X(t) = A cos(2πf c t + Θ)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "X(t) = A cos(2πf c t + Θ)"

Transcrição

1 Exercícios Extras de Comunicações Digitais. Seja um sinal aleatório X(t), estacionário no sentido restrito, dado por onde X(t) = A cos(πf c t + Θ) A é uma variável aleatória Gaussiana com média de 4Volts e variância 4Volts ; F c é uma variável aleatória uniformemente distribuída entre e khz; { π f Θ (θ) =, π < θ < π, n.d.p. A, F c e Θ são independentes. Pede-se: a) Qual a densidade espectral de potência de X(t)? b) Qual a potência média destes sinais entre e 3kHz? Suponha que ele está sendo dissipado numa carga de Ω.. Deseja-se transmitir digitalmente estações de rádio, usando um satélite na banda Ku (/4GHz). Supondo que: Será usado PCM; Cada estação de rádio vai transmitir sinais de até khz de banda, com amplitudes uniformemente distribuídas entre -mv e +mv; A relação sinal-ruído desejada é de pelo menos 8dB; A sinalização dos bits será a NRZ polar; Os sinais digitais serão convertidos para a banda Ku usando modulação AM; Um transponder do satélite comporta uma banda de 36MHz. Quantas estações de rádio, no máximo, poderão ser transmitidas por transponder?

2 3. Um sinal binário NRZ polar consiste de pulsos de +V e -V em um intervalo [, ]. Ruído branco gaussiano de densidade espectral de potência 6 W/Hz é adicionado ao sinal. Se o sinal recebido é detetado com um filtro casado, determine qual a máxima taxa de bits que pode ser enviada com uma probabilidade de erro menor que 3. Assuma uma impedância de Ω. Qual é a relação sinal ruído na saída do filtro, em db? 4. Um sinal de vídeo, com banda de 6MHz, é digitalizado com 56 níveis e transmitido em PCM. Determine a banda necessária para transmitir o sinal se: a) Cada bit equivale a um pulso RC com fator de rolloff de.3, com uma de duas amplitudes. b) É usada codificação correlativa com pré-codificação. c) Comente sobre que fatores podem levar à escolha da 4a) ou 4b).

3 5. Um sinal com banda de khz deve ser transmitido em PCM, usando um canal sem ruído com.3mhz de banda. A menor relação sinal-ruído tolerável na saída é de 34dB. Sabendo-se que serão usados na transmissão pulsos do tipo roll-off cosine (RC), qual o fator de roll-off que proporciona a maior imunidade à interferência intersimbólica quando ocorrem erros no tempo de amostragem dos pulsos no receptor? Justifique a sua resposta. 6. Dadas as 4 formas de onda abaixo, s i (t), i =,, 3, 4, expressar cada uma como uma combinação linear de um mesmo conjunto de sinais ortonormais. s (t) s (t) s (t) 3 s (t) 4 3

4 7. Dado que o sinal x(t) abaixo foi recebido, qual das formas de onda s i (t), i =,, 3, foi transmitida com maior probabilidade? s (t) s (t) s (t) 3 3 x(t) 4

5 8. Num sistema de comunicações digitais, três pulsos igualmente prováveis ((a) (c), na figura abaixo) são transmitidos a cada µseg. Caso chegue na entrada de um receptor de correlação o sinal (d) abaixo, qual dos sinais deve ter sido transmitido com maior probabilidade? t ( µ seg) t ( µ seg) 6 ( µ seg) - (a) (b) 3 t ( µ seg) t ( µ seg) - (c) (d) 5

6 9. É dado um sistema de comunicações digitais que transmite cada bit de informação através das seguintes formas de onda: ( E s (t)= cos π t ) t ( E s (t)= cos π t ) t Sabe-se que: a) O ruído no canal é aditivo, branco e gaussiano, com densidade espectral de potência N = 8 W/Hz; b) A potência média transmitida pode ser no máximo igual a mw. c) A probabilidade de erro é de no máximo 6. Pede-se qual a máxima taxa de bits que pode ser transmitida. 6

7 . Ache o número médio de bits errados por dia em um receptor BPSK coerente com as seguintes características: axa de 5 bits/seg; Formas de onda digitais de entrada: s (t) = A cosω t e s (t) = A cosω t, onde A=mV; Densidade espectral de potência do ruído branco gaussiano aditivo N =.5 8 W/Hz. As potências estão normalizadas com relação a uma carga de Ω.. Um codificador duobinário com pre-codificação (vide a figura abaixo) é usado para é usado para gerar um sinal em banda básica. Supondo que cada bit na entrada tem duração de µseg e induz uma corrente máxima de µa em uma carga de kω, qual a probabilidade de erro no decodificador se a modulação, transmissão e demodulação podem ser modeladas conjuntamente como um canal com ruído branco Gaussiano aditivo com densidade espectral de potência N =? Entrada {x } k Somador Módulo- {y } k + Σ {z } k Saída + Atraso b {y } k-. Um sistema de comunicações digitais transmite pulsos equiprováveis representados pelas formas de onda abaixo. Os sinais binários são estimados por filtros casados. Sabe-se que o ruído que chega ao receptor é branco, Gaussiano de média zero e densidade espectral de potência N = mw/hz. Fazendo-se a decisão binária pela diferença entre as amplitudes amostradas, pergunta-se: a) Se = 6mseg, de quanto varia a probabilidade média de erro do sistema, quando A passa de 6V para 5V; b) Fixando-se A=5V, de quanto varia P e total quando passa de 6mseg para 8mseg. A A t /4 / / 3/4 t 7

8 3. Um sistema de modulação ternário em quadratura possui a constelação de sinais abaixo. Sabendo que o canal possui ruído branco gaussiano com densidade espectral de potência N, determine: a) A probabilidade de erro em função da energia transmitida por forma de onda. b) A probabilidade de erro em função da energia transmitida por símbolo ternário. φ E E E φ E 4. Se deseja tramsitir digitalmente um sinal de vídeo em PAL-M, com banda passante de 4,MHz, usando modulação QPSK. Determine a banda passante necessária para tranmsitir este sinal se de deseja uma relação ruído no receptor de televisão de no mínimo 35dB, nos seguintes casos: a) Se os pulsos usados são do tipo raised-cosine com α =.3. b) Se é usada codificação duobinária. 8

9 5. Um sistema de comunicações quaternário utiliza as formas de onda abaixo. Pede-se: (i) A probabilidade de erro considerando um canal com ruído branco Gaussiano aditivo de densidade espectral de potência N. (ii) Sabendo que s e s ocorrem com igual probabilidade e de forma independente, qual a expressão da densidade espectral de potência deste sinal? A b b A -A A / b b / b b -A 9

10 6. Sejam os seguintes sistemas de modulação digital: QPSK, 6-QAM, 64-QAM e 56- QAM. Sabendo que: São usados pulsos RC com α =.3. O canal é contaminado com ruído branco gaussiano aditivo com densidade espectral de potência N = 5 7 W/Hz. O custo do aluguel da banda de transmissão é de R$5,/(kHz.mês); O gasto com o tranmissor é de R$5,/(Watt.mês); Supondo que se deseja ter uma probabilidade de erro de 9, e considerando apenas os gastos com o aluguel de banda e a potência de transmissão, ordene os sistemas em termos de custo por bit transmitido. Qual é o sistema mais adequado para este caso?

11 7. Deseja-se transmitir dois canais de dados independentes, A e B, usando a constelação QAM abaixo. Isto é feito multiplexando os canais A e B da seguinte forma: A ocupa os dois bits mais significativos dos 4 bits que correspondem a cada forma de onda, e B ocupa os dois bits menos significativos. Se a energia média transmitida por bit é E b e a densidade espectral do ruído é N, determine: a) A probabilidade de erro por bit de um receptor QAM ótimo. b) Suponhamos que, para um determinado usuário, a informação no canal B é irrelevante, e se deseja recuperar somente a informação do canal A. Como deve ser um receptor ótimo, isto é, que dê a menor probabilidade de erro por bit no canal A, não importando o que acontece com o canal B.? Qual é esta probabilidade de erro? φ 3a a -3a -a -a a 3a φ -3a 8. Duas vantagens do MSK em relação ao FSK são as seguintes: a) O espaçamento mínimo de freqüência entre as duas portadoras no FSK é de um múltiplo inteiro de / b ( b - duração de bit), enquanto que no MSK ele é de metade deste valor. b) A probabilidade de erro no MSK é igual à do QPSK, e, portanto, bem menor que a do FSK para um mesmo valor de E b /N. Um engenheiro de uma firma X propôs melhorar o desempenho de um sistema que recebe dados digitais modulados em FSK da seguinte forma: Apenas o receptor FSK seria mudado, sendo substituindo por um demodulador MSK com o espaçamnento entre as portadoras modificado para que fique igual ao do FSK. Ele espera que com isso a probabilidade de erro do sistema FSK diminua, se aproximando da do MSK. A solução dada por este engenheiro destes pode funcionar? Justifique.

12 9. Se deseja construir um sistema de comunicaçõoes digitais em que se usa uma combinação do FSK e do PSK. Nele, tanto a fase quanto a freqüência de uma cossenóide identificam a forma de onda transmitida. São usadas as seguintes formas de onda: E s (t)= cos(πn c + t) t E s (t)= cos(πn c + t) t E s 3 (t)= cos(πn c + t + π) t E s 4 (t)= cos(πn c + t + π) t Calcule a probabilidade de erro por bit transmitido para um receptor ótimo para este sistema. Compare-a com a probabilidade de erro do FSK e do MSK, e discuta as vantagens e desvantagens deste método em relação ao FSK e ao MSK. É possível fazer uma deteção não coerente neste sistema?. Dada a constelação de sinais abaixo, determine a mínima probabilidade de erro por bit obtenível em função da energia média gasta por bit transmitido, se o ruído é branco, gaussiano, com densidade espectral de N. 5a φ a -5a -a -a a 5a φ -5a. Num sistema de comunicações digitais usando FSK binário, o receptor tem um circuito de sincronização garantindo que na recuperação de cada portadora, o erro de fase não não ultrapassará θ. A partir de qual valor de θ passa a valer a pena fazer a demodulação não coerente ao invés da coerente, se se deseja uma probabilidade de erro de 5?

13 . É dado um alfabeto de 8 símbolos, {s, s, s 3, s 4, s 5, s 6, s 7, s 8 } cujas probabilidades de ocorrência são, respectivamente, {.,.8,.5,.33,.9,.6,.7,.} Ache o código de Huffmann de mínima variância para este alfabeto, e determine a sua eficiência. 3. Uma fonte S = {s, s,..., s 7 } é tal que as probabilidades dos seus símbolos são dadas pela tabela abaixo: Símbolo s s s s 3 s 4 s 5 s 6 s 7 Probabilidade Ache um código de Huffman para representar esta fonte. Este código deverá ter a máxima variância do comprimento de palavra. Qual a eficiência deste código? 4. rês links de comunicações digitais, semelhantes, são conectados em cascata (série). Calcule a capacidade total desta conexão, sabendo que qualquer um deles pode ser representado por um canal BSC do tipo abaixo..9 x = y =.. x =.9 y = 5. Um sistema de comunicações usa modulação BPSK. Sabe-se que: a) A energia por bit transmitido é E b = 5 J; b) O sinal é contaminado por ruído branco gaussiano aditivo com densidade espectral de potência N = 5 6 W/Hz; c) A banda do canal é de MHz. Pede-se: a) Qual a máxima taxa de transmissão de informação possível? b) Deseja-se fazer uma melhoria no sistema mudando o esquema de modulação. No melhor caso, qual é o aumento da taxa de transmissão que pode ser obtido? 3

14 6. É dado um canal ternário com a seguinte matriz de transição relacionando a entrada X com a saída Y:.9..5 P = onde {P} ij = probabilidade(receber y j transmiti x i ). Será transmitida, através deste canal, uma fonte ternária caracterizada pelas probabilidades p(x ) =, p(x ) = 4 e p(x ) =. Deseja-se que cada símbolo recebido contenha pelo menos bit de 4 informação a respeito da fonte X. Isto é possível? Justifique a sua resposta. 7. Deseja-se transmitir uma fonte S = {s, s, s, s 3, s 4, s 5, s 6, s 7 } com probabilidades p = {.3,.9,.5,.3,.4,.,.,.9}, a uma taxa de 6 símbolos/segundo. A densidade de potência do sinal é N = 8 W/Hz. Qual a mímima potência necessária do sinal se: a) A banda disponível é de MHz. b) A banda disponível é de khz. 8. Calcule a capacidade do canal binário abaixo: 3/4 x = y = /4 / x = / y = 4

TE-060 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3

TE-060 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3 f(x) 3 1 1.- O sinal xt πt πt 1 cos 1 sin 1 TE-6 PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO Prof. Evelio M. G. Fernández LISTA DE EXERCÍCIOS N 3 3 Volts, é amostrado e processado por um quantizador uniforme de 7 its, funcionando

Leia mais

EEC4164 Telecomunicações 2

EEC4164 Telecomunicações 2 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores EEC4164 Telecomunicações (00/003) 1ª Parte Duração: 1 hora (sem consulta) 1ª chamada 4 de Janeiro de 003 1. a) Uma alternativa a PCM é a modulação

Leia mais

3.1 Modulações binárias (ASK e PSK)

3.1 Modulações binárias (ASK e PSK) Modulações digitais 3 Modulações digitais lineares com detecção coerente 3.1 Modulações binárias (ASK e PSK) Detecção de modulações digitais al como na modulação analógica (AM e FM), também na modulação

Leia mais

Comunicação Digital Exercícios

Comunicação Digital Exercícios Comunicação Digital Exercícios Problema 1 Eficiência Espectral Deseja-se implementar um sistema de transmissão digital com taxa de transmissão de 9600 bits por segundo em um canal com faixa disponível

Leia mais

EN2611 Comunicação Digital Lista de Exercícios Suplementares 2 2 quadrimestre 2012

EN2611 Comunicação Digital Lista de Exercícios Suplementares 2 2 quadrimestre 2012 EN6 Comunicação Digital Lista de Exercícios Suplementares outuro EN6 Comunicação Digital Lista de Exercícios Suplementares quadrimestre (LATHI, DING, 9, p 77) Seja p( t ) dado por πt sin T T ( ) = u (

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada Física Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Setembro de 2011 1 / 32 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Modulação e Codificação

Modulação e Codificação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação Engenharia de Telecomunicações e Informática Modulação e Codificação Ano Lectivo 2001/2002 2º

Leia mais

Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicações Digitais

Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicações Digitais Análise de Desempenho de Sistemas de Comunicações Digitais Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Detecção Binária 2 Modulações Digitais

Leia mais

SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 CAPÍTULO 1 PROCESSOS ALEATÓRIOS 49

SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 CAPÍTULO 1 PROCESSOS ALEATÓRIOS 49 SUMÁRIO FUNDAMENTOS E VISÃO GERAL 19 1. O processo de comunicação 19 2. Principais recursos de comunicação 21 3. Fontes de informação 21 4. Redes de comunicação 27 5. Canais de comunicação 33 6. Processo

Leia mais

EEC4164 Telecomunicações 2

EEC4164 Telecomunicações 2 Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores EEC4164 Telecomunicações 2 (2001/2002) 1ª Parte Duração: 1 hora (sem consulta) 1ª chamada 4 de Janeiro de 2002 1. a) Mostre que a potência média

Leia mais

II-4 Transmissão passabanda (banda canal)

II-4 Transmissão passabanda (banda canal) II-4 Transmissão passabanda (banda canal) (3 de Novembro de 1) 1 Sumário 1. Transmissão em banda canal (passa-banda) 1. Espectro típico. Modulações digitais 1. Binárias - ASK/OOK, PSK, FSK. M-árias - M-PSK

Leia mais

Modulação Digital em Banda Passante

Modulação Digital em Banda Passante Modulação Digital em Banda Passante Luis Henrique Assumpção Lolis 27 de maio de 2014 Luis Henrique Assumpção Lolis Modulação Digital em Banda Passante 1 Conteúdo 1 Introdução - Modulação Digital em Banda

Leia mais

Modulações digitais. Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM

Modulações digitais. Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM Modulações digitais 2 Apresentação das modulações digitais PSK, FSK, ASK e QAM Modulações digitais ASK, PSK e FSK ASK FSK Atenuador ASK 1 FSK Oscilador binária 2 binária BPSK QPSK Esasamento de 27º Oscilador

Leia mais

3.1) Diga o que é uma transmissão síncrona e uma transmissão assíncrona. 3.2) Qual a principal diferença entre codificação banda básica e modulação?

3.1) Diga o que é uma transmissão síncrona e uma transmissão assíncrona. 3.2) Qual a principal diferença entre codificação banda básica e modulação? 3 a. Lista Redes de Comunicações I pg. 1/5 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REDES DE COMUNICAÇÕES 1 Prof. Flávio Alencar 3 a. LISTA (Assuntos: Dados, Sinais e Transmissão, Características do Meio,

Leia mais

UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6. Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento

UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6. Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento UNIDADE II Aula 2 Modulação parte 6 Fonte: Irene Silva Farias e Edmar José do Nascimento Modulação ASK (Amplitude Shift Keying) O sinal ASK pode ser produzido empregando-se os mesmos teoremas da modulação

Leia mais

II-6 Análise de ruído e capacidade de canal

II-6 Análise de ruído e capacidade de canal II-6 Análise de ruído e capacidade de canal Comunicações ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Causa dos erros na transmissão Modelo AWGN e ISI Modelo BSC Efeito do ruído Relação sinal/ruído 2. Curvas

Leia mais

Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária

Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária Anexo II Desempenho das modulações mais empregadas em enlaces via satélite em condição geo-estacionária II.1. Introdução Como as distâncias dos enlaces via satélite são muito grandes, faz-se necessário

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Codificação de dados Aula 4 Informações (digitais ou analógicas) podem ser codificadas tanto em sinais analógicos como em sinais

Leia mais

Modulações de Espectro Espalhado

Modulações de Espectro Espalhado Modulações de Espectro Espalhado Propriedades Gerador de sequência aleatória Sequência Direta (DSSS) Chirp (CSS) Salto de Frequência (FHSS) Salto de Tempo (THSS) Prof. Marlio Bonfim Técnicas de Modulação

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Prof.ª Inara Santana Ortiz Aula 4 Camada Física Camada Física - Sinais Funções Características físicas (mecânicas e elétricas) das interfaces e dos meios. Define quais os tipos

Leia mais

II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal

II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal II-6 Análise de Ruído e Capacidade de Canal Comunicações ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Causa dos erros na transmissão Modelo AWGN (canal físico) Modelo BSC (canal discreto) Efeito do ruído

Leia mais

Teoria da Informação

Teoria da Informação Charles Casimiro Cavalcante charles@gtel.ufc.br Grupo de Pesquisa em Telecomunicações Sem Fio GTEL Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Teleinformática Universidade Federal do Ceará UFC http://www.gtel.ufc.br/

Leia mais

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO MODULAÇÃO DE PULSO Evelio M. G. Fernández - 2011 Sistemas de Comunicações Digitais Sistema digital no sentido de utilizar uma seqüência de símbolos pertencentes a um conjunto

Leia mais

Apresentação... 1 Introdução... 1

Apresentação... 1 Introdução... 1 Apresentação O objetivo principal deste texto é servir como material básico para uma disciplina introdutória sobre sistemas de comunicações em um curso de Engenharia Elétrica. Ele tem abrangência limitada,

Leia mais

Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários.

Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários. Conceito de Comunicação Digital: Transmissão de informação em forma digital a partir de uma fonte geradora da informação até um ou mais destinatários. Figura 1: Diagrama de blocos simplificado, contendo

Leia mais

Demodulação e Detecção Passa-Faixa

Demodulação e Detecção Passa-Faixa Demodulação e Detecção Passa-Faixa Edmar José do Nascimento (Tópicos Avançados em Engenharia Elétrica I) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado

Leia mais

Transmissão de impulsos em banda-base

Transmissão de impulsos em banda-base ransmissão de impulsos em banda-base ransmissão de impulsos através de um canal com ruído aditivo.3 O filtro adaptado e o correlacionador ransmissão de sinais em canais banda-base Introdução Consideremos

Leia mais

Comparação entre limite de Shannon, diferentes modulações 1 e. modulações e o ganho vindo de um código de canal. Luis Henrique Assumpção Lolis

Comparação entre limite de Shannon, diferentes modulações 1 e. modulações e o ganho vindo de um código de canal. Luis Henrique Assumpção Lolis Comparação entre limite de Shannon, diferentes modulações e o ganho vindo de um código de canal 3 de outubro de 2013 Comparação entre limite de Shannon, diferentes modulações 1 e Conteúdo Comparação entre

Leia mais

1 O esquema de Alamouti: Diversidade na transmissão

1 O esquema de Alamouti: Diversidade na transmissão 1 O esquema de Alamouti: Diversidade na transmissão 1.1 O Caso de uma antena receptora A Figura?? mostra a representação em banda básica do esquema de Alamouti com diversidade na transmissão. O esquema

Leia mais

1 Modulação digital Noções básicas

1 Modulação digital Noções básicas 1 Modulação digital Noções básicas A modulação envolve operações sobre uma ou mais das três características de uma portadora (amplitude, fase, freqüência). Há três técnicas básicas de modulação para transformar

Leia mais

Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Modulação. Codificação. Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos

Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Modulação. Codificação. Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos Modulação e Codificação Modulação Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos Codificação Dados analógicos Sinais digitais Dados digitais Sinais digitais Modulação Processo pelo

Leia mais

MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM

MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM MODULAÇÃO ASK, PSK, FSK E QAM ÉCNICAS DE MODULAÇÃO PASSA-FAIXA Na transmissão da dados anda ase a sequencia serial de dados de entrada é representada na forma de uma onda discreta modulada por amplitude

Leia mais

ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS

ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS ÍNDICE LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS PREFÁCIO AGRADECIMENTOS 1 O SISTEMA TELEFÓNICO 1.1 Introdução 1.2 Terminais telefónicos 1.3 Rede telefónica 1.4 Princípios de comutação telefónica 1.4.1 Introdução

Leia mais

canal para sinais contínuos

canal para sinais contínuos Processos estocásticos, Entropia e capacidade de canal para sinais contínuos 24 de setembro de 2013 Processos estocásticos, Entropia e capacidade de canal para1 sin Conteúdo 1 Probabilidade de sinais contínuos

Leia mais

Aula. Princípios de Comunicação

Aula. Princípios de Comunicação Aula Princípios de Comunicação Tipos de Sinal Sinal Analógico MAX MIN Sinal Digital MAX MAX = 1 MIN Sinal Binário MIN = 0 MAB-510 2 Aterramento Terra de Segurança Dá aos elétrons um condutor extra (que

Leia mais

Princípios de Comunicação: Simulação /2

Princípios de Comunicação: Simulação /2 Princípios de Comunicação: Simulação 2 2015/2 18 de Novembro de 2015 Instruções 1. A simulação poderá ser feita em Matlab, Scilab ou C++; 2. A simulação deve ser entregue sob a forma de relatório em formato

Leia mais

Comunicações Digitais

Comunicações Digitais 1 - Introdução Enlace de um Sistema de Comunicação fonte mensagem transdutor Transmissor Modulador canal ruído receptor transdutor destino mensagem (estimada) sinal de entrada sinal com distorção sinal

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital

Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital CETEL- Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues Aprendizagem Industrial Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Modulação Digital 1) Modulação Digital 1.1) Vantagens da Comunicação Digital

Leia mais

ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Introdução aos Sistemas de Comunicação Industrial

ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Introdução aos Sistemas de Comunicação Industrial ENGG55 REDES INDUSTRIAIS Introdução aos Sistemas de Comunicação Industrial Prof. Eduardo Simas (eduardo.simas@ufba.br) DEE Departamento de Engenharia Elétrica Escola Politécnica - UFBA 1 Introdução Muitas

Leia mais

Fundamentos da Informática e comunicação de dados

Fundamentos da Informática e comunicação de dados Fundamentos da informática e comunicação de dados Cursos de Tecnologias Aula 4 Modulação Prof. Oswaldo Flório Filho Profª. Alice Flora Madeira Ribeiro Conteúdo 1. Modulação... 3 2. Modulação AM... 4 3.

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados. Aula-07

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados. Aula-07 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Aula-7 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 212 Código de Histórico A terminologia código de linha surgiu com a telefonia, quando tornou-se necessário transmitir

Leia mais

Codificação de Linha

Codificação de Linha Codificação de Linha Conhecer os diversos métodos de codificação de linha para transmissão digital. Chamamos de transmissão digital o envio de sinais digitais do computador diretamente na linha de transmissão

Leia mais

Formatação de fonte. PCM ( Pulse Code Modulation )

Formatação de fonte. PCM ( Pulse Code Modulation ) Formatação de fonte PCM ( Pulse Code Modulation ) Elementos básicos de um sistema PCM A obtenção de um sinal PCM envolve três operações: 1. Amostragem. uantização (uniforme ou não-uniforme) 3. Codificação

Leia mais

João Baptista Bayão Ribeiro MODULAÇÃO M-ÁRIA. 1ª Edição

João Baptista Bayão Ribeiro MODULAÇÃO M-ÁRIA. 1ª Edição João Baptista Bayão Ribeiro MODULAÇÃO M-ÁRIA 1ª Edição Rio de Janeiro J. B. Bayão 2014 2 Curriculum do Autor João Baptista Bayão Ribeiro é formado em Engenharia de Telecomunicações pela UFF (Universidade

Leia mais

4 Transmissão Através de Canal Ruidoso

4 Transmissão Através de Canal Ruidoso 4 Transmissão Através de Canal Ruidoso 4.1 Modelos de Canais O canal de comunicação modela o meio físico através do qual é transportada a informação desde o transmissor até o receptor, diferentes tipos

Leia mais

Princípios de Transmissão Digital

Princípios de Transmissão Digital Princípios de Transmissão Digital Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Introdução 2

Leia mais

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco

Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TV Analógica e Digital Codificação de Fonte Prof. Márcio Lima E-mail:marcio.lima@poli.br 12.06.2014 Introdução A principal função de um sistema

Leia mais

Edital 064/ Área 20 Engenharia

Edital 064/ Área 20 Engenharia CAMPUS PELOTAS PELOTAS INSTRUÇÕES GERAIS 1 - Este caderno de prova é constituído por 4 (quarenta) questões objetivas. 2 - A prova terá duração máxima de 4 (quatro) horas. 3 - Para cada questão são apresentadas

Leia mais

Fund. De Redes. Codificação de dados

Fund. De Redes. Codificação de dados Fund. De Redes Codificação de dados Introdução Informações digitais ou analógicas podem ser codificadas tanto em sinais analógicos como em sinais digitais. Dados digitais, sinais digitais Dados analógicos,

Leia mais

Simulação MATLAB - Transmissão PCM em Banda Base e Diagrama de Olho. Testar o efeito de filtros sem ISI no espectro e na curva BERXE b /N 0.

Simulação MATLAB - Transmissão PCM em Banda Base e Diagrama de Olho. Testar o efeito de filtros sem ISI no espectro e na curva BERXE b /N 0. Simulação MATLAB - Transmissão PCM em Banda Base e Diagrama de Olho Objetivos Simular a taxa de erro binário em função de E b /N 0 para diferentes modulações PCM e comparar com a teoria Testar o efeito

Leia mais

Resolução dos exercícios propostos do livro texto referente a primeira etapa do curso Rodrigo César Pacheco

Resolução dos exercícios propostos do livro texto referente a primeira etapa do curso Rodrigo César Pacheco dos exercícios propostos do livro texto referente a primeira etapa do curso Rodrigo César Pacheco Exercícios do capítulo 1 (páginas 24 e 25) Questão 1.1 Uma fonte luminosa emite uma potência igual a 3mW.

Leia mais

4.1 Modulações binárias (FSK e MSK)

4.1 Modulações binárias (FSK e MSK) Modulações digitais 4 Modulações digitais não-lineares com detecção coerente 4. Modulações inárias (FSK e MSK) O espaço de sinal em FSK multifrequência (M-FSK) Em M-FSK a informação está contida na frequência

Leia mais

Transmissão da Informação - Multiplexação

Transmissão da Informação - Multiplexação Volnys B. Bernal (c) 1 Transmissão da Informação - Multiplexação Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Sinal de Voz Multiplexação Técnicas de

Leia mais

Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome:

Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: 3. DIMENSIONAMENTO Esta secção visa preparar os alunos para as experiências que irão realizar no laboratório. Todos os grupos terão de no início da sessão de laboratório

Leia mais

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014 1 Princípios de Telecomunicações PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014 Bloco de Comunicação Genérico Emissor sinais analógicos x sinais digitais Sinais

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 4 Índice 1. Transmissão de Sinais Digitais...3 1.1 Modulação... 3 1.2 Banda passante... 4 1.3 Taxa de transmissão (BIT RATE)... 5 2 1. TRANSMISSÃO DE SINAIS

Leia mais

Modulação e Codificação

Modulação e Codificação INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA Departamento de Ciências e Tecnologias de Informação Engenharia de Telecomunicações e Informática Modulação e Codificação Ano Lectivo 001/00 º Semestre

Leia mais

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO RUÍDO EM MODULAÇÕES ANALÓGICAS Evelio M. G. Fernández - 2011 Processo Aleatório (ou Estocástico): Função aleatória do tempo para modelar formas de onda desconhecidas. Processos

Leia mais

Modulação de Onda Contínua - Modulação de Amplitude - 1AM

Modulação de Onda Contínua - Modulação de Amplitude - 1AM Modulação de Onda Contínua - Modulação de Amplitude - AM 18 de fevereiro de 2014 Modulação de Onda Contínua - Modulação de Amplitude - 1AM Conteúdo 1 Introdução 2 Modulação AM DSB 3 Modulação AM DSB-SC

Leia mais

Capítulo 6 Receptores Ótimos e Modulação Digital

Capítulo 6 Receptores Ótimos e Modulação Digital Capítulo 6 Receptores Ótimos e Modulação Digital 1. Receptores Ótimos para Comunicação de Dados Projeto de receptores: sinal fraco somado ao ruído aditivo. Propósito da detecção: estabelecer a presença

Leia mais

Introdução a Modulação

Introdução a Modulação Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Telecomunicações PRT- Princípios de Telecomunicações Introdução a Modulação Fontes: Prof. Deise Monquelate Arndt Princípios de Sistemas de Telecomunicações,

Leia mais

PRE29006 LISTA DE EXERCÍCIOS #

PRE29006 LISTA DE EXERCÍCIOS # INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ COORDENADORIA DE ÁREA DE TELECOMUNICAÇÕES ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES PRE9006 LISTA DE EXERCÍCIOS #3 06. Exercícios. [, Exercício 7.] Seja A uma variável

Leia mais

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta;

Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; Modulação Digital Modulação Digital Como em AM e FM, a portadora é um sinal senoidal com frequência relativamente alta; O sinal modulante é um sinal digital; A informação (bits) é transmitida em forma

Leia mais

Exercícios de Sistemas de Telecontrolo

Exercícios de Sistemas de Telecontrolo Exercícios de Sistemas de Telecontrolo Exercícios sobre Sistemas de Aquisição de Dados 1. Considere um sistema de aquisição de dados centralizado com comutação de baixo nível. Utiliza-se um multiplexador

Leia mais

Propagação em Pequena Escala. CMS Bruno William Wisintainer

Propagação em Pequena Escala. CMS Bruno William Wisintainer Propagação em Pequena Escala CMS 60808 2016-1 Bruno William Wisintainer bruno.wisintainer@ifsc.edu.br Definição Modelos que caracterizam as variações rápidas da potência do sinal quando o móvel é deslocado

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES II Trabalho nº 2 Códigos de linha

TELECOMUNICAÇÕES II Trabalho nº 2 Códigos de linha TELECOMUNICAÇÕES II Trabalho nº 2 Códigos de linha Trabalho realizado por : Igor Terroso Fernando Pinto Oscar Patrício da Turma 4EEC08 Indice: Objectivo...3 Conceitos teóricos...4 O codigo de linha 2B1Q...6

Leia mais

Nome: N o : Turma:

Nome: N o : Turma: MULTIPLEXAÇÃO E SINAL TELEGRÁFICO 1 QUESTIONÁRIO DA UNIDADE VI ASSUNTO: Multiplexação e Sinal Telegráfico Nome: ------------------------------------------------------------------------ N o : ------- Turma:

Leia mais

Modulações digitais. Espectros de potência de sinais modulados. Eficiência espectral

Modulações digitais. Espectros de potência de sinais modulados. Eficiência espectral Modulações digitais 7 Espectros de potência de sinais modulados Eficiência espectral Espectros de potência de sinais PSK e FSK Densidades espectrais de potência em anda-ase PSK inário FSK inário S B (

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Fundaentos de Telecounicações Engª de Sisteas e Inforática EXERCÍCIOS DE APOIO SÉRIE I ) Considere o sinal AM s(t)=(+f(t))cos(πfct) e que a frequência da portadora fc=50

Leia mais

Modulação. Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Técnicas de Modulação

Modulação. Modulação e Codificação. Modulação. Modulação. Técnicas de Modulação Modulação e Codificação Modulação Dados analógicos Sinais analógicos Dados digitais Sinais analógicos Codificação Dados analógicos Sinais digitais Dados digitais Sinais digitais Modulação Processo pelo

Leia mais

Princípios de Transmissão Digital

Princípios de Transmissão Digital Princípios de Transmissão Digital Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicações) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Roteiro 1 Introdução 2

Leia mais

III-1 Códigos detetores e corretores de erros

III-1 Códigos detetores e corretores de erros III-1 Códigos detetores e corretores de erros Comunicações ISEL-ADEETC-Comunicações 1 Sumário 1. Aspetos gerais sobre a comunicação digital Comportamento do canal Causas da existência de erros 2. Códigos

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA GUSTAVO THEODORO LASKOSKI MAICON MARCONDES OSCAR SZEREMETA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA GUSTAVO THEODORO LASKOSKI MAICON MARCONDES OSCAR SZEREMETA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA GUSTAVO THEODORO LASKOSKI MAICON MARCONDES OSCAR SZEREMETA MODULAÇÃO DIGITAL TÓPICOS DE COMUNICAÇÕES CURITIBA SETEMBRO 2006

Leia mais

EEC4262 Radiação e Propagação. Lista de Problemas

EEC4262 Radiação e Propagação. Lista de Problemas Lista de Problemas Parâmetros fundamentais das antenas 1) Uma antena isotrópica no espaço livre produz um campo eléctrico distante, a 100 m da antena, de 5 V/m. a) Calcule a densidade de potência radiada

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Simulação de Sistemas de Comunicação Digital

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Simulação de Sistemas de Comunicação Digital Universidade Presbiteriana Mackenzie Pós-graduação em Engenharia Elétrica Simulação de Sistemas de Comunicação Digital Transmissão e Recepção em Banda Passante Notas de Aula Prof. Divanilson Rodrigo Campelo

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA PERIÓDICA - TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 08, NO. 02, DEZEMBRO DE

REVISTA CIENTÍFICA PERIÓDICA - TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 08, NO. 02, DEZEMBRO DE REVISTA CIENTÍFICA PERIÓDICA - TELECOMUNICAÇÕES, VOL 8, NO, DEZEMBRO DE 5 3 4 MENDES & BALDINI: UMA ABORDAGEM SOBRE DIVERSIDADE DE TRANSMISSÃO PARA REDES WLAN 5 Fase [rad] Amplitude 5-5 - -5 5 5 Freqüencia

Leia mais

VSAT. Very Small Aperture Terminal

VSAT. Very Small Aperture Terminal Comunicações Via Satélite VSAT Very Small Aperture Terminal AGENDA Introdução do Conceito de VSAT Aplicações VSAT Arquiteturas e Topologias de Redes Características Gerais da Tecnologia Segmento Espacial

Leia mais

Teoria para Laboratório 1º Bimestre

Teoria para Laboratório 1º Bimestre Teoria para Laboratório 1º Bimestre Prof.ª Irene 1 MODULAÇÃO As modulações utilizadas para a transmissão de informações são múltiplas. Em radiofreqüência, as mais coerentes são modulação em amplitude,

Leia mais

Transmissão de impulsos em banda-base

Transmissão de impulsos em banda-base Transmissão de impulsos em banda-base Códigos de linha Sequências pseudo-aleatórias Baralhadores Códigos de linha A transformação de uma sequência binária na sua representação eléctrica é feita através

Leia mais

BETA TELECOM Consultores. Parte 2

BETA TELECOM Consultores. Parte 2 Parte 2 Esta é a segunda parte do artigo BT.466/01. Na primeira parte foram vistos os princípios básicos que definem o sistema de Espalhamento Espectral. Nesta parte serão detalhados os dois principais

Leia mais

Diagrama do olho PROJETO E AVALIAÇÃO SISTÊMICOS por Mônica de Lacerda Rocha - CPqD

Diagrama do olho PROJETO E AVALIAÇÃO SISTÊMICOS por Mônica de Lacerda Rocha - CPqD 1 A técnica de medida conhecida como diagrama de olho, feita no domínio do tempo, é uma ferramenta importante para se avaliar o desempenho de um sistema óptico digital, pois permite uma visualização da

Leia mais

26/06/17. Ondas e Linhas

26/06/17. Ondas e Linhas 26/06/17 1 Ressonadores em Linhas de Transmissão (pags 272 a 284 do Pozar) Circuitos ressonantes com elementos de parâmetros concentrados Ressonadores com linhas de transmissão em curto Ressonadores com

Leia mais

SEL413 Telecomunicações. 1. Notação fasorial

SEL413 Telecomunicações. 1. Notação fasorial LISTA de exercícios da disciplina SEL413 Telecomunicações. A lista não está completa e mais exercícios serão adicionados no decorrer do semestre. Consulte o site do docente para verificar quais são os

Leia mais

Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome:

Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Aluno N : Nome: Data: Horário: Turma: Turno: Grupo: 3. DIMENSIONAMENTO Esta secção visa preparar os alunos para as experiências que irão realizar no laboratório. Todos os grupos terão de no início da sessão de laboratório

Leia mais

Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas

Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas Resumo de trabalho Multiplexação por divisão de frequência em links de fibra ótica para arranjo de antenas defasadas Disciplina: Componentes e sistemas de sensoriamento a fibra ótica PEA5719 Professor:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A27 (1) SIMULADOR DE INDUTÂNCIA (GYRATOR) INDUTOR ATIVO

Leia mais

04 - ( )Através da utilização de um modulador balanceado e uma rede defasadora de π/2 é possível obter um modulador de PM faixa estreita.

04 - ( )Através da utilização de um modulador balanceado e uma rede defasadora de π/2 é possível obter um modulador de PM faixa estreita. MODULAÇÃO EM FREQÜÊNCIA 1 QUESTIONÁRIO DA UNIDADE IV ASSUNTO: Modulação em Freqüência. Nome: N o : Turma: Para cada período abaixo mencionado, analise seu conteúdo e marque " F " para uma situação FALSA

Leia mais

Conceitos Básicos de Áudio Digital

Conceitos Básicos de Áudio Digital Aula 07 Conceitos Básicos de Áudio Digital Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Ciências Exatas e Naturais Ciência da Computação Som Conceitos Iniciais

Leia mais

Teoria da Informação. Codificação de Fonte

Teoria da Informação. Codificação de Fonte Codificação de Fonte lucianol@inatel.br /62 Conteúdo e Referência. Revisão: Probabilidade e Variáveis Aleatórias 2. Fontes de informação amostragem e quantização 3. Princípios da 4. Compactação de Fonte

Leia mais

TE111 Comunicação Digital. Qualidade do Canal Sem Fio. TE111 Análise de Canais de Comunicação sem Fio. Evelio M. G. Fernández. 18 de setembro de 2016

TE111 Comunicação Digital. Qualidade do Canal Sem Fio. TE111 Análise de Canais de Comunicação sem Fio. Evelio M. G. Fernández. 18 de setembro de 2016 TE111 Comunicação Digital Análise de Canais de Comunicação sem Fio 18 de setembro de 2016 Qualidade do Canal Sem Fio Desvanecimento em larga escala, devido às perdas de propagação em função da distância

Leia mais

Modulação por Pulsos

Modulação por Pulsos Modulação por Pulsos Propriedades Amostragem de sinais Modulação por amplitude de pulso (PAM) Modulação por pulso codificado (PCM) Modulação por largura de pulso (PWM) Modulação por posição de pulso (PPM)

Leia mais

TE239 - Redes de Comunicação Lista Exercícios 1. 1 Questões Discursivas. Carlos Marcelo Pedroso. 2 de abril de 2015

TE239 - Redes de Comunicação Lista Exercícios 1. 1 Questões Discursivas. Carlos Marcelo Pedroso. 2 de abril de 2015 Carlos Marcelo Pedroso 2 de abril de 2015 1 Questões Discursivas Exercício 1: Suponha a planta apresentada na Figura 1. Imprima a planta baixa em uma folha e, utilizando um lápis, escreva o projeto de

Leia mais

Exercícios de Telecomunicações 2

Exercícios de Telecomunicações 2 Departaento de Engenharia Electrotécnica e de Coputadores Exercícios de Telecounicações (004-005) Sílvio A. Abrantes Foratação de fonte (aostrage e PCM) 1.1. A densidade espectral de potência de ua ensage

Leia mais

Análise Estatística de Sistemas de Comunicação Digitais Usando o Diagrama de Olho

Análise Estatística de Sistemas de Comunicação Digitais Usando o Diagrama de Olho Análise Estatística de Sistemas de Comunicação Digitais Usando o Diagrama de Olho MSc UERJ-FEN-DETEL Análise Estatística de Sistemas de Comunicação Digitais Os sistemas de comunicação digital operam com

Leia mais

que, em geral, têm algumas centenas ou alguns milhares de bytes

que, em geral, têm algumas centenas ou alguns milhares de bytes Modelo OSI Vantagens do modelo OSI (Open Systems Interconnection, Interconexão de Sistemas Abertos): Reduz a complexidade; Padroniza as interfaces; Simplifica o ensino e o aprendizado. 1-) Camada Física

Leia mais

Multiplexação FDM. Amplamente utilizada de forma conjunta às modulações AM, FM, QAM, PSK Usada na comunicação de sinais analógicos e digitais

Multiplexação FDM. Amplamente utilizada de forma conjunta às modulações AM, FM, QAM, PSK Usada na comunicação de sinais analógicos e digitais Multiplexação FDM Multiplexação por Divisão de Frequência A multiplexação não é em si uma técnica de modulação de sinais, mas é frequentemente utilizada de forma complementar Possibilita o envio simultâneo

Leia mais

I-8 Digitalização e Reconstrução

I-8 Digitalização e Reconstrução I-8 Digitalização e Reconstrução Comunicações (15 de novembro de 2016) ISEL - ADEETC - Comunicações 1 Sumário 1. Enquadramento em SCD Transmissão de sinal analógico sobre SCD 2. Teorema da Amostragem Ritmo

Leia mais

III-1 Códigos detetores e corretores de erros

III-1 Códigos detetores e corretores de erros III-1 Códigos detetores e corretores de erros Comunicações ISEL-ADEETC-Comunicações 1 Sumário 1. Aspetos gerais sobre a comunicação digital Causa de erros 2. Códigos detetores e corretores de erros Códigos

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/9 MODEM As linhas telefônicas e rádios foram projetados pra transmitir frequências da voz humana, sendo que estes sinais são

Leia mais