Curso Técnico em Zootecnia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso Técnico em Zootecnia"

Transcrição

1 Curso Técnico em Zootecnia Aula: 01/01 SUB TEMA: INTRODUÇÃO À Professor: Vitor Hugo

2 SUB TEMA: HISTÓRIA DA HÁ MUITO TEMPO MAIS DE 5 MIL ANOS PROCURAM-SE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS COM O OBJETIVO DE CURAR AS MAIS DIVERSAS DOENÇAS DO HOMEM. PARACELSO SISTEMATIZOU O USO CORRETO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS. PAI DA. 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 2

3 SUB TEMA: HISTÓRIA DA SÉCULO XIX SURGE COMO CIÊNCIA INÍCIO DA CIVILIZAÇÃO REMÉDIOS A BASE DE ERVAS, FARMACOPÉIAS REDIGIDAS NENHUM EMBASAMENTO CIENTIFICO; ACERVOS TERAPÊUTICOS DOCUMENTADOS TRADIÇÕES MÍSTICAS, RELIGIOSAS E MÉDICAS; SÉCULO XVII OBSERVAÇÃO E A EXPERIMENTAÇÃO SUBSTITUI A TEORIZAÇÃO; SÉCULO XVIII E XIX, FRANÇOIS E CLAUDE DESENVOLVE MÉTODOS DE FISIOLOGIA E EXPERIMENTAIS EM ANIMAIS; OCUPAVA-SE EXCLUSIVAMENTE AOS EFEITOS DAS SUBSTÂNCIAS NATURAIS (EXTRATOS VEGETAIS); SÉCULO XX PERÍODO DA QUÍMICA SINTÉTICA INICIO DA QUIMIOTERAPIA ANTIMICROBIANA, TRATAMENTO DE DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS; 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 3

4 SUB TEMA: HISTÓRIA DA NOVAS TECNOLOGIAS DE SÍNTESE, CARACTERIZAÇÃO E PLANEJAMENTO DE NOVAS MOLÉCULAS; DESCOBERTA DE NOVAS MOLÉCULAS FASES DOS ENSAIOS PRÉ-CLÍNICOS FARMACOLÓGICO E TOXICOLÓGICO; FARMACOLÓGICOS ASPECTOS FARMACOCINÉTICOS E FARMACODINÂMICOS; TOXICOLÓGICOS ASPECOSTOS TÓXICOS; APROVAÇÃO NO ENSAIO PRÉ-CLÍNICOS, PASSA-SE PARA ENSAIO CLÍNICO QUATRO FASES. 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 4

5 : CIÊNCIA QUE ESTUDA O RESULTADOS DA INTERAÇÃO DE UM COMPOSTO QUÍMICO COM O SISTEMA BIOLÓGICO. DIVIDIDA EM BÁSICA E CLÍNICA; BÁSICA: EFEITOS DOS FÁRMACOS NOS ANIMAIS E EM OUTROS MODELOS; CLÍNICA: ESTUDA OS EFEITOS BIOQUÍMICOS, FISIOLÓGICOS, FARMACOLÓGICOS, TERAPÊUTICOS E TOXICOLÓGICOS DOS MEDICAMENTOS SOBRE O ORGANISMO HUMANO (SADIO E DOENTE) 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 5

6 PORQUE ESTUDAR? COMPRRENDER O MECANISMO PELO QUAL UMA SUBSTÂNCIA QUÍMICA ADMINISTRADA AFETA O FUNCIONAMENTO DO ORGANISMO; PARA TER UM SUCESSO TERAPÊUTICO NO TRATAMENTO DE DOENÇAS; ESCOLHER O FÁRMACO MAIS ADEQUADO PARA CERTAS CARACTERÍSTICAS FISIOPATOLÓGICAS; GARANTIR QUE O FÁRMACO ATINJA A CONCENTRAÇÃO ADEQUADA. 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 6

7 DEFINIÇÕES: DROGA: QUALQUER SUBSTÂNCIA QUÍMICA CAPAZ DE PRODUZIR EFEITO FARMACOLÓGICO, ISTO É, CAPAZ DE PROVOCAR ALTERAÇÕES SOMÁTICAS OU FUNCIONAIS, BENÉFICAS (MEDICAMENTO) OU MALÉFICAS (TÓXICOS); FÁRMACO: SINÔNIMO DE DROGA. É O PRINCÍPIO ATIVO. MAIS ESPECIFICAMENTE, MEDICAMENTO DE ESTRUTURA QUÍMICA BEM DEFINIDA; MEDICAMENTO: É A DROGA OU PREPARAÇÃO COM DROGAS DE AÇÃO FARMACOLÓGICA BENÉFICA, QUANDO UTILIZADA DE ACORDO COM AS SUAS INDICAÇÕES E PROPRIEDADES. SÃO UTILIZADOS COM FIM TERAPÊUTICO. REMÉDIO (RE=NOVAMENTE; MEDIOR= CURAR): SUBSTÂNCIA ANIMAL, VEGETAL, MINERAL OU SINTÉTICA; PROCEDIMENTO; FÉ OU CRENÇA; INFLUÊNCIA: USADOS COM INTENÇÃO BENÉFICA. PLACEBO (PLACEO= AGRADAR): TUDO QUE É FEITO COM INTENÇÃO BENÉFICA PARA ALIVIAR O SOFRIMENTO CONCENTRAÇÃO PEQUENA OU MESMO AUSÊNCIA). 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 7

8 TÓXICO OU VENENO: COMPREENDE-SE UMA DROGA OU UMA PREPARAÇÃO QUE PRODUZEM EFEITO FARMACOLÓGICO MALÉFICO; TERAPÊUTICA: ADMINISTRAÇÃO DO MEDICAMENTO PARA TRATAMENTO; POSOLOGIA: ESTUDO DA DOSAGEM DO MEDICAMENTO COM FINS TERAPÊUTICOS; DOSE: É A QUANTIDADE CAPAZ DE PROVOCAR UMA RESPOSTA TERAPÊUTICA DESEJADA; DOSAGEM: FREQUÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO E DURAÇÃO DO TRATAMENTO; FORMA FARMACÊUTICA: É A MANEIRA COMO OS MEDICAMENTOS SÃO PREPARADOS, APRESENTADOS E, CONSEQUENTEMENTE COMERCIALIZADOS. DOSE EFETIVA MEDIANA (DE 50): DOSE NECESSÁRIA PARA PRODUZIR DETERMINADA INTENSIDADE DE UM EFEITO; DOSE LETAL: É O EFEITO OBSERVADO É A MORTE DOS ANIMAIS DE EXPERIMENTAÇÃO. INDICE TERAPÊUTICO (IT): RELAÇÃO DL 50 / DE 50; MARGEM DE SEGURANÇA NO USO DO FARMÁCO. 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 8

9 DIVISÕES DA : FARMACODINÂMICA MECANISMO DE AÇÃO FARMACOCINÉTICA DESTINO DO FÁRMACO PRÉ-CLÍNICA EFICÁCIA E RAM NOS ANIMAIS (MAMÍFEROS) CLÍNICA EFICÁCIA E RAM NO HOMEM (SÁDIO OU DOENTE) FARMACOGNOSIA ESTUDO DAS SUSBSTÂNCIAS ATIVAS ANIMAIS, VEGETAIS E MINERAIS NO ESTADO NATURAL E SUA FONTES FARMACOTERAPIA USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS FITOTERAPIA USO DE FÁRMACOS VEGETAIS FARMACOTÉCNICA ARTE DO PREPARO E CONSERVAÇÃO DO MEDICAMENTO EM FORMAS FARMACÊUTICAS FARMACOEPIDEMIOLOGIA FARMACOVIGILÂNCIA 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 9

10 FASES DE PESQUISA RELACIONADAS A MEDICAMENTOS: 1. DESCOBERTA: INTRODUÇÃO DE UM NOVO MEDICAMENTO NA TERAPÊUTICA ACASO TRIAGEM EMPÍRICA EXTRAÇÃO DE PRINCÍPIOS ATIVOS DE FONTES NATURAIS MODIFICAÇÃO MOLECULAR DE FÁRMACOS CONHECIDOS PLANEJAMENTO RACIONAL APÓS A DESCOBERTA DO FÁRMACO, A FASE SEGUINTE É A DE ESTUDOS EM ANIMAIS E POSTERIORMENTE, EM HUMANOS. 2. DESENVOLVIMENTO: TESTAGEM PRELIMINAR POR ENSAIOS PRÉ-CLÍNICOS(ANIMAIS) TESTAGEM FARMACOLÓGICA TESTAGEM DE TOXICIDADE 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 10

11 ENSAIOS CLÍNICOS FASE I: OBJETIVO PRINCIPAL É AVALIAR A SEGURANÇA DO PRODUTO INVESTIGADO INDIVÍDUOS SAUDÁVEIS AVALIAS DIFERENTES VIAS DE ADMINISTRAÇÃO, MAIOR DOSE TOLERÁVEL, MENOR DOSE EFETIVA, RELAÇÃO DOSE/EFEITO, DURAÇÃO DO EFEITO E EFEITOS COLATERAIS 20 A 100 PARTICIPANTES; FASE II: OBJETIVO É AVALIAR A EFICÁCIA DO MEDICAMENTO, OBETER INFORMAÇÕES MAIS DETALHADAS SOBRE A SEGURANÇA A CURTO PRAZO INDIVÍDUOS QUE TEM A DOENÇA 100 A 200 PARTICIPANTES; FASE III: OBJETIVO É DETERMINAR RELAÇÃO RISCO/BENEFICIO A CURTO E LONGO PRAZOS DO MEDICAMENTO INDIVÍDUOS COM A DOENÇA ESTABELECER PERFIL TERAPÊUTICO 800 PARTICIPANTES FORNECEM TODAS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS PARA ELABORAÇÃO DO RÓTULO E BULA; FASE IV: OBJETIVO É DETECTAR O SURGIMENTO DE NOVAS REAÇÕES ADVERSAS E/OU CONFIRMAR A FREQUÊNCIA DE SURGIMENTO POPULAÇÃO EM GERAL. 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 11

12 EXERCÍCIO 1 NOS PRIMEIROS ESTUDOS CLÍNICOS REALIZADOS, DESCRITOS COMO ESTUDOS DE FASE I, UTILIZAM-SE MODELOS ANIMAIS PARA ESTABELECER UMA AVALIAÇÃO PRELIMINAR SOBRE A SEGURANÇA E A TOLERABILIDADE DO MEDICAMENTO AVALIADO. ( ) CORRETA ( ) INCORRETA 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 12

13 EXERCÍCIO 2 TODO MEDICAMENTO É DROGA, PORÉM, NEM TODA DROGA É MEDICAMENTO. ( ) CORRETA ( ) INCORRETA 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 13

14 EXERCÍCIO 3 QUAL FASE NO TESTE CLÍNICA QUE POSSUI A PARTICIPAÇÃO DE GRANDE NÚMEROS DE PESSOAS? ( ) FASE I ( ) FASE II ( ) FASE III ( ) FASE IV 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 14

15 01/08/2016 Profª. Vitor Hugo 15

Farmacologia Aspectos gerais

Farmacologia Aspectos gerais PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Farmacologia Aspectos gerais Prof. Raimundo Jr, M.Sc Bibliografia Básica: SILVA, P. Farmacologia. 6ª ed. Rio

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM TOXICOLOGIA Conceitos básicos TOXICOLOGIA: Agente tóxico Organismo vivo efeito nocivo 1 Transdisciplinaridade Patologia Saúde Pública Química Física Estatística TOXICOLOGIA Farmacologia

Leia mais

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com

Fármaco Qualquer substância alterar função de 20/05/2013. Estudo da interação de drogas com Farmacologia Prof. Herval de Lacerda Bonfante Departamento de Farmacologia Pharmakon Logos Estudo dos fármacos Estudo da interação de drogas com organismos vivos Propriedades dos medicamentos e seus efeitos

Leia mais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais

FARMACOTÉCNICA. Glauce Desmarais FARMACOTÉCNICA INTRODUÇÃO À FARMACOTÉCNICA Tópicos abordados: Definições em Farmacotécnica. Classificação dos Medicamentos. Legislação vigente. POSIÇÃO DA FARMACOTÉCNICA ENTRE AS CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA FARMACOLOGIA DISCIPLINA DE FARMACOLOGIA O QUE É FARMACOLOGIA? Palavra de origem grega Φαρµακολογίας FARMAKON LOGOS DROGA ESTUDO FARMACOLOGIA É a ciência ou disciplina que estuda

Leia mais

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 Pesquisa que, individual ou coletivamente, envolva o ser humano, de forma direta ou indireta, em sua totalidade ou parte dele, incluindo o

Leia mais

ESTUDO DA FARMACOLOGIA

ESTUDO DA FARMACOLOGIA NESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP ESTUDO DA FARMACOLOGIA A Terapêutica é um torrencial de Drogas das quais não se sabe nada em um paciente de que se sabe menos ainda. Voltaire(1694-1778)

Leia mais

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA

INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA INTRODUÇÃO À FARMACOLOGIA História da Farmacologia Pharmakon (grego) veneno (substância terapêutica) (129-200) Galeno 1o. a considerar a teoria das doenças (1493-1541) Paracelsus conhecia os ingredientes

Leia mais

Fases da pe squi qu s i a c a lín í i n c i a na i a i dú dú tr t ia far f mac êut u i t c i a

Fases da pe squi qu s i a c a lín í i n c i a na i a i dú dú tr t ia far f mac êut u i t c i a Fases da pesquisa clínica na indústria farmacêutica Eduardo Motti Sumário Por que das Fases de pesquisa clínica Fase 1 a 4 Outros conceitos: Fase 0, Fase 5 Para onde vamos Objetivos da Pesquisa Clínica

Leia mais

MICF (5º ANO) 1º SEMESTRE

MICF (5º ANO) 1º SEMESTRE Dezembro Novembro (5º ANO) º SEMESTRE Hora Sala Biotecnologia Farmacêutica h,, 9 Farmacovigilância e Farmacoepidemiologia h,, 0 Preparações de Uso Veterinário h,, Intervenção Farmacêutica nos Autocuidados

Leia mais

Exercícios Parte I Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues

Exercícios Parte I Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues Exercícios Parte I 11.02.2012 Toxicologia Forense Profa. Verônica Rodrigues Questão Prova Perito Polícia Civil 1-( ) No âmbito forense, muitas vezes a verdadeira versão de um crime só pode ser descoberta

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: FARMACOLOGIA BÁSICA Código: ENF-109 Pré-requisito: ENF-103 Bioquímica Período

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60 HORAS CRÉDITOS: 03 CÓDIGO: SCF00019 PROFESSOR: PRÉ-REQUISITOS: FISIOLOGIA

Leia mais

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35

Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica Farmacocinética dos fármacos antiepilépticos... 35 Índice Parte 1 - Bases para a terapêutica com fármacos antiepilépticos Classificando as crises epilépticas para a programação terapêutica... 19 Classificação das Crises Epilépticas (1981)... 20 Classificação

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS S 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 4ªf 9 às 10 h 0900112 História da Farmácia e Aspectos Atuais da Profissão Farmacêutica --- --- 02 30 5ªf 08 às 10 h 0900113

Leia mais

Objetivos. Princípios Gerais da Farmacologia. φαρμακολογία. Farmacologia

Objetivos. Princípios Gerais da Farmacologia. φαρμακολογία. Farmacologia Objetivos Princípios Gerais da Farmacologia Marcos Moreira Papel dos fármacos. Tipos de medicamentos. Divisões da farmacologia. Conceitos fundamentais. Como os fármacos funcionam. Uso racional dos medicamentos.

Leia mais

Curso: Farmácia-Bioquímica

Curso: Farmácia-Bioquímica SCIPLINA 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 2ª 08:00 09:00 0900112 História da Farmácia, Saúde e Sociedade --- --- 02 30 3ª 08:00 10:00 0900113 Biossegurança e

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS SCIPLINAS SCIPLINA 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INCAÇÃO INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 4ªf 9 às 10 h 0900112 História da Farmácia e Aspectos Atuais da Profissão Farmacêutica --- --- 02

Leia mais

Registro e Pós-Registro de Medicamentos

Registro e Pós-Registro de Medicamentos Registro e Pós-Registro de Medicamentos Outubro - 2013 Consultora Técnica Chefe do Departamento de Desenvolvimento Tecnológico (Far/Fiocruz) Gerente de Projetos de Desenvolvimento Tecnológico (Far/Fiocruz)

Leia mais

EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD

EMENTAS DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD S DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA EM INFECTOLOGIA EAD DISCIPLINA: Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica Histórico da farmácia clínica, áreas de atuação da farmácia clínica, situação

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS QBQ0215 QBQ0316

DISCIPLINA REQUISITO 1º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS QBQ0215 QBQ0316 SCIPLINAS SCIPLINA 1º SEMESTRE - OBRIGATÓS INCAÇÃO INTEGRAL 0900100 Informação Científica --- --- 01 15 4ªf 9 às 10 h 0900112 História da Farmácia e Aspectos Atuais da Profissão Farmacêutica --- --- 02

Leia mais

Planejamento e Síntese Molecular Prof a Marina G R Pitta

Planejamento e Síntese Molecular Prof a Marina G R Pitta Prof a Marina G R Pitta O ciclo de inovação em Saúde Aspecto Econômico da Inovação: orientada para os países desenvolvidos Principais mercados farmacêuticos mundiais por zonas geográficas, em 2006, em

Leia mais

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24

Turma(s): A11, A12, A13, A14, A21, A22, A23, A24, B11, B12, B13, B14, B21, B22, B23, B24 AULA n.º: 1 Dia 27-09-2016 das 14:00 às 17:00 Ana Leonor Alves Ribeiro Apresentação: disciplina, docente, avaliação, programa, bibliografia. I - FARMACOLOGIA GERAL: 1. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA FARMACOLOGIA

Leia mais

Origem dos Fármacos Desde os tempos antigos, os povos do mundo tinham uma ampla coleção de produtos naturais para fins medicinais;

Origem dos Fármacos Desde os tempos antigos, os povos do mundo tinham uma ampla coleção de produtos naturais para fins medicinais; Faculdade Maurício de Nassau Disciplina Síntese e Planejamento de Fármacos Curso de Farmácia Prof. Cleiton Diniz Barros 2011 Origem dos Fármacos Desde os tempos antigos, os povos do mundo tinham uma ampla

Leia mais

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde

ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União. Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Conselho Nacional de Saúde RESOLUÇÃO Nº 251, DE 07 DE AGOSTO DE 1997 Plenário do Conselho Nacional de Saúde

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 2º SEMESTRE OBRIGATÓRIAS MAT0143 QFL0406 TOTAL 28 4** 6º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS BMI0165 BMM0160 BMP0201

DISCIPLINA REQUISITO 2º SEMESTRE OBRIGATÓRIAS MAT0143 QFL0406 TOTAL 28 4** 6º SEMESTRE - OBRIGATÓRIAS BMI0165 BMM0160 BMP0201 SCIPLINAS SCIPLINA 2º SEMESTRE OBRIGATÓS INCAÇÃO BIO0228 Genética Humana --- BMC0116 Biologia Celular e Tecidual I --- INTEGRAL QBQ0215 Bioquímica: Estrutura de Biomoléculas e Metabolismo --- QBQ0316 12

Leia mais

DISCIPLINA REQUISITO 2º SEMESTRE OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINA REQUISITO 2º SEMESTRE OBRIGATÓRIAS SCIPLINAS SCIPLINA 2º SEMESTRE OBRIGATÓS INCAÇÃO INTEGRAL BIO0228 Genética Humana --- --- 02 30 2ªf 10 às 12 h BMC0116 Biologia Celular e Tecidual I --- --- 02 30 2ªf 08 às 10 h QBQ0215 Bioquímica: Estrutura

Leia mais

HORARIOS E LOCAIS DAS AULAS DO CURSO DE FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PARA O 1º SEMESTRE DE 2016

HORARIOS E LOCAIS DAS AULAS DO CURSO DE FARMÁCIA-BIOQUÍMICA PARA O 1º SEMESTRE DE 2016 08INTEGRAL 1º SEMESTRE 2ª 0900113 Biossegurança e Primeiros Socorros - Sala de Aula do QFL0137 Química Geral IQ - Laborátorio / Bl. 01 inf. 3ª 4ª 5ª 6ª QFL0137 Química Geral IQ -774 / Bloco 07 sup 0900100

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Química Farmacêutica Curso: Farmácia Termo: 5 Carga Horária Semanal (h/a):4:30 Carga Horária Semestral (h/a): 75 Teórica: 1:30 Prática: 3 Total:

Leia mais

Art. 1º Publicar proposta de Norma para Estudo da Toxicidade e da Eficácia de Produtos Fitoterápicos (Anexos I e II)

Art. 1º Publicar proposta de Norma para Estudo da Toxicidade e da Eficácia de Produtos Fitoterápicos (Anexos I e II) Portaria nº 116/MS/SNVS, de 8 de agosto de 1996 DOU DE 12/08/96 O Secretário de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto na Portaria nº 6,

Leia mais

MANUAL DO PARTICIPANTE DE PESQUISA CLÍNICA

MANUAL DO PARTICIPANTE DE PESQUISA CLÍNICA Educação ao Paciente e Família MANUAL DO PARTICIPANTE DE PESQUISA CLÍNICA OBJETIVO Este manual tem como objetivo oferecer ao participante de pesquisas clínicas informações sobre os estudos desenvolvidos,

Leia mais

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer

Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Debater o uso da fosfoetanolamina sintética para o tratamento do câncer Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família Meiruze Sousa Freitas Superintendente de Medicamentos e Produtos Biológicos

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 9 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO COLIVET 2 000 000 UI/ml, concentrado para solução oral para suínos e aves. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 33 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Alergia e Imunologia Respirador oral Uso racional dos medicamentos Sociedade de Pediatria

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Descreve a história da vida na Terra Investiga os processos responsáveis por essa história

Descreve a história da vida na Terra Investiga os processos responsáveis por essa história Aula 1 Evolução Biologia Evolutiva x Evolução Biológica O termo Evolução biológica refere-se ao processo de modificação e surgimento das espécies na Terra Biologia Evolutiva refere-se à disciplina que

Leia mais

Entendendo um pouco mais sobre a ULTRADILUIÇÃO. Medicamento Homeopático

Entendendo um pouco mais sobre a ULTRADILUIÇÃO. Medicamento Homeopático Entendendo um pouco mais sobre a ULTRADILUIÇÃO Medicamento Homeopático Haydée M. Moreira Cleber Torres Renata Trinca Carolina Maruyama A maioria dos tratamentos homeopáticos utiliza medicamentos altamente

Leia mais

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações WORKSHOP SOBRE ANTIOXIDANTES ILSI BRASIL Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações Ana Paula de R. Peretti Giometti GPESP / GGALI / ANVISA São Paulo,

Leia mais

tudo sobre MEDICAMENTOS O que é um medicamento? Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 1

tudo sobre MEDICAMENTOS O que é um medicamento? Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 1 tudo sobre MEDICAMENTOS Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 1 O que é um medicamento? 1. O que é um medicamento? É fato que desde a pré-história o homem já fazia uso de recursos da

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

Diagnóstico das Matrizes Curriculares das Faculdades de Farmácia do Estado de São Paulo Realizado em 31/05/2007

Diagnóstico das Matrizes Curriculares das Faculdades de Farmácia do Estado de São Paulo Realizado em 31/05/2007 1 Diagnóstico das Matrizes Curriculares das Faculdades de Farmácia do Estado de São Paulo Realizado em 31/5/27 A formação acadêmica do farmacêutico mudou, desde fevereiro de 22, quando foram aprovadas

Leia mais

Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia

Aula 01. Conceitos Básicos de Farmacologia Aula 01 Conceitos Básicos de Farmacologia Vocês sabem definir Farmacologia? Podemos definir a Farmacologia como ciência que estuda a ação das substancias químicas, estruturalmente definidas e denominadas

Leia mais

C.C.B.S. CURSO: FARMÁCIA HORÁRIOS DO 2º SEM/2017 COMPONENTES OFERTADOS NA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL TURMA ESPECIAL FARMÁCIA - INTEGRAL

C.C.B.S. CURSO: FARMÁCIA HORÁRIOS DO 2º SEM/2017 COMPONENTES OFERTADOS NA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL TURMA ESPECIAL FARMÁCIA - INTEGRAL COMPONENTES OFERTADOS NA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Componente nome do componente c.h. total teoria prática etapa 2ªfeira 3ªfeira 4ªfeira 5ªfeira 6ªfeira Sábado Agrupador ENEC00270 BIOLOGIA CELULAR E TECIDUAL

Leia mais

Mecanismo de ação dos Fármacos D O S E R E S P O S T A

Mecanismo de ação dos Fármacos D O S E R E S P O S T A Mecanismo de ação dos Fármacos D O S E R E S P O S T A Farmacodinâmica ármacos interagem com sistemas biológicos umentam ou diminuem funções fisiológicas Têm efeito direto/indireto sobre o sistema. Modulam

Leia mais

IntroduçãoàPesquisaClínica. Prof. Dr Roberto Hegg

IntroduçãoàPesquisaClínica. Prof. Dr Roberto Hegg IntroduçãoàPesquisaClínica Prof. Dr Roberto Hegg Declaração sobre Potenciais Conflitos de Interesse Declaração sobre Potenciais Conflitos de Interesse De acordo com a Resolução 1931/2009 do Conselho Federal

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DA TOXICOLOGIA ENTRE ACADÊMICOS DE FARMÁCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR

AVALIAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DA TOXICOLOGIA ENTRE ACADÊMICOS DE FARMÁCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR AVALIAÇÃO SOBRE O CONHECIMENTO DA TOXICOLOGIA ENTRE ACADÊMICOS DE FARMÁCIA EM UMA INSTITUIÇÃO DE NÍVEL SUPERIOR Nomário Pedrosa Lacerda Jennifer de Morais Alves Luana Martins de Sousa Hemerson Iury Ferreira

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico

atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA Prof. Dr. Luis Antonio Cezar Junior Farmacêutico Bioquímico atendente de FARMÁCIA ORIGEM E EVOLUÇÃO DA FARMÁCIA Introdução Introdução O documento farmacêutico mais antigo é uma tábua

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Farmácia Campus: Campos dos Goytacazes Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos com visão generalista e humanista capazes de exercer atividades

Leia mais

Princípio da Interação Fármaco-Receptor

Princípio da Interação Fármaco-Receptor Descrição Quantitativa do Efeito de um Fármaco Como explicar a observação empírica de quanto maior a dose, maior o efeito observado? Compreender e quantificar os efeitos produzidos pelos fármacos 1) Lei

Leia mais

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013

PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 PLANILHA GERAL - BASES BIOLÓGICAS DA PRÁTICA MÉDICA IV 1º 2013 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo 08:00 Tiago 104 D Principais neoplasias ginecológicas e lesões precursoras SEGUNDA 6/5/2013 08:50

Leia mais

A QUÍMICA NOS MEDICAMENTOS

A QUÍMICA NOS MEDICAMENTOS Físico Química NOME: Henrique Soares Domingues Nº:16 TURMA:C ANO:7º INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 BREVE HISTÓRIA DOS MEDICAMENTOS... 4 O QUE SÃO OS MEDICAMENTOS... 5 TIPOS DE MEDICAMENTOS... 7 CUIDADOS A TER

Leia mais

Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram

Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram ( ) Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação

Leia mais

ALESSANDRA NEPOMUCENO BARBOSA GPBEN/GGMED/ANVISA

ALESSANDRA NEPOMUCENO BARBOSA GPBEN/GGMED/ANVISA ALESSANDRA NEPOMUCENO BARBOSA GPBEN/GGMED/ANVISA GPBEN (Dr. Granville Garcia de Oliveira) COMSI (Balbiana V. S. Oliveira) CEPEC (Jorge Samahá) CPBIH (Monique M. P. Gama) AUTORIZAÇÃO ACESSO EXPANDIDO &

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMÁCIA Disciplina:Toxicologia Professor(es): Maria de Fatima M. Pedrozo Núcleo Temático: Análises Clínicas DRT: 113037-5 Código da

Leia mais

esclarecimento sobre reacções adversas INFARMED, I.P.

esclarecimento sobre reacções adversas INFARMED, I.P. Balanço o da vacinação e esclarecimento sobre reacções adversas INFARMED, I.P. 26 de Novembro de 2008 O Problema Qualquer fármaco, por muito triviais que sejam as suas acções terapêuticas, tem a potencialidade

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS

FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS ENTENDA MANUAL COMO E POR QUE. RELATAR EventoS AdversoS FARMACOVIGILÂNCIA A QUALIDADE FQM EM SUAS MÃOS MANUAL ENTENDA COMO E POR QUE RELATAR EventoS AdversoS Apresentação O desastre da Talidomida no final da década de 50 foi um marco mundial na história da

Leia mais

Comprimido revestido. Valdispert 450 mg são comprimidos revestidos brancos, redondos, brilhantes e biconvexos.

Comprimido revestido. Valdispert 450 mg são comprimidos revestidos brancos, redondos, brilhantes e biconvexos. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Valdispert 450 mg comprimidos revestidos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido revestido contém: 450 mg de extrato (como

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Da natureza e finalidade Art. 1º - A Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT) é instância de caráter consultivo e deliberativo da Direção Médica

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 260/2008 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Farmácia O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA da UNIVERSIDADE

Leia mais

Alimentos com alegação de propriedades funcionais aprovados pela legislação brasileira

Alimentos com alegação de propriedades funcionais aprovados pela legislação brasileira UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CCBS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN Alimentos com alegação de propriedades funcionais

Leia mais

HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada

HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada FARMACOTÉCNICA AULA 1 PROF: ERIKA LIZ HISTÓRIA DA FARMACOTÉCNICA grego phárn, que tanto pode significar veneno/remédio.. substância química conhecida e de estrutura química definida dotada de propriedade

Leia mais

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia.

PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia. PROF.: FERNANDA BRITO Disciplina Farmacologia fernandabrito@vm.uff.br Pharmakon FARMACOLOGIA Logos Ciência que estuda a ação dos compostos biologicamente ativos no organismos e areação do organismo a estes

Leia mais

Droga Medicamento Insumo Farmacêutico

Droga Medicamento Insumo Farmacêutico TAF Lei 5.991 de 1973 I - Droga - substância ou matéria-prima que tenha a finalidade medicamentosa ou sanitária; II - Medicamento - produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Diego Bruno Macedo ENFERMEIRO / PROFESSOR João Pessoa PB 2017 ASPECTOS GERAIS FARMACOLOGIA: Estudo dos efeitos das substâncias químicas sobre a função dos sistemas

Leia mais

Estágio em Farmácia Hospitalar e Farmácia Comunitária FORMULÁRIO DE ACTIVIDADES. Nome:

Estágio em Farmácia Hospitalar e Farmácia Comunitária FORMULÁRIO DE ACTIVIDADES. Nome: Nome: RELATIVAMENTE AOS SEGUINTES TÓPICOS, ASSINALE QUAL O SEU GRAU DE PARTICIPAÇÃO (podendo assinalar mais do que um, quando aplicável). FARMÁCIA HOSPITALAR Gestão e Organização dos Serviços Farmacêuticos

Leia mais

Estudos de bioequivalência de medicamentos que contém hormônios: planejamento e realização

Estudos de bioequivalência de medicamentos que contém hormônios: planejamento e realização Estudos de bioequivalência de medicamentos que contém hormônios: planejamento e realização Bioequivalência e Biodisponibilidade Bioequivalência é a comprovação que dois medicamentos são equivalentes farmacêuticos,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES CIM-RS Centro de Informações Sobre Medicamentos Faculdade de Farmácia/UFRGS Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul 10 anos RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 I Introdução Em 2010, o CIM-RS atendeu

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA

ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM FARMÁCIA CLÍNICA Especialização Lato Sensu em Farmácia Clínica 1.1 Área do Conhecimento: Ciências da Saúde Grande área: Farmácia Subárea: Farmácia Clínica 1.2 Unidade Responsável:

Leia mais

ABCD FARMACOVIGILÂNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA. Dr. Marco Antonio Marchese 27 de novembro de 2008

ABCD FARMACOVIGILÂNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA. Dr. Marco Antonio Marchese 27 de novembro de 2008 ABCD FARMACOVIGILÂNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Dr. Marco Antonio Marchese 27 de novembro de 2008 Indústria Farmacêutica 1 FARMACOVIGILÂNCIA PASSADO FOCO NA EFICÁCIA DOS MEDICAMENTOS

Leia mais

PRINCÍPIOS PIOS E DIRETRIZES DAS

PRINCÍPIOS PIOS E DIRETRIZES DAS PRINCÍPIOS PIOS E DIRETRIZES DAS BOAS PRÁTICAS CLÍNICAS Dra. Márcia M Pahl Roche ÉTICA E PESQUISA CLÍNICA Ética Bioética Grandes Avanços Tecnológicos Dilemas Éticos PRINCÍPIOS ÉTICOS 1. Autonomia 2. Beneficência

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Farmácia Campus: Petrópolis Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1 Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira INTRODUÇÃO É uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem. Qualquer erro,

Leia mais

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento

F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA. F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor. Titulação: Aprimoramento F - ÁREA PROFISSIONAL FARMÁCIA F 17 - FARMÁCIA HOSPITALAR E CLÍNICA - InCor Titulação: Aprimoramento Supervisor: Dra Ana Carolina Colmanetti Nogueira Garcia Características: (duração 12 meses) Dirigido

Leia mais

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Patrícia Ferrari Andreotti Coordenação de Pesquisa Clínica em Medicamentos e Produtos Biológicos - COPEC Superintendência

Leia mais

19/01/2011. Bases Farmacológicas. Agenda. Agenda. Curso de Formação Jan, Marcio Toledo FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA

19/01/2011. Bases Farmacológicas. Agenda. Agenda. Curso de Formação Jan, Marcio Toledo FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA Bases Farmacológicas Marcio Toledo Curso de Formação Jan, 2011 Agenda FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA 2 Agenda FARMACOLOGIA MEDICAMENTOS FARMACOCINÉTICA FARMACODINÂMICA 3 1 Farmacologia

Leia mais

Fitoterapia. Curso de Pós-Graduação 2017

Fitoterapia. Curso de Pós-Graduação 2017 Fitoterapia Curso de Pós-Graduação 2017 Docentes Dr. Me. Danilo Maciel Carneiro Mestrado em Ciências da Saúde e Doutorando em Ciências da Saúde na Faculdade de Medicina. Especialização em Homeopatia e

Leia mais

Farmacodinamia. Estudo dos mecanismos de acção e efeitos dos fármacos

Farmacodinamia. Estudo dos mecanismos de acção e efeitos dos fármacos Sumário Farmacodinamia. Conceito de receptor. Afinidade e eficácia; constantes de afinidade. Tipos e subtipos de receptores. Mecanismos transductores / efectores; família da proteína G, receptores ligados

Leia mais

BUSCA POR INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS NA BASE DE DADOS MICROMEDEX

BUSCA POR INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS NA BASE DE DADOS MICROMEDEX BUSCA POR INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS NA BASE DE DADOS MICROMEDEX I. ACESSO À BASE MICROMEDEX 1. A base de dados Micromedex pode ser acessada via Portal de Periódicos CAPES, inserindo o termo Micromedex

Leia mais

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática

DRT: Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Unidade Universitária: :CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso:FARMACIA Disciplina:TOXICOLOGIA Professor(es):MARIA DE FATIMA M. PEDROZO Carga horária:02 teoricas e 02 prática Ementa: DRT: 113037-5

Leia mais

SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas e dá outras providências. Autor: Senado Federal O Congresso Nacional decreta: Capítulo I DISPOSIÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 I Introdução No ano de 2009, o CIM-RS atendeu a 613 consultas formuladas por profissionais da saúde, realizou atividades de ensino e extensão, apresentou trabalhos em congressos

Leia mais

LISTA DE TABELAS E FIGURAS

LISTA DE TABELAS E FIGURAS LISTA DE TABELAS E FIGURAS FIGURAS: Introdução Figura I 1 Organigrama de actividade farmacêutica na monitorização do uso de medicamentos. 28 Figura I 2 Multiplicidade de factores que condicionam a disposição

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas:

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Molaxole pó para solução oral 2. COMPOSICÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: Macrogol

Leia mais

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016

RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 ANVISA Site Anvisa: http://portal.anvisa.gov.br/documents/10181/2921766/r DC_98_2016.pdf/32ea4e54-c0ab-459d-903d- 8f8a88192412 Apresentação: Andressa Daron Giordani Conceito

Leia mais

FITOTERAPIA NA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL

FITOTERAPIA NA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL FITOTERAPIA NA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL Roseli Turcatel Motter Centro Popular de Saúde Yanten Rua Maranhão, 1300 Caixa Postal 1005 Tel/fax: (45) 3264-2806 yanten@arnet.com.br CEP: 85.884-000 Medianeira

Leia mais

Relatório de Busca por Título

Relatório de Busca por Título Data: Hora: 11/03/2014 14:36:29 Relatório de Busca por Título Titulos Código Tipo Consultor de produtos farmacêuticos 3541-50 Engenheiro químico (produtos farmacêuticos) Farmacêutico Farmacêutico acupunturista

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Autorizada pelo Decreto Federal N o 77.496 de 7/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial N o 874/86 de 9//86 PLANO DE ENSINO Semestre: 0 IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DISCIPLINA PRÉ-REQUISITOS SAU 966 Farmacologia

Leia mais

HORÁRIOS DO CURSO DE "FARMÁCIA" /1- CAMPUS ZONA SUL

HORÁRIOS DO CURSO DE FARMÁCIA /1- CAMPUS ZONA SUL HORÁRIOS DO CURSO DE "FARMÁCIA" - 2015/1- CAMPUS ZONA SUL 01/04/2014 1º SEMESTRE Turma PMA - 1º SEMESTRE Currículo 3 Morfologia Humana Princípios Farmacêuticos Comunicação e Expressão Morfologia Humana

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para o enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição e o reenquadramento como medicamentos

Leia mais

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico

Da Administração Oral. Ao Efeito Terapêutico Medicamento Da Administração Oral Administração Ao Efeito Terapêutico Desintegração Desagregação Dissolução ETAPA BIOFARMACÊUTICA Fármaco em solução Absorção Distribuição Eliminação FARMACOCINÉTICA Fármaco

Leia mais

Profissional Farmacêutico

Profissional Farmacêutico 1 Profissional Farmacêutico Decreto nº 20.377 de 08/09/1931: Aprova a regulamentação do exercício da profissão farmacêutica no Brasil. Lei nº 3820 d2 11/11/1960: Cria o Conselho Federal e os Conselhos

Leia mais

; Assunto:

;  Assunto: Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 6 de Outubro de 2009 12:35 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joao.tedim@sensocomum.pt; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt

Leia mais

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições.

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Venosmil 200 mg cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Composição por cápsula: Substância ativa: Cada cápsula contém 200 mg de

Leia mais

Medicamentos e Assistência Farmacêutica no Brasil: Problemas, Necessidades, Estratégias e Perspectivas

Medicamentos e Assistência Farmacêutica no Brasil: Problemas, Necessidades, Estratégias e Perspectivas Medicamentos e Assistência Farmacêutica no Brasil: Problemas, Necessidades, Estratégias e Perspectivas Odorico de Moraes Unidade de Farmacologia Clínica - UNIFAC Departamento de Fisiologia e Farmacologia

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Excipientes: cada comprimido contém 268,36 mg de sacarose e 102,99 mg de glucose.

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Excipientes: cada comprimido contém 268,36 mg de sacarose e 102,99 mg de glucose. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Xonkor 450 mg Comprimidos revestidos 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada comprimido revestido contém 450 mg de extracto (sob a

Leia mais

CURSO: FARMÁCIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: FARMÁCIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: FARMÁCIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: ANATOMIA DO SISTEMA LOCOMOTOR Terminologia Anatômica. Sistema Esquelético. Sistema Articular. Sistema Muscular. DISCIPLINA: SISTEMAS BIOLÓGICOS I

Leia mais

Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas. Prof. Dr. Fábio Kummrow

Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas. Prof. Dr. Fábio Kummrow Toxicologia Ambiental: um olhar para as áreas contaminadas Prof. Dr. Fábio Kummrow fkummrow@unifesp.br 20/01/2017 Definição de área contaminada (CETESB): Uma área contaminada pode ser definida como uma

Leia mais