CATÁLOGO DE PRODUTOS STRATUS SOLUÇÕES EM FIBRA DE VIDRO ISO9001:2008 ISO. CRCC Petrobrás

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATÁLOGO DE PRODUTOS STRATUS SOLUÇÕES EM FIBRA DE VIDRO ISO9001:2008 ISO. CRCC Petrobrás"

Transcrição

1 STRTUS UM MR DE FIR UM MR DE FIR STRTUS ompostos Estruturais tda Matriz: Rua Januária, 581 ácaras Runidas EP: / São José dos ampos SP Filial: Rua storga, 70 ácaras Runidas EP: / São José dos ampos SP Tl: TÁOGO DE PRODUTOS ISO ISO9001:8 Emprsa rtificada R Ptrorás SOUÇÕES EM FIR DE VIDRO

2 FOTO: ttp://www.simns.com/prss/n/prsspictur/indx.pp?contnt=eo ÍNDIE NOSSOS PROESSOS P.03 TIPOS DE RESINS P.04 ORES P.04 RESISTÊNI ORROSÃO P.05 NORMS PIÁVEIS P.07 PROPRIEDDE MÊNI DOS PUTRUDDOS P.08 PERFIS P.09 GRDES DE PISO PUTRUDDS P.11 STRTUS GRDES DE PISO FENÓIS P.13 GRDES DE ONTENÇÃO P.14 PRESENTÇÃO Ára d atuação Política da Qualidad GRDES PUTRUDDS OU INJETDS OM TMP P.14 Fundada m 1997 a STRTUS ompostos Estruturais tda % rasilira tm como principais ojtivos a qualidad d sus produtos atndimnto difrnciado a sus clints. Por sta razão invstimos cada vz mais m infrastrutura tcnologia aplicada a produção d prfis rforçados, com fira d vidro, fira d carono aramida. Produtos d aixo pso, alta rsistência m c â n i c a c o r r o s ã o. E s t a s s ã o caractrísticas principais dos produtos STRTUS. STRTUS atua nas áras d sanamnto, ólo gás, alimntícia, química, farmacêutica, ntr outras. tualmnt forncmos m todo trritório rasiliro stamos nos xpandindo para outros paíss como ngola Uruguai. lguns d nossos clints STRTUS tm proporcionado soluçõs para mais d 0 clints, vja alguns xmplos: Furukawa, Prysmian, Ptroras, asf, ucnt, Grdau, Emrar, Volia, lcatl, nira, rcllor Mittal, onstrutora amargo orra, Firia, Odrct, Sasp, Sma, Ultrafértil, Usiminas, tc. É política da qualidad na STRTUS introduzir produtos srviços inovadors d alto contúdo técnico, fazndo portanto jus a um rtorno qu assgur su contínuo crscimnto fortalcimnto, rvrtido m nfício d todos os sus intgrants, smpr dntro d princípios éticos rspito ao mio amint, como: - Elaorar implmntar programas d trinamnto sor mio amint; - onscintizar todos os colaoradors a conduzir suas atividads sm grar impacto amintal; - umprir os rquisitos lgais, visando mloria do dsmpno da mprsa. GRDES DE PISO INJETDS P.15 ESD ININD P.16 PROTEÇÃO DE NTIDERRPNTE P.16 ESDS MRINEIRO P.17 GURD-ORPOS P.19 EITOS PR OS P.23 EETROS P.27 EETRODUTOS E ONEXÕES P.31 PROJETOS ESPEIIS P.35 PRODUTOS ESPEIIS P.37

3 STRTUS UM MR DE FIR NOSSOS PROESSOS Pultrusão - consist na faricação d prfis contínuos com xclnt acaamnto suprficial pigmntação durant o procsso d produção. Possui tor d fira na ordm d 70% 30% d rsina, o qu confr ao matrial dsmpno mcânico suprior com lvada rsistência à ataqus químicos. Injção - O procsso d faricação d grads injtadas com mala quadriculada, consist na produção d pças a partir d molds com dimnsão padrão d 0x0, sguido da aplicação manual d camadas sucssivas d fios contínuos d fira d vidro postrior injção d rsina para a otnção da gomtria final dsjada. s drivaçõs para ltrodutos caixas d drivação (condults) são faricadas através da injção da massa d fira d vidro rsina m molds com dimnsõs pré dfinidas, ond é injtado a massa so alta prssão tmpraturas controladas. aminação and lay up" - consist na produção d pças a partir d molds com as gomtrias dimnsõs dsjadas, sguido da aplicação manual d camadas sucssivas d mantas fios contínuos d fira d vidro intrcaladas com o pinclamnto d rsina até a otnção da spssura final dsjada para o matrial. TIPOS DE RESINS dcisão corrta na scola do padrão d rsina é um dos fators críticos para dtrminação da longvidad qualidad dos matriais compósitos. STRTUS possui tcnologia d produção com um lqu amplo d rsinas, sndo a primira mprsa omologada na Ptroras para forncimnto m mais d um padrão d rsina para matriais pultrudados. Poliéstr / Isoftálica - Indicada para amints mnos agrssivos; aditivada com componnts para protção a raios UV, tm xclnts propridads d isolamnto térmico létrico, anti-cama (auto-xtinguívl), aixo pso, pigmntada na cor dsjada, xclnt rsistência ao intmprismo. Éstr-vinílica - lta rsistência a corrosão, principalmnt m amints mais agrssivos; aditivada com componnts para protção aos raios UV, xclnts propridads d isolamnto térmico létrico, anti-cama (auto-xtinguívl), aixo pso, pigmntada na cor dsjada, xclnt rsistência a produtos químicos m gral. Fnólica - indicada para rotas d fuga, amints confinados situaçõs d lvada tmpratura. Possui aixa missão d fumaça d gass tóxicos, além das caractrísticas d aixo pso, isolamnto térmico létrico, sndo omologada pla Norma Ptrorás NR (R). Procsso d Pultrusão Fira anira Pré- mold Puxador ort crílica - Indicada para amints agrssivos confinados, dvido a sua aixa missão d gass tóxicos fumaça. omologada pla Norma Ptrorás, sta rsina tm a vantagm d sr pigmntada durant o procsso d faricação, sm a ncssidad d pintura. Poliéstr / Isoftálica Éstr-vinílica Fnólica crílica ORES Firas anira Pré-mold Puxador Excto ao padrão d rsina fnólica, todos os matriais pultrudados injtados m fira rsina, são pigmntados durant o próprio procsso d produção, portanto não ncssitam d pintura suprficial. Podm sr produzidos com uma gama ampla d cors, tais como: cinza, amarlo, azul, vrd, vrmlo, laranja, tc. Para o padrão d rsina fnólica, a cor padrão dos matriais putrudados é o marrom natural, portanto, para otr outras tonalidads d cors, faz-s ncssário a pintura suprficial do matrial STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

4 STRTUS UM MR DE FIR R - Rcomndávl NR - Não rcomndávl RESISTÊNI ORROSÃO mint oncntração Tmpratura Químico (%) Máxima (º) Isoftálica Éstr-vinílica mint oncntração Tmpratura Químico (%) Máxima (º) Isoftálica Éstr-vinílica mint oncntração Tmpratura Químico (%) Máxima (º) ctato d ário Isoftálica Éstr-vinílica - 75 R R - 82 NR R ctato d Etila - - NR NR ctato Férrico - 75 R R saturado 82 NR R ctato d - 75 R R umo ctato d Sódio - 75 R R ctona - - NR NR Ácido cético R R NR R R R NR R Ácido nzno Sulfônico 25 R R 65 NR R Ácido nzóico - 60 R R Ácido órico - 45 R R Ácido ítrico - 75 R R Ácido lorídrico R R NR R R R NR R Ácido rômico NR R NR R 30 - NR NR Ácido Estárico - 75 R R Ácido Fluoórico R R Ácido Fosfórico R R R R 99 NR R Ácido Graxos - 75 R R Ácido ático - 75 R R Ácido Maléico 25 R R 99 NR R Ácido Nítrico 5 25 R R NR R NR R 40 - NR NR Ácido Oléico - 75 R R Ácido Prclórico NR NR NR R Ácido Sulfúrico 25 R R NR R NR R NR R 93 - NR NR Ácido Tartárico - 60 R R crilamida 27 NR R Água lorada - 25 R R - 93 NR R Álcool nzílico - - NR NR mint oncntração Tmpratura Químico (%) Máxima (º) Isoftálica Éstr-vinílica Álcool utílico - 49 NR R Álcool Etílico R R NR R nilina - NR NR nidrido cético - - NR NR nzno - NR NR nzoato d Sódio - 75 NR R 49 NR R icaronato d NR R mônio 52 R R issulfato d Sódio - 75 R R issulfito d Sódio - 75 R R romto d Sódio - 75 R R aronato d Potássio NR R aronato d Sódio NR R rvja - 49 NR R ianto d Potássio - 40 R R lorto d lumínio - 75 R R lorto d mônio - 75 R R lorto d álcio - 75 R R lorto d or - 75 R R lorto d Potássio - 75 R R lorto d Sódio - 75 R R loro - 25 R R Diutilftalato - 75 R R - 82 NR R Dicloronzno - - NR NR Dicromato d 75 R R Potássio Ditilno Glicol - 75 R R - 82 NR R Dióxido d arono - 75 R R - 82 NR R Dipropilno Glicol - 75 R R - 82 NR R Estirno - - NR NR Éstr Etílico - NR NR Etilno Glicol - 75 R R Fnol 10 - NR NR Frrocianto d - 75 R R Potássio Flúor (gás) - 27 NR R Fluorto d lúminio - 27 NR R Gasolina - 75 R R Glicrina - 75 R R idrazina - 75 R R - NR NR idróxido d 5 82 NR R mônio NR R NR R idróxido d ário - 55 NR R idróxido d álcio R R NR R idróxido d NR R Potássio NR R idróxido d Sódio NR R NR R NR R 99 NR R ipoclorito d álcio R R - 82 NR R ipoclorito d Sódio R R NR R Mtil Etil tona - NR NR Monóxido d arono - 75 R R Nafta 25 R R 82 NR R Naftalno 40 R R 99 NR R Nitrato d mônio 47 - NR R Nitrato d Potássio - 75 R R Nitrato d Sódio - 75 R R Nitronzno - - NR NR Ólo ru - 75 R R - NR R Ólo d inaça - 75 R R Ólo d Soja - 75 R R Ólo Disl - 75 R R - 82 NR R Ólo Minral - 75 R R Prmanganato d - 27 R R Potássio Próxido d idrogênio NR R Piridina - NR NR Propilnoglicol - 75 R R Qurosn - 75 R R 82 NR R Salmoura - 99 R R Sulfato d lumínio - 75 R R Sulfato d mônio - 25 R R Sulfato d ário - 25 R R Sulfato d rômio - 75 R R - 82 NR R Sulfato Frroso - 75 R R Sulfato d Potássio - 75 R R Sulfato d Sódio - 75 R R Sulfto d idrogênio 25 R R 5 82 NR R Sulfito d Sódio - 75 R R Ttraclorto d arono - 65 NR R Toluno 27 NR R Xilol 25 R R Nsta tala ncontram-s divrsos amints químicos xistnts m áras industriais d sanamnto com as rspctivas indicaçõs dos padrõs d rsinas poliéstr isoftálica éstr-vinílica. Para os padrõs d rsina fnólica acrílica, as caractrísticas d rsistência química são similars ao padrão d rsina poliéstr isoftálica STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

5 STRTUS UM MR DE FIR NORMS PIÁVEIS Norma STM D570 STM D 2565 ISO 5659 ISO ISO STM E-84 NP 6/7 U 94 NT NR ISO 9001:8 IP 65 lém da crtificação ISO 9001:8, a STRTUS é omologada tcnicamnt para atndimnto da Ptroras com o R, conform norma NR15708, inclusiv a Stratus participou com a Ptrorás do comitê técnico da NT, para dsnar stalcr a norma NR Possuímos tamém os crtificados d Typ pproval para litos d caos, guarda-corpos grads d piso plos órgãos crtificadors S, DNV V, garantindo qualidad suprior para atndimnto das condiçõs mais críticas d aplicação. Os matriais produzidos pla STRTUS sgum os padrõs d normas nacionais intrnacionais, qu confrm aos sus produtos o dsmpno a qualidad ncssários para as mais divrsas xigências d aplicaçõs. onform naturza da aplicação os prfis pultrudados STRTUS são crtificados dntro sguints normas: Dscrição sorção d água Intmprismo Fumaça - Toxicidad Quima Rsistência ao fogo Dnsidad Ótica d Fumaça ontúdo ocal Flamailidad Sistma d Gstão da Qualidad Eltrodutos/ onxõs rtificadora SENI INTERTEK INTERTEK INTERTEK INTERTEK INTERTEK DNV STM E Difusividad Térmica DTN DNV IS RE73 Typ pproval Grad d Piso DNV IS RE73 Typ pproval Grad d Piso S IS RE73 Typ pproval Grad d Piso V IS RE73 Typ pproval ito para ao DNV IS RE73 Typ pproval ito para ao V IS RE73 Typ pproval Guarda-corpos V IPT IPT PROPRIEDDE MÊNI DOS PUTRUDDOS Dvido ao alto tor d fira a ótima distriuição dstas firas nos prfis struturais, os prfis pultrudados possum rsistência mcânica suprior aos outros procssos convncionais d faricação d produtos m fira d vidro aixo, ncontram-s as principais propridads mcânicas dsts prfis: Propridads Unidads Orintaçõs Valors Rsistência máxima a flxão Kgf/cm 2 W 2,109 Rsistência máxima a flxão Kgf/cm 2 W 703 Módulo d lasticidad na flxão Kgf/cm 2 W Módulo d lasticidad na flxão Kgf/cm 2 W Rsistência máxima a tração Kgf/cm 2 W Rsistência máxima a tração Kgf/cm 2 W 492 Módulo d lasticidad na tração Kgf/cm 2 W Módulo d lasticidad na tração Kgf/cm 2 W Rsistência máxima a comprssão Kgf/cm 2 W Rsistência máxima a comprssão Kgf/cm 2 W Rsistência máxima ao cisalamnto Kgf/cm 2 W 316 W - Sntido ongitudinal das Firas W - Sntido Transvrsal das Firas STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

6 STRTUS UM MR DE FIR PERFIS Tuo Quadrado REF: TQS Tuo ilíndrico REF: TS Tuo Maciço REF: TMS Para instalaçõs industriais, a STRTUS tm prfis spcialmnt projtados tamém so ncomnda. São mprgados m scadas, guarda-corpos, grads d piso, litos para caos, ltrocalas, ntr outros. Prfis com alto dsmpno strutural, capazs d suportar as mais divrsas cargas, m amints altamnt corrosivos, unido a lvza rsistência do produto. 25,0 38,0 38,0 38,0,0,0,0 60,0 60, ,0 38,0 38,0 38,0,0,0,0 60,0 60, ,0 3,0 3,0 3,5 6,2 D 9,5 12,7 1 19,0 26,6 32,0 38,0 4 60, ,2 88,9 11 d 3,0 8,5 10,0 12,7 20,2 2 27,0 31,8 38,0 42,0 5 67,0 68,2 82,7 108,3 d D D 2,0 3,0 5,0 5,5 10,0 12,7 1 19,0 22,0 25,0 26,7 32,0 D Prfil "U" REF: PUS Prfil "" REF: PS Prfil "E" REF: PES a VIG I REF: VIS , ,0 2 9,5 9,5 VIG REF: VS ,0 102,0 1 9,0 102,0 102,0 2 9,0 SPT REF: SFS 1,0 65,0 10,0 58,8 102,0 102,0 102,0 1,0 152,0 203,0 25,0 30,0 30,0 35,0 40,0,0 5 6,2 5,0 9, , ,5 4,5 8,0 9,0 30,0 41,0 102,0 152,0 a 30,0 41,0 arra ata REF: S Placa Plana REF: PPS RR ÔMEG REF: OS RR W REF: WS antonira "Y" REF: PYS 58,0 25,0 102,0 25, , ,0 5, ,0,0 60 2,0,0 2, ,0 9,5,0 até 0,0 2,5 até 3,0 Outras so consulta STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

7 GRDES DE PISO PUTRUDDS TES DE RREGMENTOS Um dos produtos mais aplicados nas áras industriais staçõs d sanamnto é a grad montada a partir d prfis pultrudados. Ess matrial possui um lqu d aplicaçõs astant amplo para uso m canaltas, passarlas, patamars, ocas d poços, tc. Faricada plo procsso d pultrusão, as grads d piso STRTUS (GPS) são montadas por prfis I qu suportam divrsos nívis d carrgamnto. Elas são faricadas so mdida possum camada spcial antidrrapant protção contra dgradação provocadas plos raios UV. s grads montadas são compostas plos sguints prfis: - prfil putrudado m formato I ; - cavta para travamnto dos prfis; - camada antidrrapant aplicado com quartzo rsina Opçõs d Prfis lturas GPS 25 GPS 32 GPS 38 1" 1.1/4" 1.1/2" MODEO GPS 25 D: DISTÂNI ENTRE POIOS () ONFORME FIGUR D: DISTÂNI ENTRE POIOS () ONFORME FIGUR MODEO GPS RG PID (*) RG MÁXIM (*) DEFEXÕES () O 0,2 0,3 0,5 0,7 0,8 1,0 1,1 1,3 1,5 1,6 2 DI 0,1 0,2 0,3 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0, O 0,3 0,7 1,0 1,3 1,6 2,0 2,3 2,6 3,0 3,3 2 DI 0,2 0,4 0,5 0,7 0,9 1,1 1,3 1,5 1,6 1,8 55 O 0,6 1,2 1,8 2,4 2,9 3,5 4,1 4,7 5,3 5,9 2 DI 0,3 0,7 1,0 1,4 1,7 2,0 2,4 2,7 3,1 3,4 44 O 1,0 1,9 2,9 3,9 4,8 5,8 6,8 7,7 8,7 9,7 2 DI 0,6 1,2 1,8 2,4 2,9 3,5 4,1 4,7 5,3 5, O 1,5 3,0 4,5 7,4 8,9 10,4 11,9 13,4-19 DI 1,0 1,9 2,9 3,8 4,8 5,8 6,7 7,7 8,6 9,6 31 O 2,2 4,4 6,5 8,7 10,9 13,1 15,2 17, DI 1,5 3,0 4,5 7,5 8,9 10,4 11,9 13,4 14,9 27 O 3,1 6,1 9,2 12,2 15,3 18,3 21, DI 2,2 4,5 6,7 8,9 11,1 13,4 15,6 17,8 20,1 22,3 24 O 4,1 8,3 12,4 16,6 20,7 24, DI 3,2 6,4 9,7 12,9 16,1 19,3 22,5 25,8 29,0 32,2 2 O 5,5 11,0 16,4 21,9 27,4 32, DI 4,5 9,1 13,9 18,1 22,6 27,2 31,7 36,2 40,7 45,3 0 O 7,1 14,1 21,2 28,3 35, DI 6,2 12,4 18,6 24,8 31,0 37,2 43,4 49,7 55,9-18 O 13,6 27,3 40,9 54, DI 14,2 28,4 42,6 56,8 71,1 85, O 23,4 46,9 70, DI 28,4 56,8 85,2 113, O 32,1 64,1 96, DI 42,6 85,2 127, RG PID (*) DEFEXÕES () O 0,1 0,2 0,3 0,4 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 DI 0,1 0,1 0,2 0,2 0,3 0,3 0,4 0,4 0,5 0,5 O 0,2 0,4 0,5 0,7 0,9 1,1 1,2 1,4 1,6 1,8 DI 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0 O 0,3 0,6 0,9 1,2 1,6 1,9 2,2 2,5 2,8 3,1 DI 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,3 1,5 1,7 1,9 O 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,6 4,1 4,6 5,1 DI 0,3 0,7 1,0 1,3 1,6 2,0 2,3 2,6 2,9 3,3 O 0,8 1,6 2,3 3,1 3,9 4,7 5,4 6,2 7,0 7,8 DI 0,5 1,1 1,6 2,1 2,6 3,2 3,7 4,2 4,7 5,3 O 1,1 2,3 3,4 4,5 5,7 6,8 7,9 9,1 10,2 11,3 DI 0,8 1,6 2,4 3,2 4,1 4,9 5,7 6,5 7,3 8,1 O 1,6 3,2 4,8 6,3 7,9 9,5 11,1 12,7 14,3 15,9 DI 1,2 2,4 3,6 4,8 7,2 8,4 9,6 10,8 12,0 O 2,2 4,3 6,5 8,6 10,8 12,9 15,1 17,2 19,4 21,5 DI 1,7 3,5 5,2 6,9 8,6 10,4 12,1 13,8 15,5 17,3 O 2,8 5,7 8,5 11,3 14,2 17,0 19,9 22,7 25,5 28,4 DI 2,4 4,8 7,2 9,6 12,1 14,5 16,9 19,3 21,7 24,1 O 3,7 7,3 11,0 14,6 18,3 21,9 25,6 29,3 32,9 36,6 DI 3,3 6,6 9,9 13,2 16,5 19,7 23,0 26,3 29,6 32,9 O 7,0 14,1 21,1 28,2 35,2 42,3 49,3 56,4 63,4 - DI 7,5 14,9 22,4 29,9 37,3 44,8 52,2 59,7 67,2 74,6 O 12,1 24,2 36,3 60,4 72,5 84, DI 14,8 29,7 44,5 59,3 74,2 89,0 103,8 118,7 - - O 16,5 33,1 49,6 66,1 82,6 99, DI 22,2 44,4 66,5 88,7 110,9 133, RG MÁXIM (*) ESPEIFIÇÕES ÁSIS: Os modlos disponívis stão associados as alturas dos prfis I : 25, (*) POIO 38 RG ONENTRD (kgf / mtro linar) RG DISTRIUID (kgf / mtro linar) O DI D (DISTÂNI ENTRE POIOS arga oncntrada: kgf/ mtro linar arga Distriuída: kgf/ mtro quadrado *Dsno ilustrativo* Vão d apoio GPS M1 - - omprimnto omprimnto - Vão d poio Mala ltura Grad Pultrudada Stratus Malas GPS 25 M1 GPS 32 M1 38x1 GPS 38 M1 GPS 25 M2 GPS 32 M2 GPS 38 M2 32x1 D: DISTÂNI ENTRE POIOS () ONFORME FIGUR MODEO RG PID (*) GPS DEFEXÕES () O 0,1 0,1 0,2 0,2 0,3 0,3 0,4 0,5 0,5 0,6 DI 0,0 0,1 0,1 0,1 0,2 0,2 0,2 0,3 0,3 0,3 O 0,1 0,2 0,3 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1,0 1,2 DI 0,1 0,1 0,2 0,3 0,3 0,4 0,5 0,5 0,6 0,7 O 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4 1,6 1,9 2,1 DI 0,1 0,2 0,4 0,5 0,6 0,7 0,9 1,0 1,1 1,2 O 0,3 0,7 1,0 1,3 1,7 2,0 2,4 2,7 3,0 3,4 DI 0,2 0,4 0,6 0,8 1,1 1,3 1,5 1,7 1,9 2,1 O 0,5 1,0 1,6 2,1 2,6 3,1 3,6 4,1 4,7 5,2 DI 0,3 0,7 1,0 1,4 1,7 2,0 2,4 2,7 3,1 3,4 O 0,8 1,5 2,3 3,0 3,8 4,5 5,3 6,1 6,8 7,6 DI 0,5 1,1 1,6 2,1 2,6 3,2 3,7 4,2 4,8 5,3 O 1,1 2,1 3,2 4,2 5,3 6,4 7,4 8,5 9,5 10,6 DI 0,8 1,6 2,4 3,1 3,9 4,7 5,5 6,3 7,1 7,9 O 1,4 2,9 4,3 5,8 7,2 8,6 10,1 11,5 12,9 14,4 DI 1,1 2,3 3,4 4,5 5,7 6,8 7,9 9,1 10,2 11,3 O 1,9 3,8 5,7 7,6 9,5 11,4 13,3 15,2 17,1 19,0 DI 1,6 3,2 4,8 6,4 7,9 9,5 11,1 12,7 14,3 15,9 O 2,4 4,9 7,3 9,8 12,2 14,7 17,1 19,6 22,0 24,5 DI 2,2 4,3 6,5 8,7 10,9 13,0 15,2 17,4 19,6 21,7 O 4,7 9,5 14,2 18,9 23,6 28,4 33,1 37,8 42,5 47,3 DI 5,0 9,9 14,9 19,8 24,8 29,7 34,7 39,7 44,6 49,6 O 8,1 16,2 24,3 34,4 40,6 48,7 56,8 64,9 - - DI 9,9 19,8 29,7 39,5 49,4 59,3 69,2 79,1 89,0 - O 11,1 22,2 33,3 44,4 55,5 66,6 77, DI 14,8 29,6 44,4 59,2 7 88,8 103, RG MÁXIM (*) STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

8 GRDES DE PISO FENÓIS GRDES DE ONTENÇÃO s grads Fnólicas ofrcm altíssima sgurança para amints ond o fogo é um risco minnt. Sua lvada rsistência mcânica rsistência a altas tmpraturas (até 900º), além d suas caractrísticas anticorrosivas d lvza, faz com qu sja a única grad omologada pla Ptrorás conform normas, passando por rigorosos tsts, inclusiv no xtrior, aprovada por orgãos rconcidos intrnacionalmnt m tsts químicos, mcânicos d rsistência. lém da oa caractrística d rsistência mcânica, as grads fnólicas tamém tm caractrísticas auto-xtinguívis, aixa missão d gass tóxicos d fumaça, sndo um prfito produto para utilização m amints confinados rotas d fuga. Sndo part vital do sistma d captação d água, as grads d contnção m fira d vidro STRTUS coltam dtritos nocivos prsnts na água impdm qu atinjam prjudiqum sus quipamntos. Faricadas com fira d vidro rsina, st matrial nunca são aftados pla corrosão, nossas grads d contnção são rforçadas foram projtadas para proporcionar anos d srviço sm manutnção. lturas () s grads d piso STRTUS, são aprovadas conform a Norma da Ptroras (R), a NT NR lturas GRT GRMPO PR FIXÇÃO DS GRDES omprimnto omprimnto ltura () Grad d ontnção fixação das grads são fitas, através d grampos spcíficos m aço inox ISI304 ou suprior. través do dsno aaixo é possívl visualizar o conjunto montado do grampo d fixação tipo 1. Est padrão d grampo é indicado para fixação d grads pultrudadas ou injtadas, para srm apoiadas sor vigas ou cantoniras. través do dsno aaixo é possívl visualizar o conjunto montado do grampo d fixação tipo 2. Est padrão d grampo é indicado ond a fixação dva sr ralizada por ntr os vãos das grads pultrudadas, principalmnt para grads com suprfícis fcadas. GRDES PUTRUDDS OU INJETDS OM TMP lça d Inox Fco para cadado m fira d vidro Grad Pultrudada com tampa Grads d piso fcadas, são grads qu possum as msmas caractrísticas vantagns das grads d piso artas, porém com a vantagm adicional d fcamnto ou vdação d forma a diminuir considravlmnt a xalação d odors, m locais como staçõs lvatórias, tratamnto d sgoto ruto, tc. Grampo Tipo 1 apa "W" Grampo Tipo 2 apa Rta Forncida com quadro d cantoniras pultrudadas m fira d vidro, alça rtrátil, doradiças fco para cadado (opcionais). apa "" com Porca Sxt. 1/4" apa "" com Porca Sxt. 1/4" Rquadro m fira d vidro Modlo d doradiça m fira d vidro s grads com suprfíci fcada possum o msmo critério d dimnsionamnto qu as grads montadas ou injtadas com suprfíci. Paraf. Sxt. 1/4" Paraf. Sxt. 1/4" Os códigos STRTUS d rfrência nas spcificaçõs das grads, são GFS25, GFS32 GFS38 (Grads Pultrudadas) ou GIS25 GIS38 (Grad Injtada) STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

9 GRDES DE PISO INJETDS ESD ININD Malas Faricadas plo procsso d injção são lvs d fácil cort, ond prmit rápida ficint montagm no local da instalação. mala quadrada pod sr colocada m qualqur posição pod-s s apoiar m qualqur sntido. ltura Os modlos disponívis: lturas Malas 38x38 38x38 s scadas inclinadas STRTUS podm sr faricadas m divrsas cors. Sus dgraus possum suprfíci antirrapant, propor-cionando maior sgurança. Opcionalmnt os dgraus podm sr forncidos sparados para montagm m struturas já xistnts. omprimnto GIS - 25x38x omprimnto ltura () x malas Grad Injtada D: DISTÂNI ENTRE POIOS () ONFORME FIGUR D: DISTÂNI ENTRE POIOS () ONFORME FIGUR MODEO GIS MODEO GIS 38 RG PID (*) DEFEXÕES () O 1,02 3,07 5,12 7,17 9,21 DI 0,26 0,77 1,28 1,79 2,31 O 1,99 5,98 9,97 13,96 17,95 DI 0,62 1,87 3,12 4,36 5,61 O 3,46 10,37 17,28 24,19 - DI 1,31 3,89 6,48 9,07 11,66 O 5,47 16, DI 2,39 7,18 11,97 16,76 21,55 O 8,19 24, DI 9 12,29 20, O 11, DI 6,54 19, O 15, DI 10, RG PID (*) TES DE RREGMENTO RG MÁXIM (*) RG MÁXIM (*) ½ Vão 0 0 arga oncntrada arga Distriuída Vão (distância ntr os apoios) Vão (distância ntr os apoios) PROTEÇÃO DE NTIDERRPNTE Vão Dgrau arga Máxima té a 0 cima d 0 DGS 25 (lt. 1, Mala 6 x1.1/4 ) m DGS 38 (lt. 1.1/2, Mala 6 x1.1/4 ) m DEFEXÕES () O 0,31 0,91 1,52 2,12 2, protção antidrrapant é utilizada para mlorar 400 DI 0,08 0,23 0,38 0,53 0,68 7 a sgurança do local. Pod sr fita m qualqur tipo O 0,59 1,77 2,96 4,14 5,35 5 Parafusos 0 d piso xistnt, sja m fira d vidro, aço, alumínio, DI 0,18 0,55 0,92 1,29 1,66 58 O 1,02 3,07 5,12 7,17 9, concrto. aplicação é rápida fácil. instalação é 600 DI 0,38 1,15 1,92 2,69 3, fita através d grampos, cola parafusos. O 1,62 4,87 8,11 11,35 14, DI 0,71 2,13 3,55 4,97 6,38 4 O 2,43 7,28 12,14 16,99 21,84 3 Protção para dgrau - scada inclinada. 800 DI 1,21 3,64 7 8,49 10, Dvrá sr informado a altura da grad do dgrau O 3,45 10,34 17, DI 1,94 5,82 9,69 13,57 17,45 3 O arga oncntrada: kgf/ mtro linar suas dimnsõs:,. O 4,74 14, (*) 20 0 DI arga Distriuída: kgf/ mtro quadrado DI 2,96 8,89 14,81 20, STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro onsultar Kgf Kgf Parafusos

10 ESDS MRINEIRO Escada Mariniro com saída piscina Guarda-corpo REF: EMS-1 Escada Mariniro com Guarda-corpo sm saída piscina s Escadas Mariniro STRTUS podm sr produzidas d acordo com a ncssidad do clint, adquando-s a su projto. Suportam lvadas cargas nos dgraus dispnsam manutnção. Têm as tradicionais caractrísticas dos produtos m fira d vidro: lvza, isolação létrica rsistnt a corrosão. Sus dgraus são antidrrapants sua strutura faricada com matriais spcialmnt formulados para rsistir à dgradação provocada plos raios UV. omprimnto da Saída Piscina Final ivr (F) Final ivr (F) s scadas são compostas d: - ongarinas / colunas latrais: Tuo quadrado,8 x,8 ; - Dgraus: Prfil Tuo ilíndrico 32 x 3,0 ; - Gaiola d protção da scada: arra cata pultrudada, conformada com diâmtro 700 arras catas pultrudadas na posição vrtical, dimnsão,0 x ; - Sapatas: as quadrada d 1,0 x altura 65,0 x spssura 10,0. EMS-1 - T - - F - E Extrna Final ivr ltura ivr ltura Total Escada Mariniro com saída piscina Guarda-corpo OPION: Informar s avrá fixação no solo nas pards. ltura Total (T) ltura ivr () Extrma (E) ltura Total (T) ltura ivr () Extrma (E) xtrna (E) 4 ou a consultar Escada Rta com saída piscina REF: ERS-01 Escada Rta REF: ERS-02 omprimnto da Saída Piscina ltura Total (T) ltura Total (T) Final ivr (F) Extrma (E) xtrna (E) 4 ou a consultar Extrma (E) xtrna (E) 4 ou a consultar STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

11 GURD-ORPOS FORMS DE FORNEIMENTO O guarda-corpo STRTUS, pod sr faricado d acordo com o projto rquisitos d montagm do clint, facilitando o traalo m campo. El é utilizado m grands áras industriais como plataforma d ptrólo, papl clulos, tratamnto d água sgoto, indústrias químicas m gral todos os amints corrosivos. PERFIS UTIIZDOS PR MONTGEM DE GURD-ORPOS partir dos prfis pultrudados é possívl montar uma ampla gama d configuraçõs d guarda corpos, podndo variar m função da gomtria d prfis a srm utilizados, quantidad d travssas xistnts nos guarda corpos, altura, spaçamnto ntr montants, forma d fixação, tc. Módulos Pré-montados d Fárica Prfis Soltos Forncido so a forma d módulos pré-montados d fárica para srm instalados m campo, conform foto ao lado: Vantagns - Rapidz d montagm m campo: os módulos srão forncidos pré-montados d fárica, a vlocidad d instalação d campo é mnor, porém o prazo d forncimnto d fárica é maior m função do tmpo d pré-montagm intrno. Prfil U 58,9x25 Tuo Quadrado,8 arra W 102x25 arra Omga 58x25 Tuo ilíndrico Prfil Sapata 1x65 O forncimnto pod sr ralizado so a forma d prfis soltos para srm montados instalados m campo, conform foto aaixo: Vantagns - Maior prcisão: srá montado no local sguindo as dimnsõs d campo não d projto; - Maior rsistência: o fato do guarda-corpo sr montado d forma contínua, a rsistência final é maior qu o sistma modular, já qu não á dscontinuidad nos trcos d guarda-corpos principalmnt nas uniõs d canto. - Maior sgurança: o passamão do guarda-corpo é montado d forma contínua, portanto não á vãos ntr módulos o qu pod ocasionar vntual nroscamnto d olsas ou lusas m momnto d fuga do local. - Mais arato: o padrão contínuo montado na ora torna-s mais arato qu o padrão modular, por gastar praticamnt mtad d matriais, tanto m trmo d montants, sapatas acssórios d fixação m inox. lém dsta caractrística não á custo d pré-montagm d fárica o frt passa a sr mais rduzido dvido à acomodação do matrial no caminão ocupar volum mnor. Mais rápido para forncimnto: o forncimnto é aclrado por não avr pré-montagm d fárica STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

12 OMPRÇÃO NORMTIV DE GURD-ORPOS Modlo d Guarda-corpo Normas Finalidad d plicação ltura d Montant Quantidad d arras Intrmdiárias ltura d Rodapé Tipo d Passamão arga xigida m tst Modlo d Guarda-corpo Normas Finalidad d plicação ltura d Montant Quantidad d arras Intrmdiárias ltura d Rodapé Tipo d Passamão arga xigida m tst NTS (Norma Sasp) Estaçõs d tratamnto d água sgoto. 1 1 arras no cntro do vão intrmdiário, d modo a dividi-lo m duas parts iguais Não xig rodapé norma não dfin o tipo d prfil, pod-s utilizar tuo cilíndrico ou prfil "U" arga no cntro do passamão d 1670 N/m, impacto d 700 J no cntro das arras intrmdiáras 1 IT-11 Saídas d mrgência 10 5 para mantr vão máximo d 1 ntr arras Não xig rodapé Tuo ilíndrico N/m no passamão 1,2 Kpa distriuido m todas as arras. O passamão dv suportar cargas d até 900N. 7 MT NR-18 Oras d construção civil 1 1 arra a 700 do solo vão rstant prncido com tla d mala fcada, a fim d vitar a projção d frramntas particulados norma não dfin o tipo d prfil, pod-s utilizar tuo cilíndrico ou prfil "U" norma solicita qu a rsistência mcânica dv sr compatívl com os sforços rquridos. MT NR-12 Máquinas quipamntos d todos os tipos. 0 a 1 1 arra a 700 do solo Tuo ilíndrico 48 norma solicita qu a rsistência mcânica dv sr compatívl com os sforços rquridos. 8 OMO ESPEIFIR:EXEMPO 2 3 DT-S-602 (Norma Val) Plataformas d acsso 1 3 arras spaçadas 1 ntr sí, sndo a última a 700 d altura. Tuo ilíndrico 48 norma só dfin dtals construtivos. Guarda-corpo m Plástico Rforçado por Fira d Vidro (PRFV) rsina trmofixa Poliéstr Isoftálica, montados a partir d prfis pultrudados com tor mínimo d fira d 65% 35% d rsina. ltura 1 com spaçamnto ntr montants no máximo omposto d passamão m prfil "U", Prfil U 58,9 x 25 x, arra intrmdiária: arra ômga 58,0 x 25,0, Rodapé: arra "W" 102,0 x 25,0 Sapata: as quadrada 1x1x65 com 4 furos nos cantos. or amarlo-sgurança padrão Munsll 5Y8/12 com protção a raios UV. Fixaçõs através d parafusos cumadors m aço inox ISI 304 ou suprior. 4 NT NR NT NR Instalaçõs industriais trrstrs ou marítimas Saídas d mrgência m difícios 1 10 Uma arra dividindo o vão intrno ao mio. 5 para mantr vão máximo d 1 ntr arras Não xig rodapé Tuo quadrado 2" Tuo ilíndrico 48 arga d 900n no topo do montant, no cntro do passamão transvrsalmnt ao montant passamão. ruptura não dv ocorrr ants d 22N 730 N/m no passamão 1,2 Kpa distriuido m todas as arras. O passamão dv suportar cargas d até 900N. Tipos d Fixaçõs TUO QUDRDO VÃO SUGERIDO = 1 RR DE PROTEÇÃO ÔMEG RR DE PROTEÇÃO W PSSMÃO TUR SUGERID = 1 5 NT NR Guarda-corpo para dificaçõs d uso comrcial rsidncial 1 proximadamnt 7 por mtro, d modo a não prmitir vãos maiors qu 110, as arras dvm sr vrticais para não prmitir a scalada. Não xig rodapé Tuo ilíndrico 48 arga no cntro do passamão d 1670 N/m, impacto d 700 J no cntro das arras intrmdiárias. Possiilidads d finalizaçõs Fixação fita com prfil sapata ou dirta com parafusos STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

13 EITOS PR OS DERIVÇÕES PR EITOS Disponívis nos modlos lv psado, os litos para caos STRTUS aprsntam caractrísticas próprias dos matriais compostos como: aixo pso, rsistência à corrosão, auto-xtinguívl não rqurm manutnção além d qu são rcomndados para sustntar distriuir caos com caractrísticas dimnsionais projtadas para divrsas cargas vãos. ito para aos Stratus REF: / P Tampa para ito para aos s () /P R300 - T - T Tampa om Tampa Raio *urva orizontal 90º ito para ao v ou Psado Raio Padrão* 300 *onsult* Raio fora do padrão Exmplo: Exampl: -TO90--R300 sm tampa -TO90--R300-T com tampa -TO90-R300-T apnas a tampa omprimnto omprimnto omprimnto d () lturas (P) urva orizontal 45º *REF: 45 Tampa urva orizontal 45º urva orizontal 90º Tampa urva orizontal 90º *REF: (4") 152 (6") otovlo Rto *REF: TO90 Tampa otovlo Rto Tê orizontal 90º *REF: T90 Tampa Tê orizontal 90º v Psado Padrão EVE () - ongarinas latrais: Prfil m formato E com altura d 102 (4 ), com aas d 30 pards com spssura d 4. Outras opçõs d spssura, so consulta; Padrão PESDO (P) - ongarinas latrais: Prfil m formato E com altura d 152 (6 ), com aas d 30 ou 41 pards com spssura d 6,35. Outras opçõs d spssura, so consulta; ruzta *REF: 90 Tampa ruzta urva d Invrsão *REF: I90 Tampa urva d Invrsão - Dgraus/travssas: Tuo quadrado d 25x25 spaçados a cada 300; - Dgraus/travssas: Tuo quadrado d 38x38 spaçados a cada 300; - Tampas: placa pultrudada ou laminada, podndo sr plana ou com duas águas. - Tampas: placa pultrudada ou laminada, podndo sr plana ou com duas águas. omprimnto padrão 3000 / /P - 3M/6M - - T - T Tampa om tampa omprimnto ito para ao v () ou ito para ao Psado (P) urva Vrtical Extrna 45º *REF: VE45 Tampa urva Vrtical Extrna 45º urva Vrtical Extrna 90º *REF: VE90 Tampa urva Vrtical Extrna 90º STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

14 urva Vrtical Intrna 45º *REF: VI45 Tampa urva Vrtical Intrna 45º urva Vrtical Intrna 90º *REF: VI90 Tampa urva Vrtical Intrna 90º Junção Rta orizontal REF: -TJR / P-TJR Junção Vrtical 45º REF: -TJV45 / P-TJV45 Junção Vrtical 90º REF: -TJV90/ P-TJV90 MED P MED P 1 MED P Tê Vrtical Dscida *REF: TVD Tampa Tê Vrtical Dscida Tê Vrtical Suida *REF: TVS Tampa Tê Vrtical Suida Junção Rta Vrtical REF: -TJRV / P-TJRV Junção orizontal 45º REF: -TJ45 / P-TJ45 Junção orizontal 90º REF: -TJ90 / P-TJ90 Rdução à Esqurda *REF: RE Rdução oncêntrica *REF: R Tampa Rdução à Esqurda Tampa Rdução oncêntrica Rdução à Dirita *REF: RD urva Vrtical rticulada *REF: V Tampa Rdução à Dirita Tampa urva Vrtical rticulada Junção Vrtical rticulada REF: -TJV/ P-TJV MED P MED P MED P 1 Junção orizontal rticulada REF: -TJ / P-TJ MED P MED P 1 1 Trminal d Fcamnto REF: -TF/ P-TF s d a 0 FIXDOR PR TMP EM FIR DE VIDRO Spto Divisor REF: -SPT/ P-SPT () ltura até 95 () a d 30 ()omprimnto d Saída orizontal REF: -S /4" 1/2" 1" 1.1/2" 2" 1 2.1/2" 1 3" 1 4" Saída Vrtical REF: -SV D=30 8 D /4" 1/2" 1" 1.1/2" 2" 1 2.1/2" 1 3" 1 4" s /P - FTS1 - Modlos disponívis para litos lvs psados: FTS1, FTS2 FTS3. Fixador d Tampa ito para ao v ou Psado Gotjador REF: -GT s d a 0 Grapa REF: -GRP MED Suport Pndural REF: -SP Dimnsõs onform Projto ESSÓRIOS PR EITOS PR OS Suport Engastado REF: -SE Mão Francsa REF: -SMF Suport Pdstal REF: -PDT /P - TJR - x160 Mdidas Junção Rta ito para ao v ou Psado *onsult* s fora do padrão Dimnsõs onform Projto Dimnsõs onform Projto Dimnsõs onform Projto STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

15 EETROS DERIVÇÕES PR EETROS s Eltrocalas STRTUS são projtadas faricadas com matriais plásticos rforçados com fira d vidro. Possum caractrísticas próprias dos matriais compostos como: aixo pso, rsistência à corrosão, autoxtinguívl, não conduz ltricidad não rqurm manutnção. São d fácil instalação, prmitindo corts furaçõs durant a instalação. Trcos rtos d a divrsos tipos d curvas conxõs stão disponívis para os mais divrsos projtos d caamnto létrico ltro-ltrônico. x ltura () 300 Raio 300 ES X - R300 - T - P - T Tampa Prfurado om Tampa Raio X ltura *urva orizontal 90º Eltrocala Stratus Exmplo: Exampl: ES-TO90-X-R sm tampa ES-TO90-X-R-T com tampa ES-TO90--R-T apnas a tampa x ltura () ES - 1M / 3M / 6M - X - T - P - T 300 Tampa Prfurado om Tampa X ltura omprimnto Eltrocala Stratus ES-TO90-X-R-P sm tampa prfurado ES-TO90-X-R-T-P com tampa prfurado Exmplo: ES-3M-X sm tampa ES-3M-X-T com tampa ES-3M-X-P sm tampa prfurado ES-3M-X-T-P com tampa prfurado ES-3M--T apnas a tampa urva orizontal 45º *REF: 45 Tampa urva orizontal 45º urva orizontal 90º Tampa urva orizontal 90º *REF: 90 s tampas são ncaixadas nos trcos rtos curvas. Não prcisam sr parafusadas ou coladas. omprimnto otovlo Rto *REF: TO90 Tampa otovlo Rto urva d Invrsão *REF: I90 Tampa urva d Invrsão omprimnto d ES-3M-X-P sm tampa prfurado () ltura ES-3M-X-T-P com tampa prfurado urva Vrtical Extrna 45º *REF: VE45 Tampa urva Vrtical Extrna 45º urva Vrtical Extrna 90º *REF: VE90 Tampa urva Vrtical Extrna 90º STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

16 urva Vrtical Intrna 45º *REF: VI45 Tampa urva Vrtical Intrna 45º urva Vrtical Intrna 90º *REF: VI90 Tampa urva Vrtical Intrna 90º ESSÓRIOS PR EETROS Tê orizontal 90º *REF: T90 Tampa Tê orizontal 90º ruzta *REF: ZT Tampa ruzta ES - TJR - 42x Exmplo: ES-TJR-42X x ltura Junção Rta Eltrocala Stratus *onsult* fora do padrão Junção Vrtical 45º REF: ES-TJV Junção orizontal 45º REF: ES-TJ Junção Rta REF: ES-TJR Junção Vrtical 90º REF: ES-TJV90 Junção orizontal 90º REF: ES-TJ90 Tê Vrtical Dscida *REF: TVD Tampa Tê Vrtical Dscida Tê Vrtical Suida *REF: TVS Tampa Tê Vrtical Suida Junção à Dirita *REF: JD45 / JD90 Tampa Junção à Dirita Junção à Esqurda *REF: JE45 / JE90 Tampa Junção à Esqurda Junção Vrtical rticulada REF: ES-TJV , c Junção orizontal rticulada REF: ES-TJ Saída Vrtical REF: ES-SV D=30 8 D /4" 1/2" 1" 1.1/2" 2" 1 2.1/2" 1 3" 1 4" Rdução à Dirita *REF: RD Dsvio a Dirita *REF: DD Tampa Rdução à Dirita Tampa Dsvio a Dirita Rdução à Esqurda *REF: RE Dsvio a Esqurda *REF: DE Tampa Rdução à Esqurda Tampa Dsvio a Esqurda Saída orizontal REF: ES-S Gotjador REF: ES-GT-1 3/4" 1/2" 1" 1.1/2" 2" 1 2.1/2" 1 3" 1 4" Trminal d Fcamnto REF: ES-TF s d a 400 Flang d caamnto REF: ES-F Junção Rta REF: ES-TJR Suport Pndural REF: ES-SP Dimnsõs onform Projto Rdução oncêntrica *REF: R Tampa Rdução oncêntrica Suport Engastado REF: ES-SE Mão Francsa REF: ES-SMF Suport Pdstal REF: ES-PDT Dimnsõs onform Projto Dimnsõs onform Projto Dimnsõs onform Projto STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

17 EETRODUTOS E ONEXÕES Os ltrodutos conxõs STRTUS faricados m fira d vidro, aprsntam as sguints caractrísticas: aixo pso, rsistência à corrosão, auto-xtinguívl possum lvadas caractrísticas dilétricas mcânicas. s caixas d ligação drivação (condults) com ou sm rosca tampa d ncaix so mdida, proporciona conomia agilidad na ora da instalação. Os condults acssórios STRTUS são faricados, através do procsso d injção d massa spcial (M) são montados com sistma d vdação por orraca com a utilização d parafusos m aço inox para fixação das tampas. Est procsso garant lvada rsistência mcânica dos condults, além d assgurar rsistência a raios ultra violta (UV), ataqus químicos um nívl d protção, grau IP65. EDS- EDS- EDS-T São forncidos com todos os acssórios ncssários para a instalação, podndo sr montados com o uso d cola (forncido sparadamnt pla STRTUS), ou msmo, através d rosca NPT. s mdidas padrõs d forncimntos d condults, são ntr ¾ 2, porém para forncimnto d dimnsõs spciais até 4 ou supriors, podm sr produzidas so consulta. itola (Polgada) 3/4 1 1.½ DN () 26, Massa (g) ONDUETES Di () 19 26,5 40 E () () () () ODIFIÇÃO: 60, EDS- EETRODUTOS EDS-T EDS- EDS- s pças d ltrodutos são forncidos m arras d 3000 ou 6000 (comprimntos spciais podm sr faricados, so consulta) com as pontas lisas para sistma d ncaix, através d adsivo strutural póxi. Para forncimnto d ltrodutos com rosca nas pontas, faz-s ncssário a utilização d adaptadors cola-rosca nas pontas dos ltrodutos, conform figura aaixo: EDS-E EDS-X EDS-R Qualqur procsso d faricação d ltrodutos por pultrusão, sja d mprsas rasiliras ou do xtrior, consist na faricação d prfis com firas d vidro longitudinais (roving) transvrsais (mantas d fira) + rsina. Plo fato do matrial sr composto d fira rsina, não s torna possívl a confcção d rosca dirtamnt na ponta dos ltrodutos, pois avria uma scção das firas longitudinais transvrsais, ocasionando a fragilização dsstruturação da ponta do ltroduto. daptador cola/rosca Por conta dst aspcto, inrnt aos matriais compostos, é ncssária a utilização d adaptadors cola/rosca na ponta dsts ltrodutos. EDS - - 3/4 EDS - 3M - 3/4 itola (Polgada) 3/4 EETRODUTOS Diâmntro Intrno () 20,27 Diâmtro Extrno () 26,67 itola 3/4 Modlo ondult Stratus itola (polgada) omprimnto Eltrodutos 1 1.½ 2 27,0 41,86 53, ,33 daptador cola/rosca STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

18 ESSÓRIOS EETRODUTOS UV itola (Polgada) ota () ota () Massa (g) ódigo do Produto URV 45º 3/4 1 26, , EDS-UV-3/4 EDS-UV-1 itola ota ota (Polgada) () () Massa (g) ódigo do Produto 1.½ 2 60, EDS-UV-1.1/2 EDS-UV-2 3/4 26, EDS-45-3/ EDS ½ EDS /2 2 60,3 360 EDS-45-2 UVS OM REDUÇÃO itola (Polgada) ota () ota () ota Massa () (g) ódigo Produto URV 90º 1 x 3/4 1.½ x 1 26, , EDS-RED-1x3/4 EDS-RED-1.1/2x1 itola (Polgada) ota () ota () ota () ota D () Massa (G) ódigo do Produto 1.½ x 3/4 2 x 1.½ 60,3 26, EDS-RED-1.1/2x3/4 EDS-RED-2x1.1/2 3/4 26, EDS-90-3/4 2 x 1 60,3 26,5 195 EDS-RED-2x EDS x 3/4 60,3 26, EDS-RED-2x3/4 1.½ EDS /2 2 60, EDS-90-2 UV DE EXPNSÃO itola (Polgada) ota () Massa (g) ódigo Produto TMPÃO 3/4 1 26, EDS-E-3/4 EDS-E-1 itola (Polgada) 3/4 ota () 26,67 Massa (g) 27 ódigo do Produto EDS-TP-3/4 1.½ 2 60, EDS-E-1.1/2 EDS-E EDS-TP-1 1.½ 53 EDS-TP-1.1/2 2 60,3 70 EDS-TP-2 U DE MENTO itola (Polgada) ota () ota () Massa (g) ódigo Produto DPTDOR O-ROS 3/4 1 26, EDS--3/4 EDS--1 itola (Polgada) 3/4 ota () 26,67 Massa (g) 31 Rosca (NPT) 3/4 ódigo do Produto EDS-R-3/4 1.½ 2 60, EDS--1.1/2 EDS EDS-R-1 1.½ 54 1.½ EDS-R-1.1/2 2 60, EDS-R-2 EDS /4 cor padrão para o ltroduto, condults acssórios é o cinza Munsll N6,5, porém pod sr forncido m vrmlo. itola urva 45º Eltroduto Stratus STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

19 PROJETOS ESPEIIS PTFORMS PTMRES E MEZNINOS STRTUS projta, dsnvolv produz montagns struturais divrsas, smpr asadas no mprgo d produtos d alto dsmpno strutural, m fira d vidro ou carono. PSSRES GS02-06 GS02-05 GS02-05 ESTRUTURS TREIÇDS GS02-05 GS02-05 GS02-04 Torr d Escadas STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

20 PRODUTOS ESPEIIS ONSTRUÇÃO IVI VERGÃO EM FIR DE VIDRO ESTRUTUR PR SUSTENTÇÃO DE TEDOS SNEMENTO S OETORS DE ESUM TEEOMUNIÇÕES SISTEMS PR ROOF TOPS E ER S SEGMENTO EÉTRIO ORTINS DEFETORS DE GÁS PR US SISTEM NTI-VÓRTEX PINÉIS EÉTRIOS ESPEIIS STRTUS - Soluçõs m Fira d Vidro

CATÁLOGO DE PRODUTOS STRATUS SOLUÇÕES EM FIBRA DE VIDRO ISO9001:2008 ISO. CRCC Petrobrás

CATÁLOGO DE PRODUTOS STRATUS SOLUÇÕES EM FIBRA DE VIDRO ISO9001:2008 ISO. CRCC Petrobrás STRTUS UM MR DE FIR UM MR DE FIR STRTUS ompostos Estruturais tda Matriz: Rua Januária, 581 ácaras Runidas EP: 12238-0 / São José dos ampos SP Filial: Rua storga, 70 ácaras Runidas EP: 12238-400 / São José

Leia mais

capa STRATUS WWW.STRATUSFRP.COM ISO CRCC Petrobrás

capa STRATUS WWW.STRATUSFRP.COM ISO CRCC Petrobrás STRATUS MPOSTOS ESTRUTURAIS LTDA Rua Januária, 581 - Cácaras Runidas 12238- São José dos Campos - SP Tl: +55 12 2139-6550 Fax: +55 12 3934-5968 ISO 1:2008 ISO Emprsa Crtificada Nº 71264-2010 -AQ-BRA-INMETRO

Leia mais

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO

PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO PRODUTOS GERDAU PARA PAREDES DE CONCRETO SISTEMA CONSTRUTIVO PAREDES DE CONCRETO NBR60 PAREDES DE CONCRETO Sistma construtivo m qu as lajs as pards são moldadas m conjunto, formando um lmnto monolítico.

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33 Balanço Social Em 31 d dzmbro d 2015 2014 1 - Bas d Cálculo 2015 Valor (Mil rais) 2014 Valor (Mil rais) Rcita líquida (RL) 190.202 292.969 Rsultado opracional (RO) 111.720 (16.955) Rsultado Financiro (29.648)

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS INFRAESTRUTURA SANEAMENTO ÁGUA E ESGOTO TELEFONIA GÁS

CATÁLOGO TÉCNICO E DE PRODUTOS INFRAESTRUTURA SANEAMENTO ÁGUA E ESGOTO TELEFONIA GÁS TÁLOGO TÉNIO E PROUTOS INFRESTRUTUR SNEMENTO ÁGU E ESGOTO TELEFONI GÁS 1 mprsa qu mais crscu nos últimos 22 anos no stor. Um dos lídrs na fabricação d tubos conxõs do país. 2 Qum somos 3 Produtos Qualificados

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE

POLÍTICA DA QUALIDADE TUBOS E CONEXÕES PD N BR 1 5561 POLI ERG POL GP10 0BK PEA IERG D NB PE 1 00 D R 15 PEA 561 D NB R 15 E 45 0 PN GP10 561 0BK GP1 10 Á GUA PE 1 00B 00 D K PE E 45 100 0 PN DE 4 10 E 50 P SGOT O N 10 ÁGU

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

F o l e s S a n f o n a d o s

F o l e s S a n f o n a d o s Fols Sanfonados Protção individualmnt sob mdida sanfonada por sanfonada A protção prfita para o homm para a máquina. A Hnnig projta produz fols sanfonados para máquinasfrramnta há mais d 50 anos. Hoj a

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS 1 Introdução ao tma Exist todo o intrss na abordagm dst tma, pois prmit a rsolução d um conjunto d situaçõs qu s aprsntam rgularmnt na vida das organizaçõs. Estas qustõs

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015

PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015 PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015 13 d Maio 2015 Horário Atividad Local Participants Orintaçõs aos Alunos Abrtura do Evnto Srvidors do Câmpus alunos do Comparcr à crimônia d abrtura

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba

Catálogo M2404. PowerTrap. Série GP Série GT. Bomba Mecânica e Purgador Bomba Catálogo M404 PowrTrap Mcânica Séri GP Séri GT Rcupração ficaz do Mlhora a ficiência da planta Aumnto da produtividad qualidad dos produtos são, alguns dos bnfícios da drnagm rcupração do, além d rduzir

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO.

Introdução. uniformização de cargas. uniformização de cargas. uniformização de cargas ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO. ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO - Estrutura - Engnhiro Civil - Ph.D. (85)3244-3939 (85)9982-4969 luisalbrto1@trra.com.br Introdução projto xcução basados m normas técnicas, psquisa prática

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS

CAPÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS APÍTULO 06 ESTUDOS DE FILAS EM INTERSEÇÕES NÃO SEMAFORIZADAS As filas m intrsçõs não smaforizadas ocorrm dvido aos movimntos não prioritários. O tmpo ncssário para ralização da manobra dpnd d inúmros fators,

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas Planificação d Ciências Naturais 9.ºAno Altraçõs climáticas Inês Hnriqus Sandra Mnds Tma: Biosfra Aula n.º: 1 Duração: 90 minutos Introdução à unid Altraçõs climáticas. Biosfra, concito importância. Dgração

Leia mais

EMPRESA ESTRUTURA. Com diversificado, a Tubonasa possui uma sólida infraestrutura seguindo padrões internacionais de armazenagem e manuseio.

EMPRESA ESTRUTURA. Com diversificado, a Tubonasa possui uma sólida infraestrutura seguindo padrões internacionais de armazenagem e manuseio. EMPRES Tubonasa ços é uma organização prsnt há mais d anos no mrcado, é pionira m su sgmnto d distribuição d tubos m aço carbono, quadrados, rtangulars rdondos; m suas mais divrsas normas, para as mais

Leia mais

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA

PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA PERFIL DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR MATEMÁTICA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS Sistma d Numração - Litura scrita sistma d numração indo-arábico

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE ATIVIDADES REPETITIVAS NA EXECUÇÃO DE OBRAS COM MODELO REDUZIDO UTILIZANDO A TÉCNICA DA LINHA DE BALANÇO 1

PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE ATIVIDADES REPETITIVAS NA EXECUÇÃO DE OBRAS COM MODELO REDUZIDO UTILIZANDO A TÉCNICA DA LINHA DE BALANÇO 1 PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DE ATIVIDADES REPETITIVAS NA EXECUÇÃO DE OBRAS COM MODELO REDUZIDO UTILIZANDO A TÉCNICA DA LINHA DE BALANÇO Carlos Luciano Sant Ana Vargas Univrsidad Estadual d Ponta Grossa - Mstrando

Leia mais

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO

PROJETO DE PILARES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDDE FEDERL DO RIO GRNDE DO SUL ESCOL DE ENGENHRI DEPRTMENTO DE ENGENHRI CIVIL PROJETO DE PILRES DE CONCRETO RMDO MÉRICO CMPOS FILHO 014 SUMÁRIO 1 Dimnsõs... 1 1.1 Dimnsõs mínimas das sçõs transvrsais

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO)

CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO DE TUBOS DE POLIETILENO PE (NORMATIVO) CONDIÇÕES PARA USO DE MATERIAL REPROCESSADO (NORMATIVO) ABR 98 Tubos d politilno PE abp/e001 Espcificação Origm: ISO 4427/96 abp - associação brasilira d tubos poliolfínicos sistmas CTPE - Comissão Técnica d Politilno abp/e001 - Polythyln (PE) pips - Spcification

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS. SET 410 Estruturas de concreto armado II UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS SET 40 Estruturas d concrto armado II Turma - 008 Concrto armado: projto d pilars d acordo com a NBR

Leia mais

Megaconduletes. Mega. Com. & Montagem de Cond. de Alumínio Ltda.

Megaconduletes. Mega. Com. & Montagem de Cond. de Alumínio Ltda. 2011 Megaconduletes Mega. om. & Montagem de ond. de lumínio Ltda. E D F ondulete sem Rosca RTERÍSTIS: aixa de derivação (ondulete), fabricada em liga de alumínio, com cantos arredondados. Sem rosca, fixação

Leia mais

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo.

Art. 1º Atualizar o Manual de Instruções Gerais (MIG) Cadastro, na forma apresentada no demonstrativo anexo. Atualiza o Manual d Instruçõs Grais (MIG) Cadastro. A Dirtoria Excutiva da Confdração Nacional das Cooprativas do Sicoob Ltda. Sicoob Confdração, com fulcro no art. 58 do Estatuto Social, basado na strutura

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N 126/2013

ORDEM DE SERVIÇO N 126/2013 Fax0 (t ESTADO DO PARANÁ Scrtaria d Estado d Infrastrutura Log(stica Administração dos Portos d Paranagná Anlonina PARANÁ Suprintndência ORDEM DE SERVIÇO N 126/2013 A Administração dos Portos d Paranaguá

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

J, o termo de tendência é positivo, ( J - J

J, o termo de tendência é positivo, ( J - J 6. Anxo 6.. Dinâmica da Economia A axa d juros (axa SEL LBO) sgu um modlo. Ou sja, o procsso da axa d juros (nuro ao risco) é dscrio por: dj ( J J ) d J ond: J : axa d juros (SEL ou LBO) no insan : vlocidad

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA

6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE FÍSICA DEPARTAMENTO DE FÍSICA DA TERRA E DO MEIO AMBIENTE CURSO: FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL I E SEMESTRE: 2008.1 6ª LISTA DE EXERCÍCIOS - DINÂMICA Considr g=10

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX. FOGÕES A LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX. FOGÕES A LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto Conhça nossos outros produtos * FOGÕES A GÁS * FOGÕES A LENHA * FOGÕES INDUSTRIAIS * COOKTOPS * FORNOS ELÉTRICOS * FORNOS A GÁS E ELÉTRICOS DE EMBUTIR * REFRIGERADORES * FREEZERS * CLIMATIZADORAS DE VINHO

Leia mais

2.5. Estrutura Diamétrica

2.5. Estrutura Diamétrica F:\MEUS-OCS\LIRO_EF_44\CAP_I_ESTRUTURA-PARTE_4.doc 5.5. Estrutura iamétrica A strutura diamétrica é tamém dnominada d distriuição diamétrica ou distriuição dos diâmtros. Concitua-s distriuição diamétrica

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

Vedação. Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO. em poliuretano

Vedação. Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO. em poliuretano Climatécnica CONJUNTOS DE GRELHA E FILTRO LINHA PFA 10.000 - IV GERAÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO INSTALAÇÃO RÁPIDA INSTALAÇÃO SEM USAR FERRAMENTA Corpo injtado m trmoplástico auto-xtinguívl (UL94V0). progrssivo

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

Fisica 2. k = 1/4πε 0 = 9,0 10 9 N.m 2 /C 2. 01. Uma partícula, que se move em linha reta, está sujeita à aceleração a(t), cuja variação

Fisica 2. k = 1/4πε 0 = 9,0 10 9 N.m 2 /C 2. 01. Uma partícula, que se move em linha reta, está sujeita à aceleração a(t), cuja variação Fisica 2 Valors d algumas constants físicas clração da gravidad: 10 m/s 2 Dnsidad da água: 1,0 g/cm 3 Calor spcífico da água: 1,0 cal/g C Carga do létron: 1,6 x 10-19 C Vlocidad da luz no vácuo: 3,0 x

Leia mais

PILARES DE CONCRETO ARMADO

PILARES DE CONCRETO ARMADO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus d Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Dpartamnto d Engnaria Civil Disciplina: 33 - ESTRUTURAS DE CONCRETO II NOTAS DE AULA PILARES DE CONCRETO ARADO Prof. Dr.

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

Dimensões mm. Nº de Filtros. Código Modelo Bitola # CMC-I 20 0 M². Dimensões mm. Nº de Filtros. Código Modelo Bitola # CMC-G 20 0 M²

Dimensões mm. Nº de Filtros. Código Modelo Bitola # CMC-I 20 0 M². Dimensões mm. Nº de Filtros. Código Modelo Bitola # CMC-G 20 0 M² t SISTEMA DE EXAUSTÃO Equipamntos Profissionais létricos Séris: Caixa/Água/MDlta/Dlta/Clan-air 1 COIFA MODELO CAIXA Construção m aço inoxidávl AISI Austnítico; Calha coltora com drno para scoamnto da gordura;

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Projeto de Magnéticos

Projeto de Magnéticos rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos rojto d Magnéticos 1. ntrodução s caractrísticas idais d um componnt magnético são: rsistência nula, capacitância parasita nula, dnsidad d campo

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX FOGÕES A

INSTRUÇÕES MANUAL DE. LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX FOGÕES A Conhça nossos outros produtos * FOGÕES A GÁS * FOGÕES A LENHA * FOGÕES INDUSTRIAIS * COOKTOPS * FORNOS ELÉTRICOS * FORNOS A GÁS E ELÉTRICOS DE EMBUTIR * REFRIGERADORES * FREEZERS * CLIMATIZADORAS DE VINHO

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

Ofertas para dias Especiais

Ofertas para dias Especiais Dsignação P. Unitário Imagm mlhor brilhants nnt. cors tcidos Papl gns Transparnt, Laranja, (Rolo até d Rsistnts com Clofan 60º. - 50x65cm) Amarlo, Vrmlho, tinta Para Vrd prma- têxtil a cors fixar para

Leia mais

Guias de ondas de seção transversal constante

Guias de ondas de seção transversal constante Guias d ondas d sção transvrsal constant Ants d considrarmos uma aplicação spcífica, suponhamos um tubo rto, oco infinito, fito d matrial condutor idal, com sção transvrsal constant. Vamos considrar qu

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS

RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS Fundo Municipal Sd cr Saúd ta- Comissão ria dprmannt Sa d RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 015/2013 REGISTRO DE PREÇOS OBJETO: Aquisição d Kit HIV Hpatit (Rgistro d Prços). RETIFICA-SE através

Leia mais

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013

PLANO DE ENSINO. DISCIPLINA: Topografia Básica e Planimetria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 PLANO DE ENSINO CURSO: Agronomia MODALIDADE: Prsncial DISCIPLINA: Topografia Básica Planimtria CÓDIGO: AG-43 TURMA: 2013 ANO/SEMESTRE/ANO: 2014/4º FASE/SÉRIE: 4º sm. CARGA HORÁRIA: 04 horas (smanal) /

Leia mais

GIBI R Glossário de Imagens Básicas para Identificações de Riscos [ no caso, riscos de contaminação de um sistema municipal de suprimento de água ]

GIBI R Glossário de Imagens Básicas para Identificações de Riscos [ no caso, riscos de contaminação de um sistema municipal de suprimento de água ] GIBI R Glossário Imagns Básicas para Intificaçõs Riscos [ no caso, riscos contaminação um sistma municipal suprimnto água ] A - - Mapa Mapa rgional. rgional. Projção Projção horizontal horizontal corrta

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

Análise em Frequência de Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo

Análise em Frequência de Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo Anális m Frquência d Sistmas Linars Invariants no Tmpo Luís Caldas d Olivira Rsumo. Rsposta m Frquência 2. Sistmas com Função d Transfrência Racional 3. Sistmas d Fas Mínima 4. Sistmas d Fas Linar Gnralizada

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

Stratus Compostos Estruturais Ltda.

Stratus Compostos Estruturais Ltda. Stratus Compostos Estruturais Ltda. Especificações técnicas para bandejamento elétrico composto por leitos de cabos, eletrocalhas, eletrodutos e conduletes em fibra de vidro junho de 2013 Stratus Compostos

Leia mais

14 São Paulo, 124 (79) Diário Oficial Empresarial terça-feira, 29 de abril de 2014 BAYER S.A.

14 São Paulo, 124 (79) Diário Oficial Empresarial terça-feira, 29 de abril de 2014 BAYER S.A. 14 São Paulo, 124 (79) Diário Oficial Emprsarial trça-fira, 29 d abril d 2014 O Grupo Fundado 1863 na Alanha, o Grupo é uma prsa global, com comptências nas áras da saúd ( HalthCar), ciências agrícolas

Leia mais

Física Geral I F -128. Aula 6 Força e movimento II

Física Geral I F -128. Aula 6 Força e movimento II Física Gral I F -18 Aula 6 Força movimnto II Forças Fundamntais da Naturza Gravitacional Matéria ( 1/r ) Eltromagné7ca ( 1/r ) Cargas Elétricas, átomos, sólidos Nuclar Fraca Dcaimnto Radioa7vo bta Nuclar

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN

- SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

CATALOGO STANDARD MARKETING DISPLAY

CATALOGO STANDARD MARKETING DISPLAY 1 RFRNCIA CATALOGO STANDARD MARKTING DISPLAY MOLDURAS CLIC/CLAC - 25 MM LINHA STRAM - MIA SQUADRIA PRFIS CLIC/CLAC M ALUMÍNIO LINHA STRAM 25MM STANDARD = V1 ANODIZADO DA MOLDURA M POLITRNO(PS) PROTCÇÃO

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

GERADOR ELETROSTÁTICO

GERADOR ELETROSTÁTICO GERADOR ELETROSTÁTICO Est artigo irá mostrar como construir um grador ltrostático, projto muito famoso m firas d Ciências. É uma máquina muito intrssant dvido às pqunas faíscas qu gra, dmonstrando claramnt

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência

Fundação de Apoio à Tecnologia e Ciência ATA DE ABERTURA DA CONCORRÊNCIA Nº 2015/5030004-01 Ata d abrtura do nvlop 01 (documntação) rfrnt à Concorrência n.º 2015/5030004-01, do tipo mnor prço unitário, sgundo spcificado no itm 02 do Edital REGISTRO

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

Mecânica dos Materiais. Instabilidade de Colunas. Tradução e adaptação: Victor Franco

Mecânica dos Materiais. Instabilidade de Colunas. Tradução e adaptação: Victor Franco Mcânica dos Matiais Instabilidad d Colunas 10 Tadução adaptação: Victo Fanco Rf.: Mchanics of Matials, B, Johnston & DWolf McGaw-Hill. Mchanics of Matials, R. Hibbl, asons Education. Estabilidad d Estutuas

Leia mais

NÚMEROS RACIONAIS E SUA REPRESEN- TAÇÃO FRACIONÁRIA

NÚMEROS RACIONAIS E SUA REPRESEN- TAÇÃO FRACIONÁRIA NÚMEROS RACIONAIS E SUA REPRESEN- TAÇÃO FRACIONÁRIA. FRAÇÕES Com crtza todos nós já ouvimos frass como: d xícara d açúcar; d frmnto m pó tc. Basta pgar uma rcita,d bolo qu lá stão númros como sts. Ests

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

Barras. Cantoneiras. Perfis U, T e Z. Tubos. Catálogo de Perfis Industriais

Barras. Cantoneiras. Perfis U, T e Z. Tubos. Catálogo de Perfis Industriais arras Cantoniras Prfis U, T Z Catálogo d Prfis Industriais tualizado m 09/11/2011 20/03/2012 Votorantim Mtais C idrança na produção d alumínio no rasil Fundada m 1955, a Votorantim Mtais C possui a maior

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais