Educação para a Convivência com o Semiárido Guia de Orientação para os Municípios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação para a Convivência com o Semiárido Guia de Orientação para os Municípios"

Transcrição

1 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

2

3 FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui d e Orientção pr o s Municípi os Selo UNICEF Município Aprovdo Edição Edição UNICEF Brsíli, 2011

4 Relizção Fundo ds Nções Unids pr Infânci - UNICEF Mrie-Pierre Poirier Representnte do UNICEF no Brsil Escritório d Representnte do UNICEF no Brsil o SEPN Bloco A - 2 ndr Brsíli / DF Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios Selo UNICEF Município Aprovdo Edição Créditos Elborção do conteúdo Serviço de Tecnologi Alterntiv Sert UNICEF Edição de texto P&B Comunicção Projeto gráfico e digrmção KDA Design F981e Fundo ds Nções Unids pr Infânci Educção pr Convivênci com o Semiárido: gui de orientção pr os municípios: Selo UNICEF Município Aprovdo Edição / Fundo ds Nções Unids pr Infânci. Brsíli: UNICEF, p.: il. Fotos João Ripper Mnuel Cvds ISBN Ciddni Crinçs e dolescentes. I. Título. CDD Revisão KDA Design Jovenice Ferreir Sntos Bibliotecári CRB-5/1280 A reprodução dest publicção, n íntegr ou em prte, é permitid desde que citd fonte.

5 Sumário APRESENTAÇÃO PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO SELO UNICEF ENTENDENDO O TEMA COMO SE ORGANIZAR 1. Escolh do mobilizdor locl 2. Formção do Grupo de Trblho 3. Construção do Plno de Trblho ATIVIDADES PROPOSTAS 1. Como desenvolver os roteiros 1ª Etp Pesquis 2ª Etp Desdobrmento d pesquis 3ª Etp Mobilizção comunitári 4ª Etp Avlição do processo eductivo 2. Roteiros temáticos Roteiro 1 Como se desenvolve educção no seu município Roteiro 2 Súde n escol, n fmíli e n comunidde Roteiro 3 Meio mbiente Roteiro 4 Assistênci socil e ciddni DESDOBRAMENTOS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS COMO SERÁ A AVALIAÇÃO ANEXOS A Avlição d escol Roteiro temático 1 B Avlição d escol Roteiro temático 2 C Avlição d escol Roteiro temático 3 D Avlição d escol Roteiro temático 4 SITES ÚTEIS ENDEREÇOS DO UNICEF

6

7 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 5 APRESENTAÇÃO Pr ssegurr o direito de prender de cd crinç e dolescente, precismos vlorizr o lugr onde vivem, considerndo su geogrfi, históri e cultur. Esse entendimento é comprtilhdo pelo UNICEF e por outrs váris orgnizções e movimentos sociis, em sintoni com Lei de Diretrizes e Bses, ds Diretrizes Curriculres Ncionis do Conselho Ncionl de Educção e dos Prâmetros Curriculres publicdos pelo Ministério d Educção. Historicmente, o Semiárido costumv ser retrtdo no Pís como um lugr de pobrez, sec e poucs oportuniddes. Esse qudro vem mudndo os poucos. Ms, muits vezes, ind se repete visão equivocd de trso e de flt de perspectivs, principlmente no cmpo, sugerindo que os lunos sim de su loclidde pr virr gente. Oportuniddes, trblho, rend, só em outro lugr. Ao contrário disso, Educção pr Convivênci com o Semiárido ensin trnsformr o lugr onde se vive e li mnter rízes e lços de fmíli. Esse reconhecimento vi lém d noção de cmpo pens como rurl e compreende sus necessiddes culturis, direitos sociis e formção integrl dos indivíduos. Neste gui, utiliz-se ess nov form de ver o Semiárido, o se propor um educção pr construção de polítics públics voltds à educção de qulidde. Ao mesmo tempo, diversidde culturl é respeitd, o se reconhecer relidde de cd crinç, dolescente e jovem, residentes no cmpo ou n cidde. Ess é essênci d Educção pr Convivênci com o Semiárido. Ao relizr s tividdes qui presentds de pesquis, de mobilizção e de vlição, escol contribuirá n promoção dos direitos d crinç e do dolescente, respeitndo su própri relidde e d comunidde que pertencem. Abre-se, ssim, um leque de prendizgens. Ao vivenciá-ls, os estudntes prticiprão intensmente d melhori ds condições locis, integrdos outrs inicitivs e fortlecidos pelo interesse comum. Assim, configur-se chmd Educção pr Convivênci. Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

8 6 Cd escol escolherá o roteiro que lhe precer mis proprido. A opção dependerá do conhecimento d situção comunitári e municipl. O rticuldor municipl e Comissão Municipl Pró-Selo terão ppel fundmentl, o fcilitr o cesso d escol o dignóstico d situção de crinçs e dolescentes no município e o Plno Municipl de Ação dois importntes instrumentos de grnti de direitos d infânci e d 0 dolescênci, elbordos no 1 Fórum Comunitário, relizdo em cd município em No finl do gui, propomos um itinerário pedgógico pr dr continuidde às ções. Nosso desejo é que ess ção permneç e contribu pr polítics permnentes que grntm o direito de prender de cd crinç e dolescente n região. Bo leitur e bom trblho! Mrie-Pierre Poirier Representnte do UNICEF no Brsil

9 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 7 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO SELO UNICEF O Selo UNICEF Município Aprovdo mobiliz gestores, técnicos, conselheiros, lidernçs sociis, lém ds própris fmílis, dolescentes e crinçs, pr melhorr de form concret vid de menins e meninos de té 17 nos nos municípios do Semiárido e Amzôni Legl Brsileir. Fortlecendo o município, o Selo busc contribuir com o lcnce dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e com superção de mrcntes iniquiddes de rç, etni, gênero, locl de origem, idde, entre outrs n grnti dos direitos de cd menino e menin desss regiões do Brsil. O Selo estimul s locliddes grntir às crinçs e os dolescentes os cinco direitos básicos do progrm do UNICEF pr o Brsil. São eles: sobreviver e se desenvolver, prender, proteger-se e ser protegido do HIV/ids, crescer sem violênci, ser prioridde bsolut ns polítics públics. A tul edição do Selo tem durção de 36 meses, entre 2009 e O progrm contece por meio do desenvolvimento de cpcidde técnic dos municípios, estrtégis de mobilizção socil e do compnhmento de indicdores, com desfios em três eixos: Impcto Socil, Gestão de Polítics Públics e Prticipção Socil. Esse último inclui relizção de fóruns comunitários e o desenvolvimento de ções temátics. Como prte do Eixo de Prticipção Socil, cd município relizou, em , o 1 Fórum Comunitário do Selo UNICEF e fez seu Plno de Ação. A propost é definir prioriddes pr os municípios vnçrem nos indicdores sociis d infânci e dolescênci té Agor em 2011, um novo conjunto de tividdes vem reforçr esse objetivo por meio d prticipção socil: mobilizr, de form mpl, escols, fmílis e comuniddes pr que se envolvm n discussão e no controle de polítics públics municipis pr infânci e dolescênci. Pr tnto, estão sendo propostos qutro tems tuis e impctntes n vid ds crinçs e dos dolescentes: Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

10 Esporte e Ciddni (Municípios Semiárido e Amzôni) Cultur e Identidde - Comunicção pr Iguldde Étnico-Rcil (Municípios Semiárido e Amzôni) Educção pr Convivênci com o Semiárido (Municípios Semiárido) Mudnç Climátic e o Impcto n Vid de Crinçs e Adolescentes (Municípios Amzôni) Pr cd um dos tems do Eixo de Prticipção Socil, o UNICEF e prceiros crirm um gui metodológico específico. Neles, estão conceitos que deverão orientr o trblho nos municípios prticipntes. As publicções tmbém informm sobre plnejmento e execução ds tividdes, mobilizção e pontução no processo de conquist do Selo. Com o poio ds prefeiturs por meio ds secretris municipis de Educção, Cultur, Esporte, Meio Ambiente, Comunicção, entre outrs, grupos de trblho deverão se orgnizr pr desenvolver ções ns uniddes de ensino e em outros espços lterntivos de prendizgem. Tudo isso sempre com prticipção intens de crinçs e dolescentes. Menins e meninos serão estimuldos prticipr de tividdes ligds à educção, à cultur, o meio mbiente, o esporte e o lzer no município onde morm. Conhecendo melhor sus rízes, seu povo e su relidde, os estudntes tendem compreender s forms de convivênci com região onde vivem, vlorizndo su cultur e históri e tundo como gentes de trnsformção socil. O Conselho Municipl dos Direitos d Crinç e do Adolescente (CMDCA), orgnizções d sociedde tuntes n áre d infânci e dolescênci e lidernçs dolescentes tmbém serão grndes lidos ness jornd. Em tods s etps, comunicção será fundmentl pr mnter comunidde sempre informd sobre tudo o que contece e mobilizd prticipr. Então, em 2012, o município solicitrá formlmente o UNICEF presenç 0 de um medidor pr relizção do 2 Fórum Comunitário, no qul será possível socilizr todos os prendizdos. Durnte o evento, o desempenho do município será vlido pelo medidor e pel comunidde. O que se pode grntir desde já é que, qunto mis prticiptiv e rticuld for tod ess experiênci, melhores serão os resultdos! Pr lém d conquist do Selo, o UNICEF esper que o trblho relizdo em cd tem permneç no cotidino dos municípios, contribuindo com melhori ds polítics públics locis.

11 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 9 ENTENDENDO O TEMA A Educção pr Convivênci com o Semiárido é um propost em sintoni com s indicções d Lei de Diretrizes e Bses, ds Diretrizes Curriculres Ncionis do Conselho Ncionl de Educção e dos Prâmetros Curriculres publicdos pelo Ministério d Educção. El propõe que educção sej compreendid no contexto d loclidde onde está situd escol. Ensin mudr o lugr onde se vive e li mnter rízes e lços de fmíli. Esse reconhecimento vi lém d noção de cmpo pens como rurl e compreende sus necessiddes culturis, direitos sociis e formção integrl dos indivíduos. Depois ds Diretrizes Opercionis pr Educção Básic ds Escols do 0 Cmpo (Resolução CNC/CEB n 1, de 03/04/02) e ds Diretrizes Complementres, Norms e Princípios pr o Desenvolvimento de Polítics Públics 0 de Atendimento d Educção Básic do Cmpo (Resolução CNE/CEB n 2, de 28/04/08), publicds em bril de 2002 pelo Conselho Ncionl de Educção, Educção pr Convivênci conquistou um grnde reforço. O cmpo brsileiro deixou de ser visto como lugr d pobrez, do trso, do mtuto. Pssou ser entendido como espço socil, com vid, identidde e cultur própris, lém de prátics comprtilhds. Neste gui, utiliz-se ess nov form de ver o Semiárido, o se propor um educção pr construção de polítics públics, voltds à educção de qulidde. Ao mesmo tempo, respeit-se diversidde culturl o reconhecer relidde de cd crinç e dolescente, residentes no cmpo ou n cidde. Ess é essênci d Educção pr Convivênci com o Semiárido. O Selo UNICEF vem poindo e estimulndo inicitivs que priorizm tl visão. Alguns exemplos: Rede de Educção do Semiárido Brsileiro (Resb), que reúne educdores de todo o Nordeste, do norte de Mins Geris e do Espírito Snto; Rede de Educção Contextulizd do Agreste e Semiárido (Recs), que rticul educção do cmpo no Estdo de Algos; Serviço de Tecnologi Alterntiv (Sert), de Pernmbuco; Movimento de Orgnizção Comunitári (MOC), d Bhi; entre outros. Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

12 10 Tis redes e orgnizções prtem dos cinco princípios seguir Grnti de polítics educcionis Construção do conhecimento com interdisciplinridde e trnsdisciplinridde Aplicção ds leis ligds à construção de um educção públic de qulidde Defes incondicionl d escol públic, grtuit e de qulidde no Semiárido e no Brsil Respeito e promoção dos direitos de crinçs, dolescentes, jovens, dultos e idosos É o cso do Projeto Jovens pel Educção e Convivênci com o Semiárido, desenvolvido em escols pernmbucns, desde 2008, pelo Sert, em prceri com o UNICEF. Ele tem contribuído pr formção de educdores, pr educção integrl e inclusiv, grntindo crinçs e dolescentes o direito de prender conviver com su relidde. O percurso proposto neste gui orient-se por ess mesm perspectiv, o utilizr metodologi Peds Propost Educcionl de Apoio o Desenvolvimento Sustentável, desenvolvid pelo Sert. El procur ser um instrumento pr escol poir o município n conquist de polítics públics em prol de crinçs e dolescentes.

13 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 11 COMO SE ORGANIZAR 1 ESCOLHA DO MOBILIZADOR LOCAL A primeir providênci que o município precis tomr pr orgnizr o trblho no tem Educção pr Convivênci com o Semiárido é escolher o mobilizdor locl pr o tem. A pesso deve ser seleciond pelo rticuldor do Selo junto com Comissão Municipl Pró-Selo. Pode, inclusive, ser lgum integrnte d própri Comissão, que tenh ligção com o ssunto em foco. Nesse tem, é fundmentl que o mobilizdor sej lguém ligdo à Secretri Municipl de Educção, pois s tividdes serão desenvolvids pels escols e precism estr em sintoni com propost pedgógic trçd pr rede municipl. Ess pesso cuidrá d composição de um Grupo de Trblho específico pr o tem e mnterá contto contínuo com Comissão Pró-Selo. Por isso, precis ser: motivd; nimd; rticuld; e comprometid com cus d Educção. Como líder ds ções do tem, o mobilizdor: será o ponto de referênci pr colocr em prátic s proposts e trefs expresss neste gui; gregrá mis pessos identificds com o tem pr formr um Grupo de Trblho (GT) que compnhrá s tividdes desenvolvids pels escols; incentivrá integrção de escols municipis ns tividdes do tem; zelrá pr que todo o processo sej devidmente documentdo; e preprrá, junto com o GT, presentção finl do tem pr vlição pel 0 comunidde e pelo UNICEF durnte o 2 Fórum Comunitário, em 2012 (vej n págin 31). Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

14 12 2 FORMAÇÃO DO GRUPO DE TRABALHO (GT) O mobilizdor deverá convidr os dirigentes ds escols envolvids, representntes de secretris de Educção, Cultur, Assistênci Socil e Esporte, integrntes de ONGs, entiddes e ssocições esportivs e comunitáris, clubes de serviços, igrejs, escols, lém, clro, de dolescentes envolvidos no processo do Selo UNICEF (ver qudro págin 13). No cso dos municípios que prticiprm d Edição 2008 do Selo, deve-se considerr o pessol envolvido nquel oportunidde. Afinl, é importnte prtir de lgo já conhecido e relizdo. Os membros do GT vão fornecer às escols informções e documentos, lém de compnhr o trblho em cd um, pr uxiliá-ls n execução dos roteiros temáticos entre s qutro opções sugerids dinte que escolherem. Por isso, seus prticipntes precism estr dispostos ssumir um rel compromisso de tução. Durnte todo o processo, o GT não pode perder de vist os seguintes pontos fundmentis: mnter rticulção constnte com o rticuldor do Selo e Comissão Pró-Selo; envolver e motivr s escols municipis, considerndo o número mínimo proposto pelo UNICEF (ver págin 15) pr desenvolver s tividdes; poir s escols e fornecer s informções necessáris pr pesquis inicil, conforme descrito mis frente (ver págin 17); estimulr o registro ds tividdes em fotos, vídeos, depoimentos, peçs de comunicção, etc. Esse mteril judrá preprr presentção finl; compnhr o desenvolvimento ds tividdes, receber reltório de cd escol prticipnte e sistemtizr s informções pr presentção finl; fzer presentção finl sobre s tividdes e os resultdos do tem durnte o 0 2 Fórum Comunitário, ser relizdo no próprio município, no primeiro semestre de 2012 (ver págin 31). Formdo o GT, sus primeirs tividdes são: definir regrs de funcionmento; crir um cronogrm de reuniões; conversr sobre s ções proposts neste gui; e desenvolver um bom Plno de Trblho.

15 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 13 Núcleo de Mobilizção de Adolescentes Pró-Selo Esse grupo é formdo por dolescentes que se mobilizrm pr prticipr dos espços de discussão e decisão sobre os direitos ds crinçs e dos dolescentes. Cont com, no mínimo, 15 integrntes e tem representntes n Comissão Pró-Selo. O gui Ciddni dos Adolescentes, distribuído pelo UNICEF, trt d formção desse grupo e dá váris dics de como ele pode tur. A versão eletrônic do gui está disponível no e Importnte: os dolescentes têm ppel essencil n discussão, plnejmento e vlição de cd tem, e não pens n execução ds tividdes. Deve-se grntir que eles estejm representdos no Grupo de Trblho. Tmbém é importnte que o Núcleo de Mobilizção de Adolescentes Pró-Selo prticipe de tods s etps do processo. 3 CONSTRUÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Depois de ler todo este gui e compreender s qutro tividdes proposts ns págins seguir (desenvolvimento de roteiros temáticos pels escols), o GT deve crir um Plno de Trblho. N prátic, o Plno é um list complet de trefs. Pr orgnizr melhor s informções, é conselhável fzer um tbel pr cd um ds qutro tividdes, onde vão constr: s ções ser relizds; os nomes dos responsáveis pel execução de cd um; dt pr término ds trefs; e recursos necessários (desde pessos pr judr té mteril de escritório, câmer fotográfic, meio de trnsporte, etc.). Com isso, o GT poderá prever seus desfios e se progrmr pr que tudo conteç de mneir orgnizd e dentro dos przos. Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

16 14

17 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 15 ATIVIDADES PROPOSTAS Pr vnçr n discussão e no exercício do direito de prender, o Selo UNICEF Município Aprovdo propõe que s escols do município relizem roteiros pedgógicos, oferecendo qutro opções de tems: Como se desenvolve educção no seu município; Súde n escol, n fmíli e n comunidde; Meio mbiente; Assistênci socil e ciddni. Import nte : cd escol deverá escolher com quntos e quis roteiros vi trblhr. Em relção à quntidde de escols, será necessário envolver, no mínimo, um número de escols que represente 10% d mtrícul no ensino fundmentl d rede públic municipl. É necessário ind grntir prticipção de, pelo menos, um escol d áre urbn e outr d rurl. Esss qutro temátics coincidem com s qutro áres principis que o município está buscndo melhorr n vid de cd crinç e dolescente, no processo do Selo UNICEF. São els: educção, súde, meio mbiente e ssistênci socil e ciddni. Nesss áres, um conjunto de indicdores (Linh de Bse) foi orgnizdo pelo UNICEF, está sendo monitordo e serviu de bse pr construção de um Dignóstico e um Plno de Ação Municipl que serão trtdos com mis detlhe n págin 17. Conhecer e discutir esses documentos será o ponto de prtid do trblho d escol. Depois dess etp inicil de pesquis e reflexão, cd escol terá condições de entender melhor como se enqudr nesse cenário e optr por um ou mis temátics com s quis quer trblhr. Ess escolh deverá se relcionr ind com o plnejmento d escol. Pr cd temátic, será presentdo seguir um roteiro próprio (vej prtir d págin 21). A escol distribuirá trefs pr s turms, pr que se profundem em spectos distintos. A propost é que se procure integrr s tividdes os currículos, sem bndono de nenhum conteúdo disciplinr. Os tems vão somr ideis e dinâmics o que já está previsto pr ser ensindo no no. Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

18 16 Importn te: 1 2 Pr fvorecer integrção entre s temátics proposts e o plnejmento dos conteúdos curriculres, o UNICEF recomend formção de Grupos de Estudos (GE) ns escols, que se reunirão periodicmente pr definir os plnos de ções e s estrtégis pr desenvolver o(s) roteiro(s) seleciondo(s). Devem integrr o grupo: representntes de lunos, pis e lidernçs comunitáris. Independentemente d tução do Grupo de Estudos, convém que escol estbeleç prceris com diferentes setores d sociedde, tis como: conselhos municipis, gentes de súde, ssocições, sindictos, igrejs, ONGs, grupos de mulheres e de jovens, secretris municipis, rádios comunitáris, rtists e lidernçs locis. Isso vi judr obter resultdos concretos e integrdos à relidde. 1 COMO DESENVOLVER OS ROTEIROS Os qutro roteiros temáticos propostos presentm um mesmo itinerário pedgógico, que pode ser entendido em qutro etps, como exposto no digrm seguir. As etps se integrm, ms cd um possui dinâmics e didátics própris. N primeir etp, sugerem-se pergunts pr se profundr pesquis. N segund, oferecem-se proposts pr desenvolver os resultdos obtidos. N terceir, idei é socilizr os conhecimentos produzidos com s comuniddes. N qurt e últim, entr em cen vlição ds conquists bem como os desfios enfrentdos. 1 ETAPA 2 ETAPA Pesquis, tendo relidde como ponto de prtid 1 2 Desdobrmento dos ddos pesquisdos, integrndo-os o currículo escolr ROTEIROS TEMÁTICOS 4 ETAPA 4 3 ETAPA Avlição do processo eductivo 3 Mobilizção comunitári dos conhecimentos produzidos, pr provocr ção coletiv

19 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 17 ATENÇÃO Em cd roteiro, primeir e segund etps têm elementos específicos, em função do ssunto borddo. A terceir e qurt são comuns todos e, por isso, não precerão com miores detlhes no descritivo de cd roteiro, mis frente. 1 Etp Pesquis A Linh de Bse, fornecid pelo UNICEF cd município prticipnte do Selo, reúne indicdores sociis de 2007 do município. São contribuições de diversos ministérios e de sistems oficiis de informção que permitirm tirr um espécie de fotogrfi esttístic ds ciddes nquele no. Outros dois documentos já form gerdos pelos municípios prticipntes do Selo prtir d Linh de Bse e tmbém devem ser considerdos: o Dignóstico d Situção ds Crinçs e Adolescentes do Município e o Plno de Ação Municipl. O Dignóstico foi produzido por integrntes do Conselho Municipl dos Direitos d Crinç e do Adolescente (CMDCA), pelo rticuldor do Selo e pelos membros d Comissão Pró-Selo. Esse grupo coletou ddos dos nos posteriores à Linh de Bse e fez um levntmento de projetos, progrms, polítics sociis, equipmentos públicos e serviços básicos de tendimento à infânci e à dolescênci locis. Dí surgiu o Dignóstico, presentdo à comunidde e vários segmentos d sociedde em um 0 evento do Selo chmdo 1 Fórum Comunitário, que conteceu no segundo semestre de Durnte o 1 Fórum, diferentes lidernçs d comunidde puderm discutir situção do município e contribuir com construção de soluções, que resultrm no Plno de Ação Municipl. Cbe cd escol utilizr Linh de Bse, o Dignóstico e o Plno de Ação Municipl de mneir integrd o currículo. O rticuldor do Selo e Comissão Pró-Selo possuem esses mteriis e podem entregá-los o mobilizdor locl e seu Grupo de Trblho pr que forneçm cópis às escols. No ppel, s temátics d educção, súde, meio mbiente e ssistênci socil e ciddni precem seprdmente pr judr no entendimento e Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

20 18 n compreensão d relidde de cd município. N vid, porém, els estão interligds. Tem súde quem tem educção; o meio mbiente fic equilibrdo qundo se vive ciddni; e ssim por dinte. Ou sej, no di di, s temátics existem rticulds entre si. Fzer s conexões dels com s disciplins é um ótim form de escol ir construindo um Educção pr Convivênci com o Semiárido. A interção em sl de ul com esse grnde conjunto de informções pode contecer de muits mneirs: ddos esttísticos podem embsr problems mtemáticos; leitur e o entendimento de trechos dos documentos podem entrr pr s uls de português; diferentes reliddes locis podem incitr discussões sobre geogrfi humn; históri do município pode ser nlisd dentro do contexto do Pís, prtir dos ftos pssdos e ds polítics tuis; incidêncis de doençs podem ser trtds em uls de ciêncis e biologi; percepção do outro pode judr n construção do conceito de ciddni; professores e lunos podem relizr pesquiss sobre o que foi coletdo e tentr encontrr soluções lterntivs. Import nte : escol está no di di dos lunos, ms extrpol esse núcleo de pessos. Retornndo pr su cs, os estudntes intergem com seus fmilires e voltm no di seguinte com mis ideis e opiniões. Assim, cri-se um grnde rod de diálogo em torno d relidde do município. A escol, mis do que qulquer instituição, tem condições de fzer um trblho de nturez contínu, orgnizd, mobilizdor, monitord, vlid, com reconhecimento e respeito ns comuniddes. Pr lém dos três documentos já citdos (Linh de Bse, Dignóstico e Plno de Ação Municipl), pesquis certmente pode ser mplid pelo grupo. É possível se vler de entrevists, questionários, visits instituições, consult pessos que tum n áre, órgãos públicos, empress e

21 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 19 ssocições que cuidm de ções ligds o detlhe que se está estudndo, uls já relizds em diferentes espços pedgógicos, ddos de meios de comunicção locis, livros, revists, sites, blogs, entre outros meios. Em cd roteiro, estão sendo propostos pontos específicos pr pesquis vej prtir d págin 21. A form de trblho vi depender d escol e do plno que tiver sido crido pr conduzir pesquis. É importnte lembrr que o tem precis estr rticuldo com o currículo em vigor. De qulquer mneir, lgums dics podem judr: definir trefs e responsbiliddes de grupos, formdos por lunos e coordendos por professores; verificr s disciplins que se rticulm mis com temátic do respectivo roteiro; plnejr didátic ds uls, dinâmics e exercícios, de cordo com o clendário/plno escolr e tmbém com rotin de trblho ds equipes. 2 Etp Desdobrmento d pesquis Os ddos coletdos precism ser orgnizdos e integrdos os conteúdos curriculres d escol. Os novos produtos de conhecimento podem ser relciondos os já ensindos em sl de ul. Os lunos prticipm crindo estes produtos: peçs de tetro, poesis, pródis, jornis, progrms de rádio, desenhos, plnilhs, gráficos, mquetes, depender d disciplin. Em cd roteiro, estão sendo propostos pontos específicos pr o desdobrmento d pesquis vej prtir d págin Etp Mobilizção comunitári A escol vi mostrr à comunidde os resultdos que obteve, presentndo, se possível, produtos de conhecimento elbordos pelos lunos. No encontro, deve-se reservr tempo pr relizção de um debte. O objetivo é mobilizr comunidde e gestão municipl pr gir sobre os problems pontdos pelos indicdores e contribuir pr encontrr soluções. Portnto, dess interção sirão proposts pr melhori d situção do município qunto os ddos pesquisdos. Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

22 20 O Grupo de Estudo d escol pode cuidr d orgnizção do evento ou reunir mis pessos d comunidde, distribuindo s trefs listds seguir. Definir um locl e preprá-lo (com som, iluminção, cdeirs, águ pr os prticipntes); Produzir um list de conviddos (não se esquecer do mobilizdor do tem, do rticuldor do Selo UNICEF, do presidente do CMDCA e outros membros Comissão Municipl Pró-Selo, lém do dirigente d escol, ds fmílis e lidernçs comunitáris do birro) e chmá-los pr o evento; Cuidr d comunicção (em sistems de lto-flnte, rádios, jornis, muris, blogs, etc.); Crir um progrmção (com sequênci do que será presentdo pelos lunos e tempo pr debte entre os presentes); e Registrr s proposts sugerids no debte (em notções num qudro ou pinel). Após o encontro, será necessário descrever s proposts de mobilizção comunitári (vej Anexo A, n págin 35). Os lunos podem ficr com missão de fzer esse reltório, lém de cuidr ds notções do debte. 4 Etp Avlição do processo eductivo Ns três etps nteriores do roteiro, será preciso reservr espço pr reflexão sobre como os trblhos estão sendo conduzidos, sobretudo, com o propósito de identificr conhecimentos construídos, vlores e relções desenvolvids. N verdde, postur vlitiv deve ser colocd em prátic já prtir do entendimento d Linh de Bse, do Dignóstico e do Plno de Ação Municipl. A met d vlição consiste em perceber melhoris n vid ds pessos do Semiárido, com bse n discussão ds polítics públics e de como proteção integrl de crinçs e dolescentes está grntid no município. É indispensável reltr mudnçs ocorrids no cotidino dos lunos, de sus fmílis, ds lidernçs comunitáris e ns condições d própri escol. Após conclusão do processo vlitivo, é importnte que cd escol preench o nexo de vlição, reltivo cd um dos roteiros temáticos (vej prtir d págin 35), e entregue esse reltório o mobilizdor locl. Junto com o GT do tem, o mobilizdor será responsável por reunir s informções de tods s escols e presentr esse conteúdo durnte o 0 2 Fórum Comunitário (vej n págin 32).

23 Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios 21 2 ROTEIROS TEMÁTICOS ROTEIRO 1 Como se desenvolve educção no seu município 1 etp Pesquis Proposts de condução d pesquis nesse roteiro: A Linh de Bse, o Dignóstico do município e um síntese do Plno de Ação Municipl podem ser presentdos em tods s sls de ul. Se turm estud com vários professores, um ou mis podem cuidr d presentção, deixndo clro que váris disciplins bordrão esses documentos. Os professores podem presentr ddos sob form de desfio, provocndo os lunos regir dinte d Linh de Bse, lém de debter sobre s possibiliddes de ção d turm e d escol. Esss prátics em sl de ul requerem plnejmento integrdo dos professores. Levntr n própri escol e n Secretri de Educção s questões ligds os indicdores: distorção idde-série, bndono, crinçs for d escol, conselho escolr, prátic de esporte, estudo sobre cultur fro, Ideb, infrestrutur, etc. Verificr cd indicdor e observr médi do grupo do município, not do município e cor verde ou vermelh de cd indicdor. Buscr informções sobre fonte e o sistem que el estbelece pr informr sobre o indicdor. Procurr sber mis sobre fonte, como pode ser cessd, quem pss s informções do município el. O Plno Municipl de Educção (PME) é um mteril fundmentl pr se verificr situção d educção em todo o município. 2 etp Desdobrmento d Pesquis A depender dos resultdos d pesquis, escol selecionrá um ou mis desdobrmentos, como os presentdos bixo. Abndono escolr Discutir sus cuss, nlisr o período em que foi mior n escol. Comprr com outrs épocs. Conversr com lunos que bndonrm escol pr ouvir justifictivs. Elborr estrtégis pr evitr ess ocorrênci. Nesse estudo, podem ser construídos gráficos e tbels mostrndo evolução e diminuição do bndono escolr. Ideb Estudr o Índice de Desenvolvimento d Educção Básic (Ideb). Como é feito o cálculo e quis indicdores estão incluídos em su montgem. Fzer comprções d médi d escol com outrs, com médi estdul e com ncionl. Verificr o percentul de umento ou de qued entre s médis tuis e s mets proposts. Selo UNICEF Município Aprovdo Edição

24 22 Conselho Escolr e Unidde Executor Procurr entender o ppel desss dus instituições. Discutir o significdo de um gestão democrátic, relção d escol com comunidde, o compromisso dos prticipntes e periodicidde ds reuniões. Cso escol não tenh Conselho Escolr, será um bo oportunidde pr estruturá-lo. DICA No site do MEC há cesso um série de cdernos do Progrm Ncionl de Fortlecimento dos Conselhos Escolres. Inclusão Colocr em put educção inclusiv. Considerr se há n escol cessibilidde pr crinçs e dolescentes com deficiênci. Anlisr plnt do prédio. Desenhr um croqui tul d escol e fzer um projeto que contemple cessibilidde. Estudr o funcionmento do Benefício de Prestção Continud (BPC), produzir textos sobre o benefício, propor mudnçs, gerr mteril informtivo pr divulgr o ssunto n escol. Atividdes esportivs Pensr o esporte como cminho pr inclusão socil. Pesquisr sobre os diversos tipos de esporte. Anlisr s tividdes esportivs d escol em relção à prticipção dos lunos, o envolvimento d comunidde e às prendizgens. Promover n escol tividdes de esporte e ciddni. Prticipr de tividdes esportivs promovids pelo município e tmbém verificr se o município está relizndo o tem Esporte e Ciddni, proposto pr est edição do Selo. Qulidde d educção Refletir sobre educção do município, enfocndo desfios e vnços. Promover um debte n escol. Um sugestão é vlir os Indicdores d Qulidde de Educção do MEC. As proposts surgids no debte podem ser incluíds no Projeto Político Pedgógico d escol, publicds no qudro de visos e divulgds em blogs, pnfletos, jornis ou outros meios de comunicção. E pr mplir prticipção, elborr convites com os lunos pr os membros do Conselho Municipl de Educção e equipe d Secretri de Educção. 3 etp Mobilizção comunitári Observr s instruções presentds n págin 19, pr desenvolver mobilizção comunitári com mpl prticipção. 4 etp Avlição do processo eductivo Observr s instruções presentds n págin 20, pr conduzir vlição do processo eductivo.

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar)

PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminr) PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Governo do Estdo de Rorim Secretri Estdul

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO DE ARAUCÁRIA 06 smed@rucri.pr.gov.br 1 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Municipl de Educção CME de Arucári, crido nos termos d Lei Municipl nº 1.527/04, de 02 de novembro de 04, é o órgão

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO ESTDO D PRIB PREFEITUR MUNICIPL DE LGO SEC GBINETE DO PREFEITO Lei nº 117/20, de 31 de dezembro de 20 INSTITUI O CENTRO DE TENÇÃO PSICOSSOCIL NO MUNICÍPIO DE LGO SEC-PB, CRI CRGOS DE PROVIMENTO EFETIVO

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Infância. - Pais/ encarregados de educação; - Pessoal docente e não docente; -Direção;

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Infância. - Pais/ encarregados de educação; - Pessoal docente e não docente; -Direção; Infânci ANO LETIVO 2015/2016 1º Período Reunião de pis /encrregdos de educção - Entreg e presentção do Plno Anul de Atividdes; - Entreg de documentção orgnizcionl; - Horários ds tividdes de complemento

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Resumo Executivo. Violência contra a mulher

Resumo Executivo. Violência contra a mulher S T U L s R E K Q F zs B x f b w s X R e R y P Z K O q u A r G J M e z YLU E p z P c o Resumo Executivo iolênci contr mulher estudo revel predominânci de viés policilesco n cobertur noticios do tem Estudo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Educção integrl/educção integrd e(m) tempo integrl: concepções e prátics n educção brsileir Mpemento ds experiêncis de jornd escolr mplid no Brsil UFPR UNB UNIRIO UFRJ UERJ UFMG ULBRA Educção integrl/educção

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI)

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) 1) Servo de Cristo e legislção vigente O Servo de Cristo respeitndo legislção vigente, ns orientções do MEC em seu Precer nº

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015

RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015 RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015 Regulment, no âmbito do Sistem Ncionl de Polítics Públics sobre Drogs (SISNAD), s entiddes que relizm o colhimento de pessos, em cráter voluntário, com problems ssocidos o uso

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais:

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais: ACTIVAR EM 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO ANUAL INTRODUÇÃO: A Animção de um território depende do conjunto de tores existentes e de cordo com missão de cd um deles. É fundmentl que exist um efetiv cooperção

Leia mais

construindo agenda 21 na comunidade escolar

construindo agenda 21 na comunidade escolar construindo gend 21 n comunidde escolr Governo do Estdo d Bhi Secretri d Educção Construindo Agend 21 n Comunidde Escolr Bhi Governdor do Estdo d Bhi Jques Wgner Secretário d Educção do Estdo d Bhi Osvldo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curriculr: EDUCAÇÃO E CIDADANIA

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

Recomendação sobre o HIV e a Aids e o mundo do trabalho

Recomendação sobre o HIV e a Aids e o mundo do trabalho Recomendção sobre o HIV e Aids e o mundo do trblho Recomendção sobre o HIV e Aids e o mundo do trblho, provd pel Conferênci Interncionl do Trblho em su Nongésim Non Sessão, Genebr, 17 de junho de 2010

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

Programa Currículo e Prática Docente 2014

Programa Currículo e Prática Docente 2014 Pr sber mis sobre s ções de formção ofertds pel EFAP, cesse: www.escoldeformco.sp.gov.br Progrm Currículo e Prátic Docente Progrm Currículo e Prátic Docente 2014 *Versão revisd e tulizd em 11/06/2014:

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL

4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL 4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL 4.1 A ESTRUTURA DO SISTEMA EDUCACIONAL A tul estrutur e funcionmento d educção brsileir decorre d provção d Lei de Diretrizes e Bses d Educção (Lei n.º 9.394/96),

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA:

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: POLÍTICAS E NORMAS DE OPERACIONALIZAÇÃO MARINGÁ 2005 CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ REITOR Professor Wilson de Mtos Silv VICE-REITOR

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Classes multisseriadas: desafios e possibilidades

Classes multisseriadas: desafios e possibilidades Clsses multisserids: desfios e possibiliddes An Cristin Silv d Ros* Resumo Pretende-se com este rtigo suscitr reflexões sobre form de orgnizção didático-pedgógic de docentes que tum em clsses multisserids.

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

Fundamentação Metodológica

Fundamentação Metodológica E M.Montessori Fundmentção Metodológic Mnuis Didáticos Progrms em Níveis Listgens de Ambientes Preprdos Progrms Anuis - Bimestris As crinçs, em contto com um mbiente dequdo desenvolvem s potenciliddes

Leia mais

Saúde. do Hom 1 SEMANA DO. Av. Osvaldo Rodrigues Cabral, 1570 Sala 208 Centro - Florianópolis - SC - 880015-710 3024-8002 (48) www.ictushomem.com.

Saúde. do Hom 1 SEMANA DO. Av. Osvaldo Rodrigues Cabral, 1570 Sala 208 Centro - Florianópolis - SC - 880015-710 3024-8002 (48) www.ictushomem.com. e Súde de Vid e d d i em Qul do Hom di interncionl do homem Av. Osvldo Rodrigues Cbrl, 1570 Sl 208 Centro - Florinópolis - SC - 880015-710 e Súde de Vid e d d i em Qul do Hom I SEMANA DO - FLORIANÓPOLIS

Leia mais

EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL

EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL EDITAL Nº 006/2012 SELEÇÃO DE PESSOAL O Serviço Socil do Comércio Administrção Regionl no Distrito Federl SESC/DF, instituição privd inscrit no CNPJ 03.288.908/0001-30, por meio d su Divisão de Administrção

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco

ANEXO. DHA < 200 mm - baixo risco DHA > 200 mm - alto risco ANEXO 1. NOTA TÉCNICA O Brsil produz dus espécies de cfé: O rábic (Coffe rábic L.) e o robust (Coffe cnephor Pierre ex A. Froehner.), mis conhecido como cfé robust. Atulmente, o pís é o mior produtor e

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: Comercilizr e Vender (10.º Ano) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Mri do Crmo Mendes Ano Letivo 2013/2014 Competêncis Geris

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS

FICHA DE INFORMAÇÕES CONFIDENCIAIS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA SOCIAL DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO DO ESTADO DO CEARÁ POLÍCIA MILITAR DO CEARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CARGO DE SOLDADO PM

Leia mais

(FIA) R$ 995.841,99 (Novecentos e Noventa e Cinco mil, Oitocentos e Quarenta e Um reis e Noventa e nove centavos).

(FIA) R$ 995.841,99 (Novecentos e Noventa e Cinco mil, Oitocentos e Quarenta e Um reis e Noventa e nove centavos). 1 1. IDENTIFICAÇÃO Abrngênci do Projeto: Estdul Associção 1.1. Ddos Cdstris do Proponente ASSOCIAÇÃO PARA A VIDA E SOLIDARIEDADE - CNPJ 02.215.000/0001-34 Ru Sldnh Mrinho - 1266 Centro Curitib PR Fone/fx:

Leia mais

Plano Plurianual de Gestão 2015-2019 Etec Rodrigues de Abreu

Plano Plurianual de Gestão 2015-2019 Etec Rodrigues de Abreu Plno Plurinul de Gestão 2015-2019 Etec Rodrigues de Abreu De cordo com o disposto no Cpítulo II do Regimento Comum ds Escols Técnics do CEETEPS, o Plno Plurinul de Gestão - PPG present propost de trblho

Leia mais

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Itu Estado de São Paulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº.

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Itu Estado de São Paulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº. Prefeitur Municipl d Estânci Turístic Itu Estdo São Pulo CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS ADITAMENTO AO EDITAL Nº. 01/2011 A PREFEITURA MUNICIPAL DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE ITU fz sber quem poss interessr,

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL

O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL XXIV Congresso Brsileiro de Engenhri Biomédic CBEB 2014 O PERFIL DO PROFISSIONAL ATUANTE EM ENGENHARIA CLÍNICA NO BRASIL A. F. Souz*, R. F. More* *ABEClin, São Pulo, Brsil e-mil: lexndre.ferreli@beclin.org.br

Leia mais

Especifique : (a) tipo de deficiência (b) organização das salas (por idades,...) (a) outro tipo de vinculo

Especifique : (a) tipo de deficiência (b) organização das salas (por idades,...) (a) outro tipo de vinculo Agrupmento Escols do Porto Alto Pré Escolr lunos Estb. De Educção Apoio Domicílios 0-1 1-2 2-3 Alunos em list lunos com NEE Alunos esper () 3 4 5 6 * 3 4 5 3 4 5 6 * Educdores sls Q. QDV único pessol não

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

Catálogo de Cursos de Graduação da FAP 1

Catálogo de Cursos de Graduação da FAP 1 Ctálogo de Cursos de Grdução d FAP 1 SUMÁRIO 1 DADOS CADASTRAIS 03 1.1 ENTIDADE MANTENEDORA 03 1.2 INSTITUIÇÃO 03 2 DIRIGENTES 04 2.1 DIRETORA GERAL 04 2.2 DIRETOR ACADËMICO 04 2.3 DIRETORA ADMINISTRATICA

Leia mais

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 37 Detalhamento das ações de. acesso ao PNAE

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 37 Detalhamento das ações de. acesso ao PNAE CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA Anexo 5 37 Detlhmento ds ções de cesso o PNAE ACESSO AO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR TI Pquiçmb e AI Jurun do km 17 A

Leia mais

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis

A Diretoria de Relações Internacionais da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas - 1. OBJETIVO 2. PRÉ-REQUISITOS. Re~ unis Crid pel Lei Estdul nn 2. 766/63 CNPJ.: 21.420.85610001-96 - lrrsc Estdul. ISENTA Entidde M ntenedor do Grupo Educcionl Uni: Centro Universitdrio do Sul d Mins - UNIS Fculdde Bum- FABE Fculdde Três Ponts

Leia mais