Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia"

Transcrição

1 Aula 01 Conceitos Básicos de Farmacologia Vocês sabem definir Farmacologia? Podemos definir a Farmacologia como ciência que estuda a ação das substancias químicas, estruturalmente definidas e denominadas fármacos, num organismo vivo (LARINI, 2008). Antes de iniciarmos nossos estudos é necessário que vocês compreendam a importância do estudo da Farmacologia para o profissional fisioterapeuta. A Farmacologia consiste no estudo da ação das substâncias químicas promovida nos compartimentos dos sistemas biológicos. Como consequência, para completo entendimento destas ações, a estrutura química da molécula deve ser definida e deve-se ter o conhecimento das características físico-químicas, da absorção, distribuição, metabolização e excreção das moléculas (RANG et al., 2004; LARINI, 2008). Ela é uma disciplina integrante de diversas áreas da Saúde e que engloba o conhecimento de outras disciplinas, como Microbiologia, Patologia, Bioquímica, Genética, Fisiologia, dentre algumas e é de suma importância para o fisioterapeuta para que o mesmo possa obter maior êxito na reabilitação do paciente, quando o mesmo está fazendo uso conjunto de medicamentos com a intervenção da fisioterapia. Para continuarmos nossos estudos é necessário que vocês aprendam alguns conceitos básicos. Iniciemos, então! Como em outras áreas, nesta há terminologias fundamentais e que são utilizadas comumente pelos diversos autores. Desta forma, na sequência deste texto serão apresentados alguns destes termos para o conhecimento inicial de vocês. Fármaco: é a substância química, estruturalmente definida, utilizada para a prevenção ou tratamento de patologias. No Quadro 1.1 são mostrados exemplos de fármacos e alguns nomes comerciais do medicamento (WILLIAMS, LENKE, 2002). 11

2 Droga: é a substância de origem natural (vegetal, animal ou mineral) da qual é possível se extrair e isolar um ou mais princípios ativos. Desta forma, as substâncias sintéticas biologicamente ativas não são consideradas drogas. Medicamento: é o produto final administrado ao paciente, o qual contém o fármaco e outras substâncias adjuvantes. Consiste na especialidade farmacêutica contendo o fármaco, o qual apresentará atividade no organismo como comprimido, cápsula, solução, creme, dentre algumas. As associações medicamentosas consistem no medicamento que apresenta dois fármacos ou mais. Quadro 1.1 Apresentação de alguns fármacos e seus nomes comerciais disponíveis no mercado nacional. Fármaco Nome comercial do medicamento ranitidina Antak, Logat, Zylium diclofenaco Cataflam, Voltaren, Biofenac, Diclofen tenoxicam Tilatil paracetamol Tylenol, Acetofen, Dôrico, Sonridor Efeitos colaterais: representam os sinais e sintomas que ocorrem nas doses terapêuticas recomendadas, estando relacionados às propriedades farmacológicas do fármaco. Conclui-se, portanto, que o efeito colateral é previsível durante a administração dos fármacos. Assim, a escopolamina, a qual é um antiespasmódico devido às suas ações anticolinérgicas, ocasiona retenção urinária como efeito colateral. Reação adversa: consiste em resposta nociva, indesejada e não intencional do organismo frente ao fármaco administrado em doses terapêuticas. Os antiinflamatórios não esteróides, como é o caso do diclofenaco, mesmo administrados em doses terapêuticas promovem hemorragia gástrica. Posologia: trata-se da substância ativa prescrita pelo médico em quantidade por administração, a via pela qual o medicamento será administrado e frequência. A Figura 1.1 ilustra um exemplo hipotético de receita médica prescrita contendo a posologia do medicamento. 12

3 Figura 1.1 Modelo de prescrição médica contendo posologia. A flecha indica onde consta a posologia para o medicamento 1, ou seja, a substância, a quantidade em gramas ou miligramas, a quantidade por administração e a sua frequência ao dia, neste caso. Via de administração: a dose eficaz de um fármaco pode variar de acordo com a forma farmacêutica e a via de administração. Medicamentos administrados por via intravenosa vão, completa e diretamente, à circulação sistêmica. Já os medicamentos administrados pela via oral, raramente são absorvidos completamente devido às diversas barreiras fisiológicas, físicas e químicas, as quais devem ser consideradas, tanto em relação ao organismo, como relacionadas ao fármaco. Há várias vias utilizadas para a administração de medicamentos no organismo humano, como via oral, via sublingual, via tópica, via transdérmica, via retal, via vaginal, via parenteral, dentre algumas (Quadro 1.2) (ALLEN JR. et al., 2007; LARINI, 2008). Quadro 1.2 Algumas vias de administração de medicamentos. Termo Local Oral Boca, gastrintestinal Sublingual Sob a língua Parenteral Intravenosa Intra-cardíaca Intradérmica Subcutânea Intramuscular Veia Coração Pele Sob a pele Músculo Tópica Superfície da pele Transdérmica Superfície da pele Ocular Olho Nasal Nariz Auricular Orelha Pulmonar Pulmão Os efeitos locais são obtidos por meio da aplicação direta do medicamento no local de administração, como pele, nariz, orelha ou olho. Em contrapartida, os efeitos sistêmicos resultam da entrada do fármaco na circulação sistêmica e distribuição até o local de ação. A velocidade e o grau de absorção de um fármaco são variáveis, dependendo da via pela qual ele é administração. Desta forma, quando se deseja desenvolver medicamentos com um mesmo ativo, porém administrados por vias diferentes, como pela via oral e outro pela via retal, tem-se dois medicamentos diferentes, embora seja utilizado o mesmo fármaco nos dois medicamentos. O Quadro 1.3 demonstra este aspecto para a nitroglicerina formulada em diferentes formas farmacêuticas. 13

4 Quadro 1.3 Concentração e cinética da nitroglicerina em várias formas farmacêuticas. Forma Farmacêutica Dose Usual (mg) Início de Ação (min) Pico de Ação (min) Sublingual 0,3 0, Oral 6,5 19, Pomada (2%) 0, Adesivo transdérmico A ação de fármacos no organismo depende, basicamente, de três etapas distintas: 1- Fase Farmacêutica: consiste na fase de disponibilidade farmacêutica do fármaco ao organismo. As características físico-químicas do fármaco, bem como da forma farmacêutica são determinantes nesta fase para que o fármaco desempenhe seu efeito biológico. Desta forma, características como o tamanho da partícula, solubilidade do fármaco no meio fisiológico, técnicas empregadas para produção do medicamento, podem ocasionar variações consideráveis na biodisponiblidade. Assim, um estudo utilizando o ibuprofeno como fármaco antiinflamatório, quando administrado aos pacientes pela via oral através de comprimidos de 400 mg, proporciona concentração máxima no plasma de 35 g/ml, enquanto quando administrado por via oral através de cápsulas moles, na mesma dose de 400 mg, proporciona pico de concentração no plasma de 58 g/ml (LARINI, 2008). 2- Fase Farmacocinética: compreende a absorção, a distribuição, o metabolismo ou biotransformação e a excreção do fármaco e de seus subprodutos de biotransformação do organismo (BRUNTON et al., 2010). 3- Fase Farmacodinâmica: esta fase estuda os processos que envolvem a interação do fármaco e/ ou subprodutos nos locais de ação do organismo (BRUNTON et al., 2010). A Figura 1.2 resume as três fases imprescindíveis para que um fármaco formulado em um medicamento exerça seu efeito biológico. 14 Figura 1.2 Fases importantes para a ação de fármacos.

5 Finalizamos a aula de hoje reforçando a importância da farmacologia no dia a dia do fisioterapeuta. Vejamos... Um paciente poli traumatizado, em recuperação pós-operatória necessitará para sua recuperação de tratamento medicamentoso e fisioterapia. Você não acha importante saber como o medicamento age, a melhor forma de administração, quais as influências exercidaspara a ação do medicamento visando o êxito do tratamento total do paciente? Para que vocês possam compreender as classes de fármacos e a atuação de cada uma delas no organismo humano é necessário que dominem os conceitos descritos anteriormente. bibliográficas. É importante reforçar o aprendizado lendo as bibliografias indicadas nas referencias Bom estudo e até a nossa próxima aula! Referências Bibliográficas ALLEN JR., L.V.; POPOVICH, N.G.; ANSEL, H.C. Formas farmacêuticas e sistemas de liberação de fármacos. 8.ed. Porto Alegre: Artmed, 2007, 776 p. BRUNTON, L. et al. Goodman & Gilman: manual de farmacologia e terapêutica. Porto Alegre: AMGH, p. LARINI, L. Fármacos & medicamentos. Porto Alegre: Artmed, p. RANG, H.P. et al. Farmacologia. 5.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p. WILLIAMS, D.A.; LEMKE, T.L. Foye s principles of medicinal chemistry. 5.ed. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2002, 1114 p. 15

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica A absorção, a distribuição, o metabolismo e a excreção de um fármaco envolvem

Leia mais

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Fisioterapia - 2º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Fisioterapia - 2º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica Distribuído Biotransformado Excretado Farmacocinética : O que o organismo faz

Leia mais

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração

Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração DROGA ORGANISMO Introdução ao estudos da farmacologia Formas farmacêuticas Vias de administração FARMACOCINÉTICA Absorção Distribuição Biotransformação Eliminação FARMACODINÂMICA Local de ação Mecanismo

Leia mais

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E FORMAS FARMACÊUTICAS VIAS DE ADMINISTRAÇÃO Introdução o que são VIAS DE ADMINISTRAÇÃO?

Leia mais

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com Farmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Pharmakon Logos Estudo dos fármacos Estudo da interação de drogas com organismos vivos Propriedades dos medicamentos e seus efeitos

Leia mais

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues

TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA. Profa. Verônica Rodrigues TOXICOLOGIA -TOXICOCINÉTICA Profa. Verônica Rodrigues FARMACÊUTICA INDUSTRIAL - UFRJ MESTRE EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS - UFRJ EX-DOCENTE - UNIPLI EX-PERITA LEGISTA - TOXICOLOGISTA - PCERJ PESQUISADORA EM

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1 Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira INTRODUÇÃO É uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem. Qualquer erro,

Leia mais

Curso Técnico em Zootecnia

Curso Técnico em Zootecnia Curso Técnico em Zootecnia Aula: 01/01 SUB TEMA: INTRODUÇÃO À Professor: Vitor Hugo SUB TEMA: HISTÓRIA DA HÁ MUITO TEMPO MAIS DE 5 MIL ANOS PROCURAM-SE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS COM O OBJETIVO DE CURAR AS MAIS

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROF MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município:TUPÃ Eixo Tecnológico:AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO EM TÉCNICO EM FARMÁCIA

Leia mais

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA História da Farmacologia Pharmakon (grego) veneno (substância terapêutica) (129-200) Galeno 1o. a considerar a teoria das doenças (1493-1541) Paracelsus conhecia os ingredientes

Leia mais

ANASEPTIL. (sulfato de polimixina B + sulfato de neomicina + bacitracina zíncica + óxido de zinco + peróxido de zinco)

ANASEPTIL. (sulfato de polimixina B + sulfato de neomicina + bacitracina zíncica + óxido de zinco + peróxido de zinco) ANASEPTIL (sulfato de polimixina B + sulfato de neomicina + bacitracina zíncica + óxido de zinco + peróxido de zinco) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Pó 5000UI + 5,0mg + 500UI + 635,3mg

Leia mais

Turma Nutrição - 4º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Nutrição - 4º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Nutrição - 4º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Administração Absorção Fármaco na circulação sistêmica Distribuído Biotransformado Excretado Farmacocinética : O que o organismo faz sobre

Leia mais

Objetivos. Farmacocinética. Farmacocinética. Princípios Farmacocinéticos

Objetivos. Farmacocinética. Farmacocinética. Princípios Farmacocinéticos Objetivos Princípios Farmacocinéticos Marcos Moreira Absorção, distribuição, metabolismo e excreção de fármacos. Metabolismo de primeira passagem. Meia-vida plasmática. Concentração no estado de equilíbrio.

Leia mais

AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA

AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA FACULDADE CATÓLICA RAINHA DO SERTÃO CURSO DE FARMÁCIA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PROFESSOR: MÁRCIO BATISTA AULA 2 A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA A FORMAÇÃO FARMACÊUTICA A RESOLUÇÃO CNE/CES

Leia mais

Conceitos importantes. Farmacocinética

Conceitos importantes. Farmacocinética Conceitos importantes Farmacocinética Fatores Farmacocinéticos que Afetam o Efeito de Fármacos 1) Absorção 2) Distribuição 3) Eliminação Metabolização e Excreção Etapas entre a administração oral de um

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Dados de Identificação Campus: Uruguaiana Curso: Farmácia Componente Curricular: Química Farmacêutica I Código: UR

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 1 Disciplina: FARMACOGNOSIA ENEX00947 Estudo das drogas de origem vegetal e animal. História, tratamento, conservação, identificação, avaliação e emprego das drogas, notadamente os polissacarídeos, glicosídeos

Leia mais

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica Terramicina com sulfato de polimixina B cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B Pomada Tópica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B - pomada tópica.

Leia mais

Tem a finalidade de tornar a droga que foi. mais solúveis para que assim possam ser. facilmente eliminadas pelos rins. BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS

Tem a finalidade de tornar a droga que foi. mais solúveis para que assim possam ser. facilmente eliminadas pelos rins. BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS 1 Tem a finalidade de tornar a droga que foi absorvida e distribuída em substâncias mais solúveis para que assim possam ser BIOTRANSFORMAÇÃO DE DROGAS facilmente eliminadas pelos rins. Se não houvesse

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA O QUE É FARMACOLOGIA? Palavra de origem grega Φαρµακολογίας FARMAKON LOGOS DROGA ESTUDO FARMACOLOGIA É a ciência ou disciplina que estuda

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Autorizada pelo Decreto Federal N o 77.496 de 7/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial N o 874/86 de 9//86 PLANO DE ENSINO Semestre: 0 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA PRÉ-REQUISITOS SAU 966 Farmacologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO: ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO: ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, SAÚDE E TECNOLOGIA - IMPERATRIZ. CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO DISICIPLINA FARMACOLOGIA Período 4º PROFESSOR (a) Carga Horária: 90 Dr.

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES ELABORADO POR: SIMONE MANTUAN MARCIANO ENFERMEIRA DOCENTE Página 1 Conteúdo CÁLCULO DE DILUIÇÃO SIMPLES ( VIA ORAL E ENDOVENOSA... 3 CÁLCULO COM PENICILINA CRISTALINA... 4 EXERCÍCIOS UTILIZANDO PORCENTAGEM...

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2016 Sociedade de Anestesiologia do Distrito Federal 3ª ETAPA PROGRAMA - ME 1 (2/8/2016) PONTO 10 - Fisiologia do Sistema Respiratório I 10.1. Funções respiratórias e não

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO Componente Curricular: Farmacologia Código: Fisio 117 Pré-requisito: -------- Período Letivo: 2016.1 Professor: Matheus Santos Marques Titulação: Especialista CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÂO DO MEDICAMENTO Procto-Glyvenol 50 mg/g + 20 mg/g Creme rectal 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de Procto-Glyvenol creme rectal

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 15 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO PG 600, pó e solvente para solução injetável para porcas e primíparas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA II Prof. Anderson Carniel PREPARAÇÕES NASAIS

TECNOLOGIA FARMACÊUTICA II Prof. Anderson Carniel PREPARAÇÕES NASAIS PREPARAÇÕES NASAIS Maioria das preparações intranasais contém agentes adrenérgicos, devido sua ação vasoativa (descongestiona a mucosa nasal) Grande parte se encontra na forma de solução, sendo administrada

Leia mais

Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol

Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol Apresentação de Tylenol Gotas (paracetamol) Solução oral 200 mg/ml em frasco plástico com 15 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO ORAL COMPOSIÇÃO

Leia mais

Turma Nutrição - 4º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Turma Nutrição - 4º Termo. Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Turma Nutrição - 4º Termo Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Dacarb (Dacarbazina) Motilium (Domperidona) Imovane(zopiclona) Esta disciplina tem por finalidade ensinar os princípios que regem o mecanismo

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral. Embalagem contendo um frasco com 120 ml. Acompanhado do copo de medida.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral. Embalagem contendo um frasco com 120 ml. Acompanhado do copo de medida. Hixilerg cloridrato de hidroxizina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral. Embalagem contendo um frasco com 120 ml. Acompanhado do copo de medida. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

BIODISPONIBILIDADE E BIOEQUIVALÊNCIA DE MEDICAMENTOS Conceitos. Sílvia Storpirtis

BIODISPONIBILIDADE E BIOEQUIVALÊNCIA DE MEDICAMENTOS Conceitos. Sílvia Storpirtis BIODISPONIBILIDADE E BIOEQUIVALÊNCIA DE MEDICAMENTOS Conceitos Sílvia Storpirtis Professora Associada da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF-USP) Conteúdo Biodisponibilidade

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento Supervisor: Dra Ana Carolina Colmanetti Nogueira Garcia Características: (duração 12 meses) Dirigido

Leia mais

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico Medicamento Da Administração Oral Administração Ao Efeito Terapêutico Desintegração Desagregação Dissolução ETAPA BIOFARMACÊUTICA Fármaco em solução Absorção Distribuição Eliminação FARMACOCINÉTICA Fármaco

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de Prova de Conhecimentos Gerais em Química

Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de Prova de Conhecimentos Gerais em Química Programa de Pós-Graduação em Química IQ USP Exame de Capacidade 1º Semestre de 2014 Prova de Conhecimentos Gerais em Química Nome do candidato: Instruções: Escreva seu nome de forma legível no espaço acima.

Leia mais

Zyrtec. dicloridrato de cetirizina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas

Zyrtec. dicloridrato de cetirizina. Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Zyrtec dicloridrato de cetirizina I ) Identificação do medicamento Formas farmacêuticas, vias de administração e apresentações comercializadas Zyrtec Comprimidos: cartucho contendo comprimidos revestidos,

Leia mais

Coordenador: Professor Doutor Jair Guilherme dos Santos Junior CONSIDERAÇÕES GERAIS OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Coordenador: Professor Doutor Jair Guilherme dos Santos Junior CONSIDERAÇÕES GERAIS OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS DA SANTA CASA DE SÃO PAULO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS PROGRAMA DE DISCIPLINA: FARMACOLOGIA III Ano Letivo: 2012 - Série: 4º ano Carga

Leia mais

OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA ENZIMAS E INIBIDORES ENZIMÁTICOS

OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA ENZIMAS E INIBIDORES ENZIMÁTICOS OBJETIVOS Enzimas: Funções, Nomenclatura e Propriedades Fundamentos da Cinética Enzimática Cinética Enzimática: Michaelis-Menten Ensaios Cinéticos: Padronização e Validação Parâmetros Cinéticos: vo, KM,

Leia mais

Clenil A dipropionato de beclometasona

Clenil A dipropionato de beclometasona Clenil A dipropionato de beclometasona Forma Farmacêutica e Apresentação: Suspensão para aerossolterapia. Embalagens com 10 flaconetes contendo 2 ml cada. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição: Cada 1 ml

Leia mais

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. INTERCAMBIALIDADE 1. O que são medicamentos referência, similar e genérico? É todo medicamento originador, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente. Todo medicamento referência

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Bacrocin mupirocina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada com 2% de mupirocina (20 mg/g): Embalagem com uma bisnaga de 15 g. USO TÓPICO USO

Leia mais

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35 Índice Parte 1 - Bases para a terapêutica com fármacos antiepilépticos Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica... 19 Classificação das Crises Epilépticas (1981)... 20 Classificação

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada cápsula contém 5,9 mg de cloridrato de flunarizina (eq. a 5 mg de flunarizina)

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada cápsula contém 5,9 mg de cloridrato de flunarizina (eq. a 5 mg de flunarizina) RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO SIBELIUM 5 mg cápsulas SIBELIUM 10 mg comprimidos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada cápsula contém 5,9 mg de cloridrato

Leia mais

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável

GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml. Forma farmacêutica:solução injetável GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio 216 mg/ml Forma farmacêutica:solução injetável MODELO DE BULA GLYCOPHOS glicerofosfato de sódio Forma farmacêutica e apresentações: Solução injetável. GLYCOPHOS (glicerofosfato

Leia mais

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Tiago 104 D Principais neoplasias ginecológicas e lesões precursoras SEGUNDA 6/5/2013 08:50

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE ODONTOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: FARMACOLOGIA APLICADA À ODONTOLOGIA Código da Disciplina: ODO122 Curso: Odontologia Semestre de oferta da disciplina:

Leia mais

MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão. 75 mg/ml

MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão. 75 mg/ml MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão 75 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mylicon simeticona Gotas APRESENTAÇÕES Suspensão oral (75 mg/ml) em frascos gotejadores contendo 10,

Leia mais

Disciplina: Específica

Disciplina: Específica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Concurso Público para provimento de vagas de cargos Técnico-Administrativos Edital nº 293/2016 Resultado do julgamento dos recursos interpostos contra as questões

Leia mais

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg NATURETTI Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg Espécie vegetal e parte da planta utilizada Espécie vegetal: Senna alexandrina Miller (sene), Cassia fistula (cássia). Partes utilizadas:

Leia mais

Bufedil. cloridrato de buflomedil APRESENTAÇÕES

Bufedil. cloridrato de buflomedil APRESENTAÇÕES Bufedil cloridrato de buflomedil APRESENTAÇÕES BUFEDIL (cloridrato de buflomedil) 150 mg: embalagens com 20 e 40 comprimidos revestidos. BUFEDIL (cloridrato de buflomedil) 300 mg: embalagens com 20 comprimidos

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1.NOME DO MEDICAMENTO Diclofenac Bluepharma, 10 mg/g, gel 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada grama de gel contém 10 mg de diclofenac de sódio equivalente

Leia mais

Eres Pó, 9.1mg/g Pó Hidrossolúvel Oral.

Eres Pó, 9.1mg/g Pó Hidrossolúvel Oral. 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Eres Pó, 9.1mg/g Pó Hidrossolúvel Oral. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada g contém: Substância Activa: Bromexina (Cloridrato) 9.1 mg Para lista completa de

Leia mais

racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg

racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO racecadotrila Medicamento genérico Lei

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Bacrocin mupirocina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada com 2% de mupirocina (20 mg/g): Embalagem com uma bisnaga de 15 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada grama de Bacrocin pomada

Leia mais

MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão. 75 mg/ml

MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão. 75 mg/ml MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão 75 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mylicon simeticona Gotas APRESENTAÇÕES Suspensão oral (75 mg/ml) em frascos gotejadores contendo 15

Leia mais

LABIRIN. betaistina dicloridrato APSEN. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixas com 20, 30 e 60 comprimidos

LABIRIN. betaistina dicloridrato APSEN. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixas com 20, 30 e 60 comprimidos 1 MODELO DE BULA LABIRIN betaistina dicloridrato APSEN FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixas com 20, 30 e 60 comprimidos USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: 24 mg

Leia mais

1 Squibb Farmacêutica S.A. - Uso E Reprodução Proibidos

1 Squibb Farmacêutica S.A. - Uso E Reprodução Proibidos MODELO DE TEXTO DE BULA PARA OMCILON-A EM ORABASE BRISTOL-MYERS SQUIBB OMCILON-A acetonida de triancinolona em base emoliente para uso odontológico Em orabase APRESENTAÇÃO OMCILON-A EM ORABASE é apresentado

Leia mais

LONIUM. Apsen Farmacêutica S.A. Comprimidos Revestidos 40 mg

LONIUM. Apsen Farmacêutica S.A. Comprimidos Revestidos 40 mg LONIUM Apsen Farmacêutica S.A. Comprimidos Revestidos 40 mg LONIUM brometo de otilônio APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos revestidos APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 40 mg. Caixas com 30 e 60

Leia mais

BULA. Terramicina com sulfato de polimixina B. (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica

BULA. Terramicina com sulfato de polimixina B. (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica BULA Terramicina com sulfato de polimixina B (cloridrato de oxitetraciclina e sulfato de polimixina B) Pomada Oftálmica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B -

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml. SALSEP 360 cloreto de sódio APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml. USO NASAL USO ADULTO e PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

RINOSORO SIC 3% (cloreto de sódio) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Solução Spray. 30 mg/ml (3%)

RINOSORO SIC 3% (cloreto de sódio) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Solução Spray. 30 mg/ml (3%) RINOSORO SIC 3% (cloreto de sódio) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Solução Spray 30 mg/ml (3%) I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO RINOSORO SIC 3,0% cloreto de sódio APRESENTAÇÕES Solução

Leia mais

Laboratório de Albendazol Genérico. Referência de Albendazol Albendazol

Laboratório de Albendazol Genérico. Referência de Albendazol Albendazol Laboratório de Albendazol Genérico Referência de Albendazol Albendazol Apresentação de Albendazol Cadacomprimido contém:albendazol...400mg excipientes q.s.p...1 comprimido(lactose, amido prégelatinizado,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFº MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Introdução a Ciências Farmacêuticas

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Eres 10mg/g Pó para administração na água de bebida para bovinos, suínos e cães. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada

Leia mais

GOTAS BINELLI. Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml

GOTAS BINELLI. Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml GOTAS BINELLI Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml GOTAS BINELLI dropropizina 30mg/mL IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO GOTAS BINELLI dropropizina APRESENTAÇÃO Solução oral (30 mg/ml). Frasco contendo

Leia mais

CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Tecnologia Farmacêutica CRÉDITOS: 03 CARGA HORÁRIA: 60 horas TURNO: Diurno (Terça Feira -E/A/B-11:10 às 12:00; 13:30 ás

CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Tecnologia Farmacêutica CRÉDITOS: 03 CARGA HORÁRIA: 60 horas TURNO: Diurno (Terça Feira -E/A/B-11:10 às 12:00; 13:30 ás CURSO: Farmácia DISCIPLINA: Tecnologia Farmacêutica CRÉDITOS: 03 CARGA HORÁRIA: 60 horas TURNO: Diurno (Terça Feira -E/A/B-11:10 às 12:00; 13:30 ás 15;10) SEMESTRE/ANO: 2011.1 PROFESSORA: Erika Lizette

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO comprimidos revestidos

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO comprimidos revestidos BULA RDC 47/09 BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO comprimidos revestidos Nomenclatura botânica oficial: Glycine max (L.) Merr. Nome popular: Soja Família: Leguminosae Parte da planta utilizada:

Leia mais

FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS

FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS 20 CAPÍTULO 5 Hugo Caire de Castro Faria Neto & Belmira Ferreira dos Santos FÁRMACOS USADOS EM AMINAIS DE LABORATÓRIO ANESTÉSICOS E ANALGÉSICOS CONSIDERAÇÕES GERAIS: Nestas últimas décadas, a anestesia

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 VENALOT. Takeda Pharma Ltda. Comprimido de liberação prolongada cumarina 15 mg + troxerrutina 90 mg

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 VENALOT. Takeda Pharma Ltda. Comprimido de liberação prolongada cumarina 15 mg + troxerrutina 90 mg VENALOT Takeda Pharma Ltda. Comprimido de liberação prolongada cumarina 15 mg + troxerrutina 90 mg 1 APRESENTAÇÕES Comprimidos de liberação prolongada de 15 mg (cumarina) + 90 mg (troxerrutina). Embalagem

Leia mais

Contra indicações de Pratiprazol Estemedicamentoécontraindicadoempacientescomhipersensibilidadeaoomeprazolouaqualquer componente da fórmula.

Contra indicações de Pratiprazol Estemedicamentoécontraindicadoempacientescomhipersensibilidadeaoomeprazolouaqualquer componente da fórmula. Laboratório Prati, Donaduzzi Apresentação de Pratiprazol 10 mg em embalagem com 14, 30, 60, 90 ou 300 cápsulas. 20 mg em embalagem com 7, 14, 28, 30, 60, 90, 280, 300, 320, 350 ou 1400 cápsulas. 40 mg

Leia mais

ASSEPTCARE. (digliconato de clorexidina)

ASSEPTCARE. (digliconato de clorexidina) ASSEPTCARE (digliconato de clorexidina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Solução spray 10mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: ASSEPTCARE digliconato de clorexidina APRESENTAÇÕES

Leia mais

ASSEPTCARE. (digliconato de clorexidina)

ASSEPTCARE. (digliconato de clorexidina) ASSEPTCARE (digliconato de clorexidina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Solução spray 10mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: ASSEPTCARE digliconato de clorexidina APRESENTAÇÕES

Leia mais

Aesculus hippocastanum L.

Aesculus hippocastanum L. CASTANHA DA INDIA ZURITA Aesculus hippocastanum L. MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Aesculus hippocastanum L. Nomenclatura popular: Castanha da Índia Família: Hippocastanaceae Parte

Leia mais

Proviron. Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona

Proviron. Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona Proviron Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona 1 Proviron mesterolona APRESENTAÇÃO: Proviron é apresentado na forma de comprimido simples, com 25 mg de mesterolona, em embalagens contendo 2 blísteres

Leia mais

Mikaelle Paiva dos Santos FAMED-UFC LAGG-CE

Mikaelle Paiva dos Santos FAMED-UFC LAGG-CE Mikaelle Paiva dos Santos FAMED-UFC LAGG-CE 2012.2 Introdução Aumento da frequência de doenças crônicas com a idade Idosos estão particularmente expostos aos efeitos colaterais de medicamentos A idade

Leia mais

Mupirocina. Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g. Mupirocina_bula_paciente

Mupirocina. Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g. Mupirocina_bula_paciente Mupirocina Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g Mupirocina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE mupirocina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Pomada dermatológica de 20 mg/g

Leia mais

ANGIOLOT. (cumarina + troxerrutina)

ANGIOLOT. (cumarina + troxerrutina) ANGIOLOT (cumarina + troxerrutina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Drágea 15mg + 90mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: ANGIOLOT cumarina + troxerrutina APRESENTAÇÃO Embalagem contendo

Leia mais

MANSIL. Cápsula. 250 mg

MANSIL. Cápsula. 250 mg MANSIL Cápsula 250 mg Mansil oxamniquina I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Mansil Nome genérico: oxamniquina APRESENTAÇÕES: Mansil cápsulas de 250mg em embalagens contendo 6 cápsulas. USO

Leia mais

Emama. Bula para paciente. Cápsula Mole. 400 mg

Emama. Bula para paciente. Cápsula Mole. 400 mg Emama Bula para paciente Cápsula Mole 400 mg Emama (acetato de racealfatocoferol) Cápsula Mole FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: Embalagem contendo 10 ou 30 cápsulas gelatinosas moles. USO ORAL USO

Leia mais

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Fisiologia e Biofísica Professor: Rafaell Batista Pereira E-mail: rafaell.pereira@fasete.edu.br Código: Carga Horária:

Leia mais

Curso de Requalificação para administração de vacinas extra PNV e medicamentos injetáveis. Referencial Pedagógico

Curso de Requalificação para administração de vacinas extra PNV e medicamentos injetáveis. Referencial Pedagógico Curso de Requalificação para administração de vacinas extra PNV e medicamentos injetáveis Referencial Pedagógico 1. Objectivos/Competências Globais e Específicas Esta ação de formação visa requalificar

Leia mais

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO. Metacam 2 mg/ml solução injetável para gatos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA.

1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO. Metacam 2 mg/ml solução injetável para gatos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA. 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Metacam 2 mg/ml solução injetável para gatos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um ml contém: Substância ativa Meloxicam Excipientes: Etanol 2 mg 150 mg Para a

Leia mais

Dolamin clonixinato de lisina 125 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL

Dolamin clonixinato de lisina 125 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL Dolamin clonixinato de lisina 125 mg Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL Composição Cada comprimido revestido contém: clonixinato

Leia mais

O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação

O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação [...] As pessoas, em grande número, estão conscientes quanto ao controle ou tratamento de certos tipos de doenças, sem auxílio de médico

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 10 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Engemicina Spray, 25mg/mL, spray cutâneo, suspensão para bovinos, ovinos e suínos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO I RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Dexacortin 2 mg/ml solução injetável para bovinos, suínos, cães e gatos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E

Leia mais

Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA FARMACÊUTICA

Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA FARMACÊUTICA ARLIVRY Extrato seco de folhas de Hedera helix - Araliaceae - Hera MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Farmácia Campus: Campos dos Goytacazes Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos com visão generalista e humanista capazes de exercer atividades

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2015 INSCRIÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NA REDE DE FARMÁCIAS PAGUE MENOS

EDITAL Nº. 01/2015 INSCRIÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NA REDE DE FARMÁCIAS PAGUE MENOS EDITAL Nº. 01/2015 INSCRIÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NA REDE DE FARMÁCIAS PAGUE MENOS A Coordenação do Curso de Bacharelado em das Faculdades INTA, torna público o lançamento do presente Edital e convida

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado plea Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisiologia do Exercício Código: Fisio 112 Pré-requisito: Fisiologia Humana Período

Leia mais

PAXORAL. (lisado bacteriano)

PAXORAL. (lisado bacteriano) PAXORAL (lisado bacteriano) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Cápsula 3,5mg e 7,0mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PAXORAL lisado bacteriano APRESENTAÇÕES PAXORAL pediátrico Cápsula:

Leia mais

MOMENT. capsaicina. APRESENTAÇÕES Creme tópico 0,025% e 0,075%. Caixa com bisnaga de 50 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 (DOIS) ANOS USO TÓPICO

MOMENT. capsaicina. APRESENTAÇÕES Creme tópico 0,025% e 0,075%. Caixa com bisnaga de 50 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 (DOIS) ANOS USO TÓPICO MOMENT capsaicina APRESENTAÇÕES Creme tópico 0,025% e 0,075%. Caixa com bisnaga de 50 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 (DOIS) ANOS USO TÓPICO COMPOSIÇÃO Cada grama do creme contém: 0,025% 0,075% capsaicina...

Leia mais

mupirocina Medicamento Genérico, Lei nº , de 1999

mupirocina Medicamento Genérico, Lei nº , de 1999 mupirocina Medicamento Genérico, Lei nº. 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Pomada Dermatológica 20 mg/g Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO mupirocina

Leia mais

MAXIDRIN. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio. Comprimidos revestidos Paracetamol 500mg Cafeína 65mg

MAXIDRIN. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio. Comprimidos revestidos Paracetamol 500mg Cafeína 65mg MAXIDRIN Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Comprimidos revestidos Paracetamol 500mg Cafeína 65mg MAXIDRIN paracetamol cafeína APRESENTAÇÕES Cartucho contendo blísteres com 12 ou 120 comprimidos revestidos

Leia mais

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9

Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 Sumário Colaboradores...5 Dedicatória...6 Agradecimentos...7 Prefácio...9 PARTE I Introdução à profissão de enfermagem 1 Enfermagem uma profissão em evolução...21 Visão geral...22 Revisão histórica...22

Leia mais

BIBLIOGRAFIA BIBLIOGRAFIA. Objetivos Gerais. FFI0772 Enzimas: Funções, Nomenclatura e Propriedades Fundamentos da Cinética Enzimática

BIBLIOGRAFIA BIBLIOGRAFIA. Objetivos Gerais. FFI0772 Enzimas: Funções, Nomenclatura e Propriedades Fundamentos da Cinética Enzimática Objetivos Gerais FFI0772 ADRIANO D. ANDRICOPULO RAFAEL V. C. GUIDO Enzimas: Funções, Nomenclatura e Propriedades Fundamentos da Cinética Enzimática Cinética Enzimática: Michaelis-Menten Ensaios Cinéticos:

Leia mais