BUSINESS INTELIGENCE EM TELECOM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BUSINESS INTELIGENCE EM TELECOM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA BUSINESS INTELIGENCE EM TELECOM Por: Eliane Meira Pereira Orientador Prof.ª Aleksandra Sliwowska Rio de Janeiro 2012

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA BUSINESS INTELIGENCE EM TELECOM Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de Especialista em Gestão Empresarial. 2

3 AGRADECIMENTOS Dedico primeiramente a Deus por ter me dado à oportunidade de concluir está Especialização, dando-me forças para enfrentar as dificuldades surgidas no decorrer desta caminhada. Aos meus pais pelo incentivo e ânimo que me proporcionaram. 3

4 RESUMO Business Intelligence (BI) é um conjunto de ferramentas para definir estratégias de competitividade nos negócios de uma empresa. O BI em uma organização estabelece o contexto corporativo de como as informações são vistas por todas as pessoas em todos os níveis de uma organização. Hoje, uma empresa que possui uma montanha de dados e não tem ferramentas estratégicas não consegue extrair informações para tomada de decisão. O objetivo central do BI é a definição de regras e técnicas para a formatação adequada de um grande volume de dados, visando transformá-los em informações estruturadas independente de sua origem. O BI organizacional precisa dar suporte aos processos de negócios como parte da estrutura de realização do trabalho diário pelas pessoas e a integração de grandes quantidades de dados ao longo do tempo, permitindo aos gestores e aos tomadores de decisão a identificação das mais importantes tendências que acontecem na empresa obtendo assim uma vantagem competitiva sobre outras empresas que não possuem essa tecnologia. Este trabalho propõe-se analisar a aplicação de Business Intelligence na tomada de decisão em uma empresa do segmento de Telecom. 4

5 METODOLOGIA A metodologia utilizada no trabalho será pesquisa bibliográfica e matérias em jornais, revistas e sites conceituados e que possam auxiliar na busca de informações que possam elucidar possíveis dúvidas com relação a BI e suas ferramentas para tomada de decisão. 5

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 07 CAPITULO I BUSINESS INTELIGENCE CONCEITOS FERRAMENTAS DE BI Data Warehouse ETL Extract Transform and Load OLAP - On-line Analytical Processing Data Mining Web SAD DESAFIOS E BENEFÍCIOS Desafios Benefícios 18 CAPÍTULO II MERCADO DE TELECOM O MERCADO DE TELEFONIA Serviço de Telefonia Fixa Serviço de Telefonia Móvel Serviço de Comunicação Multimídia Serviço de TV por Assinatura Serviço de Radiodifusão PROBLEMAS NA TELEFONIA 26 CAPÍTULO III BI EM TELECOM 28 CONCLUSÃO 33 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 34 6

7 INTRODUÇÃO A grande preocupação das empresas é manter um bom relacionamento com seus clientes, buscando a satisfação e fidelizando os à sua marca, transformando esse esforço em aumento do volume de vendas de seus produtos e serviços. Essa preocupação afeta de forma positiva as empresas de Telecomunicação que estão cada vez mais dispostas a dar tratamento diferenciado e individualizado a seus clientes. Colocar o cliente no centro de toda a sua operação é a busca das empresas de Telecom. Elas estão tratando seus clientes com atendimento personalizado e para isso necessitam conhecer cada cliente, seus produtos, suas necessidades e expectativas quanto aos serviços prestados. Diante desta realidade e do crescimento acelerado deste segmento verifica-se a necessidade de tomada de decisões mais rápidas e que surtam efeito em pouco tempo, mantendo a qualidade e os níveis dos serviços oferecidos agregando valor ao negócio. As organizações estão em constante busca por melhores resultados de suas operações no mercado. Um dos principais insumos para a tomada de decisões é a informação, vital para a condução de seus negócios e a tomada de decisão estratégica. Hoje uma empresa que possui uma grande quantidade de dados a serem analisados e não tem uma ferramenta estratégica não consegue extrair informações para a tomada de decisão. Essa tarefa complexa apresenta-se muitas vezes para os gestores das empresas, sobrecarregado de dados e informações oriundos de diferentes sistemas podendo gerar dados inconsistentes. Agrupar essas informações e interpretá-las não é uma tarefa fácil. É preciso extrair de cada base de dados, as informações que realmente interessam e padronizá-las para que possam ser analisados. A necessidade de cruzar informações para realizar uma gestão eficiente é hoje uma realidade essencial para as estratégias de mercado. A escolha da melhor 7

8 ferramenta para cruzar essas informações é uma questão complexa e que pode confundir diversos gestores. Grandes organizações têm optado por ferramentas de BI (Bussines Intelligence) para agrupar esses dados e poder gerar informações para tomada de decisão com mais agilidade e confiabilidade. O BI tornou-se uma ferramenta importante para as organizações desenvolverem uma plataforma unificada para distribuir a informação aos tomadores de decisão, reduzindo tempo e custos com investimento em diversas ferramentas. O interesse pelo BI vem crescendo na mesma proporção em que seu emprego possibilita às corporações realizar uma série de análises e projeções, sendo assim utilizada como uma ferramenta de diferenciação e que possibilita vantagem competitiva. As empresas de Telecom possuem uma quantidade de informações infinita, são milhares de transações por consumidor por dia. Esses dados coletados e utilizados de forma correta podem se tornar uma mina de ouro, levando a uma compreensão das necessidades dos clientes para criação de melhores ofertas e novos produtos. Samer Gandhi, arquiteto na AT&T Services enfatiza a importância do BI para a área. As organizações de marketing e vendas estão realmente sob pressão para melhorar seus processos de negócios. Como grupo mais próximo do consumidor, eles são sempre os primeiros a buscarem na BI formas de ganhar um diferencial com relação à concorrência. O objetivo desse trabalho é levantar e analisar as principais ferramentas utilizadas na unificação das informações para tomada de decisão em uma operadora de Telecom em função da grande quantidade de dados. Serão abordados os conceitos de BI e as suas principais ferramentas, as regras de formatação e unificação dos dados e serão levantados os pontos positivos e negativos da utilização dessas ferramentas para cruzar esses dados de forma eficiente e rápida. O BI pode auxiliar na tomada de decisão a partir do momento em que uniformiza os processos, permitindo o acesso à informação como forma de melhorar 8

9 os negócios e o Marketing Relacional da empresa através do uso da tecnologia, fazendo gestão do relacionamento com os clientes e aumentando o lucro. A elaboração desta dissertação tem como base responder à questão: Como o Business Intelligence pode auxiliar a tomada de decisão em uma empresa de telefonia? No intuito de responder a esta questão, o trabalho encontrando-se estruturado da seguinte forma: Capítulo um Business Intelligence: neste capítulo será abordado o conceito, suas principais ferramentas, seus desafios e benefícios da implantação. Capítulo dois Mercado de Telecom: neste capítulo será mostrado como esta o mercado de telefonia, seus problemas. Capítulo três BI em Telecom: será abordada neste capítulo a implantação do BI em uma empresa de Telecom e os resultados. 9

10 CAPITULO I BUSINESS INTELIGENCE 1.1. CONCEITOS Ao contrário do que se possa imaginar, o conceito de Business Intelligence não é recente. Fenícios, persas, egípcios e outros povos do Oriente utilizavam esse princípio há milhares de anos, quando cruzavam informações obtidas junto à natureza em benefício próprio. Observar e analisar o comportamento das marés, os períodos de seca e de chuvas, a posição dos astros, entre outras, eram formas de obter informações que eram utilizadas para tomar as decisões que permitissem a melhoria de vida de suas respectivas comunidades. O mundo mudou desde então, mas o conceito permanece o mesmo. A necessidade de cruzar informações para realizar uma gestão empresarial eficiente é hoje uma realidade tão verdadeira quanto no passado foi descobrir se a alta da maré iria propiciar uma pescaria mais abundante. Atualmente o interesse pelo BI vem crescendo na medida em que seu emprego possibilita às corporações realizar uma série de análises e projeções, de forma a agilizar os processos relacionados às tomadas de decisão. É o que defende Howard Dresner, vice-presidente da empresa Gartner Inc. e detentor da paternidade do termo. Howard Dresner popularizou o termo em 1989 e definiu Business Intelligence como um termo guarda-chuva que descreve um conjunto de conceitos, ferramentas e tecnologias para aperfeiçoar o processo de tomada de decisão em negócios, ou seja, é um processo de conseguir informação certa, no momento oportuno, em uma forma utilizável pelos decisores, de modo que possa ser analisada para implementar de imediato ações que tenham impacto positivo na condução dos negócios. Entre 1992 e 1993 surgiu o Data Warehouse que é uma grande base de dados informacionais, ou seja, um repositório único de dados (os quais foram consolidados, limpos e uniformizados) considerado pelos especialistas no assunto como a peça essencial para a execução prática de um projeto de Business Intelligence. Segundo Barbieri (2001), BI representa a habilidade de se estruturar, acessar e explorar informações, normalmente guardadas em DW/DM (Data Warehouse / Data Mart), com o objetivo de desenvolver percepções, entendimentos, conhecimentos, os quais podem produzir um melhor processo de tomada de decisão. 10

11 Ainda segundo Barbieri (2001): Business Intelligence, de forma mais ampla, pode ser entendido como a utilização de variadas formas de informação para se definir estratégias de competitividade nos negócios da empresa. De acordo com White (2003), o ambiente de BI permite transformar dados brutos em dados relevantes, precisos e úteis, ajudando ainda o decisor a convertê-los em informação de qualidade para a análise ou tomada de decisão. Ainda segundo este autor, o ambiente de BI permite analisar ou tomar decisões com maior rapidez e segurança. Reforçando essa visão, Hall (2004) define BI como a ferramenta de coletar e analisar informações, resultando em execução efetiva de novas estratégias. A chave do processo é converter dados em inteligência acessível que possa alavancar as operações e melhorar o processo de tomada de decisão. Em outras palavras o Business Intelligence pode ser considerado como a chave para o gerenciamento de uma organização, visando aprimorar as decisões do negócio, com capacidade para extrair e integrar informações de diferentes ferramentas de forma flexível, possibilitando facilitar o acesso a todos os profissionais da empresa FERRAMENTAS DE BI O BI fundamenta-se em diversos componentes e ferramentas. As principais ferramentas para análise e distribuição das informações são: Data Mining, OLAP (Online Analytical Processing), Web SAD, entre outras. Para consolidação dos dados o mais comum é o Data Warehouse, e para coleta ETL (Extraction Transforming and Loading). Essas ferramentas serão debatidas na sequência. 11

12 Data Warehouse Data Warehouse é um sistema de banco de dados que representa a memória de dados da empresa. É uma base de dados de suporte que é mantida separada da base de dados operacional da organização que suporta o processamento de informações, provendo sólida plataforma de dados históricos e consolidados para análise. O Data Warehouse (DW), segundo Inmon (2002), é definido como um grande banco de dados que congrega os dados relevantes para a organização, com o objetivo de alicerçar os Sistemas de Apoio à Decisão. Dentre algumas das características do DW pode-se dizer que ele é organizado em torno de assuntos macro da organização, como clientes, vendas e produtos e não em função das operações do dia-a-dia, focando em modelar os dados para o processo de tomada de decisão. É também um sistema que integra múltiplas bases de dados tornado-os mais consistentes. Fundamentalmente utilizado para consulta mas também executa operações de carga. Pode-se dizer que o DW é formado por vários DM (Data Marts), que são repositórios com um escopo reduzido em relação ao Data Warehouse, podendo contemplar informações sobre uma unidade de negócios, departamento ou alguma informação segmentada da empresa ETL Extract Transform and Load (Extração Transformação Carga) Para alimentar o Data Warehouse é necessário o processo de Extract, Transform and Load (ETL) (extração, transformação e carga), que consiste em: extrair dados de diversas fontes, transformá-los de acordo com as regras da modelagem do 12

13 destino, garantindo integridade de conceitos e valores, e carregar essas informações, geralmente em um Data Warehouse. Os projetos de Data Warehouse consolidam dados de diferentes fontes. A maioria dessas fontes tende a serem bancos de dados relacionais, mas podem existir outras fontes. Um sistema ETL tem que ser capaz de se comunicar com as bases de dados e ler diversos formatos de arquivos utilizados por toda a organização. Segundo Kimbal e Ross (2002) ETL é crucial para o sucesso do Data Warehouse, consumindo facilmente 70% dos recursos necessários para implementação e manutenção do sistema. Segundo os autores a construção de um sistema de ETL deve seguir dois fluxos em paralelo: o fluxo do planejamento e desenho, e o fluxo dos dados. O primeiro engloba os requisitos e as realidades, a arquitetura, a implementação do sistema e testes/produção. O fluxo de dados envolve os passos: extração, limpeza, conformidade e entrega. O ETL pode ser considerado como o componente mais crítico de um projeto de Data Warehouse devido ao fato de incluir aquisição, integração, limpeza dos dados, sendo que, se bem efetuada, a utilização de OLAP (Online Analytical Processing), fica simplificada. Dentro da construção do ETL, Simitsis, Skiadopoulos e Vassiliadis (2002) destacam como fundamental o mapear os atributos das fontes de dados aos atributos das tabelas destino do Data Warehouse OLAP - On-line Analytical Processing OLAP, On-line Analytical Processing é a capacidade para manipular e analisar um grande volume de dados sob múltiplas perspectivas. Como forma de acessar as informações estruturadas multidimensionalmente e carregadas pelo ETL em um Data Warehouse existem as ferramentas OLAP (Online Analytical Processing). Segundo Dinter (1998), trata-se de entradas para acessar o Data Warehouse, que permitem ao usuário realizar análises interativas e intuitivas. O termo OLAP é geralmente aplicado ao conjunto de atividades realizadas pelos utilizadores de sistemas online relacionados com a análise dos dados, como a extração de relatórios, consultas e gráficos, análises estatísticas ou construção de 13

14 representações visuais. Na sua essência os produtos OLAP fornecem capacidades de modelação, análise e visualização de grandes volumes de dados. Segundo Turban et al. (2008) existem quatro tipos de OLAP: Multidimensional OLAP (MOLAP) Quando o OLAP é implementado sobre uma base de dados multidimensional, permitindo a visualização em várias dimensões. Os dados são organizados numa estrutura em forma de cubo, que o utilizador pode manipular; Relational OLAP (ROLAP) - Quando o OLAP é implementado sobre uma base de dados relacional existente. Estas ferramentas extraem dados de bases de dados relacionais, podendo criar vistas multidimensionais. São geralmente utilizados em dados com muitos atributos que não são facilmente transformáveis em estruturas em cubo; Database OLAP (DOLAP) e Web OLAP (WOLAP) Database OLAP refere-se ao Sistema de Gestão de Base de Dados Relacional que é desenhado para alojar as estruturas OLPA e efetuar os respectivos cálculos. Web OLAP refere-se ao sistema OLPA que está acessível via Web; Segundo Kimbal e Ross (2002), o DW é a fonte de dados para consultas na organização, ou nada menos que a união de todos os Data Marts já constituídos. Pode ser visto também como uma grande base de dados que apresenta diversos níveis sintéticos dos dados operacionais, cujo objetivo maior é o de fornecer informação estratégica integrada. Figura 1: Cubo utilizado em OLAP 14

15 Na figura 1, temos um exemplo de um cubo utilizado pelo OLAP para permitir a análise sobre diversas dimensões. Embora geralmente se use a terminologia de cubo, essa visão não está limitada a três dimensões (BISPO, 1998). Os cubos são os principais objetos de um OLAP. Edificados com tecnologia que aceita rápido acesso aos dados, normalmente eles são estabelecidos a partir de subconjuntos de um DW e são preparados e sumarizados dentre de estruturas multidimensionais definidas por tamanho e medidas (REGINATO, 2006) Data Mining Outra forma de acessar as informações do Data Warehouse é através do processo conhecido como Data Mining. O Data Mining pode ser definido como o processo de extração de conhecimento implícito, previamente desconhecido e potencialmente útil com grandes bases de dados. Conforme FORTULAN (2005), o objetivo desta ferramenta é: Extrair informações potencialmente úteis a partir de dados crus armazenados em uma Data Warehouse ou em bancos de dados dos sistemas operacionais, porém, preferencialmente nos primeiros, por já estarem consolidados. Para tal, utilizam-se técnicas sofisticadas de procura, como algoritmos de inteligência Artificial, Redes Neurais, Regras de Indução, ou ainda, combinações entre elas. Ainda conforme FORTULAN (2005), o resultado adquirido por essa aplicação deve ser legível, interpretável e deve mostrar claramente os dados que lhe deram origem. Entre as metodologias e ferramentas de Data Mining, podemos citar: regressão linear e não linear, análise multivariada, lógica fuzzy, redes neurais, mineração de textos e imagens, identificação de tendências e predição, identificação de padrões, correlações e associações, entre outros. Destaca-se também, como importantes ferramentas para o BI, análise de histórico e previsão de futuro (forecast), além da possibilidade de simulação de cenários, por exemplo: melhor caso, pior caso e mais provável (BAUER, 2004). 15

16 Web SAD O recente aumento e crescimento do que pode ser chamado de WEB Business Intelligence ou Web SAD, mescla Data Warehouse e sistemas de BI com as novas metodologias da web. A internet, associada com as tecnologias da Web, tem alterado a forma como as pessoas praticam seus negócios. Os benefícios do uso de sistemas de BI fundamentados na Web, quando checados com os sistemas clássicos, abrangem facilidades de uso, acesso universal às várias plataformas, probabilidade de configuração para vários níveis de usuários e competência de trabalho com gráficos, sons e vídeos além de textos e números (MORAIS, 2010). Os Web BI tem diminuído obstáculos tecnológicos, tornando mais fácil e barato disponibilizar dados proeminentes para tomadas de decisão aos gerentes da corporação, mesmo que estes permaneçam geograficamente em localizações distintas. Construir Web BI é uma tarefa difícil, pois deve-se avaliar bem os sistemas, que devem estar disponíveis todos os dias e durante todo o dia estando livre para disponibilizar um grande número de informações concorrentes entre si (MORAIS, 2010). 1.3 DESAFIOS E BENEFÍCIOS Desafios Muitos dos projetos de BI não são concluídos, ou fracassam, consumindo milhões de dólares sem trazer os resultados esperados. Isso acontece por uma sucessão de erros, a começar pelo desconhecimento do que de fato é Business Intelligence. Grande parte das empresas ainda considera o BI como mais um projeto de tecnologia da informação e não como um conceito atrelado à estratégia corporativa, que pode ou não utilizar ferramentas tecnológicas, e que tem como 16

17 principal foco transformar os dados, coletados pelos sistemas transacionais, em informações, as quais auxiliam na tomada de decisão. Entre as dificuldades para o uso de BI, Abukari (2003) destaca o fator político e cultural dentro das organizações, pois membros da organização que detinham poder advindos da exclusividade ao acesso a informações necessárias à tomada de decisão, em geral, têm muito a perder. O controle da informação e do conhecimento, segundo Morgan (1996), é uma fonte de poder: Controlando esse recurso chave, uma pessoa pode sistematicamente influenciar a definição das situações organizacionais e criar padrões de dependência. Além de eventuais filtros na informação, o poder advém do simples controle da velocidade com que a informação é disponibilizada antes ou depois do momento em que era necessária para a tomada de decisão. Outra questão problemática é que, muitas vezes, as informações necessárias estão espalhadas por diferentes departamentos, o que gera dificuldades em função das prioridades de cada setor e dos conceitos adotados sobre um mesmo assunto, nem sempre convergentes. Outra questão importante é que o Business Intelligence apenas faz sentido se os profissionais que irão trabalhar diretamente com os dados sabem do que precisam. Por esse motivo, é fundamental que as áreas usuárias participem do projeto desde a fase de planejamento até a implementação efetiva das soluções. É fundamental saber escolher o gestor do projeto, assim como formar a equipe que irá trabalhar diretamente na implementação, a qual deve ser formada por profissionais que tenham visão de negócio. A definição equivocada do que é uma solução de BI pode representar o fracasso de um projeto. Hall (2004) argumenta que os softwares ou serviços de consultorias vendidos como Solução de BI são apenas uma ferramenta para executar uma estratégia de BI, visto que o processo é mais amplo. Segundo MYLIUS (2004), uma empresa busca, através das ferramentas de BI, acessar e integrar indicadores de performance e tendência como diferentes graus de sintetização, capazes de auxiliá-la na condução do negócio. Uma outra visão do conceito de BI, referente ao tipo de informação segmentada que o gestor de um ramo de negócios procura. Fazendo uso de BI, o usuário pode formatar suas próprias 17

18 informações, assim como pode conectá-las a outras a fim de obter uma melhor análise e um melhor resultado com o seu uso, ou seja, ele pode tornar-se mais independente na busca de informações adequadas, não precisando de relatórios distintos. Outro ponto fundamental é saber alinhar o projeto de BI ao de Knowledge Management (gestão do conhecimento). O conhecimento organizacional está embebido não só em dados e documentos, mas também em práticas e processos. O Business Intelligence é entendido como a transformação dos dados brutos em informação e, depois, em conhecimento. É um contínuo que facilita a extração da informação útil a partir dos dados empresariais e, por isso mesmo, é um componente chave dos sistemas de gestão do conhecimento. O BI é um alimentador do KM e não pode estar dissociado dessa lógica. O ideal é que a corporação preveja isso quando fizer o desenho da arquitetura de seus sistemas, mesmo se a sua implementação efetiva for retardada em alguns anos Benefícios Pontos importantes na infra-estrutura tecnológica do processo de BI são a construção de um repositório específico de dados, e a definição das ferramentas a serem utilizadas. Mas o fator fundamental é a empresa saber direcionar seu capital intelectual para que o projeto de BI atenda às expectativas. Pode-se destacar como benefícios do BI: a) Agilidade e confiabilidade na geração das informações; b) Integração e convergência de informações de diferentes departamentos em uma única solução; c) Possibilidade dos tomadores de decisão responder rapidamente a perguntas com análises ad hoc; d) Facilidade de acesso às informações; e) Aumento da motivação dos usuários em virtude da mudança de tarefas repetitivas de atualização de planilhas para atividades analíticas; 18

19 f) Foco das áreas de negócios em atividades de maior valor agregado. Complementando, Hall (2004) coloca que o aumento de vendas e a otimização no uso de recursos da organização constituíram-se em benefícios para os casos. Bill Inmon, considerado pai do Data Warehouse, inclui-se no rol dos que defendem a visão de banco de dados unificado, mas é enfático em afirmar que se trata de uma tarefa muito difícil, por envolver diversos fatores de grande complexidade, como tecnologias e conceitos administrativos. Por isso deve-se investigar a existência de elementos necessários para o suporte à implementação, incluindo dados, tecnologia, funcionalidade, suporte e infra-estrutura imediatos. É pelo resultado financeiro e pelo aumento da eficiência dos profissionais que se verifica se um sistema de BI está sendo bem empregado. Na medida em que as pessoas estão utilizando a informação para tomar decisões, e essas decisões resultam em vantagem, irão clamar por mais inteligência e pedir modificações, adições e refinamento da informação obtida por meio de implementações de ferramentas e sistemas de BI. 19

20 CAPÍTULO II MERCADO DE TELECOM 2.1 O MERCADO DE TELEFONIA A comunicação sempre esteve presente no desenvolvimento da uma população. Algumas civilizações pré-históricas buscavam através de tambores e fumaça manter a comunicação entre as regiões mais distantes dos povoados. Em 1876 Graham Bell solicita o registro de patente do seu invento, o Telefone, ou Transmissor de Indução. Somente em 1877, através dos serviços de montagem da Western and Brazilian Telegraph, que é inaugurada efetivamente a telefonia no Brasil. Em 1957 foi estabelecida a primeira instalação telefônica interurbana através de enlaces por microondas no Brasil entre o Rio de Janeiro e São Paulo. No ano de 1962 já existiam mais de um milhão de telefones para uma população de 70 milhões de habitantes. Nessa época existiam 900 concessionárias de serviços telefônicos operando no país. Quando fala-se em telecomunicações com um pouco mais de recursos para o usuário final, temos que começar a falar partir do século XX, mais precisamente a partir da metade do século. A abertura do mercado das Telecomunicações no Brasil ocorrida em 1998 trouxe muitas vantagens para população brasileira. O aumento do uso do telefone fixo e celular, a oferta de serviços de banda larga e TV a cabo ou por satélite para classes de menor poder aquisitivo foram algumas das mudanças que são facilmente percebidas nesta última década, (PRADO, 2009). A privatização permitiu a universalização do uso dos sistemas telefônicos em todo o território nacional e deu início a uma forte competição no setor de telefonia, principalmente nos serviços móveis, o que não ocorria até então em função do monopólio estatal, (TUDE, 2009). 20

21 Segundo o relatório da Associação Brasileira de Telecomunicações Telebrasil (2011), o segmento de Telecomunicações engloba os serviços de Telefonia Fixa, Comunicação Móvel, TV a Cabo e Radiodifusão. Figura 2 Fonte: TELEBRASIL 2011 Analisando os últimos números do setor de telecomunicações são encontrados elevadas taxas de crescimento na prestação dos serviços de telecomunicações. Enquanto a população brasileira aumentou de 166,3 milhões em 1998 para 190,8 milhões em 2010 (CENSO 2010), crescimento de 12%, no mesmo período o número total de assinantes de telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e banda larga cresceu de 29,9 milhões em 1998 para 302,1 milhões de assinantes no terceiro trimestre de 2011 (TELEBRASIL, 2011). Figura 3 Fonte: TELEBRASIL 2011 (Anatel) 21

22 Figura 3 Fonte: TELEBRASIL 2011 (Anatel) O faturamento do Setor de Telecomunicações em 2010 foi de R$ 184,9 bilhões, representando 5% do PIB nacional. A telefonia móvel contribuiu com R$ 74 bilhões de faturamento bruto, (TELEBRASIL, 2011). Um dado importante é que 100% dos municípios brasileiros são atendidos com telefonia fixa e 56,7% da população no terceiro trimestre de 2011 estava sendo atendida com TV por assinatura (TELEBRASIL, 2011) Serviço de Telefonia Fixa O Serviço de Telefonia Fixa é prestado no Brasil por detentores de concessão ou autorização de Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC), definido como o serviço de telecomunicações que, por meio de transmissão de voz e de outros sinais, destinase à comunicação entre pontos fixos determinados, utilizando processos de telefonia. (TELEBRASIL, 2011) São modalidades do STFC: Serviço Local; Serviço de Longa Distância Nacional (LDN); Serviço de Longa Distância Internacional (LDI) O Serviço de Longa Distância engloba as chamadas originadas em telefones (fixos ou celulares) e destinadas a telefones (fixos ou celulares) em outra área local. Nas chamadas de longa distância é necessário utilizar o código de seleção de prestadora (CSP). 22

23 O serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) representa 42,7 milhões de assinantes totais no país. Segundo o Censo 2010, 87,9% dos domicílios tinham acesso aos serviços telefônicos fixos ou móveis; cumpre destacar que em 1998, ano da privatização dos serviços de telecomunicações, apenas 32,0% dos domicílios tinham acesso aos serviços; houve um aumento de 156,6% no período (TELEBRASIL, 2011) Serviço de Telefonia Móvel usuário. Os Serviços de Comunicação Móvel são caracterizados pela mobilidade do A Telefonia Celular é o principal serviço de Comunicação Móvel e é prestado no Brasil por detentores de autorização de Serviço Móvel Pessoal (SMP). A Anatel regulamentou em 2010 a existência de prestadoras virtuais (TELEBRASIL, 2011). Existem ainda outros Serviços de Comunicação Móvel, tais como: Serviço Móvel Especializado (SME); Serviço Móvel Especial de Radiochamada (SER); Serviço Móvel Global por Satélites (SMGS); Serviço Móvel Aeronáutico (SMA); Serviço Móvel Marítimo (SMM). São considerados com parte da Telefonia Celular os serviços suplementares e de dados (SMS, Internet), e de venda de telefones celulares pelas operadoras de SMP. No final do terceiro trimestre de 2011, 99,97% da população tinha acesso ao Serviço de Comunicação Móvel (Celular) (TELEBRASIL, 2011). 23

24 2.1.3 Serviço de Comunicação Multimídia O serviço de Comunicação Multimídia (SCM) é um serviço de telecomunicações que possibilita a oferta de capacidade de transmissão, emissão e recepção de informações multimídia, utilizando quaisquer meios. O regulamento do SCM considera informações multimídia os sinais de áudio, vídeo, dados, voz e outros sons, imagens, textos e outras informações de qualquer natureza (TELEBRASIL, 2011). O SCM foi criado para substituir outros serviços existentes, tais como o de Rede Especializado, de Circuito Especializado e o de Serviço de Rede de Transporte de Telecomunicações (SRTT). No final do primeiro trimestre de 2011, escolas públicas urbanas estavam conectadas pelo programa Banda Larga nas Escolas. Isso representa o cumprimento de 93,7% das metas do programa (TELEBRASIL, 2011) Serviço de TV por Assinatura O Serviço de TV por Assinatura é o serviço de telecomunicações que consiste na distribuição de sinais de vídeo e/ou áudio a assinantes. Ele pode ser prestado por detentores de: Concessão para a prestação de serviço de TV a Cabo; Autorização para prestação de serviço de Distribuição de Sinais de Televisão e de Áudio por Assinatura via Satélite (DTH); Autorização para prestação de Serviço Especial de Televisão por Assinatura (TVA), que utiliza a faixa de frequências de UHF. 24

25 No final do terceiro trimestre de empresas eram detentoras de outorgas do Serviço de TV por Assinatura (30 de MMDS, 98 de TV a Cabo, 14 de DTH e 22 de TVA UF) (TELEBRASIL, 2011). Figura 4 Fonte: TELEBRASIL 2011 (Anatel) Serviço de Radiodifusão Os Serviços de Radiodifusão são definidos como os serviços que compreendem a transmissão de sons (Radiodifusão sonora) e a transmissão de sons e imagens (televisão), destinadas a serem direta e livremente recebidas pelo público em geral. Estão incluídos neste subsegmento: As concessionárias de Rádio FM e AM, estas últimas classificadas em Ondas Médias (OM), Ondas Curtas (OC) e Ondas Tropicais (OT); As concessionárias de TV e as empresas que detém autorização para prestar serviços de Retransmissão de TV (RTV) e de Repetição de TV (RpTV). O Valor de Mercado das prestadoras de serviços de telecomunicações (Fixa, Celular e TV por Assinatura) com ações negociadas na BOVESPA era de R$ 151,1 bilhões no final do terceiro trimestre de 2011 (TELEBRASIL, 2011). 25

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento.

01/12/2009 BUSINESS INTELLIGENCE. Agenda. Conceito. Segurança da Informação. Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento. BUSINESS INTELLIGENCE Agenda BI Histórico Conceito Diferencial Competitivo Investimento Segurança da Objetivo Áreas Conceito O conceito de Business Intelligencenão é recente: Fenícios, persas, egípcios

Leia mais

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009.

Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. REFERÊNCIAS o o Business Intelligence Um enfoque gerencial para a Inteligência do Negócio.Efrain Turban e outros.tradução. Bookman, 2009. Competição Analítica - Vencendo Através da Nova Ciência Davenport,

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. O QUE É DATA WAREHOUSE?... 2 3. O QUE DATA WAREHOUSE NÃO É... 4 4. IMPORTANTE SABER SOBRE DATA WAREHOUSE... 5 4.1 Armazenamento... 5 4.2 Modelagem... 6 4.3 Metadado... 6 4.4

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI),

Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), Adriano Maranhão BUSINESS INTELLIGENCE (BI), BUSINESS INTELLIGENCE (BI) O termo Business Intelligence (BI), popularizado por Howard Dresner do Gartner Group, é utilizado para definir sistemas orientados

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

A importância da. nas Organizações de Saúde

A importância da. nas Organizações de Saúde A importância da Gestão por Informações nas Organizações de Saúde Jorge Antônio Pinheiro Machado Filho Consultor de Negócios www.bmpro.com.br jorge@bmpro.com.br 1. Situação nas Empresas 2. A Importância

Leia mais

Business Intelligence e ferramentas de suporte

Business Intelligence e ferramentas de suporte O modelo apresentado na figura procura enfatizar dois aspectos: o primeiro é sobre os aplicativos que cobrem os sistemas que são executados baseados no conhecimento do negócio; sendo assim, o SCM faz o

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3.

Aplicação A. Aplicação B. Aplicação C. Aplicação D. Aplicação E. Aplicação F. Aplicação A REL 1 REL 2. Aplicação B REL 3. Sumário Data Warehouse Modelagem Multidimensional. Data Mining BI - Business Inteligence. 1 2 Introdução Aplicações do negócio: constituem as aplicações que dão suporte ao dia a dia do negócio da empresa,

Leia mais

Aline França a de Abreu, Ph.D

Aline França a de Abreu, Ph.D Aline França a de Abreu, Ph.D igti.eps.ufsc.br 07 / 10/ 04 Núcleo de estudos Criado em 1997 - UFSC/EPS Equipe multidisciplinar, com aproximadamente 20 integrantes OBJETIVO Gerar uma competência e uma base

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado

Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) - Senado DW OLAP BI Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Sumário OLAP Data Warehouse (DW/ETL) Modelagem Multidimensional Data Mining BI - Business

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS

TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS TÉCNICAS DE INFORMÁTICA WILLIAN FERREIRA DOS SANTOS Vimos em nossas aulas anteriores: COMPUTADOR Tipos de computadores Hardware Hardware Processadores (CPU) Memória e armazenamento Dispositivos de E/S

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE

Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE Business Intelligence e Inteligência Analítica BUSINESS INTELLIGENCE Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Teoria de Negócios... 5 3. Profi ssionais de BI... 6 4. Verdades e Mitos

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence.

Tópicos Avançados Business Intelligence. Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira. Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence. Tópicos Avançados Business Intelligence Banco de Dados Prof. Otacílio José Pereira Unidade 10 Tópicos Avançados Business Inteligence Roteiro Introdução Níveis organizacionais na empresa Visão Geral das

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Bloco Administrativo

Bloco Administrativo Bloco Administrativo BI Business Intelligence Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Business Intelligence, que se encontra no Bloco Administrativo. Todas informações aqui

Leia mais

Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas

Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas Sucesu RJ - IV Congresso de Inteligência Competitiva Business Intelligence: Desafios e Melhores Práticas Eugenio Pedrosa Petrobras Roteiro Arquitetura de BI Evolução da BI nas Empresas Corporate Performance

Leia mais

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso

5 Estudo de Caso. 5.1. Material selecionado para o estudo de caso 5 Estudo de Caso De modo a ilustrar a estruturação e representação de conteúdos educacionais segundo a proposta apresentada nesta tese, neste capítulo apresentamos um estudo de caso que apresenta, para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.1 2 1 Material usado na montagem dos Slides BARBIERI,

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Proposta de Formação Complementar: BUSINESS INTELLIGENCE E SUA APLICAÇÃO À GESTÃO Aluno: Yussif Tadeu de Barcelos Solange Teixeira

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 06 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 278 à 285 1 AULA 06 APOIO ÀS DECISÕES DE E BUSINESS 2 E business e Apoio

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

Solução em Software e Automação Comercial

Solução em Software e Automação Comercial Solução em Software e Automação Comercial EMPRESA A Aps Informática é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltados para a gestão empresarial localizada em Recife, Pernambuco. Desde 1992 no mercado,

Leia mais

Data Warehouses Uma Introdução

Data Warehouses Uma Introdução Data Warehouses Uma Introdução Alex dos Santos Vieira, Renaldy Pereira Sousa, Ronaldo Ribeiro Goldschmidt 1. Motivação e Conceitos Básicos Com o advento da globalização, a competitividade entre as empresas

Leia mais

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012

PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 PLANO DE ENSINO DO 2º SEMESTRE LETIVO DE 2012 Curso: TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Habilitação: TECNÓLOGO Disciplina: NEGÓCIOS INTELIGENTES (BUSINESS INTELLIGENCE) Período: M V N 4º semestre do Curso

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA

BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA BUSINESS INTELLIGENCE APLICADO NA GESTÃO ACADÊMICA Marcio Rodrigo Teixeira e Mehran Misaghi Instituto Superior Tupy (IST) / Sociedade Educacional de Santa Catarina (SOCIESC) Campus Boa Vista, Joinville,

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Exercícios OLAP - CESPE Material preparado: Prof. Marcio Vitorino OLAP Material preparado: Prof. Marcio Vitorino Soluções MOLAP promovem maior independência de fornecedores de SGBDs

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino

BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino Aula Teste BUSINESS INTELLIGENCE Prof. Fabio Purcino Faça o download desta aula Use um leitor de QR Code Definição Business Intelligence é um conjunto de conceitos e técnicas que buscam extrair conhecimento

Leia mais

Sobre o que falaremos nesta aula?

Sobre o que falaremos nesta aula? Business Intelligence - BI Inteligência de Negócios Prof. Ricardo José Pfitscher Elaborado com base no material de: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagmman Introdução Sobre o que falaremos nesta aula? Ferramentas

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Conhecendo o Business Intelligence (BI)

Conhecendo o Business Intelligence (BI) (BI) Uma Ferramenta de Auxílio à Tomada de Decisão Ricardo Adriano Antonelli Resumo: A necessidade por informações úteis para auxílio à tomada de decisão perante as organizações tem aumentado exponencialmente

Leia mais

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse

Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Uma Arquitetura de Gestão de Dados em Ambiente Data Warehouse Alcione Benacchio (UFPR) E mail: alcione@inf.ufpr.br Maria Salete Marcon Gomes Vaz (UEPG, UFPR) E mail: salete@uepg.br Resumo: O ambiente de

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT)

Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Estudar a Colaboração Empresarial. Objetivos do Capítulo Estudar os Sistemas de Processamento de Transação (SPT) Identificar o papel e alternativas de relatórios dos sistemas de informação gerencial. Estudar

Leia mais

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4

Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Sumário Capítulo 1 - A revolução dos dados, da informação e do conhecimento 1 B12 4 Capítulo 2 - Reputação corporativa e uma nova ordem empresarial 7 Inovação e virtualidade 9 Coopetição 10 Modelos plurais

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence

Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence. Business Intelligence Juntamente com o desenvolvimento desses aplicativos surgiram os problemas: & Data Warehouse July Any Rizzo Oswaldo Filho Década de 70: alguns produtos de BI Intensa e exaustiva programação Informação em

Leia mais

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação

Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Uma Ferramenta Web para BI focada no Gestor de Informação Mikael de Souza Fernandes 1, Gustavo Zanini Kantorski 12 mikael@cpd.ufsm.br, gustavoz@cpd.ufsm.br 1 Curso de Sistemas de Informação, Universidade

Leia mais

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 13: Tecnologia da Informação. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 13: Tecnologia da Informação Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Uma informação é um arranjo de dados (nomes, palavras, números, sons, imagens) capazes de dar forma ou sentido a algo do interesse

Leia mais

ACOMPANHAMENTO TESTE 6. Fonte: Carlos Barbieri. Fonte: Carlos Barbieri

ACOMPANHAMENTO TESTE 6. Fonte: Carlos Barbieri. Fonte: Carlos Barbieri PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Curso: Banco de Dados Disciplina: Data Warehouse e Business Intelligence Professor: Fernando Zaidan Unidade 2.1 - Cubos 2012 ACOMPANHAMENTO IMPLEMENTAÇÃO 8 7 9 TESTE 6 CONSTRUÇÃO

Leia mais

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel

Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Uma análise multidimensional dos dados estratégicos da empresa usando o recurso OLAP do Microsoft Excel Carlos Alberto Ferreira Bispo (AFA) cafbispo@siteplanet.com.br Daniela Gibertoni (FATECTQ) daniela@fatectq.com.br

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

AULAS 11 e 12 BUSINESS INTELLIGENCE INTELIGÊNCIA NOS NEGÓCIOS

AULAS 11 e 12 BUSINESS INTELLIGENCE INTELIGÊNCIA NOS NEGÓCIOS AULAS 11 e 12 BUSINESS INTELLIGENCE INTELIGÊNCIA NOS NEGÓCIOS CONCEITO Business (negócio): Quer dizer a intermediação de uma atividade comercial com fins lucrativos. Intelligence (inteligência): Faculdade

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO

e-business A IBM definiu e-business como: GLOSSÁRIO Através do estudo dos sistemas do tipo ERP, foi possível verificar a natureza integradora, abrangente e operacional desta modalidade de sistema. Contudo, faz-se necessário compreender que estas soluções

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ

PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA PARA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE PARA GESTÃO DA SAÚDE PÚBLICA DE UM MUNICÍPIO DO VALE DO ITAJAÍ Renan Felipe dos Santos Prof. Alexander Roberto Valdameri,Orientador ROTEIRO

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE

CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE CONSIDERAÇÕES SOBRE ATIVIDADES DE IDENTIFICAÇÃO, LOCALIZAÇÃO E TRATAMENTO DE DADOS NA CONSTRUÇÃO DE UM DATA WAREHOUSE Fabio Favaretto Professor adjunto - Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI

Business Intelligence Conceitos, Metodologia de Desenvolvimento e Exemplos de BI Matriz: Av. Caçapava, 527 CEP 90.460-130 Tecnopuc: Av. Ipiranga, 6681 Prédio 32 Sala 109 CEP 90.619-900 Porto Alegre - RS, Brasil Contate-nos: +55 (51) 3330.7777 contato@dbccompany.com.br www.dbccompany.com.br

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago

DATA WAREHOUSE. Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago DATA WAREHOUSE Rafael Ervin Hass Raphael Laércio Zago Roteiro Introdução Aplicações Arquitetura Características Desenvolvimento Estudo de Caso Conclusão Introdução O conceito de "data warehousing" data

Leia mais

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP

Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Módulo 2. Definindo Soluções OLAP Objetivos Ao finalizar este módulo o participante: Recordará os conceitos básicos de um sistema OLTP com seus exemplos. Compreenderá as características de um Data Warehouse

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso

Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso Aplicando Técnicas de Business Intelligence sobre dados de desempenho Acadêmico: Um estudo de caso Ana Magela Rodriguez Almeida 1, Sandro da Silva Camargo 1 1 Curso Engenharia de Computação Universidade

Leia mais

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Agenda A Informal Perspectiva Histórica Modelos de Arquitetura Benefícios para Gestão Caso de Referência Agenda A Informal

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan

Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional II Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 4.2 2 1 BI BUSINESS INTELLIGENCE BI CARLOS BARBIERI

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada na construção de Data Warehouse/Data Marts, culminando na criação do SIS - Sistema de Informação

Leia mais

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito Banda Larga TV por Assinatura Telefonia Fixa Respeito APIMEC RIO Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2013 A GVT é uma empresa autorizada pela Anatel a prestar serviços em todo o país A GVT tem licença STFC

Leia mais

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse

Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse. Fases para um Projeto de Data Warehouse Definição escopo do projeto (departamental, empresarial) Grau de redundância dos dados(ods, data staging) Tipo de usuário alvo (executivos, unidades) Definição do ambiente (relatórios e consultas préestruturadas

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

O Setor de Telecomunicações no Brasil Uma Visão Estruturada

O Setor de Telecomunicações no Brasil Uma Visão Estruturada O Setor de Telecomunicações no Brasil Uma Visão Estruturada Novembro de 2011 Elaborado em Parceria com o Teleco ÍNDICE 1. Introdução... 4 2. O Setor de Telecomunicações... 5 3. O Segmento de Serviços de

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão

Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão ERP Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema ERP; Processos de Desenvolvimento, Seleção, Aquisição, Implantação de ERP; Aderência e divergência

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.

Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais. Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com. Planejamento operacional e sistemas automatizados de gestão de recursos organizacionais Prof. Gilberto Porto porto@gilbertoporto.com.br Sistemas de Informação SE SSD/ SAE Estratégico Tipos de decisão Não

Leia mais

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS

PLANO DE ENSINO PRÉ-REQUISITOS: ENS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: DSI Departamento de Sistema de Informação DISCIPLINA: Data Warehouse

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Plataforma Analítica para Inteligência de Negócios

Plataforma Analítica para Inteligência de Negócios Plataforma Analítica para Inteligência de Negócios Carlos André Reis Pinheiro, D.Sc. Gerente de Desenho de Aplicações Predição de abandono Rede Neural Artificial (MLP) para predição de abandono Precisão

Leia mais

Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados

Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Ferramentaspara Tomadade Decisão Prof.: Fernando Hadad Zaidan Unidade 1.2 1 Conceitos Iniciais Tomada de Decisão, Modelagem

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais