ORIENTAÇÕES PARA NOVOS GESTORES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES PARA NOVOS GESTORES"

Transcrição

1 ORIENTAÇÕES PARA NOVOS GESTORES

2 VENCI AS ELEIÇÕES, E AGORA?

3 NOTICIÁRIO EM JANEIRO DE 2013

4 NOTICIÁRIO EM JANEIRO DE 2013

5 NOTICIÁRIO EM JANEIRO DE 2013

6 DÚVIDAS E INCERTEZAS Algumas preocupações de quem está saindo: Estar com as prestações de contas regulares perante os órgãos de controle. Entregar o município organizado, sem dívidas, sem obras inacabadas ou serviços em atraso. Imagem negativa de sua gestão. (...)

7 DÚVIDAS E INCERTEZAS Algumas preocupações de quem está chegando: Assumir um município com dívidas sem disponibilidades de caixa e sem perspectivas de receitas em face, principalmente, da crise econômica. Folha de pagamento comprometendo os limites legais. Equipe técnica inexperiente. (...)

8 PROCESSO DE TRANSIÇÃO Orientações para uma boa transição: Instalação de equipe de transição com profissionais das duas administrações. Conhecer a estrutura administrava municipal e o quadro de pessoal existente. Conhecer a situação econômica e fiscal do município. Conhecer a Lei de Diretrizes Orçamentárias e a Lei Orçamentária Anual aprovadas para o exercício de 2017.

9 PROCESSO DE TRANSIÇÃO Orientações para uma boa transição: Saber como estão os processos de prestação de contas perante os órgãos de controle, bem como, prestações de contas de repasses realizados pendentes de apreciação. Saber quais contratos e convênios estão em vigência e quais contratações precisam ser realizadas no início do mandato. Conhecer as fiscalizações realizadas pelo TCEES identificando determinações e recomendações (Ex. fiscalizações temáticas de receitas, previdência, portais de transparência e controle interno).

10 PROCESSO DE TRANSIÇÃO Orientações para uma boa transição: Conhecer demandas e ações que precisam ser adotadas com urgência (Ex. se gastos com pessoal estiverem acima do limite legal permitido pela LRF; reconhecimento de eventuais passivos não registrados, especialmente precatórios). Sobre precatórios, entrar em contato com a Assessoria de Precatórios do TJES e solicitar o acervo atualizado de precatórios. Contato: e (27) Atenção para bloqueios judiciais e suas consequencias.

11 PROCESSO DE TRANSIÇÃO Orientações para uma boa transição: Mais informações sobre uma boa transição poderão ser obtidas consultando o Manual de Início de Mandato elaborado pelo TCEES, disponível no sítio eletrônico do Tribunal de Contas, no endereço bem como, no Guia de Orientações aos Gestores Municipais sobre a Transição de Mandato, objeto da Recomendação Focco/ES¹ nº 01/ Fórum de Combate à Corrupção no Espírito Santo

12 ORIENTAÇÕES PARA O EXERCÍCIO DO MANDATO FUNÇÕES TÍPICAS E ATÍPICAS DOS PODERES Poder Funções típicas Funções atípicas Executivo Administrar. Executar as leis. Legislar. Legislativo Legislar. Fiscalizar. Administrar. Judiciário Julgar conflitos. Controle de constitucionalidade. Administrar.

13 ORIENTAÇÕES PARA O EXERCÍCIO DO MANDATO Manter a contabilidade da instituição sempre em dia permitirá uma boa e regular prestação de contas, bem como, o conhecimento tempestivo da situação fiscal e econômica do município e a manutenção de um fluxo de caixa permanente e por fonte de recursos. Designar profissionais qualificados para as comissões de licitações e equipes de pregão, unidade de controle interno, procuradorias, contabilidade e demais setores que compõem o centro de governo, dotando-os de condições técnicas para o desempenho de suas atividades é condição fundamental para uma boa governança.

14 ORIENTAÇÕES PARA O EXERCÍCIO DO MANDATO Planejamento e execução orçamentária e fiscal devem ser levados à sério. Deve-se estabelecer limites fiscais compatíveis com a realidade do município. Existindo dívidas, deve-se produzir superávit primário para o seu pagamento. Levar em conta uma base real para despesas com pessoal e não ter como referência apenas a RCL. Conhecer a situação financeira e atuarial do Regime Próprio de Previdência Social (onde existir) dotando os responsáveis pela gestão desses regimes próprios de conhecimentos necessários. Se for designar novos diretores, atentar para necessária qualificação.

15 ORIENTAÇÕES PARA O EXERCÍCIO DO MANDATO Normatizar a ordem cronológica de pagamentos, estabelecendo prazos específicos para fases da despesa, observando as fontes de recursos. Instituição da contabilidade de custos para avaliação do custo x benefício dos programas de governo. Utilização da Tecnologia da Informação a serviço do controle e otimização de custos, especialmente com pessoal. (Ex. processos eletrônicos, controle de bens e serviços, produção de informações gerenciais).

16 ORIENTAÇÕES PARA O EXERCÍCIO DO MANDATO Conhecer a legislação do TCEES e estar atento às orientações oferecidas pela Corte de Contas. Conhecer o que os Governos Federal e Estadual oferece aos municípios em termos de sistemas, orientações sobre transferências voluntárias, regras sobre prestações de contas.

17 PROCESSOS NO ÂMBITO DO TCEES Os processos de controle externo no âmbito do TCE-ES possuem três naturezas distintas: Contas Fiscalização Consulta

18 PROCESSOS NO ÂMBITO DO TCEES Processos de Contas Prestação de Contas Tomada de Contas Tomada de Contas Especial Processos de Fiscalização Plano Anual de Fiscalizações Denúncias Representações Processos de Consultas

19 PROCESSOS NO ÂMBITO DO TCEES Instrumentos, peças e resultados: Tomadas e Prestação de Contas: Relatórios Técnicos, Julgamentos (acórdãos) e Pareceres Prévios. Fiscalizações: Auditorias, Inspeções, Levantamentos, Acompanhamentos e Monitoramentos geram Relatórios Técnicos, decisões terminativas ou julgamentos. Consultas: Relatórios Técnicos e Pareceres em Consulta.

20 FISCALIZAÇÕES TCEES 2012/ Jurisdicionados fiscalizados Fiscalizações deflagradas

21 ACCOUNTABILITY

22 PRESTAÇÃO DE CONTAS FUNDAMENTOS LEGAIS BÁSICOS Constituição Federal artigos 70, 71 e 74 Lei Orgânica do Tribunal de Contas LC Estadual 621/2012 Regimento Interno do Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo Resolução TC 261/2013 Instrução Normativa TC 34/2015 (PCA) e 39/2016 (PCM)

23 PRESTAÇÃO DE CONTAS Obrigatoriedade e responsabilidades na prestação de contas anual em transição de mandato. Contas de governo e contas de gestão. Geo-obras CidadES

24 PRESTAÇÃO DE CONTAS ANUAIS ANALISADAS CONTAS DE GOVERNO CONTAS DE GESTÃO

25 GEO-Obras

26 2017 Integração próximos módulos e estado 2016 CidadES PCA 2014/2015 Evoluções e consolidação 2013 Cidades-Web PCB 2012 Início do projeto Cidades-Web 2000 a 2012 Sisaud

27 O que já está em operação?

28 Controle de Desconcentração de UGs CidadES Controle Social Controle de Execução de Contratos e Convênios PCB abertura Municípios (PPA, LDO e LOA) PCB Municípios PCA Municípios Geração automática de Certidões Cadastro de Contratos e Convênios Controle de Consistências Alertas e notificações automáticos Cadastro de Credores e Fornecedores Cadastro de Unidades Gestoras

29 O que virá para os próximos exercícios?

30 Controle de integração e execução PPA, LDO e LOA Integração PCM x PCA Municípios Controle de contratações públicas Controle de Adiantamento a Servidores Controle de atos concessórios de pessoal Controle de Receitas Públicas Inclusão das UGs Estaduais Controle de Repasse para Consórcios Controle de Garantias e Contra- Garantias Controles de restos a pagar Controle de Folha de Pagamentos Apuração automática de limites Cadastro de Credores e Fornecedores Atos de admissão de pessoal Ordem cronológica de pagamentos Controle receita e limitação de empenhos Controle de frotas Integração Siops, Siope e Siconfi Rol de responsáveis

31 INDICADORES ECONÔMICOS E FISCAIS

32 Execução orçamentária 2009/2015 em R$ 1,00 bilhão a valores correntes: 9,38 8,62 9,80 10,28 8,62 9,60 10,29 10,99 10,78 11,39 10,39 11,22 10,58 11,67 12,25 12,70 12,22 11,87 11,15 12,02 10,59 Despesas executadas Despesas fixadas Receitas arrecadadas Receitas previstas 9,80 10,24 11,00 11,74 12,27 12,72 12,

33 Resultado da execução orçamentária 2009/2015 em R$ 1,00 bilhão a valores correntes: 9,38 9,60 10,78 10,29 11,87 11,39 11,15 10,39 11,22 12,02 10,58 10,59 8,62 8,62 Despesas executadas Receitas arrecadadas

34 Aplicação em Educação 2009/2015 em R$ 1,00 bilhão a valores correntes: Aplicação Educação ¹ Percentual Aplicação/Aluno ² ,53 28, , ,58 27, , ,83 28, , ,90 29, , ,79 28, , ,84 29, , ,69 28, ,42 1. Em R$ 1,00 bilhão 2. Em R$ 1,00

35 Aplicação em Saúde 2009/2015 em R$ 1,00 bilhão a valores correntes: Aplicação Saúde ¹ Percentual Aplicação Per Capta ² ,03 18,98 294, ,05 18,50 298, ,37 21,70 385, ,41 21,78 394, ,33 21,53 345, ,33 21,42 342, ,22 20,64 309,31 1. Em R$ 1,00 bilhão 2. Em R$ 1,00

36 Despesas com Poder Legislativo 2009/2015 em R$ 1,00 milhão a valores correntes: Valor do Repassado Gasto Total do Poder Gasto com folha de pagamento

37 Despesas com pessoal 2009/2015 em R$ 1,00 milhão a valores correntes: Receita Corrente Líquida Pessoal - Executivo % Pessoal - Legislativo % Pessoal - Consolidado % , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,13 45,61 2,25 47,86

38 Despesas com pessoal 2009/2015 em R$ 1,00 milhão a valores correntes Receita Corrente Líquida Pessoal - Consolidado Exponencial (Receita Corrente Líquida) Exponencial (Pessoal - Consolidado)

39 Transferências Constitucionais - Média 03 municípios a valores constantes Cota-Parte FPM Cota-Parte ICMS Cota-Parte IPI - Exportação Cota-Parte ITR Cota-Parte IPVA

40 Despesas 2009/2015 em R$ 1,00 bilhão a valores correntes 12,17 ; 17% 27,44 ; 38% 21,49 ; 30% 8,72 ; 12% 2,04 ; 3% Aplicação em Educação Aplicação em Saúde Poder Legislativo Pessoal¹ Demais despesas 1. Despesas com pessoal exceto saúde, educação e legislativo calculadas por estimativa com base na média de aplicação.

41 Limites despesas com pessoal Poder Executivo Municipal Abaixo do limite de alerta (abaixo de 48,6%) No limite de alerta (até 48,6%) No limite prudencial (até 51,3%) Acima do limite legal 1. Fonte: LRFWeb 1º semestre / 2º quadrimestre de 2016.

42 Despesas com pessoal Poderes Estaduais ES Painel de Controle Macrogestão Estadual TCEES, outubro/2016.

43 Execução orçamentária 2016 em R$ 1,00 bilhão 7,54 6,92 Meta de arrecadação até o 4º bimestre/2016 Receita arrecadada até o 4º bimestre/2016

44 Execução orçamentária 2009/2016 em R$ 1,00 bilhão a valores correntes 11,87 12,02 10,78 11,15 8,62 9,60 9,38 11,39 10,29 10,39 11,22 10,58 10,59 9,98 10,38 Despesas executadas Receitas arrecadadas 8, Fonte: LRFWeb 4º bimestre de 2016 com projeção para dezembro/2016.

45 Receitas tributárias x transferências correntes execução orçamentária 2012/2015 em R$ 1,00 bilhão a valores correntes 7,43 7,59 7,63 6,89 Transferências Correntes (64,47%) Receitas tributárias (16,89%) 1,91 1,91 2,00 1,

46 CONSIDERAÇÕES FINAIS Mais detalhes sobre a situação econômica e fiscal dos municípios, especialmente sobre o exercício de 2016, aguardar o lançamento do CidadES Controle Social que acontecerá dia 12/12/2016 no auditório do TCEES.

47 Obrigado! Rodrigo Lubiana Zanotti Auditor e Secretário Geral de Controle Externo

Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde

Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde Os compromissos do Gestor Municipal de Saúde à luz da Lei Orçamentária Anual; o Plano Municipal de Saúde e Relatório Anual de Saúde São Paulo, 13 de abril de 2016 No momento em que se aproxima o fim da

Leia mais

ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO

ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO ANÁLISE DAS CONTAS DE GOVERNO REGRAS DE FINAL DE MANDATO COMPETÊNCIAS DO TCE EMISSÃO DE PARECER PRÉVIO LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL DESPESAS COM PESSOAL A LRF prevê a nulidade do ato que resulte aumento

Leia mais

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 20 de janeiro de MEMO nº03/2017. Confira as principais responsabilidades!

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 20 de janeiro de MEMO nº03/2017. Confira as principais responsabilidades! Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 20 de janeiro de 2017. MEMO nº03/2017. Assunto: ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2016. Confira as principais responsabilidades! Prezados (as) Senhores (as): Encerrado

Leia mais

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01 Sumário Capítulo 1 Disposições Gerais... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Objetivo da obra... 6 1.3. Apresentando a LRF... 6 1.4. Origem da LRF... 7 1.5. Previsão constitucional para implementação da LRF...

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de São Paulo

Tribunal de Contas do Estado de São Paulo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo CÂMARAS MUNICIPAIS COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES. LIMITES LEGAIS E CONSTITUCIONAIS. CARGOS EM COMISSÃO E AS IMPLICAÇÕES NA PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PRESIDENTE DA CÂMARA.

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 75,726 49,571 17,989 17,636 25,3% 7,443 6,135 Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,0% 5,449 5,113 Cultura, Esporte

Leia mais

Mês: Março/2017 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - MARÇO/2017 ÁREA

Mês: Março/2017 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - MARÇO/2017 ÁREA Mês: Março/1 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - MARÇO/1 ÁREA Ver Regulamentação Receber Balancetes da Câmara Municipal e demais Entidades da Administração Indireta para Consolidação Ver Regulamentação Recolher a

Leia mais

RELAÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE COM AS TABELAS DE BD

RELAÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE COM AS TABELAS DE BD RELAÇÃO DOS PONTOS DE CONTROLE COM AS TABELAS DE BD Ponto de Controle Dados necessários Tabela Lógica de negócio 01. Remessa de Informações ao TC (RGF e RREO) 02. Publicação - Relatório Resumido de Execução

Leia mais

Mês: Janeiro/2017 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - JANEIRO/2017 ÁREA

Mês: Janeiro/2017 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - JANEIRO/2017 ÁREA Mês: Janeiro/1 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - JANEIRO/1 ÁREA Ver Regulamentação Receber Balancetes da Câmara Municipal e demais Entidades da Administração Indireta para Consolidação Ver Regulamentação Recolher

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação O que é o É um sistema de acesso público via internet, operacionalizado pelo Fundo Nacional de

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 153,554 88,670 86,394 42,557 27,550 23,672 Assistência Social, Trabalho e Habitação 18,2% 18,6% 13,637 13,405 12,009 11,503 Dívida Pública

Leia mais

LEI DE ORÇAMENTÁRIAS

LEI DE ORÇAMENTÁRIAS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 1. Introdução A Lei de Diretrizes Orçamentárias foi instituída pela Constituição de 1988 e funciona como um elo entre o PPA e a LOA, estabelecendo ano a ano o que deve constar

Leia mais

CAPÍTULO VI VEDAÇÕES CONSTITUCIONAIS EM MATÉRIA ORÇAMENTÁRIA Questões de concursos anteriores Gabarito

CAPÍTULO VI VEDAÇÕES CONSTITUCIONAIS EM MATÉRIA ORÇAMENTÁRIA Questões de concursos anteriores Gabarito SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1.1 O Direito Financeiro e a Administração Financeira e Orçamentária 1.2 Normas gerais de Direito Financeiro 2. A atividade financeira

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL 2017 ANO-BASE:

CAMPANHA SALARIAL 2017 ANO-BASE: NOVEMBRO DE 2016 1 CAMPANHA SALARIAL 2017 ANO-BASE: 2015-2016 2 Tabela 1: Ceará: Índices de Revisão Geral dos Servidores Públicos Estaduais - 1998 2015 Ano Governo Reajuste (%) Período Inicial da Vigência

Leia mais

CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO

CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO Prefeitura Municipal de Eusébio CERTIDÃO DE PUBLICAÇÃO Período: 1º Quadrimestre de 2017 (jan/abril) Relatório: Gestão Fiscal Data da Publicação: 30 de Mai o de 2017 Local: Prefeitura Municipal Para os

Leia mais

CONGRESSO COSEMS RECOMENDAÇÕES PARA O CORRETO ENCERRAMENTO DE GESTÃO

CONGRESSO COSEMS RECOMENDAÇÕES PARA O CORRETO ENCERRAMENTO DE GESTÃO CONGRESSO COSEMS - 2016 RECOMENDAÇÕES PARA O CORRETO ENCERRAMENTO DE GESTÃO FONTES: 1.Recomendações para o encerramento da gestão municipal na saúde CONASEMS - Brasília, 2016 2. Tribunal de Contas do Estado

Leia mais

RESTOS A PAGAR. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado

RESTOS A PAGAR. Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado RESTOS A PAGAR Autor: Sidnei Di Bacco/Advogado CONCEITO Consideram-se restos a pagar as despesas empenhadas e não pagas até o dia 31 de dezembro (Lei 4.320/1964, art. 36) Pertencem ao exercício financeiro

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Orçamento Público Atividade financeira do Estado 1.2. Aspectos gerais do Orçamento Público 1.3. Conceitos 1.4. Tipos/Técnicas orçamentárias 1.4.1. Orçamento Tradicional/Clássico 1.4.2.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA RREO - ANEXO 1 (LRF, Art 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) RECEITAS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A

Leia mais

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE 2017 1 Cartilha sobre Orçamento 1 - Entendendo o orçamento público A lei do orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA É DE SUMA IMPORTÂNCIA ESTARMOS ATENTOS AOS PRAZOS LIMITE, PARA QUE TENHAMOS MAIOR TRANQÜILIDADE PERANTE NOSSOS CLIENTES E OS GESTORES PERANTE A SOCIEDADE,

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E TECNOLOGIA DIRETORIA DE ORÇAMENTO

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA Nº 04 ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE ACORDO COM A LEI COMPLEMENTAR Nº141 DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Introdução: Até 2011, a forma de prestar contas sobre as ações, recursos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2010 2013 INSTRUMENTOS TÉCNICOS DO CICLO ORÇAMENTÁRIO CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Constituição de 1988 introduziu significativa alteração no sistema de planejamento e

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO. Lucy Fátima de Assis Freitas 2016

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO. Lucy Fátima de Assis Freitas 2016 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS EM FINAL DE MANDATO Lucy Fátima de Assis Freitas 2016 ENCERRAMENTO DO MANDATO EXERCÍCIO DE 2016 RESTRIÇÕES DA LRF LC 101/2000 CRISE FINANCEIRA RESTRIÇÕES ELEITORAIS Lei 9504/97

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Normas e Procedimentos do Fundo Municipal de Saúde: preparando o final da gestão Áquilas Mendes Professor Doutor da FSP/USP e do Departamento de Economia da PUC-SP XXVII Congresso de Secretários Municipais

Leia mais

LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Aspectos Operacionais. Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças

LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Aspectos Operacionais. Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal Aspectos Operacionais Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças Edsonn@fazenda.gov.br Aspectos Operacionais da LC 101 1. Introdução Após a fase de entendimentos

Leia mais

Mês: Fevereiro/2017 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - FEVEREIRO/2017 ÁREA

Mês: Fevereiro/2017 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - FEVEREIRO/2017 ÁREA Mês: Fevereiro/1 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - FEVEREIRO/1 ÁREA Receber Balancetes da Câmara Municipal e demais Entidades da Administração Indireta para Consolidação conforme 2 do artigo 3º da IN TCE-MG nº

Leia mais

CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO

CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO CHECK LIST DA TRANSIÇÃO DE GORVERNO Missão: Evitar a descontinuidade Administrativa. Objetivo: Garantir o funcionamento contínuo das ações e serviços prestados à coletividade. Permitir a instituição de

Leia mais

Transparência Pública. Realizações Projetos e Perspectivas

Transparência Pública. Realizações Projetos e Perspectivas Transparência Pública Realizações Projetos e Perspectivas Marcos da Transparência no Brasil Acesso à informação como direito fundamental LRF Portal da Transparência Páginas de Transparência 2009 LAI remuneração

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O ENCERRAMENTO DA GESTÃO

RECOMENDAÇÕES PARA O ENCERRAMENTO DA GESTÃO Pela assessoria técnica: Terezinha Rêgo Sueldo Queiroz Solane Costa NOTA TÉCNICA RECOMENDAÇÕES PARA O ENCERRAMENTO DA GESTÃO Com a proximidade do final de um ciclo da gestão, os secretários municipais

Leia mais

ENCONTRO TCE/AMM/GESTORES MUNICIPAIS PRODUTOS DO TCE/MT: Por: Risodalva Beata de Castro

ENCONTRO TCE/AMM/GESTORES MUNICIPAIS PRODUTOS DO TCE/MT: Por: Risodalva Beata de Castro TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MATO GROSSO ENCONTRO TCE/AMM/GESTORES MUNICIPAIS PRODUTOS DO TCE/MT: ALGUNS DESTAQUES Por: Risodalva Beata de Castro Secretária etá de Coordenação Técnica da Presidência

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 CAPÍTULO 2. Harrison-Manual de Dir Financeiro-5ed.indb 15 08/03/ :10:29

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 CAPÍTULO 2. Harrison-Manual de Dir Financeiro-5ed.indb 15 08/03/ :10:29 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 A ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO E O DIREITO FINANCEIRO... 25 1. Atividade Financeira do Estado... 25 2. Direito Financeiro... 27 2.1. Autonomia do Direito Financeiro... 28 2.2. Fontes

Leia mais

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Conceitos básicos do orçamento no setor público: ciclo orçamentário e instrumentos Fábio Pereira dos Santos As origens históricas do orçamento público Século

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 A ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO E O DIREITO FINANCEIRO CAPÍTULO 2 ORÇAMENTO PÚBLICO... 71

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 A ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO E O DIREITO FINANCEIRO CAPÍTULO 2 ORÇAMENTO PÚBLICO... 71 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 A ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO E O DIREITO FINANCEIRO... 27 1. Atividade Financeira do Estado... 27 2. Direito Financeiro... 29 2.1. Autonomia do Direito Financeiro... 30 2.2. Fontes

Leia mais

Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012

Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012 Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012 Principais Pontos da Lei Orçamentária A Lei Orçamentária Anual é a peça de planejamento que detalha quais recursos serão aplicados nos programas de governo,

Leia mais

Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016

Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Sábado, 06 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do Piauí Domingo, 07 de fevereiro de 2016 Clipping Tribunal de Contas do Estado do

Leia mais

O AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO E O SEU IMPACTO NAS CONTAS MUNICIPAIS 1

O AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO E O SEU IMPACTO NAS CONTAS MUNICIPAIS 1 O AUMENTO DO SALÁRIO MÍNIMO E O SEU IMPACTO NAS CONTAS MUNICIPAIS 1 Resumo Todos os municípios brasileiros, a exemplo do que tem ocorrido nos últimos anos, sofrerão o impacto do reajuste do salário mínimo

Leia mais

CAPÍTULO IV CRÉDITOS ADICIONAIS 1. Introdução 2. Créditos suplementares 3. Créditos especiais

CAPÍTULO IV CRÉDITOS ADICIONAIS 1. Introdução 2. Créditos suplementares 3. Créditos especiais SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1.1 O Direito Financeiro e a Administração Financeira e Orçamentária 1.2 Normas gerais de Direito Financeiro 2. A atividade financeira

Leia mais

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA 1 AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Etapas da Receita e da Despesa Orçamentária 2 As etapas da receita e da despesa são as

Leia mais

CONTROLAR EQUILÍBRIO

CONTROLAR EQUILÍBRIO CONTROLAR EQUILÍBRIO ESTADO SOCIEDADE CONTROLE AUTOCONTROLE PODER LEGISLATIVO TRIBUNAL DE CONTAS MINISTÉRIO PÚBLICOP DA SOCIEDADE SISTEMAS DE CONTROLE CONTROLE EXTERNO PODER LEGISLATIVO TRIBUNAL DE CONTAS

Leia mais

PCASP. Ricardo José da Silva TCE/SC

PCASP. Ricardo José da Silva TCE/SC PCASP Consórcios; Fonte de Recursos; Regras de Integridade; Consistência de Registros e Saldos de Contas; Eventos Contábeis Específicos. Ricardo José da Silva TCE/SC 71 Transferências a Consórcios Públicos

Leia mais

apreciação do RAPP apreciação do RAPP a critério relator apreciação do RAPP a critério relator

apreciação do RAPP apreciação do RAPP a critério relator apreciação do RAPP a critério relator ASPECTOS RS PB PA MG AC SE MS CE AL RO SP A) OITIVA DOS RESPONSÁVEIS Previsão regimental S S S S N S N N S N S Juntada de documentos previstos em normativa S S S S S Juntada de documentos não previstos

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO MUNICIPIO DE CRAVINHOS LEGISLATIVO MUNICIPAL

ESTADO DE SÃO PAULO MUNICIPIO DE CRAVINHOS LEGISLATIVO MUNICIPAL ESTADO DE SÃO PAULO MUNICIPIO DE CRAVINHOS LEGISLATIVO MUNICIPAL RELATÓRIO DE CONTROLE INTERNO REFERÊNCIA 1º QUADRIM/2014 JANEIRO-ABRIL/2014 MAIO DE 2014 1. INTRODUÇÃO Atendendo ao que preceitua a Legislação

Leia mais

Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira.

Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira. Tópico 3: Ciclo Orçamentário. Execução Orçamentária e Financeira. 1.(Cespe/TCU/2008) No mínimo sessenta dias antes do prazo final para a remessa da proposta do orçamento, o Poder Executivo deve colocar

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ORÇAMENTO PÚBLICO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ORÇAMENTO PÚBLICO CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL CONCEITOS DE ORÇAMENTO PÚBLICO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO ORÇAMENTO PÚBLICO ALBANIR RAMOS 2006 É um processo de planejamento contínuo e dinâmico que o Estado se utiliza para demonstrar

Leia mais

COMUNICADO SDG Nº 48/2013

COMUNICADO SDG Nº 48/2013 COMUNICADO SDG Nº 48/2013 O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo comunica o calendário para 2014 das providências a cargo das Prefeituras, Câmaras, Fundos, Institutos de Previdência, Autarquias, Fundações

Leia mais

O PAPEL DO LEGISLATIVO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO. Ari Vainer Outubro de 2012

O PAPEL DO LEGISLATIVO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO. Ari Vainer Outubro de 2012 O PAPEL DO LEGISLATIVO NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO Ari Vainer Outubro de 2012 I - INTRODUÇÃO AS FASES DO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO 1 Elaboração da Proposta Orçamentária; 2 Análise, Votação e Aprovação da Lei

Leia mais

Março/2011. Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1

Março/2011. Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1 Março/2011 Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1 2 RELATÓRIO CONCLUSIVO DE CONTROLE INTERNO - BALANÇO ANUAL 2010 Com fulcro no artigo 70 da Constituição Federal; artigo 75 da Lei

Leia mais

Treinamento para o Setor Público é na casp online!

Treinamento para o Setor Público é na casp online! S DE ATUAÇÃO: - Contabilidade Aplicada ao Setor Público - Administração Financeira e Orçamentária (Patrimônio, Almoxarifado e Custos) Legislativo Saúde Tributário Fiscal Comunicação O objetivo da Online

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO - ATP. E D I T A L - d e z e m b r o /

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO - ATP. E D I T A L - d e z e m b r o / ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO - ATP E D I T A L - d e z e m b r o / 2 0 1 5 A Secretaria do Tesouro Nacional (STN), por meio da Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação (CCONF),

Leia mais

Não Possui Prestadora de Serviços de Informática Nome: Polis Informatica Ltda CNPJ: Telefone: (51)

Não Possui Prestadora de Serviços de Informática Nome: Polis Informatica Ltda CNPJ: Telefone: (51) Neste RVE estão incluídos: Sim Não Modelos da LRF do Legislativo 1. Informações da Entidade 1.1 Dados Cadastrais da Administração Atual CNPJ: 88369426000168 Período: 01/01/2016 a 31/08/2016-4º Bimestre

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE DEFESA SOCIAL

RELATÓRIO DE GESTÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE DEFESA SOCIAL RELATÓRIO DE GESTÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE DEFESA SOCIAL Exercício de 2015 Sumário 1. DO FUNCIONAMENTO E DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS... 2 2. DOS SETORES... 2 4. RETORNO A POPULAÇÃO... 3 5. OBSERVÂNCIA DA

Leia mais

Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010

Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010 Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010 Restrições para ano eleitoral Lei de Responsabilidade Fiscal LRF Legislação Eleitoral: Lei nº 9.504/97

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamento Público em Saúde O que é o SIOPS? Sistema que coleta, armazena e disponibiliza informações sobre as Receitas Totais e Despesas com Ações e Serviços Públicos

Leia mais

Divisão da Aula. 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF. 1 Visão Constitucional. Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO

Divisão da Aula. 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF. 1 Visão Constitucional. Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO Divisão da Aula Professor Luiz Antonio de Carvalho Lei de Diretrizes Orçamentárias - lac.consultoria@gmail.com 1 Visão Constitucional 2 Visão da LRF 1 2 1 Visão Constitucional Art. 165. Leis de iniciativa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 03/2016 DETERMINA,

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 03/2016 DETERMINA, PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 03/2016 Estabelece Normas para Prestação de Contas, Controle Interno e Encerramento

Leia mais

2 CONTABILIZAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS RELACIONADAS A CONTRATO DE RATEIO

2 CONTABILIZAÇÃO DAS TRANSFERÊNCIAS RELACIONADAS A CONTRATO DE RATEIO CONTABILIZAÇÃO DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS REFERÊNCIA: IPC 10 STN (MINUTA) 1 INFORMAÇÕES GERAIS O reconhecimento do ativo patrimonial no consórcio público e do passivo patrimonial no ente consorciado ocorre

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 05/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 05/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 05/A QUESTÃO 16 A proposta orçamentária que o Poder Executivo encaminhará ao Poder Legislativo nos prazos estabelecidos nas Constituições e Leis Orgânicas dos

Leia mais

Regime de Recuperação Fiscal Mato Grosso (PEC dos Gastos)

Regime de Recuperação Fiscal Mato Grosso (PEC dos Gastos) Regime de Recuperação Fiscal Mato Grosso (PEC dos Gastos) Cuiabá-MT 12/09/2017 Cinco Pontos Fundamentais do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) 1) Reforça a disciplina fiscal, mediante a limitação da expansão

Leia mais

Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência

Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência Orçamento e financiamento da política integrada para infância e adolescência Brasília, agosto de 2010. INESC Trajetória Fundado em 1979 a história do INESC se confunde com a história da democratização

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES DE ÓRGÃOS E ENTIDADES ESTADUAIS Exercício 2011

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES DE ÓRGÃOS E ENTIDADES ESTADUAIS Exercício 2011 Exercício 2011 JANEIRO 17 O titular do Poder Executivo deverá enviar cópia do PPA atualizado, da LOA e da LDO juntamente com os anexos. Órgãos: deverão enviar a prestação de contas do mês de dezembro/2010.

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 63-COU/UNICENTRO, DE 29 DE MAIO DE 2009. Altera o art. 2º e anexo da Resolução nº 037- COU/UNICENTRO, de 28 de dezembro de 2006, e dá outras providências. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES DIÁRIAS DOS PODERES EXECUTIVO E LEGISLATIVO PARA 2008

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES DIÁRIAS DOS PODERES EXECUTIVO E LEGISLATIVO PARA 2008 AGENDA DAS OBRIGAÇÕES DIÁRIAS DOS PODERES EXECUTIVO E LEGISLATIVO PARA 08 Como as obrigações diárias dos Poderes Executivo e Legislativo variam em cada mês e de acordo com o porte do Município, a Agenda

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO 1 ART. 42 - VEDAÇÕES de 1º de maio a 31 de dezembro: Contrair obrigação de despesa, nos últimos 8 meses, que não possa ser cumprida (paga)

Leia mais

L D O e L O A. Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual

L D O e L O A. Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual L D O e L O A Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual L D O e L O A COMUNICADO SICAP Com o objetivo de assegurar o completo funcionamento do SICAP, o Tribunal de Contas vem reiterar, que

Leia mais

CURSO EM PDF CONTROLE EXTERNO CGM-SP 2015 Prof. Alexandre Teshima

CURSO EM PDF CONTROLE EXTERNO CGM-SP 2015 Prof. Alexandre Teshima AULA 1 DEMONSTRATIVA APRESENTAÇÃO Saudações queridos alunos, eu sou o PROF. ALEXANDRE TESHIMA e estou aqui para ajudá-los com a disciplina CONTROLE EXTERNO para o concurso de AUDITOR MUNICIPAL DE CONTROLE

Leia mais

Sumário. Prefácio à Décima Quinta Edição, xv. Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi. Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii

Sumário. Prefácio à Décima Quinta Edição, xv. Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi. Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii Sumário Prefácio à Décima Quinta Edição, xv Prefácio à Décima Quarta Edição, xvi Prefácio à Décima Terceira Edição, xvii Prefácio à Décima Segunda Edição, xviii Prefácio à Décima Primeira Edição, xix Prefácio

Leia mais

ANEXO DE RISCOS FISCAIS ENFOQUE NOS RISCOS ORÇAMENTÁRIOS

ANEXO DE RISCOS FISCAIS ENFOQUE NOS RISCOS ORÇAMENTÁRIOS ANEXO DE RISCOS FISCAIS ENFOQUE NOS RISCOS ORÇAMENTÁRIOS ANEXO DE RISCOS FISCAIS-PREVISÃO LEGAL O Anexo de Riscos Fiscais está previsto na LRF, em seu art. 4º, 3º, conforme transcrito a seguir: Art. 4º...

Leia mais

SICONV CE CADASTRO GERAL DE PARCEIROS

SICONV CE CADASTRO GERAL DE PARCEIROS CADASTRO GERAL DE PARCEIROS AGENDA 1. Contextualização 2. SICONV-Ceará: Ferramenta de Suporte ao Processo de Transferência de Recursos Financeiros 1. Contextualização 1.1 Projeto de Controle Interno Preventivo

Leia mais

Terça-feira, 19 de Julho de 2016 Edição N 857 Caderno I

Terça-feira, 19 de Julho de 2016 Edição N 857 Caderno I 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 MUNICÍPIO DE ILHÉUS - BA RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DO RESULTADO NOMINAL ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A JUNHO 2016/BIMESTRE MAIO

Leia mais

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 QATC 11 Controle Externo Concomitante Resolução Atricon 02/2014 Cons. Valter Albano da Silva TCE/MT CONTROLE EXTERNO CONCOMITANTE

Leia mais

Modelo 9 - DEMONSTRATIVO DOS LIMITES - RGF

Modelo 9 - DEMONSTRATIVO DOS LIMITES - RGF Nome da Entidade: CNPJ: 88124961000159 ORGÃO Nº: 57100 ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA QUE COMPÕEM AS INFORMAÇÕES DO MODELO 9: CNPJ Nome da Entidade Tipo É RPPS? Cód. Barras do RVE 96041330000102 DEP.

Leia mais

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4)

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4) PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO Decreto nº.13.528, de 2 de maio de 2014 QUADRO DE DETALHAMENTO DE TAREFAS QDT (ANEXO I) CÓDIGO ATIVIDADE NÍVEL 1 2 3 4 5 6 7 8 Análise e validação das propostas setoriais

Leia mais

Experiência do Brasil para melhoria da transparência fiscal

Experiência do Brasil para melhoria da transparência fiscal PAINEL VI O Brasil no contexto da transparência fiscal Experiência do Brasil para melhoria da transparência fiscal George Alberto de Aguiar Soares Secretário Adjunto para Assuntos Fiscais/SOF SUMÁRIO 1

Leia mais

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU Como contratar TI com riscos baixos Carlos Mamede Sefti/TCU Contratação de TI Riscos envolvidos na contratação Mitigação dos riscos Como contratar TI com riscos baixos 2 Agenda 1. Contratações públicas

Leia mais

PROJETO DE FISCALIZAÇÃO LEGISLATIVO E EXECUTIVO MUNICIPAL De OlhO na POlÍTICa

PROJETO DE FISCALIZAÇÃO LEGISLATIVO E EXECUTIVO MUNICIPAL De OlhO na POlÍTICa PROJETO DE FISCALIZAÇÃO LEGISLATIVO E EXECUTIVO MUNICIPAL De OlhO na POlÍTICa 1. INTRODUÇÃO À FISCALIZAÇÃO 2. FISCALIZAÇÃO NO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL 3. FISCALIZAÇÃO NO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL Resp.:

Leia mais

MUNICIPIO DE JUINA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL

MUNICIPIO DE JUINA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL DEMONSTRATIVO DA DISPONIBILIDADE DE CAIXA JANEIRO A ABRIL DE 2015 LRF, art. 55, Inciso III, alínea "a" - Anexo V R$ 1,00 ATIVO VALOR PASSIVO VALOR DISPONIBILIDADE FINANCEIRA

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA 1 ESTIMATIVA DA RECEITA ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA 2013 2014 2015 I. RECEITA CORRENTE 602.587.104 657.307.266

Leia mais

CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF

CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF 1 Consórcios Públicos Legislação Aplicável Lei 11.107/05 Regras de direito financeiro

Leia mais

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento Eleições Programas partidários Coalisão Plataforma eleitoral Plano de Desenvolvimento e outros em andamento na Administração Pública Médio prazo

Leia mais

A capacidade de pagamento dos Estados: o caso do Espírito Santo

A capacidade de pagamento dos Estados: o caso do Espírito Santo A capacidade de pagamento dos Estados: o caso do Espírito Santo Marco Antonio Rocha Lima Guilherme Consultor do Tesouro Estadual Gerente de Controle da Dívida Pública e das Metas Fiscais Considerações

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO DNIT ANALISTA DE INFRAESTRUTURA ENGENHARIA CIVIL

CONTROLE DE CONTEÚDO DNIT ANALISTA DE INFRAESTRUTURA ENGENHARIA CIVIL 1 Ordenação de frases (compreensão textual). 2 Sintaxe: termos da oração. Pontuação. 3 Sintaxe: período composto por coordenação. Pontuação. 4 Sintaxe: período composto por subordinação. Pontuação. 5 Sintaxe:

Leia mais

LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS

LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS FÓRUM POPULAR DO ORÇAMENTO DO RIO DE JANEIRO LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS François E. J. de Bremaeker Consultor da Associação Transparência Municipal Gestor

Leia mais

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS

Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde - SIOPS II Seminário Estadual do SIOPS MACEIO / AL 14 DE AGOSTO de 2014 O que é o SIOPS? Sistema de informação que coleta, recupera, processa,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO GABINETE DO CONSELHEIRO ROBSON MARINHO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO GABINETE DO CONSELHEIRO ROBSON MARINHO Segunda Câmara Sessão: 22/2/2011 82 TC-000033/026/09 CONTAS ANUAIS Prefeitura Municipal: Cabreúva. Exercício: 2009. Prefeito(s): Cláudio Antônio Giannini. Advogado(s): Monica Liberatti Barbosa Honorato

Leia mais

DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) DESPESA COM PESSOAL

DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) DESPESA COM PESSOAL DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL MAIO/2011 A ABRIL/2012 RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") R$ 1,00 DESPESA COM PESSOAL DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) LIQUIDADAS INSCRITAS EM NÃO

Leia mais

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

Capítulo I Das Fontes de Custeio e seus limites Capítulo II Do Processo de elaboração do Orçamento Anual... 3

Capítulo I Das Fontes de Custeio e seus limites Capítulo II Do Processo de elaboração do Orçamento Anual... 3 ÍNDICE PÁGINA Capítulo I Das Fontes de Custeio e seus limites... 2 Capítulo II Do Processo de elaboração do Orçamento Anual... 3 Capítulo III Da execução do Orçamento Anual... 3 Capítulo IV Do controle,

Leia mais

TCU: Fiscalização e Responsabilização (accountability)

TCU: Fiscalização e Responsabilização (accountability) TCU: Fiscalização e Responsabilização (accountability) Seminário Governança e Gestão de Hospitais de Atendimento Público no Brasil Rio de Janeiro, 20/10/2014 Marcelo Chaves Secretário de Controle Externo

Leia mais

PREF.MUN.DE PALMAS DE MONTE ALTO - PODER EXECUTIVO

PREF.MUN.DE PALMAS DE MONTE ALTO - PODER EXECUTIVO PREFMUNDE PALMAS DE MONTE ALTO - PODER EXECUTIVO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL QUADRIMESTRE SETEMBRO - DEZEMBRO - 2011 RGF ANEXO I (LRF, art 55, inciso I, alínea "a") DESPESAS EXECUTADAS (Últimos

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

Portal da Transparência do Poder Executivo

Portal da Transparência do Poder Executivo Portal da Transparência do Poder Executivo transparencia.sc.gov.br Graziela Luiza Meincheim Diretora de Contabilidade Geral Florianópolis, 7 de julho de 2016 MARCOS LEGAIS 2011 2000 Lei de Responsabilidade

Leia mais

Laíse Rezende de Andrade

Laíse Rezende de Andrade Laíse Rezende de Andrade Educandos: A EVOLUÇÃO DO ESTADO A necessidade da busca da eficácia administrativa, através da desburocratização da Administração Pública e seu conseqüente aumento da capacidade

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER DO CONTROLE INTERNO REFERENTE À PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL DE ARATIBA EXERCÍCIO 2016

RELATÓRIO E PARECER DO CONTROLE INTERNO REFERENTE À PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL DE ARATIBA EXERCÍCIO 2016 RELATÓRIO E PARECER DO CONTROLE INTERNO REFERENTE À PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PODER LEGISLATIVO MUNICIPAL DE ARATIBA EXERCÍCIO 2016 Na qualidade de responsável pelo órgão de Controle Interno do Município

Leia mais

Anexo I - Demonstrativo da Despesa com Pessoal

Anexo I - Demonstrativo da Despesa com Pessoal Anexo I - Demonstrativo da Despesa com Pessoal DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL SETEMBRO DE 2007 A AGOSTO DE 2008 LRF, art. 55, inciso I, alínea "a" - Anexo I (Portaria STN Nº 632) R$ 1,00 DESPESAS

Leia mais

DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) DESPESA COM PESSOAL

DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) DESPESA COM PESSOAL DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL MAIO/2010 A ABRIL/2011 RGF ANEXO I (LRF, art. 55, inciso I, alínea "a") R$ 1,00 DESPESA COM PESSOAL DSPESAS EXECUTADAS (Últimos 12 meses) LIQUIDADAS INSCRITAS EM NÃO

Leia mais

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 378, EM 11 DE OUTUBRO DE 2002. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que

Leia mais