OS EFEITOS DO TREINAMENTO INTERVALADO E DO TREINAMENTO CONTÍNUO NA REDUÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM MULHERES ADULTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS EFEITOS DO TREINAMENTO INTERVALADO E DO TREINAMENTO CONTÍNUO NA REDUÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM MULHERES ADULTAS"

Transcrição

1 3 Artigo Original Pós graduação Lato-Senso em Fisiologia e Avaliação Morfofuncional - Universidade Gama Filho OS EFEITOS DO TREINAMENTO INTERVALADO E DO TREINAMENTO CONTÍNUO NA REDUÇÃO DA COMPOSIÇÃO CORPORAL EM MULHERES ADULTAS THE EFFECTS OF THE INTERVAL TRAINING AND OF THE CONTINUOUS TRAINING IN THE REDUCTION OF THE CORPOREAL COMPOSITION IN ADULT WOMEN BRASILIA DF Michel Santos Colônia Agrícola Vicente Pires 141/1 LT 1/3/5 Taguatinga Distrito Federal Cep: Tel: (61) / Michel Santos¹ Patrick Novaes¹ Eduardo França¹ Regiane Mary Cunha¹ Marina Maia¹ RESUMO As pesquisas mostram que tanto o treinamento intervalado quanto o treinamento contínuo têm efeitos semelhantes na resistência aeróbia (Cunningham et al.,1979; Edy et al.,1979; Gregory,1979), não havendo evidências que possam especificar a superioridade de um sistema sobre o outro na melhoria da capacidade aeróbia. Ambos os métodos podem vir a ter sucesso, sabendo que a capacidade cardiorrespiratória é composta pelo condicionamento aeróbio e anaeróbio (Brooks, 2000). Porém, os efeitos sobre a redução de percentual de gordura são divergentes entre adeptos ao treinamento contínuo e do treinamento intervalado, sendo assim, o presente trabalho, através de uma comparação entre os dois métodos, busca trazer uma contribuição científica sobre o assunto e cooperar com outros estudos que tendem a surgir sobre o assunto. O seguinte estudo tem por objetivo principal averiguar as alterações na composição corporal dentro de um treinamento intervalado quando comparado com o treinamento contínuo. Foram avaliadas trinta (30) mulheres adultas na faixa etária de 18 a 40 anos, com no mínimo cinco semanas de atividades aeróbias em academia. Os resultados foram analisados estaticamente por meio do teste t de students para amostras dependentes e o nível de significância foi de p< 0,05. A amostra apresentou uma média de idade de 26,66 ± 8,06 anos para as alunas que participaram do grupo de treinamento contínuo, já no treinamento intervalado a média de idade das alunas foi de 32,11± 6,61. Na avaliação antropométrica inicial do grupo de treinamento contínuo obteve-se uma média de 24,80 ± 7, 69, já na avaliação antropométrica inicial realizada no grupo de treinamento intervalado a média encontrada foi de 30,94 ± 5,91. As avaliações finais do treinamento contínuo obtiveram uma média de 23,50 ± 6, 46, enquanto no treinamento intervalado as medida encontrada foi de 27,21± 4,55. A análise estatística do resultado do grupo contínuo mostrou que não houve uma diferença significativa (p>0,05), sendo a diferença entre as médias de 1,31% de gordura corporal. A partir dos resultados da análise estatística, no grupo de treinamento intervalado observou-se uma diferença significativa (p<0,05), onde a diferença entre as médias foi de 3,73% de gordura. Palavras-chaves: Treinamento contínuo; Treinamento intervalado, EPOC. ¹ ABSTRACT The researches show that both the interval training and the continuous training have similar effects in the aerobic resistance (Cunningham et al,1979.; Edy et al,1979.; Gregory,1979), not there being evidences that can specify the superiority of a system about the other in the improvement of the aerobic capacity. Both methods can come to have success, knowing that the capacity cardio-respiratory is composed by the aerobic and anaerobic conditioning (Brooks, 2000). However, the effects on the reduction of percentile of fat are divergent input followers to the

2 4 continuous training and of the interval training, being this way, the present work, through a comparison input both methods, search bring a scientific contribution about the subject and to cooperate with other studies that tend to arise about the subject. The following study has for main goal to ascertain the alterations in the corporeal composition inside a interval training when compared with the continuous training. They were evaluated thirty (30) adult women in the of age band from 18 to 40 years, with at least five weeks of aerobic activities in academy. The results were analyzed statically by means of the test t of students for dependent samples and significance level belonged to p< 0,05. The sample introduced an age average of 26,66 8,06 years for the pupils that took part in the group of continuous training, already in the interval training the age average of the pupils belonged to 32,11 6,61. In the evaluation anthropometrical initial of the group of continuous training it obtained an average of 24,80 7, 69, already in the evaluation anthropometrical initial accomplished in the interval training group the found average belonged to 30,94 5,91. The final evaluations of the continuous training obtained an average of 23,50 6, 46, while in the interval training the found measure belonged to 27,21 4,55. The statistical analysis of the result of continuous group showed that there was not a significant difference (p>0,05), being the difference among averages of 1,31% of corporeal fat. From the results of statistical analysis, in the interval training group a significant difference was observed (p<0,05), where the difference among averages belonged to 3,73% of fat. Keywords: Interval Training; Continuous Training, EPOC. INTRODUÇÃO Obesidade é uma alta porcentagem de gordura corporal, usualmente > 25% para homens e >32% para mulheres. Isso corresponde a valores do IMC de 27,8 para homens e 27,3 para mulheres (Lohman, 1993).Estudos recentes sugerem que o sobrepeso e a obesidade estão relacionados a inúmeras doenças, como o risco de morte súbita e doenças cardiovasculares (Powers & Howley, 2000). Muitas controvérsias vêm surgindo sobre redução do percentual de gordura na composição corporal, uma delas é a relação dos treinamentos intervalados e contínuos, onde a discussão antiga sobre a melhor forma de reduzir a gordura corporal esbarra em opiniões distintas sobre a eficácia desses dois métodos de treinamento. Assim, buscamos através desse estudo averiguar qual método de treinamento seria mais confiável, tentando, dessa forma contribuir para que essa questão tome um rumo mais coerente e menos controverso. As pesquisas mostram que tanto o treinamento intervalado quanto o treinamento contínuo têm efeitos semelhantes na resistência aeróbia (Cunningham et al.,1979; Edy et al.,1979; Gregory,1979), não havendo evidências que possam especificar a superioridade de um sistema sobre o outro na melhoria da capacidade aeróbia. Ambos os métodos podem vir a ter sucesso, sabendo que a capacidade cardiorrespiratória é composta pelo condicionamento aeróbio e anaeróbio (Brooks, 2000). Porém, os efeitos sobre a redução de percentual de gordura são divergentes entre adeptos ao treinamento contínuo e do treinamento intervalado,

3 5 sendo assim, o presente trabalho, através de uma comparação entre os dois métodos, busca trazer uma contribuição científica sobre o assunto e cooperar com outros estudos que tendem a surgir sobre o assunto. Treinamento Contínuo O treinamento contínuo se baseia nos exercícios tipicamente aeróbios, também chamados de exercícios cíclicos, cuja duração é prolongada com intensidade baixa, moderada ou alta (50 a 85% do VO2 máx.) em ritmo cadenciado, provocando uma melhoria no transporte de oxigênio até o nível celular desenvolvendo a resistência aeróbia (Wilmore, Costill, 1988). Este treinamento, geralmente é aplicado abaixo do limiar anaeróbio evitando-se a produção excessiva de ácido láctico (Rontoyannis, 1988). Propicia um relativo conforto em sua realização pela instalação de steady-state, tornando-se particularmente adequado para iniciantes em atividades físicas ou para os que almejam reduzir gordura corpórea por meio de considerável gasto energético. Segundo Fox et al. (1992) a determinação da zona alvo de treinamento contínuo pela freqüência cardíaca varia de acordo com os objetivos propostos, idade e a aptidão aeróbica de cada um. Esta zona alvo pode ser estimada pelos limiares mínimo e máximo da freqüência cardíaca máxima. (FCmáx. = idade). Estes limiares de freqüência cardíaca são, aproximadamente, 60 e 85% da freqüência cardíaca máxima, sendo a zona alvo ou zona sensível ao treinamento o intervalo entre estes dois limiares (McArdle et al., 1998). Mantendo-se a freqüência cardíaca a aproximadamente 70% da máxima o exercício aeróbio pode ser considerado suficientemente intenso para estimular efeitos salutares positivos em indivíduos aptos, entretanto, não deve ser extenuante, pois quando muito prolongado o treinamento pode resultar na síndrome de supertreinamento ou fadiga, afastando o praticante do treinamento por tempo considerado (Shepard & Astrand, 1992). Bastam sessões entre 30 e 40 minutos de duração para que os indivíduos adultos aprimorem sua aptidão cardiorrespiratória (Ribeiro, 1995). Treinamento Intervalado O treinamento intervalado consiste na aplicação repetida de exercícios e períodos de descanso de modo alternado (Brooks, 2000). Sua prescrição fundamenta-se na intensidade e tempo de duração dos exercícios, menor volume

4 6 e maior intensidade, nos respectivos intervalos de recuperação, na quantidade de repetições do intervalo exercício-recuperação e freqüência de treinamento por semana (Fox et al., 1992). Segundo Fox et al. (1992), este método de treinamento vem sendo muito utilizado para aumentar a capacidade de captação de oxigênio pelos músculos trabalhados, pois em comparação ao treinamento contínuo, proporciona menor grau de fadiga pela maior atuação da via energética de sistema ATP-CP e conseqüentemente, menor produção de ácido lático. Isto se deve aos intervalos de descanso que, após cada exercício interrompido, reabastecem pelo sistema aeróbio as quotas de ATP-CP esgotados no período dos exercícios, compensando parte do débito de oxigênio e colocando novamente o ATP-CP como fonte geradora de energia. Em outras palavras, a fadiga produzida pelo trabalho intermitente convertese em intensidade de trabalho, possibilitando a melhoria da capacidade energética dos músculos ativados (Ribeiro, 1995). A duração do esforço deve ser inversamente proporcional à sua intensidade, devendo os estímulos mais intensos ser aplicados em curtos intervalos de tempo e vice-versa. No trabalho intermitente, as repetições variam em função do sistema energético trabalhado, repetindo-se em maior número os estímulos anaeróbicos em relação aos estímulos aeróbicos (Smith et al., 1993). O condicionamento intervalado pode aumentar a capacidade de suportar por mais tempo trabalhos no limite do metabolismo aeróbio (Lamb, 1984). Em virtude disso, os níveis de aptidão e dispêndio calórico total podem aumentar consideravelmente, sendo mais efetivo na redução de gordura corporal do que o treinamento contínuo para alguns indivíduos (Tremblay et al., 1994). O condicionamento intervalado pode ajustar o sistema nervoso a uma melhor adaptação aos padrões motores, tornando o movimento particularmente muito mais econômico (Sleamaker, 1989). Segundo McArdle et al. (1991), os processos aeróbios do corpo, sendo estimulados pelo treinamento intervalado aumentam a capacidade celular de sustentar taxas mais altas de transferência de energia aeróbia em relação aos esforços de intensidade mais alta. Quando uma atividade estiver acima dos níveis de repouso, é um fato fisiológico bem estabelecido que mais carboidratos e menos gorduras sejam metabolizados por cada caloria gasta. Isto parece sustentar a premissa de que

5 7 assim que o exercício se torna crescentemente mais intenso, um menor total de gorduras é metabolizado. De fato, dados fisiológicos relacionados à utilização de carboidratos e gorduras para um determinado período de tempo, sustentam o fato de que logo que o exercício se torna crescentemente intenso, menos gordura é metabolizada por cada caloria gasta, mas um número maior de gordura total e calorias são utilizados de maneira geral (Romijim et al., 1993). Segundo o próprio Romijim et al. (1993) e Achten et al. (2002) uma má interpretação destas informações conduz freqüentemente a conclusões equivocadas em relação à intensidade de exercício ideal para maximizar o dispêndio calórico total e dispêndio de gordura. Em termos de perda de gordura, a maioria das pesquisas mostra que não é importante a porcentagem de gordura ou carboidrato metabolizado por caloria durante a atividade, mas sim, o que é importante é o número total de calorias gastas na atividade (Kaminsk et al., 1993; Ballor et al., 1990). Embora seja verdade dizer que quando a intensidade de exercício é aumentada, uma pequena porcentagem de gordura de cada caloria metabolizada é utilizada, no fim de esforço de exercício mais intenso, mais oxigênio total será consumido durante um determinado período de tempo. Mais oxigênio consumido é igual a mais calorias totais metabolizadas, porque para cada litro de oxigênio consumido, cinco calorias são gastas. Então, uma pequena porcentagem de gordura utilizada por caloria, multiplicada por mais calorias totais gastas, equivale a mais gordura total sendo utilizada (Lanforgia et al., 1997). Imediatamente após o exercício, o metabolismo permanece elevado por vários minutos. A magnitude e a duração desse metabolismo elevado são influenciadas pela intensidade do exercício (Barnard & Foss, 1969; Gore & Withers, 1990; Powers et al, 1987). A captação de oxigênio é maior e permanece elevada alta durante um período mais longo após o exercício de alta intensidade em comparação com um exercício de intensidade baixa a moderada (Gore & Withers, 1990).Evidências recentes revelaram que somente cerca de 20% do débito de oxigênio é utilizado para converter o ácido lático produzido durante o exercício em gliconeogênese (Powers & Howley, 2000). Vários fatores contribuem para o EPOC, onde parte do oxigênio consumido no início do período de recuperação é utilizado para ressintetizar a creatinafosfato armazenada nos músculos e repor estoques de oxigênio nos músculos e

6 8 sangue. Outros fatores que contribuem com a porção lenta do EPOC incluem a temperatura corporal elevada, o oxigênio necessário para converter ácido lático em glicose (gliconeogênese) e os níveis sanguíneos elevados de adrenalina e noradrenalina (Gladden et al.,1982; Gore & Withers,1990).Com isso, os efeitos do consumo de oxigênio pós-exercício fazem com que o gasto calórico de uma atividade relativamente intensa aumentem de forma considerável (Turcotte et al., 1995). MATERIAIS E MÉTODOS Amostra Foram avaliadas trinta (30) mulheres adultas na faixa etária de 18 a 40 anos, com no mínimo cinco semanas de atividades aeróbias em academia. As voluntárias são todas alunas da Academia Nova Geração/CREF0001-DF, localizada na cidade de Ceilândia, Distrito Federal.Todas as participantes deram seu consentimento por escrito para participarem do estudo, após receberem todas as informações sobre o trabalho. Procedimento Experimental As trinta alunas foram submetidas a uma avaliação antropométrica inicial onde foram registradas as dobras cutâneas, medidas através de um adipômetro (CESCORF), conhecendo assim, seus respectivos percentuais de gordura A freqüência de trabalho foi estipulada em três sessões de treinamento por semana, tanto para o Treinamento Intervalado, quanto para o Treinamento Contínuo. As alunas foram divididas em dois grupos distintos, sendo o primeiro composto por quinze (15) alunas com média de idade de 32,11 anos, onde executaram o trabalho de treinamento intervalado, proposto por uma atividade de 40 minutos em esteira (LX 160, Moviment), devendo ser atingido 90% de sua freqüência cardíaca máxima (FCmáx=220-idade) em cada estímulo de trabalho, sendo, que ao chegar na freqüência de trabalho estipulada a intensidade diminuira até se obter uma freqüência cardíaca (POLAR) de 120 bpm (faixa de recuperação). O segundo grupo foi composto por quinze (15) mulheres com a média etária de 26,6 anos, executando o trabalho proposto de treinamento contínuo, realizando uma atividade de 40 minutos em esteira (LX 160, Moviment), devendo

7 9 atingir 70% da freqüência cardíaca máxima (FCmáx=220-idade), tendo que manter essa freqüência (POLAR) até o término de sua atividade. Após 12 semanas de treinamento as alunas foram submetidas a uma nova avaliação antropométrica e tiveram seus percentuais de gordura comparados, analisando os resultados obtidos no início do estudo com os resultados obtidos em seu final. Análise Estatística As avaliações antropométricas foram realizadas entre os dias 19 de agosto a 19 de outubro de 2002, sendo realizadas pelo mesmo avaliador; Os resultados foram analisados estaticamente por meio do teste t de students para amostras dependentes e o nível de significância foi de p< 0,05. As características descritivas da amostra (n=30) e as variáveis analisadas neste estudo estão representadas abaixo. A amostra apresentou uma média de idade de 26,66 ± 8,06 anos para as alunas que participaram do grupo de treinamento contínuo, já no treinamento intervalado a média de idade das alunas foi de 32,11± 6,61. Na avaliação antropométrica inicial do grupo de treinamento contínuo obteve-se uma média de 24,80 ± 7, 69, já na avaliação antropométrica inicial realizada no grupo de treinamento intervalado a média encontrada foi de 30,94 ± 5,91. As avaliações finais do treinamento contínuo obtiveram uma média de 23,50 ± 6, 46, enquanto no treinamento intervalado as medida encontrada foi de 27,21± 4,55. A análise estatística do resultado do grupo contínuo mostrou que não houve uma diferença significativa (p>0,05), sendo a diferença entre as médias de 1,31% de gordura corporal. A partir dos resultados da análise estatística, no grupo de treinamento intervalado observou-se uma diferença significativa (p<0,05), onde a diferença entre as médias foi de 3,73% de gordura. CONCLUSÃO O estudo concluiu que o treinamento intervalado através de um aporte maior de oxigênio e um gasto maior de calorias a cada sessão de treinamento (Romijim et al., 1993; Achten et al., 2002; Lanforgia et al., 1997) propiciou uma

8 10 redução com nível de significância considerável, em uma redução do percentual de gordura nas mulheres avaliadas, enquanto no treinamento contínuo esse nível não foi atingindo de forma favorável. As pesquisas mostram que tanto o treinamento intervalado quanto o treinamento contínuo têm efeitos semelhantes na resistência aeróbia (Cunningham et al., 1979; Edy et al.,1979; Gregory,1979), não havendo evidências que possam especificar a superioridade de um sistema sobre o outro na melhoria da capacidade aeróbia. Ambos os métodos podem vir a ter sucesso, sabendo que a capacidade cardiorrespiratória é composta pelo condicionamento aeróbio e anaeróbio (Brooks, 2000). Porém, concluiu-se que, em relação à redução do percentual de gordura, o treinamento intervalado se fez mais eficiente em virtude dos efeitos que o EPOC têm sobre a atividade relatividade intensa, fazendo com o gasto calórico desse tipo de trabalho seja maior do que em um trabalho com intensidade baixa. Sugere-se que mais estudos sobre o assunto sejam desenvolvidos. REFERÊNCIAS 1.ACHTEN et al. MSSE. V. 34, n BALLOR, Douglas L., et al., Exercise intensity does not affect the composition of diet and exercise induced body mass loss. American Journal of Clinical Nutrition, v.51, p BARNARD,R.,FOSS, M., Oxygen debt: Effect of beta adrenergic blockade on the lactacid and alactacid components. Journal of Applied Physiology, v. 70, p BROOKS, Douglas S., Program design for personal trainers IDEA Personal Trainer CUNNINGHAM, D. A..,et al., Cardiovascular response to interval and continuous training in women. European Journal of Applied Physiology. v. 41, p EDY, D. O., et al.,the effects of continuous and interval training in women and men. European Journal of Applied Physiology. v. 37, p FOX, E.L., BOWERS, R.W. & MERLE, L.F., Bases Fisiológicas da Educação Física e dos Desportos. 4 ed.rio de Janeiro: Guanabara Koogan

9 11 8.GLADDEN,L.B. et al. Net lactate uptake during progressive steady-level contractions in canine muscle. Journal of Applied Physiology. v.71,p GORE,C., WITHERS,R., Effect of exercise intensity and duration on postexercise metabolism. Journal of applied Physiology. v.68, p GREGORY, L. W.. The development of aerobic capacity: A comparison of continuous and interval training. Research Quarterly. v. 50, p KAMINSK, L. and MITCHELL W., Effect of Interval-Type Exercise on Excess Post Exercise Oxygen Consumption (EPOC) in Obese and Normal- Weight Women. Med.Exerc.Nutr.Health: v.2, p LAMB, David. Physiology of Exercise Responses and Adaptations. New York, NY: Macmillan Publishing Company LANFORGIA, J.,WITHERS,R.T., SHIPP, N. J. and GORE, C. J..Comparison of Energy Expenditure Elevations After Submaximal And Supramaximal Running. J. Appl. Physiol. v.82,n.2,p LOHMAN,T. G., and S. B. Going. Multicomponent models in body composition research: opportunities and pitfalls. In Human body compositions, eds. K.J. Ellis and J.D.Eastman.New York: Plenum Press, McARDLE, W., KATCH, F., and KATCH, V., Exercise Physiology Energy, Nutrition and Human Performance. 3 rd Edition. Malvern PA; Lea and Febiger McARDLE, W.D., KATCH, F.I. & KATCH, V.L., Fisiologia do Exercício - Nutrição e Desempenho Humano. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan MONTEIRO, W.D., Personal Training - Manual para Avaliação e Prescrição de Condicionamento Físico. Rio de Janeiro: Sprint POWERS, S., et al., Oxygen deficit-debt relationship in ponies submaximal treadmill exercise. Respiratory Physiology, v.70,p POWERS, S.K..,HOWLEY, E.T. Fisiologia do Exercício-Teoria e Aplicação ao Condicionamento Físico e ao Desempenho, São Paulo: Manole RIBEIRO, J.P. Limiares Metabólicos e Ventilatórios durante o Exercício.Aspectos Fisiológicos e Metodológicos. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. V.64, n. 2, p RONTOYANNIS, George P., Lactate elimination From the Blood During Active Recovery. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, Vol.28, p

10 ROMIJIM et al.,am. J. Physiol. V.265,n.28. p SHEPARD, Roy, and ASTRAND, P.O., Editors, Endurance in Sport. Boston, MA: Blackwell Scientific Publications SLEAMAKER,Rob.Serious training for Serious Athletes. Champaign, IL: Human Kinetics Publishers SMITH, J.; MCNAUGHTON, L. The Effects of Intensity of Exercise and Excess Post-Exercise Oxygen Consumption and Energy Expenditure in Moderately Trained Men and Women, Eur. J. Appl. Physiol. V. 67, p TREMBLAY A; SIMONEAU JA; BOUCHARD C. Impact of exercise intensity on body fatness and skeletal muscle metabolism. Metabolism, Jul, V.43, n.7, p TURCOTTE, L. et. al., Lipid metabolism during exercise. In Exercise Metabolism, p Champaign, IL; Human Kinects WILMORE, J. H. and COSTILL, D. L. Training for Sporting and Activity, Dubuque, IA: WM. C. Brown publishers.1988.

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

A importância do treinamento intervalado em programas de redução de peso e melhoria da composição corporal

A importância do treinamento intervalado em programas de redução de peso e melhoria da composição corporal A importância do treinamento intervalado em programas de redução de peso e melhoria da composição corporal Profa. Patrícia Alves de Almeida, Prof. Ms. Cássio Mascarenhas Robert Pires Resumo Várias pesquisas

Leia mais

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. ISSN 1981-9919 versão eletrônica

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. ISSN 1981-9919 versão eletrônica 34 O TREINAMENTO DE RESISTENCIA MUSCULAR LOCALIZADA COMO INTERVENÇÃO NO EMAGRECIMENTO Victor Hugo Araújo Santos 1,2, Wellington Ferreira do Nascimento 1,3, Rafaela Liberali 1 RESUMO Foram selecionados

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE?

PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? PLATAFORMA VIBRATÓRIA EMAGRECE? Amaral, Mayra Ternes¹; Noronha, Alessandra Ferreira de² ¹Pós Graduanda em Fisioterapia Dermatofuncional Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada (CEAFI - Pós graduação);

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

EFEITOS DO ANDAMENTO MUSICAL SOBRE A FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM PRATICANTES DE GINÁSTICA AERÓBICA COM DIFERENTES NÍVEIS DE APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA

EFEITOS DO ANDAMENTO MUSICAL SOBRE A FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM PRATICANTES DE GINÁSTICA AERÓBICA COM DIFERENTES NÍVEIS DE APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA EFEITOS DO ANDAMENTO MUSICAL SOBRE A FREQÜÊNCIA CARDÍACA EM PRATICANTES DE GINÁSTICA AERÓBICA COM DIFERENTES NÍVEIS DE APTIDÃO CARDIORRESPIRATÓRIA Artur Guerrini Monteiro, FMU e UNICID Sérgio Gregório

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA EM CIRCUITO NA PERDA E NO CONTROLE DO PESO CORPORAL CIRCUIT FORCE TRAINING IN LOSS AND BODY WEIGHT CONTROL

TREINAMENTO DE FORÇA EM CIRCUITO NA PERDA E NO CONTROLE DO PESO CORPORAL CIRCUIT FORCE TRAINING IN LOSS AND BODY WEIGHT CONTROL Revista Conexões v. 4, n. 2, 2006 31 TREINAMENTO DE FORÇA EM CIRCUITO NA PERDA E NO CONTROLE DO PESO CORPORAL CIRCUIT FORCE TRAINING IN LOSS AND BODY WEIGHT CONTROL Resumo Prof. João Paulo Limongi França

Leia mais

A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado

A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado ISSN-1980-7341 1 A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado Rafael Bordini da Silva 1 Eduardo Adrião de Araújo Silva 2 RESUMO Através do presente estudo verificamos

Leia mais

$YDOLDo}HVGDFRPSRVLomRFRUSRUDO HPFOLHQWHVGHSHUVRQDOWUDLQLQJ

$YDOLDo}HVGDFRPSRVLomRFRUSRUDO HPFOLHQWHVGHSHUVRQDOWUDLQLQJ $YDOLDo}HVGDFRPSRVLomRFRUSRUDO HPFOLHQWHVGHSHUVRQDOWUDLQLQJ %RG\FRPSRVLWLRQDVVHVVPHQWVRISHUVRQDOWUDLQHUFXVWRPHUV * Esp. em Treinamento Desportivo e Personal Trainer (UDESC) ** Mestre em Ergonomia / Universidade

Leia mais

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS

ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO COM CONTRAÇÕES RECÍPROCAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA PÂMELLA RIBEIRO RODRIGUES ANÁLISE DAS RESPOSTAS NEUROMUSCULARES DOS EXTENSORES DO JOELHO APÓS PROGRAMA DE EXERCÍCIO RESISTIDO

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira

DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira DIFERENÇA DE RESULTADOS EM TREINOS AERÓBIOS DE ALTA INTENSIDADE COM E SEM INGESTÃO DE ÁGUA E BEBIDAS ISOTÔNICAS Guilherme Giorgi Pauleti Moreira RESUMO O presente trabalho visa mostrar o quanto é importante

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS REPETIDOS (RAST)

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS REPETIDOS (RAST) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL MATHEUS SIQUEIRA ANDRADE INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO PARA O CONTROLE DO PESO CORPORAL DE MULHERES COM IDADE ENTRE 18 E 30 ANOS DO MUNICÍPIO DE CACOAL-RO

TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO PARA O CONTROLE DO PESO CORPORAL DE MULHERES COM IDADE ENTRE 18 E 30 ANOS DO MUNICÍPIO DE CACOAL-RO Recebido em: 23/01/2009 Emitido parece em: 28/03/2009 Artigo original TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO PARA O CONTROLE DO PESO CORPORAL DE MULHERES COM IDADE ENTRE 18 E 30 ANOS DO MUNICÍPIO DE CACOAL-RO Rafael

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS. CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física BRUNA COSTA MARTINS EFICIÊNCIA DA PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS RESISTIDOS ATRAVÉS

Leia mais

ASPECTOS FISIOLÓGICOS E METABÓLICOS DO RPM : UMA REVISÃO SISTEMÁTICA.

ASPECTOS FISIOLÓGICOS E METABÓLICOS DO RPM : UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. ASPECTOS FISIOLÓGICOS E METABÓLICOS DO RPM : UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Bruna Coninck Araujo Acadêmica do Curso de Educação Física. Guilherme Weiss Freccia Professor Orientador. Centro de Ciências da Saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO: Fisioterapia TURMA: Terceiro Período A HORARIO: Segundas-feiras às 21hs (1) e Terças-feiras às 20hs10mim (2) COMPONENTE

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

Avaliação Aguda Do Consumo De Oxigênio E Queima De Gordura Em Indivíduos Jovens Do Sexo Masculino Após Sessão De Exercícios Resistidos

Avaliação Aguda Do Consumo De Oxigênio E Queima De Gordura Em Indivíduos Jovens Do Sexo Masculino Após Sessão De Exercícios Resistidos Avaliação Aguda Do Consumo De Oxigênio E Queima De Gordura Em Indivíduos Jovens Do Sexo Masculino Após Sessão De Exercícios Resistidos Siomara F. M. de Araújo, Nicolle Seroni, Anderson Cruz, Viviane Manoel,

Leia mais

EMAGRECIMENTO POR MEIO DA INTENSIDADE DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM AULAS DE CYCLING INDOOR

EMAGRECIMENTO POR MEIO DA INTENSIDADE DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS EM AULAS DE CYCLING INDOOR Artigo apresentado no II Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2011-2 Coordenação, organização e formatação final: Prof. Dr. Rodrigo Irani Medeiros EMAGRECIMENTO POR MEIO DA INTENSIDADE DAS ATIVIDADES

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR

CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Revista CPAQV - Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida - ISSN: 2178-7514 v.1, n. 2, 2009 CONTRIBUIÇÕES PARA A QUALIDADE DE VIDA DOS PRATICANTES DE BIKE INDOOR Thiago Vinicius Krzesinski Guanis

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Departamento de Fisiologia Curso: Educação Física NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Aluno: Anderson de Oliveira Lemos Matrícula: 9612220 Abril/2002 Estrutura de Apresentação Líquidos Eletrólitos Energia

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT

ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT ALTERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO CORPORAL E CONDICIONAMENTO FÍSICO DE MULHERES PRATICANTES DO JUMP FIT Kilvia Paula Nogueira da Silva 1 ; Danilo Lopes Ferreira Lima 1 ; André Accioly Nogueira Machado 2 ; Frederico

Leia mais

Comparação de diferentes índices obtidos em testes de campo. campo para predição da performance aeróbia de curta duração no ciclismo

Comparação de diferentes índices obtidos em testes de campo. campo para predição da performance aeróbia de curta duração no ciclismo Comparação de diferentes índices obtidos em testes de campo para predição da performance aeróbia de curta duração no ciclismo Comparison of different indices obtained in track tests for aerobic performance

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA CHEGUE ELEGANTE À PRAIA E TENHA MAIS SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Por Personal Trainer Rui Barros BENEFICIOS DO EXERCICIO FISICO E INFLUÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA: Os benefícios de um estilo de vida fisicamente

Leia mais

ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR

ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR ATIVIDADE FISICA E NUTRIÇÃO: UM PROGRAMA DE SAUDE INTERDISCIPLINAR 2 ELIANE SEGUNDA 1 ; 2 LORENE S. YASSIN ANZUATEGUI ; 3 ANTONIO CARLOS FRASSON. Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais, Ponta Grossa,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE EMAGRECIMENTO UTILIZADAS PELOS FREQUENTADORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE FORTALEZA

ESTRATÉGIAS DE EMAGRECIMENTO UTILIZADAS PELOS FREQUENTADORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE FORTALEZA ESTRATÉGIAS DE EMAGRECIMENTO UTILIZADAS PELOS FREQUENTADORES DE ACADEMIAS DA CIDADE DE FORTALEZA Renné Mazza Cruz 1 ; Danilo Lopes Ferreira Lima 1, Alex Soares Marreiros Ferraz 1, Walter José Cortêz Diógenes

Leia mais

SUMÁRIO. Página LISTA DE TABELAS LISTA DE FIGURAS

SUMÁRIO. Página LISTA DE TABELAS LISTA DE FIGURAS i DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho aos meus pais Helcio (in memorian) e Alina, com todo meu amor e gratidão, por tudo que fizeram por mim ao longo de minha vida. Desejo poder ter sido merecedor do esforço

Leia mais

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD

RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD RESPOSTA CRÔNICA DA PRESSÃO ARTERIAL SISTÓLICA EM DIFERENTES MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FORÇA: DELORME VERSUS OXFORD Dailson Paulucio da Silva Graduando em Educação Física dailson_educacaofisica@yahoo.com.br

Leia mais

O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). RESUMO

O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). RESUMO O EFEITO DO TREINO RESISTIDO COMO MEIO DE DIMINUIR O PERCENTUAL DE GORDURA CORPORAL (PGC). Adriana Cristina Barriviera Prada 1 Eduardo Salerno 2 Rafael Andre de Araujo 3 Francisco José Andriotti Prada

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

Fundamentos Metodológicos do Treinamento Desportivo

Fundamentos Metodológicos do Treinamento Desportivo DISCIPLINA CP200 NOME Fundamentos Metodológicos do Treinamento Desportivo Horas Semanais Teóricas Práticas Laboratório Orientação Distância Estudo em Casa Sala de Aula 03 00 01 00 00 00 04 Nº semanas Carga

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES SANTOS, M. R(1)(2)(3) (1) Docente da Faculdade geremário Dantas/FGD RJ Brasil (2) Mestre em Ciência da Motricidade Humana Universidade

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO

PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO PERSONAL TRAINER INTRODUÇÃO O fenômeno do personal trainer teve seu início na década de 90. Nesta mesma época, com os avanços tecnológicos como a internet, que permitiram que um grande número de estudos

Leia mais

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D.

TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. TEORIA DO TREINAMENTO DE NATAÇÃO Ernest W. Maglischo, Ph.D. INTRODUÇÃO A proposta deste artigo é apresentar um plano de treinamento dos sistemas de energia nas provas de natação. As informações serão apresentadas

Leia mais

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade.

SAÚDE. Apresentação do tema: Saúde. É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. Apresentação do tema: Saúde É um completo bem estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença ou enfermidade. 1.Desenvolvimento das Capacidades Motoras - Resistência - Força - Velocidade

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO.

COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. COMPORTAMENTO DA PRESSÃO ARTERIAL E DA VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA APÓS O EXERCÍCIO AERÓBIO E COM PESOS REALIZADOS NA MESMA SESSÃO. Natália Serra Lovato (PIBIC/CNPq-UEL) e Marcos Doederlein Polito

Leia mais

Se você está lendo esse livro, tenho certeza que estou diante de uma pessoa inteligente e ética.

Se você está lendo esse livro, tenho certeza que estou diante de uma pessoa inteligente e ética. Se você está lendo esse livro, tenho certeza que estou diante de uma pessoa inteligente e ética. Por isso mesmo, sei que temos a mesma opinião sobre a pirataria: Ela é injusta, errada, além de crime, segundo

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO

COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO COMPARAÇÃO DO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE UNIVERSITÁRIAS OBTIDO PELA ERGOESPIROMETRIA NA ESTEIRA E NO CICLOERGÔMETRO Maria Cristina Andrade Lopes Graduada Educação Física pelo Unileste-MG. Carlos Augusto

Leia mais

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória

Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória Avaliação da Aptidão Cardiorrespiratória VO2 Máximo Depende do estado funcional do sistema respiratório, cardiovascular e dos músculos esquelé>cos É um indicador do estado de saúde: Baixos níveis de VO2

Leia mais

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO

REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO 50 REPETIÇÕES MÁXIMAS COM 90% DA 1RM NOS EXERCÍCIOS SUPINO RETO E LEG PRESS APÓS AQUECIMENTO ESPECÍFICO E ALONGAMENTO ESTÁTICO MAXIMUM REPETITIONS WITH 90% OF 1MR IN BENCH PRESS AND LEG PRESS EXERCISES

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

APLICAÇÕES DO LIMIAR ANAERÓBIO DETERMINADO EM TESTE DE CAMPO PARA O CICLISMO: COMPARAÇÃO COM VALORES OBTIDOS EM LABORATÓRIO *

APLICAÇÕES DO LIMIAR ANAERÓBIO DETERMINADO EM TESTE DE CAMPO PARA O CICLISMO: COMPARAÇÃO COM VALORES OBTIDOS EM LABORATÓRIO * 26 APLICAÇÕES DO LIMIAR ANAERÓBIO DETERMINADO EM TESTE DE CAMPO PARA O CICLISMO: COMPARAÇÃO COM VALORES OBTIDOS EM LABORATÓRIO * RESUMO Os objetivos deste estudo foram: 1) Verificar a confiança de um protocolo

Leia mais

EFEITOS CRÔNICOS DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE TREINAMENTO DE FORÇA NO PROCESSO DE EMAGRECIMENTO EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

EFEITOS CRÔNICOS DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE TREINAMENTO DE FORÇA NO PROCESSO DE EMAGRECIMENTO EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EFEITOS CRÔNICOS DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE TREINAMENTO DE FORÇA NO PROCESSO DE EMAGRECIMENTO EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO André Luiz Oliveira Veloso, Alex Sander Freitas RESUMO O presente estudo destaca

Leia mais

ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO.

ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO. ALTERAÇÕES MORFÓLOGICAS E FUNCIONAIS EM MULHERES OBESAS, DECORRENTES DE TREINAMENTO AERÓBICO, DIETA HIPOCALÓRICA E ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO. Roberto Fernandes da Costa (Prof. Curso de Ed. Física da USP)

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MUSCULAÇÃO NA PREVENÇAO DA OBESIDADE 1

INFLUÊNCIA DA MUSCULAÇÃO NA PREVENÇAO DA OBESIDADE 1 INFLUÊNCIA DA MUSCULAÇÃO NA PREVENÇAO DA OBESIDADE 1 Paulo César França Pereira Júnior 2 André Matheus de Almeida Ribeiro 3 RESUMO: Este estudo constitui-se de grande importância, já que traz uma revisão

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA

PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA QUEDISTA Título: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA O CURSO BÁSICO PÁRA-QUEDISTA Categoria/Assunto: ASSUNTO PROFISSIONAL DE INTERESSE MILITAR Autor: CAPITÃO DE

Leia mais

Atividade física relacionada à Qualidade de Vida

Atividade física relacionada à Qualidade de Vida Atividade física relacionada à Qualidade de Vida LUIZ GUSTAVO LOPES PIRES 1 JOSÉ MÁRIO PRAZERES FERREIRA JÚNIOR 2 ADNILSON ROCHA DA SILVA 3 Resumo. O presente artigo científico é uma pesquisa sobre a atuação

Leia mais

Força e Resistência Muscular

Força e Resistência Muscular Força e Resistência Muscular Prof. Sergio Gregorio da Silva, PhD Objetivos do Treinamento com Pesos Aumento da massa muscular Força Potência Velocidade Resistência Muscular Localizada Equilibro Coordenação

Leia mais

NUTRIÇÃO ESPORTIVA E Í

NUTRIÇÃO ESPORTIVA E Í NUTRIÇÃO ESPORTIVA E FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Í Resposta p neuro-endócrina durante o exercício físico. Metabolismo energético no exercício aeróbico X exercício anaeróbico. óbi MsC. Roberta Maria Miranda

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR Jacques Douglas ROMÃO 1 RESUMO Na profissão Bombeiro Militar, muitas das atividades profissionais realizadas no dia

Leia mais

Palavras-chaves: Futebol, Resistência Aeróbia, Ergoespirometria.

Palavras-chaves: Futebol, Resistência Aeróbia, Ergoespirometria. ANÁLISE COMPARATIVA DOS RESULTADOS OBTIDOS NO TESTE DE ERGOESPIROMETRIA EM JOGADORES DE FUTEBOL DE CAMPO DAS CATEGORIAS INFANTIL E JUVENIL DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ACIARIA IPATINGA-MG Bráulio Ferreira de

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues

FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues FATORES INTERVENIENTES NO GANHO DA MASSA MUSCULAR Jakeline Castro de Oliveira Ana Maria da Silva Rodrigues RESUMO: O presente trabalho, de cunho bibliográfico, tem como objetivo discutir os fatores intervenientes

Leia mais

Dedicatória. À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes.

Dedicatória. À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes. ii Dedicatória À memória do meu querido avô Amaro, nunca te esquecerei. Aos meus filhos António e Cecília, pelos momentos ausentes. iii iv Agradecimentos Uma investigação desta tipologia envolve, directa

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1

EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO. Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia 1 Revista Hórus, volume 6, número 1 (Jan-Mar), 2012. 48 EFEITO DE DIFERENTES ESTRATÉGIAS DE AQUECIMENTO NO DESEMPENHO DOS TESTES DE 1RM NO SUPINO RETO Lucas Henrique Foganholi 1 e Débora Alves Guariglia

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física 0 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO Bacharelado em Educação Física SULINO, R. M.; LAMOGLIA, L. J. A PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO AERÓBIO A PARTIR

Leia mais

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades.

Estudo das teorias + experimentação destes conceitos e adaptação para os diferentes esportes, e atividades. METODOLOGIA DO TREINAMENTO DESPORTIVO I O que é? Organização dos conteúdos do treinamento através de métodos. Para que serve? - Melhorar aproveitamento das capacidades de performance dos indivíduos; -

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 6CCSDEFMT05 DIFERENÇAS NO COMPORTAMENTO GLICÊMICO EM RESPOSTA A EXERCÍCIO DE CORRIDA E DE MUSCULAÇÃO Suênia Karla Pacheco Porpino (1) ; Angelo Barbosa Agnoleti (2) ; Alexandre Sérgio Silva (3) Centro de

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo

Métodos Treino e. CEF Cardio - Resumo Métodos Treino e Máquinas Cardiovasculares CEF Cardio - Resumo 3 Vias de ressíntese Energia (revisão) Conceito Resistência (fadiga) Níveis de Intensidade Metabólica Métodos de Treino Cardiovascular Máquinas

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEFMT01 ESTUDO DA FREQÜÊNCIA CARDÍACA (FC), PRESSÃO ARTERIAL (PA) E DUPLO- PRODUTO (DP) EM EXERCÍCIOS DE CORRIDA E NATAÇÃO Alison Germano Rocha da Silva (1), Alexandre Sérgio Silva (3). Centro de Ciências

Leia mais

A influência do ciclo menstrual no desempenho de atletas de futebol feminino

A influência do ciclo menstrual no desempenho de atletas de futebol feminino Artigo Original A influência do ciclo menstrual no desempenho de atletas de futebol feminino Survey for areas of professionals trained in a post graduation program of Pilates Jefferson Cabral de Carvalho

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PERFIL NUTRICIONAL E CONSUMO DE MACRONUTRIENTES POR CORREDORES DA CIDADE DE MARINGÁ, PR Daniele Aparecida Capelato 1 ; Bruno Guilherme Morais Pagan 2 ;

Leia mais

Curso de Educação Física Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Presbiteriana Mackenzie Barueri SP, Brasil. 2

Curso de Educação Física Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Presbiteriana Mackenzie Barueri SP, Brasil. 2 ARTIGO ORIGINAL Efeito dos exercícios resistido e aeróbio sobre a massa corporal de mulheres adultas com sobrepeso: Influência da ordem de execução Effect of aerobic and resistance exercises on the body

Leia mais

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM

Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM Prof. Leandro Carvalho CEMAFE Unifesp/EPM FISIOLOGIA DO LACTATO LACTATO x EXERCÍCIO FÍSICO METODOLOGIA DA AVALIAÇÃO DO LACTATO FISIOLOGIA DO LACTATO Metabolismo anaeróbio lático; Formação do lactato; Acúmulo

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

ANOREXIA EM ALUNAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ANOREXIA EM ALUNAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte 2006, 5(especial):23-30 ANOREXIA EM ALUNAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Faculdade de Educação Física da ACM de Sorocaba Resumo: Anorexia caracteriza-se pelo intenso

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS DURANTE UMA TEMPORADA REGULAR

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS DURANTE UMA TEMPORADA REGULAR Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Educação Física e Desportos Dhiego Gustavo Ferreira Torga Liliane Cunha Aranda INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO DE VOLEIBOL NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DAS ATLETAS

Leia mais