Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas"

Transcrição

1 Unidade I INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas

2 Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar total ou parcialmente o valor de mercado de uma empresa. Entre essas ocasiões podemos citar: compra ou venda de empresas; divisão entre herdeiros; determinação do valor das participações sociais; fusão de duas ou mais empresas.

3 Introdução Cisão de uma sociedade em duas ou mais empresas. Incorporação de empresas. Privatização. Dissolução societária. Verificar se a empresa está atendendo ao seu objetivo maior, que é a geração de valor para os investidores.

4 Objetivos da disciplina Essa disciplina tem dois objetivos principais: O primeiro objetivo é a determinação do valor da empresa, para isso estudaremos as principais metodologias de avaliação de empresas. O segundo objetivo é conhecer as operações de incorporação, fusão e cisão de empresas e os principais procedimentos relacionados a essas operações.

5 Conteúdo programático Unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Unidade II Avaliação de empresas metodologias complexas Unidade III Combinações de negócios Unidade IV Exemplo prático de avaliação de empresas e combinações de negócios

6 Conteúdo da unidade I Avaliação de empresas metodologias simples Metodologia do valor contábil Metodologia do valor patrimonial de mercado Metodologia do valor de liquidação

7 Conteúdo da unidade I Metodologia do preço/lucro (P/L) Metodologia de capitalização dos lucros Metodologia dos múltiplos de faturamento Metodologia dos múltiplos de lucros

8 Avaliação de empresas A análise sobre a situação patrimonial, financeira e operacional de uma organização será fundamental para a identificação dos componentes que formam o seu valor. O valor de uma empresa é relevante para seus investidores, pois são eles que proporcionam o capital para investimento na empresa. Desse ponto de vista, o objetivo da empresa é de gerar o maior retorno possível para seus investidores.

9 Avaliação de empresas Nas grandes empresas, os proprietários não são os administradores, por isso é necessária a definição clara do objetivo da empresa. O objetivo de maximizar o lucro não é a melhor opção para a organização, segundo Gitman (2009), pelos seguintes motivos: 1. distribuição no tempo: a geração de lucros ou os lucros por ação não consideram o valor do dinheiro no tempo;

10 Avaliação de empresas 2. fluxo de caixa: os lucros não levam necessariamente a fluxo de caixa para os acionistas, pois um maior lucro não indica obrigatoriamente que a empresa irá distribuir maiores dividendos; 3. risco: a maximização do lucro também desconsidera o risco, pois não há garantias de que os resultados apresentados sejam efetivados, não é considerada a relação entre risco e retorno.

11 Avaliação de empresas Para Gitman (2009), o objetivo principal da organização deve ser a maximização da riqueza de seus proprietários, em nome dos quais ela é gerida. Esse objetivo leva à necessidade periódica de a entidade apurar o valor de mercado da empresa, para verificar se está atendendo ao seu objetivo maior, que é a geração de valor para os investidores.

12 Avaliação de empresas A avaliação de empresas também é necessária quando ocorrem transações de empresas, pois nesse caso é preciso estimar total ou parcialmente o valor de mercado de uma empresa. Nessa disciplina, abordaremos as principais técnicas de avaliação de empresas. As metodologias aplicadas podem ser classificadas como simples e complexas, muitas vezes é necessário aplicar as metodologias em conjunto para determinar o valor justo da empresa.

13 Avaliação de empresas Nesta unidade vamos estudar as metodologias classificadas como simples. Metodologia do valor contábil Metodologia do valor patrimonial de mercado Metodologia do valor de liquidação Metodologia do preço/lucro (P/L) Metodologia de capitalização dos lucros Metodologia dos múltiplos de faturamento Metodologia dos múltiplos de lucros

14 Interatividade No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar total ou parcialmente o valor de mercado de uma empresa. Entre essas ocasiões podemos citar: a) Compra ou venda de empresas. b) Apuração do custo dos produtos. c) Operação de venda de produtos. d) Compra de estoques. e) Distribuição de dividendos.

15 Metodologia do valor contábil Essa metodologia possui como base as demonstrações contábeis da empresa que se deseja analisar, pois a avaliação de uma empresa se inicia pela análise dessas demonstrações. A partir do balanço patrimonial, podemos ter uma visão sobre a estrutura e a composição do patrimônio da entidade, dividido em três principais grupos.

16 Metodologia do valor contábil Ativo: de maneira simplificada, corresponde aos bens e direitos que a entidade possui. Passivo: basicamente são os deveres e obrigações a serem pagos pela entidade. Patrimônio líquido: o patrimônio da própria entidade, ou seja, quanto sobra de recursos depois que as dívidas são pagas.

17 Metodologia do valor contábil BALANÇO PATRIMONIAL (APLICAÇÕES) ATIVO (Bens e Direitos) (ORIGENS) Exigível PASSIVO (Obrigações p/ com 3os.) (Cap. de 3os.) PAT. LÍQUIDO Não Exigível (Obrigações p/ com Propr.) (Cap. próprio)

18 Metodologia do valor contábil O patrimônio líquido pode ter sua origem em duas fontes de recursos, o investimento realizado pelos sócios/acionistas e/ou os resultados obtidos com a atividade da empresa. O patrimônio líquido corresponde aos recursos próprios da entidade, então ele representa uma medida de seu valor, pois considera o total dos bens e direitos (ativos) excluindo-se as dívidas (passivos) existentes.

19 Metodologia do valor contábil O saldo corresponde ao valor da empresa, ou seja, o patrimônio que sobra após o pagamento das dívidas. Valor da Empresa (Patrimôni o Líquido) = Ativo-Passivo Essa abordagem é conhecida como Teoria do Proprietário, em que o objetivo empresarial é a geração de valor da empresa, pois ela pertence aos seus investidores.

20 Metodologia do valor contábil A metodologia do valor contábil é de fácil aplicação, mas apresenta algumas limitações devido à adoção dos princípios contábeis e à influência da legislação tributária. Baseia-se no custo histórico, desconsiderando as condições de mercado para realização dos ativos. Muitas vezes não considera o valor dos ativos intangíveis.

21 Metodologia do valor contábil Ativo intangível é um ativo não monetário identificável, mas sem substância física, ou seja, é um ativo no sentido de representar um benefício futuro, mas que não existe fisicamente. Nem todos os ativos intangíveis estão nas demonstrações contábeis, pois eles somente são contabilizados em sua aquisição; dessa forma, eles não estão sendo considerados na metodologia do valor contábil.

22 Metodologia do valor contábil Como essa metodologia assume que o PL representa o valor contábil da empresa, torna-se necessário o monitoramento da capacidade de financiamento próprio da empresa. Esse monitoramento é feito por meio de indicadores de desempenho que estejam relacionados ao patrimônio líquido, como: rentabilidade do patrimônio líquido; rotatividade das vendas.

23 Metodologia do valor contábil Rotatividade do lucro operacional. Mobilização com recursos próprios. Alavancagem. Cobertura de juros com o patrimônio líquido. A seguir vamos estudar cada um desses indicadores.

24 Rentabilidade do patrimônio líquido RPL= Lucro Líquido Patrimônio Líquido 100 A rentabilidade do patrimônio líquido demonstra uma proporção entre o lucro da empresa e seu capital próprio. Para cada R$100,00 investidos pelos sócios na empresa, o lucro será um percentual desse valor.

25 Rentabilidade do patrimônio líquido Para o investidor é uma excelente forma de análise do negócio, por facilitar a visualização do retorno e comparar essa rentabilidade com outras opções de investimento no mercado. Quanto maior for a rentabilidade, melhor será a capacidade de geração de valor pela empresa. Podemos também utilizar o patrimônio líquido médio para fazer o cálculo.

26 Rotatividade das vendas s/ o PL RVPL = ReceitaLíquida de Vendas Patrimônio Líquido A rotatividade das vendas demonstra uma proporção entre as vendas da empresa e seu capital próprio. Indica a contribuição do PL para a geração de faturamento ou receita líquida da empresa.

27 Rotatividade das vendas s/ o PL Algumas empresas conseguem atingir índices de RVPL acima de R$ 1,00, sendo que esse indicador representa o quanto cada R$1,00 de capital próprio investido gera em receita de vendas. A RVPL não é apresentada em percentual, pois indica uma relação de quantas vezes o faturamento líquido da empresa é maior que o total do patrimônio líquido.

28 Interatividade A metodologia do valor contábil é de fácil aplicação, mas apresenta algumas limitações, entre elas podemos citar: a) Não considera o balanço patrimonial. b) Utiliza-se do custo de reposição. c) Considera somente o fluxo de caixa. d) Baseia-se no custo histórico. e) Considera o valor de todos os ativos intangíveis.

29 Rotatividade do lucro operacional s/ o PL RLOPL= Lucro Operacional Patrimônio Líquido Esse indicador mostra a contribuição do PL na geração de lucro operacional da empresa. O indicador representa o quanto cada R$1,00 de capital próprio investido gera em relação ao lucro operacional da empresa.

30 Rotatividade do lucro operacional s/ o PL Algumas empresas conseguem atingir índices de RLOPL acima de R$ 1,00, sendo que esse indicador representa o quanto cada R$1,00de capital próprio investido gera em lucro operacional. A RLOPL não é apresentada em percentual, pois indica uma relação de quantas vezes o lucro operacional é maior que o total do patrimônio líquido.

31 Imobilização com recursos próprios IPL= AtivoImobilizado Bruto-Depreciação Patrimônio Líquido Acumulada 100 Indica o quanto de recursos do patrimônio líquido está investido no ativo imobilizado. Esses ativos, demoram muito tempo para gerar retorno, pois dependem da sua utilização na atividade da empresa, será realizado normalmente a longo prazo.

32 Imobilização com recursos próprios A melhor situação é aquela em que o Ativo Imobilizado é financiado com recursos próprios, para que a empresa não utilize recursos de terceiros, principalmente com vencimento no curto prazo, para investir em ativos de retorno tão longo. Nesse caso, quanto menor, melhor, pois a empresa estará financiando seu imobilizado com recursos próprios.

33 Imobilização com recursos próprios Se o indicador for inferior a 100%, indica que sobraram recursos do PL para serem investidos em outros ativos, reduzindo o endividamento. Se o IPL for superior a 100%, temos uma situação em que a empresa utilizou recursos emprestados de terceiros para financiar seus investimentos em imobilizado.

34 Alavancagem PassivoTotal APL= Patrimônio Líquido A alavancagem indica o quanto representa o capital tomado emprestado de terceiros, sob a forma de passivos em relação ao capital próprio, que é o patrimônio líquido. Também conhecida como Participação do Capital de Terceiros.

35 Alavancagem Se for maior do que R$ 1,00, a APL indica que a empresa possui mais capital de terceiros do que capital próprio. Se for inferior a R$ 1,00, indica que a empresa possui menos capital de terceiros do que capital próprio. Quanto menor for esse indicador, melhor para a empresa, pois estará menos endividada.

36 Cobertura de juros com o patrimônio líquido PatrimônioLíquido iôi i CJPL= DespesasFinanceiras Esse indicador demonstra quantas vezes o capital próprio cobre o pagamento de juros, as despesas financeiras, de forma a proporcionar uma análise sobre a capacidade técnica de pagamentos. O índice mostra quantas vezes o patrimônio líquido é capaz de cobrir as despesas financeiras decorrentes dos juros.

37 Metodologia do valor patrimonial de mercado Valor da Empresa(Patrimôni o Líquido) = Valor do AtivoTotal Ajustado - Valor do PassivoTotal Ajustado Nessa metodologia, a determinação do valor da empresa é a partir de seu valor patrimonial de mercado. Para que a metodologia possa ser aplicada, é necessário que os valores contábeis do ativo, do passivo e do patrimônio líquido sejam iguais ou muito próximos aos seus valores de mercado.

38 Metodologia do valor patrimonial de mercado A empresa deve ter suas demonstrações contábeis ajustadas pela reavaliação e/ou atualização do valor dos ativos e passivos. Os ativos devem atualizados pelos valores de reposição, já para as taxas de juros e paridade cambial também devem ser realizados os ajustes tanto em itens do ativo quanto do passivo.

39 Interatividade A rotatividade do lucro operacional sobre o patrimônio líquido mostra: a) o quanto de recursos do patrimônio líquido está investido no ativo imobilizado. b) a contribuição do PL na geração de faturamento c) o quanto representa o capital emprestado de terceiros. d) a contribuição do PL na geração de lucro operacional da empresa. e) o quanto representa o capital próprio emprestado de terceiros.

40 Metodologia do valor de liquidação Valor da Empresa(Liquidação) = Soma dos AtivosIndividuai s-passivo Essa metodologia considera o valor da empresa como sendo o valor de mercado dos bens e direitos, supondo que as atividades da empresa sejam encerradas. considera que a empresa vai encerrar as atividades e que o valor dos ativos individuais tendem a ser inferiores ao valor dos registros contábeis.

41 Metodologia do valor de liquidação Essa metodologia é recomendada para empresas que não possuem mercado para venda, nesse caso, a melhor opção é a venda individual dos ativos. O normal é que as empresas possuam um valor superior do que a simples soma de seus ativos, pois elas possuem ativos intangíveis, como marcas, participação de mercado e conhecimentos tecnológicos que não estão em suas demonstrações contábeis.

42 Metodologia do preço/lucro (P/L) P / L= Preçode Mercado por Ação Lucro Contábilpor Ação O índice P/L representa o quanto o investidor está disposto a pagar por cada unidade de lucro divulgado, sendo o lucro contábil por ação (LPA) calculado da seguinte forma: LPA= Lucro Líquido Número de Ações Emitidas

43 Metodologia do preço/lucro (P/L) A metodologia do Preço/Lucro (P/L) se baseia no fato de que se duas empresas atuam no mesmo setor e possuem estrutura e porte semelhantes, poderá ser realizada uma comparação direta sobre os seus resultados e indicadores de desempenho. Nesse caso, o índice Preço/Lucro que é amplamente utilizado pelo mercado na análise de ações.

44 Metodologia de capitalização dos lucros Nesta metodologia, o valor da empresa é calculado por meio da ponderação média e da capitalização dos lucros históricos por uma taxa de retorno. Em seguida, somamos o valor dos ativos não operacionais ao valor operacional e obtemos o valor total da empresa. A taxa de retorno (ou custo do capital) utilizada corresponde ao risco do negócio e reflete as incertezas do mercado em que está inserida.

45 Metodologia de capitalização dos lucros Para efeito do lucro a ser capitalizado, podemos utilizar o lucro operacional (lucro antes dos juros e imposto de renda) ou o lucro líquido. As limitações desse método estão relacionadas ao uso do lucro contábil e à determinação do custo do capital próprio.

46 Metodologia de capitalização dos lucros Vamos utilizar o seguinte exemplo baseado no lucro operacional da empresa dos últimos cinco anos, com peso variando de 1 até 5, e um custo do capital de 9,50% ao ano. Luc ro ($ milhões) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Históric o 100,00 112,00 123,00 132,00 145,00

47 Metodologia de capitalização dos lucros Período Luc ro operacional Fator de p onderação Luc ro p onderado Ano 1 100,00 1,0 100,00 Ano 2 112,00 2,0 224,00 Ano 3 123,00 3,0 369,00 Ano 4 132,00 4,0 528,00 Ano 5 145,00 5,0 7 25,00 So m a dos lu c ro s operacionais p onderados 1.946,00 / So m a dos fatores de p onderação 15,00 =Luc ros operacionais médios p onderados 129,7 3 / Tax a de capitalização histórica 9,50% =Valor operacional da em p resa (129,7 3 / 0,0950) 1.365,61 + Ativos não operacionais 45,00 =Valor total da em p resa 1.410,61

48 Metodologia dos múltiplos de faturamento ( ) O_ANno1 Valor da Empresa= ReceitaLíquidaAno1 F P/RL + AN- A metodologia de múltiplos de faturamento assume que o valor da empresa é calculado com base na multiplicação da Receita Líquida do último ano de atividade operacional, pelo fator Preço das Ações/Receita média extraído de empresas concorrentes de porte e atividade similares.

49 Metodologia dos múltiplos de faturamento Em seguida, soma-se o valor dos ativos não operacionais ao valor operacional do último ano de atividade operacional, para se chegar ao valor total da empresa. O Preço das Ações/Receita média tratase do índice de preço de uma ação em relação à receita por ação. Como limitação, temos novamente a Receita Líquida que advém da contabilidade tradicional.

50 Metodologia dos múltiplos de lucros ( LucroOperacionalAno1 F P/LO) AN- O_ANno1 Valor da Empresa= + A metodologia dos múltiplos de lucros assume que o valor da empresa é calculado com base na multiplicação do Lucro Operacional do último ano de atividade operacional pelo fator Preço das Ações/Lucro Operacional médio, extraído de empresas concorrentes de porte e atividade similares.

51 Metodologia dos múltiplos de lucros Em seguida, soma-se o valor dos ativos não operacionais ao valor operacional do último ano de atividade operacional para se chegar ao valor total da empresa. O Preço das Ações/Lucro Operacional médio trata-se do índice de preço de uma ação em relação ao lucro operacional por ação. Como limitação temos o cálculo do lucro operacional que é apurado pela contabilidade tradicional.

52 Interatividade A metodologia do valor de liquidação considera o valor da empresa como: a) O valor de mercado dos bens e direitos supondo que as atividades da empresa estão em continuidade. b) O valor de aquisição i dos bens e direitos it supondo que as atividades da empresa estão em continuidade. c) O valor de mercado dos bens e direitos supondo que as atividades da empresa sejam encerradas. d) O valor de aquisição à vista dos bens e direitos. e) O valor de reposição à vista dos bens e direitos.

53 ATÉ A PRÓXIMA!

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 4: Balanço Patrimonial Prof.: Márcio Luiz Borinelli 1 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas. Edison Carlos Fernandes

Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas. Edison Carlos Fernandes Contabilidade na crise: O impacto da política monetária na preparação dos balanços e seus reflexos para acionistas Edison Carlos Fernandes Esta exposição não trata ou propõe teoria sobre política econômica;

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA. Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira 1 Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2010 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade IV CONTABILIDADE. Prof. Jean Cavaleiro Unidade IV CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Objetivo Essa unidade tem como objetivo interpretar as informações contábeis. Análise e tomada de decisão a partir de dados contábeis. Conhecer os índices

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei

ESTUDO DE CASO. Os Novos Ajustes da Lei ESTUDO DE CASO Os Novos Ajustes da Lei 11.638 Os Novos Ajustes da Lei 11.638 As demonstrações financeiras foram elaboradas com base nas práticas contábeis adotadas no Brasil e normas da Comissão de Valores

Leia mais

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Universidade Federal de Pernambuco Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profa. Márcia Ferreira E- mail: marcia@ferreiraauditores.com.br

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva

REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL. PROFª: Gitano Souto Silva REPRESENTAÇÃO GRAFICA; TERMINOLOGIA CONTÁBIL; E TIPOS DE CAPITAL PROFª: Gitano Souto Silva BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é uma demonstração contábil que evidencia, por meio das contas PATRIMONIAIS

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

Lucro Fiscal x Lucro Societário

Lucro Fiscal x Lucro Societário Lei n o 12. 973/14 Lucro Fiscal x Lucro Societário Alterações Práticas na Atividade Comercial Prof. Eric Aversari Martins Um Breve Histórico 11.638/07 Harmonização das Normas Contábeis 11.941/09 Instituição

Leia mais

FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DE AÇÕES - CNPJ: /

FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DE AÇÕES - CNPJ: / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FUNDO FATOR AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DE AÇÕES CNPJ: 11.186.674/0001-49 Informações referentes a Dezembro/2016 Esta lâmina

Leia mais

Unidade IV AVALIAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV AVALIAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo da unidade IV 1) Análise do capital de giro Ciclo operacional, Ciclo Econômico e Financeiro Importância do Capital Circulante

Leia mais

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29

ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/ (R$) ,29 ANEXO II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO ANEXO 9-1-II DA INSTRUÇÃO CVM Nº. 481/2009 1. Informar o lucro líquido do exercício. (R$) 864.940.364,29 2. Informar o montante global e o valor por ação dos dividendos,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VINCI MULTIESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO 12.440.825/0001-06 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04

1. IDENTIFICAÇÃO 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CÓDIGO DA DISCIPLINA: PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: 020008 PERÍODO: 2º NOTURNO CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇO NOME DO CURSO:

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI PETROBRAS AÇÕES 03.917.096/0001-45 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza

CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB. Prof. Marcondes Fortaleza CONTABILIDADE GERAL PARA AUDITOR-FISCAL DA RFB Prof. Marcondes Fortaleza Professor Marcondes Fortaleza Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil, tendo exercido anteriormente o cargo de Analista-Tributário

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER PIBB AÇÕES 07.184.920/0001-56 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BBM SMID CAPS VALOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES 08.892.340/0001-86 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SMALL CAP AÇÕES 08.537.792/0001-40 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

Estrutura das Demonstrações Contábeis

Estrutura das Demonstrações Contábeis Estrutura das Demonstrações Contábeis Conteúdo Programático As Demonstrações Contábeis; Balanço Patrimonial (BP); Demonstração do Resultado do Exercício (DRE); Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Nesse módulo abordaremos as duas demonstrações contábeis Balanço Patrimonial BP e Demonstração do Resultado do Exercício DRE,

Leia mais

Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis

Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis Aula 09: 27-Set-2016 Aula 10: 04-Out-2016 Prof. Dr. Rodrigo Takashi Okimura rodrigo.okimura@fipecafi.org 7 Estrutura de Capital Referências: ASSAF

Leia mais

Líquido (IPL), Imobilização dos Recursos Não Correntes (IRNC), Capital Circulante Líquido (CCL) e Capital Circulante Próprio (CCP) da GOL e da TAM.

Líquido (IPL), Imobilização dos Recursos Não Correntes (IRNC), Capital Circulante Líquido (CCL) e Capital Circulante Próprio (CCP) da GOL e da TAM. Correção do exercício 9 Estrutura de Capitais Professor: Renato Thiago Questão 1 Calcule os índice de Participação do capital de terceiros (PCT), Composição de Endividamento (CE), Imobilização do Patrimônio

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO YIELD /

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO YIELD / LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO YIELD 03.054.724/0001-06 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações

IR: Lei /2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações IR: Lei 12.973/2014 e a Tributação do Ágio, dos Juros sobre Capital Próprio e da Incorporação de Ações Ricardo Antonio Carvalho Barbosa AFRFB/DRJ/FOR Ágio - Instrução CVM nº 01 de 1978 a) Ágio ou deságio

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 1º Trimestre 2016 DFS/DEGC/DIRE/DIAN ABRIL/2016 RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES GERENCIAS DATAPREV COMPARATIVO 1T2015 X 1T2016 Responsáveis pela elaboração da apresentação: Jorge Sebastião

Leia mais

Demonstrações Contábeis Decifradas

Demonstrações Contábeis Decifradas RESOLUÇÃO A resolução dessa questão demanda a capacidade de classificação dos elementos patrimoniais e do resultado como componentes dos fluxos de caixa das atividades operacionais, de investimento e de

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS MATCH DI FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA REFERENCIADO - CRÉDITO PRIVADO CNPJ/MF: Informações referentes a Setembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI INTELIGENTE RENDA FIXA CURTO PRAZO 02.908.347/0001-62 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A.

Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Relatório da Administração Engetec Participações em Engenharia e Construção S.A. Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições estatuárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório anual da administração

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER VALE PLUS AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER VALE PLUS AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER VALE PLUS AÇÕES 09.296.352/0001-00 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FIC

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007

Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Yara Brasil Agronegócios Ltda. Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de Mercado em 31 de maio de 2007 Laudo de Avaliação do Patrimônio Líquido Contábil Ajustado a Valor de

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SKY VAN GOGH MULTIMERCADO / Informações referentes a Novembro de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SKY VAN GOGH MULTIMERCADO / Informações referentes a Novembro de 2013 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SKY VAN GOGH MULTIMERCADO 02.908.387/0001-04 Informações referentes a Novembro de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS Vantagens da análise de rácios Permitem diagnosticar a performance das empresas em termos de rentabilidade, solvabilidade, liquidez e equilíbrio financeiro. Possibilitam

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI TOP BRASIL MULTIMERCADO / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI TOP BRASIL MULTIMERCADO / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI TOP BRASIL MULTIMERCADO 16.607.894/0001-12 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ÍNDICES DE RENTABILIDADE ÍNDICES DE ENTABILIDADE MÚLTIPLA ESCOLHA 1. Uma firma apresentou a seguinte demonstração do resultado: DEMONSTAÇÃO DO ESULTADO 31.12 % 31.12 +1% nas vendas aument o % Vendas...... 2. 1 4. +1 ( )Custo das

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso

As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei /2014. Apresentação: Rafael Correia Fuso As Modificações Referentes ao Ágio e a Lei 12.973/2014 Apresentação: Rafael Correia Fuso A formação do ágio / deságio ÁGIO / DESÁGIO CUSTO DE AQUISIÇÃO VALOR PATRIMONIAL Se custo de aquisição > valor patrimonial

Leia mais

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO

CNPJ: / DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMONIO LIQUIDO Rio de Janeiro, 18 de fevereiro de 2016. DT-P 16-007. CONTÉM: PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES BALANÇO PATRIMONIAL COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO COMPARADO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias

CONTABILIDADE AVANÇADA. Avaliação de Investimentos em Participações Societárias CONTABILIDADE AVANÇADA Avaliação de Investimentos em Participações Societárias INTRODUÇÃO Considera-se Participações Societárias quando uma sociedade (Investidora) vem à aplicar recursos na aquisição de

Leia mais

O TRATAMENTO DAS RECEITAS FINANCEIRAS NA ANÁLISE ECONÔMICA

O TRATAMENTO DAS RECEITAS FINANCEIRAS NA ANÁLISE ECONÔMICA O TRATAMENTO DAS RECEITAS FINANCEIRAS NA Receita financeira é operacional ou não? Tratamento da receita financeira em separado. Como fazer? Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor

Leia mais

Gestão Financeira. Gestão Financeira. 1. Abertura da Empresa. Empresa em Operação. Staff de Finanças

Gestão Financeira. Gestão Financeira.  1. Abertura da Empresa. Empresa em Operação. Staff de Finanças segunda-feira, 18 de agosto de 2014 Professor Bruno Eduardo Site: http://www.brunoeduardo.com e-mail: Abertura da Empresa Aquisição de máquinas/equipamentos Custos Receitas Empresa em Operação Capital

Leia mais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais

Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Restoque Comércio e Confecções de Roupas S.A. Balanço Patrimonial Consolidado em 31 de dezembro de 2014 Em milhares de reais Ativo Passivo e Patrimônio Líquido Circulante R$ Circulante R$ Caixa e equivalentes

Leia mais

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4

Sumário. Capítulo Breves Noções Históricas A Contabilidade no Brasil O Símbolo da Contabilidade...4 Sumário Capítulo 1 Breves Noções Históricas...1 1.1. Breves Noções Históricas...1 1.2. A Contabilidade no Brasil...3 1.3. O Símbolo da Contabilidade...4 Capítulo 2 Conceitos Iniciais...5 2.1. A Definição

Leia mais

O total das vendas foi de 500 mil reais. A vendeu 225 mil reais, B vendeu 175 mil reais. Portanto, C vendeu = 100 mil reais.

O total das vendas foi de 500 mil reais. A vendeu 225 mil reais, B vendeu 175 mil reais. Portanto, C vendeu = 100 mil reais. (TCE-SC 2016/CESPE-UnB) Em cada um dos itens a seguir, é apresentada uma situação hipotética relativa a proporcionalidade, porcentagem e juros, seguida de uma assertiva a ser julgada. 111. A participação

Leia mais

VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF / NIRE LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR

VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF / NIRE LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR VISUAL COMERCIO ATACADISTA LTDA CNPJ/MF 13.578.967/0001-05 NIRE 52.202.931.181 LAUDO DE AVALIAÇÃO Data base: 30 de abril de 2016 PERITO AVALIADOR MILENIUM CONSULTORIA CONTABIL SC LTDA., com sede na Rua

Leia mais

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora:

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora: CONCEITO DE CONTABILIDADE O que vamos ver a seguir nos mostra que com o conhecimento do ciclo de vida da empresa, conseguimos tomar decisões que consistem em conduzi-la ao sucesso. Portanto, há duas preocupações

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES / Informações referentes a Agosto de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES / Informações referentes a Agosto de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI DIVIDENDOS TOP ACOES 13.455.136/0001-38 Informações referentes a Agosto de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.4. Análise

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avaliação de Empresas Autor: Prof. Marcelo Botelho da Costa Moraes Colaboradores: Prof. Alexandre Saramelli Profa. Divane Alves da Silva Profa. Elisabeth Alexandre Garcia Prof. Walter R. Dominas Professor

Leia mais

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

Normas Brasileiras de Contabilidade NBC T IT.01 -Interpretação Técnica NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE INTERPRETAÇÃO TÉCNICA NBC T 10.8 IT.01 ENTIDADES COOPERATIVAS Esta Interpretação Técnica (IT) visa esclarecer critérios e procedimentos específicos de avaliação, de

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI COLABORADORES MAGAZINE LUIZA ACOES / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI COLABORADORES MAGAZINE LUIZA ACOES / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI COLABORADORES MAGAZINE LUIZA ACOES 13.199.100/0001-30 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER DIVIDENDOS AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER DIVIDENDOS AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER DIVIDENDOS AÇÕES 03.396.639/0001-26 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÔNIX AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÔNIX AÇÕES / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ÔNIX AÇÕES 88.002.696/0001-36 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FIC FI ONIX

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SL RENDA FIXA REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SL RENDA FIXA REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SL RENDA FIXA REFERENCIADO DI 03.102.081/0001-29 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3

Sumário. Parte II Mensuração do desempenho gerencial 31. Parte I Gestão 1. Gestão rural no século XXI 3 Parte I Gestão 1 CAPÍTULO 1 Gestão rural no século XXI 3 Estrutura do estabelecimento agropecuário 4 Novas tecnologias 7 A era da informação 8 Controle de ativos 9 Recursos humanos 10 Produção para atender

Leia mais

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral

Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Aula 3 e 4 Contabilidade Geral Prof. Benadilson Prof. Benadilson 1 Introdução Caso para Debate Ações da Tiffany: Lucro ou Prejuízo??? Ciclo Contábil Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). O lucro

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER MACRO MULTIMERCADO / Informações referentes a Dezembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER MACRO MULTIMERCADO / Informações referentes a Dezembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER MACRO MULTIMERCADO 11.714.716/0001-77 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ GUARARAPES CONFECÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/ GUARARAPES CONFECÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ CENTRAIS ELETRICAS BRASILEIRAS SA Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FUNDAÇÕES RENDA FIXA / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FUNDAÇÕES RENDA FIXA / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FUNDAÇÕES RENDA FIXA 00.832.696/0001-12 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas (97) - -

1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas (97) - - Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Anexo 1 Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre a adequação do PR Data base : 30/06/2015 Capital Principal: instrumentos e reservas

Leia mais

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos

4 ApurAção InstAntâneA de resultados econômicos 4 Apuração Instantânea de Resultados Econômicos Se observarmos bem, os contadores estão utilizando o computador para elaborar, não só o balancete como também outras demonstrações financeiras como a Demonstração

Leia mais

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P)

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P) AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE É A CIÊNCIA SOCIAL QUE ESTUDA O PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES E SUAS VARIAÇÕES AO LONGO DO TEMPO ENTIDADE: TODA A PESSOA JURÍDICA QUE POSSUI UM PATRIMÔNIO. PODE SER UMA EMPRESA,

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ:

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo. Sumitomo Mitsui Platinum Plus FIC de FI Ref. DI Crédito Privado Longo Prazo CNPJ: Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo Informações referentes a abril de 2016. Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SUMITOMO MITSUI PLATINUM PLUS FIC DE FI REF DI CREDITO

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD PREMIUM DI CRÉDITO PRIVADO / Informações referentes a Junho de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD PREMIUM DI CRÉDITO PRIVADO / Informações referentes a Junho de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER YIELD PREMIUM DI CRÉDITO PRIVADO 09.300.207/0001-56 Informações referentes a Junho de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI PRIORITY REFERENCIADO DI 00.856.755/0001-92 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação.

Antes de investir, compare o fundo com outros da mesma classificação. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SELECT YIELD PREMIUM REFERENCIADO DI CRÉDITO PRIVADO 20.977.663/0001-78 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AGORA BOLSA FIC DE FIA 08.909.429/0001-08. Informações referentes a Abril de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AGORA BOLSA FIC DE FIA 08.909.429/0001-08. Informações referentes a Abril de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O AGORA BOLSA FIC DE FIA 08.909.429/0001-08 Informações referentes a Abril de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o ÁGORA BOLSA FUNDO

Leia mais

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23

Sumário EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 EDITAL SISTEMATIZADO CONTABILIDADE... 19 APRESENTAÇÃO DO LIVRO... 23 PARTE I CONTABILIDADE GERAL CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 27 1. Noções de Contabilidade... 27 1.1. Conceitos, objetivos, campo

Leia mais

[Ano] MANUAL MBA GESTÃO DO EMPRESARIAL. Universidade Cruzeiro do Sul

[Ano] MANUAL MBA GESTÃO DO EMPRESARIAL. Universidade Cruzeiro do Sul [Ano] MANUAL MBA GESTÃO DO EMPRESARIAL ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Earning Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization (Lucro antes dos Juros, Impostos

Leia mais

Análise de Empreendimentos

Análise de Empreendimentos Análise de Empreendimentos - Instrumentos auxiliares para o processo de tomada de decisões. - Avalia, antecipadamente, o desempenho econômico - financeiro de determinado empreendimento e, por conseqüência,

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial.

IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial. IFRS International Financial Reporting Standards: as novas Práticas Contábeis e a Solução ERP Radar Empresarial. O que é o IFRS? IFRS International Financial Reporting Standards São Normas Internacionais

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FI RF CP LP TITULOS PRIVADOS / Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O FI RF CP LP TITULOS PRIVADOS / Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto

Leia mais

Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006

Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006 Confab Anuncia Resultados para o Segundo Trimestre de 2006 São Paulo, 03 de agosto de 2006. Confab Industrial S.A. (BOVESPA:CNFB4), uma empresa Tenaris, anunciou hoje os resultados correspondentes aos

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Demonstrações Contábeis...1

Sumário. Capítulo 1. Demonstrações Contábeis...1 Sumário Capítulo 1 Demonstrações Contábeis...1 1. Conceito e Finalidade das Demonstrações Contábeis...1 2. Elaboração e Divulgação das Demonstrações Contábeis...3 3. Conjunto das Demonstrações Contábeis...4

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO - CONTADOR Questão n o 1 a) Fundamentação teórico-conceitual Capital autorizado: é o capital que consta no estatuto da Companhia sendo o limite para autorização do aumento do capital social independentemente de reforma

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF 23.682.485/0001-46 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SUPER GESTÃO MULTIMERCADO / Informações referentes a Novembro de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SUPER GESTÃO MULTIMERCADO / Informações referentes a Novembro de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SUPER GESTÃO MULTIMERCADO 00.993.996/0001-83 Informações referentes a Novembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios Objetivos Identificar as políticas adotadas pela administração de empresa, relativas aos prazos de recebimentos,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER CAPITAL PROTEGIDO DÓLAR MULTIMERCADO / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER CAPITAL PROTEGIDO DÓLAR MULTIMERCADO / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER CAPITAL PROTEGIDO DÓLAR MULTIMERCADO 11.726.632/0001-53 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL

Configurações da DMPL. Tutorial do Usuário Configurações da DMPL Tutorial do Usuário Configurações da DMPL 1 Conteúdo Apresentação... 3 Configurações... 4 Tela de configuração... 4 Aba Reserva de Capital (1)... 6 Aba Reserva de Lucros (2)... 7 Aba Ajustes (3)... 8 Aba

Leia mais

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015

Instituto CCR. Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício de 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2015 (Em Reais) Ativo 2015 2014 Passivo 2015 2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras

31/03/ /12/ /03/ /12/2015 Caixa e Bancos Aplicações financeiras NOTAS EXPLICATIVAS DAS INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS - ITR (Em milhares de Reais, exceto quando indicado de outra forma) 1 - CONTEXTO OPERACIONAL Bicicletas Monark S.A. ( Companhia ) tem por objetivo a industrialização

Leia mais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Palestrantes Natanael Martins José Antonio Minatel São Paulo, 20 de junho de 2012 Lei 11.638/07 (convergência aos padrões

Leia mais