SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS"

Transcrição

1 SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS MBA Estácio 18/04/2017 Prof. Lucas S. Macoris

2 PLANO DE AULA Seleção e Viabilidade de Projetos Avaliação de Projetos Avaliação de Empresas Qual o valor justo? Introdução Resumo da Aula Anterior Por que trazer a valor presente? O Custo de Oportunidade O Fluxo de Caixa Descontado Análise das Métricas Ajustes Finais

3 CHEGAMOS AO FLUXO DE CAIXA LIVRE DA EMPRESA Fluxo de Caixa Livre Futuro Ano T+1 Ano T+2 Ano T+3 Ano T+4 Ano T+5 Receita Bruta R$ 100 R$ 150 R$ 200 R$ 250 R$ 300 (-) Impostos sobre a Receita -R$ 10 -R$ 15 -R$ 20 -R$ 25 -R$ 30 (=) Receita Bruta R$ 90 R$ 135 R$ 180 R$ 225 R$ 270 (-) Custos e Despesas -R$ 27 -R$ 41 -R$ 54 -R$ 68 -R$ 81 (=) Lucro Operacional R$ 63 R$ 95 R$ 126 R$ 158 R$ 189 Impostos sobre o Lucro -R$ 13 -R$ 19 -R$ 25 -R$ 32 -R$ 38 Lucro Operacional após Impostos R$ 50 R$ 76 R$ 101 R$ 126 R$ 151 Necessidade de Capital de Giro R$ 20 R$ 25 R$ 30 R$ 35 R$ 40 Variação na N. de Cap. De Giro R$ - -R$ 5 -R$ 5 -R$ 5 -R$ 5 Investimentos em CAPEX -R$ 10 -R$ 10 -R$ 10 -R$ 10 -R$ 10 + Depreciação R$ 10 R$ 10 R$ 10 R$ 10 R$ 10 Fluxo de Caixa Livre Futuro R$ 50 R$ 71 R$ 96 R$ 121 R$ 146 3

4 PRÓXIMOS PASSOS: DESCONTANDO OS FLUXOS DE CAIXA É preciso utilizar as técnicas de Matemática Financeira para analisar o dinheiro ao longo do tempo de maneira adequada; A taxa utilizada para o desconto dos Fluxos de Caixa é chamada de CMPC (Custo Médio Ponderado de Capital). É a medida do Custo de Oportunidade do Projeto. Após descontar os fluxos de caixa, chega-se ao Valor da Projeto, ou seja, o quanto ela vale para todos os acionistas e credores da empresa; Importante: e se fosse o caso de uma empresa? Qual seria o valor de suas ações? Fluxo de Caixa Livre para o Acionista = Fluxo de Caixa Livre da Firma Dívida líquida 4

5 A QUAL TAXA DESCONTAR OS FLUXOS DE CAIXA? O que significa descontar os fluxos de caixa? Trazer a valor presente; Considerar todos os Fluxos de Caixa na mesma data; Podemos fazer a soma dos Fluxos de Caixa na mesma data sem incorrer em erros; Por que descontar os fluxos de caixa? Se vamos investir dinheiro, devemos saber quanto esses recursos irão render; Se temos o fluxo de caixa futuro podemos saber, para uma determinada rentabilidade, quanto ele vale hoje; Se trouxermos a valor presente e subtrair nosso investimento, conseguimos encontrar quanto tivemos de rendimento além daquilo que exigimos! Chegamos ao conceito de Valor Presente Líquido (ver Exemplo.) 5

6 O VALOR PRESENTE LÍQUIDO (VPL) Duas Partes 1. Investimento feito (Período 0) 2. Fluxos de Caixa nos Períodos futuros (Período 1 em diante) a valor presente; Valor Presente Líquido = Investimento Valor Presente dos Fluxos de Caixa O que o VPL significa? 1. É uma medida de agregação de valor Se meus Fluxos de Caixa valem mais que meu Investimento, AGREGO valor; Se meus Fluxos de Caixa valem menos que meu Investimento, DESTRUO valor; Agregar valor é gerar uma rentabilidade maior do que i Destruir valor é gerar uma rentabilidade menor que i A qual taxa descontamos os Fluxos de Caixa? 6

7 IV CUSTO DE OPORTUNIDADE De acordo com Pindado (2002), o Custo de Capital é a média ponderada dos custos de todas as fontes utilizadas para o financiamento do projeto, sendo as ponderações as proporções que cada uma das fontes de financiamento tem sobre a estrutura de capital; É a rentabilidade mínima que um projeto de investimento deve ter para ser viável. Assim, o Custo de Capital deve ser tratado como a taxa de desconto dos fluxos de caixa futuro; Seu cálculo depende de quais fontes foram utilizadas no projeto de investimento. WACC = D A Kd + PL A Ke Sendo: D: Dívida Kd: Custo da Dívida A: Ativo Total Ke: Custo do Capital próprio) PL: Patrimônio Líquido 7

8 IV ESTIMAÇÃO DO CUSTO DE CAPITAL Custo de Capital de Terceiros: estimado através da média ponderada do custo de financiamento cobrado pelos credores; Custo de Capital Próprio: Um dos temas mais polêmicos na área de finanças; Falta consenso e premissas adequadas à realidade; Utilização do CAPM (William Sharpe, 1964) Modelo mais difundido e aceito; Presente em praticamente todas as avaliações; Utiliza-se da premissa de retorno proporcional ao risco; Ke = R f + β R m R f + R país * *Fórmula adaptada de Sharpe (1964) para utilização fora dos EUA. 8

9 IV ESTIMAÇÃO DO CUSTO DE CAPITAL CAPM Ativo Livre de Risco (Kf) Retorno Médio de Mercado (Rm) Taxa do Risco Pais (Rp) Beta setorial (B) Diferencial de Inflação CAPM (Custo de Capital Próprio) 4,96% 9,50% 4,09% 0,84 2,15% 15,01% T-Bond Americano (Título do Dívida Pública) Retorno da Bolsa Americana EMBI+ (IPEA Data) Damodaran Bancos O CAPM busca refletir o risco de um negócio em um setor específico; Com ele, conseguimos comparar projetos em diferentes setores; O Custo de Capital é uma estimação de Longo Prazo. É a metodologia mais aceita no mercado. Ainda assim, é uma das premissas mais discutidas na Análise de Projetos 9

10 AJUSTES FINAIS O projeto não tem duração determinada? Estimação da Perpetuidade Simples: FC/i Com crescimento g : FC/(i-g) O projeto tem duração determinada? Devemos fazer a venda dos investimentos em CAPEX e Giro! Como não vamos mais utilizar, podemos vende-los pra gerar caixa. 10

11 MÉTRICAS DE ANÁLISE De que forma analisar e comparar projetos? VPL Valor Presente Líquido Fornece o valor presente dos fluxos de caixa descontados a uma taxa que corresponda ao custo de oportunidade do dinheiro investido. TIR Taxa Interna de Retorno: taxa que faz com que o VPL seja igual a zero; É a taxa de retorno de um projeto, caso ele seja mantido até seu vencimento (yeld to maturity); Baseia-se na hipótese do reinvestimento dos fluxos de caixa à mesma taxa de rentabilidade 11

12 FINALIZANDO: O FLUXO DE CAIXA DESCONTADO A avaliação de empresas e projetos utiliza dos conceitos de matemática financeira aplicados na análise de títulos de renda fixa para estabelecer qual é o preço justo a se pagar por uma ação no momento de análise; Vantagens Pode ser aplicado a qualquer tipo de empresa Gera decisões de médio/longo prazo Amplamente aceito Desvantagens Exige tempo e dedicação Conhecimentos em diversas áreas, como Economia, Gestão e Contabilidade Sujeito a vieses de estimação 12

13 ANÁLISE DE CENÁRIOS O resultado da avaliação depende diretamente da qualidade das premissas adotadas. Demonstra a importância de se conhecer a fundo o negócio da empresa e suas perspectivas; Como se proteger das incertezas quanto aos valores futuros? 1. Análise de Sensibilidade: Leva em conta variações isoladas nos parâmetros de análise; Ex: Se o custo aumentar em X%, qual será o impacto no preço de minha ação? 2. Criação de Cenários: Otimista, Moderado e Pessimista Variação de um conjunto de parâmetros simulando um possível cenário; 3. Simulação de Monte Carlo: Criação de inúmeros cenários considerando a variação nos parâmetros de acordo com suas respectivas distribuições de probabilidade. Ex: Qual é a probabilidade de que meu projeto esteja em um cenário economicamente viável? 13

14 SIMULAÇÃO DE MONTE CARLO A partir da seleção de parâmetros (drivers de valor) adequados para explicar o valor da empresa, é possível verificar o impacto da variação conjunta de tais parâmetros no valor da empresa. 14

15 CONSIDERAÇÕES FINAIS A maioria das técnicas de análise estudadas podem ser utilizadas para a análise de projetos; Avaliação de Investimentos é multidisciplinar! Administração, Economia, Contabilidade, Estatística; Não utilize muitos indicadores: foco naquilo que realmente importa para a análise; Não se esqueça do curto prazo! Falta de liquidez sufoca e quebra até mesmo empresas e projetos com boa perspectiva; Atente-se sobre a empresa e seu setor. Isso fará com que as premissas adotadas sejam muito mais realistas. 15

16 CONSIDERAÇÕES FINAIS A Avaliação de Projetos é um exercício de subjetividade. Não fique preso às regras contábeis, saiba como extrair as informações que você precisa; Uma boa avaliação é aquela que deixa claro o porquê da escolha de suas premissas; A projeção não deve levar em conta o que o projeto é hoje, mas como ela pode ser no futuro. Além de projetar, deve-se ter consciência das melhorias que ela pretende adotar; Há inúmeras formas que levam a infinitos resultados. Não há certo ou errado, mas sim aquilo que é objetivo, adequado teoricamente e justificável! 16

17 COMO PODEMOS IR ALÉM? Técnicas de Previsão de Demanda; Análise de Diversas Métricas TIR Modificada Payback Descontado E.V.A Análise de Sensibilidade Fluxo de Caixa Diferencial 17

18 OBRIGADO PELA ATENÇÃO! Caso tenha alguma dúvida, fique livre para entrar em contato! (16) Prof. Lucas S. Macoris

Tópicos Especiais Contábeis: EVA

Tópicos Especiais Contábeis: EVA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTÁBEIS Curso de Ciências Contábeis Tópicos Especiais Contábeis: EVA Prof. Mestre. João Rafael Alberton Casca - 2015 Organizadores Auster

Leia mais

29/09/2010. Objetivos. Orçamento Empresarial UFRN Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos da Aula BIBLIOGRAFIA

29/09/2010. Objetivos. Orçamento Empresarial UFRN Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos da Aula BIBLIOGRAFIA Objetivos Orçamento Empresarial UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho 1. Apresentar um conceito de orçamento de investimentos 2. Elaborar o quadro de usos e fontes de um negócio 3. Calcular

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento

Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento ANÁLISE DE CENÁRIOS Prof. Luciel Henrique de Oliveira - luciel@fae.br UNIFAE - São João da Boa Vista http://gp2unifae.wikispaces.com Análise

Leia mais

Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD

Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD 1 Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD Michele Nascimento Jucá José Savoia 2 Agenda 5 Método do Fluxo de Caixa Descontado (FCD) 5.1 Introdução 5.2 Princípios Gerais 5.3 Metodologia de Cálculo 5.4

Leia mais

de Empresas e Projetos

de Empresas e Projetos Avaliação de Empresas e Projetos MBA em Finanças as Habilitação Finanças as Corporativas Projeções de Fluxos de Caixa e Taxas de crescimento Processo de análise Análise da performance histórica Projeção

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto

Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto rsromera@hotmail.com Decisão de Investimento Questões a serem respondidas Ativo Circulante / Realizável de Longo Prazo / Ativo Permanente Onde estão aplicados

Leia mais

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)! Qual a diferença entre o FCO e o FCA?! Quando utilizar o FCO e o FCA?! Taxa de desconto a ser utilizada para descontar o FCO e o FCA!

Leia mais

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II

SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II SEM0530 Problemas de Engenharia Mecatrônica II Prof. Marcelo A. Trindade Departamento de Engenharia Mecânica Escola de Engenharia de São Carlos - USP Sala 2º andar Prédio Engenharia Mecatrônica (ramal

Leia mais

COM A HP 12 C. 8º encontro

COM A HP 12 C. 8º encontro MATEMÁTICA FINANCEIRA COM A HP 12 C 8º encontro 09/09/2016 1 admfreeeork@yahoo.com.br 16 981057062 (Tim, WhatsApp) Blog admfreework.wordpress.com Facebook admfreework 09/09/2016 2 3 O VPL e a TIR permitem

Leia mais

1. Introdução II. Técnicas de Orçamento de Capital III. Estimativa dos Fluxos de Caixa

1. Introdução II. Técnicas de Orçamento de Capital III. Estimativa dos Fluxos de Caixa FEA - USP Graduação Ciências Contábeis EAC0511 Profa. Joanília Cia Tema 07 Decisões de Investimento e Orçamento de Capital 7. Decisões Estratégicas de Investimentos:Orçamento de Capital 1. Introdução II.

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I.

Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I. Resumo Aula-tema 05: Estrutura e Análise das Demonstrações Financeiras I. Nessa aula, vamos relembrar os métodos de análise do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Resultado do Exercício, através da

Leia mais

SUMÁRIO. Parte I Fundamentos de Finanças, 1. Prefácio, xv. Links da web, 32 Sugestões de leituras, 32 Respostas dos testes de verificação, 33

SUMÁRIO. Parte I Fundamentos de Finanças, 1. Prefácio, xv. Links da web, 32 Sugestões de leituras, 32 Respostas dos testes de verificação, 33 SUMÁRIO Prefácio, xv Parte I Fundamentos de Finanças, 1 1 Introdução às Finanças Corporativas, 2 1.1 Como evoluíram as finanças das empresas, 4 1.2 As novas responsabilidades da administração financeira,

Leia mais

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome:

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome: AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio FEA- USP, 30 de setembro de 2015 Nome: PROVA INDIVIDUAL, SEM CONSULTA. SOMENTE SERÁ PERMITIDO O USO DE CALCULADORAS

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

Cia. Hering D É B O R A D A R I N

Cia. Hering D É B O R A D A R I N Cia. Hering D É B O R A D A R I N G I O VA N N A S A R T O R V E R Í S S I M O C R E D I T S U I S S E A WA R D S 2 0 1 6 0 2 D E J U N H O D E 2 0 1 6 M A R C O A N T O N I O PAT H E F I L H O M A R I

Leia mais

FEA RP - USP. Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos

FEA RP - USP. Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos FEA RP - USP Matemática Financeira 3 - Séries e Avaliação de Investimentos Prof. Dr. Daphnis Theodoro da Silva Jr. Daphnis Theodoro da Silva Jr 1 Séries uniformes - Juros Compostos Series uniformes são

Leia mais

VERSÃO 1 RESPOSTAS PROVA DE FINANÇAS

VERSÃO 1 RESPOSTAS PROVA DE FINANÇAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO-EDITAL FEA-RP-PPGAO

Leia mais

Etapas da análise das demonstrações

Etapas da análise das demonstrações Etapas da Análise das Demonstrações Financeiras Etapas da análise das demonstrações Coleta de dados Conferência dos dados coletados Preparação dos dados para análise Processamento dos dados Análise dos

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre:

Nesse artigo falaremos sobre: Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O que é custo de oportunidade Exemplo de custo de oportunidade em uma planilha de

Leia mais

AVALIAÇÃO POR FLUXO DE CAIXA OU FLUXO DE LUCROS? ONDE E COMO

AVALIAÇÃO POR FLUXO DE CAIXA OU FLUXO DE LUCROS? ONDE E COMO AVALIAÇÃO POR FLUXO DE CAIXA OU FLUXO DE LUCROS? ONDE Na análise do resultado mensal, trimestral, etc. Na análise de novos investimentos No Valuation Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Essa unidade tem como objetivo interpretar as informações contábeis. Análise e tomada de decisão a partir de dados contábeis. Conhecer os índices

Leia mais

UMA EMPRESA VAI INJETAR CAPITAL EM OUTRA EMPRESA. COMO DETERMINAR O VALOR DA PARTICIPAÇÃO ACIONÁRIA?

UMA EMPRESA VAI INJETAR CAPITAL EM OUTRA EMPRESA. COMO DETERMINAR O VALOR DA PARTICIPAÇÃO ACIONÁRIA? UMA EMPRESA VAI INJETAR CAPITAL EM OUTRA EMPRESA. COMO DETERMINAR O VALOR DA PARTICIPAÇÃO? Determinação do limite máximo da participação % Determinação do limite mínimo da participação % Determinação do

Leia mais

O resultado de um estudo de viabilidade econômica

O resultado de um estudo de viabilidade econômica Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: O resultado de um estudo de viabilidade Como fazer análise de cenários Relatório

Leia mais

Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis

Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis Aula 09: 27-Set-2016 Aula 10: 04-Out-2016 Prof. Dr. Rodrigo Takashi Okimura rodrigo.okimura@fipecafi.org 7 Estrutura de Capital Referências: ASSAF

Leia mais

CURSO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM INOVAÇÃO CLARO EMENTA

CURSO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM INOVAÇÃO CLARO EMENTA CURSO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM INOVAÇÃO CLARO EMENTA QUADRO DE DISCIPLINAS * Curso MBA Gestão Estratégica de Negócios Horas-Aula** Módulo I 240 Economia Empresarial 24 Finanças

Leia mais

Baseado no comprovado método de avaliação de Benjamin Graham, mentor de Warren Buffett, maior investidor de todos os tempos.

Baseado no comprovado método de avaliação de Benjamin Graham, mentor de Warren Buffett, maior investidor de todos os tempos. Baseado no comprovado método de avaliação de Benjamin Graham, mentor de Warren Buffett, maior investidor de todos os tempos. Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições

Leia mais

O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL PELA PERPETUIDADE

O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL PELA PERPETUIDADE O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL O que é valor residual? O que é perpetuidade constante? Como calcular a perpetuidade? Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado

Leia mais

FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II. Professor Cristóvão Pereira

FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II. Professor Cristóvão Pereira FINANÇAS APLICADAS À SAÚDE II Professor Cristóvão Pereira Cristóvão Pereira Mestre em Gestão Empresarial FGV Engenheiro Eletricista PUC/RJ MBA New York University MBA Ibmec/RJ CEO Takeover Ltda. Contato

Leia mais

Determinação do Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) do setor sucroenergético brasileiro e discussão das suas premissas 1

Determinação do Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) do setor sucroenergético brasileiro e discussão das suas premissas 1 Determinação do Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) do setor sucroenergético brasileiro e discussão das suas premissas 1 1. Introdução Haroldo José Torres da Silva 2 A taxa mínima de atratividade expressa,

Leia mais

Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar total ou parcialmente o valor de mercado de uma empresa.

Leia mais

Avaliação de Investimentos. Prof. Adriano Paranaiba

Avaliação de Investimentos. Prof. Adriano Paranaiba Avaliação de Investimentos Prof. Adriano Paranaiba 1 Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios futuros. Abertura de uma nova

Leia mais

"Agressiva estratégia de crescimento, com um modelo de negócios sustentável"

Agressiva estratégia de crescimento, com um modelo de negócios sustentável "Agressiva estratégia de crescimento, com um " RECONHECIMENTO DA MARCA VAREJO E-COMMERCE AGÊNCIA TURISMO confiabilidade BRAND AWARENESS CONFIABILIDADE tradição em inovação DESDE 1972 tradição em inovação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro MINI

Leia mais

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Introdução à análise de risco Um projeto de TI, como qualquer outro projeto está sujeito a riscos no decorrer do seu desenvolvimento. Alguns

Leia mais

O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL PELA PERPETUIDADE PARTE II

O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL PELA PERPETUIDADE PARTE II O QUE É E COMO SE CALCULA O VALOR RESIDUAL! Perpetuidade com crescimento.! A taxa de crescimento do Fluxo de Caixa (G).! Valor residual pela liquidação dos ativos. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Análise de viabilidade de empreendimentos de geração

Análise de viabilidade de empreendimentos de geração Análise de viabilidade de empreendimentos de geração Erik Rego Excelência Energética Objetivo Projetar um fluxo de caixa de um investimento em uma central de geração eólica e determinar sua viabilidade

Leia mais

Análise de Empreendimentos

Análise de Empreendimentos Análise de Empreendimentos - Instrumentos auxiliares para o processo de tomada de decisões. - Avalia, antecipadamente, o desempenho econômico - financeiro de determinado empreendimento e, por conseqüência,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS E GESTÃO DE RISCO BELVEDERE ADMINISTRAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS E GESTÃO DE RISCO BELVEDERE ADMINISTRAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS E GESTÃO DE RISCO BELVEDERE ADMINISTRAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. MAIO 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS E GESTÃO DE RISCOS 1. Objetivo O objetivo da política de investimentos

Leia mais

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda.

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda. PARTE 7 DEPRECIAÇÃO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Método Linear 3. Método de Cole ou da Soma dos Dígitos 4. Método Exponencial 5. Exercícios resolvidos 1. Introdução Depreciação significa desvalorização.

Leia mais

O que é Fluxo de Caixa Projetado. O que é o Fluxo de Caixa Projetado

O que é Fluxo de Caixa Projetado. O que é o Fluxo de Caixa Projetado Toda empresa possui o seu fluxo de caixa. Pode ser feito à moda antiga, no papel, em uma simples planilha do Excel, com entradas e saídas, ou então com planilhas mais elaboradoras. A verdade é que o gestor

Leia mais

Custo de Oportunidade do Capital

Custo de Oportunidade do Capital Custo de Oportunidade do Capital É o custo de oportunidade de uso do fator de produção capital ajustado ao risco do empreendimento. Pode ser definido também como a taxa esperada de rentabilidade oferecida

Leia mais

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série

Como fazer avaliação econômico financeira de empresas. Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série Este conteúdo faz parte da série: Balanço Patrimonial Ver 3 posts dessa série O que é: Basicamente, é uma metodologia de análise que você pode usar para entender a estrutura econômico e financeira da empresa

Leia mais

COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA

COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA! Valorizando a empresa para todos os detentores de direitos.! A taxa correta de desconto.! O cálculo da valor residual. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES JUNHO 2016 DANISIO COSTA LIMA BARBOSA

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES JUNHO 2016 DANISIO COSTA LIMA BARBOSA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES JUNHO 2016 DANISIO COSTA LIMA BARBOSA AGENDA Introdução Consultas bibliográficas Itens de atenção Informações de qualidade Informações comparáveis Comparações Usuários Índices

Leia mais

Wermeson Souza Pereira

Wermeson Souza Pereira Avaliação de Empresas: Fluxo de Caixa Livre para Empresas Versus Fluxo de Caixa Livre para os Acionistas e os desvios causados na utilização de taxas de descontos inadequados. Wermeson Souza Pereira souzacontabilidade@terra.com.br

Leia mais

Finanças em Projetos de TI. Profa. Liliam Sakamoto Aula 9

Finanças em Projetos de TI. Profa. Liliam Sakamoto Aula 9 Finanças em Projetos de TI Profa. Liliam Sakamoto Aula 9 Assuntos da aula de hoje: Resumo das metodologias de análise de projetos de investimentos Aquisições Payback É o período de tempo necessário para

Leia mais

VALUATION AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

VALUATION AVALIAÇÃO DE EMPRESAS UNIVERSIDADE FEREDAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS José D Araújo Fernandes da Costa Júnior VALUATION AVALIAÇÃO

Leia mais

RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE III

RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE III RELEMBRANDO ALGUNS ASPECTOS IMPORTANTES NA MONTAGEM DO FLUXO DE CAIXA - PARTE III! O que é análise de sensibilidade?! O que é análise de cenários?! Identificando e simulando premissas críticas. Francisco

Leia mais

3 Metodologia. Lucro empresa privada = a + b Valorização Ibovespa

3 Metodologia. Lucro empresa privada = a + b Valorização Ibovespa 3 Metodologia Segundo a metodologia de Aswath Damodaran 15, a avaliação de empresas de capital fechado possui, porque a informação disponível para avaliação é limitada e as empresas fechadas não possuem

Leia mais

Sumário Resumido. PARTE I Avaliação da Saúde Financeira da Empresa 1. PARTE IV Avaliando Oportunidades de Investimento 245

Sumário Resumido. PARTE I Avaliação da Saúde Financeira da Empresa 1. PARTE IV Avaliando Oportunidades de Investimento 245 Sumário Resumido PARTE I Avaliação da Saúde Financeira da Empresa 1 Capítulo 1 Interpretação de Demonstrações Financeiras 3 Capítulo 2 Avaliação do Desempenho Financeiro 37 PARTE II Planejamento do Desempenho

Leia mais

Sumário. Prefácio, xix

Sumário. Prefácio, xix Sumário Prefácio, xix 1 Introdução, 1 Objetivo do livro, 2 1.1 Citações importantes sobre planejamento financeiro com destaque para o fluxo de caixa no contexto empresarial, 2 2 Administração financeira

Leia mais

7.Noção de investimentos

7.Noção de investimentos 1 2 Sumário (18ª aula) 7.Noção de investimentos 7.2. Valor Actual de um investimento 7.3. Taxa Interna de Rentabilidade 7.4. Break Even Point 7.5 Rendas/prestações fixas Obrigações 30 Nov. 2004 Um investimento

Leia mais

NET PRESENTE VALUE: FIRST PRINCIPLES OF FINANCE

NET PRESENTE VALUE: FIRST PRINCIPLES OF FINANCE NET PRESENTE VALUE: FIRST PRINCIPLES OF FINANCE PIRACICABA, XX DE MARÇO DE 2016 ELABORADO POR: LUCAS RODRIGUES FAZENDO UMA ESCOLHA DE CONSUMO A TODO TEMPO O VALOR DE ALGO É RELATIVO EM RELAÇÃO AO TEMPO

Leia mais

APLICAÇÃO DA TARIFA BÁSICA OPERACIONAL NO SAMAE DE JARAGUÁ DO SUL. Apresentação

APLICAÇÃO DA TARIFA BÁSICA OPERACIONAL NO SAMAE DE JARAGUÁ DO SUL. Apresentação APLICAÇÃO DA TARIFA BÁSICA OPERACIONAL NO SAMAE DE JARAGUÁ DO SUL Apresentação TENDÊNCIA DE TARIFAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Decisões judiciais têm determinado a cobrança de tarifas pelo

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avaliação de Empresas 1 P R O J E Ç Õ E S, T E O R I A E C O N C E I T O S P R O F. G U I L L E R M O B R A U N B E C K Análise Prospectiva Para fins didáticos, a análise prospectiva será abordada em três

Leia mais

Tema: Análise de Investimentos

Tema: Análise de Investimentos Tema: Análise de Investimentos Aula - Métodos e dinâmica de avaliação de investimentos Agosto de 2016 Conteúdo Conteúdo Decisões de investimentos na empresa Origem das propostas Tipos de investimento Fluxos

Leia mais

Avaliação de projetos de investimento

Avaliação de projetos de investimento Gestão Empresarial e Economia Avaliação de projetos de investimento Caracterização do projeto e conceito de valor Sumário Caracterização do projecto Conceito de valor 1. Caracterização do projecto 1.1

Leia mais

Uma análise para qualquer tipo de negócio

Uma análise para qualquer tipo de negócio Modelo DuPont Uma análise para qualquer tipo de negócio Antes aplicar estes conceitos a seu negócio ou investimento, tenha em mente que o fato das demonstrações financeiras estarem auditadas garantem uma

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO PARA GRADUADOS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Profº Marcelo Cambria Duration 2 Reflete o rendimento (yield) efetivo dos títulos de Renda Fixa até o seu vencimento (maturity)

Leia mais

Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos

Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos Capítulo 11 Métodos de Análise de Investimentos Copyright@ Abelardo Puccini. 2009. Editora Saraiva. Taxa Mínima de Atratividade - 1 Taxa Mínima de Atratividade (i Min ) é o custo de oportunidadedo investidor.

Leia mais

Valor econômico adicionado 1

Valor econômico adicionado 1 Valor econômico adicionado 1 Valor econômico adicionado ou simplesmente valor adicionado ou, ainda, valor agregado é uma noção que permite medir o valor criado por um agente econômico. É o valor adicional

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Finanças para Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Finanças para Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Finanças para Advogados ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944 com o

Leia mais

Engenharia Econômica. Prof. Fernando Deschamps

Engenharia Econômica. Prof. Fernando Deschamps Engenharia Econômica Prof. Fernando Deschamps fernando.deschamps@ufpr.br Pergunta #1 Você tem R$100.000,00 aplicados em uma caderneta de poupança que tem uma expectativa de render, mensalmente, em torno

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.4. Análise

Leia mais

Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES. Profa. Rachel Brandão

Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES. Profa. Rachel Brandão Unidade II ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profa. Rachel Brandão Indicadores econômico-financeiros Índices como indicadores: Indispensável ao analista Quantidade? Variável Amplitude e agrupamento :

Leia mais

OS CUIDADOS A SEREM ADOTADOS NO CÁLCULO DO RETORNO SOBRE O PATRIMÔMIO LÍQUIDO

OS CUIDADOS A SEREM ADOTADOS NO CÁLCULO DO RETORNO SOBRE O PATRIMÔMIO LÍQUIDO OS CUIDADOS A SEREM ADOTADOS NO CÁLCULO DO RETORNO SOBRE O Comparação com o custo do capital do acionista Ajustes no patrimônio líquido Ajustes na base de ativos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha

Macroeconomia para executivos de MKT. Lista de questões de múltipla escolha Macroeconomia para executivos de MKT Lista de questões de múltipla escolha CAP. 3. Ambiente Externo, Cenário Macroeconômico e Mensuração da Atividade Econômica 5.1) A diferença entre Produto Nacional Bruto

Leia mais

Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas

Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas! Quais as vantagem da utilização do valor de mercado em relação a utilização do patrimônio

Leia mais

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Matemática Financeira, Eng. Econômica e Contabilidade. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos

CONCURSO PETROBRAS DRAFT. Matemática Financeira, Eng. Econômica e Contabilidade. Questões Resolvidas. Produzido por Exatas Concursos CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE PRODUÇÃO JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: PRODUÇÃO Matemática Financeira, Eng. Econômica e Contabilidade Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA

Leia mais

Unidade: Risco e Retorno. Unidade I:

Unidade: Risco e Retorno. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Risco e Retorno A análise de investimentos está baseada nas estimativas dos fluxos de caixa de um projeto. Nem sempre essas previsões de fluxo de caixa coincidem com os resultados

Leia mais

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Após a divulgação dos resultados do 3T13 e da teleconferência realizada pela, iniciamos nosso preço justo de R$ 11,00 por ação ODPV3, com base em modelos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS SMALL CAPS FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS SMALL CAPS FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016 DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2016 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS SMALL CAPS FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES 2. Rentabilidade 2.1

Leia mais

A história de um cliente da LUZ que queria empreender

A história de um cliente da LUZ que queria empreender Este conteúdo faz parte da série: Estudo de Viabilidade Econômica Ver 8 posts dessa série Nesse artigo falaremos sobre: Para que serve um estudo de viabilidade A história de um cliente da LUZ que queria

Leia mais

TIR, MTIR e VPL: O QUE FAZER PARA GANHAR UM DEZ

TIR, MTIR e VPL: O QUE FAZER PARA GANHAR UM DEZ TIR, MTIR e VPL: O QUE FAZER PARA GANHAR UM DEZ! Selecionar as 3 métricas ou apenas 2 delas?! Como tratar a taxa de reinvestimento para o cálculo da MTIR Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

OS PROBLEMAS PROVOCADOS PELO RATEIO DE CUSTOS FIXOS EM PROJETOS DE INVESTIMENTO

OS PROBLEMAS PROVOCADOS PELO RATEIO DE CUSTOS FIXOS EM PROJETOS DE INVESTIMENTO OS PROBLEMAS PROVOCADOS PELO RATEIO DE CUSTOS FIXOS EM PROJETOS DE INVESTIMENTO! Fluxos de caixa incrementais! O Rateio dos custos fixos! O equívoco do rateio! Exemplo completo Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros

2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros 2. Demanda por Moeda em Keynes 2.2. Demanda por moeda e preferência pela liquidez 2.3. Alocação de portfólio e a taxa de juros Carvalho et al. (2015: caps. 4 e 20.1) 20/09/2017 1 Demanda por moeda, PPL

Leia mais

Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia?

Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia? Audiência Pública 004/2007 da ANEEL Segunda Revisão Tarifária Periódica da Coelce Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia? Cláudio J. D. Sales Presidente Instituto Acende Brasil Auditório

Leia mais

O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS - PARTE I

O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS - PARTE I O QUE É UMA PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS -! O que é uma boa projeção?! Quem usa as projeções financeiras?! Para que se usam as projeções financeiras? Fábio Vianna(f_c_a@uol.com.br) Administrador

Leia mais

Gestão Integrada de Custos e Orçamentos Objetivos Gerais: A Gestão Integrada de Custos e Orçamentos permite detetar e eliminar desperdícios e otimiza ações estratégicas para o controle de gastos. Ao adotar

Leia mais

Risco x Retorno. Fundamentos de Risco e Retorno: Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos.

Risco x Retorno. Fundamentos de Risco e Retorno: Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Risco x Retorno Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno: Em administração e finanças, risco é a possibilidade de perda

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Engenharia Econômica II Análise de Sensibilidade 21/08/2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Fluxo de Caixa ( + ) 0 1 2 3 n Parcela compostas por: ( - ) Investimento Receitas,

Leia mais

Uma Metodologia para Cálculo de Desequilíbrio de um Projeto

Uma Metodologia para Cálculo de Desequilíbrio de um Projeto temas de economia aplicada 11 Uma Metodologia para Cálculo de Desequilíbrio de um Projeto Elias Cavalcante Filho (*) Rodrigo De-Losso (**) Felipe Sande Cruz Mattos Filgueiras (***) 1 Introdução Projetos

Leia mais

VAL = /1, /1, /1,331 = 550 >0 => Investir!

VAL = /1, /1, /1,331 = 550 >0 => Investir! ISCTE IBS LICENCIATURA EM GESTÃO FINANÇAS DA EMPRESA RESOLUÇÃO EXAME 1ª ÉPOCA CASO 1 (7,5 valores) Uma empresa está a estudar a viabilidade de um projecto de expansão com as seguintes projecções financeiras

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro MINI

Leia mais

Demonstrações Financeiras e sua Análise. Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez

Demonstrações Financeiras e sua Análise. Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez Demonstrações Financeiras e sua Análise Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez Relatório da Administração Carta aos acionistas: comunicação de iniciativa da administração da empresa.

Leia mais

Sumário Executivo Estudo Rentabilidade do Setor Elétrico Brasileiro ( )

Sumário Executivo Estudo Rentabilidade do Setor Elétrico Brasileiro ( ) Sumário Executivo Estudo Rentabilidade do Setor Elétrico Brasileiro (1998 2009) Outubro de 2010 Copyright 2010 Stern Stewart Ltda. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO O QUE É?

FUNDO DE INVESTIMENTO O QUE É? FUNDO DE INVESTIMENTO O QUE É? FUNDO DE INVESTIMENTO O QUE É? Se você sempre ouviu falar, mas não tem ideia do que é e como funciona, você não é o único. Por isso, vamos ajudá-lo a conhecer e entender

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS MASTER IBRX FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2015

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS MASTER IBRX FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2015 DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2015 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS MASTER IBRX FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES 2. Rentabilidade

Leia mais

Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca

Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca Objetivos Gerais: Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca Este curso tem como objetivo dotar os participantes das competências que lhes permitam compreender as diferentes abordagens de avaliação de

Leia mais

No entanto, a política de dividendos é igualmente relevante?

No entanto, a política de dividendos é igualmente relevante? 1 POLÍTICA DE DIVIDENDOS Em um primeiro momento os dividendos serão tratados de uma forma bem simples. Importância do pagamento dos dividendos: A relação quanto distribuir em detrimento do reinvestimento;

Leia mais

Como calcular a viabilidade de um projeto utilizando técnicas de análise de investimento: Payback Simples, VPL e TIR

Como calcular a viabilidade de um projeto utilizando técnicas de análise de investimento: Payback Simples, VPL e TIR Como calcular a viabilidade de um projeto utilizando técnicas de análise de investimento: Payback Simples, VPL e TIR Executamos projetos por diversos motivos: pessoais e organizacionais. Do ponto de vista

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO João Victor Outubro, 2013 Contextualização do Capital de Giro FINANÇAS Fluxos Internacionais de Capital ÂMBITO Sistema Financeiro Nacional MACRO Mercados Financeiros ÂMBITO

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO. Professor: Período:

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO. Professor: Período: FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: (curso/habilitação) Ciências Contábeis Disciplina: Administração Fin. e Orçamento Empresarial I Carga Horária: (horas/semestre) 50 aulas Semestre Letivo: 5º Semestre

Leia mais

Módulo 6 Gestão Econômica e Financeira

Módulo 6 Gestão Econômica e Financeira Módulo 6 Gestão Econômica e Financeira Gestão do Pipeline Projeção de Vendas MBA GESTÃO COMERCIAL Estratégia e Inteligência Universo Competitiva Geração Suspects e Qualificação de Leads Prospects Argumentação

Leia mais

Exercícios resolvidos do livro: Matemática Financeira Aplicada em Análise da Viabilidade de Projetos com HP-12C e Excel Célio Tavares

Exercícios resolvidos do livro: Matemática Financeira Aplicada em Análise da Viabilidade de Projetos com HP-12C e Excel Célio Tavares Exercício 45 Custo capital a/a 20% Anos 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Fluxo caixa livre (20.000) 10.000 6.000 5.000 4.000 2.800 2.800 2.800 2.800 2.800 4.800 VP 8.333 4.167 2.894 1.929 1.125 938 781 VP acumulado

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR BERNARDO BOTH Conteúdo Programático OBJETIVOS: Analisar as Demonstrações Contábeis para fins de interpretação e avaliação das situações financeiras e econômicas.

Leia mais

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar

Plano CV Prevdata. Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar Plano CV Prevdata Conheça mais sobre o seu Plano de Previdência Complementar A entidade Nossos números Patrimônio de R$ 1,1 bilhão (dez/2016) 2 planos de benefícios e plano de gestão administrativa 36

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS SMALL CAPS GOLD FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016

DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO BNP PARIBAS SMALL CAPS GOLD FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES. CNPJ/MF: / Informações referentes a 2016 DEMONSTRAÇÃO DE DESEMPENHO DO CNPJ/MF: Informações referentes a 2016 1. Denominação completa do fundo conforme o cadastro na CVM: BNP PARIBAS SMALL CAPS GOLD FUNDO DE INVESTIMENTO AÇÕES 2. Rentabilidade

Leia mais