12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:"

Transcrição

1 Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras: luvas e máscara. Evite contato direto ou indireto com a pele, mucosa, sangue, ou qualquer fluído corporal. Como Chamar por Socorro ANÁLISE PRIMÁRIA Ligue para o Serviço de Atendimento Pré-Hospitalar e forneça as seguintes informações: Seu nome Número do telefone que está usando Tipo de Ocorrência Pré-Hospitalar Local Exato da Ocorrência Número de vítimas Problemas Encontrados OBS: Não desligue o telefone antes do atendente autorizar. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Obstruções respiratórias - Parada Respiratória (hipoxemia, apnéia); Parada Cárdio - Respiratória; Má perfusão de órgãos e tecidos (hemorragias); Lesões secundárias e tardias (trauma crânio encefálico, embolias, etc.) 1

2 ANÁLISE PRIMÁRIA Análise Inicial - Seqüência Reanimação A - Vias Aéreas / Proteção Cervical C - Circulação e Grandes Hemorragias D - Incapacidade / Neurológico E - Exposição / Hipotermia Toque na vítima, fale com ela! Análise Inicial A- Vias Aéreas Proteção Cervical A Vias Aéreas Língua Edema Ferimento Objeto estranho 2

3 Obstrução Mecânica Projeção da Mandíbula LÍNGUA!!!! Próteses Dentárias Doces, Carne, etc... JAW THRUST Tração da Mandíbula (TRAUMA) Proteção Cervical Suspeitas de Lesão na Coluna Cevical - Trauma 3

4 Obstrução de Vias Aéreas Heimlich Obstrução total vítima consciente Vítima inconsciente OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS MANOBRA DE HEIMLICH ESTERNO Você está engasgado??? Você pode falar??? Gestantes / Obesos 4

5 MANOBRA DE HEIMLICH Auto Socorro Análise Inicial - Seqüência Reanimação Análise Inicial A - Vias Aéreas / Proteção Cervical C - Circulação e Grandes Hemorragias D - Incapacidade / Neurológico E - Exposição / Hipotermia B Boa Respiração 5

6 Respiração Artificial TROCA GASOSA Se não houver respiração, iniciar ventilação de resgate (boca - boca*) com 2 respirações lentas Respiração Artificial Adultos... Crianças... Bebês... 5 segundos 4 segundos 3 segundos POCKET MASK 6

7 BVM Oxigênio Análise Inicial - Seqüência Reanimação Máscara A - Vias Aéreas / Proteção Cervical C - Circulação e Grandes Hemorragias D - Incapacidade / Neurológico E - Exposição / Hipotermia 7

8 Análise Inicial C - Circulação C Circulação + Grandes Hemorragias Verificar sinais de circulação (pulso carotídeo palpável, respiração, tosse e movimentos) Se não houver pulso, iniciar a RCP. C - Circulação C - Circulação Procure sinais objetivos de vida ; Tosse, respiração, pulso carotídeo Pulso carotídeo Checar pulso carotídeo por 5 a 10 segundos Compressão cardíaca externa Centro do tórax, linha mamilar 8

9 Minutos de Platina Reanimação Cárdio-Pulmonar MORTE CARDÍACA SÚBITA (INTRÍNSECO PARADA RESPIRATÓRIA) APÓS 4 MINUTOS: INÍCIO DOS DANOS CEREBRAIS APÓS 10 MINUTOS: MORTE CEREBRAL EM QUASE 100% DOS CASOS Deprimir o esterno cerca de 5 centímetros. 30 compressões torácicas e 2 ventilações. Mantenha um ritmo de 100 compressões por minuto. OBS.: VÍTIMAS SEM ASSISTÊNCIA CONTROLE DE HEMORRAGIAS CONTROLE DE HEMORRAGIAS COMPRESSÃO DIRETA Técnica de compressão direta; Técnica de elevação; Técnica de compressão sobre os pontos arteriais. Com a mão enluvada diretamente sobre a ferida Compressão com gaze ou pano limpo 9

10 CONTROLE DE HEMORRAGIAS CONTROLE DE HEMORRAGIAS NÃO REMOVER COMPRESSAS SATURADAS DE SANGUE Elevação do membro afetado APLIQUE OUTRA CAMADA SOBRE O LOCAL CONTROLE DE HEMORRAGIAS CONTROLE DE HEMORRAGIAS COMPRIMIR A ARTÉRIA QUE IRRIGA O LOCAL DA LESÃO COMPRESSÃO DA ARTÉRIA BRAQUIAL COMPRESSÃO DA ARTÉRIA FEMURAL 10

11 PONTOS DE COMPRESSÃO ARTERIAL Análise Inicial - Seqüência Reanimação A - Vias Aéreas / Proteção Cervical C - Circulação e Grandes Hemorragias D - Incapacidade / Neurológico E - Exposição / Hipotermia D -Neurológico D -Neurológico - Perguntas Simples (nome, dia da semana, aniversário) ; - O Rato roeu a roupa do rei de roma ; - Face igual Sorria. A -ALERTA V - VERBAL D - DOR N - NÃO RESPONDE 11

12 Escala de Coma de Glasgow D -Neurológico Abertura Ocular Resposta Verbal Resposta Motora Abertura Espontânea 4 Adequadas 5 Obedece Comandos 6 Comando Verbal 3 Confusas 4 Localiza Estímulos 5 Estímulo Doloroso 2 Inadequadas 3 Retira a dor 4 Sem Abertura Ocular 1 Ininteligíveis (Sons) 2 Descerebração 3 Sem Reposta 1 Decorticação 2 Sem Resposta 1 GLASGOW 3-15 Análise Inicial - Seqüência Reanimação E - Exposição A - Vias Aéreas / Proteção Cervical C - Circulação e Grandes Hemorragias D - Incapacidade / Neurológico E - Exposição / Hipotermia 12

13 13

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann Urgência e emergência na atenção primária Enfª Karin Bienemann ATENDIMENTO INICIAL À VÍTIMA CRÍTICA PANORAMA ATUAL: Como andam as Urgências? AS URGÊNCIAS NO PAÍS Distribuição inadequada da oferta de serviços

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

ATIVIDADES. Karin Scheffel

ATIVIDADES. Karin Scheffel ATIVIDADES Karin Scheffel Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A 1º vítima era uma mulher de 28 anos,

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência 1/31/17 Urgência e Emergência Hemorragias e PCR 1. (AOCP EBSERH 2015) Fibrilação Ventricular, Taquicardia Ventricular sem pulso, Atividade Elétrica sem pulso e assistolia são mecanismos considerados modalidades

Leia mais

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1 ATENDIMENTO A PCR Prof. Fernando Ramos -Msc 1 HISTÓRICO Primeira reanimação - bíblia Trotar sobre um cavalo com a vítima debruçada sobre este, rolar a vítima sobre um barril 1899 - Prevost e Batelli introduziram

Leia mais

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro Primeiros Socorros Introdução ao socorro OBJETIVOS Conhecer os principais aspectos do comportamento e da conduta de um profissional de saúde que presta um atendimento de primeiros socorros, Conhecer os

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Estudando os Pontos. 4º Iniciar as compressões, com 1 ou 2 socorristas para Ad e Adol 30:2;

PRIMEIROS SOCORROS. Estudando os Pontos. 4º Iniciar as compressões, com 1 ou 2 socorristas para Ad e Adol 30:2; Edis Rodriguês Emergência Pré-Hospitalares PRIMEIROS SOCORROS Diretrizes criadas para os profissionais que executam a RCP e ACE. O Guidelines 2015 para RCP e ACE, foi revisado por 250 pessoas de 39 países.

Leia mais

Fraturas, luxações e contusões

Fraturas, luxações e contusões Fraturas, luxações e contusões 1. Fratura É toda solução de continuidade súbita e violenta de um osso. A fratura pode ser fechada quando não houver rompimento da pele, ou aberta (fratura exposta) quando

Leia mais

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação.

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação. Emergências Pré Hospitalares Elton Chaves QUESTÕES 1. Uma mulher de 75 anos, estava saindo de casa e subitamente apresentou uma Parada Cardiorrespiratória (PCR). Uma pessoa, que estava próxima de sua casa,

Leia mais

OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE)

OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE) OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (OVACE) Lucimar Aparecida Françoso Definições: Lactente ou bebê: menor de um ano de idade Criança: de um ano até antes do início da puberdade (detectado na

Leia mais

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão.

É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. É a aspiração de líquido não corporal causada por submersão ou imersão. Sinais e sintomas: Em um quadro geral pode haver hipotermia, náuseas, vômito, distensão abdominal, tremores, cefaléia, mal estar,

Leia mais

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem Avaliação inicial do traumatizado SANTA CASA DE SÃO PAULO Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Urgência: Estado que necessita de encaminhamento rápido ao hospital, onde a vítima não esteja em estado iminente de morte.

PRIMEIROS SOCORROS. Urgência: Estado que necessita de encaminhamento rápido ao hospital, onde a vítima não esteja em estado iminente de morte. PRIMEIROS SOCORROS 1.0- CONCEITOS GERAIS : É o primeiro atendimento prestado a uma vítima de trauma, mal súbito ou parturiente no local da ocorrência, utilizando para isso pouco ou nenhum equipamento específico.

Leia mais

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira Atendimento Pré-Hospitalar APH Professora: Ana Paula de Oliveira Na Saúde Pública onde se insere? 1. Unidades Básicas de Saúde 2. Ambulatórios especializados 3. Serviços de diagnósticos e terapias 4. Pré-Hospitalar

Leia mais

RCP no Adulto. Módulo 1. Introdução Mapa do Módulo Compressões Cardíacas Ventilações no SBV Avaliação Inicial

RCP no Adulto. Módulo 1. Introdução Mapa do Módulo Compressões Cardíacas Ventilações no SBV Avaliação Inicial Módulo 1 RCP no Adulto Introdução Mapa do Módulo Compressões Cardíacas Ventilações no SBV Avaliação Inicial Atendimento Completo Atendimento em Equipe Via Aérea Avançada Conclusão Tarefa 1 Introdução RCP

Leia mais

Aspectos Básicos do Atendimento em Primeiros Socorros

Aspectos Básicos do Atendimento em Primeiros Socorros Aspectos Básicos do Atendimento em Primeiros Socorros Elementos comuns a qualquer acidente Vítima Socorrista Curiosos Formas de acionamento Ao informar sobre o acidente, faça-o de forma clara e objetiva.

Leia mais

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Prof. Adélia Dalva 1. O tratamento emergencial da hipovolemia grave, em uma unidade de pronto atendimento, causada por choque hemorrágico, compreende as seguintes condutas terapêuticas,

Leia mais

CURSO DE PRIMEIROS SOCORROS, RCP E DEA - NSC

CURSO DE PRIMEIROS SOCORROS, RCP E DEA - NSC INTRODUÇÃO Segundo as estatísticas, existe uma imensa probabilidade que cada um de nós venha a presenciar uma situação de emergência e levando em consideração que a maioria delas acontece longe dos hospitais,

Leia mais

BOMBEIROS AVEIRO-VELHOS SUPORTE BÁSICO DE VIDA

BOMBEIROS AVEIRO-VELHOS SUPORTE BÁSICO DE VIDA BOMBEIROS AVEIRO-VELHOS SUPORTE BÁSICO DE VIDA SUPORTE BÁSICO DE VIDA O suporte básico de vida (SBV) tem como finalidade manter alguma circulação numa vítima até que socorro médico adequado possa ser instituído.

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência Trauma 1. (FUNDEP CISSUL MG 2013) A cinemática do trauma possibilita a suspeita de algumas lesões e contribui para que se evitem lesões despercebidas. Sobre esse tema é CORRETO afirmar

Leia mais

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia Primeiros socorros Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Definição Definição Medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

SUPORTE BÁSICO DE VIDA

SUPORTE BÁSICO DE VIDA SUPORTE BÁSICO DE VIDA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO No final da acção devem conseguir demonstrar: Como abordar uma vitima inconsciente. Como realizar Compressões é Insuflações. Como colocar uma vitima inconsciente

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

PARADA CARDÍACA PARADA CARDÍACA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CADEIA DE SOBREVIVENCIA

PARADA CARDÍACA PARADA CARDÍACA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CADEIA DE SOBREVIVENCIA PARADA CARDÍACA... é a cessação súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente, em pessoas sem moléstia incurável e irreversível. " DISCIPLINA: URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PARADA CARDÍACA

Leia mais

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira

Procedimentos de Emergência. Profº Ms. Gil Oliveira Procedimentos de Emergência Obstrução das Vias Aéreas MANOBRA DE HEIMLICH Obstrução das Vias Aéreas Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo do Miocárdio Ataque do Coração Infarto Agudo

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS - MATERIAL COMPLEMENTAR. Prof. Marcos Girão

PRIMEIROS SOCORROS - MATERIAL COMPLEMENTAR. Prof. Marcos Girão PRIMEIROS SOCORROS - MATERIAL COMPLEMENTAR Prof. Marcos Girão 1. American Heart Association (AHA) - Diretrizes 2010 O negócio é o seguinte: em 2010, a American Heart Associantion (AHA) estabeleceu novas

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 10 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 10.0 Introdução O estado de choque se caracteriza pela falta de circulação

Leia mais

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos.

Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Primeiros Socorros. Objetivos. Objetivos Avaliação inicial do paciente enfermo e cuidados na abordagem Avaliação de sinais vitais Contaminação Infecção Esterelização Antissepsia Assepsia Microorganismos Contaminação Presença de microorganismos

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR 1. Trauma: Considerações Iniciais O Traumatizado Prioritário Funções Vitais Comprometidas; Lesões Orgânicas;

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE:

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE: INTRODUÇÃO Segundo as estatísticas, existe uma imensa probabilidade que cada um de nós venha a presenciar uma situação de emergência e levando em consideração que a maioria delas acontece longe dos hospitais,

Leia mais

Dicas de Segurança IV

Dicas de Segurança IV Dicas de Segurança IV Noções Básicas de Primeiros Socorros Ressuscitação Cardiopulmonar Também conhecida como respiração boca a boca (aeração). Utilizada em casos de paradas respiratórias. Procedimentos:

Leia mais

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL Cap Amarildo Primeiros Socorros Sumário: Importância da preparação Omissão de Socorro Definições sobre socorro Mecanismo do Trauma Primeiros

Leia mais

CONHECIMENTO BÁSICO DE

CONHECIMENTO BÁSICO DE CONHECIMENTO BÁSICO DE! Primeiros socorros Situação 1 Avaliação da vítima É importante saber avaliar o acidentado. Saiba o que fazer no primeiro momento: Se apresente e procure acalmá-lo verificando o

Leia mais

PARECERISTA: Cons. Eurípedes Sebastião Mendonça de Souza Conselheiro Diretor do Departamento de Fiscalização do CRM-PB.

PARECERISTA: Cons. Eurípedes Sebastião Mendonça de Souza Conselheiro Diretor do Departamento de Fiscalização do CRM-PB. PROCESSO CONSULTA Nº 23/2008. INTERESSADO: o requerente ASSUNTO: Solicita parecer quanto aos procedimentos realizados pelo Corpo de Bombeiros, no atendimento pré-hospitalar móvel, onde resgatam vítimas

Leia mais

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO

Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO Curso de Emergências Obstétricas COLAPSO MATERNO ASPECTOS GERAIS Raro mas extremamente grave Vários fatores etiológicos SOBREVIDA FETAL Ressuscitação agressiva SOBREVIDA MATERNA Fator etiológico Ambiente

Leia mais

Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca

Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca Fraturas: Prof.: Sabrina Cunha da Fonseca Fraturas: É a ruptura total ou parcial do osso e podem ser fechadas ou expostas. CLASSIFICAÇÃO: Fratura fechada ou interna: Na fratura fechada não há rompimento

Leia mais

[273] O) e/ ou FiO 2. Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S

[273] O) e/ ou FiO 2. Parte VI P R O T O C O L O S D E P R O C E D I M E N T O S [273] Fixar bem tubos e cateteres. Abrir cateter gástrico, mantendo-o em sifonagem. Verificar o ventilador de transporte, circuitos e pressão do cilindro de oxigênio. Transportar sempre oxigênio de reserva.

Leia mais

PROFUNDIDADE DA QUEIMADURA 3º GRAU (ESPESSURA TOTAL): QUEIMADURA

PROFUNDIDADE DA QUEIMADURA 3º GRAU (ESPESSURA TOTAL): QUEIMADURA Emergências Pré-hospitalares Edis Rodrigues QUEIMADURA QUEIMADURAS SÃO LESÕES DECORRENTES DE AGENTES, TAIS COMO: ENERGIA TÉRMICA; QUÍMICA; ELÉTRICA. CLASSIFICAÇÃO QUANTO A PROFUNDIDADE: 1º GRAU; 2º GRAU;

Leia mais

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CAUSAS TIPOS DE CHOQUE SINAIS & SINTOMAS GERAIS DO CHOQUE ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CONCEITO FALÊNCIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO INCAPACIDADE

Leia mais

SALVAMENTO. 2. CLASSIFICAÇÃO DO AFOGAMENTO Considerado como um dos processos capazes de conduzir à asfixia, o afogamento é classificado em três tipos:

SALVAMENTO. 2. CLASSIFICAÇÃO DO AFOGAMENTO Considerado como um dos processos capazes de conduzir à asfixia, o afogamento é classificado em três tipos: NATAÇÃO II Profª Roseny Maria Maffia SALVAMENTO Para que se possam salvar vidas não é bastante saber nadar em todos os estilos; apesar de se saber que o bom nadador terá mais facilidade nesta tarefa, Outros

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 06 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 6.0 INTRODUÇÃO: A parada cardiorrespiratória é a parada dos movimentos

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA RCP PEDIÁTRICA ENFA. MA. AMANDA ROSSI MARQUES-CAMARGO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA RCP PEDIÁTRICA ENFA. MA. AMANDA ROSSI MARQUES-CAMARGO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA RCP PEDIÁTRICA ENFA. MA. AMANDA ROSSI MARQUES-CAMARGO ETIOLOGIA Adulto Criança PCR súbita e de origem cardíaca; PCR resulta de insuficiência respiratória e choque O reconhecimento

Leia mais

Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga Epidemiologia Mundo - 10 milhões/ano internações 3ª maior causa morte Homens > Mulheres (2:1) Jovens Causas: Acidente trânsito Quedas Agressões

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia

UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia UTILIZAÇÃO DO DESFIBRILADOR EXTERNO AUTOMÁTICO (DEA) Enfa. Eurilene de Assis Maia Belo Horizonte 2011 DEFINIÇÃO O desfibrilador Externo Automático (DEA) é um equipamento portátil,bifásico, utilizado em

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE PRIMEIROS SOCORROS

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE PRIMEIROS SOCORROS PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE PRIMEIROS SOCORROS PROFESSOR: Henrique Pereira Faria 1. EMENTA: A disciplina de primeiros socorros aborda: Suporte básico de vida Técnicas básicas de socorro Prestação

Leia mais

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Conceito de PCR : interrupção súbita da atividade mecânica cardíaca. É a falência cardio-pulmonar aguda que torna insuficiente o fluxo sangüíneo para manter a função cerebral.

Leia mais

EXERCÍCIOS AULA 10 NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS

EXERCÍCIOS AULA 10 NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS EXERCÍCIOS AULA 10 NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Prof. Marcos Girão 01. [CESPE MOTORISTA MPE/RR 2008] São chamados de primeiros socorros os auxílios imediatos prestados à vítima antes do atendimento médico.

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico Fabricia

Leia mais

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas Anatomia Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Sistema Nervoso Central (SNC) Cérebro Medula espinhal Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos Cranianos Nervos Espinhais Fisiologia

Leia mais

Sabemos que afogamentos são constantes em praias, rios e até mesmo em piscinas, principalmente no verão.

Sabemos que afogamentos são constantes em praias, rios e até mesmo em piscinas, principalmente no verão. 7.0 AFOGAMENTO: Sabemos que afogamentos são constantes em praias, rios e até mesmo em piscinas, principalmente no verão. Calor e água combinam perfeitamente, mas o que costuma estragar essa harmonia são

Leia mais

Programa DAE/CVP Para Empresas, Organizações e Instituições

Programa DAE/CVP Para Empresas, Organizações e Instituições ANEXO A CURSO SOCORRISMO DE PROXIMIDADE O Modulo de Socorrismo de proximidade foi pensando naqueles que primam pela exigência e qualidade dos seus serviços, com uma assistência diferenciada, e para melhor

Leia mais

Apresenta: Primeiros Socorros. Vamos falar mais sobre. engasgo INTOXICAÇÕES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS. sangramentos

Apresenta: Primeiros Socorros. Vamos falar mais sobre. engasgo INTOXICAÇÕES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS. sangramentos Apresenta: Vamos falar mais sobre Primeiros Socorros? sangramentos engasgo INTOXICAÇÕES EMERGÊNCIAS CLÍNICAS 1 1 intoxicações e envenenamentos acontecem com substâncias de uso diário. Temos que aprender

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 13 CONTUSÃO TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 13.01 CONTUSÃO A contusão é uma lesão sem o rompimento da pele, tratando-se de uma forte compressão

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE PRIMEIROS SOCORROS

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE PRIMEIROS SOCORROS A vítima que deverá receber os primeiros socorros é a que estiver: 1 com muitas fraturas. 2 gritando, com muita dor. 3 sangrando muito. 4 respirando com muita dificuldade. O melhor local no corpo para

Leia mais

ABC X CAB X SÓ-COMPRESSÃO

ABC X CAB X SÓ-COMPRESSÃO Recomendação QUAL A MELHOR ABORDAGEM NO AFOGAMENTO COM PARADA RESPIRATÓRIA e PCR? ABC X CAB X SÓ-COMPRESSÃO (versão de 06/11/2013) Dr David Szpilman SOBRASA - Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático

Leia mais

Suporte Básico de Vida. European Resuscitation Council

Suporte Básico de Vida. European Resuscitation Council Suporte Básico de Vida Objectivos No fim deste curso deverá conseguir: Abordar a vítima inconsciente. Executar compressões torácicas e ventilação boca-a-boca/nariz/nariz e boca. Colocar a vítima inconsciente

Leia mais

CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS. Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância.

CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS. Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância. CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS 1. Introdução Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância. Consideramos criança traumatizada aquela na

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITOS

1 INTRODUÇÃO 2 CONCEITOS 1 INTRODUÇÃO Seja qual for o trabalho desempenhado por um brigadista, é possível que ele seja acionado para atender e socorrer vítimas dos mais variados acidentes. Nessas horas, é importante que ele saiba

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEc Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico de enfermagem Qualificação:

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA COMO ACTUAR EM CASO DE ACIDENTE ELÉCTRICO 2 DESCRIÇÃO A sobrevivência da vítima de um acidente de origem eléctrica depende muitas vezes da actuação

Leia mais

Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204

Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204 Teste Primeiros Socorros F.P.V.L. JUNHO 2204 Das questões que se seguem, a maioria tem para escolha quatro hipóteses como resposta, noutras questões tem duas hipóteses, no entanto, em qualquer dos casos,

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Apostila REVALIDAÇÃO

PRIMEIROS SOCORROS. Apostila REVALIDAÇÃO PRIMEIROS SOCORROS Versão 2015 Revisada por Rafael Carvalho Data de criação 01/11/2013 Data de modificação 29/07/2015 Tipo de documento Atualizada por Instrutores de Primeiros Socorros COMISSÁRIOS Quando

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Prof. Esp. Davydson Gouveia Santos

Leia mais

Você já alguma vez pensou o que acontece debaixo da

Você já alguma vez pensou o que acontece debaixo da Você já alguma vez pensou o que acontece debaixo da Nos humanos sabemos que um acidente imprevisto p o d e c a u s a r d o r e sofrimento por muito tempo. A a n a t o m i a d o c ã o é basicamente igual

Leia mais

REANIMAÇÃO DO RN 34 SEMANAS EM SALA DE PARTO - Direitos autorais SBP PRÉ E PÓS-TESTE. Local (Hospital e cidade)

REANIMAÇÃO DO RN 34 SEMANAS EM SALA DE PARTO  - Direitos autorais SBP PRÉ E PÓS-TESTE. Local (Hospital e cidade) PRÉ E PÓS-TESTE Data / / PRÉ-TESTE PÓS-TESTE Curso Médico Curso Profissional de Saúde Local (Hospital e cidade) Nome do aluno 01. Quais situações abaixo indicam maior possibilidade de o recém-nascido (RN)

Leia mais

Aula Gratuita (com questões para a Aeronáutica)

Aula Gratuita (com questões para a Aeronáutica) 1 Aula Gratuita (com questões para a Aeronáutica) Olá Enfermeiros(as) Concurseiros(as)! 2 É com imenso prazer que disponibilizamos esse Ebook-Aula voltado para quem deseja passar nos melhores concursos

Leia mais

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte

Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Como reconhecer uma criança criticamente enferma? Ney Boa Sorte Passo 1 - Avaliar a criança Prevendo a parada cardiopulmonar A parada cardiopulmonar em lactentes e crianças raramente é um evento súbito!

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo AFOGAMENTO Afogamento é a aspiração de líquido, causado por submersão. Infelizmente, é uma ocorrência constante e recorrente. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),

Leia mais

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA)

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Desfibrilador externo automático (DEA) VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Desfibrilador externo automático (DEA) Resumo: Gabriel Rodrigues de Mendonça e-mail: gabriel_enfermagem@hotmail.com Adélia Maria

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE GUARDA VIDAS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO

CURSO PROFISSIONAL DE GUARDA VIDAS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO EXIGÊNCIAS PARA CONFIRMAÇÃO NO CURSO 1. Cumprir os pré-requisitos abaixo até dia 20/01/2007, antes do teste físico: - Ter ciência e assinar o regulamento do curso. - Ter efetuado o pagamento integral do

Leia mais

4 O que é hemorragia?

4 O que é hemorragia? O que é hemorragia? 4 e-tec Brasil Primeiros Socorros META OBJETIVOS Apresentar o conceito de hemorragia e o atendimento a uma vítima com sintomas hemorrágicos. Ao final desta aula, você deverá ser capaz

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE PRIMEIROS SOCORROS

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE PRIMEIROS SOCORROS PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE PRIMEIROS SOCORROS PROFESSOR: Henrique Pereira Faria 1. EMENTA: A disciplina de primeiros socorros aborda: Suporte básico de vida Técnicas básicas de socorro Prestação

Leia mais

Aprendendo sobre parada cardíaca e parada respiratória

Aprendendo sobre parada cardíaca e parada respiratória Aprendendo sobre parada cardíaca e parada respiratória 2 e-tec Brasil Primeiros Socorros META OBJETIVOS Identificar os sinais que permitem distinguir se a vítima está sofrendo parada cardíaca ou respiratória.

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir: FRATURAS OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão Definir: * Fratura,luxação e entorse; * Citar 4 sinais ou sintomas que indicam tais lesões; * Citar 2 importantes razões para efetuar a imobilização;

Leia mais

Frio Intenso. Autoprotecção

Frio Intenso. Autoprotecção Qualidade Vida C Â M A R A M U N I C I P A L Frio Intenso Autoprotecção Frio Intenso AUTOPROTECÇÃO Reduções significativas da temperatura, por vezes repentinas, podem afectar a saúde de qualquer pessoa,

Leia mais

Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida

Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida. Suporte Básico de Vida Objectivos : Reconhecer Paragem Respiratória Reconhecer Paragem Cardíaca Identificar elos da Cadeia Sobrevivência Algoritmo Oxigenação Paragem Respiratória Paragem Cardíaca Morte Cerebral Morte Súbita

Leia mais

Conceito. Principais Causas. Classificação. Extensão da Queimadura 29/04/2016

Conceito. Principais Causas. Classificação. Extensão da Queimadura 29/04/2016 Queimaduras Conceito Lesão nos tecidos de revestimento do organismo (pele, músculo, vasos sanguíneos, nervos e ossos) geralmente causada por agentes térmicos, eletricidade, produtos químicos, radiação,

Leia mais

Prevenção de Acidentes Domésticos

Prevenção de Acidentes Domésticos UNIDADE DE CUIDADOS NA COMUNIDADE DE CASTELO BRANCO Prevenção de Acidentes Domésticos Educação para a Saúde Objetivo geral Aquisição de competências que permitam prevenir acidentes e saber como agir em

Leia mais

TREINAMENTO DE EMERGÊNCIAS CARDIOVASCULARES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA LEIGOS CURSO OFICIAL DA SBC S I O G E E N I A N O A L U A I

TREINAMENTO DE EMERGÊNCIAS CARDIOVASCULARES DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA LEIGOS CURSO OFICIAL DA SBC S I O G E E N I A N O A L U A I A P S I S I A M N T TRINAMNTO D MRGÊNCIAS CARDIOVASCULARS DA SOCIDAD BRASILIRA D CARDIOLOGIA LIGOS CURSO OFICIAL DA SBC O G S L TR L A R R A L U N O C S A OV I D CAR IA C N Ê G R D M VRIFICAÇÃO DA PSSOA

Leia mais

Base teórica SINAIS VITAIS. Tópicos relevantes. Objetivos da aula. Quando aferir SV? Fisiologia

Base teórica SINAIS VITAIS. Tópicos relevantes. Objetivos da aula. Quando aferir SV? Fisiologia Base teórica SINAIS VITAIS Prof. Jorge Luiz Lima Os sinais vitais são informações básicas b colhidas pelo enfermeiro para avaliação do estado de saúde do cliente. O enfermeiro(a) deve saber avaliar e orientar

Leia mais

CAPÍTULO 6 URGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES (UPH)

CAPÍTULO 6 URGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES (UPH) CAPÍTULO 6 URGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES (UPH) 6 - ATENDIMENTOS INICIAIS ÀS SITUAÇÕES DE URGÊNCIA São os primeiros cuidados prestados por qualquer pessoa a uma vítima, fora do ambiente hospitalar. Os principais

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 18 CORPOS ESTRANHOS NO ORGANISMO. TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 18.0 INTRODUÇÃO Corpos estranhos são pequenas partículas de vidro, madeira,

Leia mais

AULA-6 ESCALA DE COMA DE GLASGOW. Profª Tatiani

AULA-6 ESCALA DE COMA DE GLASGOW. Profª Tatiani AULA-6 ESCALA DE COMA DE GLASGOW Profª Tatiani 2017 É instrumento para a avaliação da profundidade do nível de inconsciência e coma que o paciente está, e essa existe há 40 anos. Ela utiliza 3 critérios,

Leia mais

TCE TRAUMA CRANIENCEFÁLICO

TCE TRAUMA CRANIENCEFÁLICO TRAUMA CRANIENCEFÁLICO Imad Shehadeh Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões TCE 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito a cada 5 minutos 1 sequela

Leia mais

Identificar a causa (exaustão de auto, gás, aerossóis) Remoção da cena Manter vias aéreas abertas Suporte básico de vida Ligar para o CCI Chamar

Identificar a causa (exaustão de auto, gás, aerossóis) Remoção da cena Manter vias aéreas abertas Suporte básico de vida Ligar para o CCI Chamar tóxico ou veneno Qualquer substância nociva que, quando introduzida no organismo, provoca alterações em um ou mais sistemas INTOXICAÇÕES E ENVENAMENTOS Prof ª. Dra. Taís Tinucci Socorros de Urgência fisiológicos

Leia mais

15/05/2017. Nova Escala de Coma. de Glasgow? Nova Escala de Coma. de Glasgow?

15/05/2017. Nova Escala de Coma. de Glasgow? Nova Escala de Coma. de Glasgow? Nova Escala de Coma de Glasgow? Nova Escala de Coma de Glasgow? 1 Escala de Coma de Glaslow 15/05/017 Escala de Coma de Glasgow Resposta Ocular (1 - pontos) Resposta erbal (1-5 pontos) Resposta Motora

Leia mais

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios 1 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR- EPH -Hemorragia e choque. -Trauma em extremidades. -Traumatismos: -Queimaduras. CHOQUE-EPH TIPOS DE CHOQUE Hipovolêmico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Tratamento por Hipotermia na PCR: Experiência no Pré- Hospitalar e Urgência

Tratamento por Hipotermia na PCR: Experiência no Pré- Hospitalar e Urgência Tratamento por Hipotermia na PCR: Experiência no Pré- Hospitalar e Urgência Hospital São José Centro Hospitalar de Lisboa Central Tiago Amaral MSc, RN, PHRN, CNS enf.tiagoamaral@gmail.com Serviço Urgência

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PRIMEIROS SOCORROS EM LABORATÓRIO SOBRAL - CE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. QUEIMADURAS... 01 2.1 Primeiro grau... 02 2.2 Segundo grau... 02 2.3 Terceiro grau...

Leia mais

O que é a VIDA? Até então, identificamos onde está, mas não sabemos o que é. Problemas na identificação do inicio da vida e final da vida.

O que é a VIDA? Até então, identificamos onde está, mas não sabemos o que é. Problemas na identificação do inicio da vida e final da vida. HISTÓRIA DA MEDICINA OCIDENTAL - SÉC. XVII Anatomia: medicina bio-médica Visão analítica-mecanicista do corpo Célula: Microscópio: Células Corpo Humano - mais conhecido MEDICINA: SÉCULO XX DNA - base científica

Leia mais