Imagem de Ressonância Magnética II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imagem de Ressonância Magnética II"

Transcrição

1 Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Imagem de Ressonância Magnética II Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, Rúben Pereira n.º 55754, André Gomes n.º 55771, Lisboa, Maio de º Semestre 2007/2008

2 1. ESTUDO DE UM FANTOMA USANDO MRI CONVENCIONAL Neste trabalho teve-se como objectivo o estudo de um fantoma, utilizando um MRI convencional de sequência de pulsos spin-warp, com um NEX = 2 averages o que significa que os sinais obtidos em todos os pontos foram registados duas vezes, sendo determinado um valor médio a 1.5T. Toda a simulação foi realizada em software comercial MatLab Representação do fantoma Nesta subsecção do trabalho pretende-se observar a representação do fantoma no espaço k, bem como sua magnitude e fase. Para se obter o espaço dos k recorreu-se ao ficheiro raw, que contém os valores da parte real e imaginária do sinal, correspondentes a duas matrizes de resolução 256x256, respectivamente. Assim, através da soma dessas duas matrizes, obteve-se a matriz de valores imaginários correspondente, no espaço k. A magnitude em cada ponto foi obtida efectuando o cálculo do módulo do valor dessa matriz nesses pontos, e a fase através do ângulo complexo. As representações gráficas destas matrizes podem ser observadas na Figura 1. É importante salientar que a escala utilizada na visualização da magnitude não corresponde à real, tendo sido necessário redefinir a escala de intensidade. Esta escala foi reposta entre os valores 40 e 7x10 4, de modo a permitir uma melhor visualização das componentes significativas do sinal. Para definir esta nova escala, foi necessário recorrer ao histograma da matriz magnitude. Este histograma, Figura 2, permitiu verificar uma abundância de valores entre o 0 e o no entanto este intervalo continuou a ser demasiado abrangente, tendo-se reduzido a valores mais aceitáveis: entre 0 e Ao restringir esta zona conseguiu-se uma nova normalização da escala do cinzento e assim obter uma imagem mais observável. Figura 1. Representação do espaço k, à esquerda, do sinal obtido pelo MRI, e também da correspondente magnitude da componente complexa, ao centro, e fase da mesma, à direita. 1

3 Figura 2. Histograma da magnitude do sinal complexo obtido. Através deste é possível perceber que grande parte da magnitude do sinal se encontra concentrada entre 0 e 40. Para a reconstrução da imagem do fantoma, determinou-se a transformada inversa de Fourier 2-D, disponibilizada no MatLab pela função ifft2, da matriz do espaço k. De modo a ajustar o centro desta para o centro da imagem recorreu-se à função fftshift, obtendo-se como resultado a Figura 3. Figura 3. Representação da imagem do fantoma obtida através da transformada inversa de Fourier da matriz do sinal complexo. Os rectângulos pequenos apresentados também na imagem representam as áreas consideradas no cálculo do SNR e CNR. O rectângulo a vermelho representa a zona mais clara do fantoma enquanto o verde relaciona-se com outra zona do fantoma, que apresenta constituição diferente. O background é representado pela área a azul Determinação dos SNR s e do CNR da imagem De forma a calcular os valores da relação sinal/ruído, SNR, utilizou-se a equação (1), 2

4 considerando como background a parte de fora do fantoma, correspondente ao cinzento envolvente do objecto, representado pelo rectângulo azul na Figura 3. Relativamente ao objecto, a sua parte mais clara foi representada pelo rectângulo vermelho enquanto a parte cinzenta foi representada pela área verde. Na Tabela 1 apresentam-se os resultados do SNR e do CNR obtidos. é ã (1) (2) Tabela 1. Valores da relação sinal/ruído, SNR, dos diferentes constituintes do fantoma imagem da Figura 3, e também da relação contraste/ruído, CNR. SNR da zona mais clara 16,0405 SNR da parte cinzenta (intermédia) 10,2284 CNR 5,8121 No caso de se diminuir o NEX para o valor de 1, e mantendo os outros parâmetros constantes, só se irá adquirir o sinal de cada ponto, uma única vez. Isto significa que a média dos sinais obtidos não se faz, e consequentemente o SNR irá piorar num factor de N. Esta perda de relação sinal/ruído deve-se ao facto de os diferentes sinais, obtidos do MRI (no caso do NEX>1), estarem directamente correlacionados entre si, enquanto o ruído não, uma vez que este é considerado aleatório. Assim, ao se diminuir o valor do NEX está-se a diminuir a capacidade de se obter a informação de correlação entre os diferentes conjuntos de sinais Remoção alternada das baixas e altas frequências no espaço k Com o objectivo de observar as altas e baixas frequências na imagem, individualmente, mascararam-se as frequências que não eram pretendidas, de modo a que apenas as que estão a ser estudadas fossem observadas. No caso do estudo da imagem gerada através das baixas frequências o efeito foi simulado através da atribuição do valor zero a todas as entradas fora de um quadrado central da matriz do espaço k de tamanho variável. Assim, apenas as baixas frequências (contidas no quadrado central da matriz) têm influência na imagem reconstruída, uma vez que as altas frequências são anuladas. 3

5 Figura 4. Representação da imagem do fantoma, por eliminação das altas frequências. Como resultado desta alteração, e após transformada de Fourier inversa obtém-se a imagem da Figura 4, onde é notória a perda de contorno das imagens e a perda de resolução desfocado ou blur ou seja, os pixéis onde a transição teria uma frequência mais alta (contornos) são anulados pela máscara e a imagem torna-se assim mais esbatida (suavizada), sendo também muito difícil definir os limites dos vários objectos. No caso da observação das altas frequências subtraiu-se ao sinal total o sinal resultante da matriz anteriormente para as altas frequências, ou seja, obteve-se uma terceira matriz em que todas as entradas do quadrado central considerado anteriormente são nulas e as restantes têm o valor do sinal original matriz mascarada para as baixas frequências. Figura 5. Representação da imagem do fantoma, por eliminação das baixas frequências. Na imagem da Figura 5 apenas os contornos dos objectos são observáveis e todas as 4

6 superfícies são homogeneizadas, sendo impossível distinguir sequer algum dos objectos. Isto acontece porque todas as zonas de baixa frequência, transições lentas entre as intensidades dos pixéis, são eliminadas (é-lhes atribuído o valor zero) Redução do tempo de aquisição Nesta parte do trabalho procurou-se simular a redução do tempo de aquisição dos parâmetros, consequentemente a redução na quantidade de sinal adquirido, e os efeitos repercutidos nas imagens obtidas. Numa primeira instância procurou-se estudar o efeito desta redução do tempo de aquisição no domínio da fase reduzindo a quantidade de sinal e tempo adquirido para metade. Para tal reduziu-se o tamanho da matriz do espaço k para metade, truncando-a horizontalmente, e eliminando as linhas a montante e a jusante das linhas que se pretendem simular. Figura 6. Representação da matriz complexa do espaço k, truncada horizontalmente para metade (à esquerda), da matriz da sua magnitude (ao centro) e da sua fase complexa (à direita). Figura 7. Imagem obtida por diminuição do tempo de aquisição, segundo y (phase-encoding), para metade. É importante destacar a forma pixelizada da componente vertical devido a esta alteração. 5

7 Após obtenção dos resultados, nomeadamente as imagens da Figura 6, verifica-se que ao truncar a matriz segundo a horizontal esta torna-se rectangular quando inicialmente era quadrada. Na imagem representada no espaço temporal, Figura 7, este efeito traduz-se num alongamento da componente vertical dos pixéis. Este efeito é notório nos limites superiores e inferiores do fantoma, em que o contraste vai na direcção da pixelização. Reduzindo sucessivamente o número de linhas medidas é possível observar a evolução do efeito da redução do tempo de aquisição nas imagens obtidas. Assim reduziu-se mais ainda o tamanho da parte vertical da matriz, para 1/4 e posteriormente para 1/8, truncando sucessivamente a matriz do espaço k horizontalmente e sempre tendo a origem como centro, para 1/4 e depois para 1/8 das linhas, respectivamente. Figura 8. Representação da matriz complexa do espaço k, truncada horizontalmente para 1/4 (à esquerda), da matriz da sua magnitude (ao centro) e da sua fase complexa (à direita). Figura 9. Imagem obtida por diminuição do tempo de aquisição, segundo y (phase-encoding), para 1/4. É importante destacar a forma pixelizada da componente vertical devido a esta alteração. Através da Figura 8 é possível observar que neste caso a eliminação de linhas da matriz do espaço k para 1/4 surge por intermédio da diminuição da altura da forma rectangular da matriz anterior. É também possível verificar que o efeito de alongamento vertical do tamanho dos pixéis também acontece nas matrizes de magnitude e de fase, mas mais na imagem da Figura 9. Este efeito acontece porque as imagens foram 6

8 escalonadas para possuírem altura e largura iguais. Como o número de linhas nas matrizes que originam estas imagens diminuíram, cada pixel terá de aumentar o seu tamanho vertical para que seja compensado esse défice. Neste ensaio é mais observável o alongamento do tamanho dos pixéis segundo a vertical, assim como o aumento da perda da qualidade de imagem, relativamente ao caso anterior. Figura 10. Representação da matriz complexa do espaço k, truncada horizontalmente para 1/8 (à esquerda), da matriz da sua magnitude (ao centro) e da sua fase complexa (à direita). Figura 11. Imagem obtida por diminuição do tempo de aquisição, segundo y (phase-encoding), para 1/8. É importante destacar a forma pixelizada da componente vertical devido a esta alteração. Comparativamente aos últimos dois casos, este efeito é muito mais visível através da pixelização da imagem. Nesta parte do estudo verificou-se um achatamento ainda maior da matriz do espaço k, sendo o alongamento da componente vertical dos pixéis também mais acentuado. A imagem neste caso atingiu um ponto em que a qualidade de imagem é tão diminuída que o fenómeno de alongamento dos pixéis apesar de ser observável, torna-se um problema menor Redução do intervalo de tempo entre aquisições em x Uma vez estudado o efeito dentro do domínio da fase tentou-se então observar o que acontece se a redução ocorrer no domínio da frequência. Através da diminuição do 7

9 gradiente G x é possível diminuir o tempo de aquisição em cada linha, e assim influenciar a quantidade de pontos adquiridos ao longo das linhas, ou seja, são adquiridas menos colunas da matriz do espaço k. Neste caso procurou-se diminuir o gradiente de -G x a G x para -G x /2 a G x /2 para diminuir o tempo de aquisição para metade. Com essa finalidade simulou-se a redução da quantidade de dados, truncando de novo a matriz do espaço dos k, mas desta vez segundo a vertical, eliminando as colunas da matriz à esquerda e à direita das que se pretendem que simulem os dados reduzidos. Figura 12. Representação da matriz complexa do espaço k, truncada verticalmente para metade (à esquerda), da matriz da sua magnitude (ao centro) e da sua fase complexa (à direita). Figura 13. Imagem obtida por diminuição do tempo de aquisição, segundo x (frequency-encoding), para metade. Apesar de pouco visível, é importante destacar a forma pixelizada da componente horizontal devido a esta alteração. 8

10 Nesta simulação o efeito é em tudo semelhante ao anterior (truncar a matriz verticalmente). No entanto o alongamento dos pixéis ocorre segundo a horizontal, sendo este fenómeno mais observável, desta vez, nas partes laterais do círculo exterior. A evolução do efeito é também em tudo semelhante à da redução da aquisição no phase-encoding, com a diferença de o alongamento acontecer segundo a vertical) Aumento do incremento do phase-encoding e frequency-encoding Ao contrário da situação anterior, o objectivo nesta subsecção é simular a imagem que tem vindo a ser analisada, considerando agora o incremento da fase como duplo do incremento considerado nos casos anteriores. No entanto, a força do gradiente máximo mantém-se o mesmo. Figura 14. Representação esquemática do processo de obtenção dos dados do MRI, no espaço k. Os pulsos impostos ao sistema ao longo do tempo são apresentados à esquerda, nomeadamente, o pulso RF e as três componentes do gradiente G. A componente segundo x de G é responsável pelo deslocamento segundo x no espaço k. O primeiro pulso negativo corresponde à transição do ponteiro, da origem para o lado esquerdo, enquanto o segundo pulso, a vermelho, faz o varrimento ao longo de x. No eixo dos yy, a componente G y varia desde um valor mínimo, correspondente ao mínimo de k y no espaço k, até um valor máximo, também atingindo um máximo em k y. 1 De forma a simular este efeito considerou-se uma alteração no eixo da fase, em que o passo do incremento foi duplicado, ou seja, consideraram-se apenas as componentes de índice ímpar da fase do espaço k original. Em termos esquemáticos e recorrendo à imagem da Figura 14 este fenómeno corresponde a saltar entre linhas horizontais, aumentando o valor de k y em duas vezes mais. Uma vez mais, os resultados obtidos são apresentados por modificação da imagem do fantoma original. Na Figura 15 são apresentadas as imagens obtidas. 1 Vide bibliografia [1]. 9

11 Figura 15. A imagem de baixo é a representação da imagem de cima no referencial temporal. Em cima, o espaço k foi reduzido na direcção da fase, uma vez que se consideraram apenas as fases de índice ímpar. Através da imagem da figura anterior, apercebe-se rapidamente o efeito que o aumento do incremento da fase provoca na imagem original do fantoma: a extremidade vertical superior é seccionada, havendo consequentemente uma sobreposição desta na extremidade oposta, ou seja, as intensidades dos pontos da extremidade superior da figura aparecem sobrepostos com as intensidades dos pontos da zona inferior da mesma. A extremidade superior da imagem, também sofre sobreposição. No entanto, uma vez que o lado inferior é predominantemente negro, o efeito não se nota. Existe uma consequência relativamente à alteração efectuada que consiste no aumento das dimensões do objecto segundo o eixo vertical. Este resultado era esperado uma vez que existe menos informação recolhida segundo essa mesma direcção, ou seja, foram considerados menos pontos ao longo de y. Relativamente à frequência, é possível obter um efeito semelhante ao descrito anteriormente para a fase. Para tal é necessário aumentar o tempo de aquisição na frequência, k x, que corresponderá, em termos esquemáticos, a saltar entre linhas verticais (vide Figura 14). Em termos simulatórios, este efeito é conseguido considerando apenas as colunas de índices ímpares. Desta forma consegue-se garantir que o gradiente de leitura, readout, se mantém o mesmo. Na figura seguinte, apresentam-se as imagens obtidas por simulação do efeito descrito, nomeadamente as representações no espaço k e temporal. 10

12 Figura 16. A imagem à direita é a representação da imagem da esquerda no referencial temporal. À esquerda, o espaço k foi reduzido na direcção da frequência, uma vez que se consideraram apenas as frequências de índice ímpar. Por análise da imagem obtida no espaço dos tempos, conclui-se que o efeito visualizado é em todo semelhante ao obtido aquando do aumento do incremento da fase. Existe uma sobreposição de ambas as extremidades sobre os lados opostos horizontal e respectivamente, que ocorre com simultâneo alargamento da imagem segundo o eixo horizontal. Ainda relativamente à sobreposição dos lados, o efeito de alteração de cor por soma de intensidades é diferente. Em termos reais e gerais, dos efeitos gerados, o phase-enconding é o mais obtido, uma vez que as medições segundo a componente x do k, frequência, são determinadas num mesmo gradiente. O efeito do phase-enconding é mais moroso do que o da frequência, e por esta razão são realizados menos ensaios ao longo de y, sendo portanto aquele, mais visualizado. Desta forma, torna-se claro que o efeito devido ao corte de frequências no espaço k é mais difícil de contornar do que o da fase. Isto acontece porque o valor das intensidades nas várias frequências são obtidos ao mesmo tempo em cada valor de fase. Ora, se se pretender adquirir mais pontos de fase, basta adquirir uma nova linha (vide Figura 14), o mesmo não acontece na frequência. Para adquirir uma nova frequência torna-se complicado, pois são necessárias novas determinações em todas as fases e frequências, ou seja, é necessário varrer todas as linhas do espaço k Aquisição de metade do espaço k na direcção da fase Nesta última subsecção pretende-se simular o efeito de considerar aquisições em MRI, apenas em metade do espaço k, nomeadamente numa metade do eixo das fases. Significa isto que o valor de k y só varia entre 0 e um valor máximo, k max. Para se poder obter uma imagem fazendo esta consideração é necessário completar os valores negativos de k y. Para tal decidiu-se atribuir a cada valor da posição (k x,k y ) na matriz do espaço k e representativa da imagem, o conjugado desse valor na posição (-k x,-k y ), na mesma matriz, ou seja, em termos matemáticos,, (3) em que I é o valor da intensidade da imagem no espaço k e * é o símbolo indicativo 11

13 de conjugado. Figura 17. A imagem à direita é a representação da imagem da esquerda no referencial temporal. Nesta simulação foram considerados apenas as componentes de índice k y (no espaço k) positivos, relativamente à imagem original. As componentes com k y negativos foram estimadas através da equação (3). Na Figura 17 apresentam-se os resultados da simulação. À esquerda, o espaço k, é evidente a simetria ímpar da imagem relativamente ao centro do referencial. Em termos temporais, à direita, a imagem obtida apresenta um arrastamento das intensidades segundo o eixo vertical, ou seja, as intensidades de menor valor que estão próximas verticalmente de intensidades mais elevadas, sofrem um aumento do seu valor, por consequência da sobreposição daquelas intensidades vizinhas mais elevadas sobre estas. O mesmo se passa em pontos de intensidades elevadas, estas sofrem influência dos pontos vizinhos, verticalmente, de intensidade mais baixa. Estes efeitos são resultado do facto de a zona inferior do espaço k ter sido determinada a partir da superior, nomeadamente através do conjugado, impedindo a variação da fase. Com isto, concluise que só se obteria uma imagem limpa no caso de a matriz do espaço k ser totalmente real, o que neste caso não acontece. De forma a minimizar estes efeitos poder-se-ia estimar a variação da fase a partir de uma imagem de baixa resolução, obtida através de alguns pontos da metade do espaço k que não se adquiriu (cerca de 10%). REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Figueiredo, Patrícia Magnetic Resonance Imaging III. Abril de Acetatos das aulas de Técnicas de Imagiologia leccionadas ao curso de Engenharia Biomédica. [2] Magnetic Resonance Imaging IV. Abril de Acetatos das aulas de Técnicas de Imagiologia leccionadas ao curso de Engenharia Biomédica.. [3] Webb, Andrew Introduction to Biomedical Imaging. s.l. : IEEE,

Imagiologia de raios X planar

Imagiologia de raios X planar Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado em Engenharia Biomédica Imagiologia de raios X planar Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

Tomografia Computorizada

Tomografia Computorizada Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Tomografia Computorizada Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

Redução de imagem no domínio espacial

Redução de imagem no domínio espacial Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Televisão Digital - 2002/2003 Redução de imagem no domínio espacial Armando

Leia mais

FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015

FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015 FILTRAGEM NO DOMÍNIO DAS FREQUÊNCIAS (TRANSFORMADA DE FOURIER) Daniel C. Zanotta 04/06/2015 FREQUÊNCIA EM IMAGENS DIGITAIS Análise da intensidade dos NCs da imagem Banda 7 Landsat TM ao longo da distância:

Leia mais

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO Respostas breves: 1.1) 9,063 N 1.2) norte, pois é positiva. 1.3) São José (Costa Rica). 2) Não, porque Santa Maria não está localizada sobre ou entre os dois

Leia mais

Escola Secundária de Oliveira do Bairro

Escola Secundária de Oliveira do Bairro Ano Lectivo 2010/2011 Professora Fátima Pires Como projectar um escorrega para um parque aquático, de modo que os utentes possam cair em segurança numa determinada zona da piscina, através de uma rampa

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina

Física e Química A. Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Física e Química A Actividade Prático-Laboratorial 1.3 Salto para a piscina Ano lectivo de 2009/2010 Índice Sumário 3 I Relatório 1.1. Objectivos.. 4 1.2. Planeamento 5 1.3. Execução. 6 1.4. Resultados

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens

Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Laboratório de Sistemas e Sinais L1: Matrizes, Sons e Imagens Luís Caldas de Oliveira Março de 2009 O objectivo deste laboratório é o de explorar a utilização de matrizes em Matlab e de usá-las para construir

Leia mais

Expansão de Imagem #2

Expansão de Imagem #2 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e de Computadores Expansão de Imagem #2 Televisão Digital António Alberto da Silva Marques Pedro Ricardo dos Reis Porto, 2004

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Processamento de Imagens Tratamento da Imagem - Filtros Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/033 Sumário 2 Conceito de de Filtragem Filtros

Leia mais

Utilização do SOLVER do EXCEL

Utilização do SOLVER do EXCEL Utilização do SOLVER do EXCEL 1 Utilização do SOLVER do EXCEL José Fernando Oliveira DEEC FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO MAIO 1998 Para ilustrar a utilização do Solver na resolução de

Leia mais

Filtragem. pixel. perfil de linha. Coluna de pixels. Imagem. Linha. Primeiro pixel na linha

Filtragem. pixel. perfil de linha. Coluna de pixels. Imagem. Linha. Primeiro pixel na linha Filtragem As técnicas de filtragem são transformações da imagem "pixel" a "pixel", que dependem do nível de cinza de um determinado "pixel" e do valor dos níveis de cinza dos "pixels" vizinhos, na imagem

Leia mais

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo

2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2 Descrição do movimento de um ponto material no espaço e no tempo 2.1. Num instante t i um corpo parte de um ponto x i num movimento de translação a uma dimensão, com módulo da velocidade v i e aceleração

Leia mais

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador.

WINDOWS. O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. WINDOWS O AMBIENTE DE TRABALHO DO WINDOWS O Windows funciona como um Sistema Operativo, responsável pelo arranque do computador. Um computador que tenha o Windows instalado, quando arranca, entra directamente

Leia mais

Trabalho Prático n. 2

Trabalho Prático n. 2 Trabalho Prático n. 2 Programação com Quadtrees Métodos de Programação I 2003/04 Preâmbulo Este trabalho prático é constituído por duas secções. A primeira contém questões obrigatórias, e a segunda questões

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial Filtragem espacial é uma das principais ferramentas usadas em uma grande variedade de aplicações; A palavra filtro foi emprestada

Leia mais

Reconhecimento de Objectos

Reconhecimento de Objectos Dado um conjunto de características, relativas a uma região (objecto), pretende-se atribuir uma classe essa região, seleccionada de um conjunto de classes cujas características são conhecidas O conjunto

Leia mais

FILTRAGEM ESPACIAL. Filtros Digitais no domínio do espaço

FILTRAGEM ESPACIAL. Filtros Digitais no domínio do espaço FILTRAGEM ESPACIAL Filtros Digitais no domínio do espaço Definição Também conhecidos como operadores locais ou filtros locais Combinam a intensidade de um certo número de piels, para gerar a intensidade

Leia mais

4 Resultados. 4.1 Dados Empíricos de Alta Freqüência do IBOVESPA

4 Resultados. 4.1 Dados Empíricos de Alta Freqüência do IBOVESPA 4 Resultados Neste capítulo, vamos analisar o comportamento dos retornos de preços intradiários do IBOVESPA e obter modelagem para as distribuições baseadas em distribuições q-gaussianas. Lembramos que

Leia mais

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO

CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO CAPÍTULO 1 MEDIÇÃO E O ERRO DE MEDIÇÃO 1.1. Definições do Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM) Metrologia: Ciência das medições [VIM 2.2]. Medição: Conjunto de operações que têm por objectivo

Leia mais

DEIDepartamento. Programação III Engenharia Informática e Comunicações. Engenharia

DEIDepartamento. Programação III Engenharia Informática e Comunicações. Engenharia Engenharia DEIDepartamento Informática Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Programação

Leia mais

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass

Visão Computacional e Realidade Aumentada. Trabalho 3 Reconstrução 3D. Pedro Sampaio Vieira. Prof. Marcelo Gattass Visão Computacional e Realidade Aumentada Trabalho 3 Reconstrução 3D Pedro Sampaio Vieira Prof. Marcelo Gattass 1 Introdução Reconstrução tridimensional é um assunto muito estudado na área de visão computacional.

Leia mais

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical

Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Mobilidade na FEUP Deslocamento Vertical Relatório Grupo 515: Carolina Correia Elder Vintena Francisco Martins Salvador Costa Sara Palhares 2 Índice Introdução...4 Objectivos...5 Método...6 Dados Obtidos...7

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES

Mecânica Aplicada. Engenharia Biomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇAS LINEARES Mecânica plicada Engenharia iomédica ESFORÇOS INTERNOS EM PEÇS INERES Versão 0.2 Setembro de 2008 1. Peça linear Uma peça linear é um corpo que se pode considerar gerado por uma figura plana cujo centro

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva

Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva Testa os conhecimentos de Geometria Descritiva Para testar os conhecimentos de Geometria Descritiva, procede da seguinte forma: responde por escrito à questão escolhida; em seguida, clica no Hiperlink

Leia mais

Folha de Cálculo TECNOLOGIAS DA T IINF CO RM 1 A 0 ÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC 10

Folha de Cálculo TECNOLOGIAS DA T IINF CO RM 1 A 0 ÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC 10 Folha de CálculoC TECNOLOGIAS DA TIC INFORMAÇÃO 10 E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO INTRODUÇÃO À Exemplo Era uma vez um profissional de saúde que tinha 20 doentes de quem recolhia

Leia mais

)LJXUD8PGRVSDUHV'SDUDFRQYROXomRTXHWHPRPHVPRHIHLWRGR NHUQHOGD)LJXUD

)LJXUD8PGRVSDUHV'SDUDFRQYROXomRTXHWHPRPHVPRHIHLWRGR NHUQHOGD)LJXUD )LOWURJDXVVLDQR O filtro Gaussiano pode ser usado como um filtro SDVVDEDL[D. Usando a função Gaussiana para obter valores de uma máscara a ser definida digitalmente. O Filtro de Gaussiano em 1-D tem a

Leia mais

SSS Slide Show System

SSS Slide Show System SSS Slide Show System Licenciatura em Ciências da Computação Programação Imperativa 2009 Segundo Projecto Versão de 21 de Março de 2009 Alberto Simões José C. Ramalho Instruções Este projecto deve ser

Leia mais

E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro.

E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro. E ainda uma terceira com as opções deste último exemplo, em que a cor de fundo deve ser verdeescuro. Atenção a cor de fundo deve estar definida no antes de criar a nova imagem. Comprovação do trabalho

Leia mais

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Gonçalo Prates 1 e Virgílio Mendes 2 1 Escola Superior de Tecnologia da Universidade do Algarve 2 LATTEX e Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.1. Imagem. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.1. Imagem Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Cores O que é a cor? Distribuição espectral do sinal de excitação. Função da reflectância e da iluminação

Leia mais

Capítulo II Imagem Digital

Capítulo II Imagem Digital Capítulo II Imagem Digital Proc. Sinal e Imagem Mestrado em Informática Médica Miguel Tavares Coimbra Resumo 1. Formação de uma imagem 2. Representação digital de uma imagem 3. Cor 4. Histogramas 5. Ruído

Leia mais

Módulo 2. 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA. Análise de Sistemas Ambientais 2011/2012

Módulo 2. 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA. Análise de Sistemas Ambientais 2011/2012 Módulo 2 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA Bibliografia específica: - Caderno de exercícios do módulo 2 - Ford (1999). Capítulos 2, 3, 7, 8, Anexo C - Jørgensen (2009). Capítulos

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos

Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Departamento de Engenharia Civil Implantação de Pontos Rosa Marques Santos Coelho Paulo Flores Ribeiro 2006 / 2007 1. Implantação A implantação de pontos ou quaisquer outros detalhes consiste na materialização

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

ANEXO. Manual do utilizador

ANEXO. Manual do utilizador ANEXO Manual do utilizador A PARTE 1 Menu Principal A janela principal da aplicação é composta por uma zona destinada a mostrar a informação analítica (rodapé) e pelo Menu Principal, o qual contém opções

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

3D STUDIO MAX. Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático

3D STUDIO MAX. Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático 3D STUDIO MAX Modelação 3D (NURBS) Trabalho prático Modelação da cabeça de um boneco Colocar a imagem boneco.jpg como fundo na vista da direita. 1. Na vista da frente criar um círculo (NGON 6 pontos) com

Leia mais

Transformada de Hough. Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis

Transformada de Hough. Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis Transformada de Hough Cleber Pivetta Gustavo Mantovani Felipe Zottis A Transformada de Hough foi desenvolvida por Paul Hough em 1962 e patenteada pela IBM. Originalmente, foi elaborada para detectar características

Leia mais

Filtragem de imagens fixas usando Matlab

Filtragem de imagens fixas usando Matlab Televisão digital EEC5270 Relatório Filtragem de imagens fixas usando Matlab Bruno Filipe Sobral de Oliveira - ee01084@fe.up.pt Filipe Tiago Alves de Magalhães - ee01123@fe.up.pt Porto, 20 de Novembro

Leia mais

De seguida vamos importar a imagem da lupa File > Import e abrir a imagem Lupa.png que está no Cd-rom.

De seguida vamos importar a imagem da lupa File > Import e abrir a imagem Lupa.png que está no Cd-rom. LUPA Introdução A base que está por detrás deste tutorial são duas imagens, uma com 50% do tamanho original colocada numa layer e outra imagem com o tamanho original colocada numa Mask layer dentro de

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

Módulo III. Folhas de Cálculo

Módulo III. Folhas de Cálculo Módulo III Ferramentas do Office Folhas de Cálculo Ferramentas de produtividade 1 Folhas de Cálculo O que é: Uma Folha de Cálculo é, por tradição, um conjunto de células que formam uma grelha ou tabela

Leia mais

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1

c = c = c =4,20 kj kg 1 o C 1 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO TESTE INTERMÉDIO - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. H vap (H 2O) = 420 4 H vap (H 2O) = 1,69 10 3 H vap (H 2O) = 1,7 10 3 kj kg 1 Tendo em consideração a informação dada no texto o calor

Leia mais

2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes

2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes INTRODUÇÃO 2º Relatório Intercalar CLIMAAT Carlos Miguel Canhoto Franco Antunes Este trabalho, que está inserido no projecto CLIMAAT, Programa INTERREG IIIB, servirá também como tese de mestrado. Neste

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

FATECIENS. Relatório Gerencial sobre o Sistema de Compras. Prefeitura de Sorocaba

FATECIENS. Relatório Gerencial sobre o Sistema de Compras. Prefeitura de Sorocaba Relatório Gerencial sobre o Sistema de Compras Prefeitura de Sorocaba No presente relatório estaremos descrevendo uma análise das mudanças ocorridas com a implantação do módulo de Licitações e Compras

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 2º ciclo PCA - 6º ano Planificação Anual 2013-2014 MATEMÁTICA METAS CURRICULARES

Leia mais

SOFTWARE PARA ESTUDOS DE FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL COMPLEXA: FUNÇÕES ELEMENTARES

SOFTWARE PARA ESTUDOS DE FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL COMPLEXA: FUNÇÕES ELEMENTARES SOFTWARE PARA ESTUDOS DE FUNÇÕES DE UMA VARIÁVEL COMPLEXA: FUNÇÕES ELEMENTARES Edvaldo Lima da Silva 1 Faculdade de Ciências Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Capítulo 5 Filtragem de Imagens

Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 Filtragem de Imagens Capítulo 5 5.1. Filtragem no Domínio da Frequência 5.2. Filtragem no Domínio Espacial 2 Objetivo Melhorar a qualidade das imagens através da: ampliação do seu contraste;

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

EXERCÍCIO - ROMA : Modelar Capitel de uma Coluna Clássica

EXERCÍCIO - ROMA : Modelar Capitel de uma Coluna Clássica FACULDADE DE ARQUITECTURA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA SEMESTRE VIII ANO LECTIVO 2012/2013 MODELAÇÃO GEOMÉTRICA PROFESSOR LUÍS MATEUS RAFAELA MEZEIRO 20091261 MIARQ 4ºE EXERCÍCIO - ROMA : Modelar Capitel

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso de Engenharia Informática Disciplina de Estrutura de dados e Algoritmos 2º Ano - 1º Semestre Relatório Connected Component Labeling

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 0 - DIIAGRAMA DE EXTREMOS E QUARTIIS Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt

Leia mais

p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem

p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem p. 1/2 Resumo Especificação de Filtros Filtro de Butterworth Filtro de Chebyshev Filtros de Primeira Ordem Filtros de Segunda Ordem Introdução Os primeiros filtros construídos eram circuitos LC passivos.

Leia mais

GP-IB. Artur Palha n o 46724 Ana Vieira da Silva n o 46722 Pedro Ribeiro n o 46750 5-5-2002

GP-IB. Artur Palha n o 46724 Ana Vieira da Silva n o 46722 Pedro Ribeiro n o 46750 5-5-2002 GP-IB Artur Palha n o 46724 Ana Vieira da Silva n o 46722 Pedro Ribeiro n o 46750 5-5-2002 Resumo Amostragem de sinais AM e FM com gerador de RF e osciloscópio comandados por GP-IB Set up da experiência

Leia mais

Força atrito. Forças. dissipativas

Força atrito. Forças. dissipativas Veículo motorizado 1 Trabalho Ocorrem variações predominantes de Por ex: Forças constantes Sistema Termodinâmico Onde atuam Força atrito É simultaneamente Onde atuam Sistema Mecânico Resistente Ocorrem

Leia mais

COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE

COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE O Inkscape (http://www.inkscape.org/) é uma aplicação de Software Livre para desenho e edição electrónica de imagem vectorial. É uma ferramenta para edição

Leia mais

Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian

Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian Project IAAPE Pedestrian Accessibility and Attractiveness Indicators: Tool for Urban Walkability Assessment and Management Working Paper No. WP-8 Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian

Leia mais

b : nas representações gráficas de funções do tipo

b : nas representações gráficas de funções do tipo do as suas escolhas a partir daí. Nesta situação, tendem a identificar as assímptotas verticais, as assímptotas horizontais e a associar as representações analítica e gráfica que têm estas características

Leia mais

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Departamento de Matemática - UEL - 2010. Ulysses Sodré. http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010. Matemática Essencial Extremos de funções reais Departamento de Matemática - UEL - 2010 Conteúdo Ulysses Sodré http://www.mat.uel.br/matessencial/ Arquivo: minimaxi.tex - Londrina-PR, 29 de Junho de 2010.

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14

22/Abr/2015 Aula 15. 17/Abr/2015 Aula 14 17/Abr/2015 Aula 14 Introdução à Física Quântica Radiação do corpo negro; níveis discretos de energia. Efeito foto-eléctrico: - descrições clássica e quântica - experimental. Efeito de Compton. 22/Abr/2015

Leia mais

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 1 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 2006/2011 2 3 INTRODUÇÃO 4 SUMÁRIO 5 A EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12º ANO MÉDIAS POR ESCOLA 11 ANÁLISE

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores. Projecto de. Arquitectura de Computadores. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Projecto de Arquitectura de Computadores Jogo dos Blocos (variante do Arkanoid) (Versão 1.0) 2008/2009 Índice 1 Objectivo...

Leia mais

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2,

Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Estratégias de Manutenção em Fachadas de Edifícios Inês Flores 1, Jorge de Brito 2, Instituto Superior Técnico, Universidade Técnica de Lisboa Av. Rovisco Pais, 1049-001 Lisboa, Portugal RESUMO Uma política

Leia mais

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo.

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. 1. Círculos e cilindros 1.1. Planificação da superfície de um cilindro Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. A planificação

Leia mais

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA B 10.º ANO RESOLUÇÃO

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA B 10.º ANO RESOLUÇÃO TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA B 10.º ANO RESOLUÇÃO GRUPO I 1. Apresentamos dois exemplos de resposta. 1.º Exemplo: O hexágono regular [ABCDEF] está dividido em seis triângulos equiláteros, geometricamente

Leia mais

Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL

Topografia TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Licenciatura em Engenharia Civil 1º Ano 2º Semestre Topografia Ano Lectivo 2004/2005 TRABALHOS DE CAMPO NIVELAMENTO GEOMETRICO LEVANTAMENTO TAQUEOMETRICO LEVANTAMENTO E CALCULO DE UMA POLIGONAL Trabalho

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c)

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c) ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO Visão estereoscópica se refere à habilidade de inferir informações da estrutura 3-D e de distâncias da cena de duas ou mais imagens tomadas de posições diferentes. Conversão de

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Introdução Com a atual popularização dos sistemas CAD, ficou muito fácil para usuários de cartografia carregarem um arquivo vetorial, oriundo de

Leia mais

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.)

Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti Características das Imagens obtidas com o Microscópio Óptico Composto (M.O.C.) Data de Entrega: Dia 2 de Fevereiro de 2010 Autor: Telmo Daniel Roseiro Rodrigues, Nº

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS. o Flutuações aleatórias ou imprecisões em dados de entrada, precisão numérica, arredondamentos etc...

RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS. o Flutuações aleatórias ou imprecisões em dados de entrada, precisão numérica, arredondamentos etc... RUÍDOS EM IMAGENS FILTRAGEM DE RUÍDOS RUÍDOS EM IMAGENS Em Visão Computacional, ruído se refere a qualquer entidade em imagens, dados ou resultados intermediários, que não são interessantes para os propósitos

Leia mais

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006

Tópicos de Física Moderna ano 2005/2006 Trabalho Prático Nº 3 ESTUDO DA DIFRAÇÃO Tópicos de Física Moderna ano 005/006 Objectivos: Familiarização com os fenómenos de interferência e difracção da luz, com utilização de uma rede de difracção para

Leia mais

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003

Entendendo o Astigmatismo. Introdução. Lentes especiais sem astigmatismo MAS450/854. 9 de março de 2003 Entendendo o Astigmatismo MAS450/854 Primavera 2003 9 de março de 2003 Introdução Lentes especiais sem astigmatismo Lentes cilíndricas cruzadas com astigmatismo o Foco horizontal o Foco vertical o Plano

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

O que medir? Parâmetros de medição pelo Bioswim. É possível cronometrar o tempo de nado. O principal problema seria a detecção de partida.

O que medir? Parâmetros de medição pelo Bioswim. É possível cronometrar o tempo de nado. O principal problema seria a detecção de partida. BIOSWIM O que medir? Parâmetros de medição pelo Bioswim Parâmetros do desempenho Tempo de Nado É possível cronometrar o tempo de nado. O principal problema seria a detecção de partida. Número de piscinas

Leia mais

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão Estatística Descritiva com Excel Complementos. 77 3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão 3.1- Introdução No módulo de Estatística foram apresentadas as medidas ou estatísticas

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Estudo de funções parte 2

Estudo de funções parte 2 Módulo 2 Unidade 13 Estudo de funções parte 2 Para início de conversa... Taxa de desemprego no Brasil cai a 5,8% em maio A taxa de desempregados no Brasil caiu para 5,8% em maio, depois de registrar 6%

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.2. Aplicação da tecnologia laser scanning à reabilitação do espaço construído.

Leia mais