Tomografia Computorizada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tomografia Computorizada"

Transcrição

1 Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Tomografia Computorizada Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, Rúben Pereira n.º 55754, André Gomes n.º 55771, Lisboa, Abril de º Semestre 2007/2008

2 1. 3D SHEPP-LOGAN PHANTOM Nesta secção pretende-se apenas gerar um objecto tridimensional phantom e representar vários cortes deste. A sua análise é realizada em software MatLab Determinação do tamanho do voxel Através da função phantom3d disponibilizada pelo software utilizado, foram gerados conjuntos de imagens (objecto), que foram representados por uma matriz de dimensão 3 (128x128x128), a que correspondem os três eixos xx, yy e zz. Como pretendido, foram representadas em imagens 2D, cortes axial, coronal e sagital desse mesmo objecto. Para tal, utilizou-se a função reshape de modo a determinar essas projecções. As imagens obtidas estão apresentadas na Figura 1. a) b) c) Figura 1. Projecções a) axial, b) sagital e c) coronal do objecto simulado (phantom3d). O tamanho do voxel da imagem é o tamanho real associado a cada entrada na matriz gerada. Neste caso sabe-se que o tamanho real da imagem, FOV, é de 25.6cm e que cada eixo possui 128 pixéis. Utilizando a equação seguinte (1) consegue-se determinar o voxel, sabendo que pixel x, pixel y e pixel z são o número de pixéis associado a cada eixo e FOV x, FOV y e FOV z são os comprimentos da imagem segundo os mesmos eixos. Relativamente aos dados fornecidos e indicados em cima, o tamanho do voxel é de 8mm TAC DE 1ª GERAÇÃO A tomografia axial computorizada é uma técnica imagiológica que permite a

3 visualização de regiões anatómicas. Relativamente à TAC de 1ª geração, esta difere das gerações seguintes uma vez que para cada imagem, a fonte e o detector necessitam de se deslocar segundo o eixo perpendicular que une os dois (num determinado plano de corte). Isto é necessário, porque a fonte emite um feixe aproximadamente rectilíneo, e portanto não apanha a região de interesse total num único acto. Para efeitos de exercício, consideraou-se então um corte axial do objecto criado na secção anterior, supondo ter sido criado por uma TAC de 1ª geração, tendo o corte uma espessura de 2mm Simulação de projecções Para a criação da imagem final, segundo cada corte, é necessário considerar todas as projecções. Estas são obtidas para vários ângulos de rotação no plano de corte. Em cada ângulo, a aquisição do sinal de raio-x é feita após o deslocamento da fonte e do detector, criando assim a referida projecção. Tendo estes conceitos em conta, pretende-se obter as projecções após deslocamento da fonte e do detector segundo o eixo dos xx (ângulo entre o eixo dos xx e o eixo de projecção é de 0º), e após rotação do plano de projecção de 90 e 180º. Para tal objectivo, recorreu-se a uma função pré-definida radon, que permite obter a transformada de Radon em qualquer ângulo pedido. A transformada de Radon consiste essencialmente em obter a projecção segundo os eixos que fazem um determinado ângulo com o eixo de referência (neste caso o eixo dos xx). A Figura 2 apresenta a representação gráfica das funções projecção pedidas. a) b) c) Figura 2. Gráficos representativos das projecções segundo os eixos que fazem a) 0º, b) 90º e c) 180º com o eixo dos xx. Tendo em conta os gráficos obtidos, é facilmente detectável uma simetria entre os gráficos das projecções em ângulos 0º e 180º, respectivamente a) e c) na Figura 2. Esta simetria, indica que o ângulo mínimo de cobertura de todo um mesmo corte é de 179º, 2

4 supondo variações unitárias entre os ângulos (de modo geral será o ângulo /N, em que N é o número de ângulos considerados), uma vez que as projecções segundo os ângulos 180 a 359º podem ser obtidos através das projecções segundo os ângulos 0 a 179º. Observando com mais detalhe os gráficos, nomeadamente os a) e b), e tendo presente a Figura 1 a) (projecção axial), compreende-se, por exemplo, que a figura a) tenha uma banda de ausência de sinal superior à da figura b). O objecto presente na projecção axial apresenta uma forma oval, tendo um menor raio segundo o eixo dos xx (associado à projecção 0º) e um raio maior segundo o eixo dos yy (associado à projecção a 90º). Quanto à intensidade do sinal em si, a da Figura 2 b) é inferior, em geral, relativamente à da a). Este resultado também era esperado, porque os olhos, negros, do objecto ocupam grande parte do eixo dos yy contribuindo para uma diminuição da intensidade. Em contrapartida o nariz do objecto contribui para um aumento do sinal (pixel 100 e pixel 70 nas Figura 2 a) e b), respectivamente) Simulação do sinograma O sinograma é um gráfico que relaciona o ângulo de rotação da projecção e a própria projecção. Este pode ser obtido por determinação de todas as projecções nos diferentes ângulos de projecção. Na Figura 3 está representado o sinograma do corte axial presente na Figura 1 a). Figura 3. Sinograma do corte axial da Figura 1 a). Segundo o eixo dos xx estão representados os ângulos entre a projecção e o eixo dos xx, enquanto segundo yy está a projecção (segundo x ) Retro projecção Simples e Filtrada A retro projecção é um método de obtenção da imagem a partir das projecções, ou seja, é um processo inverso ao utilizado nas alíneas anteriores. A base teórica principal associada à retro projecção está presente no teorema de corte central (central slice theorem). Este indica que a transformada de Fourier da projecção, em 1D, é igual à 3

5 transformada de Fourier da função intensidade, em 2D. Assim, através da transformada inversa o método de retro projecção obtém a função intensidade. As retro projecções simples e filtrada diferem do uso de um filtro apropriado. Como os nomes indicam, a simples é aquela que não utiliza um filtro no processo de obtenção da imagem, em contrário, a filtrada usa uma função filtro. No primeiro caso, a retro projecção é feita por integração simples da função projecção ao longo dos diferentes ângulos. Este método induz um esbatimento significativo dos contornos das imagens, como é possível verificar por comparação dos objectos nas Figura 4 a) e c), as imagens obtidas por retro projecção e a inicial, respectivamente. Relativamente à retro projecção filtrada, esta adiciona apenas a função filtro que multiplica com a função projecção. A imagem obtida é significativamente melhor do que a obtida pelo método simples, como é possível comprovar pela comparação entre as imagens das Figura 4 a) e b), método simples e filtrado, respectivamente. a) b) c) Figura 4. Imagens da projecção axial [c)] da Figura 1 a) obtidas por retro projecção a) simples e b) filtrada o filtro usado foi o de Ram-Lak. Para entender melhor as diferenças entre as várias imagens, obtiveram-se as projecções das imagens da Figura 4, segundo o eixo dos xx (ângulo de 0º). Os gráficos destes valores estão representados na Figura 5. A retro projecção simples possui um sinal bastante suave face aos outros e por isso apresenta uma variação lenta, característico do esbatimento dos contornos e da imagem em si. Em contrapartida, o gráfico filtrado é em grande parte semelhante ao da figura original, corroborando a ideia de que o filtro é um objecto importante na retro projecção, demonstrando inclusive bons resultados. 4

6 a) b) c) Figura 5. Projecções segundo o eixo dos xx, das várias imagens da Figura 4. Cada alínea corresponde respectivamente às alíneas dessa figura Efeito do número de projecções na Imagem Como já foi observado anteriormente, a imagem obtida através dos valores recolhidos das várias projecções é diferente da imagem original, independentemente de ser ou não filtrada. No caso de ser filtrada, a imagem é bastante próxima da original. No entanto, o número de projecções a serem considerados é também um factor em ter em conta, e que influencia a qualidade e resolução da imagem. Na Figura 6 estão representadas imagens referentes às estudadas anteriormente (projecção axial), com diferentes números de ângulos de projecção considerados, nomeadamente 12, 23, 45, 90, 180 e 21 ângulos. Como é possível concluir pela simples observação, quanto menor for o número de projecções consideradas, pior é a resolução da imagem. Foi pedido que fosse determinado o número mínimo de projecções necessários para que o valor da relação sinal/ruído, SNR, fosse superior a 6 (SNR > 6). Assim, foram realizadas algumas tentativas, tendo-se verificado que era necessário um número mínimo de 21 projecções para que tal acontece-se (SNR = ). 5

7 Figura 6. Representação das imagens após reconstrução a partir das projecções. Foram considerados, da esquerda e cima para a direita e baixo, 12, 23, 45, 90, 180 e 21 ângulos de projecções Introdução e Minimização de Ruído As imagens provenientes do TAC-CT, como qualquer outro dado experimental, possuem ruído, provenientes de várias fontes. Nesta subsecção pretende-se estudar o efeito do ruído, apenas aleatório, na imagem final visualizada. Para tal, utilizou-se a função imnoise disponibilizada pelo software de modo a criar ruído. Por controlo dos parâmetros a inserir, considerou-se o ruído com distribuição de poisson. Figura 7. Representação das imagens de retro projecção com passo angular de 1º, com e sem ruído 6

8 linha superior, esquerda e direita respectivamente. Na linha inferior estão relacionadas as projecções em ângulos de 0º, em ambos os casos, na mesma ordem. O sinal obtido por introdução de ruído aleatório, cria uma imagem mais indefinida e menos clara do que a obtida por retro projecção filtrada, considerada na subsecção 2.3, como é possível comparar através da Figura 7, linha superior. Esta indefinição é caracterizada pelo menor valor do SNR. Por comparação das projecções obtidas em ângulos de 0º, Figura 7 linha inferior, é possível observar que as variações do sinal são maiores e mais evidentes, provocando uma diminuição na relação contraste/ruído, CNR. Figura 8. Imagens da projecção axial obtidas através da retro projecção com ruído e filtradas com diferentes filtros. Da esquerda para a direita e de cima para baixo: filtro Hann, Shepp-Logan, Cosine e Hamming. Para minimizar os erros associados ao ruído podem ser utilizados filtros de forma a removê-los. Para tal, a função iradon disponibiliza um meio de alterar o filtro utilizado na transformada de Radon inversa. Com este fim foram utilizados quatro filtros diferentes, para além do utilizado na secção anterior, Ram-Lak, imposto pela função em default. Na Figura 8 estão representadas as imagens resultantes da aplicação dos filtros Hann, Shepp-Logan, Cosine e Hamming. Cada um deles difere apenas no tipo de janela que utiliza aquando da multiplicação pelo filtro Ram-Lak, na equação que define o método de retro projecção. Através de uma visualização menos atenta das imagens dir-se-ia que, independentemente dos quatro filtros mencionados, a imagem obtida não varia muito. No entanto, quando se observa com mais detalhe denotam-se certas diferenças, nomeadamente na própria quantidade de ruído e em contrapartida na focagem. Por comparação, os filtros Hann e Hamming apresentam uma imagem mais desfocada e portanto menos definida do que as outras duas. Em contrapartida, como foi referido, 7

9 estas apresentam também menor ruído. Os valores de SNR obtidos para as diferentes imagens estão disponíveis na Tabela 1, estando estes de certa forma de acordo com as afirmações referidas anteriormente. Os valores de SNR referentes aos filtros Hann e Hamming possuem uma relação sinal/ruído superiores em comparação com os referentes aos filtros Shepp-Logan e Cosine. Com isto conclui-se que o compromisso definição e ruído está comprometido, na medida em que não se consegue ter melhor definição e menos ruído com um mesmo filtro. Assim, quando um determinado filtro com um maior SNR, filtra o ruído, ou seja, corta as altas frequências do sinal, está também a cortar parte do sinal e daí esse comportamento. Em contrapartida os de menor SNR cortam menos sinal mas também menos ruído. Quando comparadas estas imagens com a apresentada na Figura 7, obtida com filtro Ram-Lak, apercebe-se que esses quatro apresentam imagens de melhor qualidade. Para corroborar esta afirmação apresentam-se uma vez mais as relações sinal/ruído, mostrando assim que a imagem obtida através do filtro Ram-Lak possui um valor inferior do SNR quando comparada com qualquer um dos outros. Tabela 1. Valores da relação sinal/ruído das imagens obtidas através dos diferentes filtros. 3. PET-CT DE 3ª GERAÇÃO Filtro SNR Ram-Lak Hann Shepp-Logan Cosine Hamming Nesta última secção considera-se um PET-CT de 3ª geração com uma distância focal D de 20cm, definida pela distância entre o vértice do feixe (o seu local de origem) e o centro de rotação, e um incremento angular de 1º, ou seja, considera-se uma distância angular entre medições de 1º Simulação da projecção e respectiva imagem reconstruída, obtida por scanner CT O PET-CT de 3ª geração é em tudo semelhante ao da 1ª geração estudado na secção anterior. No entanto possui algumas diferenças a nível de instrumentação, principalmente. Assim, estas concentram-se no facto de não necessitar de efectuar translações para adquirir uma projecção segundo um dado ângulo, uma vez que o feixe de emissão é mais largo que nas gerações anteriores. Utilizando a função fanbeam disponibilizada pelo software utilizado, é possível simular o sinograma obtido aquando da utilização de um PET-CT para aquisição da imagem. Esta função permite definir parâmetros de aquisição como a distância da fonte ao centro de rotação (distância focal), o incremento angular a cada projecção, a geometria segundo a qual estão dispostos os sensores (linear ou circular) e o espaçamento entre os sensores. Posteriormente é possível reconstruir a imagem a partir do seu sinograma com a função ifanbeam, tendo em conta o facto de os parâmetros da reconstrução serem os mesmos da projecção. Tendo por base a Figura 9 a), em que os parâmetros utilizados são os utilizados por default pelo programa, excepto o valor do espaçamento entre os sensores, definido como sendo de 0.5 (para ser feita a comparação com a imagem optimizada), explorou-se o modo como a alteração destes parâmetros influencia a qualidade da imagem obtida 8

10 mantendo constante a distância focal. Estas alterações podem ser visualizadas por comparação das Figura 9 b), c) e d) com a referida anteriormente. a) b) Figura 9. Simulação de imagens obtidas por projecção e reconstrução da projecção axial (Figura 1 a)) utilizando diferentes parâmetros, nomeadamente, a) considerando a distância focal indicada, 20cm, e o espaçamento entre os sensores de 0.5 (serve de referência aos restantes), b) por duplicação do espaçamento entre os sensores, c) por diminuição do número de projecções adquiridas (aumento do incremento de rotação) e ainda d) considerando a geometria segundo o qual os sensores estão dispostos como sendo linear. Por alteração do valor do espaçamento entre os sensores, Figura 9 b), verificou-se que a imagem obtida se torna mais esbatida do que comparada com a imagem de a), uma vez que a variação entre as regiões daquela é mais atenuada. Fez-se variar depois o ângulo de incremento da rotação do conjunto fonte sensores, Figura 9 c), verificandose que, tal como nas imagens obtidas através de scanner CT de 1ª geração, o aumento do incremento faz aparecer artefactos na imagem reconstruída a partir do sinograma, devido à insuficiência de ângulos de projecção da imagem. Por último, alterando a geometria da disposição dos sensores, de circular para linear, verificou-se que a imagem obtida não se altera, Figura 9 d) Duplicação da distância focal c) d) Para simular o efeito da variação da distância focal, duplicou-se o seu valor, tanto na projecção como na reconstrução, Figura 10. Verificou-se que o efeito na imagem obtida é semelhante ao do aumento no espaçamento entre os sensores, Figura 9 b), pois também nesta, a imagem fica mais esbatida e os contornos são suavizados (variação nas fronteiras das regiões é atenuada). No entanto, observando atentamente verificamos que ambos os objectos, apesar de representarem efeitos semelhantes, têm algumas diferenças, nomeadamente ao nível da margem do objecto, onde é observável uma atenuação na transição entre as regiões nas duas imagens mas de forma diferente. 9

11 Figura 10. Imagem criada de modo semelhante à da Figura 9 a), mas com uma distância focal dupla da outra Simulação de PET scan Nesta última subsecção, pretende-se simular o efeito de um PET scan em que foi introduzida uma solução radioactiva no objecto em estudo, neste caso é o nariz do boneco, com uma actividade de 10uCi. O background da figura foi considerado com uma actividade de 2uCi. Assumiu-se ainda que a perda de tempo morto, assim como as coincidências no detector e leituras aleatórias foram corrigidas. Preenchendo o círculo central da figura com uma solução radioactiva obtém-se uma imagem em que apenas existe contraste entre o local de acumulação da substância e o resto da imagem. Neste caso tentou-se simular este efeito seleccionando apenas a região do círculo central, dando a toda esta zona o valor 18 de intensidade, e a todo o resto da imagem o valor 2, simulando uma atenuação quase nula dos fotões emitidos, mas que mesmo assim ainda contrasta com o exterior do objecto, onde o valor é zero. Esta simulação apresenta uma forma análoga de criar um filtro passa banda, de modo a que apenas a zona onde se acumula a substância radioactiva seja visível, relativamente ao resto da imagem. Figura 11. Imagem obtida por simulação de PET scan. Considera-se que foi introduzida uma solução radioactiva no objecto da Figura 1 a), projecção axial, nomeadamente no círculo mais claro. Desta forma, a zona a branco simula essa zona enquanto que, a zona a cinzento é considerada o background da substância. 10

Imagiologia de raios X planar

Imagiologia de raios X planar Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado em Engenharia Biomédica Imagiologia de raios X planar Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

Imagem de Ressonância Magnética II

Imagem de Ressonância Magnética II Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Imagem de Ressonância Magnética II Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com

Leia mais

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico Tomografia Computadorizada I Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04 Sistema Tomográfico Podemos dizer que o tomógrafo de forma geral, independente de sua geração, é constituído

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

Expansão de Imagem #2

Expansão de Imagem #2 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e de Computadores Expansão de Imagem #2 Televisão Digital António Alberto da Silva Marques Pedro Ricardo dos Reis Porto, 2004

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO Respostas breves: 1.1) 9,063 N 1.2) norte, pois é positiva. 1.3) São José (Costa Rica). 2) Não, porque Santa Maria não está localizada sobre ou entre os dois

Leia mais

Filtragem de imagens fixas usando Matlab

Filtragem de imagens fixas usando Matlab Televisão digital EEC5270 Relatório Filtragem de imagens fixas usando Matlab Bruno Filipe Sobral de Oliveira - ee01084@fe.up.pt Filipe Tiago Alves de Magalhães - ee01123@fe.up.pt Porto, 20 de Novembro

Leia mais

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006 Trabalho Prático Nº 3 ESTUDO DA DIFRAÇÃO Tópicos de Física Moderna ano 005/006 Objectivos: Familiarização com os fenómenos de interferência e difracção da luz, com utilização de uma rede de difracção para

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO MARIA DO CÉU SIMÕES TERENO 2011 EUROPEU E AMERICANO SISTEMAS DE PROJEÇÕES ORTOGONAIS Ângulos Diedros A representação de objectos tridimensionais por meio de desenhos bidimensionais, utilizando projecções

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

DEIDepartamento. Programação III Engenharia Informática e Comunicações. Engenharia

DEIDepartamento. Programação III Engenharia Informática e Comunicações. Engenharia Engenharia DEIDepartamento Informática Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Programação

Leia mais

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Física e Química A Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Ano lectivo de 2009/2010 Índice Sumário 3 I Relatório 1.1. Objectivos.. 4 1.2. Planeamento 5 1.3. Execução. 6 1.4. Resultados

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

Introdução. Princípios básicos da TAC. .Tomografia deriva da palavra grega Tomos, .Computorizada o processamento. .Designação de TAC/TC.

Introdução. Princípios básicos da TAC. .Tomografia deriva da palavra grega Tomos, .Computorizada o processamento. .Designação de TAC/TC. Princípios básicos da TAC III Encontro de Formação Contínua OMV XIII Congresso de Medicina Veterinária em Língua Portuguesa 17 e 18 de Novembro, 2012 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA Mário Ginja DVM, PhD

Leia mais

Escola Secundária de Oliveira do Bairro

Escola Secundária de Oliveira do Bairro Ano Lectivo 2010/2011 Professora Fátima Pires Como projectar um escorrega para um parque aquático, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina, através de uma rampa

Leia mais

Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica. M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com

Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica. M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com Agenda 1. Reconstrução Tomográfica em TC e MN 1. Retroprojeção e Filtros 2. Visualização Científica na

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Processamento de Imagens Tratamento da Imagem - Filtros Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/033 Sumário 2 Conceito de de Filtragem Filtros

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS Capítulo II INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS A Análise Factorial de Correspondências é uma técnica simples do ponto de vista matemático e computacional. Porém, devido ao elevado suporte geométrico desta

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL

MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL MEDIÇÃO DO COMPRIMENTO DE ONDA DA RADIAÇÃO DE UM LASER POR INTERFERÊNCIA ÓPTICA COM O BIPRISMA DE FRESNEL 1. Objectivo Estudo da interferência óptica. Medição do comprimento de onda da radiação de um laser

Leia mais

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO Assunto: Software de Planejamento de Tratamento por Radiação da Brainlab: Para uso em software Brainlab, sequências de imagens (excluindo tomografias)

Leia mais

1º Teste Computação Gráfica

1º Teste Computação Gráfica 1º Teste Computação Gráfica LEIC-Tagus/LERCI Prof. Mário Rui Gomes Prof. João Brisson Lopes 23 de Abril de 25 Nº Nome: Responda às questões seguintes justificando adequadamente todas as respostas. O Teste

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

FILTRAGEM ESPACIAL. Filtros Digitais no domínio do espaço

FILTRAGEM ESPACIAL. Filtros Digitais no domínio do espaço FILTRAGEM ESPACIAL Filtros Digitais no domínio do espaço Definição Também conhecidos como operadores locais ou filtros locais Combinam a intensidade de um certo número de piels, para gerar a intensidade

Leia mais

Criação de Páginas Web - MS Word 2000

Criação de Páginas Web - MS Word 2000 Gestão Comercial e da Produção Informática I 2003/04 Ficha de Trabalho N.º 9 Criação de Páginas Web - MS Word 2000 1. Criação de uma página Web (HTML): Escreva o seu texto e introduza as imagens pretendidas

Leia mais

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA

REFLEXÃO DA LUZ: ESPELHOS 412EE TEORIA 1 TEORIA 1 DEFININDO ESPELHOS PLANOS Podemos definir espelhos planos como toda superfície plana e polida, portanto, regular, capaz de refletir a luz nela incidente (Figura 1). Figura 1: Reflexão regular

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel.

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel. PROGRAMAÇÃO LINEAR Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel. Para além da resolução pelo método gráfico e/ou outros métodos, é possível resolver um problema de PL

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. e-mail:

Leia mais

Actividade 2 Intensidade da luz

Actividade 2 Intensidade da luz Actividade 2 Intensidade da luz Conceitos matemáticos Materiais Representação gráfica dos dados Comparação de previsões de dados Relações: o quadrado do inverso Origens de erro e respectivos efeitos Conceitos

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial Filtragem espacial é uma das principais ferramentas usadas em uma grande variedade de aplicações; A palavra filtro foi emprestada

Leia mais

3D STUDIO MAX. Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático

3D STUDIO MAX. Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático 3D STUDIO MAX Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático Modelação da cabeça de um boneco Colocar a imagem boneco.jpg como fundo na vista da direita. 1. Na vista da frente criar um círculo (NGON 6 pontos) com

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE MÁRCIO PORTES DE ALBUQUERQUE OUTUBRO 2007-1 - SUMÁRIO RESUMO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PARTE I: O QUE É UM AMPLIFICADOR

Leia mais

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE

MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ MODULAÇÃO AM E DEMODULADOR DE ENVELOPE 204/ Objetivos de Estudo: Desenvolvimento de um modulador AM e um demodulador, utilizando MatLab. Visualização dos efeitos de modulação e demodulação no domínio

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO Jorge Costa do Nascimento Introdução Na produção desse texto utilizamos como fonte de pesquisa material

Leia mais

ALCANCE DINÂMICO CCD CMOS

ALCANCE DINÂMICO CCD CMOS ALCANCE DINÂMICO Nos sensores de imagem CCD (charge-coupled device) ou CMOS (complementary metal oxide semiconductor), o alcance dinâmico (ou dinâmica) é especificado tipicamente como a razão entre o sinal

Leia mais

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin. Reconstrução de Imagens

Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin. Reconstrução de Imagens Reconstrução de Imagens Princípios Básicos ALGORITMOS! Conjunto de instruções para gerar um resultado a partir de uma entrada específica.! Em tomografia computadorizada quase todas as instruções são operações

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Sketch2Photo

Leia mais

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching"

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching" 1 Com suas palavras explique o que é Reconhecimento de Padrões- RP. Quais são os fases clássicas que compõem

Leia mais

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003

L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia. DECISÃO N. o 190. de 18 de Junho de 2003 L 276/4 PT Jornal Oficial da União Europeia DECISÃO N. o 190 de 18 de Junho de 2003 relativa às características técnicas do cartão europeu de seguro de doença (Texto relevante para efeitos do EEE e do

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.)

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Data de Entrega: Dia 2 de Fevereiro de 2010 Autor: Telmo Daniel Roseiro Rodrigues, Nº

Leia mais

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES Mecânica plicada Engenharia iomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇS INERES Versão 0.2 Setembro de 2008 1. Peça linear Uma peça linear é um corpo que se pode considerar gerado por uma figura plana cujo centro

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Que imagens têm ou não têm simetria?

Que imagens têm ou não têm simetria? O mundo da simetria Que imagens têm ou não têm simetria? Isometrias Isometria: Transformação geométrica que preserva as distâncias; as figuras do plano são transformadas noutras geometricamente iguais.

Leia mais

Departamento de Electrónica Industrial. Manual prático TC

Departamento de Electrónica Industrial. Manual prático TC Departamento de Electrónica Industrial Manual prático TC Clarisse Ribeiro Abril de 2008 Índice Ligar/Desligar o CT... 1 Check up/calibração... 2 Posicionamento do paciente... 2 Cabeça... 3 Pescoço...

Leia mais

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Introdução Na Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET), diferentemente dos exames de Raio-x ou CT, a emissão da radiação é realizada diretamente

Leia mais

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.

ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE. Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho. ANÁLISE DE PROGRAMAS DE CÁLCULO PARA ESTRUTURAS DE ALVENARIA RESISTENTE Ivone Maciel 1 Paulo Lourenço 2 ivone@civil.uminho.pt pbl@civil.uminho.pt 1 Mestranda e Bolseira de investigação do Departamento

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Objetivo da aula; Diagnóstico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica; Limitações do método. Definição

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão

5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão 5 Caracterização por microscopia eletrônica de transmissão Considerando o tamanho nanométrico dos produtos de síntese e que a caracterização por DRX e MEV não permitiram uma identificação da alumina dispersa

Leia mais

Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos...

Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos... 1 Actividade 1 Uma direcção, dois sentidos... Duas partículas A e B movem-se rectilineamente, de acordo com as equações: x A = 4,0-2,0 t (SI) x B = -2,0 + 4,0 t (SI). a) Esboce as trajectórias das partículas

Leia mais

Redução de imagem no domínio espacial

Redução de imagem no domínio espacial Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Televisão Digital - 2002/2003 Redução de imagem no domínio espacial Armando

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação).

Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). 59 Figura 4.6: Componente horizontal de velocidade (128x128 nós de colocação). Figura 4.7: Comparação do erro para a componente horizontal de velocidade para diferentes níveis de refinamento. 60 Figura

Leia mais

2. O número de vectores da base de L construída na alínea anterior é a soma do número de vectores das bases de M e N.

2. O número de vectores da base de L construída na alínea anterior é a soma do número de vectores das bases de M e N. 2.4. PROJECÇÕES 2. dim(l)=dim(m)+dim(n) Demonstração. Se L=M N, qualquer vector x L se pode escrever de forma única como a soma de um vector x M M e outro vector x N N. 1. Dada uma base de M, x M pode

Leia mais

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática

GereComSaber. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Conselho de Cursos de Engenharia Licenciatura em Engenharia Informática Desenvolvimento de Sistemas de Software Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Ana Duarte, André Guedes, Eduardo

Leia mais

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa.

Figura 01: Aplicações do Filtro Espacial Passa-Baixa. 791 IMPLEMENTAÇÃO DE TÉCNICAS DE PRÉ-PROCESSAMENTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS PARA RADIOGRAFIAS CARPAIS Rafael Lima Alves 1 ; Michele Fúlvia Angelo 2 Bolsista PROBIC, Graduando em Engenharia de Computação,

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa E. alternativa B. alternativa E. A figura exibe um mapa representando 13 países.

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa E. alternativa B. alternativa E. A figura exibe um mapa representando 13 países. Questão A figura eibe um mapa representando países. alternativa E Inicialmente, no recipiente encontram-se 40% ( 000) = 400 m de diesel e 60% ( 000) = = 600 m de álcool. Sendo, em mililitros, a quantidade

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares / JOF

João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução ao Controlo Numérico Computorizado II Referencial, Trajectórias João Manuel R. S. Tavares / JOF Introdução As ferramentas de uma máquina CNC podem realizar certos movimentos conforme o tipo

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA. Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Objetivos Evolução Histórica Formação da Imagem Motivação Motivação Início da Tomografia Computadorizada (CT) A Tomografia Computadorizada,

Leia mais

Teorias da luz. Experiências

Teorias da luz. Experiências Teorias da luz. Experiências Jaime E. Villate Departamento de Física Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Exposição na Biblioteca da FEUP 21 de Abril a 13 de Junho de 2005 1 A luz é um fenómeno

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

Engenharia Biomédica e Física Médica

Engenharia Biomédica e Física Médica Engenharia Biomédica e Física Médica 2010-2011 Teste 1 Importante: - Indique todos os cálculos e aproximações que efectuar. - Quando achar necessário arbitrar valores ou parâmetros (p.ex. diâmetro de um

Leia mais

Análise da mortalidade em Portugal.

Análise da mortalidade em Portugal. Análise da mortalidade em Portugal. Paulo Canas Rodrigues; João Tiago Mexia (E-mails: paulocanas@fct.unl.pt; jtm@fct.unl.pt) Resumo Neste trabalho apresentam-se tabelas de mortalidade para a população

Leia mais

Filtragem no Domínio da Frequência

Filtragem no Domínio da Frequência Filtragem no Domínio da Frequência Disciplina: Tópicos em Computação (Processamento Digital de Imagens) 1 / 48 Algumas considerações A frequência é diretamente relacionada a taxas espaciais de variação;

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation NEX-3/NEX-5/NEX-5C As funções 3D disponibilizadas por esta actualização de firmware são descritas neste folheto. Por favor consulte o Manual de instruções e o Manual da α que estão incluídos no CD-ROM

Leia mais

CT-234. Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches

CT-234. Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 Estruturas de Dados, Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 4) Árvores balanceadas AVL, Rubro-Negras, B-Trees Operações em árvores binárias de busca

Leia mais

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A.

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A. IMES Catanduva Probabilidades e Estatística Estatística no Excel Matemática Bertolo, L.A. Aplicada Versão BETA Maio 2010 Bertolo Estatística Aplicada no Excel Capítulo 3 Dados Bivariados São pares de valores

Leia mais

Quadros Interactivos CLASUS

Quadros Interactivos CLASUS Quadros Interactivos CLASUS Quadros Interactivos CLASUS Introdução à Utilização dos Quadros Interactivos e Software A-migo Pagina 1 Introdução à Utilização dos Quadros Interactivos e Software A-migo 1.

Leia mais

Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT

Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT Guia de Instalação e Utilização do plugin para Reconstrução Tomográfica em SPECT Índice C Comentários 3 I Instalação 4 R Reconstrução tomográfica pelo método FBP 5 Reconstrução tomográfica pelo método

Leia mais

**** IMPORTANTE ACÇÃO CORRECTIVA DE CAMPO**** Re: ware da Família Volcano s5/s5i Versão 3.2.1 / 3.2.2

**** IMPORTANTE ACÇÃO CORRECTIVA DE CAMPO**** Re: ware da Família Volcano s5/s5i Versão 3.2.1 / 3.2.2 **** IMPORTANTE ACÇÃO CORRECTIVA DE CAMPO**** Re: ware da Família Volcano s5/s5i Versão 3.2.1 / 3.2.2 30 de Cara Senhora, Caro Senhor, Vimos por este meio informar vossa Exª, acerca de um evento extremamente

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

Reconhecimento de Objectos

Reconhecimento de Objectos Dado um conjunto de características, relativas a uma região (objecto), pretende-se atribuir uma classe essa região, seleccionada de um conjunto de classes cujas características são conhecidas O conjunto

Leia mais

AULA 4 - ESPELHOS ESFÉRICOS

AULA 4 - ESPELHOS ESFÉRICOS AULA 4 - ESPELHOS ESFÉRICOS Meta: - Fazer que o estudante comece a pensar no ensino de ciências como algo orgânico que está em profunda transformação; - Fazer com que os alunos percebam, através de uma

Leia mais

RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS. o Flutuações aleatórias ou imprecisões em dados de entrada, precisão numérica, arredondamentos etc...

RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS. o Flutuações aleatórias ou imprecisões em dados de entrada, precisão numérica, arredondamentos etc... RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS RUÍDOS EM IMAGENS Em Visão Computacional, ruído se refere a qualquer entidade em imagens, dados ou resultados intermediários, que não são interessantes para os propósitos

Leia mais

E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro.

E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro. E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro. Atenção a cor de fundo deve estar definida no antes de criar a nova imagem. Comprovação do trabalho

Leia mais

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA

UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA UNIDADE 4 - ESTRUTURA CRISTALINA 4.1. INTRODUÇÃO Em geral, todos os metais, grande parte dos cerâmicos e certos polímeros cristalizam-se quando se solidificam. Os átomos se arranjam em uma estrutura tridimensional

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso de Engenharia Informática Disciplina de Estrutura de dados e Algoritmos 2º Ano - 1º Semestre Relatório Connected Component Labeling

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

7.4 As nuvens de perfis

7.4 As nuvens de perfis 7.4 As nuvens de perfis Cada perfil de linha, ou seja, cada linha da matriz de perfis de linha, P L, define um ponto no espaço a b dimensões, R b. A nuvem de a pontos em R b assim resultante pode ser designada

Leia mais