O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Projecto de Alta Velocidade em Portugal. Lisboa, 17 de Novembro de 2008"

Transcrição

1 O Projecto de Alta Velocidade em Portugal Lisboa, 17 de Novembro de 2008

2 Sinopse Histórica

3 Sinopse Histórica Dez/2000 Criação da RAVE Jan/2001 Criação do AVEP Jun/2002 Início dos Estudos de Viabilidade Nov/2003 Cimeira Ibérica da Figueira da Foz: Ligações Transfronteiriças Porto-Vigo Porto-Madrid Aprox. 2h45m Aveiro-Salamanca Tempos de percurso Dez/2003 Início dos Estudos Prévios e de Impacte Ambiental Jul/2004 Parlamento Europeu aprova lista de 30 projectos prioritários para a criação da Rede Transeuropeia de Transportes Set/2006 Início do Processo de Avaliação de Impacte Ambiental dos traçados de Alta Velocidade Jun/2007 Apresentação para discussão pública do Modelo de Negócios Lisboa-Madrid Lisboa-Madrid Aprox. Faro-Huelva 2h45m

4 Principais Objectivos da Rede Ferroviária de Alta Velocidade em Portugal (1/2) 1. Sistema de transportes moderno, sustentável e eficiente 2. Integração de Portugal no espaço ibérico e europeu 3. Fachada atlântica competitiva à escala europeia 4. Motor de desenvolvimento regional 5. Projecto potenciador de emprego, desenvolvimento económico e tecnológico

5 Principais Objectivos da Rede Ferroviária de Alta Velocidade em Portugal (2/2) 1. Alavanca para a competitividade do sistema portuário, aeroportuário, ferroviário convencional e logístico: Rede Ferroviária Convencional Principais Portos Principais Aeroportos Plataformas Logísticas A Rede de Alta Velocidade como elemento estruturante do Sistema de Transportes do Futuro

6 Situação na Europa e no Mundo

7 Países com linhas AV: em Operação em Construção Planeadas Em discussão Países AV A primeira linha de AV foi inaugurada no Japão em 1964: Tóquio-Osaka. A primeira linha de AV europeia foi inaugurada em França em 1981: Paris Lyon. Dado o sucesso dos exemplos japonês e francês, inúmeros países implementaram ou estão a planear implementar redes de AV. Países com Linhas de Alta Velocidade: Em operação Em construção Planeadas Em discussão Europa Resto do Mundo

8 AV na Europa em 2025

9 O Projecto Português

10 Eixos prioritários: EIXO LISBOA - MADRID Tráfego Misto Tempo de Viagem Extensão (directo) (Lisboa-Caia) Investimento AV Investimento AV - TTT 2h45m 206 km M (exc./ttt) 600 M (Caia) Estações Lisboa, Évora, Elvas/Badajoz Entrada em Serviço 2013 AV + Convencional entre Évora - Caia Sines

11 Eixos prioritários: EIXO PORTO - VIGO Tráfego Misto Tempo de Viagem (directo) 1h00m Extensão (1ª fase) 70 km Investimento (1ª fase) 850 M Estações (1ª fase) Braga, Valença Entrada em Serviço (1ª fase) 2013 Valença

12 EIXO PORTO - VIGO Tráfego Misto Tempo de Viagem (directo) 1h00m Extensão (1ª fase) 70 km Investimento (1ª fase) 850 M Estações (1ª fase) Braga, Valença Entrada em Serviço (1ª fase) 2013 Braga (2ª fase) Eixos prioritários: (1ª fase) Valença Porto Campanhã

13 Eixos Prioritários: LISBOA - PORTO Tipo de Tráfego Passageiros Tempo de Viagem (directo) 1h15m Velocidade de Projecto 300 km/h Extensão 290 km Investimento 4500 milhões Estações Lisboa, Rio Maior, Leiria, Coimbra, Aveiro e Porto Entrada em Serviço 2015 Oeste

14 Linha do Norte - % de utilização (período de ponta) LINHA DO NORTE Eixo Principal da RFN que se articula com as Linhas de: Circulam diariamente 591 comboios com velocidades comerciais entre 40 e 120 km/h: Minho, Douro, Beira Alta, Oeste, Beira Baixa, Vendas Novas e Cintura suburbanos (40 a 60 km/h) mercadorias (70 km/h) regionais (60 a 80 km/h) longo curso (100 a 120 km/h) ENCONTRA-SE NO LIMITE DE CAPACIDADE. Com a deslocação dos serviços rápidos para a AV liberta-se capacidade para o aumento da oferta dos outros serviços.

15

16

17

18 Procura

19 Redução do tempo/distância Mais de 50% da população efectuará deslocações entre os principais centros urbanos nacionais, em menos de 2 horas; Isócronas dos tempos de acesso à Alta Velocidade até 15 a 30 a 45 Para 3 horas, cerca de 90%. a 60 a 90 e mais Percurso Tempos de percurso / 2015 Ferrovia AV Lx-Porto 2:35 1:15 Lx-Madrid 9:00 2:45 Porto-Vigo 3:30 1:00 Fonte : Estudo SociNova, 2005

20 Procura Eixos Lisboa-Porto e Lisboa Madrid Milhões de Passageiros/Ano 2030 Os Estudos de Procura envolveram a realização de inquéritos No Eixo Lisboa-Porto, em 2015, prevêm-se: Cerca de 7 Milhões de viagens em AVF; 5,1 7,1 60 Milhões de viagens entre as zonas servidas pela AVF; Em 2008, entre Lisboa e o Porto, estima-se que utilizarão os serviços intercidades e alfa pendular cerca de 3,5 milhões de passageiros; 1,6 7,7 7,7 Tráfego Intermédio 1,6 Tráfego Longo Curso Estima-se que a entrada em serviço da AVF entre Porto e Vigo faça aumentar a procura no Eixo LisboaPorto em 20%

21 Quotas de Mercado: Eixos Lisboa-Porto e Lisboa Madrid Deslocações Média / Longa distância Aéreo 7% 5% 59% Rodoviário 82% 36% Ferroviário 11% No 1º ano de exploração: transferência de 3,5 Milhões de Passageiros da estrada para o caminho de ferro

22 Modelo de Negócio e Financiamento do Projecto

23 Objectivos Estratégicos do Modelo de Negócio Assegurar a Comportabilidade para o Estado Português Minimizar os Riscos Qual o modelo de negócio que melhor permite alcançar estes objectivos? Garantir uma Elevada Qualidade de Serviço Garantir o Cumprimento de Prazos

24 Modelo de Negócio Adoptado: Infra-estrutura Gestão de Circulação e Alocação de Capacidade (Estado / REFER) Sistemas de Sinalização e Telecomunicações (PPP) Substrutura / Superstrutura (PPP) Substrutura / Superstrutura (PPP) Substrutura / Superstrutura (PPP) Substrutura / Superstrutura (PPP) Substrutura / Superstrutura (PPP) Racional para a Desagregação Adoptada Risco e Operacionalidade / Funcionalidade CRIAÇÃO DE VALOR

25 Calendário de Contratação: Infra-estrutura Braga-Valença 2009 Pombal-Porto 2009 Lisboa-Pombal 2009 Lisboa-Poceirão 1º Trimestre de 2009 Sinalização e Telecomunicações 2009 Poceirão-Caia / 1,45 mm Concurso lançado a 2 de Junho Propostas entregues a 2 de Outubro PPP Substrutura / Superstrutura Âmbito: Concepção, Construção, Financiamento e Manutenção Prazo Concessão: 40 anos Mecanismo de Pagamento: Disponibilidade + Manutenção + Procura PPP Sinalização / Telecomunicações Âmbito: Concepção, Fornecimento, Instalação, Financiamento e Manutenção Prazo Concessão: 20 anos Mecanismo de Pagamento: Disponibilidde 25

26 Financiamento Comunitário Eixos Prioritários QREN Valor Atribuído Fundo de Coesão (Milhões de Euros) Rede AV 955 Rede Convencional 150 Total RTE-T Redes Trans-Europeias Transportes Valor Atribuído (Milhões de Euros) Terceira Travessia do Tejo 51 Troço Évora-Mérida 191 Troço Ponte de Lima-Vigo 140 Total 10% do total disponível para os 27 países da UE 382 Fundo de Coesão RTE-T

27 Funding dos Eixos Lisboa Porto e Lisboa - Madrid Financiamento Público Cash Flow Operacional 36% 45% 19% Financiamento Comunitário

28 PPP Poceirão/Caia (Eixo Lisboa/Madrid)

29 Calendário do Processo de Concurso PPP1 Pto. Situação Publicação do Anúncio do Concurso 2.Jun.08 Elaboração de Propostas 2.Jun a 2.Out.08 Avaliação das Propostas - 1ª Fase 2.Out a 19.Dez.08 Negociações e BAFO - 2ª Fase 19.Dez.2008 a 15.Mar.09 Avaliação das Propostas - 2ª Fase 15.Mar a 4.Jun.09 Adjudicação pela Tutela 5.Jun a 2.Jul.09 1 mês Fecho + Contrato de Concessão 2.Jul a 14.Set.09 2,5 meses Concluído 4 meses Concluído 2,5 meses Em curso 3 meses 2,5 meses Total» 15,5 meses 29

30 PPP1 - Encargos para o Estado vs Receitas & Benefícios Económicos Período de Disponibilidade / Preços Constantes Encargos Líquidos Receitas Exploração Benefício Tempo Redução de Acidentes Ganhos Ambientais Criação de Emprego

31 Ideias Finais

32 Ideias Finais Alta Velocidade Ferroviária constitui uma aposta central da politica de transportes comunitária; O Projecto português conta com o apoio expressivo da EU, tendo obtido um resultado histórico na atribuição de fundos comunitários; A Alta Velocidade Ferroviária potencia a coesão territorial, desenvolvimento socio-económico e equilíbrio energético; Eixo atlântico Lisboa-Porto-Vigo assume importância estratégica decisiva para a unidade e competitividade de Portugal à escala europeia;

33 Temos a oportunidade de concretizar um projecto que deixará o futuro mais próximo!

A REDE FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE E A SUA ARTICULAÇÃO COM O. Lisboa, 2 de Abril 2009

A REDE FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE E A SUA ARTICULAÇÃO COM O. Lisboa, 2 de Abril 2009 A REDE FERROVIÁRIA DE ALTA VELOCIDADE E A SUA ARTICULAÇÃO COM O SISTEMA AEROPORTUÁRIO Lisboa, 2 de Abril 2009 Enquadramento Histórico e Ponto de Situação do Projecto Principais Decisões 2003-2005: 2005:

Leia mais

Barreiro, 22 de Outubro 2010

Barreiro, 22 de Outubro 2010 Contribuição do Projecto Português de Alta Velocidade na redução da factura energética nacional Barreiro, 22 de Outubro 2010 2 Aumento de: Velocidade Eficiência Conforto Segurança Capacidade A Alta Velocidade

Leia mais

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil

ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil ENEC 2011 - Encontro Nacional de Engenharia Civil Sistema Ferroviário: Estagnação ou Desenvolvimento? Alberto Castanho Ribeiro Porto, 21 de Maio de 2011 Estrutura 1. Evolução do Caminho de Ferro 2. Desafios

Leia mais

PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira)

PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira) PP nº 16 da RTE-T: Ligação ferroviária entre o porto de Sines e Elvas (fronteira) Comissão Arco Atlântico Eduardo Borges Pires, Director de Estudos e Estratégia Sines, 11 de Março de 2011 Procura Transporte

Leia mais

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020

Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas. Horizonte 2014-2020 Plano Estratégico dos Transportes e Infraestruturas Horizonte 2014-2020 Consensualização de Prioridades O Grupo de Trabalho para as Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado apresentou o seu relatório

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013

Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Investimento na Rede Ferroviária Nacional 2009-2013 Porto, 1 de Outubro de 2009 António Viana 2 Plano da Apresentação Missão OESF 2006 Investimentos 2009-2013 3 Missão da REFER Proporcionar ao mercado

Leia mais

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE

MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE MULTIMODALIDADE ÁREA METROPOLITANA DO PORTO UMA OFERTA INTEGRADA DE QUALIDADE Enquadramento Comunitário e Nacional Livro Branco Roteiro do espaço único europeu dos transportes, rumo a um sistema de transportes

Leia mais

O Futuro do Transporte de Mercadorias

O Futuro do Transporte de Mercadorias O Futuro do Transporte de Mercadorias A diminuição dos custos de transacção na economia portuguesa é fundamental para o aumento de nossa competitividade. Tal diminuição joga-se fundamentalmente no transporte

Leia mais

O Projecto de Alta Velocidade e o Desenvolvimento Regional

O Projecto de Alta Velocidade e o Desenvolvimento Regional O Projecto de Alta Velocidade e o Desenvolvimento Regional Ordem dos Engenheiros, FEUP, 30 de Junho de 2008 Mário Rui Silva Faculdade de Economia do Porto 1. Os Pressupostos da Análise Caracterização do

Leia mais

A Alta Velocidade e o Turismo.

A Alta Velocidade e o Turismo. A Alta Velocidade e o Turismo. Estudo sobre o impacte do projecto de Alta Velocidade ferroviária no sector do turismo em Portugal Janeiro de 2010 Caderno 2 de 4 Relatório (Parte I) 1 Presentation Name

Leia mais

PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu

PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu PIRENE IV Melhoria das Redes de Transporte do Sudoeste Europeu Ligação Ferroviária ria Sines/Elvas Luísa Soares Direcção de Estudos e Estratégia llsoares@refer.pt Zaragoza, 20.10.2009 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

- Os dois Ministros acordam que a conexão do corredor Lisboa-Madrid será feita nas imediações das cidades de Elvas e Badajoz.»

- Os dois Ministros acordam que a conexão do corredor Lisboa-Madrid será feita nas imediações das cidades de Elvas e Badajoz.» Caros Tiago Azevedo Fernandes e José Ferraz Alves, Na chamada Cimeira da Figueira da Foz, que decorreu nos dias 7 e 8 de Novembro de 2003, o que ficou estabelecido entre os estados português e espanhol

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

CLUSTER DA ALTA VELOCIDADE. Porto, 30 de Junho 2008

CLUSTER DA ALTA VELOCIDADE. Porto, 30 de Junho 2008 CLUSTER DA ALTA VELOCIDADE Porto, 30 de Junho 2008 Alta Velocidade Eixos prioritários: EIXO LISBOA MADRID EIXO LISBOA PORTO EIXO PORTO -VIGO Investimento Investimento Total nos três eixos prioritários

Leia mais

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes

Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes Jornadas do Socialismo 2010 Braga, 28 e 29 de Agosto Heitor de Sousa, Economista de Transportes 1 Pressupostos e condicionantes Estratégia de Mobilidade nacional para o transporte de passageiros e de mercadorias:

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS

AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS AS REDES DE TRANSPORTE NO TERRITÓRIO PORTUGUÊS A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS REDES DE TRANSPORTE Rodoviária Ferroviária De Aeroportos De Portos De Energia Uma distribuição desigual Uma rede melhorada Segura

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

I FÓRUM IBÉRICO DE LOGÍSTICA

I FÓRUM IBÉRICO DE LOGÍSTICA I FÓRUM IBÉRICO DE LOGÍSTICA Cada vez mais, o transporte de mercadorias com a deslocalização dos centros de produção para longe dos centros de consumo, assume um carácter transnacional, da mesma forma,

Leia mais

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente

TRANSPORTE INTERMODAL. Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente TRANSPORTE INTERMODAL Os diferentes modos de transporte deverão funcionar como peças de um puzzle, que se encaixam harmoniosamente Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt

Leia mais

Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST. Câmara Municipal de Sines Maio 2008. 2008 - Prof. Fernando Nunes da Silva

Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST. Câmara Municipal de Sines Maio 2008. 2008 - Prof. Fernando Nunes da Silva Fernando Nunes da Silva Professor de Urbanismo e Transportes no IST Câmara Municipal de Sines Maio 2008 PDM de Sines Sistema de Transportes e Acessibilidades DESENVOLVIMENTO REGIONAL / NACIONAL População

Leia mais

A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS

A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS ADFERSIT 2011 A FERROVIA E A COMPETITIVIDADE DAS EMPRESAS Eng.º António de Melo Pires Diretor Geral da Volkswagen Autoeuropa 21 de junho de 2011 1 Agenda 1. O papel dos transportes na competitividade das

Leia mais

ERROS ESTRATÉGICOS NA NOVA REDE FERROVIÁRIA. 1. Não há ligação, através de linhas de bitola europeia, aos portos de Sines e Setúbal

ERROS ESTRATÉGICOS NA NOVA REDE FERROVIÁRIA. 1. Não há ligação, através de linhas de bitola europeia, aos portos de Sines e Setúbal ERROS ESTRATÉGICOS NA NOVA REDE FERROVIÁRIA 1. Não há ligação, através de linhas de bitola europeia, aos portos de Sines e Setúbal 2. Não se justifica uma linha convencional de mercadorias para cargas

Leia mais

CONFERÊNCIA FERROVIA, LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO CENÁRIO PÓS TGV

CONFERÊNCIA FERROVIA, LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO CENÁRIO PÓS TGV CONFERÊNCIA FERROVIA, LOGÍSTICA E COMPETITIVIDADE NO CENÁRIO PÓS TGV 15 de maio de 2012 Luís Cabral da Silva 1 1 A energia de que necessitamos (mas não temos) 2 Vantagens energética, económica e ambiental

Leia mais

Estação central de coimbra

Estação central de coimbra central de coimbra N o v a i n t e r f a c e i n t e r m o d a l e P l a n o d e u r b a n i z a ç ã o ( e n t r a d a p o e n t e ) Na sua história recente tem sido muito influenciada pela localização

Leia mais

Que políticas de transportes

Que políticas de transportes Que políticas de transportes 8º ciclo de seminários - Transportes e negócios J. Paulino Pereira (Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa) Professor Universitário e Consultor Aeroportos

Leia mais

Integrar o Aeroporto Sá Carneiro na Linha de Velocidade Elevada Porto Galiza através da Linha de Leixões António Alves 10 01 2008

Integrar o Aeroporto Sá Carneiro na Linha de Velocidade Elevada Porto Galiza através da Linha de Leixões António Alves 10 01 2008 Integrar o Aeroporto Sá Carneiro na Linha de Velocidade Elevada Porto Galiza através da Linha de Leixões António Alves 10 01 2008 As grandes vantagens desta proposta são não pôr em causa o objectivo de

Leia mais

REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO)

REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO) CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS EIXO PRIORITÁRIO I REDES E EQUIPAMENTOS ESTRUTURANTES NACIONAIS DE TRANSPORTES E MOBILIDADE SUSTENTÁVEL (FUNDO COESÃO) DOMÍNIO DE INTERVENÇÃO REDES E EQUIPAMENTOS

Leia mais

INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA

INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA INFRAESTRUTURAS DE TRANSPORTE E MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL OPORTUNIDADES DO QUADRO ESTRATÉGICO COMUM 2014 2020 16 DE DEZEMBRO DE 2015 PONTE DE LIMA ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1 - ESTRATÉGIA EUROPA 2020

Leia mais

Sessão ADFER O NOVO EIXO DE BITOLA EUROPEIA E ALTA VELOCIDADE LISBOA PORTO

Sessão ADFER O NOVO EIXO DE BITOLA EUROPEIA E ALTA VELOCIDADE LISBOA PORTO Sessão ADFER O NOVO EIXO DE BITOLA EUROPEIA E ALTA VELOCIDADE LISBOA PORTO Lisboa, 5 de Maio de 2009 Mário Lopes, Membro da Direcção da ADFER, Prof. do Dept. engª Civil (Área de estruturas) do IST No que

Leia mais

REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR DO ATLÂNTICO

REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR DO ATLÂNTICO RTE-T -CEF REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR DO ATLÂNTICO Rui Rodrigues - Consultor 3 de Outubro de 2014 Congresso da APAT TEMAS EM DEBATE PREÇO DO PETRÓLEO CUSTOS DO TRANSPORTE PROBLEMA DA DIFERENÇA

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA 09 DE NOVEMBRO DE 2015/ CARLOS MATIAS RAMOS

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA 09 DE NOVEMBRO DE 2015/ CARLOS MATIAS RAMOS OE, 9 de novembro de 2015 Temas a abordar A Estratégia Europeia Objectivos da UE Objetivos da UE: Redução das emissões de GEE até 2050 em 80 a 95% dos valores de1990 Modos de transporte. Eficiência energética

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 1783 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Decreto n.º 7/2008 de 27 de Março A rede ferroviária de alta velocidade constitui um empreendimento público de excepcional interesse nacional

Leia mais

REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR ATLÂNTICO

REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES CORREDOR ATLÂNTICO REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E CORREDOR ATLÂNTICO 2015-06-18 José Cruz Técnico Superior Enquadramento Regulamento (UE) Nº 1315/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho de 11 de dezembro de 2013,

Leia mais

Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado Linha Aveiro-Salamanca

Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado Linha Aveiro-Salamanca Infraestruturas de Elevado Valor Acrescentado Linha Aveiro-Salamanca Guarda, 1 de Julho de 2014 Mário Lopes (Presidente da ADFERSIT) mlopes@civil.ist.utl.pt OBJECTIVOS Tipos de tráfego: mercadorias, passageiros

Leia mais

CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS DA EXPLORAÇÃO DA REDE DE ALTA VELOCIDADE. 1. Efeitos no PIB da substituição de tráfego

CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS DA EXPLORAÇÃO DA REDE DE ALTA VELOCIDADE. 1. Efeitos no PIB da substituição de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados CONSEQUÊNCIAS ECONÓMICAS DA EXPLORAÇÃO DA REDE DE ALTA VELOCIDADE 1. Efeitos no PIB da substituição de tráfego Versão Final João Confraria Sónia

Leia mais

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão

A Cidade Logística. Plataforma Logística do Poceirão A Cidade Logística Plataforma Logística do Poceirão Póvoa de Santa Iria, 03 de Dezembro 2009 1 1. Apresentação Integrado na rede de plataformas nacionais definida pelo Portugal Logístico será desenvolvido

Leia mais

Transportes: projectos prioritários até 2020

Transportes: projectos prioritários até 2020 Alameda dos Oceanos, Lote 1.02.1.1. Z17 1990-302 Lisboa Telef: 210140312 E-Mail: geral@adfersit.pt Site: www.adfersit.pt Transportes: projectos prioritários até 2020 A ADFERSIT (Associação Portuguesa para

Leia mais

LOGÍSTICA EM PORTUGAL

LOGÍSTICA EM PORTUGAL LOGÍSTICA EM PORTUGAL 1 LOGÍSTICA EM PORTUGAL SUMÁRIO EXECUTIVO LOGÍSTICA EM PORTUGAL 2 LOGÍSTICA EM PORTUGAL INTRODUÇÃO CONTEXTO ATUAL 4 OBJETIVO 5 PRESSUPOSTOS ORIENTADORES 6 LOGÍSTICA EM PORTUGAL CONTEXTO

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 150/XI/1ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 150/XI/1ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 150/XI/1ª PELA DEFESA DA MODERNIZAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA NACIONAL, INCLUINDO A CONSTRUÇÃO DA LINHA DE ALTA VELOCIDADE LISBOA- MADRID O debate acerca da racionalidade

Leia mais

19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA

19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA 19 ANEXO II PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DO GTIEVA 534 Conclusões da Discussão Pública A Discussão Pública B Análise Preliminar à Alocação de Fundos Comunitários A Discussão Pública Discussão Pública Metodologia

Leia mais

ALTA VELOCIDADE FERROVIÁRIA CONSULTA PÚBLICA NO ÂMBITO DO PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TROÇO LISBOA-ALENQUER (OTA)

ALTA VELOCIDADE FERROVIÁRIA CONSULTA PÚBLICA NO ÂMBITO DO PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TROÇO LISBOA-ALENQUER (OTA) ALTA VELOCIDADE FERROVIÁRIA CONSULTA PÚBLICA NO ÂMBITO DO PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL DO TROÇO LISBOA-ALENQUER (OTA) Apreciação do Estudo de Impacto Ambiental e Apresentação de Soluções

Leia mais

Alargar os Horizontes -Visão CP -

Alargar os Horizontes -Visão CP - Alargar os Horizontes -Visão CP - Seminário de Transporte Ferroviário Porto, 1 de Outubro de 2009 Francisco Cardoso dos Reis Agenda Contexto Programa Transformação Estratégica CPmais Resultados 2008 Qualidade

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

O Conceito de Cluster

O Conceito de Cluster O Conceito de Cluster Conjunto de empresas, relacionadas entre si, que desenvolvem competências específicas, formando um pólo produtivo especializado e com vantagens competitivas. Antecedentes As empresas

Leia mais

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido

Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido MEMO/08/79 Bruxelas, 8 de Fevereiro de 2008 Cooperação Territorial Transnacional: Irlanda - Espanha - França - Portugal - Reino Unido 1. O Programa Operacional de Cooperação Transnacional Espaço Atlântico

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

A intermodalidade e o transporte marítimo

A intermodalidade e o transporte marítimo Ana Paula Vitorino Secretária de Estado dos Transportes A intermodalidade e o transporte marítimo 27 A dinâmica da política de transportes, global e europeia, e a posição geoestratégica de Portugal justificam

Leia mais

REGIÃO NORTE E A ALTA VELOCIDADE

REGIÃO NORTE E A ALTA VELOCIDADE REGIÃO NORTE E A ALTA VELOCIDADE Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 0 de Outubro de 003 A REGIÃO NORTE E A ALTA VELOCIDADE Independentemente

Leia mais

Oferta de Infraestruturas Rodoviárias. Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto

Oferta de Infraestruturas Rodoviárias. Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto Oferta de Infraestruturas Rodoviárias Conferência sobre Multimodalidade na Área Metropolitana do Porto José Serrano Gordo Vice Presidente da EP-Estradas de Portugal, SA Hotel Tiara Porto ISEL, 14 de Novembro

Leia mais

Plano Integrado de Transportes nacional, tendo como base uma rede ferroviária de bitola europeia

Plano Integrado de Transportes nacional, tendo como base uma rede ferroviária de bitola europeia Contributo para um Plano Integrado de Transportes nacional, tendo como base uma rede ferroviária de bitola europeia Transportes & Negócios SEMINÁRIOS Alargar Horizontes Ferroviário Porto, 1 de Outubro

Leia mais

OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA

OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS DE LISBOA Diagrama actual Rui Rodrigues Site: www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 13 de Junho de 2005 OPTIMIZAR OS COMBOIOS SUBURBANOS

Leia mais

PORTUGAL AS PRINCIPAIS LIGAÇÕES RODOVIÁRIAS NO CONTEXTO EUROPEU

PORTUGAL AS PRINCIPAIS LIGAÇÕES RODOVIÁRIAS NO CONTEXTO EUROPEU PORTUGAL AS PRINCIPAIS LIGAÇÕES RODOVIÁRIAS NO CONTEXTO EUROPEU João Carvalho joao.carvalho@imt-ip.pt Santiago de Chile, 28 a 31 de outubro de 2014 Reunião DIRCAIBEA Portugal na Europa Localização periférica

Leia mais

O FUTURO DA REDE CONVENCIONAL E A AV (1)

O FUTURO DA REDE CONVENCIONAL E A AV (1) O FUTURO DA REDE CONVENCIONAL E A AV (1) Durante o consulado de Oliveira Martins, enquanto Ministro dos Transportes, foram publicados três Diplomas fundamentais: A Lei de Bases dos Transportes Terrestres;

Leia mais

A opção por um modo de transporte é fortemente condicionada pelo seu custo.

A opção por um modo de transporte é fortemente condicionada pelo seu custo. CONCEITOS BÁSICOS: MODO DE TRANSPORTE Tipo de veículo utilizado para a deslocação de pessoas e mercadorias. DISTÂNCIAS RELATIVA Distância entre dois lugares, em função de factores sujeitos a variação,

Leia mais

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO

O SISTEMA DE. Álvaro Seco SISTEMA DE MOBILIDADE DO MONDEGO O Álvaro Seco ÍNDICE 1. Resenha Histórica 2. O Presente Mudança de Paradigma Breve Descrição da Rede 3. O Faseamento do Projecto 4. Os Desafios Futuros 1. RESENHA HISTÓRICA 1 RESENHA HISTÓRIA O PROBLEMA

Leia mais

ESTUDOS SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO NOVO AEROPORTO DE LISBOA

ESTUDOS SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO NOVO AEROPORTO DE LISBOA ESTUDOS SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO NOVO AEROPORTO DE LISBOA RELATÓRIO FINAL CAPÍTULO ACESSIBILIDADES E TRANSPORTES SUMÁRIO EXECUTIVO Neste relatório é aprofundado o objectivo do NAL em termos nacionais, o

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

MUNICÍPIO DE PALMELA A PLATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO

MUNICÍPIO DE PALMELA A PLATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO A EUROACE E A LIGAÇÃO FERROVIÁRIA DE MERCADORIAS SINES CAIA MADRID PARIS MUNICÍPIO DE PALMELA A ATAFORMA LOGÍSTICA DO POCEIRÃO INTERMODALIDADE E A LOGÍSTICA NO CORREDOR SINES/SETÚBAL/LISBOA; CAIA; MADRID

Leia mais

SESSÃO A Papel e alternativas do transporte para a inclusão social em meio rural

SESSÃO A Papel e alternativas do transporte para a inclusão social em meio rural Lisboa, 9.Julho.2008 5º Encontro Transportes em Revista SESSÃO A Papel e alternativas do transporte para a inclusão social em meio rural Integração de redes de transporte O caso da Remodelação do Sistema

Leia mais

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier

METRO DO PORTO. Melhoria da mobilidade. Foto do site da Bombardier METRO DO PORTO Melhoria da mobilidade Foto do site da Bombardier Rui Site: Rodrigues www.maquinistas.org (Ver Opinião) Email rrodrigues.5@netcabo.pt Data: Público, 15 de Dezembro de 2003 METRO DO PORTO

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

Porto/Lisboa/Faro Lisboa / Braga. SERVIÇO INTERCIDADES Lisboa Porto /Guimarães Lisboa Guarda Lisboa Covilhã Lisboa Faro Lisboa Beja Lisboa Évora

Porto/Lisboa/Faro Lisboa / Braga. SERVIÇO INTERCIDADES Lisboa Porto /Guimarães Lisboa Guarda Lisboa Covilhã Lisboa Faro Lisboa Beja Lisboa Évora MAPA DA REDE SERVIÇO ALFA PENDULAR Porto/Lisboa/Faro Lisboa / Braga SERVIÇO INTERCIDADES Lisboa Porto /Guimarães Lisboa Guarda Lisboa Covilhã Lisboa Faro Lisboa Beja Lisboa Évora SERVIÇO ALFA PENDULAR

Leia mais

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade

Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Perspectivas do Trem de Alta Velocidade Bernardo Figueiredo Julho/2013 TRENS DE ALTA VELOCIDADE Segurança: Trem de Alta Velocidade é mais seguro. AVIÃO Número de mortes por bilhão de passageiro/km RODOVIA

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

Intervenção do Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

Intervenção do Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações Intervenção do Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações Professor Doutor António Mendonça Almoço-debate organizado pela Ordem dos Economistas Lisboa, 1 de Fevereiro de 2010 1 Integração,

Leia mais

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES O Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) mantém as redes transeuropeias (RTE) nos domínios dos transportes, da energia e das telecomunicações, mencionadas

Leia mais

A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira

A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira A Alta Velocidade em Portugal Pág. 1 A ALTA VELOCIDADE EM PORTUGAL::- sem viabilidade económica e financeira RESUMO DESTE ESTUDO No dia 15.6.2009 realizou-se na Assembleia da República um colóquio parlamentar

Leia mais

Projeto Ferroviário Português de Alta Velocidade

Projeto Ferroviário Português de Alta Velocidade Projeto Ferroviário Português de Alta Velocidade Relatório n.º 24/2014-2.ª Secção Relatório n.º 24/2014-2.ª Secção Processo 28/2010 AUDIT Auditoria ao Projeto Ferroviário Português de Alta Velocidade

Leia mais

Plano Estratégico de Transportes. Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015

Plano Estratégico de Transportes. Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015 Plano Estratégico de Transportes Linhas orientadoras- Horizonte 2011-2015 Princípios Orientadores Cumprir os compromissos Portugal tem de cumprir os compromissos assumidos. Quer externamente no âmbito

Leia mais

Carris de ferro em Portugal

Carris de ferro em Portugal www.ocomboio.net Carris de ferro em Portugal Texto de António Alves (Abril 2009) Fotografias de Dario Silva Ponte São João (Porto~Gaia), Linha do Norte, 2006 Há 152 anos, em 28 de Outubro de 1856, foi

Leia mais

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável

A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável A rua como elemento central da mobilidade urbana ciclável 15 de Fevereiro de 2011 José M. Viegas Susana Castelo Mudança de paradigma Necessidade de : 1. Revisão do modelo de Predict & Provide, já que este

Leia mais

Transporte Marítimo e Portos

Transporte Marítimo e Portos Transporte Marítimo e Portos Disposição de Terminais num Porto - 1 Disposição geral do porto de Leixões. 1 Disposição de Terminais num Porto - 2 Porto de Rotterdam (Holanda), o maior porto europeu. Disposição

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo

Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe. Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhores Ministros Senhores Embaixadores Senhor representante do Secretariado Geral da União do Magrebe Árabe Senhor Secretário Geral Adjunto da União para o Mediterrâneo Senhora representante da Comissão

Leia mais

A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas.

A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas. I. O Promotor A Conceito Original é uma empresa integralmente detida pela WAY2B, SGPS, especificamente dedicada à promoção e gestão de plataformas logísticas. A Conceito Original pretende pois afirmar-se

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

CORREDOR FERROVIÁRIO ATLÂNTICO DE MERCADORIAS.

CORREDOR FERROVIÁRIO ATLÂNTICO DE MERCADORIAS. www.atrcd.com CORREDOR FERROVIÁRIO ATLÂNTICO DE MERCADORIAS. ETXEBIZITZA, HERRI LAN ETA GARRAIO SAILA DEPARTAMENTO DE VIVIENDA OBRAS PÚBLICAS Y TRANSPORTES ATRCD POR QUE É IMPORTANTE IMPULSIONAR A CORREDOR

Leia mais

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego Versão Final Manuel Leite Monteiro Lisboa 2006 Universidade

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais

Experiência dos corredores da rede transeuropeia. Panteia. Gert-Jan Lindeboom

Experiência dos corredores da rede transeuropeia. Panteia. Gert-Jan Lindeboom Experiência dos corredores da rede transeuropeia Panteia Gert-Jan Lindeboom 11/09/2015 Conteúdos Breve apresentação da Panteia Corredores da rede transeuropeia de transportes: experiência da Panteia Da

Leia mais

Linha do Oeste. Comboios em Portugal (fotografia e história) (A Linha do Litoral Centro)

Linha do Oeste. Comboios em Portugal (fotografia e história) (A Linha do Litoral Centro) Comboios em Portugal (fotografia e história) Linha do Oeste (A Linha do Litoral Centro) Novembro de 2007 http://combport.pt.to Texto: João Pedro Joaquim Fotos: João Pedro Joaquim Embora actualmente seja

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 270/XII/1.ª

Projeto de Resolução n.º 270/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 270/XII/1.ª Pela modernização e reabertura do troço Covilhã-Guarda e prestação de um serviço público de transporte ferroviário de

Leia mais

A Secretária de Estado dos Transportes. Eng.ª Ana Paula Vitorino

A Secretária de Estado dos Transportes. Eng.ª Ana Paula Vitorino Intervenção de Sua Excelência, A Secretária de Estado dos Transportes Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Conferência Ibérica Qualidade Global dos Portos Aveiro, 3 de Abril de 2007 (vale a versão lida)

Leia mais

Ordem dos Economistas

Ordem dos Economistas Intervenção do Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações Ordem dos Economistas 01 de Fevereiro de 2010 1 Integração, racionalização e governance As grandes linhas de orientação que procurarei

Leia mais

21 ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS

21 ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS ANEXO IV MAPA GLOBAL DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS 1330 .1 SECTOR FERROVIÁRIO PROJETO - PRIV. PUB. RTE-T CORREDOR DA FACHADA ATLÂNTICA 734 0 5 0 2 Conclusão do Plano de Modernização -Linha do Norte 400 300

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE TP 15164T UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE EFICAZ, FIÁVEL E SEGURA www.atlanticgateway.gc.ca A PORTA DO ATLÂNTICO É: Uma rede multimodal protegida, segura e sustentável equipada com instalações especializadas

Leia mais

Modelo sócio-econométrico para a estimação dos padrões de distribuição da acessibilidade à alta velocidade ferroviária em Portugal

Modelo sócio-econométrico para a estimação dos padrões de distribuição da acessibilidade à alta velocidade ferroviária em Portugal Modelo sócio-econométrico para a estimação dos padrões de distribuição da acessibilidade à alta velocidade ferroviária em Portugal Nelson Lourenço 1, Paulo Machado 2 e Alexandre Santos 3 Resumo Os padrões

Leia mais

A R E DE C ONV E NC IONAL

A R E DE C ONV E NC IONAL Seminário de Transporte Ferroviário Porto 27 de Setembro de 202 A R E DE C ONV E NC IONAL - A LG UMA S R EFLEXÕES --N els o n R. O liveira Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos-de-ferro Rede Convencional

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Importância dos Transportes na Actualidade

Importância dos Transportes na Actualidade Modos de Transporte Importância dos Transportes na Actualidade Aumento da acessibilidade Facilitam os movimentos pendulares Estimulam o aumento da produção Estimulam as trocas comerciais Facilitam a localização

Leia mais

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO, A RELAÇÃO COM A BANCA Coimbra, 18 de Junho de 2014 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Mobilidade Territorial Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Mobilidade Territorial Convite Público à Apresentação de Candidaturas no domínio dos Sistemas ferroviários ligeiros (metro) MT/01/2008 MOBILIDADE TERRITORIAL

Leia mais

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE

Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE Eixo de integração Centro-Oeste - Logística ABDE AIE/DELOG/GESET Novembro/2011 Agenda Vetores Estratégicos e Metas a Alcançar Centro-Oeste: Desafios e Oportunidades Conclusão Atuação do BNDES 2 Vetores

Leia mais

A Plataforma Logística de Leixões. uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado

A Plataforma Logística de Leixões. uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado A Plataforma Logística de Leixões uma oferta para os clientes que exigem um serviço integrado Junho de 2008 O TERRITÓRIO - A fachada Atlântica O TERRITÓRIO - O Norte e o Centro de Portugal Valença Chaves

Leia mais

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo

Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Lisboa 2020 Competitividade, Inovação e Cooperação: Estratégia para o Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo LISBOA DE GEOGRAFIA VARIÁVEL... Perspectiva administrativa: Área Metropolitana de

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização

PROJECTO DE DECISÃO. Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização PROJECTO DE DECISÃO Introdução do Sistema GSM-R e definição do respectivo tipo de autorização 1. Introdução A CEPT desenvolveu, desde 1995, acções no sentido de definir os requisitos de espectro e de âmbito

Leia mais

MOBILIDADE DE MERCADORIAS RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) Vigo, 1 de março de 2012

MOBILIDADE DE MERCADORIAS RODOVIAS, FERROVIAS E PORTOS (MAR E TERRA) Vigo, 1 de março de 2012 INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE DEBATE SOBRE COMUNICAÇÃO TRANSFRONTEIRIÇA NORTE DE PORTUGAL GALIZA, SOB O TEMA «MOBILIDADE

Leia mais