Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle"

Transcrição

1 Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização de bases de dados Oracle que permite a consulta de dados de desempenho e QoS (Quality of Service). Inicialmente será feita uma introdução ao trabalho desenvolvido. De seguida faz-se a análise dos objectivos e efeitos esperados com o desenvolvimento da Aplicação apresentando posteriormente o sistema de informação. São ilustradas na secção seguinte as funcionalidades do sistema. Por último são feitas sugestões de melhoria ao projecto desenvolvido. 1 INTRODUÇÃO A realização deste projecto constou como um elemento de avaliação, da disciplina de Projecto Final de Curso, que se encontra inserido no segundo semestre do quarto ano do curso de Informática de Sistemas. O trabalho descrito neste texto consiste no desenvolvimento de uma aplicação WEB para monitorização de uma base de dados Oracle (target). A aplicação permite que utilizadores autenticados consultem dados de desempenho e QoS (Quality of Service) da base de dados target, recorrendo aos mecanismos de instrumentação internos do motor Oracle. Alguns destes dados podem ser mostrados sob a forma de gráficos. A aplicação gere também os conectores para ligar a diferentes bases de dados target, assim como os seus utilizadores e respectivo perfil. Estes dados ficam armazenados numa base de dados repositório, também Oracle. 2 Fundamentos, Objectivos e Efeitos Esperados do Projecto As bases de dados estão no centro operacional das empresas, sendo o seu desempenho um factor crítico para o negócio. A constante monitorização do seu desempenho assume um papel importante, pois permite ao administrador da base de dados efectuar operações correctivas antes de ocorrerem falhas ou degradação no tempo de resposta, maximizando assim a qualidade de serviço prestada ao longo do tempo. Trabalho supervisionado pelo Professor: José Aser Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 1

2 Esta aplicação permite ver os principais indicadores de desempenho de uma base de dados Oracle, sendo uma ferramenta de consulta útil para o DBA, que assim pode analisar a saúde do seu sistema. A aplicação permite a ligação a várias bases de dados que estão sob monitorização, designadas por target. Uma vez escolhida a base de dados target, a aplicação disponibiliza uma série de consultas aos principais indicadores de desempenho da BD, alimentados pelos contadores internos do motor. 3 SISTEMA DE INFORMAÇÃO Nesta secção irei apresentar os aspectos referentes especificamente à área de informática. 3.1 Análise de Requisitos Módulo de Backoffice Foram apresentados como requisitos para este módulo os seguintes aspectos: Ter um tipo de utilizador, o Administrador. Administrador: tem permissão para efectuar todas as operações. Efectuar as seguintes operações. Consultar Tabela Users. Tabela BD_Target. Inserir Dados na tabela Users. Dados na tabela BD_Target. Eliminar Dados da tabela Users. Dados da tabela BD_Target. Modificar Dados da tabela Users. Dados da tabela BD_Target. O diagrama abaixo descreve as funcionalidades deste módulo, assim como o seu fluxo de execução: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 2

3 Figura 3.1: Funcionalidades do módulo Backoffice. Os seguintes diagramas de sequência descrevem as funcionalidades implementadas para este módulo. Login de acordo com o diagrama abaixo: Se a validação correr mal o login apresentará a sequência abaixo: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 3

4 Produção da tabela de BDTarget de acordo com o diagrama seguinte. Inserir uma BDTarget de acordo com o diagrama abaixo: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 4

5 Alteração de uma BDTarget de acordo com o diagrama abaixo: Remoção de uma BDTarget de acordo com o diagrama abaixo: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 5

6 Produção da tabela de Users de acordo com o seguinte. Inserir um User de acordo com o diagrama seguinte: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 6

7 Alteração de um User de acordo com o diagrama seguinte: Remoção de um User de acordo com o diagrama seguinte: Módulo de Frontoffice Foram apresentados como requisitos para este módulo os seguintes aspectos: Ter um tipo de utilizador, o Normal. Normal: apenas tem permissão para efectuar consultas. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 7

8 Efectuar as seguintes operações. Consultar Tabela BD_Target. Dados de desempenho e QoS. O diagrama abaixo descreve as funcionalidades deste módulo, assim como o seu fluxo de execução: Figura 3.2: Funcionalidades do módulo Frontoffice. Os seguintes diagramas de sequência descrevem as funcionalidades implementadas para o módulo de Frontoffice. Login de acordo com o diagrama abaixo: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 8

9 Se a validação correr mal o login apresentará a sequência abaixo: Produção da tabela de BDTarget de acordo com o diagrama seguinte. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 9

10 Produção das tabelas relativas aos dados de desempenho e monitorização de acordo com o seguinte, neste caso só está ilustrada a opção de componentes Oracle instalados. As outras opções seguem o mesmo modelo deste exemplo. Produzir o gráfico de acordo com o diagrama seguinte: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 10

11 3.2 Especificações Técnicas Tendo em vista atingir os objectivos e requisitos propostos foram tomadas opções para garantir o correcto funcionamento da aplicação. Assim o armazenamento da informação foi feito em Oracle. Foram criadas as seguintes tabelas que armazenam os dados criados pelos utilizadores: A tabela de BD target (BD_TARGET.DB) que armazena os dados referentes às tabelas que vão ser alvo das consultas de dados de desempenho e QoS. Nome Tip Tam. Conteúdo BD_TARGET_ID N 6 Número de identificação da BD HOSTNAME V2 100 Nome/ip da máquina onde corre o servidor PORT N 6 Porto onde o listener está à escuta SID V2 100 Valor fornecido pelo administrador da BD USERNAME_BD V2 32 Nome do utilizador da BD PASSWORD_BD V2 100 Palavra-chave da BD COMENTÁRIO V2 300 Campo para introduzir comentários sobre a BD Tabela 3.1 Bd_target A tabela de Users (USERS.DB) que armazena os dados referentes aos utilizadores da aplicação. Nome Tip Tam. Conteúdo USERNAME V2 32 Nome do utilizador PASSWORD V2 100 Palavra-chave TIPO_USER C 1 Pode ser Administrador ou Normal COMENTÁRIO V2 300 Campo para introduzir comentários sobre a BD Tabela 3.2 Users Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 11

12 3.3 Software Desenvolvido A aplicação usa a seguinte tecnologia: o O código da aplicação foi programado em Java, recorrendo a Servlets para componente WEB e JDBC para a componente de acesso a base de dados. Para o desenvolvimento foi utilizado o Oracle JDeveloper. o O Servlet container foi o OC4J (Oracle Container For Java incluído no JDeveloper). o Base de Dados XE para armazenar as tabelas users e bd target. o Como cliente para acesso à base de dados utilizou-se o Oracle SQL Developer. o Os gráficos são feitos recorrendo a Applets Java. o A interacção com o utilizador será feita através de páginas HTML dinâmicas geradas a partir de Servlets programadas em Java. Será usado JavaScript para navegação entre as Servlets. A formatação do HTML recorre a CSS. Para isso foi criado um ficheiro CSS que define as formatações e é importado por todas as páginas do site. Esta opção justifica-se pela garantia de uniformidade de estilos. 4 ILUSTRAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Ao iniciar pela primeira vez o módulo de backoffice surge o ecrã da fig.4.1. As funcionalidades desta aplicação só estão disponíveis para utilizadores autenticados. A autenticação será feita por nome de utilizador e respectiva palavra-chave, que estão armazenados na tabela Users. Figura 4.1: Janela de Login de Backoffice. Uma vez efectuada a autenticação com sucesso, surge o ecrã de Gestão da Aplicação como se pode ver na fig.4.2. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 12

13 Figura 4.2: Janela de Gestão da Aplicação. O link BD Target permite fazer a gestão da BD Target exemplificada na figura seguinte. O link Utilizadores Aplicação invoca o formulário que permite gerir os utilizadores da aplicação (fig.4.7). O link sair da aplicação termina a aplicação. Figura 4.3: Janela de Gestão da BD Target. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 13

14 Nesta janela o utilizador vê os dados no formato tabela, a aplicação cria uma tabela onde a primeira coluna é o identificador de tabela Bd_Target, aparecendo depois uma coluna por cada uma das bd_target existentes na tabela Bd_Target. O link Inserir BD invoca o formulário que permite inserir uma bd exemplificado na fig.4.4. O link Alterar invoca o formulário que permite alterar esta bd. O link Remover invoca o formulário que permite remover esta bd. Figura 4.4: Janela de Inserção de uma BD Target. O botão repor repõe os valores iniciais (tudo em branco). O botão inserir envia os novos valores para a base de dados. O link sair retorna ao formulário Gestão BD Target (fig.4.3). O formulário alterar é igual ao inserir, mas aparece preenchido com os dados da bd target que queremos modificar (fig.4.5). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 14

15 Figura 4.5: Janela de Alteração de uma BD Target. de dados. O botão repor repõe os valores iniciais. O botão alterar envia os novos valores para a base O formulário Eliminar é igual ao formulário alterar, mas a acção desencadeada pelo botão procede à remoção dessa medição na base de dados (fig.4.6). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 15

16 Figura 4.6: Janela de Remoção de uma BD Target. Se o utilizador escolher o link utilizadores aplicação o formulário terá o seguinte aspecto: Figura 4.7: Janela de Gestão dos Users. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 16

17 Os formulário inserir utilizador, alterar e remover são semelhantes aos atrás exemplificados para a tabela BD_Target, mas as acções desencadeadas reflectem-se na tabela Users. Ao iniciar pela primeira vez o módulo de frontoffice surge o ecrã da fig.4.8. Figura 4.8: Janela de Login de Frontoffice. Uma vez efectuada a autenticação com sucesso, surge o ecrã de Selecção de BD como se pode ver na fig.4.9. Figura 4.9: Janela de Selecção de BD. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 17

18 O link listar permite escolher a BD que queremos usar para fazer a monitorização. Após a escolha de BD aparece o formulário abaixo apresentado: Figura 4.10: Janela de Menu. Aqui temos a opção de escolher diversas consultas à tabela target, para obter dados de desempenho e QoS. Será apenas mostrada uma opção (fig.4.11), visto que as restantes opções são semelhantes em termos de aspecto. É também apresentada na fig.4.12, a única janela que tem a opção de apresentar os dados através de tabela e gráfico, seleccionando a listagem tablespaces storage. O link selecção bd retorna à janela de selecção de BD (fig.4.9). O link ferramenta SQL permite realizar operações SQL que o utilizador considere necessário (fig.4.14). O link sair da aplicação termina a aplicação. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 18

19 Figura 4.11: Janela de Versão componentes Oracle instalados. Figura 4.12: Janela de Tablespaces storages. O link gráfico de barras permite a consulta dos dados através da forma de gráfico de barras (fig.4.13). O link sair retorna à página de Menu. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 19

20 Figura 4.13: Gráfico de barras de Tablespace storage. Neste gráfico é possível observar no eixo dos Xs o campo tablespace_name e no eixo dos Ys o campo % Free. Figura 4.14: Janela Ferramenta SQL. Nesta janela existe a possibilidade de o utilizador realizar operações SQL que entenda necessárias. O botão executar permite realizar o comando SQL inserido na caixa de texto (fig.4.15). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 20

21 Figura 4.15: Janela da Ferramenta SQL com query. Na figura acima apresentada, é possível ver os dados da query realizada no formato tabela. 5 CONCLUSÕES E TRABALHO FUTURO No decorrer do projecto foram surgindo diversas dificuldades, que foram gradualmente ultrapassadas com algum custo, muita dedicação e persistência. Este projecto permitiu adquirir alguma experiência muito importante para trabalhos futuros. No entanto não considero o projecto completo, visto que, se trata de um trabalho extenso com bastantes funcionalidades. Numa segunda fase de desenvolvimento seria interessante dotar a BD de um contador de tempos de espera, que seria extraído para um motor de agregação, para permitir elaborar gráficos com perfis de consumo de recursos, por utilizador, por cliente Oracle e por horas de dia. Estes cubos de informação requerem processamento, que tem que ser feito fora da BD alvo, mas que dá uma ideia muito exacta de como os recursos estão a ser consumidos e por quem, apontando para as principais causas de degradação de desempenho. Com mais tempo podem ser feitos alguns melhoramentos. Estes não eram possíveis dentro da data de entrega do projecto. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 21

22 AGRADECIMENTOS Estou particularmente grato ao Professor José Aser pela disponibilidade demonstrada no acompanhamento da realização do projecto, fornecendo toda a informação e esclarecimentos necessários. Quero finalmente agradecer à Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias pelas condições de trabalho fornecidas para o desenvolvimento deste projecto. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias 22

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Objectivos: Criar uma base de dados vazia. O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access Criar uma base dados vazia O Access é um Sistema de Gestão de Bases

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Ementas : Email e SMS. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Ementas : Email e SMS. v2011 Manual Avançado Ementas : Email e SMS v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. INICIAR O ZSRest FrontOffice... 3 1 4. CONFIGURAÇÃO INICIAL... 4 b) Configurar E-Mail... 4 c) Configurar SMS... 5 i. Configurar

Leia mais

Administração da disciplina

Administração da disciplina Administração da disciplina Agrupamento Vertical de Escolas de Tarouca Documento disponível em: http://avetar.no-ip.org 1.Acesso e utilização da plataforma:. Seleccione a opção Entrar, que se encontra

Leia mais

Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC

Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC Complemento ao Manual de Utilizador Plataforma de Estágios TIC Direccionado para as escolas www.estagiostic.gov.pt Índice 1. Objectivo da Plataforma... 2 2. Acesso restrito... 2 3. Perfis... 2 3.1. O administrador...

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

Manual utilização. Dezembro 2011. Instituto Politécnico de Viseu

Manual utilização. Dezembro 2011. Instituto Politécnico de Viseu Manual utilização Dezembro 2011 Instituto Politécnico de Viseu 1 Índice Zona pública... 3 Envio da ideia de negócio... 3 Inscrição nas Oficinas E... 4 Zona privada... 5 Administração... 5 Gestão de utilizadores...

Leia mais

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE GestProcessos Online Manual do Utilizador GestProcessos Online GABINETE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EAmb Esposende Ambiente, EEM Rua da Ribeira 4740-245 - Esposende

Leia mais

Módulo de Administração de Utilizadores

Módulo de Administração de Utilizadores base Módulo de Administração de Utilizadores Versão 2.0 Manual do utilizador Janeiro 2002 Ficha técnica Título BIBLIObase : Módulo de Administração de Utilizadores: versão 2.0 : manual do utilizador Autores

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar ZSRest Backoffice... 3 4. Confirmar desenho de mesas... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5. Desenhar

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003. Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via Internet

Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003. Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via Internet Sistema de Gestão de Ciclo de Vida de Farmácias AVP003 Manual de Utilizador Externo - Entregas ao Domicílio e Vendas via de Índice 1 Introdução... 4 1.1 Objetivo...4 1.2 Funcionalidades...5 1.3 Autenticação...5

Leia mais

Gestão de Estágios e Projectos de Investigação Manual de Utilizador - Aluno

Gestão de Estágios e Projectos de Investigação Manual de Utilizador - Aluno Gestão de Estágios e Projectos de Investigação Manual de Utilizador - Aluno GESTÃO DE ESTÁGIOS E PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO MANUAL DE UTILIZADOR - ALUNO Passaremos a demonstrar quais os passos a dar para

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Driver Eticadata Versão 1.0 de 07-03-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Driver Eticadata Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Driver Eticadata Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Índice Configuração dos documentos no Backoffice.... 3 Driver ERP Eticadata... 5 Configurações principais... 5 Configurações do vendedor... 6 Configurações

Leia mais

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio

3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio 32 3 Um Framework Orientado a Aspectos para Monitoramento e Análise de Processos de Negócio Este capítulo apresenta o framework orientado a aspectos para monitoramento e análise de processos de negócio

Leia mais

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Manual de Utilização do Sítio da Disciplina para: Docentes Versão 7.00 Palma de Cima 1649-023 Lisboa Portugal Tel. 21 721 42 19 Fax 21721 42 79 helpdesk@lisboa.ucp.pt

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Processo de submissão - Informação para autores

Processo de submissão - Informação para autores Processo de submissão - Informação para autores O sistema de submissão on-line da Colóquios Garcia de Orta oferece aos autores a possibilidade de enviarem as suas submissões directamente para a revista.

Leia mais

Solutions for Information Technologies. BIS-Navegador. Oracle

Solutions for Information Technologies. BIS-Navegador. Oracle Solutions for Information Technologies BIS-Navegador Manual de Instalação em Oracle Supporte A suite BIS foi testada e é suportada nos seguintes ambientes e produtos: BIS Client Components: Operating System:

Leia mais

Tutorial exe elearning XHTML editor (versão 1.0x)

Tutorial exe elearning XHTML editor (versão 1.0x) UOe-L 13 Março 2008 Ficha Técnica Autor: Susana Azevedo UOe-L CEMED UA Revisão: Helder Caixinha UOe-L CEMED UA Versão: 3.0 Data de criação: 15/Dezembro/2005 Data da última revisão: 13/Março/2008 1 Tutorial

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

Formação Microsoft Excel Nível Intermédio

Formação Microsoft Excel Nível Intermédio Formação Microsoft Excel Nível Intermédio António Araújo Silva - 2010 INTRODUÇÃO O presente documento procura efectuar a Planificação de uma acção de formação a decorrer nas instalações da Escola EBI de

Leia mais

Manual de utilizador CRM

Manual de utilizador CRM Manual de utilizador CRM Formulário de Login Personalizado de acordo com a sua empresa mantendo a sua imagem corporativa. Utilizador: Admin Password: 123 1 Formulário Principal Este formulário está dividido

Leia mais

Procedimentos para a divulgação de eventos no site da ECUM

Procedimentos para a divulgação de eventos no site da ECUM Procedimentos para a divulgação de eventos no site da ECUM Pressupostos introdutórios 3 Descrição da tarefa 4 Autenticação/Login 4 Página de entrada 4 Criar um novo evento 5 Colocar um evento em destaque

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 FEARSe Requisitos para a 1 a entrega 18 de Março de 2010 1 Introdução O projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007

SAFT para siscom. Manual do Utilizador. Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01. Data criação: 21.12.2007 Manual do Utilizador SAFT para siscom Data última versão: 07.11.2008 Versão: 1.01 Data criação: 21.12.2007 Faro R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-220 FARO Telf. +351 289 899 620 Fax. +351 289 899 629

Leia mais

Solutions for Information Technologies. BIS-Navegador. IBM DB2 UDB v8.x

Solutions for Information Technologies. BIS-Navegador. IBM DB2 UDB v8.x Solutions for Information Technologies BIS-Navegador Manual de Instalação em IBM DB2 UDB v8.x Supporte A suite BIS foi testada e é suportada nos seguintes ambientes e produtos: BIS Client Components: Operating

Leia mais

Projecto de Implementação da. Modelo 11

Projecto de Implementação da. Modelo 11 Projecto de Implementação da Reforma da Tributação do Património Modelo 11 MANUAL DO UTILIZADOR VERSÃO 1.0 DGITA Lisboa, 2004 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 Principais Funcionalidades da Aplicação...2 1.2

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo de operação Ativo Bem vindo à Vorage CRM! Nas próximas paginas apresentaremos o funcionamento da plataforma e ensinaremos como iniciar uma operação básica através do nosso sistema,

Leia mais

Manual de Colaboração

Manual de Colaboração Manual de Colaboração 2 Introdução O zerozero.pt permite aos seus colaboradores a introdução de resultados e datas de jogos de diversas competições. Depois da óptima experiência desenvolvida com a nossa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 David Barbosa 47076 Ricardo Boas 47023 Rui Fonseca 47081 Vítor Martins 47121 GRUPO 10 2009/2010 1 Índice 1. Introdução... 2 1.1 Visão Geral do Problema... 2

Leia mais

Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora

Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora Sistema de Informação Integrado da Universidade de Évora Perfil Candidato MANUAL DE UTILIZAÇÃO Módulo: Candidaturas online (2.º/3.º Ciclo, e outros Cursos não conferentes de Grau) O Módulo de Candidaturas

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem

JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem 1 JSP trata-se de uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de páginas web dinâmicas utilizando todas as potencialidades do Java como linguagem orientada a objectos. Tal como em ASP e PHP, os ficheiros

Leia mais

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto

Engenharia de Software. Enunciado da Primeira Parte do Projecto LEIC-A, LEIC-T, LETI, MEIC-T, MEIC-A Engenharia de Software 2 o Semestre 2014/2015 Enunciado da Primeira Parte do Projecto 1. Primeira Parte do Projecto ES Este enunciado descreve o trabalho a realizar

Leia mais

Escola Secundária de Camarate

Escola Secundária de Camarate Escola Secundária de Camarate Ano Lectivo 2014/2015 Planificação da Disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde e Técnico de Restauração e Bar

Leia mais

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos

Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais. Procedimentos Certificação da Qualidade dos Serviços Sociais EQUASS Assurance Procedimentos 2008 - European Quality in Social Services (EQUASS) Reservados todos os direitos. É proibida a reprodução total ou parcial

Leia mais

Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006)

Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006) Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006) Este documento tem como objectivo ajudar os nossos clientes a trabalhar com o nosso site. Se necessitar de alguma ajuda extra não hesite em contactar-nos. Apesar

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar. Manual da Área de Secretariados

Instituto Politécnico de Tomar. Manual da Área de Secretariados Instituto Politécnico de Tomar Manual da Área de Secretariados Última actualização: 13 de Outubro de 2004 Índice Como aceder a Área de Secretariados...2 O que posso efectuar na Área de Secretariado (Acções)...4

Leia mais

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco

Manual de Utilizador. Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais. Escola Superior de Tecnologia. Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Projecto de Sistemas Industriais Ano Lectivo de 2005/2006

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Sistema de Informação de Saúde Oral Manual de Utilização 1.0 11/06/2010 Engenharia de Software 2º Semestre 2009/2010 Grupo: 2 Membros: NUNO MESTRE 31140 DIOGO FIGUEIRAL 35979 HUGO FONSECA 36146 JOÃO LUÍS

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

novo ManageToRefresh

novo ManageToRefresh novo ManageTo Refresh ENGINE2CONTENT P2/10 Novo ENGINE2CONTENT P3/10 Engine2Content v4.0 O motor para os seus conteúdos A nova ferramenta de gestão de backoffice Engine2content v4.0, permite de uma forma

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE

PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE REDIVE GUIA LMS PROJ. Nº 528362 LLP-1-2012-1-NL-ERASMUS-ECUE Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO. Rua Maestro Cardim, 354 - cj. 121 CEP 01323-001 - São Paulo - SP (11) 3266-2096

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO. Rua Maestro Cardim, 354 - cj. 121 CEP 01323-001 - São Paulo - SP (11) 3266-2096 TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO Índice Geral Antes de Começar 2 Procedimento de Instalação 3 Exportar dados para o 8 Acesso ao 10 Ordens de Serviço no 11 Solicitações de Serviço no 17 Folhas de Inspeção no 19 Importar

Leia mais

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase

Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase Trabalho de Desenvolvimento de Sistemas de Software GereComSaber 1ª Fase Paulo Rui Lopes Pereira da Silva nº 47049 Luana Georgia Lopes Telha nº 49379 Luis Miguel Ferreira Rosa nº 51784 1 Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2007/2008 Requisitos para a 1 a entrega Loja Virtual 1 Introdução O enunciado base do projecto conjunto das disciplinas de Engenharia de Software

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador 1 Índice 1. Sobre o Guia... 3 1.1 Objectivo... 3 1.2 Conceitos e Termos... 3 1.2 Utilização do Guia... 3 2. Ferramentas de Administração... 4 2.1

Leia mais

SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais

SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais SugarCRM, Integração com Produtos IPBrick iportalmais iportalmais 12 de Junho de 2012 1 Introdução Este documento ilustra o procedimento de configuração das aplicações necessárias na integração do SugarCRM

Leia mais

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente

Bases de Dados. Lab 1: Introdução ao ambiente Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Bases de Dados Lab 1: Introdução ao ambiente 1º semestre O ficheiro bank.sql contém um conjunto de instruções SQL para criar a base de dados de exemplo

Leia mais

Plataforma. Manual de Utilização Acesso ao Procedimento Fornecedor. Electrónica BizGov

Plataforma. Manual de Utilização Acesso ao Procedimento Fornecedor. Electrónica BizGov Plataforma Manual de Utilização Acesso ao Procedimento Fornecedor Electrónica BizGov 2010 Índice 1 Solicitar acesso ao procedimento 2 Anexar comprovativo de Pagamento de Peças Procedimentais 3 Aceitar

Leia mais

ESTRATÉGIAS /ACTIVIDADES. Fazer uma abordagem teórica e simples

ESTRATÉGIAS /ACTIVIDADES. Fazer uma abordagem teórica e simples Conhecer os conceitos básicos relacionados com as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). Conhecer a terminologia relacionada com as TIC Caracterizar informação Identificar e caracterizar as áreas

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. Instalação do Software. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. Instalação do Software. v2011 Manual Profissional Instalação do Software v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Antes de Instalar... 3 b) Ter em consideração... 3 4. Iniciar a Instalação... 4 c) 1º Passo... 4 d) 2º Passo... 5 e) 3º

Leia mais

INTRANET OPEN BUSINESS ANGELS

INTRANET OPEN BUSINESS ANGELS INTRANET OPEN BUSINESS ANGELS anual Índice de conteúdos INTRODUÇÃO...3 CONFIGURAR DADOS PESSOAIS...5 Preferências Pessoais...6 Alterar senha...7 Consultar dados...8 SECÇÃO INTRANET...9 Conteúdo Intranet...12

Leia mais

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE

Módulo 3936 ASP.NET. Financiado pelo FSE 2 EISnt Centro de Formação Profissional, Engenharia Informática e Sistemas, Novas Tecnologias, Lda Avª D. João I, nº 380/384 Soutelo 4435-208 Rio Tinto Portal Internet : www.eisnt.com E-Mail : formação@eisnt.com

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Comunicação documentos de transporte AT via Webservice Singest Sistema Integrado de Gestão. 22-05-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software

Comunicação documentos de transporte AT via Webservice Singest Sistema Integrado de Gestão. 22-05-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software Comunicação documentos de transporte AT via Webservice 22-05-2013 Cambragest Serviços de Gestão e Software I. Índice I. Índice... 1 II. Introdução... 2 III. Configuração de documentos de transporte...

Leia mais

SAMUO APP: MANUAL DO ADMINISTRADOR

SAMUO APP: MANUAL DO ADMINISTRADOR as novas tecnologias ao serviço do desenvolvimento de projectos w w w. i m a d i p. c o m CABO VERDE: REALIZAÇÃO DE UMA ACÇÃO- PILOTO PARA A MELHORIA DA GESTÃO NUM GABINETE TÉCNICO SELECCIONADO OFITEC

Leia mais

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006 EIC Engenharia de Informática e Comunicações Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Engenharia

Leia mais

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo

A SÈTIMA. O nosso principal objectivo 03 A SÈTIMA A SÉTIMA produz soluções de software maioritariamente com recurso à WEB, de modo a dar suporte ao crescimento tecnológico que é já a maior realidade do século XXI. Esta aposta deve-se ao facto

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de TIC Módulos 1,2,3-10.ºD CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Ano Letivo 2015-2016 Manual adotado:

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Microsoft Word Folha

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO GeADAP

MANUAL DE ACESSO AO GeADAP MANUAL DE ACESSO AO GeADAP OBJETIVO DO MANUAL O objectivo deste manual é explicar como pode um utilizador aceder ao GeADAP. 1 ENDEREÇOS DE ACESSO AO GeADAP 1.1. Serviços da Administração Central Os utilizadores

Leia mais

Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica

Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica Manual de utilização da aplicação web Gestão de Delegados de Informação Médica 1.1 Pedido de Login de Novas Entidades. Este ecrã irá proporcionar à entidade a realização do pedido de login. Para proceder

Leia mais

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP Departamento de Sistemas e Informática Licenciatura em Engenharia Informática Industrial Projecto ARC Ano Lectivo de 2006/2007 EDP Processamento das Leituras dos Contadores de Electricidade dos Consumidores

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010

COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE. Rui Ribeiro colibri@fccn.pt. FCCN - Dezembro 2010 COLIBRI Ambiente Colaborativo Multimédia MÓDULO MOODLE FCCN - Dezembro 2010 Rui Ribeiro colibri@fccn.pt Módulo COLIBRI Concebido por: José Coelho Universidade Aberta Apoiado por: Rui Ribeiro FCCN Vitor

Leia mais

Gescom isales. Aplicação Mobile Profissional para Vendedores

Gescom isales. Aplicação Mobile Profissional para Vendedores Aplicação Mobile Profissional para Vendedores Indíce Introdução... 3 Aplicação... 4 Produtos... 4 Categorias... 4 Produtos... 5 Carrinho de Vendas... 6 Encomendas... 7 Clientes... 10 Sincronização... 11

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.6 PÁGINA DE PESQUISA A página principal do PacWeb permite a realização de um número muito variado de pesquisas, simples, ou pelo contrário extremamente complexas, dependendo

Leia mais

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado Manual Profissional Comandos Rádio X64 V2011-Certificado 1 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. Configuração inicial... 3 4. Configurações X64... 5 a) Definições Gerais... 5 b) Documentos e Periféricos... 8

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Manual de instruções BIOMUDA

Manual de instruções BIOMUDA Manual de instruções BIOMUDA Helder Cardoso Introdução Instalação 2 Introdução O programa Biomuda, gentilmente cedido pelo Instituto Catalão de Ornitologia (ICO) e adaptado para Português, é uma ferramenta

Leia mais

Solutions for Information Technologies. BIS-Navegador. Manual de Instalação para Microsoft SQL Server

Solutions for Information Technologies. BIS-Navegador. Manual de Instalação para Microsoft SQL Server Solutions for Information Technologies BIS-Navegador Manual de Instalação para Microsoft SQL Server Supporte A suite BIS foi testada e é suportada nos seguintes ambientes e produtos: BIS Client Components:

Leia mais

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados Curso Profissional de Técnico de Multimédia 12ºAno Disciplina: Sistemas de Informação Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Driver PHC Versão 1.0 de 07-03-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Driver PHC Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Driver PHC Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Índice Configuração dos documentos no Backoffice.... 3 Driver ERP PHC... 4 Configurações principais... 5 Configurações do vendedor... 6 Configurações de Documentos...

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo das Soluções de Gestão SENDYS 2 Universo das Soluções de Gestão SENDYS Financeira Recursos Humanos Operações & Logística

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO V Configuração Avançada de Sistemas Operativos Servidores Duração: 42 tempos Conteúdos

Leia mais

Universidade do Minho. Licenciatura em Engenharia Informática. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Gere Com Saber

Universidade do Minho. Licenciatura em Engenharia Informática. Desenvolvimento de Sistemas de Software. Gere Com Saber Universidade do Minho Gere Com Saber Grupo 3: 430 José Carvalho 4377 Pedro Ribeiro 4394 Tiago Airosa 49333 Bernardino Fernandes 4936 Luís Carvalho Índice ÍNDICE ÍNDICE DE FIGURAS 5 INTRODUÇÃO 7. MODELO

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR

MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR SISTEMA DE INFORMAÇÃO FORMAÇÃO CONTÍNUA (Art.21.º do Decreto-Lei n.º22/2014, de 11 de fevereiro) 6 de julho de 2015 Índice 1. ENQUADRAMENTO... 5 1.1 Objetivo... 5 1.2 Contactos Úteis...

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Guia de Prova de Aptidão Profissional

Guia de Prova de Aptidão Profissional Guia de Prova de Aptidão Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos Fábio Alexandre Lemos Ferreira Fábio Cardante Teixeira 2010/2011 Índice I. Apresentação permanente do projecto...

Leia mais

GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB

GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB Plataforma Visioncast - SigmaContents GESTÃO DE CONTEÚDOS WEB Visioncast - SigmaContents - Sistema de Gestão de Conteúdos Web 1 2 IT Web Soluções / Visioncast.net Plataforma Visioncast - SigmaContents

Leia mais

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Índice :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Pág. 1 Introdução O Pocket Genbeef Base é uma aplicação

Leia mais

PortugalAves Introdução online de dados do Atlas

PortugalAves Introdução online de dados do Atlas PortugalAves Introdução online de dados do Atlas Versão 1 1 Visitas sistemáticas Introdução O PortugalAves é uma base de dados espacial na Internet sobre a ocorrência e distribuição de aves em Portugal.

Leia mais