Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Politécnico de Beja. Escola Superior de Tecnologia e Gestão"

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso de Engenharia Informática Disciplina de Estrutura de dados e Algoritmos 2º Ano - 1º Semestre Relatório Connected Component Labeling Estrutura de dados e Algoritmos Docentes: José Jasnau Caeiro Elaborado pelo Discente: Rafael Couvinha nº5631 Beja,

2 0 Índice 1 Introdução Teoria Parte experimental Referências da máquina utilizada Protocolo Experimental Resultados experimentais Análise de Resultados Conclusão

3 1 Introdução Tecnicamente, as imagens são formadas por componentes conexos que, por sua vez, são formados por pixéis conexos. A conexão entre pixéis é um conceito importante usado no estabelecimento de limites de objectos e componentes de regiões numa imagem. A etiquetação de componentes conexos é o procedimento de atribuição de uma única etiqueta a cada objecto (ou componente conexo) da imagem. O algoritmo two-pass que irá ser implementado na linguagem de alto nível Python, transforma uma imagem binária em uma imagem simbólica que representa os objectos conexos. Este documento está dividido em 4 partes. A primeira parte descreve o tema do trabalho e a estrutura do documento. A segunda parte é dedicada a uma breve explicação teórica acerca do algoritmo a ser implementado. A terceira parte irá falar sobre, o protocolo experimental, os resultados experimentais e a análise desses mesmos resultados. A última parte irá falar sobre as conclusões gerais retiradas deste trabalho. 3

4 2 Teoria Relativamente simples de implementar e de perceber, o algoritmo two-pass que irá ser implementado, faz iterações numa informação binária bidimensional. O algoritmo faz duas passagens pela imagem: uma passagem para guardar as equivalências e associar etiquetas temporárias e a segunda para substituir cada uma das etiquetas temporárias pela etiqueta da sua classe de equivalência. A informação da informação pode ser modificada in situ, ou a etiquetação da informação pode ser mantida numa estrutura de dados adicional. Realizar a pesquisa dos vizinhos é feita através de uma pesquisa das etiquetas dos pixéis que estão a Nordeste, Norte, Noroeste e Oeste do pixel onde nos encontramos (assumindo uma conectividade de 8). Numa conectividade de 4 usasse apenas o Norte e o Este do pixel onde nos encontramos. As condições atrás referidas são verificadas para determinar o valor da etiqueta a colocar no pixel onde nos encontramos. Condições a verificar: 1. O pixel da esquerda tem o mesmo valor? Sim Nós estamos na mesma região. Colocar a mesma etiqueta no pixel actual Não Verificar a próxima condição 2. O pixel que está por cima do pixel actual tem o mesmo valor mas etiqueta diferente? Sim Nós sabemos que os pixéis a Norte e a Este pertencem à mesma região e têm de ser unidas. Associar ao pixel actual a etiqueta mais pequena dos pixéis Norte e Este, e gravar a sua relação de equivalência. Não Verificar próxima condição 3. Os pixéis a Norte e Este têm têm valores diferente? Sim Criar uma nova etiqueta e associar ao pixel actual O algoritmo continua desta forma, e cria novas regiões com etiquetas sempre que necessário. A chave para um algoritmo rápido, é a forma como a união é feita. Este algoritmo usa a estrutura de dados union-find que oferece uma excelente performance para continuar a seguir as relações de equivalência. Estando a etiqueta inicializada e a as equivalências guardadas, a segunda passagem simplesmente substitui a etiqueta de cada pixel pelo seu menor equivalente. Um resumo do algoritmo é apresentado de seguida. Na primeira passagem: 1. Passa por cada elemento da imagem por coluna, e depois por linha 4

5 2. Se o elemento não pertencer ao fundo da imagem: 1. Vai buscar os vizinhos do elemento actual. 2. Senão houver vizinhos, coloca uma etiqueta no elemento actual e contínua. 3. Se houver vizinhos, procura o vizinho com a etiqueta mais pequena e coloca-a no elemento actual 4. Guarda a equivalência entre as etiquetas dos vizinhos Na segunda passagem: 1. Passa por cada elemento da imagem por coluna, e depois por linha 2. Se o elemento não for pertencer ao fundo da imagem 1. Substitui a etiqueta do elemento actual pela etiqueta mais baixa dos seus equivalentes Aqui o fundo da imagem é uma classificação específica da imagem, usada para distinguir os elementos que não fazem parte do fundo. Se o valor do fundo da imagem for omitido, então o algoritmo two-pass vai tratar o fundo como outra região. 5

6 3 Parte experimental Referências da máquina utilizada Acer ASPIRE 5737z Intel core2 Duo processor T6400 (2.0 GHz, 800 MHz FSB, 2 MB L2 cache) 4GB DDR Protocolo Experimental O método de teste irá ser realizado na máquina anteriormente referenciada. O algoritmo two-pass, foi implementado na linguagem de alto nível Python v2.6.6, usando a biblioteca PIL v1.1.7 para manipular as imagens. Para testar a implementação do algoritmo two-pass, irá ser efectuada uma medição do seu tempo de execução de várias imagens com resoluções diferentes e diferente quantidade de regiões, de modo a verificar quais destes dois factores tem uma maior peço no tempo de processamento do algoritmo. Irá também ser efectuada a média e o desvio padrão de dez repetições, para o tempo de execução de cada imagem Resultados experimentais Imagem 1: Resolução: 700x606 Número de regiões: 109 6

7 Imagem 2: Resolução: 200x200 Número de regiões: 23 Imagem 3: Resolução: 450x305 Número de regiões: 12 Imagem 4: Resolução: 1176x787 Número de regiões: 183 7

8 Dados obtidos: Imagem 1 Imagem 2 Imagem 3 Imagem 4 Tempo Segundos 0.47 Segundos 1.58 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.45 Segundos 1.53 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.45 Segundos 1.69 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.53 Segundos 1.55 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.44 Segundos 1.52 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.52 Segundos 1.48 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.44 Segundos 1.49 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.44 Segundos 1.47 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.44 Segundos 1.52 Segundos Segundos Tempo Segundos 0.45 Segundos 1.50 Segundos Segundos Mínimo 5.42 Segundos 0.44 Segundos 1.47 Segundos Segundos Média 5.50 Segundos 0.46 Segundos 1.53 Segundos Segundos Máximo 5.62 Segundos 0.53 Segundos 1.69 Segundos Segundos Desvio padrão 0.12 Segundos 0.07 Segundos 0.16 Segundos 0.47 Segundos Análise de Resultados Podemos então observar através dos resultados obtidos que, o elemento que mais influência o tempo de execução do algoritmo é a resolução da imagem, pois comparando por exemplo o tempo de execução das imagens 2 e 3 vimos que, apesar de a imagem 2 ter mais regiões o tempo de execução continua a ser inferior à imagem 3 que possui um menor numero de regiões mas uma maior resolução. Temos ainda o exemplo da imagem 4 que devido à sua grande resolução e ao elevado numero de regiões leva a que o algoritmo leve muito mais tempo que as anteriores. 8

9 4 Conclusão Foi estudada a eficiência e optimização do algoritmo de etiquetação de componentes conexos two-pass. O algoritmo estudado foi implementado para a comparação da sua eficiência, com imagens com diferentes resoluções e diferente quantidade de regiões de forme a entender qual o factor que mais influência este algoritmo. Uma outra abordagem interessante a ser feita poderá ser testar o algoritmo noutras máquinas e noutras linguagens de programação (Java, C, C++, C# e MATLAB a titulo de exemplo) e comparar a sua eficiência com a implementação já realizada em Python. 9

Curso de Eng. Informática Linguagens de Programação. C Sharp University Data Processing. (C Sharp Universidade de Processamento de Dados) Docente:

Curso de Eng. Informática Linguagens de Programação. C Sharp University Data Processing. (C Sharp Universidade de Processamento de Dados) Docente: Trabalho elaborado por: Carlos Palma nº5608 Curso de Eng. Informática Linguagens de Programação C Sharp University Data Processing (C Sharp Universidade de Processamento de Dados) Docente: José Jasnau

Leia mais

Manual de Utilizador

Manual de Utilizador Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia Engenharia Informática Industrial Sistemas Operativos 2006 Manual de Utilizador Docente: Professor António Corral Trabalho elaborado por:

Leia mais

Aplicação de Estatísticas de Ensino Superior

Aplicação de Estatísticas de Ensino Superior Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso de Engenharia Informática Disciplina de Linguagens de Programação Aplicação de Estatísticas de Ensino Superior Linguagem: Python

Leia mais

Indicações para a elaboração do trabalho a realizar em horário extra lectivo

Indicações para a elaboração do trabalho a realizar em horário extra lectivo Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia Curso: Eng a Mecânica e G. I. Ano: 1 o Semestre: 2 o Ano Lectivo: 2005/2006 Indicações para a elaboração do trabalho a realizar em horário extra

Leia mais

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia

Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Instituto Superior Politécnico Gaya Escola Superior de Ciência e Tecnologia Engenharia Informática Redes e Computadores 2006/2007 Levantamento e Inventariação de Rede Privada Rafael Esteves Alves Forno

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Introdução à Lógica de Programação Sistemas Numéricos As informações inseridas em um computador são traduzidos em dados, ou seja, em sinais que podem ser manipulados pelo computador. O computador trabalha

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2 LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO PROCESSADOR TEGRA 2 SANTO AMARO 2011 ANGELO RAMOS JACKELINE BARBOSA JEANDERVAL SANTOS PROCESSADOR TEGRA 2 Trabalho apresentado ao Instituto Federal de Ciências e Tecnologia da

Leia mais

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

SiDEI. Sistema de Avaliação Automática de Alunos. Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas SiDEI Sistema de Avaliação Automática de Alunos Gestão e Desenvolvimento de Aplicações Informáticas Disciplina de Engenharia de Software Instituto Superior de Engenharia do Porto Alunos: André Serafim

Leia mais

Dossier Pedagógico da Disciplina de Programação e Computadores 1 (PC1)

Dossier Pedagógico da Disciplina de Programação e Computadores 1 (PC1) Instituto Superior Politécnico Gaya Dossier Pedagógico da Disciplina de Programação e Computadores 1 (PC1) Índice 1. Programa da Disciplina...2 1.1 Objectivos da Disciplina...2 1.2 Conteúdo programático...2

Leia mais

Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2

Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2 Desenvolvimento Web III Manipulação de Dados em PHP (Visualizar, Inserir, Atualizar e Excluir) Parte 2 Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Nesta aula iremos trabalhar a manipulação de banco de dados através

Leia mais

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS

AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO AMBIENTE PARA AUXILIAR O DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMAS MONOLÍTICOS Orientando: Oliver Mário

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO O que é um programa? Matlab vs outras linguagens de programação Paradigma de programação Fases de desenvolvimento de um programa CPU Hardware Periféricos Sistema Software Aplicação O que é um programa?

Leia mais

Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos

Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos Processadores clock, bits, memória cachê e múltiplos núcleos Introdução Os processadores (ou CPUs, de Central Processing Unit) são chips responsáveis pela execução de cálculos, decisões lógicas e instruções

Leia mais

Relatório. José Jasnau Caeiro. Docente. Gildo Soares e Hugo Brás. Discentes. Tecnologias Biométricas. Mestrado em Engenharia da Segurança Informática

Relatório. José Jasnau Caeiro. Docente. Gildo Soares e Hugo Brás. Discentes. Tecnologias Biométricas. Mestrado em Engenharia da Segurança Informática Relatório José Jasnau Caeiro Docente Gildo Soares e Hugo Brás Discentes Tecnologias Biométricas Mestrado em Engenharia da Segurança Informática Junho 2012 Conteúdo Índice Geral......................................

Leia mais

Disciplina: Organização de computadores

Disciplina: Organização de computadores Disciplina: Organização de computadores Professora: Carolina D. G. dos Santos E-mail: profcarolinadgs@gmail.com Página: profcarolinadgs.webnode.com.br Unip / Prof. a Carolina 1 à Computador Conceitos Básicos

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

Comparação entre Alguns Processadores

Comparação entre Alguns Processadores Comparação entre Alguns Processadores AMD Sempron x Athlon XP Desde o lançamento do processador Sempron, da AMD, a pergunta é "afinal, qual é a diferença do Sempron para o Athlon XP?" O Sempron é um Athlon

Leia mais

Aplicação de técnicas para otimização serial em Fortran 90

Aplicação de técnicas para otimização serial em Fortran 90 Aplicação de técnicas para otimização serial em Fortran 90 Cleibson Aparecido de Almeida PPGMNE Programa de Pós Graduação em Métodos Numéricos em Engenharia Universidade Federal do Paraná (UFPR) CEP 81.531

Leia mais

A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores

A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores A história do Processadores O que é o processador Características dos Processadores Vários tipos de Processadores As empresas mais antigas e ainda hoje no mercado que fabricam CPUs é a Intel, AMD e Cyrix.

Leia mais

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real Dicionário Houaiss Virtualização Tornar virtual Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Java Virtual

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS ESCOLA SECUNDÁRIA DE MANUEL DA FONSECA Curso Profissional: Técnico de Gestão e Equipamentos Informáticos PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS GRUPO 550 CICLO DE FORMAÇÃO 2012/2015 ANO LECTIVO 2012/2013 DISCIPLINA:

Leia mais

Requisitos de Hardware - Humanus

Requisitos de Hardware - Humanus 1 Requisitos Mínimos Hardware: 1.1 Client Servidor Processador Intel Xeon X3430 2.4GHz ou superior Disco Rígido de 500 GB ou superior Intel Pentium G6950 2.80GHz ou superior Memória de 2GB ou superior

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2015 / 2016 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO Técnico de Eletrotecnia e Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos / 2015/2018 DISCIPLINA: Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores

ALP Algoritmos e Programação. . Linguagens para Computadores ALP Algoritmos e Programação Iniciação aos computadores. Linguagens para Computadores. Compiladores, Interpretadores. Ambientes de Programação 1 Linguagens para Computadores. Linguagem binária: Dispositivos

Leia mais

Sistemas Informáticos

Sistemas Informáticos Sistemas Informáticos Sistemas Distribuídos Eng.ª Sistemas de Informação Escola Superior de Tecnologia e Gestão - IPVC Ano Lectivo 2005-2006 1.º Semestre Gestão de Nomes 1 - Objectivos - Os nomes são fundamentais

Leia mais

Departamento de Informática

Departamento de Informática Departamento de Informática Licenciatura em Engenharia Informática Sistemas Distribuídos exame de recurso, 9 de Fevereiro de 2012 1º Semestre, 2011/2012 NOTAS: Leia com atenção cada questão antes de responder.

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20

Periféricos e Interfaces Ano lectivo 2003/2004 Docente: Ana Paula Costa. Aula Teórica 20 Sumário: Os subsistemas vídeo. A RAM vídeo. Aula Teórica 20 Leitura Recomendada: Capítulo 37 - Hans-Peter Messmer, The Indispensable PC Hardware Book, Addison-Wesley. Capítulos 4 e 11 - Peter Norton, Peter

Leia mais

Organização e Arquitetura de computadores

Organização e Arquitetura de computadores Conteúdo Organização e Arquitetura de computadores Abstrações e Tecnologias computacionais Prof. Dr. Luciano José Senger Falácias e armadilhas Computadores: produto da tecnologia de informação, 10% do

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 8.2, Asura Pro 8.2, Solvero 8.1 (Windows, Macintosh OSX) Garda 4.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 5.2 PlugCROPin 5.2 PlugFITin 5.2 PlugRECOMPOSEin 5.2 PlugSPOTin 5.2 PlugTEXTin

Leia mais

1.3. Componentes dum sistema informático HARDWARE SOFTWARE

1.3. Componentes dum sistema informático HARDWARE SOFTWARE 1.3. Componentes dum sistema informático Computador Sistema Informático HARDWARE SOFTWARE + Periféricos Sistema Operativo Aplicações HARDWARE - representa todos os componentes físicos de um sistema informático,

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP05 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP05 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1. Sistemas de gerenciamento de rede tem sua arquitetura baseada em três componentes principais. São eles: a) Protocolo de gerenciamento, protocolo de monitoramento, segurança.

Leia mais

Imagiologia de raios X planar

Imagiologia de raios X planar Universidade Técnica de Lisboa Instituto Superior Técnico Mestrado em Engenharia Biomédica Imagiologia de raios X planar Técnicas de Imagiologia Nuno Santos n.º 55746, dodgeps@hotmail.com Rúben Pereira

Leia mais

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms.

ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS. Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. ANÁLISE E IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE COMPRESSÃO DE DADOS Maria Carolina de Souza Santos 1 Orientador: Prof.º Ms. Mauricio Duarte 2 Centro Universitário Euripides de Marilia UNIVEM FATEC Faculdade de

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

DG GATEWAY Requisitos e recomendações. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br. Se precisar de ajuda

DG GATEWAY Requisitos e recomendações. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br. Se precisar de ajuda DG GATEWAY Requisitos e recomendações Resumo Este manual visa instruir o cliente quanto aos requisitos e recomendações para a instalação e devido uso do DG Gateway. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br

Leia mais

DG GATEWAY Requisitos e recomendações. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br. Se precisar de ajuda

DG GATEWAY Requisitos e recomendações. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br. Se precisar de ajuda DG GATEWAY Requisitos e recomendações Resumo Este manual visa instruir o cliente quanto aos requisitos e recomendações para a instalação e devido uso do DG Gateway. Gustavo Toda gustavo.toda@dicomgrid.com.br

Leia mais

Morfologia Matemática Binária

Morfologia Matemática Binária Morfologia Matemática Binária Conceitos fundamentais: (Você precisa entender bem esses Pontos básicos para dominar a área! Esse será nosso game do dia!!! E nossa nota 2!!) Morfologia Matemática Binária

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores

Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Guia do Mestrado em Informática Sistemas e Redes & Ciência de Computadores Faculdade de Ciências, Universidade do Porto Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2006-2008 http://www.dcc.fc.up.pt/mi

Leia mais

Sistemas de numeração

Sistemas de numeração E Sistemas de numeração Aqui estão apenas números ratificados. William Shakespeare A natureza tem algum tipo de sistema de coordenadas geométrico-aritmético, porque a natureza tem todos os tipos de modelos.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de TIC Módulos 1,2,3-10.ºD CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Ano Letivo 2015-2016 Manual adotado:

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Programas e Linguagens Para executar uma tarefa

Leia mais

Experimentos com a memória cache do CPU

Experimentos com a memória cache do CPU Experimentos com a memória cache do CPU Alberto Bueno Júnior & Andre Henrique Serafim Casimiro Setembro de 2010 1 Contents 1 Introdução 3 2 Desvendando o cache 3 2.1 Para que serve o cache?.....................

Leia mais

Simulação Gráfica. Morfologia Matemática. Julio C. S. Jacques Junior

Simulação Gráfica. Morfologia Matemática. Julio C. S. Jacques Junior Simulação Gráfica Morfologia Matemática Julio C. S. Jacques Junior Morfologia Palavra denota uma área da biologia que trata com a forma e a estrutura de animais e plantas. No contexto de Morfologia Matemática:

Leia mais

CAD Trabalho III. PThreads e OpenMP. Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa

CAD Trabalho III. PThreads e OpenMP. Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Informática CAD Trabalho III PThreads e OpenMP Pedro Carvalho de Oliveira Rui André Ponte Costa Maio 2008 Resumo Neste

Leia mais

UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com

UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com UFRPE Prof. Gustavo Callou gcallou@gmail.com 1 Algoritmos Representação Exercícios Linguagens de Programação Compilador Interpretador Ambiente de Desenvolvimento Python Característica Para que serve Onde

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Informática 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

CPU Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto

CPU Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Pedro Neto Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Conteúdo 4. i. Introdução ii. O Trabalho de um Processador iii. Barramentos iv. Clock Interno e Externo v. Bits do Processador

Leia mais

INSYS 8570 RU Built for Gamming

INSYS 8570 RU Built for Gamming INSYS 8570 RU Built for Gamming A Inforlandia apresenta potente portátil para jogos Aveiro, Setembro de 2007 A Inforlandia, detentora da marca INSYS, apostou recentemente numa nova série de portáteis especialmente

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Informática II Cap. 3

Informática II Cap. 3 Cap. 3 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROGRAMAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROGRAMAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular PROGRAMAÇÃO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Electrotécnica e de Computadores 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual Este manual descreve um procedimento para o registro de Concursos Públicos por meio de áudio e vídeo utilizando-se recursos tecnológicos básicos i. A gravação segue o disposto na Resolução 020/09 da UFSM

Leia mais

Informática para Ciências e Engenharias 2014/15. Teórica 5

Informática para Ciências e Engenharias 2014/15. Teórica 5 Informática para Ciências e Engenharias 2014/15 Teórica 5 Na aula de hoje... Representação de imagens pixels, sistema RGB Gráficos em MATLAB Gráficos simples Imagens 2D Exemplo: difusão Gráficos 3D Exemplo:

Leia mais

Pragmática das Linguagens de Programação 2004/2005

Pragmática das Linguagens de Programação 2004/2005 Instituto Superior Técnico Pragmática das Linguagens de Programação 2004/2005 Segundo Exame 11/2/2005 Número: Turma: Nome: Escreva o seu número em todas as folhas do teste. O tamanho das respostas deve

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia

Instituto Superior Politécnico de VISEU. Escola Superior de Tecnologia 1 Tradicionalmente, programar significava apenas a escrita de um programa, que resolvesse o problema pretendido de uma forma aparentemente correcta. Problema Problema Programa Programa Desvantagens: Programas

Leia mais

Expansão de Imagem #2

Expansão de Imagem #2 Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e de Computadores Expansão de Imagem #2 Televisão Digital António Alberto da Silva Marques Pedro Ricardo dos Reis Porto, 2004

Leia mais

AULA 1. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email:

AULA 1. Informática Básica. Gustavo Leitão. gustavo.leitao@ifrn.edu.br. Disciplina: Professor: Email: AULA 1 Disciplina: Informática Básica Professor: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Estudo de caso Empresa do ramo de seguros Presidência RH Financeiro Vendas e Marketing TI CRM Riscos Introdução

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 8.5, Asura Pro 8.5, Garda 4.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 5.5 PlugCROPin 5.5 PlugFITin 5.5 PlugRECOMPOSEin 5.5 PlugSPOTin 5.5 PlugTEXTin 5.5 PlugINKSAVEin 5.5 PlugWEBin

Leia mais

COMUNICADO PREGÃO Nº 048/2007

COMUNICADO PREGÃO Nº 048/2007 COMUNICADO PREGÃO Nº 048/2007 OBJETO: Fornecimento, configuração, testes e assistência técnica, durante período de garantia, de 28 (vinte e oito) microcomputadores portáteis (notebooks) de alta mobilidade,

Leia mais

Lição 1 Introdução à programação de computadores

Lição 1 Introdução à programação de computadores Lição Introdução à programação de computadores Introdução à Programação I Objetivos Ao final desta lição, o estudante será capaz de: Identificar os diferentes componentes de um computador Conhecer linguagens

Leia mais

O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online.

O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online. Webconference Wittel O Webconference é uma ferramenta para realizar reuniões online. Com ele você poderá fazer vídeoconferência, compartilhar arquivos, aplicativos e conteúdo do desktop, além de realizar

Leia mais

Aquisição de equipamentos de informática

Aquisição de equipamentos de informática CONVITE 010/2008 ANEXO I Aquisição de equipamentos de informática ITEM 1 Nome: Estação de trabalho Quantidade: 1 unidades Processador: (mínimo) Intel core 2 duo E7200 2.53Ghz FSB 1333Mhz 4Mb Cache, 65

Leia mais

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7 ÍNDICES OBJETIVOS 1 JUSTIFICATIVAS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 SEGURANÇA - INTERNET 1 SISTEMA OPERACIONAL 2 PROTOCOLO TCP/IP 2 INTRANET 2 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 ESTAÇÕES 2 MICROS 3 IMPRESSORAS 3 PLANTA

Leia mais

Redução de imagem no domínio espacial

Redução de imagem no domínio espacial Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Televisão Digital - 2002/2003 Redução de imagem no domínio espacial Armando

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 8.2, Asura Pro 8.2, Garda 4.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 5.2 PlugCROPin 5.2 PlugFITin 5.2 PlugRECOMPOSEin 5.2 PlugSPOTin 5.2 PlugTEXTin 5.2 PlugINKSAVEin 5.2 PlugWEBin

Leia mais

Estrutura geral de um computador

Estrutura geral de um computador Estrutura geral de um computador Prof. Helio H. L. C. Monte-Alto Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário 1 Asura 9.0, Asura Pro 9.0, Garda 5.0 Plug-ins: PlugBALANCEin 6.0 PlugCROPin 6.0 PlugFITin 6.0 PlugRECOMPOSEin 6.0 PlugSPOTin 6.0 PlugTEXTin 6.0 PlugINKSAVEin 6.0 PlugWEBin

Leia mais

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação

Introdução à Programação 2006/07. Computadores e Programação Introdução à Programação 2006/07 Computadores e Programação Objectivos da Aula Noção de computador. Organização Interna de um Computador Noção de Sistema Operativo. Representação digital de informação

Leia mais

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados

Processamento da Informação Teoria. Algoritmos e Tipos de dados Processamento da Informação Teoria Algoritmos e Tipos de dados Semana 01 Prof. Jesús P. Mena-Chalco 24/04/2013 (*) Slides adaptados das aulas do Prof. Harlen Costa Batagelo Algumas definições de algoritmo

Leia mais

Metodos de Programação

Metodos de Programação Metodos de Programação Métodos de Programação Introdução Informática, Computador, Algoritmo Informática: Ciência do processamento da informação Computador: Máquina que serve para processar informação Algoritmo:

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Curso Engenharia Civil Modalidade Superior Professora Michelle Nery Agenda Introdução a Programação Algoritmos VS Programa 2 Algoritmos Um algoritmo pode ser definido como uma

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 9.6, Asura Pro 9.6, Garda 5.6...2 PlugBALANCEin 6.6, PlugCROPin 6.6, PlugFITin 6.6, PlugRECOMPOSEin 6.6, PlugSPOTin 6.6,...2 PlugTEXTin 6.6, PlugINKSAVEin 6.6, PlugWEBin

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

Análise de desempenho de processadores ATmega328 utilizando Benchmark Linpack Marcos S. Morgenstern, Lori R. F. Machado Filho, Edson L.

Análise de desempenho de processadores ATmega328 utilizando Benchmark Linpack Marcos S. Morgenstern, Lori R. F. Machado Filho, Edson L. Análise de desempenho de processadores ATmega328 utilizando Benchmark Linpack Marcos S. Morgenstern, Lori R. F. Machado Filho, Edson L. Padoin Universidade Regional do Noroeste do Estado Do Rio Grande

Leia mais

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE

CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE CONTROLO VISUAL DE UM TAPETE ROLANTE José Fernandes; José Silva; Nuno Vieira; Paulo Sequeira Gonçalves Curso de Engenharia Industrial Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco Av. do Empresário,

Leia mais

Grupo I [6v] Considere o seguinte extracto de um programa de definição de uma calculadora apenas com a função soma de dois valores reais

Grupo I [6v] Considere o seguinte extracto de um programa de definição de uma calculadora apenas com a função soma de dois valores reais Número: Nome: Página 1 de 5 LEIC/LERC 2012/13, Repescagem do 1º Teste de Sistemas Distribuídos, 25 de Junho de 2013 Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Identifique todas as folhas. Duração:

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Engenharia Licenciatura Engenharia e Gestão Industrial Unidade Curricular Algoritmia e Programação Semestre: 1 Nº ECTS: 6,0 Regente Prof. Vítor Pereira Assistente

Leia mais

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Informática. Aulas: 01 e 02/12. Prof. Márcio Hollweg. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Informática Aulas: 01 e 02/12 Prof. Márcio Hollweg UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Objetivo do Sistema. Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual

Objetivo do Sistema. Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual Índice Objetivo do Sistema Configuração Mínima (recomendada) Disposição do Manual Módulo Básico Instalando o PDV Abertura e tela de Senha Seleções / Tecla de Funções Ajuda Usando o sistema como ferramenta

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 9.5, Asura Pro 9.5,Garda 5.0...2 PlugBALANCEin 6.5, PlugCROPin 6.5, PlugFITin 6.5, PlugRECOMPOSEin 6.5, PlugSPOTin 6.5,...2 PlugTEXTin 6.5, PlugINKSAVEin 6.5, PlugWEBin

Leia mais

Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem

Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem Sandra Jardim * e Paulo Sequeira Gonçalves ** * Departamento de Engenharia Informática e Tecnologias da Informação ** Departamento

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Engenharia Informática Ano letivo 2012-2013 Unidade Curricular Arquitectura de Computadores ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 2º Semestre 2ºsem Horas de trabalho globais Docente (s) Luis Figueiredo Total

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Grupo de Estudos de Agentes Móveis e Segurança RELATÓRIO TÉCNICO

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Grupo de Estudos de Agentes Móveis e Segurança RELATÓRIO TÉCNICO Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Grupo de Estudos de Agentes Móveis e Segurança RELATÓRIO TÉCNICO Testes de Desempenho do protocolo SSL over RMI no Aglets-2.0.2

Leia mais

Registro de Preços 2011

Registro de Preços 2011 Registro de Preços 2011 Sinônimo de soluções profissionais em tecnologia da informação A MI atua há 19 anos no mercado de informática de Caxias do Sul e Serra Gaúcha, ofertando o que há de melhor nas

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 17:11:20 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo

MÓDULO 1 - Folha de Cálculo ANUAL ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Curso Profissional de Técnico de Restauração Cozinha - Pastelaria Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial Impressão Comerciale Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 10.0, Asura Pro 10.0, Garda 10.0...2 PlugBALANCEin 10.0, PlugCROPin 10.0, PlugFITin 10.0, PlugRECOMPOSEin 10.0, PlugSPOTin10.0,...2 PlugTEXTin

Leia mais

Codificação da informação. Execução do programa. Codificação binária. Representação de inteiros positivos. Representação binária

Codificação da informação. Execução do programa. Codificação binária. Representação de inteiros positivos. Representação binária Execução do a calcula-se determinada solução (output) para determinado problema (input) usando um a que é executado no dados do problema (informação de entrada) a solução (informação resultante) Codificação

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO A COMUNICAÇÃO NA INTERNET PROTOCOLO TCP/IP Para tentar facilitar o entendimento de como se dá a comunicação na Internet, vamos começar contando uma história para fazer uma analogia. Era uma vez, um estrangeiro

Leia mais

Resolução de Problemas Com Procura. Capítulo 3

Resolução de Problemas Com Procura. Capítulo 3 Resolução de Problemas Com Procura Capítulo 3 Sumário Agentes que resolvem problemas Tipos de problemas Formulação de problemas Exemplos de problemas Algoritmos de procura básicos Eliminação de estados

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR. Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR Licenciatura em desporto Gestão das Organizações Desportivas Unidade Curricular Gestão de Sistemas de Informação II Ano Lectivo

Leia mais

Processamento e Análise de Imagens (MC940) Análise de Imagens (MO445)

Processamento e Análise de Imagens (MC940) Análise de Imagens (MO445) Processamento e Análise de Imagens (MC940) Análise de Imagens (MO445) Prof. Hélio Pedrini Instituto de Computação UNICAMP 2º Semestre de 2015 Roteiro 1 Morfologia Matemática Fundamentos Matemáticos Operadores

Leia mais

Pregão 30/2008. Perguntas e Respostas Última Versão

Pregão 30/2008. Perguntas e Respostas Última Versão Brasília, 12/09/2008 Pregão 30/2008 Perguntas e Respostas Última Versão A Comissão Permanente de Licitação (CPL) registra a seguir perguntas de empresas interessadas em participar do certame em referência

Leia mais