UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

2

3 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia 1º Passo: Manter a Potencia das Vias Aéreas. 2º Passo: Avaliar a Condição VENTILATÓRIA do Paciente. 3º Passo: Controle das Hemorragias

4 Choque Hemorrágico: Definição: É o Distúrbio Hemodinâmico que Determina Perfusão Inadequada e Oxigenação Insuficiente de Órgãos e Tecidos. Atenção: O Diagnóstico (Reconhecer a Lesão) é Urgente e o Tratamento (Reanimação/Reparação) Imediato, para Evitar os Efeitos Deletérios Sobre as Células. Classificação: Hemorragia Externa: Feridas de partes moles extensas Fraturas Exposta em Ossos Longos Hemorragias Internas: Fraturas Fechadas: Principalmente Fratura da Bacia Trauma Abdominal

5 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia: Diagnóstico da Hemorragia Ação Inicial do Organismo: Liberação das Catecolaminas: Vasoconstricção cutânea, muscular e visceral Aceleração dos Batimentos Cardíacos: Taquicardia

6 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia: Diagnóstico da Hemorragia Sinais Clínicos Precoces: Taquicardia: Acima de 100 bpm Pressão Arterial: A Pressão Sistólica se Abaixa (menor 90 mmhg) com perde volêmica superiora 30%. Taquipnéia: perda de 500ml: 15 ipm para 30 a 40ipm na dependência da Hipovolemia.Pode evoluir para Dispnéia Consciência: Pequenas Perdas de Sangue a Consciência é Mantida. Pode evoluir desde agitação até letargia. Oligúria: Sonda Vesical: Controle da Diurese Horária e Controle da Reposição Volêmica. Atenção: Os Exames Laboratorias Não são Eficientes nas primeiras horas da Hemorragia: Hematócrito e Hemograma.

7 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia: Diagnóstico da Hemorragia Hemorragia Externa: Facilmente Diagnosticada pela saída de sangue externamente: Avalia-se: Sangramento Arterial: Em jato Pulsátil com Pressão Sangue Vermelho Vivo Sangramento Venoso: Em corredeira Contínuo, não pulsátil e Sem Pressão Sangue de Cor Escura Deformidades nos membros quando associada a fratura dos ossos longos: Avalia-se o sangue com muita gordura por origem óssea: brilhante com a luz

8 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia: Diagnóstico da Hemorragia Hemorragia Interna: Diagnóstico Mais Difícil: Avalia-se: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Trauma Abdominal: Sinais Clínicos de Choque Hemorrágico Sinais Clínicos de Lesão Intra abdominal: Irritação Peritoneal Fratura da Bacia: Sinais Clínicos de Choque Hemorrágico Mobilidade da Bacia na Palpação

9 Trauma Abdominal: Palavra Chave: Sempre Suspeitar de Trauma Abdominal no Politraumatizado. 20% dos Politraumatizados com Hemoperitôneo na Avaliação Primária tem o Exame Físico Abdominal Normal. Os Sinais Clínicos Abdominais podem ser Mascarados por Lesões Extra Abdominal, TCE ou TRM.

10 Trauma Abdominal: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Abordagem Clínica: O Objetivo Não é o Diagnóstico Definitivo E Sim Identificar a Lesão com Indicação de Loparotomia. (ABDOMEM AGUDO) Sinais Clínicos de Irritação Peritoneal: Cirúrgia de Emergência Dor Abdominal Distensão Abdominal ABDOMEM AGUDO LAPAROTOMIA EXPLORADORA

11 Trauma Abdominal: Palavra Chave: Sempre Suspeitar de Trauma Abdominal no Politraumatizado.

12 Trauma Abdominal: Palavra Chave: Sempre Suspeitar de Trauma Abdominal no Politraumatizado.

13 Trauma Abdominal: História Clínica: Hora do Trauma Mecanismo de Lesão: Desaceleração ou Direto Fatos Relacionados ao Paciente Tipo de Cinto de Segurança. Exame Físico: Inspeção Palpação Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Percussão Exame Retal e Vaginal Avaliação das Genitálias Masculinas

14 Trauma Abdominal: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Indicações de Laparotomia: Hipotensão Arterial com evidência de Trauma Abdominal Sinais Nítidos de Irritação Peritoneal Hipotensão Recorrente Mesmo com Tratamento Adequado Trauma Aberto Abdominal: Peritoneal

15 Trauma Abdominal: Laparotomia: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado:

16 Trauma Pélvico: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Fratura de Bacia: Estabilização Hemodinâmica

17 Trauma Pélvico: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Fratura de Bacia: Estabilização Hemodinâmica

18 Trauma Pélvico: Fratura de Bacia: Estabilização Hemodinâmica

19 Reanimação: Controle das Hemorragias Externas Tamponamento da ferida com pano limpo Curativo Compressivo na ferida Nunca Garrotear o membro comprometido Imobilizar o membro comprometido sem corrigir as deformidades ósseas Manter elevado o membro comprometido

20 Reanimação: Reposição Volêmica Acesso Venoso Inicial é Primordial: Puncionar uma Veia Periférica No Acesso: Colher Amostra de Sangue para Exames Laboratoriais: Tipagem Sangüínea Fator Rh Prova Cruzada Teste de Gravidez Pesquisa de Narcotóxico Reposição Inicial de Fluidos: Deve-se Evitar a Hipotermia: Todos Os Fluidos Previamente Aquecidos. Solução Salina Isotônica: Ringer Lactato: Repor o Cloro: Adulto: 1 2 litros Rapidamente Criança: 20 ml/ Kg

21 Reanimação: Reposição Volêmica Transfusão de Sangue: É Realizada após a Transfusão de Solução Salina (Ringer Lactato) Inicialmente. Nunca É a 1º Escolha de Infusão Mesmo Nos Pacientes Graves. Pode-se usar Concentrados de Hemácias ou Sangue Total Pode-se Transfundir: Sangue Cruzado Tipo Específico Tipo O Negativo Restauração das Hemorragias: Geralmente Tratamento Cirúrgico de Emergência

22 Atendimento nas Hemorragias: Proteger-se com luvas (sempre que em contato com sangue ou fluidos corpóreos). Identificar o local exato da hemorragia, o sangue espalha-se e podemos estar realizando atendimento no local errado. Colocar um pano limpo dobrado, no local do ferimento que ocasiona a hemorragia. Colocar a atadura em volta ou fazer uma atadura improvisada, com tiras largas ou cintos. Não utilizar objetos que possam causar dificuldade circulatória (arames, barbante, fios, etc.). Faça um curativo compressivo, sem prejudicar a circulação daquele membro. Se a hemorragia for em braço ou perna, eleve o membro, só não o faça se houver fraturas. Pressione a área com os seus dedos (ponto de pressão) para auxiliar a estancar a hemorragia.

23 Atendimento nas Hemorragias: Caso o sangue continue saindo mesmo após a realização do curativo compressivo, não retire os panos molhados de sangue. Coloque outro pano limpo em cima e uma nova atadura, evitando com isso, interferir no processo de coagulação. Evite usar torniquete, pois ele pode levar a amputação cirúrgica do membro se não for afrouxado corretamente e no tempo certo.

24 Atendimento nas Hemorragias: Se a hemorragia for abundante, pegue uma camisa ou um cinto, coloque um pouco acima da hemorragia e de um nó e puxe, fique segurando firme, isso vai diminuir a chegada de sangue ao local. Esse método é para substituir o torniquete, e não causa lesões circulatórias, pois cada vez que o socorrista cansar e tiver que "tomar fôlego", vai diminuir a pressão e aquela área será irrigada com sangue arterial. Deve-se Sempre Considerar que Há Fratura no Membro com Hemorragia Externa, desta Forma além de Comprimir a Ferida Devemos Imobilizar o Membro Comprometido Reduzindo a Mobilidade do Foco de Fratura, portanto Diminuindo o Sangramento de Origem Óssea e Protege as Partes Moles Diminuindo o Sangramento das Lesões nas Partes Moles, evitando as Lesões Secundárias.

25 Avaliação da Letra D: Déficit Neurológico 1º Passo: Vias Aéreas Pérvias e Controle da Coluna Cervical 2º Passo: Boa Ventilação 3º Passo: Circulação: Controle das Hemorragias 4º Passo: Déficit Neurológico Lesão do Sistema Nervoso Central (SNC): Trauma Crânio Encefálico (TCE) Trauma Raqui-Medular (TRM)

26 Trauma Crânio Encefálico: TCE: 50% de Óbito é por TCE A Avaliação Primária e a Reanimação devem Controlar Precocemente a Hipóxia Cerebral e o Aumento da Pressão Intracraniana. Desta forma Prevenimos o Óbito Precoce e Seqüelas Neurológicas Irreversíveis. Sempre Avaliar: Vias Aéreas Pérvias e Boa Ventilação Repor Volemia Medicamentos Adequados Na Suspeita de TCE Contatar Imediatamente o Neurocirurgião

27 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Informações Importantes ao Neurocirurgião: Identificação do Paciente e Mecanismo do Trauma Situação Cardiovascular Resultados dos Exames Neurológicos: Clínicos e Por Imagem (Raio X e TC) Lesões Associadas Resultado dos Exames Laboratoriais Atenção: Não se Deve Retardar a Transferência do Paciente com Suspeita de TCE por Motivo de Antes Realizar os Exames por Imagem.

28 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas: Epidural: Sangue Arterial : Evolução Rápida Subdural: Sangue Venoso: Evolução Variada Agudo Subagudo Crônico Intracerebral: Maior Mortalidade

29 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas:

30 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas:

31 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas: Epidural Subdural Intra-craneana

32 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas: Epidural

33 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos de Aumento Rápido da Pressão Intra-craneana: Hipertensão Arterial Bradicardia Bradipnéia Cirurgia Imediata: Descompressão Intra-craneana Craniotomia

34 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Exame Neurológico: Mini Exame Neurológico Nível de Consciência Estado da Pupila Movimentos das Extremidades (Exame Motor) Nível da Consciência: Escala de Glasgow: Abertura dos Olhos: Resposta Verbal: Resposta Motora: Estado das Pupilas: Isocóricas: Diâmetros Iguais: Diferença de 1 mm já é Anisocoria Foto-Reagente Exames das Extremidades: Movimentos Normais e Iguais dos 2 Lados Movimento Apenas com Estímulo Doloroso: Avaliar os 2 Lados

35 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Nível da Consciência: Escala de Glasgow: Abertura dos Olhos: o Espontânea: 4 Pontos o A Fala: 3 Pontos o A Dor: 2 Pontos o Nenhuma: 1 Ponto Resposta Verbal: o Orientado: 5 Pontos o Conversação Confusa: 4 Pontos o Palavras Inapropriadas: 3 Pontos o Sons Incompreensíveis: 2 Pontos o Nenhuma: 1 Ponto

36 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Nível da Consciência: Escala de Glasgow: Resposta Motora: o Obedece a Comando Verbal: 6 Pontos o Reage Corretamente no Local do Estímulo da Dor: 5 Pontos o Reage se Afastando do Estímulo da Dor: 4 Pontos o Flexão Anormal: Decorticaçâo: 3 Pontos o Resposta Extensora: Descerebração: 2 Pontos o Nenhum Movimento: 1 Ponto Atenção: No Coma o Escore Máximo é 8 Pontos.

37 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Lesão Severa: Independe da Escala de Glasgow Aumento do Tamanho da Pupila Déficit Motor de 1 Lado Cefaléia Progressiva Perda de Líquor Exposição do Tecido Cerebral Sinais Clínicos Importantes: Otorragia Rinorragia Hematoma Periorbitário

38 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Exames Complementares: Raio X TC Exames de Sangue: Hemograma Completo Bioquímica

39 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Rinorréia Rinorragia

40 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Hematoma Retro-auricular

41 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Hematoma Retro-auricular

42 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Equimose Periorbitária

43 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Otorragia e Otorréia

44 Trauma Raqui-Medular: TRM: Todo Paciente Politraumatizado deve ser Rigorosamente Imobilizado Protegendo a Coluna Vertebral até que se Confirme ou Não uma Lesão Vertebral. Paciente Corretamente Imobilizado pode-se até Adiar o Diagnóstico Definitivo caso seja Necessário.

45 Trauma Raqui-Medular: TRM:

46 Trauma Raqui-Medular: TRM:

47 Trauma Raqui-Medular: TRM:

48 Trauma Raqui-Medular: TRM:

49 Trauma Raqui-Medular: TRM:

50 Trauma Raqui-Medular: TRM:

51 Trauma Raqui-Medular: TRM: História: Condição Neurológica Prévia do Paciente Descrição do Trauma Presença de Paralisias Imediatamente após o Trauma Alteração do Estado Sensomotor. Atenção: Todo Paciente com Trauma Acima da Clavícula e com TCE Sempre Suspeitar de TRM Cervical.

52 Trauma Raqui-Medular: TRM: Cuidados Importantes: Mobilização: Sempre a Técnica do Rolar o Paciente (4 Pessoas) e colocá-lo na Prancha Longa com Imobilizador Tipo Aranha. Atenção com Dores Abaixo do Nível da Lesão que estarão Ausentes Mascarando o Diagnóstico. Achados Clínicos TRM Cervical: Dor, Deformidade, Edema, Equimose e Espasmo Muscular no Nível da Lesão Vertebral Paralisia Flácida e Arreflexia Respiração Diafragmática Capacidade de Fletir, mas Não de Extender o antebraço Sensibilidade Dolorosa Apenas Acima da Clavícula Hipotensão com Bradicardia Sem Hipovolemia Preapismo

53 Trauma Raqui-Medular: TRM: Diagnóstico Por Imagem: Raio X da Coluna Vertebral TC RNM Reanimação: Imobilização com Colar Cervical na Prancha Longa com Imobilizador Tipo Aranha Reposição Hídrica Vasopressores Cuidadosamente Transferência Imediata

54 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Proteger a Coluna Vertebral Manipular com Segurança a Coluna Vertebral Imobilizar a Coluna Vertebral

55 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Medida do Colar Cervical

56 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

57 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

58 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

59 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

60 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

61 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

62 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

63 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

64 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

65 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

66 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

67 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

68 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

69 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

70 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

71 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

72 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

73 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

74 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

75 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

76 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

77 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

78 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

79 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG. André Montillo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG. André Montillo UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG André Montillo www.montillo.com.br Morte % HORA OURO 50% 30% 20% 1h 3hs 7 dias Tempo pós trauma HORA OURO

Leia mais

Supera todas as outras causas de doenças combinadas. Anatomia, fisiologia e mecanismos produzem distintos

Supera todas as outras causas de doenças combinadas. Anatomia, fisiologia e mecanismos produzem distintos Causa mais frequente de morte e invalidez Supera todas as outras causas de doenças combinadas Anatomia, fisiologia e mecanismos produzem distintos padrões de lesões Veículos automotores: mais comum Lesões

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga Epidemiologia Mundo - 10 milhões/ano internações 3ª maior causa morte Homens > Mulheres (2:1) Jovens Causas: Acidente trânsito Quedas Agressões

Leia mais

LESÕES DE CRÂNIO. traumatismos

LESÕES DE CRÂNIO. traumatismos LESÕES DE CRÂNIO traumatismos FRATURAS DE CRÂNIO ABERTAS & FECHADAS LESÕES ENCEFÁLICAS, CONTUSÃO E CONCUSSÃO SINAIS & SINTOMAS DO TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) TRAUMATISMOS DE FACE: SINAIS & SINTOMAS LESÃO

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito

Leia mais

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann Urgência e emergência na atenção primária Enfª Karin Bienemann ATENDIMENTO INICIAL À VÍTIMA CRÍTICA PANORAMA ATUAL: Como andam as Urgências? AS URGÊNCIAS NO PAÍS Distribuição inadequada da oferta de serviços

Leia mais

Atendimento Inicial ao Traumatizado

Atendimento Inicial ao Traumatizado MEDICINA DE URGÊNCIA RCG - 0458 Atendimento Inicial ao Traumatizado Prof. Dr. Sandro Scarpelini Departamento de Cirurgia e Anatomia Objetivos Aplicar os princípios do exame primário e secundário Identificar

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO. Prof.ª Leticia Pedroso

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO. Prof.ª Leticia Pedroso TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO Prof.ª Leticia Pedroso Anatomia: Crânio e Cérebro Órgãos nobre, de extrema importância na vida do ser humano!! TCE - Principal causa de morte, especialmente em jovem. Brasil

Leia mais

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem Avaliação inicial do traumatizado SANTA CASA DE SÃO PAULO Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico Fabricia

Leia mais

POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO)

POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO) POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO) Medidas dos sinais vitais e nível de consciência Glasgow < FR < ou > 9 Escore de trauma pediátrico < 9 PAS 9 mmhg Escore de trauma revisado < Avaliação de lesões anatômicas

Leia mais

TRAUMA: O MAL DO SÉCULO?

TRAUMA: O MAL DO SÉCULO? TRAUMA: O MAL DO SÉCULO? Paulo Jesuino Prof. Assistente Clínica cirúrgica FAMEB/UFBA EBMSP/FDC Diretor da Escola de Ciências da Saúde UNIFACS/Laureste International Universities Titular Colégio Brasileiro

Leia mais

TCE TRAUMA CRANIENCEFÁLICO

TCE TRAUMA CRANIENCEFÁLICO TRAUMA CRANIENCEFÁLICO Imad Shehadeh Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões TCE 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito a cada 5 minutos 1 sequela

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR Definição Entende-se por traumatismo raquimedular lesão de qualquer causa externa na coluna vertebral, incluindo ou não medula ou raízes nervosas, em qualquer dos seus segmentos

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

Estabelecimento de prioridades

Estabelecimento de prioridades Avaliação e Atendimento Iniciais Avaliação e Atendimento Iniciais Prof. Ma. Caroline Neris Prof. Esp. Wellington de Moura Leite Cinemática do trauma Triagem Avaliação primária (ABCDE) Medidas auxiliares

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA

TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA FORMAÇÃO SETEMBRO/OUTUBRO 2012 BV FAFE TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA Formadora Teórica: Luísa Antunes Acidentes de viação matam mais do que as guerras Ricardo Reis 2012 Os acidentes de viação deixam

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Para aprender mais assista a aula. Trauma Pediátrico MAILTON ARRUDA

Para aprender mais assista a aula. Trauma Pediátrico MAILTON ARRUDA Para aprender mais assista a aula Trauma Pediátrico MAILTON ARRUDA 2016.1 Introdução Causa mais comum de mortes e sequelas na infância Quase 1/6 dos atendimentos de crianças em emergências Principal causa

Leia mais

2 No trauma abdominal fechado, não é contraindicação para realização de TC de abdome:

2 No trauma abdominal fechado, não é contraindicação para realização de TC de abdome: PROVA HABILIDADES BÁSICAS VI Professores: Antonio Gondim e Marcos Diniz 1 Mulher, 44 anos, vítima de atropelamento, chega a emergência com PA de 110x70 mmhg, frequência cardíaca e respiratória de 96 bpm

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência Trauma 1. (FUNDEP CISSUL MG 2013) A cinemática do trauma possibilita a suspeita de algumas lesões e contribui para que se evitem lesões despercebidas. Sobre esse tema é CORRETO afirmar

Leia mais

[244] 113. TRAUMA PEDIÁTRICO

[244] 113. TRAUMA PEDIÁTRICO [244] Efetuar o transporte da paciente para o hospital em todos os casos. Incluir no exame a avaliação da irritabilidade uterina (presença de contrações e seu ritmo) e a altura do fundo de útero. Prestar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG Catástrofes e Atendimento a Múltiplas Vítimas Métodos de Triagem Catástrofe Pela Organização Mundial

Leia mais

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Prof. Adélia Dalva 1. O tratamento emergencial da hipovolemia grave, em uma unidade de pronto atendimento, causada por choque hemorrágico, compreende as seguintes condutas terapêuticas,

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

CHEGOU UMA CRIANÇA NO PLANTÃO

CHEGOU UMA CRIANÇA NO PLANTÃO CHEGOU UMA CRIANÇA NO PLANTÃO EMERGÊNCIAS CIRURGICAS PEDIÁTRICAS CAUSAS INFLAMATÓRIAS APENDICITE - MAIS FREQUENTE. DIVERTICULITE DE MECKEL. COLECISTITE. CAUSAS INFLAMATÓRIAS PERITONITES RELACIONADA A VÁLVULAS

Leia mais

Urgência e Emergência. Prof.ª André Rodrigues

Urgência e Emergência. Prof.ª André Rodrigues Urgência e Emergência Prof.ª André Rodrigues 1 1974 Criação da ECG Cronologia Glasgow Escócia Sir Graham Teasdale 2014 Publicação da utilização até o momento 80 países 60 idiomas 18.000 referências Em

Leia mais

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios 1 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR- EPH -Hemorragia e choque. -Trauma em extremidades. -Traumatismos: -Queimaduras. CHOQUE-EPH TIPOS DE CHOQUE Hipovolêmico

Leia mais

ENFERMAGEM CUIDADOS DE ENFERMAGEM. Aula 10. Profª. Tatiane da Silva Campos

ENFERMAGEM CUIDADOS DE ENFERMAGEM. Aula 10. Profª. Tatiane da Silva Campos ENFERMAGEM CUIDADOS DE ENFERMAGEM Aula 10 Profª. Tatiane da Silva Campos Cuidado de Enfermagem em Hemorragia CUIDADOS DE ENFERMAGEM A hemorragia é uma complicação, grave, que pode resultar em choque hipovolêmico

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Trauma Definição: É uma lesão que pode ocorrer em qualquer parte do corpo, que será o produto do efeito mecânico de um agente ou objeto externo que acontece de

Leia mais

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas Anatomia Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Sistema Nervoso Central (SNC) Cérebro Medula espinhal Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos Cranianos Nervos Espinhais Fisiologia

Leia mais

radiologia do TCE

radiologia do TCE WWW.cedav.com.br radiologia do TCE Para aprender a tratar uma doença, primeiro é preciso aprender a reconhece-la. Jean Martin Charcot 1825-1893 Densidade em UH Substancia HU Ar 1000 Gordura 100 to 50

Leia mais

Traumatologia. Distúrbios do Aparelho Locomotor tendo como Etiologia Sempre o TRAUMA, não importando a sua Magnitude.

Traumatologia. Distúrbios do Aparelho Locomotor tendo como Etiologia Sempre o TRAUMA, não importando a sua Magnitude. André Montillo UVA Definição: Traumatologia Distúrbios do Aparelho Locomotor tendo como Etiologia Sempre o TRAUMA, não importando a sua Magnitude. Propedêutica do Trauma: Tripé Propedêutico Anamnese Exame

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

COMEDEPB 2019 ATLS 10º Edição Reposição volêmica no choque João Ricardo F. Tognini

COMEDEPB 2019 ATLS 10º Edição Reposição volêmica no choque João Ricardo F. Tognini COMEDEPB 2019 ATLS 10º Edição Reposição volêmica no choque João Ricardo F. Tognini ATENDIMENTO INICIAL AO POLITRAUMATIZADO Exame Primário ABCDE Medidas auxiliares Reanimação Exame Secundário Tratamento

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

Tromboembolismo Pulmonar Embolia pulmonar

Tromboembolismo Pulmonar Embolia pulmonar Tromboembolismo Pulmonar Embolia pulmonar Forma mais comum de doença pulmonar aguda na população hospitalar adulta (3 a causa de óbito nos EUA), mais comum em idosos e em homens: 85% dos casos são provenientes

Leia mais

Traumatologia. Lesões Fundamentais do Trauma:

Traumatologia. Lesões Fundamentais do Trauma: Lesões Fundamentais do Trauma: Contusão Entorse Luxação Fratura Todo o Trauma, não importando sua Magnitude, sempre resultará em umas dessas Lesões. Contusão: Lesão Superficial de Partes Moles sem qualquer

Leia mais

Problemas neurológicos

Problemas neurológicos Problemas neurológicos ACIDENTE VASCULAR ENCEFALICO É morte ou sofrimento de uma determinada área cerebral devido uma dificuldade de fornecimento de sangue e seus constituintes. Dois tipos: Isquêmico.

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

Fraturas, luxações e contusões

Fraturas, luxações e contusões Fraturas, luxações e contusões 1. Fratura É toda solução de continuidade súbita e violenta de um osso. A fratura pode ser fechada quando não houver rompimento da pele, ou aberta (fratura exposta) quando

Leia mais

TRAUMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Prof.ª Leticia Pedroso

TRAUMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Prof.ª Leticia Pedroso TRAUMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Prof.ª Leticia Pedroso Lesões do Sistema Músculo Esquelético Ocorrem em 85% dos doentes que sofrem trauma fechado. Devem ser avaliadas e tratadas corretamente de tal maneira

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO SEPSE E CHOQUE SÉPTICO

PROTOCOLO MÉDICO SEPSE E CHOQUE SÉPTICO Página: 1 de 6 1. INTRODUÇÃO: Considerar SEPSE e CHOQUE SÉPTICO quando: - Temperatura >38 C ou < 36 C - FR >20 ou paco2 12.000 ou leucopenia 10% de bastões - Hipotensão induzida

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO. Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO. Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma INTRODUÇÃO Elevado número de mortes anuais Óbitos antes do atendimento hospitalar Vítimas de TCE apresentam invalidez O atendimento

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO. Profa. Ms Vanessa Dias

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO. Profa. Ms Vanessa Dias TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO Profa. Ms Vanessa Dias Objetivos da aula Relacionar a biomecânica do trauma com a potencial lesão cerebral; Comparar e constatar a fisiopatologia, o tratamento e as potenciais conseqüências

Leia mais

6. (FCC/TRE-RN/2011) No atendimento préhospitalar

6. (FCC/TRE-RN/2011) No atendimento préhospitalar 1. (Iniciativa Global/CIAS-MG/2016) Colares cervicais rígidos são bastante utilizados em vítimas de trauma. A sua finalidade principal e específica é proteger a coluna cervical de compressão. Todas as

Leia mais

23/05/2014. Introdução. Maior número de anos potenciais perdidos. Principal causa de morte de menores de 44 anos. Maior causa de Morte por trauma

23/05/2014. Introdução. Maior número de anos potenciais perdidos. Principal causa de morte de menores de 44 anos. Maior causa de Morte por trauma Introdução Maior causa de Morte por trauma Principal causa de morte de menores de 44 anos Maior número de anos potenciais perdidos 1 Introdução 20-50% das mortes ocorrem por atendimento insatisfatório

Leia mais

SINAIS CLÍNICOS CHOQUE HIPOVOLÊMICO

SINAIS CLÍNICOS CHOQUE HIPOVOLÊMICO Emergências Pré-hospitalares Jean Naves 1. (VUNESP-TJ SP 2010) Quando existe hemorragia interna, a identificação se faz por meio de sinais e sintomas clínicos. Constitui sinal de hemorragia. a) ausência

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIMICROBIANO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIMICROBIANO) **** Evento Séptico nº DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIMICROBIANO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino

Leia mais

Hipertensão Intracraniana Traumática Introdução

Hipertensão Intracraniana Traumática Introdução Hipertensão Intracraniana Traumática Introdução O TCE (trauma crânio-encefálico) é um problema médico e social mundial. Principais causas de HIC (hipertensão intracraniana) e seus mecanismos: A principal

Leia mais

ATIVIDADES. Karin Scheffel

ATIVIDADES. Karin Scheffel ATIVIDADES Karin Scheffel Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A 1º vítima era uma mulher de 28 anos,

Leia mais

HEMORRAGIAS. Prof. Raquel Peverari de Campos

HEMORRAGIAS. Prof. Raquel Peverari de Campos HEMORRAGIAS É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue. A gravidade da hemorragia se mede pela quantidade e rapidez

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir: Estado de Choque OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de Definir: Estado de Choque; Classificação do Estado de Choque; Sinais e sintomas; Choque compensado / descompensado; Conduta no tratamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG MANUAL DE PRIMEIROS SOCORROS Os Primeiros Socorros constituem-se no primeiro atendimento prestado

Leia mais

HEMORRAGIAS. É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue.

HEMORRAGIAS. É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue. HEMORRAGIAS É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue. A gravidade da hemorragia se mede pela quantidade e rapidez

Leia mais

Autor. Revisão Técnica. Fábio Del Claro

Autor. Revisão Técnica. Fábio Del Claro Apresentação O Guia de Urgências e Emergências Cirúrgicas foi estruturado a fim de orientar o profissional que lida a todo instante com situações diversas e que exigem diferentes abordagens na urgência

Leia mais

Traumatismo Raquimedular Traumatismo Crâniencefálico

Traumatismo Raquimedular Traumatismo Crâniencefálico Curso Continuado de Cirurgia Geral do Capítulo de São Paulo do Colégio Brasileiro de Cirurgiões Traumatismo Raquimedular Traumatismo Crâniencefálico Discussão de Casos - 10 de Junho de 2006 Caso 1 IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira Atendimento Pré-Hospitalar APH Professora: Ana Paula de Oliveira Na Saúde Pública onde se insere? 1. Unidades Básicas de Saúde 2. Ambulatórios especializados 3. Serviços de diagnósticos e terapias 4. Pré-Hospitalar

Leia mais

Informações de Impressão

Informações de Impressão Questão: 361841 A parada cardiopulmonar é a cessação da circulação e da respiração. É uma emergência dramática, especialmente quando se trata de paciente pediátrico. Requer do enfermeiro conhecimento dos

Leia mais

Seção 1 Introdução Intr Guia_Book.indb 1 04/09/ :12:42

Seção 1 Introdução Intr Guia_Book.indb 1 04/09/ :12:42 Seção 1 Introdução CAPÍTULO 1 Heitor Rossi Lopes Alessandra Rodrigues Silva Eduardo Davino Chiovatto Raissa Souza Aguiar Revisor especialista focal: Hélio Penna Guimarães Avaliação Inicial do Paciente

Leia mais

Divisão de Cirurgia de Urgência e Trauma Unidade de Emergência do HC FMRP USP ATLS. Maurício Godinho

Divisão de Cirurgia de Urgência e Trauma Unidade de Emergência do HC FMRP USP ATLS. Maurício Godinho Divisão de Cirurgia de Urgência e Trauma Unidade de Emergência do HC FMRP USP ATLS Maurício Godinho TRAUMA National Academy of Sciences, 1966 Em 1965, 52 milhões de acidentes mataram 107.000, incapacitaram

Leia mais

NEUROCIRURGIA o que é neurocirurgia?

NEUROCIRURGIA o que é neurocirurgia? NEUROCIRURGIA o que é neurocirurgia? Neurocirurgia é a especialidade médica que se ocupa do tratamento de doenças do sistema nervoso central e periférico (como tumores, doenças vasculares, degenerativas),

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG A: Vias Aéreas B: Ventilação Atuação do Socorrista ABC da Vida C: Circulação Trauma: Se Baseia

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIMICROBIANO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIMICROBIANO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIMICROBIANO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento:

Leia mais

Fluidoterapia. Vias de Administração. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Enteral Via oral Via intra retal

Fluidoterapia. Vias de Administração. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Fluidoterapia. Enteral Via oral Via intra retal Vias de Administração Enteral Via oral Via intra retal Parenteral Via Subcutânea Via Intramuscular Via endovenosa Via Intra Óssea Via Intra Cardíaca Via Intra Traqueal Via Epidural Via Subaracnóidea Via

Leia mais

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação.

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação. Emergências Pré Hospitalares Elton Chaves QUESTÕES 1. Uma mulher de 75 anos, estava saindo de casa e subitamente apresentou uma Parada Cardiorrespiratória (PCR). Uma pessoa, que estava próxima de sua casa,

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR 1. Trauma: Considerações Iniciais O Traumatizado Prioritário Funções Vitais Comprometidas; Lesões Orgânicas;

Leia mais

Abordagem da sepse na emergência Rodrigo Antonio Brandão Neto

Abordagem da sepse na emergência Rodrigo Antonio Brandão Neto Abordagem da sepse na emergência Rodrigo Antonio Brandão Neto Perguntas as serem respondidas Esse paciente tem choque? Quais os critérios de sepse? Qual abordagem inicial ao choque neste paciente? Quais

Leia mais

Deve ser feito de imediato: Compressas frias Repouso imobilização 21/03/2017

Deve ser feito de imediato: Compressas frias Repouso imobilização 21/03/2017 Luxação Deve ser feito de imediato: Compressas frias Repouso imobilização Ocorre quando as extremidades ósseas da articulação deixam de se encontrar 1 Entorse Provocada por um movimento violento que leva

Leia mais

Prof. Raquel Peverari de Campos

Prof. Raquel Peverari de Campos Luxação Deve ser feito de imediato: Compressas frias Repouso imobilização Ocorre quando as extremidades ósseas da articulação deixam de se encontrar Entorse Provocada por um movimento violento que leva

Leia mais

ABORDAGEM PRIMÁRIA C COMPLETA. Porfª Leticia Pedroso

ABORDAGEM PRIMÁRIA C COMPLETA. Porfª Leticia Pedroso ABORDAGEM PRIMÁRIA C COMPLETA Porfª Leticia Pedroso Avaliação Primária Completa Devemos pensar na fisiopatologia das lesões e nas condições do doente não se pode perder tempo em lembrar o que deve vir

Leia mais

TRAUMA ADBOMINAL. Prof.ª Leticia Pedroso

TRAUMA ADBOMINAL. Prof.ª Leticia Pedroso TRAUMA ADBOMINAL Prof.ª Leticia Pedroso TRAUMA DE ABDOME Anatomia interna Cavidade do corpo que contém estruturas, órgãos e vasos calibrosos: Órgãos sólidos fígado, baço, pâncreas, rins. Órgãos ocos esôfago,

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais Trauma de tórax VII Encontro de Enfermagem em Emergência São José do Rio Preto Trauma de TóraxT Lesões torácicas estão entre as 04 principais causas de morte nos traumatizados Nos EUA estima-se que ocorram

Leia mais

SRPA- Sala de Recuperação Pós-Anestésica

SRPA- Sala de Recuperação Pós-Anestésica CAPÍTULO 7» Local destinado a receber o paciente em pós-operatório imediato até que recupere a consciência e tenha seus sinais vitais estáveis;» A assistência prestada ao paciente na SRPA requer cuidados

Leia mais

Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia TRM. Prof. Marcelo Bragança dos Reis

Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia TRM. Prof. Marcelo Bragança dos Reis Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia TRM Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução 1) Lesão medular 2) Exame neurológico 3) Padrões de lesão medular 4) Padrões de fratura 5) Choque medular

Leia mais

15/05/2017. Nova Escala de Coma. de Glasgow? Nova Escala de Coma. de Glasgow?

15/05/2017. Nova Escala de Coma. de Glasgow? Nova Escala de Coma. de Glasgow? Nova Escala de Coma de Glasgow? Nova Escala de Coma de Glasgow? 1 Escala de Coma de Glaslow 15/05/017 Escala de Coma de Glasgow Resposta Ocular (1 - pontos) Resposta erbal (1-5 pontos) Resposta Motora

Leia mais

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CAUSAS TIPOS DE CHOQUE SINAIS & SINTOMAS GERAIS DO CHOQUE ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CONCEITO FALÊNCIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO INCAPACIDADE

Leia mais

Disciplina de Medicina Intensiva e Emergências Pediátricas HC FMB - UNESP

Disciplina de Medicina Intensiva e Emergências Pediátricas HC FMB - UNESP 1988 Disciplina de Medicina Intensiva e Emergências Pediátricas HC FMB - UNESP FISIOPATOLOGIA DA LESÃO CEREBRAL Lesões 1 árias Demanda de O 2 Lesões couro cabeludo Fraturas Concussão Contusão Hematomas

Leia mais

Métodos de imagem em ortopedia

Métodos de imagem em ortopedia Métodos de imagem em ortopedia WWW.CEDAV.COM.BR Área acadêmica Aulas de Diag. por imagem Métodos de imagem em ortopedia Dr. Ricardo Ferreira Mestre em radiologia UFTP Prof. Ass. Radiologia FEPAR Prof.

Leia mais

EMERGÊNCIAS EM PEQUENOS ANIMAIS

EMERGÊNCIAS EM PEQUENOS ANIMAIS EMERGÊNCIAS EM PEQUENOS ANIMAIS CONSIDERAÇÕES LEGAIS artigo 11: assegura ao médico veterinário escolher livremente seus clientes ou pacientes, com exceção dos seguintes casos:...e, nos casos de extrema

Leia mais

SICCLÍNICA CIRÚRGICA CIRURGIA DO TRAUMA

SICCLÍNICA CIRÚRGICA CIRURGIA DO TRAUMA SICCLÍNICA CIRÚRGICA CIRURGIA DO TRAUMA Autoria e colaboração Eduardo Bertolli Graduado pela Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Especialista em Cirurgia Geral

Leia mais

TRAUMAS FRATURAS E IMOBILIZAÇÕES

TRAUMAS FRATURAS E IMOBILIZAÇÕES TRAUMAS FRATURAS E IMOBILIZAÇÕES PRIMEIROS SOCORROS SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR!!! O QUE SIGNIFICA??? Cuidados com riscos de incêndio, desabamentos, novas quedas, agressões, Atenção com fios elétricos

Leia mais

Médico Neurocirurgia Geral

Médico Neurocirurgia Geral Médico Neurocirurgia Geral Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Homem de 40 anos de idade procura a emergência de um hospital com dor irradiada incapacitante para o membro inferior direito após

Leia mais

CONCEITO FALHA CIRCULATÓRIA HIPOPERFUSÃO HIPÓXIA

CONCEITO FALHA CIRCULATÓRIA HIPOPERFUSÃO HIPÓXIA Urgência e Emergência Prof.ª André Rodrigues CONCEITO FALHA CIRCULATÓRIA HIPOPERFUSÃO HIPÓXIA 1 FISIOPATOLOGIA MORTE CELULAR 2 MECANISMOS COMPENSATÓRIOS AUMENTO DA ATIVIDADE SIMPÁTICA 3 COMPENSAÇÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2010 CIRURGIA DA MÃO Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique se você recebeu um CADERNO DE QUESTÕES

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL VIVA RIO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - IRAJÁ

ORGANIZAÇÃO SOCIAL VIVA RIO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - IRAJÁ IBADE INSTITUTO BRASILEIRO DE APOIO E DESENVOLVIMENTO EXECUTIVO PROCESSSO SELETIVO PÚBLICO EDITAL Nº 01/2018/VIVARIO ORGANIZAÇÃO SOCIAL VIVA RIO UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA) - IRAJÁ MÉDICO CLÍNICO

Leia mais

Protocolo: - - Admissão anterior nesta UCIP durante este internamento hospitalar: Não Sim <48 h >= 48 h

Protocolo: - - Admissão anterior nesta UCIP durante este internamento hospitalar: Não Sim <48 h >= 48 h Protocolo: - - Data de Admissão Hospitalar Data de Admissão na UCIP Data de Nascimento Admissão Hora de Admissão Hospitalar Hora de Admissão na UCIP Sexo: Masculino Feminino Indeterminado Peso: Kg Admissão

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUI-MEDULAR TRM TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TRM Traumatismo Raqui Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou permanente

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TCE Traumatismo Cranioencefálico Cerca de 50 %das mortes por trauma estão associadas com o trauma cranioencefálico (TCE). Os traumatismos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA MÉDICO SOCORRISTA 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES 1.

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência 1/31/17 Urgência e Emergência Hemorragias e PCR 1. (AOCP EBSERH 2015) Fibrilação Ventricular, Taquicardia Ventricular sem pulso, Atividade Elétrica sem pulso e assistolia são mecanismos considerados modalidades

Leia mais

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia Primeiros socorros Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Definição Definição Medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

Segundo MEEKER et al (1997), o posicionamento do paciente para uma intervenção cirúrgica é uma arte, uma ciência e também um fator-chave no

Segundo MEEKER et al (1997), o posicionamento do paciente para uma intervenção cirúrgica é uma arte, uma ciência e também um fator-chave no Segundo MEEKER et al (1997), o posicionamento do paciente para uma intervenção cirúrgica é uma arte, uma ciência e também um fator-chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG A: Vias Aéreas B: Ventilação Atuação do Socorrista ABC da Vida C: Circulação Princípio Básico:

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP Programa de PG em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica MEPAREM AUTOR:

Leia mais

Tromboembolismo Pulmonar. Fernanda Queiroz

Tromboembolismo Pulmonar. Fernanda Queiroz Tromboembolismo Pulmonar Fernanda Queiroz EMBOLIA PULMONAR DEFINIÇÃO: É a obstrução de vasos da circulação arterial pulmonar causada pela impactação de particulas cujo diâmetro seja maior do que o do vaso

Leia mais