UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

2

3 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia 1º Passo: Manter a Potencia das Vias Aéreas. 2º Passo: Avaliar a Condição VENTILATÓRIA do Paciente. 3º Passo: Controle das Hemorragias

4 Choque Hemorrágico: Definição: É o Distúrbio Hemodinâmico que Determina Perfusão Inadequada e Oxigenação Insuficiente de Órgãos e Tecidos. Atenção: O Diagnóstico (Reconhecer a Lesão) é Urgente e o Tratamento (Reanimação/Reparação) Imediato, para Evitar os Efeitos Deletérios Sobre as Células. Classificação: Hemorragia Externa: Feridas de partes moles extensas Fraturas Exposta em Ossos Longos Hemorragias Internas: Fraturas Fechadas: Principalmente Fratura da Bacia Trauma Abdominal

5 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia: Diagnóstico da Hemorragia Ação Inicial do Organismo: Liberação das Catecolaminas: Vasoconstricção cutânea, muscular e visceral Aceleração dos Batimentos Cardíacos: Taquicardia

6 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia: Diagnóstico da Hemorragia Sinais Clínicos Precoces: Taquicardia: Acima de 100 bpm Pressão Arterial: A Pressão Sistólica se Abaixa (menor 90 mmhg) com perde volêmica superiora 30%. Taquipnéia: perda de 500ml: 15 ipm para 30 a 40ipm na dependência da Hipovolemia.Pode evoluir para Dispnéia Consciência: Pequenas Perdas de Sangue a Consciência é Mantida. Pode evoluir desde agitação até letargia. Oligúria: Sonda Vesical: Controle da Diurese Horária e Controle da Reposição Volêmica. Atenção: Os Exames Laboratorias Não são Eficientes nas primeiras horas da Hemorragia: Hematócrito e Hemograma.

7 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia: Diagnóstico da Hemorragia Hemorragia Externa: Facilmente Diagnosticada pela saída de sangue externamente: Avalia-se: Sangramento Arterial: Em jato Pulsátil com Pressão Sangue Vermelho Vivo Sangramento Venoso: Em corredeira Contínuo, não pulsátil e Sem Pressão Sangue de Cor Escura Deformidades nos membros quando associada a fratura dos ossos longos: Avalia-se o sangue com muita gordura por origem óssea: brilhante com a luz

8 Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia: Diagnóstico da Hemorragia Hemorragia Interna: Diagnóstico Mais Difícil: Avalia-se: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Trauma Abdominal: Sinais Clínicos de Choque Hemorrágico Sinais Clínicos de Lesão Intra abdominal: Irritação Peritoneal Fratura da Bacia: Sinais Clínicos de Choque Hemorrágico Mobilidade da Bacia na Palpação

9 Trauma Abdominal: Palavra Chave: Sempre Suspeitar de Trauma Abdominal no Politraumatizado. 20% dos Politraumatizados com Hemoperitôneo na Avaliação Primária tem o Exame Físico Abdominal Normal. Os Sinais Clínicos Abdominais podem ser Mascarados por Lesões Extra Abdominal, TCE ou TRM.

10 Trauma Abdominal: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Abordagem Clínica: O Objetivo Não é o Diagnóstico Definitivo E Sim Identificar a Lesão com Indicação de Loparotomia. (ABDOMEM AGUDO) Sinais Clínicos de Irritação Peritoneal: Cirúrgia de Emergência Dor Abdominal Distensão Abdominal ABDOMEM AGUDO LAPAROTOMIA EXPLORADORA

11 Trauma Abdominal: Palavra Chave: Sempre Suspeitar de Trauma Abdominal no Politraumatizado.

12 Trauma Abdominal: Palavra Chave: Sempre Suspeitar de Trauma Abdominal no Politraumatizado.

13 Trauma Abdominal: História Clínica: Hora do Trauma Mecanismo de Lesão: Desaceleração ou Direto Fatos Relacionados ao Paciente Tipo de Cinto de Segurança. Exame Físico: Inspeção Palpação Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Percussão Exame Retal e Vaginal Avaliação das Genitálias Masculinas

14 Trauma Abdominal: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Indicações de Laparotomia: Hipotensão Arterial com evidência de Trauma Abdominal Sinais Nítidos de Irritação Peritoneal Hipotensão Recorrente Mesmo com Tratamento Adequado Trauma Aberto Abdominal: Peritoneal

15 Trauma Abdominal: Laparotomia: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado:

16 Trauma Pélvico: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Fratura de Bacia: Estabilização Hemodinâmica

17 Trauma Pélvico: Sistematização do Atendimento ao Politraumatizado: Fratura de Bacia: Estabilização Hemodinâmica

18 Trauma Pélvico: Fratura de Bacia: Estabilização Hemodinâmica

19 Reanimação: Controle das Hemorragias Externas Tamponamento da ferida com pano limpo Curativo Compressivo na ferida Nunca Garrotear o membro comprometido Imobilizar o membro comprometido sem corrigir as deformidades ósseas Manter elevado o membro comprometido

20 Reanimação: Reposição Volêmica Acesso Venoso Inicial é Primordial: Puncionar uma Veia Periférica No Acesso: Colher Amostra de Sangue para Exames Laboratoriais: Tipagem Sangüínea Fator Rh Prova Cruzada Teste de Gravidez Pesquisa de Narcotóxico Reposição Inicial de Fluidos: Deve-se Evitar a Hipotermia: Todos Os Fluidos Previamente Aquecidos. Solução Salina Isotônica: Ringer Lactato: Repor o Cloro: Adulto: 1 2 litros Rapidamente Criança: 20 ml/ Kg

21 Reanimação: Reposição Volêmica Transfusão de Sangue: É Realizada após a Transfusão de Solução Salina (Ringer Lactato) Inicialmente. Nunca É a 1º Escolha de Infusão Mesmo Nos Pacientes Graves. Pode-se usar Concentrados de Hemácias ou Sangue Total Pode-se Transfundir: Sangue Cruzado Tipo Específico Tipo O Negativo Restauração das Hemorragias: Geralmente Tratamento Cirúrgico de Emergência

22 Atendimento nas Hemorragias: Proteger-se com luvas (sempre que em contato com sangue ou fluidos corpóreos). Identificar o local exato da hemorragia, o sangue espalha-se e podemos estar realizando atendimento no local errado. Colocar um pano limpo dobrado, no local do ferimento que ocasiona a hemorragia. Colocar a atadura em volta ou fazer uma atadura improvisada, com tiras largas ou cintos. Não utilizar objetos que possam causar dificuldade circulatória (arames, barbante, fios, etc.). Faça um curativo compressivo, sem prejudicar a circulação daquele membro. Se a hemorragia for em braço ou perna, eleve o membro, só não o faça se houver fraturas. Pressione a área com os seus dedos (ponto de pressão) para auxiliar a estancar a hemorragia.

23 Atendimento nas Hemorragias: Caso o sangue continue saindo mesmo após a realização do curativo compressivo, não retire os panos molhados de sangue. Coloque outro pano limpo em cima e uma nova atadura, evitando com isso, interferir no processo de coagulação. Evite usar torniquete, pois ele pode levar a amputação cirúrgica do membro se não for afrouxado corretamente e no tempo certo.

24 Atendimento nas Hemorragias: Se a hemorragia for abundante, pegue uma camisa ou um cinto, coloque um pouco acima da hemorragia e de um nó e puxe, fique segurando firme, isso vai diminuir a chegada de sangue ao local. Esse método é para substituir o torniquete, e não causa lesões circulatórias, pois cada vez que o socorrista cansar e tiver que "tomar fôlego", vai diminuir a pressão e aquela área será irrigada com sangue arterial. Deve-se Sempre Considerar que Há Fratura no Membro com Hemorragia Externa, desta Forma além de Comprimir a Ferida Devemos Imobilizar o Membro Comprometido Reduzindo a Mobilidade do Foco de Fratura, portanto Diminuindo o Sangramento de Origem Óssea e Protege as Partes Moles Diminuindo o Sangramento das Lesões nas Partes Moles, evitando as Lesões Secundárias.

25 Avaliação da Letra D: Déficit Neurológico 1º Passo: Vias Aéreas Pérvias e Controle da Coluna Cervical 2º Passo: Boa Ventilação 3º Passo: Circulação: Controle das Hemorragias 4º Passo: Déficit Neurológico Lesão do Sistema Nervoso Central (SNC): Trauma Crânio Encefálico (TCE) Trauma Raqui-Medular (TRM)

26 Trauma Crânio Encefálico: TCE: 50% de Óbito é por TCE A Avaliação Primária e a Reanimação devem Controlar Precocemente a Hipóxia Cerebral e o Aumento da Pressão Intracraniana. Desta forma Prevenimos o Óbito Precoce e Seqüelas Neurológicas Irreversíveis. Sempre Avaliar: Vias Aéreas Pérvias e Boa Ventilação Repor Volemia Medicamentos Adequados Na Suspeita de TCE Contatar Imediatamente o Neurocirurgião

27 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Informações Importantes ao Neurocirurgião: Identificação do Paciente e Mecanismo do Trauma Situação Cardiovascular Resultados dos Exames Neurológicos: Clínicos e Por Imagem (Raio X e TC) Lesões Associadas Resultado dos Exames Laboratoriais Atenção: Não se Deve Retardar a Transferência do Paciente com Suspeita de TCE por Motivo de Antes Realizar os Exames por Imagem.

28 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas: Epidural: Sangue Arterial : Evolução Rápida Subdural: Sangue Venoso: Evolução Variada Agudo Subagudo Crônico Intracerebral: Maior Mortalidade

29 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas:

30 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas:

31 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas: Epidural Subdural Intra-craneana

32 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Hemorragias Intracranianas: Epidural

33 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos de Aumento Rápido da Pressão Intra-craneana: Hipertensão Arterial Bradicardia Bradipnéia Cirurgia Imediata: Descompressão Intra-craneana Craniotomia

34 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Exame Neurológico: Mini Exame Neurológico Nível de Consciência Estado da Pupila Movimentos das Extremidades (Exame Motor) Nível da Consciência: Escala de Glasgow: Abertura dos Olhos: Resposta Verbal: Resposta Motora: Estado das Pupilas: Isocóricas: Diâmetros Iguais: Diferença de 1 mm já é Anisocoria Foto-Reagente Exames das Extremidades: Movimentos Normais e Iguais dos 2 Lados Movimento Apenas com Estímulo Doloroso: Avaliar os 2 Lados

35 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Nível da Consciência: Escala de Glasgow: Abertura dos Olhos: o Espontânea: 4 Pontos o A Fala: 3 Pontos o A Dor: 2 Pontos o Nenhuma: 1 Ponto Resposta Verbal: o Orientado: 5 Pontos o Conversação Confusa: 4 Pontos o Palavras Inapropriadas: 3 Pontos o Sons Incompreensíveis: 2 Pontos o Nenhuma: 1 Ponto

36 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Nível da Consciência: Escala de Glasgow: Resposta Motora: o Obedece a Comando Verbal: 6 Pontos o Reage Corretamente no Local do Estímulo da Dor: 5 Pontos o Reage se Afastando do Estímulo da Dor: 4 Pontos o Flexão Anormal: Decorticaçâo: 3 Pontos o Resposta Extensora: Descerebração: 2 Pontos o Nenhum Movimento: 1 Ponto Atenção: No Coma o Escore Máximo é 8 Pontos.

37 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Lesão Severa: Independe da Escala de Glasgow Aumento do Tamanho da Pupila Déficit Motor de 1 Lado Cefaléia Progressiva Perda de Líquor Exposição do Tecido Cerebral Sinais Clínicos Importantes: Otorragia Rinorragia Hematoma Periorbitário

38 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Exames Complementares: Raio X TC Exames de Sangue: Hemograma Completo Bioquímica

39 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Rinorréia Rinorragia

40 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Hematoma Retro-auricular

41 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Hematoma Retro-auricular

42 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Equimose Periorbitária

43 Trauma Crânio Encefálico: TCE: Sinais Clínicos: Otorragia e Otorréia

44 Trauma Raqui-Medular: TRM: Todo Paciente Politraumatizado deve ser Rigorosamente Imobilizado Protegendo a Coluna Vertebral até que se Confirme ou Não uma Lesão Vertebral. Paciente Corretamente Imobilizado pode-se até Adiar o Diagnóstico Definitivo caso seja Necessário.

45 Trauma Raqui-Medular: TRM:

46 Trauma Raqui-Medular: TRM:

47 Trauma Raqui-Medular: TRM:

48 Trauma Raqui-Medular: TRM:

49 Trauma Raqui-Medular: TRM:

50 Trauma Raqui-Medular: TRM:

51 Trauma Raqui-Medular: TRM: História: Condição Neurológica Prévia do Paciente Descrição do Trauma Presença de Paralisias Imediatamente após o Trauma Alteração do Estado Sensomotor. Atenção: Todo Paciente com Trauma Acima da Clavícula e com TCE Sempre Suspeitar de TRM Cervical.

52 Trauma Raqui-Medular: TRM: Cuidados Importantes: Mobilização: Sempre a Técnica do Rolar o Paciente (4 Pessoas) e colocá-lo na Prancha Longa com Imobilizador Tipo Aranha. Atenção com Dores Abaixo do Nível da Lesão que estarão Ausentes Mascarando o Diagnóstico. Achados Clínicos TRM Cervical: Dor, Deformidade, Edema, Equimose e Espasmo Muscular no Nível da Lesão Vertebral Paralisia Flácida e Arreflexia Respiração Diafragmática Capacidade de Fletir, mas Não de Extender o antebraço Sensibilidade Dolorosa Apenas Acima da Clavícula Hipotensão com Bradicardia Sem Hipovolemia Preapismo

53 Trauma Raqui-Medular: TRM: Diagnóstico Por Imagem: Raio X da Coluna Vertebral TC RNM Reanimação: Imobilização com Colar Cervical na Prancha Longa com Imobilizador Tipo Aranha Reposição Hídrica Vasopressores Cuidadosamente Transferência Imediata

54 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Proteger a Coluna Vertebral Manipular com Segurança a Coluna Vertebral Imobilizar a Coluna Vertebral

55 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Medida do Colar Cervical

56 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

57 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

58 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

59 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

60 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

61 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

62 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

63 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

64 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

65 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

66 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

67 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

68 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

69 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

70 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

71 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

72 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

73 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

74 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

75 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

76 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

77 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

78 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

79 Trauma Raqui-Medular: TRM: Ação do Socorrista: Manipular com Segurança e Imobilizar

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann Urgência e emergência na atenção primária Enfª Karin Bienemann ATENDIMENTO INICIAL À VÍTIMA CRÍTICA PANORAMA ATUAL: Como andam as Urgências? AS URGÊNCIAS NO PAÍS Distribuição inadequada da oferta de serviços

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico Fabricia

Leia mais

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem Avaliação inicial do traumatizado SANTA CASA DE SÃO PAULO Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Fraturas, luxações e contusões

Fraturas, luxações e contusões Fraturas, luxações e contusões 1. Fratura É toda solução de continuidade súbita e violenta de um osso. A fratura pode ser fechada quando não houver rompimento da pele, ou aberta (fratura exposta) quando

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir: Estado de Choque OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de Definir: Estado de Choque; Classificação do Estado de Choque; Sinais e sintomas; Choque compensado / descompensado; Conduta no tratamento

Leia mais

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios 1 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR- EPH -Hemorragia e choque. -Trauma em extremidades. -Traumatismos: -Queimaduras. CHOQUE-EPH TIPOS DE CHOQUE Hipovolêmico

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP Programa de PG em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica MEPAREM AUTOR:

Leia mais

SINAIS CLÍNICOS CHOQUE HIPOVOLÊMICO

SINAIS CLÍNICOS CHOQUE HIPOVOLÊMICO Emergências Pré-hospitalares Jean Naves 1. (VUNESP-TJ SP 2010) Quando existe hemorragia interna, a identificação se faz por meio de sinais e sintomas clínicos. Constitui sinal de hemorragia. a) ausência

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR 1. Trauma: Considerações Iniciais O Traumatizado Prioritário Funções Vitais Comprometidas; Lesões Orgânicas;

Leia mais

Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca

Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca Fraturas: É a ruptura total ou parcial do osso e podem ser fechadas ou expostas. CLASSIFICAÇÃO: Fratura fechada ou interna: Na fratura fechada não há rompimento

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia Primeiros socorros Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Definição Definição Medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

Tromboembolismo Pulmonar. Fernanda Queiroz

Tromboembolismo Pulmonar. Fernanda Queiroz Tromboembolismo Pulmonar Fernanda Queiroz EMBOLIA PULMONAR DEFINIÇÃO: É a obstrução de vasos da circulação arterial pulmonar causada pela impactação de particulas cujo diâmetro seja maior do que o do vaso

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões Ósseas: Fratura Distal do Fêmur Fratura da Patela Fratura Proximal da Tíbia: Platô Tibial Anatomia: Lesões Traumáticas

Leia mais

Capítulo 31. Trauma na Grávida. Capítulo 31. Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS

Capítulo 31. Trauma na Grávida. Capítulo 31. Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS Capítulo 31 Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever os tipos de lesões mais frequentes na grávida vítima de trauma. Descrever a importância

Leia mais

PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO DE SEPSE 11- INSTRUÇÕES MULTIPROFISSINAIS ESPECÍFICAS: TIPO DE INSTRUÇÃO. Primeiras 06 horas

PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO DE SEPSE 11- INSTRUÇÕES MULTIPROFISSINAIS ESPECÍFICAS: TIPO DE INSTRUÇÃO. Primeiras 06 horas PROTOCOLO DE GERENCIAMENTO DE SEPSE 11- INSTRUÇÕES MULTIPROFISSINAIS ESPECÍFICAS: EQUIPE TIPO DE INSTRUÇÃO Primeiras 06 horas ü Garantir restauração volêmica imediata (30ml/Kg) em 30 minutos. ü Solicitar

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Prof. Esp. Davydson Gouveia Santos

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão Lesões do Ombro e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA

INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA Clínica Médica e Cirúrgica I INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA João Adriano de Barros Disciplina de Pneumologia Universidade Federal do Paraná Objetivos da Aula... Importância da IRA devido a sua alta mortalidade

Leia mais

SRPA- Sala de Recuperação Pós-Anestésica

SRPA- Sala de Recuperação Pós-Anestésica CAPÍTULO 7» Local destinado a receber o paciente em pós-operatório imediato até que recupere a consciência e tenha seus sinais vitais estáveis;» A assistência prestada ao paciente na SRPA requer cuidados

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TCE Traumatismo Cranioencefálico Cerca de 50 %das mortes por trauma estão associadas com o trauma cranioencefálico (TCE). Os traumatismos

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUI-MEDULAR TRM TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TRM Traumatismo Raqui Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou permanente

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO E HIPERTENSÃO INTRACRANIANA Yuri Andrade Souza Serviço de Neurocirurgia Hospital São Rafael Hospital Português INTRODUÇÃO Lesão primária x lesão secundária Atendimento inicial Quando

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2010 CIRURGIA DA MÃO Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique se você recebeu um CADERNO DE QUESTÕES

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC) Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC) Imagem 01. TC do encéfalo sem meio de contraste, cortes axiais Imagem 02. TC do encéfalo sem meio de contraste, reconstrução sagital Paciente masculino,

Leia mais

Dicas de Segurança IV

Dicas de Segurança IV Dicas de Segurança IV Noções Básicas de Primeiros Socorros Ressuscitação Cardiopulmonar Também conhecida como respiração boca a boca (aeração). Utilizada em casos de paradas respiratórias. Procedimentos:

Leia mais

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL

RETIRADA DE INTRODUTOR VASCULAR FEMURAL 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, JM 1 Objetivo: A realização da retirada do introdutor femoral realizada pelo

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 13 CONTUSÃO TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 13.01 CONTUSÃO A contusão é uma lesão sem o rompimento da pele, tratando-se de uma forte compressão

Leia mais

Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de

Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de Prof André Montillo Fraturas do Anel Pélvico: Bacia Generalidades: Representam 3% das fraturas nas emergências Mais freqüentes nos jovens Politraumatizado: Traumas de Alta Energia Fraturas: Instabilidade:

Leia mais

Programa de Residência Médica em Pediatria - HMIB. CHOQUES Andersen O. R. Fernandes

Programa de Residência Médica em Pediatria - HMIB. CHOQUES Andersen O. R. Fernandes Programa de Residência Médica em Pediatria - HMIB CHOQUES Andersen O. R. Fernandes O que é choque? INSUFICIÊNCIA CIRCULATÓRIA Febre Infecção Dispneia Dor Trauma Demanda Oferta Suporte inotrópico/vasoativo

Leia mais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais Trauma de tórax VII Encontro de Enfermagem em Emergência São José do Rio Preto Trauma de TóraxT Lesões torácicas estão entre as 04 principais causas de morte nos traumatizados Nos EUA estima-se que ocorram

Leia mais

TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014

TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014 TREINAMENTO AUXILIARES DE TRANSPORTE CEPEP-ISGH 2014 INTRODUÇÃO A transferência e a mobilização de pacientes deve ser realizada cuidadosamente por um profissional que tenha o conhecimento das áreas corporais

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Código: ITSEG-05 REVISÃO: 02

PRIMEIROS SOCORROS. Código: ITSEG-05 REVISÃO: 02 1. OBJETIVO Esta instrução tem por objetivo orientar a Equipe da empresa a agir diante de situações que envolvem incidentes e acidentes, impedir o agravamento dos ferimentos, proporcionar conforto prestando

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5

Distúrbios do Na+ 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Distúrbios do Na+ MARIANA PEREIRA RIBEIRO 6 SEMESTRE 0 7 / 1 2 / 2 0 1 5 Principais problemas clínicos na emergência; Cuidado com pacientes críticos: Grande queimado; Trauma; Sepse; ICC e IRA; Iatrogenia.

Leia mais

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2 Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica Dr. Murilo Rodrigues R2 Quadro clínico - JCC, sexo masculino. - Vítima de acidente automobilístico - Dor Abdominal Estudo tomográfico: Achados Tomográficos:

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS Leonardo Oliveira Moura Dissecção da Aorta Emergência aórtica mais comum Pode ser aguda ou crônica, quando os sintomas duram mais que 2 semanas Cerca de 75%

Leia mais

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração.

Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. ESQUELETO ARTICULAÇÃO LESÕES MUSCULARES, ESQUELÉTICAS E ARTICULARES Sustentação do corpo Proteção dos órgãos nobres Cérebro Pulmões Coração. Junção de ossos (dois ou mais) Estruturas Ligamentos Ligar ossos

Leia mais

CFI CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II

CFI CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II IBERÁFRICA ANGOLA SOCORRISMO CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II 210 HORAS 30 DIAS FORMAÇÃO CERTIFICADA PELO INEFOP www.iberafrica.net geral@iberafrica.net 1 CURSO DE SOCORRISMO

Leia mais

Controle da via aérea em paciente com trauma cervical e hipertensão intracraniana

Controle da via aérea em paciente com trauma cervical e hipertensão intracraniana Controle da via aérea em paciente com trauma cervical e hipertensão intracraniana Trauma craniano 1ª causa de morte no trauma intervenções de ressuscitação básicas: oxigenação / manutenção da pressão de

Leia mais

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO

[208] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO [208] p r o t o c o l o s d a s u n i d a d e s d e p r o n t o a t e n d i m e n t o 2 4 h o r a s Imobilizar manualmente a cabeça e pescoço até a vítima estar fixada em dispositivo imobilizador. Estar

Leia mais

Capítulo 33. Hemorragias. Capítulo 33. Hemorragias 1. OBJETIVOS

Capítulo 33. Hemorragias. Capítulo 33. Hemorragias 1. OBJETIVOS Capítulo 33 Hemorragias 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever os mecanismos produtores de traumatismos vasculares; Descrever a importância da determinação

Leia mais

FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo;

FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA FARMACOCINÉTICA CONCEITOS PRELIMINARES EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM. Ação do medicamento na molécula alvo; CONCEITOS PRELIMINARES Remédio; Medicamentos; Medicação; Fármaco; Droga; Eventos Adversos de Medicamentos (EAM). EVENTOS ADVERSOS DE MEDICAMENTOS EAM Associado ou não à um dano ao paciente. É o caminho

Leia mais

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc Primeiros Socorros: Fundamentos, Conceitos, Segurança.Vias Aéreas e Proteção da Coluna Cervical. TRM PRIMEIROS SOCORROS = SOCORROS DE URGÊNCIA = PRONTO SOCORRISMO=

Leia mais

Politraumatismo CONDUTA IMEDIATA. A) Colar cervical + desobstruir vias aéreas

Politraumatismo CONDUTA IMEDIATA. A) Colar cervical + desobstruir vias aéreas Politraumatismo CONDUTA IMEDIATA ATENÇÃO A) Colar cervical + desobstruir vias aéreas B) Identificar e tratar: - pneumotórax hipertensivo - pneumotórax aberto - hemotórax maciço - tórax instável C) Choque.

Leia mais

Classificação. Acidente Vascular Cerebral Isquêmico(AVCI) * Ataque Isquêmico Transitório(AIT)

Classificação. Acidente Vascular Cerebral Isquêmico(AVCI) * Ataque Isquêmico Transitório(AIT) Franciglecia Lopes Definição É um déficit neurológico, geralmente focal, de instalação súbita ou com rápida evolução, sem outra causa aparente que não vascular, com duração maior que 24 horas, ou menor,

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO ASPECTOS GERAIS Raro mas extremamente grave Vários fatores etiológicos SOBREVIDA FETAL Ressuscitação agressiva SOBREVIDA MATERNA Fator etiológico Ambiente

Leia mais

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA).

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial (PA). Associa-se frequentemente a alterações funcionais e/ou

Leia mais

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento

Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer tipo de cefaléia no atendimento do Primeiro Atendimento Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Fluxo de atendimento e dados de alerta para qualquer

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

TRAUMA ABDOMINAL. Franciglecia Barboza Lopes

TRAUMA ABDOMINAL. Franciglecia Barboza Lopes TRAUMA ABDOMINAL Franciglecia Barboza Lopes Objetivos Avaliação da cena para determinar o nível de suspeita de lesão abdominal Utilizar a avaliação secundária para indicar a presença de sangramento intra-abdominal

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 10 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 10.0 Introdução O estado de choque se caracteriza pela falta de circulação

Leia mais

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência Profº. Enfº Diógenes Trevizan Introdução O transporte e remoção de clientes em atenção às urgências e emergências se destaca

Leia mais

O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados

O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados Trauma de tórax O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados ao avanço tecnológico, como meio de transportes

Leia mais

4 O que é hemorragia?

4 O que é hemorragia? O que é hemorragia? 4 e-tec Brasil Primeiros Socorros META OBJETIVOS Apresentar o conceito de hemorragia e o atendimento a uma vítima com sintomas hemorrágicos. Ao final desta aula, você deverá ser capaz

Leia mais

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Formador Credenciado Eng. Paulo Resende Dezembro de 2013 Anatomia e fisiologia do corpo humano OBJETIVOS Caracterizar os diversos sistemas que constituem

Leia mais

Liberação de glicose pelo fígado, diminuição da utilização periférica de glicose causando hiperglicemia e hiperosmolaridade;

Liberação de glicose pelo fígado, diminuição da utilização periférica de glicose causando hiperglicemia e hiperosmolaridade; . DEFINIÇÃO A cetoacidose diabética (CAD) é uma complicação grave do diabetes mellitus (DM), resultante da combinação de deficiência absoluta ou relativa de insulina associada ao aumento de hormônios contrarreguladores

Leia mais

Programa DAE/CVP Para Empresas, Organizações e Instituições

Programa DAE/CVP Para Empresas, Organizações e Instituições ANEXO A CURSO SOCORRISMO DE PROXIMIDADE O Modulo de Socorrismo de proximidade foi pensando naqueles que primam pela exigência e qualidade dos seus serviços, com uma assistência diferenciada, e para melhor

Leia mais

AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE)

AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) 1- TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO TCE é o principal motivo de morte na população jovem, cujas causas mais frequentes compreendem acidentes automobilísticos e agressões interpessoais.

Leia mais

Machucaduras e Sangramentos. Acadêmico: Sérgio S

Machucaduras e Sangramentos. Acadêmico: Sérgio S Machucaduras e Sangramentos Acadêmico: Sérgio S Augusto Machucaduras Definição Lesões que provocam rotura da pele, com ou sem comprometimento das estruturas subjacentes. Avaliar Intensidade do sangramento

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Semiologia Geral ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.1 Fisioterapia - Campus Mossoró) 3ª série - Generalidades sobre diagnóstico e avaliação AVALIAÇÃO DIAGNOSTICA EM II - Avaliação da coluna (postura) -

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA NO AVE FT RAFAELA DE ALMEIDA SILVA APAE-BAURU INTERNAÇÃO HOSPITALAR Toda pessoa com quadro suspeito de AVE deve ser levada imediatamente ao serviço de urgência para avaliação

Leia mais

. Intervalo livre de sintomatologia até 12h (perda de consciência seguindo-se período de lucidez);

. Intervalo livre de sintomatologia até 12h (perda de consciência seguindo-se período de lucidez); Hematomas Cranianos Hematoma Epidural. Calote e dura Educação Doente/família. Associada # (artéria meningea média). Intervalo livre de sintomatologia até 12h (perda de consciência seguindo-se período de

Leia mais

Bexiga Neurogênica por TRM. Alfredo Felix Canalini

Bexiga Neurogênica por TRM. Alfredo Felix Canalini Bexiga Neurogênica por TRM Alfredo Felix Canalini TRM Mortalidade 1 a guerra 80% Morton (1901) Elsberg (1913) Ludwig Guttmann 1939 1944 (Trueta) 1948 Donald Munro (1947) 2 a guerra 45% Guerra da Coréia

Leia mais

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados

Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório. Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados Cuidados Pré, Trans e Pós-Operatório Prof. Diogo Mayer Fernandes Técnica Cirúrgica Medicina veterinária Faculdade Anhanguera de Dourados RISCO CIRÚRGICO = INFECÇÃO 1. ÁREAS CIRÚRGICAS 2. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

Extricação, mobilização, imobilização. Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS

Extricação, mobilização, imobilização. Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS Colar cervical Colar cervical Imobilização em prancha longa Objetivo: Proporcionar imobilização completa da vítima.

Leia mais

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Conceito de PCR : interrupção súbita da atividade mecânica cardíaca. É a falência cardio-pulmonar aguda que torna insuficiente o fluxo sangüíneo para manter a função cerebral.

Leia mais

Trauma Maxilo - Facial. Importância da Face - Funções vitais - Terminal de quatro sentidos - Expressão facial - Elo de expressão

Trauma Maxilo - Facial. Importância da Face - Funções vitais - Terminal de quatro sentidos - Expressão facial - Elo de expressão Trauma Maxilo - Facial Importância da Face - Funções vitais - Terminal de quatro sentidos - Expressão facial - Elo de expressão Trauma Maxilo - Facial Etiologia - Acidentes automobilísticos - Acidentes

Leia mais

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS -

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS - - CURSO PRIMEIROS SOCORROS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). FRATURAS

Leia mais

Antes de ler este tutorial, tente responder às seguintes perguntas. As respostas e explicações podem ser encontradas no final do artigo.

Antes de ler este tutorial, tente responder às seguintes perguntas. As respostas e explicações podem ser encontradas no final do artigo. TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MANUSEIO ANEST SICO DO PACIENTE COM TRAUMATISMO CRANIANO Dr. Amit Goswami e Dra Samantha Shinde Frenchay hospital, Bristol, United Kingdom Tradução autorizada do ATOTW #264

Leia mais

Prof. Kemil Rocha Sousa

Prof. Kemil Rocha Sousa Prof. Kemil Rocha Sousa Miostática (miogênica)- A unidade musculotendínea está adaptativamente encurtada com perda significativa de ADM, mas sem patologia muscular específica. Embora possa haver uma redução

Leia mais

TRAUMATISMOS DE COLUNA SINAIS & SINTOMAS

TRAUMATISMOS DE COLUNA SINAIS & SINTOMAS TRAUMATISMOS DE COLUNA SINAIS & SINTOMAS 1 EBSERH/HU/UFJF/MG 2015 Os nervos espinhais são responsáveis pela inervação do tronco, dos membros superiores e inferiores e de parte da cabeça. São de 31 pares

Leia mais

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc DISTÚRBIO HIDRO- ELETROLÍTICO E ÁCIDO-BÁSICO Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Distúrbio hidro-eletrolítico e ácido-básico Distúrbios da regulação da água; Disnatremias; Alterações do potássio; Acidoses

Leia mais

Conceito: Sinais e Sintomas Gerais. Imobilização Provisória. Materiais e Acessórios 10/05/2016

Conceito: Sinais e Sintomas Gerais. Imobilização Provisória. Materiais e Acessórios 10/05/2016 FRATURAS Primeiros Socorros Professor Marcelo Lopes Conceito: É definida como ruptura total ou parcial de um osso e perda da continuidade óssea. Pode ser classificada como FECHADA (simples) ou ABERTA (exposta).

Leia mais

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU TRAQUEOTOMIA Profa Livre Docente Regina H. Garcia Martins DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU Unesp TRAQUEOTOMIA X TRAQUEOSTOMIA INDICAÇÕES DE TRAQUEOTOMIA DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DAS CÂMARAS TÉCNICAS CÂMARA TÉCNICA DE GESTÃO E ASSISTÊNCIA EM ENFERMAGEM - CTGAE

COORDENAÇÃO GERAL DAS CÂMARAS TÉCNICAS CÂMARA TÉCNICA DE GESTÃO E ASSISTÊNCIA EM ENFERMAGEM - CTGAE COORDENAÇÃO GERAL DAS CÂMARAS TÉCNICAS CÂMARA TÉCNICA DE GESTÃO E ASSISTÊNCIA EM ENFERMAGEM - CTGAE PAD nº 902/2015 Parecer CTGAE nº EMENTA: Competência do enfermeiro para a realização de suturas em situações

Leia mais

Acidente Vascular Cerebral. Prof. Gustavo Emídio dos Santos

Acidente Vascular Cerebral. Prof. Gustavo Emídio dos Santos Acidente Vascular Cerebral Prof. Gustavo Emídio dos Santos Qual a melhor nomenclatura? Acidente Vascular Cerebral ou Acidente Vascular Encefálico? AVC Grupo de doenças com início abrupto que provocam danos

Leia mais

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA)

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA) VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Desfibrilador externo automático (DEA) Resumo: Gabriel Rodrigues de Mendonça e-mail: gabriel_enfermagem@hotmail.com Adélia Maria

Leia mais

O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA

O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA O PRESENTE ESTUDO É DIRECIONADO AO ALUNO DO SEXTO ANO PARA DAR NOÇÕES MÍNIMAS DE ORTOPEDIA- TRAUMATOLOGIA PODE SER COPIADO COM A FINALIDADE DE ESTUDO NÃO PODE SER REPRODUZIDO PARA OUTRAS FINALIDADES DISCIPLINA

Leia mais

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS.

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. Caso clínico 6 Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. História da doença atual Em 5/2/2005 procurou a UBS com quadro de febre não aferida, cefaléia,

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. O Acompanhamento da Pessoa. Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira

CATETERISMO CARDÍACO. O Acompanhamento da Pessoa. Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira CATETERISMO CARDÍACO O Acompanhamento da Pessoa Isilda Cardoso José Fernandes Susana Oliveira CATETERISMO CARDÍACO: O ACOMPANHAMENTO DA PESSOA CATETERISMO CARDÍACO Prática clínica baseada na evidência

Leia mais

Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204

Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204 Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204 Das questões que se seguem, a maioria tem para escolha quatro hipóteses como resposta, noutras questões tem duas hipóteses, no entanto, em qualquer dos casos,

Leia mais

EXIN FISIOTERAPIA

EXIN FISIOTERAPIA EXIN FISIOTERAPIA 2016.2 SÉRIE 4MA e 4MB Assuntos Avaliação do Tônus e Força Muscular. Avaliação da Marcha. Noções de Avaliação em Fisioterapia Neurológica. ADF 3 Avaliação da Coordenação e Equilíbrio.

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE BIOLOGIA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROFa. FLÁVIA CARLETE NOME Nº 8º ANO A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É terminantemente proibido o uso de corretor. Respostas com corretor serão

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEc Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico de enfermagem Qualificação:

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Definição da síndrome Insuficiência renal Insuficiência

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

A temperatura, calor ou frio, e os contatos com gases, eletricidade, radiação e produtos químicos, podem causar lesões diferenciadas nocorpo humano.

A temperatura, calor ou frio, e os contatos com gases, eletricidade, radiação e produtos químicos, podem causar lesões diferenciadas nocorpo humano. UNIDADE: 08 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 8. DISTÚRBIOS CAUSADOS PELA TEMPERATURA: 8.0 INTRODUÇÃO A temperatura,

Leia mais

CRANEOENCEFÁLICO TRAUMA TISMO MONOGRAFIAS ESCALA DE COMA DE GLASGOW 1 ABERTURA DOS OLHOS 2 RESPOSTA VERBAL 3 RESPOSTA MOTORA

CRANEOENCEFÁLICO TRAUMA TISMO MONOGRAFIAS ESCALA DE COMA DE GLASGOW 1 ABERTURA DOS OLHOS 2 RESPOSTA VERBAL 3 RESPOSTA MOTORA ESCALA DE COMA DE GLASGOW VARIÁVEIS 1 ABERTURA DOS OLHOS ESCALA ESPONTÂNEA 4 MEDIANTE ESTIMULAÇÃO SONORA 3 MEDIANTE ESTIMULAÇÃO DOLOROSA 2 NUNCA 1 2 RESPOSTA VERBAL ORIENTADA 5 CONFUSA 4 PALAVRAS INAPROPRIADAS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia

UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia Belo Horizonte 2011 DEFINIÇÃO O desfibrilador Externo Automático (DEA) é um equipamento portátil,bifásico, utilizado em

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais