Vida Útil de Baterias Tracionárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vida Útil de Baterias Tracionárias"

Transcrição

1 Vida Útil de Baterias Tracionárias

2 Seção 1 Introdução. Seção 2 Vida Útil Projetada. ÍNDICE Seção 3 Fatores que Afetam a Vida Útil da Bateria. Seção 3.1 Problemas de Produto. Seção 3.2 Problemas de Manutenção. Seção 3.3 Problemas de Operação Profundidade de Descarga Corrente de Descarga Corrente de Recarga Volume de Recarga Temperatura de Operação Densidade da Solução Ácida Armazenamento da Bateria. Seção 4 Seleção da Bateria Correta.

3 1 Introdução. O que é uma bateria? Uma bateria é um dispositivo que converte a energia química contida em materiais ativos diretamente em energia elétrica através de reações eletroquímicas de oxi-redução (redox). Este tipo de reação envolve transferência de elétrons de um material para outro através de um circuito elétrico. Embora o termo bateria ser freqüentemente usado, a unidade eletroquímica básica é a célula. Uma bateria consiste de uma ou mais dessas células, conectadas em série ou em paralelo, ou ambos, dependo da produção desejada de voltagem e capacidade. As exigências principais para aplicação de baterias tracionárias são; ciclo de vida máxima, densidade de energia elevada e custo baixo. Em uma aplicação em empilhadeiras elétricas o peso da bateria é geralmente necessário para contrabalançar a máquina em operação. As baterias tracionárias são projetadas geralmente para ter a capacidade limitada pela quantidade de eletrólito e não pelo material ativo nas placas. Isso é feito para limitar a profundidade da descarga e com isso proteger as placas e o máximo de sua vida. A capacidade da bateria é limitada geralmente pela placa positiva. A falha da bateria, para avaliação do ciclo de vida, é considerada quando sua capacidade atinge entre 60-80% de sua capacidade nominal avaliado na descarga da bateria. Alguns usuários esperam somente receber a vida útil projetada pelo fabricante da bateria, mas se esquecem que para que isso seja possível todo processo de utilização / manutenção devem ser seguidos conforme indicado pelo fabricante.

4 2 Vida Útil Projetada. A vida útil projetada das baterias Vida Útil Projetada ( Ciclos de Descargas ). HDP foram dimensionada para pelo menos 1500 ciclos em serviço com descarga no máximo 100 de 80% de sua capacidade 90 nominal a uma tensão mínima de 1,7 Volts por elemento em 80 circuito fechado. 70 As normas de testes para 60 projeto, seguem a especificação do padrão internacional conforme norma IEC Padrão Industrial de Fabricação. Capacidade da Bateria ( % ). Previamente a associação nacional dos fabricantes elétricos (NEMA) criou um padrão para testar a capacidade de baterias Tracionárias. Então, alguns anos depois, aqueles padrões foram fundidos no Conselho de Bateria Internacional - BCI para testes de capacidade. O padrão BCI assegura que todo teste deve ser executado a um denominador comum e define o padrão mínimo aceitável de fabricação do produto pela indústria contra uma bateria com problemas. Em resumo, o Conselho de Bateria Internacional BCI define que a bateria deve durar pelo menos 1500 ciclos com capacidade de no mínimo 80% de sua capacidade nominal a uma tensão mínima de 1,7 Volts por elemento em circuito fechado. Ciclos

5 3 Fatores que Afetam a Vida Útil da Bateria. Os fatores que afetam a vida útil das baterias tracionárias estão divididos em três classes principais. Problemas do Produto, Manutenção e Operação. 3.1 Problemas do Produto. Bateria - Considera-se o problema da bateria quando sua capacidade nominal não atende no mínimo 80% de sua capacidade em 6 horas durante o período de 1500 ciclos seguindo as recomendações do fabricante. Elementos Quando 1 ou mais elementos da bateria plenamente carregada apresentam Tensão e Densidade nominal menor que o especificado pelo fabricante durante os 120 ciclos iniciais; Densidade de 1280±10 g/dm³ a 30ºC ( especificado ). Tensão de 2,125 V. a 30ºC ( especificado ). Observação Para o diagnóstico de problemas com um ou mais elementos da bateria, a mesma deve estar plenamente carregada, não haja desequalização da densidade da solução ácida dos elementos e não tenha sofrido descarga profunda.

6 3.2 Problemas de Manutenção. Bateria - Considera-se problema de manutenção da bateria quando as recomendações passadas através do manual de Instruções & Operação do fabricante da bateria não forem seguidas. Incluindo as fichas de acompanhamento diário através de elemento Piloto e mensal da bateria completa. Carregador - Considera-se problema de manutenção em carregador quando o mesmo não está ajustado ao tipo de bateria a ser carregada. A recomendação dos fabricantes de carregadores para a manutenção de seus equipamentos deve ser trimestral. Serviços de Manutenção Algumas empresas fazem opção por terceirização, Muitas empresas fazem manutenção em Baterias e Carregadores sem os conhecimentos necessários, colocando em risco seu patrimônio, pois fazem opção por funcionários sem treinamento.

7 3.3 Problemas de Operação. Na operação da bateria é onde encontramos os principais fatores que afetam a vida útil das baterias tracionárias. O não cumprimento das recomendações para os limites nas especificações do produto reduzem drasticamente o número de ciclos da bateria Profundidade de Descarga. Quanto maior for a profundidade de descarga da bateria, maior será a quantidade de deterioração e desagregação do material ativo das placas dos elementos. Uma descarga mais profunda resulta também em uma corrente proporcionalmente maior do carregador, que resulte por sua vez em sobrecarregar e em uma corrosão mais severa da placa positiva. No geral, quanto mais profunda a descarga, mais baixo o número dos ciclos que uma bateria pode atender. Por exemplo, na profundidade de 50% da descarga, uma bateria tracionária pode dar aproximadamente 2000 ciclos, mas na profundidade de 80% da descarga, somente 1500 ciclos podem se esperar. % do Ciclo de Vida Nominal Efeito tipico da profundidade de descarga nos ciclos de vida da Bateria Profundidade de Descarga, % em Regime de 8 horas.

8 3.3.2 Corrente de Descarga. A determinação da corrente de descarga para cada operação é fundamental para que não haja descargas profunda nos elementos e como conseqüência a redução da vida da bateria. Quanto mais elevada for a corrente de descarga da bateria, maior será a quantidade de deterioração e desagregação do material ativo das placas dos elementos. Por exemplo, uma bateria descarregada em regime de 30 minutos dura aproximadamente 70% de uma bateria similar descarregada em regime de cinco horas. A corrente de descarga aplicada para cada regime de operação não deve ultrapassar os valores especificados pelo fabricante, o não cumprimento causará descargas profundas na bateria. ( valores de tensão menor que 1,7 Volts por Elemento ). Para a determinação da máxima corrente de descarga para a bateria, proceder conforme especificado no gráfico da página seguinte;

9 Tensão por Elemento ( V. ) 2,10 2,00 1,90 1,80 1,70 1,60 1,50 Curva Característica de Descarga a 30 C C B A 0, Tempo de Descarga ( horas ) Para a determinação da corrente de descarga, proceder conforme exemplo abaixo; Bateria 9 HDP V. 8 horas 6 horas 5 horas Cd = Cn x Npe Th Cd = Cn x Npe Th Cd = Cn x Npe Th Cd = 152 x 4 8 Cd = 140 x 4 6 Cd = 135 x 4 5 Cd = 76 A Cd = 93 A Cd = 108 A PLACA HDP HDP HDP HDP HDP HDP HDP HDP CAPACIDADE NOMINAL 8 horas 6 horas 5 horas 55 Ah 52 Ah 50 Ah 63 Ah 60 Ah 58 Ah 86 Ah 80 Ah 77 Ah 108 Ah 100 Ah 98 Ah 118 Ah 108 Ah 107 Ah 125 Ah 117 Ah 115 Ah 152 Ah 140 Ah 135 Ah 175 Ah 161 Ah 155 Ah A B C Onde; Cd - Corrente de Descarga. Cn - Capacidade Nominal. Npe - Número de placas positivas por elemento. Th - Tempo em horas. Para determinar o número de placas positivas do elemento, subtrair 1 do número de placas total e dividir por 2. Exemplos; 7 HDP 441 = ( 7-1 ) / 2 = 3 Placas. 13 HDP 560 = ( 13-1 ) / 2 = 6 Placas.

10 3.3.3 Corrente de Recarga. Durante o estágio final de recarga da bateria, a corrente aplicada para equalização da solução ácida é controlada e específica para a capacidade da bateria. Quando o valor da corrente é mais elevado, a temperatura do eletrólito aumentará, ocasionando corrosão e desagregação do material ativo das placas positivas. Estes fatores encurtarão bàsicamente a vida útil da bateria. Para a determinação da máxima corrente de recarga para a bateria, proceder conforme especificado no gráfico da pagina seguinte; Volume de Recarga. As baterias devem ser recarregadas com 10% a mais dos ampére-hora consumido durante o ciclo de descarga. A corrente inicial deve ser entre 18 a 20% da capacidade nominal da bateria, sendo melhor aplicada quando a bateria estiver com temperatura abaixo de 35ºC. A corrente final deve ser entre 3 a 5% da capacidade nominal da bateria, dependendo do tempo de vida da bateria, sendo melhor aplicada quando a bateria estiver com temperatura abaixo de 35ºC.

11 Curva Característica de Recarga em Baterias Tracionárias. Corrente de Carga ( A /100 Ah ) Tensão de Carga por elemento Quantidade de Carga ( A ) 22 ( % ) ( V. ) 18 2, , ,50 2,45 Ah Reposto Ah Reposto , ,30 6 2, ,10 2 2,00 0 1, ,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 7,0 7,5 8,0 8,5 Tempo de Carga ( horas )

12 3.3.5 Temperatura de Operação. A temperatura pode influenciar tanto no rendimento como na vida útil da bateria. Seu melhor rendimento é alcançado operando a temperaturas de 20ºC à 38ºC. Durante a carga, normalmente observa-se um aumento de temperatura, este entretanto, nunca deve ultrapassar 45ºC para evitar danos irreversíveis à bateria. Porcentagem da Vida Normal da Bateria ( 100% a 33 C ) ( % ) Influência da Temperatura na Vida Útil da Bateria ( Equação de Arrhenius ) Temperatura ( C ) Uma temperatura diária do eletrólito da média de 45 C reduzirá a vida útil prevista aproximadamente à metade. Em torno de 50%.

13 3.3.6 Densidade da solução Ácida. Solução ácida com densidade a cima de 1,300 g/dm3 à 30ºC afetarão seriamente a vida da bateria, pois irá acelerar a corrosão das grades através da estratificação da solução. Solução ácida baixa causará ineficiência do carregador, tendo como resultado a sulfatação das placas. 3 ( g/dm ) Densidade a 30 C. Tensão de carga por elemento em circuito fechado. ( V. ) Não recarregar a bateria se a densidade estiver acima deste ponto. 2,12 2, , , , , , Limite de Descarga 1, Percentual de Descarga

14 3.3.7 Armazenamento da Bateria. Para baterias em estoque, a recarga deve ser feita a cada 3 meses. Se uma bateria tracionária for deixada em estoque por muito tempo, haverá sulfatação das placas podendo ser difícil e/ou impossível converter este sulfato cristalizado em material ativo novamente, tendo como resultado a redução na capacidade e da vida útil da bateria. O gráfico abaixo mostra que em 3 meses em estoque a densidade da solução ácida cairá de 1280 g/dm³ para próximo de 1240 g/dm³ Retenção de Carga de Baterias em Estoque. 0 Queda na densidade específica, pts Meses de armazenamento à 30 C

15 4 Seleção da Bateria Correta. Os fatores principais para determinar a bateria (apropriada) para a operação específica de veículos elétricos são: Horas da descarga Corrente de descarga Tensão da pilha da extremidade Temperatura do eletrólito O teste de uso padrão de cada veículo diferirá nas horas da operação, a freqüência de paralisação no uso e bateria em repouso. As seguintes passos abaixo explicam como selecionar a bateria correta. 1 Efetue o teste padrão de tempo de descarga elétrica. Para o teste será necessário um equipamento registrador de consumo de corrente DATALOGER. O gráfico ao lado mostra um exemplo de consumo de corrente em um determinado tempo. CORRENTE DE DESCARGA ( A ) EXEMPLO DE TESTE ELÉTRICO PADRÃO NA OPERAÇÃO TEMPO DE OPERAÇÃO ( segundos )

16 2 Simplifique o teste padrão como mostrado abaixo. TESTE DE DESCARGA ELÉTRICA SIMPLIFICADA NA OPERAÇÃO. I2 I1 = Média da corrente na movimentação da máquina. I2 = Corrente máxima T1 = Tempo operacional total na movimentação ( min. ) T2 = Período de tempo em pico de corrente (min.) T2 I1 T1

17 3 - Consulte o gráfico de fator de capacidade que relaciona a tensão requerida do elemento na profundidade de descarga desejada. Como um exemplo, faça avaliação de uma operação em 6 horas com uma tensão final de 1,7 V. por elemento à 30 C. Neste caso, o fator da capacidade (K) é 8. Relacão de Capacidade/Fator de Tempo Ajustado para Tensão Final do Elemento. 20 Temperatura = 30 C CAPACIDADE / FATOR DE AJUSTE DE TEMPO ,5 0,4 0,3 1,9 V.P.E 1,8 V.P.E 1,7 V.P.E 0,4 0, TEMPO DE DESCARGA ( minutos )

18 4 A capacidade elétrica requerida pode ser obtida na seguinte fórmula. C = K1 x I1 x (I 2 de +K 2 - I 1) C: Capacidade (AH/8hs) em 30 C. I 1, I 2 : Corrente de descarga K 1, K 2 : Fator da capacidade na tensão do elemento com profundidade de 1.70V por elemento à 30 C com relação a T 1, T 2. Outros pontos a considerar para a seleção da bateria correta são; - Quando a bateria não estiver totalmente carregada na operação. - Baterias com vida mais elevada tem capacidade diminuída. Portanto, para o dimensionamento da bateria, considerar 25% a mais de capacidade como medida de segurança. Exemplo. I1 = 45A I2 = 300A T 1 = 480 minutos T 2 = 45 minutos Tensão final do elemento = 1,7 V.p.e Temperatura = 30 C Fator de Segurança = 1,25 K 1 = 7,8 K 2 = 1 Capacidade = 1.25x [K1I1 + K 2 (I2 - I1) ] = 1.25[ 7,8 x x (300-45) ] Capacidade da Bateria = 757Ah. Em 8 horas.

19 As informações contidas nesta apresentação, foram elaboradas para se obter o melhor desempenho possível na relação vida útil / utilização da bateria.

1- CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS

1- CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1- CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS As baterias tracionárias TSF são construídas com base em dois materiais principais: Chumbo (Pb) e Ácido Sulfúrico (H 2 SO 4 ). Toda a bateria é composta de: - GRELHAS: feitas

Leia mais

FREEDOM. Manual Técnico Bateria estacionária S.A.C. 0800161644. Sorocaba, 25 de julho de 2008

FREEDOM. Manual Técnico Bateria estacionária S.A.C. 0800161644. Sorocaba, 25 de julho de 2008 Sorocaba, 25 de julho de 2008 Manual Técnico Bateria estacionária FREEDOM S.A.C. 0800161644 Enertec do Brasil Ltda Av. Independência, 2757 Sorocaba - SP 1.1 Objetivo 1 - Introdução Este manual técnico

Leia mais

Engenheiro em Eletrônica (FACENS/Sorocaba 2002). Técnico em Eletrotécnica (ETE Rubens de Faria e Souza/Sorocaba 1996).

Engenheiro em Eletrônica (FACENS/Sorocaba 2002). Técnico em Eletrotécnica (ETE Rubens de Faria e Souza/Sorocaba 1996). Sistemas de Energia DC - Baterias em Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de baterias para uso em infra-estrutura de telecomunicações. James Clayton de Vasconcelos Engenheiro em Eletrônica

Leia mais

*Capacitores. Prof. Jener Toscano Lins e Silva

*Capacitores. Prof. Jener Toscano Lins e Silva Capacitores Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É um dispositivo usado para filtrar ruídos ou armazenar cargas elétricas. *É constituído por dois condutores (ou placas) paralelos separados por um isolante

Leia mais

Quem analisa bons negócios, escolhe Heliar.

Quem analisa bons negócios, escolhe Heliar. Equipamentos de PrecisAo Heliar Quem analisa bons negócios, escolhe Heliar. Importancia do diagnostico preventivo Seguranca e tranquilidade ao seu cliente Como qualquer peça do veículo, a bateria também

Leia mais

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR

RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR RISCO DE EXPLOSÃO EM SALA DE BATERIAS COMO EVITAR Recentemente estive envolvido na elaboração de um laudo técnico pericial referente ao um princípio de incêndio ocorrido em um local onde estavam sendo

Leia mais

ELETRODO OU SEMIPILHA:

ELETRODO OU SEMIPILHA: ELETROQUÍMICA A eletroquímica estuda a corrente elétrica fornecida por reações espontâneas de oxirredução (pilhas) e as reações não espontâneas que ocorrem quando submetidas a uma corrente elétrica (eletrólise).

Leia mais

Megôhmetro Digital de 12kV

Megôhmetro Digital de 12kV Megôhmetro Digital de 12kV Funções: Maior flexibilidade para testar máquinas de alta tensão, se comparado aos instrumentos comuns com tensão de medição de 5/10kV. A alta corrente de curto aumenta a velocidade

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

As baterias Estacionárias Freedom são fabricados na planta da Johnson Controls, o fabricante que mais entende de baterias no mundo.

As baterias Estacionárias Freedom são fabricados na planta da Johnson Controls, o fabricante que mais entende de baterias no mundo. As baterias Estacionárias Freedom são fabricados na planta da Johnson Controls, o fabricante que mais entende de baterias no mundo. Na cidade-de Sorocoba, interior do estado de São Paulo, numa área de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO M A N U A L B A T E R I A C H U M B O - Á C I D A S E L A D A MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BATERIAS CHUMBO-ÁCIDAS SELADAS COM RECOMBINAÇÃO DE GÁS POWERSAFE VF ÍNDICE 1.0 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. FONTE NoBreak 360W

MANUAL DO USUÁRIO. FONTE NoBreak 360W MANUAL DO USUÁRIO FONTE NoBreak 360W 2 1 Contém: 1 cabo tripolar; 1 manual do usuário; 1 fonte NoBreak Fonte NoBreak Online 24V/10A 360W: Procedimento de instalação: Ao receber a fonte, verificar a integridade

Leia mais

O MERCADO DE BATERIAS TRACIONÁRIAS

O MERCADO DE BATERIAS TRACIONÁRIAS Carregadores de O MERCADO DE BATERIAS TRACIONÁRIAS «Tempo é dinheiro..." ou "O barato sai caro..." Provérbios de todos os grandes empresários... Mas se sua empresa perde tempo com máquinas paradas por

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES FONTE DE ALIMENTAÇÃO AUTOMOTIVA USINA MODELO: SUV-14460BV Fonte Chaveada Usina 60A-14,4V Antes de Efetuar qualquer ligação em sua fonte, leia atentamente o manual de instruções. Apresentação

Leia mais

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.

Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012. António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up. Capítulo 3 Documento Rascunho Eurico Ferreira S.A. 23 de Fevereiro de 2012 António Luís Passos de Sousa Vieira 070503362 ee07362@fe.up.pt Capítulo 3 Baterias Solares As baterias solares, também conhecidas

Leia mais

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga

CAPACITOR. Simbologia: Armazenamento de carga CAPACITOR O capacitor é um componente eletrônico capaz de armazenar cargas elétricas. É composto por duas placas de material condutor, eletricamente neutras em seu estado natural, denominadas armaduras,

Leia mais

MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V

MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V 1 MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V Cuidado Perigo A utilização imprópria do equipamento assim como a não observância das normas de segurança, pode agravar em ferimentos graves. Leia o manual

Leia mais

O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como:

O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como: Resumo - Alternador O uso dos diodos nos alternadores implicam numa série de cuidados, tais como: Não ligar a bateria com polaridade invertida; Não ligar o alternador sem carga ou retirar a carga com alternador

Leia mais

Associação de Geradores

Associação de Geradores Associação de Geradores 1. (Epcar (Afa) 2012) Um estudante dispõe de 40 pilhas, sendo que cada uma delas possui fem igual a 1,5 V e resistência interna de 0,25. Elas serão associadas e, posteriormente,

Leia mais

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores

www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores www.corradi.junior.nom.br - Eletrônica Básica - UNIP - Prof. Corradi Informações elementares - Projetos práticos. Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO

FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO FONTE NO-BREAK MANUAL TÉCNICO Sat5 Telecom www.sat5.com.br Última Revisão: 25/01/2012 Manual Técnico.:. Fonte No-Break.:. Sat5 Telecom 1 1. Modelos e diferenças As fontes no-break, são fornecidas em 2

Leia mais

Capacidade nominal = capacidade da bateria do banco de alimentação x tensão da bateria 3,7V/aumento de tensão 5V x eficiência de conversão

Capacidade nominal = capacidade da bateria do banco de alimentação x tensão da bateria 3,7V/aumento de tensão 5V x eficiência de conversão 1. Qual é a diferença entre as capacidades nominal e real do banco de alimentação? A. Diferenças: A capacidade real do banco de alimentação é a mesmo da sua bateria. No entanto, há uma diferença entre

Leia mais

Treinamento sobre carregadores KM suporte@kmcarregadores.com.br

Treinamento sobre carregadores KM suporte@kmcarregadores.com.br Treinamento sobre carregadores KM suporte@kmcarregadores.com.br O que é um carregador de baterias.... 3 Carregador convencional... 3 Transformador:... 3 Retificador:... 3 Controle eletrônico:... 4 Diagrama

Leia mais

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas

Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas Os capacitores são componentes largamente empregados nos circuitos eletrônicos. Eles podem cumprir funções tais como o armazenamento de cargas elétricas ou a seleção de freqüências em filtros para caixas

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC.

Manual de Instruções. Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C. A&C Automação e Controle. Rua: Itápolis nº 84 SBC. Manual de Instruções Carregador de Baterias BC800W 12V/50A A&C12V/50A A&C A&C Automação e Controle Rua: Itápolis nº 84 SBC. SP CEP: 09615-040 Tel: (11) 4368-4202 Fax: (11) 4368-5958 E-mail: aec@aecautomacao.com.br

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

I Retificador de meia onda

I Retificador de meia onda Circuitos retificadores Introdução A tensão fornecida pela concessionária de energia elétrica é alternada ao passo que os dispositivos eletrônicos operam com tensão contínua. Então é necessário retificá-la

Leia mais

A capacidade de carga total com uso moderado é de aproximadamente 80% após 300 ciclos.

A capacidade de carga total com uso moderado é de aproximadamente 80% após 300 ciclos. Segurança da bateria A HP encara a segurança com muita seriedade e disponibiliza Material Safety Data Sheets (MSDS) (Fichas de dados de segurança de material; em inglês) que fornecem informações gerais

Leia mais

Resistores e Associação de Resistores

Resistores e Associação de Resistores Parte I Resistores e Associação de Resistores 1. (Ufmg 2012) Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: c) 8. d) 12. e) 15. 4. (Ufu 2011)

Leia mais

De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer?

De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer? De repente sua bateria LiPO fica grávida. O que fazer? Você sabia que denominamos bateria ao conjunto de pilhas associadas em série ou paralelo? Dessa forma, podemos dizer que bateria é o coletivo de pilhas,

Leia mais

INSTRUÇÕES E AVISOS IMPORTANTES SOBRE SEGURANÇA. Orientações Gerais e Avisos

INSTRUÇÕES E AVISOS IMPORTANTES SOBRE SEGURANÇA. Orientações Gerais e Avisos INSTRUÇÕES E AVISOS IMPORTANTES SOBRE SEGURANÇA ATENÇÃO: DEVE LER antes de carregar ou utilizar o seu novo BATERIA baterias. não ler e seguir estas instruções pode resultar em incêndio, danos pessoais

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Joel Reni Herdina Jonatas Tovar Shuler Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 03: Efeitos da corrente elétrica sobre um fio material; Carga e descarga

Leia mais

Baterias Tracionárias

Baterias Tracionárias Baterias Tracionárias www.moura.com.br Acumuladores Moura As boas idéias tornam-se realidade com a ação de parceiros comprometidos. A Moura é assim: um empreendimento que reúne pessoas talentosas, processos

Leia mais

Baterias de Chumbo. A A bateria de chumbo-ácido cido foi inventada por. período que remonta aos primórdios rdios das células galvânicas.

Baterias de Chumbo. A A bateria de chumbo-ácido cido foi inventada por. período que remonta aos primórdios rdios das células galvânicas. UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E DA NATUREZA-CCEN DEPARTAMENTO DE QUIMICA Disciplina: FísicoF sico-química II Professora: Claudia Braga BATERIAS DE CHUMBO ALUNO: RONALDO

Leia mais

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de

Capítulo 1: Eletricidade. Corrente continua: (CC ou, em inglês, DC - direct current), também chamada de Capítulo 1: Eletricidade É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas ou em movimento e por sua interação. Quando uma carga encontra-se em repouso, produz força sobre outras situadas em

Leia mais

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58

Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A PR41 1,4 145 7,9 3,6 0,58 Produto Pilha de zinco-ar Nome do modelo IEC Nominal Nominal Diâmetro Altura Peso Tensão Capacidade (mm) (mm) (g) (V) (mah) PR10-D6A PR70 1,4 75 5,8 3,6 0,3 PR13-D6A PR48 1,4 265 7,9 5,4 0,83 PR312-D6A

Leia mais

IMPORTANTE. Guia Rápido de Instalação. Utilizando seu projetor AIPTEK V10 Pro para projetar imagens a partir do seu Notebook/PC.

IMPORTANTE. Guia Rápido de Instalação. Utilizando seu projetor AIPTEK V10 Pro para projetar imagens a partir do seu Notebook/PC. IMPORTANTE Guia Rápido de Instalação Utilizando seu projetor AIPTEK V10 Pro para projetar imagens a partir do seu Notebook/PC. Bem-vindo: Prezado usuário, obrigado por comprar este produto. Foi aplicado

Leia mais

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C

O Capacitor Q = V. C. V C = Vcc. (1 e t/τ ) τ = R. C O Capacitor Componente eletrônico constituído de duas placas condutoras, separadas por um material isolante. É um componente que, embora não conduza corrente elétrica entre seus terminais, é capaz de armazenar

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

Carregador de baterias. Manual do usuário. Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta deste manual do usuário.

Carregador de baterias. Manual do usuário. Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta deste manual do usuário. BATERIA PORTÁTIL MULTIFUNCIONAL 13.600 ma h Partida EM VEÍCULOS Carregador de baterias LANTERNA LED MULTIFUNÇÕES Manual do usuário Antes de iniciar a operação do dispositivo, recomenda-se a leitura atenta

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção.

Índice. 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. MODELO: BYG AR 1533 Índice 1. Advertência. 2. Características técnicas. 3. Aplicações. 4. Estrutura. 5. Instruções de uso e operação. 6. Manutenção. 7. Diagrama elétrico. 8. Diagrama hidráulico. 9. Peças

Leia mais

Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013

Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013 Sistemas de Engenharia - Automação e Instrumentação Grupo 1 2012/2013 Estado de Arte Sistemas de Armazenamento de Energia Elaborado por: Afonso Lopes Rui Marcelino Indíce 1. Introdução...

Leia mais

ÍNDICE. Edição Maio/2007

ÍNDICE. Edição Maio/2007 ÍNDICE Pg. 1.0. INTRODUÇÃO...04 2.0. PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO...04 3.0. CAPACIDADE AMPÉRE-HORA...06 4.0. RECEBIMENTO...06 5.0. OPERAÇÃO...07 6.0. DENSIDADE...10 7.0. TEMPERATURA...14 8.0. CARGA...15

Leia mais

MODELOS: ART 1545 - ART 1553

MODELOS: ART 1545 - ART 1553 MODELOS: ART 1545 - ART 1553 Índice 1. Advertência 2. Características Técnicas 3. Características e parâmetros técnicos 4. Aplicações 5. Estrutura 6. Instruções de uso e operação 7. Manutenção 8. Diagrama

Leia mais

Prof.: Geraldo Barbosa Filho

Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 07 GERADORES E RECEPTORES 5- CURVA CARACTERÍSTICA DO GERADOR 1- GERADOR ELÉTRICO Gerador é um elemento de circuito que transforma qualquer tipo de energia, exceto a elétrica, em energia elétrica.

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Capacitores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br

Capacitores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Capacitores Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Capacitor Consiste em doiscondutores separados por um isolante, ou material dielétrico. Capacitores armazenam energia elétrica por

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho.

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Para que nosso produto tenha um resultado positivo, é de fundamental importância que o Manual

Leia mais

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO

REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO REDE CABEADA CFTV MANUAL DO USUÁRIO Sumário Página 4: Quadro completo Disjuntores Transformador isolador Protetor elétrico Fonte primária VT CFTV Funcionalidades Baterias Página 6: Ponto de distribuição

Leia mais

DADOS TÉCNICOS BATERIAS:

DADOS TÉCNICOS BATERIAS: DADOS TÉCNICOS BATERIAS: Perguntas a serem respondidas por este artigo: - como funciona a bateria? - qual bateria eu compro pro meu carro? - por que minha bateria não carrega mais? - de quanto em quanto

Leia mais

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda

Fátima Sarmento, professora de Química da turma 12CT3/ 2011-2012. Escola Secundária Francisco de Holanda Título do Vídeo: Redox Fotogénica Nome dos participantes: João Ribeiro,12CT3 João Paulo Fernandes, 12CT3 Pedro Faria,12CT3 Sandra Durães,12CT3 Sara Neves, 12CT3 Professor responsável: Fátima Sarmento,

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - O Gerador Elétrico

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - O Gerador Elétrico CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - O Gerador Elétrico CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Aprender como funciona o gerador elétrico

Leia mais

ESTUDO DE CASO DE VENTILAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL EM UMA SALA DE BATERIAS DO TIPO CHUMBO-ÁCIDAS

ESTUDO DE CASO DE VENTILAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL EM UMA SALA DE BATERIAS DO TIPO CHUMBO-ÁCIDAS 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 ESTUDO DE CASO DE VENTILAÇÃO NATURAL E ARTIFICIAL EM UMA SALA DE BATERIAS DO TIPO CHUMBO-ÁCIDAS Douglas Osternack (UTFPR) Douglasosternack@yahoo.com Carlos Augusto

Leia mais

MANUAL TÉCNICO BATERIAS SELADAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDO REGULADAS POR VÁLVULA (VRLA) ÍNDICE

MANUAL TÉCNICO BATERIAS SELADAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDO REGULADAS POR VÁLVULA (VRLA) ÍNDICE MANUAL TÉCNICO BATERIAS SELADAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDO REGULADAS POR VÁLVULA (VRLA) ÍNDICE 1.0 Regras gerais de segurança para operação e manutenção... 1 2.0 Informação sobre utilização... 2 2.1 Perfil

Leia mais

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua

Aula 4 Corrente Alternada e Corrente Contínua FUNDMENTOS DE ENGENHI ELÉTIC PONTIFÍCI UNIVESIDDE CTÓLIC DO IO GNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHI ula 4 Corrente lternada e Corrente Contínua Introdução Corrente lternada e Corrente Contínua Transformadores

Leia mais

CATÁLOGO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONTROLADORES SOLARES

CATÁLOGO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONTROLADORES SOLARES CATÁLOGO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA CONTROLADORES SOLARES PLURIGÁS SOLAR ENERGIAS LDA. - End: Urb. António Aleixo -1, 4820-358 Fafe, Portugal Controladores MPPT Características Controlador de carga solar

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ESPECIFICAÇÕES

1. INTRODUÇÃO 2. ESPECIFICAÇÕES 1. INTRODUÇÃO O timer TI-10 foi projetado para atender a maior parte das necessidades de temporização em laboratórios, residências, lojas e nas indústrias. O microprocessador, a memória e o display do

Leia mais

QUASAR LIGHT. Apresentação, Instalação, Operação & Instruções de Programação

QUASAR LIGHT. Apresentação, Instalação, Operação & Instruções de Programação Os micro-sinalizadores de LED de alta intensidade QuasarLight dispõe da mais alta tecnologia que permite criar micro-sinalizadores em tamanho reduzido em um ampla variedade de formas, disponíveis nos modelos

Leia mais

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.

SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas. Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com. SOBRE NoBreak s Perguntas e respostas Você e sua empresa Podem tirar dúvidas antes de sua aquisição. Contulte-nos. E-mail = gsrio@gsrio.com.br O que é um nobreak? A principal função do nobreak é fornecer

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

AC1024 AC1424 / AC2524 AC1212 / AC2512 AC5012 / AC0848

AC1024 AC1424 / AC2524 AC1212 / AC2512 AC5012 / AC0848 Carregador de Baterias Manual do Usuário Modelo: Top Gear AC1024 AC1424 / AC2524 AC1212 / AC2512 AC5012 / AC0848 INSTRUÇÃO PARA INSTALAÇÃO E USO Aviso: A não observação destas informações, poderá causar

Leia mais

Sistemas de Armazenamento de Energia

Sistemas de Armazenamento de Energia Sistemas de Armazenamento de Energia (Storage Systems) Prof. Marcello Mezaroba Novembro 2012 Objetivos: Assegurar a confiabilidade do sistema elétrico; Melhoria da qualidade da energia fornecida; Integração

Leia mais

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA

Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Energia para realizar reações químicas: eletrólise do iodeto de potássio aquoso Existem reações químicas não espontâneas, mas que são realizadas com rapidez

Leia mais

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução

Pilhas e baterias. Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil. Introdução Como funcionam as pilhas e baterias por Marshall Brain - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução As baterias estão em todos os lugares, carros, computadores, laptops, MP3 players e telefones celulares.

Leia mais

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA

BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS BATERIAS ESTACIONÁRIAS CHUMBO-ÁCIDAS REGULADAS POR VÁLVULA Especificação Técnica 02.112 - TI/SI 917a GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA

Leia mais

GUIA RÁPIDO Monitor Cardíaco NEXCOR Modelo NX3L

GUIA RÁPIDO Monitor Cardíaco NEXCOR Modelo NX3L GUIA RÁPIDO Monitor Cardíaco NEXCOR Modelo NX3L Lista de símbolos... 02 Precauções... 03 Restrições... 04 Possíveis problemas de funcionamento e soluções... 06 Bateria... 07 Indicação de carga de bateria...

Leia mais

Capítulo X. Gestão proativa Monitoramento e manutenção de baterias de UPS Por Thiago Yokoyama Matsumoto* Instalações em cargas de missão crítica

Capítulo X. Gestão proativa Monitoramento e manutenção de baterias de UPS Por Thiago Yokoyama Matsumoto* Instalações em cargas de missão crítica 32 Instalações em cargas de missão crítica Capítulo X Gestão proativa Monitoramento e manutenção de baterias de UPS Por Thiago Yokoyama Matsumoto* Nos fascículos anteriores foram discutidos, adotar uma

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

Estudo das características de baterias recarregáveis possíveis de serem utilizadas no projeto Satélite Universitário, ITASAT

Estudo das características de baterias recarregáveis possíveis de serem utilizadas no projeto Satélite Universitário, ITASAT 1 Estudo das características de baterias recarregáveis possíveis de serem utilizadas no projeto Satélite Universitário, ITASAT Rafael Heleno Ladeira da Trindade Departamento de Engenharia Elétrica, Escola

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO DIGITAL UT-30B LOUD ÍNDICE A. Introdução B. Informações de segurança C. Símbolos elétricos internacionais D. Características E. Especificações F. Painel de operação G. Como

Leia mais

4 - (AFA-2003) Considere a associação da figura abaixo: As cargas, em C, de cada capacitor C1, C2 e C3 são, respectivamente:

4 - (AFA-2003) Considere a associação da figura abaixo: As cargas, em C, de cada capacitor C1, C2 e C3 são, respectivamente: 1 - (UEL-2003) A câmara de TV é o dispositivo responsável pela captação da imagem e pela transformação desta em corrente elétrica. A imagem é formada num mosaico constituído por grânulos de césio, que

Leia mais

Manual de Baterias Bosch

Manual de Baterias Bosch Manual de Baterias Bosch Manual de Baterias Bosch Índice 1. Introdução........................... 4 1.1 Avisos e Normas de Segurança.................4 1.2 Glossário..................................4 2.

Leia mais

GERADOR ELECTROQUÍMICO:

GERADOR ELECTROQUÍMICO: CARACTERÍSTICAS DE UMA PILHA A expressão corrente pilha eléctrica designa um gerador electroquímico não recarregável. GERADOR ELECTROQUÍMICO: Um gerador electroquímico é um dispositivo capaz de transformar

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança

Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança Instalações de Sistemas Fotovoltaicos e Recomendações de Segurança P R O F. C L O D O M I R O U N S I H U A Y V I L A, D R. E N G E N H A R I A E L É T R I C A U F P R C E N T R A I S E L É T R I C A S

Leia mais

Introdução; Recomendações sobre segurança; Procedimentos de Manutenção Preventiva Gerador Fotovoltaico; Baterias; Componentes de condicionamento de

Introdução; Recomendações sobre segurança; Procedimentos de Manutenção Preventiva Gerador Fotovoltaico; Baterias; Componentes de condicionamento de Introdução; Recomendações sobre segurança; Procedimentos de Manutenção Preventiva Gerador Fotovoltaico; Baterias; Componentes de condicionamento de potência; Procedimentos de Inspeção e Manutenção Corretiva;

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Disciplina: Físico-Química II Professora: Claudia Aluno: Julys Pablo Atayde Fernandes Células a Combustível:

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

Melhoria da Qualidade Buscar constantemente a melhoria do desempenho no trabalho, visando à excelência dos resultados.

Melhoria da Qualidade Buscar constantemente a melhoria do desempenho no trabalho, visando à excelência dos resultados. Sumário Introdução 5 Capacitor 6 Descarga do capacitor 9 Capacitância 12 Área das armaduras 12 Espessura do dielétrico 12 Natureza do dielétrico 12 Tensão de trabalho 14 Tipos de capacitores 15 Capacitores

Leia mais

Autor. O que você vai encontrar no manual

Autor. O que você vai encontrar no manual O que você vai encontrar no manual 1. Conceitos Fundamentais 2. Como identificar o recurso solar local 3. Como fazer o levantamento do consumo 4. Como escolher o módulo fotovoltaico 5. Produção de energia

Leia mais

Capacitor. Utilidade do Capacitor

Capacitor. Utilidade do Capacitor Capacitor Componentes que, embora não conduzam corrente elétrica entre seus terminais, são capazes de armazenar certa corrente, que será "descarregada", assim que não houver resistência entre seus terminais.

Leia mais

Aula 09. Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais

Aula 09. Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais Aula 09 Memórias e Circuitos Digitais Seqüenciais Introdução Os circuitos lógicos estudados até aqui são chamados de combinacionais (ou combinatórios). São assim chamados porque a sua saída depende apenas

Leia mais

Reserve Power Systems

Reserve Power Systems Visão Geral dos Produtos Motive Power Systems Reserve Power Systems Special Power Systems Service Benefícios das Baterias Standby HOPPECKE Segurança máxima - mais de 80 anos de experiência na fabricação

Leia mais

Catálogo Técnico 2015-2016 TRACIONÁRIA. Baterias para profissional

Catálogo Técnico 2015-2016 TRACIONÁRIA. Baterias para profissional Catálogo Técnico 2015-2016 TRACIONÁRIA Baterias para profissional Catálogo Técnico 2015-2016 CAT.T. 12.2014 HISTÓRICO As Indústrias Tudor foram fundadas em 1993 por um grupo de empresários com experiência

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

Unidade 12 - Capacitores

Unidade 12 - Capacitores Unidade 1 - Capacitores Capacidade Eletrostática Condutor Esférico Energia Armazenada em um capacitor Capacitor Plano Associação de Capacitores Circuitos com capacitores Introdução Os primeiros dispositivos

Leia mais

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas

AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas AULA #4 Laboratório de Medidas Elétricas 1. Experimento 1 Geradores Elétricos 1.1. Objetivos Determinar, experimentalmente, a resistência interna, a força eletromotriz e a corrente de curto-circuito de

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX 1 Sumário Treinamento específico e essencial.... 3 Manutenção, serviço e armazenamento.... 3 Inspeção... 3 Uso... 4 Tempo de vida do Produto.... 4 Garantia... 4

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais