Modulação Digital em Banda Passante

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modulação Digital em Banda Passante"

Transcrição

1 Modulação Digital em Banda Passante Luis Henrique Assumpção Lolis 27 de maio de 2014 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 1

2 Conteúdo 1 Introdução - Modulação Digital em Banda Passante 2 Transmissão em passa faixa 3 Chaveamentos binários PSK e FSK Detecção coerente 4 Modulações M-árias Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 2

3 Sumário 1 Introdução - Modulação Digital em Banda Passante 2 Transmissão em passa faixa 3 Chaveamentos binários PSK e FSK Detecção coerente 4 Modulações M-árias Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 3

4 Ciclo da comunicação digital Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 4

5 A continuação da modulação pulsada O sinal em banda base, quantizado, codificado em linha e com um pulso de forma especifica passa a ser o sinal de referência que altera as características da portadora: Em fase: PSK (Phase Shift Keying) e CPM (Continuous Phase Modulation) Em frequência: FSK (Frequência Shift Keying) Em amplitude: ASK (Amplitude Shift Keying) Em amplitude e fase: QAM (Quadrature Amplitude Modulation) Para que não seja necessário encontrar a fase inicial do sistema (rotação da constelação), existe as modulações que permitem demodulação não coerente (os pontos de comparação não são absolutos como definidos no capítulo anterior): Fase diferencial: DPSK (Differential Phase Shift Keying) e CPM FSK ASK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 5

6 A modulação digital como um vetor em banda base A modulação em quadratura de sinais em bases ortogonais: s m (t) = I cos(ωt) Q sen(ωt) Transmissão de um sinal de quadratura em banda base para uma portadora: s BB(t) = I + jq A c (t) = e jω0t s m (t) = Re { e jω0t (I + jq) } s m (t) = I cos(ωt) Q sen(ωt) Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 6

7 Constelação O sinal em banda base é um sinal complexo, que tendo parte real e imaginária pode ser visto em uma base ortogonal real e imaginário, o sinal I e Q. Essa representação chama-se constelação. No caso de 2-PAM, só existe a via I. Já o sinal QPSK (quadrature phase shift keying)=4 fases diferentes. Então o módulo de I + jq é igual a 1. Q Q 2 -A A I 2 2 I 2 Constelação 2-PAM Constelação QPSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 7

8 Sumário 1 Introdução - Modulação Digital em Banda Passante 2 Transmissão em passa faixa 3 Chaveamentos binários PSK e FSK Detecção coerente 4 Modulações M-árias Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 8

9 Transmissor em conversão direta e canal Sinal complexo deslocado para a direita e tomando a parte real. O sinal em RF é um sinal REAL, chamado de sinal passa-faixa. Considerando um canal linear, o sinal recebido sofre uma perda e recebe ruído. x(t) = A c g(t) + w(t). Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 9

10 Receptor em conversão direta Um filtro reduz o ruído na entrada do receptor e as vias I e Q são convertidas de volta para a banda base e depois filtradas em banda base (filtro casado). Quando há a necessidade de sincronizar o receptor com o transmissor para encontrar os pontos ideais na constelação, chamamos isso de detecção coerente e o receptor receptor coerente. Quando a codificação é diferencial os pontos em absoluto da constelação não importam, e sim as transições. Nesse caso não há a necessidade de sincronismo. Nesse caso temos uma detecção não coerente e um receptor não coerente. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 10

11 Sumário 1 Introdução - Modulação Digital em Banda Passante 2 Transmissão em passa faixa 3 Chaveamentos binários PSK e FSK Detecção coerente 4 Modulações M-árias Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 11

12 Introdução O bit 0 e o bit 1 podem alterar uma portadora em três frentes: Amplitude ASK: Oscila quando tem o bit 1 e não oscila quando tem o bit 0. Multiplica a portadora por 0 ou 1. Fase PSK: A fase da portadora se desloca 180 o com o 0 (multiplicação por -1) e não varia a fase com o 1 (multiplicação por 1 ). Frequência FSK: A frequência da portadora acelera com o 1 e se reduz com o 0 de acordo com um coeficiente de variação de frequência. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 12

13 Ilustração Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 13

14 BPSK Constelação (só tem a parte real). s 1 BB (t) = +1 (fase zero). s 0 (t) = 1 A c cos(2πf c t) s 0 BB (t) = 1 (fase π). s 0 (t) = 1 A c cos(2πf c t) = A c cos(2πf c t + π) Q I A c = Eb 2T b Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 14

15 FSK O sinal em banda base gira para a direita (bit 1 ) ou esquerda (bit 0 ). θ BB (t) = t s BB (t) = 1 ± fdt O sinal s BB complexo= s B B(t) = e ±j2π f t O sinal modulado em quadratura quando do bit 1 s 1 (1) = R { A c e j2πf 0t e +j2π t} = A c cos(2π(f 0 + f)t) bit 0, s 2 (t) = R { A c e j2πf 0t e j2π t} = A c cos(2π(f 0 f)t) Q s BB ( t) θ BB ( t) I Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 15

16 Receptor de correlação A máxima correlação se dá quando se multiplica um sinal por ele mesmo. Cada tipo de símbolo possível é uma via de multiplicação. A análise é feita de 0 t T B. O resultado do produto é integrado. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 16

17 Receptor de correlação BPSK e FSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 17

18 SNR de pico, E B /N 0 e BER A energia do bit só depende da portadora E b = A 2 c/2 T b Vamos supor que o bit 1 foi enviado, então H 1 : x(t) = s 1 (t) + w(t) O valor esperado na saída da soma a V.A. L, E[L H 1 ] = E b (1 ρ) onde ρ é o coeficiente de correlação. Com H 0 o valor esperado fica E[L H 0 ] = E b (1 ρ) A variância de L fica: VAR[L] = N 0 E b (1 ρ) ( ) Eb (1 ρ) L é uma V.A. gaussiana e o erro fica = Q N 0 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 18

19 SNR de pico, E B /N 0 e BER O BER do PSK s 0 (t) = s 1 (1), ρ = 1 sinais antipodais ( ) 2Eb ) BER = Q N 0 Igual 2-PAM em banda basa, pois o produto do sinal modulado por cos(2πf 0 t) dá o NRZ em BB. O BER do FSK Qual é a correlação de sinais de frequências diferentes? ρ = 0. Sinais ortogonais. ( ) Eb ) BER = Q. N 0 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 19

20 FSK de fase contínua CPFSK Continuous Phase Frequency Shift Keying A fase do novo ciclo que gera a frequência f toma em consideração a fase no final do ciclo anterior. A frequência sendo a derivada da fase no tempo: f = dφ(t)/(2π dt) φ(t) = φ(0) ± πh t T b Então f = h 2T b No caso particular de h = 1/2 o deslocamento de fase ao longo de T b fica ±π/2. Esse caso particular é o MSK (minimum frequency shift keying). Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 20

21 FSK de fase contínua CPFSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 21

22 Detecção coerenet CPFSK e BER Considerando as vias I e Q da banda base complexa. s BB (t) = e ±j(π/(2t b)t+φ(0)) ( ) ( ) ±π ±π I BB (t) = cos t + φ(0) Q BB (t) = sen + φ(0) 2T b 2T b O sinal em banda passante complexo: s(t) = A c I BB (t) cos(2πf 0 t) A c Q BB (t) sen(2πf 0 t) Analisando os ciclos inteiros e considerando o ruído: ( ) x(t) = ( ) ±π ±π ±A c cos t cos(2πf 0 t)±a c sen sen(2πf 0 t)+w(t) 2T b 2T b Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 22

23 FSK de fase contínua CPFSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 23

24 FSK de fase contínua CPFSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 24

25 BER do CPFSK Nesse caso segue a expressão com ρ = 1 ( ) 2Eb ) BER = Q N 0 Mesma probabilidade de erro do PSK coerente com uma ocupação de banda muito menor. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 25

26 Resumo da recepção coerente PSK, FSK e CPFSK binário Recuperação da portadoras. Circuito de sincronização. Cálculos de correlação. Pode corrigir erro de fase mas continua sensível a erro de frequência. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 26

27 Detecção FSK não coerente Trabalha com a variação da constelação e não com os valores absolutos. Não precisa da recuperação da portadora. Perda de desempenho na curva BER E b /N 0 Parecido com o receptor de correlação sem considerar a fase, somente a energia. Aplicação de detector de envoltória. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 27

28 Detecção FSK não coerente Trabalha com a variação da constelação e não com os valores absolutos. Aplicação do filtro casado em banda passante. f i (t) = cos(2πf i t)g(t). A operação de convolução não se importa com a fase inicial nesse caso. Aquele que na saída do filtro der a maior envoltória, ganha. O filtro em RF gera grande custo e portanto esse receptor não é prático. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 28

29 BER Detecção FSK As V.A.s l 1 e l 2 não têm distribuição Gaussiana. 2E s i (t) = T cos(2πf it + φ), 0 t T, i = 0, 1 φ é desconhecida e constante. Consideramos dois filtros uma para cada frequência. O ruído é branco gaussiano com DEP N 0 /2. Assumindo que um zero foi enviado o sinal está é s 0, na frequência f 1 existe somente o ruído branco gaussiano. A saída do detector de envoltória e a decisão em l 1 é o envelope de uma gaussiana, ou seja, uma distribuição de Rayleigh. p(l 1 s 0 ) = l 1 σ 2 0 exp ( l 1 2σ 2 0 ) l l 1 < 0 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 29

30 BER Detecção FSK Já se s 0 foi enviado, a saída l 0 contém o cosseno à uma fase aleatória mais o ruído branco gaussiano. A saída do filtro é uma distribuição de Rice p(l 0 s 0 ) = l 0 σ 2 0 exp [ (l2 0 + A2 ) 2σ 2 0 ] I 0 ( l0 A σ 2 0 ) l l 1 < 0 Onde A = 2E/T b, e I 0 é a função de Bessel modificada de primeira ordem. Com os testes de hipóteses e com uma aproximação das integrais que representam as F.D.As das distribuições, a probabilidade de erro fica: BER = 1 ( 2 exp E ) b 2N 0 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 30

31 Chaveamento de fase diferencial DPSK A informação dos bits está na transição de fase e não na fase em absoluto. Assim a fase não precisa indicar o bit e não precisa ser identificada. Existe a demodulação coerente de um sinal DPSK mas não se ganha em desempenho, na verdade se perde, e ainda por cima se mantém a complexidade do demodulador. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 31

32 Detecção não diferencial coerente do DPSK Nesse caso se perde desempenho mas se simplifica o demodulador. Multiplica o sinal com uma versão atrasada dele. Se não houver avanço de fase o produto dará uma integral positiva (cossenos de mesma fase). Senão o produto terá integral negativa (cossenos de fase invertida). Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 32

33 BER da detecção não diferencial coerente do DPSK 2E x 0 (t) = T cos(2πf 0) 2E x 1 (t) = T cos(2πf 0 + π) Como a codificação é diferencial temos que analisar os pares x 0 e x 1. s 1 (t) = (x 0, x 0 ) ou x 1, x 1 de 0 t 2T b s 0 (t) = (x 0, x 1 ) ou x 1, x 0 de 0 t 2T b Agora a análise é considerando dois períodos. Sendo s 0 (t) e s 1 (t) ortogonais, o receptor fica semelhando ao não coerente FSK, mas com sinais que tem intervalo de 2T b gastando o dobro da energia para um símbolo. BER = 1 ( 2 exp E ) b N 0 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 33

34 Sumário 1 Introdução - Modulação Digital em Banda Passante 2 Transmissão em passa faixa 3 Chaveamentos binários PSK e FSK Detecção coerente 4 Modulações M-árias Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 34

35 Introdução Nessa etapa o sinal em banda base pode ter componentes em fase e em quadratura. A detecção coerente é feita com um demodulador em quadratura. O sinal modulado em banda base pode ter variação de fase, amplitude ou ambas. Os diferentes sinais serão s 1 (t), s 2 (t),... s M 1 (t) e cada sinal poderá carregar mais de um bit de informação e tem a duração do símbolo T. Tendo M símbolos diferentes, cada símbolo carrega n = log 2 M bits por símbolo. O símbolo contendo n bits, T = nt b. A energia do símbolo sendo também maior que a energia do bit, em média E = ne b Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 35

36 As diferentes constelações M-árias Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 36

37 Q-PSK 2E s i (t) = [2πf T cos c t + (2i 1) π ], 0 t T 4 0, fora i=1,2,3,4. Coordenadas para modulação em quadratura: 2E I = ± T cos(π/4) e Q = ± 2E T sen(π/4) Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 37

38 Conversão serial paralelo Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 38

39 Transmissor e receptor coerente QPSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 39

40 Probabilidade de erro em Q-PSK Sinais I e Q na saída do integrador (ou filtro casado): l 1 = ± 1 2 A ct + l 2 = ± 1 2 A ct + T 0 T 0 w(t) cos(2πf c t)dt w(t) sen(2πf c t)dt Os valores esperados de L 1 e L 2 : E[L 1 ] = E[L 2 ] = ± A ct 2 As variâncias de L 1 e L 2 : VAR[L 1 ] = VAR[L 2 ] = N 0T 4 Para cada saída temos a probabilidade de erro da posição I ou Q: P e1 = P e2 = Q A 2 ct N 0 ( Com E = A 2 2E b ct e E = 2E b, BER = Q N 0 O MESMO DESEMPENHO DE ERRO BIT DO BPSK COM O DOBRO DA EFICIÊNCIA ESPECTRAL ) Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 40

41 M-PSK Cada ponto da constelação é espaçado de 2π/M, M o número de símbolos da constelação. Coordenadas para modulação em quadratura: 2E I = ± T cos(2π/m i) e Q = ± 2E T sen(2π/m i), i = 1, 2,..., M E = log 2 ME b Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 41

42 Detecção coerente M-PSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 42

43 Ex: D8PSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 43

44 BER Detecção coerente M-PSK Os limiares de decisão aumentam e o ruído é considerado em fase. Somente os erros adjacentes são considerados e o cálculo feito é a probabilidade de erro de símbolo. Probabilidade de erro símbolo para altos SNR: ( ) 2Es P E (M) 2Q sen π N 0 M E s = E b (log 2 M) Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 44

45 SER Detecção coerente M-PSK Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 45

46 BER Detecção diferencialmente coerente M-DPSK Probabilidade de erro de símbolo. ( ) 2Es π P E (M) 2Q sen N 0 2M Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 46

47 Modulação de amplitude em quadratura QAM QPSK=QAM. BER QP SK = BER QAM Para mais pontos uma modulação M P AM em I e em Q. O sinal vai tanto alterar a amplitude em banda base, alterando a energia do símbolo E i quanto alterar a fase φ i. O número de pontos da constelação define quantos bits cada símbolo carrega (ex: 16QAM carrega 4 bits por símbolo). Definidas as amplitudes e fases temos os sinais em I e Q em banda base: 2Ei (t) I BB (t) = cos(φ i (t)) T 2Ei (t) Q BB (t) = sen(φ i (t)) T Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 47

48 Ex: 16QAM A passagem de serial para paralelo faz um mapeamento de GRAY. Os pulsos em I e Q passam a ser uma modulação M-PAM para cada via. A forma de pulso pode ser qualquer uma daquelas discutidas em modulação em banda base. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 48

49 Probabilidade de erro símbolo QAM - detecção coerente Cada via é uma modulação L-PAM, com L = M A probabilidade de acerto no QAM é a probabilidade de acerto em I e Q: P c = (1 P e) 2 Onde P e é a probabilidade de erro no L-PAM A probablilidade de erro símbolo do L-PAM fica: P e 1 ( 1 1 ) ( ) 2E0 Q 2 L Para baixo P e temos: N 0 Então: P e = 1 P c = 1 (1 p e) 2 2P e P e ( ) ( ) 1 1 M Q 2E0 N 0 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 49

50 Probabilidade de erro símbolo QAM - detecção coerente - cont. E 0 representa a energia instantânea mas se deve ter a probabilidade para a energia média E av. E av = 2 2E L/2 0 (2i 1) 2 L i=1 E a taxa de erro de símbolo em função do erro médio fica. ( ) ( ) P e 1 1 M Q 3Eav 2(M 1)N 0 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 50

51 Modulação M-FSK O número de frequências diferentes é igual M = log 2 n onde n é o número de bits por símbolo. 2E Sinal em banda passante: s i (t) = T cos(2π(f c + f i )t), 0 t T, i = 1,..., M (pulso retangular nesse caso) Significa em banda base uma exponencial complexa: 2E s BB (t) = T ej2π f i, podendo ser separados em I e Q. Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 51

52 Probabilidade de erro símbolo Ambas as demodulações coerente e não coerente podem ser aplicadas. Para a não coerente teremos as diferentes frequências na entrada e a tomada de decisão para a frequência mais próxima. Para a não coerente o filtro casado para cada portadora é aplicado. Ambas podemos ter o equivalente em banda base, primeiro deslocando o sinal em quadratura para a banda base e lidando posteriormente com f i ao invés de f c + δf i Considerando uma aproximação com as inversões sendo sempre de símbolos adjacentes, temos a definição de limites de união, onde a menor distância euclidiana é considerada entre os símbolos. Essa aproximação leva a sequinte expressão para a detecção coerente: ) P E (M) (M 1)Q ( Es N 0 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 52

53 Relação entre a taxa de erro de símbolo e binária Para um código Gray, um erro símbolo representa um erro bit. Para cada símbolo, n bits são enviados e desses n, n 1 não sofrem erro. Portanto a taxa de erro binária fica menor que a taxa de erro símbolo. n = log 2 M BER P e log 2 M Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 53

II-4 Transmissão passabanda (banda canal)

II-4 Transmissão passabanda (banda canal) II-4 Transmissão passabanda (banda canal) (3 de Novembro de 1) 1 Sumário 1. Transmissão em banda canal (passa-banda) 1. Espectro típico. Modulações digitais 1. Binárias - ASK/OOK, PSK, FSK. M-árias - M-PSK

Leia mais

1 Modulação digital Noções básicas

1 Modulação digital Noções básicas 1 Modulação digital Noções básicas A modulação envolve operações sobre uma ou mais das três características de uma portadora (amplitude, fase, freqüência). Há três técnicas básicas de modulação para transformar

Leia mais

X(t) = A cos(2πf c t + Θ)

X(t) = A cos(2πf c t + Θ) Exercícios Extras de Comunicações Digitais. Seja um sinal aleatório X(t), estacionário no sentido restrito, dado por onde X(t) = A cos(πf c t + Θ) A é uma variável aleatória Gaussiana com média de 4Volts

Leia mais

3.1 Modulações binárias (ASK e PSK)

3.1 Modulações binárias (ASK e PSK) Modulações digitais 3 Modulações digitais lineares com detecção coerente 3.1 Modulações binárias (ASK e PSK) Detecção de modulações digitais al como na modulação analógica (AM e FM), também na modulação

Leia mais

Capítulo 6 Receptores Ótimos e Modulação Digital

Capítulo 6 Receptores Ótimos e Modulação Digital Capítulo 6 Receptores Ótimos e Modulação Digital 1. Receptores Ótimos para Comunicação de Dados Projeto de receptores: sinal fraco somado ao ruído aditivo. Propósito da detecção: estabelecer a presença

Leia mais

4.1 Modulações binárias (FSK e MSK)

4.1 Modulações binárias (FSK e MSK) Modulações digitais 4 Modulações digitais não-lineares com detecção coerente 4. Modulações inárias (FSK e MSK) O espaço de sinal em FSK multifrequência (M-FSK) Em M-FSK a informação está contida na frequência

Leia mais

Comunicação Digital Exercícios

Comunicação Digital Exercícios Comunicação Digital Exercícios Problema 1 Eficiência Espectral Deseja-se implementar um sistema de transmissão digital com taxa de transmissão de 9600 bits por segundo em um canal com faixa disponível

Leia mais

MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM

MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM ÉCNICAS DE MODULAÇÃO PASSA-FAIXA Na transmissão da dados anda ase a sequencia serial de dados de entrada é representada na forma de uma onda discreta modulada por amplitude

Leia mais

Simulação MATLAB - Transmissão PCM em Banda Base e Diagrama de Olho. Testar o efeito de filtros sem ISI no espectro e na curva BERXE b /N 0.

Simulação MATLAB - Transmissão PCM em Banda Base e Diagrama de Olho. Testar o efeito de filtros sem ISI no espectro e na curva BERXE b /N 0. Simulação MATLAB - Transmissão PCM em Banda Base e Diagrama de Olho Objetivos Simular a taxa de erro binário em função de E b /N 0 para diferentes modulações PCM e comparar com a teoria Testar o efeito

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 4 Camada Física Camada Física - Sinais Funções Características físicas (mecânicas e elétricas) das interfaces e dos meios. Define quais os tipos

Leia mais

EEC4164 Telecomunicações 2

EEC4164 Telecomunicações 2 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores EEC4164 Telecomunicações (00/003) 1ª Parte Duração: 1 hora (sem consulta) 1ª chamada 4 de Janeiro de 003 1. a) Uma alternativa a PCM é a modulação

Leia mais

UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6. Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento

UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6. Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6 Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento Modulação ASK (Amplitude Shift Keying) O sinal ASK pode ser produzido empregando-se os mesmos teoremas da modulação

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Modulações digitais. Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM

Modulações digitais. Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM Modulações digitais 2 Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM Modulações digitais ASK, PSK e FSK ASK FSK Atenuador ASK 1 FSK Oscilador binária 2 binária BPSK QPSK Esasamento de 27º Oscilador

Leia mais

SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 CAPÍTULO 1 PROCESSOS ALEATÓRIOS 49

SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 CAPÍTULO 1 PROCESSOS ALEATÓRIOS 49 SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 1. O processo de comunicação 19 2. Principais recursos de comunicação 21 3. Fontes de informação 21 4. Redes de comunicação 27 5. Canais de comunicação 33 6. Processo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Codificação de dados Aula 4 Informações (digitais ou analógicas) podem ser codificadas tanto em sinais analógicos como em sinais

Leia mais

Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicações Digitais

Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicações Digitais Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicações Digitais Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Detecção Binária 2 Modulações Digitais

Leia mais

Fundamentos da Informática e comunicação de dados

Fundamentos da Informática e comunicação de dados Fundamentos da informática e comunicação de dados Cursos de Tecnologias Aula 4 Modulação Prof. Oswaldo Flório Filho Profª. Alice Flora Madeira Ribeiro Conteúdo 1. Modulação... 3 2. Modulação AM... 4 3.

Leia mais

II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal

II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal Comunicações ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Causa dos erros na transmissão Modelo AWGN (canal físico) Modelo BSC (canal discreto) Efeito do ruído

Leia mais

Apresentação... 1 Introdução... 1

Apresentação... 1 Introdução... 1 Apresentação O objetivo principal deste texto é servir como material básico para uma disciplina introdutória sobre sistemas de comunicações em um curso de Engenharia Elétrica. Ele tem abrangência limitada,

Leia mais

TE-060 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3

TE-060 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3 f(x) 3 1 1.- O sinal xt πt πt 1 cos 1 sin 1 TE-6 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3 3 Volts, é amostrado e processado por um quantizador uniforme de 7 its, funcionando

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada Física Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Setembro de 2011 1 / 32 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

1 Modulação digital Noções básicas

1 Modulação digital Noções básicas 1 Modulação digital Noções básicas A modulação envolve operações sobre uma ou mais das três características de uma portadora (amplitude, fase, frequência). Há três técnicas básicas de modulação para transformar

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Simulação de Sistemas de Comunicação Digital

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Simulação de Sistemas de Comunicação Digital Universidade Presbiteriana Mackenzie Pós-graduação em Engenharia Elétrica Simulação de Sistemas de Comunicação Digital Transmissão e Recepção em Banda Passante Notas de Aula Prof. Divanilson Rodrigo Campelo

Leia mais

Modulação. Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Técnicas de Modulação

Modulação. Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Técnicas de Modulação Modulação e Codificação Modulação Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos Codificação Dados analógicos Sinais digitais Dados digitais Sinais digitais Modulação Processo pelo

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

1 O esquema de Alamouti: Diversidade na transmissão

1 O esquema de Alamouti: Diversidade na transmissão 1 O esquema de Alamouti: Diversidade na transmissão 1.1 O Caso de uma antena receptora A Figura?? mostra a representação em banda básica do esquema de Alamouti com diversidade na transmissão. O esquema

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados. Aula-07

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados. Aula-07 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Aula-7 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 212 Código de Histórico A terminologia código de linha surgiu com a telefonia, quando tornou-se necessário transmitir

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 2: Transmissão de Dados 1.

Leia mais

6. TÉCNICAS DE MODULAÇÃO DIGITAL

6. TÉCNICAS DE MODULAÇÃO DIGITAL 6. ÉCNICAS D MODULAÇÃO DIGIAL A necessidade de se modular a informação digital vem do fato que o sinal resultante fica mais imune ao ruído aditivo e dessa forma, o sinal digital que chega na estação receptora

Leia mais

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO RUÍDO EM MODULAÇÕES ANALÓGICAS Evelio M. G. Fernández - 2011 Processo Aleatório (ou Estocástico): Função aleatória do tempo para modelar formas de onda desconhecidas. Processos

Leia mais

EN2611 Comunicação Digital Lista de Exercícios Suplementares 2 2 quadrimestre 2012

EN2611 Comunicação Digital Lista de Exercícios Suplementares 2 2 quadrimestre 2012 EN6 Comunicação Digital Lista de Exercícios Suplementares outuro EN6 Comunicação Digital Lista de Exercícios Suplementares quadrimestre (LATHI, DING, 9, p 77) Seja p( t ) dado por πt sin T T ( ) = u (

Leia mais

I-1 Introdução. Comunicações. (30 de setembro de 2016) ISEL - ADEETC - Comunicações

I-1 Introdução. Comunicações. (30 de setembro de 2016) ISEL - ADEETC - Comunicações I-1 Introdução Comunicações (30 de setembro de 2016) 1 Sumário 1. Sistema de Comunicação Digital (SCD) Diagrama de blocos e funcionalidades Indicadores R b, T b, BER e T err Duração de uma transmissão,

Leia mais

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br

Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV. www.linear.com.br Tecnologia Mundial em Transporte e Distribuição de sinais de TV Santa Rita do Sapucaí -MG Ilhéus - BA Ilhéus - BA Pça Linear,100 37540-000 - Santa Rita do Sapucaí-MG Brasil - (5535) 3473-3473 (5535) 3473-3474

Leia mais

Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária

Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária II.1. Introdução Como as distâncias dos enlaces via satélite são muito grandes, faz-se necessário

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA GUSTAVO THEODORO LASKOSKI MAICON MARCONDES OSCAR SZEREMETA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA GUSTAVO THEODORO LASKOSKI MAICON MARCONDES OSCAR SZEREMETA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA GUSTAVO THEODORO LASKOSKI MAICON MARCONDES OSCAR SZEREMETA MODULAÇÃO DIGITAL TÓPICOS DE COMUNICAÇÕES CURITIBA SETEMBRO 2006

Leia mais

Modulação e Codificação

Modulação e Codificação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação Engenharia de Telecomunicações e Informática Modulação e Codificação Ano Lectivo 2001/2002 2º

Leia mais

Fund. De Redes. Codificação de dados

Fund. De Redes. Codificação de dados Fund. De Redes Codificação de dados Introdução Informações digitais ou analógicas podem ser codificadas tanto em sinais analógicos como em sinais digitais. Dados digitais, sinais digitais Dados analógicos,

Leia mais

BETA TELECOM Consultores. Parte 2

BETA TELECOM Consultores. Parte 2 Parte 2 Esta é a segunda parte do artigo BT.466/01. Na primeira parte foram vistos os princípios básicos que definem o sistema de Espalhamento Espectral. Nesta parte serão detalhados os dois principais

Leia mais

O QUE É QAM? Figura 1 (a) Sinal modulador, (b) portadora e (c) sinal modulado.

O QUE É QAM? Figura 1 (a) Sinal modulador, (b) portadora e (c) sinal modulado. WISE Indústria de Telecomunicações CATV QAM V2 O QUE É QAM? QAM é a sigla para Quadrature Amplitude Modulation, que significa Modulação de Amplitude em Quadratura, e nada mais é do que uma forma de modulação

Leia mais

Modulações Digitais. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Apontamentos sobre ADEETC

Modulações Digitais. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. Apontamentos sobre ADEETC Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Área Departamental de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores ADEETC Apontamentos sobre Modulações Digitais Vítor Manuel de Oliveira Fialho

Leia mais

ELE-31 Princípios de Telecomunicações

ELE-31 Princípios de Telecomunicações ELE-31 Princípios de Telecomunicações Prof. anish Sharma November 5, 015 7 Introdução a comunicações digitais Vimos no capítulo anterior que é possível representar sinais contínuos no tempo por um conjunto

Leia mais

Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários.

Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários. Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários. Figura 1: Diagrama de blocos simplificado, contendo

Leia mais

ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS

ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS 1 O SISTEMA TELEFÓNICO 1.1 Introdução 1.2 Terminais telefónicos 1.3 Rede telefónica 1.4 Princípios de comutação telefónica 1.4.1 Introdução

Leia mais

Filtros Digitais. Filtros básicos, parâmetros no domínio do tempo e frequência, classificação de filtros

Filtros Digitais. Filtros básicos, parâmetros no domínio do tempo e frequência, classificação de filtros Filtros Digitais Filtros básicos, parâmetros no domínio do tempo e frequência, classificação de filtros Filtros são usados basicamente para dois propósitos: Separação de sinais combinados; Restauração

Leia mais

Codificação de Dados

Codificação de Dados C 1 Codificação de Dados Códigos de Transmissão e Modulações Digitais FEUP/DEEC/CDRC I 2002/03 MPR/JAR C 2 Representação de Dados» Dados digitais, sinal digital» Dados analógicos, sinal digital» Dados

Leia mais

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica

BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica BC 1519 Circuitos Elétricos e Fotônica Circuitos em Corrente Alternada 013.1 1 Circuitos em Corrente Alternada (CA) Cálculos de tensão e corrente em regime permanente senoidal (RPS) Conceitos de fasor

Leia mais

Princípios de Transmissão Digital

Princípios de Transmissão Digital Princípios de Transmissão Digital Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Introdução 2

Leia mais

REDES COMPUTADORES. Camada Física Parte 2

REDES COMPUTADORES. Camada Física Parte 2 REDES COMPUTADORES Camada Física Parte 2 Agenda Transmissão Digital Analógica 1. Dados Digitais 2. Dados Analógicos 3. Dados Digitais Dados Analógicos Codificação Linha PAM ASK AM Codificação Bloco PCM

Leia mais

FERRAMENTA PARA ENSINO DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO EM CURSOS DE ENGENHARIA UTILIZANDO INTERFACE GRÁFICA MATLAB

FERRAMENTA PARA ENSINO DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO EM CURSOS DE ENGENHARIA UTILIZANDO INTERFACE GRÁFICA MATLAB FERRAMENTA PARA ENSINO DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO EM CURSOS DE ENGENHARIA UTILIZANDO INTERFACE GRÁFICA MATLAB Guilherme C. Jales guilhermejales@gmail.com Brendo R. Gomes brendoeng@gmail.com Jorge F. M.

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Comunicação de Dados Carga Horária: 80h Período: 6º. Ementa

PLANO DE ENSINO. Disciplina: Comunicação de Dados Carga Horária: 80h Período: 6º. Ementa Disciplina: Comunicação de Dados Carga Horária: 80h Período: 6º PLANO DE ENSINO Ementa Código de representação de dados. Modulações utilizadas em comunicação de dados. Codificações utilizadas em comunicação

Leia mais

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro

Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro 1 Apostila Básica sobre transmissão de TV Digital Padrão Brasileiro Capitulo 1: Para começarmos a falar sobre TV Digital devemos conhecer os tipos de modulação digital que existem e entender, ao menos,

Leia mais

Classificação automática da modulação de sinais digitais em R.F.

Classificação automática da modulação de sinais digitais em R.F. 2º Congresso do comité português da URSI Fundação das Comunicações Classificação automática da modulação de sinais digitais em R.F. Manuel Carlos Baptista, ICP-ANACOM Nuno Borges Carvalho, IT-Universidade

Leia mais

Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital

Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital CETEL- Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital 1) Modulação Digital 1.1) Vantagens da Comunicação Digital

Leia mais

Códigos de bloco. Luis Henrique Assumpção Lolis. 1 de novembro de Luis Henrique Assumpção Lolis Códigos de bloco 1

Códigos de bloco. Luis Henrique Assumpção Lolis. 1 de novembro de Luis Henrique Assumpção Lolis Códigos de bloco 1 Códigos de bloco Luis Henrique Assumpção Lolis 1 de novembro de 2013 Luis Henrique Assumpção Lolis Códigos de bloco 1 Conteúdo 1 Códigos de bloco lineares 2 Códigos sistemáticos 3 Síndrome 4 Distância

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada

LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE. Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada LINHAS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA LTE Aula 4 Conceitos Básicos da Transmissão em Corrente Alternada Tópicos da Aula Tensões e Correntes Variantes no Tempo Sistema em Regime Permanente Senoidal Interpretação

Leia mais

Passagem do Analógico para o Digital

Passagem do Analógico para o Digital Passagem do Analógico para o Digital Luis Henrique Assumpção Lolis 11 de abril de 2014 Luis Henrique Assumpção Lolis Passagem do Analógico para o Digital 1 Conteúdo 1 Introdução 2 Amostragem 3 Modulação

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Fundamentos de Introdução às s Noção de informação, mensagem e sinal Informação A informação é um conceito fundamental das comunicações. No entanto édifícil de definir com precisão o que

Leia mais

Canais discretos sem memória e capacidade do canal

Canais discretos sem memória e capacidade do canal Canais discretos sem memória e capacidade do canal Luis Henrique Assumpção Lolis 17 de outubro de 2013 Luis Henrique Assumpção Lolis Canais discretos sem memória e capacidade do canal 1 Conteúdo 1 Canais

Leia mais

que, em geral, têm algumas centenas ou alguns milhares de bytes

que, em geral, têm algumas centenas ou alguns milhares de bytes Modelo OSI Vantagens do modelo OSI (Open Systems Interconnection, Interconexão de Sistemas Abertos): Reduz a complexidade; Padroniza as interfaces; Simplifica o ensino e o aprendizado. 1-) Camada Física

Leia mais

Efeitos da filtragem sobre sinais de onda quadrada

Efeitos da filtragem sobre sinais de onda quadrada Efeitos da filtragem sobre sinais de onda quadrada Autores: Pedro Rodrigues e André F. Kohn Introdução O texto a seguir ilustra efeitos que diferentes sistemas lineares invariantes no tempo (SLIT) podem

Leia mais

Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Modulação. Codificação. Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos

Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Modulação. Codificação. Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos Modulação e Codificação Modulação Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos Codificação Dados analógicos Sinais digitais Dados digitais Sinais digitais Modulação Processo pelo

Leia mais

Redes Locais sem Fio e o Padrão IEEE Por Bruno Astuto Arouche Nunes

Redes Locais sem Fio e o Padrão IEEE Por Bruno Astuto Arouche Nunes Redes Locais sem Fio e o Padrão IEEE 802.11 Por Bruno Astuto Arouche Nunes Algumas transparências foram cedidas pelos professores: José Rezende e Mauros Campello Queiroz Padrão IEEE802.11 Pertence ao grupo

Leia mais

Transmissão da Informação - Multiplexação

Transmissão da Informação - Multiplexação Volnys B. Bernal (c) 1 Transmissão da Informação - Multiplexação Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Sinal de Voz Multiplexação Técnicas de

Leia mais

Modulação em Amplitude

Modulação em Amplitude Modulação em Amplitude Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Modulação AM DSB-SC 2 Modulação AM Tradicional 3 Modulação QAM 4 Modulação

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA PERIÓDICA - TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 08, NO. 02, DEZEMBRO DE

REVISTA CIENTÍFICA PERIÓDICA - TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 08, NO. 02, DEZEMBRO DE REVISTA CIENTÍFICA PERIÓDICA - TELECOMUNICAÇÕES, VOL 8, NO, DEZEMBRO DE 5 3 4 MENDES & BALDINI: UMA ABORDAGEM SOBRE DIVERSIDADE DE TRANSMISSÃO PARA REDES WLAN 5 Fase [rad] Amplitude 5-5 - -5 5 5 Freqüencia

Leia mais

Existem várias formas de modulação e demodulação. Nesta página, algumas das mais comuns para a demodulação e alguns circuitos também comuns.

Existem várias formas de modulação e demodulação. Nesta página, algumas das mais comuns para a demodulação e alguns circuitos também comuns. Introdução O processo básico das telecomunicações consiste em adicionar o sinal das informações que se deseja transmitir ao sinal de transmissão (portadora), ou seja, uma modulação. No receptor, deve ocorrer

Leia mais

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375 Redes de computadores N Laboratório 01 Luiza Eitelvein 181375 Exercícios 1) a) Teorema de Shannon : MCs = B log₂(1+s/n) 40 db = 10 log(s/n) 4 = log(s/n) S/N = 10⁴ MCs = 3100 log₂(1+10000) = 3100 ( (log

Leia mais

Modulações Digitais DIDATEC - UTT4

Modulações Digitais DIDATEC - UTT4 Modulações Digitais DIDATEC - UTT4 Wander Rodrigues CEFET MG 2008 1 SUMÁRIO Regras de Segurança 5 Lição 975: Descrição do Cartão de Prática 6 Lição 976: Modulação Digital 10 976.1 Introdução 976.2 Finalidades

Leia mais

Introdução a Modulação

Introdução a Modulação Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Introdução a Modulação Fontes: Prof. Deise Monquelate Arndt Princípios de Sistemas de Telecomunicações,

Leia mais

Transmissão de Informação

Transmissão de Informação Transmissão de Informação 1.Multiplexação e Modulação Sempre que a banda passante de um meio físico for maior ou igual à banda passante necessária para um sinal, podemos utilizar este meio para a transmissão

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES 5º Volume

TELECOMUNICAÇÕES 5º Volume João Baptista Bayão Ribeiro TELECOMUNICAÇÕES 5º Volume 1ª Edição Rio de Janeiro J. B. Bayão 2013 2 Curriculum do Autor João Baptista Bayão Ribeiro é formado em Engenharia de Telecomunicações pela UFF (Universidade

Leia mais

Codificação de Linha

Codificação de Linha Codificação de Linha Conhecer os diversos métodos de codificação de linha para transmissão digital. Chamamos de transmissão digital o envio de sinais digitais do computador diretamente na linha de transmissão

Leia mais

UNIDADE II Aula 1 Modulação parte 1. Fonte: Rodrigo Semente

UNIDADE II Aula 1 Modulação parte 1. Fonte: Rodrigo Semente UNIDADE II Aula 1 Modulação parte 1 Fonte: Rodrigo Semente Os sinais de informação nem sempre podem ser transmitidos diretamente no meio em que irão se propagar. Isso se deve ao fato de sua faixa de freqüência

Leia mais

Códigos convolucionais

Códigos convolucionais Códigos convolucionais Luis Henrique Assumpção Lolis 29 de novembro de 2013 Luis Henrique Assumpção Lolis Códigos convolucionais 1 Conteúdo 1 Introdução e definição 2 Diagrama de árvores, de treliça e

Leia mais

Vetor de Variáveis Aleatórias

Vetor de Variáveis Aleatórias Vetor de Variáveis Aleatórias Luis Henrique Assumpção Lolis 25 de junho de 2013 Luis Henrique Assumpção Lolis Vetor de Variáveis Aleatórias 1 Conteúdo 1 Vetor de Variáveis Aleatórias 2 Função de Várias

Leia mais

Modulação em Amplitude

Modulação em Amplitude Modulação em Amplitude Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Modulação AM DSB-SC 2 Modulação AM Tradicional 3 Modulação QAM 4 Modulação

Leia mais

Modulações digitais. Espectros de potência de sinais modulados. Eficiência espectral

Modulações digitais. Espectros de potência de sinais modulados. Eficiência espectral Modulações digitais 7 Espectros de potência de sinais modulados Eficiência espectral Espectros de potência de sinais PSK e FSK Densidades espectrais de potência em anda-ase PSK inário FSK inário S B (

Leia mais

3.1) Diga o que é uma transmissão síncrona e uma transmissão assíncrona. 3.2) Qual a principal diferença entre codificação banda básica e modulação?

3.1) Diga o que é uma transmissão síncrona e uma transmissão assíncrona. 3.2) Qual a principal diferença entre codificação banda básica e modulação? 3 a. Lista Redes de Comunicações I pg. 1/5 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDES DE COMUNICAÇÕES 1 Prof. Flávio Alencar 3 a. LISTA (Assuntos: Dados, Sinais e Transmissão, Características do Meio,

Leia mais

Introdução ao Processamento Digital de Imagens. Aula 9 Restauração de Imagens. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Introdução ao Processamento Digital de Imagens. Aula 9 Restauração de Imagens. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Introdução ao Processamento Digital de Imagens Aula 9 Restauração de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br Realce x Restauração Realce: Processar a Imagem para obter um resultado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4 Índice 1. Transmissão de Sinais Digitais...3 1.1 Modulação... 3 1.2 Banda passante... 4 1.3 Taxa de transmissão (BIT RATE)... 5 2 1. TRANSMISSÃO DE SINAIS

Leia mais

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014 1 Princípios de Telecomunicações PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014 Bloco de Comunicação Genérico Emissor sinais analógicos x sinais digitais Sinais

Leia mais

Blocos Funcionais para Instrumentação

Blocos Funcionais para Instrumentação 1 Instrumentação Electrónica Blocos Funcionais para Instrumentação Malha de Fase Síncrona PLL Phase Lock Loop - PLL 2 Canal História - PLL Para a recepção de rádio AM é necessário um oscilador local (receptor)

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970

SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: ED-2970 SISTEMA DE TREINAMENTO EM COMUNICAÇÃO DIGITAL Modelo: DESCRIÇÃO O sistema de treinamento em comunicação digital apresenta fácil aprendizado em princípios e aplicações da moderna tecnologia de comunicação

Leia mais

Concurso Público Nível Superior

Concurso Público Nível Superior Concurso Público Nível Superior Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-02 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno,

Leia mais

1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras

1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras 1 Técnicas de Seleção de Antenas Transmissoras Como visto em aulas anteriores, para se atingir uma ordem de diversidade espacial maior é necessário o emprego de múltiplas antenas no transmissor e/ou no

Leia mais

João Baptista Bayão Ribeiro MODULAÇÃO M-ÁRIA. 1ª Edição

João Baptista Bayão Ribeiro MODULAÇÃO M-ÁRIA. 1ª Edição João Baptista Bayão Ribeiro MODULAÇÃO M-ÁRIA 1ª Edição Rio de Janeiro J. B. Bayão 2014 2 Curriculum do Autor João Baptista Bayão Ribeiro é formado em Engenharia de Telecomunicações pela UFF (Universidade

Leia mais

Maximização de Desempenho sobre Enhanced UMTS usando a Tecnologia HSDPA

Maximização de Desempenho sobre Enhanced UMTS usando a Tecnologia HSDPA Maximização de Desempenho sobre Enhanced UMTS usando a Tecnologia HSDPA Leila Monteiro Pedro Vieira António Rodrigues 1 Agenda Objectivos Fases do Projecto HSDPA e Principais Características Resultados

Leia mais

I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações

I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações Comunicações (24 de março de 2017) ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Classificação de sinais 2. Sinais contínuos e discretos 3. Sinais não periódicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CAMPUS PATOS DE MINAS ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE TELECOMUNICAÇÕES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CAMPUS PATOS DE MINAS ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE TELECOMUNICAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA - CAMPUS PATOS DE MINAS ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE TELECOMUNICAÇÕES ANDRESSA CALDAS DE LIMA M-QAM NÃO QUADRADA CRUZADA EM UM CANAL RUIDOSO

Leia mais

I-2 Sinais: classificação propriedades, operações

I-2 Sinais: classificação propriedades, operações I-2 Sinais: classificação propriedades, operações (30 de Setembro de 2013) 1 Sumário 1. Sinais contínuos e discretos 2. Sinais não periódicos e periódicos Pulso rectangular e sinc A onda quadrada e a sinusóide

Leia mais

Multiplexação FDM. Amplamente utilizada de forma conjunta às modulações AM, FM, QAM, PSK Usada na comunicação de sinais analógicos e digitais

Multiplexação FDM. Amplamente utilizada de forma conjunta às modulações AM, FM, QAM, PSK Usada na comunicação de sinais analógicos e digitais Multiplexação FDM Multiplexação por Divisão de Frequência A multiplexação não é em si uma técnica de modulação de sinais, mas é frequentemente utilizada de forma complementar Possibilita o envio simultâneo

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/51 2.3 Codificação dos dados 2.3 Codificação dos dados 2/51 2.3.1 Fonte de dados digital transmissão de dados digital Códigos de

Leia mais

Conceitos Básicos de Áudio Digital

Conceitos Básicos de Áudio Digital Aula 07 Conceitos Básicos de Áudio Digital Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Som Conceitos Iniciais

Leia mais

Introdução às Telecomunicações

Introdução às Telecomunicações Universidade Nova de Lisboa Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Engenharia Electrotécnica Introdução às Telecomunicações Informação Geral e Enunciados de Laboratório 2001 / 2002 1º Ano 2º

Leia mais

I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações

I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações I-2 Sinais: classificação, propriedades e operações Comunicações ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Sinais contínuos e discretos 2. Sinais não periódicos e periódicos Pulso retangular e sinc A onda

Leia mais

MAS 160/510 Conjunto de Problema Nove

MAS 160/510 Conjunto de Problema Nove MAS 160/510 Conjunto de Problema Nove 1. Modulação Digital O sistema Quaternário de Manipulação de Comutação de Fase na figura é usado para transmitir dados através de um canal (barulhento). O gerador

Leia mais

Cap. 2 Hart, Eletrônica de Potência. Cálculos de potência

Cap. 2 Hart, Eletrônica de Potência. Cálculos de potência Cap. 2 Hart, Eletrônica de Potência Cálculos de potência Material auxiliar Revisão de circuitos RL Me Salva! RLC10 - Indutores: Introdução https://www.youtube.com/watch?v=yaicexbwtgg Me Salva! RLC11 -

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Princípios de Comunicações

Prof. Daniel Hasse. Princípios de Comunicações Prof. Daniel Hasse Princípios de Comunicações AULA 3 Análise de Fourier Prof. Daniel Hasse Sinais e espectros Os sinais são compostos de várias componentes senoidais (Série de Fourier) Generalização ransformada

Leia mais