PCASP. Ricardo José da Silva TCE/SC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PCASP. Ricardo José da Silva TCE/SC"

Transcrição

1 PCASP Consórcios; Fonte de Recursos; Regras de Integridade; Consistência de Registros e Saldos de Contas; Eventos Contábeis Específicos. Ricardo José da Silva TCE/SC

2

3

4

5 71 Transferências a Consórcios Públicos mediante contrato de rateio 72 Execução Orçamentária Delegada a Consórcios Públicos 73 Transferências a Consórcios Públicos mediante contrato de rateio à conta de recursos de que tratam os 1º e 2º do art. 24 da Lei Complementar nº 141, de Transferências a Consórcios Públicos mediante contrato de rateio à conta de recursos de que trata o art. 25 da Lei Complementar nº 141, de 2012 ELEMENTO Aplicação Direta Decorrente de Operação de Órgãos, Fundos e Entidades Integrantes dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social com Consórcio Público do qual o Ente Participe 94 Aplicação Direta Decorrente de Operação de Órgãos, Fundos e Entidades Integrantes dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social com Consórcio Público do qual o Ente Não Participe DIVERSOS ELEMENTOS

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15 CONTROLE DAS DISPONIBILIDADES POR FONTES DE RECURSOS EVENTO PLANO ATUAL PLANO NOVO Arrecadação Empenho D DFR a Utilizar C Controle das DFR D DFR Comprometida C DFR a Utilizar D Controle da Disponibilidade de Recursos C Disp. por Destinação de Recursos 01 Disponível 02 - Créditos D Disp. por Destinação de Recursos C Disp. por D R Comprometida por Empenho Liquidação Pagamento D DFR Utilizada C DFR Comprometida D Disp. por D R Comprometida por Empenho C Disp. por D R Comprometida por Liquidação e Entradas Compensatórias 01 Liquidação 02- Consignações 03- compensatórias D Disp. por D R Comprometida por Liquidação e Entradas Compensatórias C Disponibilidade por D R Utilidada

16

17 DISPONIBILIDADES POR DESTINAÇÃO DE RECURSOS - RPPS 03 Contribuição para Fundo Previdenciário do Regime Próprio de Previdência Social RPPS (patronal, servidores e compensação financeira); 04 Contribuição para Fundo Financeiro do Regime Próprio de Previdência Social RPPS (patronal, servidores e compensação financeira); 05 Aporte para Cobertura de Déficit Atuarial ao RPPS Recursos Ordinários. Aporte para Cobertura de Déficit Financeiro do RPPS (antigo 74)

18 A DDR 06 - Recursos Diretamente Arrecadados pela Administração Indireta e Fundos, deve ser utilizada para Recursos diretamente arrecadados, que estão vinculados a algum órgão ou programação. Ex: SAMAE, Hospital Público Municipal, FIA (exceto Imposto de Renda), entre outros.

19 CONVÊNIOS 32 - Transferências de Convênios União/Educação e 62 -Transferências de Convênios Estado/Educação; 33 - Transferências de Convênios União/Saúde e 63 - Transferências de Convênios Estado/Saúde; 34 - Transferências de Convênios União/Outros (não relacionados à educação/saúde/assistência social) e 64 - Transferências de Convênios Estado/Outros (não relacionados à educação/saúde/assistência social); 31 - Transferências de Convênios União/Assistência Social e 61 - Transferências de Convênios Estado/Assistência Social.

20 TRANSFERÊNCIAS FUNDO A FUNDO 35 - Transferências do Sistema Único de Assistência Social Suas/União e 65 - Transferências do Sistema Único de Assistência Social Suas/Estado. 37 Outras Transferências do Fundo Nacional De Desenvolvimento da Educação FNDE (não Repassados por meio de Convênios) e 66 - Transferências Legais e Constitucionais do Estado para o Desenvolvimento da Educação 38 - Transferências Do Sistema Único de Saúde Sus/União e 67 - Transferências Do Sistema Único de Saúde Sus/Estado. 42 Outras Transferências Legais e Constitucionais - União e 68 Outras Transferências Legais e Constitucionais - Estado

21 UTILIZAÇÃO DO SUPERÁVIT DO FUNDEB ATÉ O PRIMEIRO TRIMESTRE ABERTURA DE CRÉDITO ADICIONAL, EMPENHO, LIQUIDAÇÃO E PAGAMENTO. Grupo Destinação de Recursos: 3 - Recursos do Tesouro - Exercícios Anteriores 6 - Recursos de Outras Fontes - Exercícios Anteriores SALDO EM 31/12/X1: 0118, 0119, 0218, 0219 EXECUÇÃO ATÉ 31/03/X2: 0318, 0319, 0618, 0619

22 3 REGRAS DE INTEGRIDADE DO PCASP (1)LANÇAMENTOS CONTÁBEIS (2) PAGAMENTOS E RECEBIMENTOS (3)CRÉDITO EMPENHADO EM LIQUIDAÇÃO (4) EQUAÇÕES CONTÁBEIS (5) CONSISTÊNCIA DOS REGISTROS E SALDOS POR MEIO DE BALANCETE DE VERIFICAÇÃO DE ACORDO COM A NATUREZA DA INFORMAÇÃO: 1 a 4 (P) 5 e 6 (O) 7 e 8 (C) INGRESSOS E SAÍDAS: ATRIBUTO F REGISTRO DE PASSIVO ANTES (PRECATÓRIOS) OU APÓS (RECEBIMENTO PROVISÓRIO) A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA REGRAS DE CONSISTÊNCIA L.C 131/09: Correções ou anulações através de novos registros; Inalterabilidade das informações originais. SALDOS INVERTIDOS; CLASSIFICAÇÕES INADEQUADAS; CONTAS INDEVIDAS, SALDOS IRRISÓRIOS OU RESIDUAIS; 10% DO TOTAL DO GRUPO PARA OUTROS

23

24 REGRAS DE CONSISTÊNCIA

25 CÁLCULO: 1-(2-3-4)<>0 (diferente de zero)

26 CÁLCULO: 1-( 2+3)<>0 (diferente de zero)

27

28 FPM 211 ITR 212 ICMS Desoneração L.C. 87/ ICMS 214 IPVA 215 IPI Exportação Arredondamento: + 1,00 na dedução <20%

29 Especificações de receitas (alterações/inclusões): Cota-Parte do Fundo de Participação dos Municípios Cota Mensal Cota-Parte do Fundo de Participação do Municípios 1% Cota Anual % julho (STN publicará portaria) Recursos Arrecadados em Exercícios Anteriores.

30 RENDIMENTOS/PROVISÕES RPPS A contabilização dos rendimentos do RPPS é um assunto polêmico e está em discussão na STN, conforme podemos verificar no Fórum; Enquanto não houver definição da STN quanto a este assunto, a orientação é contabilizar de forma similar ao que vinha sendo feito até 2014, lembrando que o que era resultado diminutivo agora é VPD e o que era resultado aumentativo agora é VPA. Quanto às provisões, os eventos de ajustes publicados da tabela de eventos para 2015 são relativos aos créditos a receber. A STN, segundo os manuais e as reuniões do GTCOM Grupo Técnico de Contabilidade, entende que para os investimentos do RPPS não se aplica. Assim, a contrapartida de VPD ou VPA é diretamente na conta do investimento.

31 PROVISÕES (DE/PARA) conta (F) no de para vai para conta (P). baixar F e transferir para conta P * PROVISAO PARA PERDAS PROVAVEIS e transferir em 2015 para (-) AJUSTE DE PERDAS COM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (P).

32 No PCASP não existe CONTAS ESPECÍFICAS DE CONTROLE (7 e 8) para os APORTES PARA COBERTURA DE DÉFICIT ATUARIAL. Ver item da 6ª edição do MCASP. a. No Ente: D xx.xx Transferências Concedidas para Aportes de Recursos para o RPPS Intra OFSS. C xx.xx Benefícios Previdenciários a Pagar Intra OFSS (F). no RPPS D x.xx.xx Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional (F). C xx.xx Transferências Recebidas para Aportes de Recursos para o RPPS Intra OFSS. pode ser lançado por competência também no RPPS, porém a parcela mensal (segundo o manual). não há necessidade de trazer o saldo das contas de compensação para o ano de Porém, se entender necessário, pode-se utilizar as contas OUTRAS RESPONSABILIDADES DE TERCEIROS e EXECUÇÃO DE OUTRAS RESPONSABILIDADES DE TERCEIROS, para este controle.

33 Empréstimos antigos do RPPS No PCASP estendido temos a conta EMPRÉSTIMOS A RECEBER RPPS (intra). Porém não temos a conta no Passivo. Resposta STN(30/01): Acerca do caso apresentado, poderemos criar no PCASP Estendido a conta de passivo, espelho da conta intra de Empréstimos a Receber no Ativo. Contudo, não o faremos antes da próxima publicação no PCASP, no meio deste ano. Realmente há a necessidade de contas INTRA para esses casos. Na próxima publicação do PCASPSC incluiremos estas contas. A idéia é fazer uma nova publicação até o final de março/2015. A orientação é lançar os saldos destas operações nas contas no nível CONSOLIDAÇÃO ( FINANCIAMENTOS DO ATIVO PERMANENTE) e quando forem criadas as contas no nível INTRA fazer os lançamentos contábeis de ajuste.

34 PARCELAMENTOS RPPS livro publicado pelo MPAS em 2009, Portanto, a unidade gestora do RPPS só será afetada patrimonialmente pelo recebimento dos débitos parcelados, no momento da atualização do registro contábil da provisão matemática previdenciária. Financeiramente, contudo, à medida que esses valores efetivamente ingressarem nos cofres do RPPS, deverão ser contabilizados no sistema financeiro, devendo ser investidos de acordo com a política de investimentos da unidade gestora.

35 item da 6ª edição no MCASP Parcelamento RPPS Lançamentos no RPPS: Arrecadação de Contribuição Patronal Parcelada Natureza da informação: patrimonial D x.xx.xx Caixa e Equivalentes de Caixa em Moeda Nacional (F) C xx.xx Contribuições Sociais RPPS Intra OFSS Natureza da informação: orçamentária D x.xx.xx Receita a Realizar C x.xx.xx Receita Realizada Natureza de Receita: 7210.xx.xx Natureza da informação: controle D x.xx.xx Controle da Disponibilidade de Recursos C xx.xx Disponibilidade por Destinação de Recursos (DDR)

36 Parcelamentos de direitos do RPPS devem sim estar em contas patrimoniais. Acerca disso, há sim a possibilidade de registro do parcelamento contra um direito quanto o crédito (previdenciário) tiver sido reconhecido anteriormente por competência. Assim, sua observação procede, e estudaremos a possibilidade de incluir uma nota no item citando que o registro em questão corresponde às situações em que o direito não foi previamente constituído. Entendemos também que há necessidade de revisão dos entendimentos da contabilização do RPPS (livro da Diana e Otoni) a luz da nova CASP e do PCASP. Tentaremos trabalhar com isto ao longo deste ano de Resposta STN

37

38 Ementário da Receita Contribuição Patronal de Servidor Ativo Civil para o Regime Próprio; Contribuição do Servidor Ativo Civil para o Regime Próprio; Contribuições do Servidor Inativo Civil para o Regime Próprio; Contribuição Previdenciária em Regime de Parcelamento de Débitos RPPS; Multas e Juros de Mora da Contribuição Previdenciária em Regime de Parcelamento de Débitos; Multas e Juros de Mora da Contribuição Previdenciária do Segurado em Regime de Parcelamento de Débitos dos Municípios.

39 No PCASP/SC encontramos as seguintes contas no Ativo Não Circulante: CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER (consolidação) c/c 1; CRÉDITOS TRIBUTÁRIOS A RECEBER (intra) c/c 1.

40

41

42

43 IMPORTANTE QUESTÃO ORÇAMENTÁRIA: NÃO ANULAR EMPENHOS SOMENTE RESTOS IMPACTO NO LIMITE DE GASTOS COM PESSOAL

44

45

46

47

48 Muito obrigado! Ricardo José da Silva/TCE/SC

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU Rua Bulcão Viana, 90, Centro Florianópolis Santa Catarina Fone: (48) 3221-3764 Fax: (48) 3221-3730 Home-page: www.tce.sc.gov.br

Leia mais

Diário Oficial. Índice do diário Outros. Prefeitura Municipal de Ribeira do Amparo. Outros - BALANÇO ANUAL Páginas:

Diário Oficial. Índice do diário Outros. Prefeitura Municipal de Ribeira do Amparo. Outros - BALANÇO ANUAL Páginas: Páginas: 48 Índice do diário Outros Outros - BALANÇO ANUAL 2015 Página 1 Outros Outros BALANÇO ANUAL 2015 - BA (Poder Executivo) DCA-Anexo I-AB Balanço Patrimonial - Ativo e Passivo Padrao Balanço Patrimonial

Leia mais

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL

PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL PROCEDIMENTOS BÁSICOS PARA A CONFERÊNCIA DO BALANCETE CONTÁBIL A cada fechamento mensal, para a conferência dos saldos contábeis das contas (principalmente as da execução orçamentária e financeira), podem

Leia mais

Variações Patrimoniais Quantitativas

Variações Patrimoniais Quantitativas : 2015 Quantitativas VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA 254.357.617,98 IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA 7.926.292,10 IMPOSTOS 7.769.372,44 IMPOSTOS SOBRE PATRIMÔNIO E A RENDA 3.809.542,30 IMPOSTOS

Leia mais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de 2012 NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais Parte I - Registro do Orçamento 1. Previsão da Receita Orçamentária O Orçamento para o exercício

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS 1 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO 2014 ESPECIFICAÇÃO 2014 Receitas Orçamentárias - - Despesas Orçamentárias 7.583.637,48 - Ordinárias - - Ordinárias 2.011.924,00

Leia mais

BALANCETE MÊS JANEIRO

BALANCETE MÊS JANEIRO FUNDO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE APIACÁS MT. CNPJ: 03.094.874/0001-43 BALANCETE MÊS JANEIRO 2015 ESTADO DE MATO GROSSO - FUNDO MUNICIPAL DE PREV. DOS SERV. MUN. APIACAS ANEXO

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF Equações Contábeis

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF Equações Contábeis Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF 1º GTCON 2015 Equações Contábeis MAI/2015 Agenda 1 Contexto 2 3 Objetivos e Tipos de

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA

Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 Prefeitura Municipal Demonstracao. Unidade Gestora: CONSÓRCIO - CISGA Estado do Rio Grande do Sul Plano de Contas 01 a 30 de Abril de 2016 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO 994.183,15 D 181.380,01 162.761,34 1.012.801,82 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE

Leia mais

7.7 - Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas explicativas

7.7 - Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas explicativas 7.7 - Demonstrações contábeis exigidas pela Lei 4.320/64 e notas explicativas MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL TITULO BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS SUBTITULO 70013 - TRIBUNAL

Leia mais

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS

1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 1 - O GRUPO DE TRABALHO INICIALMENTE ESTUDARAM AS NORMAS E CONVERGIRAM O NOVO PLANO DE CONTAS 2 ASSOCIAÇÃO DE CONTAS E TESTES SIMULANDO BALANCETES NO NOVO PADRÃO. 3 DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS EVENTOS

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ

CAPACITAÇÃO EM CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO CEARÁ Pacote I Área Nº Disciplinas Horas / Aula 03 Procedimentos Contábeis Orçamentários I PCO I Procedimentos Contábeis Orçamentários II PCO II 05 Procedimentos Contábeis Patrimoniais I PCP I Fundamentos 06

Leia mais

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF Equações Contábeis

Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF Equações Contábeis Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação CCONF 1º GTCON 2015 Equações Contábeis MAI/2015 Agenda 1 Contexto 2 3 Objetivos e Tipos de

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE RECEITA BRUTA DE IMPOSTOS RECEITAS DO ENSINO 1. RECEITA DE IMPOSTOS 439.793.725,00 519.368.647,37 97.300.419,80 449.039.568,59 86,46 1.1- Receita Resultante do ICMS 352.668.725,00 407.786.079,26 80.105.839,11

Leia mais

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18

Contabilidade Governamental p/ CNMP Analista Apoio Técnico Especializado: Contabilidade Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Aula 18 CNMP Pessoal, vou comentar as questões da prova. 34. Determinado ente público arrecadou, no mês de fevereiro de 2015, receita de impostos no valor de R$ 180.000,00, concomitante ao fato gerador. Considere

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00

DATA 29/05/2014 Pagina 2 2.1.3.1.1.00.00.00 FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR NACIONAIS A CURTO PR S C 0,00 582,25 3.432,21 2.849,96 C 2.1.3.1.1.01.00.00 DATA 29/05/2014 Pagina 1 1.0.0.0.0.00.00.00 ATIVO S D 26.200,85 197.350,24 153.749,66 69.801,43 D 1.1.0.0.0.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE S D 15.643,04 197.350,24 153.614,51 59.378,77 D 1.1.1.0.0.00.00.00

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTANA RREO - ANEXO 1 (LRF, Art 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) RECEITAS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO JANEIRO A DEZEMBRO 2016 / BIMESTRE NOVEMBRO - DEZEMBRO

Leia mais

Treinamento Setor Público

Treinamento Setor Público Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Treinamento Setor Público Abril/2015 Conteúdo Princípio da competência, créditos tributários

Leia mais

Titulos Saldo --- Movimento Completo --- Saldo Anterior Debitos Creditos Atual

Titulos Saldo --- Movimento Completo --- Saldo Anterior Debitos Creditos Atual Estado do Parana Plano de Contas 01 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO 94.844,52 D 2.450.807,74 2.378.775,15 166.877,11 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JABORANDI

PREFEITURA MUNICIPAL DE JABORANDI RREO - ANEXO 1 (LRF, Art 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) RECEITAS BALANÇO ORÇAMENTÁRIO JANEIRO A DEZEMBRO 2016 / BIMESTRE NOVEMBRO - DEZEMBRO INICIAL ATUALIZADA (a) No Bimestre (b) RECEITAS

Leia mais

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Financeiro Exercício : 01/2016

Estado de Alagoas FUNPREV - Fundo de Previdência Social do Município de Mar Vermelho Balancete Financeiro Exercício : 01/2016 Pág. 1 Balancete Financeiro R E C E I T A D E S P E S A Conta Descrição Valor Conta Descrição Valor R E C E I T A S O R Ç A M E N T Á R I A S 97.490,76 D E S P E S A S O R Ç A M E N T Á R I A S 27.765,63

Leia mais

TRT-MG Analista Especialidade Contabilidade

TRT-MG Analista Especialidade Contabilidade TRT-MG Analista Especialidade Contabilidade Pessoal, vou comentar as questões da prova. 29. Dentre outras, são entidades que aplicam integralmente a contabilidade aplicada ao setor público: (A) os órgãos

Leia mais

PARANA CAMARA MUNICIPAL DE PEROLA D OESTE Plano Geral de Contas

PARANA CAMARA MUNICIPAL DE PEROLA D OESTE Plano Geral de Contas Página: 1 1101 S 1 N ATIVO 1 1102 S 1.1 N ATIVO CIRCULANTE 2 110 S 1.1.1 N CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 110 S 1.1.1.1 N CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA EM MOEDA NACIONAL 110 S 1.1.1.1.1 N CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

A GESTÃO DO RPPS SOB O ENFOQUE DA CONTABILIDADE

A GESTÃO DO RPPS SOB O ENFOQUE DA CONTABILIDADE A GESTÃO DO RPPS SOB O ENFOQUE DA CONTABILIDADE Por Otoni Gonçalves Guimarães Cuiabá - MT, 06 de dezembro de 2016 1 OBJETIVOS DA CONTABILIDADE PÚBLICA É importante lembrar que o objetivo da Contabilidade

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Manual Técnico. Volume III. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas Manual Técnico Volume III Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA DA CONQUISTA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA DA CONQUISTA RREO - ANEXO I (LRF, Art.52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º R$ 1,00 RECEITAS BALANÇO ORÇAMENTÁRIO JANEIRO A DEZEMBRO 2008 / BIMESTRE NOVEMBRO - DEZEMBRO INICIAL SALDO A REALIZAR No Bimestre

Leia mais

ANEXO VI QUADRO DETALHADO DAS MODALIDADES DE APLICAÇÃO Modalidades de Aplicação

ANEXO VI QUADRO DETALHADO DAS MODALIDADES DE APLICAÇÃO Modalidades de Aplicação Código ANEXO VI QUADRO DETALHADO DAS MODALIDADES DE APLICAÇÃO Modalidades de Aplicação 20 Transferências à União 22 Execução Orçamentária Delegada a União 30 Transferências a Estados e ao Distrito Federal

Leia mais

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a)

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ BALANÇO ORÇAMENTÁRIO Exercício 2015 RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) RECEITAS CORRENTES 458.960,46 458.960,46

Leia mais

02.06 TRANSAÇÕES SEM CONTRAPRESTAÇÃO INTRODUÇÃO

02.06 TRANSAÇÕES SEM CONTRAPRESTAÇÃO INTRODUÇÃO 02.06 TRANSAÇÕES SEM CONTRAPRESTAÇÃO Minuta para Consulta Pública 02.06.01 INTRODUÇÃO A normatização do tratamento contábil aplicável às transações sem contraprestação foi elaborada com base na International

Leia mais

Ativo circulante ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa em moeda nacional

Ativo circulante ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa ,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa em moeda nacional Página : 1 / 5 1.1 1.1.1 1.1.1.1 1.1.1.1.1.01.00 1.1.1.1.1.02.00 1.1.2 1.1.2.1 1.1.2.3 1.1.3 1.1.3.8 1.1.5 1.1.5.6 ATIVO Ativo circulante 2.947.936,80 0,00 Caixa e equivalentes de caixa 2.947.936,80 0,00

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PCASP E O MÓDULO BALANCETE CONTÁBIL 2015

ORIENTAÇÕES SOBRE O PCASP E O MÓDULO BALANCETE CONTÁBIL 2015 BOLETIM SICOM - Nº 6 O Boletim SICOM é um instrumento de divulgação que visa orientar o jurisdicionado acerca do envio de informações ocorridas por meio do sistema, sendo publicado em versão digital e

Leia mais

Rio de Janeiro CAMARA MUNICIPAL PATY DO ALFERES Balancete de Verificação

Rio de Janeiro CAMARA MUNICIPAL PATY DO ALFERES Balancete de Verificação Página: 1/9 1 ATIVO 118.646,81D 247.794,00 237.065,53 1.1 ATIVO CIRCULANTE 117.046,81D 245.608,00 237.065,53 1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 108.870,96D 244.908,00 237.065,53 1.1.1.1 CAIXA E EQUIVALENTES

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ Gabinete do Presidente

ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ Gabinete do Presidente LEI MUNICIPAL Nº 2511 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA ORÇAMENTÁRIA DO MUNICÍPIO DE BARRA DO PIRAÍ PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2015. A Câmara Municipal de Barra do Piraí

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARATINGA RREO - ANEXO 1 (LRF, Art 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) RECEITAS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A

Leia mais

LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Aspectos Operacionais. Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças

LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Aspectos Operacionais. Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças LC 101/2000 Lei de Responsabilidade Fiscal Aspectos Operacionais Edson Ronaldo Nascimento Analista de Finanças Edsonn@fazenda.gov.br Aspectos Operacionais da LC 101 1. Introdução Após a fase de entendimentos

Leia mais

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba UF:Pernambuco SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA E DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES

Leia mais

Estado do Parana Plano de Contas 01 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal Cruzeiro do Oeste

Estado do Parana Plano de Contas 01 de Janeiro de 2015 Folha: 1 Camara Municipal Cruzeiro do Oeste Estado do Parana Plano de Contas 01 de Janeiro de 2015 Folha: 1 1.0.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO 502.662,01 D 502.662,01 D 1.1.0.0.0.00.00.00.00.00.00.00 ATIVO CIRCULANTE 0,00 0,00 1.1.1.0.0.00.00.00.00.00.00.00

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Brasília-DF Janeiro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Processo CFC n.º 2012/000008

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

PREF.MUN.DE PALMAS DE MONTE ALTO - PODER EXECUTIVO

PREF.MUN.DE PALMAS DE MONTE ALTO - PODER EXECUTIVO PREFMUNDE PALMAS DE MONTE ALTO - PODER EXECUTIVO DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL QUADRIMESTRE SETEMBRO - DEZEMBRO - 2011 RGF ANEXO I (LRF, art 55, inciso I, alínea "a") DESPESAS EXECUTADAS (Últimos

Leia mais

CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES

CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL CONTABILIZAÇÃO DE ATOS E FATOS ORÇAMENTÁRIOS, PATRIMONIAIS E DE CONTROLES Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 021200 - FACILIDADE PARA UTILIZAÇÃO DO SIAFI (DICAS) ASSUNTO 021216 - PROCEDIMENTO PARA INCLUSÃO DE FOLHA

Leia mais

Diário Oficial Prefeitura Municipal de Canavieiras Índice do diário Responsabilidade Fiscal ba/canavieiras

Diário Oficial Prefeitura Municipal de Canavieiras Índice do diário Responsabilidade Fiscal  ba/canavieiras Páginas: 24 Índice do diário Responsabilidade Fiscal Relatório Resumido da Execução Orçamentária 1 BIMESTRE Página 1 Documento assinado digitalmente conforme MP n. 2.2002/2001 de 24/08/2001, que institui

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público p/ Auditor Interno/SP

Contabilidade Aplicada ao Setor Público p/ Auditor Interno/SP Contabilidade Aplicada ao Setor Público p/ Pessoal, vou comentar as questões da prova. 16. Observe o demonstrativo consolidado geral a seguir. O demonstrativo consolidado geral apresentado pela Prefeitura

Leia mais

Diário Oficial. Atos Oficiais Decreto - Nº 817/2014 Portaria - Nº 818/2014 Portaria - Nº 815/2014 Portaria - Nº 816/2014 Edital - Nº 64/2014

Diário Oficial. Atos Oficiais Decreto - Nº 817/2014 Portaria - Nº 818/2014 Portaria - Nº 815/2014 Portaria - Nº 816/2014 Edital - Nº 64/2014 Diário Oficial Ano: 4 Edição: 474 Páginas: 36 Índice do diário Responsabilidade Fiscal Relatório Resumido da Execução Orçamentária 2º BIMESTRE Relatório de Gestão Fiscal 1º QUADRIMESTRE Atos Oficiais Decreto

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

MUNICIPIO DE JUINA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL

MUNICIPIO DE JUINA RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL RELATÓRIO DE GESTÃO FISCAL DEMONSTRATIVO DA DISPONIBILIDADE DE CAIXA JANEIRO A ABRIL DE 2015 LRF, art. 55, Inciso III, alínea "a" - Anexo V R$ 1,00 ATIVO VALOR PASSIVO VALOR DISPONIBILIDADE FINANCEIRA

Leia mais

Objetivo: Demonstrar como realizar os lançamentos de ajuste das contas que representam as contas de Ativo Circulante, que representam o Almoxarifado

Objetivo: Demonstrar como realizar os lançamentos de ajuste das contas que representam as contas de Ativo Circulante, que representam o Almoxarifado Solução em Gestão Municipal Solução em Gestão Municipal Solução em Gestão Municipal Objetivo: Demonstrar como realizar os lançamentos de ajuste das contas que representam as contas de Ativo Circulante,

Leia mais

Estado de Goiás Tribunal de Contas dos Municípios. FONTES/DESTINAÇÃO DE RECURSOS Exercício 2011 e seguintes

Estado de Goiás Tribunal de Contas dos Municípios. FONTES/DESTINAÇÃO DE RECURSOS Exercício 2011 e seguintes FONTES/DESTINAÇÃO DE RECURSOS Exercício 2011 e seguintes CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS FONTES OU DESTINAÇÃO DE RECURSOS 1º DÍGITO GRUPO DAS FONTES/DESTINAÇÃO DE RECURSOS 2º e 3º DÍGITOS ESPECIFICAÇÃO

Leia mais

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a)

RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ BALANÇO ORÇAMENTÁRIO Exercício 2015 RECEITAS ORCAMENTARIAS PREVISAO INCIAL PREVISAO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS SALDO (a) (b) c=(b-a) RECEITAS CORRENTES 379.541,46 379.541,46

Leia mais

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União.

PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. PROCEDIMENTO CRÉDITOS A RECEBER DE TRIBUTOS A RECUPERAR OU COMPENSAR 1 REFERÊNCIAS 1.1 - RESPONSABILIDADE Coordenação-Geral de Contabilidade e Custos da União. 1.2 - COMPETÊNCIA - Portaria/STN N. 833,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação aos arquivos publicados em 10/11/2014: Item alterado/incluído Evento 1.9 Evento 2.20.8 Evento 2.72.13 Motivo Obs: Os créditos relativos à Dívida Ativa podem ser registrados somente

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

ITIRAPINA PERÍODO: 2º TRIMESTRE EXERCÍCIO: 2013

ITIRAPINA PERÍODO: 2º TRIMESTRE EXERCÍCIO: 2013 RECEITAS E DESPESAS DO ENSINO - PUBLICAÇÃO (ARTIGO 256 DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL) MUNICÍPIO: ITIRAPINA PERÍODO: 2º TRIMESTRE EXERCÍCIO: 2013 RECEITAS ARRECADADAS Acumulado DESPESAS DO ENSINO Aplicação Acumulado

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Capítulo 2. Capítulo 3

Capítulo 2. Capítulo 3 1 Manual Completo de Contabilidade Pública Deusvaldo Carvalho e Marcio Ceccato Capítulo 2 Página 97 Conteúdo excluído: Novidade! Até a 2 a edição do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MASCP

Leia mais

Anexo I - Demonstrativo da Despesa com Pessoal

Anexo I - Demonstrativo da Despesa com Pessoal Anexo I - Demonstrativo da Despesa com Pessoal DEMONSTRATIVO DA DESPESA COM PESSOAL SETEMBRO DE 2007 A AGOSTO DE 2008 LRF, art. 55, inciso I, alínea "a" - Anexo I (Portaria STN Nº 632) R$ 1,00 DESPESAS

Leia mais

ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE IV PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA

ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE IV PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA ROTINAS E PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA UNIÃO PARTE IV PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA Versão: 25/08/2014 MINISTRO DE ESTADO DA FAZENDA Guido Mantega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Paulo Rogério Caffarelli SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina.

Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina. DECRETO N o 2.879, de 30 de dezembro de 2004 Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

RECEITA TRIBUTÁRIA

RECEITA TRIBUTÁRIA 10000000000 RECEITAS CORRENTES 102.390.600,00 11000000000 RECEITA TRIBUTÁRIA 7.454.000,00 11100000000 IMPOSTOS 6.8 11120000000 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÔNIO E A RENDA 2.280.000,00 11120200000 IMPOSTO SOBRE

Leia mais

<Nome do Evento> Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP

<Nome do Evento> Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público DCASP /2015

Leia mais

RECEITAS DE CONTRIBUICOES , CONTRIBUICOES SOCIAIS ,71

RECEITAS DE CONTRIBUICOES , CONTRIBUICOES SOCIAIS ,71 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 7.959.410,31 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 358.666,34 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 262.922,72 1.1.1.2.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A RENDA 182.921,52

Leia mais

Em 25 de janeiro de 2011.

Em 25 de janeiro de 2011. Nota Técnica nº 73/2011/CCONF/STN Em 25 de janeiro de 2011. ASSUNTO: Demonstrativos da Disponibilidade de Caixa e dos Restos a Pagar - Manual de Demonstrativos Fiscais (MDF). - Esclarecimentos sobre o

Leia mais

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE

BASE DE CÁLCULO E APLICAÇÃO MÍNIMA PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE PELOS ENTES FEDERADOS EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE A Constituição Federal de 1988 determina em seu art. 198 que: 1º. O sistema único de saúde será financiado, nos termos do art. 195, com recursos

Leia mais

Diário Oficial Prefeitura Municipal de Canavieiras Índice do diário Responsabilidade Fiscal ba/canavieiras

Diário Oficial Prefeitura Municipal de Canavieiras Índice do diário Responsabilidade Fiscal  ba/canavieiras Páginas: 24 Índice do diário Responsabilidade Fiscal Relatório Resumido da Execução Orçamentária 3 BIMESTRE Página 1 Documento assinado digitalmente conforme MP n. 2.2002/2001 de 24/08/2001, que institui

Leia mais

RREO - ANEXO 12 (LC 141/2012, art. 35) R$ Receitas Realizadas Atualizada Receitas para apuração da aplicação em Ações e Serviços Públicos de Saúde

RREO - ANEXO 12 (LC 141/2012, art. 35) R$ Receitas Realizadas Atualizada Receitas para apuração da aplicação em Ações e Serviços Públicos de Saúde 1º /2014 RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA (I) Receitas para apuração da aplicação em Ações e Serviços Públicos de Saúde (a) (b/a) x 100 1.402.614,83 1.402.614,83 174.351,79 12,43 Imposto Predial e Territorial

Leia mais

Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo

Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo 2012 Relatório de Gestão Fiscal do Poder Executivo 1º Material divulgado em atendimento às disposições de que trata a Portaria nº 407 da Secretaria do Tesouro Nacional, de 20 de junho de 2011 e o estabelecido

Leia mais

Prefeitura Municipal de Guarapuava Exercicio de 2016 - Anexo 2, da Lei 4.320/64 Unidade Gestora: CONSOLIDADO Natureza Codigo Especificacao

Prefeitura Municipal de Guarapuava Exercicio de 2016 - Anexo 2, da Lei 4.320/64 Unidade Gestora: CONSOLIDADO Natureza Codigo Especificacao 1.0.0.0.00.00.00.00 RECEITAS CORRENTES 327.198.765,92 1.1.0.0.00.00.00.00 RECEITA TRIBUTARIA 54.932.798,74 1.1.1.0.00.00.00.00 IMPOSTOS 46.219.482,29 1.1.1.2.00.00.00.00 IMPOSTOS SOBRE O PATRIMONIO E A

Leia mais

VINCULAÇÃO RECEITA PLANO DE CONTAS CODIGO RECEITA PLANO DE CONTAS %

VINCULAÇÃO RECEITA PLANO DE CONTAS CODIGO RECEITA PLANO DE CONTAS % VINCULAÇÃO RECEITA PLANO DE CONTAS CODIGO RECEITA PLANO DE CONTAS % 1.1.1.2.02.00.00 Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana 4.1.1.1.2.02.00.01 - IPTU - PROPRIO 60 4.1.1.1.2.02.00.02 -

Leia mais

VALORES PENDENTES A CURTO PRAZO - Ativo Não Financeiro =(33+34)

VALORES PENDENTES A CURTO PRAZO - Ativo Não Financeiro =(33+34) QUADRO DE DADOS CONTÁBEIS CONSOLIDADOS MUNICIPAIS BALANÇO PATRIMONIAL - ATIVO CAMPO DISCRIMINAÇÃO VALOR 1 ATIVO =(59+60) 2.395.359,36 2 ATIVO FINANCEIRO =(3+8+13+14) 76.650,19 3 DISPONÍVEL =(4+5+6+7) 76.650,19

Leia mais

CONSÓRCIOS PÚBLICOS. Aspectos Contábeis. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF

CONSÓRCIOS PÚBLICOS. Aspectos Contábeis. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF CONSÓRCIOS PÚBLICOS Aspectos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF CONCEITUAÇÃO E IMPORTÂNCIA CONSÓRCIOS CONCEITO Consórcios são parcerias formadas por

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

Março/2011. Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1

Março/2011. Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1 Março/2011 Sumário PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM...1 2 RELATÓRIO CONCLUSIVO DE CONTROLE INTERNO - BALANÇO ANUAL 2010 Com fulcro no artigo 70 da Constituição Federal; artigo 75 da Lei

Leia mais

Balanço Patrimonial e Demonstração das Variações Patrimoniais

Balanço Patrimonial e Demonstração das Variações Patrimoniais Balanço Patrimonial e Demonstração das Variações Patrimoniais Leitura Básica MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO MCASP 6ª EDIÇÃO (Válido a partir do exercício de 2015) PARTE V Demonstrações

Leia mais

Taxas de Inflação e PIB. Fonte: www3.bcb.gov.br/expectativas/publico/

Taxas de Inflação e PIB. Fonte: www3.bcb.gov.br/expectativas/publico/ PARÂMETROS PARA PROJEÇÕES Preencher com as expectativas de aumentos percentuais das receitas ou despesas DISCRIMINAÇÃO 2014 2015 2016 2017 1. INFLAÇÃO MÉDIA ANUAL (I P C A) 5,61% 5,25% 5,12% 5,07% 2. CRESCIMENTO

Leia mais

Conforme o artigo 7º da Lei estadual nº 9.277/2010, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária para o exercício de 2010:

Conforme o artigo 7º da Lei estadual nº 9.277/2010, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária para o exercício de 2010: MANUAL DE DESCENTRALIZAÇÃO DE CRÉDITO Vitória, 06 de abril de 2010 1. Objetivo O objetivo deste documento é especificar as rotinas contábeis para o registro da Descentralização Orçamentária. 2. Nome Descentralização

Leia mais

2º GTCON 2014 Aspectos Contábeis dos Consórcios Públicos

2º GTCON 2014 Aspectos Contábeis dos Consórcios Públicos Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF 2º GTCON 2014 Aspectos Contábeis dos Consórcios Públicos OUTUBRO/2014 RECEITA A REALIZAR

Leia mais

ÍNDICE. Assunto: Incidência do PASEP sobre as transferências de recursos do FNDE, CIDE e FUNDEF e SUS... 2

ÍNDICE. Assunto: Incidência do PASEP sobre as transferências de recursos do FNDE, CIDE e FUNDEF e SUS... 2 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 ÍNDICE Nota Técnica nº 1.432/2004/GENOC/CCONT-STN... 2 Assunto: Incidência do PASEP sobre as transferências de recursos do FNDE, CIDE e FUNDEF e SUS...

Leia mais

PARECER. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP.

PARECER. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP. PARECER EMENTA: Contribuição PASEP. Regimes Próprios de Previdência. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP. As

Leia mais

Balancete Analítico GOVERNO DE ESTADO DO AMAZONAS. Administração Financeira Integrada

Balancete Analítico GOVERNO DE ESTADO DO AMAZONAS. Administração Financeira Integrada 100000000 - Ativo 157.123.471,49 757.532.824,27 212.013.058,18 702.643.237,58 D 110000000 - Ativo Circulante 37.605.161,54 60.284.824,22 49.434.231,84 48.455.753,92 D 111000000 - Disponivel 37.237.502,93

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 , DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES

Leia mais

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP Nota Técnica n 003/2012/GECON Vitória, 08 de Março de 2012. Assunto: Contabilização do pagamento da Contribuição ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público PIS/PASEP

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu LEI N o 3.941, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, para o exercício financeiro de 2012. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado

Leia mais

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Belém, para o exercício de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal: é possível comparar as informações divulgadas pelos Entes da Federação?

Lei de Responsabilidade Fiscal: é possível comparar as informações divulgadas pelos Entes da Federação? Lei de Responsabilidade Fiscal: é possível comparar as informações divulgadas pelos Entes da Federação? 5º SGESP Seminário de Gestão Pública Fazendária Ribeirão Preto - SP Lei de Responsabilidade Fiscal

Leia mais

SERRA NEGRA Imprensa Oficial da Estância Hidromineral de Serra Negra

SERRA NEGRA Imprensa Oficial da Estância Hidromineral de Serra Negra Imprensa Oficial da Estância Hidromineral de Serra Negra DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Sexta-feira, 18 de novembro de 2016 - Ano VIII - n.º 516 Estância Suíça recebe recape asfáltico em 7 ruas Capacitação de Acolhimento

Leia mais

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 16/06/2010 O Brasil a Caminho dos Padrões Internacionais

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

NBCT SP SISTEMA DE CUSTOS IDEAL FUTURO IMPLEMENTADO A PARTIR DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS

NBCT SP SISTEMA DE CUSTOS IDEAL FUTURO IMPLEMENTADO A PARTIR DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS NBCT SP 16.11 SISTEMA DE CUSTOS IDEAL FUTURO IMPLEMENTADO A PARTIR DE INFORMAÇÕES PATRIMONIAIS Novo Plano de Contas e o Subsistema de Custos Lógica do Registro Contábil 1 Ativo 1.1- Ativo Circulante 1.2

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE - DIEESE - REUNIÃO DA DSND Rosane Maia 17 de junho de 2009 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE APRESENTAÇÃO: I - A EXPERIÊNCIA DO OBSERVATÓRIO DE EQUIDADE

Leia mais

Siglas deste documento:

Siglas deste documento: O Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias (CAUC) possui 13 itens a serem observados para a efetivação de uma transferência voluntária. Veja adiante a legislação relativa a cada

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ /

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ 63.025.530/0001-04 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (VALORES EXPRESSOS EM REAIS, EXCETO QUANDO INDICADO DE OUTRA FORMA) Em atendimento

Leia mais

Inscrição em Dívida Ativa da União de Créditos do Simples Nacional

Inscrição em Dívida Ativa da União de Créditos do Simples Nacional Inscrição em Dívida Ativa da União de Créditos do Simples Nacional Inscrição em DAU Fundamento Legal: art. 41, 2º, da LC 123/2006. 2º Os créditos tributários oriundos da aplicação desta Lei Complementar

Leia mais

Poder Executivo Caderno II

Poder Executivo Caderno II . Ano XVII, Edição 3858 - R$ 1,00 Poder Executivo Caderno II BALANÇOS GABINETE DO VICE-PREFEITO Administração Financeira Integrada a. Quadro Principal Dados até Dezembro de 2015 Unidade Gestora: 120101

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO,

LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO, LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO, 09.12.2008 Estima a Receita e fixa a Despesa do município de NOVA IGUAÇU DE GOIÁS, para o exercício Financeiro de 2009 e dá outras providências. A CÂMARA

Leia mais

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho

PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS. Professor João Eudes Bezerra Filho PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS E ATUARIAS NOS RPPS Professor João Eudes Bezerra Filho DIAGNÓSTICO: CENÁRIO ATUAL DIMENSÃO CONTABILIDADE PATRIMONIAL ATIVO FINANCEIRO ATIVO FINANCEIRO Disponível Caixa (Tesouraria)

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais