Inteligência vs. Cognição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inteligência vs. Cognição"

Transcrição

1 Inteligência vs. Cognição O conceito de inteligência humana é um dos mais importantes contributos da psicologia (Anastasi, 1988, in Naglieri & Das, 1997). Nos últimos 50 anos os conhecimentos (teóricos e aplicados) acerca da inteligência tiveram um desenvolvimento considerável (Naglieri & Das, 1997). É cada vez mais generalizada a noção de que a inteligência é melhor descrita como um conjunto de processos cognitivos (Lambert, 1990, Naglieri & Das, 1997, Naglieri, 1999). Assim, o termo cognição deve substituir o termo inteligência (Naglieri & Das, 1997, Naglieri, 1999, Fonseca, 2001, Fonseca & Cruz, 2001, Cruz & Fonseca, 2002).

2 A Teoria PASS A Teoria PASS (Planificação, Atenção, processamento Simultâneo e processamento Sucessivo), refere-se a um modelo de funcionamento dos processos cognitivos, e surge como uma abordagem moderna do processamento cognitivo humano, na qual são definidos os blocos básicos de construção da inteligência. (Das & Jarman, 1991, Das, Naglieri & Kirby, 1994, Das, Kar & Parrila, 1996, Carlson & Das, 1997, Das & Naglieri, 1997, Das & Kendrick, 1997, Das, Parrila & Papadopoulos, 2000, Das et al., 2001).

3 A Teoria PASS O modelo PASS baseia-se na análise das estruturas cerebrais proposta por Luria (1980, 1985), a qual descreve os processos cognitivos humanos como estando abrangidos dentro de três unidades funcionais: uma primeira unidade funcional responsável pela Activação e a Atenção; uma segunda unidade funcional que controla o processamento Simultâneo e o processamento Sucessivo; e uma terceira unidade funcional associada à Planificação e à Tomada de Decisão.

4 A Teoria PASS Segunda Unidade Funcional - Simultâneo e Sucessivo Receber, Analisar e Armazenar a informação Terceira Unidade Funcional - Planificação Programar, Regular e Verificar (Controlar) a actividade mental Primeira Unidade Funcional - Atenção Regular a Tonicidade (Postural e Cortical), a Vigilância e os Estados Mentais Luria (1980)

5 Input A Teoria PASS Naglieri (1999) Base de Conhecimentos Planificação Sucessivo Output Atenção Simultâneo

6 A Informação pode chegar de Forma Sequencial Forma Simultânea Processamentos Simultâneo e Sucessivo na Resolução de Problemas Ashman & Conway (1997) A Informação pode ser tratada A Informação pode sair como Sequencialmente Evento Sequencial Simultaneamente Sequencialmente Evento Simultâneo Simultaneamente

7 A Teoria PASS Relação Activação-Atenção (Naglieri, 1999) A Atenção é o processo mental por meio do qual a pessoa se orienta selectivamente para uns estímulos e ignora outros. * Focalizar a actividade cognitiva Estímulos de um envolvimento complexo A activação é adequada A atenção é selectivamente dirigida para um estímulo particular * Atenção selectiva * Resistência à distracção A pessoa responde ao estímulo Outros estímulos sem resposta

8 A Teoria PASS Processamento da Planificação (Naglieri, 1999) O objectivo é A Planificação é o processo alcançadomental por meio do qual a Preciso A Planificação de usar Não A tarefa é pessoa determina, selecciona, Sim aplica um e avalia resolvidaas plano? é o processo A soluções para os problemas. Não tarefa está mental por meio Sim concluída? * Resolução do qual a pessoa de problemas * Desenvolvimento determina, de planos Continuo e uso a base de de estratégias dados? aplicar o plano selecciona, * Controlo da impulsividade Sim Sim e auto-controlo aplica e avalia as A avaliação * Controlo soluções do para processamento Não indica que Não os o plano funciona? * Recuperação problemas. do conhecimento Existe um problema ou tarefa a realizar Já tenho um plano na minha O plano é razoável (bom)? Sim Executo o plano Não Desenvolver um plano de acção Desenvolver um plano melhor

9 A Teoria PASS Processamento Simultâneo (Naglieri, 1999) O Processamento Simultâneo é a actividade mental por meio da qual a pessoa integra estímulos em grupos. * Os estímulos são vistos como um todo * Cada parte tem de estar relacionada com as outras

10 A Teoria PASS Processamento Sucessivo (Naglieri, 1999) O Processamento Sucessivo é a actividade mental por meio da qual a pessoa integra estímulos numa ordem sequencial específica. * Os estímulos formam uma progressão em cadeia * Os estímulos não estão interrelacionados

11 Processamento Simultâneo Codificação Visual/Ortográfica Organização da Pronunciação Leitura Oral Reconhecimento de Palavras Processamento Sucessivo Codificação Fonológica (Das, Naglieri & Kirby, 1994) Enquanto a 1ª proposta (i.e., Por acesso exemplo visual as teorias directo) deve Teoricamente dupla ser relacionada via tanto principalmente de com o o processamento reconhecimento processamento de Simultâneo Simultâneo palavras sugerem como (via que processamento o processamento estas são ortográfico), a 2ª (i.e., reconhecidas codificação Sucessivo através de fonológica) são um acesso visual encontra importantes explicação para a directo ou através da principalmente leitura de palavras. no processamento codificação fonológica Sucessivo (via dos processamento seus sons. fonológico).

12 Processos Cognitivos Modelo de Funcionamento Cognitivo PASS Base de Conhecimentos (MLT) Simultâneo Sucessivo Reconhecimento de um padrão de unidades Formação e retenção da sequência de unidades Reconhecimento de unidades individuais V A

13 Processos Cognitivos Modelo de Funcionamento Cognitivo PASS e Leitura Base de Conhecimentos (MLT) Reconhecimento de sílabas e de palavras Formação de sequências de sílabas e de palavras Simultâneo Sucessivo Reconhecimento das letras Formação da sequência das letras Reconhecimento dos elementos das letras PASS Formação da sequência dos elementos das letras

14 Pressupostos do SAC Naglieri (1999) 1. Um teste de inteligência deve ser baseado numa teoria. 2. Uma teoria deve basear-se na perspectiva de que a inteligência é melhor descrita como um conjunto de processos cognitivos, e o termo processos cognitivos deve substituir o termo inteligência. 3. Uma teoria referente aos processos cognitivos deve: a) informar o seu utilizador acerca das habilidades especificas que estão relacionadas com os sucessos e as dificuldades, tanto ao nível académico como profissional; b) ter relevância para a realização de diagnósticos diferenciais; e c) fornecer orientações para a selecção e/ou desenvolvimento de programas de intervenção que sejam efectivos.

15 Pressupostos do SAC Naglieri (1999) 4. Uma teoria acerca do processamento cognitivo deve estar fortemente baseada numa pesquisa sólida e deve ser proposta, testada, modificada e mostrada para ter vários tipos de validade. 5. Uma bateria de provas para avaliar o processamento cognitivo deve seguir de perto ateoriadacogniçãona qual se baseia. 6. Uma bateria de provas para avaliar o processamento cognitivo deverá avaliar a pessoa através de um conjunto de itens que, tanto quanto possível, sejam livres de conhecimentos adquiridos, ou seja, envolvam o menos possível a base de conhecimentos da pessoa.

16 Sistema de Avaliação Cognitiva Naglieri & Das (1997) Planificação Emparelhamento de Números Planificação de Códigos Planificação de Conexões Atenção Atenção Expressiva Detecção de Números Atenção Receptiva Processamento Sucessivo Matrizes Não-Verbais Relações Verbais-Espaciais Memória de Figuras Processamento Simultâneo Séries de Palavras Repetição de Frases Velocidade Oral

17 Fundações Teóricos do PREP 4 Origens Treino de Estratégias Intervenção Precoce Zona de Desenvolvimento Potencial (ZDP) Intervenção Terapêutica Interactiva 3 Filosofias Microgenética Sociocultural Substituição e Reorganização 2 Exemplos Global Ponte 1 Espírito Aperfeiçoamento através da Educação Cognitiva

18 Fundações Teóricos do PREP 4 Origens- Treino de Estratégias 1. Não é uma questão de estratégias de memorização (trabalhos feitos com pessoas com DM), mas de transferência de estratégias de aprendizagem. 2. A transferência da aprendizagem para novas situações pode ocorrer quando as situações originais e novas: (a) são semelhantes noconteúdo; (b) são semelhantes nosprocedimentos; ou (c) partilham o mesmo princípio de aprendizagem - transferências longas (far transfer). 3. Em oposição a um ensino de tipo dedutivo, há a preocupação de ensinar as estratégias de um modo indutivo (estratégias não são fornecidas ou ensinadas pelo professor, mas, pelo contrário, são descobertas e usadas, por vezes de modo inconsciente, pelas crianças), ou seja, fomenta-se uma aprendizagem que se baseie na experiência.

19 Fundações Teóricos do PREP 4 Origens- Intervenção Precoce 1. Primeiro, Hebb e os seus colegas estudaram, em ratos num labirinto, os efeitos da privação sensorial precoce sobre a capacidade de resolução de problemas. 2. Pouco tempo depois, Hunt, seguindo as indicações de Hebb, coloca a possibilidade de haver um efeito análogo nos seres humanos. 3. Posteriormente, Haywood e seu colega Tapp suportaram e aperfeiçoaram os argumentos propostos por Hunt, na sua aplicação aos seres humanos. Ou seja, concluíram que a privação sensorial tem um efeito prejudicial no desenvolvimento cognitivo e é o oposta da estimulação precoce, a qual influencia e acelera o desenvolvimento cognitivo. 4. Também Feuerstein sugere que o treino cognitivo na infância ou mesmo em idades mais tardias realmente leva a melhorias nas habilidades cognitivas, em particular nas pessoas em situação de privação cultural.

20 Fundações Teóricos do PREP 4 Origens- Zona de Desenvolvimento Potencial 1. De acordo com Vygotsky, as interacções entre os adultos e as crianças podem realmente aumentar a velocidade do desenvolvimento cognitivo. 2. O autor suger a existência de dois conceitos fulcrais: interiorização: definida como uma série de transformações que originam uma reconstrução interna de uma operação externa; e mediatização sociocultural: pois a aprendizagem resulta de um esforço de colaboração (ZDP). 3. Por outras palavras, como a aprendizagem é um processo realizado emcolaboração (i.e.,mediatizado) e requer uma representação interna que envolve a transição das representações inter-mentais para as intra-mentais (i.e., interiorização), então este tipo de aprendizagem facilita a inferência indutiva em vez da dedutiva.

21 Fundações Teóricos do PREP 4 Origens- Intervenção Terapêutica Interactiva 1. Refere-se às interacções entre as aptidões ou capacidades a reeducar e a intervenção utilizada. 2. Ou seja, na concepção do PREP, para além da preocupação de fazer o ajustamento entre as estratégias de ensino e os estilos de aprendizagem, também esteve presente a preocupação de intervir tanto nas áreas fortes como nas áreas fracas da pessoa.

22 Fundações Teóricos do PREP 4 Origens- Síntese Subjacente à concepção do PREP está a assunção de que as dificuldades na aprendizagem das crianças podem ser modificadas, reduzidas e ultrapassadas através de uma estimulação cognitiva (treino de estratégias), pois as crianças têm um enorme potencial de aprendizagem (zona de desenvolvimento proximal), do qual apenas um bocado é explorado na instrução regular. Mais ainda, também se assume que se as crianças forem tratadas de modo adequado (intervenção terapêutica interactiva) desde o início da instrução (intervençãoprecoce), esse potencial não utilizado pode desenvolver-se e, ao mesmo tempo, podem prevenir-se possíveis dificuldades na aprendizagem.

23 Fundações Teóricos do PREP 3 Filosofias 1. A primeira é a abordagem microgenética, a qual chama a atenção para a importância de se fazer uma observação cuidada das pequenas alterações do comportamento, que ocorrem à medida que a pessoa vai experimentado as diferentes situações de aprendizagem. 2. Assim, mais do que estar dependente da ocorrência de grandes mudanças no final da tarefa, devemos preocupar-nos em observar as pequenas mudanças no comportamento das crianças à medida que elas realizam as actividades, para podermos perceber porque é que elas ocorrem. 3. De facto, de acordo com a própria denominação da abordagem filosófica, a palavra micro significa pequeno e genética refere-se à origem da mudança.

24 Fundações Teóricos do PREP 3 Filosofias 1. A segunda orientação filosófica que nos ajuda a perceber o PREP é sociocultural e começa por estar associada a Vygotsky, que fez duas sugestões de relevo. 2. A primeira refere-se ao conceito de dificuldade, pois para Vygotsky esta não era um defeito, mas uma oportunidade para se ser criativo, ou seja, a palavra dificuldade não deveria ser vista como uma etiqueta negativa, mas como um pretexto para encontrar novas estratégias de facilitação da aprendizagem. 3. Uma segunda opinião importante de Vygotsky refere- -se à própria aprendizagem, pois para o autor esta ocorre sempre num contexto sociocultural e, sendo originado a partir desse contexto, o comportamento aprendido influencia o próprio contexto onde ocorreu, existindo assim umarelaçãodialéctica.

25 Fundações Teóricos do PREP 3 Filosofias 1. A terceira orientação filosófica do PREP centra-se nos conceitos de substituição e reorganização das funções quando a via habitual de solução está bloqueada, quer seja pela falta de uma estratégia apropriada, ou por causa de danos nas estruturas e funções do cérebro. 2. Tal como foi observado por Luria e por muitos outros autores mais recentemente, certas funções normais levadas a cabo por uma região particular do cérebro podem ser transferidas para novas áreas, constituindo-se assim o princípio dasubstituição. 3. Mais ainda, quando a reeducação tem sucesso as funções também são reorganizadas, por vezes de uma maneia radical.

26 Fundações Teóricos do PREP 2 Exemplos 1. Cada tarefa do PREP tem uma componente global e umacomponentedeponte, ou seja, dois exemplos. 2. Enquanto o treino dos processos globais está orientado para a melhoria das estratégias de processamento, a componente ponte relaciona os processos cognitivos melhorados com a uma tarefa específica, como por exemplo a leitura e a compreensão. 3. As tarefas globais são fáceis e interessantes, tornam as crianças confiantes e seguras, e garantem o êxito nastarefasponte que se seguem, pois ao capacitarem as crianças para entenderem o que é requerido, as tarefas globais permitem que haja uma transferência da acção global para uma representação mental.

27 Fundações Teóricos do PREP 1 Espírito 1. O PREP tem subjacente um espírito unitário envolvente, pois ao o utilizarmos com crianças ou com adultos, estamos sempre a tentar melhorar as suas funções cognitivas. 2. Assim, toda a orientação do PREP pode ser amplamente descrita como (re)educação cognitiva ou (re)educação da pessoa no exercício de saber/conhecer, podendo ser levado mais além, quando se (re)educa a pessoa na aprendizagem de como saber/conhecer e de como adquirir saber/conhecimento.

28 Programa de Reeducação do PASS Das (1999) Janela de Sequências União de Letras União de Formas Matriz de Transportes Tarefas Globais Memória Relacionada Tarefas Ponte Seguimento de Pistas Desenho de Formas Formas e Objectos

29 Origens do Pensamento Donald (1999) E M Nível II Mimético (Erectus) P I Nível I Episódico (Primata) V/ S F Sistema de Armazenamento Simbólico Externo L Nível IVb IVa IVc III Linguístico Caminho Sistema (Humano Fonológico Ideográfico Pictórico Arcaico)

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir Lisboa 2012 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir O conceito de Dificuldades de Aprendizagem tem sofrido nos últimos anos grandes

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Enquadramento das CVA s no paradigma construtivista (1/10)

Enquadramento das CVA s no paradigma construtivista (1/10) Enquadramento das CVA s no paradigma construtivista (1/10) O construtivismo, segundo Glasersfeld (1998:19), consiste em considerar que o que chamamos conhecimento não tem e não pode ter o propósito de

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

4. Psicologia Cognitiva

4. Psicologia Cognitiva 4. Psicologia Cognitiva 4.1. Definição Segundo Preece (2005) a psicologia se interessa primeiramente em compreender o comportamento humano e o processo mental que está sob ele, e para entender este comportamento,

Leia mais

Técnicas de Memorização.

Técnicas de Memorização. Como Estudar? Técnicas de Memorização. Aprendizagem: dreamstime As estratégias de estudo que adquiriste no ensino secundário devem ser adaptadas ao ensino superior. Existem disciplinas com forte componente

Leia mais

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades?

O que é brincar e como se diferencia das outras actividades? i dos Pais Temas O Brincar Todas as crianças são únicas e diferentes das outras, sendo que as suas diferenças individuais parecem estar diretamente associadas com a sua maneira de brincar e a imaginação

Leia mais

APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig ***

APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA. por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig *** APRENDIZAGEM MOTORA E COGNIÇÃO EM PORTADORES DE DEFICIÊNCIA por Ruth Eugênia Cidade * Maria da Consolação G. C. F. Tavares ** Iverson Ladewig *** RESUMO Para que o professor possa otimizar a aprendizagem

Leia mais

APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE

APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE APRENDA A ESTUDAR UM GUIA PARA O SUCESSO DO ESTUDANTE Leiliane Bernardes Gebrim Psicóloga CRP: 09/ 006042 Para que você tenha sucesso na sua aprendizagem é preciso que você seja um estudante ativo e comprometido

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

Situação Geográfica e História

Situação Geográfica e História Centro de Formação e de Consulta para Crianças e Adolescentes Deficientes Auditivos Escolas Públicas com externato e internato D 79252 Stegen Sobre a Escola Situação Geográfica e História Em 1970 o estabelecimento

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

José Costa Ramos UATLA 1

José Costa Ramos UATLA 1 A. INTRODUÇÃO 1. Objectivos 2. Conteúdos programáticos 3. Evolução do estudo do desenvolvimento B. CONCEITOS BÁSICOS 1. Períodos do ciclo de vida 2. Métodos e Modelos de Investigação José Costa Ramos UATLA

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas.

Aprendizagem enquanto produto. refere-se àquilo que o sujeito aprendeu, aos conteúdos de aprendizagem, às aprendizagens realizadas. PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM Educação Social, 1º Ano, 1º Semestre ASPECTOS GERAIS TEORIA DE APRENDIZAGEM DE ROBERT GAGNÉ: 1.Informação verbal; 2.Competências intelectuais; 3.Estratégias

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática Capitulo VI 6.1 Intervenção Precoce 6.1.1 - Da teoria à prática Análogo ao que vem deliberado no despacho conjunto n.º 891/99, a intervenção precoce é uma medida de apoio integrado, centrado na criança

Leia mais

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS

O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS O LETRAMENTO E O PAPEL DO PROFESSOR NUM PROCESSO INTERDISCIPLINAR DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS Ana Lúcia Silva Vargas 1 Ana Maria Lara Lopes 2 Resumo A aprendizagem de crianças de 7 a 10 anos nas séries

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA GABINETE DA DEPUTADA LUZIA TOLEDO PROJETO DE LEI Nº 157/2010 PROJETO DE LEI Nº 157/2010 A semana de conscientização sobre transtornos de aprendizagem, no âmbito do Estado do Espírito Santo. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Fica

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

A intenção por parte do educador

A intenção por parte do educador Intencionalidade A intenção por parte do educador TESTE NA SEXTA! consiste em implicar o educando na experiência de aprendizagem, assim, é o educador que selecciona e organiza a informação para conseguir

Leia mais

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO Nos últimos anos, numerosas equipas multidisciplinares têm dedicado esforços ao desenvolvimento de métodos e estratégias para:. aumentar a comunicação

Leia mais

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática As habilidades na Solução de Problemas em Matemática Érica Valeria Alves O que diferencia a espécie humana das demais espécies do reino animal é a capacidade de pensar, raciocinar, formular hipóteses,

Leia mais

A aprendizagem cooperativa no jardim-de-infância

A aprendizagem cooperativa no jardim-de-infância A aprendizagem cooperativa no jardim-de-infância VIII JORNADAS DA INFÂNCIA da C.A.S.A. Ribeira Grande, 30 de janeiro de 2015 Vygotsky Desenvolvimento cognitivo Construção de conhecimento Interação Dimensão

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil. www.criscarvalho.com

CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil. www.criscarvalho.com CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING 5 a 12 de Setembro, Belo Horizonte Brasil O processo de Certificação tem como finalidade formar e preparar os participantes para serem capazes de compreender e atuar

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO 07-05-2013 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO Aula I Docente: Eng. Hercílio Duarte 07-05-2013 2 Objectivo Sistemas Modelos Dados Vs. Informação Introdução aos sistemas de Informação 07-05-2013 3 Introdução

Leia mais

Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo

Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade do Porto Serviço para a Educação Contínua Intervenção Psicoeducacional nas Perturbações do Espetro do Autismo Formadoras: Doutora Ana Aguiar

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA USP. 1) Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental

A EXPERIÊNCIA DA USP. 1) Laboratório de Neuropsicolingüística Cognitiva Experimental O Uso do Computador por Pessoas com Deficiência Sensorial (Surdez Congênita), Distúrbios Motores (Paralisia Cerebral, Esclerose Múltipla e Lateral Amiotrófica, Tetraplegia), e Distúrbios de Processamento

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 1. INTRODUÇÃO 340 Psicologia B O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram abrangidos

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO

GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO GLOSSÁRIO DE FORMAÇÃO Acolhimento - Acções que visam proporcionar ao colaborador um conjunto de referências e conhecimentos, relacionados com o ambiente organizacional e a função, tendo como objectivo

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING

CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING CERTIFICAÇÃO DYNAMIC COACHING INÍCIO JÁ A 12 DE MARÇO! CONHEÇA O NOSSO PROGRAMA DETALHADO! Público Alvo: Profissionais interessados em desenvolver a actividade de Dynamic Coaching. Inscrições: GO4 Consulting

Leia mais

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA

ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA ESTILOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM MOTORA: IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA Míriam Stock Palma Nádia Valentini Ricardo Petersen Herbert Ugrinowitsch PST e aquisição de habilidades motoras; Aprendizagem significativa;

Leia mais

Os princípios. Mente Absorvente

Os princípios. Mente Absorvente Método de Montessori: os príncipios MODELO MOMA Eixos Pedagógicos Areas de Impacto Teoria vs Prática Mente Absorvente Ambiente de Aaprendizagem Experimentação & Exploração - Diversificação dos métodos

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA INFÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA INFÂNCIA ANUÁRIO DE PRODUÇÕES ACADÊMICO-CIENTÍFICAS DOS DISCENTES DA FACULDADE ARAGUAIA A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA INFÂNCIA Kelly Nunes Caetano de Sousa Pedagogia Faculdade Araguaia Unidade Centro RESUMO : Este

Leia mais

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional

Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional Do desenvolvimento curricular ao conhecimento profissional José Duarte jose.duarte@ese.ips.pt Escola Superior de Educação de Setúbal José Duarte iniciou a sua carreira como professor de Matemática do Ensino

Leia mais

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004

PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 PROGRAMA AVES Inquérito de Opinião, Competências e Valores - Resultados de 2004 António M. Fonseca Introdução No âmbito dos objectivos do Programa AVES Avaliação de escolas com ensino secundário, a vontade

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CONTEXTUALIZAÇÃO, RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Edda Curi Resumo Os Parâmetros Curriculares Nacionais de Matemática dos Ensinos Fundamental e Médio enfatizam como um critério essencial para

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING

Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING Departamento de Engenharia Informática DISTRIBUTED PROBLEM SOLVING 1000833 Henrique de Meireles Morais Maio de 2008 Disciplina: Sistemas Baseados em Agentes Professor: António Pinto de Sousa e Silva Mestrado

Leia mais

Atividades Práticas em Leitura e Escrita

Atividades Práticas em Leitura e Escrita Atividades Práticas em Leitura e Escrita Andréa Carla Machado Elaine Cristina dos Santos 2015 Andréa Carla Machado; Elaine Cristina dos Santos Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180

Nº 13 AEC - Papel e Acção na Escola. e-revista ISSN 1645-9180 1 A Escola a Tempo Inteiro em Matosinhos: dos desafios estruturais à aposta na formação dos professores das AEC Actividades de Enriquecimento Curricular Correia Pinto (*) antonio.correia.pinto@cm-matosinhos.pt

Leia mais

Escrita Criativa com Símbolos

Escrita Criativa com Símbolos Escrita Criativa com Símbolos Manuela Andrade Patrícia Correia CNOTINFOR Coimbra Portugal patricia@cnotinfor.pt manuela@cnotinfor.pt Sumário A CNOTINFOR e a Equipa de Coordenação de Apoios Educativos da

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores MÓDULOS CARGA HORÁRIA Acolhimento 1 O formador face aos sistemas e contextos de formação 8 Factores e processos de aprendizagem 6 Comunicação e Animação de Grupos

Leia mais

e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72

e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72 e - Learning > Introdução ao e-learning para Formadores 70 > Diagnóstico de Necessidades de Formação 71 > Coordenação da Formação 72 > Avaliação na Formação 73 > Psicologia e Comportamento Criminoso 74

Leia mais

Introdução à Actividade Publicitária

Introdução à Actividade Publicitária ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL de Técnico de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade DISCIPLINA: CPC ANO: 10º Turma: H ANO 2010/2011 MÓDULO A1 definir

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO VISUAL E PLÁSTICA 7ª Classe 1º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Educação Visual e Plástica - 7ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha?

Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? Metas de Aprendizagem em Educação de Infância: Oportunidade ou Armadilha? VIII Jornadas da Infância do Centro de Apoio Social e Acolhimento C.A.S.A. Bernardo Manuel Silveira Estrela PRÁTICAS EDUCATIVAS:

Leia mais

Competir na Economia do Conhecimento

Competir na Economia do Conhecimento Competir na Economia do Conhecimento Formação Outdoor 17 de Outubro de 2007 S. Pedro de Moel Nesta acção de formação outdoor, de cariz comportamental, será dada ênfase ao trabalho em equipa, muito importante

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

NER - Plano de PSICOLOGIA B - 12º ano Ano letivo de 2015/2016

NER - Plano de PSICOLOGIA B - 12º ano Ano letivo de 2015/2016 MÓDULO 1 (1º Período) NER - Plano de PSICOLOGIA B - 12º ano Tema 1. EU NOS CONTEXTOS O modelo ecológico do desenvolvimento Compreender as capacidades do ser humano de relação com os contextos Caracterizar

Leia mais

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO GAMBA, Adriane Becker FACSUL adri_becker@hotmail.com TRENTO, Valma Andrade UFPR walmaat@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho tem

Leia mais

maior probabilidade de ser repetido em circunstâncias semelhantes

maior probabilidade de ser repetido em circunstâncias semelhantes Controlo Motor e Aprendizagem Aula teórica 10/1 Controlo Motor e Aprendizagem Aula teórica 10/2 Conhecer o modelo e as estruturas da teoria do circuito fechado, explicativos da capacidade de detecção e

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO

FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO FORMAÇÃO CONTINUADA CAMINHOS PARA O ENSINO SUPERIOR PLANO DE ENSINO E ESTRATÉGIAS Profª Msc. Clara Maria Furtado PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURRÍCULO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR PLANEJAMENTO DO CURSO OBJETIVOS

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática.

Algumas disciplinas do curso de formação inicial Algumas cadeiras Durante o curso houve disciplinas que estavam direccionadas para essa temática. ANEXO III 217 QUADRO N. º 4 - Formação recebida no domínio da intervenção educativa com crianças portadoras de NEE SUB-CATEGORIA INDICADORES UNIDADES DE REGISTO SUJEITOS F.U.R. % Disciplinas do Curso Uma

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

PALAF programa aprender a ler para aprender a falar

PALAF programa aprender a ler para aprender a falar Versão 2.0 Fevereiro 2010 Índice 2 Índice... 2 Nota Introdutória... 6 I. PROMOVER AS COMPETÊNCIAS COMUNICATIVAS E A LEITURA EM IDADE PRECOCE... 7 1.1 Introdução... 7 1.2. Actividades importantes na promoção

Leia mais

Declaração de Salamanca 20 anos depois

Declaração de Salamanca 20 anos depois Declaração de Salamanca 20 anos depois Inclusão de Alunos com NEE Mito ou Realidade? Prof. Doutora Helena Mesquita hmesquita@ipcb.pt Revisitar a Declaração de Salamanca 1) DECLARAÇÃO DE SALAMANCA Junho

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

Dislexia Atenção aos Sinais

Dislexia Atenção aos Sinais Dislexia Atenção aos Sinais Aurea M. Stavale Gonçalves Psicopedagoga clínica e neuropsicóloga Credenciada pelo Centro de Avaliação e Encaminhamento da Associação Brasileira de Dislexia ABD O percurso até

Leia mais

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes

PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes PROGRAMA DE TEORIA E METODOLOGIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Disciplina de Educação Física Ficha Técnica Título Programa de Teoria e Metodologia

Leia mais

Déficit Visual Cortical Como se inicia o processo de aprendizagem visual? 1

Déficit Visual Cortical Como se inicia o processo de aprendizagem visual? 1 Déficit Visual Cortical Como se inicia o processo de aprendizagem visual? 1 A visão é um fenômeno hermético e que inclui quatro etapas bem distintas: percepção, transformação, transmissão e interpretação.

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

EN 13795. Contributo. A elaboração da Norma A situação actual Estrutura e Objectivos EN 13795 e as suas partes constituintes EN13795 FAPOMED SA 2

EN 13795. Contributo. A elaboração da Norma A situação actual Estrutura e Objectivos EN 13795 e as suas partes constituintes EN13795 FAPOMED SA 2 EN 13795 Campos cirúrgicos, batas cirúrgicas e fatos de ambiente controlado, classificados como dispositivos médicos para doentes profissionais de saúde e equipamentos EN 13795 Contributo A elaboração

Leia mais

Instrumento de Intervenção

Instrumento de Intervenção UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ANEXO Instrumento de Intervenção Ana Isabel Mendes Codeço 2010 Planeamento da Sessão nº. 1 Data: 04/03/2010 Objectivo Geral: Desenvolver a

Leia mais

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger Os Trrabal lhos de Casa Uma das principais causas de stress das crianças com (SA), das suas famílias e professores, é a realização satisfatória dos trabalhos de casa. Esta tarefa é muitas vezes descrita

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14

Sumário. 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida 23. Introdução 11. Os marcos teóricos de referência 14 Sumário Introdução 11 Os marcos teóricos de referência 14 Eixos didáticos convergentes 16 Anexo 1. Memória viva 19 Anexo 2. Algumas datas 22 1. Criar condições favoráveis para uma aprendizagem bem-sucedida

Leia mais

43. Jogo do bingo com figuras

43. Jogo do bingo com figuras 43. Jogo do bingo com figuras São confeccionadas cartelas com os desenhos de todas as figuras. Podem ser montadas 8 cartelas com seis figuras, se não houver repetição; é possível criar muito mais cartelas,

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS. 1 - Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais de Educação Física

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS. 1 - Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais de Educação Física CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS Os Critérios de Avaliação de Educação Física têm como base de referência os seguintes documentos: 1. Decreto-Lei nº 139 de 5 de julho de 2012 2. Currículo Nacional

Leia mais

NEUROPSICOLOGIA DA ATIVIDADE MATEMÁTICA: ASPECTOS FUNCIONAIS RESUMO

NEUROPSICOLOGIA DA ATIVIDADE MATEMÁTICA: ASPECTOS FUNCIONAIS RESUMO NEUROPSICOLOGIA DA ATIVIDADE MATEMÁTICA: ASPECTOS FUNCIONAIS Leila Vasconcelos Hospital Geral do Recife leilajanot@yahoo.com.br RESUMO A presente contribuição visa estabelecer as bases teóricas para a

Leia mais