Custo de Oportunidade do Capital

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Custo de Oportunidade do Capital"

Transcrição

1 Custo de Oportunidade do Capital É o custo de oportunidade de uso do fator de produção capital ajustado ao risco do empreendimento. Pode ser definido também como a taxa esperada de rentabilidade oferecida nos mercados de capitais para empreendimentos na mesma classe de risco.

2 Custo de Oportunidade do Capital Importância na avaliação econômica: Auxilia na tomada de decisões de investimento que têm forte impacto sobre a empresa; Define a estrutura de capital (forma com a qual a empresa financia seus ativos) afetando seu risco e valor de mercado.

3 Custo de Oportunidade do Capital Distinção entre os custos de capital: Custo do capital da empresa: atual estrutura de capital e rentabilidade dos atuais ativos da empresa; Custo do capital do acionista ou custo do capital próprio: retorno esperado pelo capital próprio (dos acionistas) investido no empreendimento; Custo ajustado do capital: taxa mínima de atratividade do empreendimento com o ajuste necessário para o risco do projeto.

4 Custo Médio Ponderado do Capital (WACC) Admite que a empresa é financiada simultaneamente por capital próprio e por capital de terceiros. Ou seja: Retorno dos ativos Custo dos capitais próprios Proporção dos capitais próprios Custo líquido da dívida Proporção da dívida Então: WACC = K CP CP V + K D D ( ) 1 T V

5 Custo Médio Ponderado do Capital (WACC) Observações Esta fórmula é aplicável para a empresa em sua totalidade e não necessariamente para um projeto em particular pois as variáveis refletem a empresa em seu conjunto; Ao passo que a fórmula pode ser usada para estimar o custo de capital de um determinado projeto se no cálculo forem usados os custos das fontes de recursos que financiam esse projeto;

6 Custo Médio Ponderado do Capital (WACC) Observações As proporções CP/V e D/V devem ser calculadas com base em valores de mercado; Na variável T estão resumidos todos os efeitos fiscais e tributários incidentes; Se uma empresa consegue identificar que uma estrutura de capital maximiza seu valor de mercado, essas variáveis devem ser usadas; A fórmula considera perpetuidade na geração de fluxo de caixa.

7 Custo da Dívida É o custo dos financiamentos e empréstimos contratados para o projeto. Marginalidade do custo da dívida Como os juros são despesas dedutíveis, estes diminuem o custo líquido da dívida, fazendo com que o custo de capital de terceiros seja inferior ao custo bruto do empréstimo. Então: ( 1 T) custo líquido da dívida = K D

8 Custo ajustado do capital Utiliza-se o WACC somente para estrutura de capital da empresa ou para projetos que repliquem a empresa patrocinadora. Não é correto o seu uso para projetos que alteram o risco e a estrutura de capital da empresa. Então, para este fim existem duas fórmulas de custo de capital: Custo de capital por Modigliani-Miller; Custo de capital próprio pelo Modelo CAPM.

9 Custo de capital por Modigliani-Miller Proposição I de Modigliani-Miller: V = V + 0 T.D Fórmula de Modigliani-Miller para cálculo do custo de capital: [ ] K = K 1 T *.L 0 D onde L = V

10 Custo de capital por Modigliani-Miller Observações L representa a contribuição marginal do projeto para a capacidade de endividamento da empresa; K0 taxa para a empresa não alavancada; T* taxa efetiva do benefício fiscal do uso de capital de terceiros; Esta fórmula considera que a empresa e o projeto geram fluxos de caixa perpétuos e suportam um nível de endividamento constante.

11 Custo de capital por Modigliani-Miller Proposição II de Modigliani-Miller: K CP = K 0 + D CP ( K K )( 1 T) 0 d Observa-se que o custo de capital próprio aumenta proporcionalmente à razão dívidacapital próprio, e a taxa de crescimento da diferença entre o custo do capital da empresa sem dívida e o custo da dívida.

12 Custo de capital próprio pelo CAPM O custo do capital próprio é a taxa de retorno requerida pelos acionistas. Um investidor irá adquirir um ativo de risco apenas se o retorno compensar o risco. Quanto maior o risco maior será o retorno exigido. O CAPM (Capital Asset Pricing Model) resolve simultaneamente os problemas da oferta e alocação de recursos de capital, proporcionando uma estimativa de custo de capital em um contexto de mercado.

13 Custo de capital próprio pelo CAPM O CAPM é expresso em termos de valores esperados, e o retorno esperado é a soma de dois fatores: O primeiro é a rentabilidade dos ativos sem risco; O segundo é o prêmio de risco. R = R f + β Onde β é a volatilidade dos retornos do ativo em relação ao índice de mercado. [ ] R R m f prêmio de risco do ativo

14 Custo de capital próprio pelo CAPM O prêmio de risco pode ser visto como o retorno adicional exigido pelos investidores. É função de duas variáveis: o beta (reflete a correlação entre os retornos do ativo e a carteira de mercado) e a diferença entre o retorno esperado da carteira de mercado e a taxa livre de risco.

15 Custo de capital próprio pelo CAPM No contexto do CAPM o único risco relevante é o risco de mercado ou sistemático (risco que não pode ser eliminado por diversificação primária, ou seja, está relacionado a mudanças macroeconômicas). Se o beta de uma ação for 1, seus retornos acompanharão o mercado; se seu beta for 0,5 e o mercado subir ou cair 10% esta ação subirá ou cairá 5% e assim por diante.

16 Custo de capital próprio pelo CAPM Linha de Mercado de Títulos Retorno Esperado Rm Rf 0,5 1,0 1,5 Beta

17 Custo de capital próprio pelo CAPM Linha de Mercado de Títulos Qualquer ativo localizado acima da LMT será considerado sub-avaliado, pois seu retorno esperado estará acima do apropriado para seu nível de risco; Já, qualquer ativo localizado abaixo da LMT será considerado super-avaliado, pois seu retorno esperado estará abaixo do apropriado para seu nível de risco; Essas anomalias serão corrigidas pelo mercado.

18 Custo de capital próprio pelo CAPM A determinação do custo do capital próprio pelo CAPM segue os passos: Obter o beta dos títulos da empresa; Situar o beta do projeto em relação ao mercado, caso o projeto a avaliar altere o risco ou a estrutura de capital da empresa; Escolher a taxa livre de risco; Definir a carteira de mercado e medir seu retorno esperado; Calcular o custo do capital usando o CAPM.

19 Custo do capital - exemplo Uma empresa sem dívidas pretende tomar um financiamento de longo prazo no valor de $ a juros de 8% a.a.. A empresa espera gerar fluxos de caixa perpétuos, antes de juros e imposto de renda, de $ /ano. A alíquota de IR é 30%. Empresas do mesmo setor, que só usam capital próprio têm custo de capital de 10%. Pede-se estimar o valor da empresa após o levantamento do empréstimo; o custo do capital próprio; e o WACC depois de levantado o financiamento.

20 Custo do capital - exemplo Conclusão Sob as proposições de Modigliani-Miller o aumento da dívida de longo prazo eleva o valor de empresa e diminui o WACC, devido ao benefício fiscal do uso de capital de terceiros. Entretanto este resultado pode induzir conclusões erradas tais como que elevandose o grau de endividamento, o valor da empresa aumentaria indefinidamente.

21 Risco financeiro e custo do capital Risco financeiro diz respeito aos custos financeiros fixos decorrentes dos financiamentos da empresa. Refere-se ao risco de não conseguir cobrir as despesas financeiras fixas e indica em que medida a empresa utiliza dívida para financiar seu ativo.

22 Risco financeiro e custo do capital Mix de composição estrutura de capital D CP V D/V KCP WACC 0 $1000 $ ,1 0,1 $100 $930 $1030 0,0971 0,1015 0,0971 $200 $860 $1060 0,1887 0,1033 0,0943 $300 $790 $1090 0,2752 0,1053 0,0917 $400 $720 $1120 0,3571 0,1078 0,0893 $500 $650 $1150 0,4348 0,1108 0,0870 Dados: T=30%; K0=10%a.a.; Kd=8%a.a.; LAJIR=$

23 Risco financeiro e custo do capital Gráfico da composição de estrutura de capital K KCP Valor da Empresa V KCP K0 $1.120 WACC WACC $1.000 V0 Kd 0,3571 D/V 0,3571 D/V

24 Risco financeiro e custo do capital Observações O maior uso de capital de terceiros aumenta o custo do capital próprio, diminui o WACC e aumenta o valor da empresa (graças ao benefício fiscal do uso de capital de terceiros); Como o Kd permanece (teoricamente) constante, pode-se concluir (erroneamente) que o aumento do endividamento aumentaria o valor da empresa tendendo a optar-se por uma estrutura de capital composta só por capital de terceiros;

25 Risco financeiro e custo do capital Entretanto isto é incompatível com a realidade. A partir de certo nível de endividamento existe um efeito contrário, pois o maior uso de capital de terceiros aumenta o risco financeiro, incrementa a possibilidade de dificuldades financeiras e de falência, e conseqüentemente, eleva os custos da dívida e do capital próprio; O aumento desses custos vão de encontro com as vantagens fiscais associadas ao capital de terceiros, reduzindo-as, bem como reduzindo o valor da empresa.

26 Limite de estrutura de capital de uma empresa Exemplo Suponha que uma empresa sem dívidas pretenda tomar um financiamento de longo prazo no valor de $20 milhões a juros de 7%a.a.. A empresa espera gerar fluxos de caixa perpétuos, antes de juros e impostos, de $22 milhões/ano. O beta de empresa é 1,0 e seu IR é de 30%. A rentabilidade dos ativos sem risco é de 7%a.a. e a rentabilidade esperada da carteira de mercado é de 17%a.a..

27 Limite de estrutura de capital de uma empresa Exemplo (cont.) D Kd β KCP CP V D/V WACC 0 0,06 1,0 0, , ,07 1,1 0, ,1990 0, ,07 1,2 0, ,2510 0, ,08 1,3 0, ,3026 0, ,08 1,9 0, ,4037 0, ,10 3,0 0, ,5692 0, ,16 4,2 0, ,7143 0,2200

28 Limite de estrutura de capital de uma empresa Exemplo (cont.) As fórmulas utilizadas são: K CP = R f + β ( ) ( ) ( ) R R + β β R R m f 0 m f CP = WACC ( LAJIR - D.K )( 1 T) = K CP CP V K + CP K d d D ( ) 1 T V

29 Comportamento dos custos de capital 0,6 0,5 Custo de capital 0,4 0,3 0,2 Kd Kcp WACC 0, , , , , , , D/ V

30 Comportamento do valor da empresa em relação ao endividamento R$ 120,00 R$ 100,00 R$ 80,00 Valor da empresa R$ 60,00 R$ 40,00 R$ 20,00 R$ - 0 0, , , , , , D/ V

31 Limite de estrutura de capital de uma empresa Conclusões O custo da dívida, o beta e o custo do capital próprio são funções diretas do aumento do endividamento; O valor da empresa atinge um valor máximo quando o WACC atinge seu valor mínimo, após esse ponto o valor da empresa começa a diminuir devido ao aumento do WACC;

32 Limite de estrutura de capital de uma empresa O aumento do WACC se deve ao maior grau de endividamento, que aumenta a probabilidade de dificuldades financeiras (risco financeiro); Então, a Proposição I de Modigliani-Miller pode ser ajustada como: V = V + T.D 0 Custos Dificuldades Financeiras

Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis

Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis Gestão Financeira 2S/2016 Graduação em Ciências Contábeis Aula 09: 27-Set-2016 Aula 10: 04-Out-2016 Prof. Dr. Rodrigo Takashi Okimura rodrigo.okimura@fipecafi.org 7 Estrutura de Capital Referências: ASSAF

Leia mais

22/02/2017. Prof. Elisson de Andrade

22/02/2017. Prof. Elisson de Andrade Prof. Elisson de Andrade eapandra@uol.com.br A partir DESSE MOMENTO, você (ou sua dupla), já precisa ir pensando: Qual investimento real irei avaliar? Compra de uma máquina para a empresa? Ampliação do

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou a aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou

Leia mais

Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD

Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD 1 Método do Fluxo de Caixa Descontado - FCD Michele Nascimento Jucá José Savoia 2 Agenda 5 Método do Fluxo de Caixa Descontado (FCD) 5.1 Introdução 5.2 Princípios Gerais 5.3 Metodologia de Cálculo 5.4

Leia mais

Tel.: (21)

Tel.: (21) 14ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA FÓRUM TÉCNICO AEAMESP 05/09/2008 CUSTO DE CAPITAL NO BRASIL E A CAPTAÇÃO DE INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS PARA PROJETOS METROFERROVIÁRIOS BRASILEIROS AUTOR: Eng.

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

Tópicos Especiais Contábeis: EVA

Tópicos Especiais Contábeis: EVA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTÁBEIS Curso de Ciências Contábeis Tópicos Especiais Contábeis: EVA Prof. Mestre. João Rafael Alberton Casca - 2015 Organizadores Auster

Leia mais

Tema 05 Estrutura de Capital

Tema 05 Estrutura de Capital Tema 05 Estrutura de Capital FEA -USP Graduação em Ciências Contábeis EAC0511 Profa. Joanília Cia Tema 05 Estrutura de Capital I. INTRODUÇÃO II. RISCO DO NEGÓCIO E RISCO FINANCEIRO: Alavancagem Operacional

Leia mais

MBA em Finanças e Controladoria. Disciplina: Avaliação de Empresas Valuation Tópico 06 Risco e Retorno

MBA em Finanças e Controladoria. Disciplina: Avaliação de Empresas Valuation Tópico 06 Risco e Retorno MBA em Finanças e Controladoria Disciplina: Avaliação de Empresas Valuation Tópico 06 Risco e Retorno Obetivos do Tópico 06 5h Obetivo Entender os fundamentos de risco e retorno Obetivos de aprendizagem

Leia mais

O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE l

O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE l O QUE É CUSTO DE CAPITAL PARTE l! ESTRUTURA DE CAPITAL! CUSTO DO FINANCIAMENTO ATRAVÉS DE CAPITAIS DE TERCEIROS! CUSTO DO FINANCIAMENTO ATRAVÉS DE CAPITAIS PRÓPRIOS Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas

Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas Vantagens e desvantagens da utilização do patrimônio líquido pelo seu valor de mercado na avaliação de empresas! Quais as vantagem da utilização do valor de mercado em relação a utilização do patrimônio

Leia mais

Risco x Retorno. Fundamentos de Risco e Retorno: Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos.

Risco x Retorno. Fundamentos de Risco e Retorno: Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Risco x Retorno Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno: Em administração e finanças, risco é a possibilidade de perda

Leia mais

Custo de Capital. Taxa de Descontos. Mesmo significado. Custo de Capital de Terceiros - RT

Custo de Capital. Taxa de Descontos. Mesmo significado. Custo de Capital de Terceiros - RT Custo de Capital Como determinar o Custo Médio Ponderado de Capital (WCC - Weighted verage Cost of Capital) de uma empresa? Como determinar o Custo de Capital de Terceiros? Como determinar o Custo de Capital

Leia mais

9. Determinação da TMA pelo WACC e CAPM

9. Determinação da TMA pelo WACC e CAPM 9. Determinação da TMA pelo WACC e CAPM RISCO EM ANÁLISE DE AÇÕES 1. CLASSIFICAÇÃO FUNDAMENTAL DO RISCO Risco Sistemático (Não Diversificável) Devido a variações do sistema Econômico como um todo Risco

Leia mais

Administração Financeira 4º SEMESTRE. Profª Silvia Flores Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Administração Financeira 4º SEMESTRE. Profª Silvia Flores Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Administração Financeira 4º SEMESTRE Profª Silvia Flores slide 1 Fontes de Recursos Financeiros Recursos Próprios Recursos de Terceiros slide 2 RECURSOS DE TERCEIROS Se a empresa utilizar a dívida para

Leia mais

Avaliação de Empresas através do Fluxo de Caixa Descontado (FCD)

Avaliação de Empresas através do Fluxo de Caixa Descontado (FCD) Avaliação de Empresas através do Fluxo de Caixa Descontado (FCD) Quanto vale essa empresa? Modelos de Avaliação de Empresa Fluxo de Caixa Múltiplos Opções Onde é utilizado? - Mercado acionário; - Compra

Leia mais

de Empresas e Projetos

de Empresas e Projetos Avaliação de Empresas e Projetos MBA em Finanças as Habilitação Finanças as Corporativas Projeções de Fluxos de Caixa e Taxas de crescimento Processo de análise Análise da performance histórica Projeção

Leia mais

Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (MPAF) ou CAPM (Capital Asset Pricing Model).

Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (MPAF) ou CAPM (Capital Asset Pricing Model). Modelo de formação de preços de ativos de capital - CAPM Modelo CAPM Modelo de Precificação de Ativos Financeiros (MPAF) ou CAPM (Capital Asset Pricing Model). É utilizado para determinar a taxa de retorno

Leia mais

FINANÇAS EMPRESARIAIS

FINANÇAS EMPRESARIAIS FINANÇAS EMPRESARIAIS Marcus Quintella, D.Sc. E-mail: marcus.quintella@fgv.br Internet: www.marcusquintella.com.br FINANÇAS EMPRESARIAIS Marcus Quintella, D.Sc. Bibliografia Recomendada ROSS, S. A., WESTERFIELD,

Leia mais

Determinação do Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) do setor sucroenergético brasileiro e discussão das suas premissas 1

Determinação do Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) do setor sucroenergético brasileiro e discussão das suas premissas 1 Determinação do Custo Médio Ponderado de Capital (WACC) do setor sucroenergético brasileiro e discussão das suas premissas 1 1. Introdução Haroldo José Torres da Silva 2 A taxa mínima de atratividade expressa,

Leia mais

SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS

SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS SELEÇÃO E VIABILIDADE DE PROJETOS MBA Estácio 18/04/2017 Prof. Lucas S. Macoris PLANO DE AULA Seleção e Viabilidade de Projetos Avaliação de Projetos Avaliação de Empresas Qual o valor justo? Introdução

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 3.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Finanças Finança é a ciência de gerenciar recursos, ou aquela que lida com o emprego do dinheiro num projeto, empresa ou pessoa.

Leia mais

Avaliação do Risco Isolado

Avaliação do Risco Isolado Avaliação do Risco Isolado! O que é! Onde é utilizada! Análise de Sensibilidade! Análise de Cenários! Exemplos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados,

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avaliação de Empresas C U S T O D O C A P I T A L D E T E R C E I R O S, C U S T O D O C A P I T A L P R Ó P R I O E W A C C P R O F. G U I L L E R M O B R A U N B E C K Mercado de capitais: provedores

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE DIVISÕES B R I C K L E Y, S M I T H E Z I M M E R M A N

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE DIVISÕES B R I C K L E Y, S M I T H E Z I M M E R M A N AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE DIVISÕES B R I C K L E Y, S M I T H E Z I M M E R M A N Avaliação de desempenho de divisões ORGANIZAÇÕES podem ser divididas em sub unidades, que possuem alguns direitos de decisão

Leia mais

Wermeson Souza Pereira

Wermeson Souza Pereira Avaliação de Empresas: Fluxo de Caixa Livre para Empresas Versus Fluxo de Caixa Livre para os Acionistas e os desvios causados na utilização de taxas de descontos inadequados. Wermeson Souza Pereira souzacontabilidade@terra.com.br

Leia mais

Exercícios. Finanças Benjamin M. Tabak

Exercícios. Finanças Benjamin M. Tabak Exercícios Finanças Benjamin M. Tabak ESAF BACEN - 2002 Uma carteira de ações é formada pelos seguintes ativos: Ações Retorno esperado Desvio Padrão Beta A 18% 16% 1,10 B 22% 15% 0,90 Também se sabe que

Leia mais

Teoria do Portfólio. Risco, Retorno e Mercado

Teoria do Portfólio. Risco, Retorno e Mercado Teoria do Portfólio Risco, Retorno e Mercado Risco Situação em que a ocorrência de eventos diversos, que afetam a rentabilidade de um ativo, pode ser medida por meio de distribuição de probabilidades associadas

Leia mais

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE FINANÇAS

VERSÃO RESPOSTAS PROVA DE FINANÇAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PROCESSO SELETIVO MESTRADO EDITAL 01/2011 PROVA

Leia mais

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade II FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Introdução à análise de risco Um projeto de TI, como qualquer outro projeto está sujeito a riscos no decorrer do seu desenvolvimento. Alguns

Leia mais

Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto

Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto Análise de Investimentos Ricardo Suñer Romera Neto rsromera@hotmail.com Decisão de Investimento Questões a serem respondidas Ativo Circulante / Realizável de Longo Prazo / Ativo Permanente Onde estão aplicados

Leia mais

Custo de Capital. Taxa Mínima de Atratividade (TMA)

Custo de Capital. Taxa Mínima de Atratividade (TMA) Custo de Capital custo de oportunidade(comparativo entre diversos projetos) taxa de retorno a ser obtida num projeto (manutenção do valor de mercado) taxa de retorno exiida pelas fontes de capital Taxa

Leia mais

Capítulo 12 Alavancagem e estrutura de capital

Capítulo 12 Alavancagem e estrutura de capital Copyright 2009 Pearson Prentice Hall. All rights reserved. Capítulo 12 Alavancagem e estrutura de capital Objetivos de aprendizagem 1. Discutir alavancagem, estrutura de capital, análise do ponto de equilíbrio,

Leia mais

Unidade: Risco e Retorno. Unidade I:

Unidade: Risco e Retorno. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Risco e Retorno A análise de investimentos está baseada nas estimativas dos fluxos de caixa de um projeto. Nem sempre essas previsões de fluxo de caixa coincidem com os resultados

Leia mais

E [ ] É o problema que ocorre quando uma empresa identifica baixa rentabilidade em relação ao que foi projetado.

E [ ] É o problema que ocorre quando uma empresa identifica baixa rentabilidade em relação ao que foi projetado. 1 ª. Questão Com base na Administração Financeira, é incorreto afirmar que: A [ ] Os administradores devem gerir ativamente os assuntos financeiros de qualquer tipo de empresa, exceto se a empresa for

Leia mais

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)

FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA) FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL (FCO) X FLUXO DE CAIXA DO ACIONISTA (FCA)! Qual a diferença entre o FCO e o FCA?! Quando utilizar o FCO e o FCA?! Taxa de desconto a ser utilizada para descontar o FCO e o FCA!

Leia mais

As Proposições de Modigliani e Miller e a tributação brasileira. Autoria: Ari Ferreira de Abreu. Resumo

As Proposições de Modigliani e Miller e a tributação brasileira. Autoria: Ari Ferreira de Abreu. Resumo 1 Autoria: Ari Ferreira de Abreu Resumo As Pposições de Modigliani e Miller e a tributação brasileira Em 1958, Modigliani e Miller apresentaram três pposições que norteiam o estudo da estrutura de capital

Leia mais

Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento

Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento Análise de Viabilidade Econômica de Projetos de Investimento ANÁLISE DE CENÁRIOS Prof. Luciel Henrique de Oliveira - luciel@fae.br UNIFAE - São João da Boa Vista http://gp2unifae.wikispaces.com Análise

Leia mais

5 Resultados e análises

5 Resultados e análises 5 Resultados e análises 5.1. Cálculo do custo de capital próprio através do APT Conforme apresentado no capítulo anterior deste trabalho, o cálculo do custo de capital próprio do setor elétrico de distribuição

Leia mais

Prof. Marcelo Delsoto

Prof. Marcelo Delsoto Orçamento de Capital Sem Riscos Orçamento de capital refere-se aos métodos para avaliar, comparar e selecionar projetos que obtenham o máximo retorno (lucro) ou, a máxima riqueza (valor das ações no mercado)

Leia mais

Título do Projeto:

Título do Projeto: RELATÓRIO DA ANÁLISE FINANCEIRA DATA www.estudosfinanceiros.com.br Título do Projeto: Localização: O presente relatório apresenta e descreve as necessidades de investimento e custos para a industrialização

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

CAP. 9 DETERMINAÇÃO DA TMA PELO WACC E CAPM

CAP. 9 DETERMINAÇÃO DA TMA PELO WACC E CAPM CAP. 9 DETERMINAÇÃO DA TMA PELO WACC E CAPM 1. INTRODUÇÃO O estudo do risco em análise de ações será útil para um entendimento mais aprofundado da taxa de descontos a ser utilizada nas avaliações de investimento

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Renda Fixa Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI O produto O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao

Leia mais

Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno:

Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno: Risco x Retorno Fundamentos de Risco e Retorno. Risco de um Ativo Individual. Risco de uma Carteira de Ativos. Fundamentos de Risco e Retorno: Em administração e finanças, risco é a possibilidade de perda

Leia mais

Raroc Retorno Ajustado ao Risco Uma nova dimensão na Gestão. Palestra para Evento da Serasa

Raroc Retorno Ajustado ao Risco Uma nova dimensão na Gestão. Palestra para Evento da Serasa Raroc Retorno Ajustado ao Risco Uma nova dimensão na Gestão Palestra para Evento da Serasa José Renato Carollo São Paulo, 29 de março de 2006 Índice Função de otimização da Instituição Credora EVA Capital

Leia mais

O que é risco de negócio? Decisões de Estrutura de Capital: Conceitos Básicos

O que é risco de negócio? Decisões de Estrutura de Capital: Conceitos Básicos Decisões de Estrutura de Capital: Conceitos Básicos Prof. Antonio Lopo Martinez Risco do negócio vs. risco financeiro Teoria da estrutura de capital Exemplo de fluxo de caixa perpétuo Estabelecendo a estrutura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro Atividade Individual

Leia mais

Avaliação de Empresas Com base no Fluxo de Lucros ou no Fluxo de Caixa?

Avaliação de Empresas Com base no Fluxo de Lucros ou no Fluxo de Caixa? Avaliação de Empresas Com base no Fluxo de Lucros ou no Fluxo de Caixa?! O que é melhor: descontar o fluxo de caixa ou o fluxo de lucros?! Qual a melhor medida para avaliar uma empresa para períodos curtos

Leia mais

Modelo de Precificação de A0vos Financeiros (CAPM) e Hipótese do Mercado Eficiente (HME) Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP

Modelo de Precificação de A0vos Financeiros (CAPM) e Hipótese do Mercado Eficiente (HME) Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP Modelo de Precificação de A0vos Financeiros (CAPM) e Hipótese do Mercado Eficiente (HME) Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP Keynes: comparou os investimentos a concurso de beleza

Leia mais

Risco, Custo de Capital, e Orçamento de Capital. Administração Financeira. Capital de Terceiros D. Obrigações. Cupons ou juros.

Risco, Custo de Capital, e Orçamento de Capital. Administração Financeira. Capital de Terceiros D. Obrigações. Cupons ou juros. 12-0 CAPÍTULO Universidade Federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Curso de Finanças Corporativas Prof. Edson Pamplona (www.iem.efei.br/edson) 12 Risco, Custo de Capital, e Orçamento

Leia mais

COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA

COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA COMO UTILIZAR O FLUXO DE CAIXA OPERACIONAL PARA VALORIZAR UMA EMPRESA! Valorizando a empresa para todos os detentores de direitos.! A taxa correta de desconto.! O cálculo da valor residual. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO

ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO ANÁLISE DE RISCO E RETORNO DE INVESTIMENTO USO DAS MEDIDAS DE DISPERSÃO Luiz Fernando Stringhini 1 Na tentativa de mostrar as possibilidades de uso das ferramentas da estatística dentro da contabilidade,

Leia mais

UMA INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE GESTÃO ABSOLUTA E RELATIVA DE INVESTIMENTOS. Ney Roberto Ottoni de Brito

UMA INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE GESTÃO ABSOLUTA E RELATIVA DE INVESTIMENTOS. Ney Roberto Ottoni de Brito UMA INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE GESTÃO ABSOLUTA E RELATIVA DE INVESTIMENTOS Ney Roberto Ottoni de Brito Junho 2005 I. INTRODUÇÃO Este trabalho objetiva apresentar os conceitos de gestão absoluta e de gestão

Leia mais

29/09/2010. Objetivos. Orçamento Empresarial UFRN Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos da Aula BIBLIOGRAFIA

29/09/2010. Objetivos. Orçamento Empresarial UFRN Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos da Aula BIBLIOGRAFIA Objetivos Orçamento Empresarial UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho 1. Apresentar um conceito de orçamento de investimentos 2. Elaborar o quadro de usos e fontes de um negócio 3. Calcular

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS EXERCÍCIOS RESOLVIDOS 1. Se uma carteira tiver um peso positivo para cada ativo, pode o retorno esperado da carteira ser superior ao retorno do ativo, incluído na carteira, que tiver o mais alto retorno?

Leia mais

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II)

ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II) ENTENDENDO OS CONCEITOS DE RISCO E RETORNO - (Parte II)! Como calcular o retorno usando dados históricos?! Como calcular a variância e o desvio padrão?! A análise do retorno através da projeção de retornos

Leia mais

Avaliação de Investimentos. Prof. Adriano Paranaiba

Avaliação de Investimentos. Prof. Adriano Paranaiba Avaliação de Investimentos Prof. Adriano Paranaiba 1 Conceito de Investimento Aplicação de Capital ou Investimento é o fato de se empregar recursos visando obter benefícios futuros. Abertura de uma nova

Leia mais

Modelos de estrutura do fluxo de caixa pelo método direto e construção da Taxa mínima de atratividade (TMA)

Modelos de estrutura do fluxo de caixa pelo método direto e construção da Taxa mínima de atratividade (TMA) Modelos de estrutura do fluxo de caixa pelo método direto e construção da Taxa mínima de atratividade (TMA) Prof. Alexandre Wander Introdução O processo de avaliação e seleção de alternativas de investimento

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº1 GABARITO

LISTA DE EXERCÍCIOS Nº1 GABARITO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: FINANÇAS CORPORATIVAS CÓDIGO: EAD 732 PROFESSO: JOSÉ ROBERTO FERREIRA SAVOIA E-MAIL:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro MINI

Leia mais

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004

Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 Safra Títulos Públicos DI - Fundo de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Demonstração da composição e diversificação

Leia mais

EU & Investimentos - D1. Criação de Valor

EU & Investimentos - D1. Criação de Valor EU & Investimentos Valor Econômico - D1 Sexta-feira e fim de semana, 17, 18 e 19 de dezembro de 2004 Estudo mostra que apenas seis empresas abertas, de um total de 45, apresentam lucro operacional que

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DA HYDROCARBON SERVICES LTDA.

LAUDO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DA HYDROCARBON SERVICES LTDA. LAUDO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DA HYDROCARBON SERVICES LTDA. PREPARADO PARA LUPATECH S.A. Emitido em 26 de março de 2010 Data-Base para projeção de resultados 26 de fevereiro de 2010 Página 2

Leia mais

EXERCÍCIOS FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR ASSAF NETO CAPÍTULO 2 CÁLCULO FINANCEIRO E APLICAÇÕES

EXERCÍCIOS FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR ASSAF NETO CAPÍTULO 2 CÁLCULO FINANCEIRO E APLICAÇÕES 1. Explique o que são taxas: 1. Nominais: Taxa de juro contratada numa operação. Normalmente é expressa para um período superior ao da incidência dos juros. 2. Proporcionais: Duas taxas expressas em diferentes

Leia mais

COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO

COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO COMO UTILIZAR CORRETAMENTE O CUSTO MÉDIO PONDERADO DE CAPITAL ( CMPC OU WACC)! Qual a taxa adequada para descontar o fluxo de caixa?! Valor do balanço ou valor de mercado? Qual utilizar?! Exemplo de como

Leia mais

Rio de Janeiro, novembro de 2010. Renato Andrade

Rio de Janeiro, novembro de 2010. Renato Andrade Tesouro Direto Rio de Janeiro, novembro de 2010 Renato Andrade Visão Geral Vantagens Comprando Tributação e Vendendo Títulos Comprando e Vendendo Títulos Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA. ENGENHARIA ECONÔMICA Exercícios Propostos Prof. Dr. Francisco Chaves

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA. ENGENHARIA ECONÔMICA Exercícios Propostos Prof. Dr. Francisco Chaves UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA ENGENHARIA ECONÔMICA Exercícios Propostos Prof. Dr. Francisco Chaves 1. (P1) Surgiu a oportunidade de se investir em uma pequena fábrica de carne

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA II

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA II ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA II Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira Capítulo 5 Alavancagem Financeira 1 Análises de Desempenho: Grau de Alavancagem Objetivos deste capítulo Apresentar aos alunos

Leia mais

17/10/2017 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA II. Capítulo 5 Alavancagem Financeira. Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira

17/10/2017 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA II. Capítulo 5 Alavancagem Financeira. Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA II Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira Capítulo 5 Alavancagem Financeira Análises de Desempenho: Grau de Alavancagem Objetivos deste capítulo Apresentar aos alunos

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO MODELO DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS (CAPM) NO CÁLCULO DA ESTRUTURA IDEAL DE CAPITAL DE UMA EMPRESA

A UTILIZAÇÃO DO MODELO DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS (CAPM) NO CÁLCULO DA ESTRUTURA IDEAL DE CAPITAL DE UMA EMPRESA A UTILIZAÇÃO DO MODELO DE PRECIFICAÇÃO DE ATIVOS (CAPM) NO CÁLCULO DA ESTRUTURA IDEAL DE CAPITAL DE UMA EMPRESA Jorge Ribeiro De Toledo Filho ROBERTO CARLOS KLANN JOSÉ CARLOS DE SOUZA CÉLIA DE SOUZA ANTONIO

Leia mais

Capítulo 11. Custo de capital. Objetivos de aprendizagem. Visão geral do custo de capital. Algumas premissas fundamentais

Capítulo 11. Custo de capital. Objetivos de aprendizagem. Visão geral do custo de capital. Algumas premissas fundamentais Copyright 2009 Pearson Prentice Hall. All rights reserved. Capítulo 11 Custo de capital Objetivos de aprendizagem 1. Compreender as premissas fundamentais subjacentes ao custo de capital, seu conceito

Leia mais

SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO. Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007

SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO. Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007 SEMINÁRIO PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DOS SERVIDORES DA UNIÃO Superior Tribunal de Justiça Junho de 2007 Premissas na estruturação do regime complementar Criar um regime previdenciário orientado principalmente

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento OBJETIVO O presente documento apresenta como principal objetivo a defi nição de uma estrutura de Perfis de Investimento para os Participantes do Plano de Aposentadoria PREVIPLAN.

Leia mais

O Índice Ebtida nas Empresas de Construção Civil

O Índice Ebtida nas Empresas de Construção Civil Autoria: Louremir Reinaldo Jeronimo RESUMO: O Índice Ebtida nas Empresas de Construção Civil O objetivo deste trabalho é discutir a eficácia do índice EBTIDA, na avaliação financeira de empresas atuantes

Leia mais

3 Metodologia. Lucro empresa privada = a + b Valorização Ibovespa

3 Metodologia. Lucro empresa privada = a + b Valorização Ibovespa 3 Metodologia Segundo a metodologia de Aswath Damodaran 15, a avaliação de empresas de capital fechado possui, porque a informação disponível para avaliação é limitada e as empresas fechadas não possuem

Leia mais

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome:

FEA- USP, 30 de setembro de AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio. Nome: AVALIAÇÃO INTERMEDIÁRIA: EAE 422 Análise e Elaboração de Projetos Prof. Dr. Eduardo Luzio FEA- USP, 30 de setembro de 2015 Nome: PROVA INDIVIDUAL, SEM CONSULTA. SOMENTE SERÁ PERMITIDO O USO DE CALCULADORAS

Leia mais

Resumo: Palavras-chave: Setor elétrico; ANEEL; Custo médio ponderado de capital. Área temática: Métodos quantitativos aplicados à gestão de custos

Resumo: Palavras-chave: Setor elétrico; ANEEL; Custo médio ponderado de capital. Área temática: Métodos quantitativos aplicados à gestão de custos Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Análise crítica do Custo Médio Ponderado de Capital regulatório instituído pela ANEEL para o 3º Ciclo de Revisão Tarifária Periódico das empresas distribuidoras de energia

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O TOKYO-MITSUBISHI UFJ MIX FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O TOKYO-MITSUBISHI UFJ MIX FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O TOKYO-MITSUBISHI UFJ MIX FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CRÉDITO PRIVADO 02.129.653/0001-09 Informações referentes a Dezembro de 2016 Esta lâmina contém um resumo

Leia mais

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM RASTREADOR VEICULAR

ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM RASTREADOR VEICULAR TRABALHO DE GRADUAÇÃO ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM RASTREADOR VEICULAR Por, Luan Freitas de Oliveira Brasília, Agosto de 2011 TRABALHO DE GRADUAÇÃO ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE UM RASTREADOR

Leia mais

Método do Valor Residual. Segundo a metodologia inglesa. Paulo Henrique Câmara

Método do Valor Residual. Segundo a metodologia inglesa. Paulo Henrique Câmara Método do Valor Residual Segundo a metodologia inglesa Paulo Henrique Câmara O Método do valor residual Método do valor residual (involutivo) 1. Metodologia inglesa de avaliação 2. O que é possível avaliar

Leia mais

CONTEÚDO DA AULA DE HOJE

CONTEÚDO DA AULA DE HOJE CONTEÚDO DA AULA DE HOJE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS: MÉTODOS PATRIMONIAIS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVOS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO ECONÔMICA DE EMPRESAS MÉTODO DE FLUXO DE CAIXA DESCONTADO (DCF) LES-718 / Luiz

Leia mais

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi.

Prof. Dr. Silvio Aparecido Crepaldi. 1 2 O objetivo deste capítulo é ensinar a calcular o custo de um produto por meio do sistema de custeio variável, identificando a margem de contribuição, o ponto de equilíbrio e a margem de segurança para

Leia mais

Anais do IV Simpósio de Engenharia de Produção - ISSN:

Anais do IV Simpósio de Engenharia de Produção - ISSN: ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DA COMPRA DE UM CAIXÃO ALIMENTADOR: UM ESTUDO DE CASO EM UMA EMPRESA DO RAMO CERAMISTA Vânia Maciel Costa Medeiros (UFERSA) vaniamaciel@live.com Déborah Grazielle

Leia mais

Estrutura Ótima de Capital

Estrutura Ótima de Capital Estrutura Ótima de Capital Estrutura de Capital Objetivo dos gestores: maximizar o valor de mercado da empresa (V): V = D + CP Mas qual a relação ótima entre CP (capital próprio) e D (dívida com terceiros)?

Leia mais

Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia?

Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia? Audiência Pública 004/2007 da ANEEL Segunda Revisão Tarifária Periódica da Coelce Como avaliar a real rentabilidade das empresas de energia? Cláudio J. D. Sales Presidente Instituto Acende Brasil Auditório

Leia mais

CAPITAIS PRÓPRIOS E DE TERCEIROS ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 26/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62)

CAPITAIS PRÓPRIOS E DE TERCEIROS ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 26/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos a respeito de Capital Próprio e de Terceiros, consultar o livro: ASSAF

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avaliação de Empresas 1 P R O J E Ç Õ E S, T E O R I A E C O N C E I T O S P R O F. G U I L L E R M O B R A U N B E C K Análise Prospectiva Para fins didáticos, a análise prospectiva será abordada em três

Leia mais

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS

ANÁLISE DE INVESTIMENTOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS GRADUAÇÃO PARA GRADUADOS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Profº Marcelo Cambria Duration 2 Reflete o rendimento (yield) efetivo dos títulos de Renda Fixa até o seu vencimento (maturity)

Leia mais

Determinando o Valor de um Ativo. Opções Reais. Exemplo. Exemplo. Portfólio Replicante. IAG PUC-Rio 0.5(200) + 0.5(80) (40) + 0.

Determinando o Valor de um Ativo. Opções Reais. Exemplo. Exemplo. Portfólio Replicante. IAG PUC-Rio 0.5(200) + 0.5(80) (40) + 0. Opções Reais Portfólio Replicante Prof. Luiz Brandão brandao@iag.puc-rio.br IAG PUC-Rio 2011 Determinando o Valor de um Ativo O valor de um ativo de mercado pode ser obtido simplesmente observando o preço

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro MINI

Leia mais

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de

Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de Safra Multicarteira Agressivo - Fundo de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2004 e de 2003 e parecer de auditores independentes Parecer

Leia mais

Avaliação de projetos de investimento

Avaliação de projetos de investimento Gestão Empresarial e Economia Avaliação de projetos de investimento Análise dos cash-flows descontados Sumário Análise dos cash-flows descontados o Cash-flows incrementais o Custo do capital Cash flow

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler CAPITALIZAÇÃO COMPOSTA CAPITALIZAÇÁO COMPOSTA: MONTANTE E VALOR ATUAL PARA PAGAMENTO ÚNICO Capitalização composta é aquela em que a taxa de juros incide sobre o capital inicial, acrescido dos juros acumulados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I. Capítulo 6 Risco e Retorno 23/05/2017. Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira. Objetivos do Capítulo

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I. Capítulo 6 Risco e Retorno 23/05/2017. Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira. Objetivos do Capítulo ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I Prof. Msc. Roberto Otuzi de Oliveira Capítulo 6 Objetivos do Capítulo Apresentar aos alunos: os fundamentos e definições de RISCO dos investimentos o comportamento

Leia mais

Sumário. Prefácio, XV Introdução, 1

Sumário. Prefácio, XV Introdução, 1 Sumário Prefácio, XV Introdução, 1 Capítulo 1 Sistema Financeiro Nacional, 3 1.1 Funções básicas do Sistema Financeiro Nacional, 4 1.2 Principais participantes do mercado, 4 1.2.1 Introdução, 4 1.2.2 Órgãos

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

LAUDO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DO GRUPO ASPRO

LAUDO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DO GRUPO ASPRO LAUDO DE AVALIAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DO GRUPO ASPRO PREPARADO PARA LUPATECH S.A. 18 de dezembro de 2007 Página 2 ÍNDICE CONTEXTO DA AVALIAÇÃO... 4 Grupo Aspro... 5 CONDIÇÕES GERAIS... 7 LIMITAÇÕES...

Leia mais