Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária"

Transcrição

1 Ajuste dos Parâmetros de um Controlador PI em uma Coluna de Destilação Binária Marina Roberto Martins 1*, Fernando Palú 1 (1) Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Curso de Engenharia Química. Resumo: A coluna de destilação é provavelmente um dos mais importantes e populares processos estudados na engenharia química e é utilizada em muitos processos químicos para separação e purificação. Sendo assim, a aplicação de modelos matemáticos na predição do comportamento é muito importante, principalmente para prevenção de possíveis problemas de controle e operabilidade. Desta forma, este estudo irá tratar de uma simulação de uma coluna de destilação binária baseado no modelo apresentado no livro Luyben (1990), onde se têm como objetivo ajustar os parâmetros de dois controladores proporcionais integrais instalados no topo e no fundo da coluna, onde seus coeficientes são variados a fim de obter-se a resposta ideal. Para isso foi utilizado o software matemático MATLAB, onde foram feitas várias simulações com objetivo de encontrar um ajuste que melhore o funcionamento do controlador. Após algumas tentativas observou-se graficamente que o controle funcionaria de forma mais eficaz se o ganho do controlador fosse igual em ambos e com um valor duas vezes maior que o inicial e também diminuindo o tempo de resposta d e aumentando b. Palavras Chave: Coluna de Destilação; Controladores PI; Ajuste; MATLAB. INTRODUÇÃO A destilação é um processo de separação amplamente utilizado para separar dois ou mais componentes de diferentes volatilidades de uma mistura. Sendo assim quando se deseja fracionar uma mistura homogênea de várias fases ou aumentar o grau de pureza do vapor condensado do produto final, utiliza-se uma coluna de destilação. Bequette, (1998) diz que a coluna de destilação é um dos equipamentos de separação mais empregados na indústria química e petroquímica, sendo que sua operação ocorre inicialmente com a entrada da alimentação no meio da coluna. Os componentes de menor e maior temperatura de ebulição são chamados respectivamente, destilado e resíduo ou produto de fundo. O projeto e controle da destilação são importantes para produzir produtos de requerida pureza. Assim pode-se dizer que o estudo da destilação é extremamente importante na disciplina de operações unitárias dos cursos de engenharia, mas principalmente do curso 119 de engenharia química, visto que na indústria, os engenheiros frequentemente têm que fazer cálculos rápidos para visualização do tamanho de uma coluna ou a influência das variáveis do processo e isso só é possível com o conhecimento da relação entre estas variáveis e os conceitos envolvidos na destilação. O projeto de uma coluna de destilação é baseado no ponto de ebulição e na composição dos componentes da mistura a ser separada. Desta forma, as características da coluna são determinadas pelas relações de equilíbrio líquido-vapor da mistura, pois a concentração de vapor de um componente depende de sua concentração no líquido, da pressão e também da concentração dos outros componentes. (Teixeira, 2003). Segundo Luyben (1990), a maioria das colunas tem alimentação multicomponente, porém boa parte pode ser aproximada para uma mistura binária ou pseudo-binária, sendo que para isso faz-se diversas aproximações e idealizações. A destilação binária, apesar de ter uma menor aplicação no âmbito industrial, é

2 muito utilizada nos cursos de graduação, tendo em vista sua simplicidade e consequentemente maior facilidade de exposição dos conceitos de destilação (Souza, 2005). Ainda segundo Souza, neste contexto, métodos gráficos de McCabe-Thiele e Ponchon-Savarit têm sido utilizados, tanto no cálculo do número de estágios teóricos de colunas binárias, quanto na análise do desempenho de colunas já existentes, permitindo uma fácil visualização e uma compreensão adequada do processo. Entretanto, estes métodos quase sempre se tornam cansativos e inconvenientes no projeto de colunas de grande porte ou na análise de diferentes configurações operacionais, principalmente se levar em conta as restrições de tempo normalmente impostas na atividade profissional. Sendo assim, atualmente já existem diversos programas que simulam o projeto deste tipo de análise. Entretanto, apesar da larga utilização das colunas de destilação, ainda é pequena a atenção dispensada ao seu sistema de controle. Isto não deveria ocorrer, pois segundo Teixeira (2008), na maioria das indústrias de transformação onde se utilizam colunas de destilação, 80% do custo operacional energético é devido a essa operação unitária. Em outros casos, a coluna é o equipamento que impede um aumento significativo da produção. Sendo assim uma das formas de solucionar esse problema passa pelo aperfeiçoamento do sistema de controle. O desenvolvimento de estratégias de controle tem uma importância muito significativa no ponto de vista econômico. Um dos pontos fundamentais para o controle é buscar atingir em um tempo relativamente curto do estado estacionário, minimizando o tempo necessário para atender as especificações desejadas do produto (Deshpande, 1985). Assim sendo, nestes aspectos, este trabalho tem por objetivo ajustar os parâmetros de um controlador PI em uma 120 coluna de destilação binária como o do programa em FORTRAN do Luyben (1990), com o auxílio da ferramenta computacional MATLAB MATERIAIS E MÉTODOS Modelagem matemática A simulação de uma coluna de destilação é muito complexa, sendo que sua maior dificuldade é o grande número de equações diferenciais ordinárias (EDO s) e equações algébricas que precisam ser resolvidas. Por isso em alguns casos a aproximação para uma coluna binária pode ser utilizada, geralmente se utiliza essa aproximação para misturas de compostos semelhantes, sem altos pontos de ebulição presentes em baixas concentrações e grandes volumes. Mas para isso, deve-se fazer algumas idealizações como fluxo equimolar, volatilidade relativa constante em toda a coluna e pratos teóricos com 100% de eficiência. Assim obtêm-se duas EDO s por prato, uma equação global e uma equação em relação a cada componente que são: (1) (2) Também se encontram outras duas equações algébricas por prato, sendo uma a relação de equilíbrio líquido-vapor e outra a relação da hidráulica do líquido, sendo estas apresentadas a seguir. (3) (4) Onde M i é quantidade de mols em um prato, L é o fluxo de liquido que sai do prato, x é a composição de líquido, y é composição de vapor, V é o fluxo de vapor gerado, é a volatilidade relativa e é a constante de tempo hidráulico. Assim, a partir destas considerações e equações escreveu-se uma modelagem

3 matemática com intuito de ajustar os parâmetros ( e Kc) dos controladores proporcionais integrais (PI) que estariam instalados nas extremidades da coluna, ou seja, estariam colocados no topo e na base da coluna, que correspondem ao condensador e refervedor, respectivamente. Para tanto, foi utilizado o software MATLAB e o algoritmo em FORTRAN apresentado no livro Luyben (1990). A partir das condições iniciais e dos valores dos parâmetros dados no algoritmo base e considerando que o sistema sofre uma perturbação degrau na composição de alimentação indo de 0,50 para 0,55 no tempo igual a zero foi possível plotar o gráfico que representa a curva de reação do processo, ou seja, a forma na qual o processo se comporta após sofrer a perturbação. Como assumiu-se que os controladores PI estariam instalados no topo e no fundo da coluna de destilação, os valores da taxa de refluxo R e do vapor gerado no reboiler V são variados para manter constante as composições de topo x d e de fundo x b nos valores de setpoint 0,98 e 0,02 respectivamente. Assim, foi possível gerar dois gráficos de composição em função do tempo (um relação a composição no topo e um da composição do fundo) após a perturbação. RESULTADOS E DISCUSSÃO Estes gráficos são apresentados nas Figuras 1 e 2. Figura 2: Gráfico da composição de fundo em função do tempo após a perturbação Observa-se nas Figuras 1 e 2 que após a perturbação o sistema sofre oscilações nas composições durante algum tempo até que este consiga novamente se estabilizar. Desta forma, o ajuste dos parâmetros dos controladores diminuirá esse tempo de resposta bem como a intensidade da variação das composições. Existem várias formas de ajustar controladores PI, onde cada método é adequado para um certo tipo de processo e/ou perturbação. Contudo, o método mais utilizado é o por tentativa-e-erro. A partir disso, fez-se várias mudanças nos valores dos parâmetros dos controladores a fim de se encontrar uma forma que minimizasse as variações e estabilizasse o processo mais rapidamente. Primeiramente, plotou-se considerando a influência da perturbação na composição do topo da coluna. Desta forma, a primeira tentativa foi dobrar os valores de Kc d e Kc b de 1000 para 2000 e manter os valores de d e b constantes, depois fez-se para o dobro dos valores de Kc, porém alterando-se também o valor de d de 5 para 3 e b de 1,25 para 2 e por fim mudou-se somente o valor de Kc d de 1000 para 2000, mantendo todos os outros valores iguais ao da segunda tentativa. Os gráficos obtidos são mostrados nas Figuras 3, 4 e 5. Figura 1: Gráfico da composição de topo em função do tempo após a perturbação 121

4 Figura 3: Gráfico da composição de topo em função do tempo com o dobro dos valores de Kc processo leva para estabilizar reduziu de 40 minutos para aproximadamente 33 minutos. Já na Figura 4, onde além de dobrar os valores de Kc, também alterou-se os valores de, nota-se que além de diminuir ainda mais a oscilação da composição, o tempo de resposta também reduziu de aproximadamente 33 minutos para 20 minutos. Em contrapartida, na Figura 5 onde voltou o valor de Kc b para 1000, observa-se que apesar da oscilação ainda ter sido menor que a da Figura 1, se comparado com as outras tentativas o resultado foi bem menos considerável, já que o tempo de estabilização aumentou e as oscilações se tornaram maiores e mais constantes. Por fim, será considerada a influência da perturbação na composição de fundo. Utilizou-se as mesmas variações dos parâmetros, gerando assim mais três gráficos que são apresentados nas Figuras 6, 7 e 8. Figura 4: Gráfico da composição de topo em função do tempo com o dobro dos valores de Kc, diminuindo o valor de d e aumentando b Figura 6: Gráfico da composição de fundo em função do tempo com o dobro dos valores de Kc Figura 5: Gráfico da composição de topo em função do tempo dobrando somente o valor de Kc d e mudando os valores de Observando os gráficos vê-se que dobrando os valores de Kc na Figura 3, a variação da composição diminuiu consideravelmente, se mantendo bem mais próximo do ideal, e também o tempo que o 122

5 Figura 7: Gráfico da composição de fundo em função do tempo com o dobro dos valores de Kc, diminuindo o valor de d e aumentando b Figura 8: Gráfico da composição de fundo em função do tempo dobrando somente o valor de Kc d e mudando os valores de Analisando os gráficos das Figuras 6 e 7 consegue-se observar que no caso onde dobra-se os valores de Kc, obtêm-se uma redução considerável na variação da composição, e também pode-se notar que o tempo que o processo leva para estabilizar diminuiu de aproximadamente 33 minutos para um valor próximo de 23 minutos. Vendo o gráfico para a segunda condição, onde além de dobrar os valores de Kc, também alterou-se os valores de, observase que além de reduzir a oscilação da composição, o tempo de resposta também reduziu de aproximadamente 23 minutos para um valor em torno de 18 minutos. Contudo, na Figura 7 onde o valor de Kc b mudou novamente para 1000, observa-se que a oscilação aumentou se comparada com a Figura 2, entretanto, o tempo de 123 estabilização se mostrou um pouco melhor, mas não tão bom se comparado com as outras tentativas. Desta maneira, pode-se dizer que a melhor condição dos parâmetros neste caso é a segunda tentativa, onde dobra-se os valores de Kc e modifica-se os valores de, sendo que também é possível afirmar que quando considera-se Kc b =Kc d, obtêm-se melhores resultados. CONCLUSÕES Neste trabalho identificou-se a partir do método tentativa-e-erro, uma condição onde os parâmetros de dois controladores PI instalados no topo e no fundo de uma coluna de destilação binária, de maneira a diminuir as variações de composição do produto de topo e de fundo e do tempo de resposta do processo depois deste sofrer uma perturbação degrau. Depois de algumas análises observou-se que o melhor ajuste se deu quando utilizouse valores de Kc b =Kc d, duas vezes maiores que os valores iniciais e também quando alterou-se os valores de, diminuindo d e aumentando b. Nesta condição se obteve uma redução considerável nas oscilações dos valores das composições, bem como uma diminuição significativa no tempo no qual o processo demora para estabilizar após a perturbação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEQUETTE, B.W. Process Dynamics, Modeling, Analysis and Simulation. Prentice Hall, DESHPANDE, P. Distillation Dynamics and Control. Hardcover, FLORINDO, S. M. S. S. Simulação de colunas de destilação de elevada eficiência energética, Dissertação (Mestrado em Engenharia Química e Biológica) Área departamental de Engenharia Química, Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, Lisboa. LUYBEN, WILLIAM L. Process modeling, simulation and control for chemical engineers. Singapore, 1990.

6 SOUZA, L.C. Projeto/análise de colunas de destilação binária assistidos por computador. VI Congresso Brasileiro de Engenharia Química em Iniciação Científica, TEIXEIRA, A. Inferências em coluna de destilação multicomponente, p. Monografia (Graduação em Engenharia Química) Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 124

Autor: Artur Franceschini Richter UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Autor: Artur Franceschini Richter UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG07053 - TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Comparativo de Simulações Estacionárias de Colunas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE HYSYS NA SIMULAÇÃO DE COLUNA DE DESTILAÇÃO BINÁRIA B. R. Rodrigues 1, A. P. Meneguelo 2, P. H. H. Araújo 3 1-3 Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO EM BATELADA

AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO EM BATELADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA AVALIAÇÃO DE POLÍTICAS DE OPERAÇÃO DE COLUNAS DE DESTILAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. EQE 482- Operações Unitárias II. Prática: h

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. EQE 482- Operações Unitárias II. Prática: h UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE QUÍMICA Código Disciplina/Nome: Tipo: Disciplina Obrigatória EQE 482- Operações Unitárias II Carga Horária Teórica : 60h Prática: h Cursos : Engenharia

Leia mais

OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO

OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO OPERAÇÃO DE DESTILAÇÃO ETANOL-ÁGUA CONDUZIDA EM UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO PILOTO Willy Rodrigo de Araujo 1 ; Rivana Mabel Lucena Oliveira 2 ; Cynthia Vasconcelos de Araujo 3 ; Romildo Brito 4 ; Heleno Júnior

Leia mais

ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA

ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA ESTUDO EXPERIMENTAL DOS EQUILÍBRIOS ENTRE FASES COM APLICAÇÃO COMPUTACIONAL PARA O ENSINO DE TERMODINÂMICA PARA ENGENHARIA Antônio Ricardo Alencar Reis, Allan Miguel Franco de Amorim, Carlson Pereira de

Leia mais

EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH E DESTILAÇÃO BINÁRIOS

EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH E DESTILAÇÃO BINÁRIOS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH E DESTILAÇÃO BINÁRIOS

Leia mais

EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH & DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTES

EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH & DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTES Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 EXCEL COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APOIO NA ANÁLISE DE PROCESSOS DE FLASH & DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTES

Leia mais

ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS

ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS ÍNDICE PREFÁCIO LISTA DE SÍMBOLOS 1 ENGENHARIA DE PROCESSOS DE SEPARAÇÃO 1.1 Introdução 1.2 Processos de Separação 1.3 Mecanismos de Separação 1.3.1 Separação por Adição ou Criação de Fase 1.3.2 Separação

Leia mais

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO

Curso de Farmácia. Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO Curso de Farmácia Operações Unitárias em Indústria Prof.a: Msd Érica Muniz 6 /7 Período DESTILAÇÃO 1 Introdução A destilação como opção de um processo unitário de separação, vem sendo utilizado pela humanidade

Leia mais

Autora: Laís Floriano de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

Autora: Laís Floriano de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG07053 - TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Desenvolvimento de Cur vas Operaciona is para uma

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: Uso de software comercial para estudo das variáveis da fase vapor de um processo de destilação quando utilizada

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO

HABILITAÇÃO COMPONENTE TITULAÇÃO Operação de Software Aplicativo Científica Engenharia da Produção Engenharia de Engenharia de Produção Matemática Aplicada às Matemática Aplicada e Científica Matemática com Tecnologia em - Ênfase em Gestão

Leia mais

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1

Figura 1-1. Entrada de ar tipo NACA. 1 1 Introdução Diversos sistemas de uma aeronave, tais como motor, ar-condicionado, ventilação e turbinas auxiliares, necessitam captar ar externo para operar. Esta captura é feita através da instalação

Leia mais

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO

CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO CAP. 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CRITÉRIOS DE DECISÃO 1. OS CRITÉRIOS DE DECISÃO Dentre os métodos para avaliar investimentos, que variam desde o bom senso até os mais sofisticados modelos matemáticos, três

Leia mais

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br

A Matéria e Diagrama de Fases. Profº André Montillo www.montillo.com.br A Matéria e Diagrama de Fases Profº André Montillo www.montillo.com.br Substância: É a combinação de átomos de elementos diferentes em uma proporção de um número inteiro. O átomo não é criado e não é destruído,

Leia mais

Instrumentação na Indústria Química. Prof. Gerônimo

Instrumentação na Indústria Química. Prof. Gerônimo Instrumentação na Indústria Química Prof. Gerônimo Ementa 1. Introdução. 2. Histórico. 3. Automação, controle de processo. 4. Instrumentos para controle de processos: - Classificação dos instrumentos -

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SIMULADOR EMSO NO ENSINO DE MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS

UTILIZAÇÃO DO SIMULADOR EMSO NO ENSINO DE MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS UTILIZAÇÃO DO SIMULADOR EMSO NO ENSINO DE MODELAGEM E SIMULAÇÃO DE PROCESSOS Bianca Capucho 1, Domenico Andreatta 1, Mariana Kuster Moro 1, Rayane Bimbato 1, George Simonelli 2 1. Discentes do curso de

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Espaço de Estados (CP1 www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 1 / 69 Roteiro 1 Modelo Não-Linear Modelo

Leia mais

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM.

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM. SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE BIODIESEL DE ÓLEO DE PALMA UTILIZANDO OS SOFTWARES ASPEN HYSYS E DWSIM. Elinéia Castro COSTA PRODERNA/ITEC/UFPA elineia_castro@yahoo.com.br Nélio Teixeira MACHADO TERM@/FEQ/ITEC/UFPA

Leia mais

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2000 CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DAS TAXAS TRANSFERÊNCIA DE CALOR EM SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO DO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE

Leia mais

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I

PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA PROCESSOS DE SEPARAÇÃO I OPERAÇÕES POR ESTÁGIOS ABSORÇÃO I PROFESSOR: DR. ROMILDO BRITO CAMPINA

Leia mais

Aplicação de técnicas de sintonia fuzzy em uma coluna de destilação piloto

Aplicação de técnicas de sintonia fuzzy em uma coluna de destilação piloto Aplicação de técnicas de sintonia fuzzy em uma coluna de destilação piloto Adelson Siqueira Carvalho Ronald Coutinho da Silva Dênis Barbosa do Nascimento NPO - CEFET-Campos NPO - CEFET-Campos NPO - CEFET-Campos

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹

Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹ Revista Brasileira de Energias Renováveis INFLUÊNCIA DA TAXA DE REFLUXO NO PROCESSO DE DESTILAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE ETANOL HIDRATADO¹ Lara Talita Schneider², Gabriela Bonassa³, Valdir Guerini 4, César Augusto

Leia mais

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2 EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio Químico - Equilíbrio químico é a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para o estabelecimento desta atividade equilibrada. A + B C + D -

Leia mais

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2. douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com REFLEXO DA CALIBRAÇÃO DE PICNÔMETRO NA PRODUÇÃO DE SÓLIDOS NO TRATAMENTO DE EFLUENTE INDUSTRIAL Douglas da Silva Tristão 1 ; Alexandre de Faria Lima 2 1, 2 UNIUBE douglas.stristao@gmail.com alexandredefarialima@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA FELIPE DE OLIVEIRA BRITO AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DA PRESSÃO, TEMPERATURA E CONDIÇÕES DE

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE PARTIDA E DEFINIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO

AVALIAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE PARTIDA E DEFINIÇÃO DAS CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO Copyright 04, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões 6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se o comportamento do sistema que foi denominado pendulo planar com a adição de uma roda de reação na haste do pendulo composta de

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DE FONTES RENOVÁVEIS PARA ABASTECIMENTO DE VEÍCULOS ELÉTRICOS Campos, M.C. [1], Pugnaloni, I.A.A. [2] [1] Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Departamento

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas,

1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, MODELAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE PARÂMETROS CINÉTICOS FILIPE GAMA FREIRE 1. Objectivo Durante uma experiência, medem-se certas variáveis, ex.: concentrações, pressões, temperaturas, etc. a que chamaremos y

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 *

PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR. Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * PESQUISA OPERACIONAL: UMA ABORDAGEM À PROGRAMAÇÃO LINEAR 1 Graduando Rodolfo Cavalcante Pinheiro 1,3 Cleber Giugioli Carrasco 2,3 * 2 Pesquisador - Orientador 3 Curso de Matemática, Unidade Universitária

Leia mais

Resumo. Abstract. 1. Introdução. Doutor, Professor UFRN 2 Engenheiro de Computação, Pesquisador UFRN. Doutora, Professora UFRN

Resumo. Abstract. 1. Introdução. Doutor, Professor UFRN 2 Engenheiro de Computação, Pesquisador UFRN. Doutora, Professora UFRN IBP1654_06 SIMULAÇÃO DE UMA DEBUTANIZADORA REAL UTILIZANDO UM SOFTWARE COMERCIAL André L. Maitelli 1, Wallace A. Rocha 2,Vanja M. F. Bezerra 3, Márcia M. L. Duarte 4 Copyright 2006, Instituto Brasileiro

Leia mais

Módulo 2. 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA. Análise de Sistemas Ambientais 2011/2012

Módulo 2. 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA. Análise de Sistemas Ambientais 2011/2012 Módulo 2 2.3 Diagramas causais, construção de modelos e o software STELLA Bibliografia específica: - Caderno de exercícios do módulo 2 - Ford (1999). Capítulos 2, 3, 7, 8, Anexo C - Jørgensen (2009). Capítulos

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Ciências Físico-Químicas - 7º ano Propriedades físicas e M. Neli G. C. Cavaleiro M. Domingas Beleza Há substâncias que, mesmo misturadas com outras, facilmente identificamos através de características

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 VERIFICAÇÃO DO PÉ DIREITO COMO TÉCNICA DE CONFORTO TÉRMICO Mariana Ferreira Martins Garcia 1 ;Phelippe Mendonça de Paiva 2 ; Diogo Humberto Muniz 3 ;Adriana Pereira Resende Martins 4 ; Daniela Satie Kodama

Leia mais

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira

1. Método Simplex. Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Pesquisa Operacional II Profa. Dra. Lílian Kátia de Oliveira Faculdade de Engenharia Eng. Celso Daniel Engenharia de Produção. Método Simple.. Solução eata para os modelos de Programação Linear O modelo de Programação Linear (PL) reduz um sistema real a um conjunto

Leia mais

MINICURSO DE SIMULADOR EMSO

MINICURSO DE SIMULADOR EMSO MINICURSO DE SIMULADOR EMSO Dia 2: Rodolfo Rodrigues, Eng MSc Doutorando em Engenharia Química PPGEQ/UFRGS rodolfo@enq.ufrgs.br XVI COREEQ Curitiba, Paraná 17 18 de julho de 2011 Otimização é uma classe

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL Aluno: João Henrique Carneiro Orientador: Carlos Frederico Palmeira Introdução Foi feito um estudo sobre dinâmica populacional a fim de buscar

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

Introdução 12. 1 Introdução

Introdução 12. 1 Introdução Introdução 12 1 Introdução O crescente avanço no acesso à informação, principalmente através da rede mundial de computadores, aumentou o ritmo de mudanças, impondo uma diminuição no tempo necessário para

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola Politécnica

Universidade de São Paulo. Escola Politécnica Universidade de São Paulo Escola Politécnica Engenharia Química Vitor Gazzaneo Modelagem do Equilíbrio Líquido-Líquido para o sistema Água- Ácido Acético-Acetato de Butila Prof. Orientador José Luis Pires

Leia mais

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

MICROMASTER MM4. Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s MICROMASTER MM4 Usando o Controle de Malha Fechada (PID) Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline USANDO O CONTROLE DE MALHA FECHADA NO MM4 O que é controle de malha fechada

Leia mais

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador.

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador. 5 Resultados A dificuldade em modelar analiticamente o comportamento de sistemas celulares hierarquizados faz com que grande parte dos estudos de desempenho destes sistemas seja baseada em simulações.

Leia mais

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003)

Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) - Universidade de São Paulo - Escola de Engenharia de Lorena Cinética Química Aplicada (LOQ 4003) 1º semestre de 2014 Prof. Dr. João Paulo Alves Silva jpalves80@usp.br Aula anterior Equação de Velocidade

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT Rafael Soares da Silva 1 ; Hícaro Hita Souza Rocha 2 ; Gabriel Bessa de Freitas Fuezi Oliva

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS POR MEIO DO PROGRAMA 5 S EM UMA TRANSPORTADORA NA CIDADE DE MARINGÁ Daiane Maria De Genaro Chiroli 1

Leia mais

Modelando o controle do crescimento humano

Modelando o controle do crescimento humano Modelando o controle do crescimento humano Marília Zabel (1) ; Ana Luiza Hein (2) ; Vitória Raissa Prada Fronza (3) (1) Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual

Leia mais

Métodos de determinação da Massa Molecular

Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos de determinação da Massa Molecular Métodos absolutos a) Massa molecular média em número - Análise de grupos terminais - Elevação ebulioscópica - Depressão crioscópica - Abaixamento da pressão de

Leia mais

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia.

Palavras-chave: Simulação, Climatização, Ar condicionado, Edificações, Energia. ANÁLISE COMPARATIVA DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO TIPO VOLUME DE AR CONSTANTE (CAV) E VOLUME DE AR VARIÁVEL (VAV) MULTIZONAS OPERANDO EM CLIMA QUENTE E ÚMIDO César Augusto Gomes dos Santos Jorge Emanuel

Leia mais

TriNMPC. Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear BENEFÍCIOS: APLICAÇÕES: CARACTERÍSTICAS:

TriNMPC. Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear BENEFÍCIOS: APLICAÇÕES: CARACTERÍSTICAS: TriNMPC Controlador Preditivo Multivariável Linear e Não-linear O software TriNMPC é um controlador preditivo multivariável que pode ser tanto linear como nãolinear, sendo extremamente versátil e de fácil

Leia mais

Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT 04-07959 Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres artorres.uerj@gmail.com

Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT 04-07959 Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres artorres.uerj@gmail.com Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Tecnologia - DEQA Curso de Engenharia de Produção Coletânea de Exercícios Operações Unitárias V FAT 04-07959 Prof. Alexandre Rodrigues Tôrres artorres.uerj@gmail.com

Leia mais

Balanço de Massa e Energia Aula 4

Balanço de Massa e Energia Aula 4 Gases e Vapores Na maioria das pressões e temperaturas, uma substância pura no equilíbrio existe inteiramente como um sólido, um líquido ou um gás. Contudo, em certas temperaturas e pressões, duas ou mesmo

Leia mais

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias

Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Capítulo 2 - Problemas de Valores Fronteira para Equações Diferenciais Ordinárias Departamento de Matemática balsa@ipb.pt Mestrados em Engenharia da Construção Métodos de Aproximação em Engenharia 1 o

Leia mais

1 Descrição do Trabalho

1 Descrição do Trabalho Departamento de Informática - UFES 1 o Trabalho Computacional de Algoritmos Numéricos - 13/2 Métodos de Runge-Kutta e Diferenças Finitas Prof. Andréa Maria Pedrosa Valli Data de entrega: Dia 23 de janeiro

Leia mais

Propriedades físicas e químicas das substâncias

Propriedades físicas e químicas das substâncias Propriedades físicas e químicas das substâncias Na Natureza há uma grande diversidade de materais. Muitos desses materais são substâncias mas será que são puras? Há substâncias que, mesmo misturadas com

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO DIDÁTICA

INSTRUMENTAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO DIDÁTICA INSTRUMENTAÇÃO DE UMA COLUNA DE DESTILAÇÃO DIDÁTICA Claiton Moro Franchi claiton@dfi.uem.br Mauro Antonio da Silva Sá Ravagnani ravag@deq.uem.br José Roberto Dias Pereira jrdp@dfi.uem.br Oswaldo Curty

Leia mais

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos

Curso de Instrumentista de Sistemas. Fundamentos de Controle. Prof. Msc. Jean Carlos Curso de Instrumentista de Sistemas Fundamentos de Controle Prof. Msc. Jean Carlos Ações de controle em malha fechada Controle automático contínuo em malha fechada Ação proporcional A característica da

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO ANÁLISE ECONÔMICA DOS TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO DE PAGAMENTO MENSAL - MERCADO BRASILEIRO Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV) Professor do MBA-Gestão Atuarial e Financeira (USP) 1 Sumário: 1) Introdução

Leia mais

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM

APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM APLICAÇÕES DE EQUAÇÕES 1ª. ORDEM Decaimento radioativo Resultados experimentais mostram que elementos radioativos desintegram a uma taxa proporcional à quantidade presente do elemento. Se Q = Q(t) é a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM REDES DE COMPUTADORES UTILIZANDO TEORIA DE FILAS 1 Anderson Luis Marchi 2 ; Tiago Boechel 3 ; Juliano Tonizetti Brignoli 4 INTRODUÇÃO A comunicação é uma das maiores necessidades

Leia mais

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS

JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS JUSTIFICATIVAS PROPOSTA de LIMITES DE EMISSÕES FONTES EXISTENTES REFINARIAS 1. Objetivo: Considerando os limites estabelecidos pela CONAMA 382 como referências para as fontes existentes, este documento

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

MÉTODOS COMPUTACIONAIS PARA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS METALÚRGICOS (1)

MÉTODOS COMPUTACIONAIS PARA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS METALÚRGICOS (1) MÉTODOS COMPUTACIONAIS PARA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS METALÚRGICOS (1) Carlos Eduardo Gurgel Paiola (2) Ricardo Caruso Vieira (3) Resumo: O objetivo deste trabalho é descrever e estudar uma metodologia de

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS

CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS CONSUMO DE CIMENTO EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND: A INFLUÊNCIA DA MASSA ESPECÍFICA DOS AGREGADOS Vicente Coney Campiteli (1); Sérgio Luiz Schulz (2) (1) Universidade Estadual de Ponta Grossa, vicente@uepg.br

Leia mais

Associação em série de bombas

Associação em série de bombas Associação em série de bombas Em algumas aplicações, como por exemplo, por condições topográficas ou por qualquer outro motivo, um sistema poderá exigir grandes alturas manométricas, que em alguns casos,

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - MPEPG

UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - MPEPG UNIVERSIDADE POTIGUAR UNP PRÓ-REITORIA ACADÊMICA PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL - MPEPG DANILO YURI ALVES DE LIMA INFERÊNCIA DO TEOR 85% ASTM DO DIESEL NATAL

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT. CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT. CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - DCT CURSO: BCT (Disciplinas Obrigatórias) Cálculo em Várias Variáveis FUV ou Calculo I Algoritmos e Estrutura de Dados Lógica de

Leia mais

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO

I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO I-013 DIMENSIONAMENTO ÓTIMO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA PELO MÉTODO DE SECCIONAMENTO FICTÍCIO José Vieira de Figueiredo Júnior (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA

O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA Mariane Gama NABIÇA 1 mariane_gama@hotmail.com Davi Henrique Trindade AMADOR 1 henriquetrindade9@yahoo.com.br 1 Universidade

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTRODUÇÃO Em quase todas as nossas atividades diárias precisamos enfrentar filas para atender as nossas necessidades. Aguardamos em fila na padaria, nos bancos, quando trafegamos

Leia mais

Aplicação de funções no dia a dia contábil. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

Aplicação de funções no dia a dia contábil. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua Aplicação de funções no dia a dia contábil Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO A todo momento nos deparamos com diversos problemas matemáticos. As formas de resolve-los são inúmeras, más é

Leia mais

Introdução a Avaliação de Desempenho

Introdução a Avaliação de Desempenho Introdução a Avaliação de Desempenho Avaliar é pronunciar-se sobre as características de um certo sistema. Dado um sistema real qualquer, uma avaliação deste sistema pode ser caracterizada por toda e qualquer

Leia mais

CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS

CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS CONCENTRADOR SOLAR CILÍNDRICO PARABÓLICO PARA REAPROVEITAMENTO DA ÁGUA NAS ATIVIDADES DOMÉSTICAS Caren Rayane Ribeiro da Silva (1); David Domingos Soares da Silva (2) (1) FPB FACULDADE INTENACIONAL DA

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos. TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA Curso de Engenharia de Sistemas Electrónicos e Marítimos TRABALHO LABORATORIAL nº 2 de ELECTRÓNICA II Osciladores Trabalho prático nº 2 Paulo Chaves 1/7 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²;

Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos. Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; Efeitos dinâmicos do Vento em Edifícios Altos Byl Farney Rodrigues da CUNHA JR¹; Frederico Martins Alves da SILVA²; 3 Zenón José Guzmán Nuñez DEL PRADO 1,2,3 Escola de Engenharia Civil UFG 1 farneyjr@hotmail.com,

Leia mais

2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório

2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório 39 2 Comportamento Termodinâmico de Fluidos no Reservatório 2.1 Introdução Apresenta-se neste capítulo uma breve análise dos princípios básicos do

Leia mais

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT

ESTUDO E APLICAÇÃO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM PROCESSO DE REFINO DE CELULOSE NA INDÚSTRIA ETERNIT UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA/ELETROTÉCNICA ANDRYWS WILLIAM CORREIA FABIO SILVA BORA GUILHERME AUGUSTO MEIRA BATISTA

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE

2006/2011 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 1 ES JOSÉ AUGUSTO LUCAS OEIRAS RESULTADOS DOS EXAMES DOS 11.º/12.º ANOS DE ESCOLARIDADE 2006/2011 2 3 INTRODUÇÃO 4 SUMÁRIO 5 A EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12º ANO MÉDIAS POR ESCOLA 11 ANÁLISE

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás

Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Modelo para estimativa de risco operacional e previsão de estoque para equipamentos da Comgás Resumo Marcos Henrique de Carvalho 1 Gabriel Alves da Costa Lima 2 Antonio Elias Junior 3 Sergio Rodrigues

Leia mais

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO AtHENS

PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO AtHENS PROGRAMA COMPUTACIONAL PARA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BASEADO NO Rafael T. C. S. Ribeiro¹, Reinaldo C. Mirre 2, Eduardo M. Queiroz 3 e Fernando L. P. Pessoa 3 1 Bolsista de iniciação Científica CNPq/UFRJ,

Leia mais