filosofia empresarial. O seu uso tornouse um apetitoso prato para ser devorado pelos teóricos e práticos do mundo do marketing.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "filosofia empresarial. O seu uso tornouse um apetitoso prato para ser devorado pelos teóricos e práticos do mundo do marketing."

Transcrição

1 Customer Relashionship Management AFINAL, O QUE É CRM MESMO? Temos lido e ouvido falar muita coisa ultimamente sobre CRM. epois que essas três letrinhas deixaram de significar apenas Conselho Regional de Medicina, e começaram a freqüentar o vocabulário do mundo corporativo com o significado, em inglês, de Customer Relashionship Management, muito se falou sobre esta nova forma de se fazer negócios verdadeiramente uma nova filosofia empresarial. O seu uso tornouse um apetitoso prato para ser devorado pelos teóricos e práticos do mundo do marketing. Enquanto margens diminuem cada vez mais e lucratividades ficam comprometidas, mostrou ser uma grande saída para as corporações do novo milênio, não importando muito o seu tamanho. Isso tem levado o CRM a ser apresentado como uma nova forma de se pensar um negócio. O cliente passa a ocupar a posição de maior importância dentro do organograma das empresas (veja o orgonograma abaixo). ORGANOGRAMA COM CLIENTE NO TOPO CEO CLIENTES IRETOR E MARKETING GERÊNCIA E MARKETING GERÊNCIA E COMUNICAÇÕES IRETOR E VENAS GERENTE E VENAS GERENTE E CONTAS IRETOR FINANCEIRO GERENTE FINANCEIRO GERENTE E CONTABILIAE 22 REVISTA A ESPM SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003

2 O cliente passa a ocupar a posição de maior importância dentro do organograma das empresas. Fala-se em foco no cliente em lugar de foco no produto. João Matta Fala-se em foco no cliente em lugar de foco no produto, em gerentes de segmentos de clientes em vez de gerentes de produtos. A partir daí temos uma pista do que realmente quiseram dizer os primeiros que conceituaram o CRM. É muito importante o entendimento da proposta inicial do CRM. Essa proposta traz um conteúdo realmente diferenciado para o mundo corporativo, ao mesmo tempo em que desafiador. Não é fácil persuadir executivos e empresários a mudar sua forma de conduzir suas corporações, mudar sua forma de encarar o cliente, mudar a hierarquia de seus departamentos comerciais. O CRM requer um investimento menos financeiro e mais de esforço para uma real mudança de visão. Poucos estão dispostos ou enxergam que se deve investir nesta direção, o que os leva a uma perigosa armadilha: restringir o CRM a uma solução que é comprada no mercado como se fosse um programa de computador. A pulverização do uso da expressão CRM tem colocado em risco sua real aplicação. Uma conseqüência drástica desse fato é o comprometimento de seus resultados e seu descrédito, hoje ainda de poucos. Estamos falando de um desperdício de esforço, de dinheiro e, principalmente, de oportunidade. No início do século passado, o CRM já estava presente entre nós. Nossos bisavós eram tratados de forma diferente pelas pequenas corporações da época. Clientes diferentes já eram tratados de forma diferente. Os proprietários dos pequenos arma- yw SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003 REVISTA A ESPM 23

3 Customer Relashionship Management Os proprietários dos pequenos armazéns, que trabalhavam em seus próprios negócios, conheciam comprofundidade o comportamento de compra de seus clientes. Havia mercado para os seus carros. Todos da mesma cor e todos vendidos em uma velocidade assustadora. zéns, que trabalhavam em seus próprios negócios, conheciam com profundidade o comportamento de compra de seus clientes, suas reais necessidades e, de forma mágica, seus desejos de consumo. Após esse tempo, com o aumento do poder aquisitivo das pessoas e o veloz crescimento da indústria, tivemos uma mudança neste antigo mercado. Pela primeira vez, os consumidores tinham poder aquisitivo suficiente para o consumo e poderiam ir mais longe em seus desejos por produtos. As pessoas começaram a sonhar em suprir suas necessidades básicas de transporte, antes atendidas por carruagens, bicicletas e trens, pelos revolucionários automóveis. Nesses tempos, é atribuída a Henry Ford a célebre colocação de que todos podem comprar um carro e escolher a cor, desde que esta seja o preto. Ford revolucionou a indústria, criou linhas de produções rápidas e sempre com o menor custo possível. A partir daí o mundo empresarial inclinou-se totalmente para a indústria. As corporações começaram a se tornar cada vez maiores para atender às crescentes demandas. Surgia a necessidade de se ter cada vez mais produtos, melhores produtos. Tinha início a grande batalha por clientes. Com ela a necessidade de se variar os produtos. Os carros, antes apenas de uma cor, começaram a ser fabricados em outras cores. Surge a necessidade da sedução de prospects e clientes, e juntamente com ela uma 24 REVISTA A ESPM SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003

4 João Matta revolução da comunicação. Era preciso comunicar tudo isso aos consumidores e públicos de interesse (ver diagrama1). 1. IAGRAMA A INÚSTRIA CAMINHO A INFORMAÇÃO INÚSTRIA CANAL E ISTRIBUIÇÃO MÍIA 2. IAGRAMA E SEGMENTAÇÃO E NICHO MERCAO MERCAO MERCAO MERCAO MARKETING E MASSA MARKETING E SEGMENTOS MARKETING E NICHOS MARKETING INIVIUAL Nesse tempo,e em alguns países, as pessoas começaram a adquirir um aparelho televisor, a ler jornais, a comprar revistas, a ouvir diariamente o rádio. Era o primeiro passo da comunicação de massa que temos hoje. Surgiu a propaganda como fortíssima ferramenta para a comunicação desses variados produtos, tendo como expectadores pessoas loucas para consumi-los. Com o passar dos anos, a propaganda evoluiu. Agências de propaganda começaram a surgir juntamente com inúmeros fabricantes de diversos produtos e uma grande população apta ao consumo em massa. O aumento da concorrência traz, mais uma vez, a necessidade de mudar a forma de fazer negócio. Os profissionais de marketing começaram a dividir os mercados em alguns segmentos para melhor explorá-los. Teve início, nesse momento, uma nova fase para o marketing. Produtos começam a ser produzidos especificamente para atender a necessidades e desejos de segmentos de mercado diferentes. O que antes era para todos começa a ser para segmentos específicos de consumidores. O estudo da segmentação de mercado levou as empresas a desenvolverem produtos para suprir diferentes necessidades de partes do mercado. Mais à frente, diante de novas e diferentes dificuldades para a diferenciação de produtos, se fez necessário segmentar ainda mais os mercados. Essa segmentação de mercados já segmentados levou as empresas aos nichos de mercado: segmentos dentro de segmentos. Produtos eram produzidos para atender a segmentos cada vez menores de consumidores. A informação sobre o comportamento de consumidores, antes irrelevante para a indústria, torna-se um forte diferencial competitivo e uma potente arma para ultrapassar a barreira da concorrência (ver diagrama 2). yw CONSUMIOR Ford revolucionou a indústria, criou linhas de produções rápidas e sempre com o menor custo possível. SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003 REVISTA A ESPM 25

5 Customer Relashionship Management A comunicação de massa foi capaz de informar ao mercado o lançamento de novos produtos e seus benefícios, criando desejo pelo seu consumo. Com o aumento desenfreado da concorrência e o acesso fácil à tecnologia, os resultados efetivos da propaganda começaram a diminuir. Grandes marcas começaram a perder seu espaço no mercado, o resultado da comunicação de massa não era mais o mesmo. Empresas, que antes investiam milhões de dólares em grandes campanhas sem uma preocupação pontual com seus resultados, começaram a diminuir seus investimentos nesse tipo de ferramenta de comunicação. Elas descobriram que poderiam utilizar outras formas para se comunicar com seus públicos de interesse. Ferramentas como Marketing ireto, Promoção de Vendas, Merchandisng, Assessoria de Imprensa e Eventos começaram a ser vistas por estas empresas como opções para a comunicação. Nesse momento, surgiu o conceito de Comunicação Integrada como um grande alavancador de resultados para essas empresas. Talvez o melhor caminho de se garantir a diferenciação entre marcas e produtos atualmente em mercados altamente competitivos (ver diagrama 3). COMUNICAÇÃO INTEGRAA Paralelamente a tudo isso, a propaganda cresceu como a grande ferramenta de comunicação. Tornou-se um negócio de milhões e milhões de dólares. Justo crescimento para uma ferramenta perfeita para suprir as necessidades da indústria. Os consumidores, que pertenciam aos diversos segmentos e nichos de mercado, eram quase em sua totalidade alcançados pela propaganda. A comunicação de massa foi capaz de informar a esse mercado o lançamento de novos produtos e seus benefícios, criando desejo pelo seu consumo. A propaganda emocionou esse público, fez com que ele sonhasse e consumisse mais e mais produtos. 3. IAGRAMA E MIX E COMUNICAÇÃO INTEGRAA iagrama 4 PROPAGANA PÚBLICO-ALVO MARKETING IRETO Com maior consistência nas mensagens e melhor utilização dos recursos disponíveis, a comunicação integrada tem sido, desde então, a forma mais eficaz para se atingir os resultados esperados por estas empresas. Essa nova PROMOÇÕES TRAE BOCA A BOCA EVENTOS PUBLICIAE EMBALAGEM 26 REVISTA A ESPM SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003

6 João Matta forma de se pensar a comunicação é, definitivamente, o melhor caminho para uma comunicação com resultado, otimização de recursos e construção de marcas vencedoras. A comunicação integrada utiliza eficientemente o mix de comunicação e todos os pontos de contato dessas empresas com seus públicos de interesse. Não podemos mais dizer que a propaganda é a alma do negócio e nem tampouco que a propaganda não traz mais resultados. Nem tanto o céu e nem tanto a terra. Talvez o melhor seria entendermos que, hoje, a comunicação integrada é a melhor forma de se chegar ao sucesso. Podemos até arriscar em dizer que a comunicação integrada é atualmente a alma da grande maioria dos negócios. A VOLTA O CRM Ao mesmo tempo, o rápido aumento da concorrência e a facilidade de acesso à tecnologia começam a dar oportunidade a uma nova forma de se encarar o mercado. Com a perda regular de clientes e a dificuldade para diferenciar seus produtos, as empresas descobriram que manter seus atuais clientes é mais rentável e econômico que partir para a aventura de conquistar novos. Ressurge, então, o conceito do foco no cliente experimentado há tempos por nossos bisavós. No passado, o foco no cliente era utilizado empiricamente pelos empresários em suas pequenas corporações. Eram poucos clientes e poucos produtos. O desafio hoje é bem maior. As empresas pretendem utilizar esse mesmo conceito, essa mesma filosofia de negócios, agora para milhões de consumidores disputados diariamente por todos os tamanhos e tipos de empresas concorrentes. A filosofia de negócios CRM, popularizada pelos gurus norte-americanos Martha Rogers e on Peppers, sugere tratar clientes diferentes de forma diferente. evemos aprender que uma grande saída é aprender sempre, aprender com o cliente. Esse é um grande e difícil desafio. Para vencê-lo, precisamos de uma maior precisão no entendimento de como colocar em prática este novo conceito de foco no cliente. Restringir o CRM a um software de gerenciamento de informações de clientes ou a uma ferramenta de comunicação (marketing direto) tem sido, infelizmente, muito comum. Isso coloca em risco sua aplicabilidade e traz ao mercado a falsa percepção de sua real utilização. A sigla CRM tornou-se sinônimo de várias coisas diferentes hoje no mer- yw SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003 REVISTA A ESPM 27

7 Customer Relashionship Management cado. Vemos ser usada como sinônimo de Marketing ireto, de Banco de ados de Clientes, de programas de computadores etc. Esse uso distorcido é preocupante. Quantos empresários não estão, neste momento, decepcionando-se com a filosofia de negócios que prega o foco no cliente após terem adquirido uma solução customizada de banco de dados de clientes ou uma criação/execução de uma ação de mala-direta para prospecção de clientes imaginando terem comprado uma solução completa de CRM? Muito cuidado! Não sejamos simplistas demais. efinitivamente, CRM não se restringe a uma aplicação de banco de dados e nem tampouco a uma ferramenta de comunicação dirigida. É muito mais que isso. BANCO E AOS E CLIENTES NÃO É CRM Tem sido comum vermos alguns executivos e empresários se orgulhando do fato de terem implementado um CRM em suas empresas. Outro dia mesmo, ouvi o proprietário de uma pequena rede de postos de gasolina dizendo que havia adquirido uma solução de CRM para o seu negócio. Bastante curioso, perguntei se havia implementado tal filosofia de negócios com alguma ajuda externa ou através dos seus próprios recursos algum eventual funcionário com experiência e conhecimento na área. Sua resposta foi bastante rápida e proporcionalmente preocupante: Não! Comprei o CRM de uma empresa de software que conheço. Agora posso enviar malas-diretas para todos os meus clientes. O foco no cliente deve ser prioridade tanto para o presidente da empresa como para o atendente do Call Center e assim por diante. Essa afirmação nos indica um entendimento equivocado do que realmente propõe a filosofia de negócios CRM (Customer Relationship Management) por parte deste empresário. Essa afirmação, infelizmente, sintetiza um entendimento cada vez mais comum em nosso mercado a respeito do CRM. Apesar de vários desenvolvedores de sistemas darem o nome de CRM aos seus produtos, estas três letras significam muito mais do que uma simples aplicação de banco de dados de clientes e prospects utilizada para ações de comunicação. A filosofia de negócios CRM, popularizada pelos gurus norte-americanos Martha Rogers e on Peppers, sugere tratar clientes diferentes de forma diferente. A prática aprofundada dessa filosofia tem levado empresas de todos os tamanhos a repensarem seus negócios do ponto de vista do cliente. Ter o foco no cliente ao invés do foco no produto, diretriz principal do marketing 1to1 de Peppers e Rogers, tem sido o grande desafio para essas empresas que estão optando por esta nova filosofia de negócios. É necessário mudar mais do que simplesmente processos e sistemas de uma empresa para se implantar essa nova forma de fazer negócios e obter resultados expressivos dela. A cultura empresarial precisa ser alterada. O foco no cliente deve ser prioridade tanto para o presidente da empresa como para o atendente do Call Center e assim por diante, passando por todos os outros níveis. Isso não tem sido fácil, já que culturalmente vivemos em um mundo corporativo com heranças autoritárias com grande rigidez hierárquica. Na hierarquia proposta no CRM, todos, sem exceção, respondem primeiramente ao cliente e depois, se der tempo, ao chefe (ver diagrama 4). 28 REVISTA A ESPM SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003

8 João Matta Está aí colocado um grande desafio para as empresas, já que temos trabalhado de forma diferente há muito tempo. Mas ter foco no cliente não pára por aí; isto é só o início da grande mudança. Estamos realmente falando de fazer negócios de forma diferente. iferente da forma que estávamos habituados e acomodados a fazer: desenvolvendo produtos e procurando um cliente para eles. Precisamos, sim, desenvolver o relacionamento com este cliente procurando-o e oferecendo-lhe produtos adequados, da melhor forma através do melhor canal, no menor tempo possível. Para isso é necessário conhecermos com profundidade esse cliente. Os gurus Peppers e Rogers, anteriormente citados, sugerem mais quatro letras para guiar-nos neste desafio de conhecer realmente o nosso cliente. São elas: I I P Identificar, iferenciar, Interagir e, finalmente, Personalizar. Isso, necessariamente nessa ordem. Uma ação depende da outra para acontecer de forma eficaz. Estamos falando de um processo que se inicia com a identificação, objetivando a personalização. Identificar os melhores clientes, sem a identificação dos principais, não possibilitara o desenvolvimento de uma relação comercial. 4. IAGRAMA E FOCO NO PROUTO E FOCO NO CLIENTE FOCO NO PROUTO INFORMAÇÃO EMPRESA CLIENTE FOCO NO CLIENTE INFORMAÇÃO EMPRESA CLIENTE A personalização da mensagem, da oferta ou da ação de marketing é resultado de uma relação de aprendizado entre empresa e seu público-alvo. iferenciar os clientes pelo seu valor para a empresa. Assim é possível priorizar esforços e, posteriormente, personalizar contatos, mensagens, ofertas etc. É importante lembrarmos sempre dos clientes com potencial de crescimento de importância. Um cliente pode ainda não ser de grande retorno para a empresa, mas ter grande potencial de crescimento futuro. Interagir para fortalecer o relacionamento entre empresa e cliente através da troca de informações relevantes para ambos os lados. Finalmente, personalizar o comportamento da empresa em relação ao cliente. Agora sim, tratar clientes diferentes de forma diferente, sendo esta forma individualmente relevante para este cliente. A personalização da mensagem, da oferta ou da ação de marketing é resultado de uma relação de aprendizado com o cliente, que acontece no dia-a-dia através dos mais diversos canais de comunicação entre empresa e seu público-alvo de interesse. yw SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003 REVISTA A ESPM 29

9 Customer Relashionship Management O CRM que, segundo Peppers e Rogers, propõe tratar clientes diferentes de forma diferente objetiva uma relação ganha-ganha. Relações sadias, onde ambos cliente e empresa ganhem, têm muito mais chance de prosperar diante de relações desequilibradas, onde as partes não se conhecem com profundidade, não existindo lealdade na troca. Estamos falando de uma forma diferente de se fazer negócios. Trata-se de uma mudança do foco das empresas, migrando do produto para o cliente. Não falamos de tecnologia, não falamos de qual banco de dados se ajusta melhor a esta ou àquela situação. Estamos falando mesmo é de filosofia de negócios, estamos falando de uma estratégia de competição. A correta determinação do público-alvo, o desenho de uma oferta diferenciada e a criação conceitual da ação são fatores importântes para intensificar os resultados desejados. Existe hoje no mercado uma perigosa confusão conceitual e prática que tem levado executivos e empresários a comprar soluções de bancos de dados como sendo soluções de CRM, comprometendo os resultados esperados. A tecnologia é complementar à filosofia de negócios. Como ferramenta, permite que uma prática milenar de se fazer negócios seja aplicada hoje em um mercado de milhões de pessoas. O tratamento personalizado de clientes e prospects não é novidade para nós, seres humanos. A novidade é a possibilidade deste tratamento 1to1 ser feito para milhares ou até milhões de pessoas através da tecnologia. A personalização, idealmente 1to1 e na prática realizada em massa, só é possível com a utilização das mais variadas técnicas estatísticas e tecnologias disponíveis. Portanto, como tudo neste desafiante e mutante mundo de negócios, o melhor é a utilização correta da filosofia de negócios CRM apoiada pela mais adequada solução tecnológica, buscando sempre a real relação de aprendizado da empresa com seus clientes e prospects. MARKETING IRETO NÃO É CRM A exemplo do empresário do posto de gasolina, não é incomum vermos profissionais do mercado colocando ações de marketing direto em prática para prospecção e relacionamento com clientes como dizendo ser uma ação de CRM. A comunicação dirigida ou, como a maioria do mercado prefere chamar, o marketing direto tornou-se bastante popular entre os profissionais de negócios nos últimos anos. Trata-se de uma excelente alternativa à diminuição expressiva no resultado trazido às empresas pela propaganda, mas é preciso saber que nem de longe é a mesma coisa que CRM. Talvez seja a mais eficaz ferramenta de suporte para o gerenciamento da relação das empresas com seus clientes. Segundo o MA, irect Marketing Association, marketing direto é um sistema de marketing interativo que utiliza uma ou mais mídias de propaganda para obter uma resposta mensurável e/ou uma transação em qualquer localização. essa definição duas palavras são mágicas para o contexto do mercado atual: interativa e mensurável. A possível interação através do marketing direto torna esta ferramenta diferenciada para o relacionamento entre empresa e cliente comparativamente com a propaganda tradicional. Ao contrário da propaganda e da publicidade que tratam seus públicos de interesse de forma impessoal, o marketing direto possibilita uma comunicação interpessoal. Esta troca entre empresa e cliente fornece infinitas possibilidades para um aprendizado contínuo por parte da empresa com seus clientes e prospects. 30 REVISTA A ESPM SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003

10 João Matta A outra palavra mágica mensurável cai como uma luva para as corporações que se viam angustiadas com a impossibilidade de medir de forma precisa o resultado de seus investimentos em comunicação. O marketing direto permite uma verdadeira mensuração dos resultados de cada ação, possibilitando testes das ações durante sua execução. Interação e mensuração são características vencedoras dessa ferramenta. Estrategicamente o marketing direto tem sido utilizado pelas grandes e pequenas empresas para impactar seus públicos de interesse. Trata-se de uma ferramenta de comunicação mais trabalhosa para ser implementada. Existe a possibilidade de constantes mudanças durante sua execução e, por esta razão, uma conseqüente necessidade de se medir regularmente os resultados. Esse trabalho adicional com essa ferramenta normalmente é muito recompensado por um menor custo e maior impacto por prospect ou cliente, se compararmos com as outras ferramentas de comunicação. Taticamente, o marketing direto conta com muitas ferramentas: mala-direta, telemarketing, marketing, TV, rádio etc. 5. IAGRAMA COM OS 3 OS O MARKETING IRETO 1. ORGANIZAÇÃO O PÚBLICO-ALVO PÚBLICO-ALVO PARA A AÇÃO MKT IRETO 3. OPERAÇÃO Mala-direta, telemarketing e marketing são as mais conhecidas e mais comuns utilizadas pelo mercado. Infelizmente, muitas vezes utilizadas sem o foco devido, desgastando assim a sua percepção pelo mercado. TV e rádio estão na lista acima não por engano. São, sim, potentes ferramentas que podem ser utilizadas pela comunicação de massa e também pela comunicação dirigida. É muito importante entendermos que não é o meio que determina a ferramenta de comunicação e sim a forma como a utilizamos. A veiculação de um anúncio em TV ou em rádio que permite uma interação através de um número de telefone ou um código que identifique o cliente em uma loja e, conseqüentemente, medir seus resultados é uma ação de marketing direto, segundo a definição citada acima. 2. OFERTA IFERENCIAA SOB MEIA AAPTAA AO O ANTERIOR CLIENTE OU PROSPECT CRIAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO A AÇÃO AOS 2 OS ANTERIORS PÚBLICO-ALVO E OFERTA Por outro lado, enviarmos uma maladireta sem as informações necessárias que permitam uma interação e conseqüente mensuração dos resultados não é marketing direto. Não é demais repetirmos que não é o meio que determina a ferramenta de comunicação e sim a forma como este meio é utilizado. Aqui temos um exemplo da utilização de uma mala direta como uma simples tentativa de se fazer propaganda pelo correio: um verdadeiro desperdício de dinheiro. A prática nos mostra que os melhores resultados em ações de marketing direto são obtidos através da combinação otimizada das ferramentas. Nada mais eficaz para a prospecção de clientes que uma mala direta seguida de uma ação de telemarketing ativo ou receptivo. Ações conjuntas e muitas bem planejadas têm trazido resultados antes dificilmente obtidos pelas tradicionais ferramentas de comunicação de massa. E por falar em ações planejadas de marketing direto, não é só a escolha do meio mais adequado que é importante para se obter o melhor resultado. Uma ação eficaz deve ser planejada e executada levando-se em consideração outros 3 importantes elementos: os 3 Os do marketing direto. Seguindo a idéia da utilização das letras como forma de fixar os conceitos importantes, como é o caso dos 4 Ps de marketing, arrisco-me a sugerir, para o melhor entendimento da prática da comunicação dirigida, os 3 Os do marketing direto. Além da escolha do meio, é importante, para intensificar os resultados desejados, a mais correta possível determinação do público-alvo para a ação; o desenho de uma oferta diferenciada e, se possível, exclusiva, e a criação conceitual da ação (ver diagrama 5). v Organização do público-alvo v Oferta benefício exclusivo v Operação criação e execução yw SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003 REVISTA A ESPM 31

11 Customer Relashionship Management v ORGANIZAÇÃO O PÚBLICO-ALVO A determinação, com o maior grau de precisão possível, para quem será destinada a ação é o primeiro e o mais importante passo para a obtenção de um bom resultado. Quanto mais conhecermos o público com o qual queremos nos comunicar, maior é a chance de obtermos sucesso. Para isso, devemos utilizar uma precisa estratégia de segmentação do públicoalvo: identificar as bases para a segmentação, definir características de cada segmento, definir o grau de atratividade de cada segmento e escolher o(s) segmento(s)-alvo(s). v OFERTA Com o objetivo de potencializar ao máximo a ação de marketing direto, é bastante importante que os profissionais envolvidos na ação tenham claro para eles o que será oferecido e qual o grau de atratividade desta ação para o segmento-alvo escolhido. O oferecimento exclusivo de um desconto, de um brinde ou, até mesmo, de uma mensagem fornece à ação uma maior credibilidade e fornece resultados muito mais efetivos do que simplesmente uma ação oferecendo o mesmo que qualquer cliente ou prospect pode encontrar nas lojas de uma determinada empresa. A sensação de receber uma oferta com exclusividade, sem dúvida, dá maior credibilidade à ação, ao mesmo tempo em que potencializa o seu resultado. v OPERAÇÃO Uma vez definidos públicos-alvo e o que será oferecido a este público, o próximo e último passo é a criação e operacionalização, da ação, incluindo todas as peças que a suportam. Esse terceiro O do marketing direto conta, normalmente, com o trabalho de uma agência, preferencialmente especializada na ferramenta, para sua realização. Especialistas em criação de ações e peças têm experiência suficiente para nos ajudar a adaptar a ação e as peças que fazem parte dessa ação ao nosso públicoalvo e à nossa oferta exclusiva. Esta idéia do três Os do marketing direto, necessariamente na ordem apresentada, tem mostrado resultados efetivos na prática. Este raciocínio serve tanto para ações de aquisição de clientes como para ações de relacionamento com clientes. Cada vez mais precisamos impactar nossos públicos de interesse com uma oferta de valor perceptível e através de uma ação coerente com o seu comportamento de compra. Precisamos definitivamente utilizar essa ferramenta marketing direto da forma mais eficaz possível. Esse é o resultado esperado após a utilização correta dos três Os do marketing direto. MARKETING IRETO COMO FERRAMENTA PARA O CRM Agora, se voltarmos o nosso foco ao CRM, nada mais natural que a melhor e mais utilizada ferramenta de comunicação para apoiá-lo seja o marketing direto. Lembrando da definição citada acima, a interatividade é uma das principais características dessa ferramenta de comunicação. Imaginemos uma empresa que esteja em processo de mudança de sua cultura organizacional na direção do CRM, ou seja, foco no cliente em vez de foco no produto. Como já falamos anteriormente, para que essa nova forma de se pensar o negócio realmente dê resultados efetivos, é necessária uma mudança mais profunda na cultura organizacional. Todas as pessoas dessa corporação precisarão mudar seu foco. Ele deverá ser direcionado exclusivamente ao cliente. Para isso acontecer, precisaremos implementar um processo de aprendizado contínuo da empresa com seus clientes. Este aprendizado requer ações regulares que permitam uma interação profunda entre empresa e cliente. Essa interação, por ser uma ação de comunicação, deve ser realizada através da ferramenta marketing direto. Por essa razão, o marketing direto se tornou a principal ferramenta de comunicação neste novo mundo de CRM. Não faz sentido buscarmos a interação com nossos prospects e clientes através de ferramentas impessoais de comunicação, como é o caso da propaganda e da publicidade. evemos utilizar para isto uma ferramenta interpessoal chamada marketing direto, ou melhor, comunicação dirigida. E por falar nisso, talvez o melhor nome para esta ferramenta não seja marketing direto, seja mesmo comunicação dirigida. Mas, isto é assunto para outra conversa. 32 REVISTA A ESPM SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003

12 João Matta E O CRM? PARA ONE IRÁ? Escrever sobre o futuro sempre foi um exercício de adivinhação. Qualquer um que escreva sobre o que está por vir não estará fazendo nada mais que tentando seguir uma linha de raciocínio, às vezes lógica e às vezes não, para chegar em algum cenário possível. Através do raciocínio que tivemos acima a respeito do caminho do CRM que correu em paralelo à história do marketing e da comunicação, podemos definir uma linha de raciocínio interessante. Hoje, é comum encontrarmos empresas onde o CRM esteja sendo implantado da forma colocada acima: como uma verdadeira filosofia de negócios e não como mais uma simples ferramenta de gestão. Por outro lado, também é comum encontrarmos empresas comprando soluções de CRM em pacotes. Para esse raciocínio, pensemos apenas nas empresas que estejam implementando o CRM como sua nova filosofia de negócios. Normalmente, a responsabilidade pelo CRM nestas empresas é dada ao departamento de marketing. Nada estranho, já que o entendimento da maioria é que a área de marketing das empresas deve cuidar das necessidades e desejos do cliente, entender e afetar positivamente a demanda pelos produtos desta empresa. Portanto, como o CRM trata especificamente do foco no cliente, não seria errado concluirmos que hoje o CRM como processo dentro de uma empresa pertença ao marketing. Não estaríamos errando muito dizendo que, hoje, o CRM pertence ao marketing como nós o conhecemos. Agora, seguindo a linha de raciocínio colocada, o mercado segue em constante transformação: antes as empresas 6. IAGRAMA E CRM CONTENO O MARKETING CRM HOJE MARKETING CRM CRM AMANHÃ CRM MARKETING vendiam para todo o mercado, depois começaram a segmentá-lo, depois a segmentá-lo mais ainda chegando nos nichos. E assim por diante chegamos ao menor segmento possível: o indivíduo. Isso está sendo chamado por todos de marketing individual. Mas, como planejar o marketing apenas para um indivíduo? Seriam quatro Ps apenas para um indivíduo? Simplificando o raciocínio, mas não deixando os conceitos de lado, podemos dizer que seria um Produto, um Preço, uma istribuição e uma Comunicação para cada cliente. Utilizando a expressão de Pepper e Rogers: tratar clientes diferentes de forma diferente. esenvolver e produzir apenas um produto para um indivíduo específico. Ofertá-lo através de uma política de preços específica apenas para esse indivíduo. isponibilizar esse produto através de um canal específico e escolhido por esse indivíduo. esenvolver e manter um canal de comunicação único com esse indivíduo. É disso que estamos falando quando pensamos em marketing individual. Será que futuramente quem pertencerá ao CRM não será o próprio e todo poderoso marketing que o contém hoje? (ver diagrama 6) Será que em um futuro próximo seremos atendidos de forma totalmente individual pelas empresas? Esperemos para ver! ESPM RELACIONAMENTO ACESSO TOTAL AUTORES MARKETING E RELACIONAMENTO MARKETING E ACESSO JOÃO MATTA Graduado em Engenharia Eletrônica pela USP, com MBA Executivo pela ESPM. É gerente de comunicação da Vivo e professor da ESPM. Fotos desta matéria: Corbis/Stockphotos SETEMBRO/ OUTUBRO E 2003 REVISTA A ESPM 33

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido!

Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! Curso: Marketing para Engenharia, Arquitetura e Agronomia Ênio Padilha 2006 Módulo 1: Introdução. Marketing, esse famoso Desconhecido! 1.1. MIX DE MARKETING Você já deve ter feito o nosso Teste de Conhecimentos

Leia mais

O Efeito Facebook: 7 Maneiras de Rentabilizar Sua Empresa Através do Facebook. Whitepaper Escrito Por: Liana Ling, Especialista em Mídia Social, WSI

O Efeito Facebook: 7 Maneiras de Rentabilizar Sua Empresa Através do Facebook. Whitepaper Escrito Por: Liana Ling, Especialista em Mídia Social, WSI 7 Maneiras de Rentabilizar Sua Empresa Através do Facebook Whitepaper Escrito Por: Liana Ling, Especialista em Mídia Social, WSI Introdução ao Facebook Existem milhares de plataformas de mídia social e

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio

Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio Personalização na Internet Como Descobrir os Hábitos de Consumo de seus Usuários, Fidelizá-los e Aumentar o Lucro de seu Negócio Roberto Torres Novatec Editora 23 Capítulo 1 O que é Personalização? Este

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Como Atrair Clientes

Como Atrair Clientes COMO ATRAIR CLIENTES QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos sãos? Onde estão? Como fazer para falar com eles? DEFINIÇÃO SEGMENTO DE MERCADO Significa um grupo de consumidores com necessidades

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

Saber muito sobre um cliente é fácil. O desafio é saber tudo sobre cada um dos seus clientes.

Saber muito sobre um cliente é fácil. O desafio é saber tudo sobre cada um dos seus clientes. Saber muito sobre um cliente é fácil. O desafio é saber tudo sobre cada um dos seus clientes. ara descobrir o comportamento de compra dos consumidores Artex, é fundamental conhecer o máximo de informações.

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Atividade - Sequência Conrado Adolpho

Atividade - Sequência Conrado Adolpho Atividade - Sequência Conrado Adolpho Agora, eu quero lhe apresentar os 6 e-mails do conrado adolpho para vender o 8ps. Quero que você leia está sequência com muita atenção e, depois, responda às provocações

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM Sumário Introdução, 1 1 MARKETING DE RELACIONAMENTO: ONDE TUDO COMEÇOU, 5 Afinal de contas, o que é marketing de relacionamento?, 6 O marketing é popular. Alguém duvida disso?, 7 As seis funções do marketing

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS Uma empresa sem vendas simplesmente não existe, e se você quer ter sucesso com uma loja você deve obrigatoriamente focar nas vendas. Pensando nisso começo este material com

Leia mais

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Professor Wagner Luiz Aula - Como obter sucesso em uma implementação de CRM e o Processo da Comunicação. Março de 2014 São Paulo -SP Call Center & CRM 2007 CRM: do

Leia mais

COMO DIVULGAR SUA EMPRESA

COMO DIVULGAR SUA EMPRESA COMO DIVULGAR SUA EMPRESA João Abdalla Consultor de Marketing Unid. Org. Capital Sebrae SP Tel.: (0XX11) 3177-4500 joaon@sebraesp.com.br 4/1/2011 1 QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos são?

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Aula 03 Gestão de Marketing

Aula 03 Gestão de Marketing Aula 03 Gestão de Marketing Análise SWOT, Segmentação de Mercado e Mix de Marketing Prof. Marcopolo Marinho Prof. Esp. Marcopolo Marinho Segmentação é a identificação sistemática de conjuntos e subconjuntos

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição

COMO VENDER. A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição BP COMO VENDER A IMAGEM DA SUA ESCOLA Dicas que garantem a visibilidade da sua instituição PRODUTOS EDUCACIONAIS MULTIVERSO Avenida Batel, 1750 Batel CEP 80420-090 Curitiba/PR Fone: (41) 4062-5554 Editor:

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

2 Karla Santiago Silva

2 Karla Santiago Silva Marketing:Administrando Desafios e Gerando Necessidades Karla Santiago Silva Índice 1 Marketing e A Nova Ordem de Mercado 1 2 Marketing, gerador de necessidades 3 3 Mas afinal de contas qual é o papel

Leia mais

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES

MARKETING MARKETING TRADICIONAL MARKETING ATUAL DEVIDO AO PANORAMA DO MERCADO, AS EMPRESAS BUSCAM: ATRAÇÃO E RETENÇÃO DE CLIENTES MARKETING Mercado Atual Competitivo Produtos / Serviços equivalentes Globalizado Conseqüências Infidelidade dos clientes Consumidores mais exigentes Desafio Conquistar clientes fiéis MARKETING TRADICIONAL

Leia mais

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03

Gestão do Atendimento e Relacionamento com o Cliente. Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Prof. Fernando Paixão UCB 2012 Unidade 02 e 03 Marketing de Relacionamento C.R.M. Custumer Relationship Management Marketing de Assiduidade Programa de milhagens Benefício financeiro Brinde por utilização

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Combinar peças de mala direta criativas, concisas e sistemáticas com telefonemas, como um meio de formular uma estratégia de exploração e qualificação de prospects (clientes potenciais) mais eficaz

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

CRM O REVOLUCIONÁRIO MARKETING DE

CRM O REVOLUCIONÁRIO MARKETING DE 1 UCAM UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CRM O REVOLUCIONÁRIO MARKETING DE RELACIONAMENTO ELIANE DE CAMPOS APARÍCIO Prof. Nilson Guedes de Freitas RIO DE JANEIRO, RJ, MARÇO/2002

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas?

Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? 2 Você já teve a experiência de enviar um email e, em pouco tempo, ver pedidos de orçamento e vendas sendo concretizadas? É SOBRE ISSO QUE VOU FALAR NESTE TEXTO. A maioria das empresas e profissionais

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS

FIDELIZAÇÃO: DICAS PARA SEUS CLIENTES VOLTAREM E COMPRAREM MAIS Como conquistar e manter clientes Marketing de Relacionamento Visa a orientar como utilizar as ferramentas do marketing de relacionamento para aumentar as vendas e fidelizar clientes. Público-alvo: empresários

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

www.dinheiroganharja.com

www.dinheiroganharja.com Sumário Introdução...3 Empreendedorismo Digital...4 Trabalhar em casa ou da Onde quiser...5 Liberdade financeira...5 Como criar um blog...7 Domínio...7 Hospedagem...8 WordPress...9 Instalando a Plataforma

Leia mais

CRM Series - Marketing 1to1

CRM Series - Marketing 1to1 CRM Series - Marketing 1to1 Aumentando O Valor De Seus Clientes Com CRM Peppers & Rogers Group América Latina e Ibéria R. Ferreira de Araújo, 202-10º andar Tel: +55 11 3097-7610 Fax: +55 11 3816-4977 email:

Leia mais

MARKETINGCRIATIVOPUBLICIDADEESTRATÉGICA

MARKETINGCRIATIVOPUBLICIDADEESTRATÉGICA MARKETINGCRIATIVOPUBLICIDADEESTRATÉGICA Dizem por aí que o camaleão é sinônimo de pessoa que vive trocando de opinião. A gente aposta que não. Resultado de milhares de anos de evolução, sua capacidade

Leia mais

SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015

SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015 SUPERMERCADOS: TENDÊNCIAS 2015 Tecnologias e soluções para aplicar na sua empresa e aumentar a sua competitividade. NRF 2015 ÍNDICE Objetivo...04 De multicanal para omnichannel...05 O propósito...05 Capital

Leia mais

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia

Balanced Scorecard. Da estratégia às ações do dia-a-dia Balanced Scorecard Da estratégia às ações do dia-a-dia Perspectivas Em se tratando de gerenciamento de desempenho, perspectivas são os grandes vetores debaixo dos quais são agrupados objetivos, indicadores

Leia mais

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras

Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Marketing de Relacionamento e CRM Dr. Manoel Veras Introdução Os Desafios dos Negócios Nova Era Proliferação de ofertas Mercados saturados Taxas de respostas decrescentes Custos de aquisição de clientes

Leia mais

SMS Marketing. Manual Clube Turismo JULHO / 2012

SMS Marketing. Manual Clube Turismo JULHO / 2012 JULHO / 2012 Manual Clube Turismo SMS Marketing Mais eficaz do que TV, rádio, panfleto, outdoor ou qualquer mídia criada pelo homem. Nada se compra à praticidade de uma mensagem de celular. Afinal, o celular

Leia mais

A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA

A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA Importância da divulgação Vivemos uma era de forte competição em todos os setores da economia. Jamais houve tanta oferta de produtos e serviços. Os consumidores, por sua

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Preciso anunciar mais...

Preciso anunciar mais... Na maioria dos projetos que participamos, temos certeza de que quando o empreendedor inicia um trabalho de CRM, ele busca sempre é por uma vantagem competitiva: uma equipe de vendas mais eficiente, processos

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

A evolução do marketing no Brasil

A evolução do marketing no Brasil A evolução do marketing no Brasil Em agosto de 2004, a AMA (American Marketing Association) elaborou uma definição renovada para o termo marketing: "Marketing é uma função organizacional e uma série de

Leia mais

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01 Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA Definição Mídia. Sf (ing. mass media) Propag. 1 Veículo ou meio de divulgação

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing

Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente. para qualquer nível de profissional de marketing 3 Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing Elementos essenciais para criar a Jornada do Cliente para qualquer nível de profissional de marketing

Leia mais

A Jornada do Cliente Digital

A Jornada do Cliente Digital A Jornada do Cliente Digital 1 Você já ouviu o termo A jornada do Cliente Digital? Já? Ainda não? Pois então prepare-se. Se já ouviu nunca é demais rever o conceito e agregar alguns valores, discutir,

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas 2010 0 Unidade: Gerenciamento de Marketing e Vendas É necessário o entendimento de como os produtos chegam

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

INOVAÇÃO E MARKETING PARA O SUCESSO EMPRESARIAL

INOVAÇÃO E MARKETING PARA O SUCESSO EMPRESARIAL INOVAÇÃO E MARKETING PARA O SUCESSO EMPRESARIAL XV CONGRESSO NACIONAL DE TRANSITÁRIOS MONTE REAL 10 OUTUBRO 2015 RENATO PÓVOAS Fundador e Managing Partner da Guess What e da Improve Autor de dois livros

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

Inspire Inove Faça Diferente

Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Inspire Inove Faça Diferente Se eu tivesse um único dolar investiria em propaganda. - Henry Ford (Fundador da Motor Ford) As companhias prestam muita atenção ao custo de fazer

Leia mais

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale

1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Gestão do ciclo completo de relacionamento com o aluno SRM da Universidade Feevale 1.1 Histórico da Prática Eficaz Por meio do Departamento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Marketing jurídico: desafios e oportunidades no Brasil Marco Antônio P. Gonçalves * Em março de 1999, o The New York Law Journal publicou o artigo How to Get Past Basic Promotion

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa

Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Os novos usos da tecnologia da informação na empresa Internet promoveu: Transformação Novos padrões de funcionamento Novas formas de comercialização. O maior exemplo desta transformação é o E- Business

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

Como Levar o Seu Blog Para o Próximo Nível

Como Levar o Seu Blog Para o Próximo Nível Como Levar o Seu Blog Para o Próximo Nível Trazido Até Você Por http://virtualmarketingpro.com/blog/joaofilho/ Como Levar o Seu Blog Ao Próximo Nível Termos e Condições Aviso Legal O escritor esforçou-se

Leia mais

E-book Internet Marketing que Funciona Página 1

E-book Internet Marketing que Funciona Página 1 E-book Internet Marketing que Funciona Página 1 Produção Este E-book é Produzido por: Sérgio Ferreira, administrador do blog: www.trabalhandoonline.net Visite o site e conheça várias outras Dicas GRÁTIS

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

Profa. Reane Franco Goulart

Profa. Reane Franco Goulart Sistemas CRM Profa. Reane Franco Goulart Tópicos Definição do CRM O CRM surgiu quando? Empresa sem foco no CRM e com foco no CRM ParaqueCRM é utilizado? CRM não é tecnologia, CRM é conceito! CRM - Customer

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar

Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Gestão da Comunicação em Situações de Crise no Ambiente Médico-Hospitalar Sumário Prefácio: Os hospitais não são essenciais Introdução: O sistema hospitalar mudou, mas continua o mesmo! Imagem pública

Leia mais

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você O que a Postura Consultiva tem a ver com Você Marcelo Egéa M* O que é postura consultiva Criar e sustentar uma marca é um trabalho que exige o máximo de todos na empresa. Alguns têm contato direto com

Leia mais

Caminhões, Ônibus e Implementos Rodoviários

Caminhões, Ônibus e Implementos Rodoviários Caminhões, Ônibus e Implementos Rodoviários As mudanças acontecem cada vez mais rápido Mudanças! 3 Mudanças! 4 Quais mudanças estamos enfrentando? Frota Circulante Julho 2015 585.091 ônibus 18.618 Santa

Leia mais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais

O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais O novo desafio das marcas: uma visão global dos hábitos dos clientes em dispositivos móveis e redes sociais SDL Campaign Management & Analytics Introdução Prezado profissional de marketing, A ideia de

Leia mais

MARKETING DE PERMISSÃO

MARKETING DE PERMISSÃO Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento MARKETING DE PERMISSÃO Transformando desconhecidos em amigos e amigos em clientes Seth Godin Disciplina: Sociedade da Informação Alunos:

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Marketing com Ênfase em Ambiente Digital.

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Marketing com Ênfase em Ambiente Digital. CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Marketing com Ênfase em Ambiente Digital. Coordenação Acadêmica: Prof. Guilherme Eduardo Korndorfer Código no SIGA: TMBAMKT*11/10 1 OBJETIVO: Familiarizar

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais