações fixas e uma estação portátil que registam continuamente o ruído gerado pelo tráfego aéreo, efectuando a sua correlação com as informações de voos e trajectórias. Qualidade do ar - Monitorização da qualidade do ar no perímetro do ASC. - Utilização de combustíveis menos poluentes (gás natural) e de queimadores de baixo NOx nas caldeiras de aquecimento. Gestão de Resíduos - Recolha selectiva de resíduos nas diversas áreas do aeroporto. - Criação e manutenção de infra-estruturas com condições adequadas para o armazenamento temporário de resíduos e de substâncias perigosas. Energia POLÍTICA AMBIENTAL - Sistema de Gestão Técnica Centralizada que possibilita a racionalização de consumos de energia na Aerogare, nomeadamente através do comando e controlo dos sistemas de climatização e de iluminação.

32 POLÍTICA AMBIENTAL Protecção da Fauna e da Flora -Reabilitação paisagística de áreas do aeroporto, nomeadamente através da sua arborização. -Utilização de sistemas de dispersão de aves para garantir a segurança aeronáutica e preservar o ambiente natural envolvente. Gestão Hídrica -Utilização de sistemas que permitem a racionalização dos consumos de água, nomeadamente o sistema de drenagem por vácuo, torneiras temporizadas e sensores de humidade na rede de rega. Gestão de líquidos efluentes - Sistemas de tratamento das águas residuais (ETAR do aeroporto) e de águas pluviais/lavagem (separadores de hidrocarbonetos) que permitem o seu tratamento antes da descarga no meio natural. - Monitorização periódica de todos os efluentes líquidos produzidos no aeroporto (ETAR, separadores de hidrocarbonetos e emissário de águas pluviais).

33 PLANO DIRECTOR OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Posicionamento: - Gateway do Noroeste Peninsular Objectivos estratégicos: - Gerir de forma eficiente o Aeroporto do Porto - Ligar cada vez mais o Noroeste Peninsular ao Mundo - Contribuir para o desenvolvimento económico e social da região - Oferecer um serviço de elevada qualidade

34 PLANO DIRECTOR OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Objectivos de Crescimento Aumentar e Diversificar a Oferta nos Segmentos: Passageiros: Full Service, Low Cost e Transfer Carga: Voos mistos, Full Cargo, Integrators e Transfer Estimular a Procura: Incoming: Promover a região como destino turístico: Porto e Norte de Portugal em parceria com Adeturn e ITP e Galiza com Turgalicia e Turismo das Rias Baixas Promover o destino no segmento MICE em parceria com o PCB Estimular a visita de Emigrantes e descendentes à região Outgoing (Aproveitando a importante área de influência): Estimular as viagens negócios de residentes Estimular as viagens de lazer Estimular as viagens de estudantes

35 PLANO DIRECTOR OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Preocupações de Desenvolvimento O Aeroporto como motor de desenvolvimento e prestígio da região Harmonização com as políticas de ordenamento do território e de desenvolvimento municipal Comportamento exemplar quanto às boas práticas de natureza ambiental Excelente relacionamento com a comunidade envolvente

36 PLANO DIRECTOR OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Perspectiva de Evolução Em Mpax Em Objectivo: 5 Mpax Saltos de capacidade previstos: 6 MPA 9 MPA 11 MPA 15 MPA Nota: O Aeroporto processou 37 mil ton de carga em 2006, não se prevendo restrições ao crescimento em função das suas facilidades operacionais específicas

37 PLANO DIRECTOR OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Situação Actual Capacidade: 5 MPA 18 mov/h 34 stands Area = 338,0 ha

38 PLANO DIRECTOR OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS 6 MPA 28 mov/h 36 stands Area = 353,9 ha Prolongamento TWY A Ampliação CLCA Áreas de Desenvolvimento Imobiliário Estação Ferroviária

39 PLANO DIRECTOR OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS 9 MPA 40 mov/h 44 stands Area = 440,4 ha Relocalização da Pista Conversão da pista actual em TWY Ampliação do CLCA Reposicionamento da PIE Aumento do TBP Relocalização do Fuel Farm e Radar

40 PLANO DIRECTOR OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS 15 MPA 40 mov/h 54 stands Area = 510,5 ha Expansão Terminal Passageiros (7PT) Aumento de áreas técnicas Relocalização da TWR

41

42

43

2007-2010. localização Bengo - Angola. Casa Militar do Presidente da República / GRN. 3 mil milhões de EUR. Projeto de Execução. 1.

2007-2010. localização Bengo - Angola. Casa Militar do Presidente da República / GRN. 3 mil milhões de EUR. Projeto de Execução. 1. localização Bengo - Angola Dono da Obra Casa Militar do Presidente da República / GRN Custo Estimado 3 mil milhões de EUR Perspetiva geral do NAIA Fase Projeto de Execução Área 1.980 ha O Novo Aeroporto

Leia mais

Que políticas de transportes

Que políticas de transportes Que políticas de transportes 8º ciclo de seminários - Transportes e negócios J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa) Professor Universitário e Consultor Aeroportos

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MEDIDAS DE GESTÃO E UTILZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA NO AEROPORTO DE LISBOA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MEDIDAS DE GESTÃO E UTILZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA NO AEROPORTO DE LISBOA MEDIDAS DE GESTÃO E UTILZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA NO AEROPORTO DE LISBOA 22 de Maio de 2006 ENQUADRAMENTO 1942 O Aeroporto de Lisboa Abriu ao trafego, integrando-se na DGAC (Direcção Geral de Aeronáutica

Leia mais

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa

Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Concurso Público de Concepção para a Elaboração do Projecto do Terminal de Cruzeiros de Lisboa Breve descrição do projecto Constituem-se como objectivos estratégicos do projecto do Terminal de Cruzeiros

Leia mais

Portugal: Destino Competitivo?

Portugal: Destino Competitivo? Turismo O Valor Acrescentado da Distribuição Portugal: Destino Competitivo? Luís Patrão Turismo de Portugal, ip Em 2006 Podemos atingir 7.000 milhões de euros de receitas turísticas Teremos perto de 37,5

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente. INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO

AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente. INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO AEROPORTO INTERNACIONAL SALGADO FILHO Jorge Herdina Superintendente INFRAESTRUTURA E OPERAÇÕES PROJETOS ESTRATÉGICOS e PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO OBJETIVO Divulgar os Projetos Estratégicos do Aeroporto

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

AEROPORTO DE LISBOA 12 de Novembro 2009

AEROPORTO DE LISBOA 12 de Novembro 2009 AEROPORTO DE LISBOA 12 de Novembro 2009 AGENDA ENQUADRAMENTO OBJECTIVOS OBRAS QUALIDADE DE SERVIÇO DESAFIOS FUTUROS AGENDA ENQUADRAMENTO OBJECTIVOS OBRAS QUALIDADE DE SERVIÇO DESAFIOS FUTUROS LIMITAÇÕES

Leia mais

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P

AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P AEROPORTOS DE MOÇAMBIQUE, E.P 1. PROGRAMA DE INVESTIMENTOS 2. AEROPORTO INTERNACIONAL DE MAPUTO Maputo, 30 Nov 2010 INTRODUÇÃO Devido a dinâmica de desenvolvimento dos últimos tempos, algumas unidades

Leia mais

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012

PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 PERFIL DOS TURISTAS DO PORTO E NORTE DE PORTUGAL 1º TRIMESTRE DE 2012 1 O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de

Leia mais

OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO:

OBJECTIVOS DO OBSERVATÓRIO: ENQUADRAMENTO: O Observatório do Turismo de Lisboa é uma estrutura interna da Associação Turismo de Lisboa, criada em 1999. A ATL é uma associação privada de utilidade pública, que conta actualmente com

Leia mais

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões

Política aeroportuária: as dúvidas e as questões Política aeroportuária: as dúvidas e as questões J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade de Lisboa) Professor Universitário e Consultor 1 Sistema Aeroportuário Nacional 2 Questões levantadas

Leia mais

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso O ruído tem vindo a assumir um lugar de destaque no conjunto de preocupações dos cidadãos em matéria ambiental. De acordo com informação

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Tecno 3000 PREÂMBULO RESUMO NÃO TÉCNICO

Tecno 3000 PREÂMBULO RESUMO NÃO TÉCNICO PREÂMBULO O Aeroporto Francisco Sá Carneiro fica situado a Norte da cidade do Porto mas ainda dentro da aglomeração do Porto e, por maioria de razão, bem dentro da constelação das Grandes Cidades do Noroeste

Leia mais

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira

O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira O turismo e o seu contributo para o desenvolvimento da Madeira Lisboa, 5 de Julho 2012 Bruno Freitas Diretor Regional de Turismo da Madeira O Destino Madeira A Região Autónoma da Madeira (RAM) ocupa, desde

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

Estação central de coimbra

Estação central de coimbra central de coimbra N o v a i n t e r f a c e i n t e r m o d a l e P l a n o d e u r b a n i z a ç ã o ( e n t r a d a p o e n t e ) Na sua história recente tem sido muito influenciada pela localização

Leia mais

CATEGORIA A2 MEIOS DE ACESSO AO MUNICÍPIO IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: ( 1 ) A.2.3.1. Aeroporto ( 2 ) A.2.3.2. Campo de pouso

CATEGORIA A2 MEIOS DE ACESSO AO MUNICÍPIO IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: ( 1 ) A.2.3.1. Aeroporto ( 2 ) A.2.3.2. Campo de pouso Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN

AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN AEROPORTO INTERNACIONAL DA DA GRANDE NATAL SÃO SÃO GONÇALO DO DO AMARANTE - RN - RN PROJETOS Instalações que compõem o escopo do empreendimento: Via de acesso principal à área terminal; Estacionamento

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA W14 26/10/14 a 28/03/2015 25 de Abril de 2014 1. PISTA DE POUSO E DECOLAGEM (*) CAPACIDADE DE PISTA Período Hora (LT) Capacidade (mov/hora) 26/10/2014

Leia mais

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 O PATRIMÓNIO NATURAL E O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALGARVE Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril

Leia mais

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão A Cidade Logística Plataforma Logística do Poceirão Póvoa de Santa Iria, 03 de Dezembro 2009 1 1. Apresentação Integrado na rede de plataformas nacionais definida pelo Portugal Logístico será desenvolvido

Leia mais

Evolução recente do tráfego de passageiros do Aeroporto de Faro. António Correia Mendes / Francisco Pita, 11 Outubro 2010

Evolução recente do tráfego de passageiros do Aeroporto de Faro. António Correia Mendes / Francisco Pita, 11 Outubro 2010 recente do tráfego de passageiros do Aeroporto de Faro António Correia Mendes / Francisco Pita, 11 Outubro 2010 O Verão de 2010 ficará marcado por um aumento de acessibilidade aérea sem precedentes na

Leia mais

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014

Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011. InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 INFRAERO Audiência Pública CREA/SP - 21/06/2011 InfraestruturaAeroportuária em SÃO PAULO para a COPA 2014 Arq. Jonas Lopes Superintendente de Estudos e Projetos de Engenharia jonas_lopes@infraero.gov.br

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Salvador. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Salvador. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Salvador Setembro/2013 Salvador: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

MERCADO DE HOTÉIS AS LOW COST E A HOTELARIA DO PORTO AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO

MERCADO DE HOTÉIS AS LOW COST E A HOTELARIA DO PORTO AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO 7 MERCADO DE HOTÉIS AS LOW COST E A HOTELARIA DO PORTO Abril 29 Sumário Executivo Aeroporto Francisco Sá Carneiro Hotelaria da Cidade do Porto 4 As Low Cost e a Hotelaria do Porto 5 Conclusões 6 Contactos

Leia mais

Lista Classificativa de Projectos de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental)

Lista Classificativa de Projectos de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental) Lista Classificativa de de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental) 1. Objectivo Para acelerar as acções referente ao estabelecimento do regime da avaliação

Leia mais

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S15 29/03/15 a 24/10/2015

DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S15 29/03/15 a 24/10/2015 DECLARAÇÃO DA CAPACIDADE OPERACIONAL SBGR TEMPORADA S15 29/03/15 a 24/10/2015 01 de Outubro de 2014 1. TERMINAIS DE PASSAGEIROS CAPACIDADE ESTÁTICA TERMINAL DE PASSAGEIROS (PAX/HORA) INTERNACIONAL TERMINAL

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO

ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO ESTRATÉGIA PARA A SUSTENTABILIDADE DA CIDADE DO PORTO A Estratégia para a Sustentabilidade da Cidade do Porto é um documento da responsabilidade técnica da AdEPorto - Agência de Energia do Porto elaborado

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA

DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA DADOS DE MERCADO 2010/2011 HOLANDA + BÉLGICA HÓSPEDES HOTELARIA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA (NUTSII) (Fonte: INE, PORTUGAL) HOLANDA Hóspedes hotelaria - AM Lisboa 82.600 78.557 75.546 76.601 75.636 74.305

Leia mais

Estudo da Demanda Turística Internacional

Estudo da Demanda Turística Internacional Estudo da Demanda Turística Internacional Brasil 2012 Resultados do Turismo Receptivo Pontos de Coleta de Dados Locais de entrevistas - 25 Entrevistados - 31.039 15 aeroportos internacionais, que representam

Leia mais

ROTAS AÉREAS PARA O PORTO. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março

ROTAS AÉREAS PARA O PORTO. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março ROTAS AÉREAS PARA O PORTO Verão 2011 Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo Março Sumário Oportunidades Reino Unido Londres Alemanha Centro-Oeste e Sul Espanha Madrid

Leia mais

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Gerência de Planos Diretores - Sede Abril/2010 Documento de Planejamento Plano Diretor Aeroportuário rio Objetivo Definição Objetivos

Leia mais

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Transportes Sul do Tejo MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Graça Calapez Barreiro, 22 de Outubro de 2010 HISTÓRIA A T.S.T. constitui-se a partir de um dos centros da Rodoviária Nacional. Foi privatizada em Janeiro

Leia mais

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier METRO DO PORTO Melhoria da mobilidade Foto do site da Bombardier Rui Site: Rodrigues www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 15 de Dezembro de 2003 METRO DO PORTO

Leia mais

ROTAS AÉREAS PARA LISBOA. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março

ROTAS AÉREAS PARA LISBOA. Verão 2011. Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo. Março ROTAS AÉREAS PARA LISBOA Verão 2011 Principais oportunidades para hoteleiros e prestadores de serviços de turismo Março Sumário Oportunidades Reino Unido Londres Alemanha Centro-Oeste Espanha Madrid e

Leia mais

Eficiência Funcionários Check-In

Eficiência Funcionários Check-In Eficiência Funcionários Check-In Sinalização dos fluxos, através de divisores, displays e sinalização horizontal; Alteração de layout áreas de formação de fila; Triagem dos passageiros na entrada da área

Leia mais

FERRAMENTA AUTÁRQUICA DE GESTÃO DE ENERGIA (Ferramenta AGE)

FERRAMENTA AUTÁRQUICA DE GESTÃO DE ENERGIA (Ferramenta AGE) FERRAMENTA AUTÁRQUICA DE GESTÃO DE ENERGIA (Ferramenta AGE) Alexandre Varela Seminário 'A Energia, os Municípios e as Autarquias 29 Maio 2012 - Fórum Municipal da Maia ÍNDICE Ferramenta AGE - Porquê? -

Leia mais

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008

O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008 O Projecto de Alta Velocidade em Portugal Lisboa, 17 de Novembro de 2008 Sinopse Histórica Sinopse Histórica Dez/2000 Criação da RAVE Jan/2001 Criação do AVEP Jun/2002 Início dos Estudos de Viabilidade

Leia mais

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011

COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 COPA 2014 AEROPORTOS Atualização: 14/06/2011 AEROPORTOS DA COPA 13 Aeroportos 31 Intervenções R$ 5,79 bilhões Manaus TPS Fortaleza TPS São Gonçalo do Amarante Pista Recife Torre Cuiabá TPS Brasília TPS

Leia mais

A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas.

A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas. I. O Promotor A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas. A Conceito Original pretende pois afirmar-se

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Serviços de Infra-Estrutura. Brasília, 09 de Julho de 2009

SENADO FEDERAL Comissão de Serviços de Infra-Estrutura. Brasília, 09 de Julho de 2009 SENADO FEDERAL Comissão de Serviços de Infra-Estrutura MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA RIA Brasília, 09 de Julho de 2009 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

Leia mais

Aeroporto Internacional de Porto Alegre Salgado Filho

Aeroporto Internacional de Porto Alegre Salgado Filho 1ª OPERACIONAL/2015 Aeroporto Internacional de Porto Alegre Salgado Filho 3º Seminário de Autoridades Aeroportuárias Boas Práticas de Gestão nos Aeroportos AGOSTO/2015 EVOLUÇÃO DO MOVIMENTO DE AERONAVES

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão

Odebrecht TransPort assume operação do Galeão nº 338 agosto 2014 Odebrecht TransPort assume operação do Galeão Odebrecht 70 anos: trajetória em aeroportos Novos serviços para usuários-clientes de água e esgoto Rota do Oeste deve investir R$5,5 bilhões

Leia mais

PROJECTOS DE INVESTIMENTO DA ADM, E.P. (AS CIDADES AEROPORTUÁRIAS DE MAPUTO E NACALA)

PROJECTOS DE INVESTIMENTO DA ADM, E.P. (AS CIDADES AEROPORTUÁRIAS DE MAPUTO E NACALA) PROJECTOS DE INVESTIMENTO DA ADM, E.P. (AS CIDADES AEROPORTUÁRIAS DE MAPUTO E NACALA) MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE MAPUTO 1ª Fase (edifícios) concluída em 2012. 2ª Fase iniciou

Leia mais

PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA.

PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA. PROJECTO DE EXPANSÃO E MODERNIZAÇÃO DO PORTO DA PRAIA. Objecto Geral do projecto: Este projecto insere-se no âmbito do "Projecto Infra-estrutura" do MCA-CV (Millennium Challenge Account Cabo Verde) e tem

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Code-P0 COPA 2014. Atualizado em 27/09/2011

Code-P0 COPA 2014. Atualizado em 27/09/2011 CodeP0 AEROPORTOS COPA 2014 Atualizado em 27/09/2011 0 CodeP1 ÍNDICE 2 GUARULHOS 4 Construção do TPS 3 (1ª Fase) Desapropriação, Ampliação e Revitalização do Sistema de Pista e Pátio Ampliação e Revitalização

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS

AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS SITUAÇÃO ATUAL AMPLIAÇÃO março/2009 A Empresa 67 aeroportos (32 internacionais) 80 estações de apoio à navegação aéreaa s s 32 terminais de logística de carga

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES PORTO AEROPORTO ARENA MONOTRILHO MATRIZ ENERGÉTICA COMUNICAÇÃO MANAUS CIDADE-SEDE ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Manaus x Belém

Leia mais

Sistema Aeroportoviário no Brasil

Sistema Aeroportoviário no Brasil Sistema Aeroportoviário no Brasil FERNANDA MINUZZI LUCIANO DOMINGUES RÉGIS GOMES FLORES VINÍCIOS Transportes Introdução O transporte aéreo no Brasil vem acompanhando o desenvolvimento do País.Hoje, o transporte

Leia mais

Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS.

Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS. Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS. Assim, foram selecionados profissionais experientes nessa área

Leia mais

Perfil do visitante de Évora

Perfil do visitante de Évora Perfil do visitante de Évora Universidade de Évora Escola de Ciências Sociais Maria do Rosário Borges Maria Noémi Marujo Jaime Serra Évora, Maio de 2012 41-60 anos (45%) Idade 21-40 anos (39%) Habilitações

Leia mais

Integrar o Aeroporto Sá Carneiro na Linha de Velocidade Elevada Porto Galiza através da Linha de Leixões António Alves 10 01 2008

Integrar o Aeroporto Sá Carneiro na Linha de Velocidade Elevada Porto Galiza através da Linha de Leixões António Alves 10 01 2008 Integrar o Aeroporto Sá Carneiro na Linha de Velocidade Elevada Porto Galiza através da Linha de Leixões António Alves 10 01 2008 As grandes vantagens desta proposta são não pôr em causa o objectivo de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2012. Dispõe sobre a obrigação dos operadores de aeródromo de informar à ANAC a capacidade operacional. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das

Leia mais

Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil

Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil Estudo do setor de transporte aéreo do Brasil Propostas de melhoria de layout nos aeroportos São Paulo, 26 de fevereiro de 2010 Este documento é parte integrante do CD anexo ao Estudo do Setor de Transporte

Leia mais

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Estratégia para um Desenvolvimento Sustentável para a Cidade de Águeda Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Águeda, 27/04/2011 V.M. Ferreira O projecto: Este projecto visou reflectir

Leia mais

PLANO DIRECTOR DO AEROPORTO REGIONAL DE BRAGANÇA

PLANO DIRECTOR DO AEROPORTO REGIONAL DE BRAGANÇA DEZEMBRO DE 2008 ÍNDICE PLANO DIRECTOR... 2 1.1. INTRODUÇÃO... 2 1.1.1. Antecedentes... 2 1.1.2. Análise da envolvente... 2 1.1.3. Situação actual do aeroporto... 2 1.1.4. Situação futura... 3 1.2. OBJECTIVOS

Leia mais

O Futuro do Transporte de Mercadorias

O Futuro do Transporte de Mercadorias O Futuro do Transporte de Mercadorias A diminuição dos custos de transacção na economia portuguesa é fundamental para o aumento de nossa competitividade. Tal diminuição joga-se fundamentalmente no transporte

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA

AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA AEROPORTO INTERNACIONAL DE CABO FRIO UMA NOVA OPÇÃO LOGÍSTICA Conferência Internacional sobre Capital Privado em Aeroportos FIESP / CIESP 23/Abril/2009 A Costa da Sol Operadora Aeroportuária S.A. é uma

Leia mais

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de Engenharia, bem como Assistência Técnica e Fiscalização

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1 Sobre a INFRAMERICA 2 Aeroporto de Brasília 3 Obras emergenciais 4 Obras de ampliação

APRESENTAÇÃO. 1 Sobre a INFRAMERICA 2 Aeroporto de Brasília 3 Obras emergenciais 4 Obras de ampliação APRESENTAÇÃO 1 Sobre a INFRAMERICA 2 Aeroporto de Brasília 3 Obras emergenciais 4 Obras de ampliação Sobre a INFRAMERICA Quem somos Engevix Infravix (50%) Corporácion América (50%) Inframérica (51%) Infraero

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Inquérito a Turistas Novembro de 2014. Com o apoio de:

Inquérito a Turistas Novembro de 2014. Com o apoio de: Inquérito a Turistas Novembro de 2014 Com o apoio de: 1 Índice 1 Síntese 4 2 Principais resultados 8 3 Ficha técnica 29 2 Contextualização do Projecto O grupo Controlinveste pretendeu realizar um estudo

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA

POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA JUNTA DE FREGUESIA DA GAFANHA DA NAZARÉ POSTO DE TURISMO DA PRAIA DA BARRA RELATÓRIO DE BALANÇO DO VERÃO 2011 Gafanha da Nazaré, Novembro de 2011 1. INTRODUÇÃO O Posto da Barra, é uma infra-estrutura situada

Leia mais

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA

GE.01/202.75/00889/01 GERAL GERAL ARQUITETURA / URBANISMO INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA INFRAERO GE.01/202.75/00889/01 1 / 6 01 REVISÃO GERAL 07.07.05 ARQ. CLAUDIA REV. M O D I F I C A Ç Ã O DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária ESCALA DATA

Leia mais

INQUÉRITO AOS GASTOS E SATISFAÇÃO DOS TURISTAS, 2009

INQUÉRITO AOS GASTOS E SATISFAÇÃO DOS TURISTAS, 2009 INQUÉRITO AOS GASTOS E SATISFAÇÃO DOS Praia, 29 de Abril de 2010 Plano de apresentação Introdução. Nota metodológica. Apresentação dos resultados..satisfação..gastos. TURISTAS, 2009 Objectivos do Inquérito

Leia mais

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal.

O que é o porto de Leixões. O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. Porto de leixões O que é o porto de Leixões O porto de Leixões é o maior porto artificial de Portugal. História do porto de Leixões O porto de Leixões foi construído na foz do rio leça, aproveitando três

Leia mais

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP)

O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) O Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), em parceria com a Entidade Regional de Turismo do Porte e Norte de Portugal (ERTPNP) e o Aeroporto Sá Carneiro, realizou o estudo do perfil

Leia mais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais

Belo Horizonte, 6 de junho, 2011. Prefeitura de Belo Horizonte Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais Belo Horizonte, 6 de junho, 2011 Infraestrutura Aeroportuária de Belo Horizonte Região metropolitana: Aeroporto Carlos Prates Aeroporto da Pampulha Aeroporto Internacional Tancredo Neves Movimento operacional

Leia mais

PERFIL DO PASSAGEIRO LOW-COST DE LISBOA

PERFIL DO PASSAGEIRO LOW-COST DE LISBOA PERFIL DO PASSAGEIRO LOW-COST DE LISBOA Inverno 2014-2015 PERFIL DO PASSAGEIRO LOW-COST DE LISBOA INTRODUÇÃO Desde 2005, o Observatório do Turismo de Lisboa, em colaboração com a ANA Aeroportos de Portugal,

Leia mais

Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem uma sequência de atividades quando no aeroporto:

Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem uma sequência de atividades quando no aeroporto: TRA 57_Operações em Aeroportos Fluxos, Processos e Atividades Operacionais: TPS Giovanna Miceli Ronzani Borille (ronzani@ita.br) processo Seja qual for a configuração do terminal passageiros percorrem

Leia mais

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa

UGP COPA Unidade Gestora do Projeto da Copa Organização da Copa 2014 PORTFÓLIOS UGPCOPA ARENA E ENTORNO INFRAESTRUTURA TURÍSTICA FAN PARKS LOC COPA DESPORTIVA EVENTOS DA FIFA GERENCIAMENTO DE PROJETOS OBRIGAÇÕES GOVERNAMENTAIS SUPRIMENTOS COPA TURÍSTICA

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2OO6

RELATÓRIO DE GESTÃO 2OO6 AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS /GOV. ANDRÉ FRANCO MONTORO - SBGR Objeto: Implantação, adequação, ampliação e revitalização do sistema de pátios e pistas; recuperação e revitalização do

Leia mais

Observatório do Ambiente - SIIGMA

Observatório do Ambiente - SIIGMA Observatório do Ambiente - SIIGMA Elsa Nunes, Marcos António Nogueira Cidadania / Ambiente / Inovação Cidadania Território Conhecimento Ambiente Território Sociedade Economia Território Cidadania Cidadania

Leia mais

Enquadramento, Objectivos e Metodologia. O papel dos aeroportos no desenvolvimento turístico

Enquadramento, Objectivos e Metodologia. O papel dos aeroportos no desenvolvimento turístico Agenda Enquadramento, Objectivos e Metodologia O papel dos aeroportos no desenvolvimento turístico Novo aeroporto de Lisboa: quantificação e avaliação do impacto no sector do turismo Conclusões e recomendações

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

PERFIL DO PASSAGEIRO LOW-COST DE LISBOA

PERFIL DO PASSAGEIRO LOW-COST DE LISBOA PERFIL DO PASSAGEIRO LOW-COST DE LISBOA Verão 2014 PERFIL DO PASSAGEIRO LOW-COST DE LISBOA INTRODUÇÃO Desde 2005, o Observatório do Turismo de Lisboa, em colaboração com a ANA Aeroportos de Portugal, tem

Leia mais

Viagens & Logística Corporativa

Viagens & Logística Corporativa Viagens & Logística Corporativa A Quinta Essência é a empresa Moçambicana líder em gestão de viagens corporativas Inovamos e padronizamos de acordo com as necessidades específicas dos nossos clientes,

Leia mais

Powered by. Desenvolvimento

Powered by. Desenvolvimento Desenvolvimento de Sistemas Sustentáveis 1 Urbancraft Energia, S.A. FDO INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A. ALEXANDRE BARBOSA BORGES, SGPS, S.A. 50% 50% A URBANCRAFT ENERGIA, S.A é uma sociedade

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF

Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF Aeroporto Internacional Tancredo Neves/Confins - SBCF Breve Histórico Na década de 70 o então Ministério da Aeronáutica, em parceria com o Governo de Minas Gerais, iniciou estudos para viabilizar a construção

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

PLANBELAS, S.A. Missão, Visão e Valores

PLANBELAS, S.A. Missão, Visão e Valores PLANBELAS, S.A. Missão, Visão e Valores Missão (razão de ser): Desenvolver projectos residenciais de referência, com uma visão de longo prazo, baseados em princípios de excelência, sustentáveis e integrados

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027

CLASSIFICAÇÃO PAESP 2007-2027 1 AEROPORTO REGIONAL CLASSIFICAÇÃO PAESP 27-227 São os aeroportos destinados a atender as áreas de interesse regional e/ou estadual que apresentam demanda por transporte aéreo regular, em ligações com

Leia mais

UM AEROPORTO MELHOR GANHA VIDA

UM AEROPORTO MELHOR GANHA VIDA Plano de Desenvolvimento do Aeroporto de Faro 015-017 UM AEROPORTO MELHOR GANHA VIDA Plano de Desenvolvimento do Aeroporto de Faro 015-017 Plano de Desenvolvimento do Aeroporto de Faro 015-017 Plano de

Leia mais

Transfer privado de chegada ao Aeroporto de Londres

Transfer privado de chegada ao Aeroporto de Londres Transfer privado de chegada ao Aeroporto de Londres Operador: Viator Inc Dias de Saída na Semana Moeda: US$ Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom Dias Limite para Venda: 3 X X X X X X X Quantidade mínima de passageiros

Leia mais

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR:

Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: 1ª AVENIDA DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DA BAIXA DO PORTO Relatório do Inquérito aos Turistas sobre os Estabelecimentos Comerciais CO-FINANCIADO POR: Unidade de Gestão de Área Urbana Dezembro 2012 Índice

Leia mais

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde

A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde A Reforma Institucional em curso do Sector da Água e do Saneamento em Cabo Verde Por: António Pedro B. BORGES Coordenador da Comissão de Reforma do Sector da Água e Saneamento MAHOT - Praia, Cabo Verde

Leia mais