O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna"

Transcrição

1 O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

2 Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 1a edição, Agosto de 2001 Encomendas: Edições escolares do Cantão de Berna (Berner Lehrmittel und Medienverlag)

3 Prezados Pais A entrada para o jardim de infância é um momento de especial importância tanto para os Senhores como para os vossos filhos. Na verdade, a frequência do jardim de infância significa mais um passo no caminho para a autonomia. Trata-se da integração dos vossos filhos num grupo mais numeroso de crianças e da entrada no sistema escolar público. É, para nós, um prazer podermos dar-vos, através desta brochura, uma informação sobre a organização, os objectivos e as formas de trabalho no jardim de infância. A Direcção da Instrução Pública Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 1

4 O que o jardim de infância oferece Comunidade de crianças Corpo docente Espaços de jogo e de aprendizagem No jardim de infância os vossos filhos vão integrar-se num grupo de crianças cujo nível de desenvolvimento, idade, língua ou situação familiar são diferentes dos deles. Passam a fazer parte de uma comunidade de crianças que brincam e aprendem juntas. O grupo está entregue a uma educadora ou a um educador de infância diplomado que detecta as capacidades e os interesses de cada criança e prepara materiais de jogo e de aprendizagem que lhes possibilitam novas experiências, apoiando e favorecendo ao mesmo tempo o seu desenvolvimento. A educadora ou o educador de infância orienta o seu trabalho de acordo com os objectivos do programa. No jardim de infância as crianças encontram as condições adequadas ao jogo e à aprendizagem. São motivadas para agir, experimentar e criar com toda a autonomia. Nas suas actividades são apoiadas e guiadas pela educadora ou pelo educador. Duração e horários do jardim de infância Duração do jardim de infância Cada criança tem direito a frequentar o jardim de infância durante pelo menos um ano antes de entrar para a escola primária. Nalgumas comunas as crianças podem fazê-lo mesmo durante dois anos. Embora a frequência do jardim de infância seja facultativa, quase todas as crianças o frequentam pelo menos durante um ano. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 2

5 Horários Faltas Caminho entre a casa e o jardim de infância O número de lições no jardim de infância depende do número de semanas de aulas na vossa localidade. Se tiverem 39 semanas de aulas terão, por exemplo, entre 22 e 25 lições por semana. O horário diário é fixado pela comissão responsável na vossa comuna. O horário semanal das crianças que frequentam o jardim de infância durante dois anos pode ser reduzido durante o primeiro ano. As crianças devem frequentar o jardim de infância regularmente. Faltas (motivadas, por exemplo, por doença da criança ou por férias dos pais fora do período de férias escolares) devem ser comunicadas com antecedência à educadora ou ao educador. Se uma criança faltar sem o ter comunicado previamente, a educadora ou o educador tem de se informar sobre as razões dessa ausência. Os pais são responsáveis pelos filhos durante o caminho entre a casa e o jardim de infância. Apoiar e favorecer o desenvolvimento das crianças Aptidões e interesses das crianças Ao entrarem para o jardim de infância, as crianças têm necessidades, experiências e aptidões diferentes. A educadora ou o educador avalia o seu nível de desenvolvimento através da observação atenta de cada criança e de uma conversa com os pais. Detecta, deste modo, os pontos fortes e as aptidões, as fraquezas e os pontos fracos, os interesses e as necessidades de cada uma das criança, compreendendo assim melhor o seu comportamento e as suas experiências. Estes elementos permitir-lhe-ão planear e organizar o trabalho no jardim de infância. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 3

6 Perturbações no desenvolvimento Consulta de serviços especializados Integração É no jardim de infância que se detectam muitas vezes perturbações no desenvolvimento de uma criança. Um apoio dirigido nesse sentido favorece o desenvolvimento e põe em marcha processos de aprendizagem. A educadora ou o educador pode recorrer a especialistas encarregados de examinar, de aconselhar e de oferecer apoios especiais. Regra geral, os especialistas são consultados com o acordo dos pais. No jardim de infância vão encontrar-se crianças com diferentes aptidões, de variadas línguas e culturas. Esta diversidade abre-lhes novas possibilidades de aprendizagem, pois vão poder aprender também umas com as outras. Objectivos pedagógicos Programa Competências sociais Competências pessoais O trabalho no jardim de infância é organizado de acordo com um programa que indica quais as competências e aptidões a estimular. No centro está o desenvolvimento da sociabilidade: estabelecer contactos, saber comunicar, saber ouvir, tentar compreender os sentimentos dos outros, respeitá-los, brincar e trabalhar em grupo, respeitar regras e resolver conflitos. As crianças aprendem a aceitar e a respeitar as regras da vida em sociedade. Aprendem a estabelecer em conjunto regras de convivência e a conciliar os seus interesses com os dos colegas do jardim de infância. No plano de estudos fala-se, neste caso, do desenvolvimento das competências sociais. No jardim de infância também são estimuladas capacidades como a tomada de consciência de si próprio e do meio ambiente, a capacidade de se exprimir e de se Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 4

7 abrir aos outros. As crianças contam experiências, ouvem histórias, aprendem novas noções. Aprendem a ouvir e a observar com atenção e a exprimir o que apercebem. As actividades exercidas fazem sempre apelo aos sentimentos das crianças. O jardim de infância estimula a expressão verbal e gestual, o gosto pelos jogos e pelo movimento, permitindo à criança desenvolver e aperfeiçoar as suas capacidades motoras. No jardim de infância as crianças desenvolvem a capacidade de autonomia e a confiança em si próprias. Aprendem a gerir situações de sucesso e de insucesso e a melhorar a concentração e a persistência. Estas competências estão agrupadas no programa sob a noção de competências pessoais. Competências no saber-fazer No jardim de infância as crianças também desenvolvem e aperfeiçoam as suas capacidades na sua relação com o meio ambiente. Fazem experiências com diferentes materiais, descobrem e aprendem a conhecer e a manipular diferentes ferramentas, aparelhos e instrumentos de música. Alargam e assimilam as suas experiências com animais e plantas. Também é feito um trabalho de reflexão sobre as suas exoeriências com os media. Aprendem a orientar-se na zona mais próxima e familiarizam-se com as regras de circulação. São apoiadas na sua sede de aprender e na resolução dos problemas. Os seus progressos são reconhecidos e, se necessário, a educadora ou o educador de infância apoia-as na procura de soluções. Aprendem a reconhecer e a descrever relações e as leis que as governam. Exercitam a memória. Actividades lúdicas e formas de trabalho Brincar e aprender A actividade mais importante no jardim de infância é o jogo. As crianças aprendem quando estão a brincar e Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 5

8 brincam quando estão a aprender. A sala do jardim de infância está arranjada e equipada de modo a oferecer as melhores possibilidades e estímulos para os mais variados jogos. Ao brincarem as crianças desenvolvem as suas competências, aprofundam e alargam as experiências e descobrem novos centros de interesse. Os jogos organizados pela educadora ou pelo educador possibilitam a introdução de novas formas de jogo ou o treino de competências previamente determinadas. Os jogos praticados livremente dão às crianças a possibilidade de escolherem elas próprias os instrumentos e o tipo de jogo, são elas a decidir quais as crianças com quem querem brincar e quais as regras de jogo. A educadora ou o educador acompanha-as e apoia-as enquanto jogam. Formas de aprendizagem variadas As crianças podem desenvolver as suas aptidões de várias maneiras: participando em projectos, grupos de trabalho, aprendendo canções, vendo livros de imagens e ouvindo histórias. Colaboração entre os pais e os educadores Informação mútua Encontros com os pais O jardim de infância apoia a família na educação e na instrução das crianças. Expectativas e objectivos podem ser esclarecidos através de uma troca regular de informações e de conversas. O comportamento das crianças no jardim de infância é muitas vezes diferente do comportamento em casa. Os pais e os educadores trocam observações e experiências a fim de melhor compreenderem as crianças e de poderem, assim, apoiá-las e encorajá-las melhor. Cada família é convocada para, pelo menos, um encontro por ano. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 6

9 Diferentes formas de colaboração Visitas O corpo docente contacta os pais logo no início do ano no jardim infantil. Esse contacto tem como finalidade a criação de uma base sólida de colaboração para o futuro. A educadora ou o educador pode recorrer a diferentes formas de colaboração (reuniões de pais, cartas aos pais, mesas-redondas, encontros organizados com os pais e com as crianças). Os pais devem visitar os filhos no jardim de infância. Essas visitas devem ser combinadas com a educadora ou o educador. Passagem do jardim de infância para a escola primária Colaboração Entrada para a escola primária As crianças iniciam no jardim de infância um caminho que prosseguirão na escola primária. O jardim de infância e a escola têm objectivos comuns: desenvolvem nas crianças as cpmpetências pessoais, sociais e as do saber-fazer. Ainda que os programas e as várias formas de ensinar e de aprender variem, o jardim de infância e a escola primária realizam uma missão comum e empenham-se em facilitar às crianças a passagem de um para outro. Em princípio, todas as crianças que tenham atingido os 6 anos antes do dia 1 de Maio iniciam a escola primária em Agosto. O jardim de infância e a escola velam para que as crianças entrem na escola primária com a idade apropriada. Depois de consultados os pais, o corpo docente e um serviço especializado, a comissão escolar pode adiar a admissão de uma criança ou escolarizá-la numa turma especializada. A comissão escolar pode também autorizar uma criança a ser escolarizada antes de atingida a idade Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 7

10 legal. Para tal é necessário um pedido dos pais, acompanhado de uma proposta fundamentada do serviço psicológico escolar. Competências Educadoras e educadores do jardim de infância Comissão escolar Inspecção escolar Serviços especializados Caso tenham perguntas a fazer sobre o jardim de infância ou sobre o desenvolvimento dos vossos filhos podem dirigir-se à educadora ou ao educador respectivo assim como à direcção escolar, concretamente à direcção do jardim de infância da localidade onde residem. Logo que os vossos filhos estejam colocados num jardim de infância, o vosso primeiro interlocutor é a educadora ou o educador para todas as perguntas relacionadas com o desenvolvimento ou com a escolarização do vosso filho ou da vossa filha. As questões administrativas e organizatórias são da competência da comissão escolar ou da comissão do jardim de infãncia que distribui as crianças pelas várias classes. A inspecção escolar é responsável pela inspecção das actividades do jardim de infância. O serviço de aconselhamento sobre questões de educação da vossa região, o serviço de pedopsiquiatria e o médico escolar aconselham-vos se o vosso filho ou a vossa filha sofrer de perturbações de desenvolvimento ou se tiverem perguntas particulares sobre a sua educação. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna 8

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique

A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Portugiesisch A Escola obrigatória no Cantão de Zurique Informação para os pais Objectivos e linhas gerais A escola obrigatória oficial, no Cantão de Zurique, é obrigada a respeitar os valores fundamentais

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA CENTRO DE BEM ESTAR INFANTIL NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Projecto Pedagógico 2007/2008 Sala 9- Sala Aventura Estão habituadas à convivência com outras crianças e adultos não pertencentes à família. Aprenderam

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO AUCV ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE CABO VERDE, IPSS 96/85. Número de Pessoa Colectiva: 501 417 303 TELEFONE: 21 492 41 77

IDENTIFICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO AUCV ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE CABO VERDE, IPSS 96/85. Número de Pessoa Colectiva: 501 417 303 TELEFONE: 21 492 41 77 1 IDENTIFICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO AUCV ASSOCIAÇÃO UNIDOS DE CABO VERDE, IPSS 96/85 SEDE RUA MÁRIO VIEGAS, Nº 1 CASAL DE SÃO BRÁS 2700-899 AMADORA TELEFONE: 21 492 70 71 FAX: 21 492 70 71 E-MAIL: unidoscaboverde@gmail.com

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação

ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário aos Pais Encarregados de Educação ESCOLA SECUNDÁRIA COM3º CICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário aos Pais Encarregados de Educação Reconhece-se a importância da família e da sua colaboração no processo educativo. Com este questionário

Leia mais

PISTAS PARA UM ESTUDO COM SUCESSO. à vossa maneira

PISTAS PARA UM ESTUDO COM SUCESSO. à vossa maneira PISTAS PARA UM ESTUDO COM SUCESSO à vossa maneira # MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Eu consigo, 2 # MOTIVAÇÃO PARA A APRENDIZAGEM importância de diferentes estilos de motivação intrínseca extrínseca 3 #

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo

Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo Acesso à Educação para Filhos de Imigrantes Folheto Informativo 1 INTRODUÇÃO O Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas em colaboração com o Secretariado Entreculturas elaborou esta brochura

Leia mais

Fit für die Schule. Fit für die Schule. Was kleine Kinder von ihren Eltern brauchen

Fit für die Schule. Fit für die Schule. Was kleine Kinder von ihren Eltern brauchen Was kleine Kinder von ihren Eltern brauchen Erziehungsberatung Erziehungsdirektion des Kanton Bern Sulgeneckstrasse 70 3005 Bern Telefon 031 633 85 11 www.erz.be.ch/fit-fuer-die-schule Prezados Pais O

Leia mais

Apoio à Preparação de Voluntários de Leitura Um projeto de cidadania Missão Potenciar o desenvolvimento de uma rede nacional de volutariado na área da promoção da leitura. Objectivos centrais Apoiar iniciativas;

Leia mais

Preparado para o infantário. Portugais

Preparado para o infantário. Portugais Preparado para o infantário Portugais As crianças precisam de tarefas que as façam crescer, De um modelo pelo qual se possam guiar, De comunidades que as façam sentir-se seguras. Prof. Dr. Gerald Hüther

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés.

Objectivos Proporcionar experiências musicais ricas e diversificadas e simultaneamente alargar possibilidades de comunicação entre Pais e bebés. O estudo do desenvolvimento musical da criança é um campo de trabalho privilegiado pela CMT, tendo em conta o perfil curricular de alguns dos seus elementos, com ligações ao meio universitário. Um pouco

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida

Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida Regulamento das Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF) Jardim de Infância António José de Almeida Artigo 1º Enquadramento As atividades letivas com as educadoras no Jardim de Infância António

Leia mais

Experiências Pré-Profissionais. Na Direção Regional de Educação. Conceito de Experiências Pré-Profissionais

Experiências Pré-Profissionais. Na Direção Regional de Educação. Conceito de Experiências Pré-Profissionais Na Direção Regional de Educação As equipas de educação especial da Direcção Regional de Educação (DRE) atendem uma população variada, com diferentes problemáticas que determinam a necessidade de diferenciar

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Melgaço

Agrupamento de Escolas de Melgaço Cod. 345921 ESCOLA E.B. 2, 3/S DE MELGAÇO SEDE DE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MELGAÇO Direcção Regional de Educação do Norte Agrupamento de Escolas de Melgaço Educação Especial Decreto Lei 3/2008 Decreto

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. 2009-2010 Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Paulo Freire 1 ÍNDICE Introdução... 3 Objectivos... 3 Actividades... 3 Localização... 4 Horário provável de funcionamento...

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos Ano letivo 2015/2016 «Onde nos leva uma obra de arte» Fundamentação teórica (justificação do projeto): As crianças nesta faixa etária (1-2 anos) aprendem com todo o seu

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática Pedagogia Profa. Luciana Miyuki Sado Utsumi Comunicação matemática e resolução de problemas PCNs, RCNEI e a resolução de problemas Consideram aspectos fundamentais, como: As preocupações acerca do ensino

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

Maternal B. A adaptação foi um período bastante especial para a turma do Maternal, com muitas novidades.

Maternal B. A adaptação foi um período bastante especial para a turma do Maternal, com muitas novidades. Relatório de Grupo Maternal B 2013 Neste relatório, desejamos compartilhar com vocês o início da história do nosso grupo, contando como foram os primeiros dias e as primeiras descobertas. A adaptação foi

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. www.dombosco.sebsa.com.br/colegio

ENSINO FUNDAMENTAL. www.dombosco.sebsa.com.br/colegio ENSINO FUNDAMENTAL www.dombosco.sebsa.com.br/colegio Sala de aula 1º ao 5ª ano Os alunos do Colégio Dom Bosco desfrutam de uma ampla estrutura física, totalmente projetada para atender todas as necessidades

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO 1. A Universidade Lusíada do Porto organiza, a partir do ano lectivo de 2006-2007, estágios de prática

Leia mais

Projecto Educativo de Estabelecimento. Triénio de 2010-2013

Projecto Educativo de Estabelecimento. Triénio de 2010-2013 Projecto Educativo de Estabelecimento Triénio de 2010-2013 Creche Mundo Infantil Queremos que juntos, Equipa Educativa, Crianças e Familias, possamos proporcionar boas experiencias e aprendizagens. Só

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo APÊNDICE I Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos Actividades Outubro Estabelecer um horário semanal de estudo Fazer cumprir o horário semanal de estudo Verificar diariamente

Leia mais

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional

2014/2015. 9º Ano Turma A. Orientação Escolar e Vocacional 2014/2015 9º Ano Turma A Orientação Escolar e Vocacional Programa de Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e agora??? Serviço de Apoios Educativos Ano Lectivo 2014/2015 Orientação Escolar e Profissional

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO

REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS NAS LICENCIATURAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA UNIVERSIDADE LUSÍADA DO PORTO 1. A Universidade Lusíada do Porto organiza, a partir

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA

INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA INSTITUTO DE PROMOÇÃO SOCIAL DA BAIRRADA Proposta de regulamento da BIBLIOTECA escolar I - CONCEITO A Biblioteca Escolar é um núcleo de organização pedagógica da Escola e deve ser entendida como um centro

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezados Pais e/ou Responsáveis, Estamos vivenciando o segundo bimestre letivo e o processo de aprendizagem representa pra nós, motivo de alegria e conquistas diárias. Confiram as habilidades

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

Reflexão. O ambiente na sala de aula era de muita atenção e de alguma expectativa e ansiedade para começar a montar os Robots da Lego.

Reflexão. O ambiente na sala de aula era de muita atenção e de alguma expectativa e ansiedade para começar a montar os Robots da Lego. Reflexão Tarefa Proposta: Uma Viagem ao Centro da Terra. Tema abordado: Razões Trigonométricas Unidade didática: Trigonometria Estrutura e organização da aula A realização desta Ficha de Trabalho foi dividida

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

Introdução. Os comportamentos adquiridos serão mais sólidos e duradouros, se tiverem início nos primeiros anos de escolaridade.

Introdução. Os comportamentos adquiridos serão mais sólidos e duradouros, se tiverem início nos primeiros anos de escolaridade. Conteúdos Introdução Objectivos Projecto O camião O circuito Os veículos Descrição da Acção O jogo da Educação Rodoviária Conclusão Equipamento e serviços Introdução Introdução Sendo as crianças um dos

Leia mais

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR

ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR PRINCÍPIOS ORIENTADORES DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DAS ACTIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA NOS JI Ano lectivo 2009/2010 1 Princípios Orientadores de acordo com o Projecto Educativo A Lei

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL

GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL GUIA PARA OS PAIS - EDUCAÇÃO INFANTIL O QUE É? É um processo educativo que oscila entre a inserção e a autonomia. É uma etapa do sistema de educação que tem como objectivo proporcionar às crianças experiências

Leia mais

JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES

JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES Projecto O Computador no Jardim-de-Infância JARDIM INFÂNCIA ALFARAZES JARDIM INFÂNCIA BAIRRO DA LUZ JARDIM INFÂNCIA PÓVOA DO MILEU JARDIM INFÂNCIA TORREÃO 1- Designação

Leia mais

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO

REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO DA ESCOLA DE MÚSICA DE MONDIM DE BASTO Artigo 1 (Objecto) 1 - Pelo presente Regulamento é constituída e regulado o funcionamento da Escola de Música Municipal de Mondim de Basto. 2 - A Escola

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

Estágio em empresas. Relatório do

Estágio em empresas. Relatório do Estágio em empresas 2016 Relatório do Aos Departamentos de Recursos Humanos e Firmas com Estágios em 2016 Estágio em empresas de 20.06. a 01.07.2016 Estimados Senhores A Escola Alemã de Lisboa tem levado

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Resolução CME n 20/2012 Comissão de Ensino Fundamental Comissão de Legislação e Normas organização Define normas para a dos três Anos Iniciais do Ensino Fundamental das Escolas

Leia mais

O curso de italiano on-line: apresentação

O curso de italiano on-line: apresentação O curso de italiano on-line: apresentação Índice Porque um curso de língua on-line 1. Os cursos de língua italiana ICoNLingua 2. Como é organizado o curso 2.1. Estrutura geral do curso 2.2. Andamento e

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

Apoio à Divulgação do projeto nas escolas

Apoio à Divulgação do projeto nas escolas Apoio à Divulgação do projeto nas escolas A LEITURA Um bem essencial Estimular o gosto pelos livros Diversificar experiências de leitura Detetar dificuldades Intervir o mais cedo possível Um projecto de

Leia mais

Situação Geográfica e História

Situação Geográfica e História Centro de Formação e de Consulta para Crianças e Adolescentes Deficientes Auditivos Escolas Públicas com externato e internato D 79252 Stegen Sobre a Escola Situação Geográfica e História Em 1970 o estabelecimento

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998

Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998 Educação Pré-Escolar - Perguntas e Respostas Gabinete para a Expansão e Desenvolvimento da Educação Pré-Escolar Ministério da Educação Ministério da Solidariedade e Segurança Social 1998 ARGUMENTÁRIO O

Leia mais

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008

Encarregados de Educação. Plano de Actividades 2007/2008 Associação de Pais e Encarregados de Educação Plano de Actividades 2007/2008 A nível interno 1. Promover o bom Funcionamento administrativo da Associação Objectivo: Continuar a melhorar a organização e

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

ACADEMIA SPORTING POLÍTICAS EDUCATIVAS E SOCIAIS NO DESPORTO. Um projecto de uma Escola de Formação Desportiva. Setúbal, 28 de Janeiro de 2005

ACADEMIA SPORTING POLÍTICAS EDUCATIVAS E SOCIAIS NO DESPORTO. Um projecto de uma Escola de Formação Desportiva. Setúbal, 28 de Janeiro de 2005 POLÍTICAS EDUCATIVAS E SOCIAIS NO DESPORTO Pedro Mil-Homens Santos Setúbal, 28 de Janeiro de 2005 ACADEMIA SPORTING Um projecto de uma de Formação Desportiva Sumário Introdução Missão e Organização Recrutamento

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro

A Sessão de Treino. A Sessão de Treino. Curso de Treinadores de Nível 1. Cascais, 27 de Setembro A Sessão de Treino 2008 Temas a abordar A Sessão de Treino Preocupações do Treinador no treino Instrução Gestão Clima Disciplina Formas de organização da sessão de treino Para que servem Critérios de selecção

Leia mais

AVALIAÇÃO: Teste escrito

AVALIAÇÃO: Teste escrito Aulas de Ciências do Comportamento 24 Novembro (quarta) Introdução à Psic. Desporto Conhecimento do atleta Motivação 3 Dezembro (quarta) Comunicação e aprendizagem Auto-confiança Formulação de objectivos

Leia mais

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual)

Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) Agrupamento de Escolas de Santo André, Santiago do Cacém Código: 135513 NIFPC: 600075907 Escola Secundária Padre António Macedo Clube de Francês / Oficina de Francês (Sala Virtual) 2007/2014 Luísa Maria

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

EBI de Angra do Heroísmo

EBI de Angra do Heroísmo EBI de Angra do Heroísmo ENQUADRAMENTO GERAL Estratégia intervenção Ministério Educação promover o empreendedorismo no ambiente escolar Consonância com linhas orientadoras da Comissão Europeia Projectos

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

Aprender a Estudar. Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros

Aprender a Estudar. Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros Aprender a Estudar Imagem de http://www.culturamix.com/cultura/livros/fotos-livros Cada pessoa tem dentro dele um fragmento de boas notícias. A boa notícia é que cada um de nós não sabe o quão extraordinário

Leia mais

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal

SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura. Centro de Apoio Psicopedagógico. gico do Funchal SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO e cultura DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO Centro de Apoio Psicopedagógico gico do Funchal Intervenção precoce Medida de apoio integrado, centrado na

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO 15.9.7/9 Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim (Cód. 161755) Escola EB 2,3/S Engº Dionísio A. Cunha (Cód. 345842) Canas

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Academia de Música, Orquestra e Coro do Colégio da Imaculada Conceição CAIC

Academia de Música, Orquestra e Coro do Colégio da Imaculada Conceição CAIC Academia de Música, Orquestra e Coro do Colégio da Imaculada Conceição CAIC =Regulamento= nep. 014.1 Página 1 de 10 1. Introdução O Colégio da Imaculada Conceição pertence à Companhia de Jesus e, por isso,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

Regulamento Interno dos Laboratórios de Madeiras e Metais

Regulamento Interno dos Laboratórios de Madeiras e Metais Regulamento Interno dos Laboratórios de Madeiras e Metais Horário de Funcionamento dos Laboratórios 10H00 às 13h00 e das 14h00 às 19H00 de 2ª a 6ª feira Sensibilidade e consciência do Perigo A utilização

Leia mais

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados

TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO. 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados TÉCNICAS/MÉTODOS DE ENSINO 1. Objectivos 2. Selecção dos conteúdos 3. Métodos a serem usados 1 Método : Caminho para se chegar a um determinado lugar alcançar objetivos estabelecidos no planeamento. Os

Leia mais

Modelo de Examen de Portugués Nivel III Parte 5 Expresión Oral NIVEL 3

Modelo de Examen de Portugués Nivel III Parte 5 Expresión Oral NIVEL 3 Nro. de Control :... NIVEL 3 PARTE 5 - PRODUÇÃO ORAL Há dois examinadores: um interlocutor e um assessor. O interlocutor dirige o teste, enquanto o assessor não faz parte da interação. Eles podem trocar

Leia mais