Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto"

Transcrição

1 Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010

2 Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Universidade Federal de Juiz de Fora, como requisito parcial para a conclusão do curso de Bacharelado em Educação Física e Desportos. Orientador: Prof. Dr. Jorge Roberto Perrout de Lima Juiz de Fora 2010

3 Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS : Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Universidade Federal de Juiz de Fora, como requisito parcial para a conclusão do curso de Bacharelado em Educação Física e Desportos. Prof. Dr. Jorge Roberto Perrout De Lima Prof. Dro. Jefferson Macedo Vianna Prof. Dr. Mateus Camaroti Laterza Examinados em: / /.

4 AGRADECIMENTO A Deus que sempre esteve ao meu lado, iluminando meu caminho. Aos meus pais e minhas tias pelos ensinamentos para minha formação pessoal e incentivo por toda a vida. Aos primos, pelo companheirismo de sempre. Aos amigos que de alguma forma contribuíram para a elaboração deste trabalho. A Carolina por sua dedicação, incentivo, apoio constante e carinho. Ao meu orientador Jorge Roberto Perrout de Lima, pelos ensinamentos, apoio, orientações e paciência. Aos membros da banca Matheus Camaroti Laterza e Jefferson Macedo Vianna e demais professores da faculdade que tiveram participação na minha formação profissional. Aos amigos colaboradores da pesquisa.

5 RESUMO Um bom árbitro de futebol, além de possuir boas qualidades técnicas em relação a interpretações dos acontecimentos no jogo, deve sempre estar próximo ao lance para que possa tomar suas decisões com maior precisão e sucesso, para isso, é preciso que esteja bem condicionado fisicamente. O objetivo do estudo foi conhecer o comportamento da freqüência de árbitros que atuam em jogos amadores de futebol no decorrer da partida. A amostra foi composta por 8 árbitros,com idade entre 22 e 30 anos sendo todos pertencentes ao quadro da Liga de Futebol de Juiz de Fora.Os 8 árbitros que participaram da pesquisa foram determinados pelo processo de amostragem aleatória simples (sorteio), de acordo com suas escalas de trabalho. Eles utilizaram o monitor cardíaco durante partidas realizadas na várzea, que tiveram duração de dois tempos de trinta minutos. O intervalo entre os tempos é somente o necessário para a troca de lado no campo.a pesquisa foi realizada em um torneio amador na cidade de Juiz de Fora. Foi utilizado um monitor cardíaco da marca Polar, modelo RS800 para aferição durante as partidas. O descarregamento dos dados foi feito em um computador com a utilização do software da Polar. a média da freqüência cardíaca durante todo o jogo foi de 148BPM, sendo 146BPM a média do primeiro tempo e 151BPM a média do segundo tempo, a freqüência cardíaca máxima encontrada foi de 165BPM, já a freqüência cardíaca mínima encontrada foi de 139BPM. Pode-se concluir o árbitro passa a maior parte da partida entre 70% e 80% da sua freqüência cardíaca máxima, porém existem momentos em que o árbitro estará com valores superiores aos da média encontrada, onde geralmente é o momento decisivo da partida,ou seja, é necessário que o árbitro tenha uma boa resistência aliada uma excelente velocidade de aceleração essas informações são valiosas para uma prescrição adequada de um treinamento feito para um árbitro. Palavras-chave: Freqüência Cardíaca. Arbitragem. Futebol

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS DE AÇÃO ANÁLISE DOS RESULTADOS DISCUSSÕES CONCLUSÂO REFERÊNCIAS

7 7 INTRODUÇÃO Com o passar dos anos e a evolução dos treinamentos físicos, o futebol vem se tornando cada vez mais dependente da preparação física de seus jogadores para conseguir o sucesso, o que gera grande preocupação dos comandantes das equipes no aprimoramento desta qualidade, Gasques Filho(2007) afirma que um jogador de futebol corre em média 10,8km em uma partida de futebol. Um bom árbitro de futebol, além de possuir boas qualidades técnicas em relação a interpretações dos acontecimentos no jogo, deve sempre estar próximo ao lance para que possa tomar suas decisões com maior precisão e sucesso, para isso, é preciso que esteja bem condicionado fisicamente. Fox et al (1991) afirma que a nutrição adequada é o alicerce para um bom desempenho físico. Da Silva et al (2003) fala sobre o vasto número de formas de avaliar a aptidão física dos árbitros através de diversos testes, e indica dificuldades na escolha ideal de um deles, porém através de seus estudos, chega a conclusão que deve se utilizar um teste de velocidade e resistência de velocidade em um dia, e em um dia diferente realizar um teste de resistência aeróbia. Segundo Rebelo et al (2002), o desenvolvimento da aptidão física do árbitro irá permitir que o mesmo esteja suficientemente próximo a jogada, tendo um maior controle de jogo, seja qual for o ritmo imposto pelas equipes. Añes e Silva (2001) citam que a melhora da performance física do árbitro evita decisões equivocadas, provocadas por esgotamento físico durante uma partida, fazendo com que o jogo tenha um bom desenvolvimento. De acordo com da Silva (2003), a mensuração da freqüência cardíaca é uma forma indireta para a estimativa da intensidade do exercício e da utilização de oxigênio pelo corpo, o controle da atividade física, através da freqüência cardíaca, é utilizado por diversos profissionais envolvidos no esporte. Como sabemos que uma partida é dividida em momentos oscilantes em relação a intensidade do esforço físico dos atletas, e conseqüentemente do árbitro, pode-se associar o comportamento da freqüência cardíaca com a intensidade e o esforço do árbitro no momento em que está sendo analisado.

8 8 Segundo Godik (1996), a freqüência cardíaca, como parâmetro de esforço, controla a carga do treinamento. O monitoramento da freqüência cardíaca fornece informações capazes de verificar as reações fisiológicas ou exigências físicas durante o exercício, e possibilita analisar a intensidade exigida da pessoa. Rebelo et al (2002) afirma que um árbitro corre em um jogo de equipes profissionais uma média de 10 km, realizando exercício de baixa e média intensidade (marcha, trote e corrida média) em dois terços do tempo total da partida, sendo dividida as formas de ação em: Parado (17,1%), Marcha (33,4%), Trote (25,9%), Corrida Média (3,4%), Sprint (0,8%), Deslocamento de lado (1,8%), Deslocamento de costas (17,7%). Em um estudo realizado com jogadores, Saraiva(2005) expõe as formas de deslocamento dos jogadores durante uma partida, sendo de 55% do jogo andando, 35% ritmo moderado, 6% em velocidade quase máxima e 2% em velocidade máxima. Segundo Añes e Silva (2001), o perfil antropométrico do árbitro de futebol de jogos de equipes profissionais é composto por uma maior estatura, massa corporal, massa óssea, massa residual e massa muscular, sendo o percentual de gordura apenas 0,24% menor do que o dos homens normais. Os árbitros que atuam em jogos de equipes profissionais são submetidos a testes físicos de duas a três vezes no ano; os reprovados ficam impossibilitados de atuar até que recebam uma nova oportunidade e sejam aprovados. Segundo a FIFA, são dois os testes que visam basicamente medir a velocidade média e a capacidade de rendimento aeróbio dos árbitros nas jogadas rápidas e repetidas durante uma partida. Os árbitros que atuam em jogos de equipes amadoras que atuam em campos de várzea, não são exigidos da mesma forma em relação a parte física, não realizam testes físicos, e a duração dos seus jogos possuem tempos diferentes dos jogos profissionais, de acordo com as regras de cada competição. Sabe-se que as condições de trabalho presentes nas situações expostas são bem diferentes. Enquanto jogos profissionais são realizados em campos gramados, totalmente fechado por alambrados, com vestiários à disposição, presença de policiamento e seguranças, ambulância com equipe de saúde,

9 9 presença de profissionais qualificados compondo as comissões técnicas, atletas exercendo sua profissão e, conseqüentemente, melhor preparados na parte física, técnica e tática, os jogos amadores são realizados em campos em condições precárias, nem sempre são fechados por alambrados, quando há vestiários, estes se encontram em condições degradantes, nem sempre há policiamento e equipe médica, as comissões técnicas nem sempre são formadas por profissionais qualificados, os jogadores não usam da pratica de futebol como profissão e sim como lazer, e conseqüentemente a parte física, técnica e tática, são inferiores a dos jogadores profissionais. Todas as diferenças citadas se estendem a preparação e a formação do árbitro que trabalha em jogos de equipes profissionais e amadoras. Segundo Almeida (2003), a freqüência cardíaca possui comportamento diferente entre pessoas bem condicionadas e mal condicionadas durante o exercício físico, porém é importante ressaltar que a ação da freqüência cardíaca também sofre interferências de outros fatores além do condicionamento físico, como o stress causado pela importância de uma partida, pela falta de segurança encontrada em um jogo ou pelo comportamento das equipes na partida. Rebelo et al (2002) coloca como valor médio da freqüência cardíaca do árbitro que atua em jogos de equipes profissionais é 150BPM, tendo o mínimo de 127BPM e o máximo de 186BPM, sendo importante ressaltar que a freqüência cardíaca não sofre variação apenas pelo esforço físico, também são notadas variações em momentos de tomada de decisão, que podem vir acrescidos de nervosismo, pressão psicologia ou até uma discussão com um jogador. Nestes momentos, o tempo de experiência do árbitro no ramo, pode ser um fator importante para o controle de suas emoções e, conseqüentemente, na tomada da decisão correta. São conhecidos na literatura trabalhos realizados com árbitros que atuam em jogos de equipes profissionais, identificando o comportamento da freqüência cardíaca durante as partidas, porém, como se comporta a freqüência cardíaca do arbitro que atua em jogos de equipes amadoras?

10 10 Desta forma, o seguinte estudo tem como objetivo, conhecer o comportamento da freqüência cardíaca do arbitro amador durante uma partida disputada por equipes amadoras.

11 11 METODOLOGIA E ESTRATÉGIAS DE AÇÃO Sujeitos O Universo da pesquisa foi composto pelos árbitros do quadro da Liga de Futebol de Juiz de Fora (LFJF). A amostra foi composta por 8 árbitros,com idade entre 22 e 30 anos sendo todos pertencentes ao quadro da Liga de Futebol de Juiz de Fora. Os 8 árbitros que participaram da pesquisa foram determinados pelo processo de amostragem aleatória simples (sorteio), de acordo com suas escalas de trabalho. Eles utilizaram o monitor cardíaco durante partidas realizadas na várzea, que tiveram duração de dois tempos de trinta minutos. O intervalo entre os tempos é somente o necessário para a troca de lado no campo. A pesquisa foi realizada em um torneio amador na cidade de Juiz de Fora, existiram jogos com características diferentes, alguns decisivos, outros sem valor de classificação, alguns cadenciados e também jogos com muita corrida por parte dos jogadores. Os árbitros analisados não possuem nenhuma exigência física por parte da Liga de Futebol de Juiz de Fora, podendo o árbitro se preparar fisicamente para os jogos ou não. Vale destacar que todos trabalham com arbitragem como uma função extra, ou seja, possuem outros empregos fixos, o que faz com que não possam se dedicar exclusivamente a arbitragem. Vale destacar que os árbitros, na maioria das vezes, atuam em até três jogos por dia, desempenhando também a função de árbitro assistente, quando não estão como árbitro central, a aferição porém só foi realizada no árbitro central, essa troca de funções gera um desgaste maior, que também pode ser um fator influente no comportamento da Freqüência Cardíaca. Coleta de dados Foi utilizado um monitor cardíaco da marca Polar, modelo RS800 para aferição durante as partidas. O descarregamento dos dados foi feito em um computador com a utilização do software da Polar.

12 12 Poucos minutos antes da partida o monitor cardíaco era colocado no árbitro e só era retirado no final do jogo, estando o árbitro com o monitor cardíaco durante o intervalo. O monitor cardíaco foi programado para registrar a freqüência cardíaca a cada 5 segundos. O tratamento estatístico foi realizado calculando a média e desvio padrão dos valores obtidos pelos 8 árbitros, sendo a freqüência cardíaca registrada no intervalo de 5 segundos. Foram calculados a média de cada tempo do jogo, e dos dois tempos juntos, para encontrar as diferenças entre os tempos da partidas foi aplicado o teste T de Sterdent para dados independentes (p > 0,05). O teste T apontou uma diferença significativa entre os tempos.

13 13 ANÁLISE DOS RESULTADOS Figura 1 Frequência cardíaca média de 8 árbitros durante uma partida de futebol. Média do primeiro tempo = 146 bpm, do segundo tempo = 151 bpm Frequência FC (bpm) Figura 2 - Histograma das médias da freqüência cardíaca durante uma partida de futebol

14 14 Como foi ilustrado pela figura 1, a média da freqüência cardíaca durante todo o jogo foi de 148BPM, sendo 146BPM a média do primeiro tempo e 151BPM a média do segundo tempo, a freqüência cardíaca máxima encontrada foi de 165BPM, já a freqüência cardíaca mínima encontrada foi de 139BPM. Os resultados demonstraram semelhanças em jogos de equipes amadoras e profissionais em relação à média da freqüência durante o jogo. A média da freqüência cardíaca no primeiro tempo foi menor do que no segundo tempo. Em relação ao valor máximo e mínimo atingido pela freqüência cardíaca, houve uma diferença significante, nos jogos amadores a variação da freqüência foi menor. De acordo com a figura 2 o árbitro de futebol passa a maior parte do jogo com a freqüência cardíaca entre 145 e 150 BPM, tento a freqüência em valores menores que 140 MPM em poucos momentos, a freqüência cardíaca aponta valores maiores que 155 BPM também em poucos momentos, porém com uma incidência um pouco maior, que pode ser explicada por momentos decisivos na partida.

15 15 DISCUSSÕES Através da analise dos dados, não foi notado nenhuma diferença considerável entre a média do comportamento da freqüência cardíaca dos árbitros que atuam em jogos profissionais e amadores, levando em consideração a média geral na partida, o que pode ser justificado também pela diferença do ritmo de jogo, que na várzea é menor, exigindo menos da capacidade física do árbitro. Em relação ao comportamento da freqüência máxima e mínima atingida, percebe-se uma diferença significativa entre o jogo amador e o profissional, segundo Rebele et al (2002) a freqüência cardíaca mínima encontrada entre os árbitros que atuam em jogos de equipes profissionais foi de 127BPM e a máxima foi de 186BPM, de acordo com os dados aferidos neste estudo com árbitros que atuam em jogos de equipes amadoras a freqüência cardíaca máxima foi de 165BPM e a mínima de 139BPM, sendo a variação da freqüência cardíaca em um jogo profissional maior do que em uma partida amadora. Quando é feita a comparação do comportamento da freqüência cardíaca entre os dois tempos jogados na partida, percebe-se que a média da freqüência cardíaca no primeiro tempo é menor do que a média do segundo tempo. Estudos sobre o comportamento da freqüência cardíaca em jogadores, indicam que a média no primeiro tempo é superior ao segundo tempo. Estudos indicam que o jogo no segundo tempo se torna mais lento para os jogadores e conseqüentemente para os árbitros, porém é neste período do jogo que é decidido o resultado final. Este estresse do momento pode ser um fator determinante para a freqüência cardíaca de um árbitro ser maior no segundo tempo.

16 16 C O N C L U S Ã O Levando em consideração a média de idade dos árbitros avaliados, e com base nas médias obtidas pela freqüência cardíaca, percebe-se que o árbitro passa a maior parte da partida entre 70% e 80% da sua freqüência cardíaca máxima, porém existem momentos em que o árbitro estará com valores superiores aos da média encontrada, onde geralmente é o momento decisivo para a partida,ou seja, é necessário que o árbitro tenha uma boa resistência aliada uma excelente velocidade de aceleração essas informações são valiosas para uma prescrição adequada de um treinamento feito para um árbitro.

17 17 R E F E R Ê N C I A S ALMEIDA, M. B.; ARAÚJO, C. G. S. Efeitos do Treinamento aeróbio sobre a freqüência cardíaca. Rio de janeiro, v.9, n.2, mar/ abr DA SILVA, C. A. I. ; FRÓMETA, C.E. R. ; FERNANDEZ, R. ; MENSLIN, R. Análisis de um test más específico para evaluar la capacidad aeróbica del árbitro de fútbol. Buenos Aires, v.9, n65, out DA SILVA, C. A. I; RODRIGUES, A. C. R. A freqüência cardíaca e a intensidade da atividade física do árbitro assistente durante a partida de futebol. Maringá, v.14, n.1, jul FILHO, O. M. G. Ações Motoras durante um jogo de futebol. São Paulo, fev FOX, E.L; BOWERS, R. W; FOSS, M. L. Bases fisiológicas da educação física e dos desportos. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A., GODIK, M. Futebol: preparação dos futebolistas de alto nível. Londrina: Grupo Palestra Sport, 1996 REBELO,A. ; SILVA,S ; PEREIRA,N ; SOARES, J. Stress físico do árbitro de futebol no jogo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v.2, n. 5, p.24-30, RODRIGUES, A. C. R.; SILVA, A. I. Perfil antropométrico e da composição corporal de árbitros de futebol. Buenos Aires, v.7, n43, dez SARAIVA, P. Força, o suporte condicional do futebolista. Promocion, abr SILVA, A. I.;RODRIGUES AÑES, C. R.; ARIAS, V. D. C. Níveis de aptidão física de árbitros de elite da Federação Paranaense de Futebol. Brasília, v.12, n1, p , jan/mar

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte PREPARAÇÃO FÍSICA ARBITRAGEM FPF Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Antonio Carlos Fedato Filho Guilherme Augusto de Melo Rodrigues O Futebol está em uma constante evolução. Quando falamos

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL

PLANO DE TRABALHO FUTEBOL PLANO DE TRABALHO FUTEBOL Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER

Leia mais

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global

Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Velocidade no Futebol - Capacidade é complexa e precisa ser analisada de forma global Marcio Faria CORREA Quando falamos em velocidade, uma capacidade neuro-motora tão importante para a maioria dos esportes,

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão

Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão Efeitos da Inactividade e Readaptação Física do Desportista após uma lesão por Mestre Francisco Batista Escola Superior de Educação de Almeida Garrett - Lic. Educação Física 1 Introdução Como sabemos uma

Leia mais

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br

Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Alexandre Sérgio Silva Laboratório de Estudos do Treinamento Físico Aplicado ao Desempenho e Saúde (LETFADS) ass974@yahoo.com.br Cognitiva, emocional, Motivacional, lolitiva Tarefas realizadas Tarefas

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO

MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 2 COMPONENTES DO MÉTODO DE TREINO INTERVALADO MÉTODOS DE TREINAMENTO INTERVALADOS 1 INTRODUÇÃO O método de treino por intervalos caracteriza-se por exercícios onde o organismo é submetido a períodos curtos, regulares e repetidos de trabalho com períodos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

Testes Físicos Documento Orientador

Testes Físicos Documento Orientador Testes Físicos Documento Orientador Época 2015-2016 Página 2 INTRODUÇÃO A realização de provas físicas na arbitragem acontece em todos os Países e, em particular, no âmbito da UEFA e da FIFA. Estas Organizações

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO *

MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * MÉTODOS DE TREINAMENTO AERÓBICO * Marlos Rodrigues Domingues Qualidades físicas divididas fisiologicamente e pedagogicamente em: - Orgânicas: as principais são as resistências aeróbica, anaeróbica lática

Leia mais

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura

Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Diminua seu tempo total de treino e queime mais gordura Neste artigo vou mostrar o principal tipo de exercício para acelerar a queima de gordura sem se matar durante horas na academia. Vou mostrar e explicar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL

A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL o Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso A IMPORTÂNCIA DA PREPARAÇÃO FÍSICA NO FUTEBOL Autora: Fernanda Rosa de Lima Orientador: MSc. Areolino Afonso Ribeiro

Leia mais

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora?

Deseja Descobrir Como Ganhar Massa Muscular Agora? ATENÇÃO! A informação contida neste material é fornecida somente para finalidades informativas e não é um substituto do aconselhamento por profissionais da área da saúde como médicos, professores de educação

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS *

OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * OS PRINCIPAIS MÉTODOS DE PRATICAR EXERCÍCIOS AERÓBICOS * Marcos Gueths * Daniela Pontes Flor ** RESUMO Desde que Cooper desenvolveu os fundamentos dos exercícios aeróbicos, os mesmos multiplicaram-se em

Leia mais

Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico;

Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico; Estrutura empresarial e Controle de Qualidade da Presidência ao Nível Técnico; Geraldo José Piancó Junior _ Rio de Janeiro - Brasil 1. O Contexto O Futebol alcançou no mundo moderno o "status" de maior

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 104-GR/UNICENTRO, DE 28 DE MAIO DE 2014. Especifica a estrutura curricular do Curso de Especialização em Atividade Física e Saúde, modalidade de educação a distância, aprovado pela Resolução

Leia mais

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR Resumo Emerson Liomar Micaliski 1 - UNINTER Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12.

Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. CARTA DE BOAS VINDAS Prezado Franqueado e Parceiro, Em nome de toda a equipe da F12 Sports, gostaria de felicitá-lo pela recente aquisição da franquia Centro de Treinamento Falcão 12. Acreditamos que esta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Disciplina: BIOLOGIA Características gerais dos seres vivos. Química da célula. Citologia. Microscopia. Divisão celular. Formas de reprodução. Histologia. Disciplina: ANATOMIA

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL

PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL PERIODIZAÇÃO APLICADA AO TREINAMENTO FUNCIONAL MÉTODO CONTÍNUO O exercício é executado sem pausa. A intensidade do exercício é, normalmente, submáxima O volume é de moderado para alto VARIAÇÕES METODOLÓGICAS

Leia mais

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz.

Palavras-chave: potência muscular, Judô, teste de Sterkowicz. ARTIGO ORIGINAL MENSURAÇÃO DA POTÊNCIA MUSCULAR EM JUDOCAS JUVENIS ATRAVÉS DO TESTE DE STERKOWICZ André Maia dos Santos André Ricardo N. Nascimento Carolina Groszewicz Brito Kelly Cristina Serafim Pós

Leia mais

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição

PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO. obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de acordo com a condição PRESCRIÇÃO DO TREINAMENTO PARA EMAGRECIMENTO Em condições normais a obesidade deveria ser prevenida, porem o tratamento da pessoa obesa envolve um plano de ação muito mais complexo, sendo prescrito de

Leia mais

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas

Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Importância do planejamento de treinamento e das avaliações físicas Definir a carga de treinamento é o primeiro passo para entender a complexidade do treinamento físico (Monteiro, Lopes, 2009). O entendimento

Leia mais

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO

ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 259 ANÁLISE DOS TEMPOS E IDADES DO RANKING DA PROVA DOS 100 METROS MASCULINO Rogers Figueiredo Claro 1, Aguinaldo

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA

CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO VIRTUOSO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ATUAÇÃO DO PROFESSOR no Nível de Habilidade no Nível de Desempenho DIVERSIDADE DE CONTEÚDO Inserção no Grupo na Auto-estima CONCEITOS E INFORMAÇÕES Comportamentos e Atitudes

Leia mais

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO

PALAVRAS CHAVES: Perfil antropométrico. Crianças. Ginástica Artística. INTRODUÇÃO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DAS CRIANÇAS DE 07 A 10 ANOS DE IDADE QUE FREQUENTAM O PROJETO, APRIMORAMENTO DAS AÇÕES MOTORAS ATRAVÉS DA GINÁSTICA ARTÍSTICA NO MEPROVI PEQUENINOS. França, Bruna S.* Silva, Janaina

Leia mais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais

Escola E.B. 2/3 dos Olivais Escola E.B. 2/3 dos Olivais Esta planificação foi concebida como um instrumento necessário. Os objectivos da Educação Física no ensino básico bem como os princípios de organização das actividades nas aulas,

Leia mais

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS

BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS O TREINO DE CICLISMO DEPOIS DOS 50 ANOS Tendo em conta o que foi descrito no artigo anterior, vamos então pôr em prática os conceitos necessários para tornar reais as adaptações benéficas ao treino e sobretudo

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) ANÁLISE BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO (1504) C/H 68 Análise anátomo-funcional do movimento humano com ênfase no

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Futebol e arbitragem: o resultado da preparação

Futebol e arbitragem: o resultado da preparação Futebol e arbitragem: o resultado da preparação Sérgio Corrêa (presidente da Comissão de Arbitragem) Em recente artigo publicado em O Estado de São Paulo, o jornalista Ugo Giorgetti fez críticas à arbitragem

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Leiria Ações Creditadas pelo PNFT 2015 Preços de Inscrição: 1) Ações de 1,4 créditos - 30,00 a. Preço para Filiados - 20,00 2) Ações de 0,8 créditos

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANEJAMENTO ANUAL DO PERFIL FÍSICO DOS ÁRBITROS DE FUTEBOL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROFESSOR PAULO BARROSO CREF 06081 G/RJ PREPARADOR FÍSICO DOS ÁRBITROS FFERJ PROFESSOR DA SECRETARIA MUNICIPAL DE

Leia mais

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento

Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Sistema de Avaliação, Motivação e Prescrição de Treinamento Nome: WALMAR DE HOLANDA CORREA DE ANDRADE Matrícula: 004905 Sexo: Masculino Data Avaliação Funcional: Idade: 31 anos Professor: Email: EURIMAR

Leia mais

4 edição. Conteúdo exclusivo com dicas e orientações para pedalar melhor

4 edição. Conteúdo exclusivo com dicas e orientações para pedalar melhor a 4 edição Conteúdo exclusivo com dicas e orientações para pedalar melhor Nanna Pretto Equipe técnica desta edição @ nannapr www.dicademae.com É sócia-diretora da agência GaP Conteúdo, que há mais de três

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA

Faculdade de Ciências Humanas Programa de Pós-Graduação em Educação RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA RESUMO EXPANDIDO DO PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: TRABALHO DOCENTE NO ESTADO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DA JORNADA DE TRABALHO E SALÁRIOS DOS PROFESSORES DA REDE PÚBLICA PAULISTA RESUMO O cenário atual do trabalho

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL.

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. 1 ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. Bernardino Sogabe Priante Aluno concluinte do CEDF/UEPA bernardinosogabepriante@yahoo.com.br Carlos Dorneles Professor Mestre orientador

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 43 A 50 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM

Leia mais

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento Medicina Esportiva da reabilitação ao alto rendimento K4b 2 - Ergoespirômetro Portátil Precisão e confiança em qualquer lugar O K4b 2 é o pioneiro e ainda líder de mercado como sistema portátil para análise

Leia mais

TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA TÍTULO: CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO DE BEBIDAS ISOTÔNICAS POR PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS CORAÇÃO

Leia mais

CONCENTRAÇÃO UMA NOVA PRÁTICA NA ARBITRAGEM DE FUTEBOL DE CAMPO.

CONCENTRAÇÃO UMA NOVA PRÁTICA NA ARBITRAGEM DE FUTEBOL DE CAMPO. CONCENTRAÇÃO UMA NOVA PRÁTICA NA ARBITRAGEM DE FUTEBOL DE CAMPO. Estratégia designa o conjunto de critérios de decisão escolhido pelo núcleo estratégico para orientar de forma determinante e durável as

Leia mais

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol

A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol A importância e influências no desenvolvimento psicomotor em crianças iniciantes na prática do Futebol Autor: Daniel Brugni Guimarães Orientador: Prof. Me. Fabio Aires da Cunha Ar Rass Saudi Arabia 2012

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A relevância da teoria e da pesquisa em aprendizagem motora para o treinamento e desenvolvimento esportivo Porque um estudante que obterá um diploma superior de Educação

Leia mais

FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7

FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA OPORTUNIDADE EM MARKETING: O GRANDE PRÊMIO BRASIL 2010 DE FÓRMULA 1 E O CRESCIMENTO DE VENDAS DE PRODUTOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA ANAERÓBICO EM ATLETAS DE JIU-JITSU EM COMPETIÇÕES SANTOS, M. R(1)(2)(3) (1) Docente da Faculdade geremário Dantas/FGD RJ Brasil (2) Mestre em Ciência da Motricidade Humana Universidade

Leia mais

T E M E X E, G U R I!

T E M E X E, G U R I! APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE T E M E E, G U R I! A Associação Santa Cruz do Sul Chacais, entidade sem fins lucrativos e com foco na pratica esportiva, inscrita no CNPJ sob o n 13.631.001/0001-86, registrada

Leia mais

Novas arenas ampliam público, renda e até gols do Brasileirão

Novas arenas ampliam público, renda e até gols do Brasileirão B O L E T I M OFERECIMENTO SEGUNDA-FEIRA, 17 DE AGOSTO DE 2015 NÚMERO DO DIA R$ 2,3 mi o Palmeiras ganha em média por partida no Allianz Parque; é quem mais arrecada por jogo EDIÇÃO 319 Novas arenas ampliam

Leia mais

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica.

Palavras-chave: Suplementos Alimentares, Musculação, Academia de Ginástica. PERFIL DOS CONSUMIDORES DE SUPLEMENTOS ALIMENTARES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO EM ACADEMIAS DE TERESINA. Conceição de Maria Aguiar Carvalho Francisco Evaldo Orsano RESUMO: O aumento da oferta de suplementos

Leia mais

https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_impcv.trata

https://wwws.cnpq.br/curriculoweb/pkg_impcv.trata https://wwwscnpqbr/curriculoweb/pkg_impcvtrata Page 1 of 8 Paulo Cesar do Nascimento Formado em Educação Física na Universidade Federal de Santa Catarina Suas preferências dentro de sua área de atuação

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Orientações para montagem

Orientações para montagem Orientações para montagem das aulas de condicionamento CONCEITO CORAÇÃO RELAXAMENTO ESTRUTURA Finalidade do treinamento disponibilização de mais energia química aos músculos em velocidades maiores reposição

Leia mais

FAIXAS ETÁRIAS 6 a 12 anos 13 a 20 anos 21 a 55 anos TOTAIS MASCULINO 56 124 64 244 FEMININO 16 71 34 121 TOTAIS 72 195 98 365

FAIXAS ETÁRIAS 6 a 12 anos 13 a 20 anos 21 a 55 anos TOTAIS MASCULINO 56 124 64 244 FEMININO 16 71 34 121 TOTAIS 72 195 98 365 1 EXERCÍCIOS DE REVISÃO ESTATÍSTICA ELEMENTAR 3 o PERÍODO - ADMINISTRAÇÃO ASSUNTOS : População, amostragem, distribuição de freqüência, Medidas de posição e Medidas de dispersão, Probabilidade. 1) Uma

Leia mais

folha 01 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE FUTEBOL " SÚMULA DO JOGO " 01. COMPETIÇÃO Código: 23/07/1952 COPA FGF LOCAL: FARROUPILHA ESTÁDIO: CASTANHEIRAS NOMES

folha 01 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE FUTEBOL  SÚMULA DO JOGO  01. COMPETIÇÃO Código: 23/07/1952 COPA FGF LOCAL: FARROUPILHA ESTÁDIO: CASTANHEIRAS NOMES OUTROS 01. COMPETIÇÃO 1ª DIVISÃO folha 01 " SÚMULA DO JOGO " CATEGORIAS DE PROFISSIONAIS Código: 23/07/1952 Nº DO JOGO: CATEGORIAS AMADORAS 71 (Campo acima exclusivo da FGF) 2ª DIVISÃO X 3ª DIVISÃO COPA

Leia mais

Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos

Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos Avaliação da unidade Pontuação: 7,5 pontos QUESTÃO 01 (1,5 ponto) As principais mudanças no corpo de uma pessoa ocorrem na adolescência. É nesta fase que as meninas e os meninos desenvolvem o amadurecimento

Leia mais

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI

1 Aluno Curso de Educação Física,UFPB 2 Professor Departamento de Educação Física, UFPB 3 Professor Departamento de Biofísica e Fisiologia, UFPI ATUALIZAÇÃO DE CARGAS EM TREINAMENTO DE HIPERTROFIA DE MULHERES PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO Pablo Rebouças Marcelino 1 Filipe Antonio de Barros Sousa 1 Anielle Chaves de Araujo 1 Alexandre Sérgio Silva 2

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA

ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA ANALISE COMPARATIVA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE POLICIAIS MILITARES RECÉM-ADMITIDOS COM MILITARES COM MAIS DE 10 ANOS DE CARREIRA DO 2º BPM DA PARAÍBA Analisando o estilo de vida de algumas pessoas, constatou-se

Leia mais

A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado

A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado ISSN-1980-7341 1 A eficácia do controle do exercício físico através de um trabalho personalizado Rafael Bordini da Silva 1 Eduardo Adrião de Araújo Silva 2 RESUMO Através do presente estudo verificamos

Leia mais

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência

Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Liga Desportiva de Taekwon-do do Estado de Minas Gerais - LDTEMG Mestre Ronaldo Avelino Xavier Os Benefícios do Taekwon-do na Infância e na Adolescência Belo Horizonte, 06 de Fevereiro de 2013. Mestre

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE ( ) CURTA DURAÇÃO (x) LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet

Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet Portal da Educação Física Referência em Educação Física na Internet MENSURAÇÃO DAS CAPACIDADES ENERGÉTICAS Existe um nível mínimo de energia necessária para manter as funções vitais do organismo no estado

Leia mais

folha 01 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE FUTEBOL " SÚMULA DO JOGO " Código: 23/07/1952 16:00 NOMES

folha 01 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE FUTEBOL  SÚMULA DO JOGO  Código: 23/07/1952 16:00 NOMES 01. COMPETIÇÃO 1ª DIVISÃO folha 01 " SÚMULA DO JOGO " CATEGORIAS DE PROFISSIONAIS Código: 23/07/1952 CATEGORIAS AMADORAS Nº DO JOGO: 145 (Campo acima exclusivo da FGF) 2ª DIVISÃO 3ª DIVISÃO COPA FGF x

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis

Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo Asunción, PAR, 6 e 7/06/2015 Crescimento e Desenvolvimento de Atletas Jovens nas Distâncias de Fundo e Meio Fundo: Fases Sensíveis Prof. Dr. Ricardo D Angelo Aspectos

Leia mais

folha 01 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE FUTEBOL " SÚMULA DO JOGO " 01. COMPETIÇÃO Código: 23/07/1952 COPA FGF LOCAL: PANAMBI ESTÁDIO: JOÃO MARIMON Jr.

folha 01 FEDERAÇÃO GAÚCHA DE FUTEBOL  SÚMULA DO JOGO  01. COMPETIÇÃO Código: 23/07/1952 COPA FGF LOCAL: PANAMBI ESTÁDIO: JOÃO MARIMON Jr. OUTROS 01. COMPETIÇÃO folha 01 " SÚMULA DO JOGO " Código: 23/07/1952 Nº DO JOGO: 6 CATEGORIAS DE PROFISSIONAIS 1ª DIVISÃO CATEGORIAS AMADORAS X 2ª DIVISÃO 3ª DIVISÃO COPA FGF JÚNIOR JUVENIL INFANTIL AMADOR

Leia mais

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia

António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia António Graça Quantificação do Limiar anaeróbio Controlo Através da Lactatémia 1. Introdução Organizar e colocar em prática o planeamento do treino requer a sua confirmação através de meios de avaliação.

Leia mais

Como montar Programas de Corridas e Caminhadas para grupos heterogêneos dentro de clubes Professor Zeca

Como montar Programas de Corridas e Caminhadas para grupos heterogêneos dentro de clubes Professor Zeca Como montar Programas de Corridas e Caminhadas para grupos heterogêneos dentro de clubes Professor Zeca Apresentação: De jogador de Vôlei a treinador de natação e dono de assessoria; Formado em Educação

Leia mais

Apenas. R$30,oo por curso PREPARAÇÀO FÍSICA NO FUTEBOL BASQUETE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL BADMINTON GINÁSTICA ARTÍSTICA E TRAMPOLIM MUSCULAÇÃO EM ACADEMIA

Apenas. R$30,oo por curso PREPARAÇÀO FÍSICA NO FUTEBOL BASQUETE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL BADMINTON GINÁSTICA ARTÍSTICA E TRAMPOLIM MUSCULAÇÃO EM ACADEMIA E D U C A Ç Ã O F Í S I C A PREPARAÇÀO FÍSICA NO FUTEBOL Apenas R$30,oo por curso BASQUETE INICIAÇÃO AO VOLEIBOL BADMINTON GINÁSTICA ARTÍSTICA E TRAMPOLIM MUSCULAÇÃO EM ACADEMIA NUTRIÇÃO NO ESPORTE E NA

Leia mais

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol

APRENDER A APRENDER EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES HOJE EU APRENDI. AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Conteúdo: Formas de praticar futebol AULA: 11.2 Habilidades: Compreender as diferenças entre os esportes: educacional, de rendimento e de participação As dimensões sociais do esporte: Forma

Leia mais

CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES

CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES EXPRESSO GUANABARA S/A - CNPJ: 41.550.112/0001-01 END. ROD BR 116 KM 04 N 700 MESSEJANA FORTALEZA/CE CATEGORIA: ADESÃO DOS COLABORADORES 2011 BOAS PRÁTICAS: ADESÃO DOS COLABORADORES AOS SEUS VALORES E

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Apresentação e contextualização da Educação Física e da cultura universitária em geral; Discussão

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Passini, G.K.;Gonçalves, N. B.;Geraldello, F.H.S. 1 Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Gabriel

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos

ITS / CTA. Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos ITS / CTA Escola Técnica Volume Simonsen I Capítulo I Autores Ademir Alonso & Alberto Carlos 1 ITS / CTA Sumário SUMÁRIO Volume I Capítulo I Unidade I Capítulo I - Beneficios da Educação Física Capítulo

Leia mais

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico

Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Fundamentos do Treino de Jovens no Ténis: O Desenvolvimento Técnico Pedro Felner 2012 Aspectos Decisivos para o Desenvolvimento de uma Técnica Eficiente FLUIDEZ NO MOVIMENTO Aproveitamento do Peso da Raquete:

Leia mais

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS PEDRO MAIA FITNESS & CYCLING BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS PLANEAMENTO OS PRINCÍPIOS DE TREINO Quando treinamos, temos como principal objetivo melhorar alguns dos aspetos das nossas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no

DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no DEPARTAMENTO DE POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a aplicação da prova de capacidade física no processo seletivo para o cargo de Policial Rodoviário

Leia mais

O TREKKING NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Prof. Drd. Valdo Vieira e Prof. Ana Paula Mendes. - Clique aqui e comente sobre este assunto.

O TREKKING NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Prof. Drd. Valdo Vieira e Prof. Ana Paula Mendes. - Clique aqui e comente sobre este assunto. O TREKKING NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Prof. Drd. Valdo Vieira e Prof. Ana Paula Mendes - Clique aqui e comente sobre este assunto. Esportes de Aventura X Escola Os Esportes de Aventura vêm a cada ano reunindo

Leia mais

MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18

MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA RODRIGO BARÇANTE BORGO MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18 CAMPINAS

Leia mais