Introdução ao Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva (IEAc) Profª. Drª. Raquel Janissek-Muniz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução ao Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva (IEAc) Profª. Drª. Raquel Janissek-Muniz"

Transcrição

1 Introdução ao Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva (IEAc)

2 Informação sistematizada: rumo à inteligência estratégica Econômico Social - Legal Ambiente social Concorrência - Mercado Fornecedores Ambiente organizacional Capacidade - Forças Fraquezas - Restrições Ambiente intraorganizacional Dados [internos e externos, formais e informais, quanti e qualitativos] INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA Processo individual e coletivo Identificar oportunidades Antecipar problemas e expectativas Schewe e Smith, 1980 Kotler, 1992 Lesca, 2003 Freitas e Janissek-Muniz, 2006

3 SISTEMA DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO decisões e comunicações necessidade e provisão infos Ambiente: fornecedores clientes concorrentes outros RUMORES CLIENTES AMIGOS INFOS INTERNAS INTELIGÊNCIA Escutar o ambiente Antenas - Radar Schewe e Smith, 1980 Kotler, 1992 Freitas e Janissek-Muniz, 2006 Capitalizar a experiência adquirida ANÁLISE Interpretação Coletiva CONSULTORES PESQUISA Conhecer o mercado MÍDIA Decisor: análise, metas, programas planejamento implementação controle

4 Inteligência Estratégica? Alguns pontos iniciais Sistema de Informação Informação: tipo especial Ambiente externo: clientes, concorrentes, fornecedores, clientes, parceiros Analisar o ambiente para melhor transformá-lo, ou para adaptar-se Apoio da Direção Geral Finalidades estratégicas Explorar os dados, encontrar os bons filões -Informações -Dados heterogêneos -Informação a descobrir Moscarola, 1997 Dimensões da informação -Interna e externa -Formal e informal -Quantitativo e Qualitativo -Disponível e não disponível -Estruturada e Não-estruturada

5 O que quer dizer Inteligência Estratégica? É a exploração de informações provenientes do ambiente externo da empresa, tendo por objetivo proteger o patrimônio e criar novas oportunidades. É um sistema que permite que todos os membros da empresa se coloquem em situação de perceber [o mais cedo possível] as novas tendências (as inovações, oportunidades, ameaças ) ligadas ao contexto, negócio, produto ou serviço da empresa, traduzindo-as em atividades gerenciais, inserindo-as no seu sistema de forma a rapidamente aplicá-las e, se necessário, adaptar-se, transformar-se.

6 A Inteligência Estratégica é normalmente realizada para ajudar a identificar ameaças e oportunidades 3,4 para ajudar no desenvolvimento de planos estratégicos 3,26 para ajudar na implementação ou ajuste de nossas estratégias 3,22 para conhecer melhor nossos concorrentes 3,2 porque nossos concorrentes fazem 2,1 Respostas sobre uma escala likert de 5 pontos Livro «L intelligence économique et stratégique dans les entreprises françaises», F. Bournois et P.J Romani, Ed Economica, 2000

7 Organização da Inteligência Estratégica 15% 8% 47% 30% En permanence De forma permanente De façon ad-hoc sur des projet précis De forma ad-hoc em projetos específicos De façon forma totalement totalmente informal informelle A Numa l'intérieur equipe d'une organizada structure organisationnelle Livro «L intelligence économique et stratégique dans les entreprises françaises», F. Bournois et P.J Romani, Ed Economica, 2000

8 Vocabulário utilizado na empresa 37% 11% 52% Intelligence économique Inteligência econômica / estratégica Intelligence compétitive, concurrentielle, stratégique Inteligência competitiva Veille Inteligência estratégica antecipativa Livro «L intelligence économique et stratégique dans les entreprises françaises», F. Bournois et P.J Romani, Ed Economica, 2000

9 Inteligência Econômica... «A Inteligência Econômica pode ser definida como o conjunto de ações de pesquisa, de tratamento, de difusão (visando sua exploração) e de proteção da informaçãoútilaosdiferentesatoreseconômicos.» Relatório Martre, 1994 (http://www.arphi.fr/martre.htm) (http://www.veilledulendemain.com/fichiers/definition_operationnelle.pdf) IE distingue-se de IEAc: Micro x Macro-econômico. São conceitos interconectados, e as práticas podem se reforçar mutuamente. Inteligência Econômica é baseada em práticas semelhantes às da Inteligência Estratégica: definem o conjunto de ações de pesquisa, de tratamento e de difusão de informação visando sua exploração; são baseadas na circulação de informação. às quais se adicionam alguns itens bem específicos: a construção de uma rede de contatos que ultrapassa os limites da empresa; a atividade de influência; a proteção do patrimônio informacional.

10 Alguns componentes Pesquisar a informação Pesquisar, tratar e divulgar a informação visando sua exploração IEA Agir sobre o ambiente Exercer uma influência sobre certos atores para influenciar o ambiente em nosso favor INTELIGÊNCIA ECONÔMICA ESTRATÉGICA Organização em rede Construir uma rede de conhecimentos além dos limites da empresa Proteger a informação Proteger sua própria informação contra os riscos de vazamento - involuntário ou não - e de espionagem

11 Qual direção? Quais limites? Inteligência Econômica Criminalidade econômica Ação de influência Lobbying Corrupção Proteção da informação Segurança Decepção econômica Desinformação Pesquisa de informação Pesquisa de informação Violência econômica Espionagem IEA Legalidade Realidade jurídica Ilegalidade

12 Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva

13 INTELIGÊNCIA A palavra «inteligência» vem do Latim e significa: - (ligere ou legere): saber escolher, saber eleger dentre diversos elementos; - (IntelLigere): saber estabelecer relações entre os elementos, para formar um conjunto significativo. INTELIGÊNCIA = faculdade de conhecer localizar comparar selecionar associar representar INTELIGÊNCIA DO AMBIENTE DA EMPRESA = Fase 1 do modelo de Processo de tomada de decisão estratégica de H. Simon

14 ESTRATÉGICA A palavra estratégica, quando aplicada a uma decisão, significa que esta decisão possui as seguintes características : - ela não é repetitiva, logo, o decisor não sabe muito bem o que fazer; - ela não pode se apoiar em modelos comprovados pela experiência; - ela pode ter consequências importantes, com riscos à organização; - ela é tomada em situação de incertezas. RELATIVIZANDO A PALAVRA ESTRATÉGIA Em Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva, a palavra estratégica é utilizada para indicar que a IEAc tem por missão fornecer aos decisores informações úteis (informações estratégicas).

15 Articulação com a estratégia Diagnóstico interno da empresa Capacidades, Forças e Fraquezas Estratégias dos Atores Internos (coleta de informações orientada para o interior da empresa) Inteligência prospectiva do ambiente Conhecimento do ambiente Nível 1 Análise do posicionamento estratégico da empresa Valores fundamentais Finalidades, Missões Posicionamento estratégico desejado e definição de objetivos gerais Concepção de estratégias possíveis para atingir estes objetivos Pesquisa de informações sobre o ambiente Conhecimento do ambiente Nível 2

16 ANTECIPATIVA QUAL É O OBJETIVO DA IEAc? PROCURAR TENDÊNCIAS (CONTINUIDADE) OU PROCURAR AS DIFERENÇAS (RUPTURAS)

17 ANTECIPATIVA Mudanças, Rupturas Previsão, Tendência O adjetivo antecipativa refere-se ao tipo das informações de IEAc. Elas permitem a criação de uma visão diferente e inovadora das oportunidades ou riscos que podem surgir, que não seriam tão evidentes sem um dispositivo de IEAc. Exteriores à empresa, elas permitem antecipar representações (interpretações) de alterações que podem ocorrer no ambiente da empresa, e inferir ações a realizar.

18 Investigar pontos de vista complementares Nuvem de Pontos Previsão x Antecipação Retrovisor x Radar Interpretação frequente Previsão / Cálculo de tendências Pontos singulares (Antecipação) Nichos de inovação Janissek-Muniz, 2004

19 Metáforas do retrovisor e do radar As metáforas do retrovisor e do radar, utilizadas para representar as informações de funcionamento e as informações de evolução na empresa, resumem o posicionamento de uma empresa no seu ambiente. O retrovisor ilustra a reação a um evento, usando informações do passado, buscando entender algo que já ocorreu para redirecionar o presente. O radar é postura pró-ativa diante das informações e escuta do ambiente. A empresa é livre na escolha de qual delas deseja priorizar. Contudo, deve estar ciente que a escolha entre uma ou outra determinará sua atuação e posição competitiva.

20 COLETIVA Inteligência Coletiva: várias pessoas de competências e áreas diversas que contribuem com parte variável de seu tempo. A questão de coletividade, em IEAc, representa um esforço fundamental, pois a pesquisa, interpretação e uso das informações não pode ser uma atividade individual. Ao contrário, exige intervenção de diversos membros da empresa em função de suas atividades, experiências e competências.

21 Porquê fazer IEAc? Adaptar a empresa às mudanças, incertezas e turbulências de seu ambiente Definir/conduzir estratégias da empresa em acordo com seu ambiente Auxiliar a empresa a integrar informações e conhecimentos em seus produtos, serviços e decisões Utilizar os recursos da empresa de forma mais adequada Alimentar diretores com informações úteis à tomada de decisão Informar o processo de decisão da empresa «informar a decisão» (a intenção de decisão precede a busca pela informação) «decidir a partir de uma informação» (a atenção precede a decisão) Antecipar mudanças para - beneficiar-se de oportunidades - proteger-se de ameaças

22 Inteligência Estratégica nossos conceitos de base Antecipar oportunidades e problemas/ameaças pela capacidade de coletar e analisar (individual e coletivamente) dados [internos e externos, formais e informais, quanti e qualitativos] para apoiar a tomada de decisão (Freitas e Janissek-Muniz, 2006). Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva (IEAc( IEAc) é um processo coletivo, proativo e contínuo, pelo qual os membros da empresa coletam (de forma voluntária) e utilizam informações pertinentes relativas ao seu ambiente e às mudanças que podem nele ocorrer, visando criar oportunidades de negócios, inovar, adaptar-se (e mesmo antecipar-se) à evolução do ambiente, evitar surpresas estratégicas desagradáveis, e reduzir riscos e incerteza em geral (Lesca, 2003).

23 Utilidade de realizar IEAc: definição da estratégia Identificar mudanças no ambiente Reduzir contexto de incerteza Apoiar a gestão da organização Estar preparado para reagir rápido e bem Identificar atores influentes Economizar recursos, pois «mais tarde é mais caro» Aumentar a capacidade de inovação da empresa Toda estratégia da empresa é baseada em limites e oportunidades que vêm do ambiente Identificar novos mercados Apoiar a tomada de decisão

24 Utilidade da IEAc: Redução da vulnerabilidade «A vulnerabilidade da empresa deve ser considerada como um conceito chave na inteligência estratégica. Ela conduz naturalmente à idéia de monitoramento, de vigília, de observação, de atenção, de pesquisa em diversas fontes A empresa não deveria mais ser surda nem cega» (Marmuse, 1992)

25 Utilidade da IEAc: Inovação «A utilidade da IEAc é essencialmente útil especialmente para empresas que buscam inovar de forma contínua Relações fortes entre Capacidade de inovar e Capacidade de escutar o ambiente externo foram confirmadas por pesquisas realizadas em empresas. Sob certas condições, o processo de inovação nasce com informações obtidas a campo, recolhidas por pessoas formadas capazes de estar atentas, de ligar informações e de alimentar um processo coletivo» Lesca e Mancret (2003)

26 Finalidades de IEAc - defensiva (reativa): antecipar o que poderia fragilizar a empresa - ofensiva (criativa): abrir novas frentes ou janelas de atividade tudo depende de escolhas no momento da definição da IEAc tudo depende da maneira como o processo de IEAc será conduzido tudo depende do estilo da organização (cultura, gerência, atuação ão) tudo depende

27 Tipos de Informações para Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva

28 Empresa adaptativa através de informações? Empresa adaptativa: informação & imaginação! Para se adaptar, a empresa deve integrar informações e conhecimentos em seus produtos, serviços e decisões Adaptação? Significa, num primeiro momento, conhecer aquilo ao qual a empresa deseja adaptar-se necessidade de coleta de informações Quanto mais informações tivermos sobre nosso ambiente melhor perceberemos as ações de nossos concorrentes melhor poderemos controlar ou adaptar-se a uma determinada situação poderemos agir mais rapidamente

29 Valor agregado A informação não se limita ao simples conhecimento do ambiente: Ela constitui a base de tudo o que envolve o produto para que este se torne utilizável De certa forma, a informação prolonga o produto! Ela constitui igualmente um ingrediente do produto. Aos componentes materiais são adicionados os componentes imateriais que são as informações! A importância da informação pode aumentar ao ponto de tornar-se, muitas vezes, o coração da atividade da empresa, onde o produto é totalmente desmaterializado. Em ambos os casos, as informações constituem o valor agregado! Esse valor varia em função da estratégia escolhida pela empresa, e constitui um forte diferenciador para se desmarcar da concorrência.

30 Tipologia da informação Informação de funcionamento (operacional) indispensável ao funcionamento diário da empresa repetitiva, formalizada facilmente localizável e rapidamente acessível Informação de influência (tática) influi sobre os autores pertinentes da empresa animação, estimulação, motivação, coordenação formal ou informal Informação de antecipação (estratégica) «antecipa» certas alterações no ambiente sócio-econômico da empresa pouco repetitiva, dificilmente acessível incerta, ambígua, fragmentada, contraditória...

31 Os fluxos de informação na empresa Fluxos de saída Fluxos de entrada Empresa Fluxos Internos

32 Tabela da informação 3 tipos de informação 3 grandes fluxos de informação Fluxo interno Fluxo de saída Fluxo de entrada Push Pull Push Pull Informações de funcionamento Informações de influência Informações de antecipação

33 Características das informações de IEAc Informações operacionais quantitativas completas confiáveis acesso fácil (fonte) formato/apresentação uniformes significado claro suportes uniformes internas Informações de IEAc qualitativas parciais incertas acesso pouco usual (quais fontes?!) apresentação variável ambíguas suportes multiformes externas Os Os sistemas sistemastradicionais tradicionaisnão nãosão sãonormalmente normalmenteadaptados adaptadosàà escuta escuta antecipativa antecipativado do ambiente: ambiente: deve-se deve-se criar criarnovos novossistemas! sistemas!

34 Problemática essencial: Qual informação devo observar? Qual informação devo comunicar? Informação pertinente? Oqueéisto?

35 O IMPORTANTE É TER A BOA INFORMAÇÃO NO BOM MOMENTO BOA INFORMAÇÃO? * informação coletada, agrupada, selecionada, verificada * enriquecida com comentários de especialistas * divulgada, podendo deflagrar certas ações BOM MOMENTO? * acesso fácil à informação * acesso rápido A boa informação não se improvisa: é necessário que as informações sejam coletadas, organizadas, exploradas, armazenadas. Isto decorre de uma atividade, de um processo bottom-up, seriamente organizado e praticado.

36 Natureza das informações Os sinais de alerta precoces ou sinais fracos são informações à caractere antecipativo relacionados ao futuro da empresa. Contribuem a imaginar o futuro de um concorrente, de uma tecnologia, de um fornecedor, etc. Os Sinais de Alerta Precoces ou Sinais Fracos são: mais extravertidos que introvertidos porque são mais ligados ao exterior da empresa que ao interior, qualitativos, raramente quantitativos, possuem uma vida útil limitada e rapidamente obsoleta, incertos, imprecisos e incompletos (somente possuem sentido se unidos uns aos outros, assim como um quebra-cabeça), originais de diversas fontes. Os decisores não são habituados a este tipo de informação!!

37 DOIS TIPOS DE INFORMAÇÕES ANTECIPATIVAS INFORMAÇÕES DE PERFIL OU DE POTENCIAL potencialmente susceptíveis de influenciar uma decisão SINAIS DE ALERTA PRECOCES (indícios) OU SINAIS FRACOS sinais anunciadores de mudanças, que dão a entender que algo poderia ser feito, no momento adequado, para o ator considerado Situação financeira sólida Crescimento econômico Capacidade de autofinanciamento Competências Rede de distribuição... Contratações específicas Interesse forte pela qualidade Inovação Projeto de desenvolvimento do cliente Parcerias da concorrência com uma equipe de pesquisa (P&D)

38 Intensidade do sinal forte Anúncio na imprensa especializada Exemplo Lançamento de um novo produto: EVENTO Contratação de um engenheiro altamente especializado fraca Contrução de novos estabelecimentos T-3 T-2 Natureza dos sinais: ambíguos, fragmentados, de diferentes fontes de info. T-1 T Tempo

39 Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva: Ambiente da empresa

40 IEAc: Qual ambiente? Externo Ambiente global Ambiente específico Empresa

41 Ambiente da organização? Ambiente atual (!) Fornecedores Os produtos EMPRESA (organização) Os procedimentos e tecnologias Os poderes públicos Conhecido? De fato? O MERCADO concorrentes clientes Os grupos de pressão (agindo sobre o político, o econômico, o social) Ambiente Previsional (?)

42 O ambiente específico CONCORRENCIAL ENTRANTES POTENCIAIS FORNECEDORES FORNECEDORES Poder de negociação de fornecedores Ameaça dos produtos ou serviços de substituição CONCORRENTES DO SETOR Rivalidade entre as firmas existentes Ameaças e novos entrantes Poder de negociação dos clientes CLIENTES COMERCIAL PRODUTOS DE SUBSTITUIÇÃO TECNOLOGIA

43 Qual ambiente? personalizado O ambiente da empresa não é um conceito abstrato ou um objeto estático. Ele é constituído de atores atuantes. Esses atores são normalmente conhecidos pelos responsáveis da empresa, e fazem parte do seu quotidiano. Por exemplo : Os concorrentes, Os clientes, Os fornecedores, Os parceiros, Os investidores, Os poderes públicos, Os grupos de pressão, etc. O ambiente pode ser -«real» - percebido - desejado Ambiente ALVO

44 Ambiente alvo? O ambiente alvo é composto por pessoas ou entidades nominalmente designáveis. O ambiente será delimitado de forma operacional no momento de especificar o alvo de um processo de IEAc. O ambiente alvo será composto por uma quantidade relativamente reduzida de atores (pessoas ou entidades).

45 Informação antecipativa: obtida a campo (ambiente externo) Informação antecipativa é normalmente obtida a campo no ambiente exterior à empresa * Uma «informação obtida a campo» é uma informação de «primeira mão», que foi observada por uma pessoa na ocasião de um deslocamento sobre um determinado lugar. * Ela pode resultar de uma observação visual, ou de uma frase escutada, ou de uma sensação ao tocar algo, de um cheiro, de um gosto * Uma «informação obtida a campo» resulta da percepção de uma pessoa. Captá-la requer que a pessoa esteja naquele lugar, e não dentro da sua empresa. Ela difere totalmente de uma informação documentada que teria sido lida em uma mídia qualquer. * Uma informação obtida a campo será sempre informal na sua origem.

46 Fontes de informação formais Imprensa (jornais, revistas, televisão, cinema, rádio), Publicações científicas e técnicas, Publicações da empresa (relatório anual, ofertas de empresa ), Banco de dados, Marcas e patentes, Sociedades de serviço e conselho, Tribunais de comércio, cadastro e hipotecas, Bancos, Internet.

47 Fontes de informação informais Produtos concorrentes, Fornecedores, sub fornecedores, Clientes, Missões e viagens de estudos, Exposições e salões, Seminários, congressos ou eventos de toda natureza, contatos pessoais, etc, Contratos de pesquisa, dissertações/teses de estudantes, Candidatos a um cargo, Negociações comerciais, Outras fontes externas (bancos, associações de empresas em projetos, capital de risco ), Fontes internas da empresa, Internet.

48 Mudanças no Ambiente Um dos objetivos da IEAc é informar a respeito das mudanças que podem ocorrer no ambiente alvo da empresa. As mudanças possíveis podem ser de naturezas diversas * Mudanças progressivas, contínuas (a partir de fatos do passado) * Mudanças descontínuas (não ligadas ao passado) mas pouco surpreendentes * Mudança do tipo ruptura com o passado

49 Mudanças no Ambiente: Incertezas Mudanças no ambiente da empresa podem ocorrer a diversos ritmos * Mudança lenta * Mudança acelerada mas numa direção previsível * Mudanças numerosas, desordenadas e em todas as direções (situação caótica) Descontinuidades, rupturas, aceleração, caos são características de um ambiente incerto que pode caracterizar o ambiente da empresa no qual decisões estratégicas deverão ser tomadas

50 Múltiplas Facetas da IEAc IEAc tecnológica IEAc competitiva IEAc comercial IEAc fornecedores IEAc de regulamentos, normas e leis IEAc de aquisição IEAc dos poderes públicos A ESCOLHA DE UMA OU MAIS DENTRE ELAS DEVE SER FEITA DE FORMA SENSATA, COM BASE EM CRITÉRIOS E ARGUMENTOS IEAc política IEAc de parcerias (alianças)

51 Exemplo IEAc Comercial Uma abordagem inteligente de clientes potenciais Objetivo: antecipar para identificar novos negócios detectar clientes potenciais encontrar pontos de entrada para o contato definir ações objetivas e específicas para a aproximação do cliente dispor de informações úteis buscando sucesso no contato suscitar contatos com clientes potenciais apreender as necessidades latentes do cliente potencial buscar agregação de valor conforme perfil do cliente

52 Ambiente, Informação, Decisão Necessidade Necessidadeem em inteligência inteligênciaestratégica estratégica IEA IEA Alvo no ambiente Capacidades Capacidadescoletivas coletivas do do tratamento tratamentoda da informação informação (S.I.) (S.I.) os os atores atoresinfluentes do do ambiente ambiente informações informaçõesexternas externas representações representações antecipativas antecipativaspara para ação ação umaaprendizagem umaaprendizagem organizacional organizacional Seleção de informações de VS Circulação de informações Exploração de informações membros membrosda da organização organização meios meiosorganizacionais organizacionais tecnologias tecnologiasde de informação informação Difusão Ação

53 Em relação a IEAc, qual é a situação da minha empresa? Incertezas do meu ambiente Vontade estratégica da minha empresa Necessidade de IEAc Capacidade de IEAc Tipo de IEAc Atitude dos responsáveis

54 Em relação a IEAc, qual é a situação da minha empresa? Atitude dos diretores relacionada à informação de IEAc Atitude dos membros da empresa relacionada à informação de IEAc Capacidade de IEAc Organização do suporte ao processo de IEAc

55 Diagnóstico IEAc Exemplo de diagnóstico Domínio Esforço prioritário Deve progredir Satisfatório Comercial Competitiva Tecnológica Estilo de direção Formalização Fontes de info. Transmissão de info. Uso da informação Motivação

56 Problemática Especificidades das informações de IEAc Natureza da tarefa a efetuar Falta de métodos Dificuldade em explorar informações - Perda de informações (infos tornam-se obsoletas) - Não identificação de oportunidades ou ameaças a tempo - Custos inúteis - Equipe desmotivada

57 Inteligência Estratégica Antecipativa e Coletiva: Métodos para operacionalizar o processo de inteligência nas organizações

58 Ambiente, Informação, Decisão Necessidade Necessidadeem em inteligência inteligênciaestratégica estratégica IEA IEA Alvo no ambiente Capacidades Capacidadescoletivas coletivas do do tratamento tratamentoda da informação informação (S.I.) (S.I.) os os atores atoresinfluentes do do ambiente ambiente informações informaçõesexternas externas representações representações antecipativas antecipativaspara para ação ação umaaprendizagem umaaprendizagem organizacional organizacional Seleção de informações de VS Circulação de informações Exploração de informações membros membrosda da organização organização meios meiosorganizacionais organizacionais tecnologias tecnologiasde de informação informação Difusão Ação

59 Representação morfológica da IEAc ENTRADAS dadosbrutos/ informações PROCESSO atividades SAIDAS produtos e serviços de inteligência De quais tipos de recursos de informação dispomos? Quais tipos de recursos de informação privilegiamos? atual / estruturada documentada / relacional qualitativa / quantitativa primária / secundária certa / incerta ambígua / clara fatual / sensorial fatal / interessante / crítica / útil retrospectiva / atual / prospectiva / antecipativa sinal fraco / sinal de alerta precoce Quais tipos de recursos de informação deveríamos privilegiar para elaborar os produtos e serviços de inteligência esperados? De quais tipos de recursos de informação deveríamos dispor para elaborar os produtos e serviços de inteligência esperados? Quais produtos e serviços de inteligência pode-se elaborar com os recursos de informação disponíveis privilegiados para uso? (g) Difusão / Acesso (1) Processo de transformação (e) Memória (i) Animação (F) Exploração (h) Uso para Ação (d) Circulação (a) Alvo (c) Seleção (b) Coleta Quais tipos de informação deveríamos utilisar se tivermos como intenção elaborar um certo tipo de produto ou serviço de inteligência? Quais produtos e serviços de inteligência elaboramos com esses tipos de recurso de informação? Uma informação especificamente definida Uma coleção de informações especificamente definidas Um estado da arte sobre um assunto Um estudo de mercado Uma análise Uma representação visual Quais produtos e serviços de inteligência desejaríamos elaborar / esperamos? NLesca e Caron-Fasan, 2005

60 espaço Dimensões Espaço x Tempo externo «Observatório» Panorâmica passado Retrospectiva 0 Antecipativa futuro tempo interno LESCA

61 Terminologias associadas à IEAc Longo prazo Social / Economic Intelligence IEAc Environmental Scanning Tempo de Realização Business Intelligence Competitive Intelligence + IEA Technologic Competitor Intelligence Curto prazo Reduzida Dimensão da coleta de informação Extensa

62 Tipologia Termo utilizado pelos autores para qualificar o tipo de inteligência Autor histórico Publicações identificadas Business intelligence Business intelligence Business environmental scanning Business scanning Intelligence program Automação Greene (1966) Kefalas e Shoderbeck (1973) Calori (1989) Fuld (1991a) Environmental scanning Veille technologique Environmental scanning Mixed-scanning Organisational intelligence Multinational scanning Environmental analysis Corporate intelligence Global scanning Monitoring the environment Documentation Veille technologique Veille Information scanning Ambiente Novas TI Aguilar (1967) Etzioni (1967) Wilensky (1967) Keegan (1974) Diffenbach (1983) Tomioka (1990) Davison (1991) Bright (1970) Jakobiak (1991) Lainée (1991) Dou et al. (1995) Vandenbosch e Huff (1997) Veille stratégique Competitor intelligence Strategic information scanning system Strategic scanning Management stratégique de l information Surveillance de l environnement Chief executive scanning Veille stratégique Antecipação Vigilence Strategic environmental scanning Strategic intelligence system Intelligence stratégique Veille anticipative stratégique-intelligence collective VASIC Business competitor intelligence Competitor intelligence Competitor analysis Inteligência Indivíduo Aacker (1983) El Sawy (1985) Lesca (1986) Marteau e Lesca (1986) Daft et al. (1988) Calori et al. (1988) Walls et al. (1992) Stoffels (1992) Montgomery et Weinberg (1998) Revelli (1998) Lesca (2003) Sammon et al. (1984) Fuld (1985) Goshal et Westney (1991) Competitive intelligence Competitive analysis Competitive intelligence Veille prospective Veille concurrentielle Inteligência dos concorrentes Prescott et Smith (1987) Goshal (1988) Antoine (1992) Delbes (1995) Social intelligence Social intelligence Techno-economic intelligence Intelligence économique Dedijer et Jéquier (1987) Radosevic (1991) Inteligência Martre (1994) Profª. Drª. Social Raquel Janissek-Muniz 5 1 5

63 VIGILÂNCIA EXPLORAÇÃO PESQUISA COLETA DIFUSÃO TRATAMENTO ANALISE/ VALIDAÇÃO UTILIZAÇÃO JAKOBIAK 4S, 1992 STRUCTURE DE SURVEILLANCE SECTORIELLE SYSTEMATIQUE (REDE 1) REDE DE ESPECIALISTAS DA INFORMACAO DOCUMENTADA (BIBLIOTECARIAS por exemplo) O TRATAMENTO PODE SER FEITO PELAS REDES 1 E 2 REDE DE EXPERTS DO ASSUNTO (REDE 2) RESPONSAVEIS, DECISORES (REDE 3) ESTRATEGIA POLITICA DE PROPRIEDADE POLITICA DE P&D INDUSTRIAL

64 GILAD & GILAD, 1988 ALVOS DA INTELIGENCIA COLETA AVALIACAO ESTOQUE ANALISE DIFUSAO FORMULACAO DA ESTRATEGIA

65 SCANNING BEHAVIOR (ELENKOV, 1997) DEGREE OF CALCULATIVE STRATEGIC DECISION MAKING ENVIRONMENTAL UNCERTAINTY PERCEPTION SCANNING FREQUENCY STRATEGIC UNCERTAINTY ENVIRONMENTAL CONSTRAINTS PERCEIVED SECTOR IMPORTANCE USE OF SCANNING MODE

66 SCANNING BEHAVIOR (O SAWYERR, 1993) OBJECTIF ENVIRONMENTAL PERCEPTION OF HIGHT SECTOR UNCERTAINTY PERCEPTION OF LOW SECTOR UNCERTAINTY HIGHT SECTOR SCANNING FREQUENCY AND INTREST INCREASE USE OF EXTERNAL AND PERSONAL SOURCES OF INFORMATION LOW SECTOR SCANNING FREQUENCY AND INTREST NO DISCRIMINATION IS THE SOURCES UTILIZED

67 UN MODELE D INTEGRATION DE L INTELLIGENCE COMPETITIVE INDIVIDUELLE ET ORGANISATIONELLE GIBBONS & PRESCOTT, 1996 A INDIVIDUAL COMPETITIVE INFORMATION NEEDS E INDIVIDUAL INFORMAL COMPETITIVE INTELLIGENCE * GATHERING * ANALYSIS C ORGANIZATION STRUCTURE AND CULTURE F ORGANIZATIONAL COMPETITIVE INTELLIGENCE INTEGRATION MECANISMS G PERCEIVED EFFECTIVENESS OF COMPETITIVE INTELLIGENCE H INTELLIGENCE DEVELLOPMENT NEEDS B ORGANIZATIONAL COMPETITIVE INFORMATION NEEDS D ORGANIZATIONAL FORMAL COMPETITIVE INTELLIGENCE * GATHERING * ANALYSIS

68 CHOO, 2002 INFORMATION NEEDS - IDENTIFY WHO THE USERS ARE - UNDERSTAND WHEN INFORMATION USE ENVIRONMENT INFORMATION ORGANIZATION AND STORAGE - CENTRALIZED DATA BASE OF THE SYSTEM - ORGANIZED TO FACILITATE SEARCHING AS WELL AS BROWSING INFORMATION ACQUISITION - INFORMATION GATHERING - DISTRIBUTED BUT CENTRALY COORDINATED INFORMATION PRODUCTS DISSEMINATION - RELEVANT CONTENT - VALUE ADDED SERVICES - DISSEMINATION CHANELS INFORMATION USE - SENSEMAKING - KNOWLEDGE CREATING - DECISION MAKING ADAPTATIVE BEHAVIOR

69 PROCESSUS DE SURVEILLANCE DE L ENVIRONMENT (THIETART, 1984) ENVIRONNEMENT COLLECTE DE L INFORMATION ANALYSE ET TRAITEMENT DE L INFORMATION COMMUNICATION DE L INFORMATION STRATEGIQUE DECIDEUR 1 DECIDEUR 2 DECIDEUR 3 IDENTIFICATION DE L INFORMATION NECESSAIRE

Inteligência Estratégica

Inteligência Estratégica Inteligência Estratégica Henrique Freitas & Raquel Janissek-Muniz PPGA/EA/UFRGS SPHINX Brasil E-mail: inteligencia@sphinxbrasil.com Pesquisa: http://gianti.ea.ufrgs.br Soluções: http://www.sphinxbrasil.com/inteligencia

Leia mais

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico

Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Praticando o Conceito de Inteligência Estratégica Antecipativa (IEA) em uma Empresa de Software Médico Pedro Freitas pedrof86@terra.com.br Henrique Freitas hf@ea.ufrgs.br Raquel Janissek-Muniz rjmuniz@ea.ufrgs.br

Leia mais

http://www.ieabrasil.com.br

http://www.ieabrasil.com.br http://www.ieabrasil.com.br Desenvolvimento da capacidade de antecipação pela identificação e captação de indícios antecipativos em contexto de Inteligência Estratégica Antecipativa Raquel Janissek-Muniz

Leia mais

INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA ANTECIPATIVA E COLETIVA Conceitos e procedimentos para implantação em empresas

INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA ANTECIPATIVA E COLETIVA Conceitos e procedimentos para implantação em empresas INTELIGÊNCIA ESTRATÉGICA ANTECIPATIVA E COLETIVA Conceitos e procedimentos para implantação em empresas Humbert LESCA Professeur Emérite Université Pierre Mendès France Laboratoire CERAG UMR 5820 CNRS

Leia mais

Inteligência Competitiva II

Inteligência Competitiva II Inteligência Competitiva II P R O F A L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Contexto de Surgimento Tomada de

Leia mais

As Faces da Inteligência: como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional

As Faces da Inteligência: como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional As Faces da Inteligência: como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional *Daniela Ramos Teixeira A aplicabilidade da Inteligência não deve se limitar a grandes organizações. É essencial

Leia mais

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões

Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões Utilizando a Inteligência Competitiva para Tomar Decisões São Paulo, 9 de outubro de 2006. 0 Apresentação da MKM Consulting 1 Mauro Martins Sócio Diretor da MKM Consulting MKM Consulting Mauro Martins

Leia mais

As Faces da Inteligência: como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional

As Faces da Inteligência: como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional As Faces da : como direcionar a sua organização e definir o perfil profissional *Daniela Ramos Teixeira A aplicabilidade da não deve se limitar a grandes organizações. É essencial que cada empresa, seja

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva PROFA. LILLIAN ALVARES FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA 2 Encontrando o que você precisa, usando o que você conhece A inteligência competitiva gerenciando o conhecimento estratégico

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento Como e por que aumentar a Potência de Aprendizagem nas organizações. Filipe M. Cassapo, Gerente de TI, SIEMENS, Filipe@siemens.com Competição e ciclos

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 05 ASSUNTO DO MATERIAL DIDÁTICO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 26 à 30 1 AULA 05 DESAFIOS GERENCIAIS DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

e-business Novas Tendências Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH

e-business Novas Tendências Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH Tecnologias da Informação com aplicabilidade ao RH e-rh / Recursos Humanos Virtual Novas Tendências Como já foi visto com o advento da globalização e do crescimento da tecnologia e a difusão da Internet,

Leia mais

Caixa de ferramentas de Inteligência Competitiva para monitorização, recolha e tratamento de informação aberta na Web

Caixa de ferramentas de Inteligência Competitiva para monitorização, recolha e tratamento de informação aberta na Web Caixa de ferramentas de Inteligência Competitiva para monitorização, recolha e tratamento de informação aberta na Web Ruben Eiras Inovação, Desenvolvimento e Sustentabilidade 5 de Dezembro de 2012 Definição

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing CONCEITOS INICIAIS Prof. Daciane de Oliveira Silva Fonte: MALHORTA, Naresh K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. MATTAR, Fauze Najib.

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DA GESTÃO ESTRATÉGICA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Abrange três componentes interdependentes: a visão sistêmica; o pensamento estratégico e o planejamento. Visão Sistêmica

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Vigilância Tecnológica

Vigilância Tecnológica Vigilância Tecnológica Filipe Duarte, 2010 1 Objectivo Conhecer as bases para implementar um sistema de vigilância tecnológica (SVT) 2 O que É? Um sistema de vigilância tecnológica (SVT) é uma ferramenta

Leia mais

O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização

O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização 22 de julho de 2011 O papel da Auditoria quanto a Segurança da Informação da organização Francisco Fernandes Superintendente Geral de Auditoria de TI Banco Safra Sistema Financeiro Nacional Fonte: Banco

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

Service line strategies

Service line strategies Service line strategies Estratégias de Negócios em Serviços de Saúde Como implantar as estratégias que envolvem serviços médicos em Hospitais Eduard Portella Sao Paulo 31 março, 2011 Antares Consulting

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ELICITAÇÃO

INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ELICITAÇÃO INTELIGÊNCIA COMPETITIVA ELICITAÇÃO Sobre Edson Ito Diretor do Board da SCIP Consultor, Palestrante, Instrutor, Professor. Experiência desde 1996 na Motorola, Ericsson, Embraer, Givaudan e Intelligencia:

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Inteligência Estratégica Antecipativa: uma ação empresarial coletiva e pró-ativa

Inteligência Estratégica Antecipativa: uma ação empresarial coletiva e pró-ativa Inteligência Estratégica Antecipativa: uma ação empresarial coletiva e pró-ativa Humbert Lesca (humbert.lesca@esa.upmf-grenoble.fr) Professor, CERAG/ESA/UPMF (Grenoble, França) Raquel Janissek-Muniz (janissek@libertysurf.fr)

Leia mais

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas Política de segurança de : White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Preparação Criar declarações de política de uso Realizar uma análise de risco Estabelecer uma Estrutura de Equipe de Segurança

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Inteligência Competitiva: Relações com a Gestão do Conhecimento e Prospecção Científica e Tecnológica. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos

Inteligência Competitiva: Relações com a Gestão do Conhecimento e Prospecção Científica e Tecnológica. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Inteligência Competitiva: Relações com a Gestão do Conhecimento e Prospecção Científica e Tecnológica Jornada de Prospectiva e Gestão de Conhecimento Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Dezembro 2002

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Cada empresa é uma empresa de informação. Não

Cada empresa é uma empresa de informação. Não Gestão da Informação Corporativa OpenText Desligue o seu celular e o seu computador. Desligue os seus servidores. E agora você consegue fazer negócios? Cada empresa é uma empresa de informação. Não importa

Leia mais

Agenda. Introdução. Escala de Likert. Pesquisa de clima. Monitoramento do clima

Agenda. Introdução. Escala de Likert. Pesquisa de clima. Monitoramento do clima Pesquisa de Clima Agenda Introdução Escala de Likert Pesquisa de clima Monitoramento do clima Introdução Cultura organizacional: Toda organização tem sua cultura, que é formada pelos seus valores, costumes

Leia mais

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009

EVENTOS 2009 ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Ruth Goldberg. 04 de junho de 2009 Responsabilidade Social Empresarial em Empresas Construtoras case Even Ruth Goldberg 04 de junho de 2009 Alinhando conceitos: SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E C O N Ô

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas

Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Roteiro para Análise de Projetos de Pesquisas Científicas Quantitativas Comitê de Ética em Pesquisa Universidade de Caxias do Sul Sumário da Reunião de Educação Continuada sobre Ética em Pesquisa realizada

Leia mais

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt*

Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Como trabalhar com voluntários na captação de recursos Andrea Goldschmidt* Quando falamos de captação de recursos para uma organização, podemos estar falando em captação de dinheiro, de materiais, de produtos,

Leia mais

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados.

07/06/2014. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. Segunda Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2014 Todos direitos reservados. 1 Conceituação, análise, estruturação, implementação e avaliação. 2 Metodologia é sempre válida: Proporcionando aos executivos

Leia mais

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1

Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Monitoração Ambiental e Uso de Fontes de Informação no Setor de Saúde: Estudo de Caso de uma Cooperativa Médica 1 Cristiana Elisa Aguiar Ribeiro (UFMG) Jaime Sadao Yamassaki Bastos (IBMEC-MG) Resumo: Este

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA 5 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS 7 INTRODUÇÃO AO GERENCIAMENTO DE PROJETOS TREINAMENTOS MAGAZINE 3 WORKSHOP INTERNACIONAL DE LIDERANÇA Líderes eficazes devem encontrar maneiras de melhorar o nível de engajamento, compromisso e apoio das pessoas, especialmente durante os períodos

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas Competitiva Melhores Práticas A consolidação e a convergência estão intensificando a concretização de operações de - FA (tradicionalmente conhecidas como MA mergers and acquisitions) considerada uma das

Leia mais