PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem"

Transcrição

1 PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais, Luísa Cotrim e Teresa Condeço, a trabalhar com crianças com Perturbações de Desenvolvimento desde O programa segue uma metodologia baseada na abordagem da palavra como um todo e na aprendizagem sem erro para o ensino da leitura como estratégia de promoção das competências comunicativas. O PALAF é um programa de leitura que deve ser iniciado desde a idade precoce, através da introdução e familiarização com a palavra escrita. A progressão compreende estratégias de promoção da memória de trabalho auditiva e visual através de uma metodologia estruturada e sistemática. As palavras inicialmente introduzidas fazem parte dos interesses e necessidades da criança na sua comunicação diária dentro da família e, eventualmente, contexto educativo em que se encontra inserida. Quando uma palavra é ensinada é rapidamente incluída no vocabulário visual da criança e será reutilizada em conjunto com outra palavra (ex. 1ª abordagem: ; 2ª abordagem. Mais tarde, introduzimos uma 3ª palavra para formar frases de 3 palavras. Todo este processo é repetido não só através da metodologia mas também com a introdução de outras estratégias e actividades de consolidação, nomeadamente, software educativo, fichas de actividades, livros powerpoint, material para manipular, actividades e materiais do dia a dia. Como resultado do trabalho sistemático de memorização das palavras, verificamos que as palavras são fáceis de memorizar, ler e incluir rapidamente no vocabulário da criança. Referimos alguns dos requisitos que fazem do PALAF um Programa único, fácil de aplicar, motivador, funcional e de acordo com as competências, interesses e necessidades da maioria das crianças. Utiliza uma metodologia baseada na discriminação e memória visual Minimiza a necessidade da criança se apoiar na memória de trabalho Fácil para ser utilizada por pais e educadores Inclui estratégias multisensorias como software interactivo Aconselha a utilização de imagens e palavras separadamente mas simultaneamente O vocabulário introduzido consiste num conjunto de palavras escolhidas pelos pais e terapeutas como as palavras que a criança necessita para comunicar e dentro dos seus interesses e experiências diárias Numa primeira abordagem não utiliza palavras graficamente ou foneticamente semelhantes Aconselha a construção de flashcards, motivadores e fáceis de manipular Aconselha a utilização de 4 ou 5 flashcards em cada sessão As crianças aprendem a reconhecer palavras visualmente, acedem ao seu significado e contexto, promovendo a compreensão e a fluência Permite trabalhar/manipular a linguagem possibilitando que a criança mexa nos componentes da frase e observe as alterações como a construção do plural ou dos tempos verbais O Programa pode ser utilizado desde a idade precoce, em casa, pelos pais O PALAF é indicado para todas as crianças? O Programa apresenta uma metodologia que pode ser indicada para todas as crianças, crianças que aprendem sem dificuldade, crianças que apresentam dificuldade de alguma ordem na aquisição e velocidade de aprendizagem da leitura e/ou desenvolvimento das competências comunicativas, crianças com Perturbações do Desenvolvimento, nomeadamente dislexia, espectro do autismo, síndrome de asperger, síndrome de x-frágil, trissomia 21, perturbação da cognição não-verbal, perturbação da atenção.

2 Embora com uma forte componente de incidência na utilização das competências de discriminação e memória visuais, o Programa propõe uma abordagem multisensorial, com possibilidades de utilização junto dos vários estilos cognitivos de aprendizagem: visual, auditivo e cinestésico. As crianças com dificuldades na discriminação e memória auditivas e memória auditiva verbal a curto-prazo Muitas crianças que apresentam dificuldades no processamento auditivo e na memória auditiva de trabalho, tendem a apoiar-se na discriminação e memória visuais para poderem processar a informação sensorial e construir o seu entendimento do mundo. Para estas crianças, as palavras fazem mais sentido quando processadas como imagens e não através de métodos fonéticos de descodificação. Para estas crianças, discriminar os sons e a sua sequência na palavra oral pode ser realmente frustrante. O programa propõe uma abordagem à palavra de acordo com as competências da criança, isto é, VER A PALAVRA PRIMEIRO COMO UMA IMAGEM e depois introduzir as letras e os sons e como estes se JUNTAM PARA FORMAR A PALABRA/palavra, como um puzzle! Utilização dos flashcards na leitura Embora a utilização de cartões,palavra no ensino da palavra global, esteja bastante divulgado, a sua utilização não é feita de forma sistemática e estruturada. Os flashcards são entusiasmantes e motivadores mas não devem ser vistos como uma brincadeira. Corremos o risco da criança se concentrar na forma e não no conteúdo. A sua atenção será colocada na manipulação e movimento dos cartões e não na mensagem que eles veiculam. Assim, os cartões devem ser utilizados como o nome indica, como um flash e não ficarem em suspenso por tempo indeterminado! O Programa faz uma proposta de construção dos flashcards tipo faça você mesmo. No entanto, pode encontrar uma possibilidade de impressão no CD de Fichas de Actividades Aprender a Ler com a Mimocas. Tem várias possibilidades conforme o seu objectivo de trabalho. Pode imprimir os flashcards utilizando um tipo de papel adequado que encontra em Depois de imprimir pode separar pelo meio para ficar com dois conjuntos. Cada conjunto deve ser dobrado ao meio. Vai utilizar por exemplo a palavra pato: dobra o cartão duplo e mostra só a parte de cima que tem a palavra. A parte de baixo só desdobra se a criança não se recorda ou necessita de validação. Pode também separar pelo picotado e só utilizar o cartão/palavra. A outra parte reserva para utilizar em actividades de correspondência como estratégia de consolidação. Aconselhamos vivamente se seguir a metodologia do corresponder, seleccionar e nomear com o propósito de compreender onde se encontra as dificuldades da criança. Assim, antes de utilizar os flashcards apresentados em cima, pode realizar a actividade através da impressão das fichas disponibilizadas no CD

3 CORRESPONDER SELECCIONAR NOMEAR Deve fazer a impressão de dois cartões de cada palavra. Pede à criança para colocar o igual junto do igual: a palavra pato junto da palavra pato. É importante que refira o igual, antes de referir o que está escrito. Pode disponibilizar à criança só o cartão correcto ou aumentar o nível de dificuldade tendo dois ou mais para escolher. Aconselhamos num primeiro tempo a não tornar a tarefa desgastante para a concentração da criança. É importante que a correspondência seja rápida e fácil. Pode utilizar as palavras que imprimiu anteriormente para passar para a segunda parte. Pode imprimir e utilizar a ficha como está na folha: a criança deve ir buscar a palavra quando lhe pergunta Onde está escrito pato? ; ou separar imagem e cartão/vazio utilizando em cima da mesa o cartão/imagem e pedindo à criança para escolher entre dois ou três cartões/palavra. Pode optar por ter os cartões/palavra em cima da mesa e pedir um de cada vez: Onde está escrito? Pode utilizar a ficha como está. Desta forma a criança deve dizer a palavra que está escrita e procurar a imagem que corresponde para confirmar. Se preferir não trabalhar com a ficha, deve mostra á criança um cartão/palavra de cada vez e pedir para nomear rapidamente as palavras. Promover a consciência fonológica utilizando a abordagem da palavra global e as competências de discriminação e memórias visuais Com a progressão e desenvolvimento das competências através da utilização da abordagem global podemos iniciar a separação da palavra em letras, sons e sílabas. Pode utilizar cada uma das palavras que ensinou globalmente e parti-las em letras. Pode construir cartões com as letras e com as sílabas e ajudar a criança a separar e a reconstruir a palavra. Quando reconstrói a palavra através da sílaba, deve trabalhar o som das letras. O Cd de fichas de actividades Ouriço Pica Pica pretende ajudar neste trabalho através das fichas de trabalho, mas aconselhamos vivamente a utilização de material de manipulação neste tipo de abordagem como por exemplo, as letras magnéticas. Exemplo de fichas que pode encontrar, adequadas para o efeito

4 Utilizar os flashcards e a sinalização gestual O PALAF propõe a utilização de flashcards mesmo que a criança ainda não utilize a palavra oralmente. Podemos aceitar a sua resposta através do apontar, ou da entrega de um objecto que corresponde à palavra ou mesmo através do gesto. Se a criança apresenta dificuldades acrescidas na verbalização, pode ensinar-lhe a utilização da sinalização gestual ao mesmo tempo que pode utilizar o gesto para comunicar e /ou chamar e manter a atenção na interacção. A atenção conjunta é um dos factores mais importantes associados com o sucesso no desenvolvimento social e comunicativo de todas as crianças. As crianças com perturbações do desenvolvimento como o espectro do autismo, perturbações da comunicação e trissomia 21, devem compreender elementos básicos da comunicação, tais como o tomar a vez, atenção conjunta e o papel de outras pessoas na comunicação. A comunicação aumentativa e alternativa deve ser vista como tendo muitos propósitos no seu papel de promover a manter o desenvolvimento da comunicação em indivíduos com perturbações do desenvolvimento. O gesto natural pode ser utilizado para: melhorar as interacções pré-linguisticas e as competências precoces na pragmática incluído o tomar a vez na comunicação e a tenção conjunta; aumentar a compreensão precoce; melhorar as interacções pais-criança providenciando uma representação simbólica e significativa das ideias para lá do contexto imediato; melhorar a capacidade para ser um parceiro activo e não passivo na conversação; facilitar a aquisição do vocabulário (com um sem a fala). A sinalização gestual é uma forma de aprendizagem visual, se a criança faz sinalização gestual, pode aprender a ler já que os dois métodos se baseiam nas mesmas competências de processamento visual. Podem não conseguir dizer a palavra oralmente mas compreendem a palavra. Software educacional A utilização de software educativo como estratégia educativa reveste-se de grande importância no ensino da leitura em crianças com perturbações do desenvolvimento. O PALAF, como projecto de ensino multisensorial, recomenda a utilização do software educativo Os Jogos da Mimocas Um dos objectivos do software é ensinar a ler um conjunto importante de palavras através de uma estratégia multisensorial: a criança pode VER as palavras, ao mesmo tempo que as OUVE e pode manipular os cartões depois de impressos. Através deste software pode trabalhar os pré-requisitos da leitura, as palavras isoladas e as frases. O software apresenta características importantes no ensino da leitura e na promoção das competências comunicativas: Os reforços positivos e motivadores dados pela simpática mascote ajudam a criança a focar na actividade para receber a recompensa da minhoca traduzida na animação e no reforço auditivo da sua entoação incomparável! Grande percentagem de fotografias.

5 Praticamente em todos os jogos, os itens/respostas além de puderem variar, podem não ocupar a mesma posição cada vez que o jogo é escolhido, isto não permite que o utilizador escolha a resposta correcta pela memorização visual da sua posição.

Utilização de software educativo para a promoção da linguagem em crianças com necessidades educativas especiais.

Utilização de software educativo para a promoção da linguagem em crianças com necessidades educativas especiais. Utilização de software educativo para a promoção da linguagem em crianças com necessidades educativas especiais. Projecto Falar com a Mimocas Educational software to promote language skills in special

Leia mais

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO Nos últimos anos, numerosas equipas multidisciplinares têm dedicado esforços ao desenvolvimento de métodos e estratégias para:. aumentar a comunicação

Leia mais

PALAF programa aprender a ler para aprender a falar

PALAF programa aprender a ler para aprender a falar Versão 2.0 Fevereiro 2010 Índice 2 Índice... 2 Nota Introdutória... 6 I. PROMOVER AS COMPETÊNCIAS COMUNICATIVAS E A LEITURA EM IDADE PRECOCE... 7 1.1 Introdução... 7 1.2. Actividades importantes na promoção

Leia mais

Programa para promover as competências numéricas

Programa para promover as competências numéricas Programa para promover as competências numéricas Luísa Cotrim, Teresa Condeço ACTIVIDADES PARA PROMOVER A LINGUAGEM E O AMBIENTE MATEMÁTICO EM IDADE PRECOCE A experiência do numérico nas actividades quotidianas

Leia mais

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce;

Assumir a prevenção de perturbações de comunicação e linguagem e despiste no sentido da deteção precoce; Definição de Terapeuta da Fala segundo o Comité Permanente de Ligação dos Terapeutas da Fala da União Europeia (CPLO),1994 O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico,

Leia mais

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA JOGO 1 NIVEL 1 Exemplos de instruções e respostas que podem ser utilizadas nos oito contextos. CONTEXTUALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPREENSÃO SEMÂNTICA AUMENTO DO VOCABULÁRIO VISUAL IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS

Leia mais

Instrumento de Intervenção

Instrumento de Intervenção UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA ANEXO Instrumento de Intervenção Ana Isabel Mendes Codeço 2010 Planeamento da Sessão nº. 1 Data: 04/03/2010 Objectivo Geral: Desenvolver a

Leia mais

BINGO: 25 SONS OS ANIMAIS E A NATUREZA

BINGO: 25 SONS OS ANIMAIS E A NATUREZA PT BINGO: 25 SONS OS ANIMAIS E A NATUREZA Ref. 20620 Ref. 20620 BINGO: 25 SONS OS ANIMAIS E A NATUREZA CONTEÚDO - 1 CD ÁUDIO MP3 em 14 idiomas. - 25 CARTÕES com FOTOGRAFIAS de dupla face. - 150 FICHAS

Leia mais

Ferramenta de Apoio ao Jogo 2 (Ensino da Leitura) incluído nos Jogos da Mimocas

Ferramenta de Apoio ao Jogo 2 (Ensino da Leitura) incluído nos Jogos da Mimocas As Palavras Ferramenta de Apoio ao Jogo 2 (Ensino da Leitura) incluído nos Jogos da Mimocas 1. Introdução A Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21 (APPT21) e a Escola Superior de Gestão de

Leia mais

1) O que é a consciência fonológica?

1) O que é a consciência fonológica? 1) O que é a consciência fonológica? É a consciência de que a linguagem oral (frases, palavras ) é composta por sequências de sons com significado. Ter consciência fonológica proporciona a capacidade de

Leia mais

Técnicas de Memorização.

Técnicas de Memorização. Como Estudar? Técnicas de Memorização. Aprendizagem: dreamstime As estratégias de estudo que adquiriste no ensino secundário devem ser adaptadas ao ensino superior. Existem disciplinas com forte componente

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 1.º e 2.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva

Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos de Educação Inclusiva O presente Diário de Bordo serve como parte da avaliação para a disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação em Contextos

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

INTERVENÇÃO NA DISLEXIA

INTERVENÇÃO NA DISLEXIA INTERVENÇÃO NA DISLEXIA OFICINA DE FORMAÇÃO Formar Crianças Leitoras Ana Rita Peres DINÂMICA DE GRUPO Individualmente cada formando desenha num papel 3 caraterísticas da sua personalidade Um colega pega

Leia mais

Escrita Criativa com Símbolos

Escrita Criativa com Símbolos Escrita Criativa com Símbolos Manuela Andrade Patrícia Correia CNOTINFOR Coimbra Portugal patricia@cnotinfor.pt manuela@cnotinfor.pt Sumário A CNOTINFOR e a Equipa de Coordenação de Apoios Educativos da

Leia mais

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008

Luísa Cabral 17 de Junho de 2008 SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO de SERVIÇOS de EDUCAÇÃO e APOIO PSICOPEDAGÓGICO SERVIÇO TÉCNICO de APOIO PSICOPEDAGÓGICO CENTRO

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem

AUTISMO. 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação. Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem AUTISMO 3º Encontro Formativo para Profissionais da Educação Atendimento aos Estudantes com Deficiência na Rede Municipal de Contagem Quem somos? Professoras das SRMF / AAE - Contagem Raquel Shirley Stella

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil

Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Revista Eletrônica Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa ISSN: 1980-7686 suporte@mocambras.org Universidade de São Paulo Brasil Hernandes Santos, Amarílis Alfabetização na inclusão

Leia mais

Inclusão. Oportunidades de Prática Desportiva para Todos. António Rosado

Inclusão. Oportunidades de Prática Desportiva para Todos. António Rosado Inclusão Oportunidades de Prática Desportiva para Todos António Rosado Técnicas Básicas de Inclusão Processo de desenvolvimento de um ambiente de aprendizagem efectivo e aberto a todos os praticantes cujas

Leia mais

Introdução Apresentações

Introdução Apresentações Introdução à Criação de 12-20072007 Professora: Marta 1 Exercí Comunicação de ideias a outras pessoas Principal problema: estruturar o nosso discurso Criar uma linha de raciocínio Como fazer para não nos

Leia mais

ZSRest. Manual Configuração. Cartão de Cliente/Fidelização. V2011-Certificado

ZSRest. Manual Configuração. Cartão de Cliente/Fidelização. V2011-Certificado Manual Configuração Cartão de Cliente/Fidelização V2011-Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Configuração... 3 4. Como acumular o saldo... 5 5. Como descontar o saldo... 8 2 2. Introdução O presente

Leia mais

I can do everything! Start! Actividades para Inglês - 1.º Ciclo. Concepção de Sandie Mourão e ilustrações de Danuta Wojciechowska

I can do everything! Start! Actividades para Inglês - 1.º Ciclo. Concepção de Sandie Mourão e ilustrações de Danuta Wojciechowska B The Can Game! I can do everything! 22 21 20 16 17 18 19 15 14 13 12 8 9 10 11 7 6 5 4 Start! 1 2 3 Actividades para Inglês - 1.º Ciclo Concepção de Sandie Mourão e ilustrações de Danuta Wojciechowska

Leia mais

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger

Núcleo do Autismo e Défices Cognitivos Síndrome de Asperger Os Trrabal lhos de Casa Uma das principais causas de stress das crianças com (SA), das suas famílias e professores, é a realização satisfatória dos trabalhos de casa. Esta tarefa é muitas vezes descrita

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial

Agrupamento de Escolas de Rio de Mouro Padre Alberto Neto CÓDIGO 170318. Sub-departamento de Educação Especial Sub-departamento de Educação Especial A deficiência mental interfere directamente no funcionamento intelectual do ser humano, sendo este abaixo da média. O aluno apresenta comprometidos, além das funções

Leia mais

AVALIAÇÃO: Teste escrito

AVALIAÇÃO: Teste escrito Aulas de Ciências do Comportamento 24 Novembro (quarta) Introdução à Psic. Desporto Conhecimento do atleta Motivação 3 Dezembro (quarta) Comunicação e aprendizagem Auto-confiança Formulação de objectivos

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

BINGO: 25 SONS A CASA E A CIDADE

BINGO: 25 SONS A CASA E A CIDADE PT BINGO: 25 SONS A CASA E A CIDADE Ref. 20621 Ref. 20621 BINGO: 25 SONS A CASA E A CIDADE CONTEÚDO - 1 CD ÁUDIO MP3 em 14 idiomas. - 25 CARTÕES com FOTOGRAFIAS de dupla face. - 150 FICHAS VERMELHAS -

Leia mais

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática

Capitulo VI. 6.1 Intervenção Precoce. 6.1.1 - Da teoria à prática Capitulo VI 6.1 Intervenção Precoce 6.1.1 - Da teoria à prática Análogo ao que vem deliberado no despacho conjunto n.º 891/99, a intervenção precoce é uma medida de apoio integrado, centrado na criança

Leia mais

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA LINGUAGEM A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Compreender para intervir DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir Lisboa 2012 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Compreender para intervir O conceito de Dificuldades de Aprendizagem tem sofrido nos últimos anos grandes

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen

Plano de Formação. Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Plano de Formação Nome da Formação: Módulo de Introdução Perspectivas lúdicas e Terapêuticas do Snoezelen Fundamentação da pertinência do curso: Snoezelen (do Holandês) significa SNUFFELEN = cheirar; DOEZELEN

Leia mais

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA

VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA 1 VIDEOAULAS: UMA FORMA DE CONTEXTUALIZAR A TEORIA NA PRÁTICA Curitiba PR Maio 2014 Alexandre Oliveira Universidade Positivo Online alexandre@alexandreoliveira.com Pâmella de Carvalho Stadler Universidade

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANTÓNIO FEIJÓ EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGISTO DE OBSERVAÇÃO / AVALIAÇÃO Nome Data de Nascimento / / Jardim de Infância de Educadora de Infância AVALIAÇÃO

Leia mais

Acessibilidade na TDT em Portugal Sugestões do CERTIC/UTAD Documentação complementar disponível em: http://www.acessibilidade.

Acessibilidade na TDT em Portugal Sugestões do CERTIC/UTAD Documentação complementar disponível em: http://www.acessibilidade. ACESSIBILIDADE PARA CIDADÃOS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NOS REGULAMENTOS DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE EM PORTUGAL Documento Técnico 7 de Junho de 2007 1/13 Índice POPULAÇÃO-ALVO E ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS...

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

Como fazer uma apresentação

Como fazer uma apresentação Como fazer uma apresentação Etapas para fazer uma apresentação Definição dos 1 objectivos da apresentação de acordo com as necessidades e o perfil da audiência Preparação de uma linha de trabalho de um

Leia mais

Teste de diagnóstico de Português Língua Não Materna. Alunos do primeiro e do segundo anos do Ensino Básico

Teste de diagnóstico de Português Língua Não Materna. Alunos do primeiro e do segundo anos do Ensino Básico Teste de diagnóstico de Português Língua Não Materna Alunos do primeiro e do segundo anos do Ensino Básico Este trabalho foi desenvolvido pelo grupo Língua e Diversidade Linguística do Instituto de Linguística

Leia mais

Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa

Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa A C T A S D O I E I E L P Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa Maria Madalena Belo da Silveira

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO

PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO PLANEJAMENTO ANUAL LÍNGUA INGLESA ESCOLA: PROFESSOR: /DISCILPLINA: LÍNGUA INGLESA CICLO DE APRENDIZAGEM: / ANO: PERÍODO HABILIDADES CONTEÚDOS ORIENTAÇÂO DIDÁTICA Listening RECURSO AVALIAÇÃO Ouve e entende

Leia mais

O novo Software 9.5 do SMART BOARD TM

O novo Software 9.5 do SMART BOARD TM O software 9.5 do SMART Board é uma ferramenta poderosa, intuitiva e fácil de utilizar, quer em sistemas operativos Windows, quer em MAC. Se já trabalhou com versões anteriores do SMART Board, verá que

Leia mais

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA

DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ERONICE DE SOUZA LEÃO PSICOPEDAGOGA DISLEXIA E TDAH: SUBSÍDIOS ÀS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NEM TODAS AS DIFICULDADES DE APRENDER SÃO TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Línguas Grupos: 220; 300; 320; 330; 350 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Língua Portuguesa- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente Cognitiva

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola. Dislexia Artigo original: Fga: Profª Telma Pântano Adaptação: Fgas: Profª Lana Bianchi(CRFª: 2907/ SP) e Profª Vera Mietto(CFFª

Leia mais

UM PERFIL DE APRENDIZADO ESPECÍFICO, NÃO APENAS ATRASO NO DESENVOLVIMENTO. Os seguintes fatores são comuns a várias crianças com Síndrome de Down.

UM PERFIL DE APRENDIZADO ESPECÍFICO, NÃO APENAS ATRASO NO DESENVOLVIMENTO. Os seguintes fatores são comuns a várias crianças com Síndrome de Down. UM PERFIL DE APRENDIZADO ESPECÍFICO, NÃO APENAS ATRASO NO DESENVOLVIMENTO As crianças com Síndrome de Down não apenas levam mais tempo para se desenvolver e portanto precisam de um currículo mais diluído.

Leia mais

LIVROS FOTO NOME DESCRIÇÃO

LIVROS FOTO NOME DESCRIÇÃO MATERIAL DE INTERVENÇÃO LIVROS FOTO NOME DESCRIÇÃO 56,13 + IVA (6%) TING Kit de Iniciação O TING STARTER-SET: O Kit de Iniciação é composto pela Caneta, cabo USB, manual de funcionamento e pelo Meu Primeiro

Leia mais

Criação de Filmes em Windows Movie Maker Nível B3

Criação de Filmes em Windows Movie Maker Nível B3 Ficha de Trabalho nº 1 Objectivos: Ambiente de trabalho Criar um novo projecto Inserir um Vídeo, uma Fotografia, uma Música Inserir um Título, uma Legenda ou uma Ficha Técnica Inserir uma Animação ou Efeito

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1

Agrupamento de Escolas da Madalena. Projeto do Clube de Música. Ano Lectivo 2012-2013 1 Agrupamento de Escolas da Madalena Projeto do Clube de Música Ano Lectivo 2012-2013 1 Projectos a desenvolver/participar: Projetos Dinamizado por: 1º Concurso de Flauta Prof. Teresa Santos - Participação

Leia mais

Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos

Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos Ambientes de exemplo do Comunicar com Símbolos As atividades exemplificativas foram elaboradas para mostrar alguns tipos de atividades que podem ser feitas usando os ambientes do Comunicar com Símbolos.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ABEL SALAZAR 2015-2016 1º CICLO - 1º ANO DE ESCOLARIDADE PORTUGUÊS PLANIFICAÇÃO MENSAL DE JANEIRO DOMÍNIOS METAS/OBJETIVOS OPERACIONALIZAÇÃO (DESCRITORES) MATERIAIS/RECURSOS MODALIDADES

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

Processamento Auditivo (Central)

Processamento Auditivo (Central) Processamento Auditivo (Central) O QUE É PROCESSAMENTO AUDITIVO (CENTRAL)? É o conjunto de processos e mecanismos que ocorrem dentro do sistema auditivo em resposta a um estímulo acústico e que são responsáveis

Leia mais

MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH

MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH MATERIAIS UTILIZADOS NA SALA DO MÉTODO TEACH Por: Aparecida Cristina de Freitas Sandra Aparecida Pondé Regiane Aparecida Ribeiro Professoras do Método Teach Apae de Quatiguá/PR Atualmente vários métodos

Leia mais

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM INFORMAÇÃO A PAIS E EDUCADORES SECRETARIADO NACIONAL PARA A REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2001 Editor: Secretariado Nacional para a Reabilitação e Integração

Leia mais

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI]

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Informação para os pais Estimulando a linguagem das crianças Do nascimento aos 2 anos O bebé recém-nascido tenta comunicar com os pais através

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais)

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais) FACULDADE DE LETRAS Universidade de Lisboa REGULAMENTO DO APOIO AO ESTUDANTE COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PREÂMBULO A existência de estudantes

Leia mais

Objectivos Pedagógicos

Objectivos Pedagógicos CD com cerca de 1870 fichas de trabalho, indicadas para intervenção precoce, ensino pré-escolar e 1º ciclo para crianças com necessidades educativas especiais. Objectivos Pedagógicos Introdução O conjunto

Leia mais

Conhecendo o Aluno com TGD

Conhecendo o Aluno com TGD I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM TRANSTORNOS GLOBAIS DO DESENVOLVIMENTO] Usar letra de forma Os alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) são aqueles que apresentam alterações qualitativas

Leia mais

O DOM DA DISLEXIA. Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004

O DOM DA DISLEXIA. Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004 O DOM DA DISLEXIA Ronald D. Davis Rio de Janeiro, Rocco, 2004 O QUE É REALMENTE A DISLEXIA Um talento latente Transtorno de aprendizagem Efeitos de desorientação Problemas com a leitura Problemas com a

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO GeADAP

MANUAL DE ACESSO AO GeADAP MANUAL DE ACESSO AO GeADAP OBJETIVO DO MANUAL O objectivo deste manual é explicar como pode um utilizador aceder ao GeADAP. 1 ENDEREÇOS DE ACESSO AO GeADAP 1.1. Serviços da Administração Central Os utilizadores

Leia mais

Autismo. Serviço de Atendimento Pedagógico às Necessidades Educacionais Especiais - SEME

Autismo. Serviço de Atendimento Pedagógico às Necessidades Educacionais Especiais - SEME Autismo Serviço de Atendimento Pedagógico às Necessidades Educacionais Especiais - SEME O que é Autismo? É um Transtorno Global do Desenvolvimento (também chamado de Transtorno do Espectro Autista), caracterizado

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... 1º Período. Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 8º ANO... 1º Período Domínio COMUNICAÇÃO E COLABORAÇÃO CC8 Conhecimento e utilização adequada

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

Explorar os comandos no friso Cada friso tem grupos e cada grupo tem um conjunto de comandos relacionados.

Explorar os comandos no friso Cada friso tem grupos e cada grupo tem um conjunto de comandos relacionados. Guia de Introdução O Microsoft Project 2013 tem um aspeto diferente das versões anteriores, pelo que criámos este guia para o ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Barra de Ferramentas de Acesso

Leia mais

Práticas com Computadores na Escola. Como e Porquê?

Práticas com Computadores na Escola. Como e Porquê? Práticas com Computadores na Escola. Como e Porquê? As Pessoas e os Computadores uma nova relação com o saber um novo tipo de interacção social O computador tende a provocar reacções fortes Os adultos,

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014 ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014 A avaliação é feita através da observação direta e sistemática de acordo com as Metas de aprendizagem. A avaliação

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Benefícios da leitura em voz alta

Benefícios da leitura em voz alta Ler em voz alta Ler em voz alta Benefícios da leitura em voz alta Ajuda a criança a adquirir informação e a desenvolver vários tipos de competências: Memorizar relações entre som e grafia, nas palavras

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita:

CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita: CURSO SOBRE A COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Falada e Escrita: Nadia Browning Nadiabrowning@gmail.com Julho 2008, Porto Alegre Objetivo: proporcionar um conhecimento básico em COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA (CA) falada

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação Ferramentas Digitais/Gráficas I Área Científica Design Gráfico e Multimédia Ciclo de Estudos Obrigatório Carácter: Obrigatório Semestre

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Histórias em Sequência

Histórias em Sequência Histórias em Sequência Objetivo Geral Através das histórias em sequência fazer com que os alunos trabalhem com a oralidade, escrita, causalidade e vivências pessoais. Objetivos Específicos Trabalho envolvendo

Leia mais

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010

Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de. Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento e Dificuldades de Aprendizagem Curso de Formação Pedagógica Andréa Poletto Sonza Março/2010 Transtornos Globais do Desenvolvimento São consideradas pessoas com TGD

Leia mais

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180

IBE. A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador 300. A arte de contar histórias 200. A arte de escrever bem 180. A arte na educação 180 Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Gestão dos Profissionais da Educação Coordenação de Administração de Pessoas Instituição A Alfabetização e o Ambiente Alfabetizador

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013

Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho Planificação TIC - 8.º Ano 2012/2013 AULAS PREVISTAS (50 minutos) 1.- Conhecimento e utilização adequada e segura de diferentes tipos de ferramentas de comunicação,

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Sessão Televoter Pediatria. Desenvolvimento infantil Como avaliar e quando referenciar

Sessão Televoter Pediatria. Desenvolvimento infantil Como avaliar e quando referenciar 2014 3 de Maio Sábado Sessão Televoter Pediatria Desenvolvimento infantil Como avaliar e quando referenciar Francisco Abecasis Recém nascido Tracção pelas mãos Suspensão ventral Reflexo de Moro 1 Mês Deitado

Leia mais