0,&52(3(48(1$6(035(6$6)251(&('25$6'(0 2'( 2%5$'$&216758d 2&,9,/&$5$&7(5,=$d 2 25*$1,=$d 2((675$7e*,$6

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "0,&52(3(48(1$6(035(6$6)251(&('25$6'(0 2'( 2%5$'$&216758d 2&,9,/&$5$&7(5,=$d 2 25*$1,=$d 2((675$7e*,$6"

Transcrição

1 0,&52(3(48(1$6(035(6$6)251(&('25$6'(0 2'( 2%5$'$&216758d 2&,9,/&$5$&7(5,=$d 2 25*$1,=$d 2((675$7e*,$6 6e5*,252'29$/+23(5(,5$ Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - SP Av. Professor Almeida Prado travessa 2, 83 - Cidade Universitária, São Paulo-SP CEP Tel: *,$1&$5/2$=(9('2'(),/,33, Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - SP Av. Professor Almeida Prado travessa 2, 83 - Cidade Universitária, São Paulo-SP CEP Tel: )5$1&,6&2)(55(,5$&$5'262 Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - SP Av. Professor Almeida Prado travessa 2, 83 - Cidade Universitária, São Paulo-SP CEP Tel: HVXPR $V PLFUR H SHTXHQDV HPSUHVDV UHSUHVHQWDP XPD LPSRUWDQWH SDUFHOD QR VLVWHPD HFRQ{PLFR HVWDQGR SUHVHQWHV HP SUDWLFDPHQWH WRGRV RV VHWRUHV 1D FRQVWUXomR FLYLO VXEVHWRU HGLILFDo}HV D VXD SUHVHQoD DFRQWHFH SULQFLSDOPHQWH DWUDYpV GD DWXDomR GH VXEHPSUHLWHLUDVTXHIRUQHFHPPmRGHREUDSDUDDVHPSUHVDVFRQVWUXWRUDV(VWHWUDEDOKR DSUHVHQWD XP HVWXGR UHDOL]DGR MXQWR D FLQFR VXEHPSUHLWHLURV GD FLGDGH GH 6mR 3DXOR LGHQWLILFDQGR R VHX PRGR GH DWXDomR H DV HVWUDWpJLDV XWLOL]DGDV SHORV PHVPRV $OJR FRPXP LGHQWLILFDGR QHVWDV HPSUHVDV p R UHODFLRQDPHQWR LQIRUPDO H R GHVSUHSDUR JHUHQFLDO $EVWUDFW 7KHVPDOOILUPVUHSUHVHQWDQLPSRUWDQWVKDUHLQWKHHFRQRPLFV\VWHPEHLQJSUHVHQWLQDOO VHFWRUV WRGD\,Q WKH EXLOGLQJ FRQVWUXFWLRQ VHFWRU WKHLU SUHVHQFH KDSSHQV WKURZ WKH VXEFRQWUDFWRUVZRUNZKLFKSURYLGHVZRUNPDQVKLSIRUWKHEXLOGLQJHQWHUSULVHV7KLVVWXG\ LGHQWLILHVWKHZD\RIDFWLQJDQGWKHSURGXFWLRQVWUDWHJLHVRIILYHVXEFRQWUDFWRUVIURP6mR 3DXOR&LW\7KHFRPPRQDVSHFWVYLHZHGRQWKHVHILUPVDUHWKHQRWIRUPDOUHODWLRQVKLSDQG WKHORZPDQDJHPHQWNQRZOHGJH 3DODYUDV FKDYH Microempresa, Pequena Empresa, Subcontratação, Terceirização, Fornecedores e Mão-de-Obra 1 In : II Congresso Internacional de Tecnologia e Gestão da Qualidade na Construção Civil. UPE, Escola Politécnica do Pernambuco, Recife, de 10 a 15 de setembro de 2000.

2 ,QWURGXomR Segundo AMATO NETTO (1995), com o acirramento da concorrência empresarial, várias empresas começaram a concentrar os seus esforços no seu negócio central (FRUHEXVLQHVV) subcontratando de outras empresas (terceiros) atividades, serviços de apoio, peças e subconjuntos de produtos finais. Concentrando a sua atenção em um número cada vez menor de atividades, a empresa reduz o número de processos e pode racionalizar a sua estrutura administrativa, contando ainda, com maiores possibilidades de realizar suas atividades com eficácia (AMATO NETTO, 1995). MONTAÑO (1999) acredita que a atual tendência dos mercados é reduzir o número de trabalhadores próprios e empregar cada vez mais uma força de trabalho que é facilmente demitida sem custos quando as coisas ficam ruins. Esta mão-de-obra passa a ser fornecida por pequenas e microempresas subempreiteiras. ³$ SURGXomR QD IiEULFD DXWRVXILFLHQWH H UtJLGD VH GHVORFD SDUD D SURGXomR QD IiEULFD HQ[XWD H IOH[tYHO 6H QR PRGHOR WD\ORULVWDIRUGLVWD SURGX]VH WXGR GHQWUR GD SUySULD IiEULFD QR SDGUmR IOH[tYHO GH SURGXomR VH SURGX] R PDLRU YROXPH GH SHoDV IRUD GD LQG~VWULD PDWUL] (VWDV VmR HODERUDGDV JHUDOPHQWH SRU SHTXHQDV H PpGLDV HPSUHVDV VXEFRQWUDWDGDV Nos anos oitenta o setor de edificações sofreu um esgotamento do ciclo de expansão até então presente. Como conseqüência, as empresas construtoras tiveram que buscar novas formas de reduzir os seus custos e se tornarem mais eficientes. Dentre as alternativas encontradas, aparece a estratégia de intensificação da prática da subcontratação (FARAH, 1993; CARDOSO, 1996). Como conseqüência, passaram a ser raras as empresas de construção civil que executam todas as suas atividades sem a contribuição dos subempreiteiros (VILLACRESES, 1994). Os subempreiteiros fornecem serviços (e algumas vezes material) para as empresas construtoras. Daí o melhor conhecimento dos mesmos (como se organizam? quais as suas estratégias? qual o relacionamento existente entre os subempreiteiros e seus funcionários?) pode trazer nova luz aos estudiosos, possibilitando um conhecimento mais amplo do setor como um todo. Este trabalho pretende identificar o modelo de organização utilizado por algumas Micro e Pequenas Empresas (MPEs) subempreiteiras atuantes na construção civil, setor edificações, da cidade de São Paulo, e as formas de relacionamento existentes entre estas, seus funcionários e as empresas construtoras. Para tanto faz-se uma análise genérica sobre as Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, que é válida para as que atuam como subempreiteiras na construção de edifícios; discute-se, a seguir, a questão da subcontratação; conclui-se pela realização de um estudo em cinco empresas fornecedoras de serviços de mão-de-obra para execução da obra bruta (alvenarias e revestimentos). Este trabalho contou com o apoio financeiro da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). 0LFURHPSUHVDVHHPSUHVDVGHSHTXHQRVSRUWH03( V GONÇALVES & KOPROWSKI (1995) destacam uma definição que sumariza as características destas empresas: $VSHTXHQDV HPSUHVDV GH XP PRGR JHUDO VmR GHILQLGDV FRPRDTXHODVTXHQmRRFXSDQGRXPDSRVLomRGHGRPtQLRRXPRQRSyOLRQRPHUFDGRVmR GLULJLGDVSRUVHXVSUySULRVGRQRVTXHDVVXPHPRULVFRGRQHJyFLRHQmRHVWmRYLQFXODGRV DRXWUDVJUDQGHVHPSUHVDVRXJUXSRVILQDQFHLURV

3 Para MONTAÑO (1999) a conceituação da MPE requer uma análise de sua estrutura onde são considerados três aspectos fundamentais: Dimensão: apresentam dimensão reduzida tanto no número de membros, quanto no nível de produção e comercialização; Complexidade: dentro da MPE o poder é altamente centralizado, quase não há estratificação e a divisão técnica do trabalho é muito pequena todos fazem de tudo ; Formalização: em geral a MPE não apresenta objetivos e normas explicitamente definidos, a formalização quase não existe. MONTAÑO (1999) diferencia as MPE s, quanto ao seu modo de inserção no mercado, em: De produção final: produz certa mercadoria ou serviço para o consumidor direto ou para um distribuidor (intermediário comercial). Este tipo de MPE tem mais liberdade para definir o seu produto, a sua qualidade, o seu preço e o seu público alvo; Satélite: produz certa mercadoria ou serviço para uma grande ou média empresa (empresa matriz). Estes, para serem consumidos pela população, precisam ser transformados através de um novo processo de produção, que ocorre na grande empresa; As MPE s, tanto de produção final quanto satélites, atuam em mercados geralmente desprezados pela grande empresa (MONTAÑO, 1999). Na indústria da construção civil os subempreiteiros caracterizam-se por pertencerem ao segundo grupo (MPE s satélites). Inclusive no meio há uma expressão que identifica estas MPE s como HPSUHVDVVDWpOLWHV que giram em torno da HPSUHVDVRO, as construtoras (CONCEIÇÃO, 1999). &DUDFWHUL]DomRGDVPLFURHSHTXHQDVHPSUHVDV A caracterização das Micro e Pequenas Empresas, mesmo em meio acadêmico, é sempre contraditória. Para explicitá-la são considerados dois aspectos: quantitativos e qualitativos. $VSHFWRV4XDQWLWDWLYRVO critério quantitativo mais utilizado para classificar as empresas é o número de funcionários empregados. No entanto este critério pode incorrer em distorções. MONTAÑO (1999) destaca que ao utilizá-lo estarão se incluindo em um mesmo grupo as MPE s e empresas que³sruwhuhpdwlqjlgrxphohydgrqtyhowhfqroyjlfr DXWRPDWL]DQGR D SURGXomR H VXEFRQWUDWDQGR HPSUHVDV H WUDEDOKDGRUHV HPSUHJDP XP EDL[RQ~PHURGHDVVDODULDGRVREWHQGRQRHQWDQWROXFURVPXLWRDFLPDGRVQtYHLVPpGLRV GHJDQKRGDV03( V O Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte, instituído pela Lei Federal nº 9.841, de 5 de outubro de 1999, considera microempresa a pessoa jurídica e a firma mercantil que tiver receita bruta anual igual ou inferior a R$ ,00 (duzentos e quarenta e quatro mil reais). Empresas de pequeno porte são aquelas que obtêm renda bruta anual superior a R$ ,00 e inferior a ,00 (um milhão e duzentos mil reais). Estes valores são corrigidos pelo IGP-DI (Índice Geral de Preços). Esta classificação não leva em consideração o número de funcionários empregados pela firma (ESTATUTO..., 1999). Estima-se que no Brasil as Micro e Pequenas Empresas sejam responsáveis por 70% da força de trabalho e por 21% do PIB nacional. Possuem presença marcante em diversas cadeias produtivas, atuando como fornecedoras de grandes empresas responsáveis pela produção de bens intermediários e finais (KRUGLIANSKAS, 1996).

4 $VSHFWRV 4XDOLWDWLYRV GONÇALVES & KOPROWSKI (1995), após consultarem diversos autores, identificaram as seguintes características comuns às Micro e Pequenas Empresas: Utilizam trabalho próprio ou de familiares; Não possuem administração especializada; Não pertencem a grupos financeiros e econômicos; Não possuem produção em escala; Utilizam de organizações rudimentares; Funcionam como campo de treinamento de mão-de-obra especializada e formação de empresários; Estreita relação pessoal do proprietário com empregados, clientes e fornecedores; Falta de acesso ao capital através de um mercado de capital organizado; Falta de poder de barganha nas negociações de compra e venda; Dependência de mercados e de fontes de suprimento próximas; Baixa relação de investimento/mão-de-obra empregada, decorrente de menor complexidade do equipamento produtivo, capacitando-as a gerar empregos a um menor custo social e privado; Papel complementar às atividades industriais mais complexas. A MPE, usando tecnologia mais atrasada, produz menos, o que eleva os seus custos indiretos. O seu volume de vendas também é menor que o das grandes empresas, como conseqüência ela obtêm lucros bem menores MONTAÑO (1999). 1DVFLPHQWRHWHPSRGHYLGDGDVPLFURHSHTXHQDVHPSUHVDV MONTAÑO (1999) afirma que o processo de surgimento das MPE s muitas vezes segue um caminho onde o grande empresário, tentando se livrar dos problemas trabalhistas e tornar a sua empresa mais flexível, propõe um acordo aos seus funcionários: vende-lhes as suas máquinas velhas e os incentiva a se tornarem um seu fornecedor ou os demite. Geralmente os funcionários, sem escolha, optam pela primeira alternativa. Tal iniciativa traz mais vantagens ao grande empresário. Dentre elas destaca-se: redução da sua infra-estrutura, não precisa pagar pelo tempo de trabalho excedente dos operários (horas-extras) e o mais importante, os direitos trabalhistas não atingem a relação de subcontratação. Nestes primeiros momentos impera, nas subempreiteiras, o relacionamento informal patrão-empregado onde ambos atuam na produção. Em alguns casos, com o crescimento da empresa, nota-se uma certa formalização destas relações, mas não é uma situação padrão. Muitas vezes o relacionamento informal perdura, persistindo como uma característica inerente às Micro e Pequenas Empresas. Um grande problema destas empresas reside na sua própria sobrevivência. Para GONÇALVES & KOPROWSKI (1995) a sobrevivência das MPE s é dificultada não só por fatores como carência tecnológica, capacitação gerencial e isolamento diante das grandes empresas. Soma-se a isto a existência de leis complexas e muito exigentes para quem está começando, pressões oligopólicas das grandes empresas e elevadas taxas de juro, acima do que pagam as grandes empresas, que em teoria, oferecem maior segurança aos emprestadores. As características de flexíveis e adaptáveis às mudanças que sempre foram atribuídas às PME s não devem ser consideradas como absolutas e podem até mesmo não ser verdadeiras. A grande taxa de mortalidade indica uma mal sucedida ação de sobrevivência individual. Os dirigentes destas empresas necessitam de um imenso esforço, de uma

5 dedicação extrema, de boa dose de competência e até mesmo sorte para garantir a sobrevivência do empreendimento. Ao mesmo tempo grandes empresas oligopólicas sobrevivem mesmo com baixo nível de eficiência. Desta maneira torna-se no mínimo discutível afirmar que a sobrevivência das MPE s se deve à flexibilidade e à adaptabilidade a mudanças (GONÇALVES & KOPROWSKI, 1995). 2UJDQL]DomRDGPLQLVWUDWLYDGDVPLFURHPSUHVDV O SEBRAE (SD1) atribui grande parte do insucesso à falta de conhecimento e ineficiência gerencial. Se bem gerenciada, a empresa poderá multiplicar as suas chances de vitória. Para controlar uma empresa, mesmo de pequeno porte, é necessário cumprir uma série de rotinas de planejamento contábil e tributário. Nas pequenas empresas são contratados um escritório de contabilidade e eventualmente um advogado, quando preciso. Esta medida não é suficiente para que se possam resolver os problemas administrativos de uma empresa. Mesmo contando com o auxílio de terceiros, o proprietário da empresa deve dominar determinadas áreas gerenciais para poder administrar o seu negócio de maneira eficaz (SEBRAE, SD1). A verdade é que nas Micro e Pequenas Empresas, na maioria das vezes, os proprietários acumulam todas as funções administrativas e se tornam uma espécie de faz de tudo, não obstante, chegando a atuar na produção propriamente dita MONTAÑO (1999). 0LFURHPSUHVDVHVXEFRQWUDWDomR A aplicação da terceirização no Brasil é sempre bem-vinda em função do arcaico, irracional e anacrônico sistema tributário nacional. Um estudo recente estima que os encargos sociais representem para o empregador um valor entre 104% e 120% do salário nominal do trabalhador. Como alternativa os grandes empresários passaram a optar pela subcontratação de micro e pequenas empresas CARDOZO (1998). Ainda segundo este autor, um dos grandes desafios para as contratantes reside em não terceirizar áreas estratégicas da empresa, repassando apenas aquelas que não integram o núcleo dos negócios de uma companhia, ou seja, só deve ser terceirizado o que não faz parte do core business. Mas para que se obtenha sucesso neste processo é necessário que a atividade terceirizada seja exercida por mão-de-obra treinada especificamente para cada tarefa (CARDOZO, 1998). 5HODomRFRQVWUXWRUDVXEHPSUHLWHLUD MONTAÑO (1999) afirma que a relação existente entre as empresas subcontratantes e a grande empresa é sempre desigual. Estas últimas, existentes em menor número, contam com uma grande quantidade de MPE s que podem lhe fornecer seus serviços, aquelas têm que concorrer umas com as outras, reduzindo o seu preço final e consequentemente os seus lucros. Para BRANDLI (1998) o processo de organização da força de trabalho através da estratégia de subcontratação aconteceu como resultado de um estímulo dado pelas próprias construtoras para que seus funcionários constituíssem pequenas firmas para prestação de serviços. Sobre o relacionamento entre empresas construtoras e subempreiteiros, SCARDOELLI (1994) afirma que este deve possuir caráter de parceria, o que implica em ³FRQWUDWRV GXUDGRXURV IXQo}HV H UHVSRQVDELOLGDGHV FODUDPHQWH GHILQLGDV UHVSHLWDQGR R SDSHO GH LQWHUYHQLHQWH GH FDGD SDUWH DSRLR GD HPSUHVD FRQVWUXWRUD DR GHVHQYROYLPHQWR H TXDOLILFDomRGHVHXVVXEHPSUHLWHLURV

6 Como vantagens as parcerias podem garantir maior qualidade e conformidade dos produtos, possibilitar o desenvolvimento tecnológico, reduzir custos e evitar desgastes na relação construtora/subempreiteiro. ALVES (1998), em um estudo sobre o relacionamento cliente/fornecedor na indústria da construção civil, detectou, como fatores que dificultam o estabelecimento de parcerias: Para os fornecedores Falta de compromisso das construtoras, inconstância na demanda, excesso de exigência e treinamento; Para os construtores Não cumprimento de prazos, falta de qualidade, falta de interesse do fornecedor e falta de compromisso quanto a preços. BRANDLI (1998) acredita que o processo de subcontratação na construção civil só obterá sucesso quando as relações entre contratantes e subcontratantes estiverem baseadas em verdadeiras parcerias. (VWXGRGHFDVR Para a realização do estudo de caso foram aplicados questionários em cada uma das cinco subempreiteiras visitadas. Estes questionários abordaram os seguintes tópicos: caracterização da empresa, organização e gestão da empresa, formação e treinamento do subempreiteiro e de seus funcionários, relacionamento existente entre subempreiteiros e construtoras e estratégia empresarial. &DUDFWHUL]DomRGDVHPSUHVDV (PSUHVD$: 13 anos de atuação no mercado. O proprietário possui 4º ano primário e no momento acumula 25 anos de experiência em obras. Esta empresa conta com 25 funcionários e atua em 3 obras, sendo que uma destas consiste em empreendimento próprio. (PSUHVD% 3 anos de atuação no mercado. A empresa é constituída por dois sócios, que não chegaram a concluir o ensino fundamental, e que possuem 15 anos de experiência como operários da construção civil. No momento a empresa conta com 7 funcionários e atua em uma obra. (PSUHVD & 2 anos de atuação no mercado. Possui dois sócios sendo que um é economista e o outro está concluindo o curso de engenharia civil. No momento a empresa conta com 52 funcionários e atua em uma obra. (PSUHVD'10 anos de atuação no mercado. Odono da empresa concluiu o 1º grau e acumula 25 anos de experiência em obras. Possui um sócio, seu filho, que abandonou o curso de engenharia civil para dedicar-se exclusivamente à empresa. No momento emprega 18 funcionários e atua em 4 obras. (PSUHVD ( 13 anos de atuação no mercado. Os dois proprietários da empresa são irmãos e não concluíram o ensino fundamental. Possuem cerca de 20 anos de experiência em obras. No momento atuam em 5 obras e contam com 22 funcionários. &DUDFWHUtVWLFDVFRPXQVGRVVXEHPSUHLWHLURVHVWXGDGRV Analisando as empresas referenciadas identificou-se algumas particularidades que ajudam a caracterizar estes subempreiteiros: A maioria destas empresas não tem sede própria. Apenas a empresa C possui um escritório central;

7 Seus proprietários não possuem grande escolaridade e adquiriram sua experiência em obra. Começaram normalmente como ajudantes ou serventes e por sua capacidade conseguiram evoluir, chegando a encarregados ou mestres; Todos os processos dentro das empresas são tratados com informalidade, englobando desde a comunicação até as definições de atribuições e responsabilidades; Dentro da estrutura destas empresas normalmente existe um encarregado entre o proprietário e seus funcionários; Apenas 2 empresas fazem uso de informática para auxiliar seus serviços. Mas este uso é realizado pelo proprietário, ou seja, não está difundido em toda a empresa; Nenhuma das empresas está filiada a algum sindicato ou grupo financeiro. 2UJDQL]DomRHJHVWmRDGPLQLVWUDWLYD Quanto à organização e a gestão administrativa, os pontos comuns observados foram: A contabilidade das empresas, o suporte administrativo e jurídico e a parte legal referente a administração e demissão de funcionários é realizada por um escritório terceirizado; A maior parte das construtoras contratantes exigem dos subempreiteiros o registro em carteira dos funcionários; Para a contratação de seus funcionários as subempreiteiras se utilizam da indicação de terceiros; As demissões ocorrem geralmente ao final das obras, quando a empresa não tem perspectivas de conseguir mais serviços. Alguns operários são várias vezes admitidos e demitidos pela mesma empresa. Isso demonstra que o empregado muitas vezes não é mal trabalhador, mas sofre com a rotatividade por causa da característica sazonal da empresa que o contratou; Os contratos fechados são na maior parte elaborados pelas contratantes; Os orçamentos são realizados com base em tabelas de preços próprias; O controle de custos é muito precário. Realizado através do acompanhamento de notas fiscais e custos fixos e uma previsão aproximada de faturamento; 2UJDQL]DomRHJHVWmRGDSURGXomR Já a organização e gestão da produção mostrou as seguintes semelhanças: Os proprietários visitam diariamente as obras, mas têm encarregados fixos em cada uma delas para a supervisão dos serviços. Em função da demanda alguns deles chegam a atuar na produção; Geralmente são formadas equipes de produção para cada obra. Quando em uma delas é necessário acelerar a produção, desloca-se temporariamente a mão-de-obra de uma outra obra; Os subempreiteiros não participam na elaboração de projetos, orçamentos e no planejamento das obras. Estas atividades são desenvolvidas pelas construtoras; O controle de produtividade é intuitivo (sem a utilização de indicadores); As empresas estudadas fornecem apenas mão-de-obra. Os materiais utilizados são fornecidos pela contratante; Nenhuma delas aplica algum tipo de controle de qualidade embora tentem se adaptar às exigências dos sistemas da qualidade das construtoras, quando existentes.

8 7UHLQDPHQWRHFDSDFLWDomRGRVIXQFLRQiULRV Por sua vez, quanto ao treinamento e capacitação dos fornecedores, observou-se em comum: O treinamento dos funcionários é somente prático, fornecido pelo dono da empreiteira ou encarregado. Os subempreiteiros acreditam que esta é a forma correta de fornecer treinamento já que foi assim que eles aprenderam ; Nenhuma das empresas fornece treinamento admissional. Os funcionários recémcontratados são simplesmente jogados na frente de trabalho após um bate-papo inicial. 5HODFLRQDPHQWRHQWUHDVFRQVWUXWRUDVHRVVXEHPSUHLWHLURV Quanto ao relacionamento das subempreiteiras com as construtoras, tem-se que: Todos os subempreiteiros afirmaram que houve melhora na relação com as construtoras. Segundo eles isso aconteceu porque as construtoras perceberam que dependem dos subempreiteiros para alcançar os resultados pretendidos; Estas empresas geralmente não estabelecem nenhum tipo de parceria com as construtoras; Os critérios mais valorizados pelas construtoras, para o fechamento de contratos, são o preço e a qualidade dos serviços. Em segundo plano aparecem o cumprimento dos prazos, a segurança, a capacitação técnica e o atendimento; O poder de barganha das subempreiteiras é ainda muito pequeno. Na realidade elas estão sujeitas às imposições das construtoras (VWUDWpJLDHPSUHVDULDO Finalmente, os pontos comuns relativos à estratégia empresarial foram: Quando questionadas a respeito dos conceitos de qualidade e competitividade, todas elas tinham pelo menos uma idéia de seu significado. Entretanto, não há consenso. Ao contrário, cada uma tem uma interpretação própria e em geral não está relacionada com sua estratégia. Contudo, afirmam estarem buscando melhor qualidade nos serviços ou mesmo competitividade no mercado; Todos os subempreiteiros acreditam que a qualificação poderá ajudá-los em seus serviços e na consolidação da empresa no mercado; Como benefícios concedidos aos funcionários aparecem apenas o vale-transporte e as refeições, nada além do que já é determinado pela lei; As principais dificuldades enfrentadas pelos subempreiteiros são: concorrência dentro da categoria, preços praticados muito baixos, altos encargos sociais para a manutenção dos funcionários e da própria empresa, formação precária de seus funcionários e a instabilidade do mercado; Os principais objetivos e metas destas empresas parecem estar ligados à sua sobrevivência. No entanto surgem várias aspirações, como por exemplo criar uma sede própria ou executar uma obra inteira. Para algumas delas seria interessante crescer ou diversificar; para outras seria interessante manter as equipes e não crescer. Desta forma percebe-se que não há como caracterizar a visão dos subempreiteiros de maneira geral, donde se conclui que não há objetivos ou metas realmente estabelecidos. &RQFOXV}HV Verificando as características dos subempreiteiros estudados, pode-se concluir que eles se encaixam no perfil identificado para as Micro e Pequenas Empresas (MPE s).

9 Como a grande parte das MPE s no Brasil, os subempreiteiros da construção civil são empresas que surgiram para acúmulo de capital, mas que representam na verdade instrumentos de sobrevivência, tanto para seus proprietários, quanto para seus funcionários. Estes funcionários representam grande parte da mão-de-obra empregada hoje no país. Outro ponto a ser analisado é que quando uma empresa é pequena, sua flexibilidade parece ser muito importante, apesar de não ser decisiva para sua sobrevivência. Com ela, a empresa pode alterar rapidamente sua estrutura e seu ramo de atuação, de acordo com a demanda do mercado. Isto é claro no caso dos subempreiteiros, que muitas vezes iniciam a sua atuação em uma atividade específica, ligada à experiência de seus sócios, e logo diversificam seus serviços, em função da demanda. Nos subempreiteiros os ganhos com produtividade e qualidade dependem muito dos funcionários, diferentemente das grandes empresas onde os processos técnicos de gestão, em geral, garantem elevações na produtividade, até certo ponto, sem negociações com os trabalhadores. Pelo que foi constatado, os subempreiteiros, como as demais PME s, não têm acesso fácil a novas tecnologias. Conseguem apenas pequenas melhorias de racionalização em seus processos, desenvolvidas por eles próprios. Estas empresas também não têm uma representação forte junto às instâncias de poder, na medida em que não são filiadas a nenhum sindicato, grupo financeiro ou cooperativa. Seus interesses, portanto, não são defendidos de maneira adequada, pelo que esta classe representa para a economia. Contudo, algumas das características das PME s não são aplicáveis aos subempreiteiros. A grande parte das micro e pequenas empresas são caracterizadas por serem um local de treinamento da força de trabalho inexperiente. Quando esta não consegue mais evoluir dentro da pequena empresa, procura uma grande empresa, onde possivelmente disporá de maiores oportunidades de crescimento. Ao analisar os subempreiteiros, verificou-se que isto não acontece. Muitas vezes ocorre até o contrário, quando o empregado sai de uma grande construtora e prefere trabalhar em uma subempreiteira, onde poderá ter melhores oportunidades. Com relação às características próprias da classe, os subempreiteiros mostraram-se muito dependentes do relacionamento com terceiros, tanto para conseguir serviços, quanto para a composição de seu quadro de funcionários. Seus serviços não têm controles, e por esta razão não há um feedback dos problemas enfrentados durante a execução dos serviços. Desta forma, é muito difícil identificar uma melhoria em seus processos, na medida em que os retrabalhos não são registrados. Uma boa surpresa foi a verificação de que a maior parte destas empresas estão cumprindo as exigências trabalhistas, sobretudo com relação ao registro de seus funcionários (carteira assinada), o que ocorre em decorrência da exigência das construtoras. Por fim, verificou-se que apesar de uma evolução nas estruturas dos subempreiteiros, estes ainda se encontram subordinados às construtoras, principalmente pelas condições impostas pelo mercado atual. E esta classe, muito desorganizada, precisa de um apoio maior para alcançar estabilização, traduzindo sua real importância dentro do cenário econômico e social. No contexto específico da construção civil, as entidades de classe das construtoras deveriam assumir um papel de apoio às empresas subcontratadas que, via de regra, originaram-se de suas associadas, conforme mecanismo já citado. Uma outra possibilidade de viabilizar este apoio seria a ajuda do Estado. Mas apenas isto não bastaria. Segundo SCHMITZ (1989), as pequenas empresas dependem de ações governamentais, mas estas

10 não determinam seu sucesso. Há exemplos de pequenas empresas que se desenvolveram mesmo sob condições adversas. Mesmo assim, o governo local deve tentar atuar no fortalecimento da categoria. Um projeto de financiamento bem estruturado, com apoio tecnológico e uma política tributária mais adequada às condições destas empresas poderiam representar elementos para alavancar o desenvolvimento da classe, cada vez mais presente no cenário brasileiro. 5HIHUrQFLDV%LEOLRJUiILFDV ALVES, P. M. R. Relacionamento Cliente/Fornecedor na Indústria da Construção Civil: Novas Tendências Voltadas para um Contexto de Qualidade e Produtividade,Q Congresso Latino-Americano Tecnologia e Gestão na Produção de Edifícios. PCC- USP, São Paulo, nov AMATO NETO, J. Reestruturação Industrial, Terceirização e Redes de Subcontratação. 5HYLVWDGH$GPLQLVWUDomRGH(PSUHVDV São Paulo, Mar-Abr, BRANDLI, L. L. $ HVWUDWpJLD GH VXEFRQWUDWDomR H DV UHODo}HV RUJDQL]DFLRQDLV QD FRQVWUXomR FLYLO GH)ORULDQySROLV. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Engenharia Civil, Florianópolis,1998. CARDOSO, Francisco F. (1996). (VWUDWpJLDV HPSUHVDULDLV H QRYDV IRUPDV GH UDFLRQDOL]DomRGDSURGXomRQRVHWRUGHHGLILFDo}HVQR%UDVLOHQD)UDQoD3DUWH R DPELHQWH GR VHWRU H DV HVWUDWpJLDV Estudos Econômicos da Construção, Sinduscon-SP, São Paulo, 1996, pp CARDOZO, J. S. S. Terceirização, Achado do Século. *D]HWD 0HUFDQWLO. São Paulo, 25/05/1998. Pág. A-2. CONCEIÇÃO, E. Parceria: Confiar é Melhor que Brigar. 5HYLVWD 4XDOLGDGH QD &RQVWUXomR. Sinduscon; Nº 15; Ano II, 1998; pp ESTATUTO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE (1999). Internet: 27/11/99. FARAH, M. F. S. Estratégias Empresariais e Mudanças no Processo de Trabalho na Construção Habitacional no Brasil,Q Avanços em Tecnologia e Gestão da Produção de Edificações. Entac 93, São Paulo, nov GONÇALVES, A.; KOPROWSKI, S. O.3HTXHQD(PSUHVDQR%UDVLO São Paulo, EDUSP, 107p. KRUGLIANSKAS, I. Gestão da Inovação Tecnológica em Micro e Pequenas Empresas Brasileiras de Setores Tradicionais.,Q Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Piracicaba : UNIMEP/ABEPRO, MONTAÑO, C. E. 0LFURHPSUHVD QD (UD GD *OREDOL]DomR XPD DERUGDJHP FUtWLFD. São Paulo, Editora Cortez. 121p. SCARDOELLI, L. S. [et al.]. 0HOKRULDVGH4XDOLGDGHH3URGXWLYLGDGH,QLFLDWLYDVGDV (PSUHVDVGH&RQVWUXomR&LYLO. Porto Alegre, Sebrae, SCHMITZ, H. 6PDOO ILUPV DQG )OH[LEOH (VSHFLDOLVDWLRQ LQ /'& V Sussex, England, Institute of Development Studies, SEBRAE, *HVWmR (PSUHVDULDO $SRLR j )RUPDomR GH 0LFUR H 3HTXHQDV (PSUHVDV. Fascículo 3. Sebrae, São Paulo, Sem Data (SD1). VILLACRESES, X. E. R. $QiOLVH (VWUDWpJLFD GD 6XEFRQWUDWDomR HP (PSUHVDV GH &RQVWUXomRGH3HTXHQR3RUWH. Porto Alegre, p. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Como funcionam as micro e pequenas empresas

Como funcionam as micro e pequenas empresas Como funcionam as micro e pequenas empresas Introdução Elas são 99,2% das empresas brasileiras. Empregam cerca de 60% das pessoas economicamente ativas do País, mas respondem por apenas 20% do Produto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra

Integração horizontal e integração vertical; estratégias de contratação de mão-de-obra Gestão de Suprimentos e logística de distribuição Professor : (francisco.cardoso@poli.usp.br) Aula 3: Gestão de subempreiteiros. SCM em Salvador Tópicos da aula: Gestão de subempreiteiros: introdução ao

Leia mais

3$3(/'$)25d$(1*(1+$5,$ 352-(7261$ &203(7,7,9,'$'('$6(035(6$6&216758725$6(,17(*5$d 2(175(&$'(,$6'(9$/25(6

3$3(/'$)25d$(1*(1+$5,$ 352-(7261$ &203(7,7,9,'$'('$6(035(6$6&216758725$6(,17(*5$d 2(175(&$'(,$6'(9$/25(6 3$3(/'$)25d$(1*(1+$5,$ 352-(7261$ &203(7,7,9,'$'('$6(035(6$6&216758725$6(,17(*5$d 2(175(&$'(,$6'(9$/25(6 62)Ë$/,/,$11(9,//$*$5&Ë$=(*$55$ Mestranda EPUSP-PCC E-mail: sofia@pcc.usp.br - Tel. (011) 818-5422

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Gestão de Pequenas e Medias Empresas

Gestão de Pequenas e Medias Empresas Gestão de Pequenas e Medias Empresas Os pequenos negócios são definidos por critérios variados ao redor do mundo. Para o Sebrae, eles podem ser divididos em quatro segmentos por faixa de faturamento, com

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS 45º SEMINÁRIO DE ACIARIA -ABM PRIMARIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Cléverson Stocco Moreira PORTO ALEGRE - MAIO/2014 CONCEITO DE MANUTENÇÃO: INTRODUÇÃO Garantir a confiabilidade e a disponibilidade

Leia mais

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá

Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Diagnóstico das Áreas de Gestão, Qualidade e Ergonomia: Estudo de Caso em MPEs do Arranjo Produtivo Local de Confecção de Maringá Ariana Martins Vieira (UEM) - arianamvi@yahoo.com.br Henrique Mello (UEM)

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas Relatório final Realização: Dezembro - 1999 Estudo da Mortalidade

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO

A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A DESVIRTUALIZAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO A essência da terceirização visa trazer às empresas contratantes desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, busca de qualidade, controles

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA

CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA 1 CUSTOS NA PEQUENA INDÚSTRIA O Sr. Roberval, proprietário de uma pequena indústria, sempre conseguiu manter sua empresa com um bom volume de vendas. O Sr. Roberval acredita que uma empresa, para ter sucesso,

Leia mais

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos

Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos Empreendedorismo: Perspectiva de Muitos e Sucesso de Poucos RESUMO Flávia Castro Este artigo tem como finalidade apresentar aos leitores uma breve reflexão sobre o fenômeno do empreendedorismo no Brasil

Leia mais

4 Contextualização da pesquisa

4 Contextualização da pesquisa 4 Contextualização da pesquisa 4.1. Cenário de pequenas empresas e medias empresas no Brasil A abreviação para pequena e média empresa PME (em inglês SME) tornou-se um padrão internacional quando se refere

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Cronograma Físico e de Preço

Cronograma Físico e de Preço Especificação da Construção Capítulo 7 Cronograma Físico e de Preço 7.1 Introdução Ao longo de todo o curso, inserimos uma mensagem alertando para a diferenciação entre os termos preço e custo, que dizia

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO

DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO 1 DA INCUBAÇÃO À ACELERAÇÃO DE NEGÓCIOS: NOVAS ROTAS DE DESENVOLVIMENTO Cesar Simões Salim Professor e Autor de livros de empreendedorismo cesar.salim@gmail.com Visite meu blog: http://colecaoempreendedorismo.blogspot.com/

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes.

Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Gestão de Pequenas Empresas no Brasil - Alguns Dados Importantes. Por Palmira Santinni No Brasil, nos últimos anos, está ocorrendo um significativo aumento na criação de novas empresas e de optantes pelo

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

1 Informações diversas Projeto de Terceirização A Câmara dos Deputados concluiu dia 22/04 a votação do projeto de lei que regulamenta contratos de terceirização. O texto principal foi aprovado no último

Leia mais

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s

Q u al i f i c a ç ã o f o r m al d o s r e s p o n s á v e i s P ó s g r a d u a d o s Justificativa do trabalho As Empresas, com fim lucrativo ou não, enfrentam dificuldades para determinar o preço de seus produtos ou serviços, visto que o preço sofre grande influência do mercado, levando

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS Maiêutica - Curso de Ciências Contábeis PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS RESUMO Anair Vanderlinde 1 Nádia Nara de Godoy 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Ciências Contábeis (CTB0116)

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 03 O objetivo da Empresa e as Finanças Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO O objetivo da Empresa e as Finanças... 3 1. A relação dos objetivos da Empresa e as

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

1. Organizações e Propriedades

1. Organizações e Propriedades 1. Organizações e Propriedades Conteúdo 1. Organizações 2. Propriedades 3. Formas de Propriedades Privadas 4. Alguns Conceitos 5. Propriedades Públicas 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração

Leia mais

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES

ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES ELEMENTOS PARA UM PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE EMPREENDEDORES Álvaro Rojas G. Lezana - Doutor Professor- lezana@eps.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA

IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA IMPACTOS DO SISTEMA SIMPLES SOBRE A MORTALIDADE DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS: um estudo sobre os empreendimentos no município de Castanhal, PA Rui Cidarta Araújo de Carvalho, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR?

O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? O FGTS TRAZ BENEFÍCIOS PARA O TRABALHADOR? FERNANDO B. MENEGUIN 1 O FGTS - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, regido pela Lei nº 8.036, de 11/05/90, foi instituído, em 1966, em substituição à estabilidade

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

COMO ABRIR SUA EMPRESA

COMO ABRIR SUA EMPRESA COMO ABRIR SUA EMPRESA Hoje, ter o próprio negócio é algo muito comum. Flexibilidade, possibilidade de aumentar a renda e instabilidade como funcionário são os principais motivos para se empreender. É

Leia mais

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia.

Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Micro e Pequena Empresa: Conceito e Importância para a Economia. Luiz Felipe de Oliveira Pinheiro * RESUMO O presente mini-ensaio, apresenta os desvios que envolvem o conceito de micro e pequena empresa

Leia mais

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens

Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Inovação nas pequenas, médias e grandes empresas: vantagens e desvantagens Armando Paulo da Silva (CEFET-PR/CP) armando@cp.cefetpr.br Eurico Pedroso de Almeida Júnior (CEFET-PR/CP) eurico@cp.cefetpr.br

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS

APRESENTAÇÃO FGV APRESENTAÇÃO TRECSSON BUSINESS APRESENTAÇÃO FGV Criado em 1999, o FGV Management é o Programa de Educação Executiva Presencial da Fundação Getulio Vargas, desenvolvido para atender a demanda do mercado por cursos de qualidade, com tradição

Leia mais

S E M A N A D O COACHING

S E M A N A D O COACHING Para que você perceba todas as possibilidades que o mercado oferece, precisa conhecer as 3 leis fundamentais para o sucesso no mercado de coaching: 1 É muito mais fácil vender para empresas do que pra

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento

1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento 1 Introdução 2 O Empreendedorismo e o Mercado de Capitais 3 Questões Jurídicas no Empreendedorismo 4 Como Captar Recursos 5 Debates 6 - Encerramento O EMPREENDEDORISMO E O MERCADO DE CAPITAIS - Luiz Guilherme

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / /

FICHA DE CADASTRO EMPRETEC. Município Data: / / FICHA DE CADASTRO EMPRETEC Município Data: / / Caro Empreendedor, Obrigado por seu interesse pelo Empretec, um dos principais programas de desenvolvimento de empreendedores no Brasil e no Mundo! As questões

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras

Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras Pesquisa sobre o Perfil dos Empreendedores e das Empresas Sul Mineiras 2012 2 Sumário Apresentação... 3 A Pesquisa Perfil dos Empreendedores Sul Mineiros Sexo. 4 Estado Civil.. 5 Faixa Etária.. 6 Perfil

Leia mais

Circular NPJ nº 01/2008:

Circular NPJ nº 01/2008: Rio de Janeiro, 14 de março de 2008. Circular NPJ nº 01/2008: Apresenta o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica e do Escritório Modelo. Estimados Alunos, Essa circular visa ao esclarecimento do funcionamento

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

"Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada

Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada "Gestão Contábil para micro e pequenas empresas: tomada de decisão Julio Cesar. Pergunta: - O que é importante na tomada de decisão. O que devemos saber para decidir algo?? Algumas INFORMAÇÕES acerca do

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

EM PONTOS: vale a pena planejar

EM PONTOS: vale a pena planejar NO NEGÓCIO TEXTO DE MARCELO CASAGRANDE 5 EM PONTOS: vale a pena planejar A Gestão&Negócios reuniu cinco importantes motivos pelos quais o planejamento financeiro é fundamental para uma empresa. Saber o

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada

PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO. Modalidade Associada Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INCUBAÇÃO Modalidade Associada Incubadora Multissetorial de Empresas de Base Tecnológica e Inovação da PUCRS RAIAR

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais