DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PRODUÇÃO EM AMBIENTE DE TI DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL DOCUMENTO PROTEGIDO PELA LEI DE DIREITO AUTORAL Por: Elisabeth Lumena Becker Orientador Professor Cleber Gonzaga Brasília Agosto/2008

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE 2 GESTÃO DE ATIVIDADES DE PRODUÇÃO EM AMBIENTE DE TI DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão Estratégica e Qualidade. Por: Elisabeth Lumena Becker

3 AGRADECIMENTOS 3 Primeiro a Deus pela graça concedida; aos meus familiares e amigos e a todos os professores, que contribuíram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho, incentivando e apoiando meu desenvolvimento pessoal e acadêmico.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a Deus por minha filha Ana Maria e por minha vida, a minha mãe Sonia Thereza (em memória) pelo eterno incentivo ao estudo e também ao meu pai Edison (em memória) por me preparar para a vida. A todos aqueles que direta ou indiretamente colaboraram na coleta, seleção e organização de fatos e propostas de solução que culminaram com este trabalho.

5 5 RESUMO A tecnologia da informação possui um papel vital nas organizações e o gerenciamento dos serviços de TI passa a ser uma ferramenta estratégica para que uma empresa possa alcançar uma melhor visibilidade dos seus negócios, controle das operações e eficiência operacional. O Brasil possui um papel de destaque no cenário mundial pelos investimentos que as empresas estão fazendo tanto na melhoria de seus sistemas de gerenciamento de TI quanto na busca contínua de alinhamento estratégico de TI com os negócios. Com isso este trabalho ilustra uma consolidação e análise de dados coletados, principalmente de empresas fornecedoras da área de Tecnologia da Caixa Econômica Federal, para composição das necessidades oriundas da atual conjuntura de governança do ambiente e serviços de tecnologia - a gestão a cargo de funcionários cuja falta de qualificação agrega sutil vulnerabilidade à empresa - o que requer aperfeiçoar os conhecimentos no universo do planejamento, controle, desenvolvimento e ação, bem como agregar recursos humanos qualificados.

6 6 METODOLOGIA A metodologia utilizada será a investigação empírica do ambiente de produção da REROPBR Representação de Operações Tecnológicas da Caixa Econômica Federal, onde atualmente atuo como especialista. Esta pesquisa visa, através de da análise do documento técnico elaborado pela Caixa Econômica Federal para o processo licitatório da gestão de TI apontando as necessidades teórico-práticas para evolução da absorção de atividades de planejamento e análise da produção de sistemas, bem como coletar informações quanto às necessidades para atingir a meta. Como complemento da pesquisa será realizada coleta de dados que se desenvolverá principalmente em sítios tecnológicos de hardware e software de fornecedores da empresa. A Caixa Econômica Federal pretende otimizar sua governança em TI e absorver algumas atividades atualmente terceirizadas. O objetivo é reassumir a inteligência da manutenção do processo produtivo que se perdeu com a terceirização. O trabalho visa mensurar e identificar fatores que forneçam subsídios para incorporar as tendências atuais da gestão de TI na Caixa Econômica Federal, bem como contribuir na definição de estratégias mais adequadas ao objetivo atual da empresa.

7 SUMÁRIO 7 INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I - TI da Caixa Econômica Federal 10 CAPÍTULO II - Aspectos Técnicos de Gestão da Mudança da TI na Caixa Econômica Federal 12 CAPÍTULO III - Resultados da Gestão de TI 50 CONCLUSÃO 55 BIBLIOGRAFIA 56 GLOSSÁRIO 58 ÍNDICE 60 ÍNDICE DE FIGURAS 622 FOLHA DE AVALIAÇÃO 62

8 INTRODUÇÃO 8 O planejamento e a gestão em um ambiente de TI representam a potencialização das possibilidades de lucro para uma organização. Aliás, com a globalização a prosperidade de uma empresa depende da forma pela qual as decisões são tomadas. A instantaneidade das informações e a rapidez de acesso a dados mostram que o conhecimento é o grande ativo no mundo atual. Por isso, a Caixa Econômica Federal, como outras grandes empresas no mundo, estão investindo cada vez mais em tecnologias de informação, visando principalmente à tempestividade no compartilhamento de informações. O advento da era da informação nas últimas décadas tornou obsoleto muitas das premissas fundamentais da concorrência, vislumbramos uma época em que para obter vantagens competitivas sustentáveis é necessária a rápida alocação de novas tecnologias e, portanto, investir em pessoal especializado para operar e agenciar tal tecnologia na mesma velocidade das mudanças que se referem a esta. Conforme o modelo atual de terceirização, as atividades do contingente de recursos humanos da Caixa Econômica Federal, são basicamente de gestão de TI, voltadas para o acompanhamento e direcionamento de tarefas, isto é, as demandas são recebidas e redirecionadas para equipe terceirizada responsável pela execução. Visando otimizar a sistemática de governança de seu ambiente e serviços de tecnologia a Caixa Econômica Federal, aproveitando-se do encerramento do atual contrato de terceirização de serviços, deu ênfase no processo licitatório para o novo contrato de terceirização, à questão da transferência de conhecimentos na vigência do novo contrato (um ano). Para

9 9 tanto solicitou a suas representações que efetuassem plano de absorção das atividades previstas no edital de concorrência numero 035/2006 CPL/BR (Comissão Permanente de Licitação/Brasília). Tal medida tem como principal objetivo, o aprimoramento do seu quadro de pessoal, eliminando dessa forma a possibilidade de surgimento de eventuais pontos de vulnerabilidade no trato da informação. Nesse contexto, a Caixa Econômica Federal vem intensificando os seus esforços no sentido de absorver a inteligência das atividades desenvolvidas nas Representações de Operações Tecnológicas; e, através da presente monografia, nos deteremos mais especificamente nas atividades de produção da Representação de Brasília. O capitulo I consiste na descrição do objetivo deste trabalho. No capitulo II foi montado roteiro para elaboração do trabalho contendo as diretrizes adotadas para sua consecução, bem como estão descritas as atividades que devem ser absorvidas em função da concorrência da Caixa Econômica Federal numero 035/2006 CPL/BR, divide as atividades por nível de conhecimento e classifica-as em função da absorção. Este capítulo além de enfocar os requisitos matérias e humanos desejáveis para absorção das atividades anteriormente elencadas, enfatizando a importância de treinamentos para capacitação dos recursos humanos necessários, sugere uma metodologia para a absorção, bem como uma alternativa integrada as condições atuais da Caixa Econômica Federal. O capítulo III apresenta metodologia para mensurar o conhecimento adquirido no decorrer do prazo de absorção, bem como avaliar o sucesso do planejamento efetuado nas condições propostas.

10 CAPÍTULO I TI da Caixa Econômica Federal 10 Na Caixa Econômica Federal, é possível observar uma imensa gama de sistemas de informação, voltados para a área financeira, controle de produtos e procedimentos, recursos humanos, informações gerenciais, etc. De um modo geral, eles facilitam a tomada de decisão e ajudam a controlar os diferentes processos desenvolvidos na organização, bem como contribuem de forma bastante positiva para a evolução da mesma. Este capítulo consiste na simples descrição do objetivo deste trabalho, cujo foco é o atual direcionamento de gestão da Caixa Econômica Federal visando otimizar a sistemática de governança de seu ambiente de TI. De uma maneira geral busca identificar, analisar e avaliar os recursos humanos e materiais necessários para absorção de atividades, diante de alterações na postura da área de TI. Este trabalho tem a pretensão de mostrar que o processo de melhoria e mudança inicia-se com gestão, treinamento e recursos humanos qualificados ao desenvolvimento das atividades, necessitando um conjunto de técnicas e procedimentos, que passa pelo recrutamento para atrair candidatos potencialmente qualificados, treinamento adequado ao desenvolvimento das competências profissionais e aprimoramento individual, planejamento, organização, acompanhamento e monitoração da metodologia aplicada visando evitar falhas e caso existam, corrigi-las em tempo hábil, sem prejudicar a meta desejada. Tem como objetivo principal, apresentar ações idealizadas para prover a absorção, por parte dos empregados CAIXA da Supervisão de Planejamento e

11 11 Análise de Produção da REROPBR, do know-how dos técnicos da empresa terceirizada vencedora do Novo Contrato de Terceirização. Esta transferência de conhecimento está prevista no Objeto 3 do Edital, sendo descrita no Anexo I C, do mesmo. Consta que a Contratada será responsável pelas ações voltadas ao desenvolvimento de competências, técnicas ou não, para assimilação das atividades pelos empregados da CAIXA, devendo esta assimilação estar concluída ao final do período de vigência do contrato (1 ano).

12 CAPÍTULO II Aspectos Técnicos de Gestão da Mudança da TI na Caixa Econômica Federal 12 Por meio do Plano Estratégico, uma organização irá determinar o caminho a seguir para atingir seus objetivos de melhoria da qualidade, atendendo os princípios preceituados na sua Missão. Este capítulo trata da descrição do planejamento efetuado pára consecução do trabalho apresentando as ações idealizadas para prover a absorção, por parte de empregados da Caixa Econômica Federal, mais especificamente da Supervisão de Planejamento e Análise de Produção da Representação de Operações de Brasília - REROPBR, do know-how dos técnicos da empresa terceirizada vencedora do Novo Contrato de Terceirização. A maioria das organizações já empreendeu projetos e esforços de planejamento estratégico sem, contudo, conseguir alcançar os objetivos desejados, exatamente por tratarem sua iniciativa como projeto e não como processo e, como não entendem o planejamento estratégico como processo, carecem da visão que lhes permitiria conceber os métodos para a execução do plano. O sucesso de uma organização não é alcançado por meio de uma brilhante estratégia. É alcançado por meio de uma brilhante execução da estratégia. Na verdade, a execução da estratégia é mais importante do que a estratégia em si. Robert Kaplan & David Norton

13 13 Segundo Kaplan e Norton, criadores da metodologia de medição e avaliação do desempenho conhecida como Balanced Scorecard, 90% das organizações não implementam seus planos estratégicos. Para que se compreenda melhor esta situação, apresenta-se a seguir o ciclo PDCA (Plan- Do-Check-Act), o mais importante conceito da gestão pela qualidade, para um processo de planejamento estratégico. O giro do ciclo não tem fim, já que se trata de um processo de aprendizagem contínua. Este ciclo é ilustrado a seguir: Figura 1 - Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) Diretrizes adotadas para o planejamento estratégico: Com base nas atividades previstas para serem executadas pela Contratada no ambiente de produção, descritas no Anexo I C do Edital, observamos a existência de atividades não realizadas pelo pessoal CAIXA, tanto por falta de conhecimentos específicos para a sua realização quanto por falta de contingente necessário (LNP). Salientamos que poucas atividades são parcialmente executadas pelo contingente CAIXA. Isso forma o escopo do que deverá ser a absorção integral por funcionários CAIXA ao fim do contrato, a princípio de um ano.

14 14 A metodologia utilizada estabelece condições que deverão ser observadas para viabilizar esta absorção, incluindo o que se prevê como necessário, em termos de recursos humanos e materiais. Para que haja a transferência efetiva de ações e de conhecimentos da Contratada para a CAIXA, seria condição sine qua non o incremento de funcionários para atender as novas demandas de produção, bem como os treinamentos para qualificação necessária. Entretanto a aplicação da teoria à prática na atual conjuntura da CAIXA, poderia inviabilizar a absorção no prazo esperado. Neste sentido elaboramos alternativa à metodologia sugerida, onde treinamentos seriam substituídos por WORKSHOP s e FÒRUNS TÉCNICOS e a absorção se daria com os recursos existentes. Visando atingir aos objetivos, foi elaborado método de absorção intercalando acompanhamento, treinamentos, WORKSHOP s ou FÒRUNS TÉCNICOS necessários à capacitação, execução com acompanhamento in loco e a distância. As atividades foram classificadas e divididas em três: planejamento, produção e acompanhamento, visando facilitar o enquadramento aos treinamentos necessários ao desempenho de cada grupo de atividades. Foram criados critérios para apontar se a pretendida absorção ocorreu de fato e em que grau, ou seja, os objetos que caracterizam se o funcionário CAIXA está apto ou não a desempenhar as novas atividades (comprovação teórica e prática). Neste caso também se estabeleceu à correlação escalar entre o sucesso ou não do empregado na avaliação e o grau que se pode atribuir a isso em termos de transferência de conhecimento.

15 15 Foi feito cronograma de acompanhamento da transferência que se expressa pela execução dos eventos citados acima Atividades Objeto da Absorção Neste capítulo são relacionadas as atividades descritas no item 9.4 do anexo I C do edital de concorrência numero 035/2006 CPL/BR da Caixa Econômica Federal. Na referida concorrência os serviços contratados são descritos como atividades de controle, qualidade e conformidade no âmbito das Representações de Operações Tecnológicas, compreendendo implementação dos processos de governança de ambiente e serviços de tecnologia, realizadas pela Caixa Econômica federal e empresas contratadas, desempenhando atividades de planejamento, transferência de conhecimento, controle e qualidade, envolvendo as diversas plataformas de tecnologia utilizadas e sistemas de informação processados pela Caixa Econômica Federal. Os serviços deverão ser realizados pela contratada, responsável pelas ações voltadas ao desenvolvimento de competências, técnicas ou não, para assimilação das atividades pelos empregados da Caixa Econômica Federal. Portanto o grande objetivo do contrato será a preparação da Caixa Econômica Federal para assimilar as atividades ao final do seu período de vigência (um ano). Conforme o modelo atual de terceirização, as atividades do contingente CAIXA são basicamente de acompanhamento e direcionamento de tarefas, isto é, as demandas são recebidas e redirecionadas para equipe terceirizada responsável pela execução. Visando auxiliar na visualização da situação atual dividimos as atividades não realizadas por falta de conhecimento das atividades

16 16 parcialmente realizadas, onde podemos supor um conhecimento superficial das mesmas. Tal levantamento evidenciou grande necessidade de capacitação técnica para consecução da nova estruturação. Então para absorção de conhecimentos pelos empregados e visando facilitar a implantação, os serviços foram classificados em três grupos pelo tipo de atividade a ser executada: voltadas para planejamento, voltadas para produção e voltadas para acompanhamento. A análise das atividades, por sua peculiaridade, evidenciou alta complexidade, bem como alto nível de impacto, motivo pelo qual tais argumentos acabaram sendo desconsiderados para referida classificação. Portanto foram adotados critérios de acordo com o nível do treinamento para know how necessário à execução de determinado tipo de atividade. Com base nessa classificação os treinamentos foram direcionados de acordo com a atividade a ser executada. Entenda-se que esta subdivisão é apenas para facilitar e direcionar os treinamentos necessários Atividades específicas da supervisão de planejamento e análise de produção previstas no edital As atividades descritas no item 9.4 do anexo I C do edital de concorrência numero 035/2006 CPL/BR da Caixa Econômica Federal são as listadas a seguir. Acompanhar e atuar, conforme o caso, na resolução dos problemas ocorridos nos sistemas em produção;

17 17 Acompanhar execuções de processamentos batch, on-line e de scripts automatizados dos sistemas aplicativos no ambiente de TI da CAIXA; Analisar demandas e sugerir a necessidades de recursos tecnológicos; Analisar os pareceres emitidos pelos técnicos e propor ações de correção; Avaliar possíveis impactos quando da implantação de novas aplicações nos ambientes operacionais já estabelecidos, sugerindo os ajustes necessários; Copiar JOB da produção, módulos, SYSINS, adequar PROCEDURES e efetuar as customizações necessárias; Criar e/ou manter rotinas de apoio aos processos em produção; Disponibilizar os sistemas nos horários e prazos programados nos ambientes de TI da CAIXA (produção); Divulgar o planejamento das rotinas de produção; Efetuar análise de impacto de sistemas e propor prazos e alternativas; Elaborar e analisar relatórios de análise de performance e desempenho de aplicações e novas implementações, com emissão de pareceres; Elaborar e controlar os BACK-UP dos sistemas aplicativos, dos sistemas operacionais e demais BACK-UP da instalação; Elaborar e implementar processos de automatização de rotinas; Elaborar, documentar e implementar as rotinas de produção dos sistemas aplicativos nas ferramentas de automação; Elaborar, documentar e implementar novos aplicativos e/ou fases operativas no ambiente de produção; Elaborar, documentar e implementar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais; Elaborar, documentar e implementar rotinas de produção a serem executadas;

18 18 Elaborar, documentar e implementar rotinas de recuperação e reinício de processos; Executar padrões de gerenciamento de arquivos; Identificar situações e padrões para as necessidades de recuperação ou reinício de processos; Identificar, propor e implementar indicadores para o dimensionamento do custo na utilização de recursos; Implementar e documentar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais para validação e testes nos ambientes; Implementar e orientar padrões de gerenciamento de arquivos; Implementar medidas para correção de quaisquer incidentes/problemas ou deficiências observadas na produção de sistemas; Implementar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais; Implementar procedimentos de alocação e hierarquia de STORAGE; Implementar rotinas e processos referentes às implementações e manutenções de sistemas; Interagir tecnicamente com o responsável pela rotina ou pelo sistema onde existir pendência para a correção; Participar da elaboração cronograma de implantação e manutenção de sistemas e acordo de nível operacional; Prover suporte as implantações a sistemas aplicativos; Recuperar processos em ambiente de TI da CAIXA (homologação, desenvolvimento e produção) de acordo com a documentação disponibilizada; Verificar o atendimento quanto ao cumprimento das normas de padronização dos sistemas;

19 2.2.2 Atividades as quais a supervisão de planejamento e análise de produção necessitará de absorção de conhecimento 19 Conforme o modelo atual de terceirização, as atividades do contingente CAIXA são basicamente de gestão de TI, acompanhamento e direcionamento de tarefas, isto é, as demandas são recebidas e redirecionadas para equipe terceirizada responsável pela execução. Visando auxiliar na visualização da situação atual dividimos as atividades não realizadas por falta de conhecimento das atividades parcialmente realizadas, onde podemos supor um conhecimento superficial das mesmas Atividades não realizadas por falta de conhecimento Analisar demandas e sugerir as necessidades de recursos tecnológicos; Avaliar possíveis impactos quando da implantação de novas aplicações nos ambientes operacionais já estabelecidos, sugerindo os ajustes necessários; Copiar JOB da produção, módulos, SYSINS, adequar PROCEDURES e efetuar as customizações necessárias; Criar e/ou manter rotinas de apoio aos processos em produção; Disponibilizar os sistemas nos horários e prazos programados nos ambientes de TI da CAIXA (produção); Efetuar análise de impacto de sistemas e propor prazos e alternativas; Elaborar e analisar relatórios de análise de performance e desempenho de aplicações e novas implementações, com emissão de pareceres;

20 20 Elaborar e controlar os BACK-UP dos sistemas aplicativos, dos sistemas operacionais e demais BACK-UP da instalação; Elaborar e implementar processos de automatização de rotinas; Elaborar, documentar e implementar as rotinas de produção dos sistemas aplicativos nas ferramentas de automação; Elaborar, documentar e implementar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais; Elaborar, documentar e implementar rotinas de produção a serem executadas; Elaborar, documentar e implementar rotinas de recuperação e reinício de processos; Executar padrões de gerenciamento de arquivos; Identificar, propor e implementar indicadores para o dimensionamento do custo na utilização de recursos; Implementar e documentar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais para validação e testes nos ambientes; Implementar e orientar padrões de gerenciamento de arquivos; Implementar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais; Implementar procedimentos de alocação e hierarquia de STORAGE; Implementar rotinas e processos referentes às implementações e manutenções de sistemas; Prover suporte as implantações a sistemas aplicativos; Recuperar processos em ambiente de TI da CAIXA (homologação, desenvolvimento e produção) de acordo com a documentação disponibilizada Atividades parcialmente realizadas (gestão) Acompanhar e atuar, conforme o caso, na resolução dos problemas ocorridos nos sistemas em produção;

21 21 Acompanhar execuções de processamentos batch, on-line e de scripts automatizados dos sistemas aplicativos no ambiente de TI da CAIXA; Analisar os pareceres emitidos pelos técnicos e propor ações de correção; Divulgar o planejamento das rotinas de produção; Elaborar, documentar e implementar novos aplicativos e/ou fases operativas no ambiente de produção; Identificar situações e padrões para as necessidades de recuperação ou reinício de processos; Implementar medidas para correção de quaisquer incidentes/problemas ou deficiências observadas na produção de sistemas; Interagir tecnicamente com o responsável pela rotina ou pelo sistema onde existir pendência para a correção; Participar da elaboração cronograma de implantação e manutenção de sistemas e acordo de nível operacional; Verificar o atendimento quanto ao cumprimento das normas de padronização dos sistemas. 2.3 Classificação das atividades da supervisão de planejamento e análise de produção para o novo modelo Considerando a nova estruturação para absorção de conhecimentos pelos empregados e visando facilitar a implantação, os serviços foram classificados em três grupos pelo tipo de atividade a ser executada. A análise das atividades de produção, por sua peculiaridade, evidenciou alta complexidade, bem como alto nível de impacto, motivo pelo qual tais argumentos acabaram sendo desconsiderados para referida classificação.

22 22 Portanto foram adotados critérios de acordo com o nível do treinamento para know how necessário à execução de determinado tipo de atividade. Com base nessa classificação os treinamentos foram direcionados de acordo com a atividade a ser executada. Entenda-se que esta subdivisão é apenas para facilitar e direcionar os treinamentos necessários Atividades voltadas para o planejamento Executar padrões de gerenciamento de arquivos. Implementar e orientar padrões de gerenciamento de arquivos. Implementar procedimentos de alocação e hierarquia de STORAGE. Analisar demandas e sugerir as necessidades de recursos tecnológicos. Identificar, propor e implementar indicadores para o dimensionamento do custo na utilização dos recursos. Implementar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais. Avaliar possíveis impactos quando da implantação de novas aplicações nos ambientes operacionais já estabelecidos, sugerindo os ajustes necessários. Efetuar análise de impacto de sistemas e propor prazos e alternativas. Elaborar, documentar e implementar rotinas de produção a serem executadas. Implementar rotinas e processos referentes às implementações e manutenções de sistemas. Prover suporte as implementações a sistemas aplicativos. Recuperar processos em ambiente de TI da CAIXA (homologação, desenvolvimento e produção) de acordo com a documentação disponibilizada.

23 Atividades voltadas para a produção Copiar JOB da produção, módulos, SYSINS, adequar PROCEDURES e efetuar as customizações necessárias. Disponibilizar os sistemas nos horários e prazos programados nos ambientes de TI da CAIXA (produção). Analisar os pareceres emitidos pelos técnicos e propor ações de correção. Participar da elaboração de cronograma de implantação e manutenção de sistemas e acordo de nível operacional. Criar e/ou manter rotinas de apoio aos processos em produção. Elaborar e analisar relatórios de análise de performance e desempenho de aplicações e novas implementações com emissão de pareceres. Elaborar, documentar e implementar as rotinas de produção dos sistemas aplicativos nas ferramentas de automação. Elaborar, documentar e implementar novos aplicativos e/ou fases operativas no ambiente de produção. Elaborar, documentar e implementar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais. Implementar e documentar novos fluxos produtivos e/ou rotinas eventuais para validação e testes nos ambientes. Elaborar e implementar processos de automatização de rotinas. Elaborar, documentar e implementar rotinas de recuperação e reinício de processos. Interagir tecnicamente com o responsável pela rotina ou pelo sistema onde existir pendência para a correção.

24 2.3.3 Atividades voltadas para o acompanhamento 24 Acompanhar e atuar, conforme o caso, na resolução dos problemas ocorridos nos sistemas em produção. Acompanhar execuções de processamentos batch, on-line e de scripts automatizados dos sistemas aplicativos no ambiente de TI da CAIXA. Divulgar o planejamento das rotinas de produção. Elaborar e controlar os BACKUP dos sistemas aplicativos, dos sistemas operacionais e demais BACKUP da instalação. Verificar o atendimento quanto ao cumprimento das normas de padronização dos sistemas. Identificar situações e padrões para as necessidades de recuperação ou reinício de processos. Implementar medidas para correção de quaisquer incidentes/problemas ou deficiências observadas na produção de sistemas. 2.4 Requisitos Desejáveis Para Absorção A aprendizagem organizacional é o foco dos processos de gestão contemporâneos. Diversos autores teorizam que as empresas atualmente são vistas como instituições de aprendizagem, onde o conhecimento é parte fundamental no processo. Teorias e práticas de sucesso em treinamentos existem em diversos livros além de artigos onde encontramos citações de que se a empresa percebe e comprova que o treinamento é um poderoso instrumento de alavancagem de negócios e resultados, um diferencial competitivo e uma necessidade constante para aperfeiçoamento e reciclagem dos seus colaboradores, com certeza ela vai tratar as ações de treinamento com mais

25 25 seriedade e como um investimento estratégico e prioritário, principalmente se está em processo de mudança organizacional. Peter Senge, entre outros autores, desenvolve trabalhos sobre a gestão do comportamento organizacional, especialmente na concepção de "organizações de aprendizagem" ou Learning Organization. Tem pesquisado a possibilidade de aplicação de conceitos, idéias e práticas nos mais variados tipos de organizações, sobre formação profissional, educação continuada, treinamento e desenvolvimento. S. Hoyler, no "Manual de Relações Industriais" (1970), já dizia: "treinamento é um investimento empresarial destinado a capacitar uma equipe de trabalho a reduzir ou eliminar a diferença entre o atual desempenho e os objetivos e realizações propostos. Em outras palavras e num sentido mais amplo, o treinamento é um esforço dirigido no sentido de equipe, com a finalidade de fazer a mesma atingir o mais economicamente possível os objetivos da empresa". Com esta visão que são pontuados, como requisito extremamente desejável à absorção das atividades pelo contingente da Caixa Econômica Federal, os treinamentos elencados neste capítulo, ou mesmo, alternativas aos treinamentos. Para o total sucesso do investimento, treinamentos devem ser compostos por parte teórica e parte prática, bem como manter o foco em produção.

26 26 Este capítulo enfoca as necessidades de treinamento para capacitação dos recursos humanos existentes, bem como a necessidade de recursos para a absorção de todas as tarefas. Para obter os treinamentos necessários as pesquisas se desenvolveram principalmente em sítios tecnológicos de hardware e software utilizados pela representação da Caixa Econômica Federal Treinamentos desejáveis Como requisito desejável à absorção das atividades, os treinamentos devem ser compostos por parte teórica e parte prática, bem como ter foco em produção. A entidade credenciada deverá avaliar o nível de conhecimento do empregado, bem como as atividades a serem assimiladas em relação aos cursos necessários para sua capacitação. Os treinamentos deverão ser formados por turmas que representem no máximo 33% dos recursos humanos CAIXA disponível em cada supervisão e/ou conforme nível de conhecimento necessário Treinamentos para plataforma intermediário-aberta Os treinamentos necessários para atender as necessidades da plataforma intermediária Windows e Sun foram pesquisados nos respectivos sites e dispostos em planilhas. As planilhas relacionam o curso recomendado à respectiva subdivisão de atividades, conforme a classificação do capítulo anterior (item 2.2)

27 27 atividades voltadas para o planejamento (PLA), atividades voltadas para a produção (PRD) e atividades voltadas para o acompanhamento (ACO) -, bem como especificam a duração de cada curso, conforme pesquisa ao sitio do fornecedor. MICROSOFT - SALA DE AULA CURSOS PLA PRD ACO DURAÇÃO (DIAS) Managing a Microsoft WindowsServer 2003 Environment x x 5 Managing and Maintaining a Microsoft Windows Server 2003 Environment x x 5 Managing and Maintaining a Microsoft Windows Server 2003 Environment x x x 8 Managing a Microsoft Windows Server 2003 Environment (5 day) x 5 Implementing Windows Server 2003 Network Infrastructure: Network Hosts x Microsoft SQL Server 2000 Administration - Installing, Configuring, and Administering SQL Server 2000 Enterprise Edition ALS SQL Server 2000 System Administration - Administering a Microsoft SQL Server 2000 Database (5 days) x x x x 5 Microsoft Official Hands-On-Labs 2234: Aplicação das diretrizes de x x 1 segurança da Microsoft Figura 2 Treinamentos da plataforma intermediário-aberta em sala de aula Fonte:Microsoft MICROSOFT - CURSOS ON-LINE IT ACADEMY CURSOS PLA PRD ACO Course 2277: Implementing, Managing, and Maintaining a Microsoft Windows Server 2003 Network Infrastructure: Network Services Course 2279: Planning, Implementing, and Maintaining a Microsoft Windows Server 2003 Active Directory Infrastructure DURAÇÃO (DIAS) x 5 x 5 Course 2282: Designing a Microsoft Windows Server 2003 Active Directory and Network Infrastructure x 5 Building Microsoft Content Management Server 2002 Solutions x x 4 Microsoft SQL Server 2000: Database Design x x Microsoft SQL Server 2000: Querying with Transact-SQL x x 2 Microsoft SQL Server 2000: System Administration x Figura 3 Treinamentos da plataforma intermediário-aberta on line Fonte:Microsoft

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Capacitando Profissionais

Capacitando Profissionais Capacitando Profissionais 2014 Setup Treinamentos & Soluções em TI www.setuptreinamentos.com APRE SENTA ÇÃ O A atual realidade do mercado de trabalho, que cada dia intensifica a busca por mão-de-obra qualificada,

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DO EAD I-UMA SOBRE O EAD 1. O que é EAD? EAD é a sigla para Ensino a Distância, ou Educação a Distância, uma modalidade de ensino que acontece a partir da união

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO

APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO APÊNDICE IX PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DIRETRIZES GERAIS... 3 3 PROGRAMA DE FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DAS UNIDADES... 4 3.1 Módulo Conceitual - Diretrizes

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Informações de Tecnologia A tecnologia virou ferramenta indispensável para as pessoas trabalharem, se comunicarem e até se divertirem. Computação é a área que mais cresce no mundo inteiro! Esse constante

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas

DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO Ferramenta de Apoio à Gestão de Empresas Aéreas DÉDALO é um sistema de informações especialista, concebido e desenvolvido para automatizar, integrar e dar suporte aos principais processos utilizados

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS 1.1. PERFIL DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA: 1.1.1.DESCRIÇÃO DO PERFIL: O profissional desempenhará

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Administração de CPD Chief Information Office

Administração de CPD Chief Information Office Administração de CPD Chief Information Office Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados ao profissional de

Leia mais

Curso de. Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI

Curso de. Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI Curso de Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI Descrição da Ementa do Curso Como integrar negócio e tecnologia? Como maximizar o retorno sobre investimentos em projetos de Tecnologia

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%.

da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado o maior empregador do setor) seguido pelo México com 23%. Números de tecnologia 630 mil é o número de novos postos de trabalho em TI até 2009 9 em cada 10 PC s vendidos saem com Microsoft Windows 47% da mão-de-obra de TI da América Latina está no Brasil (considerado

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br

Professor: Conrado Frassini cfrassini@uol.com.br Governança de TI e ISO20000 Quo Vadis TI? quinta-feira, 14 de agosto de 2008, 17h09 A área de Tecnologia da Informação vem sofrendo mudanças profundas e esse fenômeno aumentará nos próximos anos. Além

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL PARA SERVIÇO DE OUTSOURCING REFERENTE P&D DE SOFTWARE

PROPOSTA COMERCIAL PARA SERVIÇO DE OUTSOURCING REFERENTE P&D DE SOFTWARE PROPOSTA COMERCIAL PARA SERVIÇO DE OUTSOURCING REFERENTE P&D DE SOFTWARE PROPOSTA LINEA 2011-001.Rev01 (16/09/2011) SOBRE A T&T A Tools & Technologies é uma empresa com ampla experiência em desenvolvimento

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD TERMO DE REFERÊNCIA 1. Título do Projeto Fortalecimento do Controle de Precursores Químicos 2. Número do Projeto UNODC/AD/BRA/98/D33 3. Objetivo Contratação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Nossa relação com o Mercado TIC

Nossa relação com o Mercado TIC Nossa relação com o Mercado TIC Consulting Services Consultoria Técnica e Gerencial em Processos de TI e Aplicações, redesenhando-os à maximização de resultados. Gestão Estratégica: Outsourcing do Desenvolvimento,

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é um Centro de Excelência em Qualidade de Software. Nossa missão é desenvolver, aperfeiçoar e realizar serviços de testes de software inovadores que agregam valor

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO

UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO S Y S T E M S ASG-PERFMAN 2020 UTILIZAÇÃO DA COMPETÊNCIA DE TI ATRAVÉS DE UM ABRANGENTE PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE E MODELAGEM DE CARGAS DE TRABALHO ASG ASG-PERFMAN 2020: Visão Global A sua capacidade

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Evolução do uso de competências para remuneração

Evolução do uso de competências para remuneração Tema: Competências e Instrumentos de Análise de Desempenho na Gestão da Remuneração: Experiências e Lições dos Principais Grupos Empresariais do Brasil José Hipólito Evolução do uso de competências para

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Projetos Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Projetos tem por fornecer conhecimento teórico instrumental que

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais 2 www.nbs.com.br Soluções eficazes em Gestão de Negócios. Nossa Visão Ser referência em consultoria de desenvolvimento e implementação de estratégias, governança, melhoria

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide

Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide Gestão eficaz de pessoas melhorando a produtividade, qualidade e resultados organizacionais. Mário Ibide A Nova América na vida das pessoas 8 Cultural Empresarial Missão Do valor do campo ao campo de valor

Leia mais

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br Nosso método de trabalho foi criado para atender VOCÊ A WISSEN CONSULTING têm como compromisso ajudá-lo a alcançar o sucesso na implementação de ferramentas de gestão e colaboração para que você possa

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

INTERESSADOS ENVIAR CURRÍCULO E PRETENSÃO SALARIAL PARA rebeca@holdenrh.com.br/vanessa@holdenrh.com.br

INTERESSADOS ENVIAR CURRÍCULO E PRETENSÃO SALARIAL PARA rebeca@holdenrh.com.br/vanessa@holdenrh.com.br INTERESSADOS ENVIAR CURRÍCULO E PRETENSÃO SALARIAL PARA rebeca@holdenrh.com.br/vanessa@holdenrh.com.br Vagas Holden TI: Analista de Desenvolvimento Java Sênior Consultor SAP FI DBA SQL Server DBA Oracle

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Conteúdo Gerenciais Direcionadores de Arquitetura de TI Tipologia dos sistemas da informação Prof. Ms. Maria C. Lage marialage.prof@gmail.com As preocupações corporativas Gerenciar Mudanças Crescimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente.

Perfil. Nossa estratégia de crescimento reside na excelência operacional, na inovação, no desenvolvimento do produto e no foco no cliente. Institucional Perfil A ARTSOFT SISTEMAS é uma empresa Brasileira, fundada em 1986, especializada no desenvolvimento de soluções em sistemas integrados de gestão empresarial ERP, customizáveis de acordo

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Somos uma empresa especializada em desenvolver e implementar soluções de alto impacto na gestão e competitividade empresarial. Nossa missão é agregar valor aos negócios de nossos

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais