Luis Alberto Noriega Vera 1. Adalberto Américo Fischmann 2 RESUMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Luis Alberto Noriega Vera 1. Adalberto Américo Fischmann 2 RESUMO"

Transcrição

1 TELECOMUNICAÇÕES: A EXPANSÃO DA TELEFONICA NOS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA Luis Alberto Noriega Vera 1 Adalberto Américo Fischmann 2 RESUMO Nas últimas décadas um dos setores que exerceram uma forte influência nas economias dos países desenvolvidos e em desenvolvimento tem sido o das telecomunicações. Alguns desses países têm investido maciçamente em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias para o setor. Um dos operadores que tem demonstrado um forte interesse no mercado internacional e, mais especificamente no latino-americano, é o grupo espanhol liderado pela Telefónica de España, Por intermédio da Telefônica Internacional, a Telefonica visa a sua expansão no mercado latino-americano criando valor agregado com a oferta de serviços integrados (voz, vídeo e dados; comunicações móveis e multimídia), fortalecendo a sua imagem corporativa e aproveitando sua estrutura de negócios (incluído o desenvolvimento de novas tecnologias). A partir de um estudo exploratório procurou-se analisar as vantagens e/ou desvantagens da privatização do setor de telecomunicações em alguns países operados pela Telefonica no que se relaciona ao nível de serviços atingido com esse processo. 1 Introdução A Telefonica, principal operador e primeiro grupo privado no setor de telecomunicações da Espanha vem conquistando um expressivo espaço no mercado latino-americano desse setor. A aquisição da empresa brasileira Telesp (telefonia fixa) e a concessão da telefonia celular das regiões leste e sudeste do país é uma das últimas adjudicações. Essa organização já se encontrava no Brasil desde 1996, participando da gestão da Companhia Riograndense de Telecomunicações CRT com 85,12% do capital com direito a voto, compromisso esse mantido após o leilão de ações que ela adquiriu em julho de Afora o Brasil, a Telefonica está presente nos seguintes países e regiões: norte da Argentina incluindo a região norte da capital Buenos Aires, a outra parte é controlada pela France Telecom; Chile 91% do mercado de telefonia local; Peru controle da telefonia local nacional e internacional; Porto Rico comunicações de longa distância; Venezuela telefonia local, nacional e internacional; El Salvador recente aquisição, foco na América Central; Portugal desenvolvimento de sistemas; Estados Unidos transmissão de dados. 1 Mestre em Administração FEA/USP e doutorando da Escola Politécnica 2 Professor Titular FEA/USP

2 Telefonica participa no mercado latino-americano por intermédio da Telefônica Internacional. As operações do conglomerado incluem a telefonia mídia, móvel e intercontinental (Telefónica consulta internet, 1998). Algumas da estratégias dessa organização visam a expansão de sua participação no mercado de telecomunicações criando valor agregado a partir dos seus serviços o ordenamento dos múltiplos negócios que ela possui e a ampliação da presença geográfica dos mesmos. Um exemplo disso é o atual nome Telefonica, uma tentativa de padronizar o logotipo da organização ao idioma falado nos mercados onde ela atua e, dessa forma, o cliente reconhecela quer ele esteja em São Paulo ou em Caracas. Além da estratégia de fortalecimento de sua imagem corporativa, a estratégia de expansão inclui a oferta de serviços integrados de valor agregado (voz, vídeo e dados; comunicações móveis e multimídia). Ela também procura as parcerias internacionais visando aumentar a sua participação em mercados emergentes e o desenvolvimento de sistemas. A Telefonica está conseguindo aliados importantes para essa expansão. Apesar de polêmicos, os governos e seus programas de privatização, conseguiram que ambas as partes a própria Telefonica e os países onde ela passou a operar obtivessem os benefícios, recursos e as oportunidades de negócios necessários a este tipo de operações. Contudo, algumas questões são levantadas a partir desse novo panorama nos serviços de telecomunicações. Por um lado, quais seriam as conseqüências da privatização desses serviços? De outro, qual a influência de sua expansão sobre o nível de qualidade do serviço e no consumidor final? O trabalho visa a elaboração de um estudo exploratório dos principais indicadores do setor telecomunicações em alguns mercados latino-americanos em que a Telefonica está operando, identificando as vantagens e/ou desvantagens do processo de privatização e a sua influência no nível de serviços de telefonia. 2 As organizações globais e a sua participação nos processos de privatização Nos últimos anos, alguns indicadores têm sido usados para explicar as mudanças sociais, políticas, econômicas e tecnológicas na maior parte dos países, tanto desenvolvidos como em desenvolvimento. Alguns desses indicadores relacionam-se com a redefinição do poder exercido pelo capital e a influência deste nas relações de trabalho, na distribuição da riqueza e nas relações entre países e/ou grupos econômicos algo amplamente discutido por Marx na sua celebre obra O Capital. Pode ser observado que as regras estabelecidas para mediar essas relações hoje são mais abertas, ou pelo menos pretendem ser. Ao longo dos anos, as relações de poder tem sido discutidas por diversos pensadores que tentaram explicar as formas e instrumentos de poder existentes (Machiavel,1991; Foucault, 1984; Galbraith, 1984; entre outros) A evolução das relações do poder tem permeado diferentes mudanças no contexto mundial. Por exemplo, alguns autores consideram que o processo de globalização é mais um exemplo do exercício de poder do capital por parte dos seus detentores. Segundo Theophilo (1998), o processo de globalização atingiu um estágio abrangente, em que as relações econômicas se antepõe às questões ideológicas. As dimensões dos problemas econômico-financeiros, sociais, científicos, tecnológicos, culturais, entre outros, ultrapassaram os antigos limites das fronteiras. Como conseqüência desse fenômeno abrangente, novos regulamentos e procedimentos deverão ser adotados.

3 No atual contexto, as pessoas e as organizações públicas e privadas, em âmbito nacional e internacional precisam adaptar-se a essas mudanças. As organizações globais estão cientes do alto índice de obsolescência tecnológica e do valor agregado a ser gerado a partir dos seus processos produtivos tanto de produtos como de serviços (Hoogvelt, 1997). A necessidade de definir estratégias é importante para essas organizações. Para elas a visão do futuro é fundamental para planejar ações que permitam conquistar mercados além-fronteiras. Diante dessa perspectiva, os ensinamentos básicos da administração e planejamento estratégicos são sempre lembrados e instrumentos de gestão são desenvolvidos para ajudar na tomada de decisões (Porter, 1996). Assim, a influência das mudanças tecnológicas, das necessidades dos compradores e das políticas governamentais são elementos que criam condições para a diferenciação de algumas organizações e, dessa forma, elas poderem tornarse competitivas a partir de uma estratégia global (Porter, 1993). Mais especificamente em relação ao setor de telecomunicações, Hawkins (1995) acredita que o impulso em direção a uma economia globalizada está estreitamente relacionada ao aumento da disponibilidade de informações dos bens e serviços e ao desenvolvimento e difusão de tecnologias para o processamento e distribuição dessas informações. Contudo, o setor está composto de economias classificadas em três categorias: economias dominantes com um grau de desenvolvimento tecnológico das informações e comunicações expressivo como no caso dos países dos G7: EUA, Canadá, Inglaterra, França, Alemanha, Itália e Japão; economias que conseguiram implementar programas de Pesquisa e Desenvolvimento de novas tecnologias em áreas específicas; economias que dependem das operações de importação para poder atingir um certo grau de desenvolvimento. Esse grau de desenvolvimento é requisito fundamental para conseguir se encaixar dentro da denominada era da informação, na qual tanto países desenvolvidos como em desenvolvimento estão interessados em participar. Alguns processos de mudança organizacional foram utilizados para atender às exigências do contexto global, dentre os quais destacam-se os processos de reengenharia, terceirização, privatização, entre outros. Na história recente de alguns países observa-se que a privatização foi uma das opções adotadas para se desfazer daquilo que os administradores públicos não conseguiam administrar, uma vez que a burocracia mal interpretada apresentou-se incapaz de acompanhar a dinâmica dos processos de mudança que ocorriam no dia-a-dia. No caso do Brasil a experiência de países como a Inglaterra em relação às privatizações coincidiu com o que em 1979 caracterizou-se como o primeiro movimento de desburocratização, com a criação do Programa Nacional de Desburocratização. Segundo Amaral, o objetivo do programa foi alcançar o que hoje em termos de serviços públicos é indicado como uma pré-condição: a melhoria do atendimento aos usuários (Amaral, 1996). No processo de privatização, os principais atores são: o Estado, que dita as regras para que o processo seja levado de modo a não transgredir a própria constituição, as operadoras interessadas, que possuem considerável capacidade para reerguer as empresas privatizáveis e, ainda, a sociedade, desorientada sobre o processo.

4 O irônico deste novo processo de privatização é que está sendo transferido à iniciativa privada aquilo que foi estatizado em décadas passadas, pois, naquela época, não se procurou identificar um agente controlador capaz e imune aos interesses políticos sempre existentes nesse contexto (Johnson, 1996). Hoje em dia a privatização é necessária, porque esse processo acompanha o da globalização esses processos possuem a mesma geratriz, representada pela nova ordem interna onde o tamanho do Estado deveria ser diminuído e a sua atuação nas relações econômicas limitada (Theophilo, 1998). O comprometimento do governo é garantir a dotação de uma infra-estrutura de telecomunicações adequada para seus cidadãos atingirem um nível de qualidade de vida aceitável. Para isto, o processo de privatização e/ou concessão desses serviços também tem de assegurar que as partes interessadas (Estado, operadores e consumidores) satisfaçam seus objetivos particulares, o que implica na existência de um sistema de controle e supervisão. (que no caso do Brasil estaria representado pela Agencia Nacional de Telecomunicações ANATEL). 3. Tendências no setor de telecomunicações Como comentado, a reorganização operacional e comercial de vários setores econômicos no mundo influenciou o setor de telecomunicações. A deficitária infra-estrutura existente nesse setor foi determinante na decisão de alguns governos de países em desenvolvimento de aceitar a necessidade de estimular suas economias através de sua privatização (O Neill, 1991). As previsões feitas no início da década de 90 demonstravam uma forte animosidade em torno ao setor. Mais recentemente algumas previsões das operações do mercado global de telecomunicações estimaram um crescimento em torno de US$ 1 trilhão para o ano 2000 comparativamente aos US$ 700 bilhões de receitas anuais obtidas no ano de 1997 (Raphael, 1998). No panorama previsto para o ano 2000 os países europeus e os Estados Unidos da América partilhariam 50% do mercado enquanto a América Latina dobraria a sua participação (id. ibid.). Outras previsões do efeito da globalização no mercado das telecomunicações são apresentados no quadro Países centrais e periféricos no setor de telecomunicações Segundo Barnett e Salisbury, a partir do avanço tecnológico existente no setor foi criada uma rede na qual países como os Estados Unidos e alguns países da Europa encontram-se em posição hegemônica. Essa classificação adotada pelos autores baseia-se na forte correlação existente entre a posição dos países na rede central ou periférica e o PIB per capita gerado em cada um deles (Barnett & Salisbury, 1996). Para eles, o advento da globalização das telecomunicações, tornou essa rede mais centralizada e integrada. Essa centralização e integração também é observada no aumento do fluxo de informações entre os países centrais, principalmente nos Estados Unidos da América (id. ibid.) Nas duas últimas décadas aqueles países denominados periféricos tiveram uma participação dinâmica no processo de integração à rede de comunicações mundiais. Essa participação tem sido influenciada por diversos acontecimentos. Assim, por exemplo, os acontecimentos políticos e econômicos dos países do Leste Europeu desviaram a atenção dos países centrais dos mercados latino-americanos a proximidade territorial e a semelhança de línguas da região teve um peso considerável nas decisões de investimento dos países centrais.

5 Quadro 1: Indicadores do mercado global de telecomunicações Custos Privatização Alianças Organização Indicador Descrição ligações internacionais: menos de US$ 1 por três minutos de conversação; custo menor através da Internet; novas tecnologias (fibra ótica, transmissões digitais, entre outros), possibilitando a diminuição de preços; acordos internacionais para redução de custos entre alguns dos membros da Organização Mundial do Comércio; qualidade e amplitude da banda principais parâmetros na precificação. abertura sigilosa dos mercados; ingresso de novas empresas nos mercados monopolísticos; abertura e privatização de empresas nos EUA, Europa, Ásia. condicionadas ao crescimento dos mercados de redes de informação (criação, movimentação e uso da informação) definição e construção do core competence; priorização de oportunidades internacionais; consolidação de estrutura de negócios global; investimento na capacitação de pessoal Internet e outras tecnologias 200 milhões de computadores e terminais conectados à Internet em 2001 (30 milhões em 1998); eletrodomésticos adaptados às novas TI s; despesas com P&D procurando melhorar a tecnologia. Fonte: Raphael, 1998 e Serrano et al., 1991 No entanto, assim como no leste europeu, os países latino-americanos tiveram oportunidade de demonstrar seu potencial com a abertura dos seus mercados à indústria internacional global. Esses países também abriram a possibilidade de ingresso de organizações globais em setores estratégicos de suas economias, como no caso da energia (energia elétrica, petróleo) das comunicações, entre outros. 3.2 O promissor mercado latino-americano Os países latino-americanos centralizaram a atenção dos demais países devido a algumas mudanças que foram acontecendo a partir do final da década dos anos 80. Algumas dessas mudanças estão relacionadas com as privatizações acontecidas no Chile, Argentina, Brasil e México consideradas algumas das mais fortes economias da região e nas demais economias que se encontravam em situação de descrédito internacional como conseqüência das crises políticas pelas que atravessaram como no caso do Panamá e Peru (Shirley, 1994). As projeções feitas sobre o futuro dos mercados de telecomunicações apontaram o Brasil como o mais promissor dos mercados da América Latina, principalmente, pela sua extensão territorial e por ser uma das mais fortes economias da região (Nota de imprensa da Telefônica, 1998). Este aspecto teve um peso significativo na decisão de investimento das organizações que pleitearam a concessão das teles brasileiras (doze ao todo). Diante dessa possibilidade foi aberta uma brecha para a conquista do mercado regional do cone sul. O mercado latino-americano está sendo disputado por várias organizações da Europa e dos Estados Unidos e o Canada. A espanhola Telefonica tem investido fortemente em vários países da região, afora o Brasil, ela tem investimentos na Argentina, no Chile, Peru, Venezuela, entre outros. A partir das concessões obtidas pela Telefonica nesses países, ela encontra-se um pouco à frente dos outros fortes investidores europeus e norte-americanos, devido à capacidade de utilização da sua própria estrutura no tráfego internacional de voz e

6 dados. Nesse sentido a rede regional de fibra ótica instalada em parceria com a MCI WorldCom no Pacífico Sul representa para essa organização a obtenção de economias de escala na utilização de uma única estrutura para o serviço de vários países. Na telefonia fixa, além da Telefonica encontram-se no mercado latino-americano a France Telecom, a Telecom Itália e a Portugal Telecom (que tem uma parceria com a Telefonica para o desenvolvimento de novas tecnologias). Na telefonia celular, a líder é a norte-americana BellSouth seguida pelas concorrentes Millicom International Cellular (MIC) do Luxemburgo e a canadense Telesystem International Wireless (TIW). Este processo poderia ser considerado uma nova invasão da América por renovados países colonizadores. Desta vez o processo se dá pelos operadores de telefonia globais que buscam ganhar espaço em mercados latino-americanos que apresentem índices de acesso e densidade de telefones menores, comparativamente aos apresentados pelos seus países de origem. Ainda espera-se a privatização da telefonia da Guatemala, Equador e Colômbia, entre outros países que ainda não definiram seus processos de privatização. Também importante para as empresas de telecomunicações latino-americanas é a proximidade dos compromissos assumidos pelos países membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) que na Rodada do Uruguai assinaram um acordo General Agreement of Tariffs and Services, GATS que visa a internacionalização dos serviços, incluído o de telefonia. O acordo possibilita a existência de elementos fiscalizadores quanto ao acesso a mercados, como o latino-americano, entre outros aspectos. Contudo, também evidencia-se que, a partir do longo processo de negociações que antecedeu a assinatura do acordo de telecomunicações do GATS, o capital privado é um dos fatores dinamizadores do setor. Os investimentos realizados através desse capital nos países em desenvolvimento têm demonstrado a sua capacidade para a modernização da infra-estrutura existente sempre que existam regras de jogo justas e estáveis. Betta e Levenberg apresentam um dado adicional importante relacionado com o impulso das telecomunicações nos países latino-americanos. Segundo esses autores, a partir da liberalização e privatização, assim como da experiência adquirida pelos operadores latinoamericanos, está acontecendo um crescimento da participação desses operadores no mercado internacional, e particularmente na própria região latino-americana (Betta & Levenberg, 1995). Os operadores de maior destaque são a Entel do Chile (tem participação nos Estados Unidos através da AmericaTel Corp., na Colômbia, México e Argentina), a Companhia de Telefones do Chile CTC (com participações na Companhia Celular da Colômbia COCELCO), a IMPSAT da Argentina (possui subsidiárias na Venezuela e o Equador) e a IUSACEL do México (com participação no mercado equatoriano de telefonia celular). 4 Os serviços de telecomunicações em alguns dos países servidos pela Telefonica 4.1 Brasil Até antes da privatização do sistema Telebras os mercados do Rio de Janeiro e São Paulo os dois mais importantes mercados de telefonia no Brasil registravam uma fila de espera de instalação de linhas telefônicas composta de usuários favorecidos. No caso de São Paulo, a fila de espera para os dois planos de expansão era composta de usuários da telefonia fixa com planos já quitados e por aqueles potenciais usuários que tinham feito inscrição e esperavam ser convocados. Especificamente em São Paulo a fila de espera dos telefones pagos era de 489

7 mil telefones (Telefónica consulta internet, 1999). Por outro lado, a instalação de linhas telefônicas em São Paulo era de, em média, 50 mil linhas por mês. Após cerca de 7 meses do início das operações, a atual situação vivida pela Telefonica não é animadora. Acredita-se que tal situação não pode ser comparada às demais experiências dessa organização nos mercados onde ela já está operando. Em primeiro lugar, a agência de proteção ao consumidor (Procon) recebe diariamente reclamações de usuários descontentes com a operação dos seus aparelhos dentre as queixas levantadas as mais comuns são: a falta de sinal, a cobrança indevida, a instalação da aparelhagem sem a habilitação respectiva, entre outras. O número de queixas é tão elevado que a Telefonica não consegue atender a todas elas e está utilizando os meios de comunicação para pedir a compreensão do público usuário. Para agregar mais um problema aos vários que ela enfrenta, está sendo aberta uma Comissão de Inquérito Parlamentar CPI para apurar alguns aspectos do processo de privatização e, ainda, foi estabelecida uma multa de, aproximadamente, US$ 1,7 milhões como conseqüência das ocorrências que foram encaminhadas ao poder judicial. 4.2 Chile No Chile, existem serviços múltiplos providos por várias empresas. A mais importante é a CTC que possui 95% das linhas existentes, controla a maior companhia de telefonia celular, possui a segunda maior subsidiária de ligações de longa distância e controla os serviços de TV a cabo. A CTC é controlada pela Telefónica de España. As outras empresas que operam no setor são a Entel, a Telex Chile a VTR e a Bell South a italiana STET e a Samsung possuem 19,5% e 12,5% respectivamente da Entel e a South Bell 45% da VTR (Bitran & Serra, 1998). A regulamentação do setor de telecomunicações no país começou a ser discutida no final da década de 70, sendo esta a base do complexo sistema de telecomunicações existente nesse país (O Neill, 1991). Apesar do desempenho apresentado pelo setor (ver quadro 2), as tarifas por minuto da telefonia local não tem diminuído após a privatização (Ch$2,825 em 1989 e Ch$3,814 em 1996), devido a alguns problemas relacionados com a existência de uma assimetria das informações dos agentes que participaram na determinação dessas tarifas. Desde 1994 não existem barreiras para a livre competição nos serviços de longa distância o usuário escolhe seu provedor internacional. Dessa forma a Telefonica não tem mais o monopólio desses serviços ao ter redistribuídos os 20% em ações que ela mantinha na Entel. A desregulamentação dos serviços de longa distância possibilitou sensível diminuição de tarifas. Quadro 2: Evolução do setor no Chile Critério Densidade linhas/por 100 hab. 0,74 2,35 Número de linhas Tráfego internacional 21M de minutos 175M de minutos M: milhões Fonte: Adaptado de Bitran & Serra, 1998 Entretanto, segundo o observado por Bitran e Serra (1998), o mercado chileno de telecomunicações está forçando as empresas prestadoras à integração verticalizada dos seus serviços para acessar diretamente seus clientes. Dessa forma, a competição que inicialmente existia somente para os serviços de longa distância está estendendo-se aos serviços locais através das subsidiárias. A telefonia chilena mantém políticas anti-trust, no entanto, a CTC

8 controlada pela Telefónica de España tem feito alianças para adequar suas operações às restrições existentes. Ela tem conseguido uma das mais importantes fusões da telefonia celular com a VTR, apesar da multa imposta pelo serviço conjunto entre CTC e CTC Celular. 4.3 Peru No Peru, o mercado dos serviços de telecomunicações tem um único provedor, Telefónica del Perú 29% do capital é de propriedade do governo peruano e 35% dos restantes 71% pertencem à Telefónica de España este processo foi realizado no início de 1994 com a privatização e posterior fusão dos únicos operadores de chamadas locais e internacionais Compañia Peruano de Teléfonos CPT e Entel-Peru respectivamente. Uma característica das operações da Telefonica é a importação dos equipamentos utilizados na sua própria rede de provedores. Entretanto, segundo estimativas da Câmara Americana de Comércio, este setor é um dos que mais investimentos receberam 44 % do total de investimentos, sendo o setor de mineração o segundo com 20%. O investimento estrangeiro no setor foi de 37,4% de um total de US$5.351 bilhões até 1995 (Commercial Service, 1996). A regulamentação do setor é exercida pelo Ministério dos Transportes, Comunicações, Habitação e Construção, encarregado das concessões e licenças do setor. Outro órgão que tem uma acentuada participação no controle desse setor é o Organismo Supervisor de Inversão Privada nas Telecomunicações OSIPTEL, que visa, entre outros, a integração dos investimentos em telecomunicações com as normas de concessão de serviços públicos. A Telefonica exerce o monopólio dos serviços de chamadas locais e internacionais e aluga circuitos para uso de provedores estrangeiros. Afora isso, pelo contrato de concessão a empresa comprometeu-se a desenvolver uma infra-estrutura de telecomunicações estimada em US$1.5 bilhões (em adição aos US$ 2 bilhões pagos pela concessão) após 5 anos de concessão. Também como parte dos benefícios do monopólio foi impedida a entrada dos serviços call back. Alguns anos após o processo de privatização o primeiro balanço do setor indica uma certa eficiência operacional. A gestão pública do setor foi considerada de alta ineficiência operativa no período prévio à privatização. Alguns desses indicadores sobre os níveis de serviço apresentados entre 1993 e 1997, período pré e pós início das operações da Telefonica, são apresentados no quadro 3. Quadro 3: Evolução do serviço da Telefonica no Peru Critério Densidade (linhas/100hab.) Cobertura Lima Metropolitana 17% 37% Custo de uma linha US$1500,00 US$350,00 Fonte: Adaptado de Rodrich, 1997 Cabe destacar que, apesar dos números apresentados no quadro 3, a qualidade do serviço teve uma deterioração produto da estratégia de expansão inicial adotada pela empresa. Também houveram demissões de trabalhadores, a empresa contava com uma folha de pagamento aparentemente inflada. Alguns desses trabalhadores tiveram a oportunidade de criar empresas de serviços relacionados com a Telefonica, o que gerou uma moderada oferta de trabalho.

9 Outros indicadores são a diminuição das tarifas de chamadas locais e internacionais e a participação cidadã, a partir do programa de Participação Cidadã em que, aproximadamente, 260 mil peruanos converteram-se em novos acionistas da empresa como conseqüência da venda das ações do pacote de 71% não adquirido pela Telefonica (Rodrich, 1997). 5 Considerações finais Alguns pontos podem ser resgatados deste primeiro esboço da situação do setor de telecomunicações latino-americano após o início das operações da Telefonica nos países onde ela opera. Em primeiro lugar, um princípio fundamental para a internacionalização das operações de grandes conglomerados tem sido a facilidade de acesso às informações de modo a facilitar a tomada de decisão no processo de planejamento corporativo. A partir desse contexto foi necessário que o setor de telecomunicações atendesse a essas exigências investindo maciçamente em pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias e formando parcerias para fortalecer o seu know how e domínio nesse setor Em segundo lugar, o reflexo desse movimento de internacionalização também atingiu as economias menos desenvolvidas que tiveram a oportunidade de atrair a confiança dos investidores estrangeiros a partir da melhoria da sua infra-estrutura de telecomunicações. Em terceiro lugar, a necessidade de melhorar o setor de telecomunicações das economias menos desenvolvidas, somado ao interesse dos operadores internacionais de telecomunicações de expandir sua participação global no setor, levou a uma comunhão de interesses desses agentes, que tem como base os processos de globalização e privatização. O caso específico da Telefonica chama a atenção por ser um dos principais operadores na América Latina, posição reafirmada quando se adjudicou em 1998 uma boa fatia do estratégico mercado de telecomunicações brasileiro junto com os seus parceiros Portugal Telecom (que tem a telefonia celular de São Paulo), MCI (obteve as operações de longa distância da Empresa Brasileira de Telecomunicações Embratel) e Iberdrola (obteve a concessão da Teleleste, operadora celular na área do Estado da Bahia). O seu desempenho em cada país varia segundo o contexto e situação do setor de telecomunicações. No Brasil, o início das operações está representando uma dura batalha contra uma parcela da opinião pública que não via no processo de privatização desse setor uma saída para a crise que este atravessava. Afora isso, comprova-se que este processo não gera suficientes postos de trabalho para abrigar a massa de trabalhadores desempregados, mesmo nas empresas prestadores de serviço. A participação da Telefonica na América Latina, somada a possibilidade em aberto de participar em mercados não privatizados, são parte de uma estratégia uniforme para a região. Apesar dos problemas originados pelo ingresso de novos operadores no setor, a abertura do mercado a novos operadores representa um novo desafio que os grandes operadores deverão enfrentar. A competição que esse futuro panorama irá propiciar deverá influenciar na reformulação de suas estratégias, principalmente, se considerado o fato de alguns operadores chilenos, argentinos e mexicanos estarem utilizando os conhecimentos obtidos para entrar em alguns segmentos não atendidos pelos grandes operadores.

10 6 Referências Bibliográficas AMARAL, Marcos J. Privatização no estado contemporâneo. São Paulo, Ícone, BETTA, S. e LEVENBERG, J. The latin american telecom boom. Anais da 5 º conferência da IEE em Telecommunications. Março, pp BITRAN, Eduardo e SERRA, Pablo. Regulation of privatized utilities: the chilean experience. World development journal. V. 26, n. 6, junho pp FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal GALBRAITH, J. K. Anatomia do Poder. São Paulo: Pioneira HAWKINS, Richard. Infra-estrutura de informação e comunicações: ambições globais e realidades regionais. In: Telecomunicações, Globalização e competitividade. L. Coutinho, J. Cassiolato e A. Gonçalves da Silva (coords.). Campinas: Papirus HOOGVELT, Ankie M.M. Globalization and the postcolonial world: the new political economy of development. Mariland: J. Hopking Universitiy press JOHNSON, B. et al. Serviços públicos no Brasil: mudanças e perspectivas - concessão, regulamentação, privatização e melhoria da gestão pública. São Paulo, Ed. Edgard Blücher, MACHIAVEL, Nicolau. O príncipe; escritos políticos. São Paulo: Nova Cultural MARX, Karl. O capital: critica da economia política. São Paulo: Difel O NEILL, Judith. Dynamics of telecommunications sector restructuring. Telecommunications. Janeiro, pp PORTER, Michael E. What is strategy?. Harvard Business Review. Novembro-Dezembro, pp A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro : Campus.1993 RAPHAEL, David E. The future of telecommunications: conectivity through alliances. Business Economics. Abril pp RODRICH, Augusto A. Balance (Preliminar) del processo de privatização en el Perú. Socialismo y participação, 1997, n. 77. pp SERRANO, Ronald M.; BANE, P. e TUNSTALL, W. Reshaping the global telecom industry. Telephony. October, pp SHIRLEY, Mary M. Privatization in latin america: lessons for transitional Europe. World development journal. V. 22, n. 9, setembro, 1994, pp THEOPHILO Jr., Roque. Telecomunicações globalização e privatização: fundamentos holísticos do caso brasileiro. Tese de doutorado, Universidade Mackensie Fontes de consulta na Internet: Telefónica gana la operación fija de São Paulo y la celular de Rio de Janeiro. 29/07/ B A ). Proyección internacional. 05/10/98. Empresas del grupo telefónica. 05/10/98. O que está acontecendo com os telefones de São Paulo. Janeiro, COMMERCIAL SERVICE United States of America Department of Commerce. Market Research report Peru telecommunications, equipment and services. Fevereiro, BARNETT, George A. e SALISBURY, Joseph G.T. Communication and Globalization: A Longitudinal Analysis of the International Telecommunication Network. Journal of World-Systems Research. V. 2, N. 16,

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001

Assim é a Telefónica. Distribuição do EBITDA por países em 2001 Assim é a Telefónica A aquisição da Lycos, aliada ao fato de a nova empresa Terra Lycos operar em 43 países, permitiu, por um lado, uma maior penetração nos Estados Unidos e no Canadá. Por outro lado,

Leia mais

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010.

1. Destaques. Índice: Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 11 de fevereiro de 2010. Embratel Participações S.A. ( Embrapar ) (BOVESPA: EBTP4, EBTP3) detém 99,2 porcento da Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. ( Embratel ), 100,0

Leia mais

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações ões Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil em homenagem a Sérgio S Motta (1940 1998) S. Paulo, 3 de junho de 2008 Juarez Quadros

Leia mais

Brasil Telecom. Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg. Dezembro de 2002

Brasil Telecom. Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg. Dezembro de 2002 Brasil Telecom Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg Dezembro de 2002 1 OSetor de Telecomunicações no Brasil 2 Empresas de Telefonia Fixa Região IV (Somente Longa Distância) Preço Mínimo: US$1.548

Leia mais

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex

CONCLUSÃO das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex 177 6 CONCLUSÃO A presente investigação das implicações estratégicas das redes e alianças de relacionamento mais significativas da Embratel enquanto empresa do grupo Telmex, atingiu seu objetivo de evidenciar

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 30 de março de 2010 ABRAFIX Associaçã ção o Brasileira de Concessionárias

Leia mais

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Síntese Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Overview OECD Communications Outlook : 2003 Edition As sínteses são excertos de publicações da OCDE, encontrando-se livremente disponíveis na

Leia mais

TELEFÓNICA MÓVILES, S.A.

TELEFÓNICA MÓVILES, S.A. COMUNICAÇÃO DE FATO RELEVANTE TELEFÓNICA MÓVILES, S.A. Madri, 28 de outubro de 2004 Em cumprimento ao disposto no artigo 82 da Lei 24/1988, de 28 de julho, do Mercado de Valores espanhol e disposições

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight

Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight CUSTOMER SUCCESS STORY Scitum reduz em 50% o tempo de produção de relatórios com CA Business Service Insight PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Empresa: Scitum Funcionários: 450+ EMPRESA Empresa

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Desafios e alternativas para o setor elétrico. 8 KPMG Business Magazine

Desafios e alternativas para o setor elétrico. 8 KPMG Business Magazine Desafios e alternativas para o setor elétrico 8 KPMG Business Magazine Concessionárias enfrentam o dilema de elevar receitas em um cenário de alta concorrência e redução de tarifas O consumo nacional de

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

PANORAMA DO MERCADO Asiático

PANORAMA DO MERCADO Asiático Boletim PANORAMA DO MERCADO Asiático Edição nº 1 Julho/2015 Coordenação Geral de Mercados Americanos/Asiático - CGMA Diretoria de Mercados Internacionais - DMINT Apresentação A série Boletim Panorama dos

Leia mais

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo. Telefônica 17 de julho de 2009

Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo. Telefônica 17 de julho de 2009 Transparência e Internet, as Telecomunicações apoiando a Administração Pública Case Prefeitura de São Paulo 17 de julho de 2009 1. Grupo 1 Grupo dados de 2008 No Mundo Presença em 25 países na Europa,

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Promovendo o Futuro do Brasil Conectado

Promovendo o Futuro do Brasil Conectado Promovendo o Futuro do Brasil Conectado Tá na Mesa - Federasul Porto Alegre, 26 de maio de 2010 SUMÁRIO 1 -Telecomunicações e o desenvolvimento 2 - Expansão dos serviços 3 - Parcerias em política pública

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Teleconferência e Webcast de Resultados 2T12

Teleconferência e Webcast de Resultados 2T12 Teleconferência e Webcast de Resultados 2T12 Quarta-feira, 15 de agosto de 2012 Horário: 12:00 p.m. (Brasil) - 11:00 a.m. (US EDT) Telefone: +55 (11) 4688.6361 - Código: B2W Webcast: www.b2winc.com/webcast2t12

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina?

Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina? Policy Brief Ano 2010 No. 1 Telefonia móvel: São acessíveis os serviços na América Latina? A telefonia móvel teve um crescimento espectacular em América Latina, e hoje alcança um nível de penetração próximo

Leia mais

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP Tendências, Panorama e Desafios do Roaming Internacional II Painel Que Mercado na CPLP? Agenda Sobre a Oi Que Mercado na CPLP Panorama Roaming Internacional

Leia mais

Apresentação ao Senado Telefônica Antônio Carlos Valente 23 de maio de 2007

Apresentação ao Senado Telefônica Antônio Carlos Valente 23 de maio de 2007 Apresentação ao Senado Telefônica Antônio Carlos Valente 23 de maio de 2007 Agenda I. Panorama do Setor II. Convergência e Consolidações 2 O mercado de telecomunicações no mundo alcançou 1,3bi de linhas

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora

Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora Avaliação do Marco Regulatório da TV por Assinatura: A Lei nº 12.485/2011 na ANCINE. Rosana dos Santos Alcântara Diretora ABAR, Agosto de 2013 Agenda Contexto do mercado de TV por Assinatura Panorama econômico

Leia mais

VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO

VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO Helena Correia Mendonça, Vieira de Almeida & Associados [ A importância do espaço para a indústria e da indústria para o espaço, um texto de Helena Correia Mendonça,

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

EIXO MERCOSUL - CHILE

EIXO MERCOSUL - CHILE EIXO MERCOSUL - CHILE INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES - BRASIL Eixo Mercosul - Chile Telefonia Fixa milhares de acessos 2002 2003 2004 2005 Total de Instalados

Leia mais

"Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área das Telecomunicações"

Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área das Telecomunicações "Desafios, Necessidades e Perspectivas na Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área das Telecomunicações" maio/2010 Superintendência de Administração-Geral SAD Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

PromonLogicalis: mais de 10 mil equipamentos gerenciados com CA Nimsoft Monitor

PromonLogicalis: mais de 10 mil equipamentos gerenciados com CA Nimsoft Monitor CUSTOMER SUCCESS STORY PromonLogicalis: mais de 10 mil equipamentos gerenciados com CA Nimsoft Monitor CUSTOMER PROFILE Empresa: PromonLogicalis Indústria: Tecnologia da Informação e Comunicações Funcionários:

Leia mais

O Cluster Financeiro

O Cluster Financeiro O Cluster Financeiro Um sector financeiro promotor do crescimento Manuel Lima Bolsa de Valores de Cabo Verde 15 de Maio de 2013 WS 2.4 O Cluster Financeiro Índice Breves notas O que assinalam os números

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações

2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações 19 2. Referencial Prático 2.1 Setor das Telecomunicações Até os anos 50, as concessões dos serviços de telecomunicações eram distribuídas indistintamente pelos governos federal, estadual e municipal. Tal

Leia mais

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO

MOTIVAÇÕES PARA A INTERNACIONALlZAÇÃO Internacionalização de empresas brasileiras: em busca da competitividade Luis Afonso Lima Pedro Augusto Godeguez da Silva Revista Brasileira do Comércio Exterior Outubro/Dezembro 2011 MOTIVAÇÕES PARA A

Leia mais

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel.

Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508. Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. Press Release Date 1º de outubro de 2013 Contato Imagem Corporativa Marta Telles marta.telles@imagemcorporativa.com.br Tel: (11) 3526-4508 Márcia Avruch marcia.avruch@br.pwc.com Tel. (11) 3674-3760 Pages

Leia mais

Comunicado à Imprensa. S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A.

Comunicado à Imprensa. S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A. Comunicado à Imprensa S&P reafirma ratings da Tele Norte Leste Participações S.A. Analistas: Ana Claudia Nunes, São Paulo (55) 11-5501-8956; Reginaldo Takara, São Paulo (55) 11-5501- 8932; Milena Zaniboni,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA

EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA Palestra Teletrabalho Modelo de Trabalho Home Office Modernização da área de Vendas EVOLUÇÃO DO HOME OFFICE NA 1º Movimento 1999/2000 2º Movimento 2001/2002 3º Movimento 2005-2007

Leia mais

cargas tributárias para empresas no mundou

cargas tributárias para empresas no mundou Cliente: UHY Moreira Data: 04/10/2011 Veículo: Site Sped Contábil - Porto Alegre Seção/ Pág. : Impostos e Tributos HUhttp://spedcontabilspedfiscal.com.br/impostos-tributacao-arrecadacao/carga-tributaria-brasil-temuma-das-maiores-cargas-tributarias-para-empresas-no-mundo/U

Leia mais

TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND

TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND julho/2012 Case de Sucesso TERRA DESENVOLVE O SUNDAYTV, SERVIÇO DE VÍDEO ON DEMAND Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL Terra é parte da Telefônica

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA LATINA Norberto Medeiros dxcb-cme,brasil Agosto / 2002 Para discutir os recursos energéticos e a integração

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO

GLOBALIZAÇÃO DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO O termo globalização surgiu no início dos anos 80, nas grandes escolas de administração de empresas dos Estados Unidos (Harvard, Columbia, Stanford, etc.), como referência às oportunidades de

Leia mais

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito

TV por Assinatura. Telefonia Fixa. Banda Larga. Respeito Banda Larga TV por Assinatura Telefonia Fixa Respeito APIMEC RIO Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2013 A GVT é uma empresa autorizada pela Anatel a prestar serviços em todo o país A GVT tem licença STFC

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

clientes milhões relatórios mil linhas detalhados +de +de +de +de recuperados em negociações gerenciadas por mês por mês

clientes milhões relatórios mil linhas detalhados +de +de +de +de recuperados em negociações gerenciadas por mês por mês A TeleGestão, especialista em gestão de telecomunicações, dedica-se há mais de 20 anos ao desafio de adequar recursos de telefonia ao perfil corporativo de diversos setores. As soluções da TeleGestão,

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40

Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40 Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40 Telefonica do Brasil S.A. mar.2015 AGENDA e principais mensagens 1. O negócio de telecomunicações é intensivo em capital e está pressionado pela expansão

Leia mais

AVII 8º ANO Globalização Qual é a mais próxima da realidade? Como será o futuro? Escola do futuro de 1910 Cidade-prédio de 1895 A era das redes aumentou ou diminuiu o tamanho do mundo?

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial

Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial 4o. Congresso Internacional de Inovação FIERGS Política Industrial em Mercados Emergentes Porto Alegre, 17 de novembro de 2011 Os desafios do desenvolvimento brasileiro e a Política Industrial João Carlos

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

4 A Telefonia Móvel no Brasil

4 A Telefonia Móvel no Brasil 4 A Telefonia Móvel no Brasil 4.1 Breve Histórico da Telefonia Móvel O uso da telefonia móvel teve início no Brasil no final de 1990. Em 30 de dezembro deste ano o Sistema Móvel Celular (SMC) começou a

Leia mais

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013.

Introdução. A Internet de Todas as Coisas está pronta para gerar pelo menos US$ 613 bilhões em lucros empresariais mundiais no. ano de 2013. Internet de Todas as Coisas (IoE). 10 principais descobertas da Pesquisa Índice de valor da IoE da Cisco com 7.500 responsáveis pela tomada de decisão em 12 países Joseph Bradley Jeff Loucks Andy Noronha

Leia mais

REQUERIMENTO Nº, DE 2007. (Do Senhor Wellington Fagundes e outros)

REQUERIMENTO Nº, DE 2007. (Do Senhor Wellington Fagundes e outros) REQUERIMENTO Nº, DE 2007. (Do Senhor Wellington Fagundes e outros) Requer a instituição de Comissão Parlamentar de Inquérito com a finalidade de investigar os contratos celebrados entre a ANATEL Agência

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa

O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa O Desempenho Comparado das Telecomunicações do Brasil Preços dos Serviços de Telecomunicações Utilização de Telefonia Fixa Documento preparado por solicitação da TELEBRASIL & FEBRATEL São Paulo, Outubro

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11

Cidades e Aeroportos no Século XXI 11 Introdução Nos trabalhos sobre aeroportos e transporte aéreo predominam análises específicas que tratam, por exemplo, do interior do sítio aeroportuário, da arquitetura de aeroportos, da segurança aeroportuária,

Leia mais

Menores, mas com potencial de gigantes

Menores, mas com potencial de gigantes Menores, mas com potencial de gigantes 12 KPMG Business Magazine Empresas do mercado empreendedor ganham força com a expansão do consumo nos países emergentes O ano de 2008 foi um marco na história econômica

Leia mais

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia

2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2 O Novo Modelo e os Leilões de Energia 2.1. Breve Histórico da Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro No início da década de 90, o setor elétrico brasileiro apresentava uma estrutura predominantemente

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP

O mercado de PPPs na visão do Setor Privado. Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP O mercado de PPPs na visão do Setor Privado Seminário Formação em Parcerias Público-Privadas 05 e 06 de Novembro de 2013 São Paulo/SP OS AGENTES PRIVADOS DO MERCADO DE PPPS Principais Players do Setor

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Tarifas de Uso de Rede Este tutorial apresenta os conceitos básicos de Tarifas de Uso de Rede das Operadoras de Telefonia Fixa e Celular. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom

TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom Demonstração é a primeira de uma rede LTE Advanced agregando três faixas de frequências distintas (2600 MHz, 1800 MHz e

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa. 21 e 22 de agosto de 2006

7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa. 21 e 22 de agosto de 2006 7 a Conferência Brasil Anual Santander Banespa 21 e 22 de agosto de 2006 1 Considerações Futuras Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013. Operadora:

Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013. Operadora: Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013 Operadora: Indicadores operacionais e financeiros 2º trimestre/2013 1. Desempenho Operacional - Claro No 2º trimestre de 2013 (2T13) a Claro teve aumento de 5,6%

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais