PANORAMA DE MODELOS DE ESTOQUES E PROGRAMAS DE ABASTECIMENTO VOLTADOS PARA O VAREJO SUPERMERCADISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PANORAMA DE MODELOS DE ESTOQUES E PROGRAMAS DE ABASTECIMENTO VOLTADOS PARA O VAREJO SUPERMERCADISTA"

Transcrição

1 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro de PANORAMA DE MODELOS DE ESTOQUES E PROGRAMAS DE ABASTECIMENTO VOLTADOS PARA O VAREJO SUPERMERCADISTA Luiz Gustavo Chaves de Toledo (UNESP) Jair Wagner de Souza Manfrinato (UNESP) João Carlos Tascin (UNESP) A crescente competição no setor de varejo supermercadista nas últimas duas décadas tem forçado as empresas do setor a buscarem soluções na sua gestão que possibilitem diminuir os custos de suas operações ao mesmo tempo em que não podem dimiinuir o nível de serviço oferecido aos seus clientes. A evolução da tecnologia da informação e os programas de reposição rápida voltados ao varejo proporcionaram oportunidades de agregar valor e, também, diminuição dos custos de estoques ao longo da cadeia de suprimentos. Isso trouxe condições para as empresas melhorarem sua gestão e, como conseqüência, melhor desempenho operacional, com o foco voltado para o maior fator de custo na operação, os estoques. Realizar a gestão dos estoques, com uso de ferramentas que balizem a tomada de decisão, com o objetivo de redução do custo total dos estoques é uma oportunidade para melhorar as margens operacionais, pelo fato do estoque, ou custo da mercadoria vendida (CMV), responder por 80% dos custos operacionais. Esse artigo demonstra, em um estudo descritivo, como se encontra o ambiente da gestão com foco nos estoques pelo setor varejista supermercadista nos dias de hoje. Palavras-chaves: Gestão de estoques, Cadeia de Suprimentos, Varejo

2 1.Introdução 1.1 Evolução da Gestão no Varejo O Varejo Supermercadista no Brasil passou por grandes mudanças nos últimos 20 anos. Na década de 80 ainda era comum o uso de blocos de notas para anotar as compras, havia as famosas máquinas remarcadoras de preços e o controle dos estoques era feito de forma visual, o que tornava sua manutenção um pesadelo e seus resultados imprecisos. Nesta mesma época, a falta de maior controle sobre os estoques era compensada pelo ambiente econômico que o país atravessava, pois a economia apresentava uma inflação em torno de 20% ao mês, chegando até 80%. Era vantajoso fazer compras de grandes volumes de mercadorias, aumentando os estoques, pois, com o aumento dos preços ao longo do período em que as mercadorias eram vendidas compensava os erros causados pela falta de informação dos estoques. A estabilização econômica do país, com o plano Real, em 1994, trouxe consigo grandes desafios às empresas, pois com os preços dos produtos estáveis, não era mais possível ganhos com a compra de estoques maiores que a demanda, pois neste caso os lucros gerados pela inflação dos preços agora se transformaram em capital imobilizado. As empresas perceberam que para poderem competir no novo ambiente de estabilidade, teriam de afinar a sua gestão, buscando a redução de seus custos com a conseqüente diminuição dos estoques, sem que isso afetasse o serviço prestado aos clientes. Também nesta época, entre o final da década de 80 e início da década de 90, o setor se beneficiou de grandes avanços tecnológicos que trouxeram facilidades de controle e uso das informações. No caso do código de barras, ele proporcionou condições de ter informações confiáveis sobre os estoques. O fato de poder identificar os produtos por meio de leitores óticos e o uso de código exclusivo para cada produto, incluindo suas variações, excluiu a necessidade de ter funcionários que conhecessem as características físicas dos produtos e de ter controles visuais. O avanço da tecnologia da informação (TI) proporcionou condições ter informações sobre estoques em tempo real, observando a movimentação dos produtos desde a entrada dos produtos, quando do recebimento, até sua saída, quando o produto era vendido, dando baixa no sistema. A estabilidade da economia também atraiu ao mercado nacional alguns dos maiores grupos varejistas mundiais, ávidos em aproveitar o potencial de crescimento do setor no país. Esse movimento teve reflexo na participação das empresas no setor. Houve uma corrida dos maiores grupos varejistas por aquisições de empresas do setor. Na década de 80, a participação dos 20 maiores varejistas supermercadistas era de 20%, e em 2008 esses 20 maiores tinham 66% de participação no mercado. Esse ambiente, altamente concorrido e no qual as margens de lucros são apertadas, situando em torno de 2%, força as empresas cada vez mais buscar a redução de seus custos e melhorarem sua gestão, principalmente sobre os estoques, pois em operações de comércio, como no varejo, ele representa de 75% a 80% dos custos operacionais (KUEHNE, 2002). Por isso, quanto melhor for sua gestão, de forma econômica e planejada, melhor será a eficiência em termos de custos em uma empresa varejista. Os estoques são decisivos em empresas varejistas, pois a disponibilidade terá impacto no nível de serviço e na confiabilidade dos clientes. Mas como os estoques têm alto valor 2

3 econômico, a empresa deve determinar o nível adequado dos estoques, a política de compras e as condições de ressuprimentos para manter em equilíbrio seus investimentos. 1.2 Gestão de estoques Durante muito tempo a política das empresas em relação aos estoques era possuir um volume superior à demanda que seu mercado exigia, assegurando, assim, riscos menores de não haver produtos disponíveis e para manter um bom nível de serviços. Essa visão trouxe muitos problemas para empresas varejistas. Parente (2000) ilustra o problema do desbalanceamento dos estoques: No Brasil, as distorções provocadas por décadas de inflação ajudaram a desenvolver práticas de compras que geram grandes desbalanceamentos de estoques excessos de estoques em muitos produtos e faltas em muitos outros. Com base nos estudos de Willian Conway, o desbalanceamento de estoques, tanto os excessos como as faltas, devem ser encarados como desperdícios que devem ser eliminados. Tanto os excessos quantos as faltas devem ser encarados como desperdícios que precisam ser eliminados. A gestão de estoques é uma das áreas varejistas onde se encontram enormes desperdícios, que podem ser classificados em dois tipos: Desperdício de capital constituído de todo o volume de estoque excessivo, acima dos níveis razoáveis dos estoques de segurança. A maioria das empresas varejistas brasileiras apresenta um grande percentual de desperdício de capital em seus atuais níveis de estoque. Desperdício de vendas constituído dos itens que compõem o mix de produtos, mas que estão em falta nas lojas. As faltas de produtos consistem em fonte de insatisfação de clientes e de enorme desperdício de vendas. O varejista deve mudar seu atual paradigma de tolerância às faltas e passar a encarar essa situação como uma causa de perda de clientes. Um produto que está em falta deve ser visto como um convite do varejista para que o consumidor faça compras na concorrência. Com base na experiência do autor, ainda é comum encontrar índices de falta acima de 15% entre os varejistas brasileiros. Hoje os estoques são vistos como ativos que imobilizam recursos, quando se mantêm estoques além da demanda necessária. Por isso, quanto menores forem as necessidades de estoques ou quanto menores forem os custos de capital investidos em estoques para atender às necessidades de demanda da empresa, melhor será seu desempenho operacional. Moura (2004) cita a importância dos estoques, sendo ele fundamental para o funcionamento da empresa, pois as operações são movimentadas por ele e contribuem para a satisfação do cliente. Moura (2004) define estoque como um conjunto de bens armazenados, com características próprias, e que atende às necessidades da empresa. Eles podem ser relacionados às necessidades de funcionamento da empresa, como material de escritórios, para fins administrativos, materiais usados na manutenção, ligados ao funcionamento de maquinário e matérias-primas e/ou produtos acabados, estes relacionados às atividades comerciais ou 3

4 produtivas. De acordo com Moura (2004), para gerir com eficiência os estoques de uma organização, é necessário conhecer o capital investido, a disponibilidade do estoque existente, o custo incorrido e a demanda pelos produtos (consumo). Pelo fato de ter valor econômico, ou seja, é um custo, que enquanto não for vendido, a organização não terá o retorno sobre o investimento feito. Segundo Viana (2006) ao mesmo tempo, este recurso poderia ser mais bem aplicado em outro segmento da empresa, motivo pelo qual o gerenciamento deve projetar níveis adequados, objetivando manter o equilíbrio entre estoque e consumo. Kuehne (2002) cita que como objetivo principal da gestão de estoques manter o equilíbrio em relação ao nível econômico ótimo dos investimentos, e isto é obtido mantendo estoques mínimos, sem que isto acarrete riscos de não tê-los em quantidades suficientes para manter o equilíbrio entre a disponibilidade e o consumo. Em empresas varejistas, como as redes de venda de eletrodomésticos e alimentos (autoserviço), que são operações de comércio, os estoques representam de 70 a 85% dos custos, em média (KUEHNE, 2002). Os ganhos serão retirados da diferença do preço de custo de aquisição dos produtos dos preços de venda aos clientes finais. Por causa do alto impacto dos estoques em seus custos, qualquer redução por uma gestão econômica destes tem grande impacto na margem de lucro. Segundo Slack (1999), uma redução de 5% nos custos de estoques nestas operações representa um aumento nos lucros de 40%. Isso se torna mais significativo pelo fato de que a margem histórica do setor se situa em torno de 2%, sendo que em 2008 ela foi de 1,75% (SUPERHIPER, 2009). Outro ponto importante da gestão dos estoques no varejo diz respeito às falhas de abastecimento geradas pela não-disponibilidade de entrega dos produtos pelos fornecedores. Comumente a falta de um produto no varejo é conhecida como ruptura, que pode ser externa, quando o produto em falta não está nas dependências da empresa, ou interna, quando este produto está nas dependências da empresa, mas não ao alcance do cliente. De acordo com pesquisa da ECRBrasil (2007) as rupturas nas região sudeste representam 9% dos produtos do varejo supermercadista. Esses 9% perdidos não representam perdas somente ao varejo, como em toda a cadeia de abastecimento que o setor irá perder. Levando em conta que em 2008 foram vendidos 158 bilhões de reais no auto-serviço no Brasil, as falhas de suprimento representaram 14,22 bilhões em perdas por falta de produtos, que corresponde a 9%, segundo a mesma pesquisa. A mesma pesquisa mostrou que as falhas internas, ou seja, rupturas de produtos que estão dentro da empresa, são de 21%. Neste caso, as falhas geram perdas de quase 3 bilhões, ou 1,9% do total de vendas do setor em O varejo também é caracterizado como o último agente da cadeia de abastecimento e que tem contato direto com o cliente final dos produtos. Ele interage com os outros agentes, pois é a resposta da demanda de suas vendas que repercutirá nas operações desses agentes intermediários, seja distribuidor, atacadista, fábrica ou fornecedor de matéria-prima. No caso de empresas varejistas, os produtos acabados representam quase a totalidade dos estoques, excetuando os estoques de uso da empresa. O mix de produtos costuma ser alto. No caso do alto-serviço, onde 91,6% do mercado pertence ao varejo supermercadista, em loja de supermercado de médio porte, esse mix se situa entre 15 a 25 mil itens, e em hipermercados o números de itens chega a 50 mil, de acordo com a ECRBrasil (2007). Nestes tipos de operações, é fator primordial a disponibilidade dos produtos ao cliente. Se o cliente não encontra 20% dos itens de sua lista de compras, ele buscará os produtos em outra empresa. Por isso, o custo de falta nessas operações em muito alto. A evolução do gerenciamento da cadeia de suprimentos está trazendo benefícios para o setor. 4

5 Durante um longo tempo os benefícios do SCM (Supply Chain Management) ficaram restritos à indústria. A relação entre varejistas e fornecedores sempre foi, historicamente, uma relação complicada. De acordo com Taylor (2005), antigamente, os estoques dos varejistas eram gerenciados por proprietários de lojas independentes, sem uso de ferramentas para planejar o reabastecimento e prever sua demanda de vendas. O varejo é, também, o ponto de gerenciamento mais difícil da cadeia, pois é o primeiro a sentir o impacto de mudanças na preferência dos clientes e também o mais visível. Quando um consumidor procura o produto e não o encontra, mesmo a mais perfeita seqüência de operações de suprimento se transforma em um fracasso (TAYLOR, 2005). Um dos primeiros movimentos visando à melhoria dos processos de estoques na cadeia de varejo surgiu nos EUA nos anos 80. O Quick Response QR ou programa de Resposta Rápida foi uma iniciativa ligada ao varejo de vestuário (PARENTE, 2000). Combinava técnicas de JIT Just in Time com o monitoramento dos níveis de estoques em tempo real. Os dados de vendas eram automaticamente registrados e enviados em seguida aos fabricantes utilizando o EDI (Eletrônica Data Interchange intercâmbio eletrônico de Dados). Os fabricantes, com os dados sobre os estoques, providenciavam as entregas, que passaram a serem feitas numa rotatividade maior, diretamente nas lojas. No final da década de 80, foi lançada a extensão do programa, chamada de Reposição Contínua, ou CR (Continuous Replenishiment). Desta vez, o programa incorporou o uso do VMI (Vendor-Managed Inventory) ou Estoque Gerenciado pelo Fornecedor. Neste caso, o fabricante tinha acesso ao registro atualizado do varejista e facilitava a visualização das mudanças na demanda dos consumidores. De acordo com Taylor (2004), essa condição funcionava como um contrato permanente de compras. Também houve melhorias na agilidade dos pedidos, pois não havia necessidade de colocar ordens de compras individuais, gerando reduções dos custos entre as partes. Em 1993 foi lançada a versão de reposição continuada voltada para o mercado de gêneros alimentícios, denominada Resposta Eficiente ao Consumidor, mais conhecida com ECR, de Efficient Consumer Response. Segundo Taylor (2004), a principal contribuição do ECR foi a incorporação do Gerenciamento de Categorias, que organiza as atividades de promoção e reabastecimento por grupos de produtos tidos pelos consumidores como mais ou menos equivalentes na satisfação de suas necessidades. O programa também usa o conceito de custeio baseado em atividades (Activity-Based Costing - ABC) para determinar a lucratividade de cada categoria de produtos. O mais novo programa voltado para o abastecimento do varejo é o Planejamento, Previsão e Reposição Colaborativa (Collaborative, Planning, Forecasting and Replenishment CPFR), que é uma iniciativa que envolve fabricantes, distribuidores e varejistas. Segundo Taylor (2004), a diferença dele em relação aos anteriores é o uso da internet para conectar os setores envolvidos. Embora não seja uma extensão dos programas anteriores, ele usa grande parte das experiências adquiridas. O fato de usar a internet permite centralizar as informações em servidores específicos. Neste programa os envolvidos têm acesso às informações dos parceiros, o que acaba sendo um empecilho, de parte cultural, pois a relação entre estes parceiros, conforme já citado, sempre foi, historicamente complicada. Como é um programa recente, ainda não foi possível avaliar toda eficácia e amplitude que ele pode atingir. Todas essas mudanças ainda são novidades para a maioria das empresas do setor. É comum encontrar situações onde surgem conflitos pela mudança de padrões e uso de ferramentas matemáticas e estatísticas, entre a área de compras e a logística (SUPERVAREJO, 2008). 5

6 2. Modelos de estoques Moura (2004) descreve os modelos de gestão de estoques como o modelo de Ponto de Pedido de Reposição (PPR) que responde a pergunta de quando pedir. Este modelo considera a necessidade de se ter estoques para suprir as demandas da empresa durante o período que o fornecedor irá repor os produtos necessários, desde a colocação do pedido até o momento da entrega. O ponto principal é ter a média de tempo necessário para o ressuprimento de produtos para o nível de serviço desejado. Os pedidos são feitos quando o estoque chegar ao ponto de reposição (PR). Por isso ele não tem data fixa para as encomendas junto aos fornecedores Outro modelo seria o Intervalo fixo de reposição, no qual se emitem pedidos de reposição em intervalos sem variação, pré-determinados, como pedidos semanais, mensais, quinzenais. Este modelo irá considerar quanto deve ser pedido até o próximo pedido. Também se considera o tempo de ressuprimento pelo fornecedor para determinar o estoque adequado de segurança durante o intervalo fixo. A diferença em relação ao modelo anterior é que existe uma data fixa para os pedidos, os quais serão dimensionados de acordo com o nível de estoque no dia do pedido, adequando a quantidade para suportar a demanda até o próximo pedido. Moura (2004) cita que este é o modelo mais usado pelo comércio varejista, pois podem monitorar seus níveis de estoques periodicamente, sem necessitar de paradas para inventário. Em alguns casos a política dos fornecedores incentiva o uso desse modelo, o que pode ajudar a diminuir o custo para o varejo, pelo fato de poder agrupar os itens de um mesmo fornecedor em um mesmo pedido, o que diminui o custo do frete. Uma ferramenta que pode contribuir para o controle dos custos de estoques é o modelo de lote econômico de compras, pois ele determina a quantidade a ser pedida de cada produto que minimiza os custos totais, considerando os custos de pedir e os custos de armazenagem dos itens no estoque. Por isso, realizar simulações com seu uso pode determinar qual é a melhor decisão a respeito. (WANKE, 2003) 3. Localização dos estoques A decisão sobre localizar os estoques em uma operação varejista pode otimizar os custos de manutenção estoques e também abre oportunidades de ganhos logísticos, principalmente na questão dos custos de ressuprimento dos produtos, pois o custo de frete varia se a entrega for realizada em um local ou em vários locais, sendo estes em um CD (Centro de Distribuição) ou nas lojas, respectivamente. Wanke (2003) cita quatro características que devem ser observadas na questão sobre o grau de centralização de produtos acabados em uma cadeia de suprimentos: Giro do produto: quanto maior, maior a tendência a descentralização por diversos centros de distribuição, pois menores são os riscos associados à perecibilidade e à obsoslecência. Deve ser observado que produtos com elevado giro absorvem parcela menor dos custos fixos de armazenagem, comparativamente aos produtos de giro mais baixo; Tempo de atendimento: quanto maior o tempo de atendimento desde a colocação do pedido até o recebimento pelo cliente final, maior a tendência a descentralização dos estoques de produtos acabados, com vistas a um atendimento mais rápido. As empresas devem avaliar, em termos incrementais, se a redução dos custos de oportunidade de manter estoques em trânsito mais do que compensam a abertura de um novo centro de distribuição; 6

7 Nível de serviço: quanto maior, maior a tendência a localizar os produtos próximos ao cliente final. Custos unitários de aquisição: quanto maiores, maior a tendência a centralização. Isso porque produtos com elevado custo de aquisição implicam elevados custos de oportunidade de manter estoques, os quais podem se tornar proibitivos quando há descentralização dos mesmos; Um ponto importante na questão da centralização dos estoques é o nível de serviço, pois para o varejo o custo da falta do produto é muito grande, pois ele irá afetar a confiabilidade da operação aos clientes. O mesmo autor cita que se por um lado o custo da venda perdida é extremamente elevado, por outro lado um grande volume de produto é liquidado através de promoções para estimular a demanda. Segundo as revistas especializadas ligadas ao setor, como a Supervarejo e a Superhiper, várias empresas estão investindo em centrais de distribuição, como forma de reduzir custos. Algumas dessas operações já operam há vários anos, como é o caso do Pão de Açúcar, que opera um centro de distribuição em Cajamar, SP a mais de 20 anos, (PARENTE, 2000), como também redes menores como a Coop (SUPERHIPER, 2009), a Bretãs (GÔNDOLA, 2008) e outras redes menores também estão investindo neste tipo de operação (SUPERVAREJO, 2008). Outra tendência do setor é crescimento do formato de lojas de bairro, menores, e que apresentam oportunidades de redução dos custos operacionais, pelo fato de não terem grandes áreas de depósito, sendo os produtos de alto giro abastecidos pela logística da própria rede, liberando a maior área possível para vendas (SUPERHIPER, 2009). 4. Características do mix de varejo supermercadista Em um supermercado são comercializados itens dos mais diversos. Em sua grande maioria, itens alimentícios, que apresentam alto grau de perecibilidade e também risco de obsolescência. Por isso, deve haver um grande controle da questão de validade dos produtos, excetuando os produtos de limpeza, que têm validade maior. Essas características trazem ao responsável pela gestão dos estoques a necessidade de haver o giro dos produtos adequado as suas características, principalmente em produtos perecíveis, como frios, carnes e laticínios. Além disso, também para esses produtos é necessária uma estrutura adequada de armazenagem, composta por câmaras frias e congeladas, pois o controle de temperatura é fundamental na conservação de suas características. Outros itens apresentam altos risco de obsolescência, como são os casos de produtos sazonais, como os ovos de páscoa e panetones, que só terão alto valor agregado antes das comemorações da data festiva. Por isso, o responsável pela gestão deverá conciliar as condições de suprimentos e de armazenagem na melhor relação custo/beneficio. Os itens de maior giro, como os produtos básicos ou também as comoditties, como farinhas, açúcar, óleo de soja, leite longa vida e cereais básicos como arroz e feijão. Eles deverão maior foco em reposição, pois vendem muito e a sua falta é muito mais sentida do que os itens de baixo giro, pelo fato de serem de necessidades básicas comparando com outros itens, de menor venda, e menor importância na lista de compras dos consumidores. Mas o fato de haver grande giro e serem comoditties, sua margem é menor. O fator validade também é item de importância ao cliente, portanto o controle das validades deve ter um processo definido. Por outro lado, outros itens como os de bazar têm baixo giro de vendas e ocupam mais espaço, como travesseiros, caixas de isopor e plásticos. Mas da mesma forma, seu custo de falta também é sentido, pois são itens têm maior margem e sua característica de compra pelo consumidor é por impulso. Em outros casos se trabalha com máquinas, como 7

8 eletrodomésticos, como geralmente encontramos em hipermercados ou lojas do varejo específico do ramo. O fato é que a gestão é complexa, pois são milhares que compõe o mix de lojas. Segundo a ECRBrasil (2007), o um pequeno varejo, como um mini-mercado trabalha com um mix de 3 a 7 mil itens, um supermercado com 15 a 25 mil e um hipermercado de 50 a 80 mil itens. Para se ter uma idéia do número de itens que são geridos na operação a figura mostra a lista de itens verificados em pesquisa da Abras Associação Brasileira de Supermercados com a Nielsen, o Índice Nacional de Volume, feita bimestralmente. 5. Considerações Finais A área de estoques ainda tem grande campo a ser explorado pelas empresas do setor, principalmente pelas redes menores, tendo muitas oportunidades de redução dos custos. Mas são muitos os fatores a serem considerados, pois a relação entre os componentes da cadeia de suprimentos do varejo sempre foi tumultuada, e o conceito de parceria esbarra nesse ponto. Neste ponto, as grandes redes estão levando vantagem, principalmente as redes estrangeiras que chegaram ao país com o know-how dos conceitos de SCM (Supply Chain Management). A tendência de centralizar os estoques é crescente, principalmente pelo fato que uma distribuição eficiente dos estoques pode reduzir os custos e evitar a falta de produtos, vital para esse tipo de operação. É um trade-off, pois, se por um lado será possível diminuir o custo dos fretes por serem entregues em um único local, por outro lado implica em volumes de compras maiores. É necessário considerar limitações neste tipo de operação, como a capacidade de transporte, perecibilidade e a obsoslência dos produtos. Esse tipo de operação também diminui o giro dos estoques, mas se for possível obter menor custo global na operação, ela deve ser considerada para os itens que podem ser comprados em grandes volumes e quem têm um custo de compra considerável, como produtos de limpeza os quais têm uma validade maior. O uso de modelos adequados para a tomada de decisão sobre como suprir as demandas deve ser feito com foco na operação de menor custo, buscando definir os estoques de segurança na menor necessidade possível para o nível de serviço estabelecido. Por isso é necessária uma integração entre as áreas comerciais e de logística, que neste caso representa uma mudança de cultura, pois por muitos anos a operação de compra não teve acesso a ferramentas avançadas para a tomada de decisão. O cenário do setor, cada vez mais competitivo, faz com que as empresas busquem as melhores práticas de gestão com o objetivo de diminuírem os custos ao mesmo tempo em que precisam manter um nível adequado de serviços aos clientes. Por isso, pelo alto impacto dos estoques nos custos operacionais, o uso de métodos avançados de reabastecimento e ferramentas adequadas para a tomada de decisão proporciona melhores resultados em um ambiente volátil como é o deste setor. Referências Bibliográficas CORRÊA, H. L., CAON, M. Gestão de Serviços. Lucratividade por Meio de Operações e de Satisfação dos Clientes. 2ª. Ed. São Paulo, Atlas, LEVY, M. Administração de Varejo. São Paulo, Atlas, PARENTE, J. Varejo no Brasil: Gestão e Estratégia. São Paulo, Atlas, MOURA, Cássia. Gestão de Estoques: Ação e Monitoramente na Cadeia de Logística Integrada. Rio de 8

9 Janeiro: Editora Ciência Moderna, REVISTA GÔNDOLA. Empreendedores de Minas [Rede Bretas]. Belo Horizonte, Ano 13, nº 147, Outubro/2007, pp REVISTA PANORAMA SUPER HIPER, Araguaia, Análises e Estatísticas. São Paulo, Ano 3, nº 3, Janeiro/2009. REVISTA SUPER VAREJO, Plural, São Paulo, Ano 9, nº 90, Março/2008, p SLACK, N. Administração da Produção. São Paulo, Atlas, TAYLOR, D. A. Logística na Cadeia de Suprimentos: Uma perspectiva Gerencial. São Paulo, Pearson Addison-Wesley, WANKE, Peter. Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimento: Decisões e Modelos Quantitativos. São Paulo, Atlas,

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO Este texto é o segundo de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva diferente da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE BAURU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE BAURU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE BAURU PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Luiz Gustavo Chaves de Toledo APLICAÇÃO DOS MODELOS CLÁSSICOS DE ESTOQUES EM UMA REDE

Leia mais

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo.

ANÁLISE DE AMBIENTE. E neste contexto, podemos dividir a análise ambiental em dois níveis distintos: Ambiente Externo. Gestão de Estoques ANÁLISE DE AMBIENTE Pode-se dizer que as empresas são sistemas abertos, pois estão em permanente intercâmbio com o seu ambiente, ao mesmo tempo em que devem buscar incessantemente o

Leia mais

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Custos Logísticos. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo. É todo custo gerado por operações logística em uma empresa, visando atender as necessidades dos clientes de qualidade custo e principalmente prazo. Não basta somente realizar tarefas, é preciso ser assertivo.

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler

GESTÃO DE ESTOQUES. Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler GESTÃO DE ESTOQUES Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 4 Prof. Rafael Roesler Sumário Gestão de estoque Conceito de estoque Funções do estoque Estoque de segurança

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Projeto TRANSFORMAR. No Contexto Varejo há que se trocar a turbina durante o voo, logo:

Projeto TRANSFORMAR. No Contexto Varejo há que se trocar a turbina durante o voo, logo: 1 Projeto TRANSFORMAR Levando em consideração que as PERDAS podem ser provenientes de diversas fontes, sejam elas OPERACIONAIS, OBSOLESCÊNCIA, FURTO ou INCONSISTÊNCIA DE DADOS, o Supermercados Russi adotou

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Unidade II 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DE CAPITAL Morgado (01) afirma que a importância do planejamento e do controle financeiro em uma empresa está intimamente

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA ESTOQUE EFICIENTE E REDUÇÃO DE RUPTURAS

TECNOLOGIAS PARA ESTOQUE EFICIENTE E REDUÇÃO DE RUPTURAS TECNOLOGIAS PARA ESTOQUE EFICIENTE E REDUÇÃO DE RUPTURAS DISPONIBILIDADE EM GÔNDOLA Claudia Fajuri 21/05/2014 QUAL É O LUCRO DO SETOR SUPERMERCADISTA? Para cada R$100,00que entram no caixa, quantos Reais

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 2. Logística de Resposta Rápida. Contextualização. Prof. Me. John Jackson Buettgen Logística Empresarial Aula 2 Evolução da Disciplina O papel da Logística Empresarial Aula 1 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Aula 2 Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA EMPRESA A WZ É UMA EMPRESA de consultoria em logística formada por profissionais com ampla experiência de mercado e oriundos de empresas dos setores varejista, atacadista, distribuidores e industrias.

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA

GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA GERENCIAMENTO DE ESTOQUE NA FARMÁCIA Em qualquer empresa que atua na comercialização de produtos, o estoque apresenta-se como elemento fundamental. No ramo farmacêutico, não é diferente, sendo o controle

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins

Logística Integrada. Prof. Fernando Augusto Silva Marins. fmarins@feg.unesp.br. www.feg.unesp.br/~fmarins Logística Integrada Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário Cenário Fatores para o Desenvolvimento da Logística Bases da Logística Integrada Conceitos

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição. Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil

ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição. Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil ETIQUETA INTELIGENTE (RFID) A nova fronteira na cadeia de distribuição Onde estamos, para onde vamos? Claudio Czapski, ECR Brasil 1 Plano Estratégico do Comitê -o que? (disseminação do conhecimento) -

Leia mais

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica

Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Terceirização total ou terceirização parcial: qual delas escolher? Dialetto Comunicação Estratégica Índice Introdução Capítulo 1 - Por que terceirizar a montagem de placas? Capítulo 2 - Como escolher a

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Planejamento Logístico. Anhanguera 2011 Prof. André Jun

Planejamento Logístico. Anhanguera 2011 Prof. André Jun Planejamento Logístico Anhanguera 2011 Prof. André Jun Cap. 3 Vencendo como um time Just-in-time Contexto: complexidade e variabilidade tornam o SCM difícil de ser administrado; assim, as empresas têm

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção

Departamento de Engenharia. ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles Faz

Leia mais

Administrando Estoques e Processos Adequadamente

Administrando Estoques e Processos Adequadamente Administrando Estoques e Processos Adequadamente Estoque é Dinheiro Planeje e Controle seus Estoques Rev - 1105 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA

A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA A ESCOLHA DO SOFTWARE PARA INFORMATIZAÇÃO DA SUA EMPRESA Necessidade de informatizar a empresa Uma senhora muito simpática, Dona Maria das Coxinhas, feliz proprietária de um comércio de salgadinhos, está,

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

Gestão de Estoques. Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP

Gestão de Estoques. Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP Gestão de Estoques Prof. José Roberto Dale Luche Prof. Fernando Augusto Silva Marins DPD-FEG-UNESP Sumário Introdução A arte da segmentação Políticas Diferenciadas Aspectos Fundamentais Políticas de Estoques

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais