PRECIFICAÇÃO: ESTABELICIMENTO DE UM MODELO PARA UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS. Jennifer Elaine de Souza 1 Rogério Adilson Lana 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRECIFICAÇÃO: ESTABELICIMENTO DE UM MODELO PARA UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS. Jennifer Elaine de Souza 1 Rogério Adilson Lana 2"

Transcrição

1 PRECIFICAÇÃO: ESTABELICIMENTO DE UM MODELO PARA UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS Jennifer Elaine de Souza 1 Rogério Adilson Lana 2 RESUMO O presente trabalho tem como objetivo apresentar as considerações obtidas durante a elaboração de um modelo de precificação para ser aplicado em uma empresa prestadora de serviços. A escolha da ferramenta Preço, entre as demais do composto mercadológico, ocorreu, pois essa tem a característica de ser facilmente modelada e por esse motivo muitas são as possibilidades de modelos a serem adotados. Em conjunto com o mix de marketing, o preço também exerce papel fundamental para o posicionamento da organização, além da evidente influência nos resultados financeiros da empresa. Entendendo a existência de vários modelos de precificação, é preciso conhecer a organização e os seus objetivos. Cada modelo apresenta vantagens e necessidades específicas, que deverão ser conciliados e adequados à empresa. Os preços praticados também devem ser comparados ao mercado onde a organização está inserida, avaliando os concorrentes e verificando se os valores cobrados estão de acordo com o posicionamento desejado. Esses fatores foram objetos desse estudo e possibilitaram a formulação de uma proposta de precificação para a empresa. Palavras-chave: Marketing. Ferramentas mercadológicas. Posicionamento. Precificação. 1 INTRODUÇÃO O estabelecimento de preços para produtos e serviços parece tarefa simples aos olhos dos clientes. É algo que se apresenta já fixado no momento do processo de compra. Para os administradores a precificação exige diversas considerações, envolvendo desde aspectos financeiros ao posicionamento da organização. Para comprovar os resultados financeiros existem demonstrativos que expressam o desenvolvimento da organização, sendo alguns deles obrigatórios. Dessa maneira, a curto prazo, fica claro para essa área as conseqüências do preço adotado. No campo do marketing não encontrase a mesma facilidade. O preço para o comprador revela valores que ultrapassam o campo monetário. É complexa a compreensão de todas as premissas que os consumidores podem assumir diante do preço de um produto. O preço, orientado por marketing, deve agir em conjunto com os demais elementos do composto mercadológico, reforçando o beneficio central do que se oferta. A imagem da organização também esta diretamente ligada a precificação, atuando em questões psicológicas dos consumidores. Diante desses fatores percebe-se a complexidade para estabelecer preços de maneira estratégica. Há ainda o fato de que a empresa prestadora de serviços apresenta, por sua natureza, heterogeneidade nas atividades, o que amplia a necessidade de uma proposta cuidadosa para o estabelecimento dos preços. 1 Bacharel em Administração pela Associação Educacional do Vale do Itajaí-Mirim. 2 Mestre em Administração pela Universidade Regional de Blumenau.

2 2 2 A PRECIFICAÇÃO PARA O SETOR DE SERVIÇOS Único dos compostos mercadológicos que gera renda, o preço necessita de constante revisão para adequação ao mercado, de forma que resulte em satisfação para clientes internos e externos. Precisa, contudo estar atrelado a outras ferramentas mercadológicas para que sustente o posicionamento da organização. Segundo Mc Kenna (1999, p. 39): Produtos de preços baixos são geralmente considerados produtos de valor baixo. [...] Os consumidores supõem que barato significa barato em qualidade. E mais, companhias de preços baixos sempre enfrentam as ameaças de outra oferecer preço mais baixo e roubar sua posição. Sendo assim, percebe-se que o preço, além de resultados quantitativos e tangíveis reflete também percepções qualitativas. São diversas as considerações que precisam ser feitas para decisão de preços. A determinação do valor para o cliente, assim como posicionamento da empresa no mercado afetarão o modo de precificação. Isso inclui a existência e consciência de produtos substitutos, o estágio no ciclo de vida do produto, e elasticidade da demanda. Depende também dos objetivos e da participação de mercado da organização. Pode-se ainda aplicar ações de precificação específicas para determinadas situações, em conjunto com as demais ferramentas mercadológicas. Um dos principais focos da associação das ferramentas de marketing é o estabelecimento do posicionamento da empresa. O posicionamento reflete a imagem da empresa perante o mercado. Determinar essa imagem envolve análises sobre os benefícios oferecidos com base em atributos e conceitos que a organização acredita ser a melhor alternativa para adquirir espaço entre os concorrentes. De acordo com Iacobucci (2001, p. 59): Consumidores, em geral, não tomam decisões com base, apenas em atributos ou imagens. Pelo contrário, utilizam atributos e imagens para inferir algum benefício. Um benefício, na verdade, é um conceito abstrato, assim como conveniência, prazer ou diversão. A lógica por trás de um benefício é o fato de ele possuir alguns atributos ou ser algo que certas pessoas utilizam em determinadas ocasiões. É preciso, dessa maneira, entender qual o benefício central daquilo que se oferta, somente dessa forma elabora-se um posicionamento coerente. Percebe-se que a necessidade de posicionamento parte da empresa, contudo depende do mercado a validade ou não da proposta. Posicionar um produto ou uma empresa exige grandes esforços, entretanto uma vez fixada a imagem a empresa conquista credibilidade e consequentemente maior estabilidade. Para tanto, esforços isolados de propaganda, por exemplo, não são suficientes. Muitas vezes, a empresa que anuncia o posicionamento que deseja, sem que tenha o mesmo reconhecimento por parte do mercado, pode obter resultados negativos. Para empresas prestadoras de serviços, já acostumadas com a característica da intangibilidade, o posicionamento auxilia a enfatizar os objetivos e imagem da organização. É relativamente recente a preocupação do setor de serviços para com o uso de ferramentas mercadológicas. Conforme Kotler (2002, p. 02): Durante séculos, os profissionais se empenharam para distanciar-se cada vez mais das outras áreas de atividades, criando práticas exclusivistas para se protegerem da

3 concorrência do mercado. Os profissionais de cada profissão organizavam o treinamento e o credenciamento de seus próprios membros e policiavam os empregos existentes, por meio de rigorosas barreiras impostas a profissão. 3 Os serviços eram tidos como profissões nobres, que geravam um grau elevado na sociedade e que por isso não praticavam qualquer ação que o remetesse a idéia de ter que disputar pela clientela. Atualmente, se por um lado os serviços deixaram seu caráter nobre, por outro lado, são eles que proporcionam a diferenciação, tão necessária para qualquer seguimento. Conforme Las Casas (2005, p. 174): as empresas estão sempre procurando agregar algum tipo de valor a seus produtos e serviços. Seja através da qualidade, da tecnologia, do design, da marca enfim, elas procuram geral valor para seus consumidores. Muitas vezes, a oferta de produtos agrega valor ao conciliar algum tipo de serviço em conjunto. Tendo em vistas as características básicas de serviços, que são intangibilidade, inseparabilidade, variabilidade e perecibilidade, as organizações que atuam nesse setor precisam de enfoque diferente das demais. De acordo com Zeithaml (1990 apud NEVES, 2007, p. 105): Dez são os fatores que determinam a qualidade de um serviço: a) competência: a prestadora de serviços dispõe de conhecimentos, meios, know-how e capacidades requeridos para fornecer o serviço. Refere-se ao profissionalismo da organização; b) constância: o desempenho da organização é sempre regular, seguro e de nível constante; c) reatividade: os membros da organização esforçam-se para responder rapidamente, em qualquer circunstância, aos pedidos dos clientes; d) acessibilidade: física psicológica. Os membros da organização são acessíveis, de contato fácil ou agradável; e) compreensão: a organização esforça-se para entender as necessidades específicas do cliente e em se adaptar a elas da melhor forma; f) comunicação: a organização tem o cuidado de manter os clientes informados do conteúdo preciso da oferta; g) credibilidade: notoriedade, reputação, garantia de seriedade e honestidade da organização; h) segurança: os clientes estão ao abrigo de todos os riscos ( físico, financeiro, moral) i) cortesia: todo o pessoal mantém relações cordiais, educadas com os clientes; j) tangibilidade: a organização esforça-se por materializar os serviços oferecidos, criando substitutos à sua intangibilidade. Observando os fatores acima citados, é possível fundamentar o planejamento com ações práticas. São as ações diárias da organização as responsáveis pelas percepções dos clientes, e conseqüência formarão ou não a satisfação dos mesmos. 3 PREÇO Nas decisões de determinação das variáveis de marketing, o preço se destaca das demais ferramentas pela velocidade que pode ser alterado. De acordo com Neves (2007, p. 173): O preço é [...] um dos elementos mais flexíveis, pois pode ser alterado com rapidez, ao contrário de outros componentes, tais como a alteração de um produto ou compromisso com um canal de distribuição. Essa flexibilidade dos preços praticados pelos concorrentes é um dos maiores problemas com que as empresas se deparam. A formação de preços é uma constante busca pela adequação ao mercado, de acordo com o

4 4 posicionamento da organização, e o alcance dos objetivos financeiros da mesma. Em aspectos mercadológicos as alterações no preço afetam a demanda, interferindo na fatia de mercado que a empresa detém. Além disso, os valores apresentados refletem em julgamentos a respeito da qualidade do produto, ou seja, a percepção que o consumidor terá do mesmo. Junto com os demais compostos mercadológicos, o preço é responsável pela imagem que o consumidor terá do produto ou serviço. Por estar sempre claro e estabelecido para clientes internos e externos é amplamente discutido nos processos de compra. Essa característica leva também ao censo comum de que o ele é o principal fator para a compra ou não de um produto. Se o consumidor não percebe a necessidade do produto, não dará valor a esse, sendo que provavelmente não seja seu público alvo. Dessa maneira, percebe-se que as decisões de preço devem ir além de constatações financeiras e de custos internos da empresa. É necessária uma visão clara de marketing, compreendendo aspectos como participação e posição competitiva no mercado, determinação de cliente-alvo, ciclo de vida do produto, canal de distribuição e posicionamento do produto. Lambin (apud NEVES, 2007, p. 173) elenca dois tipos de coerência para a definição da estratégia de preços: A coerência interna, que contempla que o preço definido respeite as condições de custos e de rentabilidade da empresa, e a coerência externa, que exige um preço compatível com a sensibilidade dos compradores ao preço e com os preços praticados pela concorrência. Para o estabelecimento de preço Neves (2007) sugere seis etapas: seleção do objetivo do preço; determinação da demanda; estimativa de custos; análise dos custos, preços e ofertas dos concorrentes; seleção de um método de determinação do preço; seleção do preço final. A primeira etapa, seleção do objetivo de preços consiste na escolha da estratégia a ser utilizada, que reflita também a estratégia mercadológica da organização. Assef (2005) sugere a existência de quatro posicionamentos estratégicos para produtos, chamados de: Sobrevivência, Maximização de lucros, Liderança de participação de mercado e Liderança da qualidade. Tendo o objetivo do preço determinado, o administrador deve conhecer qual o impacto desse sobre a demanda. Conforme Neves (2007, p. 176): A determinação da demanda em alguns casos é intuitivamente óbvia, em outros, os padrões só são revelados quando devidamente estudados e mapeados. Cada preço praticado pela empresa resultará em um diferente nível de demanda e, consequentemente, causará diferentes impactos nos objetivos de marketing de determinada empresa. O que determina a variação da demanda, ou seja, a elasticidade, perante diferentes valores é a sensibilidade de preço do produto ou serviço. Quando o administrador está ciente dos objetivos do preço, precisa ter em mente qual o comportamento que a demanda terá, adequando todos os demais aspectos da organização. A terceira etapa do estabelecimento de preço estima os custos da organização. Em primeiro momento, definem-se quais são os custos fixos, ou seja, aqueles que não se alteram independente da quantidade produzida, e os custos variáveis, que variam de acordo com a produção. Somando-se o custo fixo com o custo variável e dividindo pelo montante produzido chegase ao custo unitário. Variam de acordo com a quantidade produzida, tendo em vista a maior divisão dos custos fixos. Dessa forma, dificilmente organizações concorrentes terão o mesmo custo

5 5 unitário. Tendo consciência dos custos internos a etapa seguinte compara custos e preços externos e internos, assim como fatores qualitativos. A concorrência é avaliada com o objetivo de adequar a oferta ao mercado. Contudo, se todas as empresas igualarem seus preços, esse deixa de ser um diferencial competitivo, obrigando-as a criar outros atributos aos produtos e/ou serviços. De acordo com Kotler (2002, p. 334), no livro em que se direciona ao setor de serviços, a empresa obterá bons resultados com análise da concorrência caso: (1) ela tiver informações precisas sobre os honorários cobrados pelos concorrentes, e (2) os clientes estiverem atentos e reagirem às diferenças entre preços dos concorrentes. Contudo, há o aspecto negativo: As firmas muito pequenas podem decidir cobrar muito pouco para serem competitivas. Por não contarem com a mesma economia de escala das grandes empresas, as firmas pequenas talvez não consigam margens de lucro suficientes para sobreviver. Outro fator importante é que muitos serviços são, por natureza, heterogêneos, dificultando a determinação de preços com base na concorrência (KOTLER, 2002, p. 334). A determinação de preços baseada na concorrência é um dos métodos apontados por Neves (2007), na quinta etapa do estabelecimento de preço. O autor aponta seis métodos: (1) Markup; (2) Preço de retorno-alvo; (3) Preço de valor percebido; (4) Preço de valor; (5) Preço de seguidor de concorrente e (6) preço de Licitação. Na maioria das micro e pequenas empresas, utiliza-se a formação de preço com base na soma de custos fixos e variáveis, com um percentual de lucro. Esse percentual é o resultado das operações da organização, chamado de Markup. De acordo com Santos et al. (2004, p. 06): [...] pode-se citar algumas razões para o emprego do método de definição de preços com base nos custos: a) simplicidade: vinculando-se preços a custos, os ajustes em razão da demanda acabam sendo desnecessários; b) segurança: gestores tendem a ser mais seguros quanto a custos incorridos do que a aspectos relativos à demanda e ao mercado consumidor; e c) justiça: tendência de se acreditar que o preço acima dos custos é tradicionalmente mais justo para quem vende. Dessa forma, a precificação baseada em custos garante aos gestores um controle maior sobre a existência de lucratividade. Essa será encontrada de acordo com o markup utilizado. O markup é a margem, percentual ou não, acrescida aos custos na intenção de obter resultados financeiros para a empresa. Apesar de bastante utilizada, essa prática é questionada por apresentar algumas lacunas no pensamento global da organização: Formar preços pelo custo é basicamente agregar margem a um número já realizado, sem questionar se aquele bem é necessário e que preço o consumidor estaria disposto a pagar por ele. (ASSEF, 2005, p. 59). Esse método ignora os demais aspectos mercadológicos envolvidos na precificação, focando no aspecto financeiro. Outro modelo de precificação baseado em dados financeiros internos é o chamado preço de retorno-alvo. Nesse, As empresas determinam o preço que assegura a sua taxa alvo de retorno sobre o investimento (ROI), o fabricante realizará o ROI pretendido se seus custos e vendas estimadas forem precisos (NEVES, 2007, p. 181). Esse método foca somente em objetivos internos, ignorando o comportamento do mercado.

6 Se o cliente percebe algum atributo que o estimule a pagar um valor maior certamente o fará. Pensando dessa maneira, as empresas que baseiam seus preços orientados pelo valor percebido de seus produtos fazem pesquisas para descobrir o que realmente importa a seus consumidores. Conforme Crepaldi (2002, p. 260), os custos devem ser baseados no valor, ou seja, no quanto o cliente está disposto a pagar pelo produto, sendo que o cálculo do custo de um produto para depois se definir o preço nem sempre produz os melhores resultados. Com auxílio de Assef (2005, p. 61), pode-se entender a aplicação desse método: Os produtos e serviços são elaborados a partir dos atributos observados pelos consumidores e seus preços são definidos de acordo com a óptica dos mesmos, pelos valores apresentados, sendo os custos uma conseqüência dos preços estabelecidos. Se for possível produzi-los e distribuí-los, a empresa terá uma linha de produtos produzidos de acordo com os valores percebidos pelo consumidor, a um preço considerado justo, e desenvolvido mediante um custo meta. 6 O valor percebido será a combinação de atributos que tem importância ao cliente, criando um total que lhe traga maior satisfação. Para tanto fará comparação entre dois ou produtos, definindo sua preferência. Quando se elimina custo que não agregam qualidade aos olhos dos clientes pode-se praticar o preço de valor. Nele, há diminuição de preços quando comparados a produtos concorrentes que também apresentem alta qualidade, Não é a simples redução do preço, mas sim um esforço de redução dos custos sem perder a qualidade (NEVES, 2007, p. 181). Outra prática utilizada normalmente pelas organizações é o estabelecimento de seus preços baseados na concorrência. Através de uma simples pesquisa, a empresa obtém os valores praticados por outras e assim pode decidir qual preço irá adotar. Dependendo de seus objetivos no mercado pode atuar com valores acima, ou abaixo para ganhar maior volume de vendas e atacar diretamente seus concorrentes. Em mercados onde o preço é determinado pela concorrência a organização deve adaptar seus custos e produção de forma a garantir espaço no mercado e sua rentabilidade. Se não for possível, ainda há em alguns setores chance de agregar valor ao seu produto ou serviço, modificando sua demanda. Existe ainda o preço de licitação que apresenta característica diferente dos demais. Nele o objetivo é apresentar o menor preço em relação aos demais fornecedores, para dessa maneira, vencer a concorrência. A última etapa do estabelecimento de preço consiste na seleção do preço final. Tendo definido o método que será utilizado, e conseqüentemente a faixa de preço em que a empresa irá operar, pode-se realizar variações observando ainda outros fatores: a) preço psicológico: o preço reforça o posicionamento em relação a qualidade ofertada; b) demais elementos do composto mercadológico: a oferta geral, incluindo fatores de distribuição, produto e promoção sugerem preços específicos. Conforme Neves (2007, p.182): Consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos conhecidos do que por desconhecidos. ; c) política de preços da empresa: o preço deve respeitar os valores organizacionais, garantindo uma boa oferta a clientes e para a própria empresa; d) impacto do preço sobre o canal de distribuição: os envolvidos no processo de distribuição deverão ter atenção, sendo indispensáveis para a aceitação da política de preços.

7 7 4 PROPONDO UM MODELO DE PRECIFICAÇÃO A dificuldade principal encontrada na empresa prestadora de serviço foi a divisão dos valores fixos entre os produtos vendidos. Muitas vezes, para empresas de pequeno porte, onde não há um planejamento administrativo a aplicação do conceito de custos fixos e variáveis não é feita de maneira adequada. Outro ponto a ser considerado é o posicionamento das marcas dos produtos vendidos. Quando se trabalha com markup igual para as diferentes marcas e fornecedores corre-se o risco de prejudicar a imagem do produto, uma vez que relações comerciais podem, por exemplo, gerar menores preços para marcas que tenham posicionamento baseado na liderança da qualidade. Tendo verificado esses fatores internos é preciso ainda pesquisar os preços concorrentes. As informações de fonte primárias são as mais seguras. Os dados obtidos com clientes ou mesmo outros fornecedores podem ser manipulados de acordo com os seus interesses. Há também julgamentos internos que podem representar de maneira incorreta as respostas do mercado. Somente conhecendo a real situação do mercado a empresa poderá avaliar qual o preço ideal, levando em consideração o posicionamento que deseja estabelecer, a fatia de mercado e o retorno financeiro. Na empresa estudada verificou-se que tem objetivo de fixar sua imagem como especialista no ramo em que atua, oferecendo produtos e serviços de alta qualidade. Tendo clara essa informação pode-se encontrar o ponto de equilíbrio e com ele o número de vendas necessárias para cobrir custos fixos, visando também a possibilidade de produção que gere receita. Como a empresa atua no ramo de serviços, e possui mão-de-obra especializada e em número limitado, é preciso coordenar o preço para que atenda as necessidades financeiras, de acordo com a capacidade produtiva. Chega-se dessa maneira aos aspectos que dão razão a existência desse trabalho: a precificação como método pelo qual a empresa atinja seus objetivos mercadológicos e financeiros. Conhecendo a realidade da empresa estudada e do mercado em que está inserida, tem-se o objetivo de traçar, conforme as explicações abaixo, um modelo de precificação que proporcione os resultados financeiros esperados, adequando os preços de produtos e serviços de acordo com o posicionamento da empresa no mercado. A empresa posiciona-se como especialista no setor de climatização de ambientes residenciais, comerciais e industriais, trabalhando principalmente com condicionadores de ar modelo Split. Seu objetivo é oferecer produtos e serviços de alta qualidade. Dessa forma, os preços praticados não serão os mais baixos do mercado, justificados pela qualidade do produto, mão-de-obra qualificada e garantia de suporte técnico. Os preços dos concorrentes, conhecido através da pesquisa de mercado servirão de parâmetro, buscando estar sempre um pouco acima da média. Em relação a essa pesquisa, sugere-se que seja realizada no mínimo duas vezes ao ano, nos períodos de início de inverno e verão. No início dessas estações é comum haver alterações de preços. Reunindo ainda algumas informações internas, chega-se ao seguinte modelo de precificação sugerido, baseado no método de Markup:

8 8 Figura 3: Modelo de precificação para empresa Lafrizarte Fonte: Elaborado pelos autores Esse modelo pode ser aplicado tanto para serviços de reparos e manutenções quanto para venda e instalação de equipamentos. Os custos variáveis dependerão diretamente do serviço a ser executado. Para um reparo, por exemplo, estarão alocados em custos variáveis o valor das peças e despesas de transporte, incluindo tempo de deslocamento. Já para a venda de equipamentos com instalação, estarão nesse quadro o custo do aparelho, valor de frete, as matérias de instalação e o transporte. A Margem de Contribuição Unitária (MCU) representa a divisão dos custos fixos pelo número de horas trabalhadas. Nas indústrias de bens de consumo tangíveis, a MCU é a divisão dos custos fixos pelo número de unidades que a empresa é capaz de produzir. Em uma empresa de prestação de serviços, seu produto principal é o tempo de serviço executado. Portanto a MCU será a divisão de seu custo fixo pelo número de horas trabalhadas ao mês, dividindo pela quantidade de duplas técnicas. O resultado dessa aplicação é de que o trabalho das duplas deverá cobrir os custos fixos mensais da empresa. O markup aplicado deve ser responsável pelo pagamento de outras despesas, como despesas de vendas, financeiras e não operacionais. O saldo reflete a margem de lucro, onde parte deve ser reinvestido na empresa. O percentual de markup utilizado dependerá dos objetivos da empresa em relação a retorno de investimento, necessidade de caixa disponível e objetivo de participação de mercado. Sugere-se aplicação de um markup diferente para cada marca, que proporcione um padrão de diferença de preços, em torno de 15%. A cobrança de juros deverá ser para vendas a prazo. É preciso, antes disso, estabelecer limites de vendas onde se aplica a possibilidade de parcelamento. Como a empresa trabalha com cobrança por meio de boletos bancários, e esses têm custos para lançamento unitário, é inviável o parcelamento de valores menores, pois o percentual desse custo torna-se alto em relação a parcela. Para as vendas em parceladas sugere-se entrada de 40 % do valor total. Isso, pois as compras de produtos e equipamentos são geralmente realizadas a vista, e dessa forma, a entrada de 40% permite pouco adiantamento de recursos, minimizando o risco de descapitalizar o fluxo de caixa. A última soma na formação de preços é a de impostos, cujo valor varia para a venda de serviços e produtos. Para serviços, os impostos (Cofins, PIS, IR, Contribuição Social e ISS) somam 12,53% e para venda de produtos (ICMS, IR, Cofins, Contribuição Social e PIS) somam em torno de 25%, variando de acordo com a restituição de ICMS.

9 9 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Observou-se com os estudos que após conhecer a realidade da empresa e do mercado outra postura foi tomada. O resultado desse novo conceito é a valorização da empresa e a certeza da necessidade de buscar seus objetivos. O estudo da empresa e do mercado é necessário para que se torne claro o contexto em que a organização está inserida. Entre os diversos modelos de precificação a serem seguidos a escolha deve ser feita por aquele que gere melhores resultados para a empresa. Nesse conjunto de benefícios devem ser incluídos os aspectos financeiros e mercadológicos e também as questões administrativas para a manutenção de métodos coerentes. Uma vez que a organização adote um modelo de precificação deverá tomar medidas para fazer desse um procedimento constante. Os valores irão alterar, em função das oscilações de mercado, porém o padrão deve permanecer. Para tanto, além de cálculos e observações internas, são necessárias pesquisas constante sobre o preço dos concorrentes. A freqüência a ser realizada dependerá do ramo de atuação, observando questões de sazonalidade. Outro ponto que deve ser observado, principalmente no setor de serviços, é a aplicação de um método que permita constância nos preços apesar da heterogeneidade. É importante que se estabeleça um modelo que considere diferentes serviços, logo diferentes preços, mas que também seja de rápida formação. De maneira geral, o preço é uma ferramenta fundamental em uma gestão estratégica. Não terá validade, entretanto, se não houver um correto planejamento dos objetivos e metas e se não estiver em equilíbrio com as demais ferramentas mercadológicas. REFERÊNCIAS ASSEF, Roberto. Gerência de preços: como ferramenta de marketing. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, CREPALDI, Sílvio Aparecido. Contabilidade gerencial. 2. ed. São Paulo: Atlas, IACOBUCCI, Dawn (Org.). Os desafios do marketing: aprendendo com os mestres da Kellog Graduate Scholl of Management. São Paulo: Futura, KOTLER, Philip. Administração de serviços profissionais: estratégias inovadoras para impulsionar sua atividade, sua imagem e seus lucros. 2. ed. São Paulo: Manole, LAS CASAS, Alexandre L. Marketing: conceitos, exercícios, casos. 5. ed. São Paulo: Atlas: Mc KENNA, Régis. Estratégias de marketing em tempos de crise. Rio de Janeiro: Campus, NEVES, Marcos Fava. Planejamento e gestão estratégica de marketing. São Paulo: Atlas, 2007.

10 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br

Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br 6C0N021 Contabilidade Gerencial Prof. Paulo Arnaldo Olak olak@uel.br Programa da Disciplina Introdução e delimitações Importância da formação do preço de venda na gestão do lucro. Principais elementos

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Módulo 17 Estratégias mercadológicas

Módulo 17 Estratégias mercadológicas Módulo 17 Estratégias mercadológicas Todas as empresas para terem sucesso no mercado a longo prazo precisam de uma estratégia. Segundo Peter Druker, as estratégias são os planos de vôos das empresas. Analisando

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Análise do Ambiente Interno

Análise do Ambiente Interno Análise do Ambiente Interno Professor: Claudemir Duca Vasconcelos Disciplina: Estratégia e Planejamento Corporativo Alunas: Gleice Costa e Cintia Belo 16 Abril 2015 Ambiente Interno de uma Organização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico;

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; O escopo da precificação e os métodos mais comuns, incluindo as principais táticas; Uma sugestão: amplie seu nível de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Planejamento de Marketing.

Planejamento de Marketing. Planejamento de Marketing. Análise de Mercado Identificação de Riscos e Oportunidades Segmentação de mercado; Seleção de mercado alvo Objetivos de Marketing Estratégia de diferenciação de produto Estratégia

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS

CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS 1. BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVAS - faz as coisas antes de solicitado ou antes de ser forçado pelas circunstâncias; - age para expandir o negócio em novas áreas, produtos ou serviços; - aproveita

Leia mais

; CONSOLI, M. A. ; NEVES,

; CONSOLI, M. A. ; NEVES, ARTIGO EM REVISTA Publicado em: PAIVA, Hélio Afonso Braga de ; CONSOLI, M. A. ; NEVES, Marcos Fava. Oportunidades em Compras. AgroRevenda, São Paulo, v. 11, p. 12-14, 15 nov. 2006. Oportunidades em compras

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho

GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO. Prof. Marcopolo Marinho GESTÃO DE MARKETING RECAPITULANDO Prof. Marcopolo Marinho Marketing: É a área do conhecimento que engloba todas as atividades referente às relações de troca de bens entre pessoas ou instituições, buscando

Leia mais

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada.

INTRODUÇÃO. O trabalho terá a seguinte org2anização: Introdução: apresentação do tema, situação problema, hipótese, e a metodologia utilizada. INTRODUÇÃO Todas as empresas, com ou sem fins lucrativos, estabelecem um preço para seus produtos. Mas como estabelecer este preço? Quais os fatores que influenciam no estabelecimento do preço?. De forma

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010 Marketing mix Trabalho realizado por: Sandra Costa 12ºS Marketing mix É formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado e é dividido

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa Capítulo 3 Avaliação das capacidades internas de uma empresa O que uma análise interna nos diz? A análise interna nos permite ter um comparativo entre as capacidades da empresa Quais são as forças da empresa?

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

MARKETING NO AGRONEGÓCIO

MARKETING NO AGRONEGÓCIO MARKETING NO AGRONEGÓCIO O QUE VOCÊ ENTENDE DE MARKETING? Marketing é um processo social e gerencial pelo qual indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e desejam através da criação, oferta e troca de

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência

Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência Perguntas Frequentes do Prêmio Catarinense de Excelência O que é o Modelo de Excelência da Gestão (MEG) e quais são seus objetivos? O Modelo de Excelência da Gestão reflete a experiência, o conhecimento

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS

PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS PLANEJAR, ELABORAR E CUMPRIR METAS Fernanda Micaela Ribeiro Theiss Prof. Ademar Lima Júnior Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Ciências Contábeis (CTB 561) 14/05/2012 RESUMO

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais