Resultado fiscal em dezembro Acertando a meta

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resultado fiscal em dezembro Acertando a meta"

Transcrição

1 Brasil quarta-feira, 30 de janeiro de 2013 Resultado fiscal em dezembro Acertando a meta Destaques Uma combinação de (1) receitas atípicas, (2) forte contenção de gastos (temporária), e (3) reclassificação de despesas do PAC (permitindo maiores deduções) garantiu o alcance da meta fiscal ajustada de 2012 pelo setor público. O superávit primário de 2012 foi de 2,4% do PIB (resultado recorrente: 1,8%), abaixo dos 3,1% (recorrente: 2,7%) registrado em Esperamos novas reduções no esforço fiscal ao longo de , com foco particular nas desonerações (até o momento, estas totalizam cerca de 1,0% do PIB para este ano). A despesa líquida de juros do setor público e a taxa de juros implícita da dívida líquida seguem em tendência de queda. Pagamentos menores de juros vêm compensando o efeito de um superávit primário mais baixo sobre o déficit nominal, que caiu para 2,47% do PIB (2011: 2,61%). O gasto anual com juro foi de 4,8% do PIB, o menor da série histórica. A dívida líquida caiu 1,3 p.p. para 35,1% do PIB em 2012, influenciada pela depreciação da taxa de câmbio. Estimamos que a dívida líquida estaria em torno de 38,5% do PIB, mas ainda em tendência de queda, sem o efeito de receitas não recorrentes obtidas nos últimos anos. A dívida bruta subiu 4,4 p.p. no ano passado, para 58,6% do PIB, influenciada por operações compromissadas do BC para enxugar liquidez e por aportes do Tesouro a bancos oficiais. Resultado Primário do Setor Público Consolidado Segundo os dados ( abaixo da linha ) divulgados pelo Banco Central, o setor público registrou um superávit primário de 22,3 bilhões de reais em dezembro, abaixo do consenso (23,9 bilhões de reais) e de nossa estimativa (27 bilhões de reais). O governo central apresentou um saldo positivo de 27,9 bilhões de reais, ao passo que os governos regionais tiveram déficit primário de 3,1 bilhões de reais. A surpresa negativa ficou por conta do resultado fiscal das empresas estatais, que fecharam dezembro com déficit primário de 2,6 bilhões de reais. Como percentual do PIB, o superávit consolidado de dezembro foi de 5,6%, o mais alto na série mensal desde setembro de Assim como naquele mês, o resultado de dezembro de 2012 foi influenciado por um elevado volume de receitas atípicas, totalizando cerca de 19 bilhões de reais. A busca por receitas não recorrentes foi uma das ações que, ao lado de uma freada instantânea de gastos federais e da inclusão (retroativa) de uma lista mais ampla de despesas no ambito do PAC, garantiram o alcance da meta fiscal ajustada (i.e., contando com os abatimentos relativos a gastos com o PAC, permitidos pela LDO). No ano, o superávit primário do setor público ficou em 2,38% do PIB, abaixo do saldo de 3,11% observado em O governo central apresentou um superávit de 1,95% do PIB (2011: 2,25%); o saldo de governos regionais foi de 0,49% (2011: 0,80%); as empresas estatais registraram déficit de 0,06%, praticamente devolvendo o resultado positivo observado em Estimamos que o setor público tenha registrado um resultado primário recorrente (conceito de A última página deste relatório contém informações importantes sobre o seu conteúdo. Os investidores não devem considerar este relatório como fator único ao tomarem suas decisões de investimento.

2 resultado fiscal que neutraliza os efeitos de receitas e despesas atípicas) de 1,8% do PIB, quase um ponto percentual abaixo dos 2,7% verificados no ano anterior (Gráfico 1). 4,5% 4,0% 3,5% 3,0% 2,5% % PIB, 12m Gráfico 1 - Superávit Primário do Setor Público 3,9% 3,8% 3,9% 3,7% 3,4% 3,8% 3,0% 2,7% 3,1% 2,7% 2,4% 2,0% 1,5% 2,0% 1,8% 1,0% 0,5% 0,0% Série convencional (dado oficial do BC) Série recorrente (exclui receitas atípicas) Fonte: Banco Central, Itaú Os números sugerem uma postura mais expansionista de política fiscal no ano passado, conclusão que também é reforçada por nossas estimativas preliminares de superávit estrutural (que ajusta o resultado fiscal também para os ciclos econômicos). Resultado Primário do Governo Central Para dezembro, os dados ( acima da linha ) do Tesouro Nacional mostram que o governo central registrou um superávit primário de 28,3 bilhões de reais, ou 6,7% do PIB do mês. Como esperado, o resultado foi um dos maiores da série histórica, sendo amplamente impulsionado por receitas atípicas, tais como dividendos antecipados de bancos estatais (7 bilhões de reais) e um saque de (12 bilhões de reais) do Fundo Soberano. As receitas extraordinárias obtidas no final de dezembro tiveram um papel crucial no alcance da meta fiscal do governo central em Também ajudou a súbita contenção (ainda que temporária) do gasto federal em dezembro gerando uma queda (bastante generalizada) de 6% em termos reais frente a um ano atrás. Houve ainda uma reclassificação de gastos ampliando a lista de despesas relacionadas ao PAC, o que elevou o volume de deduções da meta fiscal. Cerca de 7 bilhões de reais em novos gastos (de capital) em educação, defesa e desenvolvimento social passaram a ser registradas no âmbito do PAC, o que foi fundamental para garantir o cumprimento da meta fiscal ajustada, para fins legais. O governo central registrou superávit primário para o ano de 2012 de 2,0% do PIB (2011: 2,3%), o que se compara a uma meta ajustada em torno de 1,3% (meta cheia: 2,1%). Controlando para receitas não recorrentes, o saldo primário do ano passado ficou em 1,4% (2011: 2,1%). A postura fiscal mais solta se materializa especialmente através de cortes de tributos - que estimamos totalizarem cerca de 0,3% do PIB em Mas os gastos do governo tambem crescem mais rapidamente. As despesas do governo federal atingiram 18,2% do PIB, 0,6 p.p. acima do ano passado (Gráfico 2). Página 2

3 Gráfico 2: Gastos do Governo Central Pessoal Subsídios Outras de custeio Minha Casa Minha Vida (MCMV) Investimento ex-mcmv Transferências Gasto total 0,2% 0,3% 0,3% 0,2% 4,2% 4,3% 3,6% 8,7% 8,2% Acm Acm % PIB 18,2% 17,4% Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional, Itaú O principal motor do gasto em 2012 foi o aumento nas transferências do governo (pensões, programas sociais, seguro desemprego), que acrescentaram 0,5 p.p. devido ao elevado aumento do salário mínimo no ano passado. Os gastos de custeio (e.g., educação, saúde) e os subsídios para aquisição de imóveis no programa Minha Casa Minha Vida também pressionaram o orçamento - cerca de 0,3 pp em conjunto. Por outro lado, os gastos com funcionalismo e subsídios (com contribuições de -0,1 pp cada) evitaram uma aceleração maior das despesas. O investimento federal somou 59 bilhões de reais (1,4% do PIB em 2012), alta de 7,4% em termos reais frente a Este desempenho ainda relativamente lento sinaliza um efeito praticamente nulo da política de gastos sobre a produtividade e crescimento da oferta (i.e., longo prazo). É póssível que os menores reajustes do salário mínimo previstos para os próximos anos (seguindo a regra em vigor de reajuste real com base no crescimento do PIB de dois anos antes) poderia diminuir os custos com a previdencia social e criar uma oportunidade de melhorar a composição dos gastos públicos. Isto é fundamental para uma economia que precisa direcionar os estímulos mais para o investimento e menos para o consumo. Resultado Nominal e Gasto com Juros O déficit nominal do setor público acumulado em doze meses fechou o ano de 2012 em 2,47% do PIB, 0,14 p.p. inferior ao registrado em Em que pese a queda no superávit primário, o efeito preponderante foi a despesa com juros líquidos do setor público, que caiu de 5,71% do PIB em 2011 para 4,85% ao final do ano passado. 8,0% 7,5% 7,0% 6,5% 6,0% 5,5% Gráfico 3: Queda na Despesa com Juros do Setor Público % PIB, 12m 5,75% 5,0% 4,85% 4,5% dez-04 dez-06 dez-08 dez-10 dez-12 Fonte: Banco Central, Itaú Pagamento líquido de juros pelo setor público O gasto com juros acumulado em doze meses é o mais baixo da série histórica, refletindo a redução das taxas de juros praticadas no mercado de dívida local, seguindo a redução da taxa básica Selic. A taxa implícita da dívida líquida do setor público acumulada em doze meses caiu para 15,0%a.a., contra 16,9%a.a. registrado ao final de A julgar por nossas projeções macroeconômicas de longo prazo (i.e., taxa Selic real de equilíbrio em torno de 3% a.a., PIB potencial crescendo entre 3,0 3,5% anuais) estimamos uma contínua redução no gasto com juros e na taxa implícita da dívida, à medida em que se renove o estoque da dívida pública mais antiga (i.e., emitida a juros Página 3

4 maiores, praticados no passado), o que se aplica especialmente aos titulos prefixados ou indexados à inflação. A queda esperada na despesa com juros permitirá que, sob condições de normalidade, um resultado primário em torno de 1,5% do PIB ainda seja consistente com estabilidade no endividamento público. Dívida Pública A dívida líquida do setor público fechou o ano de 2012 na faixa de 35,1% do PIB, cerca de 1,3 p.p. abaixo do verificado em dezembro de A depreciação do Real teve um papel central na nesta diminuição. O impacto dos demais fatores condicionantes da dívida (i.e., superávit primário, gasto com juros e crescimento do PIB) praticamente se anulou. Ao extraírmos o efeito sobre a dívida líquida de operações não recorrentes a partir de 2009, estimamos que a dívida teria caído mais lentamente: cerca de 0.3 p.p. em 2012, para 38,5% do PIB. A dívida bruta do governo geral atingiu a marca de 58,6% do PIB em dezembro. Apesar da queda de 1,2 p.p. no mês, o endividamento total subiu cerca de 4,4 p.p. no ano, como reflexo de elevações no estoque de operações compromissadas, como resultado de liberações de compulsório ao longo de Também influenciou na evolução da dívida bruta o expressivo volume de aportes de recursos nos bancos oficiais, financiados com emissões diretas de títulos do Tesouro. Em nossos cálculos, um superávit primário em torno de 1,5%, com aportes a bancos oficiais se estabilizando na faixa de 0,5% do PIB ao ano, a dívida líquida se estabilizaria na casa de 35 36% do PIB, e a dívida bruta parmaneceria em torno de 58 59% do PIB. Mauricio Oreng Analista Econômico Pesquisa macroeconômica no Itaú Ilan Goldfajn Economista-Chefe Adriano Lopes Artur Manoel Passos Aurelio Bicalho Caio Megale Carlos Eduardo Lopes Elson Teles Felipe Salles Fernando Barbosa Gabriela Fernandes Giovanna Siniscalchi Guilherme Martins João Pedro Bumachar Juan Carlos Barboza Luiz G. Cherman Luka Barbosa Mariano Ortiz Villafañe Mauricio Oreng Roberto Prado Para acessar nossas publicações e projeções visite nosso site: Página 4

5 Informação relevante 1. Este relatório foi preparado e publicado pelo Departamento de Pesquisa Macroeconômica do Banco Itaú Unibanco S.A. ( Itaú Unibanco ). Este relatório não é um produto do Departamento de Análise de Ações do Itaú Unibanco ou da Itaú Corretora de Valores S.A. e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM n.º 483, de 6 de Julho de Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroêconomicas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra ou venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra ou venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que o relatório foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do analista responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio.] O Grupo Itaú Unibanco não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. 3. O analista responsável pela elaboração deste relatório, destacado em negrito, certifica, por meio desta que as opiniões expressas neste relatório refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação ao Itaú Unibanco, à Itaú Corretora de Valores S.A. e demais empresas do Grupo. 4. Este relatório não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer outra pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito do Itaú Unibanco. Informações adicionais sobre os instrumentos financeiros discutidos neste relatório se encontram disponíveis mediante solicitação. O Itaú Unibanco e/ou qualquer outra empresa de seu grupo econômico não se responsabiliza, e tampouco se responsabilizará por quaisquer decisões, de investimento ou de outra forma, que forem tomadas com base nos dados aqui divulgados. Página 5

Resultado primário consolidado: queda mais pronunciada em agosto

Resultado primário consolidado: queda mais pronunciada em agosto Brasil segunda-feira, 30 de setembro de 2013 Resultado primário consolidado: queda mais pronunciada em agosto Destaques Os dados fiscais mostraram uma trajetória de queda um pouco mais acentuada no esforço

Leia mais

Revisão de Cenário - Brasil

Revisão de Cenário - Brasil Revisão de Cenário - Brasil Dezembro de 2012 Em busca do crescimento perdido O PIB decepcionou no terceiro trimestre e o crescimento de 2012 e 2013 deve ser mais fraco. Mais estímulos, inclusive corte

Leia mais

Governos regionais elevam superávit primário em fevereiro

Governos regionais elevam superávit primário em fevereiro Brasil sexta-feira, 28 de março de 2014 Governos regionais elevam superávit primário em fevereiro Destaques O superávit primário consolidado em fevereiro foi de 2,1 bilhões de reais, acima das expectativas

Leia mais

Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3%

Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3% Receita Bruta Receita Bruta manteve a tendência observada no ano, oscilando entre crescimento e queda na análise mensal. No trimestre, a queda foi de 8,3% Magazines As vendas para o canal Magazines mantiveram

Leia mais

Resultado Fiscal em Maio: Mês Forte, Tendência Declinante

Resultado Fiscal em Maio: Mês Forte, Tendência Declinante Brasil sexta-feira, 28 de junho de 2013 Resultado Fiscal em Maio: Mês Forte, Tendência Declinante Destaques O setor público registrou um superávit primário de 5,7 bilhões de reais em maio, um bom resultado

Leia mais

Um programa de ajuste incompleto

Um programa de ajuste incompleto O desafio do ajuste fiscal brasileiro FGV/EESP Um programa de ajuste incompleto Felipe Salto* *Assessor econômico do senador José Serra, é economista pela FGV/EESP, mestre em administração pública e governo

Leia mais

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008

O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 NIVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA O desempenho dos principais indicadores da economia brasileira em 2008 Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ

Concessões de Crédito - Recursos Livres Variação acumulada em 12 meses. fev/15. nov/14. mai/14. mai/15. ago/14 TOTAL PF PJ ASSESSORIA ECONÔMICA Dados divulgados entre os dias 24 de julho e 28 de julho Crédito O estoque total de crédito do sistema financeiro nacional (incluindo recursos livres e direcionados) registrou variação

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, de dezembro de 1 Comunicado do Copom pressionou o real O comunicado do Copom influenciou a taxa de câmbio na última semana O real se apreciou até quarta-feira diante

Leia mais

Superávit Primário Reduzido em Outubro

Superávit Primário Reduzido em Outubro Brasil sexta-feira, 29 de novembro de 2013 Superávit Primário Reduzido em Outubro Destaques O superávit primário consolidado segue em tendência de queda. Novembro pode trazer alguma mudança, dada expectativa

Leia mais

Consumo segue positivo, aversão ao risco retarda investimento Informações até 28 de janeiro de 2013

Consumo segue positivo, aversão ao risco retarda investimento Informações até 28 de janeiro de 2013 Orange Book Brasil quarta-feira, 30 de janeiro de 2013 Consumo segue positivo, aversão ao risco retarda investimento Informações até 28 de janeiro de 2013 Este relatório, publicado seis vezes por ano,

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, 3 de junho de Banco Central estende o programa de swaps cambiais até o final do ano O real fechou a semana passada abaixo dos,. A moeda apreciou 1,% em relação ao fechamento

Leia mais

Revisão de Cenário - Brasil

Revisão de Cenário - Brasil Revisão de Cenário - Brasil Março 2012 Todos Motores Ligados Embora as condições apontem para o crescimento, a recuperação lenta e a apreciação da moeda preocupam o governo. A resposta tem sido queda mais

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana Câmbio oscilou entre 2,2-2,2 na semana passada O real se depreciou para 2,237 na semana. A taxa de câmbio parece estar se consolidando no curto prazo na faixa de 2,2-2,2. Na semana

Leia mais

Crescimento de 2,7p.p. na margem bruta versus o 2T16. SG&A atingiu R$38,2 milhões no 2T17, redução de 3,5% no QoQ

Crescimento de 2,7p.p. na margem bruta versus o 2T16. SG&A atingiu R$38,2 milhões no 2T17, redução de 3,5% no QoQ Receita Líquida No 2T17 tivemos queda de 4,2% na receita líquida, uma queda bem menor que a observada no YTD Margem Bruta Crescimento de 2,7p.p. na margem bruta versus o 2T16 Despesas SG&A atingiu R$38,2

Leia mais

Como se dará a distribuição de lucros do FGTS?

Como se dará a distribuição de lucros do FGTS? FGTS Agosto/2017 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas e informações relativas às atuais visões/expectativas da MRV e sua administração no que diz respeito à performance, sustentabilidade,

Leia mais

Perspectivas econômicas

Perspectivas econômicas Perspectivas econômicas 5º seminário Abecip Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Maio, 2015 2 Roteiro Recuperação em curso nas economias desenvolvidas. O Fed vem adiando o início do ciclo

Leia mais

Revisão de Cenário - Brasil

Revisão de Cenário - Brasil Revisão de Cenário - Brasil outubro de 2012 Mais desonerações, mais estímulos Redução do superávit primário deve ser mais intensa nos próximos anos. Reduzimos a projeção para o superávit primário em 2012

Leia mais

Operações de Crédito do SFN

Operações de Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) caem 0,2% em mai/17 e 2,6% em 12 meses. A retomada ainda não veio. O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana terça-feira, 13 de outubro de 15 Dólar voltou a ser cotado abaixo dos 3, Moedas emergentes apreciaram durante a semana. O real acompanhou o cenário externo e apreciou durante a semana,

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida Checklist dos Desafios na Área Fiscal Controlar o crescimento da despesa pública;à NÃO Recuperar o superávit primário para, no mínimo, 2,5% do

Leia mais

RESULTADOS 1T14 RESULTADOS 1T14

RESULTADOS 1T14 RESULTADOS 1T14 DESTAQUES DO Receita Bruta Lucro Bruto SG&A Crescimento de 14,1% no, atingindo R$ 82,6 m. Atingiu R$ 36,8 m no, representando aumento de 15,0% e margem de 54,6% aumento de 0,6 p.p. Atingiu R$ 32,9 m no,

Leia mais

9 Ver em especial o site:

9 Ver em especial o site: O desempenho recente dos principais indicadores da economia brasileira Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução Esta seção do boletim Economia & Tecnologia irá discutir cinco

Leia mais

Concluímos que o tamanho do ajuste necessário é de 5,0 pontos percentuais do PIB e que menos da metade dele já foi implementado.

Concluímos que o tamanho do ajuste necessário é de 5,0 pontos percentuais do PIB e que menos da metade dele já foi implementado. Macro Visão segunda-feira, 29 de junho de 2015 Ajuste fiscal: quanto falta? O ajuste fiscal não deve se esgotar este ano. Mas quanto falta? Para responder esta pergunta precisamos primeiro definir o tamanho

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada de 11 a 16 de setembro/2015 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO Pesquisa de Projeções Macroeconômicas

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Setembro, 2015 Roteiro Internacional Brasil Desaceleração da China reduz crescimento global China: desaceleração chinesa reduz crescimento

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias continua considerando principalmente o desafio fiscal nos próximos anos como principal

Leia mais

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira

Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma análise dos principais indicadores da economia brasileira Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo tem o objetivo de apresentar e

Leia mais

Quão Apertada Foi a Postura Fiscal no Primeiro Trimestre?

Quão Apertada Foi a Postura Fiscal no Primeiro Trimestre? Macro Visão segunda-feira, 27 de agosto de 2012 Quão Apertada Foi a Postura Fiscal no Primeiro Trimestre? DESTAQUES Nossos cálculos apontam para um superávit primário estrutural do setor público de 2,3%

Leia mais

Banco do Brasil. Banco do Brasil: Crescimento do lucro e melhor retorno em Análise de Investimentos Relatório de Análise

Banco do Brasil. Banco do Brasil: Crescimento do lucro e melhor retorno em Análise de Investimentos Relatório de Análise : Crescimento do lucro e melhor retorno em 2017 O registrou no 1T17 um lucro líquido de R$ 2,44 bilhões, com alta de 3,6% sobre R$ 2,36 bilhões do 1T16. Já o lucro ajustado no trimestre, que exclui eventos

Leia mais

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil;

Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; 01-nov-2013 Juros sobem acompanhando mercado americano, alta do dólar e fiscal ruim no Brasil; Dólar inicia novembro em alta respondendo aos dados ruins de economia brasileira; Ibovespa em ligeira queda

Leia mais

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais.

Ibovespa cai na semana contrariando comportamento das bolsas internacionais. 28 de Outubro de 2013 Juros encerram a semana em queda seguindo comportamento da Treasury; Dólar encerrou a semana em alta de 0,5%, cotado a R$ 2,189; Ibovespa cai na semana contrariando comportamento

Leia mais

Bradesco. Bradesco: Resultado ajustado do 3T17 acima do esperado. Análise de Investimentos Relatório de Análise

Bradesco. Bradesco: Resultado ajustado do 3T17 acima do esperado. Análise de Investimentos Relatório de Análise : Resultado ajustado do 3T17 acima do esperado O Banco registrou no 3T17 um lucro líquido ajustado de eventos extraordinários (amortização de ágio, PDVE e outros) de R$ 4,81 bilhões (ROAE de 18,1%) com

Leia mais

Banco do Brasil. Banco do Brasil: Busca por um melhor retorno começa a se concretizar após resultado do 3T16 melhor que o trimestre anterior

Banco do Brasil. Banco do Brasil: Busca por um melhor retorno começa a se concretizar após resultado do 3T16 melhor que o trimestre anterior : Busca por um melhor retorno começa a se concretizar após resultado do 3T16 melhor que o trimestre anterior O registrou no 3T16 um lucro líquido de R$ 2,25 bilhões, com queda de 8,9% sobre o 2T16 (R$

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN BC: Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) registra alta de 0,3% em novembro e retração de 2,3% em 12 meses O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados

Leia mais

Kinea Renda Imobiliária FII Relatório de Gestão Janeiro de 2011

Kinea Renda Imobiliária FII Relatório de Gestão Janeiro de 2011 Kinea Renda Imobiliária FII Relatório de Gestão Janeiro de 2011 Palavra do Gestor Prezado investidor, No mês de dezembro de 2010, as atividades concentraram-se principalmente na aquisição das participações

Leia mais

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos

PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos PIB trimestral tem crescimento em relação ao mesmo período do ano anterior após 3 anos No 2º tri./2017, o PIB brasileiro a preços de mercado apresentou crescimento de 0,23% quando comparado ao 2º tri./2016,

Leia mais

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula Valor Econômico 27 de dezembro de 2010 Governo: Gasto adicional de 2,2% do PIB significa que foram transferidos R$ 75 bi a mais em relação a 2002 Transferência de renda é a principal marca da gestão Lula

Leia mais

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados!

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal 2 CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal Neste Sumário serão analisados os principais indicadores de Política Fiscal.

Leia mais

Setor Público Registra Déficit Primário em Maio

Setor Público Registra Déficit Primário em Maio Brasil segunda-feira, 30 de junho de 2014 Setor Público Registra Déficit Primário em Maio Destaques O setor público registrou um déficit primário de 11,0 bilhões de reais em maio, o menor resultado registrado

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, 11 de novembro de 13 Real volta para acima de,3 Um ambiente global de aversão ao risco enfraqueceu o real O ambiente de aversão a risco da semana, que culminou com a

Leia mais

Grãos: Balde de água fria 11 de agosto de 2017

Grãos: Balde de água fria 11 de agosto de 2017 Grãos: Balde de água fria 11 de agosto de 2017 A divulgação do relatório de produção pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) de agosto surpreendeu o mercado e motivou uma forte queda nos preços

Leia mais

Mas há riscos claros de implementação, dada a dificuldade do ajuste, especialmente em meio a um cenário de crescimento modesto e de inflação alta.

Mas há riscos claros de implementação, dada a dificuldade do ajuste, especialmente em meio a um cenário de crescimento modesto e de inflação alta. Macro Visão quinta-feira, 13 de novembro de 2014 O ajuste fiscal possível A economia precisa de ajustes macroeconômicos para retomar o crescimento sustentável. Um dos ajustes principais é o das contas

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 28 de janeiro e 02 de fevereiro de 2016 Analistas consultados: 25 PROJEÇÕES E EXPECTATIVAS DE MERCADO FEBRABAN

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, 19 de janeiro de 1 Real aprecia,% na última semana A taxa de câmbio foi afetada pela ação do banco central suíço e por indicações de política fiscal restritiva na última

Leia mais

Finanças Públicas: o Difícil Caminho das Metas Fiscais

Finanças Públicas: o Difícil Caminho das Metas Fiscais 3 Finanças Públicas: o Difícil Caminho das Metas Fiscais Vera Martins da Silva(*) No final de 2015, o governo federal teve de pagar aos bancos públicos e ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)

Leia mais

Real Estate Watch. Cenário. Crédito imobiliário segue em condições desfavoráveis. Outubro 2016

Real Estate Watch. Cenário. Crédito imobiliário segue em condições desfavoráveis. Outubro 2016 Real Estate Watch Outubro 2016 Cenário Crédito imobiliário segue em desfavoráveis Tempo de leitura: 3 minutos Cenário e gráficos P.1 e 2 Economia Espacial P.3 Tabela de Indicadores P.4 Dois eventos são

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, 3 de março de 1 Volatilidade em alta no mercado de câmbio Fatores internos e externos adicionaram volatilidade ao mercado de câmbio na última semana A taxa de câmbio

Leia mais

Calendário Econômico Pine: O preço do conforto 20 de julho de 2015

Calendário Econômico Pine: O preço do conforto 20 de julho de 2015 Calendário Econômico Pine: O preço do conforto 20 de julho de 2015 COMENTÁRIO SEMANAL Os destaques da semana estão concentrados na agenda de atividade e inflação no Brasil, a despeito do inquietante cenário

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2015 Miriam Belchior Ministra de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão Abril de 2014 1 Cenário Econômico para 2015 Fim da crise financeira internacional

Leia mais

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC A CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC FOI FUNDADA EM 1957 É A, REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL

Leia mais

RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RENDA FIXA TESOURO DIRETO DESTAQUES DO RELATÓRIO Carteira Recomendada Nossa Carteira Recomendada do Tesouro Direto para os próximos 30 dias considera o cenário de baixa inflação no curto prazo e maior incerteza no médio/longo prazo

Leia mais

- Emplacamento de Veículos / FENABRAVE - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor. - Anúncio da taxa básica de juros americana / (INEC) / CNI

- Emplacamento de Veículos / FENABRAVE - Índice Nacional de Expectativa do Consumidor. - Anúncio da taxa básica de juros americana / (INEC) / CNI BRASÍLIA 30/10/2017 30/10 SEGUNDA-FEIRA - Boletim FOCUS/Banco Central - Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPCS)/ FGV - Notas para a imprensa Política Fiscal / Banco Central - IGP-M / FGV EDIÇÃO 0008

Leia mais

Ajuste Diário Boi Gordo. 1 x R$ 150,00 x 330 = R$ ,00 1 x R$ 152,00 x 330 = R$ ,00. Ajuste Diário Milho. Dia 1-09:00 Dia 1-15:30

Ajuste Diário Boi Gordo. 1 x R$ 150,00 x 330 = R$ ,00 1 x R$ 152,00 x 330 = R$ ,00. Ajuste Diário Milho. Dia 1-09:00 Dia 1-15:30 XP - Análise Cálculo de Diário BM&F Diário Boi Gordo Dia 1-09:00 Dia 1-16:00 1 x R$ 150,00 x 330 = R$ 49.500,00 1 x R$ 152,00 x 330 = R$ 50.160,00 R$ 152,00 - R$150,00 = R$ 2,00 diário R$ 2,00 x 330 =

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, de julho de 15 BC diminui o ritmo da rolagem dos swaps Taxa de câmbio continuou flutuando entre os 3, e 3,15 reais por dólar. Ao longo da última semana, as incertezas

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 14 e 20 de setembro de 2016 Instituições respondentes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações nas

Leia mais

Resultado primário maior em dezembro

Resultado primário maior em dezembro Brasil sexta-feira, 31 de janeiro de 2014 Resultado primário maior em dezembro Destaques Arrecadação tributária melhor e despesas discricionárias mais lentas levaram a um superávit primário elevado em

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T17

Apresentação de Resultados 1T17 Apresentação de Resultados Disclaimer Esta apresentação pode conter certas declarações e informações referentes à Paranapanema S.A. (a Companhia ) que refletem as visões atuais e/ou expectativas da Companhia

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016

INFORME ECONÔMICO 28 de outubro de 2016 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS No Brasil, Banco Central sinalizou a manutenção do ritmo de corte para a próxima reunião. Nos Estados Unidos, o crescimento do PIB acelerou no terceiro trimestre. No Brasil,

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Dezembro de 2012 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) iniciou suas atividades no mês de novembro

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SÃO GABRIEL/RS CONJUNTURA ECONÔMICA E FINANCEIRA Agosto/17 INTRODUÇÃO Neste relatório disponibilizamos a conjuntura econômica financeira para

Leia mais

Inflação de agosto medida pelo IPCA deve desacelerar para 0,20%

Inflação de agosto medida pelo IPCA deve desacelerar para 0,20% Brasil sexta-feira, 21 de agosto de 2015 Inflação de agosto medida pelo IPCA deve desacelerar para 0,20% O IPCA-15 subiu 0,43% em agosto, em linha com a nossa projeção e com a mediana das expectativas

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA Uma avaliação dos indicadores da economia brasileira em 2007 Lucas Lautert Dezordi * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Introdução O presente artigo tem

Leia mais

Conjuntura ISAE SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA. Quarta 22 de fevereiro 08:00 Sondagem do Consumidor (fev) FGV - Sondagem da Construção (fev) FGV

Conjuntura ISAE SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA. Quarta 22 de fevereiro 08:00 Sondagem do Consumidor (fev) FGV - Sondagem da Construção (fev) FGV Informe Semanal 40/2017 Publicado em 23 de fevereiro de 2017 Relatório Focus 20/02/2017 Agenda da Semana SUMÁRIO EXECUTIVO DA SEMANA Segunda 20 de fevereiro Sondagem da Indústria (fev) preliminar 08:25

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Boletim Conjuntural Terceiro Trimestre

Boletim Conjuntural Terceiro Trimestre 2016 Boletim Conjuntural Terceiro Trimestre Apresentação O conselho Regional de Economia do Estado do Ceará disponibiliza trimestralmente seu boletim Conjuntural, com projeções e perspectivas da economia

Leia mais

Cenário Macro Semanal

Cenário Macro Semanal Federal Reserve sinaliza porta de saída para o atual afrouxamento quantitativo Como já era esperada, a decisão do FOMC (o comitê de política monetária do Federal Reserve) ao término de sua reunião foi

Leia mais

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO

PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO PESQUISA FEBRABAN DE PROJEÇÕES MACROECONÔMICAS E EXPECTATIVAS DE MERCADO Realizada entre os dias 01 e 04 de Novembro de 2016 Instituições participantes: 22 DESTAQUES DESTA EDIÇÃO Principais alterações

Leia mais

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Maio/2015

Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Maio/2015 Contas Financeiras CEMEC Informativo Poupança Financeira São Paulo Maio/2015 Este relatório apresenta dados disponíveis em maio de 2015, mas cabe salientar que devido ao esforço de consolidação de dados

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Guilherme R. S. Souza e Silva * Introdução Este artigo pretende apresentar e discutir

Leia mais

Soja: muito grão e pouco óleo 22 de novembro de 2016

Soja: muito grão e pouco óleo 22 de novembro de 2016 Soja: muito grão e pouco óleo 22 de novembro de 2016 Nos últimos dias, apareceram notícias sobre a volta de algumas unidades esmagadoras às atividades. Há alguns meses, muitas unidades encerraram suas

Leia mais

Teleconferência de Resultados 3T de Novembro de 2016 Relações com Investidores

Teleconferência de Resultados 3T de Novembro de 2016 Relações com Investidores Teleconferência de Resultados 11 de Novembro de 2016 Relações com Investidores 1 Disclaimer Este material constitui uma apresentação de informações gerais sobre a Marfrig Global Foods S.A. e suas controladas

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS O Relatório Trimestral de Inflação do primeiro trimestre corrobora nosso cenário de aceleração do processo de afrouxamento monetário. O documento divulgado pelo Banco Central

Leia mais

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS

RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Processo de desinflação acelera e pavimenta espaço para flexibilização monetária no Brasil. A divulgação do IPCA-15 de março (0,15%) sinalizou a intensificação no processo

Leia mais

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO 1 OBJETIVOS DA AULA 3 Dinâmica dos Mercados em Macroeconomia Contas Nacionais - Quantificando o Desempenho da

Leia mais

Resumo do dia 29 de outubro de 2009

Resumo do dia 29 de outubro de 2009 Resumo do dia 29 de outubro de 2009 Se os dois últimos dias foram de pessimismo, hoje foi diferente. Os investidores mostraram apetite ao risco, impulsionando altas valorizações na Bovespa. A principal

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

Revisão de Cenário - Brasil

Revisão de Cenário - Brasil Revisão de Cenário - Brasil setembro de 2012 Sinais de retomada, mas não disseminados Há evidências de recuperação da atividade econômica. Mas subida disseminada, por enquanto, mais do lado da inflação

Leia mais

Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios. Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011

Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios. Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011 Modelo de Desenvolvimento do Brasil: Oportunidades e Desafios Nelson Barbosa 28 de novembro de 2011 1 Oportunidades para o Brasil Comércio e financiamento externo: aumento nos termos de troca puxado pela

Leia mais

Sobre a qualidade do superávit primário

Sobre a qualidade do superávit primário Sobre a qualidade do superávit primário Manoel Carlos de Castro Pires * Desde a derrocada do regime de câmbio fixo, em janeiro de 1999, a política macroeconômica brasileira tem se apoiado no tripé câmbio

Leia mais

SPREAD EM VISTA AGOSTO / OUTUBRO (Q/U) FUNDAMENTOS MENU DE COMMODITIES BOI GORDO 100,00 95,00 90,00 85,00 80,00 75,00

SPREAD EM VISTA AGOSTO / OUTUBRO (Q/U) FUNDAMENTOS MENU DE COMMODITIES BOI GORDO 100,00 95,00 90,00 85,00 80,00 75,00 MENU DE COMMODITIES BOI GORDO MÉDIAS MÓVEIS ANÁLISE GRÁFICA MÉDIAS 19 RECORRENTE E 70 SIMPLES TEMPO 60 MINUTOS TEMPO 60 MINUTOS SUPORTE 1 R$ 80,50 SITUAÇÃO VENDA SUPORTE 2 R$ 80,30 ENTRADA R$ 82,20 18/8/2009

Leia mais

Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão

Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão 19 de junho de 2017 Os dados de abril continuaram mostrando estabilização na margem após um longo período de recessão Na semana que passou, houve a divulgação, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e

Leia mais

PIB: revisão de cenário

PIB: revisão de cenário PIB: revisão de cenário 24/11/2017 Divulgados todos os dados do 3T17, atualizamos os pressupostos do nosso modelo semiestrutural de médio porte - nome emproado para dizer que, diferente de modelos de curto

Leia mais

Brasil: Superávit fiscal estrutural diminui no primeiro trimestre

Brasil: Superávit fiscal estrutural diminui no primeiro trimestre Macro Visão terça-feira, 11 de junho de 2013 Brasil: Superávit fiscal estrutural diminui no primeiro trimestre Nossas estimativas (trimestrais) indicam que o superávit primário estrutural 1 do setor público

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 I. A EMPRESA O BNDES foi criado em 20 de junho de 1952, pela Lei n.º 1.628, como Autarquia

Leia mais

Soja: Tudo é relativo! 24 de outubro de 2017

Soja: Tudo é relativo! 24 de outubro de 2017 Soja: Tudo é relativo! 24 de outubro de 2017 O atraso no plantio da soja que preocupa o mercado é baseado principalmente no problema localizado no Mato Grosso. Entre as regiões produtoras, o estado é o

Leia mais

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco

Perspectivas Econômicas. Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Perspectivas Econômicas Pesquisa Macroeconômica Itaú Unibanco Maio, 2016 Roteiro Internacional Ambiente segue favorável para mercados emergentes A retomada da alta de juros nos EUA depende de uma aceleração

Leia mais

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas

31 de outubro de OdontoPrev Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Bom resultado no 3T13, em linha com as expectativas Após a divulgação dos resultados do 3T13 e da teleconferência realizada pela, iniciamos nosso preço justo de R$ 11,00 por ação ODPV3, com base em modelos

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T12

Apresentação de Resultados 1T12 Apresentação de Resultados Maio/2012 O material que se segue é uma apresentação de informações gerais da Kroton Educacional S.A ( Kroton ). Tratam-se de informações resumidas sem intenção de serem completas,

Leia mais

Desmistificando o debate fiscal

Desmistificando o debate fiscal 25 jul 2006 Nº 6 Desmistificando o debate fiscal O equívoco de confundir gasto social com custeio da máquina Por Secretaria de Assuntos Econômicos O resultado das necessidades de financiamento do setor

Leia mais

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA

CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA CONTEXTO DA ECONOMIA E SEUS REFLEXOS NA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA AMÉRICA LATINA Quatro desafios da economia da América Latina em 2015 Crescimento moderado da economia global; Queda do preço das comodities

Leia mais

Nova queda do PIB não surpreende mercado

Nova queda do PIB não surpreende mercado Nova queda do PIB não surpreende mercado Os dados do Produto Interno Bruto (PIB) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE) nesta primeira semana de março mostram a tendência

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA FOCUS RELATÓRIO DE MERCADO

ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA FOCUS RELATÓRIO DE MERCADO Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA FOCUS RELATÓRIO DE MERCADO 2 de setembro de 2016 Equipe Técnica Octavio de Barros - Diretor de Pesquisas e Estudos Econômicos Fernando

Leia mais

Revisão de Cenário - Brasil

Revisão de Cenário - Brasil Revisão de Cenário - Brasil janeiro de 2013 Estado não-estacionário A atuação no mercado de câmbio revela objetivos e preferências de política econômica que podem mudar; o mesmo pode ocorrer com os juros

Leia mais

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana

Câmbio e capitais estrangeiros Destaques da semana Destaques da semana segunda-feira, 9 de setembro de Dólar forte, BC aumenta rolagem dos swaps cambiais O real e moedas pares depreciaram frente ao dólar durante a semana Mesmo com o anúncio da rolagem

Leia mais

Pesquisa FEBRABAN de Projeções e Expectativas de Mercado Realizada entre os dias 12 e 13 de junho de 2008 Divulgada em 17 de junho de 2008

Pesquisa FEBRABAN de Projeções e Expectativas de Mercado Realizada entre os dias 12 e 13 de junho de 2008 Divulgada em 17 de junho de 2008 Pesquisa FEBRABAN de Projeções e Expectativas de Mercado Realizada entre os dias 12 e 13 de junho de 2008 Divulgada em 17 de junho de 2008 Os bancos ampliaram o teto de taxa de juros para 2008. Os resultados

Leia mais

Localiza Rent a Car S.A.

Localiza Rent a Car S.A. Localiza Rent a Car S.A. Apresentação dos resultados do 2T07 (R$ milhões - USGAAP) Agência do aeroporto de Confins - BH 1 A Localiza tem apresentado um crescimento consistente... (R$ milhões, USGAAP) Receita

Leia mais

Sumário do Resultado 1T17

Sumário do Resultado 1T17 Sumário do Resultado 1T17 Sumário do Resultado Lucro Líquido Ajustado de R$ 2,5 bilhões O Banco do Brasil registrou lucro líquido ajustado de R$ 2,5 bilhões no 1T17, impactado principalmente pelo aumento

Leia mais