Urgência e Emergência

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Urgência e Emergência"

Transcrição

1 Urgência e Emergência Trauma 1. (FUNDEP CISSUL MG 2013) A cinemática do trauma possibilita a suspeita de algumas lesões e contribui para que se evitem lesões despercebidas. Sobre esse tema é CORRETO afirmar que a) através da análise do tipo de impacto é possível determinar qual era a posiçãodoocupantenoveículo. b) a tatuagem traumática é um sinal de que o ocupante do veículo não estava usando o cinto de segurança. c) a fratura em olho de touro surge na região frontal de vítimas que estavam sem uso do cinto de segurança e foram lançadas contra o parabrisa. d) na avaliação de vítimas de acidentes automobilísticos o enfermeiro deve considerar dois aspectos importantes: velocidade aproximada no momento do acidente e tipo de veículo envolvido no acidente. 1

2 1. (FUNDEP CISSUL MG 2013) A cinemática do trauma possibilita a suspeita de algumas lesões e contribui para que se evitem lesões despercebidas. Sobre esse tema é CORRETO afirmar que a) através da análise do tipo de impacto é possível determinar qual era a posiçãodoocupantenoveículo. b) a tatuagem traumática é um sinal de que o ocupante do veículo não estava usando o cinto de segurança. c) a fratura em olho de touro surge na região frontal de vítimas que estavam sem uso do cinto de segurança e foram lançadas contra o parabrisa. d) na avaliação de vítimas de acidentes automobilísticos o enfermeiro deve considerar dois aspectos importantes: velocidade aproximada no momento do acidente e tipo de veículo envolvido no acidente. 2. (FCC TRT 9ª 2015) Em uma situação de atendimento de vítima de atropelamento em uma avenida de grande circulação, a primeira preocupação que um indivíduo leigo deve ter ao se aproximar da cena é: a) avaliar a segurança do local. b) procurar por hemorragia na vítima. c) iniciar a coleta de informações sobre a causa do acidente. d) imobilizar a coluna cervical da vítima. e) verificar se a vítima está respirando adequadamente. 2

3 2. (FCC TRT 9ª 2015) Em uma situação de atendimento de vítima de atropelamento em uma avenida de grande circulação, a primeira preocupação que um indivíduo leigo deve ter ao se aproximar da cena é: a) avaliar a segurança do local. b) procurar por hemorragia na vítima. c) iniciar a coleta de informações sobre a causa do acidente. d) imobilizar a coluna cervical da vítima. e) verificar se a vítima está respirando adequadamente. 3. (FCC 2013) Uma vítima de atropelamento por carro está sendo transportada em prancha longa para a ambulância. Observa se que foi aplicado no vítima colar cervical com o objetivo principal de: a) evitar o deslocamento da articulação temporomandibular. b) facilitar a respiração. c) prevenir a formação de úlcera de pressão. d) estabilizar a formação de coágulos sanguíneos. e) imobilizar a coluna cervical. 3

4 3. (FCC 2013) Uma vítima de atropelamento por carro está sendo transportada em prancha longa para a ambulância. Observa se que foi aplicado no vítima colar cervical com o objetivo principal de: a) evitar o deslocamento da articulação temporomandibular. b) facilitar a respiração. c) prevenir a formação de úlcera de pressão. d) estabilizar a formação de coágulos sanguíneos. e) imobilizar a coluna cervical. 4. (FCC 2015) Ao prestar cuidados à vítima de queda do andaime, com parestesia nos membros superiores e inferiores, no cuidado imediato para mobilização e transporte requer o controle da coluna cervical e a) posicionamento em decúbito dorsal horizontal para facilitar a rotação da cabeça. b) instalação de colar cervical e elevação do decúbito a 90 graus para melhorar a permeabilidade da via aérea. c) estabilização manual da cabeça e instalação de colar cervical, em decúbito dorsal horizontal em prancha rígida. d) posicionamento do tronco, pescoço e cabeça, lateralizados à esquerda. e) extensão do pescoço e elevação do mento para colocação de coxim para estabilidade cervical. 4

5 4. (FCC 2015) Ao prestar cuidados à vítima de queda do andaime, com parestesia nos membros superiores e inferiores, no cuidado imediato para mobilização e transporte requer o controle da coluna cervical e a) posicionamento em decúbito dorsal horizontal para facilitar a rotação da cabeça. b) instalação de colar cervical e elevação do decúbito a 90 graus para melhorar a permeabilidade da via aérea. c) estabilização manual da cabeça e instalação de colar cervical, em decúbito dorsal horizontal em prancha rígida. d) posicionamento do tronco, pescoço e cabeça, lateralizados à esquerda. e) extensão do pescoço e elevação do mento para colocação de coxim para estabilidade cervical. 5. (CESGRANRIO PETROBRÁS 2011) A primeira etapa de avaliação, na abordagem primária completa à vítima de trauma, é a de verificação de a) vias aéreas com controle cervical. b) exposição da vítima. c) estado neurológico. d) respiração. e) circulação com controle de hemorragias. 5

6 5. (CESGRANRIO PETROBRÁS 2011) A primeira etapa de avaliação, na abordagem primária completa à vítima de trauma, é a de verificação de a) vias aéreas com controle cervical. b) exposição da vítima. c) estado neurológico. d) respiração. e) circulação com controle de hemorragias. 6. (COVEST COPSET 2010) Quanto ao traumatismo, agravo inserido dentre os atendimentos de Urgência e Emergência, leia as alternativas abaixo e assinale V (verdadeiro) ou F (falso): ( ) Diante do atendimento pré hospitalar, pode se afirmar que o tratamento inicial determina o prognóstico final. ( ) Na chegada ao hospital, a avaliação e os cuidados podem ser divididos em 4 fases: avaliação primária, reanimação, avaliação secundária e cuidados definitivos. ( ) Na avaliação primária, detectam se problemas de: vias aéreas, respiração, circulação e membros assim como exame físico e neurológico completo. ( ) Em se tratando de cuidados definidos, a monitorização e a avaliação constantes são indispensáveis para facilitar o tratamento de problemas existentes. A sequência correta, de cima para baixo, é: a) F, F, F, V. b) V, V, F, V. c) V, V, F, F. d) F, V, F, V. e) V, F, V, F. 6

7 6. (COVEST COPSET 2010) Quanto ao traumatismo, agravo inserido dentre os atendimentos de Urgência e Emergência, leia as alternativas abaixo e assinale V (verdadeiro) ou F (falso): ( ) Diante do atendimento pré hospitalar, pode se afirmar que o tratamento inicial determina o prognóstico final. ( ) Na chegada ao hospital, a avaliação e os cuidados podem ser divididos em 4 fases: avaliação primária, reanimação, avaliação secundária e cuidados definitivos. ( ) Na avaliação primária, detectam se problemas de: vias aéreas, respiração, circulação e membros assim como exame físico e neurológico completo. ( ) Em se tratando de cuidados definidos, a monitorização e a avaliação constantes são indispensáveis para facilitar o tratamento de problemas existentes. A sequência correta, de cima para baixo, é: a) F, F, F, V. b) V, V, F, V. c) V, V, F, F. d) F, V, F, V. e) V, F, V, F. 7. (Prefeitura do RJ 2015) Perda momentânea da consciência com alteração da memória após traumatismo crânio encefálica sem lesão de tecido cerebral. Essa é a definição de: a) contusão cerebral b) crise convulsiva c) concussão cerebral d) edema cerebral 7

8 7. (Prefeitura do RJ 2015) Perda momentânea da consciência com alteração da memória após traumatismo crânio encefálica sem lesão de tecido cerebral. Essa é a definição de: a) contusão cerebral b) crise convulsiva c) concussão cerebral d) edema cerebral 8. (PC BA CEFET 2008) São sinais do Traumatismo Crânio Encefálico, exceto a) rinorragia. b) dispnéia. c) otorragia. d) sinal de Batlle. e) olhos de guaxinim. 8

9 8. (PC BA CEFET 2008) São sinais do Traumatismo Crânio Encefálico, exceto a) rinorragia. b) dispnéia. c) otorragia. d) sinal de Batlle. e) olhos de guaxinim. 9. (FGV/2014) Para que um Traumatismo Crânio Encefálico (TCE) seja classificado como moderado, pelos parâmetros da Escala de Glasgow, ele deve ter a seguinte pontuação: a) de3a8pontos. b) de 9 a 12 pontos. c) de 13 a 15 pontos. d) de 15 a 17 pontos. e) de 17 a 20 pontos. 9

10 9. (FGV/2014) Para que um Traumatismo Crânio Encefálico (TCE) seja classificado como moderado, pelos parâmetros da Escala de Glasgow, ele deve ter a seguinte pontuação: a) de3a8pontos. b) de 9 a 12 pontos. c) de 13 a 15 pontos. d) de 15 a 17 pontos. e) de 17 a 20 pontos. 10. (FGV/2014) Um paciente de 30 anos, vítima de acidente automobilístico, foi internado na Unidade de Tratamento Intensivo. Ele apresenta abertura ocular ao estímulo doloroso, resposta verbal com sons ininteligíveis e flexão ao estímulo doloroso (decorticação). De acordo com os parâmetros da escala de coma de Glasgow, o nível de consciência desse paciente é compatível com a) estado vegetativo. b) normalidade. c) coma superficial. d) coma profundo. e) coma intermediário. 10

11 10. (FGV/2014) Um paciente de 30 anos, vítima de acidente automobilístico, foi internado na Unidade de Tratamento Intensivo. Ele apresenta abertura ocular ao estímulo doloroso, resposta verbal com sons ininteligíveis e flexão ao estímulo doloroso (decorticação). De acordo com os parâmetros da escala de coma de Glasgow, o nível de consciência desse paciente é compatível com a) estado vegetativo. b) normalidade. c) coma superficial. d) coma profundo. e) coma intermediário. 11. (MS 2014) Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A vítima era uma mulher de 28 anos, condutora do veículo atingido, que se encontrava consciente, porém desorientada, relatando cervicalgia intensa. A vítima apresentava uma cervicalgia intensa, causada por efeito chicote. Esse sintoma é característico de qual trauma? a) Cranioencefálico. b) Torácico. c) Abdominal. d) Vertebromedular. e) Músculo esquelético. 11

12 11. (MS 2014) Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A vítima era uma mulher de 28 anos, condutora do veículo atingido, que se encontrava consciente, porém desorientada, relatando cervicalgia intensa. A vítima apresentava uma cervicalgia intensa, causada por efeito chicote. Esse sintoma é característico de qual trauma? a) Cranioencefálico. b) Torácico. c) Abdominal. d) Vertebromedular. e) Músculo esquelético. 12. (CILISPA 2014) Sobre os Ferimentos por Arma de Fogo (FAF), é CORRETO afirmar que: a) ao avaliar a vítima, a prioridade é procurar por ferimentos de entrada e de saída do projétil. b) abalaesmagaostecidosnoseutrajetoeumacavidadeécriadaapartir do seu rastro. c) a partir da identificação dos orifícios de entrada e de saída, é possível identificar todos os tipos e a quantidade de balas que penetraram no corpo da vítima. d) sempre haverá orifício de saída da bala. 12

13 12. (CILISPA 2014) Sobre os Ferimentos por Arma de Fogo (FAF), é CORRETO afirmar que: a) ao avaliar a vítima, a prioridade é procurar por ferimentos de entrada e de saída do projétil. b) a bala esmaga os tecidos no seu trajeto e uma cavidade é criada a partir do seu rastro. c) a partir da identificação dos orifícios de entrada e de saída, é possível identificar todos os tipos e a quantidade de balas que penetraram no corpo da vítima. d) sempre haverá orifício de saída da bala. 13. (CILISPA 2014) Um paciente do sexo masculino, 30 anos de idade, sofreu queda de motocicleta. Ao examinar a vítima, na cena do acidente, o socorrista identifica sinais de contusão em tórax, frequência ventilatória de 25ipm, estase de jugular, pressão arterial de 100X80mmHg, bulhas cardíacas abafadas, extremidades frias e cianosadas e alteração do nível de consciência. Diante do quadro clínico é possível que a vítima apresente: a) Tamponamento cardíaco b) Tórax instável c) Pneumotórax hipertensivo d) Choque hipovolêmico 13

14 13. (CILISPA 2014) Um paciente do sexo masculino, 30 anos de idade, sofreu queda de motocicleta. Ao examinar a vítima, na cena do acidente, o socorrista identifica sinais de contusão em tórax, frequência ventilatória de 25ipm, estase de jugular, pressão arterial de 100X80mmHg, bulhas cardíacas abafadas, extremidades frias e cianosadas e alteração do nível de consciência. Diante do quadro clínico é possível que a vítima apresente: a) Tamponamento cardíaco b) Tórax instável c) Pneumotórax hipertensivo d) Choque hipovolêmico 14. (FCC 2015) No trauma de tórax, as condições de imediato risco de morte que devem ser identificadas e tratadas na fase de avaliação inicial, são causadas, dentre outras, por: a) ruptura diafragmática. b) lesão esofágica. c) lesão buco maxilar. d) contusão pulmonar não associada a tórax instável. e) pneumotórax hipertensivo. 14

15 14. (FCC 2015) No trauma de tórax, as condições de imediato risco de morte que devem ser identificadas e tratadas na fase de avaliação inicial, são causadas, dentre outras, por: a) ruptura diafragmática. b) lesão esofágica. c) lesão buco maxilar. d) contusão pulmonar não associada a tórax instável. e) pneumotórax hipertensivo. 15. (FCC 2009) Durante um conflito, um jovem é vítima de violência e agressão interpessoal. Apresenta se taquidispneico, com um ferimento aberto em região inframamilar esquerda. O tratamento imediato de lesão aberta no tórax, caracterizada pela comunicação da cavidade pulmonar e meio externo, consiste na realização de curativo a) com irrigação com soro fisiológico. b) compressivo. c) de três pontas. d) com enfaixamento torácico. e) aberto. 15

16 15. (FCC 2009) Durante um conflito, um jovem é vítima de violência e agressão interpessoal. Apresenta se taquidispneico, com um ferimento aberto em região inframamilar esquerda. O tratamento imediato de lesão aberta no tórax, caracterizada pela comunicação da cavidade pulmonar e meio externo, consiste na realização de curativo a) com irrigação com soro fisiológico. b) compressivo. c) de três pontas. d) com enfaixamento torácico. e) aberto. 16

ATIVIDADES. Karin Scheffel

ATIVIDADES. Karin Scheffel ATIVIDADES Karin Scheffel Em seu plantão no SAMU, você recebeu um chamado para atender um acidente de trânsito, carro x carro, colisão traseira, com duas vítimas. A 1º vítima era uma mulher de 28 anos,

Leia mais

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES

PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES PROFESSOR: JEAN NAVES EMERGÊNCIAS PRÉ-HOSPITALARES QUESTÃO 01 O parâmetro que não faz parte do exame primário da vítima. a) é a respiração. b) é o pulso. c) é a tensão arterial. d) são as vias aéreas.

Leia mais

QUESTÕES SEM COMENTÁRIOS...38 GABARITO...47

QUESTÕES SEM COMENTÁRIOS...38 GABARITO...47 0 1 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Cinemática do Trauma...4 2.1. Colisões automobilísticas...4 2.1.1 Impacto frontal...5 2.1.2 Impacto lateral...8 2.1.3 Impacto traseiro...8 2.1.4. Capotamento...9 2.1.5

Leia mais

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é:

12/04/2011. O que mata mais rápido em ordem de prioridade é: Regras Básicas de Primeiros Socorros Análise Primária Prof. Carlos Cezar I. S. Ovalle Frente ao acidente, não se desespere. Não movimente o paciente, salvo quando for absolutamente necessário. Use barreiras:

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza

PRIMEIROS SOCORROS. Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza PRIMEIROS SOCORROS Enfa Sâmela Cristine Rodrigues de Souza Primeiros socorros Noções básicas b de sinais vitais Perfil do socorrista Vias aéreas a obstrução Ressuscitação cardiopulmonar RCP Ferimentos,

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa. Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Lícia Muritiba Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico Fabricia

Leia mais

POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO)

POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO) POLITRAUMATIZADO I (IDENTIFICAÇÃO) Medidas dos sinais vitais e nível de consciência Glasgow < FR < ou > 9 Escore de trauma pediátrico < 9 PAS 9 mmhg Escore de trauma revisado < Avaliação de lesões anatômicas

Leia mais

Extricação, mobilização, imobilização. Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS

Extricação, mobilização, imobilização. Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS Colar cervical Objetivo: Proporcionar imobilização parcial da coluna cervical. MODELOS Colar cervical Colar cervical Imobilização em prancha longa Objetivo: Proporcionar imobilização completa da vítima.

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito

Leia mais

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann

Urgência e emergência na atenção primária. Enfª Karin Bienemann Urgência e emergência na atenção primária Enfª Karin Bienemann ATENDIMENTO INICIAL À VÍTIMA CRÍTICA PANORAMA ATUAL: Como andam as Urgências? AS URGÊNCIAS NO PAÍS Distribuição inadequada da oferta de serviços

Leia mais

[244] 113. TRAUMA PEDIÁTRICO

[244] 113. TRAUMA PEDIÁTRICO [244] Efetuar o transporte da paciente para o hospital em todos os casos. Incluir no exame a avaliação da irritabilidade uterina (presença de contrações e seu ritmo) e a altura do fundo de útero. Prestar

Leia mais

Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma

Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma Ética, Biossegurança e Cinemática do Trauma Respeitar o modo e a qualidade de vida do traumatizado. Respeitar a privacidade e a dignidade do paciente, evitando sua exposição desnecessária. Biossegurança

Leia mais

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR

Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR Cuidados de Enfermagem no Paciente Crítico Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Intensivista-HR 1. Trauma: Considerações Iniciais O Traumatizado Prioritário Funções Vitais Comprometidas; Lesões Orgânicas;

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO TCE TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TCE Traumatismo Cranioencefálico Cerca de 50 %das mortes por trauma estão associadas com o trauma cranioencefálico (TCE). Os traumatismos

Leia mais

6. (FCC/TRE-RN/2011) No atendimento préhospitalar

6. (FCC/TRE-RN/2011) No atendimento préhospitalar 1. (Iniciativa Global/CIAS-MG/2016) Colares cervicais rígidos são bastante utilizados em vítimas de trauma. A sua finalidade principal e específica é proteger a coluna cervical de compressão. Todas as

Leia mais

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas

Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas. Emergências Neurológicas Anatomia Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Sistema Nervoso Central (SNC) Cérebro Medula espinhal Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos Cranianos Nervos Espinhais Fisiologia

Leia mais

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios

Emergência Pré-Hospitalar Jean Naves Teoria e Exercícios 1 É PROIBIDO REPRODUZIR OU COMERCIALIZAR www.estudioaulas.com.br EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR- EPH -Hemorragia e choque. -Trauma em extremidades. -Traumatismos: -Queimaduras. CHOQUE-EPH TIPOS DE CHOQUE Hipovolêmico

Leia mais

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira

Atendimento Pré-Hospitalar APH. Professora: Ana Paula de Oliveira Atendimento Pré-Hospitalar APH Professora: Ana Paula de Oliveira Na Saúde Pública onde se insere? 1. Unidades Básicas de Saúde 2. Ambulatórios especializados 3. Serviços de diagnósticos e terapias 4. Pré-Hospitalar

Leia mais

CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS. Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância.

CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS. Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância. CAPÍTULO 18 EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS 1. Introdução Na maior parte do mundo, o trauma ocupa a primeira causa de morte na infância; daí sua grande importância. Consideramos criança traumatizada aquela na

Leia mais

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado.

Resultados da Validação do Mapeamento. Administrar medicamentos vasoativos, se adequado. Intervenções de Enfermagem da Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC) para o diagnóstico de Volume de líquidos deficiente em pacientes vitimas de trauma Quadro 1- Reestruturação dos níveis de

Leia mais

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação.

QUESTÕES. e) Realizar Reanimação Cardiopulmonar (RCP), iniciando. pelas ventilações. d) Iniciar apenas o procedimento de ventilação. Emergências Pré Hospitalares Elton Chaves QUESTÕES 1. Uma mulher de 75 anos, estava saindo de casa e subitamente apresentou uma Parada Cardiorrespiratória (PCR). Uma pessoa, que estava próxima de sua casa,

Leia mais

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO. Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma

TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO. Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO Acadêmicas: Camila Magalhães e Sthefane K. Quaresma INTRODUÇÃO Elevado número de mortes anuais Óbitos antes do atendimento hospitalar Vítimas de TCE apresentam invalidez O atendimento

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência 1/31/17 Urgência e Emergência Hemorragias e PCR 1. (AOCP EBSERH 2015) Fibrilação Ventricular, Taquicardia Ventricular sem pulso, Atividade Elétrica sem pulso e assistolia são mecanismos considerados modalidades

Leia mais

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO LITORAL DO PARANÁ

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL DE SAÚDE DO LITORAL DO PARANÁ CADERNO DE QUESTÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA, MATEMÁTICA, CONHECIMENTOS GERAIS E CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA O CARGO DE ENFERMEIRO. 1. Murmúrio d água LÍNGUA PORTUGUESA Murmúrio d água, és tão suave a meus

Leia mais

O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados

O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados Trauma de tórax O trauma de tórax tem sido a principal de causa de morte na população adulta jovem no mundo atual, e tem destacado em virtude de fatores vinculados ao avanço tecnológico, como meio de transportes

Leia mais

PARECERISTA: Cons. Eurípedes Sebastião Mendonça de Souza Conselheiro Diretor do Departamento de Fiscalização do CRM-PB.

PARECERISTA: Cons. Eurípedes Sebastião Mendonça de Souza Conselheiro Diretor do Departamento de Fiscalização do CRM-PB. PROCESSO CONSULTA Nº 23/2008. INTERESSADO: o requerente ASSUNTO: Solicita parecer quanto aos procedimentos realizados pelo Corpo de Bombeiros, no atendimento pré-hospitalar móvel, onde resgatam vítimas

Leia mais

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem

Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada Suplem Avaliação inicial do traumatizado SANTA CASA DE SÃO PAULO Conceitos da Avaliação Inicial Rápida inspeção primária Reanimação Suplementação da inspeção primária/ reanimação Inspeção secundária detalhada

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEc Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico de enfermagem Qualificação:

Leia mais

Fraturas, luxações e contusões

Fraturas, luxações e contusões Fraturas, luxações e contusões 1. Fratura É toda solução de continuidade súbita e violenta de um osso. A fratura pode ser fechada quando não houver rompimento da pele, ou aberta (fratura exposta) quando

Leia mais

Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing (avaliação manutenção resp e mecânica resp) C circulation D disability (avaliação esta

Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing (avaliação manutenção resp e mecânica resp) C circulation D disability (avaliação esta Trauma torácico Dr. Salomón Soriano Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa São Paulo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Trauma torácico ATLS A airway (vias aéreas pérvias) B breathing

Leia mais

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL

PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL PRODUÇÃO TÉCNICA DESENVOLVIMENTO DE MATERIAL DIDÁTICO OU INSTRUCIONAL FACULDADE DE MEDICINA DE BOTUCATU- UNESP Programa de PG em Medicina Mestrado Profissional Associado à Residência Médica MEPAREM AUTOR:

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO AO EDITAL N 001/2013

EDITAL DE RETIFICAÇÃO AO EDITAL N 001/2013 EDITAL DE RETIFICAÇÃO AO EDITAL N 001/2013 usando de suas atribuições legais, faz saber que FICA ACRESCIDO ao Capítulo 3 DO QUADRO DE CARGOS -ITEM 3.1 os cargos de ENFERMEIRO AUDITOR e ENFERMEIRO PSF,

Leia mais

Aspectos Básicos do Atendimento em Primeiros Socorros

Aspectos Básicos do Atendimento em Primeiros Socorros Aspectos Básicos do Atendimento em Primeiros Socorros Elementos comuns a qualquer acidente Vítima Socorrista Curiosos Formas de acionamento Ao informar sobre o acidente, faça-o de forma clara e objetiva.

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

A maioria das crianças com traumatismo craniano são jovens, do sexo masculino e têm trauma leve.

A maioria das crianças com traumatismo craniano são jovens, do sexo masculino e têm trauma leve. Compartilhe conhecimento: Material para consulta rápida e precisa sobre a necessidade de tomografia em casos de traumatismo cranioencefálico. Baixe nossos pôsteres de referência e acompanhe online o algoritmo

Leia mais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais

Trauma de TóraxT. Trauma de tórax. Trauma de tórax. Anatomia. Classificação Traumas estáveis Representam 60 a 70% dos casos que adentram os hospitais Trauma de tórax VII Encontro de Enfermagem em Emergência São José do Rio Preto Trauma de TóraxT Lesões torácicas estão entre as 04 principais causas de morte nos traumatizados Nos EUA estima-se que ocorram

Leia mais

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002

ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE HEMORRAGIA & CHOQUE 002 ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CAUSAS TIPOS DE CHOQUE SINAIS & SINTOMAS GERAIS DO CHOQUE ESTADO DE CHOQUE CONCEITO CONCEITO FALÊNCIA DO SISTEMA CIRCULATÓRIO INCAPACIDADE

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Capítulo 31. Trauma na Grávida. Capítulo 31. Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS

Capítulo 31. Trauma na Grávida. Capítulo 31. Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS Capítulo 31 Trauma na Grávida 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever os tipos de lesões mais frequentes na grávida vítima de trauma. Descrever a importância

Leia mais

Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga Trauma cranioencefálico (TCE) Dra. Viviane Cordeiro Veiga Epidemiologia Mundo - 10 milhões/ano internações 3ª maior causa morte Homens > Mulheres (2:1) Jovens Causas: Acidente trânsito Quedas Agressões

Leia mais

TCE TRAUMA CRANIENCEFÁLICO

TCE TRAUMA CRANIENCEFÁLICO TRAUMA CRANIENCEFÁLICO Imad Shehadeh Principal causa de morte em jovens Causas mais freqüentes: Acidentes automobilísticos Quedas Agressões TCE 1 TCE a cada 15 segundos 1 óbito a cada 5 minutos 1 sequela

Leia mais

SINAIS CLÍNICOS CHOQUE HIPOVOLÊMICO

SINAIS CLÍNICOS CHOQUE HIPOVOLÊMICO Emergências Pré-hospitalares Jean Naves 1. (VUNESP-TJ SP 2010) Quando existe hemorragia interna, a identificação se faz por meio de sinais e sintomas clínicos. Constitui sinal de hemorragia. a) ausência

Leia mais

Médico Neurocirurgia Geral

Médico Neurocirurgia Geral Médico Neurocirurgia Geral Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Homem de 40 anos de idade procura a emergência de um hospital com dor irradiada incapacitante para o membro inferior direito após

Leia mais

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro

Primeiros Socorros. Introdução ao socorro Primeiros Socorros Introdução ao socorro OBJETIVOS Conhecer os principais aspectos do comportamento e da conduta de um profissional de saúde que presta um atendimento de primeiros socorros, Conhecer os

Leia mais

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva

URGÊNCIA E EMERGÊNCIA. Prof. Adélia Dalva URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Prof. Adélia Dalva 1. O tratamento emergencial da hipovolemia grave, em uma unidade de pronto atendimento, causada por choque hemorrágico, compreende as seguintes condutas terapêuticas,

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais

Curso Continuado de Cirurgia Geral- CBC SP

Curso Continuado de Cirurgia Geral- CBC SP Curso Continuado de Cirurgia Geral- CBC SP Trauma como doença Milton Steinman Disciplina de Cirurgia do Trauma HCFMUSP Avanços médicos no século XXI Recursos diagnósticos Recursos terapêuticos Qualidade

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUI-MEDULAR TRM TRAUMA E CUIDADOS DE ENFERMAGEM TRM Traumatismo Raqui Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou permanente

Leia mais

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU TRAQUEOTOMIA Profa Livre Docente Regina H. Garcia Martins DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU Unesp TRAQUEOTOMIA X TRAQUEOSTOMIA INDICAÇÕES DE TRAQUEOTOMIA DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS

Leia mais

Ensino Técnico. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2º Semestre/2015

Ensino Técnico. PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2º Semestre/2015 Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2º Semestre/2015 Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Saúde e segurança do trabalho. Componente Curricular: Suporte

Leia mais

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1

ATENDIMENTO A PCR. Prof. Fernando Ramos -Msc 1 ATENDIMENTO A PCR Prof. Fernando Ramos -Msc 1 HISTÓRICO Primeira reanimação - bíblia Trotar sobre um cavalo com a vítima debruçada sobre este, rolar a vítima sobre um barril 1899 - Prevost e Batelli introduziram

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

Emergências Clínicas

Emergências Clínicas 1 Emergências Clínicas 2 OBJETIVOS: -Descrever as Emergências clínicas mais comuns no ambiente préhospitalar. -Orientar as condutas frente às emergências clinicas discutidas; 3 Emergências Clinicas Estado

Leia mais

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc Primeiros Socorros: Fundamentos, Conceitos, Segurança.Vias Aéreas e Proteção da Coluna Cervical. TRM PRIMEIROS SOCORROS = SOCORROS DE URGÊNCIA = PRONTO SOCORRISMO=

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 16 VERTIGENS, DESMAIOS E CONVENÇÕES. TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 16.0 INTRODUÇÃO A sensação de um mal-estar e a impressão de tudo girar

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICA.

ASSISTÊNCIA EM TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICA. ASSISTÊNCIA EM TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICA. DUARTE, Renata Feitosa. Acadêmica de Enfermagem Faculdade Mauricio De Nassau, renatafeitosadenfermagem@gmail.com. GALDINO, Costa Klebiane. Acadêmica de Enfermagem

Leia mais

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA

UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE FAC CG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM HEMORRAGIA Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Prof. Esp. Davydson Gouveia Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 10 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO NA INFÂNCIA: UMA REVISÃO LITERÁRIA

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO NA INFÂNCIA: UMA REVISÃO LITERÁRIA TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO NA INFÂNCIA: UMA REVISÃO LITERÁRIA Juliana Costa Mendes Alves¹, Maria de Fatima H. Ruiz² RESUMO O Traumatismo Cranioencefálico é uma das principais causas de morte e incapacidades

Leia mais

CURSO DE PRIMEIROS SOCORROS, RCP E DEA - NSC

CURSO DE PRIMEIROS SOCORROS, RCP E DEA - NSC INTRODUÇÃO Segundo as estatísticas, existe uma imensa probabilidade que cada um de nós venha a presenciar uma situação de emergência e levando em consideração que a maioria delas acontece longe dos hospitais,

Leia mais

As internações por Causas Externas

As internações por Causas Externas As internações por Causas Externas A pesquisa abrangeu a totalidade das internações por Causas Externas registradas, no período de primeiro de janeiro de 2013 a 30 de junho de 2013, nos hospitais SARAH-Brasília,

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Procedimento de Emergência AULA 3

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Procedimento de Emergência AULA 3 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Procedimento de Emergência AULA 3 O que veremos nesta disciplina... Atendimento Pré-Hospitalar Conceitos importantes; Atributos do socorrista; Responsabilidade

Leia mais

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis

Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia. Primeiros socorros. Prof. Marcelo Bragança dos Reis Disciplina de Traumato- Ortopedia e Reumatologia Primeiros socorros Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Definição Definição Medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respi

Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respi Transporte de vítimas Estado da Vítima Vítima consciente não podendo andar Vítima consciente que pode andar Vítima inconsciente com respiração Vítima inconsciente sem respiração Casos de remoção Só quando

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo

DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS. Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL. Cap Amarildo DEFESA CIVIL NA ESCOLA PRIMEIROS SOCORROS Aula 1 ATENDIMENTO INICIAL Cap Amarildo Primeiros Socorros Sumário: Importância da preparação Omissão de Socorro Definições sobre socorro Mecanismo do Trauma Primeiros

Leia mais

Aula Gratuita (com questões para a Aeronáutica)

Aula Gratuita (com questões para a Aeronáutica) 1 Aula Gratuita (com questões para a Aeronáutica) Olá Enfermeiros(as) Concurseiros(as)! 2 É com imenso prazer que disponibilizamos esse Ebook-Aula voltado para quem deseja passar nos melhores concursos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESDADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO Hospital Universitário Gaffrée e Guinle - HUGG Avaliação da Letra C: Controle da Hemorragia 1º Passo: Manter a Potencia das Vias Aéreas. 2º Passo:

Leia mais

LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA

LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA As fraturas vertebrais são fraturas potencialmente graves em virtude do risco de lesão medular, este risco se torna ainda maior quando as estruturas ligamentares são, também,

Leia mais

CFI CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II

CFI CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II IBERÁFRICA ANGOLA SOCORRISMO CFI - CENTRO DE FORMAÇÃO IBERÁFRICA CONTROLO DE SOCORRISMO NÍVEL II 210 HORAS 30 DIAS FORMAÇÃO CERTIFICADA PELO INEFOP www.iberafrica.net geral@iberafrica.net 1 CURSO DE SOCORRISMO

Leia mais

Disciplina de Medicina Intensiva e Emergências Pediátricas HC FMB - UNESP

Disciplina de Medicina Intensiva e Emergências Pediátricas HC FMB - UNESP 1988 Disciplina de Medicina Intensiva e Emergências Pediátricas HC FMB - UNESP FISIOPATOLOGIA DA LESÃO CEREBRAL Lesões 1 árias Demanda de O 2 Lesões couro cabeludo Fraturas Concussão Contusão Hematomas

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 04 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Segundo as recomendações do CPR.

Segundo as recomendações do CPR. Suportep básico V Segundo as recomendações do CPR. A morte súbita é a causa de 700 000 morte por ano na Europa. As paragens cárdio-respiratórias por causa traumática, tóxica, afogamento na criança, são

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 10 PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA - PCR TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 10.0 Introdução O estado de choque se caracteriza pela falta de circulação

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: ambiente e saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS ATENDIMENTOS DO SERVIÇO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU, MARINGÁ-PR

CARACTERIZAÇÃO DOS ATENDIMENTOS DO SERVIÇO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU, MARINGÁ-PR CARACTERIZAÇÃO DOS ATENDIMENTOS DO SERVIÇO MÓVEL DE URGÊNCIA SAMU, MARINGÁ-PR Alex Gomes da Silva 1 ; Larissa Laila Cassarotti 2,Jaqueline Benatto Cardoso 3,Josylene Rodrigues de Souza Pinheiro 4, Willian

Leia mais

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência Profº. Enfº Diógenes Trevizan Introdução O transporte e remoção de clientes em atenção às urgências e emergências se destaca

Leia mais

Curso de técnico de emergência

Curso de técnico de emergência Curso de técnico de emergência Colares Cervicais Nas paginas seguintes apresento o que é um colar cervical, para o que serve, porque é que tem uma cor cada colar e como colocar Colares Cervicais O colar

Leia mais

Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes

Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes Dimensão dos acidentes e violências na saúde pública 969.850 internações e 145.093 mortes em 2011 por causas externas (toda causa não natural, como queimadura,

Leia mais

Socorrismo (com Suporte Básico de Vida)

Socorrismo (com Suporte Básico de Vida) Socorrismo (com Suporte Básico de Vida) DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00, mais um Sábado das 10h00 às 13h00

Leia mais

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2 Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica Dr. Murilo Rodrigues R2 Quadro clínico - JCC, sexo masculino. - Vítima de acidente automobilístico - Dor Abdominal Estudo tomográfico: Achados Tomográficos:

Leia mais

Acidentes de. Trânsito

Acidentes de. Trânsito Acidentes de Trânsito Evitar o aumento de acidentes que ocorrem diariamente é possível e temos consciência disto, só que o grande problema é que só começamos a dar importância a nossa e na segurança dos

Leia mais

Programa DAE/CVP Para Empresas, Organizações e Instituições

Programa DAE/CVP Para Empresas, Organizações e Instituições ANEXO A CURSO SOCORRISMO DE PROXIMIDADE O Modulo de Socorrismo de proximidade foi pensando naqueles que primam pela exigência e qualidade dos seus serviços, com uma assistência diferenciada, e para melhor

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DO TRAMA CRANIO- ENCEFÁLICO (TCE)

NEURORRADIOLOGIA DO TRAMA CRANIO- ENCEFÁLICO (TCE) NEURORRADIOLOGIA DO TRAMA CRANIO- ENCEFÁLICO (TCE) ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) Os TCEs podem ser inicialmente divididos em abertos e fechados. Os abertos são causados principalmente por

Leia mais

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA Código: ENF - 212 Pré-requisito: ENF

Leia mais

1 SUSAN P. Baker et. al. The Injury Fact Book. New York, Oxford University Press, 1992, p. 216.

1 SUSAN P. Baker et. al. The Injury Fact Book. New York, Oxford University Press, 1992, p. 216. Das internações por Acidente de Trânsito investigadas 39,9 referiram-se aos casos em que os pacientes eram ocupantes (condutores ou passageiros) Automóveis, Utilitários ou Caminhonetes, doravante denominados

Leia mais

LESÃO MEDULAR TRAUMÁTICA

LESÃO MEDULAR TRAUMÁTICA LESÃO MEDULAR TRAUMÁTICA ADAURI BUENO DE CAMARGO MÉDICO FISIATRA NEUROFISIOLOGISTA FACULDADE MEDICINA USP FISIOPATOGENIA DISFUNÇÕES MICCIONAIS FUNÇÃO INTESTINAL SEXUALIDADE DISCUSSÃO NEW YORK UNIVERSITY

Leia mais

PORTO ALEGRE 2011 INQUÉRITO DE ACIDENTES E VIOLÊNCIAS 1

PORTO ALEGRE 2011 INQUÉRITO DE ACIDENTES E VIOLÊNCIAS 1 PORTO ALEGRE 2011 INQUÉRITO DE ACIDENTES E VIOLÊNCIAS 1 Inquérito sobre Atendimentos por Violências e Acidentes em Serviços Sentinela de Urgência e Emergência do Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes

Leia mais

PARADA CARDÍACA PARADA CARDÍACA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CADEIA DE SOBREVIVENCIA

PARADA CARDÍACA PARADA CARDÍACA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CADEIA DE SOBREVIVENCIA PARADA CARDÍACA... é a cessação súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente, em pessoas sem moléstia incurável e irreversível. " DISCIPLINA: URGÊNCIA E EMERGÊNCIA PARADA CARDÍACA

Leia mais

Os tipos de treinamento estão relacionados com a edificação a qual o bombeiro ou brigadista vai atuar.

Os tipos de treinamento estão relacionados com a edificação a qual o bombeiro ou brigadista vai atuar. F ABRÍCIO NOGUEIRA BOMBEIRO CIVIL: Como Identificar um Curso de Qualidade? 1. Campo de Treinamento Os campos de treinamento são divididos em três níveis de exigência de acordo com a NBR 14276 de 2006:

Leia mais

Urgência e Emergência

Urgência e Emergência Urgência e Emergência CHOQUE Choque Um estado de extrema gravidade que coloca em risco a vida do paciente. Dica: Em TODOS os tipos de choques ocorre a queda da pressão arterial e, consequentemente, um

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais