Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Sabrina Cunha da Fonseca"

Transcrição

1 Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

2 Corpo humano:

3

4 Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser também, interna, resultante de um traumatismo, ou externas.

5 Hemorragia interna: Internas é aquele que surge em decorrência de um ferimento interno, que faz com que o sangue saia do sistema circulatório, mas permaneça no corpo, sendo, portanto, uma hemorragia interna e as mais comuns ocorrem no tórax e no abdome. SINAIS - Pulso fraco e rápido, pele fria e azulada, suores abundantes, palidez intensa e mucosas descoradas, sede, tonturas, respiração rápida e superficial, às vezes inconsciente.

6 Hemorragia interna

7 Hemorragia intracraniana:

8 Hemorragias externas: Ela é visível na superfície do corpo, é a perda de sangue devido ao rompimento de um vaso sanguíneo (veia ou artéria).

9 As hemorragias podem se constituir em condições extremamente graves. Muitas hemorragias pequenas podem ser contidas e controladas por compressão direta na própria ferida, e curativo compressivo. Uma hemorragia grande não controlada, especialmente se for uma hemorragia arterial, pode levar o acidentado à morte em menos de 5 minutos, devido à redução do volume intravascular e hipóxia cerebral (anemia aguda).

10 Tipos de hemorragia : Arterial: Ocorre quando há perda de sangue de uma artéria. O sangue tem coloração viva, vermelho claro, derramado em jato, conforme o batimento cardíaco, geralmente rápido e de difícil controle. Venosa: Ocorre quando há perda de sangue por uma veia. Sangramento de coloração vermelho escuro, em fluxo contínuo, sob baixa pressão. Pode ser considerada grave se a veia comprometida for de grosso calibre. Capilar: Ocorre quando há sangramento por um leito capilar. Flui de diminutos vasos da ferida. Possui coloração avermelhada, menos viva que a arterial, e facilmente controlada.

11

12

13 Fatores determinantes da gravidade da hemorragia : 1. Volume de sangue perdido A perda de pequeno volume em geral não produz efeitos evidentes; já a perda de 1,5 litro em adulto ou 200 ml em criança pode ser extremamente grave, inclusive colocando a vida em risco. 2. Calibre do vaso rompido O rompimento de vasos principais de pescoço, tórax, abdômen e coxa provoca hemorragias severas, e a morte pode sobrevir em 1 a 3 minutos.

14 3. Tipo do vaso lesado: O sangramento arterial é considerado de maior gravidade. As veias geralmente estão mais próximas da superfície do corpo do que as artérias, sendo de mais fácil acesso. O sangramento capilar é lento e, via de regra, coagula espontaneamente em 6 a 8 minutos. O processo de coagulação desencadeado em boa parte dos pequenos e médios sangramentos pode ser suficiente para controlar a hemorragia, e o coágulo formado age como uma rolha, impedindo a saída de sangue.

15 4. Velocidade da perda de sangue A perda rápida de 1 litro de sangue pode colocar o indivíduo em risco de vida. Quando a perda de sangue é lenta, o organismo desenvolve mecanismos de compensação, suportando melhor a situação.

16 Em um humano adulto ela é de aproximadamente 75 ml/kg logo um homem de 60 kg possui cerca de 4,5 litros de sangue. 1 litro ml Kg x 1 kg ml X =?

17 Sinais e sintomas da hemorragia : Pulso fraco e rápido; Pele fria e úmida (pegajosa); Pupilas dilatadas com reação lenta à luz; Queda da pressão arterial; Paciente ansioso, inquieto e com sede; Náusea e vômito; Respiração rápida e profunda; Perda de consciência e parada respiratória; Choque

18

19 O que fazer? Pressão direta sobre o ferimento Eleva o membro para conter o sangramento Aperta o ponto de pulso Aplica gelo Torniquete

20 Apertar o ponto de pulso

21 Hemorragia Nasal/ Epistaxe Coloque o paciente sentado, com a cabeça para frente e aplique pressão direta apertando as narinas. Caso o pacientes estiver inconsciente coloque-o em decúbito lateral e faça limpeza de vias aéreas.

22

23

24

25

26 Questões: 1. Qual a diferença de hemorragia interna e externa. 2. Quais os tipos de hemorragia? 3. Quais os fatores determinantes para a gravidade da hemorragia? 4. Quais os sinais e sintomas de uma hemorragia? 5. O que se faz para conter uma grande hemorragia? 6. E quando se tem uma hemorragia nasal o que fazer? 7. Se o paciente esta com hemorragia nasal e esta inconsciente o que fazer?

HEMORRAGIAS. É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue.

HEMORRAGIAS. É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue. HEMORRAGIAS É um termo aplicado para descrever sangramento intenso. Hemorragia é a ruptura de vasos sanguíneos, com extravasamento de sangue. A gravidade da hemorragia se mede pela quantidade e rapidez

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Prof. Esp. Davydson Gouveia Santos

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 10 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 10.0 Introdução O estado de choque se caracteriza pela falta de circulação

Leia mais

Dicas de Segurança IV

Dicas de Segurança IV Dicas de Segurança IV Noções Básicas de Primeiros Socorros Ressuscitação Cardiopulmonar Também conhecida como respiração boca a boca (aeração). Utilizada em casos de paradas respiratórias. Procedimentos:

Leia mais

4 O que é hemorragia?

4 O que é hemorragia? O que é hemorragia? 4 e-tec Brasil Primeiros Socorros META OBJETIVOS Apresentar o conceito de hemorragia e o atendimento a uma vítima com sintomas hemorrágicos. Ao final desta aula, você deverá ser capaz

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

O sangramento pode ser externo e/ou interno.

O sangramento pode ser externo e/ou interno. Sangramento é a perda de sangue dos vasos sangüíneos. O sangue é bombeado pelo coração, caminha pelas artérias e se espalha pelo resto do corpo. O caminho de volta do sangue é feito através de vasos chamados

Leia mais

Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Site:

Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Prof. Sabrina Cunha da Fonseca   Site: Vertigens, desmaios e crises convulsivas Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Site: www.profsabrina.comunidades.net Vertigens: Vertigem refere-se a diminuição da força, visão

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira Procedimentos de Emergência Obstrução das Vias Aéreas MANOBRA DE HEIMLICH Obstrução das Vias Aéreas Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo

Leia mais

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CAUSAS TIPOS DE CHOQUE SINAIS & SINTOMAS GERAIS DO CHOQUE ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CONCEITO FALÊNCIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO INCAPACIDADE

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Urgência: Estado que necessita de encaminhamento rápido ao hospital, onde a vítima não esteja em estado iminente de morte.

PRIMEIROS SOCORROS. Urgência: Estado que necessita de encaminhamento rápido ao hospital, onde a vítima não esteja em estado iminente de morte. PRIMEIROS SOCORROS 1.0- CONCEITOS GERAIS : É o primeiro atendimento prestado a uma vítima de trauma, mal súbito ou parturiente no local da ocorrência, utilizando para isso pouco ou nenhum equipamento específico.

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de. Definir: Estado de Choque OBJETIVOS Ao final da aula os participantes terão de Definir: Estado de Choque; Classificação do Estado de Choque; Sinais e sintomas; Choque compensado / descompensado; Conduta no tratamento

Leia mais

CONCEITO FALHA CIRCULATÓRIA HIPOPERFUSÃO HIPÓXIA

CONCEITO FALHA CIRCULATÓRIA HIPOPERFUSÃO HIPÓXIA Urgência e Emergência Prof.ª André Rodrigues CONCEITO FALHA CIRCULATÓRIA HIPOPERFUSÃO HIPÓXIA 1 FISIOPATOLOGIA MORTE CELULAR 2 MECANISMOS COMPENSATÓRIOS AUMENTO DA ATIVIDADE SIMPÁTICA 3 COMPENSAÇÃO RESPIRATÓRIA

Leia mais

Capítulo 33. Hemorragias. Capítulo 33. Hemorragias 1. OBJETIVOS

Capítulo 33. Hemorragias. Capítulo 33. Hemorragias 1. OBJETIVOS Capítulo 33 Hemorragias 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever os mecanismos produtores de traumatismos vasculares; Descrever a importância da determinação

Leia mais

Operações Básicas Hemostasia

Operações Básicas Hemostasia Operações Básicas Hemostasia Prof. Gustavo Santos Medicina 4o. Bloco Plano da Aula Introdução Hemorragia Remoção do sangue derramado Tipos de Hemostasia Natural Temporária Definitiva Situações complexas

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

TRAUMATISMOS DE TÓRAX

TRAUMATISMOS DE TÓRAX TRAUMATISMOS DE TÓRAX SINAIS & SINTOMAS FRATURAS DE COSTELAS TÓRAX INSTÁVEL FERIMENTOS PENETRANTES OBJETOS CRAVADOS OU ENCRAVADOS PNEUMOTÓRAX HIPERTENSIVO TRAUMATISMOS DE TÓRAX SINAIS & SINTOMAS TRAUMATISMOS

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRAUMA OBJETIVOS O TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA

INTRODUÇÃO AO TRAUMA OBJETIVOS O TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA 38 O TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA INTRODUÇÃO AO TRAUMA OBJETIVOS Os formandos deverão ser capazes de identificar: Descrever os tipos de trauma; Reconhecer a importância de identificar o mecanismo do trauma;

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro Primeiros Socorros Introdução ao socorro OBJETIVOS Conhecer os principais aspectos do comportamento e da conduta de um profissional de saúde que presta um atendimento de primeiros socorros, Conhecer os

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O sangue Líquido vermelho e viscoso que circula no nosso organismo, sem parar, e que tem várias funções no organismo: Transporte de gases e nutrientes Regulação da temperatura Defesa

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 16 VERTIGENS, DESMAIOS E CONVENÇÕES. TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 16.0 INTRODUÇÃO A sensação de um mal-estar e a impressão de tudo girar

Leia mais

Existem três tipos principais de envenenamento: por venenos engolidos ou absorvidos pela pele, os aspirados e os injetados.

Existem três tipos principais de envenenamento: por venenos engolidos ou absorvidos pela pele, os aspirados e os injetados. Em geral, ocorrem por acidente envolvendo sustâncias de uso diário, em casa ou no local de trabalho. Podem também ocorrer em casos de tentativa de suicídio. Drogas e álcool, usados de forma abusiva, podem

Leia mais

Curso de Arrais Amador... CAPÍTULO 7 - PRIMEIROS SOCORROS APRESENTAÇÃO

Curso de Arrais Amador...  CAPÍTULO 7 - PRIMEIROS SOCORROS APRESENTAÇÃO CAPÍTULO 7 - PRIMEIROS SOCORROS APRESENTAÇÃO O socorro imediato a uma vítima de acidente pode fazer toda a diferença e determinará as chances de sobrevivência até a chegada do socorro especializado. O

Leia mais

SINAIS CLÍNICOS CHOQUE HIPOVOLÊMICO

SINAIS CLÍNICOS CHOQUE HIPOVOLÊMICO Emergências Pré-hospitalares Jean Naves 1. (VUNESP-TJ SP 2010) Quando existe hemorragia interna, a identificação se faz por meio de sinais e sintomas clínicos. Constitui sinal de hemorragia. a) ausência

Leia mais

ATIVIDADES. Karin Scheffel

ATIVIDADES. Karin Scheffel ATIVIDADES Karin Scheffel Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A 1º vítima era uma mulher de 28 anos,

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS 2017 Disciplina: Ciências Ano: 8º ano Ensino: FII Nome:

ROTEIRO DE ESTUDOS 2017 Disciplina: Ciências Ano: 8º ano Ensino: FII Nome: ROTEIRO DE ESTUDOS 2017 Disciplina: Ciências Ano: 8º ano Ensino: FII Nome: Orientações para estudo: Refazer as avaliações; Fazer exercícios dos capítulos sobre os sistemas digestório e respiratório. Entregar

Leia mais

ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS. Profa. Aletéia Massula Fernandes

ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS. Profa. Aletéia Massula Fernandes ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS Profa. Aletéia Massula Fernandes A circulação do sangue e distribuição de líquidos se dá pela ação bombeadora do coração, sendo que as artérias conduzem o sangue aos tecidos; na

Leia mais

CONHECIMENTO BÁSICO DE

CONHECIMENTO BÁSICO DE CONHECIMENTO BÁSICO DE! Primeiros socorros Situação 1 Avaliação da vítima É importante saber avaliar o acidentado. Saiba o que fazer no primeiro momento: Se apresente e procure acalmá-lo verificando o

Leia mais

CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS. Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância.

CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS. Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância. CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS 1. Introdução Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância. Consideramos criança traumatizada aquela na

Leia mais

TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA

TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA FORMAÇÃO SETEMBRO/OUTUBRO 2012 BV FAFE TCE TVM ABORDAGEM DA VITIMA DE TRAUMA Formadora Teórica: Luísa Antunes Acidentes de viação matam mais do que as guerras Ricardo Reis 2012 Os acidentes de viação deixam

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 11/08/2012 Nota: Professor(a): Karina Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número

Leia mais

Atendimento inicial à Vítima

Atendimento inicial à Vítima Atendimento inicial à Vítima Atendimento Inicial O objetivo do atendimento inicial à vítima é identificar rapidamente situações que: l coloquem a vida em risco e l demandem atenção imediata pela equipe

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

Na terra, na água, no fogo eno ar vidas alheias eriquezas salvar

Na terra, na água, no fogo eno ar vidas alheias eriquezas salvar Como chamar ocorpo de Bombeiros? SEVOCÊSEDEPARARCOMUMAEMERGÊNCIA: -MANTENHA ACALMA; -DISQUE193(LIGAÇÃOGRATUITA); -DIGASEUNOMEEOENDEREÇODOACIDENTE; -DIGATAMBÉMUMPONTODEREFERÊNCIAE -AGUARDEACHEGADADOCORPODEBOMBEIROS

Leia mais

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia Primeiros socorros Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Definição Definição Medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Têm duração aproximada de 3 a 5 minutos.

Têm duração aproximada de 3 a 5 minutos. e Convulsões são contrações musculares involuntárias de parte ou de todo o corpo, decorrentes do funcionamento anormal do cérebro. Têm duração aproximada de 3 a 5 minutos. 1 Fase Tônica Manifesta-se pela

Leia mais

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Passo 1 - Avaliar a criança Prevendo a parada cardiopulmonar A parada cardiopulmonar em lactentes e crianças raramente é um evento súbito!

Leia mais

OFICINA-RESPIRAÇÃO E CIRCULAÇÃO. Experiência: Modelo simples para simular o funcionamento do pulmão.

OFICINA-RESPIRAÇÃO E CIRCULAÇÃO. Experiência: Modelo simples para simular o funcionamento do pulmão. OFICINA-RESPIRAÇÃO E CIRCULAÇÃO Experiência: Modelo simples para simular o funcionamento do pulmão. Objetivo: Observar o funcionamento dos pulmões por meio do experimento. Material para o experimento:

Leia mais

Ferimentos, Hemorragias e Choques

Ferimentos, Hemorragias e Choques Ferimentos, Hemorragias e Choques Ferimentos AGRESSÃO À INTEGRIDADE DO TECIDO PODE SER ABERTO OU FECHADO ABERTO: OCORRE LESÃO ABERTA NA PELE OU MUSOCA, PERMITINDO A COMUNICAÇÃO ENTRE O MEIO INTERNO E EXTERNO.

Leia mais

Emergências Clínicas

Emergências Clínicas 1 Emergências Clínicas 2 OBJETIVOS: -Descrever as Emergências clínicas mais comuns no ambiente préhospitalar. -Orientar as condutas frente às emergências clinicas discutidas; 3 Emergências Clinicas Estado

Leia mais

CADERNO DE 1ºS SOCORROS

CADERNO DE 1ºS SOCORROS Pág. 1 de 14 CADERNO DE 1ºS SOCORROS Este caderno deve estar em local acessível do laboratório e ser do conhecimento de todos os que nele trabalham Para mais informações, consultar o Manual de Socorrismo

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos II

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos II Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos II DEFINIÇÃO Hemostasia é o conjunto de mecanismos que o organismo emprega para coibir hemorragia. Para tal, é formado um trombo que obstrui a lesão na parede

Leia mais

Verifique o estado de consciência

Verifique o estado de consciência Verifique o estado de consciência A vítima responde Avalie sinais/sintomas presentes; Inicie cuidados de emergência; Se necessário, recorra ao serviço de urgência. A vítima não responde Desobstrua as vias

Leia mais

Apresenta: Primeiros Socorros. Vamos falar mais sobre. engasgo INTOXICAÇÕES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS. sangramentos

Apresenta: Primeiros Socorros. Vamos falar mais sobre. engasgo INTOXICAÇÕES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS. sangramentos Apresenta: Vamos falar mais sobre Primeiros Socorros? sangramentos engasgo INTOXICAÇÕES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS 1 1 intoxicações e envenenamentos acontecem com substâncias de uso diário. Temos que aprender

Leia mais

Coração Vasos sanguíneos: artérias veias capilares Sangue: plasma elementos figurados: Hemácias Leucócitos plaquetas

Coração Vasos sanguíneos: artérias veias capilares Sangue: plasma elementos figurados: Hemácias Leucócitos plaquetas Coração Vasos sanguíneos: artérias veias capilares Sangue: plasma elementos figurados: Hemácias Leucócitos plaquetas Localização Localizado no tórax na região do mediastino limitado pelos pulmões nas laterais

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TCE Traumatismo Cranioencefálico Cerca de 50 %das mortes por trauma estão associadas com o trauma cranioencefálico (TCE). Os traumatismos

Leia mais

Emergências Médicas I

Emergências Médicas I Emergências Médicas I Objetivos: Proporcionar aos participantes conhecimentos e habilidades que os capacitem a: 1. Definir Urgências Médica e Clínica; 2. Definir Infarto Agudo do Miocárdio, citar os sinais

Leia mais

CAPÍTULO 10 PRIMEIROS SOCORROS. Princípios Gerais dos Primeiros Socorros

CAPÍTULO 10 PRIMEIROS SOCORROS. Princípios Gerais dos Primeiros Socorros CAPÍTULO 10 PRIMEIROS SOCORROS Princípios Gerais dos Primeiros Socorros Verifique através de exame se o acidentado ou doente está respirando. Se não estiver, inicie imediatamente a respiração artificial

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair

SISTEMA CARDIOVASCULAR. Prof. Jair SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Jair FUNÇÕES Transporte de gases dos pulmões aos tecidos e dos tecidos aos pulmões Transporte dos nutrientes das vias digestivas aos tecidos Transporte de toxinas Distribuição

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CIRCULATÓRIO

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CIRCULATÓRIO - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CIRCULATÓRIO 01. Quais são as três estruturas básicas que compõem nosso sistema circulatório ou cardiovascular? 02. Que funções o sistema circulatório desempenha em nosso organismo?

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE PRIMEIROS SOCORROS

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE PRIMEIROS SOCORROS A vítima que deverá receber os primeiros socorros é a que estiver: 1 com muitas fraturas. 2 gritando, com muita dor. 3 sangrando muito. 4 respirando com muita dificuldade. O melhor local no corpo para

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório Apresentação: Luciana Ramalho 2017

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório Apresentação: Luciana Ramalho 2017 Sistema Circulatório Sistema Circulatório Apresentação: Luciana Ramalho 2017 Funções do sangue Transporte de gases respiratórios; Transporte de nutrientes; Remoção de produtos metabólicos (excretas); Distribuição

Leia mais

Machucaduras e Sangramentos. Acadêmico: Sérgio S

Machucaduras e Sangramentos. Acadêmico: Sérgio S Machucaduras e Sangramentos Acadêmico: Sérgio S Augusto Machucaduras Definição Lesões que provocam rotura da pele, com ou sem comprometimento das estruturas subjacentes. Avaliar Intensidade do sangramento

Leia mais

Oficina de CN/EF Material do Monitor. Caro Monitor,

Oficina de CN/EF Material do Monitor. Caro Monitor, Caro Monitor, A oficina terá como tema o Sistema Respiratório e Sistema Circulatório. Para facilitar o entendimento do aluno, terá alguns apontamentos sobre esses sistemas separados, depois integrados,

Leia mais

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA

AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA AULA-7 PROCESSO DE HEMOSTASIA Profª Tatiani UNISALESIANO PROCESSO DE HEMOSTASIA- COAGULAÇÃO DO SANGUE Toda vez que ocorre ferimento e extravasamento de sangue dos vasos, imediatamente são desencadeados

Leia mais

Organização do sistema cardiovascular e circulatório. Profa. MSc. Ângela C. Ito

Organização do sistema cardiovascular e circulatório. Profa. MSc. Ângela C. Ito Organização do sistema cardiovascular e circulatório C IÊNCIAS MORFOFUNCIONAIS DOS SISTEMAS NERVOSO E C ARDIORRESPIRATÓ RIO Profa. MSc. Ângela C. Ito ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR E CIRCULATÓRIO

Leia mais

Distúrbios hemodinâmicos

Distúrbios hemodinâmicos Distúrbios hemodinâmicos DISTÚRBIOS HEMODINÂMICOS Distúrbios que acometem a irrigação sanguínea e o equilíbrio hídrico Alterações hídricas intersticiais: - Edema Alterações no volume sanguíneo: - Hiperemia,

Leia mais

Como actuar em caso de Perda de Consciência. Posição Lateral de Segurança. Técnica:

Como actuar em caso de Perda de Consciência. Posição Lateral de Segurança. Técnica: DS 08.01 MANUAL DE PROCEDIMENTOS SOS 1 / 13 Como actuar em caso de Perda de Consciência Em caso de perda de consciência deve ser adoptada a Posição Lateral de Segurança. Posição Lateral de Segurança A

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia Trocas Gasosas

Exercícios de Aprofundamento Biologia Trocas Gasosas 1. (Unesp 2014) Os gráficos representam a concentração de três gases no sangue assim que passam pelos alvéolos pulmonares. É correto afirmar que os gráficos que representam as concentrações dos gases O

Leia mais

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS

DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Cursos de Graduação em Farmácia e Enfermagem DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS Disciplina: Patologia Geral Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2014 DISFUNÇÕES HEMODINÂMICAS - São caracterizadas por alterações

Leia mais

CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE

CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE 1. Introdução Para um melhor entendimento dos mecanismos (da hemorragia e do choque) faz-se necessário uma pequena revisão de alguns aspectos conceituais de anatomia e fisiologia

Leia mais

Sistema circulatório. Grupo 4 : Caio Rodriguez nº 05. Gabriel Carmona nº11. Giulia Giannotti nº 14. Arthur Telles nº 04. Fabiana Siqueira nº 10

Sistema circulatório. Grupo 4 : Caio Rodriguez nº 05. Gabriel Carmona nº11. Giulia Giannotti nº 14. Arthur Telles nº 04. Fabiana Siqueira nº 10 Sistema circulatório Grupo 4 : Arthur Telles nº 04 Caio Rodriguez nº 05 Fabiana Siqueira nº 10 Gabriel Carmona nº11 Gabriele de Andrade nº13 Giulia Giannotti nº 14 Gustavo Esteves nº 17 Gustavo Gomes nº

Leia mais

[244] 113. TRAUMA PEDIÁTRICO

[244] 113. TRAUMA PEDIÁTRICO [244] Efetuar o transporte da paciente para o hospital em todos os casos. Incluir no exame a avaliação da irritabilidade uterina (presença de contrações e seu ritmo) e a altura do fundo de útero. Prestar

Leia mais

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células

Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Transporte de nutrientes e oxigénio até às células Sistema Circulatório Apresentação feita por Prof. Mónica Moreira Conceito e função do sistema circulatório O sistema circulatório é responsável pela circulação

Leia mais

EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR ETAPAS BÁSICAS

EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR ETAPAS BÁSICAS EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR PROTOCOLO INTERNACIONAL DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR PARA QUALQUER ASSUNTO QUE VOCÊ QUEIRA ESTUDAR SEMPRE HAVERÁ UM LIVRO, ARTIGO OU APOSTILA. EM PRIMEIROS SOCORROS TAMBÉM HÁ,

Leia mais

01- Qual é o nome dado ao sistema responsável pela extração dos nutrientes dos alimentos e como podemos classificar este processo? R.

01- Qual é o nome dado ao sistema responsável pela extração dos nutrientes dos alimentos e como podemos classificar este processo? R. PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================ 01- Qual é o nome dado ao sistema responsável

Leia mais

Alterações Circulatórias Trombose, Embolia, Isquemia, Infarto e Arterosclerose

Alterações Circulatórias Trombose, Embolia, Isquemia, Infarto e Arterosclerose Alterações Circulatórias Trombose, Embolia, Isquemia, Infarto e Arterosclerose PhD Tópicos da Aula A. Patologias vasculares B. Patologias circulatórias C. Arterosclerose 2 Patogenia Trombose A. Patologias

Leia mais

Contusão: Lesão produzida nos tecidos por trauma contuso (pancada, chute, cotoveladas, etc.), SEM QUE HAJA ROMPIMENTO da pele.

Contusão: Lesão produzida nos tecidos por trauma contuso (pancada, chute, cotoveladas, etc.), SEM QUE HAJA ROMPIMENTO da pele. UI MARIA LENIR ARAÚJO MENESES Prof Esp. Leonardo Delgado Aula 01: SOCORROS EM ATIVIDADES FÍSICAS UNIDADE III Aluno: Data: / / Contusão: Lesão produzida nos tecidos por trauma contuso (pancada, chute, cotoveladas,

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Esterilização. Emergência e Primeiros Socorros Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais M.V. Guilherme Sposito Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos. Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia Assepsia Microorganismos Contaminação Presença de microorganismos

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO SOBRAL - CE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. QUEIMADURAS... 01 2.1 Primeiro grau... 02 2.2 Segundo grau... 02 2.3 Terceiro grau...

Leia mais

Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média. Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11

Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média. Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11 Pressão Venosa Central e Pressão Arterial Média Profa Sandra Zeitoun Aula 10 e 11 Métodos de monitorização A monitorização de pacientes internados visa contribuir com o processo de reabilitação e cura.

Leia mais

Os Primeiros Socorros constituem a primeira ajuda dada a uma vítima de acidente ou doença súbita, para estabilizar a sua situação antes da chegada da

Os Primeiros Socorros constituem a primeira ajuda dada a uma vítima de acidente ou doença súbita, para estabilizar a sua situação antes da chegada da Os Primeiros Socorros constituem a primeira ajuda dada a uma vítima de acidente ou doença súbita, para estabilizar a sua situação antes da chegada da assistência médica qualificada. Tendo como objectivo,

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 13 CONTUSÃO TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 13.01 CONTUSÃO A contusão é uma lesão sem o rompimento da pele, tratando-se de uma forte compressão

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 11/06/2011 Nota: Professora: Karina Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO PROFESSOR DEBORA SOUZA DISCIPLINA CIÊNCIAS SIMULADO: P3 Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br ALUNO TURMA 801 Questão 1

Leia mais

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola SUAS MÃOS PODEM SALVAR UMA VIDA. 3.2 CAUSAS DE PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA A vítima pode iniciar com parada respiratória e caso não atendida a tempo evolui para parada cardíaca também; ou a parada cardíaca

Leia mais

Fisiologia V. Fisiologia Cardiovascular Aula 2: CIRCULAÇÃO GERAL

Fisiologia V. Fisiologia Cardiovascular Aula 2: CIRCULAÇÃO GERAL Fisiologia V Fisiologia Cardiovascular Aula 2: CIRCULAÇÃO GERAL Departamento de Fisiologia e Farmacologia ppsoares@vm.uff.br ROTEIRO 1. Estrutura dos vasos sanguíneos 2. Débito cardíaco e seus determinantes

Leia mais

POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO)

POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO) POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO) Medidas dos sinais vitais e nível de consciência Glasgow < FR < ou > 9 Escore de trauma pediátrico < 9 PAS 9 mmhg Escore de trauma revisado < Avaliação de lesões anatômicas

Leia mais

Sugestões de avaliação. Ciências 8 o ano Unidade 7

Sugestões de avaliação. Ciências 8 o ano Unidade 7 Sugestões de avaliação Ciências 8 o ano Unidade 7 Nome: Unidade 7 Data: 1. O processo de imunização pode ser natural ou artificial, como as vacinas e os soros. Vacinas são usadas para prevenir as doenças

Leia mais

Biologia. etor 1403 Aulas 39 à 42. Prof. Rafa

Biologia. etor 1403 Aulas 39 à 42. Prof. Rafa Biologia etor 1403 Aulas 39 à 42 Prof. Rafa Sistema Circulatório (SC) Função: transporte e distribuição de substâncias SANGUE : tecido conjuntivo, com funções de transporte (nutrientes, gases, excretas,

Leia mais

CAPÍTULO 6 URGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES (UPH)

CAPÍTULO 6 URGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES (UPH) CAPÍTULO 6 URGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES (UPH) 6 - ATENDIMENTOS INICIAIS ÀS SITUAÇÕES DE URGÊNCIA São os primeiros cuidados prestados por qualquer pessoa a uma vítima, fora do ambiente hospitalar. Os principais

Leia mais

Edição: A Revisão: 1 Data: NOTA TÉCNICA Nº. B00002 Folha - 1 PRIMEIROS SOCORROS INSTRUÇÕES DE PRIMEIROS-SOCORROS.

Edição: A Revisão: 1 Data: NOTA TÉCNICA Nº. B00002 Folha - 1 PRIMEIROS SOCORROS INSTRUÇÕES DE PRIMEIROS-SOCORROS. NOTA TÉCNICA Nº. B00002 Folha - 1 Princípios: É preciso: - Manter a calma - Vencer o seu próprio medo - Primeiro pensar, depois agir - Evitar que se produzam maiores danos - Vedar o local do sinistro ao

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E CHOQUE Significado de Choque: Francês choc: parada

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E CHOQUE Significado de Choque: Francês choc: parada Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E CHOQUE Significado de Choque: Francês choc: parada de Choque Síndrome caracterizada por uma incapacidade do sistema

Leia mais

8 sinais de má circulação sanguínea

8 sinais de má circulação sanguínea 8 sinais de má circulação sanguínea Angiologista explica sinais que vão de alterações na pele até dor Se você tem pés e mãos frias e uma sensação de formigamento, pode ser que você esteja com sinais de

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I

SISTEMA CARDIOVASCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I SISTEMA CARDIOVASCULAR DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Sistema Cardiovascular Função da circulação: 1. Transportar nutrientes 2. Transportar produtos de excreção 3. Transportar

Leia mais

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2017

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2017 Disciplina: CIÊNCIAS Série/Ano: 8º ANO Professores: Cybelle / José Henrique / Sarah / Tiê Objetivo: Proporcionar ao aluno a oportunidade de resgatar os conteúdos trabalhados durante o 1º semestre nos quais

Leia mais

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4

SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 SEMIOLOGIA DE GRANDES ANIMAIS AULA 4 Médico Veterinário Renato G Santos Esp. Clínica, Cirurgia e Reprodução de Grandes Animais Esp. Bovinocultura Leiteira Esp. Nutrição de Ruminantes O exame físico geral

Leia mais

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão.

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. Sinais e sintomas: Em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores, cefaléia, mal estar,

Leia mais

American Heart Association LISTA DE CHECAGEM CRITÉRIOS DE EXECUÇÃO PARA SUPORTE BÁSICO DE VIDA/SBV RCP ADULTO 1 ou 2 SOCORRISTAS

American Heart Association LISTA DE CHECAGEM CRITÉRIOS DE EXECUÇÃO PARA SUPORTE BÁSICO DE VIDA/SBV RCP ADULTO 1 ou 2 SOCORRISTAS RCP ADULTO 1 ou 2 SOCORRISTAS 1. Verifique se a vítima não responde e se esta sem respiração ou com respiração anormal. Ative o Serviço de Emergência Médica (Fone 193). Posicione corretamente o paciente.

Leia mais

MEDICAMENTOS QUE ATUAM NO SISTEMA CIRCULATÓRIO

MEDICAMENTOS QUE ATUAM NO SISTEMA CIRCULATÓRIO MEDICAMENTOS QUE ATUAM NO SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATORIO - CORAÇÃO, - VASOS SANGUINEOS - SANGUE 1 DROGAS DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - ANTIARRÍTMICOS - VASODILATADORES - CARDIOTÔNICOS - ANTI-HIPERTENSIVOS

Leia mais

ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS EMBOLIA

ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS EMBOLIA EMBOLIA ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS - Presença de substância estranha ao sangue caminhando na circulação, levando à oclusão parcial ou completa da luz do vaso em algum ponto do sistema circulatório. - A substância

Leia mais

Segundo MEEKER et al (1997), o posicionamento do paciente para uma intervenção cirúrgica é uma arte, uma ciência e também um fator-chave no

Segundo MEEKER et al (1997), o posicionamento do paciente para uma intervenção cirúrgica é uma arte, uma ciência e também um fator-chave no Segundo MEEKER et al (1997), o posicionamento do paciente para uma intervenção cirúrgica é uma arte, uma ciência e também um fator-chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação

Leia mais