PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminar)"

Transcrição

1 PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA (versão Preliminr)

2 PLANO DE AÇÃO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DIREITOS HUMANOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Governo do Estdo de Rorim Secretri Estdul de Educção de Rorim Educção em Direitos Humnos do Estdo de Rorim Responsável pel Elborção do Plno de Ação: Mrlisson Brito Xvier E-mil: Telefone: (095) / Crgo que Ocup n Secretri: Anlist Educcionl Unidde Federd: Rorim Profissão: Anlist Educcionl Cidde: Bo Vist Escolridde: Pós -Grdução Colbordores:

3 APRESENTAÇÃO O desenvolvimento de um pís tem sus vertentes mis mpls em vários cmpos que permeim sociedde. Dentre estes cmpos podemos destcr o político, econômico, socil, culturl e preferencilmente o Educcionl. Este último pode ser considerdo um dos mis mrcntes que poderá influencir positiv ou negtivmente nos outros cmpos. Sus ções são considerds excepcionis n formção do cráter, d personlidde e n construção do ser humno enqunto ser essencilmente socil. Neste contexto, Educção pode ser considerdo um dos processos vitis n firmção de um sociedde que promov grnti de Direitos e Deveres essenciis e promov convivênci hrmônic entre os ciddãos. Assim, procurr desenvolver hábitos, mplir vlores, respeitr s diferençs, enfrentr s desigulddes, o desrespeito, construindo um cultur de pz, são lgums ds ções que podem, trvés do processo Eductivo, provocr esse processo dinâmico de mudnçs sociis, culturis e posteriormente polítics neste pís. Ness perspectiv é que O Plno de Ação Estdul de Educção em Direitos Humnos n Educção Básic procur expressr de form simplificd um pcto do processo Eductivo deste Estdo, com grnti de um sociedde de Direitos e efetivção dos Direitos Humnos em nosso Estdo, desse modo tender prlelmente s diretrizes Ncionis do Plno Ncionl de Educção em Direitos Humnos. Assim, considerr este Plno como o pontpé inicil pr implementr ns escols um propost de implntção de um cultur voltd vlorizção d pesso humn, essencilmente pr promover e celerr o processo de construção de um sociedde de respeito os Direitos Humnos. Este surge como um desfio de construir trvés d Educção um sociedde essencilmente just e igulitári, n qul disseminção de Direitos e Deveres sej bse elementr pr grntir um cultur de pz, promoção de ciddni, grnti dos direitos fundmentis e, principlmente um sociedde preocupd com o ser humno e fundmentd n hbilidde de gir em virtude do bem comum. A Educção neste contexto pss ser considerd como principl vetor pr se conhecer e respeitr Direitos, em virtude de ser trvés do processo de ensino e prendizgem que os indivíduos pssm intergir, integrr e conceber o conhecimento como processo de construção de ciddni. Neste sentido, o Plno de Ação Estdul de Educção em Direitos Humnos n Educção Básic de Rorim está embsdo essencilmente ns diretrizes ncionis e ns exigêncis estruturis d sociedde rorimense, bem como, seguindo s exigêncis de orgnismos interncionis e ncionis de Promoção dos Direitos Humnos empenhdos n divulgção, implntr, consolidção, e propgção dos Direitos Humnos como essenciis pr convivênci pcífic e construção de um sociedde com um cultur essencilmente ciddã, democrátic, igulitári e just.

4 Atrvés deste Plno de Ação o Governo do Estdo trvés d Secretri Estdul de Educção, ssume o compromisso de promover ções e relizr um plnejmento voltdo tender s necessiddes d sociedde rorimense, bem como despertr n sociedde o interesse em prticipr tivmente ness construção socil, reconhecendo seu ppel como gente trnsformdor e promotor dess cultur de pz. Assim, considerr educção como um dos principis meios de mudnçs de mentlidde e posteriormente de modificções no enfrentmento ds violêncis, violções de Direitos e desrespeitos cometidos os homens e mulheres, crinçs, dolescentes, jovens e idosos deste Estdo. A construção de um sociedde just e igulitári pss por diverss questões sociis, econômics, polítics, educcionis, entre outrs, que promovem o desenvolvimento do homem em seu contexto socil. Inclui-se nest perspectiv os Direitos Humnos, vertente tulmente comentd e gerdor de inúmers situções que podem provocr s mudnçs considerds significtivs n sociedde. Neste sentido, promover o cesso o conhecimento dos Direitos Humnos e ssegurr su disseminção n sociedde são ppéis fundmentis do processo eductivo, sendo esse o medidor de tod construção do homem em sociedde. Por isso,, com bse ns orientções do Plno Ncionl de Direitos Humnos e Secretri Especil de Direitos Humnos, bem como Secretri de Educção Continud e Alfbetizção e Diversidde, SECAD-MEC, propõe pr comunidde escolr um processo de disseminção n Escol de um educção voltd os Direitos Humnos, com lterntivs que possm de lgum form contribuir n formção relmente integrl do individul enqunto ser essencilmente socil.

5 INTRODUÇÃO A Educção como processo formdor tem como grnti fundmentl Constituição Federl, qul elege Educção como Direito e incumbem Estdos e Municípios n ofert, lém de ssegurr e grntir permnênci de tl polític públic os ciddãos. Considerndo essencil contribuição deste processo eductivo n formção do ciddão e que construção do Plno Estdul de Educção em Direitos Humnos procur inserir um questão mior que é: lém de oferecer os serviços educcionis o Estdo, cbe oferecê-lo com qulidde e equidde todos os ciddãos. Dess form, o processo eductivo pr os Direitos Humnos implic tmbém em grntir o próprio direito humno à educção com qulidde, em todos os níveis. Sendo, neste contexto educção como ção imprescindível o desenvolvimento do ser humno em tods s sus dimensões, promovendo de fto construção de um indivíduo cpz de prender conhecer, prender fzer, prender ser e prender prender. Fortlecendo dess mneir o processo democrático e construção d ciddni. A Declrção Universl dos Direitos Humnos nos grnte que estes direitos são universis, interdependentes e indivisíveis, ms que sejm respeitds s diferençs, s reltividdes entre os diversos povos, etnis, regiões, píses, entre outros Por esss premisss, é relevnte que o Plno de Ação Estdul de Educção em Direitos Humnos poss expressr grnti que todos os educndos e educdores entre os outros profissionis d educção sejm respeitdos nos seus Direitos firmtivos grntidos pelos instrumentos normtivos já existentes. Além disso, colbor com promoção de um educção relmente melhor e promotor de equidde todos os ciddãos. Nesse contexto, o Plno deve ser um compromisso de todos os órgãos do Estdo e especilmente o responsável pel polític de educção (Secretri Estdul d Educção) pr promoção de um sociedde que respeite s diferençs, grnt prticipção de todos e torne- igul nos Direitos e Deveres dos ciddãos. Contudo, construção históric dos direitos humnos em cd nção perpssou por momentos de conflitos, luts e não esquecendo que, n miori ds vezes de históris trágics que cbrm por promover crição d Crt Universl dos Direitos Humnos. Por ess rzão, é imprescindível construção conjunt de ções e prceri pr implementção de polítics públics efetivs em Direitos Humnos, onde tods s ções possm relmente tender s necessiddes e spirções dos diferentes grupos e setores sociis. Esse Plno está sendo elbordo prtir do mrco definido pelo Plno Ncionl de Educção em Direitos Humnos (PNEDH), orientções e diretrizes d Secretri de Educção e Alfbetizção Continud (SECAD), Ministério d Educção (MEC) e Comitê Ncionl de Educção em Direitos Humnos (CNEDH), com objetivo de constituir um propost de implntção e implementção d Secretri de Educção, no Estdo de Rorim, ds ções e princípios definidos no eixo temático: Educção Básic. Acompnhndo s proposts e orientção do PNEDH, elborção deste Plno de Ação de Educção em Direitos Humnos procurou enftizr s crcterístics mrcntes no

6 Estdo de Rorim, bem como diversidde culturl existente n noss região, buscndo o mesmo tempo proporcionr que cd ção implementd tenh cráter fcilitdor e dissemindor de tl propost pr sociedde, procurndo tingir por meio do processo eductivo, o mior número de pessos pr que, de fto, se concretize cd objetivo e cd met, ressltndo o ppel poderoso do processo ensino-prendizgem n construção de um sociedde de direitos e pz. Objetivos: Gerl: Contribuir no processo de construção socil e ciddã, trvés d implntção e implementção d Educção em Direitos Humnos ns Escols Estduis de Rorim, crindo lterntivs que possm vibilizr sustentção e disseminção dos Direitos Humnos n comunidde escolr e locl. Específicos:. Promover implntção e implementção de um Plno de Educção em Direitos Humnos n rede Estdul de Ensino. Implntr e fortlecer o Comitê e/ou Conselho Estdul de Direitos Humnos. Construir um Propost Curriculr de Educção em Direitos Humnos. Assegurr inserção d Educção em Direitos Humnos nos processos de formção continud e inicil dos profissionis d Educção. Amplir os estudos em Educção em Direitos Humnos n Propost Pedgógic ds Escols. Apoir e incentivr elborção e promoção de Progrms, Projetos, Ações e tividdes de Educção em Direitos Humnos desenvolvidos n Educção Básic. Firmr prceri com outros setores d esfer estdul, federl e municipl, ONG s entre outros pr implementr Educção em Direitos Humnos e ssegurr su disseminção nós vários âmbitos ds escols. JUSTIFICATIVA

7 A construção de um educção que possibilite melhori d qulidde de vid d populção é fundmentl pr que se grnt um dos Direitos básicos de todos os ciddãos brsileiros que é Grnti do Ensino de Qulidde. Dentro dess perspectiv de grnti de direitos surge questão dos Direitos humnos e su repercussão no propósito de se dequr sociedde um cultur de pz. É responsbilidde do Estdo ofertr um Educção de Qulidde, ms é dever do ciddão cobrr ess responsbilidde dos governntes. Neste sentido, situção tul ds escols nos remete redefinir um plno que poss colborr n plicbilidde prátic de se grntir Direitos e Deveres. Assim, construir junto com populção um cultur essencilmente cpz de (re)conhecer sus responsbiliddes sociis e melhorr situção tul pelo qul pss noss sociedde. Construir um Plno de Ação em Direitos Humnos pr ser implementdo n escol nsce com um propósito de melhori n qulidde de vid d populção e, principlmente como propost de formção de ciddãos cientes e prticiptivos n vid socil desse pis. A necessidde dess elborção surge no momento crucil de desenvolvimento do pís, elevção d ciddni e prticipção tiv do povo no cenário ncionl. É necessário que s Secretris de Educção se mobilizem no sentido de construir um projeto (Plno de Ação) que contemple os Direitos Humnos e sus plicções no contexto escolr. No Brsil, e em especil no Estdo de Rorim, é necessário elborr este plno por três rzões básics: ) o Brsil é condizente com os compromissos interncionis ssumidos, no qul vem priorizndo um polític educcionl em Direitos Humnos prticipnte de um tendênci globl, em que reconhecer os direitos humnos como princípios orientdores pr o desenvolvimento de um sociedde eqüittiv o Brsil é um dos píses que ssumiu o compromisso lnçdo pel Declrção universl dos Direitos Humnos, dí responsbilidde de ssumir um ppel importnte n trnsformção dos brsileiros em um nção igul pr todos e o mesmo tempo respeitr s diferençs (os desiguis) que ocupm o vsto território brsileiro; b) fruto do compromisso com concretizção dos Direitos Humnos, o Brsil publicou em 2003 o Plno Ncionl de Educção em Direitos Humnos (PNEDH), sendo revisdo em 2006, e nesse contexto se tornou um polític públic ncionl sendo considerdo um grnde psso pr o vnço de um polític séri e compromissd com s reis necessiddes dos Direitos Humnos e um dos mis importntes pssos pr ções concrets de Educção em e pr Direitos Humnos no pís; c) Educção em Direitos Humnos EDH é um ferrment fundmentl de trnsformção d sociedde, pois por meio d Educção Básic pode-se romper brreirs e vnçr no sentido trnsformr os Direitos Humnos como prte essencil nos currículos escolres, relizndo ções pedgógics trnsformdors no contexto socil, bem como, motivndo e integrndo os indivíduos fzer prte d ção conjunt entre os vários setores sociis neste processo encorjdor de mudnçs significtivs.

8 Por isso, e por lutr por iguldde de Direitos e condições sociis fz-se necessário elborção de um projeto que procure de lgum form mobilizr o Estdo de Rorim, mis especificmente dentro do cmpo educcionl, n grnde propost do Plno Ncionl de Educção em Direitos Humnos que é promoção e o fortlecimento do Estdo Democrático trvés do ppel estrtégico d Educção. Nesse contexto, e incorporndo s orientções e diretrizes d Secretri de Educção Continud e Alfbetizção e Diversidde SECAD, Plno Ncionl de Educção em Direitos Humnos, Progrm ncionl de Direitos Humnos, Plno Estdul de Educção em Direitos humnos do Estdo d Bhi, II Plno Ncionl de Polítics pr Mulheres, entre outros documentos orientdores surgiu elborção deste documento com o propósito de implntr ns Escols do Estdo de Rorim um Educção em Direitos Humnos e fomentr construção do Plno Estdul de Educção em Direitos Humnos. Assim, presente propost vis colborr e ssegurr implntção e disseminção dos Direitos Humnos no cmpo educcionl no Estdo, enftizndo ções d Secretri de Educção em prceris com outros órgãos que desenvolvm tividdes, ções ou progrms relciondos o tem em questão, contribuindo dess form n construção de um Educção voltd tender os nseios sociis e preocupd com o exercício pleno d ciddni, respeitndo diversidde e trnsformndo sociedde em um processo construtivo de iguldde, responsbilidde, compromisso e justiç socil.

9 1 - Objetivo: Promover implntção e implementção de um Plno de Educção em Direitos Humnos n rede Estdul de Ensino. Mets: 1. Crir um Comitê Estdul de Educção em Direitos Humnos pr elborr do Plno Estdul de Educção em Direitos Humnos do Estdo de Rorim. 2. Elborr o Plno de Ação Estdul em Direitos Humnos. Plno de Ação Ação 1.1-Relizr um reunião com os órgãos que já desenvolvem ções que envolv Direitos Humnos. 1.2-Crir um grupo de estudos com lidernçs dos órgãos que trblhm com os Direitos Humnos. 1.3-Relizr reuniões mensis com o grupo de Estudo pr elborção do Plno Estdul de Educção em direitos Humnos Rorim. 1.4-Relizr um reunião Bimestrl com O Conselho Estdul de Educção pr discussão do Plno Estdul de Educção Em Direitos Humnos Relizr dois Seminários Estduis de Educção em Direitos Humnos Promover 02 Seminários, debtes sobre o Tem Direitos Humnos. Órgão Recursos Przo Produto Prceiros Responsável Orçmentários SECD - RR 09/2010 Reunião SECAD, MPU, SEFAZ, TJ, relizd TER, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs. SECD - RR Grupo crido SECD - RR SECD - RR SECD - RR Reuniões relizds Reuniões relizds Reuniões relizds Seminário e debte relizdos SECAD, MPU, SEFAZ, TJ, TER, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs SECAD, MPU, SEFAZ, TJ, TER, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs SECAD, MPU, SEFAZ, TJ, TER, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs SECAD, MPU, SEFAZ, TJ, TER, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs SECAD, UFRR, UERR, CEFET.

10 2.2-.Relizr Estudos com proposts de outros Estdos que já elborrm o Plno Estdul Crir o grupo de elborção do Plno Estdul de Educção em Direitos Humnos Relizr quinzenlmente reuniões com o grupo de estudo e elborção do plno 2.5- Promover um reunião mensl com o grupo d SECD, pr linhr propost do plno. 2.6 Solicitr ssessori do Conselho Estdul de Educção n elborção do Plno Estdul / /2010 SECD - RR SECD - RR SECD - RR SECD - RR Estudos relizdos Grupo crido Reuniões relizds Reuniões promovids Assessori solicitd Estdo d Bhi, Rio Grnde do Norte, Mrnhão. SECAD, MPU, SEFAZ, TJ, TER, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs SECAD, MPU, SEFAZ, TJ, TER, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs SECAD, MPU, SEFAZ, TJ, TER, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs Conselho Estdul de Educção, SECAD

11 2 - Objetivo: Implntr e fortlecer o Comitê e/ou Conselho Estdul de Direitos Humnos. Met: 1. Crir n Secretri de Educção um Coordenção em Educção em Direitos Humnos e Diversidde. 2. Reduzir pr 80% violênci dentro ds escols (bulling, desrespeito, violções, indisciplin). Plno de Ação Ação Órgão Recursos Przo Produto Prceiros 1.1- Relizr um reunião com grupo de técnicos d SECD. Responsável Orçmentários SECD - RR Reunião relizd 1.2- Crir um grupo rticuldor n SECD. Grupo crido 1.3- Formr Coordenção de Educção em Coord. direitos Humnos e Diversidde n SECD. formd 1.4- Elborr um cronogrm de visit ns Cronogrm Escols pr relizr um levntmento ds elbordo miores dificulddes e necessiddes de se trblhr Direitos Humnos n sl de ul Relizr reuniões mensis com Conselho de Educção Estdul, Conselho Tutelr, Secretri de Ciddni e Justiç. PMU, TER, TJ, MT, entre outros órgãos fim de form prceris Elborr informtivos, crtilhs, pnfletos pr distribuição ns escols Promover dus cpcitções pr gestores, professores em Educção e Direitos Humnos Relizr reuniões mensis ns Escols com professores e gestores. SECD - RR Reunião relizd SECD - RR Pnfletos, informtivo s elbordos SECD - RR SECD - RR 11/2011 Cpcitçõ es promovids Reunião relizd SECD SECD. SECD. SECD, Técnicos e SECD e SECD, SECD, SECD,

12 2.1- Relizr tendimento mensl ns escols com lunos, professores, gestores e corpo de poio escolr Oferecer tendimento pedgógico lunos que sofrerm violções de Direitos ns Escols Cpcitr professores em Como Educr pr e em Direitos Humnos Oferecer tendimento psicológico lunos que sofrerm violções de Direitos ns Escols, bem como seus fmilires que necessitrem de tendimento. SECD - RR 11/2011 SECD - RR 11/2011 SECD - RR 11/2011 SECD - RR 11/2011 Atendiment os relizdos Atendiment o pedgógico oferecido Professores cpcitdos Atendiment o oferecido SECD, SECD, SECD, SECD, 3 - Objetivo: Construir um Propost Curriculr de Educção em Direitos Humnos. Mets: 1. Elborr um Propost Curriculr de Educção em Direitos Humnos. Plno de Ação Ação 1.1- Relizr um reunião com o Conselho Estdul de Educção, SECD e setores ligdos Educção Básic Relizr encontro entre CGPP, DEB, EM, DIENF, fim de definir propost Curriculr. Órgão Recursos Przo Produto Prceiros Responsável Orçmentários SECD - RR Reunião CEE, SECD, outros. relizd 06/2011 CEE/RR, SECD, DEB, DIENF, CGPP, EM e

13 1.3- Crir o grupo pr elborr Propost Curriculr. 06/2011 Grupo crido CEE/RR, SECD, DEB, DIENF, CGPP, EM e 1.3- Elborr Proposts Curriculr de Educção em Direitos Humnos n Educção Básic, com bses ns diretrizes ncionis. 06/2011 Propost Curriculr elbord CEE/RR, SECD, DEB, DIENF, CGPP, EM e 1.4- Solicitr precer do CEE/RR sobre Propost Curriculr 1.5- Relizr reuniões com s Escol pr discutir propost e solicitr sugestões. SECD - RR 06/2011 Precer solicitdo SECD - RR 05/2011 Reuniões relizds CEE/RR, SECD, DEB, DIENF, CGPP, EM e SECD,, Escols. 4 - Objetivo: Assegurr inserção d Educção em Direitos Humnos nos processos de formção continud e inicil dos profissionis d Educção.. Met: 1. Cpcitr 90 % dos Profissionis d Educção em Direitos Humnos. Plno de Ação Ação 1.1- Elborr um cronogrm de Cpcitção os Profissionis d Educção em Direitos Humnos 1.2- Elborr um cronogrm de formção em serviço os colbordores ds Escols em Educção em Direitos Humnos. Órgão Recursos Przo Produto Prceiros Responsável Orçmentários SECD - RR 09/2010 Cronogrm SECD, elbordo SECD - RR 09/2010 Cronogrm elbordo SECD,.

14 1.3- Promover um Seminário pr debter sobre o Esttuto d Crinç e Adolescente pr comunidde Escolr Oferecer plestrs sobre o Tem Direitos Humnos e Educção pr tods s Escols Relizr menslmente visit ns Escols pr compnhmento pedgógico ds Atividdes relcionds os Direitos Humnos Promover semestrlmente vlição dignóstic ds escols ns tividdes de DH Acompnhr e monitorr s ções ds escols referentes EDH, oferecendo suporte e mnutenção s tividdes Relizr plnejmento semestrl com s escols pr compnhr s necessiddes e dificulddes enfrentds ns relizções ds tividdes Elborr um Sistem de compnhmento e monitormento ns escols pr registrr ções ou titudes de violção de direitos sofridos pel comunidde escolr Fortlecer EDH ns escols trvés de ções e progrms direcionds situções de enfrentmento violênci ns escols. SECD - RR 06/2010 SECD - RR 09/2010 SECD / SECD / SECD / SECD / SECD / SECD / 04/2011 Seminário promovido Plestrs oferecids Visits relizds Avlição promovid Ações compnh ds Plnejmen to relizdo Sistem de compnh mento elbordo Escols fortlecids Escols, CEDCAR, Conselho Tutelr, MPU, Escols, UFRR, UNIVIRR, UERR, outrs., SECD, SECD, SECD, SECD, SECD, SECD

15 5 - Objetivo: Amplir os estudos d Educção em Direitos Humnos ns proposts pedgógics ds Escols. Mets: 1. Cpcitr 85 % dos Gestores, coordendores pedgógicos e Administrdores escolres em Educção em Direitos Humnos. 2. Orientr 100 % ds escols n elborção d propost pedgógic em consonânci com Educção em Direitos Humnos. Plno de Ação Ação 1.1- Elborr um cronogrm de cpcitção pr gestores e coordendores pedgógicos escolres Ofertr dus Cpcitções pr gestores escolres em Educção em Direitos Humnos Ofertr dus Cpcitções pr coordendores pedgógicos de Educção em Direitos Humnos. Órgão Responsável, SECD SECD RR Recursos Orçmentários Przo Produto Prceiros 01/ /2010 Cronogrm elbordo Cpcitçã o ofertd Cpcitçã o ofertd, SECD, SECAD, MPU, SEDCAR, outros SECD, UERR, UFRR, outros. SECD, UERR, UFRR, outros Ofertr dus Cpcitções pr Administrdores escolres de Educção em Direitos Humnos. Cpcitçã o ofertd SECD, UERR, UFRR, outros Oferecer orientção pr s escols n elborção ou (re)elborção d Propost Pedgógic que contemple EDH Constituir um grupo de técnicos d SECD pr colborr n orientção de elborção d Propost Pedgógic Promover encontros bimestris entre gestores, coordendores pedgógicos pr linhr propost de cd Escol. 10/2010 Orientção oferecid 09/ /2011 Grupo constituído Encontros promovido s SECD, UERR, UFRR, outros. e escols,

16 2.4- Relizr estudos com s escols pr divulgção d EDH n propost pedgógic Fortlecer s Proposts ds Escols com ções que subsidiem s tividdes de Direitos Humnos ns escols Crir ns Escols um grupo composto por lunos, professores e corpo dministrtivo pr coordenr s ções e tividdes de Direitos Humnos desenvolvids ns escols. 06/ / /2011 Estudos relizdos Proposts fortlecids Grupo crido,, 6 - Objetivo: Apoir e incentivr elborção e promoção de Progrms, Projetos, Ações e tividdes de Educção em Direitos Humnos desenvolvidos n Educção Básic. Mets: 1. Reduzir em de 80 % pr 10 % violção dos Direitos Humnos sofrids por negros, índios, deficientes, GLBTT s entre outros evidencidos ns escols. 2. Crir 2 projetos em cd escol pr disseminr Educção em Direitos humnos n Comunidde Escolr e locl. Direitos. Plno de Ação Ação 1.1- Promover menslmente ns escols encontros que discutm temátic dos Direitos Humnos Crir um grupo de combte e enfrentmento s violêncis ns escols Oferecer ns escols mteriis, pnfletos, recursos de informções que sejm pertinente à Órgão Responsável SECD RR, escols, Recursos Orçmentários Przo Produto Prceiros Encontros promovido s Grupo crido Mteriis, pnfletos, MPU, TJ, TER, CAD, UERR, UFRR, UNIVIRR, outrs., escols,,

17 temátic dos Direitos Humnos Formr e cpcitr dissemindores e promotores d educção em Direitos humnos Oferecer menslmente plestrs ns Escols em prceris com outros órgãos sobre violênci, ECA, direitos, deveres, violções de direitos, respeito à diversidde, tolerânci os diferentes entre outros tems pertinentes Relizr ns escols mostrs e/ou exposições bimestris de trblhos relizdos Sobre à temátic de Direitos Humnos Elborr juntmente com s Escols projetos de enfrentmento violções de Direitos Crir um prêmio Estdul de incentivo o fortlecimento de ções em Direitos Humnos 2.3- Relizr semestrlmente culminânci dos projetos de Direitos Humnos relizdos ns escols Incentivr trvés de prêmios os projetos desenvolvidos por lunos e professores n temátic de Direitos Humnos Incentivr crição dos lunos e professores trvés de peçs tetris, oferecidos Dissemind ores formdos Plestrs oferecids Plestrs oferecids Projetos elbordos Prêmio crido Culminânci relizd Projetos incentivdo s Crições incentivdo,, escols,, escols, MPU, DETRAN, FEMATC, TJ, SCDJ, SECAD,, Ter, Conselho Tutelr, outros,, escols, MPU, DETRAN, FEMATC, TJ, SCDJ, SECAD,, Conselho Tutelr, outros,, escols, MPU, DETRAN, FEMATC, TJ, SCDJ, SECAD,, Ter, Conselho Tutelr, outros,, escols, MPU, DETRAN, FEMATC, TJ, SCDJ, SECAD,, Ter, Conselho Tutelr, outros,, escols, MPU, DETRAN, FEMATC, TJ, SCDJ, SECAD,, Ter, Conselho Tutelr, outros,, escols, MPU, DETRAN, FEMATC, TJ, SCDJ, SECAD,, Ter, Conselho Tutelr, outros,, escols, MPU, DETRAN, FEMATC,

18 presentções entre outr tividde de desenvolvimento d temátic de Direitos Humnos Promover entre s Escols festivis, jogos de integrção, concursos de redção e poesi, gincns que possm vibilizr interção entre os diferentes e diversos lunos e professores. s TJ, SCDJ, SECAD,, Ter, Conselho Tutelr, outros Atividdes promovids,, escols, MPU, DETRAN, FEMATC, TJ, SCDJ, SECAD,, Ter, Conselho Tutelr, outros 7 - Objetivo: Firmr prceri com outros setores d esfer estdul, federl e municipl, ONG s entre outros pr implementr Educção em Direitos Humnos e ssegurr su disseminção nós vários âmbitos ds escols. Mets: 1. Amplir pr 100 % tenção integrl dos Direitos Humnos ns Escols. 2. Reduzir de 90 % 10 % o tendimento os colbordores, lunos no que concerne educção em Direitos Humnos. Plno de Ação Ação 1.1- Firmr prceris com órgãos pr promover Plestrs de conscientizção ns Escols. 1.2 Firmr prceris com os órgãos d Justiç Federl e Estdul pr promover plestrs e encontros sobre Direitos Humnos Relizr um encontro com lunos, pis, professores pr discussão do processo Construção componente curriculr sobre DH pr s Escols no Estdo de Rorim. Órgão Responsável e escols e escols e escols Recursos Orçmentários Przo Produto Prceiros 01/ /2011 Prceris firmds Prceris firmds Encontros relizdos MP, TJ, CEDCAR, Conselho tutelr, MPU, Universiddes. TJ, TER, MPU, outros. SEFAZ, TJ, TER, MPU, outros Incentivr lunos pr mobilizção e e Grêmios UERR, UFRR, TJ, TER,

19 crição dos Grêmios estudntis, conselhos, escols fórum de EDH entre outros Relizr reuniões com o Conselho Estdul de Educção pr definir o Currículo de EDH pr s escols Oferecer pr lunos e colbordores um Prêmio de Incentivo Promoção dos Direitos humnos ns escols Amplir ofert de EDH ns escols trvés de tividdes extr Curriculres 2.1- Apoir tods s Escols que promovm ções de Educção em Direitos Humnos Implntr n um Coordenção de Educção em Direitos Humnos e Diversidde Implntr um Sistem de Monitormento e compnhmentos ds ções/projetos e processos de Educção em Direitos Humnos Apoir técnic e finnceirmente s ções/projetos desenvolvidos ns Escols de Educção em Direitos Humnos Equipr s Bibliotecs escolres com recursos didáticos e equipmentos dequdos pr de desenvolvimento em EDH Apoir e incentivr inovções de proposts pedgógics que visem ções de EDH e escols e escols e escols e escols e escols e escols e escols e escols e escols cridos Eleições relizds Incentivo oferecido Incentivo oferecido Incentivo oferecido Incentivo oferecido Incentivo oferecido Incentivo oferecido Incentivo oferecido Incentivo oferecido MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros. UERR, UFRR, TJ, TER, MPU, outros.

20

21 Avlição: A vlição é prte imprescindível deste Plno de Ação, pois permitirá descobrir s flhs dentro do processo que poderão ser corrigids no desenvolvimento de cd etp, sem interferir no ndmento do processo. Podendo melhorr ções ou redefini-ls dentro de cd fse do plnejdo. Além disso, vlição possibilitrá um retomd no plnejmento, sendo este qulquer momento sofrer lterções que influencirão no resultdo finl de tods s ções. O Plno deverá pssr por vris nálises, lém dos sistems de monitormento que serão elbordos pr mplir possibilidde de execução e de correção de futurs situções indesejds que possm surgir n su execução e desenvolvimento. A reflexão tomd como um processo vlitivo do plno será feito envolvendo todos os tores que compõe seu desenvolvimento, bem como queles que relizrm su elborção e execução. A SECD fornecerá todo o poio tnto finnceiro, qunto técnico e pedgógico pr que s tividdes plnejds ocorrerão de form plen e stisftóri. Assim, vlição será relizd de form permnente e processul cd conclusão dos projetos, ções, trblhos e progrms desenvolvidos pel SECD ou pels escols. Abrngerá os seguintes spectos: vlição dos progrms, vlição dos projetos, vlição ds ções, vlição do Plno de Ação (objetivos, mets, ções), ções dos envolvidos em cd tividde relizd. Portnto, tods s etps do Plno de Ação receberão tenção especil trvés d vlição e do monitormento que permitirão remodelr, redefinir, modificr ou melhorr cd tividde desenvolvid, mplindo possibilidde de melhori d execução ds tividdes, bem como tingir os objetivos propostos neste plno.

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO DE ARAUCÁRIA 06 smed@rucri.pr.gov.br 1 1. APRESENTAÇÃO O Conselho Municipl de Educção CME de Arucári, crido nos termos d Lei Municipl nº 1.527/04, de 02 de novembro de 04, é o órgão

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL

4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL 4. ESTRUTURA GERAL DO SISTEMA EDUCACIONAL 4.1 A ESTRUTURA DO SISTEMA EDUCACIONAL A tul estrutur e funcionmento d educção brsileir decorre d provção d Lei de Diretrizes e Bses d Educção (Lei n.º 9.394/96),

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI)

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) 1) Servo de Cristo e legislção vigente O Servo de Cristo respeitndo legislção vigente, ns orientções do MEC em seu Precer nº

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais:

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais: ACTIVAR EM 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO ANUAL INTRODUÇÃO: A Animção de um território depende do conjunto de tores existentes e de cordo com missão de cd um deles. É fundmentl que exist um efetiv cooperção

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NEAD - ANO LETIVO 2014

PLANO DE AÇÃO NEAD - ANO LETIVO 2014 PLANO DE AÇÃO NEAD - ANO LETIVO 2014 APRENTAÇÃO: O NEAD, por meio de sus Coordenções de Cursos, Pedgógics de Tutori e de Polo é um unidde de gestão, com competênci pr executr s polítics e diretrizes d

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Educação para a Convivência com o Semiárido Guia de Orientação para os Municípios

Educação para a Convivência com o Semiárido Guia de Orientação para os Municípios Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui de Orientção pr os Municípios Selo UNICEF Município Aprovdo Edição 2009-2012 FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA Educção pr Convivênci com o Semiárido Gui

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curriculr: EDUCAÇÃO E CIDADANIA

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS

EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS EDITAL 001/2017 SELEÇÃO DE BOLSISTAS O coordendor dos projetos de pesquis e desenvolvimento institucionl nº 034280, 042571, 042576, torn públic bertur de inscrições pr seleção de lunos dos cursos de grdução

Leia mais

CURSO DE GERENCIAMENTO, CONSULTORIA E ASSESSORIA EM SERVIÇO SOCIAL

CURSO DE GERENCIAMENTO, CONSULTORIA E ASSESSORIA EM SERVIÇO SOCIAL F u g Apoio s e d d l Integrd s I p i t c n CURSO DE GERENCIAMENTO, CONSULTORIA E ASSESSORIA EM SERVIÇO SOCIAL GERENCIAMENTO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSULTORIA E ASSESSORIA EM SERVIÇO SOCIAL

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Educção integrl/educção integrd e(m) tempo integrl: concepções e prátics n educção brsileir Mpemento ds experiêncis de jornd escolr mplid no Brsil UFPR UNB UNIRIO UFRJ UERJ UFMG ULBRA Educção integrl/educção

Leia mais

Plano Plurianual de Gestão 2015-2019 Etec Rodrigues de Abreu

Plano Plurianual de Gestão 2015-2019 Etec Rodrigues de Abreu Plno Plurinul de Gestão 2015-2019 Etec Rodrigues de Abreu De cordo com o disposto no Cpítulo II do Regimento Comum ds Escols Técnics do CEETEPS, o Plno Plurinul de Gestão - PPG present propost de trblho

Leia mais

Edital 005/2017/CCB BOLSA DE AÇÕES EXTENSIONISTAS

Edital 005/2017/CCB BOLSA DE AÇÕES EXTENSIONISTAS Editl 005/2017/CCB BOLSA DE AÇÕES EXTENSIONISTAS 1 DA ABERTURA 1.1 A Universidde Estdul de Goiás (UEG), pesso jurídic de direito público, utrqui do poder executivo estdul, constituíd pel Lei Estdul n.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FAFE Escola Secundária de Fafe. Plano de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FAFE Escola Secundária de Fafe. Plano de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FAFE Escol Secundári de Ffe Plno de Melhori Avlição Extern ds Escols IGEC Inspeção-Gerl d Educção e Ciênci 7 e 8 de mio de 2012 Introdução O Plno de Melhori que se present result

Leia mais

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia

Eleições Diretório Acadêmico Fisioterapia Eleições Está berto o período de inscrição pr s novs chps do Diretório Acdêmico - Gestão 2015 Inscrições: dos dis 17 29 de gosto de 2015 somente pelo e-mil: fisioufu.d.@gmil.com A votção será relizd nos

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO ESTDO D PRIB PREFEITUR MUNICIPL DE LGO SEC GBINETE DO PREFEITO Lei nº 117/20, de 31 de dezembro de 20 INSTITUI O CENTRO DE TENÇÃO PSICOSSOCIL NO MUNICÍPIO DE LGO SEC-PB, CRI CRGOS DE PROVIMENTO EFETIVO

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

construindo agenda 21 na comunidade escolar

construindo agenda 21 na comunidade escolar construindo gend 21 n comunidde escolr Governo do Estdo d Bhi Secretri d Educção Construindo Agend 21 n Comunidde Escolr Bhi Governdor do Estdo d Bhi Jques Wgner Secretário d Educção do Estdo d Bhi Osvldo

Leia mais

Cotidiano. Revista Zero-a-seis. Relato de Experiências Tema: tudo bem ser diferente Discussão Sobre as Questões Étnico-Raciais

Cotidiano. Revista Zero-a-seis. Relato de Experiências Tema: tudo bem ser diferente Discussão Sobre as Questões Étnico-Raciais Cotidino Revist Eletrônic editd pelo Núcleo de Estudos e Pesquiss de Educção n Pequen Infânci 1 Ttin V. Min Bernrdes Relto de Experiêncis Tem: tudo bem ser diferente Discussão Sobre s Questões Étnico-Rciis

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

Programa Currículo e Prática Docente 2014

Programa Currículo e Prática Docente 2014 Pr sber mis sobre s ções de formção ofertds pel EFAP, cesse: www.escoldeformco.sp.gov.br Progrm Currículo e Prátic Docente Progrm Currículo e Prátic Docente 2014 *Versão revisd e tulizd em 11/06/2014:

Leia mais

ARA UMA EDUCAÇÃO P OBAL CIDADANIA GL CIDAC

ARA UMA EDUCAÇÃO P OBAL CIDADANIA GL CIDAC l o i c r e t I o t s e f i M M U R P O Ã Ç L C U B O ED L G I N D CID CIDC Este Mifesto foi relizdo com o poio ficeiro d Uião Europei, ms o coteúdo é pes d resposbilidde dos utores, e ão pode ser tomdo

Leia mais

Catálogo de Cursos de Graduação da FAP 1

Catálogo de Cursos de Graduação da FAP 1 Ctálogo de Cursos de Grdução d FAP 1 SUMÁRIO 1 DADOS CADASTRAIS 03 1.1 ENTIDADE MANTENEDORA 03 1.2 INSTITUIÇÃO 03 2 DIRIGENTES 04 2.1 DIRETORA GERAL 04 2.2 DIRETOR ACADËMICO 04 2.3 DIRETORA ADMINISTRATICA

Leia mais

100 horas EDUCAÇÃO CORPO DOCENTE E N E N POLÍTICA DE EDUCAÇÃO UM FINAL DE SEMANA POR MÊS

100 horas EDUCAÇÃO CORPO DOCENTE E N E N POLÍTICA DE EDUCAÇÃO UM FINAL DE SEMANA POR MÊS F c g S D s e d d l u Integrd s I p i t poio n CURSO D QULIFICÇÃO D GSTÃO DUCCIONL ORGNIZÇÃO SCOLR GSTÃO DUCCIONL ORGNIZÇÃO SCOLR; DSNVOLVIMNTO HUMNO M DIFRNTS BORDGNS; POLÍTIC D DUCÇÃO D JOVNS DULTOS

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA:

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: POLÍTICAS E NORMAS DE OPERACIONALIZAÇÃO MARINGÁ 2005 CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ REITOR Professor Wilson de Mtos Silv VICE-REITOR

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015

RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015 RESOLUÇÃO CONAD Nº 01/2015 Regulment, no âmbito do Sistem Ncionl de Polítics Públics sobre Drogs (SISNAD), s entiddes que relizm o colhimento de pessos, em cráter voluntário, com problems ssocidos o uso

Leia mais

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 37 Detalhamento das ações de. acesso ao PNAE

CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA. Anexo 5 37 Detalhamento das ações de. acesso ao PNAE CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL DO COMPONENTE INDÍGENA Anexo 5 37 Detlhmento ds ções de cesso o PNAE ACESSO AO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR TI Pquiçmb e AI Jurun do km 17 A

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Infância. - Pais/ encarregados de educação; - Pessoal docente e não docente; -Direção;

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Infância. - Pais/ encarregados de educação; - Pessoal docente e não docente; -Direção; Infânci ANO LETIVO 2015/2016 1º Período Reunião de pis /encrregdos de educção - Entreg e presentção do Plno Anul de Atividdes; - Entreg de documentção orgnizcionl; - Horários ds tividdes de complemento

Leia mais

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS.

5ª EDIÇÃO FEIRA DE TURISMO DA BAHIA O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. 5ª EDIÇÃO O QUE OS TURISTAS VÃO FAZER ANTES, DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 01? ESTÁ NA HORA DE AMARRAR AS CHUTEIRAS. FEIRA DE TURISMO DA BAHIA 01 Cpcitção Plestrs Debtes Workshops Rodd de Negócios Como se

Leia mais

METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO

METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO METODOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DO IFMG CAMPUS OURO PRETO Objetivo gerl Dr continuidde o processo de plnejmento do IFMG Cmpus Ouro Preto. Objetivos específicos Apresentr o processo

Leia mais

Fundamentação Metodológica

Fundamentação Metodológica E M.Montessori Fundmentção Metodológic Mnuis Didáticos Progrms em Níveis Listgens de Ambientes Preprdos Progrms Anuis - Bimestris As crinçs, em contto com um mbiente dequdo desenvolvem s potenciliddes

Leia mais

Classes multisseriadas: desafios e possibilidades

Classes multisseriadas: desafios e possibilidades Clsses multisserids: desfios e possibiliddes An Cristin Silv d Ros* Resumo Pretende-se com este rtigo suscitr reflexões sobre form de orgnizção didático-pedgógic de docentes que tum em clsses multisserids.

Leia mais

Recomendação sobre o HIV e a Aids e o mundo do trabalho

Recomendação sobre o HIV e a Aids e o mundo do trabalho Recomendção sobre o HIV e Aids e o mundo do trblho Recomendção sobre o HIV e Aids e o mundo do trblho, provd pel Conferênci Interncionl do Trblho em su Nongésim Non Sessão, Genebr, 17 de junho de 2010

Leia mais

(FIA) R$ 995.841,99 (Novecentos e Noventa e Cinco mil, Oitocentos e Quarenta e Um reis e Noventa e nove centavos).

(FIA) R$ 995.841,99 (Novecentos e Noventa e Cinco mil, Oitocentos e Quarenta e Um reis e Noventa e nove centavos). 1 1. IDENTIFICAÇÃO Abrngênci do Projeto: Estdul Associção 1.1. Ddos Cdstris do Proponente ASSOCIAÇÃO PARA A VIDA E SOLIDARIEDADE - CNPJ 02.215.000/0001-34 Ru Sldnh Mrinho - 1266 Centro Curitib PR Fone/fx:

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Sntn de Prníb Áre de Conhecimento: : Proteção e Prevenção Componente Curriculr: LNR Legislção e Norms Regulmentodors

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plno de Trblho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Hbilitção Profissionl:Técnic de Nível Médio de TÉCNICO EM CONTABILIDADE

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar Administrativo

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar Administrativo Plno de Trblho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Mssuyuki Kwno Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Administrção Qulificção: Auxilir Administrtivo

Leia mais

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras

Gerenciamento de Aquisições em Projetos de Obras Gerencimento de Aquisições em Projetos de Obrs Frhd Abdollhyn, MSc., PMP MSP & PRINCE2 Prctitioner frhd@uol.com.br Ptrocindores: Relizção: Frhd Abdollhyn, PMP PRINCE2 Prctitioner Cyrus Associdos Apoio

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Msc. Frncis Regis Irineu Coordenção Gerl de Estágio Prof. Izequiel Sntos de Arújo Coordendor de Estágio Cmpins, 2015 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia

Plano Estratégico Modelo de Execução da Estratégia Plno Estrtégico Plno Estrtégico Modelo de Execução d Estrtégi 1 ÍNDICE 1 Enqudrmento... 3 2 Modelo de Execução d Estrtégi... 5 2.1 Definir estrtégi... 5 2.1.1 Missão... 6 2.1.2 Visão... 6 2.1.3 Atribuições

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA LLF MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA RESOLUÇÃO Nº 2/CONSUP/IFRO, DE 5 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre

Leia mais

Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS Edição 2015

Desafio INOVA Paula Souza IDEIAS a NEGÓCIOS Edição 2015 Desfio INOVA Pul Souz IDEIAS NEGÓCIOS Edição 2015 É um competição de Modelo de Negócios, presentdos vi tel do Modelo de Negócios CANVAS, entre equipes formds por estudntes do ensino médio, técnico, tecnológico

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brasil. CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brasília DF

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brasil. CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brasília DF ORGANIZAÇÃO INTERNACIONALDO TRABALHO Escritório no Brsil CURSO DE CAPACITAÇÃO E TROCA DE EXPERIÊNCIAS: 11 14 de setembro de 2012, Brsíli DF Ferrments e Metodologis d OIT pr Promover Investimentos Públicos

Leia mais

Revisão e Atualização das Políticas de Salvaguardas Ambientais e Sociais do Banco Mundial. Consulta sobre a 2ª Minuta Brasília, 1-2 de março de 2016

Revisão e Atualização das Políticas de Salvaguardas Ambientais e Sociais do Banco Mundial. Consulta sobre a 2ª Minuta Brasília, 1-2 de março de 2016 Revisão e Atulizção ds Polítics de Slvgurds Ambientis e Sociis do Bnco Mundil Consult sobre 2ª Minut Brsíli, 1-2 de mrço de 2016 Estudo de Cso Projeto de Desenvolvimento Regionl Objetivos do Projeto Melhorr

Leia mais

O sistema de cotas no Brasil: um estudo de caso na Universidade Estadual do Norte Fluminense -UENF

O sistema de cotas no Brasil: um estudo de caso na Universidade Estadual do Norte Fluminense -UENF O sistem de cots no Brsil: um estudo de cso n Universidde Estdul do Norte Fluminense -UENF Ludmil Gonçlves d Mtt Doutor em Sociologi Polític Professor do Mestrdo em Plnejmento Regionl e Gestão de Ciddes

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 08 2014 SITUAÇÃO ATUAL DA ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA Avlição d situção tul e sugestões de encminhmento bseds ns discussões relizds em Reunião d Câmr Técnic de Informção e Informátic do

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 002/2014

EDITAL/SEE Nº 002/2014 EDITAL/SEE Nº 002/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICADA PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE MONITOR/A PROFESSOR/A INDÍGENA DO ENSINO FUNDAMENTAL E ENSINO MÉDIO PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS DA REDE ESTADUAL DE

Leia mais

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

LEI Nº 5.580. Institui o Plano de Carreira e Vencimentos do Magistério Público Estadual do Espírito Santo O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 5.580 Institui o Plno de Crreir e Vencimentos do Mgistério Público Estdul do Espírito Snto O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Fço sber que Assembléi Legisltiv decretou e eu snciono seguinte

Leia mais

Ser professor de história em escolas rurais: identidades em construção*

Ser professor de história em escolas rurais: identidades em construção* Ser professor de históri em escols ruris: identiddes em construção* Selv Guimrães Fonsec** Astrogildo Fernndes d Silv Junior** Resumo Este rtigo vis presentr resultdos de investigção cerc ds relções entre

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

ESTADO DE RORAIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA UERR PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPES

ESTADO DE RORAIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA UERR PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPES 1 ESTADO DE RORAIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE RORAIMA UERR PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS - PPGEC A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS COMO METODOLOGIA

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.768, DE 25 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº.768, DE 5 DE OUTUBRO DE 005 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sus tribuições legis, e considerndo o disposto n Portri MP no 08, de de julho

Leia mais

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove

Vem aí, novo curso no Icesp/Promove Aem n S Informe Icesp Semnl Ano IV nº 49 11/04/2014 Vem í, novo curso no Icesp/Promove A prtir do segundo semestre de 2014, o ICESP Promove de Brsíli brirá inscrições pr o curso de Tecnologi em Construção

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia.

Oferta n.º 1260. Praça do Doutor José Vieira de Carvalho 4474-006 Maia Tel. 229 408 600 Fax 229 412 047 educacao@cm-maia.pt www.cm-maia. Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1260 A Câmr Municipl Mi procede à bertur do

Leia mais

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015

Edital de Processo Seletivo Nº 21/2015 Editl de Processo Seletivo Nº 21/2015 O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO PIAUÍ, SENAC-PI, no uso de sus tribuições regimentis, torn público que estão berts

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 6ª Região / MG - Ano 13 - nº 18 - Dezembro de 2013

Conselho Regional de Educação Física da 6ª Região / MG - Ano 13 - nº 18 - Dezembro de 2013 FECHAMENTO AUTORIZADO. PODE SER ABERTO PELA ECT. Conselho Regionl de Educção Físic d 6ª Região / MG - Ano 13 - nº 18 - Dezembro de 2013 FOTO: Felipe Diniz/SEEJ SEMINÁRIO CREF6/MG e Secretri de Estdo de

Leia mais

Saúde. do Hom 1 SEMANA DO. Av. Osvaldo Rodrigues Cabral, 1570 Sala 208 Centro - Florianópolis - SC - 880015-710 3024-8002 (48) www.ictushomem.com.

Saúde. do Hom 1 SEMANA DO. Av. Osvaldo Rodrigues Cabral, 1570 Sala 208 Centro - Florianópolis - SC - 880015-710 3024-8002 (48) www.ictushomem.com. e Súde de Vid e d d i em Qul do Hom di interncionl do homem Av. Osvldo Rodrigues Cbrl, 1570 Sl 208 Centro - Florinópolis - SC - 880015-710 e Súde de Vid e d d i em Qul do Hom I SEMANA DO - FLORIANÓPOLIS

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

Avaliação do projeto de educação ambiental do CMIA de Viana do Castelo - Escola da Natureza

Avaliação do projeto de educação ambiental do CMIA de Viana do Castelo - Escola da Natureza Lilin Mri Pereir Vsconcelos Avlição do projeto de educção mbientl do CMIA de Vin do Cstelo - Escol d Nturez Mestrdo em Gestão Ambientl e Ordenmento do Território Trblho efetudo sob orientção do Professor

Leia mais

Resumo Executivo. Violência contra a mulher

Resumo Executivo. Violência contra a mulher S T U L s R E K Q F zs B x f b w s X R e R y P Z K O q u A r G J M e z YLU E p z P c o Resumo Executivo iolênci contr mulher estudo revel predominânci de viés policilesco n cobertur noticios do tem Estudo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

I:~GOVERNO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES. ~t~ Presidente do COSEMS/PB. 't~'. DAPARAIBA

I:~GOVERNO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COMISSÃO INTERGESTORES. ~t~ Presidente do COSEMS/PB. 't~'. DAPARAIBA :~GOVERNO 't~'. DAPARABA SECRETARA DE ESTADO DA SAÚDE COMSSÃO NTERGESTORES BPARTTE Resolução n Q 4/1 João Pesso, 04 de junho de 201 A Comissão ntergestores Biprtite no uso de sus tribuições legis e, Considern

Leia mais